EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV PROCESSO Nº

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV PROCESSO Nº 583.00.2002."

Transcrição

1 EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV PROCESSO Nº FALÊNCIA GUSTAVO HENRIQUE SAUER DE ARRUDA PINTO, síndico dativo na falência de FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO S.A., nos autos em epígrafe, vem, respeitosamente, à presença de Vossa Excelência requerer a juntada da cópia do RELATÓRIO referente ao artigo 103 da Lei de Falências, acompanhado de laudo contábil. Termos em que, Pede Deferimento. São Paulo, 17 de fevereiro de GUSTAVO H. SAUER DE ARRUDA PINTO OAB/SP Nº Síndico Dativo

2 EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV GUSTAVO HENRIQUE SAUER DE ARRUDA PINTO, síndico dativo na falência de FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO S.A., nos autos em epígrafe, vem, respeitosamente, à presença de Vossa Excelência requerer a juntada do RELATÓRIO referente ao artigo 103 da Lei de Falências, acompanhado de laudo contábil, para a abertura do competente inquérito judicial. Termos em que, autuando-se em apartado, Pede Deferimento. São Paulo, 17 de fevereiro de GUSTAVO H. SAUER DE ARRUDA PINTO OAB/SP Nº Síndico Dativo

3 RELATÓRIO DO ARTIGO 103 DA LEI DE FALÊNCIAS FALÊNCIA DE FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO S.A. I - DAS CAUSAS DA FALÊNCIA 1) Em 15 de outubro de 2001 FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO S.A. impetrou concordata preventiva perante o DD. Juízo da Vara Única de Comodoro-MT, com fundamento no art. 156, 1º, III, combinado com o art. 175 e demais disposições aplicáveis do Decreto-lei nº 7661 de 21 de junho de 1945, para o pagamento integral do seu passivo quirografário no prazo de 02 (dois) anos, sendo 2/5 ao final do primeiro ano e o restante ao término do segundo. 1.1) Às fls. 85/86, por r. decisão de , houve por bem o MM. Juiz da Vara Única de Comodoro-MT, sem a oitiva do Ministério Público, deferir o processamento da concordata preventiva, nomeando como comissário dativo o DR. ÉLBIO GONZALEZ e como perito contábil o DR. WANDERLEY FERREIRA BENITEZ. 1.2) Às fls. 92 e 94/101 foram expedidos ofícios aos Cartórios de Protesto e Registro de Imóveis das localidades onde a concordatária possuía bens imóveis informando acerca da impetração da concordata e requerendo a averbação à margem das matrículas respectivas da indisponibilidade desses bens. 1.3) Às fls. 129/133 e 135/138 informa a falida haver transferido veículos, máquinas e implementos agrícolas para as suas propriedades de Comodoro-MT (Fazenda Realeza do Guaporé II) e Porto Esperidião-MT (Fazenda Aguapeí). 1.4) Às fls. 268/270 e 272/274, em razão de liminar concedida em , no mandado de segurança nº 2607/MT, impetrado por credor perante o Tribunal de Justiça do Estado do Mato Grosso, foram suspensos os efeitos do r. despacho inicial que deferiu o processamento da concordata, decisão essa confirmada em ,

4 reconhecendo a incompetência do Juízo da Comarca de Comodoro-MT e determinando a remessa dos autos para São Paulo (fls. 339/354 e 442/459). 1.5) Não obstante isso, face ao que consta de fls. 102, 127, 268/270, 315/318, 482/496, 723/724, 1172/1173, 1406/1407, 2630/2631, 2722/2737, 4266/4263, 4310/4311, 4660/4661, 4787/4788, 4849/4850, 4869/4870, observo que WANDERLEY FERREIRA BENITES, CRC nº 3090/0-4, com endereço na Av. Rubens de Mendonça, 2.000, Centro Empresarial, Sala 406, 4º andar, Cuiabá MT, compromissado em (fls. 127), recebeu da então concordatária, em razão da sua nomeação como Perito Contador pelo MM. Juiz da Comarca de Comodoro MT: a) honorários provisórios de R$ ,00 (cem mil reais - fls. 315/318), sendo a.1) R$ ,00 (trinta mil reais) em ; a.2) R$ ,00 (trinta mil reais) em ; e a.3) R$ ,00 (quarenta mil reais) em ; b) honorários complementares de R$ ,00 (trinta mil reais) em (fls. 321/324); e c) honorários mensais de R$ ,00 relativos aos meses de abril e maio de 2002 (fls. 482/483). 1.6) Todavia, estando o processamento da concordata suspenso, por determinação do TJ/MT, desde (vide decisões de fls. 268/270 e 297/299 e item 1.4 supra), em razão de liminar em mandado de segurança impetrado por credor da concordatária da qual teve ciência, naquela mesma data, o MM. Juiz de Comodoro MT, a partir daquela data deveria ter o Sr. Perito Contador suspendido a prestação dos seus serviços na concordata. 1.7) No entanto, embora tivesse recebido da concordatária, a título de honorários, em , a quantia R$ ,00 (trinta mil reais) para dar início aos trabalhos que teria que ter interrompido dias depois, em razão da liminar concedida pelo TJ/MT em

5 , suspendendo a tramitação da concordata, quantia essa, data venia, mais do que suficiente para remunerar 16 (dezesseis) dias de trabalho, continuou WANDERLEY FERREIRA BENITES a receber valores da concordatária relativos a honorários como se nada tivesse ocorrido, ignorando, por completo, aquela decisão judicial, tendo, com isso, recebido R$ ,00 (trinta mil reais) em (fls. 317); R$ ,00 (quarenta mil reais) em (fls. 318), R$ ,00 (trinta mil reais) em (fls. 324), além dos honorários mensais de R$ ,00 relativos aos meses de abril e maio de 2002 (fls. 482/483), chegando ao cúmulo de apresentar mais de uma dezena de petições requerendo a quebra da concordatária em razão de haver ela deixado de pagar os seus honorários desde junho de ) Às fls. 407/409, 430 e 438/440 há notícia de pedido de falência ajuizado por GIUSEPPE ALFREDINI distribuído para a 1ª Vara Cível deste Foro Central da Capital Proc. nº , o qual foi remetido para o DD. Juízo da Comarca de Comodoro-MT em cumprimento a V. Acórdão do TJ/SP proferido em Agravo de Instrumento que entendeu não ser São Paulo o Juízo competente para o processamento da concordata e do referido pedido de falência, tendo sido, porém, devolvidos para São Paulo nos termos do que já havia decidido o TJ/MT no V.Acórdão referido no item ) Às fls. 442/459 há informação de conflito de competência negativo sob o nº /1-00, suscitado pelo MM. Juiz da 1ª Vara Cível deste Foro Central da Capital em face do DD. Juízo da 20ª Vara Cível do mesmo Foro Central da Capital, tendo o TJ/SP designado esse último para a apreciação das questões urgentes relativas ao processo de concordata (fls. 588/589). 1.10) Às fls. 559/566 e 568/571 informa a falida acerca do arresto e seqüestro de grande quantidade de bens de sua propriedade em medidas cautelares promovidas por associação de credores em trâmite perante a 10ª Vara Cível deste Foro Central da Capital e dá notícia do andamento dessas ações, juntando documentação relativa aos animais que teriam sido objeto de constrição (fls. 1575/2628). 1.11) Às fls. 1163/1165 há manifestação da 20ª Vara Cível deste Foro Central da Capital dirigida ao TJ/SP tratando do conflito de competência envolvendo aquele Juízo e o DD. Juízo da 1ª Vara

6 Cível do Foro Central da Capital e daquele em trâmite perante o STJ sob o nº SP, suscitado por GIUSEPPE ALFREDINI E OUTRA, entre a 1ª Vara Cível do Foro Central da Capital e a Vara Única da Comarca de Comodoro-MT. 1.12) Destaque para os balancetes de janeiro a março de 2003 apresentados pela concordatária às fls. 4372/4378 e documento de fls. 4380, nos quais se vislumbra uma significativa diminuição no valor do estoque de animais informado por ocasião da impetração da moratória, em razão de haver ela liquidado a totalidade do gado de corte que possuía no Estado do Mato Grosso, o mesmo se observando com relação aos valores lançados a sob a rubrica de veículos, máquinas e implementos agrícolas, em comparação com o que apontava o balanço especial. 1.13) Às fls. 4740, 4742, 44761/4762 e 5086/5093 há notícia de outras demandas ajuizadas por credores nas quais foram deferidos pedidos visando a busca e apreensão e outras formas de constrição de animais da concordatária. 1.14) Às fls. 4886/4987 e 5003/5020 há informação acerca de contratos de arrendamento tendo por objeto das propriedades da concordatária denominadas Fazenda Chaparral e Fazenda Aguapeí, localizadas, respectivamente, em Lambari D Oeste e Porto Esperidião, Estado do Mato Grosso, vindo aos autos depósito judicial no valor de R$ ,93 relativo ao pagamento do arrendamento daquela primeira propriedade. 1.15) Às fls. 5044/5049 há informação acerca do julgamento pelo TJ/SP do conflito de competência envolvendo a 20ª Vara Cível deste Foro Central da Capital e o DD. Juízo da 1ª Vara Cível do Foro Central da Capital firmando a competência desse último para o processamento da concordata, nos termos de V. Acórdão de ) Dias depois, em , ocorre o julgamento pelo STJ do conflito de competência nº SP, suscitado por GIUSEPPE ALFREDINI E OUTRA, entre a 1ª Vara Cível do Foro Central da Capital e a Vara Única de Comodoro-MT, firmando a competência de Juízo da Capital deste Estado de São Paulo para o processamento da concordata, de sorte que já tendo sido julgado pelo TJ/SP

7 o outro conflito de competência que envolvia a 20ª e a 1ª Vara Cível deste Foro Central da Capital, firmada restou a competência deste DD. Juízo da 1ª Vara Cível do Foro Central da Capital para o processamento da concordata, tendo sido os autos para ele distribuídos em (fls. 5050vº). 1.17) Às fls. 5057/5061 manifesta-se a DD. Representante do Ministério Público pugnando pela quebra da concordatária, com fundamento no art. 53 da Lei nº 6024/74, por entender estar ela legalmente impedida de pleitear os benefícios da concordata, por integrar o sistema de distribuição de títulos ou valores mobiliários no mercado de capitais, eis que emite contratos de investimento coletivos (CIC s), classificados como valores mobiliários pela Lei /01 e que decorridos dois e quatro meses da data da impetração da concordata, não procedeu a concordatária ao depósito das parcelas da moratória, a despeito do disposto no art. 175 da Lei de Falências, que assinala que o prazo para o cumprimento da concordata inicia-se da data do ingresso do pedido em juízo, aduzindo, a seguir, que, houvesse boa-fé por parte da impetrante quanto ao cumprimento da moratória, diante da disposição legal, teria efetuado o depósito dos valores que entendia cabívesi, isto é, aqueles valores incontroversos e declarados no edital já publicado. Mas não foi essa a conduta da impetrante, Assistiu, passivamente, as discussões judiciais sobre a comarca onde a moratória deveria ter sido apresentada, Igualmente, assistiu, passivamente, ao conflito de competência entre juízos deste foro. E, como boa devedora, deixou o tempo passar, já que a morosidade do Judiciário a favorecia (sic), ou melhor, não lhe causava problemas. Os credores, de outra, estavam com as mãos amarradas eis que impedidos de formular pedido de quebra frente ao disposto no art. 4º inc. V, do diploma falimentar, para, ao final, concluir não haver outra solução decretar a quebra da impetrante, uma vez que a parte final do art. 1º da Lei 6024, não afasta a aplicação da legislação falimentar, salientando que não se tem notícia sobre intervenção ou liquidação extrajudicial e aos investidores mais de 20 mil lesados o Judiciário deve uma resposta. 1.18) Às fls. 5086/5091, 5112/5172 e 5220/5244 requereu a concordatária a concessão de prazo para a apresentação de plano de recuperação, que fosse o prazo para o cumprimento da moratória contada de data do ingresso do processo no juízo competente ( ) e fosse e concordata regularmente processada.

8 1.19) Às fls. 5231/5254, 5258/5286, 5304/5307, 5328/5334 há pedidos de associações de credores para que não fosse a quebra da empresa imediatamente decretada, mas que sobrestado fosse o feito para a análise da capacidade da concordatária em honrar com o seus compromissos em eventual plano recuperação e que prestasse ela informações ao Juízo acerca da sua situação econômica e atual composição societária, tendo em vista a notícia da venda do seu controle para os GRUPOS SPERAFICO e GOLIN que, segundo notícias, estariam plantando soja nas propriedades da empresa, bloqueando-se, em todos os casos, os bens dos seus administradores. 1.20) Assim, em 02 de abril de 2004, pela r. sentença de fls. 5367/5377, houve por bem este DD. Juízo da Primeira Vara Cível do Foro Central da Capital, amparado no parecer do Ministério Público de fls. 5057/5061, valendo-se do disposto no art. 162 da Lei de Falências, decretar a quebra de FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO S.A., fixando o termo legal em 60 (sessenta) dias anteriores à data do pedido de concordata ( ), ou seja, 16 de agosto de 2001, por entender impedida estar ela de impetrar concordata em função do que dispõe o art. 53 da Lei nº 6.024/74, por fazer a captação de recursos junto ao mercado, mediante a emissão e distribuição de contratos de investimento coletivos (CICs) estando sujeita à permanente fiscalização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), além de ter violado os arts. 150, I, 156, 1º e 175, da Lei de Quebras, pois conforme destaca: Não é demais lembrar, aqui, que a presente ação foi ajuizada em , portanto há mais de 2 anos e 5 meses e, houvesse possibilidade de composição, esta já teria sido oferecida de forma clara e séria. Mas, ao contrário, a requerente não efetuou os depósitos oferecidos na inicial e anda pretende a concessão de mais prazo para oferecer um plano de recuperação da empresa, medida não prevista na nossa legislação em vigor. II - PROCEDIMENTO DA DEVEDORA ANTES E DEPOIS DA SENTENÇA DECLARATÓRIA 2) O comportamento da falida FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO S.A. antes da quebra foi péssimo, fraude

9 emergindo da própria natureza do negócio a que se propunham ela e as demais empresas do GRUPO BOI GORDO administradas por PAULO ROBERTO DE ANDRADE, de passado nada recomendável. 2.1) Tal negócio teve início em 1988, de forma ainda incipiente e em pequena escala, com a empresa FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO LTDA, atualmente denominada FRGB AGROPECUÁRIA E PARTICIPAÇÕES LTDA., somente vindo a ganhar corpo anos depois, após a mal-aventurada experiência de PAULO ROBERTO DE ANDRADE e seus irmãos ANTÔNIO CARLOS DE ANDRADE e SÉRGIO DE ANDRADE, com a empresa GOLD SYSTEM, que, tal como viriam eles a fazer com a falida, utilizava-se do mecanismo das pirâmides ou correntes para negociar contratos de investimento atrelados à variação do ouro oferecendo aos investidores rendimentos superiores às demais aplicações do mercado, o que lhes rendeu acusações por estelionato e crime contra a economia popular. 2.2) Encerradas as operações da GOLD SYSTEM passou PAULO ROBERTO DE ANDRADE, com o apoio de seus irmãos, a se dedicar mais à antecessora da falida, as FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO LTDA., cujo negócio, também inspirado no mecanismo das pirâmides, tomou maior vulto a partir do ano de 1996 e consistia na negociação de contratos de investimento coletivo, à vista ou a prazo, atrelados à arroba do boi com a garantia aos investidores de rendimentos acima dos oferecidos pelo mercado, os chamados contratos verdes, devido à coloração do papel em que eram impressos, proposital e equivocadamente denominados pela falida de contratos de compra e venda, cria, recria e engorda de gado bovino de gado em parceria remetendo-se a dispositivos do Estatuto da Terra e Código Civil inaplicáveis à espécie, visando conferir ao negócio, que ainda não se encontrava regulamentado, uma aparência de legalidade. 2.3) O negócio evoluiu, encontrando grande aceitação por parte dos investidores, impressionados com o alto retorno obtido pelas primeiras pessoas que nele investiram e surgiram diversas outras empresas no mercado, tais como a GALLUS, a OURO BRANCO, a BAWMAN e a ARROBAS, hoje todas falidas, que, assim como a falida, ofereciam aos investidores contratos de investimento coletivo com a garantia de rendimentos superiores às demais aplicações existentes no mercado com semelhante formatação, vinculados a bovinos, suínos e aves,

10 até que com a falência da GALLUS, em 1997, que lesou mais de (três mil) investidores, viu o governo a necessidade da regulamentação do negócio de forma a oferecer maiores garantias a esses investidores, mediante a edição da Medida Provisória nº 1637 de , que em seu artigo 1º definiu a exploração econômica da falida como atividade de investimento coletivo e os títulos por ele negociados como valores mobiliários e deu poderes à CVM de fiscalizar essa atividade, o que ocorreu por meio de Instrução Normativa, criando regras para as empresas emissoras de contratos de investimentos coletivo, dentre as quais a necessidade de se organizarem sob o formato de sociedades anônimas. 2.4) Assim é que sucedendo a FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO LTDA. surgiu a falida, FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO S.A., através de cisão parcial daquela primeira empresa (25ª alteração contratual de ), operando segundo os mesmos princípios e continuando a oferecer o mesmo produto por aquela anteriormente ofertado, sob outra formatação, posto que ora os contratos se denominavam Certificados de Investimento Coletivo CIC. 2.5) A falida, FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO S.A, devido ao carisma do seu principal administrador, PAULO ROBERTO DE ANDRADE, que no espaço de poucos anos alcançou notável sucesso, tornando-se o REI DO GADO em pessoa, passando a transitar entre as mais altas rodas da sociedade e empresariado nacionais, amparada em engenhoso planejamento de marketing e em intensas campanhas publicitárias com forte apelo ao mercado consumidor, que incluíam inserções nos intervalos da novela O REI DO GADO utilizando-se do seu principal protagonista, o ator ANTÔNIO FAGUNDES, e de outros veículos da mídia, inclusive de publicação própria denominada MOEDA FORTE e de um exército treinado de corretores distribuídos pelas principais capitais do País, extremamente motivado em razão das altas comissões recebidas, que chegavam a ser de 8% sobre cada venda realizada, oferecia e distribuía aos investidores, captando recursos da economia popular, títulos atrelados à arroba do boi com a promessa de rendimentos que eram, disparados, os mais altos do mercado, situando-se entre 3,5% e 5% ao mês, em momento de estabilidade econômica e inflação baixa em que as demais aplicações rendiam pouco mais de 1%, tornando-se, com isso, a maior empresa do setor.

11 2.6) Para se ter uma idéia, o rendimento mínimo garantido pelos Certificados de Investimento Coletivo CICs de emissão da falida atrelados a boi magro era de 42% (quarenta e dois por cento) em arrobas, para resgate em 18 (dezoito) meses, podendo chegar a 60% (sessenta por cento) para igual período de resgate, dependendo do valor investido pelo cliente. 2.7) Isso é mais do que o dobro do obtido, em média, pela pecuária de corte em nosso país, o que para qualquer pessoa que tivesse algum conhecimento de pecuária deveria servir de alerta para não investir no negócio, que tinha todos os ingredientes de um bem arquitetado golpe. 2.8) Esse não foi, porém, o caso dos milhares de investidores leigos que atraídos pela oportunidade de rendimento alto e seguro, atributos esses que produto algum no mercado oferece, se deixaram seduzir pela propaganda enganosa veiculada pela falida e hoje engrossam o grupo de cerca de (trinta mil) consumidores por ela lesados. 2.8) É inegável que PAULO ROBERTO DE ANDRADE, inteligente que é e contando com uma notável equipe de bem remunerados assessores, tinha plena ciência de não ser possível obter o rendimento em arrobas oferecido aos investidores e de que o seu rebanho era insuficiente para lastrear a emissão dos contratos negociados pela empresa, e que, conseqüentemente, não tinha a empresa condições de honrar os seus contratos com os credores. 2.9) Apesar disso, inebriado pelo rápido sucesso e fama alcançados, preferiu, agindo de má-fé para com os credores, continuar o negócio que, embora a médio prazo inviável, era, para ele, extremamente vantajoso, vez que lhe proporcionava padrão de vida, contatos com personalidades e visibilidade comparáveis aos dos maiores empresários do país, dos quais chegou, até mesmo, a obter reconhecimento, ganhando prêmios e mais prêmios de maior empresário e homem de negócios do ano. 2.10) O único problema é que o dinheiro que proporcionava tudo isso não lhe pertencia, mas sim aos infelizes consumidores, hoje credores na falência, que, atraídos pela propaganda do produto que, segundo alardeado pela falida, representaria um investimento seguro e lucrativo, afluíam, cada vez mais, movimentando a bicicleta

12 montada por PAULO ROBERTO DE ANDRADE, que passou a girar a uma velocidade cada vez maior. 2.11) Dessa forma, para responder à forte demanda por ela mesma criada em razão da oferta de aplicação com rentabilidade superior a qualquer outra existente no mercado, agindo com o ânimo de fraudar, voltou a falida a negociar os chamados contratos verdes ou ecológicos, sob o rótulo de contratos de compra e venda de gado com parceria para engorda, supostamente regidos pelo Estatuto da Terra e Código Civil, semelhantes aqueles emitidos pela FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO LTDA. no início do seu negócio, antes da regulamentação do negócio pela Medida Provisória nº 1637/98 e, posteriormente, a Lei nº /2001, após a falência da GALLUS, mas que, após isso, não mais passaram a ser senão um CIC disfarçado, de emissão irregular. 2.12) Paralelamente, passou a falida a emitir e negociar CICs em volume sempre crescente, antes mesmo de obter autorização da CVM, até ser por essa autuada e proibida de emitir novos contratos, ensejando a instauração de processo administrativo que culminou na aplicação de pesadas multas e na pena de inabilitação de administrar sociedades anônimas de capital aberto ao seu presidente PAULO ROBERTO DE ANDRADE e aos diretores KLÉCIUS ANTÔNIO DOS SANTOS e ANTÔNIO CARLOS DE ANDRADE, conforme documentação já juntada aos autos da falência. 2.13) Impedida de emitir novos CICs em razão do stop order da CVM, em março de 2001, para escapar ao seu controle e evitar o resgate dos títulos de investimento, os quais sabia não ter condições de honrar, passou a falida, por seus corretores, a oferecer aos investidores, além dos contratos verdes, contratos denominados de compra e venda de gado e de parceria vinculados a vacas e bezerros através da sua coligada, URUGUAIANA AGROPECUÁRIA COMÉRCIO DE GADO BOVINO LTDA., valendo-se da mesma forma que aqueles, das regras do Estatuto de Terra e Código Civil, em operação que envolvia outra empresa do grupo, a CASA GRANDE PARCERIA RURAL LTDA., acenando aos investidores com a vantagem de que obteriam o mesmo rendimento das aplicações com CICs sem terem que pagar IOF, podendo utilizar os seus CICs e contratos verdes para aplicar nesse novo negócio, que mantinha a mesma dinâmica daquele operado diretamente pela falida,

13 residindo a diferença no fato de estarem esses contratos atrelados a vacas e seus frutos, possuindo variados prazos de resgate, enquanto que os anteriores tinham por objeto a engorda de bois magros, sujeitando-se à fiscalização da CVM. 2.14) Aos olhos dos investidores diferença alguma havia entre a falida e as empresas URUGUAIANA e CASA GRANDE PARCERIA RURAL, para os quais todas eram empresas do GRUPO BOI GORDO, tendo como proprietário PAULO ROBERTO DE ANDRADE, conforme informavam os corretores na tentativa de fazer com que esses investidores, ao invés de resgatarem os seus créditos, os reaplicassem na URUGUAIANA, corretores esses que, é bom que se diga, eram os mesmos que negociavam títulos da falida, possuindo o mesmo endereço e fornecendo para contato os números de telefone que pertenciam à falida, fato esse que é confirmado por esses próprios corretores nas ações trabalhistas que promoveram contra a empresa. 2.15) Tanto isso é evidente que mesma percepção tiveram os diversos credores que promoveram medidas cautelares para a apreensão de bens da falida incluindo no pólo passivo PAULO ROBERTO DE ANDRADE e as empresas coligadas pertencentes ao GRUPO BOI GORDO, obtendo decisões favoráveis à desconsideração da personalidade jurídicas dessas outras sociedades para que respondessem pelas dívidas da falida e ora pedem no processo de falência, assim como o infra-assinado e o DD. Representante do Ministério Público sejam para elas e PAULO ROBERTO DE ANDRADE estendidos os efeitos da falência, ante a manifesta fraude contra os credores caracterizada por atos tais como o uso de artifício para criar, no papel, rebanho superior ao existente e a emissão irregular de títulos de investimento sob as mais diversas formatações, diretamente pela falida ou por sua empresas coligadas, com o objetivo de captar mais investidores e aumentar ainda mais os seus prejuízos. 2.16) Com semelhante objetivo de evitar o resgate dos CICs por seus maiores investidores, ou seja, aqueles com R$ ,00 (quinhentos mil reais) ou mais de crédito, lançou a falida, apoiada, como sempre, em grande campanha publicitária, o projeto de um condomínio de fazendas coordenado pela coligada COLONIZADORA BOI GORDO LTDA, passando a negociar, aceitando CICs, contratos verdes e outros contratos de investimento por ela negociados, como forma de pagamento e a valores muito acima do mercado para a terra nua, lotes

14 desmembrados da FAZENDA REALEZA DO GUAPORÉ, em Comodoro- MT, com cerca de 200 ha. cada um, sendo 100 ha. de área aproveitável e 100 ha. de reserva, que eram vendidos juntamente com gado nelore P.O. da empresa, que assumia a responsabilidade pela administração dessas propriedades, do trato do rebanho e da aquisição dos seus produtos. 2.17) E não pararam aí as manobras da falida para enganar a CVM, e indiretamente, os credores, fazendo-os crer possuir a empresa lastro para garantir o pagamento das aplicações quando, na verdade, o seu ativo não alcançava a metade do passivo que se estima seja hoje superior a R$ ,00 (um bilhão e quinhentos milhões de reais). 2.18) Conforme apontado nos autos da falência pelo infra-assinado e pelo D. Representante do Ministério Público, apurou o Ministério Público da Comarca de Mirassol D Oeste MT com base em investigação por ele conduzida e sindicância realizada no ano de 2001, que parte do rebanho da falida que servia de lastro para os investimentos em CICs, existia apenas no papel, tendo sido constatada fraude na transcrição das informações constantes das GTAs (guias de trânsito animal) para o banco de dados do INDEA Instituto de Defesa Agropecuária do Estado, órgão responsável no Estado do Mato Grosso pela totalização do rebanho existente nas propriedades rurais, que eram lançadas no sistema aumentando-se, em muito, o número de animais apontado no referido documento, sendo isso o observado em duas GTAs da falida, uma relativa a 30 (trinta) animais anotada no INDEA como correspondendo a (quatorze mil, quatrocentos e sessenta e seis) animais e outra relativa a 04 (quatro) animais, lançada como correspondendo a (quarenta e um mil, setecentos e dezessete) animais, além da compra de rótulos de vacinas para simular ter sido esse rebanho virtual vacinado, somente para mencionar algumas das irregularidades apuradas na investigação levada a cabo em Mirassol D Oeste, tudo levando a crer tratarem-se esses de fatos corriqueiros, expedientes de que se valia a falida para ludibriar os seus credores, pensando possuir rebanho em número suficiente para fazer frente aos contratos de investimentos por ela negociados e, dessa forma, captar ainda mais investidores (fls. 5530/5549). 2.19) Tudo isso demonstra a inviabilidade do negócio da falida, por oferecer aos investidores rendimentos que atividade produtiva alguma no ramo agropecuário teria condições de garantir, o que

15 era e sempre foi do pleno conhecimento do seu principal administrador, PAULO ROBERTO DE ANDRADE, por observar o mesmo mecanismo das chamadas pirâmides, correntes ou bicicletas, nas quais quem entra no negócio paga aquele que está saindo e que, a medida em que crescem são obrigadas a girar cada vez mais rápido, captando mais e mais novos investidores, sob pena do colapso. 2.20) Pois era esse o caso da falida, cuja atividade produtiva nem de longe era suficiente para garantir os rendimentos prometidos aos investidores e que para honrar o pagamento dos títulos resgatados utilizava-se do dinheiro de quem estava entrando no negócio, mormente pelo fato de vultosos serem os empréstimos por ela concedidos a suas coligadas, como é o caso da FRBG AGROPECUÁRIA E PARTICIPAÇÕES LTDA., atual denominação da FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO LTDA., para a qual a falida emprestou a quantia de R$ ,71, que representava cerca de 30% (trinta por cento) do seu ativo circulante na data da impetração da concordata (fls. 75), conforme apontado no laudo pericial. 2.21) Tal negócio dependia, como se disse, da venda contínua e em número crescente de novos certificados de investimento coletivo CICs e demais contratos de emissão sua e de suas coligadas, o que a falida lograva fazer através de vigorosas campanhas publicitárias, oferecendo aos investidores rendimentos cada vez maiores, infinitamente superiores às demais aplicações existentes no mercado. 2.22) Diversas foram, também, as jogadas contábeis feitas pela falida para melhorar ou piorar o seu balanço e o das demais empresas do GRUPO BOI GORDO, ludibriando, com isso, a CVM e os seus investidores, uma das quais consistia em fazer com que os seus imóveis fossem comprados por uma de suas empresas e a seguir transferido para outra e assim por diante, criando lucro e prejuízo onde era necessário, conforme se observa de diversas das certidões de propriedade que instruíram o pedido de falência, a ponto da própria falida se confundir, na impetração do pedido de concordata, e listar como seus imóveis de propriedade das FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO LTDA. e da URUGUAIANA. 2.23) A isso se alia uma administração temerária onde se gastava muito mais do que se possuía ou produzia, com tratores,

16 veículos e funcionários em número infinitamente superior ao necessário e diretores e administradores aos quais se pagavam salários muito acima da média do mercado, tudo com o dinheiro fácil obtido dos investidores, parte do qual recebida diretamente por contas no exterior em seu nome e no de empresa do grupo sediada nos Estados Unidos denominada BOI GORDO INTERPRISES INC, no COUTTS INTERNATIONAL CO., Agência Miami e dela falida BANCO DO BRASIL, Agência de Nova Iorque, denotando, além da fraude falimentar, a prática dos crimes comuns de evasão de divisas e sonegação fiscal, pois referência alguma fez a falida a esses valores e a essas contas no balanço especial que instruiu a inicial do pedido de concordata (vide fls. 5563/5574). 2.24) Apesar de todos esses artifícios, devido à própria dinâmica do negócio que o tornava inviável, da incerteza que abateu o mercado devido ao colapso das outras empresas que atuavam no mesmo ramo e da regulamentação da CVM que impôs um maior controle ao negócio e exigiu das empresas que nele atuavam a prestação de maiores garantias ao investidor e da crescente desproporção entre o ativo e passivo da empresa, tendo em vista a diminuição do número de novos investidores e o aumento do número de resgate dos títulos, patente tornou-se a sua insolvência, não mais tendo ela condições de honrar o pagamento dos certificados emitidos e distribuídos por sua equipe de corretores espalhada por todos os cantos do país e até no exterior. 2.25) Quando evidente já era, para o próprio PAULO ROBERTO DE ANDRADE, o estado de insolvência da falida, utilizou-se ele, uma vez mais, de ardil e transferiu a sede da empresa e a de suas coligadas da Capital de São Paulo para Cuiabá e de lá, seguindo adiante outros 600 Km, para a distante comarca de Comodoro MT, nas proximidades da fronteira com a Bolívia, onde estavam localizadas as maiores propriedades da empresa, para lá impetrar concordata preventiva cujo processamento foi, de forma pouco usual, de imediato deferido, sem a exigência da apresentação de novos documentos e com a dispensa da oitiva do Ministério Público, no dia seguinte da impetração! 2.26) Conforme bem apontou a r. sentença de quebra em seu relatório, a própria falida confessa, ao impetrar concordata preventiva na distante comarca de Comodoro MT, no final do ano de 2001, não mais ter condições financeiras de continuar a operar com segurança e rentabilidade, havendo excessivo descompasso entre os

17 resgates e novas aplicações, não havendo tempo para maturação dos investimentos e aproveitamento do ciclo do gado em razão das dificuldades decorrentes da nova regulamentação do setor pela CVM. 2.27) Manifesto, destarte, o intuito protelatório da falida e o seu ânimo de fraudar e desviar os seus bens ao impetrar, perante Juízo manifestamente incompetente, o DD. Juízo de Comodoro-MT, concordata preventiva que sabia não ter condições legais e econômicas de cumprir tendo, um mês antes, promovido mega-leilão no qual liquidou grande parte de suas matrizes de gado PO Nelore e Limousin (fls /9.347 e ). 2.28) Na concordata, para não perder o costume de procurar sempre levar vantagem, em outra de suas jogadas, relacionou a falida os créditos dos credores quirografários investidores em razão de contratos de investimento coletivo apenas pelo valor de face dos respectivos contratos, sem computar os rendimentos previstos, mas descontando, em sua integralidade a taxa de apascentamento de 10% (dez por cento), prevendo, com isso, que a grande maioria desses credores, representando cerca de 70% do total, composta por pequenos investidores com créditos de, no máximo R$ ,00 (quinze mil reais), se conformaria com esses valores, por não ter condições de contratar advogado para apresentar impugnação em localidade tão distante e que parte dos grandes investidores, que não tivesse como demonstrar a origem do dinheiro investido, também preferisse não apresentar habilitação ou impugnação, para não correr o risco de chamar a atenção da Receita Federal para a sua situação. 2.29) Porém, menos de 01 (um) mês após a data da impetração teve a concordata o seu andamento suspenso por ordem do Tribunal de Justiça do Estado do Mato Grosso, devido à atuação corajosa de parte dos credores que impetraram mandados de segurança alegando a incompetência do Juízo da Comarca de Comodoro-MT, situação essa que perdurou por mais de 02 (dois) anos, até culminar na decisão do Superior Tribunal de Justiça que fixou competência do Juízo da 1ª Vara Cível do Foro Central da Capital para o processamento do feito. 2.30) Decorrido o prazo assinalado em lei para o pagamento da primeira e segunda parcelas do favor legal (art. 156, II da L.F.), a falida, já sob a administração de novos controladores, nada

18 depositou, iludindo os seus credores com promessas genéricas de utópicos planos de recuperação que nunca chegarem a ser apresentados, com o claro escopo de protelar o andamento do processo, como já fizera, com sucesso, ao impetrar a concordata em Juízo incompetente, ganhando, com isso, mais de 02 (dois) anos até que fossem decididos os conflitos de competência suscitados, outra solução não tendo restado a este DD. Juízo senão decretar a sua falência por r. sentença de ) No curso da concordata, todavia, seja por obra de PAULO ROBERTO DE ANDRADE ou dos novos controladores, que assumiram a administração da falida em meados de 2003, ou de ambos, a quase totalidade dos seus bens móveis e do rebanho de mais de (cem mil) cabeças de gado relacionados no balanço especial foi desviada, restando, apenas, uma ínfima parte, insuficiente para o pagamento dos credores, sendo de se notar, outrossim, irregularidades em alguns dos contratos de arrendamento por ela firmados, em especial aqueles tendo por objeto as propriedades de Itapetininga-SP e Comodoro-MT, em razão da ligação existente os arrendatários dessas glebas e os novos controladores da falida. 2.32) Desviados foram, outrossim, os bens imóveis e valores recebidos de CLÁUDIA TOSTA JUNQUEIRA em razão da rescisão do contrato de venda e compra da FAZENDA FLAMBOYANT, em Salto do Céu-MT ocorrida na época de impetração da moratória, indevidamente relacionada na concordata (fls /14.967). 2.33) Há notícia, também, de haver a falida, diretamente e por suas coligadas privilegiado alguns credores em detrimento de outros, os quais receberam os seus créditos enquanto que a imensa maioria dos credores aguardava na concordata, o cumprimento dessas obrigações, conforme informa o ilustre credor e Prof. CLITO FORNACIARI JÚNIOR às fls de sua manifestação, com relação às demais empresas do grupo, quando declara haver notícia que as referidas pessoas jurídicas também foram usadas, mais recentemente para a quitação de dívidas com terceiros, esvaziando os efeitos da falência, mas, ao mesmo tempo, no mínimo indiretamente desviando bens que deveriam ser arrecadados para fins da realização do passivo da requerida, o que foi pelo infra-assinado confirmado através do documento que lhe chegou às mãos, cópia de termo de remissão, quitação, assunção de dívida e outras avenças celebrado, em entre CASA GRANDE PARCERIA

19 RURAL LTDA. e credores da falida detentores de contratos de parceria de vaca, para a quitação com deságio de 50% de dívida no valor de R$ ,00 (setecentos e sessenta e oito mil reais - documento anexo), o que caracteriza crime falimentar. 2.34) Sem que informação alguma fosse prestada nos autos, teve a falida o seu controle transferido para terceiros oportunistas que nada fizeram para resolver a sua situação com os credores, ao contrário, embolsaram os pagamentos recebidos dos arrendatários de terras da falida e contribuíram para o desvio de grande parte do ativo da empresa em bens móveis e semoventes, aditaram e celebraram contratos de arrendamento de propriedades da falida de forma manifestamente irregular, neles incluindo cláusulas contrárias aos interesses da empresa, de forma a dificultar a arrecadação e a retomada dessas propriedades pela massa falida na hipótese, mais do que provável, da falência da empresa, enquanto procuravam protelar, ao máximo, o decreto de quebra, iludindo os credores, através da mídia, com promessas genéricas de utópicos planos de recuperação que nunca chegarem a ser apresentados baseados na fórmula simplista de mudar a destinação das propriedades da falida de exploração pecuária e utilizá-las para o plantio de soja, cuja cotação batia recordes de alta naquele momento, vindo a cair no ano seguinte, passado pouco tempo da quebra da empresa, em ) O fato que decretada a quebra, amparados nesses contratos de arrendamento de validade duvidosa, criaram e continuam a criar, os novos controladores da falida, embaraços à retomada dessas propriedades para que fossem avaliadas e vendidas na falência, como é o caso da fazenda REALEZA, localizada em falida de Itapetininga- SP arrendada à ELDORADO AGROINDUSTRIAL LTDA., além de não terem comparecido para prestar as declarações do art. 34 da Lei de Falências e suprimido, destruído ou inutilizado a quase totalidade dos livros e documentos contábeis da sociedade falida, somente restando para ser examinados pelo Sr. Perito Contador uns poucos livros que haviam sido por ela apresentados por ocasião da impetração da concordata em Comodoro-MT. 2.36) A transferência do controle da empresa e de suas coligadas FRGB AGROPECUÁRIA E PARTICIPAÇÕES LTDA., URUGUAIANA AGROPECUÁRIA COMÉRCIO DE GADO BOVINO LTDA., COLONIZADORA BOI GORDO LTDA., HD

20 EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. (atual denominação de CASA GRANDE EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA) e CASA GRANDE PARCERIAL RURAL LTDA., ocorrida em meados de 2003 e não noticiada na concordata, muito embora tenha sido divulgada na imprensa e no site da falida (fls. 5332/5334), se deu da forma seguinte. 2.37) Em um primeiro momento PAULO ROBERTO DE ANDRADE, que figurava como sócio gerente e majoritário em todas as empresas do GRUPO BOI GORDO, transferiu as suas cotas em cada uma dessas empresas para as coligadas HD EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. e COLONIZADORA BOI GORDO LTDA., que passarem a ser as sócias controladoras de todas as demais empresas do grupo, dentre as quais a falida, FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO S.A., continuando, porém, a ser controladas por PAULO ROBERTO DE ANDRADE. 2.38) A seguir, por Instrumento Particular de Compromisso Irretratável e Irrevogável de Compra de Venda de Participação Acionária de Sociedades Limitadas, Assunção de Responsabilidades Mútuas e Outras Avenças datado de , PAULO ROBERTO DE ANDRADE vendeu, pelo valor informado de R$ ,00 (três milhões e setecentos e cinqüenta mil reais), a sua participação societária na HD EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. e COLONIZADORA BOI GORDO LTDA. para os GRUPOS GOLIN e SPERAFICO, do Estado do Paraná, através, respectivamente, das empresas SATCAR DO BRASIL LTDA., no ato representada por JOSELITO GOLIN, e COBRAZEM AGROINDUSTRIAL LTDA., cujo sócio gerente é DENIS SPERAFICO, no ato representada por seu bastante procurador DILSO SPERAFICO, na proporção de 50% (cinqüenta por cento) para cada uma, transferindo, dessa forma, indiretamente, o controle da falida FAZENDAS REUNIDAS BOI GORDO S.A., ora em processo de concordata. 2.39) Todavia, por ocasião das alterações contratuais da HD EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. (10ª alteração contratual de fls /11119) e COLONIZADORA BOI GORDO LTDA. (9ª alteração contratual de fls /11.140), por meio das quais se operou, formalmente, a transferência indireta do controle da falida de PAULO ROBERTO DE ANDRADE para os grupos paranaenses, por razões que

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV PROCESSO Nº 000.02.171131-3 FALÊNCIA GUSTAVO HENRIQUE SAUER DE ARRUDA PINTO, síndico dativo na falência de FAZENDAS

Leia mais

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV PROCESSO Nº 000.02.171131-3 FALÊNCIA GUSTAVO HENRIQUE SAUER DE ARRUDA PINTO, síndico dativo na falência de FAZENDAS

Leia mais

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT.

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. 1 A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. Vinicius Leal Batista de Andrade 1 RESUMO A empresa seus aspectos e características, notas breves sobre o que venha ser uma empresa, sua função. Recuperação judicial,

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. GUIA DE SEGURO GARANTIA PARA CONSULTA FENSEG QUEM SÃO AS PARTES Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Leia mais

PROCESSO Nº 583.00.2002.171131-0/1900 FALÊNCIA/ANEXO DOS PROCESSOS DE COMODORO-MT

PROCESSO Nº 583.00.2002.171131-0/1900 FALÊNCIA/ANEXO DOS PROCESSOS DE COMODORO-MT EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV PROCESSO Nº 583.00.2002.171131-0/1900 FALÊNCIA/ANEXO DOS PROCESSOS DE COMODORO-MT GUSTAVO HENRIQUE SAUER DE

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV

EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV EXMA. SRA. DRA. JUIZA DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA CAPITAL/01CV PROCESSO Nº 000.02.171131-3 FALÊNCIA GUSTAVO HENRIQUE SAUER DE ARRUDA PINTO, síndico dativo na falência de FAZENDAS

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS. PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE (Dos Srs. Luciano Zica e Luiz Antônio Fleury Filho)

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS. PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE (Dos Srs. Luciano Zica e Luiz Antônio Fleury Filho) COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE (Dos Srs. Luciano Zica e Luiz Antônio Fleury Filho) Propõe que a Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente

Leia mais

PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL

PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL Mate Gelado Refrescos Ltda. celebrou contrato de compra e venda com Águas Minerais da Serra S.A., pelo qual esta deveria fornecer 100 (cem) litros d água por dia àquela, no período

Leia mais

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Decreto-lei nº 7.661, de 21 de junho de 1945 Lei de Falências revogado. Lei nº 11.101, de 09 de fevereiro de

Leia mais

AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 2ª. VARA CÍVEL DA COMARCA DE ITAJUBÁ/MG

AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 2ª. VARA CÍVEL DA COMARCA DE ITAJUBÁ/MG AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 2ª. VARA CÍVEL DA COMARCA DE ITAJUBÁ/MG Página 1 PROCESSO Nº 0324.13.003218-2 RICARDO DE MORAES CABEZÓN, Administrador Judicial, devidamente nomeado e

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. FIBRIA CELULOSE S.A. (nova denominação social de Votorantim Celulose

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se:

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se: Estabelece regras e procedimentos para a transferência de controle societário ou de titularidade e para a alteração do nome empresarial de contrato de concessão de porto organizado ou de arrendamento de

Leia mais

EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG.

EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG. EX. MO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA, FALÊNCIA, CONCORDATAS E REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE CONTAGEM/MG. PROCESSO: 007910 017400-6 / 0174006-57.2010.8.13.0079 JULIANA FERREIRA

Leia mais

INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER

INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER Breve Análise de cada Situação Por: Antonio Carlos Nasi Nardon, Nasi Auditores e Consultores 1. INCORPORAÇÃO A incorporação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 1 DECISÃO Processo nº: 0005814-34.2013.8.26.0229 Classe - Assunto Recuperação Judicial - Recuperação judicial e Falência Requerente: Mabe Brasil Eletrodomésticos Ltda Tipo Completo da Parte Nome da

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ( ) CAPÍTULO VII DISPOSIÇÕES PENAIS Seção I Dos Crimes em

Leia mais

RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO

RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO VOTO PROCESSO: 48500.003722/2007-96. INTERESSADO: Energy Green do Brasil Energia Renovável Ltda. RELATOR: Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO ASSUNTO:

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Autos n. 0006589-45.2015.4.03.6181 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N os 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06. Dispõe sobre a Constituição de funcionamento de Clubes

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 Dispõe sobre a concessão, aplicação e prestação de contas de suprimento de fundos no âmbito do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA DIREÇÃO PROCESSAMENTO DE DADOS LTDA. PELA LINX SISTEMAS E CONSULTORIA LTDA.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA DIREÇÃO PROCESSAMENTO DE DADOS LTDA. PELA LINX SISTEMAS E CONSULTORIA LTDA. LINX S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ: 06.948.969/0001-75 NIRE: 35.300.316.584 PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA DIREÇÃO PROCESSAMENTO DE DADOS LTDA. PELA LINX SISTEMAS E CONSULTORIA

Leia mais

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis?

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis? Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Juizados Especias Perguntas mais freqüentes e suas respostas 1 - O que são os Juizados Especiais Cíveis? Os Juizados Especiais Cíveis são órgãos da Justiça (Poder

Leia mais

SESSÃO DE JULGAMENTO DO INQUÉRITO ADMINISTRATIVO CVM Nº TA - RJ2002/5101

SESSÃO DE JULGAMENTO DO INQUÉRITO ADMINISTRATIVO CVM Nº TA - RJ2002/5101 Voltar SESSÃO DE JULGAMENTO DO INQUÉRITO ADMINISTRATIVO CVM Nº TA - RJ2002/5101 Indiciados : Ivanildo Alves Messias Messias Auditoria e Consultoria S/C Ementa : Decisão : O auditor independente no exercício

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

Registro na CVM não garante o sucesso do investimento: precedente judicial no Caso Boi Gordo

Registro na CVM não garante o sucesso do investimento: precedente judicial no Caso Boi Gordo Registro na CVM não garante o sucesso do investimento: precedente judicial no Caso Boi Gordo Julio Ramalho Dubeux * Procurador Federal na CVM O lançamento do site do investidor parece ser uma boa oportunidade

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI N o 7.492, DE 16 DE JUNHO DE 1986. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1º Considera-se instituição financeira, para efeito desta

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

ASPECTOS LEGAIS LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ASPECTOS LEGAIS LEGISLAÇÃO APLICÁVEL O Fundo é disciplinado pela Instrução CVM 359/02, pelo seu respectivo Regulamento, e demais disposições legais e regulamentares aplicáveis. DISPENSAS CONCEDIDAS PELA

Leia mais

Recente alteração: Modificação da nomenclatura passando de Varas de Falências e Concordatas para Falência e Recuperação de Empresas.

Recente alteração: Modificação da nomenclatura passando de Varas de Falências e Concordatas para Falência e Recuperação de Empresas. Francisco Marcelo Avelino Junior, Msc. Presidente APCEC 2010-20122012 (85) 96.145600 Contexto atual Recente alteração: Modificação da nomenclatura passando de Varas de Falências e Concordatas para Falência

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA PUBLICADO NO DOU DE 06/02 SEÇÃO 1, PÁG. 53 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 Disciplina o parcelamento do valor correspondente à

Leia mais

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o 5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS AVENÇAS PARTES CONTRATANTES COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o n.... e no RG sob o n...., residente

Leia mais

CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES. CNPJ nº 08.801.621/0001-86 FATO RELEVANTE

CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES. CNPJ nº 08.801.621/0001-86 FATO RELEVANTE CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES CNPJ nº 08.801.621/0001-86 FATO RELEVANTE Em cumprimento ao disposto nas Instruções CVM nºs 319/99 e 358/02, a Cyrela Commercial Properties

Leia mais

REGULAMENTO APLICÁVEL ÀS LETRAS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO

REGULAMENTO APLICÁVEL ÀS LETRAS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO REGULAMENTO APLICÁVEL ÀS LETRAS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO BANCO CRUZEIRO DO SUL S.A., instituição financeira com sede na Cidade e Estado de São Paulo, na Rua Funchal, nº 418, 7º a 9º andares, Vila Olímpia,

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Sumário Unidade I Unidade I Provisão para devedores duvidosos Operações financeiras (duplicatas) Unidade II Empréstimos (pré e pós) Aplicações financeiras

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE

PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE PARCELAMENTO ORDINÁRIO PORTO ALEGRE 1 A - PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS MUNICIPAIS 1 Em regra, os créditos tributários junto à Fazenda Municipal de Porto Alegre podem ser pagos em até 24 (vinte e

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado Neste estudo, procuraremos trazer algumas considerações

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 Pelo presente instrumento particular, atendendo as formalidades legais, SÓCIA 2; SÓCIO 2, resolvem constituir uma sociedade limitada,

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

MRV LOGISTICA E PARTICIPAÇÕES S.A. PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES ("PLANO")

MRV LOGISTICA E PARTICIPAÇÕES S.A. PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES (PLANO) MRV LOGISTICA E PARTICIPAÇÕES S.A. PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES ("PLANO") DATADO DE 17 DE NOVEMBRO, 2010 2 MRV LOGÍSTICA E PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF nº 09.041.168/0001-10 NIRE 31.300.027.261

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2014.0000104277 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9000088-33.2009.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a

A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a Lei Complementar 147/14 Impactos para o mercado de crédito. Glauco Alves Martins Objetivo geral: aperfeiçoamento do SIMPLES e modificações

Leia mais

TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA

TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA A FAEL E O POLO (NOME FANTASIA) CELEBRAM O PRESENTE TERMO VISANDO A ANTECIPAÇÃO DE VALORES, PARA UTILIZAÇÃO EXCLUSIVA EM MÍDIA, COMO

Leia mais

CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 --------------

CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 -------------- CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 -------------- Dispõe sobre concessão de autorização para funcionamento, transferência de controle societário, cisão, fusão, incorporação, prática de outros atos societários

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

BANCO BTG PACTUAL S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF n. 30.306.294/0001-45 Código CVM nº 22616 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

BANCO BTG PACTUAL S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF n. 30.306.294/0001-45 Código CVM nº 22616 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO BANCO BTG PACTUAL S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF n. 30.306.294/0001-45 Código CVM nº 22616 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO A administração do Banco BTG Pactual S.A. ( Banco ), no contexto da proposta de incorporação

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 4.0 - Março/2015) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO 003/2015

EDITAL DE CREDENCIAMENTO 003/2015 EDITAL DE CREDENCIAMENTO 003/2015 AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR, pessoa jurídica de direito público interno, inscrita no CNPJ/MF sob n.º 18.137.082/0001-86, neste ato representado por seu

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) Notas prévias: Publicação do extracto do anúncio na Imprensa Nacional Casa da Moeda em 03-08-2010 1. INSOLVENTE:

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA TOTVS BRASIL SALES LTDA. PELA TOTVS S.A. Pelo presente instrumento particular, (A) TOTVS S.A., sociedade por ações de capital aberto, com sede na Cidade de São

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.406/12 Dispõe sobre o Regime de Parcelamento de Débitos de Anuidades e Multas (Redam III) para o Sistema CFC/CRCs. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DA OPERAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA COMPANHIA ALAGOAS INDUSTRIAL CINAL PELA BRASKEM S.A. Que entre si celebram

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DA OPERAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA COMPANHIA ALAGOAS INDUSTRIAL CINAL PELA BRASKEM S.A. Que entre si celebram PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DA OPERAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA COMPANHIA ALAGOAS INDUSTRIAL CINAL PELA BRASKEM S.A. Que entre si celebram COMPANHIA ALAGOAS INDUSTRIAL - CINAL, sociedade por ações de capital fechado,

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Falência. Continuação. 1.1) Da realização ativo. Art. 108, Lei 11.101/05. O administrador Judicial providenciará a realização do ativo. Pode ser por: leilão; proposta fechada ou pregão O porduto

Leia mais

ANOTAÇÃO DE AULA. E ainda, o administrador terá preferência nos honorários (crédito extraconcursal).

ANOTAÇÃO DE AULA. E ainda, o administrador terá preferência nos honorários (crédito extraconcursal). MATERIAL DE APOIO Disciplina: Direito Empresarial Professor: Elisabete Vido Aula: 17 e 18 Data: 06/10/2015 ANOTAÇÃO DE AULA SUMÁRIO 7. Falência (continuação) 7.4 Órgãos 7.5 Credores 7.6 Procedimento da

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI

CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI CÂMARA DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS RELATIVAS A NOMES DE DOMÍNIO (CASD-ND) CENTRO DE SOLUÇÃO DE DISPUTAS EM PROPRIEDADE INTELECTUAL (CSD-PI) DA ABPI TRANSPERFECT TRANSLATIONS INTERNATIONAL, INC. X HENRIQUE TRENTINI

Leia mais

II) FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS FII

II) FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS FII 6 Índice I) INTRODUÇÃO II) FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS FII II.1) DEFINIÇÃO II.2) VANTAGENS II.3) RECOMENDAÇÕES II.4) FATORES DE RISCO II.5) REGULAMENTO E PROSPECTO II.6) ADMINISTRADOR DO FUNDO

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

BANCO GENERALIZADO Modelo 01 a quem confere poderes para abrir, movimentar, encerrar conta corrente e poupança, outras aplicações financeiras junto

BANCO GENERALIZADO Modelo 01 a quem confere poderes para abrir, movimentar, encerrar conta corrente e poupança, outras aplicações financeiras junto BANCO GENERALIZADO Modelo 01 a quem confere poderes para abrir, movimentar, encerrar conta corrente e poupança, outras aplicações financeiras junto ao Banco do Brasil S/A, ou quaisquer outros estabelecimentos

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Anexo 1.2.7 : Modelo de instrumento de cessão de crédito sem coobrigação

Anexo 1.2.7 : Modelo de instrumento de cessão de crédito sem coobrigação Anexo 1.2.7 : Modelo de instrumento de cessão de crédito sem coobrigação INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE CRÉDITOS SEM COOBRIGAÇÃO Por este instrumento, as partes a seguir designadas e qualificadas,

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO. Pelo presente instrumento particular,

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO. Pelo presente instrumento particular, PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA LOOK INFORMÁTICA S.A. PELA TOTVS S.A. Pelo presente instrumento particular, (A) TOTVS S.A., sociedade por ações de capital aberto, com sede na Cidade de São

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS URBAMAIS PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A., sociedade por ações, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 10.571.175/0001-02, com sede na Av. Raja Gabaglia, nº 2720,

Leia mais

Parágrafo único As aplicações realizadas no FUNDO não contam com a garantia da ADMINISTRADORA ou do Fundo Garantidor de Créditos FGC.

Parágrafo único As aplicações realizadas no FUNDO não contam com a garantia da ADMINISTRADORA ou do Fundo Garantidor de Créditos FGC. CAPÍTULO - DO FUNDO Artigo 1º O CAXA FUNDO MÚTUO DE PRVATZAÇÃO FGTS CARTERA LVRE PETROBRAS RENDA FXA 49 CAXA FMP FGTS CL, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é uma comunhão de recursos, constituído

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77 Nota do autor, xix 1 Empresa, 1 1 Empreender, 1 2 Noções históricas, 2 3 Teoria da empresa, 3 4 Registro, 8 4.1 Redesim, 10 4.2 Usos e práticas mercantis, 14 4.3 Empresário rural, 15 5 Firma individual,

Leia mais

TELEFÔNICA BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.157/0001-62 - NIRE 35.3.001.5881-4

TELEFÔNICA BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.157/0001-62 - NIRE 35.3.001.5881-4 F A T O R E L E V A N T E A Telefônica Brasil S.A. ( Telefônica ou "Companhia"), na forma e para os fins das Instruções CVM nº 319/99 e 358/02, conforme alteradas, e, em complementação ao Fato Relevante

Leia mais

Classificação dos Créditos. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Classificação dos Créditos. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Classificação dos Créditos Declarações de Crédito A falência, é um processo de execução coletiva. A sentença declaratória da falência instaura um verdadeiro concurso de credores, por força da vis attractiva

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A POLÍTCA DE DVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A A Política estabelece diretrizes e procedimentos a serem observados na divulgação de ato ou fato relevante e na manutenção do sigilo de tais

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação

Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EMPREGADOS. BREVES COMENTÁRIOS Gisela de Castro Chamoun * Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação judicial e seus reflexos nos créditos trabalhistas

Leia mais

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA ELETROBRÁS NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA 1 PARCELAMENTO DE DÉBITO 1.1 No caso de titular da conta 1. Original e cópia do RG ou da Carteira de Habilitação;

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA OHL BRASIL PARTICIPAÇÕES EM INFRA-ESTRUTURA LTDA. POR OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA OHL BRASIL PARTICIPAÇÕES EM INFRA-ESTRUTURA LTDA. POR OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA OHL BRASIL PARTICIPAÇÕES EM INFRA-ESTRUTURA LTDA. POR OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. Por este instrumento, OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A., companhia aberta

Leia mais

ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES

ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES SUMÁRIO I - MODELO DE SOLICITAÇÃO DE ESCLARECIMENTOS... 3 II - TERMOS E CONDIÇÕES MÍNIMOS DO SEGURO-GARANTIA PARA GARANTIA DE PROPOSTA... 4 III - MODELO DE FIANÇA-BANCÁRIA

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO. EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO...., brasileiro, casado, médico, portador da Cédula de Identidade RG nº... - SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob nº... com

Leia mais

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração;

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; ALTERAÇÃO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA: *ELEMENTOS DA ALTERAÇÃO CONTRATUAL a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; b) Preâmbulo; c) Corpo da alteração: Nova

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO 01/2014 PROCESSO N.º 0203500-71.1989.5.05.0015 ABRAHÃO SADIGURSKY E OUTROS VS. PETROBRÁS

BOLETIM INFORMATIVO 01/2014 PROCESSO N.º 0203500-71.1989.5.05.0015 ABRAHÃO SADIGURSKY E OUTROS VS. PETROBRÁS Salvador, 07 de março de 2014 BOLETIM INFORMATIVO 01/2014 PROCESSO N.º 0203500-71.1989.5.05.0015 ABRAHÃO SADIGURSKY E OUTROS VS. PETROBRÁS Prezado Sr(a). Cliente, O escritório Catharino, Mesquita & Fonseca

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 180 SENTENÇA Processo Digital nº: 1021633-14.2014.8.26.0405 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Promessa de Compra e Venda Requerente: RAFAEL RODRIGUES e outro Requerido: IBÉRIA INCORPORADORA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento PLATINUM é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015. Capítulo I Disposições Gerais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015. Capítulo I Disposições Gerais PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015 Institui o Programa de Recuperação Fiscal REFIS do Município de Jaboticabal, e dá outras providências. Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Fica instituído, nos

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

Condições de Venda em Hasta Pública Unificada

Condições de Venda em Hasta Pública Unificada Condições de Venda em Hasta Pública Unificada ORIENTAÇÕES DO PREGÃO JUDICIAL Última atualização em Terça, 26 Agosto 2014 01. Para todas as Varas do Trabalho deste Regional, a Hasta Pública Unificada realizada,

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE Nº 1. Assunto: Operação ARARATH Referência: IPL nº 0182/2012 SR/DPF/MT (Processo nº 7660-27.2012.4.01.

RELATÓRIO DE ANÁLISE Nº 1. Assunto: Operação ARARATH Referência: IPL nº 0182/2012 SR/DPF/MT (Processo nº 7660-27.2012.4.01. RELATÓRIO DE ANÁLISE Nº 1 Assunto: Operação ARARATH Referência: IPL nº 0182/2012 SR/DPF/MT (Processo nº 7660-27.2012.4.01.3600 5ª VC/JF/MT) 1 INTRODUÇÃO O presente relatório parcial de análise de material

Leia mais

POUPANÇA EXPURGOS INFLACIONÁRIOS PLANO VERÃO

POUPANÇA EXPURGOS INFLACIONÁRIOS PLANO VERÃO POUPANÇA EXPURGOS INFLACIONÁRIOS PLANO VERÃO O Plano Econômico Verão, editado pelo Governo em Janeiro/1989, expurgou índices que deveriam ter sido utilizados na correção dos saldos das contas de poupança,

Leia mais