Relatório de Atividades 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Atividades 2009"

Transcrição

1

2 Relatório de Atividades 2009 Março/ anos contribuindo com a educação e cidadania na cidade de São Paulo.

3

4 Apresentação Passou mais um ano, em um mundo ainda com profundas incertezas. Nosso grupo Gestor aceitou a responsabilidade de continuar a gerir a Liga Solidária por mais três anos. Sentimos como um desafio que nos empolgou e estimulou, pelas dificuldades e oportunidades inerentes à crise que vivemos. Propusemos-nos a aprofundar mais o conhecimento da situação social da nossa região e também a rever nossa resposta às Comunidades com que trabalhávamos. Pensamos em algumas estratégias. Começamos por abrir espaços internos e externos na comunidade para escutá-la. Essas reuniões foram de grande valia, aprofundando o conhecimento acerca das terríveis dificuldades que enfrentam no seu dia a dia e sensibilizando-nos para fazer mais e melhor. Paralelamente, sentimos que, para mudar e expandir nossa atuação social, precisaríamos de ajuda externa para alcançarmos um consenso em relação a nossos propósitos e preparar-nos tecnicamente para enfrentá-los. Contratamos um facilitador do Instituto Fonte, António Luiz de Paula e Souza, que nos acompanhou nesse movimento de modernização e de ampliação do pensamento social. Foi extremamente rica para os gestores a oportunidade de trazer para o concreto propostas inovadoras e enriquecedoras para a Gestão Social e sua viabilização. Conseguimos planejar as ações para os próximos três anos. Sem dúvida, a chave de ouro que fechou este ano foi essa reflexão que possibilita novos e ricos caminhos para um real impacto com quem trabalhamos. Termino com um sonho graças a Deus concretizado. Audaciosamente, fechamos o ano festejando nossa comunidade com uma linda festa ecumênica. Grande número de voluntários, crianças, colaboradores e diretoria, acompanhados pela comunidade e seus representantes, irmanados na fraternidade, prestaram juntos homenagem a Jesus, inaugurando um lindo Presépio em tamanho natural. As crianças dos CEIs soltaram dois mil balões em agradecimento aos voluntários. Foi um espetáculo inesquecível, éramos em torno de pessoas e a festa continuou com distribuição de presentes para as crianças, cestas básicas e panetones. Xinha d Orey Espírito Santo Presidente da Liga Solidária

5

6 sumário Apresentação 5 Doadores Estratégicos 8 Princípios Organizacionais 11 Equipe 12 Trabalho Desenvolvido 16 Abrangência 18 CEIs - Centros de Educação Infantil 20 Abrigos Solidários 22 Programa Qualificação Profissional 26 Programa I.D.E.A.L. 28 Programa Religar 32 Programa Ação Família (PAF) 34 Pólo de Prevenção a Violência 36 Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos (MOVA) 38 Grupo Serenidade 39 Programa Crescer 40 Voluntariado 44 Parcerias 46 Sustentabilidade 48 Gestão Financeira 50 Obrigada! 52 Seja Solidário Você Também! 60 Registros 61 Contato 62 Espiritualidade 65

7 doadores estratégicos Fundação prada de assistência social 8 Relatório de atividades 2009 Março 2010

8 Incorporadora Relatório de atividades 2009 Março

9 10 Relatório de atividades 2009 Março 2010

10 princípios organizacionais Missão Princípios Cristãos Contribuir com ações socioeducativas para conscientizar crianças, jovens e adultos de sua dignidade e de seu potencial transformador. Ética Visão Sustentabilidade Procurar excelência nos trabalhos sociais desenvolvidos, pela eficácia e ética na gestão, pelo diferencial da espiritualidade, e pela qualidade e viabilidade econômica dos seus projetos, por meio de parcerias estratégicas. Otimizar o patrimônio, assegurando consistência com a demanda social. Credibilidade Compartilhar, em rede, o conhecimento educacional. QualidadE Responsabilidade Relatório de atividades 2009 Março

11 equipe ORIENTADOR ESPIRITUAL Dom Odilo Scherer Arcebispo Metropolitano de São Paulo ASSISTENTE ECLESIÁSTICO Monsenhor Dario Benedito Bevilacqua DIRETORIA EXECUTIVA (Gestão ) Presidente Maria Luiza d Orey Espírito Santo 1ª Vice-Presidente Ana Carolina Monteiro de Barros Matarazzo 2ª Vice-Presidente Maria Stella Moura Abreu Barroso de Siqueira 3ª Vice Presidente Maria Rita Tostes da Costa Bueno Diretora Secretária Katalin Willy Diretora Financeira Rosalu Ferraz Fladt Queiroz Diretora Executiva Daniela Aoun Bustos Diretora Executiva Maria Dulce Müller Carioba Sigrist Diretora Executiva Maria Helena Rodrigues Netto Figueiredo

12 conselho executivo Ewaldo Mário Kulhmann Russo José Eduardo Dias Soares Reynaldo Quartim Barbosa Figueiredo Carlos Antonio Rossi Rosa conselho fiscal Titulares Luiz Otavio Reis de Magalhães Rosiane Pecora Antonio Luiz Teixeira de Barros Jr. suplentes João Paulo Carneiro Israel Aron Zylberman Elaine Cristina Lopes Elizabeth Wells Thompson Scalamandré CONSELHO VOLUNTÁRIO Maria Apparecida Monteiro da Silva Diniz Maria de Lourdes Lopes Dias Soares Marina Assumpção Lassance Mônica Zender Etchenique Reis Feliciana Toledo Carvalho Dias Maria de Lourdes Netto Velloso Noely Yukiko Igawa Ribeiro Giselda Maria Botelho Junqueira Nani Margot Leopoldo e Silva de Carvalho Maria Lúcia Madureira Padula Maria Luiza Guedes da Silva Carvalho Roseli Castro

