Equipe Técnica: Pesquisadores: Sábado Nicolau Girardi Mariângela Leal Cherchiglia José Ângelo Machado João Girardi Júnior.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Equipe Técnica: Pesquisadores: Sábado Nicolau Girardi Mariângela Leal Cherchiglia José Ângelo Machado João Girardi Júnior."

Transcrição

1 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO NÍVEIS DE OFERTA E MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO PARA ESPECIALIDADES MÉDICAS, OUTRAS PROFISSÕES DE SAÚDE E SERVIÇOS DE APOIO DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICO NA REDE HOSPITALAR DO ESTADO DE SÃO PAULO RELATÓRIO DE PESQUISA BELO HORIZONTE JANEIRO 2002

2 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO RELATÓRIO DA PESQUISA NÍVEIS DE OFERTA E MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO PARA ESPECIALIDADES MÉDICAS, OUTRAS PROFISSÕES DE SAÚDE E SERVIÇOS DE APOIO DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICO NA REDE HOSPITALAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Equipe Técnica: Pesquisadores: Sábado Nicolau Girardi Mariângela Leal Cherchiglia José Ângelo Machado João Girardi Júnior Apoio Técnico: Jackson Freire Araujo Mônica Alvim Mendonça Operadores: Alice Werneck Massote André de Souza Pena Andréa Goulart Souza Lima Anselmo Nonato Martins Daniella Castro Aguiar Guimarães Correa Diego D Almeida Guilherme Filipe Nogueira Antonini Joéfisson Saldanha dos Santos Luciana Mota Rodrigues Guilherme Mayra Emanuelle Cardoso Vinícius Ricoy Leão Wander Lúcio Silveira Garcia Belo Horizonte Janeiro

3 SUMÁRIO SEÇÃO 1 1. Introdução 01 SEÇÃO 2 2. Metodologia 02 SEÇÃO 3 Oferta e Formas Institucionais de Contratação de Serviços de Saúde na Rede Hospitalar do Estado de São Paulo Especialidades Médicas 3.1. Aspectos Gerais Oferta e Modalidades de Contrato por Natureza Jurídica Setor Lucrativo Setor Não Lucrativo Setor Público Oferta e Modalidades de Contrato por Porte de Estabelecimento Hospitalar Outras Profissões de Saúde Aspectos Gerais Oferta e Modalidades de Contrato por Natureza Jurídica Setor Lucrativo Setor Não Lucrativo Setor Público Oferta e Modalidades de Contrato por Porte de Estabelecimento Hospitalar Serviços de Apoio Diagnóstico e Terapêutico Aspectos Gerais Oferta de Serviços e Modalidades de Propriedade e Contratação por Natureza 58 Jurídica Setor Lucrativo Setor Não Lucrativo Setor Público Oferta de Serviços e Modalidades de Propriedade e Contratação por Porte de 66 Estabelecimento Hospitalar SEÇÃO 4 Anexos Anexo 1 - Resultados do survey por Delegacias Regionais 80 Anexo 2 - Regiões Administrativas do Estado de São Paulo - Relação Anual de Informações Sociais - RAIS/ Anexo 3 - Máscara Operacional 319

4 SEÇÃO 1 Introdução Neste trabalho apresentamos os principais resultados da pesquisa Níveis de Oferta e Modalidades de Contratação para Especialidades Médicas, outras Profissões de Saúde e Serviços de Apoio Diagnóstico e Terapêutico na Rede Hospitalar do Estado de São Paulo. A pesquisa foi realizada através de Entrevistas por Telefone Assistidas por Computador (ETAC), cobrindo 360 estabelecimentos hospitalares. O universo pesquisado correspondeu a uma amostra probabilística estratificada por natureza jurídica dos estabelecimentos e delegacias do Estado e teve por objetivo básico realizar um estudo que identificasse as formas institucionais de contratação de pessoal e serviços na área médica. 1

5 SEÇÃO 2 Metodologia Nesta seção serão apresentados os procedimentos metodológicos utilizados na pesquisa, com a descrição do desenvolvimento do trabalho. Este contituiu-se em estudos quantitativos para caracterização da situação da oferta e formas de contratação de especialidades médicas e serviços de saúde nos hospitais de São Paulo, coletando-se dados relativos a todas as delegacias do Estado. Para isso, foram feitos estudos a partir de fontes primárias e secundárias, a saber: um survey telefônico sobre oferta e formas de contratação de serviços de saúde (especialidades médicas, serviços profissionais e serviços de complementação diagnóstica e terapêutica) e uma análise estatística de dados empíricos provenientes de diversas fontes relativas ao mercado de trabalho na área de saúde e oferta de serviços especializados. As principais fontes utilizadas para realizar o estudo foram o Cadastro de Estabelecimentos Empregadores do Ministério do Trabalho e Emprego (CEE) e o cadastro de estabelecimentos hospitalares do CREMESP, cujo cruzamento permitiu a confecção da amostra de estudo. Sobre esta, foi realizada um survey por meio de Entrevistas Telefônicas Assistidas por Computador a gerentes e administradores, no período de junho a agosto de O survey cobriu 360 (trezentos e sessenta) hospitais, sendo coletados dados sobre a oferta de especialidades e serviços de saúde, oferta de serviços e tecnologias de complementação diagnóstica e terapêutica, bem como suas formas institucionais de contratação e local de operação dos serviços. Ademais foram coletados dados sobre oferecimento de cursos, vínculos com instituições, geração de produtos e principais fontes de receitas. Fontes de Dados 1. Cadastro de Estabelecimentos Empregadores do Ministério do Trabalho e Emprego - CEE 2

6 O CEE/MTE contem informações cadastrais sobre todos os estabelecimentos do país que mantiveram contato com os programas sociais do Ministério do Trabalho e Emprego (RAS, CGC, CEI, CAGED, Seguro-Desemprego). 2. Cadastro de Estabelecimentos Hospitalares do CREMESP Desenho e Execução da Pesquisa por ETAC Moldura de Amostragem Para construir a moldura da amostragem foram cruzados o Cadastro de Estabelecimentos Empregadores do Ministério do Trabalho e Emprego (CEE) e do cadastro de estabelecimentos hospitalares do CREMESP. Através do CEE recortou-se o segmento da base correspondente aos estabelecimentos com atividade de atendimento hospitalar (código da Classificação Nacional de Atividade Econômica de 1995 Atividades e Atendimento Hospitalar), agregando-se todas as categorias de natureza jurídica, chegando a uma moldura de amostragem de 824 hospitais. Plano Amostral Para confecção da amostra adotou-se um intervalo de confiança de 90% e 5% de margem de erro, chegando a uma amostra de 483 estabelecimentos, calculada de forma a assegurar a representatividade por natureza jurídica dos estabelecimentos e por delegacias do estado. Esta amostra significa 58,6% dos hospitais paulistas constantes da base de dados do CEE. Após sorteio dos estabelecimentos foi confeccionado mailing para pesquisa telefônica. Os dados não encontrados no Cadastro, como é o caso da imensa maioria dos números telefônicos, foram coletados de forma complementar 3

7 através do serviço de busca telefônica disponibilizado via Internet ou via serviço da própria operadora telefônica regional. Dados incompletos, incorretos e informações faltantes foram adicionadas ao Cadastro original. Informantes e aspectos operacionais As perguntas foram dirigidas aos gestores dos estabelecimentos (diretores, provedores e administradores dos hospitais) ou, alternativamente, a um informante por ele indicado. As questões do formulário foram estruturadas em meio digital para coleta e processamento dos dados. A grande maioria das questões foi estruturada na forma de questionário fechado. Foram abertas, entretanto, janelas para questões específicas e explicativas que fugissem ao que foi previsto no modelo de formulário. Para operação da pesquisa foram utilizadas 06 (seis) posições de telepesquisa ocupadas por 12 (doze) operadores e um servidor de rede operado pelos supervisores da pesquisa. Aos supervisores foi assignada a tarefa da revisão e validação dos questionários realizados. A validação dos questionários foi efetuada a uma razão de 20% das pesquisas aplicadas, selecionadas aleatoriamente. Os questionários validados recebiam os códigos correspondentes à pesquisa realizada ou encerrados como pesquisa não realizada e os demais eram re-encaminhados para nova pesquisa. Entre os códigos de pesquisa realizada incluem-se: (a) pesquisa completa para aqueles que responderam a todos os quesitos; (b) não respondeu, para os estabelecimentos que se recusaram explicitamente em responder a pesquisa; (c) solicitou fax, para os estabelecimentos que reportaram que só responderiam a pesquisa mediante o envio de fax ou correspondência; (d) telefone não encontrado; (e) estabelecimento desativado ou extinto, para aqueles que não se encontravam em funcionamento no período da pesquisa. O trabalho foi executado em dois turnos de 4 horas. As entrevistas tiveram uma duração média de 22 minutos, sendo realizadas, em média, 4 (quatro) chamadas telefônicas por estabelecimento. Os dados foram coletados entre 04 de junho e 31 de agosto de

8 Questionário e variáveis pesquisadas O formulário da pesquisa, com as questões detalhadas, pode ser visto no Anexo Metodologia (Anexo 1). O questionário possui 1 bloco de informações cadastrais; 1 bloco sobre oferta e formas de contratação de especialidades médicas; 1 bloco sobre outras profissões de saúde; 1 sobre serviços de apoio terapêutico e serviços de apoio diagnóstico; 1 bloco sobre vínculos com instituições de ensino e pesquisa e 1 bloco de informações complementares. Enquanto caracterização mais geral, a pesquisa buscou conhecer entre outras questões, aspectos que permitem a caracterização geral do estabelecimento quanto: - natureza da entidade mantenedora; - localização geográfica; - especialidade do estabelecimento; - número de leitos; - posse de certificado de filantropia; - prestação de serviços ao SUS; - prestação de serviços para plano de saúde próprio do estabelecimento; - prestação de serviços para convênios, planos e seguros de saúde terceiros; - principais fontes de receitas; - existência de vínculos com instituições do sistema de ensino e pesquisa. O cruzamento de variáveis relativamente às fontes de receitas e prestação de serviços aos diversos segmentos permitiu a identificação de quatro segmentos da rede hospitalar paulista: o segmento que atende ao SUS; o segmento que possui planos de saúde próprios; o segmento que atende convênios e planos terceiros, e o segmento que atende por desembolso direto. Os blocos relacionados à oferta e formas de contratação dos serviços constituem o core da pesquisa. Estes relacionam o leque de oferta de 5

9 determinados tipos de serviços no estabelecimento às modalidades em que são contratados. Investigou-se a oferta dos seguintes tipos de serviços: (i) serviços de profissionais médicos segundo as 19 (dezenove) especialidades selecionadas; (ii) serviços de outros profissionais de saúde segundo profissão 11 (onze) profissões; (iii) 5 (cinco) tipos de apoio terapêutico; (iv) 13 (treze) tipos de serviços de apoio diagnóstico, selecionados pela combinação de critérios de essencialidade e complexidade. Considera-se que existe oferta quando o serviço é prestado ao paciente, seja através de pessoal assalariado ou equipamentos de propriedade do estabelecimento seja por intermédio de autônomos (pessoa física) ou terceiros (pessoa jurídica) contratados pelo estabelecimento. Em caso positivo, ou seja, de haver a oferta, não interessou à pesquisa quantificar o número de especialistas ou de profissionais ou empresas de SADT contratadas. Dessa forma, os resultados reportam o leque de serviços oferecidos e as taxas ou índices de oferta agregada para cada tipo de especialidade, profissão ou serviço. Nos casos de resposta positiva para oferta em cada uma das especialidades médicas, profissões de saúde e serviços de complementação diagnóstica e apoio terapêutico - SADT, selecionados, investigou-se a forma pela qual o serviço profissional ou tecnológico era ofertado ou "contratado" pelo estabelecimento. No caso de um serviço, ou especialidade médica, ou profissão, ser contratado em mais de uma maneira, registrou-se as diversas formas, discriminando-se, contudo a forma predominante ou principal. Basicamente, o que se buscou conhecer, com relação aos serviços de especialidades médicas e profissionais de saúde ofertados nos hospitais de São Paulo foi a forma institucional de "contratação" do serviço pelo hospital, ou seja: (i) se o hospital contratava os profissionais por meio de relação salarial CLT, Estatutário ou Contrato Temporário, (ii) se obtinha o serviço de indivíduos autônomos (pessoas físicas) remunerados pro labore pelo próprio hospital ou via SUS pelos mecanismos conhecidos como Código 7 e Código 4; (iii) se para 6

10 oferecer o serviço o hospital contratava pessoas jurídicas, a exemplo de grupos e empresas de médicos e profissionais organizados como sociedades de quotas por responsabilidade limitada, sociedades civis com fins lucrativos de profissões regulamentadas; de cooperativas e outras formas empresariais. Com relação à contratação de SADT buscou-se investigar, ademais, se os equipamentos e serviços eram de propriedade do estabelecimento ou de terceiros juridicamente autônomos ou constituídos como pessoa jurídica, e neste caso o "tipo" de pessoa jurídica (agregados como empresa e cooperativa). Ainda com relação aos SADT, investigou-se se o serviço era prestado dentro ou fora do hospital e se a operação dos equipamentos e serviços era feita com pessoal próprio ou pessoal contratado ou terceirizada. Situação da Pesquisa e Taxas de Resposta Conforme se observa na Tabela 1, a pesquisa telefônica alcançou uma taxa de pesquisa completa de 70,6% para o conjunto dos hospitais da amostra. Recusaram-se a responder à pesquisa apenas 23 hospitais, correspondendo a 4,8% da amostra. Um total de 4,8% dos hospitais encontravam-se desativados ou extintos, ou são inexistentes. Do total de pesquisas completas, obteve-se uma cobertura de 66,7% dos hospitais lucrativos amostrados, de 89,9% dos hospitais não-lucrativos e 67,6% dos hospitais públicos. Brady & Orren (1992:64) relatam taxas de recusa da ordem de 28% a 35% para um conjunto de pesquisas telefônicas realizadas nos Estados Unidos, e de 15% a 38% em surveys telefônicos em estabelecimentos comerciais no Canadá. As taxas de pesquisa completa nestes estudos variaram de 30% a 52% nos Estados Unidos e de 57% a 60% no Canadá 1. Entre nós, estudos realizados junto a hospitais, pela Estação de Pesquisa de Sinais de Mercado de Trabalho do NESCON UFMG, revelaram taxas de resposta completa girando em torno dos 70%. 1 Brady H.E & Orren, G.R, (1992) Polling Pitfalls: Sources of Error in Public Opinion Surveys, Media Polls in American Poltics (Mann, T. E & Orren, G. R, ed. ) Washington, DC: The Brookings Institution. 7

11 Tabela 01 - São Paulo, Setembro, 2001 Taxas de resposta à Pesquisa Telefônica segundo situação de resposta. Número % de resposta Pesquisa Completa (PC) ,6 Pesquisa Incompletas 24 5,0 Requisitou envio de Ofício via Fax 72 14,9 Estabelecimentos Desativados/ 23 4,8 Inexistentes/Extintos Recusou a responder 23 4,8 Total ,0 FONTE: PESQUISA TELEFÔNICA EPSM/NESCON/UFMG Tabela 02 São Paulo, Setembro, 2001 Taxas de resposta à Pesquisa Telefônica segundo a natureza jurídica do estabelecimento Natureza do estabelecimento Amostra Número de pesquisas % de Cobertura completas Lucrativo ,7 Não lucrativo ,9 Público ,6 Total ,6 FONTE: PESQUISA TELEFÔNICA EPSM/NESCON/UFMG 8

12 SEÇÃO 3 Oferta e Formas Institucionais de Contratação de Serviços de Saúde na Rede Hospitalar do Estado de São Paulo Nesta seção analisa-se, a oferta de serviços de saúde especialidades médicas, outros profissionais de saúde e serviços de apoio diagnóstico e terapêutico (SADT) nos hospitais do Estado de São Paulo, assim como as formas institucionais de contratação destes profissionais e serviços. Investigou-se se o hospital em questão oferecia serviços para cada uma das especialidades médicas, profissões de saúde e serviços de complementação diagnóstica e apoio terapêutico SADT, selecionados pela combinação de critérios de essencialidade e complexidade. Considera-se que existe oferta quando o serviço é prestado ao paciente, seja através de pessoal assalariado ou equipamentos de propriedade do estabelecimento, seja por intermédio de autônomos (pessoa física) ou terceiros (pessoa jurídica) contratados pelo estabelecimento. Em caso positivo, ou seja, de haver a oferta, não era de interesse da pesquisa quantificar o número de especialistas, profissionais ou empresas de SADT contratadas. Dessa forma, os resultados reportam o leque de serviços oferecidos e as taxas ou índices de oferta agregadas para cada tipo de especialidade, profissão ou serviço. 9

13 3. ESPECIALIDADES MÉDICAS Neste segmento serão apresentadas as posições aferidas para distintas especialidades médicas em relação aos níveis de oferta de serviços e às formas de contratação dos respectivos profissionais nos estabelecimentos hospitalares do estado de São Paulo. Nas seções 3.2. e 3.3. destacaremos, por ordem, os perfis específicos por natureza jurídica e por porte de estabelecimento hospitalar ASPECTOS GERAIS Inicialmente iremos comparar os níveis de oferta dos serviços para as especialidades médicas considerando a natureza jurídica dos estabelecimentos hospitalares, ou seja, para os setores lucrativo, não lucrativo e público. Tomando como base as 19 especialidades médicas cujos níveis de oferta foram aferidos, podem ser pontuados alguns aspectos (tabela 03): 1. O setor lucrativo apresentou os maiores níveis médios de oferta (em torno de 65% dos estabelecimentos, em média, oferecem os serviços), seguido pelo não lucrativo (em torno de 60%) e, finalmente, pelo público (em torno de 56%); 2. O setor lucrativo superou nitidamente os demais no caso da oferta de especialidades que atuam em áreas mais restritas 2 como a otorrinolaringologia, urologia, cardiologia, gastroenterologia, nefrologia e neurologia; 3. Em posição oposta, o setor público se fez presente de forma mais destacada no caso das especialidades básicas como a clínica médica, a pediatria (onde superou inclusive os não lucrativos) e a ginecologia; 4. O setor não lucrativo, numa posição intermediária, além de majoritário nas especialidades básicas - aí incluindo a cirurgia e a obstetrícia - também apresentou desempenho semelhante no caso da anestesiologia e médicos plantonistas. 2 Estas especialidades se situam entre aquelas classificadas por FREIDSON (1961) como dependentes, ou seja, aquelas que requerem uma organização ou outra especialidade para atrair e transferir a sua clientela. 10

14 Comentários mais detalhados em relação ao desempenho de cada setor serão fornecidos adiante (seção 3.2). Tabela 03 São Paulo, Setembro, 2001 Hospitais que oferecem serviços de médicos por natureza jurídica segundo a especialidade. Especialidades Médicas Hospitais e taxas de oferta de especialidades médicas por natureza jurídica Todos os hospitais N = 341 Lucrativo N = 89 Não Lucrativo N = 204 Público N = 48 n % n % n % n % Cardiologia , , , ,3 Cirurgia , , , ,8 Clinica Médica , , , ,8 Gastroenterologia , , , ,6 Ginecologia , , , ,1 Hematologia , , , ,4 Nefrologia , , , ,1 Neurologia , , , ,8 Obstetricia , , , ,4 Oncologia , , , ,0 Ortopedia , , ,8 Otorrinolaringologia , , , ,0 Pediatria , , , ,4 Psiquiatria , , , ,9 Urologia , , , ,8 Neurocirurgia , , , ,4 Anestesiologia , , , ,8 Medico de CTI , , , ,8 Plantonista , , , ,5 FONTE: PESQUISA TELEFÔNICA EPSM/NESCON/UFMG Na tabela 04, onde as especialidades médicas são apresentadas frente às formas institucionais predominantes de contratação de serviços, percebe-se nitidamente - ainda que sob uma rápida apreciação - a ampla prevalência da contratação dos médicos enquanto autônomos, ou seja, como pessoa física que recebe por serviços prestados sem configuração de vínculo empregatício formal. Mais de 60% dos hospitais paulistas contratam como autônomos os cirurgiões, anestesistas, cardiologistas e obstetras e, chega próximo a este percentual, a proporção relativa aos clínicos gerais, pediatras e ortopedistas. As formas terceirizadas e assalariadas apresentaram níveis de abrangência semelhantes na média, considerando-se as 19 especialidades aferidas, com 11

15 leve vantagem para as primeiras (cerca de 22% dos estabelecimentos contra 20%). Para as formas terceirizadas os maiores níveis de abrangência ficam com a hematologia (32,3% dos estabelecimentos), os intensivistas (27%) e os nefrologistas (26,9%). Já para as assalariadas, as maiores foram as dos psiquiatras (43,4% dos estabelecimentos), plantonistas (30,7%) e intensivistas (27,7%). Tabela 04 São Paulo, Setembro, 2001 Hospitais que oferecem serviços de médicos por forma predominante de contratação segundo especialidade Número de Hospitais por forma predominante de contratação Especialidades Total Assalariado Autônomo Terceirizado Outros Médicas n % n % n % n % n % Cardiologia , , , ,7 8 3,3 Cirurgia , , , ,5 13 4,7 Clinica Médica , , , ,1 17 5,4 Gastroenterologia , , , ,9 14 7,3 Ginecologia , , , ,2 17 6,4 Hematologia , , , ,3 8 6,2 Nefrologia , , , ,9 7 6,5 Neurologia , , , ,0 10 5,5 Obstetricia , , , ,6 15 6,0 Oncologia , , , ,9 7 6,5 Ortopedia , , , ,2 15 6,0 Otorrinolaringologia , , , ,2 14 7,1 Pediatria , , , ,1 14 5,1 Psiquiatria , , , ,4 6 4,9 Urologia , , , ,3 8 4,4 Neurocirurgia , , , ,2 6 4,9 Anestesiologia , , , ,1 10 3,7 Medico de CTI , , , ,0 6 4,4 Plantonista , , , ,6 13 4,2 FONTE: PESQUISA TELEFÔNICA EPSM/NESCON/UFMG A seguir nos debruçamos sobre estas últimas duas formas contratuais - as terceirizadas e as assalariadas - buscando caracterizar tendências do ponto de vista da sua prevalência em hospitais paulistas de diferente natureza jurídica. Tomando inicialmente as formas terceirizadas, percebe-se nitidamente que o setor lucrativo é que detêm os maiores níveis de abrangência, situando-se na maioria das vezes próximos a 40% dos estabelecimentos (Tab. 05). 12

16 Abaixo do setor lucrativo os maiores níveis de terceirização entre as especialidades médicas são verificados no não lucrativo, embora estritamente no caso dos ginecologistas e obstetras este setor seja superado pelo setor público. Tabela 05 São Paulo, Setembro, 2001 Hospitais que praticam contratação terceirizada de especialidades médicas por natureza jurídica segundo especialidade Distribuição percentual de hospitais que contratam preferencialmente terceiros Especialidades Total de Não Médicas Lucrativo Público hospitais Lucrativo % % % % Cardiologia 18,7 38,8 11,6 7,4 Cirurgia 18,5 39,4 11,8 8,8 Clinica Médica 16,1 32,5 11,8 6,7 Gastroenterologia 20,9 41,4 14,0 0 Ginecologia 17,2 40,3 10,1 10,8 Hematologia 32,3 50,0 27,5 5,9 Nefrologia 26,9 42,1 22,8 0 Neurologia 22,0 42,4 13,9 4,5 Obstetricia 17,6 42,9 9,7 13,8 Oncologia 29,9 44,2 25,0 0 Ortopedia 20,2 42,9 13,2 8,8 Otorrinolaringologia 21,2 41,0 14,2 4,2 Pediatria 18,1 42,9 11,6 7,3 Psiquiatria 16,4 29,4 13,8 4,3 Urologia 23,3 45,6 14,7 4,8 Neurocirurgia 26,2 45,7 16,9 5,9 Anestesiologia 20,1 40,8 12,8 12,1 Medico de CTI 27,0 42,3 21,9 4,8 Plantonista 19,6 38,2 14,4 9,5 FONTE: PESQUISA TELEFÔNICA EPSM/NESCON/UFMG Levando-se em consideração, desta feita, as formas assalariadas de contratação, temos que amplos níveis de abrangência se concentram no setor público, onde giram em torno de 90% dos estabelecimentos, chegando a 100% no caso dos nefrologistas e oncologistas. Abaixo dos níveis encontrados no setor público, o assalariamento é mais significativo entre os estabelecimentos não lucrativos, variando entre 5,9% dos estabelecimentos, para os cirurgiões, e 35,4% para os psiquiatras, como se pode perceber pela tabela

17 Tabela 06 São Paulo, Setembro, 2001 Hospitais que praticam contratação assalariada de especialidades médicas por natureza jurídica segundo especialidade. Distribuição percentual de hospitais que contratam preferencialmente por salário Especialidades Total de Não Médicas Lucrativo Público hospitais Lucrativo % % % % Cardiologia 17,8 4,5 10,9 88,9 Cirurgia 15,3 4,2 5,9 85,3 Clinica Médica 25,6 14,3 16,9 82,2 Gastroenterologia 13,1 3,4 6,1 84,2 Ginecologia 18,4 6,5 8,3 83,8 Hematologia 19,2 2,3 11,6 94,1 Nefrologia 17,6 2,6 8,8 100 Neurologia 20,3 8,5 11,9 90,9 Obstetricia 16,4 5,4 8,5 82,8 Oncologia 19,6 7 11,5 100 Ortopedia 17,3 3,2 7,9 85,3 Otorrinolaringologia 15,2 3,3 6,2 87,5 Pediatria 18,4 1,6 9,2 82,9 Psiquiatria 43,4 29,4 35,4 87 Urologia 16,7 1,8 9,8 90,5 Neurocirurgia 18 2,2 10,2 88,2 Anestesiologia 15,7 2,8 8,5 78,8 Medico de CTI 27,7 5,8 23,4 95,2 Plantonista 30,7 11,8 26,1 85,7 FONTE: PESQUISA TELEFÔNICA EPSM/NESCON/UFMG A seguir podemos confrontar as especialidades médicas a partir dos instrumentos utilizados na efetivação das diferentes formas institucionais de contratação. Primeiramente, em relação às formas assalariadas, percebe-se uma nítida prevalência do instrumento da CLT, o que é esperado, inclusive, pelo fato de que os estatutários se fazem presentes unicamente em segmentos do setor público (embora em alguns poucos casos se encontrem cedidos a estabelecimentos não lucrativos). A utilização da CLT nos hospitais paulistas variou entre 9,1% dos estabelecimentos, no caso da cirurgia, e 33,6% no caso dos psiquiatras. Já a frequência dos estatutários variou entre 4,2% dos estabelecimentos, para os gastroenterologistas, e 9,8%, para os psiquiatras. Não foram identificadas formas de contratação temporária. 14

18 Em seguida, considerando as formas autônomas, percebe-se que na média entre as especialidades há uma discreta prevalência do código 7 sobre a autonomia típica (cerca de 25% dos estabelecimentos contra 22%), enquanto o código 4 fica numa terceira posição mais distanciada. Entretanto o perfil de distribuição entre as duas primeiras formas é bastante distinto: o código 7 é mais freqüente nas especialidades básicas como a cirurgia (34,9%), a clínica geral (30,9%), a pediatria (34,3%), a ginecologia (32,6%) e a obstetrícia ( 35,2%); já a autonomia típica é mais freqüente no caso de especialidades como a oncologia (27,1%), a neurologia (26,4%), a otorrinolaringologia (26,3%) e a neurocirurgia (25,4%). Por fim, considerando-se as formas de terceirização, verificou-se que nos hospitais paulistas as empresas de profissionais liberais constituem a forma institucional predominante, superando amplamente as cooperativas. Destacamse, neste caso, as empresas organizadas por oncologistas (23,4% dos estabelecimentos), nefrologistas (22,2%), neurocirurgiões (21,3%) e intensivistas (20,4%). Lembre-se aqui que outros estudos 3, enfocando o conjunto dos estados da região Sudeste, demonstraram que predominam entre estas empresas aquelas internas, ou seja, que atuam exclusivamente em um único estabelecimento (Tab. 07). 3 Falamos especialmente da pesquisa Formas Institucionais da Terceirização de Serviços em Hospitais da Região Sudeste do Brasil: um estudo exploratório, de GIRARDI et al. 15

19 Tabela 07 São Paulo, Setembro, 2001 Hospitais que oferecem serviços de especialidades médicas por forma predominante de contratação segundo especialidade. Especialidades Médicas Hospitais por forma predominante de contratação de profissionais Todos os Assalariado Autônomo Terceirizado Hospitais Outros N = 341 CLT Estatutário Temporário Autônomo Cod 7 Cod 4 Coop Empresa n % n % n % n % n % n % n % n % n % n % Cardiologia , ,0 14 5,8 0 0, , ,9 16 6,6 9 3, ,9 8 3,3 Cirurgia ,6 25 9,1 17 6,2 0 0, , ,9 19 6,9 13 4, ,8 13 4,7 Clinica Médica , ,0 27 8,5 0 0, , ,9 17 5,4 13 4, ,0 17 5,4 Gastroenterologia ,0 17 8,9 8 4,2 0 0, , ,4 9 4,7 9 4, ,2 14 7,3 Ginecologia , ,9 20 7,5 0 0, , ,6 19 7,1 13 4, ,4 17 6,4 Hematologia , ,1 8 6,2 0 0, , ,9 4 3,1 6 4, ,7 8 6,2 Nefrologia , ,0 6 5,6 0 0, , ,4 6 5,6 5 4, ,2 7 6,5 Neurologia , ,8 10 5,5 0 0, , ,4 8 4,4 7 3, ,1 10 5,5 Obstetricia , ,8 14 5,6 0 0, , ,2 19 7,6 11 4, ,2 15 6,0 Oncologia , ,0 6 5,6 0 0, , ,1 4 3,7 7 6, ,4 7 6,5 Ortopedia , ,1 18 7,3 0 0, , ,8 18 7,3 10 4, ,1 15 6,0 Otorrinolaringol , ,1 10 5,1 0 0, , ,7 11 5,6 10 5, ,2 14 7,1 Pediatria , ,8 21 7,6 0 0, , ,3 18 6,5 15 5, ,6 14 5,1 Psiquiatria , ,6 12 9,8 0 0, ,0 12 9,8 9 7,4 6 4, ,5 6 4,9 Urologia , ,7 9 5,0 0 0, , ,4 10 5,6 9 5, ,3 8 4,4 Neurocirurgia , ,5 8 6,6 0 0, , ,7 7 5,7 6 4, ,3 6 4,9 Anestesiologia ,6 25 9,3 17 6,3 0 0, , ,9 16 6,0 11 4, ,0 10 3,7 Medico de CTI , ,7 11 8,0 0 0, , ,8 4 2,9 9 6, ,4 6 4,4 Plantonista , ,5 22 7,2 0 0, , ,4 23 7,5 17 5, ,1 13 4,2 FONTE: PESQUISA TELEFÔNICA EPSM/NESCON/UFMG 3.2. OFERTA E MODALIDADES DE CONTRATO POR NATUREZA JURÍDICA: Em seguida, apresentaremos alguns comentários adicionais sobre a oferta de serviços e modalidades de contratação para especialidades médicas nos hospitais paulistas de distinta natureza jurídica, ou seja, lucrativos, não lucrativos e públicos. Pretende-se dimensionar, assim, a propensão de cada setor da atividade hospitalar a oferecer serviços e efetuar contratos com as várias especialidades médicas SETOR LUCRATIVO Trataremos inicialmente dos hospitais lucrativos paulistas. 16

20 Na tabela 08 apresentamos a oferta de serviços nas especialidades médicas considerando as distintas formas de contratação dos seus serviços. Percebe-se, neste setor, que a ampla prevalência das formas autônomas já aferida anteriormente para o conjunto dos hospitais paulistas - é ameaçada pela forte presença das formas terceirizadas, que inclusive chegam a superálas no caso de hematologistas (50,0% dos estabelecimentos contra 36,4%); obstetras (42,3% contra 37,5%); ginecologistas (40,3% contra 38,7%); oncologistas (44,2% contra 41,3%) e neurologistas (42,4% contra 40,7%). A contratação assalariada é nitidamente menos significativa, destacando-se aí apenas os psiquiatras, com 29,4% dos estabelecimentos, e os clínicos, com 14,3%. Tabela 08 São Paulo, Setembro, 2001 Hospitais Lucrativos que oferecem serviços de especialidades médicas por forma de contratação segundo especialidade. Hospitais por forma predominante de contratação Hospitais Especialidades Lucrativos Médicas N = 89 Assalariado Autônomo Terceirizado Outros n % n % n % n % n % Cardiologia 67 75,3 3 4, , ,8 4 6,0 Cirurgia 71 79,8 3 4, , ,4 9 12,7 Clinica Médica 77 86, , , ,5 9 11,7 Gastroenterologia 58 65,2 2 3, , ,4 8 13,8 Ginecologia 62 69,7 4 6, , ,3 9 14,5 Hematologia 44 49,4 1 2, , ,0 5 11,4 Nefrologia 38 42,7 1 2, , ,1 2 5,3 Neurologia 59 66,3 5 8, , ,4 5 8,5 Obstetricia 56 62,9 3 5, , ,9 8 14,3 Oncologia 43 48,3 3 7, , ,2 3 7,0 Ortopedia 63 70,8 2 3, , ,9 7 11,1 Otorrinolaringologia 61 68,5 2 3, , ,0 5 8,2 Pediatria 63 70,8 1 1, , ,9 6 9,5 Psiquiatria 34 38, , , ,4 3 8,8 Urologia 57 64,0 1 1, , ,6 3 5,3 Neurocirurgia 46 51,7 1 2, , ,7 3 6,5 Anestesiologia 71 79,8 2 2, , ,8 5 7,0 Medico de CTI 52 58,4 3 5, , ,3 4 7,7 Plantonista 76 85,4 9 11, , ,2 6 7,9 FONTE: PESQUISA TELEFÔNICA EPSM/NESCON/UFMG Na tabela 09, onde são apresentados os instrumentos relativos às distintas formas contratuais, o que pode ser percebido é uma confirmação das correlações típicas já percebidas para o conjunto dos hospitais paulistas: 17

Equipe Técnica: Pesquisadores: Sábado Nicolau Girardi Mariângela Leal Cherchiglia José Ângelo Machado João Girardi Júnior.

Equipe Técnica: Pesquisadores: Sábado Nicolau Girardi Mariângela Leal Cherchiglia José Ângelo Machado João Girardi Júnior. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO NÍVEIS DE OFERTA E MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO PARA ESPECIALIDADES MÉDICAS, OUTRAS PROFISSÕES DE SAÚDE E SERVIÇOS DE APOIO DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICO

Leia mais

Mercado de Trabalho Médico no Estado de São Paulo

Mercado de Trabalho Médico no Estado de São Paulo Mercado de Trabalho Médico no Estado de São Paulo Mercado de Trabalho Médico no Estado de São Paulo 2002 2002 PROMOÇÃO PROMOÇÃOConselho Regional de Medicina Conselho Regional de Medicina do do Estado Estado

Leia mais

RADIOGRAFIA DOS HOSPITAIS MUNICIPAIS ABRIL/2013

RADIOGRAFIA DOS HOSPITAIS MUNICIPAIS ABRIL/2013 11 UMA RADIOGRAFIA DOS HOSPITAIS MUNICIPAIS ABRIL/2013 A Confederação Nacional de Municípios (CNM), preocupada com a realidade da Saúde Pública no Brasil e com as discussões em torno da qualidade dos serviços

Leia mais

ESTÁGIOS CURRICULARES NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE

ESTÁGIOS CURRICULARES NA REDE MUNICIPAL DE SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA ESTAÇÃO DE PESQUISA DE SINAIS DE MERCADO PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ESTÁGIOS CURRICULARES NA REDE

Leia mais

Apesquisa AMS é uma pesquisa censitária, realizada

Apesquisa AMS é uma pesquisa censitária, realizada Notas técnicas Apesquisa AMS é uma pesquisa censitária, realizada através de entrevista, que abrange todos os estabelecimentos de saúde existentes no País que prestam assistência à saúde individual ou

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ (ESP-CE) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DOS EMPREGOS PÚBLICOS DE POLICLÍNICAS

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ (ESP-CE) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DOS EMPREGOS PÚBLICOS DE POLICLÍNICAS 2024 003.507.983-54 80.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2019 004.798.133-45 75.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2143 600.324.453-42 75.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2322 884.313.043-91 75.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2027 631.747.313-72

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS DO ESTABELECIMENTO

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS DO ESTABELECIMENTO I SOLICITAÇÃO DE: INSCRIÇÃO REGISTRO CADASTRO ATUALIZAÇÃO DE DADOS: (a cargo do CRM) II 1 Razão Social IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE 2 Designação de Fantasia / Nome Usual 3 Endereço 4 Município

Leia mais

HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO

HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A (UnB) CENTRO DE SELEÇÃO E DE PROMOÇÃO DE EVENTOS (CESPE) HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO Processo Seletivo Simplificado GABARITOS OFICIAIS PRELIMINARES

Leia mais

Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades:

Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades: Vagas e requisitos Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades: Áreas/Especialidades Vagas Pré-Requisitos Análises Clínicas (Biologia) 01 a) Formação Superior Completa

Leia mais

CENÁRIO DA SAÚDE SUPLEMENTAR NA REGIÃO NORTE DO BRASIL: ANÁLISE DAS POLÍTICAS DE CUIDADO E MECANISMOS DE REGULAÇÃO

CENÁRIO DA SAÚDE SUPLEMENTAR NA REGIÃO NORTE DO BRASIL: ANÁLISE DAS POLÍTICAS DE CUIDADO E MECANISMOS DE REGULAÇÃO CENÁRIO DA SAÚDE SUPLEMENTAR NA REGIÃO NORTE DO BRASIL: ANÁLISE DAS POLÍTICAS DE CUIDADO E MECANISMOS DE REGULAÇÃO JOSIE VIEIRA 1, PAULO DE TARSO OLIVEIRA 1, ALCINDO FERLA 2, Autores LUIZ FELIPE PINTO

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade

Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade Ambulatorial ALERGIA E IMUNOLOGIA (ALERGOLOGISTA) CARDIOLOGISTA CIRURGIAO EM GERAL Pagina 1 de 9 CIRURGIAO VASCULAR CLINICO

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS LEI Nº 6.170, DE 06 DE JANEIRO DE 1993 - D.O. 06.01.93.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS LEI Nº 6.170, DE 06 DE JANEIRO DE 1993 - D.O. 06.01.93. Autor: Poder Executivo LEI Nº 6.170, DE 06 DE JANEIRO DE 1993 - D.O. 06.01.93. * Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Salários do Sistema Único de Saúde do Estado de Mato Grosso, e dá outras providências.

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Desenvolvimento e Organização das Ações Básicas de Vigilância Sanitária em Municípios Brasileiros a partir da Implantação do PAB/VISA: Um Estudo Exploratório Relatório

Leia mais

Pesquisa de Condições de Vida 2006. Gráfico 24 Distribuição dos indivíduos, segundo condição de posse de plano de saúde (1) Estado de São Paulo 2006

Pesquisa de Condições de Vida 2006. Gráfico 24 Distribuição dos indivíduos, segundo condição de posse de plano de saúde (1) Estado de São Paulo 2006 Pesquisa de Condições de Vida Acesso e utilização dos serviços de saúde A posse de planos ou convênios privados é uma das formas de distinguir a parcela da população dependente exclusivamente dos serviços

Leia mais

Análise da Evolução do Sistema de Teleconsultoria do Centro de Telessaúde do. Minas Gerais. Júnia Xavier Maia Centro de Telessaúde HC UFMG

Análise da Evolução do Sistema de Teleconsultoria do Centro de Telessaúde do. Minas Gerais. Júnia Xavier Maia Centro de Telessaúde HC UFMG Análise da Evolução do Sistema de Teleconsultoria do Centro de Telessaúde do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais Júnia Xavier Maia Centro de Telessaúde HC UFMG Centro de Telessaúde

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO FINAL DA SELEÇÃO PÚBLICA PARA ADMISSÃO DE MÉDICOS COMO COOPERADOS NA UNIMED JUIZ DE FORA 01/2012

CLASSIFICAÇÃO FINAL DA SELEÇÃO PÚBLICA PARA ADMISSÃO DE MÉDICOS COMO COOPERADOS NA UNIMED JUIZ DE FORA 01/2012 34288 Acupuntura 59 aprovado 3 45210 Alergia e Imunologia 56,5 aprovado 5 42926 Anestesiologia 62,5 aprovado 48867 Anestesiologia 60,5 aprovado 48235 Anestesiologia 59 aprovado 9 48302 Anestesiologia 56

Leia mais

RETIFICAÇÃO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO EDITAL Nº 08/2014

RETIFICAÇÃO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO EDITAL Nº 08/2014 RETIFICAÇÃO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO EDITAL Nº 08/2014 O Secretário Municipal Adjunto de Recursos Humanos, no uso de suas atribuições legais, comunica as alterações

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Pesquisa da relação entre. médicos, dentistas e fisioterapeutas. com planos de saúde

Pesquisa da relação entre. médicos, dentistas e fisioterapeutas. com planos de saúde Pesquisa da relação entre médicos, dentistas e fisioterapeutas Abril / 2013 Objetivo Conhecer a opinião dos médicos especialistas, cirurgiões-dentistas e fisioterapeutas sobre a relação com os planos ou

Leia mais

PREFEITO MUNICIPAL COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO E SUPERVISÃO DO CONCURSO EXAMES & CONSULTORIA

PREFEITO MUNICIPAL COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO E SUPERVISÃO DO CONCURSO EXAMES & CONSULTORIA PREFEITO MUNICIPAL COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO E SUPERVISÃO DO CONCURSO EXAMES & CONSULTORIA Aditivo Nº 003/2011. Ao Edital do Concurso Público da PMLS. Ao Capítulo I Item 2. A distribuição de quantidade

Leia mais

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios O Suplemento de Esporte da Pesquisa de Informações Básicas Municipais do IBGE (Munic) mostra que, apesar de 93,6% das cidades brasileiras

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1663, DE 02 DE JULHO DE 2012. Aprova o detalhamento das funções/especialidades dos cargos do Quadro Permanente da Função Saúde da Administração Pública

Leia mais

REAL SOCIEDADE ESPANHOLA DE BENEFICÊNCIA (RSEB) HOSPITAL REGIONAL DE SANTA MARIA/DF (HRSM) GABARITO OFICIAL DEFINITIVO.

REAL SOCIEDADE ESPANHOLA DE BENEFICÊNCIA (RSEB) HOSPITAL REGIONAL DE SANTA MARIA/DF (HRSM) GABARITO OFICIAL DEFINITIVO. EMPREGO 1: ASSISTENTE SOCIAL TIPO A Gabarito D X D A C B A D C A D A A A D Gabarito D B B X C C C D C C D C C C D EMPREGO 2: CIRURGIÃO BUCO-MAXILO-FACIAL TIPO A Gabarito D X D A C B A D C A B A C A D Gabarito

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Emprego na Estratégia Saúde da Família - 2009. (Relatório preliminar)

Monitoramento da Qualidade do Emprego na Estratégia Saúde da Família - 2009. (Relatório preliminar) Monitoramento da Qualidade do Emprego na Estratégia Saúde da Família - 2009 (Relatório preliminar) ÍNDICE APRESENTAÇÃO 4 INTRODUÇÃO 6 OBJETIVOS 9 METODOLOGIA 10 DESCRIÇÃO DAS VARIÁVEIS DEPENDENTES 15 PARTE

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

TEM QUE MELHORAR MUITO

TEM QUE MELHORAR MUITO Confira gráficos, tabelas, críticas e sugestões sobre o convênio médico na ZF revelados em levantamento feito pelo Sindicato Comprovado: convênio médico na ZF TEM QUE MELHORAR MUITO Um levantamento feito

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

GRUPO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE PROCESSO SELETIVO - RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 RESULTADO FINAL 1ª Etapa Prova Objetiva.

GRUPO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE PROCESSO SELETIVO - RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 RESULTADO FINAL 1ª Etapa Prova Objetiva. 101 Anestesiologia 1167427 84,00 5,60-89,60 1 CLASSIFICADO 101 Anestesiologia 1168953 78,00 8,00-86,00 2 CLASSIFICADO 101 Anestesiologia 1169652 75,60 8,50-84,10 3 CLASSIFICADO 101 Anestesiologia 1170741

Leia mais

EDITAL 01 NÍVEL SUPERIOR

EDITAL 01 NÍVEL SUPERIOR EDITAL NÍVEL SUPERIOR Quantidade de empregos por ocupação Concurso 25 Fundasus Emprego Público de Nível Superior Médico 100h 200h Médico Acupuntura 02 - em Saúde Anestesiologia 02 - Angiologia 03 - Antroposofia

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão?

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão? Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: Formação e Qualificação, há h risco de apagão? Serviços de Atenção Domiciliar Einstein Perfil da Assistência Domiciliar Hoje Aumento das condições crônicas

Leia mais

EDITAL Nº 005/2009 RE-RATIFICAR

EDITAL Nº 005/2009 RE-RATIFICAR EDITAL Nº 005/2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ, no uso de suas atribuições, atendendo aos termos da Lei Complementar nº 108, de 18 de maio de 2005, com alteração dada pela Lei Complementar

Leia mais

ANEXO I DEMONSTRATIVO DE CARGOS, QUALIFICAÇÃO, CARGA HORÁRIA, VAGAS E VENCIMENTOS ÁREA DE EDUCAÇÃO. Ensino médio completo com curso

ANEXO I DEMONSTRATIVO DE CARGOS, QUALIFICAÇÃO, CARGA HORÁRIA, VAGAS E VENCIMENTOS ÁREA DE EDUCAÇÃO. Ensino médio completo com curso DEMONSTRATIVO DE CARGOS, QUALIFICAÇÃO, CARGA, E VENCIMENTOS ÁREA DE EDUCAÇÃO NÍVEL MÉDIO CARGA curso Professor Docente I - com de formação de professores ou 100. especializações em Educação curso normal,

Leia mais

Pesquisa de Remuneração. Pesquisa de Remuneração Edição 2012

Pesquisa de Remuneração. Pesquisa de Remuneração Edição 2012 Pesquisa de Remuneração Edição 2012 Consultoria - Gestão de Capital Humano Pesquisa de Remuneração A Deloitte conta com importantes métodos e parâmetros para ajudá-lo a definir mais adequadamente as estratégias

Leia mais

MUNCÍPIO DE BRASÍLIA DE MINAS MG CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS EDITAL 1/2015 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS

MUNCÍPIO DE BRASÍLIA DE MINAS MG CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS EDITAL 1/2015 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS CARGOS DISTRIBUIÇÃO DAS VAGAS TOTAIS: Total das vagas oferecidas no Concurso Público. GERAIS: Vagas de ampla concorrência. RESERVA: Vaga destinada à pessoa com deficiência (subitem 3.2 do Edital). DO EXIGÊNCIAS

Leia mais

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Autores: Luís Otávio Farias Clarice Melamed VI Encontro Nacional de Economia da Saúde Nova Friburgo,

Leia mais

Hospital de Santo Espirito da Ilha Terceira e a sua articulação com as Unidades de Saúde de Ilha da RAA. Paula Moniz

Hospital de Santo Espirito da Ilha Terceira e a sua articulação com as Unidades de Saúde de Ilha da RAA. Paula Moniz Hospital de Santo Espirito da Ilha Terceira e a sua articulação com as Unidades de Saúde de Ilha da RAA Paula Moniz VISÃO O Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira, EPER pretende ser uma instituição

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXERAMOBIM GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXERAMOBIM GABINETE DO PREFEITO ADITIVO nº 01 ADITIVO AO EDITAL nº 005/2014 Concurso Público para Provimento de Cargos Efetivos de Nível Superior para a Prefeitura Municipal de Quixeramobim O Prefeito Municipal de Quixeramobim, no uso

Leia mais

Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade

Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade Plano de Saúde - Santa Casa de Santos Relação de Prestadores por Especialidade Ambulatorial ALERGIA E IMUNOLOGIA (ALERGOLOGISTA) CARDIOLOGISTA CIRURGIAO EM GERAL Pagina 1 de 8 CIRURGIAO VASCULAR CLINICO

Leia mais

Quem vou ser daqui a 20 anos Público. Privado. Assistencial Acadêmica Gestão. Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo

Quem vou ser daqui a 20 anos Público. Privado. Assistencial Acadêmica Gestão. Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo Dr Milton Glezer Quem vou ser daqui a 20 anos Público Assistencial Acadêmica Gestão Privado Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo Mudanças nos planos de saúde- melhorar cada vez mais o funcionamento dos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA-GERAL

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA-GERAL Circular Normativa Nº 01 Data 12/01/2006 Para conhecimento de todos os serviços e estabelecimentos dependentes do Ministério da Saúde ASSUNO: Regime de trabalho de horário acrescido Critérios. A Circular

Leia mais

Fisioterapia. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH

Fisioterapia. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Fisioterapia Por mais de 40 anos, de 1929 até 1969, a profissão de fisioterapeuta foi exercida sem regulamentação. Nesta etapa,

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 076, DE 08 DE JANEIRO DE 2013. Aprova a distribuição de cargos, por função e especialidade, do Quadro Permanente de Pessoal da Administração Direta

Leia mais

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012 1 Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde Apresentação em Agosto de 2012 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil do médico associado Avaliação das operadoras de planos de saúde

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES EDITAL Nº 1/GM/MS, DE 4 DE AGOSTO DE 2015. ADESÃO DE ENTES FEDERADOS E INSTITUIÇÕES À CONCESSÃO DE BOLSAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA 1.

Leia mais

ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Vencimento Inicial em reais.

ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Vencimento Inicial em reais. ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Cód. Cargo 1 Ajudante de Carga e Descarga Vagas Vagas Reservadas Deficientes Vencimento Inicial

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN PESQUISA INTEGRANTE DO PLANO DIRETOR 2004/2005 ROREHS/MS/OPAS DINÂMICA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO QUADRO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO QUADRO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO QUADRO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 001/2007 O PREFEITO MUNICIPAL DE JUAZEIRO, ESTADO DA BAHIA,

Leia mais

Projeção da necessidade de médicos especialistas para o Brasil para os próximos 10 anos

Projeção da necessidade de médicos especialistas para o Brasil para os próximos 10 anos Projeção da necessidade de médicos especialistas para o Brasil para os próximos 10 anos Coordenação Geral Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Instituto de Medicina Social UERJ

Leia mais

ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental).

ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental). 1 de 9 ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental). CARGO PERFIL PRÉ REQUISITO NÍVEL SUPERIOR Administrador Curso Superior

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Itaboraí Secretaria Municipal de Administração

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Itaboraí Secretaria Municipal de Administração PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABORAÍ CONCURSO PÚBLICO - EDITAL Nº02/2007 ERRATA N 002/2007 COSME JOSÉ SALLES, Prefeito Municipal de Itaboraí, no uso de suas atribuições legais e a FUNRIO, tornam pública a

Leia mais

DIAMANTE V7.2.2 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 9 do PRODOCTOR) Primeira instalação do DIAMANTE

DIAMANTE V7.2.2 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 9 do PRODOCTOR) Primeira instalação do DIAMANTE SERVIDOR DIAMANTE V7.2.2 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 9 do PRODOCTOR) Primeira instalação do DIAMANTE Opção A O Prodoctor foi instalado de forma padrão, no disco C do servidor. C:\Prodoctor9

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Art. 2º. Para os fins desta Lei, denomina-se:

Art. 2º. Para os fins desta Lei, denomina-se: LEI N 1.725/2014, DE 28 DE MAIO DE 2014. Dispõe sobre os regimes de trabalho denominados plantão, sobreaviso e atividade de especialista, institui gratificações para os profissionais médicos, enfermeiros

Leia mais

Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO"

Seminário: TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO" FLEURY LINHA DO TEMPO Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso

Leia mais

4438 FINEP/CEB/Ultra-Som Diagnóstico 221/2012 Engenheiro

4438 FINEP/CEB/Ultra-Som Diagnóstico 221/2012 Engenheiro Convênios Vigentes 2012 com Órgãos Públicos N.º Convênio 4321 CNPq-SICONV/HEMOCENTRO/INCT do Sangue 169/2012 Biologista 4438 FINEP/CEB/Ultra-Som Diagnóstico 221/2012 Engenheiro 186/2012 Auxiliar de Manutenção

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 231/2011 Deputado(a) Dr Basegio

PROJETO DE LEI Nº 231/2011 Deputado(a) Dr Basegio DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Porto Alegre, segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015. PRO 1 PROJETO DE LEI Nº 231/2011 Fixa e estabelece parâmetros para o dimensionamento do quadro de profissionais

Leia mais

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 001 / 2015 ANEXO I. Vagas Gerais. para o cargo. Graduação de Nível Superior em qualquer área

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 001 / 2015 ANEXO I. Vagas Gerais. para o cargo. Graduação de Nível Superior em qualquer área EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 001 / 2015 ANEXO I N O DE VAGAS PARA OS CARGOS DO CONCURSO PÚBLICO DEFINIÇÃO DOS GRUPOS GRUPO I Função Analista de Planejamento, Orçamento e Gestão Analista de Sista Arquiteto

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 4600074 1 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600086 2 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600489 3 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600487 4 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600670 5 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600415 6 100 100 - CIRURGIA

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Nº 115 16/06/11 Seção 1 - p.164 CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº 387, DE 8 DE JUNHO DE 2011

Leia mais

REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DA ENFERMAGEM

REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DA ENFERMAGEM REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DA ENFERMAGEM ESTIMATIVA DE IMPACTOS NAS DESPESAS COM REMUNERAÇÃO DE PESSOAL DO SETOR DA SAÚDE DIEESE ER/DF NOV/2011 1 INTRODUÇÃO A CNTS e outras entidades envolvidas na

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

EDITAL CONCURSO UNCISAL Nº 004/2014, de 20 de outubro 2014.

EDITAL CONCURSO UNCISAL Nº 004/2014, de 20 de outubro 2014. EDITAL CONCURSO Nº 004/2014, de 20 de outubro 2014. Retificado em 29/10/2014, com aviso publicado no Diário Oficial do Estado de Alagoas em 29/10/2014 Retificado em 07/11/2014, com aviso publicado no Diário

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

ANEXO I - QUADRO DE CARGOS

ANEXO I - QUADRO DE CARGOS COD NÍVEL ELEMENTAR CARGO CARGA HORÁRIA SEMANAL ANEXO I - QUADRO DE CARGOS VAGAS ÓRGÃO REQUISITO SALÁRIO BASE INICIAL E0 Auxiliar de Serviços Gerais Perfil Serviço de Copa e DAE Fundamental Incompleto

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 José Irineu Rangel Rigotti João Francisco de Abreu Rafael Liberal Ferreira Luciene Marques da Conceição Alisson Eustáquio Gonçalves

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE RETIFICAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2011/ PMVG/MT, DE 21 DE SETEMBRO DE 2011.

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE RETIFICAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2011/ PMVG/MT, DE 21 DE SETEMBRO DE 2011. ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE RETIFICAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 00/0/ PMVG/MT, DE DE SETEMBRO DE 0. A Prefeitura Municipal de Várzea Grande, no uso de suas atribuições

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INFORMAÇÕES GERAIS 1 - A Residência em Medicina constitui modalidade de ensino de pós-graduação, destinada

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Apresentação: Justificativa:

Apresentação: Justificativa: PESQUISA DO PERFIL PROFISSIONAL E SOCIAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DA REDE PÚBLICA, LOTADOS EM UNIDADES / SETORES / SERVIÇOS DE MÉDIA E GRANDE COMPLEXIDADE DE ASSISTÊNCIA DE SAÚDE Apresentação: A

Leia mais

EDITAL HRTN 01/2013, de 30 de dezembro de 2013 CONCURSO PÚBLICO 01/2013 ERRATA

EDITAL HRTN 01/2013, de 30 de dezembro de 2013 CONCURSO PÚBLICO 01/2013 ERRATA EDITAL HRTN 01/2013, de 30 de dezembro de 2013 CONCURSO PÚBLICO 01/2013 ERRATA A Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (FUNDEP) e o Hospital Risoleta Tolentino Neves (HRTN) COMUNICA que foram efetuadas

Leia mais

LEI Nº995,DE 14 DE AGOSTO DE 2015.

LEI Nº995,DE 14 DE AGOSTO DE 2015. LEI Nº995,DE 14 DE AGOSTO DE 2015. Dispõe sobre a adequação de remuneração paga aos servidores que percebem remuneração inferior ao salário mínimo nacional. Fixa a Carga Horária do Terapeuta Ocupacional,

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

CARGOS / ESPECIALIDADES: Auxiliar de Serviços Gerais 101. Gabarito

CARGOS / ESPECIALIDADES: Auxiliar de Serviços Gerais 101. Gabarito Auxiliar de Serviços Gerais 101 Questão 01: B Questão 02: B Questão 03: C Questão 04: B Questão 05: D Questão 06: D Questão 07: B Questão 08: A Questão 09: D Questão 10: D Questão 11: C Questão 12: C Questão

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

Demografia Médica no Brasil. Vol 2

Demografia Médica no Brasil. Vol 2 Demografia Médica no Brasil. Vol 2 Mário Scheffer Conselho Federal de Medicina, 6 de fevereiro 2013 Equipe da pesquisa Mário Scheffer (coordenador) Alex Cassenote Aureliano Biancarelli Cooperação acadêmica

Leia mais

QUADRO DEMONSTRATIVO DE CARGOS, VAGAS, VENCIMENTOS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES

QUADRO DEMONSTRATIVO DE CARGOS, VAGAS, VENCIMENTOS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES ANEXO I QUADRO DEMONSTRATIVO DE CARGOS, VAGAS, VENCIMENTOS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES CARGO ASSISTENTE SOCIAL / PNS NÍVEL SUPERIOR Função Vagas Município Requisito Remuneração ASSISTENTE SOCIAL

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 11

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 11 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 11 Administração Pública (versão para informação e comentários)

Leia mais

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Como consequência de políticas governamentais implementadas com o objetivo

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Diretoria de Gestão de Pessoas APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011.

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados análise, a seguir, tem como objetivo apresentar a organização, o A perfil e o dimensionamento do setor de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC, no Brasil, enfocando os principais

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 4600074 1 100 100 - CIRURGIA GERAL Convocado 4600086 2 100 100 - CIRURGIA GERAL Convocado 4600489 3 100 100 - CIRURGIA GERAL Convocado 4600487 4 100 100 - CIRURGIA GERAL Convocado 4600670 5 100 100 - CIRURGIA

Leia mais

Curso Superior Completo em Medicina com especialização reconhecida pelo CRM em Cardiologia e registro no órgão competente

Curso Superior Completo em Medicina com especialização reconhecida pelo CRM em Cardiologia e registro no órgão competente ANEXO DEMONSTRATVO DE VAGAS, REQUSTOS E DESCRÇÃO DAS ATVDADES DOS CARGOS DO PLANO DE CARRERA DA SECRETARA MUNCPAL DE SAÚDE (Lei n.º 7.403 de 28/12/94) Cargo / Nível Função Especialidade N.º de Vagas Requisitos

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE TELECONSULTORIA MANUAL DO SOLICITANTE

MANUAL DO SISTEMA DE TELECONSULTORIA MANUAL DO SOLICITANTE MANUAL DO SISTEMA DE TELECONSULTORIA MANUAL DO SOLICITANTE CENTRO DE TELESSAÚDE DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG REDE DE TELEASSISTÊNCIA DE MINAS GERAIS DEZEMBRO DE 2015 Apresentação A (RTMG) é uma rede

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA SAÚDE SUPLEMENTAR APRESENTAÇÃO DA METODOLOGIA DO IDSS - ÍNDICE DO DESEMPENHO DA SAÚDE SUPLEMENTAR

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA SAÚDE SUPLEMENTAR APRESENTAÇÃO DA METODOLOGIA DO IDSS - ÍNDICE DO DESEMPENHO DA SAÚDE SUPLEMENTAR PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA SAÚDE SUPLEMENTAR APRESENTAÇÃO DA METODOLOGIA DO IDSS - ÍNDICE DO DESEMPENHO DA SAÚDE SUPLEMENTAR A ANS, AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR, está estabelecendo novos parâmetros

Leia mais

Informação SUS, Não SUS e Filantropia

Informação SUS, Não SUS e Filantropia Informação SUS, Não SUS e Filantropia O que esses temas têm em comum e quais as implicações para prestadores e gestores. João Alfredo Carvalho Rodrigues Gonçalves Águas de Lindóia 12/09/2012 Agenda da

Leia mais

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento. QUEM SÃO AS EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO E MÉDIO PORTES? Critérios de Classificação: São dois os principais critérios para classificação da empresa por porte. Um é baseado na receita operacional bruta anual,

Leia mais