BuscaLegis.ccj.ufsc.br

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BuscaLegis.ccj.ufsc.br"

Transcrição

1 BuscaLegis.ccj.ufsc.br Comentários sobre a matéria de provas (Arts. 332 a 443 do CPC) Leonardo Antunes O artigo 332 do CPC descreve que todos os meios legais, moralmente legítimos, mesmo que não previsto no Código de Processo Civil são hábeis para provar a verdade dos fatos. A fase probatória inicia-se após a fase postulatória, ou seja, após a prolação do despacho saneador. O autor ao ajuizar a ação, deve alegar os fatos na petição inicial e reforçar com todos os meios de provas que entender necessário. Por outro lado, na oportunidade, o réu, ao receber o mandado de citação, ao contestar os fatos narrados na petição inicial, também deverá produzir todos os meios de provas que entender necessário para combater o alegado na petição inicial pelo autor. Encerrada a fase de apresentação da defesa do réu, com a contestação, o juiz proferirá o despacho saneador que encerrará a fase postulatória e dará início a probatória. A partir daí, as partes terão uma nova chance de apresentar mais provas. O juiz, para proferir uma sentença que declare ou não a existência de um direito, deve analisar, não só os fatos narrados, mas sobretudo as provas que corroboram com o alegado. Dessa forma, não basta somente às partes alegarem os fatos. Tudo deve ser provado e por isso há dois sentidos para conceituarmos as provas no processo: um objetivo instrumento ou meio hábil para demonstrar a existência de um fato (documentos, testemunhas, perícia etc...), outro é o subjetivo que é a certeza originada quanto ao fato em virtude da produção do instrumento probatório, ou seja, a prova aparece como convicção formada no espírito do julgador em torno do fato demonstrado. O processo moderno procura solucionar os litígios à luz da verdade real. É na prova dos autos o processo que o juiz busca localizar essa verdade. Ao manipular os meios de prova para formar seu convencimento, o juiz deve observar um método ou sistema. Esses sistemas são: o critério legal, o da livre convicção e o da persuasão racional. Devemos considerar que o juiz possui poderes em relação às provas requeridas e produzidas pelas partes. Assim, o art. 130 do CPC descreve que caberá ao juiz, de ofício,

2 ou a requerimento da parte, determinar as provas necessárias a instrução do processo, indeferindo as diligências inúteis ou meramente protelatórias. Ônus da Prova (art. 333 do CPC): Consiste na conduta processual exigida da parte para que a verdade dos fatos, por ela arrolados, seja admitida pelo juiz. Ademais, há um simples ônus em que o litigante assume o risco de perder a causa se não provar os fatos alegados. Deve-se considerar, ainda, que fatos alegados e não provados é o mesmo que fatos inexistentes. O ônus da prova recai sobre quem alega. Ex: Se o autor afirma que seu veículo foi abalroado pelo do réu, e este a contesta afirmando ter sido o veículo do autor que abalroou o seu. O autor é quem deve provar que seu automóvel foi abalroado para lograr êxito na ação. Tratando-se de relação de consumo, quando o consumidor for hipossuficiente para provar o alegado, impõe-se aí a inversão do ônus da prova, ou seja, o autor narra os fatos na petição inicial e como é hipossuficiente para produzir tal prova o ônus é invertido fazendo com que o réu seja obrigado a produzir aquela prova. Vide o art. 6º da Lei nº 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor). O caso da inversão do ônus da prova nem sempre é cabível na relação de consumo. Não basta somente o autor alegar ser hipossuficiente, ele deve comprovar através de suas alegações que não tem como produzir aquela prova. Ex: a telemar comanda o controle das ligações telefônicas dos consumidores, se o mesmo ajuizar uma ação em face da telemar alegando não ter telefonado para certos números constantes em sua conta, cabe somente a telemar a provar que o consumidor fez ou não. Ou seja, o consumidor não tem como provar que não fez as ligações visto que em sua conta de consumo os números aparecem. O nosso Código de Processo Civil prevê 7 (sete) meios de prova: 1) depoimento pessoal (arts. 342 a 347 do CPC) 2) confissão (arts. 348 a 354 do CPC) 3) exibição de documento ou coisa (arts. 355 a 363 do CPC) 4) prova documental (arts. 364 a 391 do CPC) 5) prova testemunhal (arts. 400 a 419 do CPC) 6) prova pericial (arts. 420 a 439 do CPC) 7) inspeção judicial (arts. 440 a 443 do CPC) O Código Civil, no art. 212, também prevê meios de prova e entre elas está descrita a prova por presunção que não vimos em sede de processo civil. A prova por presunção é mais um tipo de raciocínio do que propriamente um meio de prova, com ela pode-se chegar a uma noção acerca de determinados fatos em que este seja diretamente demonstrado. Depoimento Pessoal (arts. 342 a 347 do CPC)

3 Conceito: O depoimento pessoal é o meio de prova destinado a realizar o interrogatório das partes, no curso do processo. Limita-se somente aos fatos controvertidos no processo. Aplica-se tanto ao autor como ao réu, pois ambos se submetem ao ônus de comparecer em juízo e responder ao que lhe for interrogado pelo juiz (art. 340, I do CPC). É um ato personalíssimo. Iniciativa: A iniciativa para requerer o depoimento pessoal pode ser tanto do Juiz quanto das próprias partes. Finalidade: A finalidade desse meio de prova é dupla provocar a confissão da parte e esclarecer fatos discutidos na causa. Momento processual: O momento processual de ser ouvida a prova de depoimento pessoal é na audiência de instrução e julgamento. O juiz tem a faculdade de determinar, em qualquer estado do processo, o comparecimento da parte para interrogá-la sobre os fatos da causa. Sanção: Caso a parte seja intimada e não comparecer ou comparecendo se recusar a depor, o juiz aplicará a pena de confissão. Tal sanção, confissão, consiste em admitir o juiz como verdadeiro os fatos contrários ao interesse da parte faltosa e favorável ao adversário. Obs: quem requer o depoimento pessoal, deve recolher custas para tal! A luz do art. 345 do CPC, a recusa de depor sem um motivo justificado, exceto as situações descritas no art. 347 do CPC, o Juiz apreciará as demais circunstâncias e elementos da prova e declarará no corpo da sentença a recusa do depoimento. Os terceiros intervenientes como o opoente, o nomeado à autoria, o denunciado a lide e o chamado ao processo, também estão sujeitos a prestar depoimento pessoal. O prazo para requerimento do depoimento pessoal da parte contrária é de 5 (cinco) dias antes da realização da audiência de instrução e julgamento (art. 407 do CPC). Tanto o prazo como a forma de interrogação do depoente é igual a da produção de prova testemunhal (art. 411 do CPC). Obs: se o depoente residir fora da Comarca onde tramita o processo, poderá ser ouvido através de carta precatória (citar ou intimar fora do município e fora do Estado) ou por carta rogatória (citar ou intimar fora do país) ex: Mévio, que reside no Rio de Janeiro, move ação em face de Simprônio, que reside no mesmo Estado. O juiz decide colher o depoimento pessoal de Tício, que tem relação com o processo sendo que reside em São Paulo. A comarca da capital do Rio de Janeiro pode expedir intimação por carta precatória para São Paulo e Tício pode ser ouvido pelo Juízo de São Paulo. Como isso acontecerá?? O juízo de São Paulo marcará audiência de instrução e julgamento para colher o depoimento pessoal de Tício Esse exemplo serve também para testemunhas.

4 O depoimento pessoal das partes, na audiência, será tomado antes da oitiva das testemunhas, sendo primeiro o depoimento requerido pelo autor e depois do réu. Acontece assim também na testemunha (primeiro as testemunhas do autor e depois as do réu). Confissão (arts. 348 a 354 do CPC) Conceito: A própria palavra diz. A confissão ocorre quando a parte admite a verdade de um fato contrário ao seu interesse e favorável ao adversário (art. 348 do CPC). É uma declaração judicial ou extrajudicial, que pode ser provocada ou espontânea, em que os litigantes, capazes e com ânimo de se obrigar, faz da verdade (integral ou parcial), dos fatos alegados pela parte contrária, como fundamentais da ação ou da defesa. Não se pode confundir com o reconhecimento da procedência do pedido. Iniciativa: pode ser espontânea da parte contrária ou provocada. Finalidade: convicção de fazer a prova real e plena reconhecendo o fato alegado pela outra parte, voluntariamente. Momento processual: a qualquer tempo. Sanção: não há A confissão deve conter: (i) o reconhecimento de um fato alegado pela outra parte; (ii) a voluntariedade desse reconhecimento; (iii) um prejuízo para o confitente, em decorrência do reconhecimento. O elemento subjetivo da confissão é o ânimo de confessar e o elemento objetivo é o próprio fato litigioso reconhecido em detrimento do confitente. A confissão tem o valor de prova legal e pode ser feita através de procurador, ao contrario do depoimento pessoal que não pode ser através de procurador. A confissão Judicial é aquela feita nos autos do processo onde é tomada por termo e a confissão extrajudicial é aquela em que o confitente faz fora do processo, de forma escrita ou oral, perante a parte contrária ou terceiros, ou ainda através de testamento. Exibição de documento ou coisa (arts. 355 a 363 do CPC) Conceito: incumbe as partes e a terceiros colaborar com o Poder Judiciário para descobrir a verdade. A exibição pode ser feita de forma direta como, por exemplo, um contrato de prestação de serviços controvertido, um recibo controvertido etc... ou como instrumento de prova indireta ou circunstancial como a exibição uma moto acidentada para perícia etc...). A coisa e o documento a serem exibidos devem manter algum nexo e possuir relevância, pois caso contrário deve ser denegado por falta de interesse da parte em postulálo.

5 Iniciativa: a pedido das partes, de ofício pelo juiz ou por terceiro interessado. Finalidade: indicar os fatos que se relacionam com o documento ou a coisa. Momento processual: dar-se no curso do processo, como incidente da fase probatória, antes do ajuizamento da ação como medida preparatória (arts. 844 e 845 do CPC) Ação Cautelar. Deferido o pedido da produção da prova, a outra parte será intimada a responder dentro do prazo de 5 dias. O pedido de exibição quando formulado contra quem não é parte do processo principal, provoca a instauração de um novo processo em que são partes o pretendente à exibição e o possuidor do documento ou coisa. Prova Documental (arts. 364 a 391 do CPC) Conceito: não se trata apenas de documento escrito, mas são coisas que transmitem diretamente um registro físico a respeito de um fato, como por exemplo: fotos, recibos, contratos, desenhos, fita de vídeo, etc.. Os documentos podem ser públicos, provenientes de repartições públicas e particulares, elaborados pela parte. Os documentos podem ser apresentados como originais e cópias, salvo em casos específicos. A prova autêntica é a melhor para convencer o juiz, possui mais força probante. O documento público tem uma importância considerável no mundo jurídico, devido a sua fé pública. O incidente de falsidade corre nos próprios autos do processo, quando proposto na contestação ou em qualquer momento anterior ao encerramento da instrução. Iniciativa: a iniciativa de provar é das partes. Finalidade: no caso do autor corroborar os fatos alegados na petição inicial e no caso do réu contrariar as alegações da petição inicial e mostrar que as alegações da contestação são as que devem prevalecer. Momento processual: o momento adequado está previsto no art. 396 do CPC O desentranhamento da prova documental pode ocorrer somente após petição da parte requerendo ao juízo e apenas é deferido se a prova dos autos for original, devendo ser substituída por cópia fiel.

6 O professor Carnelutti entende que o documento é uma coisa capaz de representar um fato. O ser humano possui a capacidade de criar, logo, prova documental é o resultado de uma obra humana com o objetivo de fixar ou retratar coisa material sobre um certo acontecimento. Assim como a testemunha registra os fatos gravados apenas na memória do homem, o documento é gerado para materializar o fato. Os documentos podem ser classificados em públicos ou particulares. Há diferença entre documento e instrumento, o primeiro é gênero todos os registros materiais de fatos jurídicos, o segundo é espécie do primeiro. O documento autêntico gera maior impacto e possui uma enorme força para convencimento do Juízo. O documento público goza de mais autenticidade, devido a fé pública, ou seja, a presunção de veracidade fica acobertada pela fé pública do Oficial (tal presunção atinge somente os elementos de formação do ato). Existem 3 (três) tipos de documentos públicos, segundo o artigo 364 do CPC, que são: os Judiciais elaborados por um escrivão de cartório judicial; os notariais elaborados pelo tabelião ou oficial de registros públicos; os administrativos quando oriundo de outras repartições públicas. É de bom alvitre comentar que em caso de prova falsa, caberá uma ação declaratória de incidente de falsidade. Se a prova falsa estiver na petição inicial, cabe ao réu argüir tal incidente na contestação, agora se o documento falso surgir no decorrer do processo, a parte interessada terá o prazo de 10 (dez) dias a contar da intimação de sua juntada para propor o incidente. O incidente de falsidade tem lugar em qualquer tempo e grau de jurisdição (artigo 390 do CPC). Prova Testemunhal (arts. 400 a 419 do CPC) Conceito: é o relato de pessoa que presenciou os fatos perante o juízo, a testemunha ajuda o Poder Judiciário na busca da verdade. Segundo o professor Dinamarco, a prova testemunhal é uma técnica de obtenção de informes sobre os fatos relevantes para o julgamento mediante perguntas a serem respondidas por pessoas estranhas ao processo, testemunhas A professora Paula Batista, em sua obra de teoria e prática, 1901, 149, p. 194, conceitua testemunha como pessoas que vêm a Juízo depor sobre o fato controvertido.

7 O juiz indeferirá a prova testemunhal quando os fatos já estiverem provados por documento ou confissão da parte, ou que só por documentos ou exame pericial puderem ser (art. 400 CPC). A condição de testemunha impõe deveres como os de comparecimento, depoimento e veracidade, podendo inclusive incorrer em tipo penal se faltar intencionalmente com a verdade (arts. 342 CPC e 415 CPC). Também gera direito às partes de reembolso das despesas e eventuais prejuízos suportados em virtude do comparecimento, que ficarão a cargo da parte vencida ao final (arts. 20 2º e 419 CPC). A testemunha deve comparecer quando intimada ou pode comparecer quando a parte que a arrolou se comprometer a levar independentemente de intimação. Essa testemunha não pode ter interesse na causa. Iniciativa: das partes ou de ofício pelo Juiz Finalidade: Ajudar o Poder Judiciário na busca da verdade real, prestando o depoimento, como pessoa estranha, para corroborar os fatos alegados na contestação ou na petição inicial. Momento processual: O momento adequado para requerer pelo autor é na petição inicial (art. 282 VI CPC), pelo réu é na contestação (art. 300 do CPC). Para ambas as partes o momento adequado pode ser, também, na fase de especificação de prova durante as providências preliminares (art. 324 CPC). É no despacho saneador que o juiz deferirá ou não essa espécie de prova (art. 331 II CPC). A parte que desejar produzir essa prova deverá, antes da audiência, depositar em cartório o rol, onde indicará os nomes, as profissões, residências e locais de trabalho das testemunhas a ouvir, dentro do prazo estipulado pelo juiz (art. 407 CPC). Os casos para substituição de testemunha e ordem para serem ouvidas estão expressamente dispostos no Código de Processo Civil. Contradita de testemunha é a impugnação da testemunha no caso de incapacidade, suspeição ou impedimento pelo advogado da parte contrária (art º CPC). Em regra, a contradita deve ser apresentada antes do início do depoimento para permitir ao juiz que deixe de colher a prova. Há testemunha presencial, referência, referida, judiciária e instrumentária: -Presencial: é aquela que, pessoalmente, assistiu o fato; -Referência: é aquela que soube do fato, através de terceiros; -Referida: é aquela cuja existência é apurada através de depoimento de outra testemunha;

8 -Judiciária e instrumentária são aquelas que relatam em Juízo o seu conhecimento a respeito dos fatos que são objetos do litígio e estas as que presenciaram assinatura de instrumento do ato jurídico e os atos assinados pelas partes. Somente para ilustrar, no prisma histórico, a prova testemunhal é a mais antiga dos meios de convencimento utililzado pela justiça. Prova Pericial (arts. 420 a 439 do CPC) Conceito: é aquela prova que surge para apurar fatos que envolvem matéria técnica e científica que foge do conhecimento do homem médio. Nessas hipóteses a prova oral e documental, se revelam insuficientes para o necessário esclarecimento das alegações formuladas pelas partes, assim é adequada a produção de prova pericial. Denomina-se perícia o exame feito em pessoas ou coisas, por profissional portador de conhecimentos técnicos e com a finalidade de obter informações capazes de esclarecer dúvidas quanto a fatos. Iniciativa: a requerimento das partes ou por conveniência do juiz Finalidade: apurar os fatos que envolvem questões técnicas e científicas, que fogem do conhecimento do magistrado. Busca traduzir a questão complexa com o intuito de mostrar a quem prevalece o direito. Momento processual: O momento adequado para requerer pelo autor é na petição inicial, pelo réu é na contestação. Para ambas as partes o momento adequado pode ser, também, na fase de especificação de prova durante as providências preliminares. O perito é profissional escolhido pelo juiz. Após a nomeação do perito, o mesmo apresenta o valor dos honorários e as partes possuem a faculdade de impugnar, com a explicação dos motivos, ou não. Dentro do prazo legal, cabem as partes nomearem assistentes técnicos e formularem os quesitos a serem respondidos pelo perito. Quando o juiz entender que a matéria não restou suficientemente esclarecida, podese deliberar, de oficio ou a requerimento das partes, nova perícia. No caso da perícia, o ônus da prova recai sobre quem a requer. No caso da perícia for requerida pelo próprio juiz, quem sucumbir arca com o pagamento dos honorários periciais. É importante verificarmos os artigos do CPC que descrevem todos os procedimentos teóricos e práticos. Inspeção Judicial (art. 440 a 443 do CPC) Conceito: É o meio de prova onde o próprio juiz comparece no local para verificar coisas ou pessoas relacionadas ao litígio, consiste na percepção sensorial e direta do juiz.

9 O objeto da inspeção pode ser pessoas, coisas ou lugares. A inspeção Judicial ocorrerá se o juiz entender quando o juiz entender necessário, durante essa inspeção o magistrado pode ser assistido de um ou mais peritos. Ademais, às partes é assegurado o direito de assistir a inspeção. Concluída a diligência, o juiz mandará que seja, logo em seguida, lavrado auto circunstanciado mencionando nele tudo quanto for útil ao julgamento da causa. Conclusão: Após vasto comentário sobre as provas admitidas pelo Código de Processo Civil, vimos que se diverge das autorizadas pelo Código Civil brasileiro em alguns aspectos, sendo que, de boa fé, todas serão admitidas para ajudar o Julgador na busca da verdade. Disponível em: Acesso: 17. agosto

Audiência de Instrução e Julgamento. Prof. Rafael Menezes

Audiência de Instrução e Julgamento. Prof. Rafael Menezes Audiência de Instrução e Julgamento Prof. Rafael Menezes Contexto (ato complexo e misto) Ao final da fase ordinatória (art. 331,?2) o juiz, se for o caso designará dia para realização da Audiência de Instrução

Leia mais

Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito:(redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) V -quando o juiz acolher a alegação de

Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito:(redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) V -quando o juiz acolher a alegação de 1. (OAB 136) De acordo com o Código de Processo Civil (CPC), extingue-se o processo sem resolução de mérito quando A) o juiz reconhece a prescrição ou a decadência. B) as partes transigem. C) o autor renuncia

Leia mais

Juizados Especiais Cíveis

Juizados Especiais Cíveis Juizados Especiais Cíveis Juiz de Direito/RS 1) O que é Juizado Especial Cível? É uma justiça mais célere, informal, totalmente gratuita, destinada a julgar as causas de menor complexidade. São aquelas

Leia mais

Mestre Anderson Nogueira Oliveira Prática Jurídica I PETIÇÃO INICIAL

Mestre Anderson Nogueira Oliveira Prática Jurídica I PETIÇÃO INICIAL PETIÇÃO INICIAL 1. ENDEREÇAMENTO a) Fundamentação I Art. 42 a 53 do Novo CPC II Art. 108 e 109 da Constituição Federal de 1988 2. EXEMPLOS DE ENDEREÇAMENTOS VARA CÍVEL ESTADUAL Excelentíssimo Senhor Doutor

Leia mais

DO PROCESSO E PROCEDIMENTO

DO PROCESSO E PROCEDIMENTO DO PROCESSO E PROCEDIMENTO PROCESSO Para solucionar os litígios, o Estado põe à disposição das partes três espécies de tutela jurisdicional: a cognição, a execução e a cautela. O que as distingue são os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i PLANO DE AULA i INSTITUIÇÃO DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM CURSO: DIREITO PROFESSOR: Especialista Rafael da Silva Menezes NÍVEL DE ENSINO: SUPERIOR PERÍODO: 5º TURNO: DIURNO/NOTURNO DATA:

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARTE I PROCEDIMENTO ORDINÁRIO

PROCEDIMENTOS PARTE I PROCEDIMENTO ORDINÁRIO PROCEDIMENTOS PARTE I PROCEDIMENTO ORDINÁRIO PROCEDIMENTOS PROCESSO instrumento utilizado para resolução dos conflitos de interesses, formado por um conjunto de atos, exige a conjugação de dois fatores:

Leia mais

Escola da Magistratura da Justiça do Trabalho da 15ª.. Região

Escola da Magistratura da Justiça do Trabalho da 15ª.. Região Escola da Magistratura da Justiça do Trabalho da 15ª.. Região DA PROVA PERICIAL Desempenho das Funções de Perito Judicial MédicoM Alessandro Tristão - Outubro de 2009 Objetivos Promover a discussão de

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE AS PROVAS NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL.

APONTAMENTOS SOBRE AS PROVAS NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. DIREITO PROCESSUAL CIVIL ARTIGO ELABORADO EM 21 DE FEVEREIRO DE 2016. APONTAMENTOS SOBRE AS PROVAS NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. SÉRGIO AUGUSTO BARBOSA DA ROCHA 1 Sumário: 1 - Introdução 2-Considerações

Leia mais

A contestação na prova da 2ª fase da OAB (Direito do Trabalho)

A contestação na prova da 2ª fase da OAB (Direito do Trabalho) 1 A contestação na prova da 2ª fase da OAB (Direito do Trabalho) Carlos Augusto Marcondes de Oliveira Monteiro * Mais uma segunda fase se aproxima. Conforme mencionei no artigo anterior, 3 são as principais

Leia mais

Capítulo 1 Processo...1. Capítulo 2 Procedimento Comum Ordinário e Sumário...7. 2.2. Procedimento comum sumário...8

Capítulo 1 Processo...1. Capítulo 2 Procedimento Comum Ordinário e Sumário...7. 2.2. Procedimento comum sumário...8 S u m á r i o Capítulo 1 Processo...1 1.1. Processo: conceito...1 1.2. Espécies de processo...2 1.3. Distinção entre processo e procedimento...3 1.4. Procedimentos existentes...3 1.5. Indisponibilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i PLANO DE AULA i INSTITUIÇÃO DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM CURSO: DIREITO PROFESSOR: Especialista Rafael da Silva Menezes NÍVEL DE ENSINO: SUPERIOR PERÍODO: 7º TURNO: DIURNO/NOTURNO DATA:

Leia mais

É admitida, pois não há qualquer impedimento legal para tanto.

É admitida, pois não há qualquer impedimento legal para tanto. Reconvenção da Reconvenção É admitida, pois não há qualquer impedimento legal para tanto. EX: Ação de cobrança Contestação alegando compensação Reconvenção pleiteando a diferença Na reconvenção, há contestação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i PLANO DE AULA i INSTITUIÇÃO DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM CURSO: DIREITO PROFESSOR: Especialista Rafael da Silva Menezes NÍVEL DE ENSINO: SUPERIOR PERÍODO: 7º TURNO: DIURNO/NOTURNO DATA:

Leia mais

MANUAL DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO

MANUAL DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL MANUAL DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO (2ª Edição Revisada e Atualizada de acordo com nova redação dada pela Lei n. 9.245, de 26/12/95) Maria Suzette Trindade - Assessora Especial da

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO EMPRESARIAL

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL O examinando deverá elaborar uma petição simples cuja nomenclatura e/ou conteúdo deve remeter à ideia de refutação à contestação, sendo, contudo, consideradas

Leia mais

ATA NOTARIAL DE USUCAPIÃO ORIENTAÇÕES GERAIS

ATA NOTARIAL DE USUCAPIÃO ORIENTAÇÕES GERAIS Aos notários catarinenses Prezados colegas, Com a finalidade de orientar aos colegas sobre o procedimento a ser adotado na lavratura de atas notariais para fins de usucapião, nos termos do que dispõe o

Leia mais

DENUNCIAÇÃO DA LIDE (Artigos 125 a 129 do Código de Processo Civil)

DENUNCIAÇÃO DA LIDE (Artigos 125 a 129 do Código de Processo Civil) DENUNCIAÇÃO DA LIDE (Artigos 125 a 129 do Código de Processo Civil) A denunciação da lide chama o denunciado que mantém vínculo de direito com o denunciante, a fim de responder a garantia do negócio jurídico,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO PLANO DE AULA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO PLANO DE AULA PLANO DE AULA INSTITUIÇÃO DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM CURSO: DIREITO PROFESSOR: Especialista Rafael da Silva Menezes NÍVEL DE ENSINO: SUPERIOR PERÍODO: 6º TURNO: DIURNO/NOTURNO DATA:

Leia mais

DO PARECER A Resolução CFM nº 1931/09, que aprova o Código de Ética Médica em seus considerandos, cita:

DO PARECER A Resolução CFM nº 1931/09, que aprova o Código de Ética Médica em seus considerandos, cita: PARECER CFM nº 13/16 INTERESSADO: Dr. R. R. ASSUNTO: Utilização de dados do prontuário médico sem a anuência do funcionário (paciente). RELATOR: Cons. Nemésio Tomasella de Oliveira EMENTA: O médico estará

Leia mais

PERITO JUDICIAL E ASSISTENTE TÉCNICO

PERITO JUDICIAL E ASSISTENTE TÉCNICO PERITO JUDICIAL E ASSISTENTE TÉCNICO PERÍCIA AGRONÔMICA ACEPÇÕES NA PERÍCIA AGRONÔMICA Perito oficial: profissional universitário, legalmente habilitado para exercer determinada função pericial - pertinente

Leia mais

PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES E JULGAMENTO CONFORME O ESTADO DO PROCESSO

PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES E JULGAMENTO CONFORME O ESTADO DO PROCESSO PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES E JULGAMENTO CONFORME O ESTADO DO PROCESSO PROCESSO CIVIL Fred. Didier (aulas e livro) FASE DE SANEAMENTO - Após o FIM DO PRAZO DE RESPOSTA do réu (apresentada ou não), tem início

Leia mais

Código do Registo Civil

Código do Registo Civil Código do Registo Civil Aprovado pelo decreto-lei nº47678, de 5 de Maio de 1967, publicado no suplemento ao Boletim Oficial nº16, de 22 de Abril de 1968. Alterado pelo Decreto-Lei nº49/77 de 4 de Junho.

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES CUSTAS JUDICIAIS

PERGUNTAS FREQUENTES CUSTAS JUDICIAIS PERGUNTAS FREQUENTES CUSTAS JUDICIAIS 1- Como proceder com relação aos Mandados de Segurança?... 2 2- É possível distribuir um feito sem recolher custas iniciais?... 2 3- É necessário recolher custas referentes

Leia mais

Seção 22 Da prioridade na tramitação de processos

Seção 22 Da prioridade na tramitação de processos Seção 22 Da prioridade na tramitação de processos 2.22.1 - Terão prioridade na tramitação em primeira instância os procedimentos judiciais, inclusive cartas precatórias, rogatórias ou de ordem, em que

Leia mais

Aula 9 de Processo do Trabalho I. Segundo a redação do artigo 840 da Consolidação das Leis do Trabalho a petição inicial poderá ser escrita ou verbal.

Aula 9 de Processo do Trabalho I. Segundo a redação do artigo 840 da Consolidação das Leis do Trabalho a petição inicial poderá ser escrita ou verbal. Aula 9 de Processo do Trabalho I Petição Inicial. Segundo a redação do artigo 840 da Consolidação das Leis do Trabalho a petição inicial poderá ser escrita ou verbal. No 2º do referido artigo, está a maneira

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.478 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 84-36.2016.6.00.0000 CLASSE 26 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.478 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 84-36.2016.6.00.0000 CLASSE 26 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.478 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 84-36.2016.6.00.0000 CLASSE 26 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Estabelece diretrizes gerais

Leia mais

A responsabilidade do preposto no exercício de sua função. Solange Dias Neves Advogada OAB/RS 34.649

A responsabilidade do preposto no exercício de sua função. Solange Dias Neves Advogada OAB/RS 34.649 A responsabilidade do preposto no exercício de sua função. Solange Dias Neves Advogada OAB/RS 34.649 A proposta de trabalho: Levar para a empresa o aperfeiçoamento dos empregados que exercem cargos de

Leia mais

Comentários à Prova de Direito Processual Civil Aplicada pela OAB/FGV VI Exame de Ordem Unificado Prova Tipo 1 Branco 05/02/2012

Comentários à Prova de Direito Processual Civil Aplicada pela OAB/FGV VI Exame de Ordem Unificado Prova Tipo 1 Branco 05/02/2012 Comentários à Prova de Direito Processual Civil Aplicada pela OAB/FGV VI Exame de Ordem Unificado Prova Tipo 1 Branco 05/02/2012 COMENTÁRIOS DO AUTOR EM VERMELHO 40 Os atos processuais não dependem de

Leia mais

Programação Aula-a-Aula

Programação Aula-a-Aula FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: (curso/habilitação) Ciências Contábeis Disciplina: Perícia Contábil Carga Horária: (horas/semestre) 50 aulas Semestre Letivo / Turno: 8º. Semestre Professor: Período:

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DO PROCESSO DO TRABALHO 1) PRINCÍPIO DO DEVIDO PROCESSO LEGAL 2) PRINCÍPIO DA IMPACIALIDADE DO JUIZ

1. PRINCÍPIOS DO PROCESSO DO TRABALHO 1) PRINCÍPIO DO DEVIDO PROCESSO LEGAL 2) PRINCÍPIO DA IMPACIALIDADE DO JUIZ 1 1. PRINCÍPIOS DO 1) PRINCÍPIO DO DEVIDO PROCESSO LEGAL A justa composição da lide só pode ser alcançada quando a tutela jurisdicional for prestada dentro dos moldes delimitados pelas normas processuais.

Leia mais

NOVO CPC: A HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA DE DIVÓRCIO CONSENSUAL

NOVO CPC: A HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA DE DIVÓRCIO CONSENSUAL NOVO CPC: A HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA DE DIVÓRCIO CONSENSUAL Gracielle Veloso Advogada. Consultora Notarial, Registral e Imobiliária A eficácia da sentença estrangeira no Brasil depende de prévia

Leia mais

2 PROCEDIMENTO PADRÃO PARA A REALIZAÇÃO DE PERÍCIAS AMBIENTAIS

2 PROCEDIMENTO PADRÃO PARA A REALIZAÇÃO DE PERÍCIAS AMBIENTAIS MÓDULO II Agora que você já está familiarizado com as noções básicas essenciais à Perícia Ambiental, o próximo passo é conhecer o procedimento padrão para a realização das mesmas. 2 PROCEDIMENTO PADRÃO

Leia mais

Provas no Processo Civil

Provas no Processo Civil Provas no Processo Civil 2011 Provas em Espécie O presente roteiro destina-se a apontar sucintamente o conteúdo das Provas e das Provas em Espécie previstas no Código de Processo Civil Brasileiro. Utilizado

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL CAUTELAR. Classificação: Nominadas art.813 ss, do CPC. Inominadas art. 796 até art. 912, do CPC.

DIREITO PROCESSUAL CIVIL CAUTELAR. Classificação: Nominadas art.813 ss, do CPC. Inominadas art. 796 até art. 912, do CPC. CAUTELAR Cautelar Classificação: Nominadas art.813 ss, do CPC. Inominadas art. 796 até art. 912, do CPC. Preparatórias/Antecedentes - Incidentes ajuizadas no curso na ação principal. Satisfativas. Não

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 norte, lote 7, Bloco B Brasília DF. CEP 70.760-542.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 norte, lote 7, Bloco B Brasília DF. CEP 70.760-542. Curitiba, 04 de abril de 2016. Ao Egrégio CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 norte, lote 7, Bloco B Brasília DF. CEP 70.760-542. E mail: atividadeperitos@cnj.jus.br Ref. Consulta pública relativa

Leia mais

solicitadas e colaborar para o esclarecimento dos fatos.

solicitadas e colaborar para o esclarecimento dos fatos. Processo Legislativo Mariano Borges 1. De acordo com a Lei n. 9.784/99 (Processo Administrativo), a Administração Pública obedecerá, dentre outros, aos princípios da legalidade, finalidade, motivação,

Leia mais

PROVIMENTO CGJ Nº 09 / 2015

PROVIMENTO CGJ Nº 09 / 2015 PROVIMENTO CGJ Nº 09 / 2015 Dispõe sobre a atualização da Consolidação Normativa da Corregedoria Geral da Justiça - Parte Judicial, ante a vigência do novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105/2015).

Leia mais

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL Programa (60 horas) I CONSULTA JURÍDICA 1.1 Consulta jurídica 1.2 Tentativa de resolução amigável 1.3 Gestão do cliente e seu processo II ACESSO AO DIREITO 2.1 Modalidades de acesso

Leia mais

UM ANO APÓS O NOVO CPC DOIS OLHARES

UM ANO APÓS O NOVO CPC DOIS OLHARES Márcia Passos UM ANO APÓS O NOVO CPC DOIS OLHARES DELEGAÇÃO DE BRAGA DO CONSELHO DISTRITAL DO PORTO DA ORDEM DOS ADVOGADOS 29.10.2014 Novo Paradigma Estamos perante um novo paradigma que, por isso mesmo,

Leia mais

PROVA: conceito, atividade no processo, destinatário, livre convencimento e acervo probatório.

PROVA: conceito, atividade no processo, destinatário, livre convencimento e acervo probatório. EDIÇÃO DE 07 A 13 DE MARçO DE 2011 NESTA EDIÇÃO: PROVA: conceito, atividade no processo, destinatário, livre convencimento e acervo probatório. DEPOIMENTO PESSOAL: meio de prova, pena de confissão, intimação,

Leia mais

INQUERITO POLICIAL artigos 4º ao 23 do CPP.

INQUERITO POLICIAL artigos 4º ao 23 do CPP. INQUERITO POLICIAL artigos 4º ao 23 do CPP. Conceito de inquérito policial. Atribuição da Autoridade Policial. Polícia. Polícia preventiva ou ostensiva. Polícia judiciária ou repressiva. Finalidade do

Leia mais

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica ORDEM DOS ADVOGADOS CNA Comissão Nacional de Avaliação PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica GRELHA DE CORRECÇÃO Prática Processual Civil e Organização Judiciária (8 Valores) 18 de Julho de 2011 1.Defina e indique

Leia mais

Aula 12 Meios de prova no Processo do Trabalho.

Aula 12 Meios de prova no Processo do Trabalho. Aula 12 Meios de prova no Processo do Trabalho. Documental: é a forma de uma coisa poder ser conhecida por alguém, de modo a reproduzir certa manifestação de pensamento. O documento vai representar um

Leia mais

O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.050/05 Aprova a NBC P 2.3 Impedimento e Suspeição O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas Brasileiras de

Leia mais

Capítulo 1 Notas Introdutórias... 1. Capítulo 2 Direito Processual Penal e Garantias Fundamentais... 3

Capítulo 1 Notas Introdutórias... 1. Capítulo 2 Direito Processual Penal e Garantias Fundamentais... 3 Sumário Capítulo 1 Notas Introdutórias... 1 Capítulo 2 Direito Processual Penal e Garantias Fundamentais... 3 Capítulo 3 Aplicação da Lei processual penal... 9 Capítulo 4 Princípios do Processo Penal...

Leia mais

SANEAMENTO E INSTRUÇÃO NO CPC/15

SANEAMENTO E INSTRUÇÃO NO CPC/15 SANEAMENTO E INSTRUÇÃO NO CPC/15 Professora: ARLETE INES AURELLI mestre e doutora em Direito Processual Civil pela PUC/SP professora de direito processual civil nos cursos de graduação e pósgraduação scricto

Leia mais

Cabe contra decisões dos juízos de primeira instância e também dos de segunda instância.

Cabe contra decisões dos juízos de primeira instância e também dos de segunda instância. 2. AGRAVO 2.1. Conceito É o recurso cabível contra decisões interlocutórias, isto é, aquelas que têm conteúdo decisório, porém não implicam em qualquer situação prevista nos artigos 267 ou 269 do CPC.

Leia mais

RECURSO DE EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. EMBARGOS - AÇÃO (Embargos à Execução ou Embargos de Terceiros)

RECURSO DE EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. EMBARGOS - AÇÃO (Embargos à Execução ou Embargos de Terceiros) RECURSO DE EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EMBARGOS - AÇÃO (Embargos à Execução ou Embargos de Terceiros) - RECURSO (Embargos Infringentes, Embargos de Declaração ou Embargos de Divergência). No atual sistema recursal

Leia mais

LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO

LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES PROCEDIMENTO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Licença concedida em decorrência de dano físico ou

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO...21

SUMÁRIO INTRODUÇÃO...21 INTRODUÇÃO...21 CAPÍTULO I PROCESSO COOPERATIVO: O PARADIGMA PROCESSUAL A PARTIR DA CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO DIREITO PROCESSUAL CIVIL...25 1.1. A constitucionalização do direito... 25 1.2. Um novo modelo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO CAPÍTULO I TEORIA GERAL DO PROCESSO

APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO CAPÍTULO I TEORIA GERAL DO PROCESSO Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 CAPÍTULO I TEORIA GERAL DO PROCESSO... 15 1. Jurisdição... 15 1.1. Generalidades e conceito... 15 1.2. Características... 16 1.3. Divisão... 17 2. Princípios de processo

Leia mais

Direito Processual Civil IV

Direito Processual Civil IV Direito Processual Civil IV 8º Semestre Profª Maria Carolina Beraldo carolberaldo@gmail.com EXECUÇÃO Teoria Geral (cont.) Títulos executivos judiciais Art. 475-N. São títulos executivos judiciais: (Incluído

Leia mais

2. AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

2. AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 2. AÇÃO DE 2.1 O direito de pagar - É um dever ou um direito? - A mora do credor exclui a do devedor? 2.2 A liberação natural e a liberação forçada do devedor - Liberação natural: pagamento por acordo

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL FOCO CONTÁBIL 2016.1

PERÍCIA CONTÁBIL FOCO CONTÁBIL 2016.1 PERÍCIA CONTÁBIL PLANEJAMENTO EXAME 2015.2 01 questão - Prática 01 questão - Prática EXAME 2015.1 01 questão Normas profissionais 01 questão CPC EXAME 2014.2 01 questão Normas profissionais 01 questão

Leia mais

PROCEDIMENTO SUMÁRIO PROCESSO CIVIL Daniel Amorim Assumpção + Dizer o Direito

PROCEDIMENTO SUMÁRIO PROCESSO CIVIL Daniel Amorim Assumpção + Dizer o Direito PROCEDIMENTO SUMÁRIO PROCESSO CIVIL Daniel Amorim Assumpção + Dizer o Direito INTRODUÇÃO - Os procedimentos são divididos em COMUM (ORDINÁRIO E SUMÁRIO) e PROCEDIMENTOS ESPECIAIS. Não sendo o caso de procedimento

Leia mais

ESQUEMA DIREITO CIVIL PARTE GERAL Prof. Letícia Hesseling

ESQUEMA DIREITO CIVIL PARTE GERAL Prof. Letícia Hesseling ESQUEMA DIREITO CIVIL PARTE GERAL Prof. Letícia Hesseling Prescrição e Decadência Prescrição: São características da prescrição: o interesse é particular (do devedor); o objeto é a perda da pretensão;

Leia mais

Escrito por Itacir Schilling Sáb, 08 de Novembro de 2008 19:21 - Última atualização Sáb, 08 de Novembro de 2008 19:30

Escrito por Itacir Schilling Sáb, 08 de Novembro de 2008 19:21 - Última atualização Sáb, 08 de Novembro de 2008 19:30 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DE FAMÍLIA E SUCESSÕES DO FORO DA COMARCA DE XXXXXX/RS. XXXXXXXXXXXXX, brasileiro, maior, casado, aposentado, CPF nºxxxxxxxxxxxx, com endereço residencial

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Fase Ordinatória. Professor Rafael Menezes

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Fase Ordinatória. Professor Rafael Menezes DIREITO PROCESSUAL CIVIL Fase Ordinatória Professor Rafael Menezes Fase Ordinatória Providências Preliminares Julgamento Confome o Estado do Processo Audiência Preliminar / Saneamento do Feito Providências

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO / BACHARELADO II. Disciplina: PROGRAMA DE DISCIPLINA DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO (D-50) Área: Ciências Sociais Período: 9º - Nono Turno: Matutino/Noturno Ano: 2010.2 Carga Horária:

Leia mais

Perícias Judiciais Contábeis e Econômicas ANEFAC

Perícias Judiciais Contábeis e Econômicas ANEFAC Perícias Judiciais Contábeis e Econômicas ANEFAC Perícia Meio de Prova FATO ALEGADO DEVE SER COMPROVADO PROVAS: ORAIS, DOCUMENTAIS E PERICIAIS - EXCEÇÕES PERICIAL - FATOS COMPLEXOS - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES INICIAIS...

SUMÁRIO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES INICIAIS... SUMÁRIO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES INICIAIS... 13 Processo X procedimento... 13 Ritos no processo de cognição... 13 Procedimento comum... 14 Procedimento especial... 14 Atividade jurisdicional estrutura...

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE COCALZINHO DE GOIÁS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE COCALZINHO DE GOIÁS EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DA COMARCA DE COCALZINHO GOIÁS. Documentação extraída dos autos n. 8600027420 O MINISTÉRIO PÚBLICO do ESTADO de GOIÁS vem à presença de Vossa Excelência,

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº. 65/2009 PROCESSO 338.567

PREGÃO PRESENCIAL Nº. 65/2009 PROCESSO 338.567 PREGÃO PRESENCIAL Nº. 65/2009 PROCESSO 338.567 Trata-se de pedido de esclarecimento encaminhado, via e-mail, pela empresa SERASA S. A., CNPJ 62.173.620/0001-80, no uso do direito previsto no art. 12 do

Leia mais

INDICIAMENTO E FORMAL INDICIAMENTO. DISTINÇÃO.

INDICIAMENTO E FORMAL INDICIAMENTO. DISTINÇÃO. INDICIAMENTO E FORMAL INDICIAMENTO. DISTINÇÃO. Fernando Pascoal Lupo Promotor de Justiça Não é incomum confundir-se o indiciamento com o formal indiciamento, o que não se pode admitir. Indício quer dizer

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 / 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 / 2011. GOVERNO MUNICIPAL DE CAUCAIA Secretaria de Finanças e Planejamento INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 / 2011. Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados com relação ao indeferimento da opção e da exclusão do

Leia mais

PRODUÇÃO PROBATÓRIA E MEIOS DE MENSURAÇÃO DO DANO AO TRABALHADOR. ANA FREITAS

PRODUÇÃO PROBATÓRIA E MEIOS DE MENSURAÇÃO DO DANO AO TRABALHADOR. ANA FREITAS PRODUÇÃO PROBATÓRIA E MEIOS DE MENSURAÇÃO DO DANO AO TRABALHADOR ANA FREITAS anafreitasuba@yahoo.com.br RESUMO ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS EQUIPARADAS NEXO TÉCNICO EPIDEMIOLÓGICO DIRETRIZES E ENUNCIADOS

Leia mais

Processos Urgentes Procedimentos Cautelares

Processos Urgentes Procedimentos Cautelares PRÁTICAS PROCESSUAIS ADMINISTRATIVAS Processos Urgentes Coimbra, 28.10.2010 José Pereira de Sousa - Advogado 1 Os Processos Urgentes e os cumprem o Princípio da Tutela Jurisdicional Efectiva, princípio

Leia mais

b) o serviço de acesso à internet apresentou sempre falhas e anomalias;

b) o serviço de acesso à internet apresentou sempre falhas e anomalias; Processo n.º 1148/2015 Requerente: Alcides Requerida: SA 1. Relatório 1.1. O requerente, alegando que a requerida, com a qual celebrara um contrato relativo à prestação de serviços de comunicações electrónicas,

Leia mais

Gestão de demandas repetitivas no Novo CPC Direito do consumidor. Alex Costa Pereira 10 de março de 2016

Gestão de demandas repetitivas no Novo CPC Direito do consumidor. Alex Costa Pereira 10 de março de 2016 Gestão de demandas repetitivas no Novo CPC Direito do consumidor Alex Costa Pereira 10 de março de 2016 Relação entre acesso ao judiciário, litigância repetitiva e morosidade: a) A partir da constituição

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 7ª CÂMARA CRIMINAL

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 7ª CÂMARA CRIMINAL Recurso de Apelação nº 0051769-88.2013.8.19.0001 Apelante: Confederação Brasileira de Futebol Apelado 1: Marco Antonio Teixeira Apelado 2: Ministério Público Origem: Juízo de Direito da 27ª Vara Criminal

Leia mais

Cultivares(Obtenções Vegetais)

Cultivares(Obtenções Vegetais) Cultivares(Obtenções Vegetais) Por que proteger obtenções vegetais (cultivares)? O estabelecimento de um efetivo sistema de proteção de obtenções vegetais visa a encorajar o desenvolvimento de novas variedades

Leia mais

LEGALE FORMAÇÃO DO ADVOGADO ATÉ 2 ANOS DE OAB

LEGALE FORMAÇÃO DO ADVOGADO ATÉ 2 ANOS DE OAB LEGALE FORMAÇÃO DO ADVOGADO ATÉ 2 ANOS DE OAB Defesa Trabalhista Professor: Rogério Martir Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais, Advogado militante e especializado em Direito Empresarial e Direito

Leia mais

Aula III Processo Civil II. Revelia.

Aula III Processo Civil II. Revelia. Aula III Processo Civil II. Revelia. A parte citada no processo civil é dada a faculdade de responder. Note-se a expressão utilizada faculdade. A tese apresentada pelo autor na petição inicial pode ser

Leia mais

Conflitos entre o Processo do

Conflitos entre o Processo do Conflitos entre o Processo do Trabalho e o Novo CPC Jordão Medeiros Jurídico Ambev AmBev Conflito x Impactos CLT Art. 769 - Nos casos omissos, o direito processual comum será fonte subsidiária do direito

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE CARTAS PRECATÓRIAS (POR ADVOGADOS E JUÍZOS DEPRECANTES) PJE

DISTRIBUIÇÃO DE CARTAS PRECATÓRIAS (POR ADVOGADOS E JUÍZOS DEPRECANTES) PJE DISTRIBUIÇÃO DE CARTAS PRECATÓRIAS (POR ADVOGADOS E JUÍZOS DEPRECANTES) PJE PJE 1 ÍNDICE Definições... Distribuição de carta precatória POR ADVOGADO... Distribuição de carta precatória POR JUÍZO DEPRECANTE...

Leia mais

D E C I S Ã O M O N O C R Á T I C A

D E C I S Ã O M O N O C R Á T I C A AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE. EXAME DE DNA NEGATIVO FEITO EM LABORATÓRIO PARTICULAR. PEDIDO DE NOVO EXAME PERICIAL OFICIAL. CABIMENTO ANTE A RELEVÂNCIA DA MATÉRIA. Tratando-se

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO ENTRE O NOVO CÓDIGO CIVIL, O CÓDIGO CIVIL DE 1916 E O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUANTO A ADOÇÃO.

QUADRO COMPARATIVO ENTRE O NOVO CÓDIGO CIVIL, O CÓDIGO CIVIL DE 1916 E O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUANTO A ADOÇÃO. 1 QUADRO COMPARATIVO ENTRE O NOVO CÓDIGO CIVIL, O CÓDIGO CIVIL DE E O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUANTO A ADOÇÃO. Artigo 1618 Só a pessoa maior de 18 (dezoito) anos pode adotar. Artigo 368 -

Leia mais

PROCEDIMENTO PROBATÓRIO

PROCEDIMENTO PROBATÓRIO 48 49 50 51 52 53 54 55 56 Quem é o destinatário da prova? Julgador ou Processo? A parte que produziu? O juiz do processo? Qualquer das partes? O processo? Nelson Nery Júnior e Rosa Maria de Andrade Nery

Leia mais

EDITAL 006/2015 DG/CEPR PROCESSO CLASSIFICATÓRIO PARA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSOS TÉCNICOS - INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO - 2016

EDITAL 006/2015 DG/CEPR PROCESSO CLASSIFICATÓRIO PARA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSOS TÉCNICOS - INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO - 2016 EDITAL 006/2015 DG/CEPR PROCESSO CLASSIFICATÓRIO PARA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSOS TÉCNICOS - INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO - 2016 A Direção Geral do Colégio Estadual do Paraná Ensino Fundamental, Médio e

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO. O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO. O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO Nº 730 /10 Dispõe sobre a requisição e a cessão de servidores e empregados públicos para auxiliarem os trabalhos de preparação e realização das Eleições

Leia mais

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1031148-08.2015.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1031148-08.2015.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é Registro: 2016.0000325765 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1031148-08.2015.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante EDVALDO DA SILVA OLIVEIRA, é

Leia mais

OAB 2010.3 GABARITO COMENTADO SEGUNDA FASE EMPRESARIAL. Artigo 9º e 4º do artigo 10 Lei 11.101/2005, procuração, CPC e estatuto da OAB.

OAB 2010.3 GABARITO COMENTADO SEGUNDA FASE EMPRESARIAL. Artigo 9º e 4º do artigo 10 Lei 11.101/2005, procuração, CPC e estatuto da OAB. OAB 2010.3 GABARITO COMENTADO SEGUNDA FASE EMPRESARIAL PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL Artigo 9º e 4º do artigo 10 Lei 11.101/2005, procuração, CPC e estatuto da OAB. Trata-se de uma habilitação de crédito retardatária.

Leia mais

VERIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ÓBITOS EXCERTOS DA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

VERIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ÓBITOS EXCERTOS DA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL VERIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ÓBITOS EXCERTOS DA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL / A palavra certidão constante do texto deverá ser entendida como certificado de óbito. COMENTÁRIOS/ORIENTAÇÕES: A regra geral da verificação

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 249588-54 (200902495881) COMARCA DE GOIÂNIA

APELAÇÃO CÍVEL Nº 249588-54 (200902495881) COMARCA DE GOIÂNIA APELAÇÃO CÍVEL Nº 249588-54 (200902495881) COMARCA DE GOIÂNIA APELANTE APELADO RELATOR DENISE CACHEFFO DE PAIVA E OUTRO DIVINA MARIA DE JESUS RELATÓRIO Trata-se de Apelação Cível interposta por DENISE

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 6ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA SENTENÇA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 6ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA SENTENÇA fls. 1 SENTENÇA C O N C L U S Ã 0 Em 24 de novembro de 2010, faço este autos conclusos à Mma. Juíza de Direito, Dra. CYNTHIA THOMÉ. Processo nº: Requerente: Requerido: Juiz(ª) de Direito Dr.(ª): Cynthia

Leia mais

Cezar Augusto Rodrigues Costa Desembargador Relator

Cezar Augusto Rodrigues Costa Desembargador Relator AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0064526-20.2013.8.19.0000 5ª VARA DE ORFÃOS E SUCESSÕES DA COMARCA DA CAPITAL AGRAVANTE: HORACIO ANTUNES FERREIRA NETO AGRAVADO 1: ZILMAR LEMOS DE ALMEIDA AGRAVADO 2: LISE MARIA

Leia mais

DEPOIMENTO PESSOAL (ARTIGOS 342/347 C.P.C.)

DEPOIMENTO PESSOAL (ARTIGOS 342/347 C.P.C.) DEPOIMENTO PESSOAL (ARTIGOS 342/347 C.P.C.) CONCEITO QUEM MELHOR CONHECE OS FATOS QUE ORIGINAM TODA RELAÇÃO CONFLITUOSAS SÃO AS PESSOAS NELA ENVOLVIDAS, OU SEJA, AS PARTES. O DEPOIMENTO PESSOAL É NOTÁVEL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA EMENTA PREVIDENCIÁRIO. RECURSO ESPECIAL. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. TERMO INICIAL. AUSÊNCIA DE REQUERIMENTO ADMINISTRATIVO. CITAÇÃO. 1. É cediço que a citação

Leia mais

Escrito por Administrator Dom, 15 de Novembro de 2009 15:22 - Última atualização Ter, 14 de Junho de 2016 19:57

Escrito por Administrator Dom, 15 de Novembro de 2009 15:22 - Última atualização Ter, 14 de Junho de 2016 19:57 INFORMAÇÕES PARA HABILITAÇÃO DE CASAMENTO ESTRANGEIRO SOLTEIRO 1. DOCUMENTOS 1.1. Certidão de Nascimento do noivo(a) original - (Legalizada/Consularizada, pela Embaixada ou Consulado brasileiro no Pais

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO AOS PROCEDIMENTOS E DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS

O DIREITO DE ACESSO AOS PROCEDIMENTOS E DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS I. Enquadramento Geral Entende-se por procedimento administrativo a sucessão ordenada de atos e formalidades tendentes à formação e manifestação da vontade da Administração Pública ou à sua execução. Sendo

Leia mais

D A N I E L L E T O S T E 4 A N

D A N I E L L E T O S T E 4 A N Fundamento legal: Artigo 282 do CPC. 1º Passo: Identificar as pretensões e a natureza dos pedidos: Declaratória; Constitutiva; Condenatória (Indenizatória). 1. PETIÇÃO INICIAL. Verificar CPC artigos 94

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão nº 07 Cadastro de Usuários no SAJ5

Procedimento Operacional Padrão nº 07 Cadastro de Usuários no SAJ5 Procedimento Operacional Padrão nº 07 Cadastro de Usuários no SAJ5 1- Cadastro Geral Acessar SAJ5/ADM. No menu Usuários, acessar Cadastro e clicar no botão Novo, conforme Figura 1; Figura 1 Botão novo

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da 1ª Vara Cível da Comarca de Tucuruí. Cautelar com Pedido de Sigilo Judicial.

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da 1ª Vara Cível da Comarca de Tucuruí. Cautelar com Pedido de Sigilo Judicial. Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da 1ª Vara Cível da Comarca de Tucuruí. Cautelar com Pedido de Sigilo Judicial. O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ, por agente signatária infra-assinada,

Leia mais

TEORIA GERAL DA PROVA E O NOVO CPC

TEORIA GERAL DA PROVA E O NOVO CPC TEORIA GERAL DA PROVA E O NOVO CPC BECLAUTE OLIVEIRA SILVA PROFESSOR DOUTOR FDA/UFAL MEMBRO DA ANNEP E DO IBDP FATO E PROVA 1. O PROBLEMA DO FATO 1.1. Fato como acontecimento 1.2. Fato como evento 1.3.

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA

QUESTIONÁRIO SOBRE JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA QUESTIONÁRIO SOBRE JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA 1. O que é jurisdição? 2. Quem representa o Estado quando se trata de jurisdição? 3. Por que o Estado é escolhido? 4. Como e através de que se opera a jurisdição?

Leia mais

CARTILHA SOBRE O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA. Sumário

CARTILHA SOBRE O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA. Sumário CNPDP Certidão de Não Pagamento de Despesas Processuais CARTILHA SOBRE O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA Elaborado por: Gerência de Orientação aos Sistemas Judiciais Informatizados (GESCOM) e Gerência de Sistemas

Leia mais

CURSO ESCOLA DE DEFENSORIA PÚBLICA 2016.1 Nº

CURSO ESCOLA DE DEFENSORIA PÚBLICA 2016.1 Nº CURSO ESCOLA DE DEFENSORIA PÚBLICA 2016.1 Nº DATA DISCIPLINA Processo Civil PROFESSOR Ival Heckert MONITOR Bruna Oliveira AULA Aula 06 Contatos: Facebook: Professor Ival Heckert @prof_ival (twitter e instagram)

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS FACULDADE SUL BRASIL-FASUL CURSO DE DIREITO Portaria de Autorização nº51, de 1º de junho de 2011, Publicada no Diário Oficial da União nº105, de 2 de junho de 2011. Pfasul 07 PLANO DE ENSINO 2.013-2 CÓDIGO

Leia mais

DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1.º

DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1.º REGULAMENTO CIMASA, aprovado pela Assembleia Geral, em reunião de 18 de Dezembro de 2002, nos termos da alínea i), do artigo 14º, dos Estatutos do Cimasa No quadro da Lei nº 31/86 de 29 de Agosto e do

Leia mais