Plano de Formação Continuada em Defesa Civil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Formação Continuada em Defesa Civil"

Transcrição

1 Plano de Formação Continuada em Defesa Civil

2 Universidade Federal de Santa Catarina Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres Plano de Formação Continuada em Defesa Civil CEPED UFSC Florianópolis,

3 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Excelentíssima Senhora Dilma Vana Rousseff MINISTRO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL Excelentíssimo Senhor Fernando Bezerra de Souza Coelho SECRETÁRIO NACIONAL DE DEFESA CIVIL Excelentíssimo Senhor Humberto de Azevedo Viana Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Reitor da Universidade Federal de Santa Catarina Professor Álvaro Toubes Prata, Dr. Diretor do Centro Tecnológico da Universidade Federal de Santa Catarina Professor Edson da Rosa, Dr. FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Superintendente Geral Professor Pedro da Costa Araújo, Dr CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES Diretor Geral Professor Antônio Edésio Jungles, Dr. Diretor Técnico e de Ensino Professor Marcos Baptista Lopez Dalmau, Dr. Diretor de Articulação Institucional Professor Irapuan Paulino Leite, Msc

4 PLANO DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM DEFESA CIVIL a fim de adequá-los às novas terminologias e tendências em gestão de riscos de desastres. O plano foi elaborado por técnicos, gestores em Defesa Civil, e O número de mortes em decorrência de desastres aumentou significativamente no Brasil nos últimos anos. Para enfrentá-los, é necessário que a sociedade e os agentes de Defesa Civil estejam capacitados para gerenciar os riscos. A capacitação se configura, portanto, como um dos eixos estratégicos do Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil para atuar eficientemente na redução de riscos de desastres e na gestão destas ocorrências. pesquisadores da área, a fim de agregar diferentes perspectivas sobre o tema, definindo as estratégias adequadas para a capacitação de agentes, de acordo com a realidade brasileira. Apresenta-se, a seguir, a proposta de conteúdo e estrutura; ementas, carga horária, bibliografias e modalidade de ensino de cada módulo proposto; e cronograma de execução do plano. Com este objetivo, a Secretaria Nacional de Defesa Civil - SEDEC desenvolve o projeto Plano de Formação Continuada em Defesa Pesquisadores Envolvidos na Elaboração do Plano Civil, visando elaborar um plano continuado de capacitação básica em Defesa Civil, a ser implementado em território nacional no período de 2012 a Além da construção de um programa sistemático e racional de oferta dos cursos para atender as demandas dos estados e municípios, o projeto teve como objetivo a revisão de conteúdos, Alexandra Passuelo CEPED-RS Alexandre Lucas Alves Coord. Defesa Civil de Belo Horizonte Antônio Edésio Jungles CEPED UFSC Camila Chaves Dumiense Secret. de Direitos Humanos Caroline Margarida Secret. Estadual de Defesa Civil de Santa Catarina Dulce Fátima Cerutti Ministério da Saúde Vigidesastre Edmilton Ribeiro Aguiar Júnior Coord. Estadual de Defesa Civil do Espírito Santo Eduardo Soares de Macedo Instituto de Pesquisas Tecnológicas Fernanda Rodrigues Targino SEDEC/DMD - 3 -

5 Janaína Rocha Furtado CEPED UFSC João de Jesus Oliveira da Silva Coord. Estadual de Defesa Civil do Estado do Acre Josivaldo Valeriano Azevedo Secret. Estadual de Defesa Civil do Distrito Federal Katlen Andrade Eutáquio SEDEC/DAG Luana Gonçalves de Sousa SEDEC/DMD Luis Felipe Lins SEDEC/DMD Margareth Alheiros Universidade Federal de Pernambuco Maria Cristina Dantas SEDEC Verena Martins Lellis SEDEC/CENAD Rafael Schadeck SEDEC/DMD Regina Panceri Secret. Estadual de Defesa Civil de Santa Catarina Sérgio Eduardo M. Rocha SEDEC Werneck Carvalho SEDEC/DRR Módulo I Aspectos Estruturantes em Defesa Civil Módulo II Gestão de Riscos Módulo III Gestão de Desastres e Ações de Recuperação Plano de Formação Continuada em Defesa Civil a 2015 Módulo IV Transferência de Recursos Financeiros O plano propõe a estrutura curricular para formação básica em Defesa Civil, por meio de cursos modulares. Foram desenvolvidos 06 (seis) módulos, cujos conteúdos estão organizados de forma Módulo V Mobilização Social e Comunicação deriscos seqüencial. Apesar de relacionados, os módulos podem ser ministrados separadamente, conforme as necessidades e demandas das diferentes regiões do país. Segue os módulos apresentados no Plano de Formação Básica em Defesa Civil: Módulo VI Ações para Redução de Riscos de Desastres - 4 -

6 Disposições Gerais MÓDULO 01: ASPECTOS ESTRUTURANTES EM DEFESA CIVIL Cada módulo terá um conteúdo complementar para formação de instrutores que possuirá carga horária de 04 horas. O material didático, a ser produzido para cada módulo, deverá conter ilustrações, vídeos de apoio e exercícios adicionais. Os conteúdos dos cursos serão produzidos por especialistas na área no decorrer do ano de Os autores deverão seguir a proposta de plano construída pelo grupo de trabalho, durante as reuniões. A implementação dos cursos será gerenciada pela SEDEC e deverá seguir o cronograma proposto pela instituição. Apresentam-se, a seguir, os módulos estruturados pelo grupo de trabalho. Além dos conteúdos sugeridos, consta também ementa, modalidade de ensino, periodicidade, órgãos e autores a serem envolvidos na produção do material didático, os quais foram sugeridos pelo grupo por solicitação da SEDEC. Ementa Este módulo apresenta os conteúdos introdutórios relacionados à atuação em Defesa Civil, com enfoque na legislação, na Política Nacional de Defesa Civil e nos estudos dos desastres no Brasil. Apresenta, também, a estrutura do Sistema Nacional de Defesa Civil, o ciclo de gestão em Defesa Civil, e a implantação e atribuições da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (COMDEC). Estrutura de Conteúdo 1- Defesa Civil no Brasil: 1.1 Histórico; 1.2 Conceitos; 1.3 Política Nacional de Defesa Civil; 1.4 Legislação

7 2- Sistema Nacional de Defesa Civil (SINDEC): 2.1 Objetivo e finalidade do SINDEC; 2.2 Estrutura do SINDEC; 2.3 Atribuições dos órgãos de Defesa Civil; 2.4 Políticas de governo associadas às ações de Defesa Civil. 3- Ciclo de Gestão de Defesa Civil: 3.1 Prevenção; 3.2 Preparação; 3.3 Resposta; 3.4 Reconstrução. 4- Estudo dos desastres (conceitos e classificações): 4.1 Conceito de desastres, de risco, de ameaça e de vulnerabilidade; 4.2 Classificação, tipologia e codificação de desastres; 4.3 Análise e classificação de danos e prejuízos; 4.4 Reflexão sobre desastres e aplicação de medidas preventivas. 5- Implantação e operacionalização de uma Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (COMDEC): 5.1 Conceito de COMDEC; 5.2 Requisitos mínimos para a formalização de COMDEC; 5.3 Passos para formalização; 5.4 Órgãos que constituem uma COMDEC; 5.5 Principais atribuições de uma COMDEC; 5.6 Atuação Integrada (articulação intersetorial); 5.7 Critérios para caracterização de situação de emergência e estado de calamidade pública; 5.8 Registro de ocorrências e fluxo de dados; 5.9 NOPRED e AVADAN. Modalidade Virtual e presencial. Público alvo Virtual: técnicos e gestores em Defesa Civil, órgãos de apoio, sociedade e demais interessados; - 6 -

8 Presencial: técnicos e gestores em Defesa Civil e instrutores. Carga horária Virtual: 30 horas; Presencial para técnicos e gestores em Defesa Civil: 20 horas; Presencial para instrutores: 24 horas. Autores sugeridos para a produção do material didático: Carlos Machado de Freitas (FIOCRUZ); Alexandre Lucas (COMDEC/BH); Cristianne Antunes (Chefe de Gabinete da SEDEC). MÓDULO 02: GESTÃO DE RISCOS Avaliação Freqüência. Certificação Freqüência mínima de 75%. Periodicidade Semestral. Órgãos envolvidos na produção do material didático SEDEC (Secretaria Nacional de Defesa Civil), CEDEC s (Coordenadorias Estaduais de Defesa Civil), CEPED s (Centros Universitários de Estudos e Pesquisas sobre Desastres). Ementa Este módulo apresenta conteúdos básicos sobre as perspectivas de análise dos riscos de desastre, refletindo sobre o contexto social mais amplo de sua produção. Apresentam-se os conceitos fundamentais de risco, vulnerabilidade e ameaça, entre outros, bem como as etapas para a gestão dos riscos com foco na redução de riscos, na comunicação social e na resiliência. Estrutura de Conteúdo 1- Contextualização de riscos de desastres: 1.1 Conceituação: risco, ameaça, vulnerabilidade, percepção de risco, gestão de risco, etc; 1.2 A sociedade do risco; 1.3 Os desastres no Brasil

9 2- Identificação e classificação de riscos: 2.1 Identificação das ameaças/processos; 2.2 Identificação das vulnerabilidades; Vulnerabilidades Físicas; Vulnerabilidades Social ; Criança e adolescentes; Idosos; Pessoas com deficiências; Demais grupos sociais existentes; Percepção de riscos Resiliência Exposição ; Mecanismos de enfrentamento já 2.3 O uso de indicadores (práticos e acessíveis) 3- Avaliação de riscos: 3.1 Dimensionamento das ameaças/suscetibilidade/indicadores; 3.2 Dimensionamento da vulnerabilidade/indicadores; 3.4 Hierarquização dos riscos. 3.5 Recursos 4- Mapeamento de riscos: 4.1 Tipos de mapeamento (escala, zoneamento e cadastro); 4.2 Metodologias consagradas e alternativas para cada processo: escorregamento, inundação, etc; 4.3 Noções de geoprocessamento; 5- Estratégias de intervenção: 5.1 Estratégias de intervenção: medidas estruturais e não estruturais; 5.2 Importância da implementação das políticas públicas; 5.3 Participação social no processo de decisão; 5.4 Plano Municipal de Redução de Riscos. 6- Monitoramento de Riscos: 6.1 Monitoramento, alerta e alarme (métodos consagrados e alternativos); 6.2 Aparelhamento e apoio logístico; 3.3 Dimensionamento da exposição - 8 -

10 6.3 Sistema Nacional de Monitoramento e Alerta: CEMADEN e CENAD. 7- Informação e comunicação de Riscos 7.1 Objetivos; 7.2 Ferramentas. Semipresencial: 60 horas; Virtual: 40 horas; Presencial: 20 horas. Avaliação Freqüência, avaliação e produto elaborado. Modalidade Presencial e semipresencial. Público alvo Presencial: técnicos e gestores em Defesa Civil e instrutores; Semipresencial: técnicos e gestores em Defesa Civil. Carga horária Presencial para técnicos e gestores em Defesa Civil: 56 horas; Itens 01 e 05: 08 horas; Itens 02, 03 e 04: 24 horas; Itens 07 e 08: 24 horas; Presencial para instrutores: 60 horas; Certificação Presencial (itens 02,03 e 04): avaliação do produto (mapa de risco elaborado em grupo); Presencial (itens 07 e 08): avaliação do produto (plano de contingência elaborado em grupo); Semipresencial (itens de 01 a 08): avaliação do produto (mapa de risco e plano de contingência). Periodicidade Anual. Órgãos envolvidos na produção do material didático: SEDEC (Secretaria Nacional de Defesa Civil), CEDEC s (Coordenadorias Estaduais de Defesa Civil), CEPED s (Centro - 9 -

11 Universitários de Estudos e Pesquisas sobre Desastres), CPRM (Serviço Geológico do Brasil), IPT (Instituo de Pesquisas Tecnológicas), MS (Ministério da Saúde), Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, ANA (Agência Nacional de Águas) e MMA (Ministério do Meio Ambiente). Autores sugeridos para a produção do material didático: Joaquim Toro (Banco Mundial); Celso Carvalho (Ministério das Cidades); Margareth Alheiros (UFPE); Luiz Antônio Bressani (UFRGS); Carlos Tucci (UFRGS); Cláudio Amaral (DRM/RJ); Tânia Sausen (CRS/INPE); Agostinho Ogura (IPT); Sérgio Bezerra (CEDEC/DF); Dulce Cerutti (MS); Eduardo Soares de Macedo (IPT). MÓDULO 03: GESTÃO DE DESASTRES E AÇÕES DE RECUPERAÇÃO Ementa Este módulo apresenta o cenário de desastres no Brasil, enfatizando as ações de planejamento para enfrentar os eventos adversos. Ações referentes ao socorro e Assistência, comunicação em situações de desastre, reabilitação e recuperação de cenários e aspectos administrativos são conteúdos deste módulo. Por fim, ensina-se o aluno a elaborar planos de contingência como instrumento para a gestão do desastre. Estrutura de Conteúdo 1- Contextualização de desastres: 1.1 Conceitos de desastres; 1.2 Desastres mais freqüentes no País; 1.3 Ocorrências por tipologia nas regiões brasileiras. 2. Ações de preparação 2.1 Definição, conceito e finalidades; 2.2 Planejamento de resposta;

12 2.2.1 Capacitação dos agentes e das comunidades Cadastramento e capacitação de voluntariado Identificação, articulação e definição de atribuição dos atores intersetoriais e não governamentais Identificação e catalogação de recursos humanos e materiais Previsão orçamentária e financeira Aquisição e armazenamento de materiais de assistência humanitária Planejamento das campanhas de arrecadação de materiais de assistência humanitária Elaboração de planos de contingência Simulado: 2.3 Firmação de convênios e acordos de cooperação 3- Ações de Socorro e Assistência: 3.1 Conceitos 3.2 Acionamento e coordenação dos órgãos envolvidos e voluntários; 3.3 Instalação do sistema de comando e operações Introdução e finalidade; Princípios e características; Estrutura organizacional e principais funções; Instalações e áreas padronizadas; Sistema de Comando de Operações (SCO) na prática 3.4 Gerenciamento de abrigos: Triagem; Cadastramento de famílias; Competências intersetoriais; Estrutura; Normas de funcionamento; Manutenção Desmobilização 3.5 Ações de atendimento aos públicos de maior vulnerabilidade: Criança e adolescentes; Idosos;

13 2.4.3 Pessoas com deficiência. 4- Comunicação em Desastres: 4.1 Contextualização; 4.2 Dificuldades e impactos durante a crise (identificação de porta voz, material IRP Governabilidade); 4.3 Plano de comunicação, alerta e alarme; (radioamador, rede socais, sms, etc) 4.4 Gestão da Comunicação Social 5- Aspectos administrativos da gestão dos desastres: 5.1 Critérios para decretação de Situação de emergências e Estado de Calamidade Pública; 5.2 Solicitação de reconhecimento 5.3 Solicitação de recursos Transferência obrigatória de recursos de socorro, assistência e restabelecimento; Transferência obrigatória de recursos para reconstrução. 6.1 Conceitos de reabilitação e recuperação (diferenças); 6.2 Diagnóstico (qual o problema?) 6.3 Reabilitação de serviços essenciais (como fazer?) 6.4 Recuperação (como fazer?) 7- Elaboração de Plano de contingência: 7.1 Definição, conceito, finalidades e desafios; 7.2 Metodologia de elaboração do plano; 7.3 Implementação; 7.4 Operacionalização e acompanhamento; 7.5 Avaliação, atualização e validação do plano; Modalidade Semipresencial. Público alvo Técnicos, gestores em Defesa Civil e instrutores. 5.4 Registro de ocorrências e fluxo de dados; 6- Reabilitação e recuperação de cenários:

14 Carga horária Semipresencial 01: Virtual 01 a 07 (30 horas) + Presencial 03 a 04 (24 horas); Semipresencial 02: Virtual 01 a 07 (30 horas) + Presencial 05 (16 horas). OBS 1 : Tendo os requisitos do virtual haverá a possibilidade de cursar os dois cursos presenciais. OBS 2 : Para formação de instrutores é necessário cursar uma carga horária complementar de 04 horas na modalidade virtual. Avaliação Freqüência, avaliação e produto elaborado. Certificação Semipresencial 01: freqüência de 100% e avaliação do exercício (SCO); Semipresencial 02: freqüência de 100% e avaliação do exercício (AVADAN e NOPRED). Órgãos envolvidos na produção do material didático: SEDEC (Secretaria Nacional de Defesa Civil), CEDEC s (Coordenadorias Estaduais de Defesa Civil), CEPED s (Centros Universitários de Estudos e Pesquisas sobre Desastre), MS (Ministério da Saúde), Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, MDS (Ministério do Desenvolvimento Social) e Cruz Vermelha. Autores sugeridos para a produção do material didático: Alexandre Lucas (COMDEC/BH); Carlos Alberto de Araújo Gomes (PM/SC); Marcos de Oliveira (BM/SC); Vicente Lapoli (UDESC); Manual Rio de Janeiro abrigo (Roberto Jorge Lucente, et al.); Werneck Martins (Chefe da Divisão de Reconhecimento da SEDEC); Cilene Victor (Jornalista da revista Com Ciência ambiental); Renato Lima (CENACID/UFPR). Periodicidade Anual

15 MÓDULO 04: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS FINANCEIROS Ementa Este módulo especifica sobre os procedimentos para transferência de recursos financeiros, de acordo com as determinações vigentes na Secretaria Nacional de Defesa Civil. Versa sobre as duas modalidades para transferência, voluntária e obrigatória, detalhando a transferência realizada para assistência e reconstrução. Estrutura de conteúdo 1- Transferência de recursos voluntários: 1.1. Introdução; 1.2. Passos para a captação de recursos em situação de normalidade (prevenção); 1.3. Elaboração de Projeto básico e executivo (principais dúvidas e dificuldades mais freqüentes); 1.4. Uso do SICONV (inserção da proposta no Sistema); 1.5. Aplicação de recursos; 1.6. Prestação de contas físico- financeira. 2- Transferência obrigatória de recursos para socorro, assistência e restabelecimento: 2.1. Introdução; 2.2. Passos para a captação de recursos em situação de anormalidade (fins de socorro, assistência e restabelecimento); 2.3. Situação de Emergência ou Estado de Calamidade Pública reconhecida pela SEDEC (Estado ou Município); 2.4. Emprego do Cartão de Pagamento de Defesa Civil; 2.5. Aplicação de Recursos (Principais dúvidas e dificuldades mais freqüentes); 2.6. Prestação de contas físico-financeira. 3- Transferência obrigatória de recursos para reconstrução: 3.1. Introdução; 3.2. Passos para a captação de recursos em situação de anormalidade (fins de reconstrução); 3.3. Situação de emergência ou estado de calamidade pública reconhecida pela SEDEC (Estado ou Município); 3.4. Elaboração de plano de trabalho; 3.5. Elaboração de projeto básico e executivo;

16 3.6. Aplicação de Recursos (principais dúvidas e dificuldades); 3.7. Prestação de contas físico- financeira. Modalidade Presencial. Público alvo Técnicos e gestores em Defesa Civil e instrutores. Carga horária Presencial 01: item 01 (transferência voluntária): 16 horas; Presencial 02: itens 02 e 03 (transferência obrigatória): 8 horas. Certificação Presencial 01: freqüência de 100% e avaliação do exercício (projeto básico); Presencial 02: freqüência de 100% e avaliação do exercício (plano de trabalho). Periodicidade: 2012 a 2013 em todos os estados brasileiros. Órgãos envolvidos na produção do material didático: SEDEC (Departamento de Articulação e Gestão (DAG). OBS: Para formação de instrutores é necessário cursar uma carga horária complementar de 04 horas na modalidade virtual. Avaliação Freqüência e avaliação de exercícios

17 MÓDULO 05: MOBILIZAÇÃO SOCIAL E COMUNICAÇÃO DE RISCOS Ementa Este módulo apresenta as etapas e processos relacionados à mobilização comunitária para gestão dos riscos de desastre e atuação em Defesa Civil. Trabalham-se os conceitos de mobilização vinculados à construção de redes sociais, capacitação e comunicação comunitária. Abordam-se, também, os conteúdos relacionados aos Núcleos Comunitários de Defesa Civil e Voluntariado. Estrutura de conteúdo 1- Mobilização social como estratégia para construir cultura de redução de riscos de desastres: 1.1. Conceitos: rede social; mobilização; comunidade; voluntariado; território; etc Mobilização para construir redes sociais. 2- Etapas para uma mobilização social efetiva em Defesa Civil: 2.1. Caracterização do contexto de intervenção; 2.2. Identificação de atores sociais e recursos disponíveis; 2.3. Informação e comunicação: estratégia de mobilização; 2.4. Sensibilização. 3- Capacitação comunitária para ação em Defesa Civil: 3.1. Núcleos comunitários de Defesa Civil; 3.2. Voluntariado: ação das comunidades; 3.3. Defesa civil na escola; 3.4. Tecnologias sociais para redução de riscos de desastres. 4- Redes sociais organizadas: 4.1. Construção de redes para ação conjunta em Defesa Civil; 4.2. Construção de cidades mais resilientes; 4.3. Articulação intersetorial. 5- Comunicação de riscos 5.1. Riscos e seus significados (incluir o conceito de comunicação de riscos); 5.2. Comunicação de riscos versus disseminação de informação; 5.3. O papel dos meios de comunicação;

18 5.4. Modelos de comunicação de riscos; 5.5. Estratégias para comunicação comunitária. Modalidade Presencial e virtual. Público alvo Virtual: técnicos e gestores em Defesa Civil, órgãos de apoio, sociedade e demais interessados; Presencial: técnicos e gestores em Defesa Civil e instrutores. Carga horária Virtual: 30 horas; Presencial para técnicos e gestores em Defesa Civil: 24 horas; Presencial para Instrutores: 28 horas. Avaliação: Virtual: avaliação de exercícios. Presencial: 100%. Certificação Virtual: avaliação das atividades de aprendizagem; Presencial: avaliação do exercício (plano de mobilização). Periodicidade Anual. Órgãos envolvidos na produção do material didático: SEDEC (Secretaria Nacional de Defesa Civil), CEDEC s (Coordenadorias Estaduais de Defesa Civil), CEPED s (Centros Universitários de Estudos e Pesquisas sobre Desastres), MS (Ministério da Saúde) e Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Autores sugeridos para a produção do material didático: Rejane Lucena (COMDEC de Jaboatão dos Guararapes); Verena Lellis (SEDEC); Janaína Furtado (CEPEDUFSC); Sarah Cartagena (CEPEDUFSC)

19 MÓDULO 06 AÇÕES PARA REDUÇÃO DE RISCOS DE DESASTRES Ilustrar o papel dos diferentes atores e o âmbito de diferentes setores na redução do risco de desastres. O conteúdo do módulo 6 Ações para Redução de Riscos de Desastres foi adaptado pela Estratégia Internacional de Redução de Riscos (EIRD) para um curso realizado no Brasil com o objetivo de formar multiplicadores. Ementa Promover um entendimento comum da natureza, do alcance e da importância da redução do risco de desastres (RRD) no contexto do desenvolvimento desde uma perspectiva nacional e estadual. Objetivos Conversar sobre o que constitui o risco de desastres e a maneira como este se encontra vinculado ao desenvolvimento. Introduzir e falar sobre a forma de reduzir as perdas que são ocasionadas pelos desastres e a forma de gerenciar o risco. Estrutura de Conteúdo 1- Entendendo o risco de desastres no contexto do desenvolvimento A forma em que os processos de desenvolvimento podem exercer uma influência positiva ou negativa no risco de desastres de um país/região 1.2. A forma em que os desastres podem exercer uma influência positiva ou negativa no desenvolvimento 1.3 Como está composto o risco 1.4 As causas da vulnerabilidade 1.5. O que compreende a redução do risco de desastres 1.6 O papel dos diferentes atores na redução do risco de desastres 1.7 Como a redução do risco é um elemento transversal no espectro dos desastres 2- A agenda da redução do risco de desastres (RRD) e o Marco de Ação de Hyogo

20 2.1. Introdução ao Marco de Ação de Hyogo (MAH); 2.2. Estratégia Internacional para a Redução de Desastres; 2.3. Por que um sistema de ISDR? 2.4 Cenários de risco urbano 3- Governabilidade para a Redução do Risco de Desastres 3.1. Definição da Governabilidade; 3.2. Atores; 3.3. Governabilidade no marco de Ação de Hyogo; 3.4. Requisitos da Governabilidade; 3.5. Dimensões da Governabilidade. 5- Ferramentas para a Redução do Risco de Desastres 5.1. A gestão de riscos de desastres; 5.2. Definição de ferramentas para RRD; 5.3. Tipos de Ferramentas para a gestão do risco de desastres; 5.4. Registrar sistematicamente as perdas por desastres; 5.5. Ferramentas de apoio à tomada de decisões; 5.6. Ferramentas de Redução de Riscos; 5.7. Ferramentas de identificação e análises do risco; 5.8. Ferramentas de Monitoramento, Preparação e Reconstrução; 5.9. Ferramentas de Proteção Financeira 4 - Transversalização da Redução do Risco de Desastres 6- Gestão dos Riscos Climáticos 4.1. Definição da transversalização em RRD; 4.2. Por que transversalizar? 4.3. Categorias da transversalização 4.4. Como se trasnversalizar nos mecanismos de atuação existentes? 4.5. Atores O que é a Mudança Climática; 6.2. Impactos na América Latina; 6.3. Marco Internacional da Gestão das Mudanças Climáticas; 6.4. Como nos Adaptar; 6.5. Relação das Mudanças Climáticas e a RRD;

21 7- Gestão do risco urbano para construir cidades mais resilientes 7.1 Porque redução de risco urbano/cidades seguras? 7.2. Objetivos da Campanha Minha Cidade está se Preparando ; 7.3. Enfoque da Campanha: Liderança Minha Cidade está se preparando ; 7.4. Os 10 essenciais para cidades seguras Lista de verificação para governos locais; 7.5. O que oferece UNISDR a Campanha? Minha Cidade está se Preparando! 8.7. Articulando Mecanismos de Seguros RRD e Adaptação; 8.8. Instrumentos financeiros para o manejo de riscos climáticos em países em desenvolvimento; 8.9. Quem assume as perdas em um desastre? 9- Planejamento da recuperação prévia no pós-desastre 9.1. Desenvolvimentos, riscos, desastres, recuperação. Lições aprendidas de processos de recuperação Planejamento e preparativos para a recuperação; 9.3. Análise das necessidades pós-desastre (PDNA): necessidades de recuperação e marco para a recuperação. 8- Investimento público em RRD 10 - Preparação no contexto da RRD 8.1. Os desastres e o desenvolvimento; 8.2. Os desastres e a viabilidade de um PIP; 8.3. Desenvolvimento e Vulnerabilidade; 8.4. Analisar o risco ou gerir o risco? 8.5. A gestão de riscos em projetos de inversão pública; 8.6. Fundos de Prevenção e Atenção de Desastres no México; Preparação para Situações de Desastres; Por que investir em preparação? Indicadores e guia do Marco de Ação de Hyogo; Mecanismos de Coordenação; Plano de Contingência; Monitoramento de ameaças/ Sistemas de alerta imediato;

22 10.7. Sistema de informação: Informação de base; Análise de Capacidades & Desenvolvimento de Capacidades; Abordagem Holística; 11- A importância da comunicação e facilitação na formação de formadores Características da aprendizagem de adultos; Técnicas de Treinamento; Introdução ao currículo de trabalho; Diretrizes para a Preparação da Sessão Comunicação; Prática do facilitador Carga horária Presencial para alunos: 20 horas. Presencial para Instrutores: 24 horas. Avaliação: Presencial: 100%. Certificação Presencial: avaliação de exercícios (propostos em aula) Periodicidade Anual. Modalidade Presencial. Órgãos envolvidos na produção do material didático: EIRD (Estratégia Internacional para Redução de Desastres) e SEDEC (Secretaria Nacional de Defesa Civil). Público alvo Técnicos e gestores em Defesa Civil, órgãos de apoio, sociedade e demais interessados

23 Proposta de Cronograma de Execução do Plano em Território Nacional A execução do plano em território nacional ocorrerá no período de 2012 a

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM )

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) PROGRAMA NACIONAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL DOS RISCOS DECORRENTES DOS DESASTRES NATURAIS Documento em discussão COORDENAÇÃO GERAL DE

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC

CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC CURSO DE LIDERES CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES - CEPED Universidade Federal de Santa Catarina UFSC As características do CEPED Visão multidisciplinar; Interação com os problemas

Leia mais

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança PREFEITURA DUQUE DE CAXIAS Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança Uma Estratégia de Ação para Capacitar e Treinar Servidores, Líderes Comunitários e Voluntários

Leia mais

PROGRAMAÇÃO - UNDERSTANDING RISK BRASIL 2012 12 DE NOVEMBRO

PROGRAMAÇÃO - UNDERSTANDING RISK BRASIL 2012 12 DE NOVEMBRO PROGRAMAÇÃO - UNDERSTANDING RISK BRASIL 2012 10h às 12h Credenciamento 14h às 15h30 ABERTURA SOLENE: 12 DE NOVEMBRO Fernando Bezerra Coelho Ministro da Integração Nacional Antonio Augusto Junho Anastasia

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Redução de riscos de desastres nas escolas

Redução de riscos de desastres nas escolas Redução de riscos de desastres nas escolas UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Reitora da Universidade Federal de Santa Catarina Professora Roselane Neckel, Drª. Diretor do Centro Tecnológico da Universidade

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL. Panorama da atuação de Proteção e Defesa Civil em Situações de Seca e Estiagem

SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL. Panorama da atuação de Proteção e Defesa Civil em Situações de Seca e Estiagem SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Panorama da atuação de Proteção e Defesa Civil em Situações de Seca e Estiagem Base Legal Lei nº 12.340/2010 - Dispõe sobre as transferências de recursos

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.5 Sistema de Planejamento Federal (32h) (Palestra 3: Programa Gestão de Riscos e e Resposta a Desastres - GRRD) Professora: Cristiane

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

PORTARIA Nº. 224 DE 25 DE JUNHO DE 2007 PUBLICADA NO DOU EM 27 DE JUNHO DE 2007

PORTARIA Nº. 224 DE 25 DE JUNHO DE 2007 PUBLICADA NO DOU EM 27 DE JUNHO DE 2007 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº. 224 DE 25 DE JUNHO DE 2007 PUBLICADA NO DOU

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma: CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATORES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:» Intersetorial: com os responsáveis

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: SAÚDE DA FAMÍLIA Código: ENF - 217 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES PROFESSOR EDÉSIO ANTÔNIO JUNGLES, DR

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES PROFESSOR EDÉSIO ANTÔNIO JUNGLES, DR UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROFESSOR LUCIO BOTELHO, DR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES PROFESSOR EDÉSIO ANTÔNIO JUNGLES, DR SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO I ÁREAS DE INTERESSE Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente a) Capacitação para implantação dos planos estaduais

Leia mais

Coleção Brasil Cresce Seguro

Coleção Brasil Cresce Seguro Coleção Brasil Cresce Seguro Proposta de Programa de Redução de Risco de Desastres nas Escolas Volume 7 Protótipo do Ambiente Virtual Escolas Participantes Vídeos Desastres Navegue no mapa e encontre as

Leia mais

Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola

Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental: Dimensões da Sustentabilidade

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

ANEXO II ÁREA DE INTERESSE 1 PRODUÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO

ANEXO II ÁREA DE INTERESSE 1 PRODUÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO ANEXO II PROGRAMA 2063 - PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Código do Programa no SICONV: 2012120140020 CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ÁREA DE INTERESSE 1 PRODUÇÃO E DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO

Leia mais

Curso Plano de Continuidade de Negócios

Curso Plano de Continuidade de Negócios Curso Plano de Continuidade de Negócios Em um cenário mundial de alto risco e volatilidade, com uma interconexão e interdependência de todas as cadeias de suprimento, a segurança e continuidade dos negócios

Leia mais

Programas 2013. Abril de 2013

Programas 2013. Abril de 2013 Programas 2013 Abril de 2013 A nova SUDENE -Lei Complementar n 125, de 03 de janeiro de 2007 -Decreto n 6.219/2007 Autarquia especial, administrativa e financeiramente autônoma,... vinculada ao Ministério

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais.

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais. APRESENTAÇÃO DO SCO Conceito de SCO O Sistema de Comando em Operações é uma ferramenta gerencial para planejar, organizar, dirigir e controlar as operações de resposta em situações críticas, fornecendo

Leia mais

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL Luís Carvalho Promotor Nacional da UNISDR Cidades Resilientes Making Cities Resilient Campaign Advocate ÍNDICE 1. EVOLUÇÃO DA

Leia mais

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NOS INSTITUTOS QUE OPERAM NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO 189-01/2012 RELATÓRIO 1 30.09.2012

Leia mais

COLEÇÃO BRASIL CRESCE SEGURO

COLEÇÃO BRASIL CRESCE SEGURO Programa Brasil Cresce Seguro Formulários para monitoramento e avaliação 1 COLEÇÃO BRASIL CRESCE SEGURO Proposta de Programa de Redução de Risco de Desastres nas Escolas Volume 6 Formulários para Monitoramento

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

PROJETO SISTEMA DE PREVENÇÃO, CONTROLE E ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM ACIDENTES COM PRODUTOS PERIGOSOS NA RODOVIA BR 101 TRECHO SUL SC

PROJETO SISTEMA DE PREVENÇÃO, CONTROLE E ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM ACIDENTES COM PRODUTOS PERIGOSOS NA RODOVIA BR 101 TRECHO SUL SC PROJETO SISTEMA DE PREVENÇÃO, CONTROLE E ATENDIMENTO EMERGENCIAL EM ACIDENTES COM PRODUTOS PERIGOSOS NA RODOVIA BR 101 TRECHO SUL SC INTRODUÇÃO O Projeto foi assinado em novembro de 2010, é fruto de um

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL SEDEC Dezembro/ 2007 + 1º trimestre 2008 ENCHENTES (Inund. Graduais) ENXURRADAS (Inund. Bruscas) ALAGAMENTOS e DESLIZAMENTOS Dez/2007 A atuação em Defesa Civil está

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI

Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Preparação e Resposta a Desastres no Território Nacional Getúlio Ezequiel da Costa Peixoto Filho Chefe de Divisão Cenad/Sedec/MI Seminário Estadual Sobre Emergência Ambiental Belo Horizonte, 02 e 03 de

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

A participação do Setor Saúde no Sistema de Comando em Incidentes

A participação do Setor Saúde no Sistema de Comando em Incidentes CURSO LÍDERES- CURSO INTERNACIONAL EM SAÚDE, DESASTRES E DESENVOLVIMENTO A participação do Setor Saúde no Sistema de Comando em Incidentes David Rodrigues dos Santos Capitão Bombeiro Militar M.Sc em Desenvolvimento

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

Recife (Pernambuco), Brazil

Recife (Pernambuco), Brazil Recife (Pernambuco), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Geraldo Julio de Melo Filho Nome do ponto focal: Adalberto Freitas Ferreira

Leia mais

Louveira ( São Paulo), Brazil

Louveira ( São Paulo), Brazil Louveira ( São Paulo), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Nicolau Finamore Junior Nome do ponto focal:

Leia mais

Período: 13/09/2013 a 31/12/2013. Publico Alvo: 51 Gestores Governamentais

Período: 13/09/2013 a 31/12/2013. Publico Alvo: 51 Gestores Governamentais Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral Unidade de Apoio a Projetos Especiais Projeto de Inserção dos Gestores Governamentais Programa de Qualificação Profissional para os Gestores Governamentais

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

ANEXO II PROGRAMA 2063 - PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

ANEXO II PROGRAMA 2063 - PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA ANEXO II PROGRAMA 2063 - PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1 ÁREA DE INTERESSE FORMAÇÃO/CAPACITAÇÃO

Leia mais

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil

Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Sud Mennucci (São Paulo), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Prefeito - Julio Cesar Gomes Nome do ponto focal: Maricleia Leati Organização:

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO GIDES Fortalecimento da Estratégia

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS PARA ATUAÇÃO COMO INSTRUTORES NOS CURSOS GESTÃO DA ESTRATÉGIA COM O USO DO

PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS PARA ATUAÇÃO COMO INSTRUTORES NOS CURSOS GESTÃO DA ESTRATÉGIA COM O USO DO PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS PARA ATUAÇÃO COMO INSTRUTORES NOS CURSOS GESTÃO DA ESTRATÉGIA COM O USO DO BSC E MÓDULO 2 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORGANIZACIONAL (PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA (PSE): Saúde e educação integral das crianças, adolescentes e jovens O que é o PSE? O PSE é uma política intersetorial do Saúde e do, instituído em 2007, por decreto presidencial.

Leia mais

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Síntese e Resultados III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Resultados & Avanços Resultados Implementaçao de Hyogo revista e avaliada*

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas. Sul e Sudeste

Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas. Sul e Sudeste Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas Sul e Sudeste Plano de Ação do Governo Federal para o período de chuvas Sul e Sudeste 1. Prognóstico Climático 2. Municípios Monitorados 3. Preparação

Leia mais

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD

Edital nº 002/2010/GSIPR/SENAD PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfretamento ao Crack e Outras Drogas

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA DIAGNÓSTICO E MATRIZ CURRICULAR

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA DIAGNÓSTICO E MATRIZ CURRICULAR MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA DIAGNÓSTICO E MATRIZ CURRICULAR 1 Função no Projeto Realização de diagnóstico de necessidades

Leia mais

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico

Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Presidência da República Secretaria de Imprensa. Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas investe R$ 400 milhões em ações de saúde, assistência e repressão ao tráfico Em resposta aos desafios

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Workshop Complexo do CEMADEN São José dos Campos, SP, 14 de janeiro de 2014 Decreto

Leia mais

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013.

Seminário Internacional sobre Prevenção de Desastres Naturais Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2013. A Atuação Secretaria Nacional de Defesa Civil - SEDEC na Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais e o Projeto Mapeamento de Áreas de Risco Rafael Schadeck Diretor Cenad/Sedec/MI Seminário Internacional

Leia mais

Discurso da Senhora Coordenadora Residente No acto de abertura do Workshop Nacional de Redução de Riscos de Desastres. Praia, 10 de Dezembro de 2014

Discurso da Senhora Coordenadora Residente No acto de abertura do Workshop Nacional de Redução de Riscos de Desastres. Praia, 10 de Dezembro de 2014 Discurso da Senhora Coordenadora Residente No acto de abertura do Workshop Nacional de Redução de Riscos de Desastres Praia, 10 de Dezembro de 2014 Sr. Ministro do Ambiente, da Habitação e de Ordenamento

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde

Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde A formação profissional dos trabalhadores em Vigilância Epidemiológica: contribuições de uma abordagem politécnica de educação Mauro de Lima

Leia mais

Curso Plano de Continuidade de Negócios

Curso Plano de Continuidade de Negócios Curso Plano de Continuidade de Negócios Em um cenário mundial de alto risco e volatilidade, com uma interconexão e interdependência de todas as cadeias de suprimento, a segurança e continuidade dos negócios

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B TERMO DE REFERÊNCIA DO PROCESSO CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES EXECUTORAS DE AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Detalhamento por Localizador

Detalhamento por Localizador Programa 2015 - Aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS) 20QI - Implantação e Manutenção da Força Nacional de Saúde Número de Ações 3 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social Função: 10 - Saúde

Leia mais

Gestão de Riscos no Brasil

Gestão de Riscos no Brasil Gestão de Riscos no Brasil Eduardo Soares de Macedo Géologo PROCESSOS CAUSADORES DE RISCOS NATURAIS Classificação COBRADE SEDEC-MI CATEGORIA GRUPO SUBGRUPO 1. Terremoto 1. GEOLÓGICO 2. Emanação vulcânica

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA FACILITADOR PEDAGÓGICO

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA FACILITADOR PEDAGÓGICO MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA FACILITADOR PEDAGÓGICO 1 Função no Projeto Facilitação especializada em metodologias pedagógicas

Leia mais

3. 1 Executar e monitorar as metas e etapas previstas no Plano de Trabalho assim com sua execução operacional, administrativa e financeira.

3. 1 Executar e monitorar as metas e etapas previstas no Plano de Trabalho assim com sua execução operacional, administrativa e financeira. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 02/2012 TIPO: MELHOR QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Recursos Naturais Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Meio Ambiente FORMA/GRAU:( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

2º SIBRADEN - Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos

2º SIBRADEN - Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Plano Nacional de Prevenção, Preparação e Resposta Rápida R a Emergências Ambientais com Produtos Químicos Perigosos 2º SIBRADEN - Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos Santos-SP, 9

Leia mais

Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental (GVISAM)

Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental (GVISAM) Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental (GVISAM) 6ª reunião do GT Sustentabilidade e Saúde - SVMA Vigilância em Saúde e Intervenção em Desastres sob a Ótica do SUS Construção do Plano Municipal Integrado

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Relatório CVBSP. de Atividades. Março/2015

Relatório CVBSP. de Atividades. Março/2015 Março/2015 CVBSP Relatório de Atividades Índice. Resultados Gerais 03. Socorro e Desastre 04. Primeiros Socorros 05. Promoção à Saúde 06. Programas Comunitários 07. Comunicação 09. Juventude 09. Filiais

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

O Farmaceûtico na Atenc ão Primaŕia à Sau de: educação continuada como estrateǵia de transformac ão

O Farmaceûtico na Atenc ão Primaŕia à Sau de: educação continuada como estrateǵia de transformac ão O Farmaceûtico na Atenc ão Primaŕia à Sau de: educação continuada como estrateǵia de transformac ão Vera L Luiza 1, Rondinelli Mendes da Silva 1, Silvia C. F. de Araújo 2, Maria R. C. Macedo 3 ; Angela

Leia mais

Auditoria SUS/BA Organograma proposto DIRETORIA GERAL Assessoria Técnica Colegiado Diretoria de Auditorias de Sistemas e Serviços Diretoria de Gestão e Desenvolvimento Coordenação I Coordenação II

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Oficina EVIPNet Brasil. Ferramentas SUPPORT para Políticas Informadas por Evidências. Recife PE, 23 e 24 de fevereiro de 2015

RELATÓRIO TÉCNICO. Oficina EVIPNet Brasil. Ferramentas SUPPORT para Políticas Informadas por Evidências. Recife PE, 23 e 24 de fevereiro de 2015 Ministério da Saúde do Brasil Secretaria de Ciência, Tecnologia, Insumos Estratégicos (SCTIE) Departamento de Ciência e Tecnologia (Decit) Coordenação Geral de Gestão do Conhecimento (CGGC) RELATÓRIO TÉCNICO

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Curso de Capacitação. Módulo III. Área de PREFEITURA. Área Alagada

Curso de Capacitação. Módulo III. Área de PREFEITURA. Área Alagada Curso de Capacitação Módulo III Área de desmoronamento PREFEITURA Área Alagada Universidade Federal de Santa Catarina Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres Gestão de Desastres e

Leia mais

DOE de 01-04-2015 Seção I

DOE de 01-04-2015 Seção I Rede nº 253/15 Data: 01/04/2015 Assunto: PROGRAMA ACESSA ESCOLA RESOLUÇÃO SE 17 DE 31/03/2015 Senhores Diretores, Retransmito na íntegra, a Resolução SE 17 de 31/03/2015, publicada no D. O. E de 01/04/2015,

Leia mais

Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos

Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos PROCESSO SELETIVO 2011 Ações de Adaptação de Comunidades e seus Ecossistemas aos Eventos Climáticos REGULAMENTO Prezado Gestor, Criado em 2006, o Instituto HSBC Solidariedade é responsável por gerenciar

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES E PLANEJAMENTO DE CONTINGÊNCIA

CURSO DE EXTENSÃO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES E PLANEJAMENTO DE CONTINGÊNCIA CURSO DE EXTENSÃO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES E PLANEJAMENTO DE CONTINGÊNCIA Edição agosto de 2015 APRESENTAÇÃO O curso GERENCIAMENTO DE INCIDENTES E PLANEJAMENTO DE CONTINGÊNCIA aborda os aspectos conceituais

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais