Dinâmica das relações de trabalho nas situações de crise (em torno da flexibilização das regras juslaborais) 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dinâmica das relações de trabalho nas situações de crise (em torno da flexibilização das regras juslaborais) 1"

Transcrição

1 1 Dinâmica das relações de trabalho nas situações de crise (em torno da flexibilização das regras juslaborais) 1 1. Ponto prévio: crise e Direito do Trabalho. «Dinâmica da relação de trabalho nas situações de crise». Eis o tema sobre o qual incidirá a minha intervenção neste colóquio. Permitam-me uma nota pessoal: confesso que não pude deixar de sorrir quando tomei conhecimento do tema que me pediram para abordar, fazendo dupla com o Prof. Doutor BERNARDO XAVIER. A razão é simples, conta-se em duas palavras: eu concluí a minha licenciatura em Direito, em Coimbra, no já remoto ano de 1986; fui, quase de imediato, contratado como assistente-estagiário pela FDUC; e uma das primeiras funções que tive foi a de prestar alguma colaboração na organização de uma importante iniciativa que iria decorrer em Coimbra, em Abril desse mesmo ano de 1986 as IV Jornadas Luso-Hispano-Brasileiras de Direito do Trabalho. Ora, acontece que um dos principais temas a que essas jornadas se dedicaram tinha por título, justamente, «O Direito do Trabalho na Crise». E o relatório nacional sobre esse tema foi apresentado, precisamente, por BERNARDO XAVIER. O tempo, inexorável, dita as suas leis. Quase sem nos apercebermos, decorreram já vinte e três anos sobre essas IV Jornadas Mas a crise, essa, nunca mais nos abandonou, ora na vertente de crise económica e de emprego, ora na vertente de crise do próprio Direito do Trabalho. A crise, dir-se-ia, instalou-se, veio para ficar. 1 Texto que serviu de base à comunicação proferida no Colóquio Anual sobre Direito do Trabalho, organizado pelo Supremo Tribunal de Justiça, em Lisboa, no dia 14 de Outubro de Aproveito o ensejo para agradecer o honroso convite que me foi endereçado para participar nesse colóquio, bem como a disponibilidade revelada pela Revista do Ministério Público para publicar o texto.

2 2 Vinte e três anos volvidos, e num colóquio dedicado ao impacto da crise nas relações de trabalho e no direito que as regula, creio que se justifica inteiramente revisitar o que então foi dito e aquilo que ficou escrito sobre o tema, em particular no relatório apresentado por BERNARDO XAVIER 2. E isto, por uma dupla razão: por um lado, porque tal nos permitirá registar, ainda que a traço grosso, a evolução do nosso direito laboral ao longo deste período; por outro lado, e num plano mais pessoal, esta é também uma forma de prestar pública homenagem a um dos grandes vultos do Direito do Trabalho pátrio mesmo quando, como tantas vezes sucede, as nossas opiniões não coincidem totalmente. 2. A flexibilização das regras juslaborais. Seja-me permitido começar por recordar algumas banalidades relativas ao «código genético» do Direito do Trabalho. É sabido que este ramo do ordenamento surgiu como um direito regulador de uma relação essencialmente conflitual e estruturalmente assimétrica, como um direito de tutela dos trabalhadores subordinados, como uma ordem normativa de compensação da debilidade fáctica destes face aos respectivos empregadores. Um direito que, enquanto tal, não confia nos automatismos do mercado nem na liberdade contratual. Aliás, nas palavras de ANTOINE LYON-CAEN, «o Direito do Trabalho nasceu contra o imperialismo do contrato» 3. Este é, pois, um direito cuja função originária consistia em limitar a concorrência entre os trabalhadores no mercado de trabalho, evitando 2 Publicado em Temas de Direito do Trabalho, Coimbra Editora, Coimbra, 1990, pp Com especial interesse, cfr. ainda, nessa mesma obra, o relatório geral apresentado sobre o tema, da autoria de JORGE LEITE (pp ). 3 «Actualité du contrat de travail», Droit Social, n.º 7-8, 1988, p. 540.

3 3 uma «corrida para o fundo», uma race to the bottom por parte destes, isto é, prevenindo uma «licitação negativa» entre estes, motivada pela escassez de vagas de emprego. Daí a tradicional e singular imperatividade do ordenamento juslaboral o princípio do favor laboratoris, o princípio da norma social mínima, etc. Porém, como é sabido, os anos 70 do século passado assistiram ao início da crise do Direito do Trabalho, começando a avolumar-se o coro de críticas ao monolitismo, ao garantismo e à rigidez das normas jurídico-laborais. O Direito do Trabalho vê-se então remetido para o banco dos réus, é colocado no pelourinho 4, é acusado de irracionalidade regulativa e de produzir consequências danosas, isto é, de criar mais problemas do que aqueles que resolve, em particular no campo económico e no plano da gestão empresarial (é o chamado «efeito-boomerang» das normas juslaborais, grandes responsáveis, diz-se, pelas elevadas taxas de desemprego). Desta forma, no último quartel do séc. XX a flexibilização afirmase como novo leitmotiv juslaboral e o Direito do Trabalho passa a ser concebido, sobretudo, como um instrumento ao serviço da promoção do emprego e do investimento, como variável da política económica, mostrando-se dominado quando não obcecado por considerações de eficiência (produtividade da mão-de-obra, competitividade das empresas, etc.). O Direito do Trabalho atravessa, assim, uma profunda crise de identidade, com a sua axiologia própria (centrada em valores como a igualdade, a dignidade, a solidariedade, etc.) a ser abertamente questionada. Fala-se, não sem alguma razão, numa autêntica «colonização economicista» deste ramo do ordenamento jurídico. Os processos e o ritmo de flexibilização e desregulamentação do direito laboral português podem ser ilustrados tomando como ponto de referência o já mencionado relatório apresentado por BERNARDO XAVIER, 4 A expressão é de ALAIN SUPIOT, «O direito do trabalho ao desbarato no mercado das normas», Questões Laborais, n.º 26, 2005, p. 122.