13 equipe Superintendente Alvino de Souza e Silva Desenvolvimento Institucional Roberta Casado Espiritualidade Lucy Maria Gregori de Lima Financeiro Idio Fernandes Informática Gilmar Pereira da Silva Jurídico Hamilton Chacon Recursos Humanos Daniel Rocha Suprimentos Wilson Alencar Figueiredo Voluntariado Priscila Rodrigues

14 Diretor do Complexo Educacional Educandário Dom Duarte Mario Martini Coordenadora Pedagógica dos CEIs Centros de Educação Infantil Nancy Coutinho Gestora dos Colégios Santa Amália Mirza Laranja Gestora do Lar Sant Ana Maria José Zocal Gestora do Recanto Monte Alegre Ir. Rita Foggiatto Gestora dos Flats Residenciais Giovana Carla Ribeiro Gerente de Nutrição Luciana Aparecida Mazagão Informações:

15 trabalho desenvolvido A Liga Solidária é uma organização social sem fins lucrativos, criada há 87 anos como Liga das Senhoras Católicas de São Paulo, que desenvolve programas socioeducativos e de cidadania para pessoas por dia e cerca de pessoas indiretamente, moradoras de regiões de alta vulnerabilidade social. Desenvolve seu trabalho baseado na crença de que a educação é, por excelência, o meio de construção e de expressão da verdadeira cidadania. Seu projeto educacional é voltado para a construção gradual do conhecimento e preparo para o trabalho, em sintonia com os Parâmetros Curriculares Nacionais, Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil e com o ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente. Nosso trabalho é focado no aprofundamento da relação com as famílias das crianças e dos adolescentes. Trata-se de uma ação fundamental para entendermos o universo de cada uma das crianças e adolescentes e compreendermos suas características individuais, a fim de ajudar na busca de caminhos para solucionar seus problemas. A relação de confiança entre famíliaorganização social, em que as duas visam os mesmos ideais, reflete no desenvolvimento físico, intelectual e emocional da criança e do adolescente e interfere diretamente no progresso da criança na escola. Outro foco de trabalho da Liga é o combate à violência doméstica, prática, infelizmente, ainda presente no dia a dia de muitas famílias. Nossos educadores são capacitados e sensibilizados para o atendimento de crianças e adolescentes nessas condições, a identificação da violência, a avaliação do risco e da gravidade, a orientação para a denúncia, a avaliação das relações familiares, do dano psicológico e do projeto de tratamento, e para o encaminhamento de cada caso ao respectivo órgão responsável. A Liga Solidária é uma articuladora com o objetivo de fortalecer e defender os direitos da comunidade onde atua. Para tanto, procura participar e interagir com diversas redes sociais: Conselho de Segurança Comunitária, Comissão Local, FEI Fórum de Educação Infantil -, FOCA - Fórum da Criança e Adolescente do Butantã -, CONDECA Conselho Estadual dos Direitos da Infância e do Adolescente -, Rede das Organizações Sociais do Butantã, Rede Nossas Crianças, Rede Abrigar, Projeto Família Acolhedora, Fórum de Cultura Butantã, Grupo de Articulação para Escola Técnica, Grupo de Programas de Qualificação Profissional da Cidade de São Paulo, entre outros. Além das redes sociais, a Liga também estabelece parcerias com a Prefeitura do Município e com o Governo do Estado, cedendo espaço para uma Escola Municipal e para um Telecentro - Programa de Inclusão Digital que oferece à população o acesso às novas tecnologias da informação e comunicação, em especial à internet, contribuindo para o desenvolvimento social, cultural, intelectual e econômico dos cidadãos paulistas pessoas utilizaram o Telecentro em A Rede Senac também implantou o seu programa em nosso espaço: o PET - Programa Educação para o Trabalho - possibilitou a inclusão de mais de 30 jovens em curso de qualificação profissional. 16 Relatório de atividades 2009 Março 2010

16 Estrutura do Atendimento Social A Liga Solidária realiza atendimento social em: Oito CEIs (Centros de Educação Infantil) com 933 crianças Cinco Abrigos com 100 crianças Oito Programas Socioeducativos com crianças, jovens e adultos EIXOS DE TRABALHO Abrigo para crianças e adolescentes em situação de risco social; Acompanhamento pós-desabrigamento; Educação infantil em período integral; Complementação à educação formal; Qualificação profissional e encaminhamento ao mercado de trabalho; Fortalecimento das relações familiares e comunitárias por meio de ações e projetos; Atendimento psicossocial; Programa de melhoria da qualidade de vida para a Terceira Idade; Alfabetização de jovens e adultos; Prevenção a violência doméstica, abuso e exploração sexual contra a criança e o adolescente; Educação e acompanhamento nutricional. Relatório de atividades 2009 Março

17 abrangência Abrigo Solidário IV Jd. Rosa Maria 20 crianças e jovens de 0 a 18 anos Abrigo Solidário V Pinheiros 20 crianças e jovens de 0 a 18 anos CEI Primeiros Passos Jd. Educandário 126 crianças de 1 a 2 anos e 11 meses CEI Primavera Jd. Educandário 120 crianças de 3 a 4 anos e 11 meses CEI João de Barro Jd. Educandário 100 crianças De 3 a 4 anos e 11 meses Abrigos Solidários I, II e III Jd. Educandário 60 crianças e jovens de 0 a 18 anos 92% do atendimento social realizado pela Liga Solidária são desenvolvidos no Complexo Educacional Educandário Dom Duarte (EDD), localizado no Jardim Educandário; A Liga Solidária desenvolve ações sociais em mais três bairros de São Paulo: Saúde, Ipiranga e Pinheiros; O Jardim Educandário e o Jardim Rosa Maria são bairros do distrito Raposo Tavares, situado na periferia da zona oeste do município de São Paulo e que possui um total de habitantes ( Seade); O distrito Raposo Tavares concentra o maior número de áreas com altos níveis de vulnerabilidade social (5 e 6)¹ dentro dos distritos da Subprefeitura do Butantã e apresenta o mais baixo IDH - Índice de Desenvolvimento Humano da região: 0,50; 18 Relatório de atividades 2009 Março 2010

18 CEI Casa da Infância do Menino Jesus Ipiranga 180 crianças de 4 a 5 anos e 11 meses CEI Santo Antônio Saúde 70 crianças de 4 meses a 3 anos e 11 meses CEI São Cesário Jd. Educandário 127 crianças de 4 meses a 4 anos e 11 meses CEI Ipê Jd. Educandário 120 crianças de 0 a 4 anos e 11 meses CEI Pau Brasil Jd. Educandário 90 crianças de 3 a 4 anos e 11 meses Programa Religar Jd. Educandário 1650 crianças, jovens e adultos Programa Qualificação Profissional Jd. Educandário 200 jovens De 15 a 24 anos Programa Crescer Jd. Educandário refeições / ano Programa I.D.E.A.L. Jd. Educandário 400 crianças e jovens de 6 a 15 anos Do total dos residentes no distrito Raposo Tavares²: 29% recebem até dois salários mínimos e 26% recebem de dois a três salários mínimos; 43% são alfabetizados e o nível de escolarização não são jovens com idades entre 15 e 19 anos; supera o ensino fundamental; 13% possuem nível superior; O tamanho médio das famílias residentes é de três a quatro pessoas; 14% dos chefes de família não possuem renda fixa; O distrito possui um dos piores índices de vulnerabilidade juvenil da região do Butantã e sua taxa de mortalidade infantil, 8,5%, é a segunda maior da região. Conforme descrição do nível de vulnerabilidade medida pelo Índice Paulista de Vulnerabilidade Social da Fundação SEADE, Conforme descrição do nível de vulnerabilidade medida pelo Índice Paulista de Vulnerabilidade Social da Fundação SEADE, Relatório de atividades 2009 Março

19 CEIs Centros de Educação Infantil O que é Os Centros de Educação Infantil são espaços de educação que oferecem atendimento em período integral: são dez horas diárias e cinco refeições supervisionadas por nutricionistas. As atividades realizadas possibilitam o desenvolvimento físico, emocional, intelectual e social das crianças; o trabalho realizado inclui o investimento na parceria com as famílias e a formação continuada dos educadores. São oito Centros de Educação Infantil em São Paulo: CEI Primeiros Passos, CEI João de Barro, CEI Ipê, CEI São Cesário, CEI Pau-Brasil e CEI Primavera, no Jardim Educandário; CEI Santo Antonio, na Saúde; CEI Casa da Infância do Menino Jesus, no Ipiranga. Origem do Investimento Social Custo médio mensal R$ 404,25 por criança 28% 72% Objetivo Garantir às crianças experiências estimulantes, geradoras do autoconhecimento, do ser, do conhecer, do conviver e do fazer, respeitando os Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Contrapartida da Liga Convênio com a Prefeitura 20 Relatório de atividades 2009 Março 2010

20 Realizações Formação Continuada de Equipe - acreditamos que a formação continuada das equipes é ponto decisivo na qualidade das ações desenvolvidas. Supervisão mensal das equipes gestoras com o Centro de Estudos da Escola da Vila; Supervisão mensal com Cisele Ortiz, do Instituto Avisa lá; Acompanhamento quinzenal das equipes gestoras; Cursos semestrais para educadores no Centro de Estudos da Escola da Vila; Seminário A Arte de contar histórias, com Ilan Brenmam; Encontros mensais DOT-Departamento de Orientações Técnicas da Prefeitura Municipal de São Paulo; Passeio Cultural: Revelando São Paulo, tradições, costumes, repertório; Construção coletiva de instrumentais de acompanhamento e avaliação das diferentes rotinas: pedagógica, administrativa e de cuidados da enfermagem. Parcerias Externas Instituto Avisa-lá; BrasilPrev - Organização dos parques, pintura das instalações; Brasil Que Lê - Ampliando universo leitor dos educadores; Posto de Saúde São Jorge - Vacinação e acompanhamento das carteiras de vacina das crianças; Universidade de São Paulo - Curso de Fonoaudiologia -Conscientização para educadores, famílias e crianças, além de identificação de patologias e encaminhamentos. Parcerias Internas Programa Crescer - Buscando qualidade de vida; Programa Religar - Rede Comunitária de Prevenção das diferentes manifestações de Violência; Recanto Monte Alegre - Projeto Vovó Criança, resgatando saberes e vínculos; Colégios Santa Amália - Palestras para educadores. Famílias Encontros mensais com reflexões sobre a vida escolar dos filhos, nutrição, cultura de paz e atuação na comunidade. Crianças Repertório musical ampliado; Apresentações do Coral; Participação no Programa Conheça a Orquestra na Sala São Paulo. Público beneficiado: 933 crianças Faixa etária: 4 meses a 6 anos Convênio: Secretaria Municipal de Educação Relatório de atividades 2009 Março

21 abrigos solidários O que é Origem do Investimento Social Serviço de proteção social especial, de alta complexidade, previsto pelo SUAS - Sistema Único de Assistência Social -, com a finalidade de oferecer acolhimento a crianças e adolescentes cujas famílias ou responsáveis encontram-se temporariamente impossibilitados de cumprir sua função de cuidado e proteção. Atende, observando a qualidade dos serviços e de acordo com o ECA Estatuto da Criança e do Adolescente, prioritariamente os encaminhamentos oriundos de órgãos como CRECA - Centro de Referência da Criança e do Adolescente, Vara da Infância e da Juventude, Conselho Tutelar, Centros de Referência da Assistência Social e Secretaria de Assistência Social. Tem o perfil de moradia transitória até que seja viabilizado o retorno à família de origem / extensa ou o encaminhamento para adoção (procedimento realizado por meio da VIJ - Vara da Infância e da Juventude). Em 2009, tivemos um fluxo de 135 abrigamentos e 40 desabrigamentos. São cinco os Abrigos Solidários: Três localizados no Jardim Educandário, um no Jardim Rosa Maria e um em Pinheiros. Custo médio mensal R$ 3.569,38 por criança/jovem abrigado 47% Contrapartida da Liga Convênio com a Prefeitura 53% 22 Relatório de atividades 2009 Março 2010

22 Objetivos Promover a participação das crianças e dos adolescentes na vida da comunidade por meio do acolhimento em ações pedagógicas, atividades externas de lazer, esporte e cultura; Promover, quando possível, o restabelecimento dos vínculos familiares por meio da convivência com a família de origem desde o momento do abrigamento; Fortalecer e manter os vínculos afetivos entre os abrigados e seus familiares e garantir o não desmembramento de grupos de irmãos; Acompanhar o processo de autonomia dos jovens sem família após o desabrigamento; Priorizar a adoção na impossibilidade de restabelecer os vínculos familiares. REALIZAÇÕES 12 adoções, infelizmente uma criança foi devolvida ao nosso abrigo; 79 crianças estão no ensino fundamental e médio, 25 nos Centros de Educação Infantil e uma em escola especial; 64 dos jovens do abrigo estão no Programa I.D.E.A.L.; A fim de minimizar as situações de desistências e atrasos, foram observados na vida escolar: Os níveis de aproveitamento e rendimento escolar; Orientação e estímulo à frequência e participação; A utilização e conservação do material escolar; Acompanhamento do nível de interesse, participação e desenvolvimento das atividades; Observação e avaliação contínua do caso; Os contatos com as escolas - Professores, Orientador Pedagógico e Direção; A frequência às reuniões escolares; As atividades de reforço escolar e apoio aos educandos, dentre outros. No desenvolvimento do trabalho com as famílias, considerou-se como objetivo fortalecer as famílias de crianças e adolescentes em situação de abrigo por meio de visitas e entrevistas, ultrapassando, em alguns casos, o período de seis meses previsto no ECA, a fim de potencializar o exercício de sua cidadania, possibilitando o direito destes ao convívio familiar e comunitário; Foram realizadas 117 visitas mensais e entrevistas com 36 famílias, considerando-se a questão do grupo de irmãos, com caráter de orientação e encaminhamento para o atendimento das demandas. Deve-se ressaltar ainda que houve visitas a seis mães presidiárias de crianças abrigadas; Foram realizadas 48 visitas domiciliares no período pós-desabrigamento às famílias das dez crianças desabrigadas; 330 familias visitaram suas crianças abrigadas; Há cinco jovens em estágios como aprendiz; Relatório de atividades 2009 Março

23 Seis jovens têm trabalhos formais; Incentivo à prática da leitura e escrita, em pequenos grupos; Elaboração de álbuns de fotos e recordações a fim de proporcionar meios de expressão para que cada criança e cada adolescente que vive em um abrigo possa entrar em contato e registrar sua história de vida; Acompanhamento dos trabalhos, apoio, estímulo e fortalecimento às crianças na compreensão de seu conteúdo histórico e raízes culturais; Estímulo neuropsicomotor ao bebê. Público beneficiado: 100 crianças e jovens de ambos os sexos, e, no máximo, 105 vagas nos períodos de frentes frias e/ou emergenciais, sendo 20 vagas regulares em cada abrigo. Pobreza / Miséria Abandono Negligência PRINCIPAIS MOTIVOS DOs 135 ABRIGAMENTOs em 2009 Ameaça / Risco de Vida 12 casos Detenção (pai / mãe) 12 casos Devolução de Adoção 4 casos 20 casos 17 casos Alta Vulnerabilidade Psíquica 10 casos Orfandade 8 casos Conflito Familiar 7 casos 41 casos Faixa etária: 0 a 18 anos Convênio: Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social Demanda: A média mensal de solicitação são de 10 vagas Destino de 40 Crianças e Jovens Desabrigados em 2009 Reintegração Familiar Adoções Nacionais e Internacionais 13 Transferência para outro abrigo 3 Maioridade / Núcleos Solidários Relatório de atividades 2009 Março 2010

