Provas no Processo Civil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Provas no Processo Civil"

Transcrição

1 Provas no Processo Civil 2011 Provas em Espécie O presente roteiro destina-se a apontar sucintamente o conteúdo das Provas e das Provas em Espécie previstas no Código de Processo Civil Brasileiro. Utilizado como material de apoio e acompanhamento das aulas da disciplina de Direito Processual Civil ministrada pelo Prof. Esp. Hilário Vetore Neto, na Faculdade Estácio de Sá de Ourinhos/SP. Roteiro de Estudos Referências: GONÇALVES, Marcus Vinicius Rios. Novo curso de direito processual civil. 7. ed. São Paulo : Saraiva, Vol. 1.

2 Prova Documental Conceito de Documento Entende-se por documento qualquer representação material que sirva para provar um determinado ato ou fato. Porém, costumamos reservar o conceito de documento apenas à prova literal, ou seja, a prova escrita. Segundo o artigo 383, do CPC, o que entendemos por documento vai além da prova escrita, englobando todas as formas de representação material, ou seja, reprodução fotográfica, cinematográfica, fonográfica e outras espécies possíveis. O essencial, para serem documentos, é que se prestem à prova de um determinado ato ou fato. Classificação dos Documentos Existem várias maneiras de classificar os documentos. No entanto, há três critérios principais: autoria do documento, conteúdo do documento, forma do documento. 1) Quanto à autoria: Subdividem-se em autógrafos e heterógrafos, e também em públicos e particulares. Autógrafos: produzidos pelo próprio autor da declaração de vontade. São os escritos particulares tais como os contratos que são levados a efeito por seus próprios autores. Heterógrafos: produzidos por pessoa diversa da que emitiu declaração de vontade. As escrituras públicas são perfeitos exemplos, na medida em que o tabelião faz constar a vontade das pessoas que compareceram a sua presença. Públicos: documentos produzidos pelo escrivão, tabelião, ou funcionários públicos em geral (CPC, art. 364). Privados: emitidos por particulares. 2) Quanto ao conteúdo: podem ser narrativos ou dispositivos. Narrativos: são os que contêm declaração sobre ato ou fato do qual o subscritor tem ciência. Dispositivos: contêm uma declaração de vontade, e não uma ciência sobre um fato. Relacionam-se com a extinção ou modificação das relações jurídicas. São os contratos de modo geral. 3) Quanto à forma: podem ser solenes ou não solenes. Solenes: quando a lei exigir forma especial para realização do ato, assim como no caso da escritura pública. Não solenes: quando não houver exigência de norma especial. São evidente maioria e podem ser vistos nos contratos particulares em geral. Força Probante dos Documentos O assunto é tratado nos artigos 364 a 389 do CPC. Não se questiona que eles têm grande poder de convencimento sobre o juiz, já que constituem-se em prova pré-constituída que apenas será utilizada em futuro e eventual litígio. Devemos harmonizar os dispositivos que regem o valor da prova documental com o princípio do livre convencimento motivado (CPC, art. 131). No artigo 364 do CPC estabelece a força probante dos documentos públicos, estabelecendo que eles fazem prova não apenas de sua formação, mas também dos fatos ocorridos diante do escrivão, tabelião, ou funcionário público. Em resumo, consideram-se formalmente regulares pois presume-se que caso não estivessem regulares, o servidor público não os teria emitido. No entanto, a veracidade do conteúdo pode ser questionada. 2

3 O artigo 368 do CPC, ao contrário, trata dos documentos particulares. Segundo seu texto, as declarações contidas nos documentos particulares presumem-se verdadeiras em relação ao seu signatário. A presunção é relativa e desaparece se o subscritor demonstrar que a emissão de vontade não foi livre. Eficácia das Reproduções A eficácia das reproduções normalmente é condicionada à sua autenticação. Em relação aos documentos públicos, o CPC faz expressa menção à cópia autêntica (CPC, art. 365, III). Quanto ao particular a autenticidade está condicionada ao reconhecimento de firma da declaração emitida, pelo tabelião (CPC, art. 369). A cópia do documento particular terá a mesma validade da original se autenticada pelo escrivão (CPC, art. 385). Há outras cópias que mereceram especial tratamento do CPC, e estão elas relacionadas nos incisos IV a VI do artigo 365, dentre as quais está a declaração de autenticidade feita pelo próprio advogado sob sua responsabilidade pessoal. A autenticação, porém, só é necessária para atribuir força probante à reprodução que for impugnada. Por isso tem sido considerada irrelevante a falta de autenticação quando o documento não foi impugnado pela parte adversa. Vide: STJ, REsp RS, rel. Min. Eduardo Ribeiro Produção da Prova Documental Segundo o art. 396 do CPC o momento adequado para a produção da prova documental é a fase postulatória. Em resumo, compete à parte instruir a petição inicial ou contestação com os documentos destinado à prova de suas alegações. Por outro lado, o art. 397 do CPC estabelece a possibilidade de produção de prova documental a qualquer tempo, desde que se trate de documento novo, ou seja, que destinam-se à prova de fatos ocorridos após a fase em que cada parte apresentou suas alegações. Essas disposições legais não vem sendo, contudo, interpretadas de maneira literal. Atualmente admite-se a produção de prova documental em qualquer fase do processo, inclusive em grau de recurso, ainda que o documento não possa ser considerado como novo, havendo aplicação dos arts. 396 e 397, do CPC apenas quando os documentos constituírem elemento essencial para o conhecimento da causa. EXEMPLO: Em ação de anulação de contrato, seria admissível a propositura desacompanhada do instrumento do contrato? Obviamente que não. A apresentação do contrato é elemento essencial ao conhecimento da demanda. Caso não seja apresentado, haverá a extinção sem resolução do mérito. (CPC, art. 283) Os documentos de natureza complementar, por seu turno, poderão ser juntados a qualquer tempo, mesmo que não sejam tidos como novos. Em resumo, a apresentação a qualquer tempo de documentos é admitida desde que não se evidencie que a parte pretendeu surpreender o juízo ou a parte adversa, nem o de provocar o retardamento indevido do processo. A juntada na fase recursal deve obedecer o art. 397 do CPC. Não se consideram documentos novos para o CPC, art. 398 as cópias de sentenças, acórdãos proferidos em outros processos ou pareceres jurídicos que visem demonstrar teses de direito. Os documentos servem para demonstrar fatos e não teses jurídicas. 3

4 Prova Pericial Introdução A apuração de fatos relevantes para a demanda podem depender de conhecimentos técnicos que as partes não dispõem por si só. Nesses casos, poderão se socorrer do auxílio de profissionais especializados. É o caso dos conhecimentos relativos à medicina, engenharia, contabilidade, psicologia. A prova pericial pode recair sobre coisas ou pessoas. O perito, por sua vez, é quem detém os conhecimentos específicos exigidos, devendo ser escolhido segundo o art. 145, 1º do CPC, ou seja, deve possuir nível universitário, porém essa circunstância não é inafastável. Espécies de Perícia O CPC, no art. 420, disciplina a matéria, estabelecendo três espécies distintas: o exame, a vistoria e a avaliação. O exame consiste na observação de pessoas ou coisas extraindo delas as informações desejadas, como por exemplo a observação de uma pessoa para aferir se goza de boa saúde física, o material genético para aferição da paternidade. A vistoria é a análise de bens imóveis, a fim de constatar seu estado de conservação. A avaliação tem por fim atribuir o valor de mercado de determinado bem. Admissibilidade da Prova Pericial O CPC trata do assunto pelo critério inverso, ou seja, ao invés de elencar as hipóteses de admissibilidade, opta por estabelecer os casos em que não se deferirá a prova pericial. Sobre o tema, dispõe o art. 420, parágrafo único. São três as hipóteses levantadas pelo legislador: a) quando a prova do fato não depender do conhecimento especial técnico; b) quando for desnecessária em vista de outras provas produzidas; c) quando a verificação for impossível. O primeiro caso diz respeito a desnecessidade de produção da prova, sendo de responsabilidade do juiz indeferir as provas que forem inúteis ao deslinde da causa. A segunda hipótese será vista quando a prova pericial apenas redundar em situação já demonstrada nos autos, ou seja, pelas outras provas que já se encontram nos autos o fato já está devidamente demonstrado. Por fim, a verificação impossível da pessoa ou coisa pode se dar pela impossibilidade de o perito ter acesso á coisa ou pessoa (destruição do bem ou falecimento, por exemplo) ou então pela impossibilidade científica, no momento da perícia, para realização dos atos; em resumo, naquele momento, não há conhecimento técnico disponível sobre o assunto (caso do DNA quando ainda era uma técnica não praticada no Brasil). Perito Quem é o perito? Quais suas características diferenciadoras entre as demais pessoas? Por obvio que o perito é alguém com conhecimentos técnicos específicos na área que se pretende produzir a prova. O tema é tratado no art. 145 e parágrafos do CPC e sua escolha deve recair preferencialmente sobre profissionais de formação universitária. Porém, essa exigência perderá o lugar em situações excepcionais, tal como o próprio dispositivo prevê, e que será de livre escolha do juiz. O perito não necessita ter conhecimentos jurídicos, mas técnicos sobre a área a ser investigada. Segundo o art. 434 do CPC o perito deve ser preferencialmente escolhido dentre aqueles disponíveis nos estabelecimentos técnicos oficiais especializados, porém nem sempre essa situação será possível. Em sendo caso de peritos oficiais o CPC dispensa o compromisso de 4