4 4 em 1986, nas IV Jornadas Luso-Hispano-Brasileiras de Direito do Trabalho. Nesse relatório, o seu autor, atendendo à incidência da crise no emprego e ao seu impacto no Direito do Trabalho, escrevia já que «em toda a parte do mundo se vai dando conta de que a maleabilização das regras de admissão e cessação constitui para os empregadores a condição mais importante para melhorar a competitividade das empresas» (pp ). E, entre muitas outras matérias, BERNARDO XAVIER chamava a atenção para os seguintes traços do nosso ordenamento: i) Quanto ao contrato de trabalho a prazo, o mesmo havia-se convertido no instrumento patronal mais apto para conseguir a almejada flexibilização dos vínculos laborais, visto que os empregadores adoptaram, quase sistematicamente, a prática de contratar a prazo, inclusive os trabalhadores destinados a satisfazer necessidades permanentes das empresas. Ainda assim, persistiam significativas limitações legais na matéria, designadamente no tocante aos contratos a prazo incerto, os quais não eram permitidos; ii) Quanto ao chamado «trabalho temporário», conquanto se tratasse de uma realidade em ascensão em toda a parte, Portugal ainda carecia de um enquadramento jurídico do fenómeno, cuja licitude era, aliás, discutida; iii) Não havia regimes jurídicos próprios para os chamados «empregados de confiança», sendo que a duração do período experimental era, em regra, de apenas 15 dias; iv) O regime do despedimento era extremamente rígido, sendo que, a mais do controlo judicial a efectuar a posteriori, existia um controlo administrativo prévio em matéria de despedimento colectivo, cujo processo era, aliás, extremamente pesado; v) Quanto à dinâmica da relação laboral, o sistema surgia, aos olhos de BERNARDO XAVIER, como «suficientemente equilibrado» em matéria de mobilidade geográfica, mas já no tocante à mobilidade

5 5 profissional/funcional o mesmo dava lugar a uma «rigidez extremamente nociva». Nesta matéria, BERNARDO XAVIER insurgia-se contra a confusão corrente entre os conceitos de objecto do contrato e de categoria profissional, sustentando que o objecto da prestação do trabalho deveria ser considerado em termos amplos, não se cingindo às funções inerentes à categoria do trabalhador; vi) Por último, quanto às relações entre a convenção colectiva e a lei, o sistema baseava-se no tradicional princípio do favor laboratoris, segundo o qual a convenção colectiva não poderia incluir disposições que importassem um tratamento menos favorável para os trabalhadores do que o estabelecido pela lei. Segundo o autor do relatório, aquele princípio do favor estava já a esbater-se no plano internacional e deveria ser superado no plano nacional, assim conferindo um estatuto de maioridade às associações sindicais, descomprimindo a contratação colectiva e favorecendo a adequação desta aos sectores económicos e às conjunturas e, daí, às crises. Pergunta-se: vinte e três anos depois, quid juris? Algo mudou? Vejamos, ainda que de forma telegráfica. Quanto ao contrato a termo, a própria lei admite-o hoje em ordem à satisfação de necessidades permanentes das empresas (assim, desde logo, no tocante à contratação de trabalhadores à procura de primeiro emprego, de desempregados de longa duração ou em caso de início de laboração da empresa ou estabelecimento). Ademais, a nossa lei também já admite, em muitas situações, o recurso ao termo incerto. Também o trabalho temporário é uma realidade reconhecida, legitimada e enquadrada pelo nosso direito positivo, surgindo no Código do Trabalho como uma modalidade contratual ao lado de outras figuras «flexibilizadoras»: o trabalho a tempo parcial, o trabalho intermitente e o teletrabalho subordinado.

6 6 Quanto ao pessoal de direcção, a lei prevê agora o mecanismo da comissão de serviço, também utilizável para prover ao exercício de outras funções de especial confiança (secretariado pessoal, p. ex.), mecanismo este extremamente dúctil e facilmente dissolúvel pelo empregador, dado que a comissão de serviço é livremente denunciável por qualquer das partes. A duração-regra do período experimental passou de 15 dias para três meses, sendo certo que, em relação a determinados trabalhadores, aquela duração pode atingir seis ou mesmo oito meses. O período temporal durante o qual a lei permite o que a CRP proíbe (o despedimento imotivado) sofreu, assim, um considerável alargamento. Entretanto, o despedimento colectivo deixou de estar sujeito a controlo administrativo prévio, sendo que, ao seu lado, surgiram outras modalidades de despedimento baseado em causas objectivas (despedimento por extinção do posto de trabalho e despedimento por inadaptação). Quanto à dinâmica da relação laboral, surgiram novos mecanismos flexibilizadores da mão-de-obra, antes desconhecidos (pense-se, p. ex., na figura da adaptabilidade do tempo de trabalho, a qual poderá ser instituída, não só por via de regulamentação colectiva, mas também por acordo individual entre as partes ou até, verificados que sejam certos requisitos, ser imposta ao trabalhador), e a lei alargou o objecto do contrato de trabalho, esclarecendo que o mesmo não se restringe às tarefas compreendidas na categoria do trabalhador, abrangendo também as «funções que lhe sejam afins ou funcionalmente ligadas» (art. 118.º, n.º 2, do CT). E, sobretudo, quer em matéria de mobilidade funcional quer em matéria de mobilidade geográfica, o regime legal passou a ter um carácter assumidamente supletivo, pois as partes podem incluir no contrato individual cláusulas sobre a matéria, alargando os poderes patronais de gestão da mão-de-obra, seja quanto ao

7 7 quid da prestação, seja quanto ao local onde a mesma deve ser efectuada. Por último, o CT já se encarregou de aniquilar o princípio do tratamento mais favorável ao trabalhador nas relações entre a lei e a convenção colectiva, pelo que as normas legais possuem agora, em regra, um carácter «colectivo-dispositivo», podendo a convenção colectiva de trabalho afastar-se delas, seja para beneficiar seja mesmo para desfavorecer os trabalhadores. Desta forma, o legislador deixa de conceber a convenção colectiva como um instrumento basicamente vocacionado para a melhoria das condições de trabalho e a lei laboral deixa de se perfilar, tipicamente, como norma social mínima, insusceptível de afastamento in pejus por fonte inferior. Do mesmo passo, o CT anuncia que as garantias do trabalhador, no plano funcional (limitação do ius variandi) como no plano espacial (salvaguarda da inamovibilidade), poderão ser postas em xeque por via do contrato individual isto é, por meio de uma simples cláusula contratual adrede estipulada pelos sujeitos. 3. A relegitimação da liberdade contratual. Assiste-se, pois, à redescoberta do princípio da liberdade contratual (concebido este como Gestaltungsfreiheit, como faculdade de as partes fixarem livremente o conteúdo do contrato de trabalho), ao chamado «regresso ao contrato» e à «individualização da relação», à revalorização do poder jurisgénico das partes, etc. tudo isto se traduzindo num meio discreto, mas seguramente muito eficaz, de prosseguir a estratégia de flexibilidade laboral e de reforçar os poderes empresa-

8 8 riais 5. Porém, tendo em conta a célebre, e sempre actual, máxima de LACORDAIRE («entre o rico e o pobre e entre o forte e o fraco é a lei que liberta e a liberdade que oprime»), fica a dúvida: não estaremos nós a entrar no séc. XXI e, alegadamente, a modernizar o Direito do Trabalho, retomando os mitos do séc. XIX? Haverá boas razões para que o novo Direito do Trabalho reabilite e potencie o vetusto princípio da liberdade contratual? Na resposta a esta questão, não resisto a transcrever estas lapidares palavras de ADALBERTO PERULLI: «Semelhante exaltação pós-moderna do dogma da vontade equivale, na ausência de garantias legais ou de natureza colectiva, a um mero elogio formal da autonomia individual como vector de composição dos interesses de ambas as partes, já que abre caminho a uma flexibilidade de facto imposta no interesse da empresa: o resultado alcançado não consiste em restituir novos espaços de liberdade ao trabalhador, nem em descolonizar o indivíduo das malhas apertadas da norma e do colectivo, mas sim numa nova e mais dura condição de subordinação» 6. Na verdade, numa relação de poder como é, tipicamente, a relação laboral, a liberdade contratual não existe, no plano substantivo, e não pode deixar de ser fortemente condicionada, no plano normativo. A (sobre)valorização do poder jurisgénico das partes traduzir-se-á, neste campo, em reconhecer o poder jurisgénico de apenas uma dessas partes (obviamente, da mais poderosa, a entidade empregadora), cuja vontade, de facto, fará lei. Manifestamente, o mundo do trabalho subordinado não é hoje, como não era ontem, um mundo caracterizado por uma qualquer «composição espontânea ou paritária de interesses», própria do universo civilista, como ensinava ORLANDO DE CARVALHO. 5 Assinalando este ponto, MONTEIRO FERNANDES, «L effettività nel diritto del lavoro: il caso portoghese», Rivista Italiana di Diritto del Lavoro, n.º 1, 2006, p. 18, n «Interessi e tecniche di tutela nella disciplina del lavoro flessibile», Giornale di Diritto del Lavoro e di Relazioni Industriali, n.º 95, 2002, p. 376.

9 9 A título de exemplo, veja-se como este Supremo Tribunal já foi chamado a pronunciar-se sobre litígios emergentes de «cláusulas de mobilidade geográfica», em dois acórdãos bastante recentes (Acórdão de , cujo relator foi o Conselheiro VASQUES DINIS, e Acórdão de , tendo como relator o Conselheiro SOUSA PEIXOTO): o STJ deparou-se, em ambos os casos, com um exercício formal de liberdade contratual, que deixava o trabalhador largamente desprotegido quanto à exacta determinação do local de execução da prestação laboral. 4. A segmentação do mercado de trabalho. A retórica discursiva em torno da flexibilidade mostra-se, porém, altamente sedutora, sendo o clássico (e, dir-se-ia, historicamente ultrapassado) conflito social entre empregadores e trabalhadores substituído pelo novo conflito entre insiders (os trabalhadores com vínculo por tempo indeterminado e com emprego estável) e outsiders (os desempregados e os que apenas dispõem de um emprego precário, como os contratados a prazo e os falsos trabalhadores independentes). Um Direito do Trabalho demasiado rígido e excessivamente garantístico seria, afinal, o grande responsável por esta segmentação e pelo dualismo do mercado de trabalho, criando uma fractura entre os que estão dentro e os que estão fora da «cidadela fortificada» do direito laboral. Vistas as coisas sob este prisma, a defesa dos interesses dos outsiders reclamaria a eliminação dos direitos (ou melhor: dos privilégios) dos insiders. E o apetite flexibilizador de alguns revela-se, por isso, insaciável «sempre mais!»: sempre mais mobilidade, sempre mais adaptabilidade, sempre mais desregulamentação, tudo em nome das

10 10 supostas exigências do sacrossanto e omnipotente «Mercado», concebido este como a Grundnorm de toda a ordem jurídica. Entre nós, julga-se que a simples comparação entre, por um lado, o teor do relatório apresentado por BERNARDO XAVIER em 1986, com as críticas então formuladas, e, por outro lado, o actual ordenamento jurídico-laboral, mostra, sem margem para dúvidas, que foram dados passos muito significativos em matéria de flexibilidade do mercado de trabalho. Muita coisa mudou, nas nossas leis, nestes últimos vinte e três anos. E quase tudo mudou num sentido «flexibilizador». Mas dediquemos um pouco mais de atenção a esta autêntica «palavra mágica». 5. Da flexibilidade à flexigurança. Flexibilidade. Trata-se, como se disse, de uma palavra mágica, encantatória. Flexível significa maleável, ágil, suave... vocábulos, todos eles, que emitem sinais positivos. Flexível opõe-se a rígido e o que é rígido é mau, o que é rígido parte-se. Mas flexível também pode significar dócil, complacente, submisso. Neste sentido, flexível opõe-se a firme e o que é firme é bom, o que é firme não se dobra. Na verdade, entre a maleabilidade e a docilidade vai uma distância não despicienda. Tal como entre a suavidade e a complacência. Tal como, afinal, entre a rigidez e a firmeza. Boa parte da polémica em torno do termo flexibilidade reside, assim, na polissemia do mesmo, na diversidade de acepções nem todas positivas que comporta. Ninguém quer, julga-se, um Direito do Trabalho rígido e áspero. Mas alguns aspiram, parece, a um Direito do Trabalho mole e condescendente. Alguns suspiram mesmo por um Direito do Trabalho frouxo

11 11 Ora, a meu ver, um Direito do Trabalho flexível jamais poderá deixar de ser um Direito do Trabalho robusto e vigoroso. Creio que o Direito do Trabalho terá de ser flexível naquele sentido ideal, de «resistência tênsil», apontado por RICHARD SENNETT: «Ser adaptável à mudança de circunstâncias mas sem ser quebrado por ela». 7 De qualquer modo, é inegável que, nos nossos dias, a flexibilidade do mercado de trabalho constitui um objectivo omnipresente e incontornável, assumindo-se aquela, nas certeiras palavras de RICCARDO DEL PUNTA, como um valor «sociologicamente pós-industrial e culturalmente pós-moderno» 8. Aliás, nesta matéria surgiu mesmo um fulgurante neologismo à escala europeia a chamada flexigurança, a qual, dizse, assentaria numa espécie de «triângulo mágico» de políticas de articulação e compatibilização entre (i) flexibilidade acrescida em matéria de contratações e despedimentos (flexibilidade contratual, «de entrada e de saída»), (ii) protecção social elevada (leia-se: adequada) no desemprego, (iii) políticas activas de formação, qualificação e emprego, propiciando uma transição rápida e não dolorosa entre diversos empregos. A este propósito, vale a pena consultar o documento do Conselho de Ministros da União Europeia, de 5 de Dezembro de 2007, intitulado Definição de princípios comuns de flexigurança na União Europeia. Aí se identificam oito princípios comuns de flexigurança, lendo-se no ponto 1 que a flexigurança é um meio para «criar mais e melhores empregos, modernizar os mercados de trabalho e promover o trabalho de qualidade através de novas formas de flexibilidade e segurança para aumentar a adaptabilidade, o emprego e a coesão social», acrescentando o ponto 2 que «a flexigurança implica a conjugação deliberada de mecanismos contratuais flexíveis e fiáveis, estratégias abrangentes de aprendizagem ao longo da vida, políticas activas e eficazes para o mercado de 7 A Corrosão do Carácter, Terramar, Lisboa, 2001, p «L economia e le ragioni del diritto del lavoro», Giornale di Diritto del Lavoro e di Relazioni Industriali, n.º 89, 2001, p. 12.