24 Núcleos Solidários REALIZAÇÕES Com o propósito de acompanhar o processo de construção de autonomia dos jovens que, ao completar 18 anos, precisam, por lei, ser desabrigados, a Liga Solidária desenvolve uma ação complementar ao abrigo denominada Núcleo Solidário. Seu propósito é acompanhar os jovens oriundos dos Abrigos da Liga Solidária que, sem possibilidade de retorno à família e por criarem vínculos entre si, resolveram morar juntos. Uma equipe constituída por um coordenador, uma psicóloga e um educador, tem como objetivo orientar o jovem residente no Núcleo para mobilizar-se em direção à sua total autonomia por meio de ações como: identificação de uma casa para ser alugada; estabelecimento de um contrato de aluguel com os devidos compromissos; busca do próprio sustento; estímulo para a organização de uma poupança individual; estabelecimento de acordo mútuo entre os participantes; gerenciamento dos contratos estabelecidos; administração da economia doméstica; fortalecimento de vínculos sociais na comunidade em que o Núcleo encontra-se localizado, dentre outras. Cinco jovens trabalhando com registro em carteira; Três jovens realizando trabalhos informais; Fortalecimento do Grupo do Futuro, encontros períodicos dos ex-abrigados com os atuais, para maior integração e formação de uma rede de apoio mútuo. Público beneficiado: 11 jovens Faixa etária: Jovens com mais de 18 anos sem possibilidade de retorno à família Ao longo de seis anos já foram constituídos 12 Núcleos. No ano de 2009, mantivemos cinco núcleos atuantes, sendo apenas um novo instalado neste período. Entre estes, há dois Núcleos Solidários intitulados Especiais, com quatro jovens que necessitam de acompanhamento psicoterapêutico e psiquiátrico constantes, mas que também devem preservar o caráter de busca da autonomia. Relatório de atividades 2009 Março

25 Programa Qualificação Profissional O que é Oferece opções de profissionalização em cinco diferentes áreas com cursos de assistente administrativo, design gráfico, suporte técnico em informática, gastronomia e cabeleireiro. Todos os alunos participam de atividades complementares que fortalecem o desenvolvimento integral de suas potencialidades, as quais denominamos de Formação Humana. Origem do Investimento Social 58% Objetivo Proporcionar capacitação técnica; Fortalecer o desenvolvimento integral de suas potencialidades; 9% Custo médio mensal R$ 283,03 por jovem Desenvolver a autonomia; Contribuir com a empregabilidade e o desenvolvimento do espírito empreendedor dos alunos. 6% 12% 15% Contrapartida da Liga Convênio com a Prefeitura Fundação Prada Instituto WalMart FUMCAD 26 Relatório de atividades 2009 Março 2010

26 REALIZAÇÕES Processo de seleção entre 585 jovens interessados em preencher as 200 vagas oferecidas nos cinco cursos disponíveis, com o objetivo de orientar, direcionar as habilidades e ampliar o conhecimento e o aproveitamento dos jovens; A ampliação da idade de atendimento de 18 para 24 anos possibilitou a inclusão de um número maior de jovens que querem qualificar-se, que muitas vezes precisam trabalhar para ajudar os pais ou mesmo sustentar a própria família; Apoio psicológico no processo de direcionamento das habilidades, com o objetivo de identificar o desejo do jovem e as expectativas em relação aos cursos que o programa oferece; Implementação do curso de Designer Gráfico devido ao aumento da procura; Ampliação do número de atendimento para mais 30 vagas com a parceria firmada com o Senac no PET - Programa Educação para o Trabalho; Foram realizadas 15 visitas técnicas a empresas, feiras e exposições, para dar continuidade ao processo de assimilação do conteúdo desenvolvido em sala de aula; Em busca de novas tendências e atualizações técnicas, o programa desenvolveu um movimento de trocas entre os jovens e profissionais de áreas coerentes com os conceitos desenvolvidos em cada curso. O tema norteador tratado foi O perfil de profissional que o mercado exige e posturas adequadas para a permanência em uma empresa ; A EXPO QP, evento integrado de todos os cursos do programa, teve como objetivo possibilitar a apresentação, de forma prática, do conteúdo desenvolvido durante o ano, usando como metodologia a prática interativa. As atividades ocorreram simultaneamente e cada curso organizou um estande para suas apresentações. Nos dois dias de eventos, recebemos a visitação de 755 pessoas entre parceiros, empresários, comunidade, escolas locais e jovens. Em 2009, o trabalho de empregabilidade viabilizou a contratação de 57% dos jovens que foram certificados em 2008 pelo programa. Público beneficiado: 200 jovens Faixa etária: 15 a 24 anos Convênio: Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social Demanda: 385 jovens em lista de espera divididos nos cinco cursos oferecidos Relatório de atividades 2009 Março

27 Programa I.D.E.A.L. (I = Informação, D = Desenvolvimento, E = Educação, A = Artes, L = Lazer) No ano de 2009, passou por uma grande renovação pedagógica e organizacional. Com o apoio da consultoura pedagógica Josca Baroukh e da equipe gestora técnica e voluntária, foram propostas algumas mudanças de sua organização e em seu conceito. Origem do Investimento Social O que é Oferece educação complementar à escola em uma perspectiva de Educação Integral. Oportuniza situações de aprendizagem considerando as capacidades físicas, emocionais, cognitivas, de inserção social e ética, individuais das crianças e jovens. A metodologia do programa está baseada no Diálogo e na Convivência Criativa, alinhada com os princípios educacionais da UNESCO 1, norteada pela questão: Que sociedade queremos?. Considera como referência os Quatro Pilares da Educação: aprender a ser, aprender a conhecer, aprender a fazer e aprender a conviver. 30% Bradesco Custo médio mensal R$ 195,32 por criança/ jovem 40% 12% 18% Convênio com a Prefeitura Kimberly Clark Fundação Mapfre 1. UNESCO. Educação, um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional para a Educação do Século XXI. São Paulo, Brasília: Cortez, MEC, Relatório de atividades 2009 Março 2010

28 Para a viabilização desse processo, os educadores de referência propõem-se a criar vínculos afetivos positivos, de asseguramento e proteção, facilitando a elaboração de suas vivências. Já os educadores especialistas (informática, esporte, culinária, cultura da paz, dança, teatro e música) contribuem para aumentar o acervo de conhecimentos e o repertório das crianças e adolescentes para o desenvolvimento de sua cidadania e capacidade transformadora. O trabalho organiza-se em torno de projetos anuais escolhidos no início do ano pela equipe de educadores juntamente com a coordenação do programa. Cada grupo elege um aspecto inspirado no projeto que articula as várias ações educativas, o que acontece com participação efetiva das crianças, adolescentes e dos educadores de referência. Objetivos Oportunizar uma diversidade de vivências culturais a crianças e adolescentes, ampliando sua capacidade de atuação, por meio de acesso às diversas linguagens usadas como ferramentas, por exemplo, informática, esportes, culinária, biblioteca, teatro, dança, música, artes visuais; Promover situações em que crianças e adolescentes sejam protagonistas de suas aprendizagens, por meio de reflexões e ações; Estabelecer parcerias com as famílias e a escola das crianças e dos adolescentes para construção de rede de proteção social, como forma de apoio a seu desenvolvimento integral; Zelar pelo pleno desenvolvimento físico oferecendo duas refeições diárias balanceadas, orientações nutricionais e acompanhamento das curvas de crescimento das crianças e dos adolescentes. Relatório de atividades 2009 Março

29 REALIZAÇÕES Oportunidade de acesso a diversas atividades culturais, como visitas a exposições e outros espaços públicos, o que promoveu o agendamento de visitas das crianças e dos adolescentes à sala São Paulo, ao teatro Alfa, ao centro velho de São Paulo, ao Parque Aquático Viva Parque, à Toca da Raposa, viagem de 40 jovens durante quatro dias a Bertioga para o Encontro Indígena, acampamentos no jardim do EDD com o objetivo de trabalhar convivência, sobrevivência e, principalmente, criando a possibilidade de um programa alternativo aos eventos de riscos realizados na periferia; Participação em torneios esportivos fora do Complexo Educacional Educandário Dom Duarte e apresentações das oficinas de teatro, ballet e música no CEU Butantã; Produção de fichas de inscrição, incluindo anamnese, com solicitações que causem impacto na conscientização das famílias quanto aos cuidados com seus filhos em relação aos direitos básicos, como carteira de vacinação, educação básica; Aumento da frequência e da participação dos pais nas reuniões mensais, com abordagem de temas importantes e de interesse para a população atendida, como Violência e Nutrição. Foram realizadas dez reuniões durante o ano com a presença de 150 pais (estabelecer parceria das famílias). Público beneficiado: 420 crianças e jovens Faixa etária: 6 a 15 anos Produção da Segunda Mostra Cultural; Elaboração de sistemática de avaliação, com produção de ferramentas para coleta de dados quantitativos e qualitativos, como listas de presença, dossiê individual das crianças e dos adolescentes, pautas de observação das crianças e dos adolescentes elaboradas pelos educadores; mapas de sistematização dos dados e análise dos resultados; Convênio: Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social Demanda: 500 crianças/jovens em lista de espera Estabelecimento de parcerias com a Rede de Proteção Social Oficial do entorno, que inclui famílias, escolas, SUS Sistema único de Saúde -, Conselho Tutelar, entre outros; Estabelecimento de parcerias com instituições da sociedade civil, como LEGO, no Projeto Bloco a Bloco O Brasil que queremos e MAM Museu de Arte Moderna, no Projeto Arte pela Paz ; 30 Relatório de atividades 2009 Março 2010

RESUMO INSTITUCIONAL 2012

RESUMO INSTITUCIONAL 2012 RESUMO INSTITUCIONAL 2012 A Liga Solidária é uma organização social sem fins lucrativos criada há 89 anos. Atualmente, atende mais de 3.200 pessoas. A ONG desenvolve programas sociais de educação e cidadania

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

Asilo São Vicente de Paulo

Asilo São Vicente de Paulo Asilo São Vicente de Paulo O Asilo São Vicente de Paulo promove a qualidade de vida e o resgate à dignidade da pessoa idosa. Atualmente é responsável pela garantia dos direitos fundamentais de 150 idosas.

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Há 17 anos promovendo os direitos dos idosos com qualidade de vida. Nossa História O Grupo

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra de Projetos 2011 Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Brincar de ler e escrever

Brincar de ler e escrever I Edital FNA 2015 Brincar de ler e escrever A Fundação Negro Amor - FNA foi criada em 2008 e, desde então, desenvolve ações na área socioeducativa e cultural, com foco na promoção da educação infantil

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária

MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08. 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária MÓDULO V Experiência de acolhimento em família solidária Aula 08 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Acompanhamento dos casos na modalidade de proteção em Família Solidária Os casos encaminhados à modalidade

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento Mostra de Projetos 2011 Terceira Idade e Movimento Mostra Local de: Campina Grande do Sul Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE Fazer laços é ligar, entrelaçar o que está separado. Literal e metaforicamente falando. A inclusão do trabalho sobre o tema da sexualidade

Leia mais

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Apresentação SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Descritivo: "A educação deve possibilitar ao corpo e à alma toda a perfeição e a beleza que podem

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC Resumo da ONG O CADI Palhoça é uma instituição não governamental cujo objetivo é executar, articular e fomentar ações e projetos que facilitem o desenvolvimento de comunidades. Desenvolve projetos em 6

Leia mais

Primeiro escritório de inclusão social da América Latina

Primeiro escritório de inclusão social da América Latina Primeiro escritório de inclusão social da América Latina 18 de setembro Nós do Centro: mais uma ação para a comunidade do Grupo Orsa O Grupo Orsa, por meio da Fundação Orsa, inaugura um espaço inovador

Leia mais

Juventude com Arte, Saúde e Cidadania Autores: Ellen da Silva Mourão; Giovanna Grasiane de Sousa; Preceptora de Serviço: Maria Regina de Paula Fagundes Netto; Preceptora Acadêmica: Lêda Maria Leal de Oliveira.

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

Captação de Recursos. Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais!

Captação de Recursos. Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! Captação de Recursos Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013 Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! Como Captar Recursos? Existem diversas maneiras das organizações conseguirem

Leia mais

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade?

Perguntaram à teóloga alemã. Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Perguntaram à teóloga alemã Dorothee Sölle: Como a senhora explicaria a um menino o que é felicidade? Não explicaria, Daria uma bola para que ele jogasse... ESPORTE EDUCAÇÃO CULTURA QUALIFICAÇÃO PLACAR

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 004/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PESSOAL PARA ATENDER A RECENSEAMENTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E A DIVERSOS OUTROS PROGRAMAS E SERVIÇOS

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

Núcleo Rotary de Desenvolvimento Comunitário NRDC Bairro Guaíra Três de Maio RS

Núcleo Rotary de Desenvolvimento Comunitário NRDC Bairro Guaíra Três de Maio RS I - ABERTURA GERAL Três de Maio, próspero município, com 24 mil habitantes, predominantemente descendentes de alemães, italianos e poloneses, na região noroeste do Rio Grande do Sul, foi emancipado em

Leia mais

Número de funcionários: Aproximadamente 1200 colaboradores na sede administrativa e industrial.

Número de funcionários: Aproximadamente 1200 colaboradores na sede administrativa e industrial. PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 Categoria Franqueador Máster Dados da empresa Razão Social: IBAC Indústria Brasileira de Alimentos e Chocolates Nome Fantasia: Cacau Show Data de fundação:

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão

Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão OS RECURSOS FINANCEIROS DO ESPAÇO CRIANÇA ESPERANÇA TV GLOBO realiza CAMPANHA CRIANÇA ESPERANÇA com programa na TV UNESCO recebe DOAÇÃO e apóia diferentes

Leia mais

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL Permite o apoio financeiro a projetos culturais credenciados pela Secretaria de Cultura de São Paulo, alcançando todo o estado. Segundo a Secretaria, o Proac visa a: Apoiar

Leia mais

Casa do Bom Menino. Manual do Voluntario

Casa do Bom Menino. Manual do Voluntario Manual do Voluntario Apresentação A Casa do foi fundada em novembro de 1962 e hoje acolhe provisoriamente e excepcionalmente crianças e adolescentes afastados do convívio familiar. A instituição assume

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015 Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis CAPÍTULO I AETP: A INSTITUIÇÃO 1. Introdução No decorrer do ano de 2015 prevê-se que a AETP

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA.

A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. A PRÁTICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE NA APAM-ASSOCIAÇÃO DE PROMOÇÃO A MENINA DE PONTA GROSSA. SILVA, Jessica Da¹. NADAL, Isabela Martins². GOMES, R.C. Ana³. RESUMO: O presente trabalho é referente à prática

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha. Planejamento para 2015

Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha. Planejamento para 2015 Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha Planejamento para 2015 Formação Aprender faz parte da vida, sendo um processo permanente de desenvolvimento humano

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil?

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil? Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil? Conheça o Instituto Bola Pra Frente O Instituto Bola Pra Frente, iniciativa do tetracampeão mundial

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Lista de Projetos Contemplados no Programa Integração Petrobras Comunidade

Lista de Projetos Contemplados no Programa Integração Petrobras Comunidade Lista de Projetos Contemplados no Programa Integração Petrobras Comunidade ITABORAÍ Projeto: Fábrica de Sonhos Nome da instituição: Liga Independente das Escolas de Samba e Blocos Carnavalescos de Itaboraí

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente!

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra de Projetos 2011 Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA Relatório das Ações Desenvolvidas pelo Projeto Oficina Escola 1. Apresentação Companheiros (as) da Associação Tremembé estamos concluindo mais um ano missão e com isso somos convidados (as) a socializar

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

Projeto ViraVida oferece alternativas para jovens e adolescentes em situação de exploração sexual

Projeto ViraVida oferece alternativas para jovens e adolescentes em situação de exploração sexual Projeto ViraVida oferece alternativas para jovens e adolescentes em situação de exploração sexual Desde 2008, o Conselho Nacional do SESI, em parceria com o empresariado, promove a inserção desse público

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

CVSP E VOLUNTARIADO NA CIDADE DE SÃO PAULO. Aniversário de 18 anos do CVSP e você faz parte dessa história. Comemore este dia conosco!

CVSP E VOLUNTARIADO NA CIDADE DE SÃO PAULO. Aniversário de 18 anos do CVSP e você faz parte dessa história. Comemore este dia conosco! CVSP E VOLUNTARIADO NA CIDADE DE SÃO PAULO Aniversário de 18 anos do CVSP e você faz parte dessa história. Comemore este dia conosco! FUNDAÇÃO DO CVSP O CVSP foi criado em 6 de maio de 1997, por um grupo

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

SERVI O SOCIAL NOVA JERUSAL M

SERVI O SOCIAL NOVA JERUSAL M SERVI O SOCIAL NOVA JERUSAL M Jardim das Paineiras Campinas/SP - Brasil - CEP.: 13.091-107 Fone.(19) 3255-8350 e-mail: falecom@ssnjcamp.org CNPJ: 67.170993/0001-10 Site: www.ssnjcamp.org SERVI O SOCIAL

Leia mais

Dia Global do Voluntariado Jovem

Dia Global do Voluntariado Jovem Projeto: Dia Global do Voluntariado Jovem O Dia Global do Voluntariado Jovem, promovido desde 2000 pela oitava vez em mais de 120 países, será celebrado no Brasil nos dias 27, 28 e 29 de abril de 2007.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Responsabilidade Social Guia para Boas Práticas O destino certo para seu imposto Leis de Incentivo Fiscal As Leis de Incentivo Fiscal são fruto da renúncia fiscal das autoridades públicas federais, estaduais

Leia mais

PROJETO. A inserção das Famílias no CAMP

PROJETO. A inserção das Famílias no CAMP PROJETO A inserção das Famílias no CAMP APRESENTAÇÃO O CAMP-Gna é uma entidade filantrópica sediada em Goiânia, no Setor Central, onde funciona ininterruptamente há 36 anos. Desde 01 de julho de 1973,

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -Principais serviços que a Assistência Social possui para atendimento de idosos: - Proteção Social Básica (atendimento preventivo) - Centro de Convivência do Idoso - atualmente

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores

Mostra de Projetos 2011. Padrinhos Acolhedores Mostra de Projetos 2011 Padrinhos Acolhedores Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de

Leia mais

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO

PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO PROGRAMA DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO CONTEXTUALIZAÇÃO DOUTRINA DA SITUAÇÃO IRREGULAR DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL. Código de menores;. Menores em situação irregular;. Carentes, abandonados,

Leia mais

Deixe-me ser feliz CAPI - Casa de Amparo e Proteção à Infância

Deixe-me ser feliz CAPI - Casa de Amparo e Proteção à Infância Deixe-me ser feliz CAPI - Casa de Amparo e Proteção à Infância Objetivo: Como previsto pelo estatuto da entidade, Art 2º, tem por finalidade a proteção e o amparo à crianças na faixa etária de 0 (zero)

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

PROJETO MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA: CONVIVÊNCIA, CIDADANIA, SAÚDE E LAZER

PROJETO MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA: CONVIVÊNCIA, CIDADANIA, SAÚDE E LAZER SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE UBERLÂNDIA Fazenda Sobradinho, s/ nº, Município de Uberlândia, CEP: 38.400-974, telefone: (34) 3233-8800 Fax: (34) 3233-8833,

Leia mais

Projeto Pequenas Damas

Projeto Pequenas Damas Mostra Local de: Arapongas Projeto Pequenas Damas Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Associação das Damas de Caridade de Arapongas

Leia mais

Qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP em 2009.

Qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP em 2009. MISSÃO O Instituto LOCUS é uma associação civil sem fins lucrativos, fundada em 2005 por um grupo de arquitetos, urbanistas, educadores e assistentes sociais. Qualificada como Organização da Sociedade

Leia mais

Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência

Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência Proposta de Parceria BRASÍLIA, JUNHO DE 2011. Nome do Projeto Segurança e Manutenção

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva Mostra de Projetos 2011 Cozinha Escola Borda Viva Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br 5.485.424 idosos - 2014 9.316.614 idosos - 2030 Fonte: Fundação SEADE Novas Demandas e Desafios Poder Público Sociedade Famílias Garantia de Direitos Proteção Social

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

PROJETO NINHO VAZIO EM BUSCA DA EDUCAÇÃO EMOCIONAL

PROJETO NINHO VAZIO EM BUSCA DA EDUCAÇÃO EMOCIONAL PROJETO NINHO VAZIO EM BUSCA DA EDUCAÇÃO EMOCIONAL Oficinas de apoio e fortalecimento de laços intergeracionais, com dinâmicas, arteterapia, psicoeducativos, exercícios de alongamento, respiração e relaxamento,

Leia mais

PROJETO BOQUINHA ALEGRE

PROJETO BOQUINHA ALEGRE PROJETO BOQUINHA ALEGRE IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A instituição Casas Lares Humberto de Campos é uma entidade, na modalidade de associação, sem fins lucrativos, mantida pelo Grupo Educacional e Assistencial

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

Tipo OCA. Subação. 1-Ações de Infraestrutura da Gestão Superior NEX. 2-Participação da Fundação em Eventos Locais, Nacionais e Internacionais NEX

Tipo OCA. Subação. 1-Ações de Infraestrutura da Gestão Superior NEX. 2-Participação da Fundação em Eventos Locais, Nacionais e Internacionais NEX Relatório do Criança e Adolescente ( ) Página 1 de 42 EIXO: ACESSO À EDUCAÇÃO DE QUALIDADE SUB-EIXO: CULTURA (b) (c) 13-Cultura 122-Administração Geral 146-Gestão da Política Cultural 2338-Gestão Superior

Leia mais

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Serviço de Família acolhedora definição Serviço que organiza o acolhimento de crianças

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS CRAS Centro de Referência de Assistência Social PÚBLICO-ALVO: A PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA B DO SUAS Famílias, seus membros e indivíduos em situação de vulnerabilidade social

Leia mais

Título do trabalho: O Setor de Acessibilidade das Fábricas de Cultura das Regiões Norte e Sul da Cidade de São Paulo.

Título do trabalho: O Setor de Acessibilidade das Fábricas de Cultura das Regiões Norte e Sul da Cidade de São Paulo. Temática(s): Acessibilidade em Bibliotecas Tipo de Trabalho: Relato de Experiência Título do trabalho: O Setor de Acessibilidade das Fábricas de Cultura das Regiões Norte e Sul da Cidade de São Paulo.

Leia mais

Rede Solidária Anjos do Amanhã

Rede Solidária Anjos do Amanhã Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Rede Solidária Anjos do Amanhã Voluntariado Beneficiando crianças e adolescentes com direitos violados Como funciona a Rede Solidária Como se tornar

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto?

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto? Projetos Sociais da Faculdade Campo Real A promoção da cidadania é qualidade de toda instituição de ensino consciente de sua relevância e capacidade de atuação social. Considerando a importância da Faculdade

Leia mais