5 desempenhar fielmente as funções, fato que pela redação original do código era exigido dos peritos não oficiais. No entanto, esse compromisso atualmente não é mais exigido (CPC, art. 422). O perito nomeado não é obrigado a aceitar o encargo que lhe foi confiado. Pode ser também recusado pelas partes ou destituído pelo juiz quando sua atuação não se mostrar eficiente. Além disso, o perito poderá ser substituído se acabar por ser demonstrado que não possui conhecimentos técnicos suficientes para o cumprimento do encargo ou deixar de respeitar os prazos fixados pelo juiz (CPC, art. 424). Assistentes Técnicos A legislação processual faculta às partes a indicação de assistentes técnicos para auxiliá-las, em virtude da confiança no profissional que indicou para ser seu assistente. A função do assistente é acompanhar a realização da perícia e emitir um parecer concordando ou discordando das conclusões apresentadas pelo perito. As conclusões dos assistentes devem ser fundamentadas, especialmente a de discordância com a conclusão dos peritos e, para que possam desempenhar suas funções, possuem os mesmos poderes dos peritos (CPC, art. 429). Procedimento da Prova Pericial Como regra a prova pericial será requerida pelo interessado durante a fase postulatória. Na audiência preliminar ou em decisão de saneamento, o juiz decidirá sobre sua produção e a deferirá se considerar necessária. Uma vez deferida a realização da prova, o juiz abrirá às partes o prazo para apresentação dos quesitos, que nada mais são do que os pontos ou perguntas que cada parte pretende ver respondidas pelo perito. O art. 421 do CPC trata do assunto, e estabelece o prazo de 5 (cinco) dias para a indicação de eventual assistente e formulação de quesitos. Trata-se de ônus da parte e, se não cumprido, correrá o risco de o perito não responder uma questão que seja de seu interesse. No entanto, o STJ tem entendido que esse prazo de 5 (cinco) dias não é preclusivo, sendo possível à parte a indicação de assistente ou formulação de quesito até o momento anterior ao início da realização da perícia. STJ, 3ª Turma, REsp SP, rel. Min. Waldemar Sveiter. O perito entregará o laudo no prazo fixado pelo juiz, pois a lei não estabelece um prazo para feitura do laudo. O prazo dependerá da complexidade da matéria a ser analisada. Após a apresentação do laudo, poderão as partes requerer alguns esclarecimentos sobre o conteúdo do laudo (não se trata de responder a questionamentos novos), sendo os esclarecimentos prestados em audiência (CPC, art. 435), porém é muito comum que o juiz determine os esclarecimentos por escrito. Quando da realização da perícia, as partes devem ser intimadas da data e local de sua realização (CPC, art. 431-A), para que assim possam acompanhar ou mesmo para que os assistentes indicados possam comparecer a fim de realizar suas análises. A perícia não terá valor absoluto como prova, devendo o juiz analisá-la em confronto com os demais elementos de prova a fim de formar seu convencimento (CPC, art. 436). Despesas com a perícia A parte vencida será, ao final, condenada ao pagamento das custas e despesas processuais, dentre as quais está a despesa com a perícia técnica. Contudo, não raros são os casos em que o perito requer a antecipação de seus honorários periciais ou mesmo parte deles, circunstância que gerará à parte que requereu o exame pericial a antecipação dos honorários (CPC, art. 33). 5

6 Quanto ao valor, em regra o juiz pede que o perito estime seus próprios honorários prévios. Em seguida as partes serão ouvidas e o juiz fixará o valor, determinando que a parte requerente efetue o depósito prévio (CPC, art. 33). Após a realização da perícia, o perito estimará seus honorários definitivos, cabendo à parte requerente complementá-los e, caso não sejam complementados, será expedida em favor do perito uma certidão que valerá como título executivo extrajudicial (CPC, art. 585, IV). Resta abordar a questão relativa à assistência judiciária gratuita. A lei nº 1.060/50 estabelece que a parte não arcará com quaisquer custos relativos a perícias, sendo, por outro lado o perito obrigado a aceitar o encardo sob pena de multa (Lei, art. 14). É claro que toda perícia envolve algum tipo de custo e, por essa razão, é recomendável que se indiquem peritos vinculados a órgãos públicos. Inspeção Judicial Introdução Consiste no exame feito direta e pessoalmente pelo juiz, em pessoas ou coisas, com a finalidade de esclarecer fatos interessantes à causa. Trata-se de meio especial de produção de provas pois o juiz não se vale de intermediários para a realização do ato e conhecer os fatos. Esta é a fundamental distinção entre a perícia e a inspeção judicial. Procedimento O juiz fará a inspeção de ofício ou a requerimento da parte (CPC, art. 440) e, de forma geral é realizada após a colheita de todas as demais provas, ou seja, ocorre em caráter complementar. Porém, nada impede que se realize antes. As partes serão intimadas do dia, hora e local em que a diligência será realizada, podendo dela participar. No entanto, em alguns casos, poderá o juiz necessitar de alguns conhecimentos técnicos específicos. E em casos como esse poderá se fazer acompanhar por perito e as partes poderão estar acompanhadas por seus assistentes técnicos. Realizada a diligência, será lavrado auto circunstanciado, devendo ser mencionado nele tudo que for relevante para o julgamento, podendo ser instruído com fotografias, desenhos, gráficos (CPC, art. 443). Sem esse auto, a inspeção não servirá como prova. Prova Testemunhal Introdução É aquela prova produzida pela inquirição de pessoas estranhas à relação processual a respeito dos fatos e circunstâncias que sejam relevantes para o julgamento da demanda. Trata-se de meio ativo e pessoal para a produção da prova, ou seja, a prova é obtida a partir de uma atuação da própria pessoa que fornece as informações que conhece ao juiz da causa. A prova testemunhal é bastante criticada e várias dessas críticas merecem certa consideração, sem, contudo, afastar a eficácia probante dos testemunhos. É certo que a percepção de cada pessoa incide sobre um ponto diferente do mesmo fato ou mesmo que nossa memória nem sempre consegue guardar as informações com precisão. Temos ainda, é claro, a possibilidade de a testemunha simplesmente mentir sobre os fatos. 6

7 Não devemos deixar de lado um fato relevante sobre a prova testemunhal: o juiz atribuirá a cada testemunho o valor probatório que merecer diante do conjunto de provas, pois a valoração da prova é de responsabilidade exclusiva do magistrado. Admissibilidade e Valor da Prova Testemunhal Há uma demonstração de que o legislador atribuiu menor confiabilidade à prova testemunhal em relação às demais. Essa demonstração está nas restrições que a legislação estabelece para sua admissão. Sobre a mencionada restrição temos o CPC, art. 400, que proíbe a prova testemunhal quando: I - já provados por documento ou confissão da parte; ou II - que só por documento ou por exame pericial puderem ser provados. No entanto, há outra restrição relevante à prova testemunhal e esta presente no art. 401 do CPC. Porém, já é de mencionar que nos casos do art. 402 do CPC, será possível a produção da prova testemunhal. Art A prova exclusivamente testemunhal só se admite nos contratos cujo valor não exceda o décuplo do maior salário mínimo vigente no país, ao tempo em que foram celebrados. Art Qualquer que seja o valor do contrato, é admissível a prova testemunhal, quando: I - houver começo de prova por escrito, reputando-se tal o documento emanado da parte contra quem se pretende utilizar o documento como prova; II - o credor não pode ou não podia, moral ou materialmente, obter a prova escrita da obrigação, em casos como o de parentesco, depósito necessário ou hospedagem em hotel. A Testemunha Necessitamos descobrir, neste momento, quem é a testemunha aduzida pelo CPC. Testemunha é a pessoa física estranha à relação processual que tem conhecimento sobre fatos relevantes e que comparece em juízo para prestá-las diretamente ao juiz. O ato de prestar essas informações é denominado testemunho. Não se exige uma qualidade especial para que uma pessoa possa testemunhar, mas a lei processual veda expressamente algumas pessoas de depor. A esse respeito, dispõe o artigo 405 do CPC. No entanto, já devemos ressaltar questão relativa ao menor de 16 anos. Sendo menor de 16 anos não poderá depor como regra, mas tendo alcançado a idade de 16 anos poderá depor sem qualquer restrição, não necessitando ser assistido (não há aqui coincidência com relação à capacidade civil). Em quaisquer dos casos do art. 405 do CPC o testemunho não será possível como regra (pois a exceção de sua oitiva é prevista no CPC, art. 405, 4º). Antes de a testemunha ser ouvida ela será qualificada e questionada sobre algum impedimento pessoal ou relação de parentesco com as partes envolvidas. Caso ela declare quaisquer circunstâncias previstas no art. 405 o juiz poderá dispensar seu depoimento. Caso a testemunha nada declare, transfere-se à parte interessada o dever de contraditá-la. A contradita é a oposição do adversário da parte que arrolou a testemunha, fundando-se na alegação de sua incapacidade, impedimento ou suspeição. O prazo para sua apresentação, todavia, é relativamente curto, pois caso a testemunha preste o compromisso de dizer a verdade sob as penas da lei ou mesmo inicie seu depoimento, haverá a preclusão para a contradita. De outro lado, a parte que opor a contradita deverá expor também as razões de seu pedido, cabendo ao juiz acolher ou não a contradita. Se acolhê-la, dispensará o testemunho. Se rejeitá-la, colherá o depoimento. 7

8 Produção da Prova Testemunhal Requerimento da Prova Na petição inicial e na contestação as partes respectivas devem manifestar seu interesse de ouvir testemunhas na fase própria. O requerimento nesta fase postulatória é feito de forma genérica. Contudo, na fase das providências preliminares (saneamento do processo) o juiz determinará que as partes especifiquem as provas que pretendem produzir, sendo esta a ocasião exata para manifestarem-se pela inquirição de testemunhas. É comum que neste momento as partes apresente o rol de suas testemunhas, porém a apresentação pode ser realizada até a audiência preliminar, caso seja designada. Prazo O ônus de arrolar as testemunhas é das partes interessadas e o prazo relativo está no CPC, art. 407, ou seja, 10 (dez) dias antes da data designada para a audiência. O prazo foi alterado em 2001 (sendo aumentado de 5 para 10 dias) em razão da grande quantidade de audiências que eram perdidas pela exigüidade do prazo para proceder-se às intimações das testemunhas. Atualmente, essa situação foi amenizada. O prazo conta-se retroativamente, isto é, conta-se da data da audiência futura em direção ao tempo atual, excluindo-se o dia da audiência e iniciando a contagem retroativa. Por fim, o rol deve indicar o nome, profissão, residência, local de trabalho da testemunha, enfim, tudo para que se permita sua correta identificação, inclusive para fins de contradita. Testemunhas não arroladas não serão ouvidas. Substituição das Testemunhas Depois de apresentado o rol as partes interessadas não poderão mais alterá-lo. No entanto, em caráter excepcional, a legislação processual autoriza a substituição das testemunhas (CPC, art. 408). Contudo, a jurisprudência tem interpretado o dispositivo de maneira ampla, permitindo a alteração livre do rol, desde que se faça dentro do prazo para arrolá-las. Número de Testemunhas O tema é tratado pelo CPC no parágrafo único do art Lá está estabelecido que o número máximo de testemunhas é de 10 (dez). Porém uma importante ressalva é feita pelo próprio dispositivo e diz respeito ao caso em que o juiz pode dispensar as testemunhas excedentes a 03 (três) para prova de cada fato. O juiz pode, ainda, inquirir as testemunhas referidas, que são aquelas mencionadas por outras testemunhas em seus depoimentos. Para tanto, basta que o magistrado evidencie a possibilidade de esclarecer situação relevante com o depoimento dessa nova testemunha. Acareação É facultado ao juiz ordenar (de ofício ou a requerimento da parte) a acareação entre testemunhas ou entre alguma delas e a própria parte. Será cabível quando houver divergência de declarações a respeito de um fato importante para a causa e que possa influir no julgamento. Na realização do ato, o juiz colocará as pessoas frente a frente e inquirirá sobre o ponto objeto da controvérsia, questionando-as se mantém seu depoimento ou se decidem alterá-lo. Contudo, na vida prática, os resultados têm sido praticamente insignificantes, prevalecendo a controvérsia anteriormente instalada. Intimação das Testemunhas A testemunha, para que seja obrigada a comparecer, deve ser intimada com no mínimo 24 (vinte e quatro) horas de antecedência em relação à audiência. 8

9 A intimação é feita normalmente por carta com aviso de recebimento (AR), mas também pode se dar por mandado. Contudo, se a testemunha arrolada for um servidor público civil ou militar, além de ser intimada, deve ser requisitada a sua presença ao chefe de sua repartição ou ao comando superior em que servir (CPC, art. 412, 2º). Inquirição das Testemunhas As testemunhas são como regra inquiridas em audiência presidida pelo juiz que julgará a demanda (salvo a hipótese do CPC, art. 410) no horário compreendido entre ar 06h00min e as 20h00min, sendo admitida a prorrogação dos trabalhos além do horário para os atos iniciados anteriormente. Em primeiro lugar são ouvidas as testemunhas do autor e, em seguida, as do réu. São elas qualificadas para depor (inclusive para possibilitar-se a contradita). Antes de iniciar o depoimento, o juiz tomará da testemunha o compromisso de dizer a verdade alertando-a das sanções penais em que incorrerá se afirmar falsamente, negar ou calar a verdade. As perguntas são feitas pelo juiz à testemunha. Após o juiz, as partes terão o direito de questionar a testemunha, iniciando-se pela parte que a arrolou e posteriormente pela parte adversa. As reperguntas das partes são feitas ao juiz que posteriormente as repetirá para a testemunha e, só assim, ela poderá responder. Antes de fazer a pergunta à testemunha, o magistrado decidirá pelo seu deferimento, afastando imediatamente as perguntas irrelevantes, impertinentes, capciosas ou com intuito vexatório à testemunha. Cada pergunta indeferida constará do termo de audiência. Cada testemunha é ouvida separadamente, de forma que não uma não pode ouvir o depoimento da outra (CPC, art. 413). A testemunha que já depôs não poderá comunicar-se com as restantes e nenhuma delas poderá presenciar o depoimento das partes. Os testemunhos serão reduzidos a escrito a partir do ditado promovido pelo juiz ao escrevente. No entanto, é possível utilizar-se recursos como a taquigrafia ou estenotipia sendo aqui datilografados ou digitados posteriormente, além de outros meios idôneos de documentação. Depoimento Pessoal Introdução É meio de prova em que o magistrado colhe as declarações de uma das partes, buscando obter informações a respeito de fatos de interesse da causa. Para que essa situação se dê, é necessário requerimento do adversário, pois, em regra, o depoimento da parte não interessa para o processo, já que é interessada no resultado da demanda. Não se pode negar que a parte pretende obter a confissão do adversário, sendo esta a principal razão prática que se visa com o depoimento pessoal. No entanto, esta não é a única finalidade, pois não podemos esquecer que o depoimento da parte também pode militar a seu favor. Quem Pode Requerer e Quem Pode Prestar o Depoimento O depoimento pessoal é sempre requerido pelas partes, existindo uma impropriedade quanto a isso na legislação processual (CPC, art. 343). O Código estabelece que o juiz poderá determinar o depoimento pessoal de ofício, porém, não se trata de caso de depoimento pessoal, mas sim de interrogatório informal segundo parte da doutrina. A expressão depoimento pessoal está reservada para os casos em que houver o requerimento da parte adversa. 9

10 Observe que a legitimidade para o requerimento é da parte contrária (adversa), não sendo lícito à parte requerer ao juiz oportunidade de prestar seu próprio depoimento. No entanto, nas demandas em que o Ministério Público atuar como parte ou mesmo custus legis, poderá ele requerer o depoimento pessoal. Neste caso, o MP é parte legítima para o requerimento. Por outro lado, é notório que a intenção do legislador foi a de colocar a própria parte para estabelecer o diálogo processual (Princípio da Pessoalidade), porém prevalece entre nós que, mesmo o depoimento de pessoa física, possa se dar por procurador. Trata-se de situação semelhante ao depoimento da pessoa jurídica, situação em que o depoimento será prestado por seus representantes ou prepostos. Por derradeiro, no caso dos absolutamente incapazes, o depoimento pessoal é prestado por seus representantes legais e, no caso dos relativamente incapazes, o depoimento é por eles prestado diretamente. Pena de Confissão O estudo é afeto ao CPC, art. 343, 1º. Estabelece o CPC um ônus à parte ao estabelecer as conseqüências de sua recusa em depor ou mesmo em seu não comparecimento, que é a de presunção de confissão sobre os fatos contra ela alegados. Esta regra está em consonância com os demais dispositivos que regulam o assunto (CPC, arts. 345, 346 e 347). Os citados dispositivos tratam das situações em que a parte responder evasivamente, tentar valer-se de escritos para conduzir seu depoimento, finalizando com as situações em que a parte pode recusar-se a depor, sem que corra o risco de incidência do ônus do CPC, art. 343, 1º. Procedimento O depoimento pessoal das partes será colhido da forma estabelecida pelo CPC, art Em resumo, utilizar-se-á o procedimento para a inquirição das testemunhas, devendo o depoimento pessoal também ser reduzido a escrito e juntado aos autos para então compor o processo. Se ambas as partes forem prestar depoimento, o autor será o primeiro a depor. Em seguida, deporá o réu. Enquanto o autor presta seu depoimento, o réu não poderá permanecer na sala de audiências. Como já se inferiu, o depoimento é prestado pela própria parte ao juiz (em regra), porém, pode haver situações em que as partes não residam no foro competente para a ação, razão pela qual poderá ser utilizada carta precatória (analogia do CPC, art. 410). Confissão Introdução e Espécies É uma declaração da parte que reconhece como verídicos fatos que são contrários a seu próprio interesse e benéficos aos interesses do adversário. Pode ser judicial ou extrajudicial. A judicial, como o próprio nome está a indicar é realizada no processo a qualquer tempo, por escrito (contestação, réplica, petições) ou oralmente a partir do depoimento da parte em audiência. A extrajudicial, por sua vez, é feita fora do processo e provada dentro deste por meio de documentos ou mesmo por testemunhas. A confissão ainda pode ser expressa ou ficta, sendo a primeira exarada diretamente pela parte, verbalmente ou por escrito, enquanto que a segunda resulta de presunção, por exemplo, pela ausência de contestação ou cumprimento do ônus da impugnação especificada dos fatos. Eficácia da Confissão 10

11 A confissão torna incontroversos os fatos sobre os quais ela incide (CPC, art. 344). No entanto, essa regra não é absoluta, pois em nosso sistema vigora o princípio do livre convencimento motivado, cabendo ao juiz a livre apreciação e valoração das provas. Em resumo, mesmo a confissão pode ser contrariada por outros elementos de convencimento. A confissão tem sua eficácia perante quem a realizou, não prejudicando eventuais litisconsortes do processo (CPC, art. 350). Os efeitos da confissão já são conhecidos, porém o CPC (art. 352) estabelece situações de perda da eficácia da confissão. A redação do dispositivo é criticada por parte da doutrina, pois confunde a possibilidade de revogação da confissão com causas de invalidade do negócio jurídico. Art A confissão, quando emanar de erro, dolo ou coação, pode ser revogada: I - por ação anulatória, se pendente o processo em que foi feita; II - por ação rescisória, depois de transitada em julgado a sentença, da qual constituir o único fundamento. Parágrafo único. Cabe ao confitente o direito de propor a ação, nos casos de que trata este artigo; mas, uma vez iniciada, passa aos seus herdeiros. A parte que confessou pode ir novamente a juízo, por quaisquer das formas de confissão, e retratar-se da anteriormente feita. No entanto, essa retratação será apreciada juntamente com a confissão anterior, atribuindo o juiz o valor que cada ato possa receber diante do conjunto probatório dos autos. Indivisibilidade da Confissão Estabelece o CPC, no art. 354 que a confissão é indivisível como regra. Em resumo, não pode a parte aceitar uma parte benéfica de seu conteúdo e rejeitar a que lhe é desfavorável. Contudo, não é necessário à parte que invoque a confissão como prova de seu adversário, pois o juiz a analisará no conjunto de elementos dos autos, independentemente de requerimento, em razão do já mencionado livre convencimento. 11

Audiência de Instrução e Julgamento. Prof. Rafael Menezes

Audiência de Instrução e Julgamento. Prof. Rafael Menezes Audiência de Instrução e Julgamento Prof. Rafael Menezes Contexto (ato complexo e misto) Ao final da fase ordinatória (art. 331,?2) o juiz, se for o caso designará dia para realização da Audiência de Instrução

Leia mais

Juizados Especiais Cíveis

Juizados Especiais Cíveis Juizados Especiais Cíveis Juiz de Direito/RS 1) O que é Juizado Especial Cível? É uma justiça mais célere, informal, totalmente gratuita, destinada a julgar as causas de menor complexidade. São aquelas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i PLANO DE AULA i INSTITUIÇÃO DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM CURSO: DIREITO PROFESSOR: Especialista Rafael da Silva Menezes NÍVEL DE ENSINO: SUPERIOR PERÍODO: 7º TURNO: DIURNO/NOTURNO DATA:

Leia mais

Escola da Magistratura da Justiça do Trabalho da 15ª.. Região

Escola da Magistratura da Justiça do Trabalho da 15ª.. Região Escola da Magistratura da Justiça do Trabalho da 15ª.. Região DA PROVA PERICIAL Desempenho das Funções de Perito Judicial MédicoM Alessandro Tristão - Outubro de 2009 Objetivos Promover a discussão de

Leia mais

Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito:(redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) V -quando o juiz acolher a alegação de

Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito:(redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) V -quando o juiz acolher a alegação de 1. (OAB 136) De acordo com o Código de Processo Civil (CPC), extingue-se o processo sem resolução de mérito quando A) o juiz reconhece a prescrição ou a decadência. B) as partes transigem. C) o autor renuncia

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA. Artigo 1.º. Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA. Artigo 1.º. Âmbito de Aplicação REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA Artigo 1.º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento estabelece as regras de funcionamento dos

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO EMPRESARIAL

CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL V EXAME UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DO DIA 4/12/2011 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL O examinando deverá elaborar uma petição simples cuja nomenclatura e/ou conteúdo deve remeter à ideia de refutação à contestação, sendo, contudo, consideradas

Leia mais

A contestação na prova da 2ª fase da OAB (Direito do Trabalho)

A contestação na prova da 2ª fase da OAB (Direito do Trabalho) 1 A contestação na prova da 2ª fase da OAB (Direito do Trabalho) Carlos Augusto Marcondes de Oliveira Monteiro * Mais uma segunda fase se aproxima. Conforme mencionei no artigo anterior, 3 são as principais

Leia mais

NOVO CPC: A HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA DE DIVÓRCIO CONSENSUAL

NOVO CPC: A HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA DE DIVÓRCIO CONSENSUAL NOVO CPC: A HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA DE DIVÓRCIO CONSENSUAL Gracielle Veloso Advogada. Consultora Notarial, Registral e Imobiliária A eficácia da sentença estrangeira no Brasil depende de prévia

Leia mais

Mestre Anderson Nogueira Oliveira Prática Jurídica I PETIÇÃO INICIAL

Mestre Anderson Nogueira Oliveira Prática Jurídica I PETIÇÃO INICIAL PETIÇÃO INICIAL 1. ENDEREÇAMENTO a) Fundamentação I Art. 42 a 53 do Novo CPC II Art. 108 e 109 da Constituição Federal de 1988 2. EXEMPLOS DE ENDEREÇAMENTOS VARA CÍVEL ESTADUAL Excelentíssimo Senhor Doutor

Leia mais

PROVIMENTO CGJ Nº 09 / 2015

PROVIMENTO CGJ Nº 09 / 2015 PROVIMENTO CGJ Nº 09 / 2015 Dispõe sobre a atualização da Consolidação Normativa da Corregedoria Geral da Justiça - Parte Judicial, ante a vigência do novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105/2015).

Leia mais

Cabe contra decisões dos juízos de primeira instância e também dos de segunda instância.

Cabe contra decisões dos juízos de primeira instância e também dos de segunda instância. 2. AGRAVO 2.1. Conceito É o recurso cabível contra decisões interlocutórias, isto é, aquelas que têm conteúdo decisório, porém não implicam em qualquer situação prevista nos artigos 267 ou 269 do CPC.

Leia mais

ATA NOTARIAL DE USUCAPIÃO ORIENTAÇÕES GERAIS

ATA NOTARIAL DE USUCAPIÃO ORIENTAÇÕES GERAIS Aos notários catarinenses Prezados colegas, Com a finalidade de orientar aos colegas sobre o procedimento a ser adotado na lavratura de atas notariais para fins de usucapião, nos termos do que dispõe o

Leia mais

Programação Aula-a-Aula

Programação Aula-a-Aula FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: (curso/habilitação) Ciências Contábeis Disciplina: Perícia Contábil Carga Horária: (horas/semestre) 50 aulas Semestre Letivo / Turno: 8º. Semestre Professor: Período:

Leia mais

A responsabilidade do preposto no exercício de sua função. Solange Dias Neves Advogada OAB/RS 34.649

A responsabilidade do preposto no exercício de sua função. Solange Dias Neves Advogada OAB/RS 34.649 A responsabilidade do preposto no exercício de sua função. Solange Dias Neves Advogada OAB/RS 34.649 A proposta de trabalho: Levar para a empresa o aperfeiçoamento dos empregados que exercem cargos de

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARTE I PROCEDIMENTO ORDINÁRIO

PROCEDIMENTOS PARTE I PROCEDIMENTO ORDINÁRIO PROCEDIMENTOS PARTE I PROCEDIMENTO ORDINÁRIO PROCEDIMENTOS PROCESSO instrumento utilizado para resolução dos conflitos de interesses, formado por um conjunto de atos, exige a conjugação de dois fatores:

Leia mais

RECURSO DE EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. EMBARGOS - AÇÃO (Embargos à Execução ou Embargos de Terceiros)

RECURSO DE EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. EMBARGOS - AÇÃO (Embargos à Execução ou Embargos de Terceiros) RECURSO DE EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EMBARGOS - AÇÃO (Embargos à Execução ou Embargos de Terceiros) - RECURSO (Embargos Infringentes, Embargos de Declaração ou Embargos de Divergência). No atual sistema recursal

Leia mais

Extensão dos efeitos de decisão judicial transitada em julgado a quem não foi parte na relação processual

Extensão dos efeitos de decisão judicial transitada em julgado a quem não foi parte na relação processual Extensão dos efeitos de decisão judicial transitada em julgado a quem não foi parte na relação processual Parecer n o 14/00-CRTS Ementa: 1.Extensão dos efeitos de decisão judicial transitada em julgado

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO ENTRE O NOVO CÓDIGO CIVIL, O CÓDIGO CIVIL DE 1916 E O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUANTO A ADOÇÃO.

QUADRO COMPARATIVO ENTRE O NOVO CÓDIGO CIVIL, O CÓDIGO CIVIL DE 1916 E O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUANTO A ADOÇÃO. 1 QUADRO COMPARATIVO ENTRE O NOVO CÓDIGO CIVIL, O CÓDIGO CIVIL DE E O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUANTO A ADOÇÃO. Artigo 1618 Só a pessoa maior de 18 (dezoito) anos pode adotar. Artigo 368 -

Leia mais

É admitida, pois não há qualquer impedimento legal para tanto.

É admitida, pois não há qualquer impedimento legal para tanto. Reconvenção da Reconvenção É admitida, pois não há qualquer impedimento legal para tanto. EX: Ação de cobrança Contestação alegando compensação Reconvenção pleiteando a diferença Na reconvenção, há contestação

Leia mais

CIMAESP. Câmara Intercontinental de Mediação e Arbitragem de São Paulo CÓDIGO DE ÉTICA

CIMAESP. Câmara Intercontinental de Mediação e Arbitragem de São Paulo CÓDIGO DE ÉTICA CIMAESP Câmara Intercontinental de Mediação e Arbitragem de São Paulo CÓDIGO DE ÉTICA TÍTULO I INTRODUÇÃO Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º. A CIMAESP Câmara Intercontinental de Mediação e Arbitragem

Leia mais

Aula 9 de Processo do Trabalho I. Segundo a redação do artigo 840 da Consolidação das Leis do Trabalho a petição inicial poderá ser escrita ou verbal.

Aula 9 de Processo do Trabalho I. Segundo a redação do artigo 840 da Consolidação das Leis do Trabalho a petição inicial poderá ser escrita ou verbal. Aula 9 de Processo do Trabalho I Petição Inicial. Segundo a redação do artigo 840 da Consolidação das Leis do Trabalho a petição inicial poderá ser escrita ou verbal. No 2º do referido artigo, está a maneira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i PLANO DE AULA i INSTITUIÇÃO DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM CURSO: DIREITO PROFESSOR: Especialista Rafael da Silva Menezes NÍVEL DE ENSINO: SUPERIOR PERÍODO: 5º TURNO: DIURNO/NOTURNO DATA:

Leia mais

Ação de Exigir Contas

Ação de Exigir Contas Ação de Exigir Contas Previsão legal e Observações! No NCPC está disciplinado nos arts. 550/553! Possuía previsão no CPC/73 estava disciplinado no art. 914/919.! Obs. No CPC73 o nome de tal ação era de

Leia mais

Perícias Judiciais Contábeis e Econômicas ANEFAC

Perícias Judiciais Contábeis e Econômicas ANEFAC Perícias Judiciais Contábeis e Econômicas ANEFAC Perícia Meio de Prova FATO ALEGADO DEVE SER COMPROVADO PROVAS: ORAIS, DOCUMENTAIS E PERICIAIS - EXCEÇÕES PERICIAL - FATOS COMPLEXOS - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.478 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 84-36.2016.6.00.0000 CLASSE 26 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.478 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 84-36.2016.6.00.0000 CLASSE 26 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.478 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 84-36.2016.6.00.0000 CLASSE 26 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Estabelece diretrizes gerais

Leia mais

MANUAL DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO

MANUAL DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL MANUAL DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO (2ª Edição Revisada e Atualizada de acordo com nova redação dada pela Lei n. 9.245, de 26/12/95) Maria Suzette Trindade - Assessora Especial da

Leia mais

OAB 2010.3 GABARITO COMENTADO SEGUNDA FASE EMPRESARIAL. Artigo 9º e 4º do artigo 10 Lei 11.101/2005, procuração, CPC e estatuto da OAB.

OAB 2010.3 GABARITO COMENTADO SEGUNDA FASE EMPRESARIAL. Artigo 9º e 4º do artigo 10 Lei 11.101/2005, procuração, CPC e estatuto da OAB. OAB 2010.3 GABARITO COMENTADO SEGUNDA FASE EMPRESARIAL PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL Artigo 9º e 4º do artigo 10 Lei 11.101/2005, procuração, CPC e estatuto da OAB. Trata-se de uma habilitação de crédito retardatária.

Leia mais

DO PROCESSO E PROCEDIMENTO

DO PROCESSO E PROCEDIMENTO DO PROCESSO E PROCEDIMENTO PROCESSO Para solucionar os litígios, o Estado põe à disposição das partes três espécies de tutela jurisdicional: a cognição, a execução e a cautela. O que as distingue são os

Leia mais

Capítulo 1 Processo...1. Capítulo 2 Procedimento Comum Ordinário e Sumário...7. 2.2. Procedimento comum sumário...8

Capítulo 1 Processo...1. Capítulo 2 Procedimento Comum Ordinário e Sumário...7. 2.2. Procedimento comum sumário...8 S u m á r i o Capítulo 1 Processo...1 1.1. Processo: conceito...1 1.2. Espécies de processo...2 1.3. Distinção entre processo e procedimento...3 1.4. Procedimentos existentes...3 1.5. Indisponibilidade

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO COM BOLSA DO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES)

EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO COM BOLSA DO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES) EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO COM BOLSA DO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES) A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Letras (Ciência da Literatura) da UFRJ torna pública

Leia mais

RESOLUÇÃO SMA Nº 1653 DE 11 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO SMA Nº 1653 DE 11 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO SMA Nº 1653 DE 11 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a concessão de licença para tratamento de saúde aos servidores municipais, por prazo não superior a 90 (noventa) dias. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Comentários sobre a matéria de provas (Arts. 332 a 443 do CPC) Leonardo Antunes O artigo 332 do CPC descreve que todos os meios legais, moralmente legítimos, mesmo que não previsto

Leia mais

Direito Processual Civil IV

Direito Processual Civil IV Direito Processual Civil IV 8º Semestre Profª Maria Carolina Beraldo carolberaldo@gmail.com EXECUÇÃO Teoria Geral (cont.) Títulos executivos judiciais Art. 475-N. São títulos executivos judiciais: (Incluído

Leia mais

Código do Registo Civil

Código do Registo Civil Código do Registo Civil Aprovado pelo decreto-lei nº47678, de 5 de Maio de 1967, publicado no suplemento ao Boletim Oficial nº16, de 22 de Abril de 1968. Alterado pelo Decreto-Lei nº49/77 de 4 de Junho.

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 3.743, DE 2008 Acrescenta parágrafo único ao art. 201 da Lei n.º 5.869, de 11 de janeiro de 1973, que institui o Código de Processo

Leia mais

Peça 1 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA... REGIÃO

Peça 1 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA... REGIÃO Observação: os espaços entre os tópicos das peças têm a única função de facilitar a visualização. Ressalte-se que não aconselhamos pular linhas no exame. Peça 1 Certa empresa é condenada, por decisão de

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: LEI Nº 13.121, DE 7 DE JULHO DE 2008 Business Online Comunicação de Dados Altera a Lei nº 6.544, de 22 de novembro de 1989, que dispõe sobre o estatuto jurídico das licitações e contratos pertinentes a

Leia mais

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica

PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica ORDEM DOS ADVOGADOS CNA Comissão Nacional de Avaliação PROVA DE AFERIÇÃO (RNE) Teórica GRELHA DE CORRECÇÃO Prática Processual Civil e Organização Judiciária (8 Valores) 18 de Julho de 2011 1.Defina e indique

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i PLANO DE AULA i INSTITUIÇÃO DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM CURSO: DIREITO PROFESSOR: Especialista Rafael da Silva Menezes NÍVEL DE ENSINO: SUPERIOR PERÍODO: 6º TURNO: DIURNO/NOTURNO DATA:

Leia mais

DO PARECER A Resolução CFM nº 1931/09, que aprova o Código de Ética Médica em seus considerandos, cita:

DO PARECER A Resolução CFM nº 1931/09, que aprova o Código de Ética Médica em seus considerandos, cita: PARECER CFM nº 13/16 INTERESSADO: Dr. R. R. ASSUNTO: Utilização de dados do prontuário médico sem a anuência do funcionário (paciente). RELATOR: Cons. Nemésio Tomasella de Oliveira EMENTA: O médico estará

Leia mais

Regulamento do Estatuto do Funcionário Parlamentar Estudante

Regulamento do Estatuto do Funcionário Parlamentar Estudante Regulamento do Estatuto do Funcionário Parlamentar Estudante publicado no Diário da Assembleia da República, II Série E, n.º 32, de 18 de maio de 2012 com as alterações introduzidas pelo Despacho da Presidente

Leia mais

AULA 7 30/03/11 A NOTA PROMISSÓRIA E O CHEQUE

AULA 7 30/03/11 A NOTA PROMISSÓRIA E O CHEQUE AULA 7 30/03/11 A NOTA PROMISSÓRIA E O CHEQUE 1 A NOTA PROMISSÓRIA 1.1 O CONCEITO É uma promessa solene, direta e unilateral de pagamento, à vista ou a prazo, efetuada pelo promitente-devedor ao promissário-credor,

Leia mais

DISPÕE SOBRE O RITO PROCESSUAL NOS PROCESSOS ESPECIAIS PARA RECO- NHECIMENTO DE DÍVIDA, E DÁ OUTRAS PRO- VIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE O RITO PROCESSUAL NOS PROCESSOS ESPECIAIS PARA RECO- NHECIMENTO DE DÍVIDA, E DÁ OUTRAS PRO- VIDÊNCIAS. DECRETO Nº 364, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2011. DISPÕE SOBRE O RITO PROCESSUAL NOS PROCESSOS ESPECIAIS PARA RECO- NHECIMENTO DE DÍVIDA, E DÁ OUTRAS PRO- VIDÊNCIAS. O Senhor SATURNINO MASSON, Prefeito Municipal

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão 1.0 Dezembro 2015

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão 1.0 Dezembro 2015 PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO Versão 1.0 Dezembro 2015 Índice 1. Objetivo... 2 2. Campo de aplicação... 2 3. Documentos de referência... 2 4. Qualificação de verificadores

Leia mais

Resolução nº 5063, de 30 de março de 2016

Resolução nº 5063, de 30 de março de 2016 Altera a Resolução nº 233 de 25/06/2003 Altera a Resolução nº 3075 de 26/03/2009 Altera a Resolução nº 4282 de 17/02/2014 Resolução nº 5063, de 30 de março de 2016 Dispõe sobre procedimentos a serem observados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO PLANO DE AULA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO PLANO DE AULA PLANO DE AULA INSTITUIÇÃO DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM CURSO: DIREITO PROFESSOR: Especialista Rafael da Silva Menezes NÍVEL DE ENSINO: SUPERIOR PERÍODO: 6º TURNO: DIURNO/NOTURNO DATA:

Leia mais

INDICIAMENTO E FORMAL INDICIAMENTO. DISTINÇÃO.

INDICIAMENTO E FORMAL INDICIAMENTO. DISTINÇÃO. INDICIAMENTO E FORMAL INDICIAMENTO. DISTINÇÃO. Fernando Pascoal Lupo Promotor de Justiça Não é incomum confundir-se o indiciamento com o formal indiciamento, o que não se pode admitir. Indício quer dizer

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.373/2011 Regulamenta o Exame de Suficiência como requisito para obtenção ou restabelecimento de Registro Profissional em Conselho Regional de Contabilidade (CRC). O CONSELHO FEDERAL

Leia mais

Relação de Documentos Exigidos Para Efetivação de Transferência

Relação de Documentos Exigidos Para Efetivação de Transferência Relação de Documentos Exigidos Para Efetivação de Transferência AS CÓPIAS DOS DOCUMENTOS APRESENTADOS DEVERÃO ESTAR AUTENTICADAS OU ACOMPANHADAS DOS ORIGINAIS. 1. Preencher o requerimento, que deverá ser

Leia mais

1. DO PROCESSO SELETIVO

1. DO PROCESSO SELETIVO EDITAL PTB Nº 26/2016 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA MATRÍCULA NO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) Excel Intermediário - IFSP - CÂMPUS PIRITUBA O Câmpus Pirituba do Instituto Federal de Educação,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAMPUS SANTA INGRESSO NOS CURSOS SUPERIORES DE GRADUAÇÃO DO IFES CAMPUS SANTA EDITAL Nº 03 DE 10 DE MARÇO DE 2015 O Diretor-Geral do Campus Santa Teresa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

IMPUGNAÇÃO 1 PREGÃO 09/2016

IMPUGNAÇÃO 1 PREGÃO 09/2016 MEC Ministério da Educação Uasg 150002 IMPUGNAÇÃO 1 PREGÃO 09/2016 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 09/2016 Processo nº 23000.004587/2016-05 Trata-se de peça impugnatória impetrada por empresa interessada em participar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM FACULDADE DE DIREITO FD DEPARTAMENTO DE DIREITO APLICADO. PLANO DE AULA i PLANO DE AULA i INSTITUIÇÃO DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS UFAM CURSO: DIREITO PROFESSOR: Especialista Rafael da Silva Menezes NÍVEL DE ENSINO: SUPERIOR PERÍODO: 7º TURNO: DIURNO/NOTURNO DATA:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece a normatização das disciplinas de

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE AS PROVAS NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL.

APONTAMENTOS SOBRE AS PROVAS NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. DIREITO PROCESSUAL CIVIL ARTIGO ELABORADO EM 21 DE FEVEREIRO DE 2016. APONTAMENTOS SOBRE AS PROVAS NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. SÉRGIO AUGUSTO BARBOSA DA ROCHA 1 Sumário: 1 - Introdução 2-Considerações

Leia mais

2. AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

2. AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 2. AÇÃO DE 2.1 O direito de pagar - É um dever ou um direito? - A mora do credor exclui a do devedor? 2.2 A liberação natural e a liberação forçada do devedor - Liberação natural: pagamento por acordo

Leia mais

COMUNICADO 01 EDITAL SEBRAE/SC Nº 002/2016 CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSTRUTORIA E CONSULTORIA

COMUNICADO 01 EDITAL SEBRAE/SC Nº 002/2016 CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSTRUTORIA E CONSULTORIA COMUNICADO 01 EDITAL SEBRAE/SC Nº 002/2016 CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSTRUTORIA E CONSULTORIA PUBLICADO EM 02/05/2016 O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

DSATAR. Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional. Norma orientadora nº06/2009

DSATAR. Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional. Norma orientadora nº06/2009 DSATAR Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional Norma orientadora nº06/2009 Assunto: Reconhecimento de formadores para apoio às sessões de formação prática do Curso de Operador de Máquinas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 norte, lote 7, Bloco B Brasília DF. CEP 70.760-542.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 norte, lote 7, Bloco B Brasília DF. CEP 70.760-542. Curitiba, 04 de abril de 2016. Ao Egrégio CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 norte, lote 7, Bloco B Brasília DF. CEP 70.760-542. E mail: atividadeperitos@cnj.jus.br Ref. Consulta pública relativa

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 6.287, DE 2009 Altera a Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996, para regular o registro de contrato de transferência de tecnologia.

Leia mais

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL Programa (60 horas) I CONSULTA JURÍDICA 1.1 Consulta jurídica 1.2 Tentativa de resolução amigável 1.3 Gestão do cliente e seu processo II ACESSO AO DIREITO 2.1 Modalidades de acesso

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº. 65/2009 PROCESSO 338.567

PREGÃO PRESENCIAL Nº. 65/2009 PROCESSO 338.567 PREGÃO PRESENCIAL Nº. 65/2009 PROCESSO 338.567 Trata-se de pedido de esclarecimento encaminhado, via e-mail, pela empresa SERASA S. A., CNPJ 62.173.620/0001-80, no uso do direito previsto no art. 12 do

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO R E S O L U Ç Ã O nº. 072/2009 Regulamenta, no âmbito da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), o serviço de Professor Colaborador Voluntário,

Leia mais

PERITO JUDICIAL E ASSISTENTE TÉCNICO

PERITO JUDICIAL E ASSISTENTE TÉCNICO PERITO JUDICIAL E ASSISTENTE TÉCNICO PERÍCIA AGRONÔMICA ACEPÇÕES NA PERÍCIA AGRONÔMICA Perito oficial: profissional universitário, legalmente habilitado para exercer determinada função pericial - pertinente

Leia mais

MUNICÍPIO DE ERECHIM EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº _01/2015

MUNICÍPIO DE ERECHIM EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº _01/2015 MUNICÍPIO DE ERECHIM EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº _01/2015 A Prefeitura Municípal de Erechim/RS, no uso de suas atribuições legais, torna público para conhecimento dos interessados, que fará realizar

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES CUSTAS JUDICIAIS

PERGUNTAS FREQUENTES CUSTAS JUDICIAIS PERGUNTAS FREQUENTES CUSTAS JUDICIAIS 1- Como proceder com relação aos Mandados de Segurança?... 2 2- É possível distribuir um feito sem recolher custas iniciais?... 2 3- É necessário recolher custas referentes

Leia mais

DECRETA: Art. 2º A prova de regularidade perante a Fazenda Pública Municipal de Teresina será efetuada mediante a apresentação de:

DECRETA: Art. 2º A prova de regularidade perante a Fazenda Pública Municipal de Teresina será efetuada mediante a apresentação de: 1 DECRETO Nº 9.468, DE 8 DE JULHO DE 2009. Dispõe sobre a regulamentação da emissão de certidões no âmbito da Fazenda Pública Municipal. O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, Estado do Piauí, no uso das atribuições

Leia mais

PROCEDIMENTO SUMÁRIO PROCESSO CIVIL Daniel Amorim Assumpção + Dizer o Direito

PROCEDIMENTO SUMÁRIO PROCESSO CIVIL Daniel Amorim Assumpção + Dizer o Direito PROCEDIMENTO SUMÁRIO PROCESSO CIVIL Daniel Amorim Assumpção + Dizer o Direito INTRODUÇÃO - Os procedimentos são divididos em COMUM (ORDINÁRIO E SUMÁRIO) e PROCEDIMENTOS ESPECIAIS. Não sendo o caso de procedimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 249, de 2012.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 249, de 2012. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 249, de 2012. Dispõe sobre a atividade dos corretores de seguros de ramos elementares e dos corretores de seguros de vida,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SAREC Nº 01, de 02 de janeiro de 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA SAREC Nº 01, de 02 de janeiro de 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA SAREC Nº 01, de 02 de janeiro de 2014 Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados nos processos administrativos relativos à baixa de inscrição. O SECRETÁRIO MUNICIPAL ADJUNTO DA

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL CAUTELAR. Classificação: Nominadas art.813 ss, do CPC. Inominadas art. 796 até art. 912, do CPC.

DIREITO PROCESSUAL CIVIL CAUTELAR. Classificação: Nominadas art.813 ss, do CPC. Inominadas art. 796 até art. 912, do CPC. CAUTELAR Cautelar Classificação: Nominadas art.813 ss, do CPC. Inominadas art. 796 até art. 912, do CPC. Preparatórias/Antecedentes - Incidentes ajuizadas no curso na ação principal. Satisfativas. Não

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/2014 PREÂMBULO

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/2014 PREÂMBULO EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/2014 PREÂMBULO Assunto: Inscrição de profissionais formados em comunicação, publicidade ou marketing, ou que atuem em uma dessas áreas, objetivando constituir subcomissão

Leia mais

RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL (RAN) REGULAMENTO INTERNO DA ENTIDADE REGIONAL DA RAN DO CENTRO (ER-RAN.C)

RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL (RAN) REGULAMENTO INTERNO DA ENTIDADE REGIONAL DA RAN DO CENTRO (ER-RAN.C) RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL (RAN) REGULAMENTO INTERNO DA ENTIDADE REGIONAL DA RAN DO CENTRO (ER-RAN.C) (Artigo 35º do Decreto - Lei n.º 73/2009, de 31 de Março) O DL 73/2009,de 31 de Março, veio introduzir

Leia mais

Nota: Redação dada pelo Decreto-Lei nº 8.737/46 Redação anterior: Redação original

Nota: Redação dada pelo Decreto-Lei nº 8.737/46 Redação anterior: Redação original TÍTULO IX - Do Ministério Público do Trabalho CAPÍTULO I - Disposições Gerais Art. 736. O Ministério Público do Trabalho é constituído por agentes diretos do Poder Executivo, tendo por função zelar pela

Leia mais

ADMISSÃO DE PORTADOR DE DIPLOMA 2016.2 EDITAL Nº 02

ADMISSÃO DE PORTADOR DE DIPLOMA 2016.2 EDITAL Nº 02 ADMISSÃO DE PORTADOR DE DIPLOMA 2016.2 EDITAL Nº 02 SUMÁRIO 1 Da Validade... 3 2. Das Inscrições... 4 3. Da Avaliação... 4 4. Do Resultado... 5 5. Da Matrícula... 5 6. Do regime escolar e semestralidade...

Leia mais

VERIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ÓBITOS EXCERTOS DA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

VERIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ÓBITOS EXCERTOS DA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL VERIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE ÓBITOS EXCERTOS DA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL / A palavra certidão constante do texto deverá ser entendida como certificado de óbito. COMENTÁRIOS/ORIENTAÇÕES: A regra geral da verificação

Leia mais

RESOLUÇÃO TCE/MA Nº 214, DE 30 DE ABRIL DE 2014.

RESOLUÇÃO TCE/MA Nº 214, DE 30 DE ABRIL DE 2014. RESOLUÇÃO TCE/MA Nº 214, DE 30 DE ABRIL DE 2014. Dispõe sobre os procedimentos de acompanhamento, controle e registro das decisões que resultem em sanção a ser aplicada pelo Tribunal de Contas do Estado

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO AOS PROCEDIMENTOS E DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS

O DIREITO DE ACESSO AOS PROCEDIMENTOS E DOCUMENTOS ADMINISTRATIVOS I. Enquadramento Geral Entende-se por procedimento administrativo a sucessão ordenada de atos e formalidades tendentes à formação e manifestação da vontade da Administração Pública ou à sua execução. Sendo

Leia mais

IV Meeting dos Profissionais do Direito Privado Brasileiro

IV Meeting dos Profissionais do Direito Privado Brasileiro IV Meeting dos Profissionais do Direito Privado Brasileiro EDITAL OLIMPÍADAS DO CONHECIMENTO JURÍDICO A Academia Brasileira de Direito Civil (ABDC), nos termos do presente edital, torna público que estão

Leia mais

solicitadas e colaborar para o esclarecimento dos fatos.

solicitadas e colaborar para o esclarecimento dos fatos. Processo Legislativo Mariano Borges 1. De acordo com a Lei n. 9.784/99 (Processo Administrativo), a Administração Pública obedecerá, dentre outros, aos princípios da legalidade, finalidade, motivação,

Leia mais

Cezar Augusto Rodrigues Costa Desembargador Relator

Cezar Augusto Rodrigues Costa Desembargador Relator AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0064526-20.2013.8.19.0000 5ª VARA DE ORFÃOS E SUCESSÕES DA COMARCA DA CAPITAL AGRAVANTE: HORACIO ANTUNES FERREIRA NETO AGRAVADO 1: ZILMAR LEMOS DE ALMEIDA AGRAVADO 2: LISE MARIA

Leia mais

SEÇÃO II Do Recurso Ordinário em Mandado de Segurança

SEÇÃO II Do Recurso Ordinário em Mandado de Segurança Art. 242. Dirigida ao Presidente, será a petição distribuída, quando possível, a um relator que não haja participado do julgamento objeto da revisão. 1º O relator poderá determinar que se apensem os autos

Leia mais

RELATÓRIO. 3. Sem contrarrazões. 4. É o relatório.

RELATÓRIO. 3. Sem contrarrazões. 4. É o relatório. PROCESSO Nº: 0806625-97.2014.4.05.8100 - APELAÇÃO RELATÓRIO 1. Trata-se de apelação interposto pela Caixa Econômica Federal - CEF, contra sentença do Juízo da 8ª Vara Federal Seção Judiciária do Ceará,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 / 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 / 2011. GOVERNO MUNICIPAL DE CAUCAIA Secretaria de Finanças e Planejamento INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 / 2011. Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados com relação ao indeferimento da opção e da exclusão do

Leia mais

Alterações promovidas na esfera do Direito Processual Penal pela Lei nº 13.257/2016

Alterações promovidas na esfera do Direito Processual Penal pela Lei nº 13.257/2016 Alterações promovidas na esfera do Direito Processual Penal pela Lei nº 13.257/2016 No que se refere ao Direito Processual Penal, as alterações ocorridas com o advento da Lei nº 13.257/2016 dizem respeito

Leia mais

RESOLUÇÃO-COFECI N 1.066/2007 (Publicada no D.O.U. de 29/11/07, Seção 1, págs. 191/192)

RESOLUÇÃO-COFECI N 1.066/2007 (Publicada no D.O.U. de 29/11/07, Seção 1, págs. 191/192) RESOLUÇÃO-COFECI N 1.066/2007 (Publicada no D.O.U. de 29/11/07, Seção 1, págs. 191/192) Estabelece nova regulamentação para o funcionamento do Cadastro Nacional de Avaliadores Imobiliários, assim como

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Escritório de Assistência Jurídica EAJ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Escritório de Assistência Jurídica EAJ CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Escritório de Assistência Jurídica EAJ Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Núcleo de Prática Jurídica (Escritório de Assistência Jurídica EAJ).

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA Aprovado na Assembléia Geral Ordinária de 13/04/2010. Capítulo I NORMAS GERAIS Art.1º - Este Regulamento de Honorários para Avaliações

Leia mais

RESOLUÇÃO SMTR Nº 2434 DE 13 DE JANEIRO DE 2014. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE TRANSPORTES no uso de suas atribuições legais:

RESOLUÇÃO SMTR Nº 2434 DE 13 DE JANEIRO DE 2014. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE TRANSPORTES no uso de suas atribuições legais: RESOLUÇÃO SMTR Nº 2434 DE 13 DE JANEIRO DE 2014 Estabelece normas relativas a vistoria de todos os veículos de propriedade dos autorizatários autônomos cooperativados e de propriedade das empresas de transporte

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO / BACHARELADO II. Disciplina: PROGRAMA DE DISCIPLINA DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO (D-50) Área: Ciências Sociais Período: 9º - Nono Turno: Matutino/Noturno Ano: 2010.2 Carga Horária:

Leia mais

DISPÕE SOBRE O ENSINO DE BOMBEIRO-MILITAR NO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE O ENSINO DE BOMBEIRO-MILITAR NO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 599, DE 09 DE NOVEMBRO DE 1982. DISPÕE SOBRE O ENSINO DE BOMBEIRO-MILITAR NO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, Faço

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 Brasília, 26 de junho de 2012. ÁREA: TÍTULO: Contabilidade Pública Restos a Pagar Considerando que, de acordo com o art. 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é vedado ao

Leia mais

Regulamento paraa Certificação do Sistema de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional

Regulamento paraa Certificação do Sistema de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional Regulamento paraa Certificação do Sistema de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional Em vigor a partir de 01 de abril 2012 RINA Via Corsica, 12 16128 Genova - Itália Tel. +39 01053851 Fax: +39 0105351000

Leia mais

O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.050/05 Aprova a NBC P 2.3 Impedimento e Suspeição O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas Brasileiras de

Leia mais

(DECRETO-LEI N.º 157/2005, DE 20 DE SETEMBRO)

(DECRETO-LEI N.º 157/2005, DE 20 DE SETEMBRO) REGIME ESPECIAL DE PRÉ- -APOSENTAÇÃO E DE APOSENTAÇÃO DO PESSOAL COM FUNÇÕES POLICIAIS DA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DO PESSOAL DO CORPO DA GUARDA PRISIONAL (DECRETO-LEI N.º 157/2005, DE 20 DE SETEMBRO)

Leia mais

De acordo com a relação de credores publicada, consta o seguinte crédito de sua titularidade:

De acordo com a relação de credores publicada, consta o seguinte crédito de sua titularidade: Belo Horizonte, [DATA] Comunicado: [NUMERAÇÃO] A/C [NOME DA EMPRESA] Prezado (s) Senhor (es), Em cumprimento ao disposto no art. 22, inc. I, a, da Lei n. 11.101/2005, na qualidade de Administrador Judicial

Leia mais

Regulamento para a participação de trabalhos científicos e acadêmicos no 5º Congresso Internacional CBL do Livro Digital - 2014

Regulamento para a participação de trabalhos científicos e acadêmicos no 5º Congresso Internacional CBL do Livro Digital - 2014 Regulamento para a participação de trabalhos científicos e acadêmicos no 5º Congresso Internacional CBL do Livro Digital - 2014 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1 O CONGRESSO INTERNACIONAL CBL DO LIVRO DIGITAL CONGRESSO,

Leia mais

PARECER N, DE 2012. RELATORA: Senadora VANESSA GRAZZIOTIN. A proposta está estruturada em três artigos.

PARECER N, DE 2012. RELATORA: Senadora VANESSA GRAZZIOTIN. A proposta está estruturada em três artigos. PARECER N, DE 2012 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado n 460, de 2011, do Senador Ciro Nogueira, que altera

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 3ª Série Direito Processual Civil I Direito A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais