QUADRO DE RESULTADOS DO CAADP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUADRO DE RESULTADOS DO CAADP"

Transcrição

1 QUADRO DE RESULTADOS DO CAADP ( ) A Busca de Resultados e Impacto Sustentação do Ímpeto do CAADP 2015; Quadro de Resultados do CAADP ( ); Agência de Planificação e Coordenação da NEPAD

2 A Busca de Resultados e Impacto

3 ÍNDICE DAS MATÉRIAS Preâmbulo... Acrónimos e Abreviaturas INTRODUÇÃO Sustentação do Ímpeto do CAADP Altura oportuna para Decisões e Accões Ousadas para Obter Resultados e Impacto O QUADRO DE RESULTADOS DO CAADP Justificação e Âmbito 2.2 Estrutura do Quadro de Resultados do CAADP 3. UTILIZAÇÃO DO QUADRO DE RESULTADOS DO CAADP Gera Painel de Instrumentos da Linha de Frente na Mudança Fundamental e do Impacto Desejado no horizonte do ano Utilização do Quadro de Resultados do CAADP ao nível do País Utilização do Quadro de Resultados do CAADP aos níveis Regional e Continental Monitorização, Notificação e Desenvolvimento de Capacidades Apoio aos países: Papéis, Responsabilidades e Arquitectura de Notificação do Quadro de Resultados do CAADP VALOR ACRESCIDO ESPERADO DO QUADRO DE RESULTADOS DO CAADP AS FERRAMENTAS E SISTEMAS DE NOTIFICAÇÃO EXISTENTES ANEXOS ANEXO 1 Tabela 1a:Indicadores de Impacto do Nível ANEXO 1 Tabela 1b: Indicadores de Produtividade e de Resultados do Nível ANEXO 1 Tabela 1c: Indicadores da Capacidade Sistémica do Níivel ; Quadro de Resultados do CAADP ( ); Agência de Planificação e Coordenação da NEPAD 2

4 PREÂMBULO No quadro de uma análise retrospectiva da implementação do Programa Integrado para o Desenvolvimento da Agricultura Africana (CAADP), o exercício de Sustentação do Ímpeto do CAADP, realizado em concluiu que, tal como tinha sido constatado em 2003, a visão do programa é hoje ainda muito válida. Assim, na análise da implementação do CAADP nos próximos dez anos, o principal desafio que se afigura é COMO acelerar a implementação para alcançar a visão e os objectivos definidos para a próxima década da implementação do CAADP. A primeira década da implementação do CAADP ( ) foi caracterizada por autodescoberta, inovação e de restabelecimento e providenciou algumas importantes realizações em termos de ganhos e ilações. Os ganhos obtidos e as lições tiradas na primeira década proporcionaram a África uma oportunidade para iniciar a segunda década com renovada determinação, convicção e capacidade para assegurar uma TRANSFORMAÇÃO sustentável da agricultura Africana e garantir que essa transformação dê uma contribuição tangível ao crescimento económico e desenvolvimento abrangente, especialmente no que concerne à eliminação da fome e da malnutrição, redução da pobreza e para garantir que a prosperidade seja uma realidade para as populações do continente. Para responder a este apelo em prol da busca de Resultados e Impacto, o exercício de Sustentação do Ímpeto do CAADP culminou no desenvolvimento do QUADRO DE RESULTADOS DO CAADP. Isso traz consigo uma forte componente da responsabilização baseada na evidência, aprendizagem assim como em modelos melhorados de implementação que asseguram valor pelo dinheiro. O Quadro de Sustentação dos Resultados do Ímpeto do CAADP é parte integrante do processo da implementação do CAADP. Isso permitirá que todas as entidades envolvidas definam parâmetros tangíveis e uniformes para referenciar os avanços feitos no desempenho da agricultura. Isso reforçará a cultura de programação baseada em resultados e o rastreio do desempenho. Através do uso do quadro de resultados, a qualidade da planificação e da tomada de decisao será incrementada aos níveis continental, regional e nacional. O Quadro de Sustentação dos Resultados do Ímpeto do CAADP providencia a África e aos seus parceiros uma apresentação sólida da agenda de desenvolvimento da agricultura em termos das metas e acções prioritárias. O Quadro de Sustentação do Ímpeto dos Resultados do CAADP implica igualmente uma acrescida vontade política e técnica para fomentar o alinhamento em colaboração com os parceiros. Ele providencia os indicadores, incluindo os dados de linha de base assim como as metas a ser alcançadas nos próximos cinco a dez anos. O processo em torno do Quadro de Resultados incentiva ainda os principais actores e intervenientes a todos os niveis a reflectirem e a responderem às questões emergentes, incluindo as alterações climáticas, sistemas globalizados de alimentação e energia, tendências de crescimento da população Africana e da migração urbana, nutrição e de melhoramentos na governação A implementação do Quadro de Sustentação dos Resultados do Ímpeto do CAADP é vital. A este respeito, o Quadro de Sustentação dos Resultados do Ímpeto do CAADP é uma componente viva dos esforços para incrementar a capacidade da África alcançar efectivamente os resultados e o crescimento sustentável pretendidos. Esta é a razão pela qual o ano 2024, igualmente declarado como Ano da União Africana para a Agricultura, Segurança Alimentar e Nutricional, é uma parte crucial para a finalização do desenvolvimento do Quadro de Resultados do CAADP, através da sua adaptação e enraizamento aos níveis nacional e regional e garantir a sua operacionalização no quadro dos actuais processos de implementação do CAADP. Para este efeito, a Comissão da União Africana e a Agência da NEPAD, em parceria com as Comunidades Económicas Regionais, colocam em vossas mãos este documento vós que sóis os actores e principais intervenientes nos vossos respectivos países e a todos os que trabalham ou apoiam a transformação da agricultura Africana, para garantir uma acrescida prestação do sector H.E. Rhoda Peace Tumusiime, Comissária para a Economia Rural e Agricultura da Comissão da União Africana (CUA) Dr Ibrahim Assane Mayaki, Diretor-geral Executivo da Agência de Planificação e Coordenação da NEPAD 3 A Busca de Resultados e Impacto

5 ACRONYMS AND ABBREVIATIONS AfDB AgPER MAAP UA CAADP CGIAR COMESA CSO CE FAO IDE PIB IFAD IFPRI FMI JSR ODM M&A MTEF NARS NEPAD NEPAD Agency ONG NSB ODA PPP ReSAKSS SACAU SADC SLM C&T UNCCD PNUD USD (US$) Banco Africano de Desenvolvimento Avaliação da Despesa Pública com a Agricultura Mecanismo Africano de Avaliação de Pares União Africana Programa Integrado para o Desenvolvimento da Agricultura Africana Centro Internacional de Pesquisa Agrícola Mercado Comum do Estados da Africa do Leste e Austral Organização da Sociedade Civil Comissão Europeia Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura Investimento Directo Estrangeiro Produto Interno Bruto Fundo Internacional para o Desenvolvimento da Agricultura Instituto Internacional de Pesquisa da Politica de Alimenos Fundo Monetário Internacional Avaliação Sectorial Conjunta Objectivos de Desenvolvimento do Milenio Monitorização e Avaliação Quadro de Despesas a Médio Prazo Sistema Nacional de Pesquisa da Agricultura Nova Parceria para o Desenvolvimento de África Agência de Planificação e Desenvolvimento da NEPAD Organização Não-governamental Gabinete Central de Estatísticas Ajuda Pública ao Desenvolvimento Parcerias Público-Privadas Sistema Regional de Apoio e Análise e Conhecimento União da Conferência da Agricultura da África Austral Comunidade de Desenvolvimento da África Austral Gestão Sustentável de Terras Ciência e Tecnologia Convenção da Nações Unidas para o Combate contra a Desertificacao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Dólar dos Estados Unidos 2015; Quadro de Resultados do CAADP ( ); Agência de Planificação e Coordenação da NEPAD 4

6 1 INTRODUÇÃO 1.1 SUSTENTAÇÃO DO ÍMPETO DO CAADP Um olhar para o futuro e particularmente para os próximos dez anos revela que os Estados Membros da União Africana (UA), através das várias plataformas dos Chefes de Estado e de Governo, tem sublinhado a necessidade imperiosa da adição do valor do Programa Integrado para o Desenvolvimento da Agricultura Africana (CAADP), para essencialmente garantir a obtenção dos resultados e impacto desejados. O impacto implica uma acrescida prestação da agricultura, bem como a sua tradução em mudanças nos parâmetros dos estilos de vida, incluindo a criação da riqueza e do emprego, alívio da pobreza, segurança alimentar e nutricional e em última análise a resiliência e a prosperidade das populações do continente. O exercício de Sustentação do Ímpeto do CAADP é o resultado de vários meses de trabalho efectuado em através de ferramentas e abordagens altamente analíticas e consultivas. O exercício passou em revista os diferentes níveis de accões e experiências no CAADP para identificar as principais realizações e ilações tiradas da primeira década da implementação do CAADP. O exercício tomou igualmente em consideração as questões em constante mutação e outras questões emergentes, tais como as tendências nos preços globais de alimentos e da energia, a crescente atenção em torno das alterações climáticas e da nutrição, entre outros. As áreas de resultados identificadas incluem o desbloqueamento da capacidade e dos sistemas de implementação locais para avançar com as reformas no sector da agricultura. Isto inclui garantir a capacidade e os mecanismos para desenhar e planear programas e projectos, assim como proceder ao rastreio do desempenho. Assim, prevê-se que na próxima década do CAADP o trabalho no âmbito da prática política promova um mais acrescido empenhamento político e orçamental para acelerar a implementação. Caixa 1: O exercício de Sustentação do Ímpeto do CAADP providencia a confirmacao de que a visao do CAADP eh tao válida e relevante hoje como foi em A Conferência conjunta dos Ministros da Agricultura, Desenvolvimento Rural, Pescas e Aquacultura dos Estados Membros da UA, realizada em Adis Abeba, Etiópia de 28 de Abril a 2 de Maio de 2014, endossou o Quadro de Sustentação do Ímpeto dos Resultados do CAADP como ferramenta fundamental para a tradução das metas e objectivos de desenvolvimento da agricultura em África em metas tangíveis; rastrear, monitorar e comunicar os progressos feitos, assim como facilitar a aprendizagem e a responsabilização mútua. Os Ministros endossaram ainda o Quadro de Resultados como ferramenta para: a) promover o alinhamento e a coordenação e a conjugação de esforços multissectoriais para realizar objectivos comuns; b) acompanhar ainda a planificação e os novos programas; c) Fortalecer a capacidade de África na geração e gestão do conhecimento e de dados para apoiar a planificação e implementação baseadas na evidência; e d) fortalecer as plataformas multi-institucionais para uma avaliação regular pelos pares, aprendizagem e responsabilização mútua. Os Ministros compromentaram-se em prol de um Processo de Revisão da Agricultura a ser realizado de dois em dois anos; e de uma revisão intercalar das princiapais metas do CAADP ( ) depois de cinco anos. 1.2 ALTURA OPORTUNA PARA DECISÕES E ACÇÕESS OUSADAS PARA ALCANÇAR RESULTA DOS E IMPACTO Para África acelerar o ritmo da sua transformação, os intervenientes do CAADP identificaram alguns aspectos críticos em termos de: a) o que deverá continuar a ser feito; e b) o que devemos deixar de fazer; e) as coisas que devemos começar a fazer, nomeadamente: 5 A Busca de Resultados e Impacto

7 a) Exemplos das coisas boas que são feitas e que devemos continuar a fazer conforme identificadas pelos principais intervenientes Africanos incluem: sustentar a sua atenção renovada para com a agricultura, como sector prioritário; acresci dos investimentos no sector da agricultura; melhorado e sustentado clima propício para o sector privado; integração das questões do género e da nutrição nos programas da agricultura; suster os esforços de integração regional; desenvolver e recorrer as iniciativas lideradas e conduzidas por Africanos para desbloquear o potencial de desenvolvimento do continente; e continuar a alimentar uma cultura de aprendizagem de pares que tem vindo a emergir entre os Africanos. b) Exemplos de coisas que os Africanos devem deixar de fazer conforme identificados pelos principais intervenientes Africanos incluem, nomeadamente: deixar de fazer o papel de mendigo no sistema mundial de alimentos; vender terra arável em detrimento da agricultura e dos modos de vida das populações locais; pronunciar palavras ocas acerca do inves timento na agricultura e agir em prol dos investimentos prometidos; o sector público deverá deixar de absorver outros princi pais intervenientes; abandonar as políticas que beneficiam os consumidores urbanos em detrimento dos produtores das zonas rurais: abandonar o uso insustentável da terra e a venda da terra sem as devidas diligências; deixar de aceitar o financiamento dos doadores, independentemente da agenda; deixar de depender excessivamente dos doadores para investimentos, investindo orçamentos nacionais na agricultura para garantir a sustentabilidade a longo prazo do desenvolvi mento da agricultura. c) Exemplos das coisas que não são feitas, mas que os Africanos deveriam começar a fazer, conforme identificados pelos principais intervenientes Africanos incluem, nomeadamente um mais agressivo empreendedorismo no sector de agro-negó cios nos mercados interno e global; os governos devem proceder a uma avaliação apurada e concisa dos recursos naturais necessários para a produção agrícola, como por exemplo a terra, água, força laboral, etc, desenvolver politicas de pro moção da adição do valor para a produção agrícola através de investimentos nas tecnologias de processamento agrícola, infra-estruturas e competências; a agricultura deve estar mais centrada nas populações e por elas impulsionada; o CAADP deve gravitar mais em torno da capacitação das pessoas para desbloquear o seu próprio potencial; a promoção da transpar ência e da responsabilização a todos os níveis; revisão anual dos planos, monitorar os resultados e factorizar os melhora mentos; e uma mais acrescida sensibilização no concernente à promoção da nutrição e da segurança alimentar. 2015; Quadro de Resultados do CAADP ( ); Agência de Planificação e Coordenação da NEPAD 6

8 2 O QUADRO DOS RESULTADOS DO CAADP 2.1 JUSTIFICAÇÃO E ÂMBITO O Quadro de Resultados do CAADP é um instrumento que define os resultados e o impacto esperados e deste modo constitui um guia para o desenvolvimento, planificação e implementação de novos investimentos e assegura igualmente o rastreio, monitorização e avaliação formativa em curso dos projectos e programas existentes. O Quadro de Resultados do CAADP prende-se igualmente com o fortalecimento da capacidade sistémica nacional a longo prazo para o desenvolvimento sustentável (ver Caixa 2). O Quadro de Resultados providencia em termos concretos as referências e os futuros patamares da agenda do desenvolvimento da agricultura em África e a base para promover o alinhamento e a harmonização dos programas e iniciativas. O Quadro de Resultados do CADDP é um componente essencial das ferramentas e dos processos que permitirão dar o salto qualitativo desejado no desempenho da agricultura em África; ele constitui um quadro singular da programação baseada em resultados para os processos ao nível nacional e um guia prático para promover o alinhamento e a harmonização a todos os níveis.. Caixa 3: No Quadro dos Resultados do CAADP, a África define prioridades, determina o que deverá continuar a ser feito e o que deverá ser abandonado e as novas coisas que devem começar a ser feitas com foco sobre os O Quadro de Resultados do CAADP é um instrumento útil para conectar a todos os níveis, sectores e áreas temáticas e para as instituições estatais e não estatais, incluindo as organizações da sociedade civil, instituições do sector privado e parceiros de desenvolvimento. Todos eles encontrarão no Quadro de Rsultados uma importante ferramenta na prossecução dos seus objectivos de planificação e implementação baseados em resultados. Ele é igualmente uma base importante para o desenvolvimento de efectivas alianças e parcerias. O Quadro de Resultados do CAADP é parte integrante do processo de implementação no país e deste modo, os actores e principais intervenientes ao nível nacional têm a responsabilidade primordial na implementação do Quadro de Resultados do CAADP. Aos níveis regional e continental, a internalização e utilização do Quadro de Resultados do CAADP serão conduzidos pelas Caixa 4: Através do CAADP, tem havido acrscido apreço aos Comunidades Económicas Regionais (CERs) e pela Agência de aspectos multissectoirias e da interdependência transversal Planificação e Coordenação da NEPAD (Agência da NEPAD) e pela na agricultura Africana e foram identificadas as modalidades Comissão da União Africana (CUA). A este respeito, o Quadro práticas para liderar com esta serie de objectivos e metas de de Resultados do CAADP providencia igualmente os principais desempenho durante a próxima segunda década do CAADP, parâmetros e o âmbito para fazer avançar a colaboração e as é óbvio que as seguintes políticas e estratégias e avanços de parcerias com os parceiros locais e internacionais. As parcerias da transformação serão cardinais para o sucesso na agricultura: APD e IDE, assim como as iniciativas bilaterias e multilaterais, tais como a Nova Aliança para Segurança Alimentar, Crescer Africa, - Avanços na industrialização no concernente a indústria GAFSP e os outros deverão alinhar-se ao Quadro de Resultados agricultura baseada na adição do valor; do CAADP. - Funcionamento dos mercados regionais que assumem o papel de impulsionadores importantes para o crescimen O Quadro de Resultados do CAADP é parte integrante da Agenda to económico e da agricultura nacional; 2063 da UA e foi desenhado para ajudar a definir o espaço reservado a Agricultura na Agenda. Ele indica o nivel e os índices de quantidade para a inovação, P&D e desenvolvimento de - Acrescido propósito de capacidade interna (qualidade e desempenho da agricultura e a política, estratégia e as acções de desenvolvimento de capacidades necessárias para o sector contribuir para a materialização dos objectivos consagrados na Agenda O Quadro é particularmente importante para o crescimento económico de base alargada e para as aspirações do desenvolvimento inclusivo no continente. 7 A Busca de Resultados e Impacto

9 O Quadro de Resultados do CAADP ajuda os países a internalizar e impulsionar estas questões e a mudar os metodos de trabalho. Algumas dessas acções ousadas serão enraizadas nos programas de acção sectoriais e temáticos. Na próxima decada, por exemplo, as questões temáticas candentes incluirão: mulheres e jovens; nutrição e agricultura; sistemas de alimentação e cadeia de valores; e as alterações climáticas e gestão sustentável de terras e dos recursos hídricos: e o desenvolvimento inclusivo. Foi igualmente reconhecido que a descentralização dos processos de tomada de decisão que empoderam os direitos sub-nacionais até aos actores ao nível comunitário são cardinais para assegurar que o impacto do crescimento da agricultura alcance as comunidades mais alargadas e as comunidades locais, incluindo os pequenos agricultores. No sector da agricultura, isso será prosseguido ao abrigo do Nível 3 (no Quadro de Resultados) alusivo ao desenvolvimento da capacidade institucional. 2.2 ESTRUTURA DO QUADRO DE RESULTADOS DO CAADP A principal relevância e aplicação do Quadro de Resultados do CAADP ao nível do país reside na preparação e implementação da segunda década do CAADP ( ). O documento sobre Sustentação do Impeto do CAADP e o Quadro de Resultados do CAADP foram compilados com base no desejo ardente de obter resultados e impacto tangíveis através do prosseguimento de a abordagem bifurcada que gravita essencialmente na facilitação de intervenções centradas na transformação dos sistemas e das capacidades, por um lado e uma incrementada produtividade e adição do valor, por outro. Neste contexto, o Quadro de Resultados do CAADP (ver Figura 1) associa o fluxo lógico a 3 Níveis de Resultados elaborando o (a) porquê; b) O quê; e c) o como da consolidação e do aprofundamento da implementação do CAADP. O nível O QUE (Nível 2) esta reflectido nos resultados do nível intermédio que são requeridos em termos de produtividade da agricultura e do crescimento inclusivo. O Nível 3 descreve o COMO de uma conjugação das várias capacidades requeridas em termos da produtividade da agricultura e competitividade e crescimento inclusivo. O Nível 3 descreve o COMO de uma combinação das várias capacidades necessárias para acelerar o crescimento da agricultura e alargar o seu impacto. O Quadro foi desenhdo de uma forma que logicamente associa os três níveis diferentes através de relações causais que partem do terceiro nível até ao nível do topo e são resumidamente apresentados mais abaixo. Os indicadores relacionados para documentar o progresso em cada área de resultados são apresentados nas Tabelas 1a-1c do Anexo 1. Resultados do Nível 1: realçar os mais altos objectivos de crescimento socioeconómico e de desenvolvimento inclusivo, nomeadamente (a) a criação da riqueza; (b) melhorada segurança alimentar e nutricional; e (c) resiliência do ecositema e do sistema social aos choques. Prevê-se um melhorado desempenho da agricultura para contribuir para a realização destas metas, reconhecendo que os outros sectores da economia também contribuem para a realização desses objectivos. Resultados do Nível 2: descrevem as mudanças operadas e que culminam no nível desejado do desempenho da agricultura, quer em termos de produção, produtividade, competitividade e integração regional, assim como na eficácia e eficiência em todos os sistemas de produção associados. Resultados do Nível 3: apresentam os principais resultados em termos de política, instititucionais e de capacidades necessárias para suscitar mudanças no nível 2, culminando assim na realização das metas definidas para o nível 1. É a este nível onde se prevê que a futura implementação do CAADP nos próximos 10 anos dê a sua máxima contribuição. Tomados em conjunto, os três níveis reflectem o Quadro Pan-Africano da mudança transformacional, de reformas de políticas e de desenvolvimento institucional. O conjunto de indicadores específicos, comuns e mensuráveis indicados na Tabela 1a-1c do Anexo 2 permite às entidades de implementação no país e na região, aos principais intervenientes relevantes e seus parceiros avaliarem individual e colectivamente o alinhamento das políticas sobre agricultura e as prioridades estratégicas do sector e a procederem ao rastreio do progresso feito de forma transparente e abrangente. Ao nível continental, o QR clarifica uma visão colectiva e as práticas normativas partilhadas que deverão ser traduzidas aos níveis nacional e regional em prioridades, objectivos e metas localizados. Por outras palavras, o QR do CAADP serve como um conjunto de 2015; Quadro de Resultados do CAADP ( ); Agência de Planificação e Coordenação da NEPAD 8

10 elementos de referência na base dos quais os esforços aos níveis nacional e regional são consentidos. A adaptação do QR nos sistemas nacional e regional permanece um processo flexível e criativo tendo em conta as condições, circunstâncias e realidades locais e assenta nos princípios de benefício e responsabilidade mútua. Isso é bem evidenciado quando o Quadro é utilizado como guia para definir um conjunto de metas, identificar acções e definir indicadores durante a (a) iniciação da planificação de políticas, estratégias, programas e orçamentos; e b) medição do desempenho em termos da eficiência na execução, eficácia da implementação e obtenção de resultados. Assim, o Quadro de Resultados serve de farol visionário partilhado no plano continental com base numa hierarquia de resultados e incorporando indicadores específicos e mensuráveis disponíveis para as entidades responsáveis pela implementação do país e regionais e aos parceiros de desenvolvimento internacional que devem utilizar o quadro para alcançar e/ou avaliar o alinhamento e harmonização das suas prioridades e agenda locais. O Quadro Geral de Resultados do CAADP foi desenhado para orientar ao nível de: a) Planificação (desenho da estratégia e do programa, planificação e orçamentação); b) Desempenho ( eficiência na execução e implementação e, em larga medida, responsabilização para a transformação das politicas da agricultura e das instituições assim como o fortalecimento e o alinhamento da capacidade); e c) Resultados (referindo-se aos resultados reais e ao impacto de uma intervenção de desenvolvimento, incluindo bens e serviços e adição do valor suportados pelo incremento da produção e da produtividade agrícolas, segurança alimentar e nutricional). Figura 1: Figura Quadro 1: Quadro de de Resultados do do CAADP ( ) Impacto para o qual o CAADP contribui (elo indirecto) Mudanças na agricultura Africana resultantes da implementação do CAADP Valor acrescido do apoio e das intervenções do CAADP para a transformação institucional e eficácia no funcionamento do CAADP é medido a este nível Nivel 1 Contribuicao da Agricultura para o Crescimento Economico e Desenvolvimento Inclusivo Incrementada contribuição a criação da riqueza Oportunidades económicas e Prosperidade empregos & alívio da pobreza Melhorada segurança alimentar e nutricional para Todos Incrementado acesso as redes de protecção produtivas Incrementados ecossistemas Resiliência e Sustentabilidade Premissa: Os países adoptam uma estratégia orientada para a agricultura, inclusive uma estratégia de crescimento para a transformacao economica e social 3.1 Desenho de políticas efectivas e abrangentes, capacidade de implementação e avaliação (prática política) Nivel 2 Transformacao da Agricultura e Crescimento Sustentado e Inclusivo da Agrcultura Premissa Fundamental: Alcançada a capacidade sistémica pretendida para a transformação da agricultura no Nível Incrementada produção e produtividade agrícola 3.2 Instituições efectivas e responsáveis, incluindo o desenvolvimento do capital humano 2.2 Incrementado comércio intrarregional e melhor funcionamento dos mercados nacionais e regionais da agricultura & de alimentos Nivel 3: Fotalecimento da Capacidade Sistemica para Execucao Efectiva e Obtencao de Resultados (Clima politico conducente; construção da capacidade sistémica; melhoradas tecnologias e acesso ao conhecimento e informação) Premissas: A liderança assegura um clima político conducente e estável, incluindo o incrementado sustentado de investimentos na agricultura 3.3Fortalecida capacidade para o programa de planificação, implementação e revisão baseado na evidência 2.3 Expandida agroindústria e desenvolvimento da cadeia de valor 3.4 Melhorada coordenação multissectorial, parcerias e responsabilização nas instituições da agricultura 3.5 Incrementados investimentos públicos e privados na agricultura 2.4 Melhorada governação e gestão dos recursos naturais para o desenvolvimento sustentável da produção agrícola 3.6 Incrementada capacidade para gerar, analisar e utilizar dados, informação e conhecimento, incluindo o rastreio do desempenho, pesquisa e inovações na agricultura INSUMOS DO CAADP: DIRECTRIZES DE IMPLEMENTAÇÃO; CENTROS DE CONHECIMENTO; CONSTRUÇÃO DE CAPACIDADES; MECANISMOS DE AVALIAÇÃO DE PARES 9 A Busca de Resultados e Impacto

11 A Tabela 1 providencia alguma explicação detalhada dos 3 níveis e os seus interrelacionamentos. Tabela 1: Nível de Resultados e descrição geral Nível de resultados Nível 1: PORQUE? (IMPACTO) Define o IMPACTO último em termos da transformação socioeconómica e da produção de alimentos e da nutrição da sociedade Africana Estes são resultados de alto nível que reflectem as mudanças a médio e longo prazos em termos de prosperidade inclusiva e resiliência do ecossistema. Estes níveis do IMPACTO não são atribuídos em 100% a agricultura; Ademais, a maioria das contribuições da agricultura é indirecta. Assim, a questão que se coloca é até que ponto e em que medida a agricultura contribui para a obtenção destes impactos. Nível 2: O QUÊ? (RESULTADOS) Define os resultados em termos da produção, produtividade e competitividade da agricultura e da integração regional e global. Identifica aos resultados específicos pretendidos para a agricultura que por seu turno contribuem para o IMPACTO (Nível 1). Define as metas visadas pelas intervenções da agricultura. Define as metas em termos dos sistemas de alimentos e dos resultados da nutrição. Nível 3: COMO? Define os resultados em termos das capacidades sistémicas para efectivamente financiar e implementar as políticas e os programas da agricultura ao nível nacional, incluindo a integração da nutrição. Este nível define ainda as áreas de resultados prioritárias que integram o apoio a implementação do CAADP. Ele elabora as áreas de resultados específicas do CAADP através da implementação, apoio a implementação e intervenções aos níveis nacional, regional e continental. O apoio a implementação do CAADP prosseguirá os resultados nas seis áreas definidas para este nível. Isso pode igualmente ser interpretado como uma adição do valor específica do CAADP para a transformação e melhorado desempenho da agricultura. A obtenção dos resultados nestas sete áreas permitirá aos países fortalecerem e alinharem a capacidade de planificação e de implementação, isto é, melhorar a execução e a prestação (eficácia, eficiência assim como a adequação) dos resultados. Também fortalecerá o clima propício (especialmente no que respeita às políticas). Descrição A adaptação e obtenção das metas definidas para os Níveis 1 e 2 è da responsabilidade das instituições aos níveis nacional e regional. A obtenção das metas dos Níveis 1 e 2 indicará o progresso feito no fortalecimento da competitividade regional e internacional da agricultura Africana e o seu impacto no crescimento socioeconómico e desenvolvimento dos sistemas e da nutrição do continente. Isto é directamente acerca da TRANSFORMAÇÃO e DESEMPEMNHO do SECTOR DA AGRICULTURA. As metas estipuladas para os Níveis 1 e 2 destinam-se a servir como referência ao nível continental. As questões envolvidas reflectem as áreas prioritárias e os principais e valores fundamentais que igualmente fazem com que a definição e implementação dos programas transfronteiriços sejam uma opção viável e fazível. Os países utilizarão estas metas como referência para a definição e avaliação dos seus objectivos e metas ao nível nacional. O apoio a implementação do CAADP providenciará a orientação técnica, incluindo uma análise histórica e prospectiva para ajudar os países a determinarem níveis e índices de crescimento específicos e viáveis para o país (financiamento, implementação, etc.) para alcançar as metas visionárias dentro do prazo estipulado. O nível 3 define a CAPACIDADE e HABILIDADE organizacionais para planear e executar políticas e programas de desenvolvimento da agricultura ao nível nacional. Este nível define ainda as intervenções e as áreas de resultados específicas para apoiar a implementação do CAADP, isto é, a implementação do CAADP abordará uma ou várias combinações das áreas de resultados definidas no Nível 3. A obtenção de resultados nas seis áreas de resultados identificadas neste nível permitirá e capacitará os países a atingirem um desempenho efectivo e eficiente do sector da agricultura (isto é, o Nível 2) e consequentemente a contribuição para as questões relativas ao impacto (Nível 1) 2015; Quadro de Resultados do CAADP ( ); Agência de Planificação e Coordenação da NEPAD 10

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL PRINCIPAL DE PROGRAMAS (ANALISTA NA ÁREA DA SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/11/04

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL PRINCIPAL DE PROGRAMAS (ANALISTA NA ÁREA DA SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/11/04 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL PRINCIPAL DE PROGRAMAS (ANALISTA NA ÁREA DA SEGURANÇA ALIMENTAR NO.VA/NPCA/11/04 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: ASSESSOR TÉCNICO PARA A PROMOÇÃO DE AGRONEGÓCIOS NO.VA/NPCA/13/09

ANÚNCIO DE VAGA: ASSESSOR TÉCNICO PARA A PROMOÇÃO DE AGRONEGÓCIOS NO.VA/NPCA/13/09 ANÚNCIO DE VAGA: ASSESSOR TÉCNICO PARA A PROMOÇÃO DE AGRONEGÓCIOS NO.VA/NPCA/13/09 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo

Leia mais

11ª Reunião da Plataforma da Parceria do CAADP. The 11th CAADP Partnership Platform Meeting

11ª Reunião da Plataforma da Parceria do CAADP. The 11th CAADP Partnership Platform Meeting 11ª Reunião da Plataforma da Parceria do CAADP The 11th CAADP Partnership Platform Meeting Concretizar o Apregoado: Cumprindo com os Compromissos de Malabo sobre Agricultura para a Capacitação e Desenvolvimento

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

AGÊNCIA DE COORDENAÇÃO E PLANEAMENTO NEPAD

AGÊNCIA DE COORDENAÇÃO E PLANEAMENTO NEPAD AGÊNCIA DE COORDENAÇÃO E PLANEAMENTO NEPAD ANÚNCIO DE VAGA: CHEFE DE PROGRAMA ABRANGENTE DE DESENVOLVIMENTO DE AGRICULTURA EM ÁFRICA (CAADP) NO.VA/NPCA/14/16 A União Africana (UA), estabelecida como um

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

Políticas Agrárias e a Mulher

Políticas Agrárias e a Mulher República de Moçambique Ministério da Agricultura Direcção deeconomia REPÚBBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA Actualização do Regulamento Proposta da LFFB de Revisão do Regulamento da Lei de

Leia mais

Conferência da UA dos Ministros da Indústria - 20ª Sessão Ordinária

Conferência da UA dos Ministros da Indústria - 20ª Sessão Ordinária Conferência da UA dos Ministros da Indústria - 20ª Sessão Ordinária Acelerar a Industrialização em África no Âmbito da Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Reunião de Ministros 13-14 Junho de 2013 Pontos:

Leia mais

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. N Recomendação Estado de Implementação Desafios. Comissão da União Africana

ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES. N Recomendação Estado de Implementação Desafios. Comissão da União Africana Comissão da União Africana 1. Solicitar à CUA para que organize, enquanto aguardar-se pela implementação plena das decisões pertinentes sobre a operacionalização dos Comités Técnicos Especializados (CTE),

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo da rápida integração e

Leia mais

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Girma Agune Chefe a.i. Serviço das Competências e da Empregabilidade

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA

PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA SA11757 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 PLANO DE ACÇÃO PARA O EMPREGO E ALÍVIO DA POBREZA Antecedentes/Introdução: 1. Em 2004,

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PESCAS NO.VA/NPCA/11/25

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PESCAS NO.VA/NPCA/11/25 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROGRAMAS PESCAS NO.VA/NPCA/11/25 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo da rápida integração

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, COM(2008)XXX COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES UE, África e

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

Cimeira do Fórum Índia África

Cimeira do Fórum Índia África REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Presidência da República Cimeira do Fórum Índia África Intervenção de Sua Excelência Senhor José Mário Vaz Presidente da República Nova Delhi, 29 de Outubro de 2015 Excelência,

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

TICAD IV (28-30 de Maio de 2008)

TICAD IV (28-30 de Maio de 2008) TICAD IV (28-30 de Maio de 2008) TICAD (Conferência Internacional de Tóquio para o Desenvolvimento de África) é um colóquio político para o Desenvolvimento de África, que o Japão iniciou em 1993 e conduziu

Leia mais

www.busanhlf4.org 1 dezembro 2011

www.busanhlf4.org 1 dezembro 2011 PARCERIA DE BUSAN PARA UMA COOPERAÇÃO EFICAZ PARA O DESENVOLVIMENTO QUARTO FÓRUM DE ALTO NÍVEL SOBRE A EFICÁCIA DA AJUDA, BUSAN, REPÚBLICA DA COREIA, 29 DE NOVEMBRO 1º DE DEZEMBRO DE 2011 1. Nós, Chefes

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone: 251-115-517 700 Ext. 255 Website: www.africa-union.org

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone: 251-115-517 700 Ext. 255 Website: www.africa-union.org AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone: 251-115-517 700 Ext. 255 Website: www.africa-union.org CONFERÊNCIA DA UNIÃO Décima-Nona Sessão Ordinária 15-16

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Síntese da Conferência

Síntese da Conferência Síntese da Conferência Sob o lema Saneamento para Todos, Responsabilidade de Todos realizou-se de 14 a 16 de Maio de 2014, a Conferência Nacional de Saneamento, no Centro de Conferências Joaquim Chissano,

Leia mais

Seminários CESA 2011 A Declaração de Paris sobre a Eficácia da Ajuda: desafios e oportunidades. Raquel Freitas CIES ISCTE-IUL

Seminários CESA 2011 A Declaração de Paris sobre a Eficácia da Ajuda: desafios e oportunidades. Raquel Freitas CIES ISCTE-IUL Seminários CESA 2011 A Declaração de Paris sobre a Eficácia da Ajuda: desafios e oportunidades Raquel Freitas CIES ISCTE-IUL Paris (2005) Accra (2008) Busan (2011) Propostas para Busan 2000 Cimeira do

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA SÃO TOMÉ E PRINCIPE PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA 1. FINALIDADE Os objectivos da ENDE de São Tomé e Príncipe são reforçar o SEN

Leia mais

das Portugal, 19/05/2009

das Portugal, 19/05/2009 O Mecanismo Mundial da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Portugal, 19/05/2009 CONTEUDO 1. Introdução à UNCCD e ao Mecanismo Mundial (MM) 2. Apoio do MM à mobilização de recursos no

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro SA10179 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO AFRICANA SOBRE O VIH/SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA 12-16 DE JULHO DE 2013 ABUJA, NIGÉRIA Tema: Propriedade, Prestação de Contas

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE Conferência Internacional sobre a Saúde Materna, Neonatal e Infantil em África 01 a 03 de agosto de 2013, Joanesburgo, África do Sul Comunicado Primeiras Consultas Ministeriais Multisetoriais sobre a Saúde

Leia mais

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng

Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng Os principais constrangimentos, recomendações e sinergias emanados do Annual Review mee9ng CONSTRANGIMENTOS (i) Coordenação A não sistematização dos encontros de concertação entre as instituições do governo

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: CHEFE DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS - NO.VA/P5/11/01

ANÚNCIO DE VAGA: CHEFE DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS - NO.VA/P5/11/01 ANÚNCIO DE VAGA: CHEFE DOS SERVIÇOS DE FINANÇAS - NO.VA/P5/11/01 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo da rápida integração

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

UM NEW DEAL para o envolvimento em Estados frágeis

UM NEW DEAL para o envolvimento em Estados frágeis UM NEW DEAL para o envolvimento em Estados frágeis CONSTATAÇÕES 1.5 mil milhões de pessoas vivem em Estados frágeis ou afetados por conflitos. Cerca de 70% dos Estados em situação de fragilidade passaram

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: FUNCIONÁRIO SÉNIOR DE GESTÃO DE DADOS NO.VA/NPCA/12/08

ANÚNCIO DE VAGA: FUNCIONÁRIO SÉNIOR DE GESTÃO DE DADOS NO.VA/NPCA/12/08 www.nepad.org info@nepad.org Tel: +27 (0) 11 256 3600 Fax: +27 (0) 11 206 3762 P.O. Box 1234 Halfway House 1685 Midrand, Johannesburg South Africa ANÚNCIO DE VAGA: FUNCIONÁRIO SÉNIOR DE GESTÃO DE DADOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL República de Moçambique MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL Maputo, 06 de Outubro de 2006 1 PORQUE INSISTIR NO MEIO RURAL? Representa mais de 95% do território

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

Experiência do Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) Fortalecendo Infraestruturas de Voluntariado em CABO VERDE

Experiência do Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) Fortalecendo Infraestruturas de Voluntariado em CABO VERDE Experiência do Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) Fortalecendo Infraestruturas de Voluntariado em CABO VERDE RELATÓRIO NACIONAL O Programa dos Voluntários das Nações Unidas (VNU) é a organização

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA DO GRUPO DE LÍDERES DO MOVIMENTO SUN: EQUIPAS DE INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA DO GRUPO DE LÍDERES DO MOVIMENTO SUN: EQUIPAS DE INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN 1) Um dos principais resultados da primeira reunião do Grupo de Líderes do Movimento SUN (a 10 de Abril de 2012) foi a obtenção de

Leia mais

FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS NOTA DE LAÇAMENTO SEGUNDO APELO DE PROPOSTAS, ABRIL DE 2011

FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS NOTA DE LAÇAMENTO SEGUNDO APELO DE PROPOSTAS, ABRIL DE 2011 FUNDO NEPAD/ESPANHA PARA EMPODERAMENTO DAS MULHERES AFRICANAS NOTA DE LAÇAMENTO SEGUNDO APELO DE PROPOSTAS, ABRIL DE 2011 1. Introdução O Fundo NEPAD/Espanha para Capacitação das Mulheres (NSF) tem a honra

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura. Catalysing sustainable Investment in Agriculture

Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura. Catalysing sustainable Investment in Agriculture Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura Catalysing sustainable Investment in Agriculture Oportunidade de Investmento no Corredor da Beira Quase 10 milhões de hectares de solos apropriados

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: ECONOMISTA

ANÚNCIO DE VAGA: ECONOMISTA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Ababa (ETHIOPIA) P. O. Box 3243 Telephone 5517 700 Fax: 551 78 44 Website : www.africa-union.org ANÚNCIO DE VAGA: ECONOMISTA A União Africana, criada

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

2.ª SESSÃO ORDINÁRIA DO COMITÉ TÉCNICO ESPECIALIZADO PARA JUVENTUDE, CULTURA E DESPORTO 13 17 DE JUNHO DE 2016 ADIS ABEBA, ETIÓPIA

2.ª SESSÃO ORDINÁRIA DO COMITÉ TÉCNICO ESPECIALIZADO PARA JUVENTUDE, CULTURA E DESPORTO 13 17 DE JUNHO DE 2016 ADIS ABEBA, ETIÓPIA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone: +251 11 551 7700 Fax: +251 115182072 Website: www.au.int SA17218 76/76/9/10 2.ª SESSÃO ORDINÁRIA DO COMITÉ TÉCNICO

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento Access the complete publication at: http://dx.doi.org/10.1787/9789264175877-pt Sumário executivo

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org

UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org WG11036 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, Ethiopia P.O. Box 3243 Téléphone: 251115511092 Fax: 251115510154 Site Internet: www.africa-union.org ANÚNCIO E CONVITE PARA APRESENTAÇÃO

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA MODELO CONCEPTUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO 1 CONTEXTUALIZAÇÃO A Reforma do sector público em curso no país enquadra se na estratégia mais

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais