UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE. Curso de Especialização. MBA Gestão Integrada da Qualidade. Hugo Flávio Vasconcelos. Márcia Vasconcelos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE. Curso de Especialização. MBA Gestão Integrada da Qualidade. Hugo Flávio Vasconcelos. Márcia Vasconcelos"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE Curso de Especialização MBA Gestão Integrada da Qualidade Hugo Flávio Vasconcelos Márcia Vasconcelos REQUISITOS LEGAIS PARA IMPLANTAÇÃO DA OSHAS 18001:2007 NAS EMPRESAS QUE APRESENTAM O RISCO RUÍDO APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Governador Valadares 2009

2 Hugo Flávio Vasconcelos Márcia Vasconcelos REQUISITOS LEGAIS PARA CERTIFICAÇÃO NA OSHAS 18001:2007 NAS EMPRESAS QUE APRESENTAM O RISCO RUÍDO APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Trabalho de conclusão do curso de Pós Graduação lato sensu MBA Gestão Integrada da Qualidade da Universidade Vale do Rio Doce UNIVALE. Orientadora: Professora Jacqueline Martins de Carvalho Vasconcelos GOVERNADOR VALADARES 2009

3 Dedicamos este trabalho a Deus que nos permite aventurar por esta vida e, aos nossos cônjuges, filha e sobrinha, que nos apoiaram e compreenderam nossa ausência.

4 AGRADECIMENTOS Agradecemos a nossa orientadora Jacqueline Martins de Carvalho Vasconcelos por sua dedicação e paciência. Agradecemos ao Prof. João Martinelli pelo seu apoio incondicional que nos fez acreditar que seríamos capazes de cumprir esta etapa de nossas vidas.

5 Às vezes ouço o vento passar, e só de ouvir o vento passar, já vale a pena ter nascido. Fernando Pessoa

6 RESUMO O ruído encontra-se disseminado em nosso meio representando a terceira maior fonte de poluição mundial. É no ambiente de trabalho, principalmente nas indústrias, que se observam as maiores concentrações desse poluente. A Indústria da Construção Civil não é exceção à regra, e em várias funções deste setor são observadas exposições a ruídos acima dos níveis previstos na lei. O objeto deste trabalho consiste no levantamento dos requisitos legais necessários para a implantação da norma certificadora OHSAS 18001:2007 pelas empresas da construção civil que apresentam o ruído como risco a saúde de seus empregados. Inicialmente, será feita uma revisão bibliográfica dos principais tópicos abordados no trabalho: Ruído, OHSAS 18001:2007, Construção Civil e as Leis Trabalhistas que compõem os requisitos legais. Posteriormente, se fará um levantamento do nível de ruído presente nas funções de pedreiro, armador e carpinteiro da empresa Lamar Engenharia e Comércio Ltda. Os dados coletados serão comparados com os resultados encontrados no trabalho desenvolvido por Maia (1999). Com este estudo comparativo pretende-se mostrar que o ruído é uma realidade na vida dos trabalhadores da Indústria da Construção Civil sendo, portanto, de grande importância à observância por essas empresas dos requisitos legais associados ao ruído, necessários para implantação da OHSAS 18001:2007. Palavras-chave: OHSAS 18001, Requisitos legais, Ruído, Indústria Construção civil.

7 ABSTRACT The noise is widespread in our environment, and represents the third largest source of pollution worldwide. It is in the workplace, especially in the industries that are observed higher concentrations this pollutant. The building industry is no exception to the rule, and various functions of this sector are observed exposure to noise above the levels prescribed by law. The object of this research is a survey of the legal requirements necessary for the implementation of OHSAS 18001:2007 specification by the building industry that have the noise as risk the health of their employees. The first part of the work is a bibliographic review of the main topics addressed in the search: Noise, OHSAS 18001:2007, building industry and the laws that are the legal requirements. In the second part of the work will be done a survey of the existing noise level in the functions of bricklayer, carpenter and rigger in the company LAMAR Engenharia e Comércio LTDA. The data collected will be compared with the results found in the work of Maia (1999).This comparative study aims to show that noise is a reality in the lives of workers in building industry, being therefore, of great importance the compliance by the companies in the legal requirements, necessary for implementation of OHSAS 18001:2007. Keywords: OHSAS 18001, legal requirements, Noise, Construction Industry.

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Aparelho Auditivo Som Definicão de Som Características do Som Ruído Histórico do Ruído Definição de Ruído Transtornos Associados ao Ruído PAIR Definição de PAIR Características da PAIR Construção Civil OHSAS Requisitos Legais Histórico da Legislação Brasileira Requisito Legais para implantação da OHSAS 18001: METODOLOGIA ESTUDO COMPARATIVO DE NÍVEIS DE RUÍDO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Levantamento de dados de Maia (1999) Levantamento de dados da Empresa Lamar Engenharia (Vale do Aço) Análise comparativa entre os achados de Maia (1999) e da Empresa Lamar Engenharia CONCLUSÃO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA... 51

9 9 1 INTRODUÇÃO De acordo com a Organização Mundial de Trabalho (OIT), em todo mundo ocorrem aproximadamente 270 milhões de acidentes de trabalho e são registrados mais de 160 milhões de doenças profissionais a cada ano. Esses acidentes e doenças ocupacionais causam, anualmente, mais de 2,2 milhões de mortes e provocam uma redução de 4% no PIB (Produto Interno Bruto) mundial, devido aos custos com lesões, mortes e doenças, como resultado dos dias de trabalho perdidos. Conforme estimativas da OIT, aproximadamente 17% de todos os acidentes fatais no local de trabalho ocorrem na indústria da construção, representando mortes por ano, ou uma morte a cada 10 minutos. Segundo a OIT, dados relevantes sobre a Indústria da Construção Civil (ICC) no Brasil foram levantados pelo SESI, mostrando que 14,6% dos trabalhadores deste setor sofreram algum tipo de acidente de trabalho, o que significa um universo de 148 mil pessoas (21,3% do total de trabalhadores acidentados). Os fatores que contribuem de forma significativa para este elevado índice de acidentes, principalmente os graves e fatais na ICC são: baixa taxa de escolarização e qualificação; alta rotatividade no setor; baixos salários; diversidade de riscos no local de trabalho. Os dados expostos pela OIT serviram de fundamentação para este trabalho, uma vez que os problemas com segurança e saúde ocupacional ocupam lugar de destaque no cenário mundial, sendo preocupação constante das autoridades e empresas. O objetivo deste trabalho é fazer um levantamento dos requisitos legais necessários para implantação da OHSAS 18001:2007 em empresas da ICC que apresentam o risco ruído. Com o levantamento destes requisitos pretende-se contribuir para a melhoria do desempenho dos Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho. A OHSAS é uma norma de avaliação da Segurança e Saúde no trabalho, ela é de fundamental importância para as empresas que buscam controlar os seus riscos de acidentes e doenças ocupacionais, bem como a melhoria continua dos seus sistemas de gestão. Esta norma apresenta vários requisitos que devem ser observados pelas empresas que pretendem certificar-se na OHSAS: 18001, entre eles estão os requisitos legais que serão abordados no presente trabalho.

10 10 Os trabalhadores da ICC ficam expostos a vários riscos, entre eles o ruído. O potencial de nocividade deste risco gera não apenas doença ocupacional, como também contribui para aumentar o número de acidentes neste setor. Implantar a OHSAS em uma empresa da construção civil é um grande desafio, por isso focamos neste trabalho nossa atenção nos requisitos legais que devem ser observados por estas empresas com relação ao risco ruído. Este trabalho abre caminho para o levantamento dos requisitos legais de outros riscos, presentes neste setor, e necessários para implantação de um Sistema de Gestão de Segurança e Saúde do Trabalho. Os requisitos legais são as leis que devem ser observadas e cumpridas pelas empresas para garantir o bom funcionamento de sua estrutura. As empresas devem criar ferramentas para identificar e ter acesso à legislação relacionada aos riscos inerentes ao seu funcionamento, mantendo esta informação atualizada e comunicando-a as partes interessadas. A grande maioria dos trabalhadores do setor da construção está exposta a ruído em suas atividades corriqueiras, em muitos casos extrapolando os limites previstos em lei, apesar desta realidade a literatura nesta área ainda é escassa. Observa-se uma tendência a subjugar este risco, provavelmente, porque a perda auditiva, doença ocupacional desencadeada por ele, é um problema que se instala lentamente e de forma silenciosa. Se compararmos, por exemplo, com os problemas advindos dos riscos ergonômicos, veremos que estes geram afastamentos constantes, pois é impossível para um trabalhador que desenvolve um problema postural exercer normalmente sua função sentindo dor. Na perda auditiva induzida por ruído (PAIR) os danos estão relacionados principalmente com os problemas de comunicação, e no seu quadro inicial não existe queixa por parte do empregado, ou seja, não existe um incomodo que gere uma queixa que justifique o seu afastamento. Diante deste quadro observa-se uma negligência não apenas por parte dos empregados como dos empregadores, em seguir um programa que vise à prevenção dos problemas auditivos causados pelo ruído. A PAIR é uma doença ocupacional que tem desenvolvimento lento e esta condicionada a fatores individuais, algumas pessoas são mais suscetíveis de desenvolvê-la que outras. Inicialmente, atinge freqüências específicas e com o passar dos anos estende-se a outras freqüências, desencadeando os problemas de comunicação. Em muitos casos temos a queixa de zumbido associada à perda

11 11 auditiva, ele não só aumenta as dificuldades de comunicação, como desencadeia outras queixas, tais como insônia, uma vez que a percepção deste problema é maior em locais silenciosos. Nos trabalhadores mais velhos temos uma tendência a uma evolução do quadro da PAIR, em função da perda auditiva funcional, ou seja, aquela que é inerente ao ser humano devido ao desgaste pela idade, dos órgãos envolvidos com o sentido da audição. A PAIR cessa seu desenvolvimento quando retirarmos de cena o seu agente causador, não ocorre melhora do quadro, verifica-se sua estabilização. Pois uma vez lesadas as estruturas responsáveis pela audição não existe uma cirurgia ou tratamento que possam restabelecê-las. Daí a importância de um trabalho preventivo na gênese das perdas auditivas por ruído. O ruído é considerado, também, um desencadeador de acidentes no trabalho, uma vez que ele compromete a comunicação entre os trabalhadores, gera estresse e fadiga, problemas de memória e diminui a capacidade de concentração e de atenção. Os requisitos legais observados pelas empresas da construção civil, que apresentam o risco ruído, encontram-se no Decreto Lei 5452 que aprovou a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), na Lei 6514 que altera o capítulo V deste decreto, a Lei 7855, as Normas Regulamentadoras, na Norma de Higiene Ocupacional 01 e nas convenções 155, 161,167 da OIT. Na previdência social temos o Decreto 3048 de 1999 que aprova o regulamento da previdência social. Neste decreto encontramos a relação das doenças do ouvido relacionadas com o trabalho, os agentes patogênicos e trabalhos que contém risco, a relação das situações que dão direito ao auxílio-acidente e a classificação dos agentes nocivos quanto ao grau de risco. O Decreto 6042 de 2007 altera o regulamento da previdência social aprovado pelo Decreto 3048, e disciplina sobre o Fator Previdenciário de Prevenção (FAP) e sobre o Nexo Técnico Epidemiológico. A Ordem de Serviço do INSS/DSS Nº. 608 aprova a Norma Técnica sobre perda auditiva neurossensorial por exposição continuada a níveis elevados de pressão sonora de origem ocupacional.

12 12 As empresas da ICC que pretendem implantar a OHSAS 18001:2007 deverão não só cumprir os preceitos legais acima citados, como mantê-los atualizados, e serem coerentes com sua política de segurança e saúde ocupacional.

13 13 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 O APARELHO AUDITIVO A orelha humana, órgão envolvido na audição, é dividida didaticamente em três partes: externa, média e interna. Em cada uma delas ocorrem processos fundamentais para o funcionamento adequado deste sentido primordial para a comunicação humana. A orelha externa é formada pelo pavilhão auricular, conduto auditivo externo (CAE) e membrana timpânica (MT). O pavilhão auricular tem a função de captar as ondas sonoras e dirigi-las ao conduto auditivo externo, que irá conduzir os sons até a membrana do tímpano (MT). Esta membrana encontra-se no final do conduto auditivo externo, por ser elástica vibra com as ondas sonoras transferindo energia para a orelha média (BESS & HUMES, 1998). A orelha média é intermediária entre a orelha externa e a orelha interna. É uma cavidade preenchida de ar que se comunica com a nasofaringe através da tuba auditiva. A tuba auditiva permite a renovação do ar na orelha média, equalizando a pressão nos dois lados do tímpano, processo fundamental para a vibração eficiente desta membrana (BESS & HUMES, 1998). Na orelha média há três ossículos, que são: martelo, bigorna e estribo. O primeiro está em contato com a membrana timpânica e receberá a vibração transmitida por ela. Esta vibração será transferida aos demais ossículos, ocorrendo à transformação de energia sonora em energia mecânica. Essa cadeia de ossos funciona como uma alavanca, amplificando a energia recebida e transmitindo-a a parte interna da orelha através do contato do estribo com a janela oval, estrutura que pertence à orelha interna (BESS & HUMES, 1998). A orelha interna é uma estrutura complexa localizada na porção petrosa do osso temporal, e devido a sua forma e complexidade ela é muitas vezes chamada de labirinto. O invólucro ósseo que forma a orelha interna é denominado labirinto ósseo, no seu interior encontra-se o labirinto membranoso. O labirinto ósseo pode ser dividido em três partes, a saber, canais semicirculares, vestíbulo e cóclea. As

14 14 duas primeiras estruturas estão relacionadas com a manutenção do equilíbrio e da postura e a cóclea relaciona-se com a audição (BESS & HUMES, 1998). O labirinto membranoso é formado por órgãos receptores responsáveis pela transdução do estímulo mecânico em impulso nervoso, entre eles o órgão de Corti responsável pela audição (BESS & HUMES, 1998). Segundo Russo (1993) a orelha possui três funções principais: função transmissora, protetora e transdutora. Na função transmissora o som que é captado no meio aéreo pela orelha externa deverá chegar ao meio líquido da orelha interna com intensidade suficiente para ser transmitida através do nervo auditivo até o córtex cerebral. A passagem do som do ar para o líquido se dá com perda de aproximadamente 99,9% de energia, uma vez que o meio líquido possui impedância muitas vezes maior que o ar. Para compensar esta perda de energia, a orelha média servirá de ponte entre a orelha externa e a interna. Esta compensação se dá através de dois mecanismos, o primeiro é formado pela cadeia de ossículos que funciona como uma alavanca aumentando o som em 2,5 db. O segundo é a diferença de área da membrana timpânica, muitas vezes maior que a da membrana da janela oval, que acrescentará aproximadamente 27 db a este mecanismo (RUSSO, 1993).. A orelha média oferece função protetora contra estímulos auditivos fortes, através da contração do músculo do estapédio, que está ligado à porção posterior da cabeça do estribo. A contração reflexa deste músculo, denominada reflexo acústico ou estapediano, restringe a movimentação da cadeia ossicular pelo aumento de rigidez do sistema, alterando a impedância da orelha média, aumentando a resistência do sistema à passagem de sons intensos, principalmente os de baixa freqüência (BESS & HUMES, 1998). Segundo Russo (1993) o mecanismo de transdução inicia quando a força mecânica, amplificada e transmitida da orelha média para a interna pelos ossículos, é transformada em pressão hidráulica, gerando movimento nos líquidos do ducto coclear e nas células ciliadas do órgão de Corti, o centro da audição. As ondas de pressão sonora na cóclea iniciam sua trajetória pela janela oval, passando pelas rampas vestibular e timpânica indo finalizar na janela redonda.

15 15 Essas rampas são separadas por uma membrana flexível em cuja superfície repousa o ducto coclear e as células ciliadas do órgão de Corti, cujos cílios estão embebidos em outra membrana gelatinosa, a membrana tectória. A movimentação oposta das duas membranas, imposta pela inversão de fase na transferência de energia para as duas janelas cocleares, faz com que os cílios dobrem e liberem uma substância química que desencadeia o impulso eletro-nervoso que caminhará pelas fibras do nervo auditivo até o cérebro (RUSSO, 1993). 2.2 SOM: DEFINIÇÃO E CARACTERÍSTICAS Definição de som Segundo Russo (1993), dependendo do ponto de vista abordado, o som pode ter múltiplas definições. Para o leigo o som é tudo que ouvimos. Para o físico é uma forma de energia vibratória que se propaga em meio elásticos. Para o psicólogo é uma sensação inerente a cada indivíduo. O fisiologista se interessa pela maneira como o som é conduzido pelas vias auditivas até atingir o cérebro. Estas definições apesar de diversas estão corretas, pois cada profissional lida com o conceito de som de acordo com o interesse e a necessidade de sua área. Menegottto & Couto (1998) define o movimento ondulatório como o transporte de energia, de um ponto para outro no espaço, sem que ocorra transporte simultâneo de matéria. Nas ondas sonoras classificadas como ondas mecânicas, este transporte se dá através de uma oscilação ou vibração que se propaga em um meio elástico gerando uma perturbação na pressão estática deste meio, que tende a voltar ao normal cessada a perturbação. O movimento ondulatório faz com que existam regiões de compressão (maior densidade de partículas) e rarefação (menor densidade de partículas). Gerges (2003) define o som como flutuações de pressão em um meio compressível que podem ou não produzir sensação auditiva quando atingem o ouvido humano. A sensação do som só ocorrerá quando a amplitude destas flutuações e a freqüência com que elas se repetem estiverem dentro de determinada

16 16 faixa de valores. As flutuações de pressão com amplitudes inferiores ao limiar de audição não serão audíveis, bem como as ondas de nível alto, que podem produzir uma sensação de dor ao invés de som. As ondas cujas freqüências de repetição das flutuações estão abaixo (20 Hz) ou acima (20 KHz), são denominadas respectivamente infrassônicas e ultrassônicas, e não serão percebidas pelo ouvido humano Características do Som Russo (1997) descreve as três características fundamentais do som necessárias à compreensão desta grandeza: altura, intensidade e timbre. A altura relaciona-se a freqüência do som, sendo classificado em grave ou agudo. Quanto mais alta a freqüência mais agudo é o som. Quanto mais baixa a freqüência mais grave ele será. A unidade usada para freqüência é o Hertz (Hz), em homenagem ao físico alemão Heinrich Hertz. Os sons da fala apresentam energia concentrada na faixa de freqüência entre 100 Hz a 8 khz, com maior concentração entre 400 Hz e 4 khz (RUSSO, 1997). A figura abaixo representa o espectro de freqüência audível: 20 Hz 100 Hz 8 khz 20 khz / / / / Infra-sons Sons da fala Ultra-sons Figura 1 Espectro de freqüência audível. Fonte: Torrês 2007 A intensidade esta relacionada tanto com amplitude do som quanto à sua pressão efetiva e sua energia transportada, sendo classificada em fraca ou forte. A unidade de intensidade é o decibel (db) em homenagem a Alexander Graham Bell, inventor do telefone. O limiar mínimo de detecção ou audibilidade que o ouvido é capaz de perceber foi estabelecido em zero decibel. O limiar de desconforto é 120 db e o de dor 140 db (RUSSO, 1997).

17 17 Segundo Russo (1997) o timbre é um atributo da fonte sonora que permite diferenciar um mesmo som produzido por diferentes fontes sonoras. Cada som produzido por um instrumento musical possui um timbre característico. Tôrres (2007) define som como a impressão fisiológica causada por uma onda mecânica quando atinge o ouvido. A freqüência é o número de vibrações realizadas por um corpo num intervalo de um segundo. A intensidade é a quantidade de energia contida no movimento vibratório podendo ser expressa em termos de energia (W/cm²) ou em termos de pressão sonora (N/m² ou Pascal). Por serem estas escaldas de difícil tratamento, devido à variação logarítmica da sensação sonora, recorre-se a um escala auxiliar para a avaliação de intensidade, que é o decibel (db), numa escala logarítmica de 0 a 150 db. Os sons apresentam-se de diversas formas: músicas, cantos dos pássaros, conversa entre pessoas, toque de telefone, sons do trânsito, das indústrias, ondas do mar, choro de uma criança. Uma gama de sons que variam de agradáveis a desagradáveis. Na sociedade moderna encontramos muitos sons indesejosos e definidos como ruído (GERGES, 2003) 2.3 RUÍDO: HISTÓRICO, DEFINIÇÃO E TRANSTORNOS Histórico do ruído Encontra-se na história vários relatos sobre exposição a ruído e suas conseqüências. Júlio César (50-44 AC) proibiu durante o seu governo frente ao Império Romano, a circulação durante a noite dos pesados veículos movidos à tração animal sobre o pavimento de pedra da cidade, para não perturbar o sono dos cidadãos. No século I, têm-se a descrição de Caius Plinius a respeito do ensurdecimento de pessoas que viviam próximas as cataratas do rio Nilo, provavelmente a primeira correlação entre ruído e perda auditiva. Na idade média, no século XII, os chineses inventaram a pólvora usada em seus conflitos militares. Dois séculos depois a Europa utiliza como principal elemento bélico uma espécie de farinha composta de enxofre, carvão e salitre. Dependendo da prescrição usada

18 18 maior era seu poder explosivo e igualmente maior o seu ruído. A partir daí a atividade da guerra passou a produzir, também uma grande quantidade de surdos. Em 1713 Ramazzini descreve a surdez com uma das doenças dos bronzistas. A revolução industrial (1789) consagrou termos como a surdez dos tecelões e dos ferroviários. Thomas Barr, 1800, relatou a presença de surdez em trabalhadores na produção de vidro. Haberman (1906) em um estudo demonstrou lesões no órgão de Corti em necropsia de um indivíduo com antecedentes de trabalho em ambiente ruidoso. Avanços nestes estudos ocorreram após a II Guerra Mundial devido ao desenvolvimento tecnológico e ao grande número de soldados com perda auditiva. Em 1951 verificam-se relatos de surdez ocupacional em operários que trabalhavam em ambientes ruidosos, estudos de profilaxia com o intuito de diminuir o ruído e estudos sobre proteção auditiva. Em 1966, trabalhos científicos mostraram que a exposição a ruído em níveis acima de 85 db por oito horas diárias durante cinco dias por semana seria a causa de perda auditiva em trabalhadores (AZEVEDO, 2004; TORRÊS, 2007). Atualmente, o ruído é considerado a terceira principal causa de poluição no mundo constituindo-se em um dos principais problemas de saúde ocupacional e ambiental, representando o agente físico nocivo mais frequentemente encontrado no ambiente de trabalho. (TÔRRES, 2007) Definição de ruído Segundo Tôrres (2007) a palavra ruído deriva do latim rugitu e significa estrondo, sendo definido acusticamente, como várias ondas com relação de amplitude e fase distribuídas anarquicamente, provocando sensação desagradável. Para Russo (1997) todo som tem o potencial de ser descrito como ruído, pois este tem origem em uma classificação subjetiva que varia de acordo com o ouvinte e sua distinção se refere ao fato deste ser ou não desejável. Fumero (2000) define o ruído como uma sensação auditiva desagradável ou ainda um som não desejado pelo ouvinte, que interfere na percepção do som desejado ou é fisiologicamente nocivo.

19 19 Ferreira Júnior (1998) critica a definição do ruído em sons desarmônicos desagradáveis, uma vez que sons harmônicos agradáveis, dependendo da sua intensidade e tempo de exposição, podem levar a um comprometimento auditivo. Objetivamente, o ruído é definido como um sinal acústico aperiódico, originado da superposição de vários movimentos de vibração com diferentes freqüências, as quais não apresentam relação entre si. Quantitativamente, pode-se defini-lo levando em consideração sua nocividade. Para tanto se deve considerar a sua intensidade, espectro de frequência e duração da exposição. Nos trabalhadores expostos a ruídos deve-se considerar também a distribuição da exposição durante um dia típico de trabalho, e exposição total durante a vida de trabalho (MELNICK, 1999). Melnick (1999) apresenta uma definição qualitativa para o ruído, segundo a variação do seu nível de intensidade com o tempo, em ruídos contínuos, flutuantes, intermitentes e de impacto ou impulso. O ruído contínuo apresenta variações de níveis desprezíveis (menos 5dB) durante o período de observação. O ruído flutuante é o mais encontrado nas indústrias. Nesta categoria temos um ruído contínuo cujo nível aumenta e diminui em mais de 5 db durante o tempo de observação. No ruído intermitente, também descrito como descontínuo, seu nível varia de baixas intensidades a ruídos intensos e lesivos, durante o período de observação. O fenômeno acústico associado às explosões caracteriza o ruído de impacto, onde se observa pico de energia acústica de duração inferior a um segundo. A intensidade varia de 100 db para o ruído de impacto e 140 db para o ruído impulsivo Transtornos associados ao ruído O ruído é causador de danos à saúde física, mental e social, e seus efeitos são classificados como auditivos e extra-auditivos (MELNICK, 1999). De acordo com Melnick (1999) os efeitos auditivos do ruído podem ser divididos geralmente em três categorias: mudança temporária do limiar (MTL), mudança permanente do limiar (MPL) e trauma acústico.

20 20 A mudança temporária do limiar (MTL) ou fadiga auditiva é um efeito em curto prazo que pode seguir uma exposição aguda a ruído. Na MTL ocorre uma elevação do limiar de audibilidade seguida ou não de queixa de zumbido e ouvido tampado. Cessada a exposição ao ruído o limiar volta a valores normais e as queixas desaparecem. A exposição crônica a ruído é responsável pela mudança permanente do limiar, caracterizando uma alteração auditiva irreversível, diagnosticada como Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR) ou Perda Auditiva Induzida por Níveis de Pressão Sonora Elevado (PAINPSE). Nesta categoria temos uma perda auditiva que não se recuperada quando cessada a exposição, ocorrendo apenas sua estabilização (MELNICK, 1999). O trauma acústico refere-se a uma perda auditiva de instalação súbita, provocada por ruído inesperado e de grande intensidade, como, por exemplo, uma explosão ou uma detonação. Em alguns casos temos a recuperação total da audição, em outros ela se dá parcialmente (MELNICK, 1999). O zumbido é outra queixa auditiva muito comum entre trabalhadores expostos a ruído. Segundo Possani (2006) o zumbido é definido como uma sensação auditiva ilusória sem a presença de um som externo, que pode estar relacionado a várias doenças. Em seu trabalho ela faz um levantamento epidemiológico sobre o zumbido, constatando que a exposição a ruído é uma das principais causas deste sintoma. O zumbido observado nos trabalhadores expostos ao ruído é do tipo subjetivo, ouvido somente por eles e gerado pelo sistema auditivo sensorioneural devido às agressões sofridas pelas células ciliadas do órgão de Corti que alteram o seu funcionamento. Essa agressão faz com que os canais iônicos, que só eram ativados com o estímulo sonoro, realizem troca iônica independente da chegada da onda sonora, gerando um impulso elétrico que, transmitido pela fibra nervosa, atingem o cérebro causando zumbido (POSSANI, 2006). Atualmente, os efeitos extra-auditivos do ruído são objetos de várias pesquisas, e teorias explicam que o estímulo auditivo antes de atingir o córtex cerebral, passa por inúmeras estações subcorticais em particular das funções vegetativas desencadeando estes efeitos no organismo. Acredita-se que os órgãos do corpo humano são afetados pelo ruído por meio de um mecanismo indireto que ativa ou inibe o sistema nervoso central e periférico (MEDEIROS, 1999).

21 21 Segundo Carmo (1999) as revisões na literatura científica nos últimos 20 anos comprovam que a exposição crescente ao ruído é geradora de estresse ou perturbação do ritmo biológico ocasionando transtornos tais como: da habilidade de executar atividades, neurológicos, vestibulares, digestivos, cardiovasculares, hormonais, do sono e comportamentais. De acordo com Cordeiro et al (2005) o ruído ocupacional gera dificuldades de comunicação, de manutenção da atenção e concentração, de memória, além do estresse e fadiga excessiva, o que o torna um desencadeador de acidentes do trabalho. Os autores acima realizaram um levantamento do índice de acidente de trabalho em trabalhadores às vezes expostos a ruído intenso, encontrando um risco relativo de acidentar-se de 3,7, enquanto que para aqueles que referiram sempre estarem expostos, o risco relativo foi de 5,0. Ao compararem os dados encontrados em sua pesquisa com a literatura internacional encontraram valores superiores. Para os autores tais achados justificam o investimento em programas de conservação auditiva, principalmente voltados para controle da emissão de ruídos na fonte, com o objetivo não apenas de manter a saúde auditiva, mas também contribuir para diminuir os acidentes do trabalho. 2.4 PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR) Definição de PAIR A perda auditiva pode ser classificada de acordo com sua localização topográfica. Os problemas auditivos no ouvido externo e médio são problemas na condução do som, daí serem chamadas de perda auditiva condutiva. As alterações que ocorrem na orelha interna estão relacionadas ao processo de transdução do estímulo sonoro em neural, através dos receptores sensoriais do órgão de Corti, sendo classificada como perda auditiva neurossensorial. Quando uma perda auditiva apresenta característica tanto condutiva quanto neurossensorial ela é chamada de perda auditiva mista (RUSSO 1997).

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F. B. Moreira O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da

Leia mais

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03

Leia mais

Esse barulho me deixa surda!

Esse barulho me deixa surda! Esse barulho me deixa surda! A UU L AL A Você já reparou na quantidade de ruídos ao seu redor? Basta ficar dez segundos prestando atenção aos sons para notar o som da TV, um carro passando, um cachorro

Leia mais

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Universidade Federal de Minas Gerais Pampulha Ciências da Computação Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Trabalho apresentado à disciplina Processamento Digital de Som e Vídeo Leonel Fonseca Ivo 2007041418

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 451/2009 "Estabelece políticas públicas para garantir a saúde auditiva da população Capixaba, através de medidas e políticas para a redução

Leia mais

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186)

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) - Possibilita a percepção de sons diversos (fala, canto dos pássaros, barulho das ondas do mar, chacoalhar das folhas ao vento); - Os sons são transmitidos por

Leia mais

GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS

GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS GUIA DA AUDIÇÃO LÍDER MUNDIAL EM APARELHOS AUDITIVOS A WIDEX É WINDMADE WindMade é o primeiro rótulo global de consumo, identificando empresas que utilizam energia eólica; A Widex é a primeira empresa

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico.

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico. PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO Aleciane Aleni Thomazi 1 Dr. Euclides Antônio Pereira Lima 2 RESUMO A perda auditiva em ambientes de trabalho é a alteração mais frequente à saúde dos trabalhadores

Leia mais

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO Formadora - Magda Sousa O Ruído no Meio Ambiente O problema do Ruído no meio ambiente tem-se tornado, cada vez mais, numa

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes RUÍDO Trabalho Elaborado por: Bruno Pereira nº 13791 Engenharia Mecânica Fábio Oliveira nº 15434 Engenharia Química Filipe Ataíde nº 15909 Engenharia Química Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Conceito Poluição sonora é qualquer alteração nas características do som ambiente provocada por ruídos. Som e Ruído SOM É o resultado

Leia mais

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano O Ouvido Humano Eng. Adriano Luiz Spada Attack do Brasil 1- Introdução Neste artigo abordaremos as principais características do ouvido humano, uma das principais ferramentas para quem trabalha com áudio.

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O)

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Objetivos da Aula Saber Reconhecer: Características do som e do ruído ocupacional Noções de fisiologia auditiva e de audiometria clínicas Tipos de

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Auditiva Professor: Pai Chi Nan 1 2 1 Ouvido externo Orelha Canal auditivo externo Função Coleta de sons 3 Ouvido médio Tímpano Ossículos Martelo Bigorna

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores

Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores Guia do sistema de implante coclear Nucleus para educadores GUIA PARA EDUCADORES 3 Índice Capítulo 1: Introdução aos implantes cocleares...4 Capítulo 2: Histórico dos implantes cocleares...8 Capítulo

Leia mais

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação;

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação; O SOM Segundo a Diciopédia, o som pode ser: 1. Física: sensação auditiva produzida por vibrações mecânicas de frequência compreendida entre determinados valores (20 e 20 000 vibrações por segundo, em média);

Leia mais

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM POLUIÇÃO SONORA O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM SOM É o resultado de movimentos de flutuação de partículas de ar

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS As doenças otorrinolaringológicas relacionadas ao trabalho são causadas por agentes ou mecanismos irritativos, alérgicos

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

PAIRO E INCAPACIDADE LABORATIVA

PAIRO E INCAPACIDADE LABORATIVA PAIRO E INCAPACIDADE LABORATIVA Ainda encontramos um grande número de ações trabalhistas de reintegração por disacusias como também ações de indenização pelo mesmo motivo. Continuamos com o mesmo quadro

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Palavras Chaves: Perda auditiva induzida por ruído, audição, militares. Introdução

Leia mais

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente Ruído Como se define Define-se ruído, como sendo um som sem interesse ou desagradável para o auditor. O ruído (som) pode ser mais ou menos intenso, composto por uma só tonalidade ou composto por várias

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Laboratório de Psicofísica e Percepção AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Fga. Joseane dos Santos Piola Doutoranda do Programa de Pós graduação em Psicobiologia 2009 AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA CLÍNICA: sentimentos-k-sinto-no-coraxao.blogspot.com

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho

Segurança e Saúde no Trabalho www.econcursando.com.br Segurança e Saúde no Trabalho Autor: Flávio O. Nunes Auditor Fiscal do Trabalho Todos os direitos reservados ao professor Flávio Nunes cópia proibida 1 NR-07 - PCMSO CLT: Art. 168

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído Anatomia do Ouvido O ouvido consiste em três partes básicas o ouvido externo, o ouvido médio, e ouvido interno. Perda da audição, por lesão do ouvido interno, provocada pela exposição ao ruído ou à vibração

Leia mais

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição Sistema Sensorial Biofísica da Audição Falar pelos cotovelos... Ouvir pelos joelhos... SENTIDO DA AUDIÇÃO - FINALIDADE Detectar predadores, presas e perigo Comunicação acústica intra - específica Som propagação

Leia mais

Perda Auditiva Induzida por Ruído

Perda Auditiva Induzida por Ruído AUDIÇÃO E TRABALHO Audição e Trabalho Ouvir é essencial para a comunicação verbal. É pela audição que percebemos os sons e temos uma boa orientação ambiental. A audição é um canal importante de entrada

Leia mais

Proteção Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auditivos

Proteção Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auditivos Proteção Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auditivos 1 Perda Auditiva Induzida por Ruído: Conceitos Perda auditiva por exposição a ruído do trabalho Perda auditiva profissional Surdez ocupacional

Leia mais

Propriedades Físicas do Som

Propriedades Físicas do Som 12 Capítulo 2 Propriedades Físicas do Som 1. - Introdução O som é um fenômeno vibratório resultante de variações da pressão no ar. Essas variações de pressão se dão em torno da pressão atmosférica e se

Leia mais

A NATUREZA DO SOM. Diogo Maia

A NATUREZA DO SOM. Diogo Maia A NATUREZA DO SOM Diogo Maia "SE UMA ÁRVORE CAÍSSE NA FLORESTA E NÃO HOUVESSE NINGUÉM LÁ PARA OUVIR, ELA FARIA BARULHO...? "SE UMA ÁRVORE CAÍSSE NA FLORESTA E NÃO HOUVESSE NINGUÉM LÁ PARA OUVIR, ELA FARIA

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo.

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Sistema auditivo Audição Audição Audição e equilíbrio Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Possui glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas apócrinas modificadas glândulas

Leia mais

O que caracteriza um som?

O que caracteriza um som? O que caracteriza um som? As características de uma onda sonora são conectadas com os conceitos físicos originários da observação de Fenômenos Periódicos, tal como o Movimento Circular Uniforme (MCU) e

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 Apesar dos diversos benefícios trazidos pelo progresso, os impactos ambientais decorrentes

Leia mais

PAIRO. Carla Marineli

PAIRO. Carla Marineli PAIRO Carla Marineli Fonoaudióloga / Psicopedagogia Especialista em Audiologia Mestranda em Ciências Médicas - UNIFOR Coordenadora e Docente da Especialização em Audiologia da UNIFOR Coordenadora dos Cursos

Leia mais

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015 EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES PCMSO (NR-7) estabelece que o programa deverá ser desenvolvido sob a responsabilidade de um médico coordenador (OBRIGATORIAMENTE MT, podendo este repassar responsabilidades

Leia mais

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas Deficiência Auditiva Definição, Classificação, Características e Causas Definição Impossibilidade total ou parcial de ouvir, e possui níveis de graduação que vão do leve ao profundo. Diferença existente

Leia mais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais Riscos Ambientais Riscos Ambientais São os agentes, elementos ou substâncias presentes nos locais de trabalho. A exposição dos trabalhadores a estes agentes pode causar acidentes com lesões ou danos à

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

Fisiologia Sentidos Especiais

Fisiologia Sentidos Especiais O Olho Fisiologia Sentidos Especiais Profa. Ana Maria Curado Lins, M.Sc Anatomia do Olho Esclerótica: membrana mais externa do olho, é branca, fibrosa e resistente; mantém a forma do globo ocular e protege-o;

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA PCA PASSOS: 1-LEVANTAMENTO/MONITORAMENTO AMBIENTAL 2-MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA 3-MEDIDAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS Acidente de trabalho é uma ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA 1 INTRODUÇÃO A audição possibilita a aquisição da linguagem e a conseqüente integração do homem com o mundo sonoro e social.

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

Escola Secundária Emídio Navarro. Fisica e Quimica 11ºano CT3

Escola Secundária Emídio Navarro. Fisica e Quimica 11ºano CT3 Escola Secundária Emídio Navarro Fisica e Quimica 11ºano CT3 Ana Catarina Rato, nº2. Daniel Costa, nº9. Herlander Barreto, nº13. Professora Manuela Teixeira Fevereiro de 2010 0 Índice Introdução 1 Som:

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

Resumo. 1 Alunos do Curso de Fonoaudiologia, componentes do programa de Iniciação Científica.

Resumo. 1 Alunos do Curso de Fonoaudiologia, componentes do programa de Iniciação Científica. O RUÍDO URBANO E A SAÚDE AUDITIVA Aretuza Serrão Pinto 1 Leandro Jares P. da Cunha 1 Lucianna Daniella S. dos Santos 1 Erick Maklin Machado Távora 2 Jarbas da Silveira Coelho Sarmento Filho 2 Leano Nobuyuki

Leia mais

META Compreender o mecanismo sensorial responsável pela formação da audição humana, assim como, algumas patologias que afetam este processo.

META Compreender o mecanismo sensorial responsável pela formação da audição humana, assim como, algumas patologias que afetam este processo. BIOFÍSICA DA AUDIÇÃO META Compreender o mecanismo sensorial responsável pela formação da audição humana, assim como, algumas patologias que afetam este processo. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno

Leia mais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais Introdução ao Ruído Vibrações e Ruído (10375) 2014 Tópicos Som. Pressão Sonora e Potência Sonora. Níveis Sonoros. 2 1. Som O som pode ser definido como uma manifestação positiva resultante da variação

Leia mais

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2)

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2) Disciplina: Biologia Série: 6ª série - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Órgãos dos sentidos (2) ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2) A Audição O ouvido é o órgão coletor dos estímulos externos,

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

Física experimental - Ondulatória - Conjunto para ondas mecânicas II, adaptador para osciloscópio com sensor e software - EQ181F.

Física experimental - Ondulatória - Conjunto para ondas mecânicas II, adaptador para osciloscópio com sensor e software - EQ181F. Índice Remissivo... 5 Abertura... 7 Guarantee / Garantia... 8 Certificado de Garantia Internacional... 8 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES PI-PR-6 20/01/29 PI-PR-6 - PROGRAMA DE PROTEÇÃO AUDITIVA - PPA Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBS. 20/01/29 Emissão Inicial ELABORAÇÃO: (ÁREA) FUNÇÃO / INICIAIS: R SO / VC

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

Denilson Cazuza dos Santos

Denilson Cazuza dos Santos LEGISLAÇÃO E NORMAS. SEGURANÇA E MEDICINA NO TRABALHO Denilson Cazuza dos Santos denilsoncazuza@terra.com.br NORMAS APLICAVEIS CF - Constituição Federal 88 Código Civil, art. 186 e 927 Código Penal ART.

Leia mais

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho);

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho); ASPECTOS LEGAIS SOBRE A SEGURANÇA D O TRABALHO E SUA IMPLICAÇÃO PARA A EMPRESA NA SUA GESTÃO JURÍDICA. SEGURANÇA DO TRABALHO São os conjuntos de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes

Leia mais

ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA

ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA INTRODUÇÃO É o segmento da Física que interpreta o comportamento das ondas sonoras audíveis frente aos diversos fenômenos ondulatórios. Acústica

Leia mais

Prova Discursiva de SST Professor Flávio Nunes

Prova Discursiva de SST Professor Flávio Nunes QUESTÃO 13: A empresa Cabeça de Prego Metalúrgica Ltda. possui, no setor de produção de pregos metálicos de duas cabeças, diferentes máquinas e equipamentos, que são operadas por trabalhadores capacitados.

Leia mais

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem 71 Capítulo 9 Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem Nos últimos anos, os altos níveis de ruído se transformaram em uma das formas de poluição que atinge maior número de pessoas. A poluição sonora

Leia mais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais MORAIS, Leonardo Bianchini. O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico

Leia mais

RUÍDOS EM AVIAÇÃO CONTEÚDO

RUÍDOS EM AVIAÇÃO CONTEÚDO 1 / 14 RUÍDOS EM AVIAÇÃO CONTEÚDO Introdução Generalidades sobre o Som Generalidades sobre a Audição Generalidades sobre o Trauma Sonoro Programa de Conservação da Audição 2 / 14 I - INTRODUÇÃO O ruído

Leia mais

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC SURDEZ NO IDOSO www.sorocaba.pucsp.br/atn/apostilas/otorrino/index.htm www.dgsotorrinolaringologia.med.br Imagens particulares e de livros e artigos de vários autores. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local. Vibrações. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local. Vibrações. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS Vibrações Formadora - Magda Sousa Enquadramento Legal Decreto - Lei n.º 46/2006 transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

Introdução à perda auditiva

Introdução à perda auditiva Introdução à perda auditiva A importância da audição Ser capaz de ouvir é uma parte importante para uma vida ativa e agradável. A audição normal nos permite conectar-se com o mundo ao nosso redor, para

Leia mais

O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE)

O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE) Página 1 de 5 O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE) Texto extraído do Jus Navigandi http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=10065 Leonardo Bianchini Morais

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

Perda Auditiva Ocupacional. Profa. Ms. Angélica Pezzin Palheta

Perda Auditiva Ocupacional. Profa. Ms. Angélica Pezzin Palheta Perda Auditiva Ocupacional Profa. Ms. Angélica Pezzin Palheta Fatores para a Perda Auditiva Ocupacional Agentes físicos: ruído, vibrações, radiações, temperaturas extremas, pressões anormais, umidade;

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Técnico em Segurança do Trabalho Gerenciamento de Riscos Professor: Marcio Ruiz Maia AULA 02 Conceitos na Gerencia de Riscos 2.1) Revisão de conceitos de Segurança 2.2) Conceitos Básicos de SST 2.3) As

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA Nome da atividade: DE PERDAS AUDITIVA RESULTADOS ESPERADOS: - PREVENIR A INSTALAÇÃO DE PERDAS AUDITIVAS OCUPACIONAIS. - CONTROLAR A EVOLUÇÃO DE PERDAS JÁ EXISTENTES - DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE PERDAS AUDITIVAS

Leia mais

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA GRUPO 5.2 MÓDULO 6 Índice 1. Crianças com Deficiência Auditiva...3 1.1. Os Ouvidos... 3 1.2. Mecanismo da Audição... 3 2. Saúde Auditiva...4 3. Definição de Deficiência Auditiva...5 3.1. Classificação...

Leia mais

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional.

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS foi elaborada de acordo com as regras estabelecidas nas Diretrizes ISO/IEC,

Leia mais