JÚLIO CÉSAR PRIOLI DIÓGENES IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA O HEMOCENTRO COORDENADOR DE PALMAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JÚLIO CÉSAR PRIOLI DIÓGENES IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA O HEMOCENTRO COORDENADOR DE PALMAS"

Transcrição

1 JÚLIO CÉSAR PRIOLI DIÓGENES IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA O HEMOCENTRO COORDENADOR DE PALMAS Palmas 2006

2 ii JÚLIO CÉSAR PRIOLI DIÓGENES IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA O HEMOCENTRO COORDENADOR DE PALMAS Trabalho apresentado ao curso de Sistemas de Informação do Centro Universitário Luterano de Palmas como requisito parcial da disciplina de Estágio Supervisionado em Sistemas de Informação, orientado pelo professor Fabiano Fagundes. Palmas 2006

3 iii Aos meus pais, por sua constante dedicação e carinho. A Paula (minha noiva), pelo apoio e compreensão que vem me dedicando durante o desenvolvimento deste trabalho e em todos os anos em que estamos juntos.

4 iv AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, ao qual eu sirvo e amo, por todo o seu amor e cuidado para comigo. Um Deus onipresente, onipotente e onisciente que, apesar de tanta glória, me amou a ponto de dar seu filho pra morrer em meu lugar. Que apesar de todas as minhas falhas continua fiel a mim. A Ele seja toda a honra para sempre, amém. Agradeço à minha família, cada um deles em particular, que me entenderam e me apoiaram, tornando-se fator fundamental para conclusão desse trabalho. Agradeço o professor Fabiano que tanto me apoiou e com muita paciência me orientou nesse trabalho tornando possível a realização do mesmo. Agradeço a cada um de meus amigos, fiéis companheiros, que estiveram presentes, mesmo que virtualmente, durante a realização desse trabalho. É impossível nesse momento citar os nomes de cada um, pois com certeza seria injusto com muitos deles. Contudo, cada um conhece o valor que tem pra mim e o carinho que os dedico. Muitas foram as pessoas que me ajudaram e se fizeram presentes durante a realização desse trabalho. Contudo, findo por aqui meus agradecimentos, pois cada um deles, mesmo sem citá-los aqui, bem sabe o quanto é importante pra mim. Agradeço a você que neste momento me prestigia ao ler este trabalho. Grato!

5 vi SUMÁRIO 1. Introdução Revisão de literatura Web Services Plataforma.NET ASP.NET Camadas do Web Services XML SOAP WSDL UDDI Material e Métodos Local e Período Materiais Hardware Software Métodos Resultados e Discussão Domínio Banco de Dados Funcionalidades do Web Service Funcionalidades do Cliente Implementação do Web Service Implementação do Cliente CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS ANEXO I Modelagem do Web Service ANEXO II Implementação do Web Service ANEXO III Implementação do Cliente para o Web Service... 60

6 vii LISTA DE FIGURAS Figura 1: Arquitetura Orientada a Serviços, retirado de (SILVA, 2002, on line) Figura 2: Estrutura de funcionamento do ASP.NET Figura 3: Trecho de texto XML alterado de (ALMEIDA, 2002, p. 7) Figura 4: Estrutura da mensagem SOAP retirado de (ANDRADE, 2004, p. 4) Figura 5: Estrutura de um documento WSDL retirado de (ARAÚJO, 2005, p. 25) Figura 6: Estrutura do UDDI retirado de (PINTO, 2003, p. 4) Figura 7: Esquema do banco de dados para Controle de Estoque Figura 8: Diagrama de Casos de Uso Figura 9: Interface do Web Service Hemocentro Figura 10: Interface para inserção dos valores do método consumoproduto Figura 11: Retorno da execução do método consumoproduto Figura 12: Pagina Principal Figura 13: Interface de Consumo por Setor Figura 14: Retorno da aplicação Consome por Setor Figura 15: WebMethod consumosetor Figura 16: Iniciando a inserção de uma referencia a um Web Service Figura 17: Finalizando a inserção de uma referência a um Web Service Figura 18: Implementação da função do botão Enviar

7 viii LISTA DE ABREVIATURAS ASP HTTP IIS SGML SOA SOAP UDDI URI URL W3C WSDL XML Active Server Page HyperText Transfer Protocol Internet Information Services Standard Generalized Markup Language Service Oriented Architecture Simple Object Access Protocol Universal Description, Discovery and Integration Unique Resource Identifier Uniform Resource Locator World Wide Web Consortium Web Services Description Language extensible Markup Language

8 ix RESUMO Com o grande avanço da internet surgiram os Web Services descritos como sendo componentes de softwares que oferecem uma funcionalidade específica e são orientados a serviços. Utilizando padrões como HTTP, XML e SOAP esses componentes podem ser acessados, através da internet, por diferentes sistemas. Muitos estudos indicam que o futuro da programação distribuída está altamente relacionado aos Web Services. Este trabalho explica as tecnologias envolvidas na criação de Web Services e tem como objetivo desenvolver um Web Service para atender as necessidades de gerenciamento do controle de estoque e gastos do Hemocentro Coordenador de Palmas.

9 10 1. INTRODUÇÃO Com o grande avanço no crescimento da internet, a tecnologia de Web Services também teve um crescimento significativo, isto porque, essa tecnologia oferece recursos para a utilização através de serviços disponibilizados da Internet, onde é permitido ter acesso a suas classes e métodos remotamente. Essa tecnologia tem como objetivo principal permitir que aplicações dispostas em diferentes plataformas se comuniquem. Para isto utiliza-se a linguagem XML, que é o formato de dados utilizado para o transporte das informações trocadas, e que é caracterizado pela interoperabilidade. Na implementação de Web Services na plataforma.net, a qual foi escolhida e utilizada no contexto deste trabalho, o código é muito semelhante a códigos de classes normais, utilizado em outra linguagem de programação, mudando-se apenas algumas diretivas. Para possibilitar a comunicação entre as aplicações é necessário, por parte da aplicação final, ter um conhecimento de quais são as funcionalidades oferecidas pelo Web Service, isto ocorre através de documentos WSDL. Na comunicação efetiva podem ser usados alguns protocolos como: HTTP-POST, HTTP-GET e SOAP, permitindo a representação de dados complexos. Os protocolos bem como os documentos WSDL são baseados na linguagem XML, possibilitando assim a interoperabilidade, pois através destes artefatos é que as mensagens são transportadas. Assim, o objetivo deste trabalho é estudar sobre a tecnologia de Web Services, buscando com isso levantar suas principais características e fazer um estudo sobre as demais tecnologias que são utilizadas no desenvolvimento de Web Services. É parte

10 11 integrante também deste trabalho a criação de um Web Service para o Hemocentro Coordenador de Palmas, a fim de atender as suas necessidades, com relação à extração de relatórios estatísticos e de controle de estoque retirados do banco de dados do sistema HemoAdmin, e também a criação de uma aplicação Cliente para consumir as informações disponibilizadas pelo Web service desenvolvido. Este trabalho está organizado da seguinte forma: a seção 2 apresenta um levantamento sobre os aspetos teóricos agregados pela tecnologia de Web Services. A sessão 3 apresenta a relação de materiais utilizados e descreves os métodos empregados no desenvolvimento do trabalho. Em seguida, a seção 4 apresenta os detalhes do banco de dados do Sistema HemoAdmin (apenas o banco de dados do modulo do Almoxarifado), bem como da implementação do Web Service e da aplicação Cliente para a Web. A seção 5 expõe as considerações finais, descrevendo as conclusões a respeito do trabalho realizado. E por fim, são apresentadas as referências bibliográficas utilizadas para a execução deste trabalho.

11 12 2. REVISÃO DE LITERATURA Este capítulo tem como objetivo apresentar uma visão geral dos principais tópicos relacionados a este trabalho, tais como Web Services, Plataforma.NET e Camadas do Web Services. Estes itens serão vistos com mais detalhes através das próximas seções Web Services Um Web Services é uma classe escrita em uma linguagem suportada pela plataforma.net que pode ser acessada via protocolo HTTP (Hyper Text Transfer Protocol) (MSDN, 2003). Uma das características dessa tecnologia é que segue os padrões XML (extensible Markup Language) encapsulada a um protocolo SOAP (Simple Object Access Protocol). Como o seu acesso sempre será via HTTP pode-se acessar qualquer Web Service que esteja disponível na internet e utilizar todas as suas funcionalidades, tornando-o assim um dispositivo que disponibiliza serviços interativos na Web, podendo ser acessado por outras aplicações. Segundo, (CUNHA, 2002, on line) os Web Services possuem um URI (Unique Resource Identifier) pela qual são identificados e são descritos e definidos utilizando a linguagem XML. Um dos atrativos dessa tecnologia é o simples fato dele ser baseado em tecnologias standards, particularmente o HTTP e o XML. Sendo assim, Web Services são aplicações modulares, auto-descritivas, acessíveis através de URL (Uniform Resource Locator) e que permite a interação entre aplicações sem a necessidade da intervenção humana, com isso apresenta-se como a solução para os atuais problemas de integração de aplicações (LOPES, 2004, p. 1).

12 13 A arquitetura dos Web Services, segundo (SILVA, 2002, on line), é Orientada a Serviços, SOA (Service Oriented Architecture). Esta estrutura consiste na interação entre dois componentes principais, um para desempenhar a função de solicitador, cliente, e um segundo que teria como função disponibilizar o serviço. Entretanto pode haver a existência de um terceiro componente que desempenha a função de mediador. O mediador seria um componente intermediário entre o cliente e o servidor de serviços. Logo abaixo a Figura 1 ilustra a arquitetura orientada a serviços Figura 1: Arquitetura Orientada a Serviços, retirado de (SILVA, 2002, on line). Os Web Services funcionam de forma semelhante a um componente que você instala na máquina local (DURÃES, 2004, on line). Os Web Services vieram para suprir as necessidades de integração entre os mais diversos ambientes existentes que não se comunicavam entre si por falta de um padrão e também com o intuito de fortalecer o desenvolvimento distribuído fazendo com que eles trabalhem em conjunto com os novos recursos de comunicação disponíveis na internet.

13 Plataforma.NET A plataforma.net é um conjunto de tecnologias desenvolvidas pela Microsoft para auxiliar no desenvolvimento de aplicações para Web ela dispõe de novas formas de criação de aplicações através de Web Services com total suporte a estrutura em que se encontra a internet hoje. Segundo (MARQUES, 2005, on line) a plataforma.net engloba um conjunto de ferramentas de desenvolvimento e sistemas operativos para construir, expor e utilizar XML e Web services, possibilitando uma interação pessoal e integrada com a Internet através de dispositivos inteligentes. Uma de suas características é possuir uma vasta série de compiladores dando a total liberdade ao programador de escolha da linguagem de programação que preferir dentre ela encontra-se o C++, C#, Visual Basic.NET, JScript e J# ASP.NET O ASP.NET foi desenvolvido a partir do ASP (Active Server Pages). O ASP por sua vez foi uma tecnologia muito utilizada, por vários anos, para a construção de páginas dinâmicas para a internet. Bem parecido com o ASP o APS.NET foi projetado para executar ações em um servidor Web, tornando possível a criação de sites ricos em conteúdo e informações, criando várias melhorias e novos recursos em relação ao ASP normal. O funcionamento do ASP.NET é exibido na Figura 2, aonde se ilustra a estrutura básica de funcionamento do mesmo.

14 15 Figura 2: Estrutura de funcionamento do ASP.NET. Segundo (SANT ANNA, 2004?, on line) ASP.NET é um ambiente de desenvolvimento para desenvolvimento de aplicativos para Web. O ASP.NET é um framework desenvolvido pela Microsoft projetado sobre a plataforma.net para ser utilizado no desenvolvimento de aplicações Web trazendo consigo o recurso de Web Forms o qual torna a criação de sites dinâmicos uma coisa relativamente simples e atrativa e também disponibiliza suporte para a construção de Web Services. O componente que mais chama a atenção no ASP.NET é o Web Form, este componente é uma pagina dinâmica que tem acesso a recursos do servidor e disponibiliza esse conteúdo através do browser. Um Web Form ASP.NET também Como o Web Form ASP.Net não é baseado em rodar scripts no lado cliente, ele possui uma certa independência de browser ou sistema operacional do cliente. Essa independência permite o desenvolvimento de um Web Form que pode ser visualizado em diversos browsers (MARQUES, 2005, on line).

15 Camadas do Web Services São utilizados quatro padrões no desenvolvimento de uma aplicação Web Service. Estes padrões são responsáveis por empacotar a requisição e a resposta entre um servidor e um cliente. Bem como possuem o papel de divulgar e descrever os serviços disponibilizados pelo Web Service. Os quatro padrões são: XML; SOAP; WSDL; UDDI. Pode-se dizer que cada um desses padrões, citados acima, representa uma camada e que cada uma dessas camadas possui um papel de extrema importância no funcionamento do Web Service. Estes itens serão vistos com mais detalhes através das próximas seções XML XML é uma linguagem de programação que possibilita ao desenvolvedor criar seus próprios elementos de acordo com as suas necessidades e conforme a aplicação esta sendo modelada. Ela se preocupa mais com o conteúdo e a estrutura da informação do que com a apresentação do documento (LANGIANO, 2000, p ). O XML é uma arquitetura que não possui elementos e marcas predefinidas (ALMEIDA, 2002, p. 2). Elementos são trechos de texto escrito entre < e > que cotem textos brutos, outro elemento ou uma mistura dos dois. Na figura 3 segue um exemplo: Figura 3: Trecho de texto XML alterado de (ALMEIDA, 2002, p. 7). Segundo (BRAY, 2006, on line) o XML foi desenvolvido para atender a uma série de objetivos, entre eles: ser diretamente utilizável na Internet, os utilizadores devem ser capazes de visualizar páginas XML da mesma forma que vêem páginas HTML;

16 17 suportar uma série de aplicações como, por exemplo, editores, browsers, sistemas gerenciadores de bases de dados, entre outros. Tendo como objetivo produzir conteúdos bem estruturados para a Internet; compatível com o SGML (Standard Generalized Markup Language) isso porque sua origem é dada com baseado nele; a escrita de programas para processar documentos XML deve ser simples; o número de características opcionais deve ser reduzido a um mínimo, pois quantas mais houver mais problemas de compatibilidade poderão surgir. Uma de suas características é que dados semi-estruturados são bem representados, devido à possibilidade de se definir novas tags de marcação. Isto por que a utilização de tags de marcações pode ser definida pelo desenvolvedor. Outra característica importante é o fato de que a sua estrutura é em forma de arvore tornando assim mais fácil à representação de documentos com marcação genérica ou até mesmo extrair dados para usuários diferentes. O XML de acordo com (LANGIANO, 2000, p ) possui outras características de grande relevância, seriam: inteligência; manutenção; simplicidade; portabilidade. Com isso pode-se dizer que o XML é uma linguagem de marcação com formato simples e muito útil para o intercâmbio de dados SOAP O SOAP é um protocolo simples baseado em XML no formato de messaging para comunicação de máquina a máquina, sendo um padrão aberto criado pela Microsoft, Ariba e IBM para padronizar a transferência de dados em diversas aplicações e que, por isso, se dá em XML.

17 18 O SOAP tornou-se um padrão sobre as trocas de mensagens entres as aplicações e os Web Services, isso devido a sua base ser constituída por XML e HTTP, fazendo com que o mesmo se torne muito eficiente nesta tarefa. A estrutura de uma mensagem SOAP é bem simples e contém os seguintes blocos: SOAP Envelope, onde se define o conteúdo da mensagem; SOAP Header, bloco opcional, onde se atribuem dados que dizem respeito à autenticação, transação e contabilização; SOAP Body, onde são atribuídas as informações relacionadas aos métodos e parâmetros a serem acionados ou respostas enviadas. Bloco para as informações a serem enviadas ao destinatário. (ANDRADE, 2004, p. 4). Na Figura 4 será ilustrado a estrutura de uma mensagem SOAP. Figura 4: Estrutura da mensagem SOAP retirado de (ANDRADE, 2004, p. 4). SOAP é um protocolo que estabelece a comunicação em um ambiente heterogêneo de funções de forma independente. (CAMELO, 2002, on line). É ele quem define a forma em que a aplicação faz a requisição ao servidor dizendo qual objeto deve ser carregado, qual método deve ser executado, com quais parâmetros e qual o valor de retorno WSDL O WSDL tem como finalidade descrever os serviços disponibilizados pelo Web Service. É uma linguagem baseada em XML projetada para descrever Web Services, como o que um serviço pode fazer, onde está localizado e como invocá-lo. (BECKER, 2001, p. 9). Uma definição simples para WSDL é que ele seria um fornecedor de informações sobre os Web Services e serve como apoio para automatizar os detalhes envolvidos na comunicação entre a aplicação e o servidor.

18 19 Segundo (CHRISTENSEN, 2001, on line) um documento WSDL possui os seguintes elementos na sua estrutura: types, esse elemento inclui o tipo de dados e definições que são relevantes para a troca de mensagens; message, é o elemento responsável por definir os formatos dos dados envolvidos na troca de informações entre o cliente e o Web Service; operation, esse elemento é utilizado para definir uma ação, ou operação, disponibilizada pelo Web Service; port Type, elemento onde são definidos os conjunto de operações suportadas pelo Web Service; binding, elemento responsável pela especificação do formato dos dados para um determinado port Type; port, é um endpoint (ponto final), definido através da combinação de um binding com um endereço de rede; service, é elemento onde se define o conjunto de endpoints. Com a Figura 5 podemos visualizar melhor a estrutura de um documento WSDL. Figura 5: Estrutura de um documento WSDL retirado de (ARAÚJO, 2005, p. 25).

19 20 O WSDL foi desenvolvido com a intenção de ser uma linguagem abrangente onde seria possível descrever qualquer tipo de componente de software e não apenas Web Services. Devido a essa flexibilidade surgiu um grande problema na legibilidade, pois a interface descrita pelo WSDL é de difícil compreensão, tornando indispensável a utilização de ferramentas para auxiliar o entendimento UDDI O UDDI tem como objetivo principal agilizar a interoperabilidade e crescimento do uso dos Web Services. Tem como objetivo principal o armazenamento de cadastros dos Web Services e disponibiliza consultas sobre, por exemplo, serviços disponibilizados pelos mesmos entre outras. Contudo torna mais fácil e rápido para o usuário localizar um Web Service que atenda as suas necessidades. As três principais características do UDDI são: publicação, permite que uma organização divulgue o seu serviço; descoberta, permite que o cliente procure e encontre um determinado serviço; ligação, permite que o cliente possa estabelecer um conexão e utilizar o serviço requerido por ele. De acordo com (ARAÚJO, 2005, p. 26) o UDDI pode ser comparado com uma lista telefônica, pois ambos possuem um grande acervo de registro de entidades. Assim como uma lista telefônica o UDDI pode ser dividido em três categorias que são elas: páginas amarelas: possui informações de organizações e serviços disponibilizados por categorias de negócios; páginas brancas: possui informações gerais de cada organização fornecedora de serviços; páginas verdes: possui um conjunto de informação técnica sobre a fornecedora de serviços. A estrutura do UDDI consiste em quatro elementos básicos businessentity, businessservice, bindingtemplate e tmodel, como pode- se ver na Figura 6.

20 21 Figura 6: Estrutura do UDDI retirado de (PINTO, 2003, p. 4). O businessentity possui informação referente ao Web Service em questão, corresponde às páginas brancas. O businessservice possui informações referentes aos serviços do Web Service, corresponde as paginas amarelas. O bindingtemplate possui informação técnica referente ao Web Service e a sua utilização, corresponde as paginas verdes. E o tmodel é utilizado para definir as especificações técnicas do serviço disponibilizado pelo Web Service.

21 22 3. MATERIAL E MÉTODOS Neste capítulo, serão apresentados o local e o período em que foi realizado o desenvolvimento deste trabalho, bem como, os detalhes referentes aos materiais (hardware, software) e métodos utilizados Local e Período O trabalho foi desenvolvido no CPD (Centro de Processamento de Dados), no HEMOTO (Hemocentro Coordenador de Palmas) e em um computador pessoal em minha casa. Os trabalhos tiveram início no mês de agosto de 2006 e término em novembro de Materiais Compreendem-se como materiais tudo aquilo que foi utilizado como apoio ao desenvolvimento deste trabalho. Os materiais podem ser divididos em duas categorias: hardware, software. Os equipamentos de hardware serão apresentados na Seção Os softwares utilizados serão discriminados na Seção Hardware O trabalho não exigiu o uso de equipamentos de hardware especiais ou adaptados para o desenvolvimento. Os equipamentos envolvidos na realização deste trabalho foram dois microcomputadores com as seguintes configurações:

22 23 Microcomputador do tipo desktop, com o processador Pentiun IV com freqüência de 2,8 Gigahertz, com 512 MB de memória RAM, com disco rígido de 80 GB, com unidade de leitora de CD, com unidade leitora/gravadora de CD/DVD, com unidade leitora/gravadora de disquetes de 1.44 MB. O acesso à internet foi realizado através de conexão disponibilizada pela Secretaria de Saúde (SESAU), utilizando Frame Relay. Este conjunto de hardware foi utilizado na fase de desenvolvimento e testes das aplicações e, principalmente, no desenvolvimento desta Revisão de Literatura, apresentando satisfatório na execução das atividades, sem a necessidade de quaisquer adaptações ou substituição de peças e equipamentos. Microcomputador do tipo desktop, com o processador Athon com freqüência de 1,8 Gigahertz, com 256 MB de memória RAM, com disco rígido de 20 GB, com unidade leitora/gravadora de CD. O acesso à internet foi realizado através de conexão banda larga de 600 kbps, utilizando um modem DS-Link 200. Este conjunto de hardware foi utilizado na fase de desenvolvimento e testes das aplicações e, principalmente, no desenvolvimento desta Revisão de Literatura, apresentando satisfatório na execução das atividades, sem a necessidade de quaisquer adaptações ou substituição de peças e equipamentos Software Os softwares utilizados para o desenvolvimento desse trabalho foram: Sistema Operacional Windows 2000 Professional com Service Pach 4; Sistema Operacional Windows XP com Service Pach 2; Microsoft Word 2003, utilizado para a elaboração e edição dos relatórios apresentados ao longo desta disciplina; Adobe Acrobat Reader 7.0, utilizado para leitura de documentos diversos; Microsoft SQL Server 2000, utilizado para armazenamento das informações e como Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD); Microsoft Visual Studio 2005, utilizado para a implementação do Web Service e do cliente;

23 24 Rational Rose 2000, utilizado na modelagem do Web Service; Microsoft Internet Explorer 6.0, utilizado para a realização de buscas na Internet, leitura de documentos e tutoriais, e no desenvolvimento e testes das aplicações; Mozilla Firefox, utilizado para a realização de buscas na Internet, leitura de documentos e tutoriais, e no desenvolvimento e testes das aplicações; WinRar 3.4, utilizado para compactar e descompactar arquivos diversos Métodos A fase inicial do trabalho constituiu-se de buscas e leituras de textos, tutoriais e documentos na Internet e consultando livros diversos, os quais são citados no capítulo de referências bibliográficas, buscando o entendimento dos conceitos da tecnologia de Web Services e dos aplicativos necessários para o desenvolvimento das aplicações. Passada a fase inicial, passou-se a definição do domínio e à modelagem do Web Service. Posteriormente, iniciou-se a codificação do Web Service, acompanhando rigorosamente a modelagem desenvolvida. Para a definição da aplicação Cliente, buscou-se levantar as linguagens que oferecessem suporte à tecnologia de Web Services, destacando-se a linguagem C# devido à quantidade de material de referência e tutoriais encontrados com extrema facilidade na Internet. Terminadas as etapas de desenvolvimento das aplicações, passou-se à fase de testes, na qual foi possível constatar o funcionamento das aplicações. Questionamentos surgiram a respeito do real destaque da tecnologia de Web Services na integração de aplicações. Por fim, passou-se à conclusão deste relatório, já com as devidas conclusões a respeito do tema proposto, anotando-se as dificuldades encontradas e os pontos positivos e negativos da utilização da tecnologia empregada.

24 25 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO Este capítulo tem como objetivo descrever os resultados obtidos com o estudo da tecnologia de Web Services. Para isso, inicialmente, é apresentado o domínio no qual se refere esse projeto. Em seguida, é apresentado respectivamente o banco de dados, o funcionamento do Web Service, do Cliente. E por ultimo o que foi realizado no desenvolvimento das aplicações (Web Service e Cliente) Domínio Na definição do domínio buscou-se focalizar na extração de informações contidas no banco de dados do Sistema HemoAdmin e disponibiliza-las de forma segura e que atendesse as necessidades da Coordenação. Esses relatórios seriam de conteúdos estatísticos e de controle de almoxarifado. Um fato marcante e de vital importância seria que esses relatórios pudessem ser acessados de qualquer uma das instituições por meio da internet. Para isso foi utilizada a tecnologia de Web Services. O HemoAdmin é um sistema desenvolvido para fazer o gerenciamento administrativo do Hemocentro Coordenador de Palmas. Ele abrange também o gerenciamento e controle de Estoque do Almoxarifado, gerenciamento e controle de Bens Patrimoniais. Esta sendo desenvolvido um modulo que ira atender as necessidades relacionadas ao Recursos Humanos e Ensino e Pesquisa. Neste trabalho foi desenvolvido um Web Service onde é possível obter informação de consumo de um determinado setor do Hemocentro Coordenador de Palmas (HEMOTO)

25 26 em um período, pode-se também obter informação de consumo de um determinado produto em um período e também constatar os produtos que iram vencer em um período. Não foram desenvolvidas funcionalidades de gerenciamento de usuários, sendo que os dados necessários às operações disponibilizadas no Web Service foram previamente cadastrados no banco de dados, através do Sistema HemoAdmin. Isso se deve ao fato do trabalho enfocar o desenvolvimento de um Web Service para a extração de dados estatísticos para o Hemocentro Coordenador de Palmas. Os clientes do serviço podem ser aplicações Web, aplicativos Desktop, ou um outro Web Service. Para este trabalho a aplicação Cliente foi desenvolvida como uma aplicação Web, e tem o papel de se conectar ao Web Service e consumir os serviços disponibilizados, bem como, apresentar as informações de forma clara ao usuário. Para a implementação do Web Service foi utilizado o Microsoft Visual Studio 2005 e como linguagem de programação foi utilizado o C#. A utilização da linguagem C# devese ao fato de ser uma linguagem de fácil entendimento e devido ao fato de existirem estudos anteriores sobre o desenvolvimento de Web Services em C#. A linguagem utilizada para a implementação do cliente foi a ASP.NET e não o C#, que é a linguagem que foi utilizada no desenvolvimento do Web Service, tendo como objetivo demonstrar a interoperabilidade dos Web Services, sendo que foi comprovado que existe independência de plataforma e de linguagem de programação. Foi escolhida a linguagem de programação C# por ser simples, por oferecer uma vasta bibliografia em português, não foram realizados testes comparativos com outras linguagens para essa escolha. Para esse trabalho não foram levadas em consideração questões relacionadas à segurança na comunicação das aplicações, visto que se notou que o trabalho se estenderia a um nível bastante elevado, e que o tempo disponível não proporcionaria a obtenção de resultados satisfatórios. Porém, é importante ressaltar que para colocar o serviço em uso, seria interessante acrescentar a segurança na comunicação.

26 Banco de Dados Para a organização dos dados referentes à Controle de Estoque, segundo um esquema relacional, foram utilizadas treze tabelas, com todos os campos necessários, armazenadas em um banco de dados SQL Server. A representação das tabelas, de seus campos e de seus relacionamentos, gerada pelo próprio SQL Server, é apresentada na figura 7. Figura 7: Esquema do banco de dados para Controle de Estoque. A tabela tbl_fornecedor é responsável por armazenar informações sobre os fornecedores de mercadorias. A tbl_entrada_produto é responsável por armazenar informações referentes a entradas de produto no estoque. Para relacionamento entre essas

27 28 duas tabelas utiliza-se, como chave estrangeira, o campo id_fornecedor da tabela tbl_fornecedor, como chave primária, o id_entrada da tabela tbl_entrada. A tabela tbl_item_entrada_produto é responsável por armazenar informações sobre cada produto, uma entrada pode ter vários produtos, de uma mesma entrada e possui ligação com a tabela tbl_entrada_produto. Para relacionamento entre essas duas tabelas utiliza-se, como chave estrangeira, o campo id_entrada da tabela tbl_entrada_produto, como chave primária, o id_item_entrada da tabela tbl_item_entrada_produto. Para identificação dos produtos e marcas são utilizadas quatro tabelas. A tabela tbl_categoria que possui informações referentes às categorias de produtos. A tabela tbl_produto que possui informações dos produtos. Para relacionamento entre essas duas tabelas utiliza-se, como chave estrangeira, o campo id_categoria da tabela tbl_categoria, como chave primária, o id_produto da tabela tbl_produto. Tem ainda a tabela tbl_produto_marca que é responsável por armazenar informações sobre as marcas dos produtos. E por fim a tabela tbl_produto_marca que é responsável por armazenar as informações sobre o relacionamento entre as tabelas tbl_produto e tbl_produto_marca. Para relacionamento entre essas três tabelas utiliza-se, como chave estrangeira, o campo id_produto da tabela tbl_produto, como chave estrangeira, o id_marca da tabela tbl_marca, como chave primária, o id_produto_marca da tabela tbl_produto_marca. A tabela tbl_produto_lote é a responsável por armazenar informações referentes aos produtos em estoque e possui ligação entre as tabelas tbl_produto_marca e tbl_item_entrada_produto. Para relacionamento entre essas três tabelas utiliza-se, como chave estrangeira, o campo id_produto_marca da tabela tbl_produto_marca, como chave estrangeira, o id_item_entrada da tabela tbl_item_entrada_produto, como chave primária, o id_produto_lote da tabela tbl_produto_lote. Para identificação das saídas dos produtos em estoque são utilizadas três tabelas. A tabela tbl_produto_lote que é a responsável por armazenar informações referentes aos produtos em estoque. A tabela tbl_item_saida_produto é responsável por armazenar informações sobre cada produto da saída. A tabela tbl_saida_produto é responsável por armazenar informações sobre uma saída de produtos. Para relacionamento entre essas três

28 29 tabelas utiliza-se, como chave estrangeira, o campo id_produto_lote da tabela tbl_produto_lote, como chave estrangeira, o id_saida da tabela tbl_saida_produto, como chave primária, o id_item_saida da tabela tbl_item_saida_produto. A tabela tbl_localidade_setor é responsável por armazenar informações relacionadas aos setores e possui ligação com a tabela tbl_saida_produto. Para relacionamento entre essas duas tabelas utiliza-se, como chave estrangeira, o campo id_localidade_setor da tabela tbl_localidade_setor, como chave primária, o id_saida da tabela tbl_saida_produto. Existe ainda a tbl_usuario que possui informações sobre os usuários do sistema HemoAdmin que possui ligação com a tabela tbl_localidade_setor. Para relacionamento entre essas duas tabelas utiliza-se, como chave estrangeira, o campo id_localidade_setor da tabela tbl_localidade_setor, como chave primária, o id_usuario da tabela tbl_usuario. E também possui ligação com a tabela tbl_entrada_produto. Para relacionamento entre essas duas tabelas utiliza-se, como chave estrangeira, o campo id_usuario da tabela tbl_usuario, como chave primária, o id_entrada da tabela tbl_entrada_produto Funcionalidades do Web Service As funcionalidade, ou serviços, modelados para esse Web Service são relacionadas ao sistema HemoAdmin e consiste na retirada de relatórios estatístico e de controle de estoque, as quais seriam disponibilizadas aos coordenadores do Hemocentro Coordenador de Palmas e de suas regionais. São elas: Consumo de Produto: busca e retorna a relação de consumo de um determinado produto em um período; Consumo por Setor: busca: busca e retorna a relação de consumo de um determinado setor em um período; Produtos a Vencer em Estoque: busca e retorna a relação de produtos em estoque vencidos ou que iram vencer em um determinado período.

29 30 A figura 8 apresenta o diagrama de casos de uso, para melhor entendimento das funcionalidades desenvolvidas para o Web Service em questão. A modelagem completa está disponível em ANEXO I Modelagem do Web Service. Produtos a vencer Consumo por setor Cliente Consumo de produto Figura 8: Diagrama de Casos de Uso. Neste caso o ator é único e possui acesso a todas as funcionalidades disponíveis. É importante ressaltar que em modelagens para Web Services o ator nunca é um usuário comum e sim uma aplicação que acessa os serviços disponíveis na Web Service. Os serviços oferecidos no Web Service são representados, graficamente, da seguinte forma como se pode visualizar no figura 9. Figura 9: Interface do Web Service Hemocentro.

30 31 Essa aplicação é gerada, automaticamente, após a compilação, no Microsoft Visual Studio 2005, do código fonte do Web Service. Nela estão contidas todas as funcionalidades implementas para o Web Service. Na figura 9 pode-se notar que o nome da classe criada é Hemocentro, a qual possui três métodos chamados consumoprosuto, consumosetor e produtovencendo. Para acessar estes métodos, basta clicar sobre o link. Será aberta uma nova janela para requerer os valores que são passados como parâmetros para a execução destes métodos. Esta janela é apresentada na figura 10. Figura 10: Interface para inserção dos valores do método consumoproduto. Após serem inseridos o valor para os parâmetros, pode-se invocar o método clicando no botão: Invoke. No caso dos testes realizados via navegador, é utilizado o protocolo HTTP-POST para a requisição e resposta. O resultado da execução do método é retornado em XML, seguindo o formato HTTP-POST de resposta para este método, conforme apresentado na figura 11.

31 32 Figura 11: Retorno da execução do método consumoproduto. Na figura 11, para apresentar a resposta é criado um elemento do tipo DataSet que contem os valores de retorno referentes ao identificador, descrição, quantidade e tipo de unidade do produto. Para se ter acesso ao documento WSDL que descreve este Web Service, é adicionado, ao final do endereço do serviço, na barra de endereços do navegador de internet, o termo?wsdl.

32 Funcionalidades do Cliente O Cliente desenvolvido nesse projeto foi implementado usando a linguagem de programação ASP.NET e possui apenas aplicações voltadas ao Web Service, ou seja, não contem qualquer tipo de controle de segurança, e na interface gráfica foi utilizado um template pronto disponível no Microsoft Visual Studio Ele possui as seguintes funcionalidades: Consumo de Produto; Consumo por Setor; Produtos a Vencer. Na pagina principal de acesso, do Cliente, são oferecidos os três serviços citado acima. A figura 12 ilustra a interface gráfica da pagina principal. Figura 12: Pagina Principal. Essa é pagina principal e exibida assim que a aplicação Cliente é executada. Quando o usuário escolher um dos serviços, clicando sobre o link, a pagina é automaticamente direcionada a uma nova janela exibindo a aplicação selecionada. Como se pode ver na figura 13.

33 34 Figura 13: Interface de Consumo por Setor. O usuário deve preencher corretamente os dados do formulário: Código do Setor, Data Inicial e Data Final e em seguida clicar em Enviar ou pressionar a tecla entre do teclado. Todos os dados devem ser obrigatoriamente preenchidos, para não ocorrer erros. A aplicação envia os dados informados pelo usuário ao Web Service que por sua vez gera uma consulta SQL (Structured Query Language) sobre a base de dados do sistema HemoAdmin e retorna, em formato XML com é ilustrado na figura 11, as informação pertinentes a consulta realizada. Isso pode ser visualizado na figura 14.

34 Figura 14: Retorno da aplicação Consome por Setor. 35

35 36 A figura 14 possui o retorno com as informações recebidas do Web Service, em formato XML com é ilustrado na figura 11, apresentando de forma mais clara para facilitar o entendido do conteúdo ao usuário Implementação do Web Service O Web Service criado, cujo nome de classe é Hemocentro, possui três WebMethod s, são eles: consumoproduto: recebe dados do tipo int para o id_produto e string para data_inicial e data_final, e retorna objetos da classe DataSet, contendo objetos da classe Hemocentro, cujos dados atendem aos seguintes requisitos: de serem informações pertinentes ao produto escolhido, ou seja, que as informações retornadas tenham o valor do seu campo id_produto cadastrado na tbl_produto; e de que o campo data na tabela tbl_saida_produto seja maior ou igual ao campo data_inicial e menor ao igual ao campo data_final; consumosetor: recebe dados do tipo int para o id_setor e string para data_inicial e data_final, e retorna objetos da classe DataSet, contendo objetos da classe Hemocentro, cujos dados atendem aos seguintes requisitos: de serem informações pertinentes ao setor escolhido, ou seja, que as informações retornadas tenham o valor do seu campo id_setor cadastrado na tbl_setor; e de que o campo data na tabela tbl_saida_produto seja maior ou igual ao campo data_inicial e menor ao igual ao campo data_final; produtovencendo: recebe dados do tipo string para data_inicial e data_final, e retorna objetos da classe DataSet, contendo objetos da classe Hemocentro, cujos dados atendem aos seguintes requisitos: de serem informações pertinentes a produtos aonde o campo data_validade na tabela tbl_produto_lote seja maior ou igual ao campo data_inicial e menor ao igual ao campo data_final. O método consumoproduto é apresentado na figura 15. Os outros dois métodos que retornam objetos da classe DataSet, seguem estruturas semelhantes, alterando-se apenas a string SQL de consulta a base de dados.

36 37 Figura 15: WebMethod consumosetor. Na figura 15, primeira linha, a qual corresponde à linha numero 28 na imagem, especifica que o método trata-se de um WebMethod. A linha 29 corresponde ao tipo, ao nome e aos parâmetros do WebMethod em questão. Na linha 32 é criado um ojeto, chamada conn, da classe SqlConnection e atribuído a ele a string de conexão ao banco de dados. Na linha 33 é instanciado um objeto, chamado DS, da classe DataSet. Na linha 34 é criada a variável chamada sql do tipo string e atribuída a ela a instrução SQL que será realizada no banco de dados. Na linha 38 é criado um objeto, chamado objda, da classe SqlDataAdapter, que é responsável por executar no banco de dados a consulta SQL, armazenada na variável sql, juntamente com a string de conexão, armazenada no objeto conn, ambas são passadas por parâmetros, e o resultado desse execução é armazenado neste objeto. Na linha 39 as informações contidas no objeto objda é passada para a o objeto DS, da classe DataSet, isto por que, o retorno gerado por esse WebMethod é da classe DataSet. Da linha 41 a 45 são usadas para relatar possíveis erros que possam acontecer na conexão ou execução de instruções SQL no banco de dados. A linha 47 finaliza a conexão com o banco de dados. Por fim, a linha 48 retorna o objeto DS da classe DataSet.

37 38 Todos os métodos (WebMethod s) criados no contexto deste trabalho e vistos até aqui foram armazenados no mesmo arquivo, Service.cs, cujo o código completo pode ser encontrada em ANEXO II Implementação do Web Service. Após terem sido vistas todas as partes necessárias ao correto funcionamento do Web Service, a próxima seção apresentará detalhes da criação da aplicação Cliente que foi desenvolvida para execução via Web Implementação do Cliente Foram implementadas apenas as funcionalidades da aplicação Cliente que utilizam os métodos do Web Service, entre tanto, em um caso real essas funcionalidades seriam parte deu um sistema maior. Assim sendo, o Cliente possui apenas formulários de extração de dados, não possuindo nenhum formulário para inserção ou alteração das informações no banco de dados, essa operações são realizadas através do Sistema HemoAdmin. A aplicação Cliente criada para ser utilizada na Web utilizando o browser para a sua execução consiste basicamente em três formulários: um para exibição de consumo por setor escolhido, um para exibição de consumo do produto escolhido e um outro para exibir os produtos vencidos ou que iram vencer. Possui também um menu principal que é exibido como pagina principal da aplicação. O primeiro formulário, consumo_setor, é constituído por três campos de texto onde o usuário entra com as informação (id_setor, data_inicial e data_final) a serem passados como parâmetros, possui também um componente GridView que é utilizado para apresentar as informações recuperadas pelos métodos do Web Service apresentado anteriormente. Os outros dois formulários são bem semelhantes alterando apenas as variáveis que são passadas como parâmetros. Para fazer a ligação entre o formulário e o Web Service, primeiro criou-se um formulário normal em ASP.NET, em seguida foi utilizado a ferramenta Microsoft Visual Studio para fazer essa ligação. Nessa ligação a pagina ASP.NET recebe uma referencia ao Web Service isso é feito da seguinte forma: na barra principal no menu Web Service / add Web Service, como demonstra a figura 16.

38 39 Figura 16: Iniciando a inserção de uma referencia a um Web Service. No local URL, seve ser adicionado o endereço do Web Service que se deseja acessar, para este trabalho será adicionado o enderço após a inserção do enderece deve localizar o Web Service utilizando o botão Go, onde verificará se o Web Service existe e se está funcionando. O campo Web reference name é onde se atribui um nome referencia que está sendo criada, para este trabalho será atribuído o nome RF_Hemocemtro. Logo após localizar o Web Service e nomear a referencia, clique no botão Add Reference, conforme é apresentado na figura 17.

39 40 Figura 17: Finalizando a inserção de uma referência a um Web Service. Após a inserção da referência, deve implementar o que cada botão deve fazer na aplicação. A figura 18 mostra a implementação do botão Enviar, onde fará a invocação do método consumosetor do Web Sevice desenvolvido neste trabalho, passando como parâmetros os dados sobre identificador do setor, a data inicial e a data final informadas pelo usuário. Toda a implementação da aplicação Cliente está disponível em ANEXO III Implementação do Cliente para o Web Service.

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Criando & Consumindo um WebService com ASP.NET 2.0 Publicado em: 25 de Agosto de 2007 Por Herman Ferdinando Arais

Criando & Consumindo um WebService com ASP.NET 2.0 Publicado em: 25 de Agosto de 2007 Por Herman Ferdinando Arais ASP.NET > WebService herman_arais@yahoo.com.br Introdução Um WebService é um componente, ou unidade lógica de aplicação, acessível através de protocolos padrões de Internet. Como componentes, esses serviços

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Serviços Web: Arquitetura

Serviços Web: Arquitetura Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE Kellen Kristine Perazzoli, Manassés Ribeiro RESUMO O grande avanço tecnológico vivenciado nos últimos anos, os web services vem sendo utilizados trazendo

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Apostila desenvolvida pelos Professores Ricardo Santos de Jesus e Rovilson de Freitas, para as Disciplinas de Desenvolvimento de Software I e II, nas Etecs de

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder e tenha atenção que algumas perguntas podem ter alíneas de resposta em páginas diferentes. Escreva as suas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB WEBSERVICES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um WebService e sua utilidade Compreender a lógica de funcionamento de um WebService Capacitar

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

CAPÍTULO 8 Conexões de banco de dados para programadores ASP.NET

CAPÍTULO 8 Conexões de banco de dados para programadores ASP.NET CAPÍTULO 8 Conexões de banco de dados para programadores ASP.NET Para utilizar um banco de dados com um aplicativo ASP.NET, é necessário criar uma conexão de banco de dados no Macromedia Dreamweaver MX.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br ASP.NET Guia do Desenvolvedor Felipe Cembranelli Novatec Editora www.novateceditora.com.br 1 Introdução à plataforma.net A plataforma Microsoft.NET.NET é uma nova plataforma de software para desenvolvimento

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 CAPÍTULO 18 INSTALANDO E CONFIGURANDO O MICROSOFT OFFICE PROJECT SERVER 2003 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 Antes de começar a instalação do Microsoft Office Project Server 2003

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica Desenvolvimento de Web Services com SOAP. 1. Introdução. Com a tecnologia de desenvolvimento

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Programação Cliente em Sistemas Web

Programação Cliente em Sistemas Web Programação Cliente em Sistemas Web WEBSERVICES Cap 18. - Sistemas distribuídos e serviços web em Deitel, H.M, Sistemas Operacionais, 3 ª edição, Pearson Prentice Hall, 2005 Fonte: Rodrigo Rebouças de

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

KÊNIA DIAS ZORZIN IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA DISPONIBILIZAÇÃO DE RELATÓRIOS DO SISTEMA HEMOVIDA

KÊNIA DIAS ZORZIN IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA DISPONIBILIZAÇÃO DE RELATÓRIOS DO SISTEMA HEMOVIDA KÊNIA DIAS ZORZIN IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA DISPONIBILIZAÇÃO DE RELATÓRIOS DO SISTEMA HEMOVIDA Palmas, 2006 ii KÊNIA DIAS ZORZIN IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA DISPONIBILIZAÇÃO DE RELATÓRIOS

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB

CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB CONSTRUÇÃO DE APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS UTILIZANDO SERVIÇOS WEB Deusa Cesconeti e Jean Eduardo Glazar Departamento de Ciência da Computação Faculdade de Aracruz UNIARACRUZ {dcescone, jean}@fsjb.edu.br RESUMO

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2 AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA CONTEÚDO DA AULA Tipos de Software Serviços Web Tendências 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PROPOSIÇÃO DE UMA NOVA ARQUITETURA BASEADA EM

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 04/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães

ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães O ASP.NET que é a camada de desenvolvimento de aplicações web da plataforma.net vem agradando em muito os desenvolvedores de todo o mundo desde o

Leia mais

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos Márcio Alves de Araújo¹, Mauro Antônio Correia Júnior¹ 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Monte Carmelo MG Brasil

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

João Filho Borges Leite

João Filho Borges Leite João Filho Borges Leite DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA WEB DE GERENCIAMENTO PARA AS DISCIPLINAS DE MODELAGEM E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Palmas 2006 i João Filho Borges Leite DESENVOLVIMENTO

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Criando Web Services. Palestrante: Daniel Destro do Carmo

Criando Web Services. Palestrante: Daniel Destro do Carmo Criando Web Services com Apache Axis Palestrante: Daniel Destro do Carmo Tópicos do Tutorial Introdução O que são Web Services? Padrões Web Services SOAP WSDL Web Services com Java O que é Apache Axis?

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Web Service Plínio Antunes Garcia Sam Ould Mohamed el Hacen Sumário Introdução conceitual O Web Service

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Programação para Internet Avançada 4. Web Services Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt São módulos de aplicações de negócios que expõem as regras do negócio como serviços na Internet através

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Desenvolvimento Andrique web Amorim II www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Sites e Aplicações Web Normalmente, as pessoas utilizam o termo SITE quando se referem a blogs, sites

Leia mais

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas.

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Introdução Olá! Seja bem-vindo a apostila de Microsoft Access 2010. Access 2010 é um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados da Microsoft, distribuído no pacote

Leia mais

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET Átila Correia Cunha 1, 2, Glaucon Henrique Mauricio Maia 1, 2, Waner Ferreira Tavares 1, 2, Jorge Bergson¹, Rui Gomes Patrício 3

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Instalação, configuração e manual

Instalação, configuração e manual Cardápio Moura Instalação, configuração e manual Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS no WINDOWS 8... 15 Windows 7...

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012 Para WebReporter 2012 Última revisão: 09/13/2012 Índice Instalando componentes de pré-requisito... 1 Visão geral... 1 Etapa 1: Ative os Serviços de Informações da Internet... 1 Etapa 2: Execute o Setup.exe

Leia mais

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este manual tem como objetivo propiciar a integração do SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL junto as ADMINISTRADORAS

Leia mais

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Modelagem de Sistemas Web Aula 4 Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas CASE Fontes: Sarajane e Marques Peres Introdução

Leia mais

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6 Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos Add-on responsável pela integração do SAP Business One com o setor comercial através da internet.

Leia mais

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva 1. O que são Serviços Web (Web Services)? Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva A ideia central dos Web Services parte da antiga necessidade

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais