Desempenho- Características operacionais relacionadas com as funções fundamentais do produto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desempenho- Características operacionais relacionadas com as funções fundamentais do produto"

Transcrição

1 40. Qualidade de Software: Manifestações aos Olhos dos Clientes Muito se tem falado sobre qualidade de software. Muitos artigos e livros falam sobre ela, sobre a necessidade de melhorá-la e sugerem planos de ação para produzi-la e avaliá-la. Entretanto, aparentemente, há muita discussão e discórdia sobre o conceito de qualidade e, por isso, muitos planos não proporcionam os resultados desejados. As pessoas se defrontam com dificuldades ao discutirem o tema e como atacar o problema do ponto de vista prático. A pedra de toque para dirimir as controvérsias é compreender que software (ou sistema), como qualquer produto, é feito para ser utilizado por alguém que espera que algum valor lhe seja agregado. Entender o conceito de qualidade sob a abordagem de sua manifestação aos olhos dos clientes e aplicá-lo ao desenvolvimento pode ser um caminho para aumentar a satisfação das pessoas que usam o software. Pela análise dos conceitos emitidos pelos mestres da qualidade, concluímos que, para todos eles, ela é a capacidade de um artefato, tangível ou não, de atender ou satisfazer um conjunto de requisitos ou expectativas do cliente (o usuário de um software é cliente). Assim, devemos pensar, entender e praticar qualidade, sempre com foco no cliente, pautando nossas ações pelos seus requerimentos. Isso é válido também para o software que é produzido para atender a necessidades de um cliente ou classe de clientes. É o cliente que determina a qualidade que quer e que pode pagar. Ele especifica os requisitos e julga os resultados do nosso trabalho. O nosso cliente, conhecido como usuário e tido por muitos como um mal necessário, quer coisas como tempo de resposta curto, resultados corretos, facilidade de aprender e usar, manutenção rápida, preço baixo, prazo curto, facilidades de correção de erros, controle sobre o sistema, ajudas eficazes e aumento de produtividade no seu trabalho, entre outros requisitos. Nosso cliente quer ver e sentir tais características ou dimensões nos softwares que nós lhe entregamos. A qualidade depende dos requisitos dos clientes que o artefato atende e de como os atende. Assim, um software precisa apresentar adequação ao cliente e às suas tarefas, custo aceitável, consistência de comportamento, compatibilidade com a experiência e conhecimentos do cliente e conformidade às especificações. Portanto, qualidade é um conceito relativo e multidimensional e se manifesta através de características presentes nos produtos. Os requisitos e expectativas dos clientes podem ser agrupados e analisados sob um nível de abstração mais elevado, constituindo tais grupos dimensões da qualidade. Garvin (1987), para quem a qualidade deve ser avaliada segundo suas manifestações aos olhos dos clientes, identificou, para produtos tangíveis, oito dimensões da qualidade (Tabela 1). Tabela 1 Dimensões da qualidade Desempenho- Características operacionais relacionadas com as funções fundamentais do produto Atributos- Características que suplementam seu funcionamento básico Confiabilidade- Probabilidade de um produto funcionar mal ou falhar em um período de tempo especificado Conformidade- Grau de aderência do projeto e suas características operacionais aos padrões estabelecidos Durabilidade- A quantidade de tempo durante o qual um produto pode ser usado antes de tornar-se inoperante ou inadequado às necessidades Atendimento- Velocidade, cortesia, competência e facilidade de manutenção

2 Estética- Subjetividade quanto à aparência, sons, sabor, odor, impressão, cores, pressentimento, sensação, etc. Demonstração Imagem produzida pela reputação do produtor e inferências obtidas de vários aspectos tangíveis e intangíveis do produto Com certeza é, do ponto de vista prático, impossível obter alto nível de qualidade em todas as dimensões. A qualidade pode, então, ser entendida como um compromisso entre as dimensões, decorrente das restrições tecnológicas, custos e requisitos dos clientes. Cabe ao produtor averiguar quais dimensões afetam, de modo mais significativo, a percepção do cliente e traduzi-las (aqui vale a utilização do QFD Quality Function Deployment) em termos de especificações de projeto. O compromisso é sentido na prática, pois tanto produtos tangíveis e intangíveis quanto software raramente proporcionam satisfação integral. Sempre há, pelo menos, um requisito total ou parcialmente não atendido. McCall (ver Perry, 1982, e Pressman, 1992), a partir de estudos sobre os requisitos dos clientes, obtidos em diversas pesquisas, estabeleceu 11 fatores da qualidade para software (Tabela 2). Tabela 2 Fatores da qualidade Manutenibilidade-Esforço requerido para localizar e corrigir defeitos em um programa Flexibilidade-Esforço requerido para modificar um programa operacional Testabilidade- Esforço requerido para testar um software a fim de assegurar que ele execute as funções para as quais foi construído Portabilidade- Esforço requerido para transferir um software de um ambiente hardware/software para outro Reusabilidade- A extensão em que um software ou partes dele podem ser reutilizados relacionados ao empacotamento e escopo das funções executadas Interoperabilidade-Esforço requerido para acoplar um software a outro Correção-A extensão em que um programa satisfaz as especificações, os objetivos e missão estabelecidos pelo usuário Confiabilidade A probabilidade de um software funcionar sem falhas graves por um determinado período. Eficiência-Quantidade de recursos/código requeridos por um software para executar sua missão Integridade - Proteção oferecida quanto a acessos indevidos Usabilidade -Esforço requerido para aprender a usar o software, operá-lo, preparar as entradas e interpretar as saídas Pela definição de cada um, percebe-se que eles guardam estreita relação com as dimensões identificadas por Garvin para produtos tangíveis.

3 A HP (Grady & Caswell, 1987), no seu processo de melhoria da qualidade de software, desenvolveu o modelo FURPS (Functionality, Usability, Reliability, Performance and Supportability), que representa as dimensões mais relevantes para seus clientes (Tabela 3). Novamente, temos a necessidade de estabelecer compromissos, pois a melhoria da qualidade em uma das dimensões significará piora ou estagnação em outra ou outras. Em cada caso, o que o cliente prioriza? A resposta dará direção aos projetos e planos. Tabela 3 FURPS Funcionalidade -Funções executadas pelo software, segurança do sistema Usabilidade- Fatores humanos, estética, consistência e documentação Confiabilidade Freqüência e severidade das falhas, capacidade de recuperação, acurácia dos resultados, tempo médio entre falhas e previsibilidade Desempenho -Velocidade de processamento, tempo de resposta, consumo de recursos, eficiência e desempenho global Atendimento - Testabilidade, flexibilidade, manutenibilidade, facilidade de instalação Nielsen (1995) também discute a qualidade sob a abordagem de dimensões, mas enfatiza a usabilidade. Essa é parte da usefulness, que se refere à capacidade do software de atingir o objetivo desejado. Essa dimensão é subdividida em duas: utility (utilidade agregação de valor) e usability (usabilidade). Esta última se refere à possibilidade e facilidade de uso de um sistema. A propósito, é conveniente lembrar que, conforme Aristóteles, o objetivo final de qualquer coisa é a função para a qual foi construída. Essa dimensão merece destaque. Nielsen escreveu um livro a ela dedicado. Os sistemas com que nos deparamos nos dias atuais são diferentes dos produzidos nas décadas de 70 ou mesmo 80. A complexidade é maior e, na maioria, são sistemas interativos, com foco na comunicação com o usuário, o que exige maior atenção e esforço para conceber e implementar a interface. Aproximadamente 80 por cento do código está relacionado à interface, que para muitos usuários é o sistema, e destinado a implementar características, tais como facilidade de aprender, utilizar e memorizar, compatibilidade, confiabilidade e utilidade, respeitando, dentro das limitações da tecnologia, os objetivos, representações e conhecimentos dos clientes a que se destinam. Essa dimensão, que reputo a mais complexa de se obter, inclui a adequação do software às tarefas das pessoas, a interface (gráfica ou não) e a forma de usá-la, os procedimentos de instalação, entre outras características. É através da interface que o cliente sente e percebe o sistema. Talvez, para muitos deles, ela seja o sistema. O projeto dos elementos da interação e interface depende do conhecimento e consideração do conteúdo do trabalho e das características da tarefa. Assim, tratar a usabilidade corresponde a focalizar questões relativas a: conforto mental e físico do usuário, comportamento e estratégia de resolução de problemas, memorização, recordação, percepção e modelagem cognitiva, entre outros, tratados pela ergonomia, especialmente a ergonomia cognitiva. As dimensões tratadas anteriormente referem-se, na sua maioria, à qualidade in-trínseca dos produtos e serviços. Entretanto, quem desenvolve software, assim como quem produz bens e serviços, de uma forma geral, precisa criar vantagens através de seus processos de negócio. Slack (1993), tratando da vantagem competitiva em manufatura, diz que tal vantagem significa fazer melhor. Fazer melhor é um conceito que traz, no seu bojo, algumas dimensões da qualidade que são muito apreciadas pelos clientes e se relacionam diretamente a questões crônicas do desenvolvimento de software, quais sejam, prazo e orçamento dos projetos (Tabela 4). Essas

4 dimensões devem ser consideradas no estabelecimento ou escolha da metodologia de desenvolvimento, das técnicas (estruturada, OO, etc.) e do processo de gestão da produção de software. Especificamente, a dimensão velocidade sugere reusabilidade, que não é privilégio da orientação a objetos. Tabela 4 Dimensões para competitividade Velocidade - Reduzir o espaço de tempo entre o início do processo de desenvolvimento e a entrega do software Pontualidade- Manter a promessa de prazo de implantação. Ter condições de estimar prazos de projeto com acuidade ou condições de aceitar prazos solicitados pelos clientes. Flexibilidade - Variar e adaptar métodos e técnicas em função da alteração das necessidades dos clientes Custo- Utilizar recursos pouco onerosos e ter processos e técnicas eficientes Competência -Demonstrar, através de aspectos tangíveis, a capacidade de atender às necessidades dos clientes Até aqui, vimos as posições de cinco autores, um dos quais é usuário de informática. Podemos transpor os modelos da qualidade, utilizados na fabricação de produtos tangíveis, para o desenvolvimento de software? O que viemos discutindo a propósito das variadas visões dos autores citados sugere que a visão de dimensões, empregada para produtos tangíveis, pode ser aplicada a software. De uma forma geral, somente os termos e a ordenação são diferentes. O racional por traz de cada dimensão ou fator é basicamente o mesmo. Por outro lado, o software também deve apresentar características que manifestem a qualidade aos olhos dos clientes. Assim, criar um software com o nível adequado de qualidade significa criar um produto com as características que o cliente quer e que as exiba, formalmente, ao mesmo. Nossa sugestão é, então, que se trabalhe não com base em conceitos genéricos da qualidade, mas com base nas expectativas do cliente. A qualidade do software deve ser a que o cliente quer. Abordá-la sob essa óptica permite atuar de forma mais pragmática no desenvolvimento de sistemas, bem como tomar melhores decisões sobre os projetos e sobre competitividade. Isso nos leva a considerar válido propor que um software ou sistema com nível adequado de qualidade seja conceituado como aquele que satisfaz a classe de usuários a que se destina, no que se refere às dimensões tidas como relevantes pelos representantes daquela classe, consideradas as restrições tecnológicas, preço, custo e prazo de entrega. O processo de desenvolvimento deve, então, permitir construir software de tal sorte que o cliente veja as manifestações da qualidade que ele valoriza. O mesmo deve ocorrer em relação ao processo de desenvolvimento (metodologia), se queremos ser, realmente, competitivos. Uma justificativa mais pragmática para tanto é que, quando da aquisição ou encomenda de um software, o cliente, ou usuário, não pergunta qual o nível de qualidade do mesmo, mas questiona diversos aspectos relacionados com as dimensões, inclusive prazo e preço. Portanto, a abordagem das dimensões não só pode, como deve ser aplicada ao desenvolvimento de software. Decidir sobre a qualidade, com base nas dimensões que representam os requisitos e expectativas dos clientes, permite maior taxa de acertos na escolha de metodologias, técnicas e tecnologias a serem empregadas no desenvolvimento de sistemas, no estabelecimento de programas de qualidade e produtividade em software. Permite também, de forma mais pragmática, responder a questões como: Do que os meus clientes precisam? O que agrega valor para eles? Qual o meu produto ou serviço? O processo utilizado permite produzir o software que satisfaz os clientes? As

5 práticas atuais permitem satisfazer os clientes? Os métodos e técnicas de engenharia de software são suficientes? A usabilidade dos softwares é a que o cliente quer? Outra vantagem dessa abordagem é eliminar o desperdício de tempo e de outros recursos com discussões filosóficas e planos baseados em conceitos gerais, pois qualidade é um conceito relativo, que depende dos interesses e necessidades de quem a conceitua ou define. Além disso, as necessidades de cada cliente são diferentes e se modificam ao longo do tempo. Talvez seja necessária alguma personalização nas dimensões para cada situação prática. Entretanto, substituir um par de subdimensões não parece ser algo complexo, uma vez que os conceitos estão estabelecidos. Praticar a qualidade através dos processos e segundo suas manifestações aos olhos dos clientes propicia um melhor encaminhamento das ações e dos planos para melhorar a satisfação do cliente e para investir recursos financeiros, humanos e tecnológicos, de forma a obter melhor julgamento dos clientes, aderência aos objetivos e planos das empresas e, talvez, para garantir empregabilidade. Entretanto, resta ainda uma questão em aberto: a mensuração. Como saber se, realmente, o meu processo está criando, a cada passo, as dimensões que nossos clientes valorizam? Como medir a minha vantagem em relação ao meu concorrente? Referências bibliográficas Competing on the eight dimensions of quality. Harvard Business Review, 65, (6): 101-9, Nov./Dec., GARVIN, D. A. What does Product Quality really mean? Sloan Management Review, 25 (1): 25-43, GRADY, R. B. & CASWELL, D. L. Software metrics: establishing a company-wide program. Englewood Cliffs, Prentice-Hall, NIELSEN, J. Usability engineering. Boston, AP Professional, PERRY, W. E. Effective methods of EDP quality assurance. Wellesley, QED, PRESSMAN, R. S. Software engineering: a practitioner s approach. 3 ed. New York, McGraw-Hill, SLACK, N. Vantagem competitiva em manufatura. São Paulo, Atlas, Autor: Luís Alves da Silva Biografia: é mestre em Engenharia de Produção pela EP-USP, graduado em Administração de Empresas e em Ciências Contábeis pela FEAC-USP, Professor de Auditoria de Sistemas na FASP (Faculdades Associadas de São Paulo) e Analista Consultor da GSI Serviços de Informática Ltda. (uma empresa IBM).

Qualidade de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás

Qualidade de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás Prof.: Ivon Rodrigues Canedo PUC Goiás Qualidade Subjetiva Não sei o que é mas reconheço quando a vejo Qualidade Baseada no Produto O produto possui algo que produtos similares não têm Qualidade Baseada

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Produto de Software Qualidade de Software Um produto de software compreende os programas e procedimentos de computador e a documentação e dados associados, que foram projetados para serem liberados para

Leia mais

Atividade da gerência da qualidade

Atividade da gerência da qualidade O que é qualidade de software? Qualidade, de forma simplista, significa que o produto deve esta de acordo com a especificação. Problemas: Tensão entre requisitos do cliente: Eficiência, confiança, etc.

Leia mais

Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Abordagens da Qualidade Garvin, (1992) mostrou que a qualidade sofre modificações Em função da sua organização e abrangência, sistematizou

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Departamento de Informática Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Laboratório de Desenvolvimento Distribuído de Software Estágio de Docência http://www.din.uem.br/~pg45640/ Qualidade de Software

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA?

A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA? A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA? ADEMILSON ANGELO CABRAL Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas DIEGO BEZERRA DA SILVA Discente da AEMS Faculdades

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

IC-UNICAMP IC-UNICAMP

IC-UNICAMP IC-UNICAMP Capítulo 3: Qualidade de Produto e a ISO 9126 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6:

Leia mais

Qualidade e Teste de Software. QTS - Norma ISO 9001-9126(NBR13596) 1

Qualidade e Teste de Software. QTS - Norma ISO 9001-9126(NBR13596) 1 Qualidade e Teste de Software 2010 1 ISO A ISO ( International Organization for Standardization) nasceu de uma conferência em Londres, em Outubro de 1946. O evento contou com a Participação de 65 delegados

Leia mais

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas?

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Fábio Martinho. obtido [on-line] na URL http://www.testexpert.com.br/?q=node/669, em 11/03/2008. Segundo a NBR

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Leia mais

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação Laboratório de Tecnologia de Software LTS Qualidade de Produto Cláudio Martins claudiomartins2000@gmail.com www.ufpa.br/redetic

Leia mais

Engenharia de Software Software Requirements

Engenharia de Software Software Requirements Requisitos Engenharia de Software Software Requirements SWEBOK, Capítulo 2 Primeira Classificação de Requisito 1. Requisito do usuário: declarações sobre as funções que o sistema deve oferecer 2. Requisito

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Prof. Esp. Anderson Barbosa

Prof. Esp. Anderson Barbosa Prof. Esp. Anderson Barbosa Entregar o produto final dentro das expectativas de qualidade dos usuários; Dentro do prazo e custo do projeto; Dentro dos níveis de erros esperados; Atender aos requisitos

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade Garantia de Qualidade Qualidade do processo Qualidade do produto Testes Estáticos Testes Dinâmicos Qualidade do produto

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT Jaqueline Rissá Franco email: jaquerifr@gmail.com Karla Marturelli Mattos Luciano Mathias Doll João Almeida Resumo: Este artigo mostra novas abordagens na

Leia mais

QUALIDADE DO SOFTWARE (PRODUTO)

QUALIDADE DO SOFTWARE (PRODUTO) QUALIDADE DO SOFTWARE (PRODUTO) Baseado no material do prof. Mario Lúcio Cortes http://www.ic.unicamp.br/~cortes/mc726/ 1 1. Introdução No início qualidade = funcionalidade capacidade de substituir o hardware

Leia mais

Gestão da Qualidade. O que é Modelo de Gestão? 10/11/2008

Gestão da Qualidade. O que é Modelo de Gestão? 10/11/2008 Gestão da Qualidade O que é Modelo de Gestão Todas as organizações tem seu modelo de gestão, normalmente derivado dos conhecimentos e experiências de sua equipe dirigente. Dificilmente esses modelos de

Leia mais

Avaliação de Interfaces

Avaliação de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Avaliação de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces: Ambiente Web

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas Fátima Cesarino CAIXA Apresentação Diferentes Cenários Desenvolvimento Software Importância do SISP Agradecimento Oportunidade Responsabilidade

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Sobre a Prime Control

Sobre a Prime Control Sobre a Prime Control A Prime Control é um Centro de Excelência em Qualidade de Software. Nossa missão é desenvolver, aperfeiçoar e realizar serviços de testes de software inovadores que agregam valor

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Engenharia Nesta seção você encontra artigos voltados para testes, processo, modelos, documentação, entre outros Qualidade de Software Desvendando um requisito essencial no processo de desenvolvimento

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Modelagem de Software

Modelagem de Software Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação CPCX Modelagem de Software Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente cedidos por Profa. Dra. Maria Istela Cagnin Machado UFMS/FACOM

Leia mais

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software Documento Visão e Documento Suplementar Gerenciador de Log Documento Visão Versão 2.0 1 Índice 1. Histórico de Revisões...3 2. Objetivo do Documento...4 3. Sobre o Problema...4 4. Sobre o produto...4 4.1.

Leia mais

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral Tópicos 2 3 Engenharia de Software: Uma Visão Geral SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 A importância do Software Software Aplicações

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE

NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE NORMAS ISO E SUA IMPORTÂNCIA NA PRODUÇÃO DE SOFTWARE Marina Benedetti Preto¹ RESUMO Muito se fala sobre a qualidade de software, mas sem sempre se tem uma verdadeira noção deste conceito. A qualidade possui

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

A função produção apresenta três papéis importantes para a estratégia empresarial:

A função produção apresenta três papéis importantes para a estratégia empresarial: FASCÍCULO 2 Papel estratégico e objetivo da produção Segundo Slack, para que se entenda a contribuição da função produção devese responder a duas questões: qual papel se espera que a produção desempenhe

Leia mais

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software SQFD Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução A necessidade de vantagem competitiva, tem levado as empresas de desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

Histórico de mercado. Gestão da Qualidade. Histórico de mercado. Histórico de mercado. Antes do século 20. Em 1916. Anos 40

Histórico de mercado. Gestão da Qualidade. Histórico de mercado. Histórico de mercado. Antes do século 20. Em 1916. Anos 40 Antes do século 20 Em 1916 Anos 40 Gestão da Qualidade Garantia de qualidade era de responsabilidade do artesão 1a. Utilização formal de garantia e controle da qualidade (laboratórios BELL 1o. gráfico

Leia mais

Conceitos de Qualidade em Software

Conceitos de Qualidade em Software Tema da Aula Conceitos de Qualidade em Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Qualidade Qualidade é um conceito subjetivo, que varia para cada local, época, tipo de produto e pessoa que

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Qualidade de Software. Aécio Costa

Qualidade de Software. Aécio Costa de Software Aécio Costa A Engenharia pode ser vista como uma confluência de práticas artesanais, comerciais e científicas [SHA90]. Software sem qualidade Projetos de software difíceis de planejar e controlar;

Leia mais

Visão Geral da Qualidade de Software

Visão Geral da Qualidade de Software Visão Geral da Qualidade de Software Glauber da Rocha Balthazar Faculdade Metodista Granbery (FMG) Bacharel em Sistemas de Informação Rua Batista de Oliveira, 1145-36010-532 - Juiz de Fora - MG glauber_rochab@yahoo.com.br

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

` Bacharelado em Ciências da Computação. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SITES ACADÊMICOS BASEADO NA NORMA NBR 13596 Trabalho de Conclusão de Curso

` Bacharelado em Ciências da Computação. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SITES ACADÊMICOS BASEADO NA NORMA NBR 13596 Trabalho de Conclusão de Curso ` Bacharelado em Ciências da Computação AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SITES ACADÊMICOS BASEADO NA NORMA NBR 13596 Trabalho de Conclusão de Curso Eliomar Russi Acadêmico 2002 / 2-16 Everaldo Artur Grahl Professor

Leia mais

Interação Humano-Computador: Conceitos Básicos INF 1403 Introdução a IHC Aula 03 19/02/2014 Conteúdo da Aula Interação, Interface e Affordance Critérios de qualidade de uso Usabilidade Experiência do Usuário

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

GERÊNCIA DE PROJETOS DE SOFTWARE: MEDIDAS DE QUALIDADE PARA AVALIAÇÃO DE SOFTWARE

GERÊNCIA DE PROJETOS DE SOFTWARE: MEDIDAS DE QUALIDADE PARA AVALIAÇÃO DE SOFTWARE GERÊNCIA DE PROJETOS DE SOFTWARE: MEDIDAS DE QUALIDADE PARA AVALIAÇÃO DE SOFTWARE Kedna Vieira Martins 1 Robson Seleme 2 RESUMO Este trabalho visa apresentar um estudo sobre como medir a qualidade de um

Leia mais

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos Prof. Ricardo J. Rabelo Conteúdo Introdução & Problemática

Leia mais

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia Introd. Engenharia de Produção 2007 Projeto de Engenharia Prof. João A. Camarotto Projeto de Engenharia Execução de um conjunto de ações de forma coordenada para realizar a construção, a fabricação, o

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

CCE 876 - Engenharia de Software. Introdução à Engenharia de Software

CCE 876 - Engenharia de Software. Introdução à Engenharia de Software CCE 876 - Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Objetivos Introduzir a Engenharia de Software e explicar sua importância. Introduzir os conceitos principais relacionados à Engenharia

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software O software é algo abstrato, pois são as instruções que quando executadas atingem o propósito desejado no sistema computacional. (Algoritmo). As principais características são: Complexidade:

Leia mais

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014 Tecnologia da Informac aõ como aliada PETRUS, Abril 2014 Evolução da TI 60 70 80 90 A Era do Processamento de Dados A Era dos Sistemas de Informações A Era da Inovação e Vantagem Competitiva A Era da Integração

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Verificação x validação Verificação prova que o produto vai ao encontro dos requerimentos especificados no desenvolvimento

Leia mais

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação.

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. SoftExpert PLM Suite é uma solução que oferece os requisitos e as habilidades necessárias que as empresas precisam para gerenciar com êxito

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Introdução Qualidade é um dos principais objetivos da Engenharia de Software. Muitos métodos, técnicas e ferramentas são desenvolvidas para apoiar a produção com qualidade. Tem-se

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Gerenciamento de Serviços de TIC ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Agenda O que é serviço de TIC? O que é Qualidade de Serviços de TIC? O que é Gerenciamento de Serviços de TIC? ISO IEC/20.000-2005 ITIL versão

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas Administração das Operações Produtivas MÓDULO 5: PAPEL ESTRATÉGICO E OBJETIVOS DA PRODUÇÃO Segundo Slack, para que se entenda a contribuição da função produção devese responder a duas questões: qual papel

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

O sucesso na Interaçao com o Conselho

O sucesso na Interaçao com o Conselho 24-09-2013 14:45 O sucesso na Interaçao com o Conselho Jose Francisco Moraes QAIP Team Leader IIA Brasil ESTOU PREPARADO PARA: SER PROMOVIDO? Promovido = dar publicidade a uma imagem pessoal desejada Foco

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

Fundamentos de Engenharia de Software. Josino Rodrigues (josinon@gmail.com)

Fundamentos de Engenharia de Software. Josino Rodrigues (josinon@gmail.com) Fundamentos de Engenharia de Software Josino Rodrigues (josinon@gmail.com) Apresentação Quem sou eu Quem são vocês? Qual seu nível de conhecimento associado a disciplina e quais suas expectativas? Objetivo

Leia mais