12 12 trabalho, e sistemas de protecção social modernos, adequados e sustentáveis». A flexigurança surge, pois, como um concentrado de flexibilidade e de segurança flexibilidade na relação laboral, no emprego; segurança no mercado de trabalho, no desemprego, em que a tradicional «protecção do emprego/estabilidade do posto de trabalho» é sacrificada em prol da ideia de uma «mobilidade protegida/segurança na vida activa». Como se lê no ponto 5 daquela Definição de princípios, «a flexigurança interna (no interior da mesma empresa) e externa (entre empresas) são igualmente importantes e devem ser ambas promovidas. Um grau suficiente de flexibilidade contratual deve ser acompanhado de segurança nas transições entre empregos». Ou seja, em lugar de tutelar o emprego, promove-se a empregabilidade do trabalhador. Diz-se, inclusive, que, no séc. XXI, lutar pela estabilidade do posto de trabalho vale tanto como lutar por um lugar sentado a bordo do Titanic Assim sendo, importa, sobretudo, ensinar o trabalhador a nadar. Sendo certo, contudo, que se a água estiver demasiado fria, também de pouco lhe valerá saber nadar Quanto à flexigurança, o cerne do problema consiste em determinar a dosagem certa de cada um dos elementos que compõem o respectivo conceito, em efectuar um adequado trade-off entre flexibilidade e segurança sem que, contudo, se deva olvidar a sábia advertência de MARIO GIOVANNI GAROFALO: «Os direitos no mercado [de trabalho], se não forem sustentados por direitos na relação [laboral], são escritos na água» 9. Aliás, a referida Definição de princípios não deixa de alertar para que «a flexigurança requer uma boa relação eficácia-custo na afectação de recursos e deverá manter-se plenamente compatível com a solidez e a sustentabilidade financeira dos orçamentos públicos» (ponto 8). Daí a 9 «Post-moderno e diritto del lavoro Osservazioni sul Libro verde Moddernizare il diritto del lavoro», Rivista Giuridica del Lavoro e della Previdenza Sociale, n.º 1, 2007, p. 141.

13 13 dúvida sobre se a flexigurança não representará, afinal, mais uma vã tentativa de quadratura do círculo 10. Pergunta-se: até onde irá, e até quando perdurará, esta vertigem flexibilizadora, esta «corrida para a flexibilização», da qual já em 1986 nos falava BERNARDO XAVIER? Talvez até reformular o art. 53.º da CRP? Talvez até se consagrar, com ou sem ambiguidades, o princípio do despedimento livre, ad nutum? «Free to hire, free to fire», permitindo-se que o empregador despeça o trabalhador por qualquer razão, ou mesmo sem razão? A exigência de revisão do quadro constitucional vigente, maxime no que diz respeito ao art. 53.º da CRP, é uma velha reivindicação empresarial e consta, por exemplo, da «Posição comum das Confederações Patronais sobre o quadro de revisão do Código do Trabalho e respectiva Regulamentação» 11. Como é sabido, o art. 53.º da CRP estabelece que «é garantida a segurança no emprego, sendo proibidos os despedimentos sem justa causa ou por motivos políticos ou ideológicos». Note-se que «estabilidade» não é sinónimo de emprego vitalício. Sabe-se que a era da nova economia globalizada, dinâmica, inovadora e ferozmente competitiva, obedece à lógica do efémero, do volátil e do imprevisível, sendo incompatível com o ideal do «emprego para toda a vida» que, de algum modo, imperou no século passado. Daí, porém, não se segue inexoravelmente que o ordenamento jurídico tenha de contemporizar 10 Para uma perspectiva geral sobre a flexigurança, cfr. RODRÍGUEZ-PIÑERO Y BRAVO-FERRER, «Flexiseguridad: el debate europeo en curso», Relaciones Laborales, II, 2007, pp , PER KONGSHØJ MADSEN, «Flexicurity Towards a Set of Common Principles?», International Journal of Comparative Labour Law and Industrial Relations, vol. 23, n.º 4, 2007, pp , e DOMINIQUE MÉDA, «Flexicurité: quel équilibre entre flexibilité et sécurité?», Droit Social, n.º 7/8, 2009, pp Entre nós, ALFREDO BRUTO DA COSTA, «O debate sobre a flexigurança», Questões Laborais, n.º 30, 2007, pp , e FERNANDO MARQUES, «O debate sobre a flexigurança e a situação portuguesa», Boletim de Ciências Económicas, FDUC, vol. L, 2007, pp Cujo texto pode ser consultado no n.º 29 de Questões Laborais, 2007, pp

14 14 com despedimentos arbitrários, dispensando o empregador de justificar a sua decisão extintiva e isentando esta última do escrutínio judicial. Ou seja, se a estabilidade no emprego não é, decerto, um valor absoluto, também creio que ela não deve ser vista como um valor obsoleto Conclusão Em jeito conclusivo, julgo ser algo falaciosa a tese segundo a qual a flexibilização do direito laboral equivale, sic et simpliciter, a ganhos de eficiência do aparelho produtivo e, logo, a uma maior competitividade das empresas. A verdade é que, até hoje, a ciência económica nunca conseguiu demonstrar a existência de uma relação causal entre o nível de protecção do emprego e as taxas de desemprego. Aliás, a este respeito devo dizer que não posso deixar de compartilhar o cepticismo de UMBERTO ROMAGNOLI, expresso na seguinte boutade: «A ideia segundo a qual, para ajudar e proteger todos os que procuram trabalho, é necessário ajudar e proteger menos quem tem trabalho, é filha da mesma maldade com a qual se sustenta que, para fazer crescer cabelo aos calvos, é necessário rapar o cabelo a quem o tem» 13. Porém, ainda que assim fosse, isto é, ainda que uma tal correlação viesse a ser estabelecida sem margem para dúvidas, sempre conviria não perder de vista que uma regra jurídica (em especial, uma regra jurídico-laboral) nunca poderá encontrar um arrimo válido e bastante em meras considerações de eficiência, sob pena de cairmos numa visão 12 Escrevia, em 1986, BERNARDO XAVIER: «Diz-se comummente nos meios empresariais e isto não é apenas uma blague que é mais fácil conseguir um divórcio do que um despedimento» (p. 125). Ora, se antes o era, também hoje o é Mas, em bom rigor, isso será de estranhar? É que, ao menos em princípio, o casamento supõe a manutenção do amor recíproco, a relação laboral não 13 «Divagazioni sul rapporto tra economia e diritto del lavoro», Lavoro e Diritto, n.º 3, 2005, p. 531.

15 15 puramente mercantil do Direito e das suas funções. Na verdade, existem outros valores, de índole não económica (desde logo, a dignidade do trabalho e da pessoa que o presta), que ao Direito do Trabalho cabe preservar e promover ontem como hoje. Ora, a preocupação com o trabalho digno e com a salvaguarda dos direitos humanos no trabalho não pode ser sobrelevada por uma pura lógica de produtividade laboral e de competitividade empresarial. A chamada «mão-de-obra» será, decerto, um factor produtivo, a conjugar com os demais no todo que é a empresa. Mas, antes e acima disso, a mão-de-obra são pessoas. Como alguém certa vez escreveu, o trabalho não existe, o que existe são pessoas que trabalham. O exemplo da recente vaga de suicídios na France Telecom aí está para, uma vez mais, nos relembrar cruamente este simples facto. Por isso, fazemos nossas as palavras de BERNARDO XAVIER, no trecho final do seu relatório: «Não se pretenderá, contudo, restituir ao mercado de trabalho a sua verdade através de uma simples liberalização ou anomia: se esse mercado deixasse de sofrer a influência de uma ideia regulativa expressa em normas jurídicas, ficariam negados os fundamentos históricos, éticos e políticos do direito do trabalho e destruir-se-ia um século de conquista de níveis elevados de protecção social» (p. 138). A crise que hoje atravessamos não foi, seguramente, motivada pelo garantismo das normas laborais e pela rigidez do mercado de trabalho. Trata-se, pelo contrário, de uma «crise dos mercados», resultante da insuficiente regulação dos mesmos. Trata-se, diz-se, de uma crise da chamada «economia de casino». Não foi o Direito do Trabalho o responsável pela crise, pelo que ninguém esperará, por certo, que o Direito do Trabalho lhe forneça a solução milagrosa. Mas, a este propósito, não deixa de ser curioso e até refrescante verificar que um autor norte-americano como ROBERT REICH, que exerceu funções governativas no sector laboral ao tempo da administração Clinton, aponta para a necessidade de reforço dos sindicatos como meio de contribuir

16 16 para a ultrapassagem da crise em que vivemos. Na sua óptica, proteger os trabalhadores que desejam formar um sindicato e punir as práticas patronais intimidatórias neste domínio revela-se tão justo como necessário. Conclui o autor: «Se tornarmos mais fácil a criação de sindicatos para todos os trabalhadores americanos, isso dará à classe média o bargaining power de que carece para obter melhores salários e mais regalias. E uma forte e próspera classe média é necessária para que a nossa economia tenha êxito» 14. Depois de escutarmos tantas vozes, ao longo de tantos anos, a sustentarem que os sindicatos não passam de um «cartel de mão-deobra», sendo responsáveis pela rigidificação do mercado de trabalho e pela criação de «ineficiências», ter-se-á de convir que este outro olhar sobre o papel desempenhado pelas associações sindicais não deixa de ser muito estimulante. Afinal, os sindicatos e a sua acção podem produzir efeitos benéficos para a economia geral! Afinal, o Direito do Trabalho poderá não fazer parte do problema, mas sim da solução! A ver vamos o que nos reservam os próximos capítulos. João Leal Amado (Professor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra) 14 «Why Stronger Unions Can Help Us Out of This Mess», artigo publicado no Los Angeles Times, de , disponível em

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete do Ministro Parecer do Governo Português relativo ao Livro Verde Modernizar o direito do trabalho para enfrentar os desafios do sec. XXI Introdução O presente documento consubstancia o parecer do Governo Português

Leia mais

O CONTRATO DE TRABALHO A TERMO

O CONTRATO DE TRABALHO A TERMO Alice Pereira de Campos O CONTRATO DE TRABALHO A TERMO Uma forma de trabalho precário? LISBOA 2013 Notas de Leitura Quando nos referirmos a «termo», sem outra indicação, referimo-nos a termo resolutivo.

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997L0081 PT 25.05.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 97/81/CE DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 respeitante ao acordo-quadro

Leia mais

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética I Introdução Considerando que se aproxima um novo ciclo eleitoral e que o mesmo deve ser aproveitado para um sério e profundo debate político que confronte as propostas dos diferentes partidos relativamente

Leia mais

Parecer relativo aos Projectos de Lei. nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP

Parecer relativo aos Projectos de Lei. nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP Parecer relativo aos Projectos de Lei nºs 135/VIII-PCP, 296/VII-BE e 385/VIII-PCP A Associação Portuguesa de Mulheres Juristas, após ter analisado os projectos de Lei supra referidos, entendeu dever fazer

Leia mais

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho.

Antes de entrar na análise desta questão, permitíamo-nos tecer algumas considerações sobre a génese causal da flexibilização do direito de trabalho. Crise económica e flexibilização do direito do trabalho, segundo o Memorando de Entendimento entre o Governo Português, e o FMI/BCE/Comissão Europeia, vulgo, TROIKA Antes de entrar na análise desta questão,

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 331/XII-2ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 331/XII-2ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 331/XII-2ª COMBATE A PRECARIEDADE LABORAL E REFORÇA A PROTECÇÃO DOS TRABALHADORES NA CONTRATAÇÃO A TERMO Desde a apresentação do Programa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 207/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 207/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 207/XII Exposição de Motivos 1 - O Programa do XIX Governo Constitucional assenta num novo paradigma de políticas que através da adoção de um conjunto extenso de reformas estruturais,

Leia mais

Legislação Laboral Um Problema sem Solução?

Legislação Laboral Um Problema sem Solução? Legislação Laboral Um Problema sem Solução? SUZANA BORGES * A incerteza que caracteriza o nosso tempo torna extremamente difícil a tarefa de promoção da unidade política e económica da Europa e torna particularmente

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

Oportunidades de investimento na China

Oportunidades de investimento na China Setembro 2012 China Oportunidades de investimento na China Aspectos laborais As relações de trabalho na China mostram-se hoje reguladas por um quadro legal estável e bem implementado que tem contribuído

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 14/91 de 11 de Maio A criação das condições materiais e técnicas para a edificação em Angola de um Estado democrático de direito é um dos objectivos a atingir, na actual fase

Leia mais

DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL

DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL DIREITO LABORAL ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL O ACÓRDÃO Nº 602/2013 DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL (TC), COM DATA DE 20 DE SETEMBRO RESPONDE A UM PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO ABSTRACTA

Leia mais

CONFERÊNCIA AS RECENTES REFORMAS DO MERCADO LABORAL EM PORTUGAL: PERSPECTIVAS DOS PARCEIROS SOCIAIS 1

CONFERÊNCIA AS RECENTES REFORMAS DO MERCADO LABORAL EM PORTUGAL: PERSPECTIVAS DOS PARCEIROS SOCIAIS 1 CONFERÊNCIA AS RECENTES REFORMAS DO MERCADO LABORAL EM PORTUGAL: PERSPECTIVAS DOS PARCEIROS SOCIAIS 1 A atual conjuntura económica e financeira portuguesa, fortemente marcada pela contração da atividade

Leia mais

uma vez que o posto de trabalho que vem ocupando, será extinto por motivos de mercado e estruturais.

uma vez que o posto de trabalho que vem ocupando, será extinto por motivos de mercado e estruturais. PARECER N.º 52/CITE/2011 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida por extinção do posto de trabalho, nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

RESOLUÇÃO PROPOSTA DE LEI DO CÓDIGO DE TRABALHO CONTINUA INACEITÁVEL NEGOCIAÇÃO DEVE PROSSEGUIR

RESOLUÇÃO PROPOSTA DE LEI DO CÓDIGO DE TRABALHO CONTINUA INACEITÁVEL NEGOCIAÇÃO DEVE PROSSEGUIR RESOLUÇÃO PROPOSTA DE LEI DO CÓDIGO DE TRABALHO CONTINUA INACEITÁVEL NEGOCIAÇÃO DEVE PROSSEGUIR 1. Desde que em Julho passado o Governo anunciou a apresentação de um projecto de Código Laboral, decorreram

Leia mais

PARECER N.º 63/CITE/2009

PARECER N.º 63/CITE/2009 PARECER N.º 63/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Processo n.º 376 DG-E/2009

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

Trabalho suplementar e Banco de horas

Trabalho suplementar e Banco de horas Trabalho suplementar e Banco de horas INTRODUÇÃO Sem grandes considerações jurídicas acerca do Direito do Trabalho, é consabido que esta é uma área que se encontra muito próxima do indivíduo, desenvolvendo-se,

Leia mais

RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DO PARECER N.º 129/CITE/2010

RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DO PARECER N.º 129/CITE/2010 RESPOSTA À RECLAMAÇÃO DO PARECER N.º 129/CITE/2010 Assunto: Resposta à Reclamação do Parecer n.º 129/CITE/2010: Parecer Prévio nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho

Leia mais

A identidade política e jurídica do direito do trabalho dissolve-se na imperatividade do «horizonte dos possíveis».

A identidade política e jurídica do direito do trabalho dissolve-se na imperatividade do «horizonte dos possíveis». 1. Acolhendo-vos neste VI Colóquio de Direito do Trabalho, o STJ cumpre a sua missão de instância referencial da Justiça, abrindo-se à reflexão e à discussão de questões essenciais, que importam à comunidade

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

A esta evolução não é estranho o conteúdo da Constituição da República Portuguesa, datada de 2 de Abril de 1976.

A esta evolução não é estranho o conteúdo da Constituição da República Portuguesa, datada de 2 de Abril de 1976. A protecção da maternidade na Península Ibérica e a sua aplicação judicial. Problemas e perspectivas I. INTRODUÇÃO A descrição e análise da disciplina jurídica vigente em Portugal em sede de protecção

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1

Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1 Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1 A TRANSFORMAÇÃO DOS HOSPITAIS SA EM HOSPITAIS EPE, A PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE EM PORTUGAL E O PROGRAMA DO GOVERNO PS PARA A ÁREA DA SAÚDE RESUMO

Leia mais

SOCIUS Working Papers

SOCIUS Working Papers SOCIUS Working Papers Comunicação apresentada na Conferência O Assédio Moral no Local de Trabalho: emergência de uma nova realidade (29 e 30 de Novembro de 2007) António Garcia Pereira O ASSÉDIO MORAL

Leia mais

Subordinação ao direito público é:

Subordinação ao direito público é: A Administração e o direito público Subordinação ao direito público é: 1. Subordinação ao direito constitucional: não só porque é o vértice da pirâmide da ordem jurídica, mas também porque tem normas materialmente

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

PARECER N.º 223/CITE/2011

PARECER N.º 223/CITE/2011 PARECER N.º 223/CITE/2011 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora puérpera, incluída em processo de despedimento colectivo, nos termos do n.º 1 e da alínea b) do n.º 3 do artigo 63.º do

Leia mais

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO 1.1 Foi constituído, no âmbito do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, um grupo de trabalho com vista a identificar as dificuldades de aplicação prática que resultam

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 1 TEMA: Formação profissional contínua no Código do Trabalho. INTRODUÇÃO:

NOTA TÉCNICA N.º 1 TEMA: Formação profissional contínua no Código do Trabalho. INTRODUÇÃO: NOTA TÉCNICA N.º 1 TEMA: Formação profissional contínua no Código do Trabalho. INTRODUÇÃO: O presente documento visa divulgar o entendimento da ACT sobre algumas questões que se colocam no âmbito da formação

Leia mais

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito de aplicação)

Leia mais

CONTRATOS DE TRABALHO DE ADESÃO

CONTRATOS DE TRABALHO DE ADESÃO compilações doutrinais VERBOJURIDICO CONTRATOS DE TRABALHO DE ADESÃO SENTIDO DA APLICAÇÃO DO DIPLOMA DAS CLAUSULAS CONTRATUAIS GERAIS AOS CONTRATOS DE TRABALHO VÍTOR PACHECO ADVOGADO ESTAGIÁRIO verbojuridico

Leia mais

APFN - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FAMÍLIAS NUMEROSAS

APFN - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FAMÍLIAS NUMEROSAS Excelentíssimo Senhor Provedor de Justiça A Associação Portuguesa das Famílias Numerosas, com sede Rua 3A à Urbanização da Ameixoeira, Área 3, Lote 1, Loja A, Lisboa, vem, nos termos do artigo 23º, n.º

Leia mais

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 LEGAL FLASH I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 Lei n.º 29/2012, de 9 de Agosto Novo Regime de Autorização de Residência para Estrangeiros Investidores 2 LEI N.º 29/2012 NOVO REGIME DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Livro Verde Modernizar o direito do trabalho para enfrentar os desafios do século XXI

Livro Verde Modernizar o direito do trabalho para enfrentar os desafios do século XXI Livro Verde Modernizar o direito do trabalho para enfrentar os desafios do século XXI 1. Prioridades de um programa construtivo da reforma do direito do trabalho. Um novo paradigma da situação laboral

Leia mais

PARECER N.º 44/CITE/2005

PARECER N.º 44/CITE/2005 PARECER N.º 44/CITE/2005 Assunto: Parecer prévio nos termos do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º 46 DL/2005 I OBJECTO

Leia mais

CAPÍTULO I Âmbito e Vigência

CAPÍTULO I Âmbito e Vigência Acordo Coletivo de Entidade Empregadora Pública entre o Município de Vila do Porto e o STAL Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional, Empresas Públicas, Concessionárias e

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Notas Sobre o Direito do Trabalho Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Notas sobre o Direito do Trabalho As empresas já instaladas bem como

Leia mais

PARECER N.º 26/CITE/2007

PARECER N.º 26/CITE/2007 PARECER N.º 26/CITE/2007 Assunto: Direito ao gozo de férias após licença por maternidade Processo n.º 147 QX/2006 I OBJECTO 1.1. Em 20 de Novembro de 2006, a CITE recebeu da funcionária do, com a categoria

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência 7 de maio de 2014 Senhores Coordenadores do Curso de Formação para

Leia mais

ESTATUTO CONTRATUAL DO ADVOGADO ESTAGIÁRIO - A AUTONOMIA DO CANDIDATO À ADVOCACIA E AS RESPONSABILIDADES DO PATRONO

ESTATUTO CONTRATUAL DO ADVOGADO ESTAGIÁRIO - A AUTONOMIA DO CANDIDATO À ADVOCACIA E AS RESPONSABILIDADES DO PATRONO ESTATUTO CONTRATUAL DO ADVOGADO ESTAGIÁRIO - A AUTONOMIA DO CANDIDATO À ADVOCACIA E AS RESPONSABILIDADES DO PATRONO O acesso pleno e autónomo ao exercício da advocacia depende de um tirocínio sob a orientação

Leia mais

Ano europeu de combate à pobreza

Ano europeu de combate à pobreza Ano europeu de combate à pobreza Como conciliar família e emprego? Mulheres estão mais vulneráveis à pobreza "O problema é a má distribuição da riqueza" Opinião - Combater a pobreza: compaixão ou com paixão?

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

Declaração de Princípios.

Declaração de Princípios. POR UMA NOVA ANTRAM MAIS FORTE E INTERVENTIVA Regular o Mercado Fortalecer as Empresas Modernizando e Qualificando o Sector Reforçar o apoio aos associados. Programa eleitoral da Lista A Candidata aos

Leia mais

PARECER N.º 286/CITE/2014

PARECER N.º 286/CITE/2014 PARECER N.º 286/CITE/2014 Assunto: Dispensa para amamentação Processo n.º 307 QX/2014 I OBJETO 1.1. Em 3.4.2014, CITE recebeu da trabalhadora uma queixa relativamente ao período de dispensa de trabalho

Leia mais

Resolução do Secretariado Nacional da UGT A DEFESA INTRANSIGENTE DO DIÁLOGO SOCIAL TRIPARTIDO

Resolução do Secretariado Nacional da UGT A DEFESA INTRANSIGENTE DO DIÁLOGO SOCIAL TRIPARTIDO Resolução do Secretariado Nacional da UGT A DEFESA INTRANSIGENTE DO DIÁLOGO SOCIAL TRIPARTIDO No passado dia 8 de Junho, o Secretário-Geral da UGT interveio na 105ª Conferência da Organização Internacional

Leia mais

Alguns aspectos críticos da aplicação da lei quadro das fundações às fundações privadas. Constança Urbano de Sousa

Alguns aspectos críticos da aplicação da lei quadro das fundações às fundações privadas. Constança Urbano de Sousa Alguns aspectos críticos da aplicação da lei quadro das fundações às fundações privadas Constança Urbano de Sousa Gostaria, em primeiro lugar, de cumprimentar os ilustres colegas de painel e agradecer

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde (No Âmbito das Comemorações dos 10 Anos da Assinatura do Acordo de Cooperação Cambial) SESSÃO DE ABERTURA Intervenção

Leia mais

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL 1 PARECER N.º 04/2008 HOSPITAL DA NOSSA SENHRA DO ROSÁRIO, E.P.E. REGULAMENTO DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HUMANOS E CONTROLO DA ASSIDUIDADE - CARREIRA MÉDICA HOSPITALAR PRESTAÇÃO DE TRABALHO EM DOMINGOS,

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino por ocasião da Cerimónia de Abertura do Diálogo Estratégico sobre as Tecnologias da Informação e

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS

OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS OBSERVATÓRIO DOS DIREITOS HUMANOS RELATÓRIO Setembro de 2011 Direito ao Trabalho e à Segurança no Emprego na Função Pública Observatório dos Direitos Humanos http://www.observatoriodireitoshumanos.net/

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS PARECER Assunto: Projecto de Portaria que aprova o Regulamento do Procedimento de Seleção de Mediadores para prestar serviços nos Julgados de Paz e nos Sistemas de Mediação Familiar, Laboral e Penal. 1.

Leia mais

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS

SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS SEMINÁRIO APOIO DOMICILIÁRIO E TRABALHO DOMÉSTICO: PERSPETIVAS DE EMPREGO TRABALHO DOMÉSTICO: REGULAMENTAR, VALORIZAR E DIGNIFICAR A PROFISSÃO ARMANDO FARIAS Comissão Executiva do Conselho Nacional da

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TRABALHO E FORMAÇÃO NO CONGRESSO DO ANO INTERNACIONAL DOS VOLUNTÁRIOS Senhora Presidente da Comissão Nacional para o Ano Internacional do Voluntariado, Senhor

Leia mais

Contratação. Contrato de trabalho

Contratação. Contrato de trabalho Contratação Contrato de trabalho O contrato de trabalho pode ser escrito ou verbal. Contudo, os seguintes contratos têm de ser reduzidos a escrito: Contrato de trabalho com trabalhador estrangeiro (exceto

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada I. Porquê um código de conduta e de ética no sector? O sector da segurança privada representa na União Europeia quase 10.000 empresas que

Leia mais

O IMPACTO JURÍDICO DA JURISPRUDÊNCIA DA CRISE*

O IMPACTO JURÍDICO DA JURISPRUDÊNCIA DA CRISE* O IMPACTO JURÍDICO DA JURISPRUDÊNCIA DA CRISE* Este nosso painel O Tribunal Constitucional e os seus críticos é a segunda componente em que se desdobra o tema do primeiro dia de debate, focado no impacto

Leia mais

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal por Hossein Samiei Conselheiro, Departamento Europeu do FMI Conferência Sobre Reformas Estruturais no Contexto do Programa de

Leia mais

. PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

. PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE . PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-2439/86 (A6) DATA: 2000-02-03 Assunto: Instituições

Leia mais

Temos assim que, ao longo do século XX, as tarefas tradicionais do Estado registaram um incremento extraordinário.

Temos assim que, ao longo do século XX, as tarefas tradicionais do Estado registaram um incremento extraordinário. Palavras do Presidente do Supremo Tribunal Administrativo Conselheiro Manuel Fernando dos Santos Serra Na Sessão de Abertura do Colóquio A Justiça Administrativa e os Direitos Administrativos Especiais

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Por força do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Agosto 2006 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

PARECER N.º 46/CITE/2007

PARECER N.º 46/CITE/2007 PARECER N.º 46/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29

Leia mais

Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby

Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby Processo CJ nº: 22/2014 Recorrente: Relator: Rugby Clube da Lousã António Folgado Data: 22 de Maio de 2014 Sumário: (i) A FPR aprovou o Regulamento

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens

ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens ENCONTRO Juventude e Igualdade entre Mulheres e Homens RESOLUÇÃO LUTAR CONTRA AS DISCRIMINAÇÕES CONSTRUIR A IGUALDADE Marinha Grande 15 de Maio de 2015 RESOLUÇÃO Lutar contra as discriminações Construir

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias 1 discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO (25.07.01) Senhoras, Senhores: A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias do dia-a-dia o desafio de construir o direito vivo, para que melhor

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SENHOR MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino por ocasião do Encerramento do Seminário AS NOVAS PERSPECTIVAS NA CONTRATAÇÃO PÚBLICA promovido

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9

INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 INSTITUTO DE GESTÃO DA TESOURARIA E DO CRÉDITO PÚBLICO, I.P. CÓDIGO DE CONDUTA 1/9 TÍTULO I PARTE GERAL Capítulo I (Disposições Gerais) Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Código de Conduta, a seguir designado

Leia mais

de Trabalho e Segurança Social da Assembleia da República realizado em 17.4.2007 Eugénio Rosa - Economista

de Trabalho e Segurança Social da Assembleia da República realizado em 17.4.2007 Eugénio Rosa - Economista Banco de Portugal abandonou a independência e o rigor técnico a que está obrigado Pág. 1 BANCO DE PORTUGAL ABANDONOU INDEPENDÊNCIA E RIGOR TECNICO A QUE ESTÁ OBRI- GADO E ENTROU NA CAMPANHA PARA BAIXAR

Leia mais

SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA VII Colóquio do Supremo Tribunal de Justiça sobre Direito do Trabalho Lisboa, 21 de outubro de 2015 Sessão de Encerramento INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA SECÇÃO SOCIAL, JUIZ CONSELHEIRO MANUEL PINTO HESPANHOL

Leia mais

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES A valorização comercial dos produtos agrícolas e dos géneros alimentícios que, ou pela sua origem ou pelos seus modos particulares

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

REVISÃO DA CARREIRA. PONTO DA SITUAÇÃO

REVISÃO DA CARREIRA. PONTO DA SITUAÇÃO Comunicado 23/09/2015 REVISÃO DA CARREIRA. PONTO DA SITUAÇÃO COLEGAS Pelas 21 horas, do dia 21 de Setembro de 2015, pôs-se um ponto final na primeira parte, da primeira fase do processo negocial da revisão/criação

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 55 /06-14NOV2006-1.ªS-PL RECURSO ORDINÁRIO N.ª 39/2006 (Processo n.º 813/2006)

ACÓRDÃO Nº 55 /06-14NOV2006-1.ªS-PL RECURSO ORDINÁRIO N.ª 39/2006 (Processo n.º 813/2006) ACÓRDÃO Nº 55 /06-14NOV2006-1.ªS-PL RECURSO ORDINÁRIO N.ª 39/2006 (Processo n.º 813/2006) 1. RELATÓRIO 1.1. A CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA, inconformada com o Acórdão n.º 219/06, de 04 de Julho, da 1.ªS/SS,

Leia mais

Comunicação à 1ª secção

Comunicação à 1ª secção Comunicação à 1ª secção Denomina-se Ordem dos Advogados a associação pública representativa dos licenciados em Direito que, em conformidade com os preceitos deste Estatuto e demais disposições legais aplicáveis,

Leia mais

Associação Sindical de Docentes e investigadores

Associação Sindical de Docentes e investigadores Exmo. Senhor Professor Doutor Luís Filipe Menezes Vice-Reitor da Universidade de Coimbra N/Refª:Dir:AV/0994/15 28-10-2015 Assunto: Posição do SNESup sobre o Projeto de Regulamento de Recrutamento e Contratação

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE

ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE Decreto n.º 24/98 Acordo de Cooperação Cambial entre a República Portuguesa e a República de Cabo Verde e o Protocolo para o Estabelecimento da Comissão do Acordo de Cooperação Cambial Nos termos da alínea

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO TEMA 2: MICRO, PEQUENA, MÉDIAS EMPRESAS E O CONTRATO DE TRABALHO

SEMINÁRIO SOBRE A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO TEMA 2: MICRO, PEQUENA, MÉDIAS EMPRESAS E O CONTRATO DE TRABALHO SEMINÁRIO SOBRE A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO TEMA 2: MICRO, PEQUENA, MÉDIAS EMPRESAS E O CONTRATO DE TRABALHO 1 I- INDÍCE I.INTRODUÇÃO II.REGIME JURIDICO DAS MICRO, PEQUENAS, MEDIAS EMPRESAS III.LEI GERAL

Leia mais

CONTRIBUTOS DA ACADEMIA NA TUTELA DOS DIREITOS HUMANOS*

CONTRIBUTOS DA ACADEMIA NA TUTELA DOS DIREITOS HUMANOS* CONTRIBUTOS DA ACADEMIA NA TUTELA DOS DIREITOS HUMANOS* José Melo Alexandrino Introdução A minha intervenção neste Simpósio Os Tribunais e os Direitos Humanos tem um ponto de partida implícito, que resulta

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Comentário ao Acórdão do Tribunal da Relação do Porto, de 10 de Julho de 2013

Comentário ao Acórdão do Tribunal da Relação do Porto, de 10 de Julho de 2013 Uma no cravo, outra na ferradura Por Catarina Lima Soares* PALAVRAS-CHAVE: álcool, despedimento, justa causa, reserva da vida privada Comentário ao Acórdão do Tribunal da Relação do Porto, de 10 de Julho

Leia mais

PARECER N.º 43/CITE/2010

PARECER N.º 43/CITE/2010 PARECER N.º 43/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento de trabalhadora

Leia mais

15-02-12 - Vão mudar regras aplicáveis aos despedimentos

15-02-12 - Vão mudar regras aplicáveis aos despedimentos 15-02-12 - Vão mudar regras aplicáveis aos despedimentos Esperam-se para breve alterações ao regime de cessação do contrato de trabalho por motivos objetivos, por via da proposta de lei que aguarda aprovação

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

CONFLITO COLETIVO DE TRABALHO

CONFLITO COLETIVO DE TRABALHO CONFLITO COLETIVO DE TRABALHO Introdução A) Denominação B) Conceito C).Modalidades Conclusão Professor Doutor Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista em São Paulo, doutor em Direito pela Faculdade

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

RESOLUÇÃO SECRETARIADO NACIONAL DE 29 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO SECRETARIADO NACIONAL DE 29 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO SECRETARIADO NACIONAL DE 29 DE JANEIRO DE 2015 O ano de 2015 é o primeiro em que nos encontramos integralmente fora da alçada da Troika e no qual o Governo poderia ter operado uma real mudança

Leia mais