CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO E DETALHAMENTO DE MUROS DE ARRIMO EM CONCRETO ARMADO E FUNDAÇÃO SUPERFICIAL André de Melo Xavier Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São Carlos como parte dos requisitos para a conclusão da graduação em Engenharia Civil Orientador: Jasson R. Figueiredo Filho São Carlos 2011

2 DEDICATÓRIA A minha Mãe que me guia de outro lugar e sempre está comigo.

3 Ao meu Pai que há um tempo é Pai e Mãe.

4 AGRADECIMENTOS A Érika Leonhardt Esquitini por paciência, amor, atenção e dedicação. Ao meu orientador Jasson R. F. Filho pelos ensinamentos durante a faculdade. Aos meus irmãos Felipe e Vinícius por todos os anos juntos. Aos amigos Vinícius Verdecanna e Felipe Ronchini pela amizade inigualável.

5 RESUMO Este trabalho visa à orientação no projeto de um muro de arrimo em concreto armado com fundação superficial, desde a escolha de se executar um muro de arrimo até a definição da armadura resistente. Neste trabalho, define-se o carregamento do muro pelos métodos de Rankine e de Poncelet, posteriormente é feita uma análise do pré-dimensionamento do muro de arrimo. Em seguida são verificadas as condições de estabilidade do conjunto solo-muro, então, são determinados os esforços solicitantes nos elementos do muro para posteriormente ser calculado a armadura resistente. É desenvolvido um exemplo detalhado do cálculo de um muro de arrimo. Por fim, algumas observações são feitas quanto à drenagem do aterro de um muro de arrimo e de algumas patologias pertinentes aos muros de arrimo. Palavras-chave: muro, arrimo, concreto.

6 ABSTRACT ABSTRACT This work aims to guide the design of a retaining wall in reinforced concrete with shallow foundations, from the choice of running a retaining wall to the definition of resistant armor. In this paper, we define the load of the wall by the methods of Rankine and Poncelet, then an analysis is made of pre-sizing of the retaining wall. Then the conditions are checked for stability of soil-wall, then, are certain structural strain in the wall elements to be calculated later resistant armor. It developed a detailed example of calculation of a retaining wall. Finally, some remarks are made about the drainage of the landfill and a retaining wall in certain conditions pertaining to retaining walls. Key-words: wall, backer, concrete.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Perfis de muros de arrimo por gravidade (Moliterno)...2 Figura 2: Perfis de muros de arrimo em concreto armado (Moliterno)...2 Figura 3: Elementos constituintes de um muro de arrimo...8 Figura 4: Muros de arrimo com gigantes e vigas intermediarias (Moliterno)...9 Figura 5: Drenagens usuais em muros de arrimo...10 Figura 6: Empuxo: a) passivo b) ativo...11 Figura 7: Condições para aplicação da teoria de Kankine. Caso ativo e passivo (Bueno)...12 Figura 8: Distribuição de esforços laterais e empuxo pela teoria de Rankine (Bueno)...14 Figura 9: Representação do método gráfico de Poncelet...17 Figura 10: Representação do ponto de aplicação do empuxo...17 Figura 11: Pré-dimensionamento segundo Huntington (Domingues)...19 Figura 12: Pré-dimensionamento segundo Moliterno...21 Figura 13: Dentes de ancoragem (Domingues)...24 Figura 14: Centro de pressão e excentricidade...26 Figura 15: Tensões atuantes no solo...28 Figura 16: Distribuição dos carregamnetos atuantes no tardoz...30 Figura 17: Distribuição dos carregamnetos atuantes na sapata...31 Figura 18: Condições de engastamento da ponta e do talão da sapata...32 Figura 19: Deformada do muro de arrimo (Ftool)...33 Figura 20: Corte e diferença de níveis do terreno...35 Figura 21: Muro de arrimo com sobrecarga...36 Figura 22: Determinação do empuxo por Poncelet...38 Figura 23: Determinação do ponto de aplicação do empuxo...38 Figura 24: Pré-dimensionamento do muro de arrimo...40 Figura 25: Gráfico dos esforços solicitantes no muro (Ftool)...41 Figura 26: Carregamento atuante na sapata...45 Figura 27: Gráfico dos esforços solicitantes na sapata (Ftool)...46 Figura 28: Armação do muro de arrimo...57 Figura 29: Esquema de drenagem usual em muros de arrimo...60 Figura 30: Alternativa de drenagem de muros de arrimo...60

8 SUMÁRIO 1. I TRODUÇÃO Tipos de muros de arrimo Muros de arrimo por gravidade Muros de arrimo de concreto armado Projeto de um muro de arrimo OBJETIVOS JUSTIFICATIVA METODOLOGIA MUROS DE ARRIMO Considerações gerais EMPUXO DE TERRA O empuxo Método de Rankine Determinação do empuxo Determinação do ponto de aplicação do empuxo Método de Poncelet Determinação do empuxo Determinação do ponto de aplicação do empuxo PRÉ-DIME SIO AME TO DO MURO DE ARRIMO ESTABILIDADE DO CO JU TO SOLO-MURO Verificação da estabilidade quanto ao tombamento Verificação da estabilidade quanto ao deslizamento Verificação da capacidade suporte do solo Posição do centro de pressão e excentricidade Determinação das tensões máximas e mínimas CÁLCULO DOS ESFORÇOS SOLICITA TES Determinação dos esforços solicitantes no muro Determinação dos esforços solicitantes na sapata...31

9 9.3 Deformada da estrutura CÁLCULO DA ARMADURA EXEMPLO DE CÁLCULO DE MURO DE ARRIMO EM CO CRETO ARMADO Cálculo do empuxo de terra Método de Rankine Método de Poncelet Pré-dimensionamento do muro de arrimo Verificação da estabilidade do conjunto solo-muro Verificação quanto a rotação Verificação quanto ao deslizamento Verificação quanto a capacidade suporte do solo Determinação dos esforços solicitantes Esforços solicitantes no muro Esforços solicitantes na sapata Cálculo da armadura Armação do tardoz Armação da sapata Definição das bitolas, espaçamentos e emendas por traspasse DRE AGEM DOS MUROS DE ARRIMO Detalhes de drenagem PATOLOGIAS EM MUROS DE ARRIMO Solo do aterro mal compactado Falta de junta de movimentação e junta de dilatação Recalque do solo de fundação em edificações vizinhas CO CLUSÃO...63 REFERÊ CIAS BIBLIOBRAFICAS...64 BIBLIOGRAFIAS COMPLEME TARES...65 Anexo

10 1 1. INTRODUÇÃO Com o avanço da ocupação do solo, e pela cultura da população de se locarem uns juntos aos outros em centros urbanos, por diversas vezes há a necessidade de execução de uma obra em locais de difícil acesso, junto de encostas ou muito próximas a elas, sendo essencial a execução de estruturas de contenção: os muros de arrimo. Os muros de arrimo são executados quando não há espaço suficiente para que as diferenças de cotas de terrenos sejam mantidas pela inclinação natural do talude, o que perfaz a solução mais barata. Muros de arrimo são estruturas destinadas a conter massas de solo, provenientes do corte de um talude ou do aterro de um terreno, evitando que o solo assuma a sua inclinação natural. Os muros são solicitados através de um empuxo passivo ou ativo. Passivo quando o muro atua sobre a terra (escoramento de valas e galerias) e ativo quando a terra atua sobre o muro. 1.1 TIPOS DE MURO DE ARRIMO MUROS DE ARRIMO POR GRAVIDADE Neste tipo de muro, o muro, de grande espessura, equilibra as pressões laterais que provocam o empuxo com o próprio peso. São normalmente utilizados onde o solo apresenta elevada capacidade de suporte. Segundo DOMINGUES (1997), o muro de arrimo por gravidade deve ser dimensionado de forma a não apresentar tensões de tração. Neste tipo de muro, os materiais comumente empregados são: concreto ciclópico, alvenaria de pedra e solocimento ensacado. Os perfis mais usuais neste tipo de muro são: retangular, trapezoidal e escalonado. Segundo MOLITERNO (1982), os muros de perfil retangular são geralmente concebidos para alturas de até 2,0m e feitos de concreto ciclópico.

11 2 Os muros de perfil trapezoidal são utilizados para alturas superiores a 2,0m e o paramento inclinado deve sempre que possível ser o externo, fazendo com que o centro de gravidade do muro fique voltado para o lado do terreno. Também é comumente utilizado concreto ciclópico. Os muros com perfil escalonado são executados em alvenaria de pedra apresentando economia de material. A figura 1 mostra os perfis de muros por gravidade. Figura 1: Perfis de muros de arrimo por gravidade (Moliterno,1982) MUROS DE ARRIMO DE CONCRETO ARMADO Nos muros de arrimo de concreto armado, as solicitações de empuxo são equilibradas através da armadura da estrutura sendo a maior solicitação presente na base do muro. Neste caso, o próprio solo contribui para a estabilidade do muro devido sua geometria. São compostos basicamente de duas lajes de concreto armado. A laje vertical é considerada engastada na base com o extremo superior em balanço. A laje horizontal se apóia no terreno, com finalidade estrutural de equilibrar o empuxo e servir de sapata. DOMINGUES (1997). MOLITERNO (1982) diz que muros com perfil L, são recomendados para altura até 2,0m. Muros de perfil clássico, para alturas de 2,0m a 4,0m. Para alturas de 4,0m a 6,0m são recomendados muros atirantados ou cortinas atirantadas. Para muros de 6,0m a 9,0m são utilizados muros com gigantes ou contrafortes. Figura 2: Perfis de muros de arrimo em concreto armado (Moliterno, 1982)

12 3 1.2 PROJETO DE UM MURO DE ARRIMO O projeto de um muro de arrimo se desenvolve pelos seguintes passos: A. Determinação do empuxo B. Pré-dimensionamento do muro de arrimo C. Verificação da estabilidade do conjunto solo-muro (verificação quanto ao deslizamento, rotação e capacidade suporte do solo). D. Determinação dos carregamentos e dos esforços solicitantes na estrutura E. Cálculo da armadura resistente As dimensões são determinadas pela experiência do projetista ou por fórmulas empíricas. Para o estudo da estabilidade deve-se ter conhecimento do peso específico do solo, ângulo de atrito interno e coesão e do muro características e peso específico do material constituinte. Para a segurança do muro de arrimo quanto ao tombamento, o momento do peso do muro deve ser maior do que o momento do empuxo total, ambos tomados a extremidade externa. A segurança quanto ao escorregamento é assegurada fazendo com que a soma das forças resistentes ao deslizamento seja no mínimo 50% maior do que a soma das forças atuantes deve-se ter conhecimento da tensão de resistência ao cisalhamento na base e na área da base do muro por metro linear. Para muros de arrimo com fundação superficial, projetados em situações onde o soloapresenta elevada resistência superficial, a segurança quanto à deformação excessiva do terreno de fundação é satisfeita quando a maior das pressões atuantes for menor do que a pressão admissível do terreno. A resultante da soma das forças atuantes deve passar pelo núcleo central da base do muro para que o terreno esteja submetido somente à compressão e evitando esforços de tração no solo.

13 4 2. OBJETIVOS O presente estudo tem como objetivo a análise dos procedimentos de cálculo de muros de arrimo em concreto armado, bem como o detalhamento da armadura e a execução do muro de arrimo bem como detalhes construtivos como os drenos que são fundamentais para que os muros funcionem de forma planejada, evitando uma solicitação não prevista na estrutura devido ao empuxo do solo saturado. Objetiva-se também a análise dos problemas e riscos que um muro de arrimo concreto armado pode apresentar devido a uma má execução da estrutura e provenientes de uma má compactação do terreno.

14 5 3. JUSTIFICATIVA Devido a não planicidade dos terrenos e aos arrojados projetos arquitetônicos, são muitas as obras que executam cortes e aterros do solo, figurando-se os muros de arrimo elementos de fundamental importância na contenção deste solo. Cada vez mais edifícios são concebidos com garagens subterrâneas onde o solo carrega a estrutura horizontalmente, surgindo a necessidade dos muros de arrimo. A ocupação do solo em encostas e a execução de estradas em trechos de serra também necessitam de muros de arrimo para a contenção do solo. Muros de arrimo calculados e executados de forma errada, sem a utilização adequada dos drenos, podem causar acidentes. Logo, surge a relevância deste estudo, visando um cálculo correto e um bom detalhamento dos muros de arrimo.

15 6 4. METODOLOGIA O presente estudo tem como meta o cálculo e detalhamento de muros de arrimo em concreto armado bem como detalhes de execução. Neste trabalho será exemplificado o cálculo de uma estrutura de contenção de terra. O estudo terá como base a NBR 6118 e análise de textos de vários autores. Para que a meta deste estudo seja alcançada, serão analisados: Estudo e revisão bibliográfica de muros de arrimo em concreto armado, do empuxo de terra e dos elementos de um muro de arrimo. Descrição dos métodos de cálculo do empuxo de terra. Método analítico de Rankine e método gráfico de Poncelet Descrição das etapas de obtenção das dimensões dos elementos do muro de arrimo e do elemento de fundação Verificação do conjunto: verificação da estabilidade do conjunto com as medidas pré-dimensionadas e com as cargas verticais e horizontais, definição da posição do centro de pressão e excentricidade. Elaboração do cálculo dos esforços solicitantes no tardoz e na ponta e no talão da sapata de fundação. Orientação para a determinação da armadura resistente aos esforços solicitantes no muro e na sapata. Exemplificação da teoria de cálculo através do cálculo de um muro de arrimo de 3,0m de altura: determinação do empuxo por Rankine e Poncelet, pré-dimensionamento do muro de arrimo, verificação da estabilidade solo-muro, determinação dos esforços solicitantes no muro e na sapata, determinação das armaduras resistentes e detalhamento da armação do muro. Orientação para um projeto de muro de arrimo quanto a drenagem do aterro. Citação de patologias pertinentes a muros de arrimo. Conclusão de modo a orientar futuros projetistas de muros de arrimo em concreto armado.

16 7 5. MUROS DE ARRIMO 5.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS Muros de arrimo são estruturas concebidas com a finalidade de conter a movimentação do solo em cortes ou aterro de terrenos. Os muros de arrimo comumente são de elevado valor e muitas vezes, para edificações de pequeno e médio porte têm seu valor maior do que o custo da edificação. O projeto de terraplenagem de um terreno deve ser realizado de forma a minimizar os cortes e conseqüentemente dispondo do mínimo de estruturas de contenção com as dimensões mínimas necessárias. Segundo MOLITERNO (1982), ao engenheiro cabe definir qual a solução à contenção do solo que desprenda o menor custo. Para isto o engenheiro deve conhecer a natureza do solo a ser contido e analisar as construções parecidas perto do muro de arrimo a ser construído. É de bom proveito verificar se o solo em questão apresenta fissuras e se a vegetação apresenta-se inclinada devido a movimentações lentas da encosta. Dentre as diversas seções de muros de arrimo existentes, a figura 3 mostra uma das seções mais usuais e seus elementos constituintes onde: Trecho AB muro propriamente dito (cortina ou tardoz); Trecho CF sapata de fundação; Trecho CD ponta da sapata, que é a parte que se projeta fora da terra (talude); Trecho EF talão da sapata, que é a parte que se projeta do lado da terra (talude); Trecho DG dente de ancoragem

17 8 Figura 3: Elementos constituintes de um muro de arrimo Dentre os diversos fatores pertinentes a concepção do projeto de um muro de arrimo pode-se agrupá-los quanto às propriedades físicas e mecânicas do solo, quanto às condições naturais e climáticas da região, os dependentes do elemento vertical (tardoz) e os dependentes do elemento horizontal (sapata). Relacionando-se ao solo temos: o peso específico natural, os parâmetros de resistência do solo (coesão e ângulo de atrito interno) e recalques. Os relacionados às condições naturais: umidade, chuvas, lençóis freáticos, trepidações e cargas no terrapleno. Quanto ao elemento horizontal temos: rotação e translação. Relacionado ao elemento vertical temos: altura, rugosidade, deformabilidade e inclinação. Como principal carregamento do muro de arrimo tem-se o empuxo de terra, passivo ou ativo, tendo como causa desse empuxo os cortes e os aterros do terreno. É de suma importância para o cálculo de uma estrutura de contenção de terra o cálculo deste empuxo que se da pela tendência do solo de voltar a sua declividade natural. Para que o solo não tenda a se reacomodar, o ângulo de atrito entre os grãos deve ser maior do que o ângulo de inclinação do talude. Como outro carregamento pertinente a estrutura de arrimo tem-se a sobrecarga referente à utilização do terreno adjacente. Seessa sobrecarga se apresentar de forma distribuída, o seu efeito é considerado acrescentando uma altura de terra equivalente ao carregamento. Se essa sobrecarga se der sobre uma carga pontual, deve-se analisar o seu ponto de atuação analisando se ela esta sobre o aterro e analisar se o bulbo de pressões gerado pela carga pontual carrega a estrutura de contenção.

18 9 Para solos coesivos ocorre uma pressão negativa no solo que alivia a estrutura porém esse alívio não é considerado a favor da segurança, tendo em vista uma imprecisão quanto a natureza do solo no futuro, que pode ser alterada pelo homem. Para o cálculo do empuxo pode-se determiná-lo analiticamente por diversos métodos tais como o Método de Coulomb ou o Método de Rankine ou graficamente pelo método de Poncelet. Como vantagem do método de Poncelet, tem-se que esse método nos fornece uma indicação da cunha de terra que poderá deslizar e provocar o empuxo, podendo assim postergar a execução do muro para o fim da obra em questão. Quando for preciso muros com altura maior que 4 m, é conveniente o emprego de gigantes, também chamados de contrafortes, com ou sem vigas intermediárias. A figura 4 mostra contrafortes sem vigas (figura 4 a), com vigas (figura 4 b). Podem ser colocados do lado da terra a ser contida ou do lado externo do muro (figura 4 c). Figura 4a Gigantes do lado da terra Figura 4b Gigantes/vigas do lado da terra Figura 4c Gigantes do lado externo Figura 4 Muros de arrimo com gigantes e vigas intermediarias (Moliterno, 1982) A função das vigas intermediárias é de aliviar o momento na base do muro de arrimo dividindo a porção de terra que gera o empuxo em duas ou mais partes além de proporcionar maior rigidez. DOMINGUES (1997) diz que para o cálculo do muro de arrimo devemos fazer um pré-dimensionamento da estrutura onde, o único dado conhecido é a altura do muro delimitado pelas cotas inferior e superior co terreno e as demais dimensões são determinadas com a experiência do projetista e, posteriormente devem ser confirmadas na verificação das resistências das seções e se preciso,alterá-las. Uma vez realizado o pré-dimensionamento, inicia-se a verificação da estabilidade do conjunto quanto ao tombamento e ao deslizamento.

19 10 DOMINGUES (1997) diz que para realizar os cálculos de armadura, é necessário primeiramente obter as ações horizontais (empuxo) e as ações verticais (peso próprio da estrutura) e os respectivos momentos, bem como a componente tangencial e normal atuantes no muro. GUERRIN ( ), diz que como fator de segurança quanto a estabilidade estática do muro, é utilizado 1,5 sendo que o momento devido as ações verticais deve ser 1,5 o momento devido as forças atuantes. Se, o coeficiente de segurança não for alcançado, fazse uso de alguns artifícios como inclinação da sapata, criação de dentes na fundação que tem a finalidade de aumentar a resistência quanto ao deslizamento ou até mesmo aumentar as dimensões da sapata. As águas do lençol freático que porventura ocorram a montante do muro de arrimo devem ser controladas através de projetos específicos de drenagem, evitando assim que o solo fique saturado e acabe por aumentar consideravelmente o empuxo. Usualmente são projetados dispositivos de drenagem denominados barbacãs ou torneiras figura 5a, dispostos uniformemente ao longo do muro, ou pode ser feito somente com uma saída inferior como mostra a figura 5b. Figura 5a Drenos e Barbacãs ( Guerrin) Figura 5b Saida na parte inferior (Moliterno, 1982) Figura 5 Drenagens usuais em muros de arrimo O mau planejamento dos drenos, bem como a sua má execução são os principais fatores de patologias e do colapso das estruturas de contenção.

20 11 6. EMPUXO DE TERRA 6.1 O EMPUXO Empuxo de terra é a solicitação exercida em uma estrutura de contenção que interage com o maciço terroso gerado por uma porção de terra que tende a voltar a sua inclinação natural. Ao se implantar uma obra, muitas vezes é necessária a intervenção no terreno formando platôs e taludes. Para os taludes, a opção mais barata é deixá-los com um ângulo de inclinação menor ou igual a φ, que é o ângulo de atrito interno dos grãos. Quando por ventura, temos cortes ou aterro do terreno formando com a horizontal um ângulo de inclinação maior que φ, surge o empuxo de terra que carrega a estrutura. GUERRIN ( ) diz que para a cunha de terra que solicita o muro de arrimo, temos uma infinidade de estados de equilíbrio possíveis. É certo falar em incertezas de cálculo e, portanto, seu corolário imediato: a necessidade de não sacrificar a segurança, é preciso fazer grandes suposições. O empuxo de terra pode ser presente de duas formas: o empuxo passivo e empuxo ativo (ou simplesmente empuxo). Para o empuxo passivo, temos a estrutura carregando o solo, o que gera esforços de compressão no solo (verificado em dentes de ancoragem), para o empuxo ativo, o solo é quem carrega a estrutura que ao se deformas gera esforços de tração no solo (ocorre no tardoz do muro), representado na figura 6. Figura 6: Empuxo passivo e ativo (Marangon, )

21 12 Tem-se então, como interface com o muro, o solo. Passivo ou ativo, vem do solo o carregamento da estrutura que em grande parcela, gera uma solicitação considerável. Porém, o solo está sujeito a chuvas, que preenchem os vazios do solo aumentando consideravelmente o valor do empuxo, agora composto por solo e água. Os muros de arrimo, se calculados para tal solicitação, seriam de tal robustez e economicamente inviáveis que em muitos casos custaria tanto quanto a edificação em si. Logo, é de senso comum projetá-los considerando apenas o empuxo de terra e muní-los de drenos, seja composto de areia na interface solo-muro seja por mantas geotêxtil, de forma que não ocorra o empuxo gerado pela água. Quanto a estrutura do solo, se coesivos ou não, as teorias de cálculo circundam os solos não coesivos. Para solos coesivos, muitos autores o consideram não coesivos, isto a favor da segurança pois os solos coesivos podem gerar esforços de tração que aliviam o carregamento do muro e, após executado, devido a utilizações futuras, a natureza do solo pode vir a ser alterada. Neste estudo, o empuxo será calculado pelo método de Rankine que se apóia nas equações de equilíbrio interno do maciço onde uma cunha de terra tenta deslocar-se da parte fixa do maciço e sobre ela são aplicadas as análises de equilíbrio dos corpos rígidos (Bueno, 1985). Este valor do empuxo será comparado com o empuxo calculado através do método gráfico de Poncelet. 6.2 MÉTODO DE RANKINE DETERMINAÇÃO DO EMPUXO O método de Rankine fundamenta-se na do maciço ser homogêneo de extensão infinita e de superfície plana Figura 7 Condições para aplicação da teoria de Rankine. Caso ativo, 45 + φ/2 e caso passivo, 45 - φ/2. (Bueno e Vilar, 1985).

22 13 BUENO (1985) diz que a relação entre tensões efetivas horizontais e verticais constitui o coeficiente de empuxo. Para o empuxo ativo temos como o coeficiente do empuxo ativo: Onde: é a resultante da tensão horizontal do empuxo ativo e, é a resultante da tensão vertical. A teoria de Rankine, através do círculo de Mohr fornece: Onde: φ é o ângulo de atrito interno do solo passivo: Analogamente para o empuxo passivo temos como o coeficiente do empuxo Dá-se então: Segundo Bueno, para a teoria de Rankine, a variação das tensões horizontais é linear com a profundidade ( sendo γ o peso específico do solo e h a altura do maciço no ponto de atuação do empuxo). O diagrama resultante será triangular e o empuxo consistirá na integração das tensões laterais ao longo da altura,

23 14 mostrada pela figura 8. Portanto: Figura 8 Distribuição de esforços laterais e empuxo pela teoria de Rankine e ponto de aplicação da resultante (Bueno e Vilar, 1985) Para terrenos que possuem a superfície inclinada de Ѳ temos as mesmas considerações porém com coeficientes de empuxo passivo e empuxo ativo valendo: DETERMINAÇÃO DO PONTO DE APLICAÇÃO DO EMPUXO Para terrapleno sem sobrecarga, a altura y do ponto de aplicação do empuxo é dado

24 15 por: Para terraplenos com sobrecarga q(tf/m²), esta é considerada como uma altura de solo equivalente a carga distribuída. Logo: Nesta situação, o ponto de aplicação do empuxo y é dado por: 6.3 MÉTODO GRÁFICO DE PONCELET DETERMINAÇÃO DO EMPUXO MOLITERNO (1982) detalha o método gráfico de Poncelet como: 1. Grandeza do empuxo: - é o ângulo do talude natural; - é o peso específico do solo; H - é a altura do talude; - é a inclinação do terreno adjacente ao muro; - é a direção do empuxo, que é o ângulo de atrito entre a terra e o muro. A. Determina-se, que é o ângulo que a direção do empuxo faz com a vertical.

25 16 B. Marca-se o ângulo a partir da horizontal que passa pelo pé do talude, e traçamos com a direção, a reta AC, sendo C um ponto de intersecção com o terreno adjacente ao muro. A reta AC é denominada de linha de talude natural, pois, se o terreno tivesse essa inclinação, estaria em repouso e, portanto sem possibilidade de deslizamento. C. Marca-se a partir da linha de talude natural AC, o ângulo, e tem-se a reta AR, chamada de linha de orientação. D. A partir do ponto B, intersecção do topo do muro com o terreno, traça-se BD, paralela a linha de orientação AR, ficando o ponto D sobre a linha AC. E. Com centro no ponto M, meio da linha AC, traça-se o semicírculo AC. F. Do ponto D, tira-se uma perpendicular a linha AC, até encontrar o semicírculo no ponto E. G. Com o centro no ponto A, transfere-se o ponto E para a linha AC, obtendo o ponto F. H. Do ponto F, traça-se uma reta paralela a linha de orientação AR até encontrar a superfície do terreno, achando o ponto G. I. Com o centro no ponto F, transfere-se o ponto G para a linha de talude natural AC, tendo o ponto L sobre a mesma. J. Nestas condições, a área do triangulo FGL multiplicado pela massa específica do solo, representa a grandeza do empuxo. Logo:

26 17 Figura 9 Representação do método gráfico de Poncelet DETERMINAÇÃO DO PONTO DE APLICAÇÃO DO EMPUXO Para definir o ponto de aplicação do empuxo, deve-se construir um triângulo de área equivalente ao triângulo FGL com: d a altura medido graficamente e b a base. A reta AS é uma reta paralela a inclinação do terreno, I é o baricentro do triângulo de área equivalente. Paralelo a reta AS, a partir do ponto I traçamos uma reta até o muro sendo este ponto o ponto de aplicação do empuxo e, a partir da perpendicular ao muro no ponto de aplicação do empuxo, aplica-se um ângulo φ tendo então a direção do empuxo conforme a figura 10. Figura 10 Representação do ponto de aplicação do empuxo

27 18 O método de Poncelet tem como vantagem nos apresentar a porção de solo que pode vir a desbarrancar que é o plano de ruptura, permitindo que o muro de arrimo seja construído posteriormente ao inicio da obra, deixando-o temporariamente desprotegido porém com inclinação inferior ao plano de ruptura. BUENO E VILAR (1985) dizem que para o cálculo do empuxo em terrenos que possui sobrecarga, seguimos a mesma seqüência citada cima porém o carregamento distribuído é considerado como uma altura de solo equivalente e de mesma massa específica. Para uma carga uniformemente distribuída paralela ao muro, devemos acrescentá-la sobre o peso da cunha determinada no método gráfico, isto se a carga estiver sobre a cunha. O empuxo devido a água deve ser considerado separadamente porém, exercendo igual pressão em todas as direções.

28 19 7. PRÉ-DIMENSIONAMENTO DO MURO DE ARRIMO No pré-dimensionamento do muro de arrimo, através de experiências anteriores, determinamos as dimensões prévias dos elementos que constituem o muro, onde a única dimensão já conhecida é a altura do muro H. A altura do muro é dada pela diferença das cotas do terreno onde o muro será viabilizado. As demais dimensões são funções da altura H. Huntington citado por DOMINGUES (1997) sugere que a espessura tanto da parede quanto da sapata (h), deve estar compreendida entre os seguintes valores: Onde H é a altura do muro. A largura da sapata (b), preferencialmente deve estar entre: Figura 11 Pré-dimensionamento segundo Huntington (Domingues, 1997)

29 20 MOLITERNO (1982) diz que para o pré-dimensionamento e posteriormente o dimensionamento da armadura, devemos tomar o muro como uma laje vertical, em balanço, e engastada na sapata, sugerindo que: Para pré dimensionar a base do muro ( ), devemos saber o valor do empuxo (E) e do ponto de aplicação do empuxo (y), donde obtemos: De acordo com a NBR artigo 6.3.3, item c adotando um cobrimento de concreto de 3 cm temos: Para determinar a dimensão do topo do muro (, segundo a NBR 6118 art.8, inciso , devemos tomar como quatro vezes o diâmetro do agregado graúdo. Por medidas práticas temos que para brita n 2, e para brita n 3,. Para a largura da sapata (, adotemos valores entre 50% e 60% da altura do muro. Usualmente: Para a ponta (r) e o talão (t) da sapata temos: Ponta, valores compreendidos entre 1/8 a 1/6 de H. Usualmente:

30 21 Talão: Como condição de engastamento do muro na sapata, devemos ter: As espessuras das extremidades devem estar entre 10 e 30cm, havendo um chanfro suave na face superior da sapata. Figura 12 Pré-dimensionamento segundo Moliterno

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA Dimensionamento MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES 3. 1 Obras de revestimento proteção x obras de contenção Os tipos de obra voltados para a estabilização de encostas evoluem constantemente, em função de novas técnicas

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS DE CONCRETO ARMADO Muros de arrimo

TÓPICOS ESPECIAIS DE CONCRETO ARMADO Muros de arrimo TÓPICOS ESPECIAIS DE CONCRETO ARMADO Muros de arrimo Rodrigo Gustavo Delalibera Engenheiro Civil - Doutor em Engenharia de Estruturas dellacivil@yahoo.com.br Dimensionamento de estruturas especiais de

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Muro de Arrimo por Gravidade

Muro de Arrimo por Gravidade Muro de Arrimo por Gravidade CONCEITO É a solução estrutural mais antiga e por ser relativamente barato e não exigir mão de obra especializada é mais comum. É executado junto a um talude (inclusive de

Leia mais

Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento.

Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento. Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento. 36 37 Figura 4.5 Exemplo da seqüência executiva de tirantes. Figura 4.6 Sistema de atirantamento por rosqueamento 38 Figura 4.7 Execução da perfuração.

Leia mais

Estabilidade de Muros de Gravidade

Estabilidade de Muros de Gravidade Estabilidade de Muros de Gravidade Aluno: Douglas Rocha Matera Orientador: Prof. Celso Romanel Introdução Contenção de solos é uma importante área da engenharia geotécnica, responsável por garantir a segurança

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Aplicação do Estudo de Flexão Normal Composta à Muros de Contenção Construídos Com Gabiões

Aplicação do Estudo de Flexão Normal Composta à Muros de Contenção Construídos Com Gabiões Aplicação do Estudo de Flexão Normal Composta à Muros de Contenção Construídos Com Gabiões BUENO, Fagner S. (1) ; FRANCO, Elízia S. S. (1) ; OLIVEIRA, Juliana M. (1) ; RIOS, Fernanda P. (1) ; SAHB, Keyla

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Fundações Diretas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Introdução: Todo peso de uma obra é transferido para o terreno em que a mesma é apoiada. Os esforços produzidos

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio UNIVERSIDADE: Curso: Fundações: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, agosto de 2004. 0 FUNDAÇÕES:

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2 CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes 2.1 Critérios de Projeto de Muros de Arrimo. 2.2 Análises da Estabilidade de Muros de Arrimo. 2.3 Exemplo de Cálculo. Aula

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

ÍNDICE 1.- NORMA E MATERIAIS... 2 2.- AÇÕES... 2 3.- DADOS GERAIS... 2 4.- DESCRIÇÃO DO TERRENO... 2 5.- GEOMETRIA... 2 6.- ESQUEMA DAS FASES...

ÍNDICE 1.- NORMA E MATERIAIS... 2 2.- AÇÕES... 2 3.- DADOS GERAIS... 2 4.- DESCRIÇÃO DO TERRENO... 2 5.- GEOMETRIA... 2 6.- ESQUEMA DAS FASES... ÍNDICE 1.- NORMA E MATERIAIS... 2 2.- AÇÕES... 2 3.- DADOS GERAIS... 2 4.- DESCRIÇÃO DO TERRENO... 2 5.- GEOMETRIA... 2 6.- ESQUEMA DAS FASES... 3 7.- RESULTADOS DAS FASES... 3 8.- COMBINAÇÕES... 3 9.-

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Introdução. Empuxo de terra é a ação produzida pelo maciço terroso sobre as obras com ele em contato.

Introdução. Empuxo de terra é a ação produzida pelo maciço terroso sobre as obras com ele em contato. Empuxos de Terra Introdução Empuxo de terra é a ação produzida pelo maciço terroso sobre as obras com ele em contato. A determinação do valor do empuxo de terra é fundamental na análise e projeto de obras

Leia mais

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL:

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

5 Análises de probabilidade de deslizamento de muro de arrimo

5 Análises de probabilidade de deslizamento de muro de arrimo 5 Análises de probabilidade de deslizamento de muro de arrimo 5.1. Introdução Apresentam-se, a seguir, aplicações de métodos probabilísticos em estimativas de probabilidades de deslizamento de um muro

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

ESTUDO DE PARÂMETROS PARA PROJETO DE MUROS DE ARRIMO EM ALVENARIA ESTRUTURAL

ESTUDO DE PARÂMETROS PARA PROJETO DE MUROS DE ARRIMO EM ALVENARIA ESTRUTURAL UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL LUCIANO ALVES ESTUDO DE PARÂMETROS PARA PROJETO DE MUROS DE ARRIMO EM ALVENARIA ESTRUTURAL TRABALHO

Leia mais

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 3 ESCDS USUIS DOS EDIFÍCIOS 1 3.1- INTRODUÇÃO patamar lance a b c d e Formas usuais das escadas dos edifícios armada transversalmente armada longitudinalmente armada em cruz V3 V4 Classificação

Leia mais

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento

ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações ES015 - Projeto de Estruturas Assistido por Computador: Cálculo e Detalhamento Prof. Túlio Nogueira

Leia mais

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado Ferreira Jr, J. A., Mendonça, M. B. e Saramago, R. P. Terrae Engenharia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil RESUMO: A participação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA CÁLCULO DE MUROS DE ARRIMO PEDRO CRISTIANO DO COUTO NETO

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA CÁLCULO DE MUROS DE ARRIMO PEDRO CRISTIANO DO COUTO NETO Centro Universitário de Brasília Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas FATECS Graduação de Engenharia Civil DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA CÁLCULO DE MUROS DE ARRIMO PEDRO CRISTIANO DO

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 1 Universidade de Uberaba / andersonaf@outlook.com 2 Universidade de Uberaba / tulio.acerbi@gmail.com

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

Estudo das Aplicações de Geossintéticos em Obras Civis: Análise de Caso com Geogrelha

Estudo das Aplicações de Geossintéticos em Obras Civis: Análise de Caso com Geogrelha Estudo das Aplicações de Geossintéticos em Obras Civis: Análise de Caso com Geogrelha Carlos Alberto Ortiz Hadlich Instituto Mauá de Tecnologia, São Caetano do Sul, Brasil, caca_hadlich@hotmail.com Felipe

Leia mais

Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto

Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto Probabilidade de Colapso de Muro de Solo Reforçado e Considerações de Projeto Marcus Vinicius Weber de Campos Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, EESC-USP, São Carlos, Brasil,

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

INDICE 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5

INDICE 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5 INDICE 1.INTRODUÇÃO 3 2.OBJETIVO 4 3.CÁLCULO PELO MÉTODO SIMPLIFICADO X CÁLCULO COMO PLACAS ISOLADAS...5 3.1 Caixa d`água Vazia...... 6 3.1.1 Parede XZ (Par 1 e Par 3)... 7 3.1.2. Parede YZ (Par 4 e Par

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS

DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS DIMENSIONAMENTO DAS BARRAS DE AÇO DA ARMADURA DE BLOCOS SOBRE ESTACAS B. C. S. Lopes 1, R. K. Q. Souza, T. R. Ferreira 3, R. G. Delalibera 4 Engenharia Civil Campus Catalão 1. bcs_90@hotmail.com;. rhuankarlo_@hotmail.com;

Leia mais

Estudo da Aplicação de Geogrelha em Muro Reforçado: análise de caso

Estudo da Aplicação de Geogrelha em Muro Reforçado: análise de caso Estudo da Aplicação de Geogrelha em Muro Reforçado: análise de caso Carlos Alberto Ortiz Hadlich - Instituto Mauá de Tecnologia Engenheiro Civil formado pelo Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia

Leia mais

01 projeto / normalização

01 projeto / normalização 01 projeto / normalização revisão_das_práticas_recomendadas para_edificações_de_até_5_pavimentos apresentação O trabalho é uma revisão da primeira versão das PRs, que serve como texto base para a norma

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

Sistema laje-viga-pilar

Sistema laje-viga-pilar Sistema laje-viga-pilar Pré-dimensionamento das lajes de concreto, vigas e pilares de aço Taipe-101 (004) Taipe/Taiwan 509m (448m) aço Prof. Valdir Pignatta e Silva AÇÕES tudo aquilo que pode produzir

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus.

FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES. Tutorial. Tutorial. Tutorial. Tutorial. MULTIPLUS www.multiplus.com. MULTIPLUS www.multiplus. Tutorial Tutorial FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da República, 386 6º and 01045-000 São Paulo - SP Hot Line: (11) 3337-5552 SIM /controle/acesso.asp Praça da

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO

LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO CAPÍTULOS 1 A 4 Volume LAJES MACIÇAS DE CONCRETO ARMADO 1 1- Tipos usuais de lajes dos edifícios Laje h Laje maciça apoiada em vigas Vigas h Lajes nervuradas nervuras aparentes material inerte Laje Laje

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural

Recomendações para a Elaboração do Projeto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto I Professor: Rafael Alves de Souza Recomendações para a Elaboração do Projeto

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

1. Definição dos Elementos Estruturais

1. Definição dos Elementos Estruturais A Engenharia e a Arquitetura não devem ser vistas como duas profissões distintas, separadas, independentes uma da outra. Na verdade elas devem trabalhar como uma coisa única. Um Sistema Estrutural definido

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas.

As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. Memória de cálculo de fundações 1. Classificação As fundações podem ser classificadas como rasas ou profundas, diretas ou indiretas. As fundações rasas podem ser sapatas (isoladas ou corridas) e radiers

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler Resistências dos Materiais dos Materiais - Aula 5 - Aula 7 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7 Professor Alberto Dresch Webler 1 Aula 7 Tensão e deformação de cisalhamento; Tensões e cargas admissíveis;

Leia mais

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo fornecer aos projetistas e contratantes, recomendações básicas e orientações

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

Concepção Estrutural de Edifícios

Concepção Estrutural de Edifícios de maneira geral, uma construção é concebida para atender a determinadas finalidades. a sua implantação envolve a utilização dos mais diversos materiais: o concreto armado, as alvenarias de tijolos ou

Leia mais

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT

MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO 23ª REGIÃO RUA E S/N, CENTRO POLÍTICO ADMINISTRATIVO, CUIABÁ - MT MEMÓRIA DE CÁLCULO ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1. Hipóteses

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO CURSO: ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES E OBRAS DE TERRA II - TEXTO DE AULA

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO CURSO: ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES E OBRAS DE TERRA II - TEXTO DE AULA UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO CURSO: ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES E OBRAS DE TERRA II - TEXTO DE AULA 5. Estabilidade de Taludes Os métodos para a análise da estabilidade de taludes, atualmente em uso, baseiam-se

Leia mais

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica.

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. A seguir explicitam-se todas as etapas do trabalho de engenharia geotécnica recomendáveis para parecer técnico e ou projeto deste tipo, a fim de: - Orientar

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

MUROS DE ARRIMO EM CONCRETO ARMADO

MUROS DE ARRIMO EM CONCRETO ARMADO CENTRO UNIVERSITÁRIO IZABELA HENDRIX Adriano dos Santos Coelho Claudiane Pinto Ferraz Diego Rodrigues Silva Jonathan de São Miguel Sabino Marlo Duarte Paola de Castro Saggioro Renato Reis MUROS DE ARRIMO

Leia mais

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária)

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária) cisalhamento - ELU 22 3.6. rmadura de suspensão para cargas indiretas 3.6.1. Carga concentrada indireta (poio indireto de viga secundária) ( b w2 x h 2 ) V 1 ( b w1 x h 1 ) V d1 - viga com apoio ndireto

Leia mais

TENSÕES EM SOLOS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

TENSÕES EM SOLOS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS TENSÕES EM SOLOS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 1) O peso específico de um solo seco pré-adensado (ko = l,5). é γd = 19,6 kn/m3. Se a superfície do terreno for horizontal, pode-se então afirmar que a tensão horizontal

Leia mais

Estruturas de Contenção Muros de Arrimo

Estruturas de Contenção Muros de Arrimo Estruturas de Contenção Muros de Arrimo CONTEÚDO 1. Definição... 2 2. Tipos de Muros... 2 2.1. Muros de Gravidade... 2 2.1.1. Muros de alvenaria de pedra... 2 2.1.2. Muros de concreto ciclópico ou concreto

Leia mais

VIGAS E LAJES DE CONCRETO ARMADO

VIGAS E LAJES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: 6033 - SISTEMAS ESTRUTURAIS I Notas de Aula

Leia mais

Palavras-chave Concreto Armado; Análise e Dimensionamento Estrutural; Vigas; Aplicativo Android.

Palavras-chave Concreto Armado; Análise e Dimensionamento Estrutural; Vigas; Aplicativo Android. Desenvolvimento de um Aplicativo Android de Auxílio no Dimensionamento de Vigas de Concreto Armado Jonathas Iohanathan Felipe de Oliveira 1, Eric Mateus Fernandes Bezerra 2, Raimundo Gomes de Amorim Neto

Leia mais

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos.

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos. PRÉ-DIMENSIONAMENTO CAPÍTULO 5 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 3 abr 2003 PRÉ-DIMENSIONAMENTO O pré-dimensionamento dos elementos estruturais é necessário para que se possa calcular

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Baseado nestas informações, atenda ao solicitado abaixo.

ENGENHARIA CIVIL. Baseado nestas informações, atenda ao solicitado abaixo. 1 Você foi designado para fazer parte de uma equipe de um projeto de drenagem urbana. Em um dos trechos, está prevista a construção de um canal retangular em concreto, enterrado no solo, conforme mostra

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2.

3) Calcule o alongamento elástico da peça do esquema abaixo. Seu material tem módulo de elasticidade de 2x10 5 N/mm 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CÂMPUS DE CHAPADÃO DO SUL DISCIPLINA: CONSTRUÇÕES RURAIS LISTA DE EXERCICIOS I RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS PROFESSOR: PAULO CARTERI CORADI 1) Calcule a deformação

Leia mais

Obras com Estrutura de Contenção

Obras com Estrutura de Contenção CAPÍTULO 11 Obras com Estrutura de Contenção Muro de arrimo 11. 1 Outras soluções de contenção 11. 2 189 Todos os muros deverão ser construídos com base em projeto executivo e com acompanhamento técnico

Leia mais

Fundações Profundas:

Fundações Profundas: UNIVERSIDADE: Curso: Fundações Profundas: Tubulões Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, abril de 004. 1 Fundações Profundas: Tubulões A altura H (embutimento)

Leia mais

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO CURSO PRÁTICO DE DIAGNOSTICO, REPARO, PROTEÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO PROF. FERNANDO JOSÉ RELVAS frelvas@exataweb.com.br

Leia mais

Geotecnia e Fundações, Arquitectura. Capítulo 7 ESTRUTURAS DE SUPORTE DE TERRAS

Geotecnia e Fundações, Arquitectura. Capítulo 7 ESTRUTURAS DE SUPORTE DE TERRAS Capítulo 7 ESTRUTURAS DE SUPORTE DE TERRAS 1. Tipos de estruturas de suporte Há necessidade de construir uma estrutura de suporte sempre que se pretende um desnível de terreno com altura h e o terreno

Leia mais

BASES PARA CÁLCULO CAPÍTULO 6 BASES PARA CÁLCULO 6.1 ESTADOS LIMITES

BASES PARA CÁLCULO CAPÍTULO 6 BASES PARA CÁLCULO 6.1 ESTADOS LIMITES BASES PARA CÁLCULO CAPÍTULO 6 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 6 maio 2003 BASES PARA CÁLCULO 6.1 ESTADOS LIMITES As estruturas de concreto armado devem ser projetadas de modo

Leia mais

Danos devido à retirada precoce do escoramento

Danos devido à retirada precoce do escoramento Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Programa de Pós-GraduaP Graduação em Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Atuação de sobrecargas Concreto Armado Danos devido à retirada

Leia mais

PROJETO DE CORTINA ATIRANTADA EM OBRAS RODOVIÁRIAS CASO DE INSTABILIDADE DE ENCOSTA ÍNGREME

PROJETO DE CORTINA ATIRANTADA EM OBRAS RODOVIÁRIAS CASO DE INSTABILIDADE DE ENCOSTA ÍNGREME ARTIGO PROJETO DE CORTINA ATIRANTADA EM OBRAS RODOVIÁRIAS CASO DE INSTABILIDADE DE ENCOSTA ÍNGREME Carlos Williams Carrion, Ms ENCIBRA Estudos e Projetos de Engenharia, São Paulo / SP carloscarrion@uol.com.br

Leia mais

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.1 INTRODUÇÃO Vários materiais sólidos empregados em construção normalmente resistem bem as tensões de compressão, porém têm uma capacidade bastante limitada

Leia mais

Relatório-Síntese 2000 ANEXO Engenharia Civil

Relatório-Síntese 2000 ANEXO Engenharia Civil Capítulo 6 Prova 103 1 Você foi designado para fazer parte de uma equipe de um projeto de drenagem urbana. Em um dos trechos, está prevista a construção de um canal retangular em concreto, enterrado no

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha

cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha cs-41 RPN calculator Mac OS X CONCRETO ARMADO J. Oliveira Arquiteto Baseado nas normas ABNT NBR-6118 e publicações de Aderson Moreira da Rocha MULTIGRAFICA 2010 Capa: foto do predio do CRUSP em construção,

Leia mais

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS

CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 CISALHAMENTO EM VIGAS CISALHAMENTO EM VIGAS CAPÍTULO 13 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 25 ago 2010 CISALHAMENTO EM VIGAS Nas vigas, em geral, as solicitações predominantes são o momento fletor e

Leia mais

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal

Fig. 4.2 - Exemplos de aumento de aderência decorrente de compressão transversal aderência - 1 4. Aderência, ancoragem e emenda por traspasse 4.1. Aderência A solidariedade da barra de armadura com o concreto circundante, que impede o escorregamento relativo entre os dois materiais,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA Curso de Engenharia Civil Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas PROJETO DE ESTRUTURAS COM GRANDES VARANDAS EDUARDO VIEIRA DA COSTA Projeto

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV NOTAS DE AULA MARQUISES Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS SANTOS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO REFORÇADO NO PARQUE DOS PRÍNCIPES, SÃO PAULO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO REFORÇADO NO PARQUE DOS PRÍNCIPES, SÃO PAULO SP UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO REFORÇADO NO PARQUE DOS PRÍNCIPES, SÃO PAULO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. PERÍODO 1996 Revisado ABRIL 2011

Leia mais