A Aplicação do QFD no Desenvolvimento de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Aplicação do QFD no Desenvolvimento de"

Transcrição

1 =======================================================================PRODUÇ ÃO A Apliaçã d QFD n Desenvlviment de Sftware: Um stud de Cas Fernand Antôni Snda, Ph.D. Infrmátia Rua Mreira César, Caxias d Sul- RS Jsé Luis Duarte Ribeir Prgrama de Pós Graduaçã em ngenharia de Prduçã - UFRGS Praça Argentina, sala Prt Alegre - RS Mária lisa heveste Prgrama de Pós Graduaçã em ngenharia de Prduçã - UFRGS Praça Argentina, sala Prt Alegre - RS Resum ste trabalh tem m bjetiv apresentar a apliaçã d QFD m ferramenta de suprte para planejament e desenvlviment de um sftware de usts, visand um melhr atendiment das araterístias demandadas pel liente, bem m a determinaçã de indiadres para ntrlar press de desenvlviment d prdut. O trabalh fi desenvlvid a partir de uma pesquisa de merad reali zada m usuáris de sftwares de CUSts e demais pessas envlvidas m gereniament de usts. Cm a apliaçã d QFD, bservu-se que a definiçã anteipada das araterístias prinipais d sistema é fundamental para desenvlviment de um sftware. O QFD vem se smar as demais ferramentas de análise de sistemas prprinand, simultaneamente, um desenvlviment mais rápid e mais qualifiad. Palavras-have: pesquisa de merad, qualidade, QFO, sftware, usts. Abstrat This papa pments an appliatin fqfd fr planning and develpment f a st sftware. The QFD was hsen aiming a buter assessment f the usa desires as well as the indiatin f the parameters fr prm ntrl. The wrk was initiated frm a market survey nduted n usas f st sftware and ther peple invlved in st management. The use f the QFD shws that the early definitin f the key harateristis f the system is mential in sftware develpment. The QFD mplements the use f ther system analysis tehniques and ntributes fr a fster and mre qualified sftware develpment. Keywrds: market survey. quality. QFD, sftware, st. I - Intrduçã A velidade das infrmações e as nvas tenlgias estabeleeram um ambiente glbalizad de alta nrrênia, nde preç, praz, qualidade e flexibilidade preisam ser atendids. As empresas devem trabalhar ntinuamente para que liente esteja satisfeit e vlte a mprar seu prdut. Neste ambiente, as pessas ganham mair imprtânia, pis preisam ser atendidas rapidamente, m O prdut ert. Assim, gereniament rientad para liente é a sluçã para a sbrevivênia das empresas n merad. ssa realidade é partiularmente verdadeira na indústria da infrmátia. Atualmente, mputadres e pressadres estã presentes na mairia ds esritóris e estã send rapidamente inrprads a tdas as tenlgias. Assim, as pessas passam a nviver m sftwares, s quais vêm se nstituíd ns mpnentes entrais em muitas atividades mplexas. Na medida em que aumenta a dependênia relativa a sftwares, rese a Snda, F. A.. Rilxir. J. L. O.. heves{e. A Apliaçã d QFO n Desenvlviment de Jjwarr:. Um slud de Cas

2 PRODUÇÀO================================================================== demanda pr prduts de alta qualidade, desenvlvids de il de vida d prdut. Pde ser dit que QFD ard m as neessidades ds lientes. O desenvlvi- ment de sftwares exige a utilizaçã de ferramentas e representa uma mudança d ntrle de qualidade fad em manufatura e press para ntrle de qualidade ténias espeializadas. vltad para desenvlviment d prdut (Sullivan, 86). A imprtânia resente d desenvlviment de sftware é nfirmada pel tratament difereniad reebid nas nrmas de qualidade. A ISO 000, que estabelee um padrã para a gestã e garantia da qualida- de, em sua parte apresenta diretrizes para a apliaçã da ISO 00 I a desenvlviment, frneiment e manuten- çã de sftwares. De ard m Usrey & Dley, 6, n desenvl- viment de sftware, s fatres rítis sã s seguintes: (i) desempenh superir as expetativas; (i i) failidade de us e failidade de interaçã; (iii) utilidade atual (qual ida- Segund Aka (7), QFD nsiste em nverde perebida); e (iv) utilidade futura (flexibilidade). m um utr artig, Usrey & Dley, 8, abrdam a aval iaçã da atitude d usuári referente a sftwares. les enfatizam a neessidade e urgênia em entender, ntrlar e planejar a qualidade d sftware. nquant iss, Dale & Mahwski,, disutem s usts de qualidade assiads a desenvlviment de sftwares. sses autres nluem afirmand que s esfrçs devem ser nentrads na leta de infrmações qualifiadas referentes a definiçã d prdut (fases uma ferramenta que pde auxiliar as empresas a veneiniiais de desenvlviment d sftware). Mais ainda, eles sugerem us de FMA (Failure Mde and.fjet Analysis u Análise de Mds e feits de Falha) e d QFD m ténias efetivas para qualifiar desenvlvi- em que aelera desenvlviment d prdut nsideranment de sftwares. O QFD - Quality Funtin Deplyment, u Desd- Segund King (87), QFD é uma ferramenta multifuninal que permite às rganizações pririzarem as demandas ds nsumidres e, em funçã diss, desenvlverem respsta invadras para as neessidades ds lientes, que sejam efetivas em terms de ust e qualidade. O mesm autr afirma que QFD pde direinar uma implementaçã bem suedida de um nv prdut u press, na medida em que envlve tds s departaments: marketing, pesquisa e desenvlviment, prduçã, ntrle de qualidade, vendas e serviçs, et. ter as demandas ds nsumidres em araterístias de qualidade e em desenvlver um prjet de qualidade para um prdut aabad, desdbrand as relações entre demandas e araterístias. ste desdbrament meça m a qualidade de ada mpnente funinal e se estende para a qualidade de ada parte u press. A qualidade ttal d prdut será entendida através de uma rede de relações. Segund Gustafssn & Jhnsn, 7, QFD é rem a launa que existe entre a satisfaçã d liente e desenvlviment de qualidade em prduts e presss. O QFD auxilia as empresas a serem mpetitivas, na medida d expliitamente as demandas d liente. Ouvir s lientes é essenial, n entant nem brament da Funçã Qualidade - iniiu n Japã n sempre é fáil traduzir para s prduts u serviçs s final ds ans 60 e atualmente é utilizad pela metade das grandes empresas japnesas (Ghiya et ai., ). N iníi ds ans 80, ele fi intrduzid na indústria autmtiva ameriana e atualmente é usad pr muitas empresas deste setr. O QFD representa um esfrç para nseguir que pnt de vista d liente referente a qualidade seja inrprad nas fases iniiais d desenvl- viment e ntinue send nsiderad a lng de td desejs ds nsumidres, pis muitas vezes a linguagem utilizada nã se adapta diretamente às espeifiações ténias. O QFD ntribui para vener essas difiuldades. Na realidade, QFD é um métd de gereniament interfuninal, para auxiliar na garantia da qualidade de presss, prduts e serviçs. O QFD também ntribui na reduçã de usts, pis tem sua tônia n planejament d press. Send PRODUÇÃO. Vl. 0. no I. p. -7 2

3 =========================================================================== PRODUÇÃO assim prdut final sai m pua u quase nenhuma Cm faturament da Ph.D. atualmente prvém hane de perda u retrabalh fae a prblemas de basiamente da venda de hras ténias, a mesma está prjet, pis deisões de mudança pdem ser realizadas estudand a pssibilidade de ingressar n merad m ainda na fase de prjet, tend uma frte I igaçã m um prdut padrã e está avaliand a pssibilidade de desenvlviment das estratégias de marketing. desenvlver um sistema avançad de gereniament de usts, apaz de suprir ás neessidades atuais de seus lientes. 2 - Desriçã d prblema e métd de trabalh Para auxiliar n desenvlviment d sistema, a empresa ptu pel us d QFD, uma ténia que expliitamente busa levantar as neessidades d lientes e A Ph.D. Infnnátia é uma pequena sftwarehuse situada em Caxias d Sul, um ds prinipais pls inrprá-ias n prjet d prdut e ns presss de prduçã. industriais d estad d Ri Grande d Sul. Sua prinipal As etapas que mpõe desdbrament da qualidade variam nfrme a apliaçã. Neste trabalh, atividade é desenvlver sluções persnalizadas às neessidades ds seus lientes e assessrá-ls n us de desdbrament irá ntemplar seguinte: (i) Pesquisa de tenlgias de infrmátia. A empresa vem desenvlvend sistemas para atender diversas empresas reginais. (iv) Matriz das araterístias das partes, (v) Matriz merad; (ii) Matriz da qualidade, (iii) Matriz das partes, d Pesquisa de Merad Matriz da Qualidade Matriz das Partes Matriz das araterístias das partes Matriz ds Presss Matriz ds parâmetrs d press Matriz ds Reurss Matriz ds Custs Figura I: Mdel Cneitual utilizad n estud de as. Snda. F. A.. Ribeir. J. L. D.. h(e A Apliaçã d QFD n DesenvlvimC:llI de' Jlulllrt: Um stud de Cas

4 Matriz ds reurss; (viii) Matriz ds usts; e (ix) Planejament das melhrias. O mdel neitual utilizad aparee na Figura I. O estud de as será apresentad nas seções a seguir. A apresentaçã está rganizada de ard m a lista anterir. O métd de trabalh, utilizad neste estud, envlveu quatr etapas: (i) treinament em QFD, visand nivelar s partiipantes da equipe ténia, (ii) pesquisa de merad, visand reunir as infrmações neessárias para dar iníi a desdbrament; (iii) reuniões regulares a lng de um mês para preenhiment gradativ de tdas as matrizes; e (iv) definiçã d plan de melhria da qualidade, efetuad a partir ds resultads btids em tdas as etapas d QFD. - Pesquisa de Merad PRODUÇÃO============================================================================== press; (vi) Matriz ds parâmetrs d press; (vii) as lientes em ptenial quais as araterístias desejadas para este sfiware. Atualmente as sftwaresh!lses da regiã nã fereem sluções avançadas em sistemas de ustei. x istem sjiwares de usts n merad, mas esses prduts apresentam uma estrutura rígida, que nã se adapta às neessidade individuais ds gerentes que tmam as deisões. Além diss, eles nã fereem pções avançadas de análise ds dads m us de metdlgias mdernas. O bjetiv prinipal da pesquisa é identifiar s itens de qualidade demandada nsiderads mais imprtantes, verifiand as araterístias e infrmações que prgrama deverá nter para atender as neessidades ds lientes, definind se nvas tenlgias de ustei serã valrizadas, e verifiand a imprtânia d us de nvas tenlgias de infrmátia. Segund Breen e Blankenship apud YUKI, 4, a falta de nheiment ds prduts u serviçs a serem vendids é uma das prinipais (e óbvias) razões d fraass de pequenas empresas varej istas e de serviçs. N atual nível de mpetitividade, a infrmaçã é element fundamental para suess empresarial. Assim, as empresas devem busar nheiment da situaçã d merad e ds nsumidres, identifiand as prtunidades existentes. N que se refere a sftware de usts, trata-se de um prdut a ser lançad. As infrmações dispníveis na empresa nã respndem às questões básias para a tmada de deisões. Assim, ptu-se pr realizar uma pesquisa de merad, busand reunir dads para a definiçã da qualidade demandada, pnt de partida para QFD.. \. Identifiaçã d prblema e bjetivs da pesquisa A Ph.D. infrmátia deseja lançar n merad um sftware gereniadr de usts, dirigid a empresas de médi prte. O prblema se resume em identifiar junt.2. Métd e ténias de leta de dads Cm fnte de dads seundáris fram utilizadas referênias d SBRA / Câmara de Indústria e Cméri e infrmações btidas junt à funináris da própria empresa. Para a leta ds dads primáris, fram utilizads questináris apliads a lientes já existentes e lientes em ptenial. De psse ds dads btids nas fntes seundárias, fi pssível elabrar um questinári abert e, em seguida, um questinári estruturad, s quais fram apliad as lientes existentes e lientes em ptenial (fnte primária de infrmaçã). Os questináris fram apliads pessalmente pels pesquisadres... Determinaçã da ppulaçã da pesquisa, tamanh de amstra e press de amstragem A amstra da pesquisa fi determinada utilizand ritéri de amstragem nã-prbabilístia pr nveniênia, pis havia a neessidade de nluir-se estud n menr temp pssível, m menr ust. Send assim, PRODUÇÃO. Vl. 0. no I. p. 7 4

5 ========================================================================PRODUÇÀO s elements da amstragem fram seleinads dentr.4. Questinári abert d grup que pôde ser nsultad mais rapidamente. ste grup se nstituiu de diretres, gerentes e demais questinári abert visa prver pesquisadr de pessas envlvidas m a área de usts das empresas que mair nheiment sbre bjet de pesquisa. Na sua fram aessadas. N ttal fram entrevistads 22 lientes elabraçã, teve-se uidad de inluir perguntas frmuladas de maneira simples, direinadas as bjetivs d de empresas que pssuem sede na regiã de axias d Sul. prjet, sem ambigüidades e na linguagem ds entrevistads. O anex I apresenta uma ópia d questinári.4. labraçã ds questináris abert apliad. Os prinipais resultads btids apareem Iniialmente fi elabrad um questinári m apresentads na seqüênia. Vale meninar que s resultads d questões abertas, submetid a grup de lientes. A partir questinári abert superaram as expetativas da equipe das respstas d questinári abert, fi pssível elabrar ténia, reveland detalhes (ver a seguir) desnheids para a a árvre da qualidade demandada que rientu a elabraçã d questinári fehad. pleta e mais exigente d que que pderia ser btid interna equipe. A listagem btida junt as lientes é mais mmente, através de um brainslrm, pr exempl. Questã 4 - Infrmações de usts nsideradas imprtantes para tmada de deisões. Infrmaçã n-line Ban de dads atualizad Cust unitári ds prduts Matérias-primas atualizadas Velidade e auraidade das infrmações Gast Despesas gerais Partiipaçã da Mã-de-bra pr prdut Indiadres have m apaidade de abertura Custs ntábeis Cust gerenial CPV Cust indiret Cust fix Pnt de equilíbri Cust final d prdut Imbilizad Valr unitári pr ent de ust Questã - Caraterístias relevantes na aquisiçã de um sftware de ust Failidade de us Ba interfae m utrs sistemas Treinament Fáil aess perainal Persnalizável Ferramentas de simulações Velidade de pressament Flexibilidade de adaptaçã das mudanças Auraidade nas infrmações Atualizaçã n-line Pssibilidade de áluls em UP Simulaçã de enáris Análise de usts fixs e variáveis Cálul de ust da qual idade Cálul de ust das perdas Preç Failidade de manutençã Sistema de usts utilizads pel sftware Snda. F. A. Ribeir. J. L. D., hevst( A Apliaçã d QFD n Desenvlviment de líwarr. Um stud de Cas

6 PRODUÇÀO======================================================================= Questã 6 - Quais as prinipais falhas ns sftwares existentes n merad e quais as melhrias que pdem ser adiinadas. Prblemas de interfae m utrs sistemas Rigidez na estrutura Difiuldade de se ter relatóris nvs Falta de apresentações gráfias Aprpriações grtesas Demra n álul Difiuldade de parametrizaçã Difiuldade de aquisiçã ds dads Sistemas mplexs que resultam na utilizaçã defiiente de usts Falta de simulaçã de enáris Nã utilizaçã da UP Dads nã utilizáveis Utilizaçã de base ntábil Nã tem visã press Falta de infrmaçã glbais Nã sã didátis Infrmações inmpletas Menus nã padrnizads Questã 7 - Caraterístias que levam a aquisiçã de um sftware de ust Cust de aquisiçã e manutençã Dispnibilidade de reurss d sistema Failidade de utilizaçã Atendiment rápid a I iente Rapidez de respsta Interatividade Preisã Manual m exempls e exeríis Tela mens pluída Linguagem de fáil mpreensã Menus adequads Cres agradáveis Help sensível a ntext Integraçã m internet Questã 8 - Frma de divulgaçã mais efiiente Demnstraçã na empresa Wrkshp Divulgaçã pessal Distribuiçã de Dem Site na internet Revistas espeializadas.4.2. Árvre da Qualidade demandada.4.4. Tabulaçã ds dads d questinári fehad Após a análise ds itens de qualidade demandada, fi pssível rganizá-ls em níveis primári, seundári e teriári, nfrme apresentad na tabela I..4.. Questinári Fehad questinári fehad é mpst de questões m alternativas que sã s itens da árvre de qualidade demandada. O bjetiv deste questinári é bter a pririzaçã desses itens. O questinári fehad também ntemplu alguns pus itens de interesse diret da empresa para serem avaliads pels lientes. ste questinári enntra-se n Anex. O desdbrament da demanda da qualidade até nível teriári fi imprtante para nheer detalhes das expetativas d liente. stes detalhes estã send amplamente utilizads nas deisões referentes a nepçã d prdut e ds reurss que ele deve pssuir. N entant, exessiv detalhament d nível teriári impediu que ele fsse utilizad m pnt de partida para a elabraçã da matriz da qualidade. N nível teriári existe um númer muit grande de itens, que iria gerar matrizes muit extensas. Além diss, nã é pssível identifiar araterístias de qualidade assiadas a tds s itens. PRODUÇÃO. Vl. ) O. n' ). p. ) 7 6

7 ===========================================================================PRODUÇÀO Tabela I: Árvre da Qualidade Demandada para estud de as d SjilVre de Cust Primári Seundári Teriáris Fáil de usar Menus padrnizads Interfae Aess fáil às infrmações (ntrada e Saída) Interfae m utrs sistemas Persnalizável às neessidades Ténias Atualizadas Métds fiazes Ba Perfrmane Nvas Tenlgias Métds de Análise Métds de Custei Interfae gráfia Failidade de navegaçã Leve e limp Relatóri de fáil leitura Cnfiabi lidade Velidade fiiên ia da respsta Flexibilidade de adequaçã às mudanças Integraçã m internet Renheiment de vz Capaidade de rdar el Olputadres prtáteis Persnal izaçã Silulaçã de enáris Pnt de equilíbri Infrlações glbais Infrlações detalhadas Cust ntábil Cust gerenial Cust prdut vendid UP ABC Cust Padrã Cust da qualidade Cust das perdas Cust da melhria d press Suprte aessível Ba estrutura de Treinament Serviçs Manutençã / Suprte Adequaçã à nvas delandas fiientes Failidade autaprendizad Atendiment rápid Manual COI exelpls e exeríis Infrmações Cnfiáveis Persnalizaçã n serviç Segurança ds dads Cnfiabilidade das infrmações Atualizaçã em temp real Indiadres have COI apaidade de abertura Flexibilidade na estrutura Persnalizável pel usuári Restriçã a aess (senhas) Bak-up n-line Segurança da nã perda de dads na queda d sistema Segurança ntra vírus In frlações preisas Auraidade Deteçã de errs Infrmações n-line Ban de dads atual izad Snda, F. A.. Ribeir, J. L D.. hev:sle - A Apliaçã d QF D lia Dsenvlvil [\ w de?all'lrr: Um stud de C.lsa

8 PRODUÇÃO======================================================================= Assim, ptu-se pr utilizar nível seundári usuári; ClientlServer; Web-based; Suprte a tenlgia m infrmaçã de entrada na matriz da qualidade. O -tier; Us de interfae gráfia; Integraçã m planilhas nível seundári apresenta-se sufiientemente detalhad e eletrônias; Relatóris ustmizads; Análise ds dads aprpriad a bjetiv d trabalh. Os resultads da grafiamente; Suprte a várias medas; Metdlgia de avaliaçã da imprtânia d nível seundári, nfrme ustei suprtada (A BC ;UP, Centr de Custs, et.); atribuída pels lientes que respnderam a questinári Suprte a ABM; Frmaçã de preç; Análise de apaidade; Análise de rentabilidade (pr Área de negói, fehad, apareem na Matriz da Qualidade (Tabela 2). Segment, Cliente, Prdut,Canal de venda, et.); Análise 4 - Matriz da Qualidade What-if, Suprte á reengenharia de presss; Análise ds dads em frmat de ub; Suprte à nsistênia de Para a nstruçã da Matriz da Qualidade fram dads mplexs. utilizads s itens seundáris da qualidade demandada, -Quantidade de hras de treinament (hras) - É nfrme apresentad na seçã anterir. Além diss, um indiadr d tip menr é melhr. O sistema deve ser também fram definidas as araterístias de qualidade e aut-expliativ e nã devem ser neessárias muitas hras seus respetivs ritéris de mensuraçã: de tre inament para a sua peraçã. - Temp de aprendizad (dias) - é temp neessári de treinament para que usuári pssa utilizar 80% um indiadr d tip menr é melhr. O sistema deve ser -Quantidade de hras p/ ustmizaçã (hras) - É ds reurss d sftware. Quand usuári atinge nível flexível para se adequar a diferentes enáris, sem a de 80%, nsidera-se que ele já detém dmíni (aprendizad) d sftware. - Temp médi p/atendiment as hamads (hras) neessidade de muitas hras de ustmizaçã. - Temp médi p/ entrada de dads (minuts) - É - Td hamad demanda um temp para ser atendid, temp médi que usuári leva para mpletar uma este indiadr ntrla a quantidades de hras média para transaçã sem errs. estes atendiments. - Númer de errs nã detetads autmatiamente - Defasagem de atualizaçã d sistema (dias) (qtde. de errs / mês) - Será nsiderad errs nã Cm sistema de usts é um sistema gerenial, e nã detetads td err que nã é detetad autmatiamente pel sistema, send detetad smente ns predi dele se mesm fr útil ; se sistema nã está atualizad perainal u legalmente brigatóri, usuári utiliza-se ment de nferênia efetuads pel usuári. u seja defasad é sinal que mesm nã está send. - Númer de atendiments a usuári (qtde. / mês) - utilizad efiientemente. É a quantidade de atendiments a usuári seja pr O grup enarregad da elabraçã d QFD pntuu telefne, pessalmente, via u qualquer utr inter-relainament entre s itens da qualidade demandada e as mei. araterístias de qualidade. Fi utilizada a seguinte esala: - Benhmarking m utrs sistemas de ustei Muit Frte - ; Frte - ; Médi - ; Fra - I; Nenhum - O. (qtde. itens atendids) - Basead em artigs Na pririzaçã da demanda de qualidade também fram espeializads na área que itam as prinipais araterístias ds sistemas de ustei, fi feita uma lista de aranada demanda deve reser em imprtânia n futur) e nsiderads s aspets estratégis (quant que uma determiterístias que serã u nã atendidas pel sistema. sta mpetitiv (quant estams defasads de nsss nrrentes). lista deverá ser atualizada anualmente para manter a Cm pde ser vist na Figura 2, s itens mais imprtantes sã a atualizaçã tenlógia: dumentaçã On-line; Tutrial nfiabilidade das infrmações e s métds de ustei pass a pass; Mdels de exempl prnts; Multi- utilizad. PRODUÇÃO. Vl. 0. n'. p. 7 8

9 ========================================================================PRODUÇÃO Tabela 2: Matriz da Qualidade para estud de as d sftware de ust. 'atriz da Qualidade < : tii :l CT < < C < Cl < < 'õ C a. terfae de fáil,ess 6,0 'erfrmane d istema 8,8 íi) e! é. 'õ a. < a. íi) :l OI '" < < e! ' -a. 'õ Q) a. íi) C :l OI.l!! '" :; '" C U.l!! '" a. '" 'õ Q) a. íi). g '" <li 'B '" $ '<li C '" e Oi e." z íi). - <li 'B : :l :l '" < '" ' 'õ $ < e." z íi) 'õ $ < '" C 'w iií :l U '" < iií 'iij e '" :; 8 OI :;;:: Oi u (Il íi) e! é. ' < C e! '" < : ' < a " íi) e! é. 'rl < N ' iií :l U '" e! < : ' < :l M < '" g e ' u ã) > z M < < <> e! :l OI '" ã) >.- z íi) e! é. '" < < U '" <. 'õ iií ã. 'õ. a..::: íi) < :ê. < iií 'iij O O 'rl <.t:l tii :l iií OI < '" Cl < : tii :l CT < < C < < Cl õ C < rl < O ';, U ';, C.", O e! ü O u iií < < UJ õ O O C ><l 'rl. ' < <> t.!!!.!!! O tii tii a. > > <t: <t: É ü:i O 2,0,0 8,0 0,7 7 étd de ustei 0, 2,0 0,7 2 anutençã e uprte adequad 2,,0 0,7 2 'ersnalizaçã 4,2,0 0,7 4,tualizaçã em mp real 2, :nfiabilidade das lfrmações 7,4 Is de nvas nlgias 0, iegurança de dads. aess, étd de análise lvançad,4,0 2,0 2,0 0,7 2 2,0,0 O,0,0 6 2, speifiações Imprtânia: IOj Análise mpetitiva Difiuldade de atuaçâ nprtânia rrigida: IOj*, , , 0,,,,0 0,7 0.,0 0,7,0,0 0,7,0 0,7,0,,,0, 0, 0,7 0, 0,7,, 0,7, 2,0 2,0,0, 0,7,7 0,8 0,7 2,6, 0,6, Snda, F A.. Rilxir, J. L O.. hw:s. A ApliC:lç:í d QFD n DsC'llvlvi lll CIlIO de J/u.tllY". Um slud de Cas

10 PRODUÇÀO======================================================================= Na pririzaçã das araterístias de qualidade - Matriz das Partes também fram avaliads a psiçã da empresa frente as prinipais nrrentes e a difiuldade de atuaçã (difiuldade de alterar as espeifiações de determinada de um sftware, ntém tds s móduls que nstitu A Matriz das Partes u Matriz d prdut, n as araterístia de qualidade). Os resultads apntaram em. ssa matriz fi elabrada a partir d grau de relainament entre as partes e as araterístias de qualidade, m araterístias de qualidade mais imprtantes nível de ntrle de err e temp de aprendizad. nfrme apresentad na Tabela. Cnfiabilidade das infrmações 2 Métd de ustei 2 Interfae de fáil aess 8 Perfrmane d sistema 7 Mét,d de análise avançad 7 Segurança de dads e aess 6 Persnalizaçã 4 Atualizaçã em temp real Manutençã e suprte adequad 2 Us de nvas tenlgias O - Figura 2: Pririzaçã ds itens de demanda da qualidade. Pnt F rte ds Cnrrentes Cnrrentes Internainais Cnrrentes Nainais Pnt F arte de Seus Prduts -! Pre - I -I I -I I Qual,,,, Aspets Prdut I Merad % mpresas O Figura - Aspets de Prdut / Merad das mpresas PRODUÇÃO. vl. 0. no I. p

11 ========================================================================PRODUÇÀO Tabela : Matriz das partes para estud de as d sftware de ust, Matriz das Partes fj) r r.r: U r 2 fj) fj) g 'tn M. r... Q) 'õ r,t:! 2 r <> r :::l a. rn Q) :::l,q g' fj) Q) Q) Ol u 8.. (j) rn Qi :S, 0,6,. Q). 'S; Q) fj) fj) Q) > 'S; Q) : : r Q) r a. fj) > a. fj) Q) Q) fj) r fj) r Q) Q) r r 'u Q) Q) 'u r r r : :g a. : a. 'u a. r Q) L.L. f- IPi Fi Ti IPi' Mdul de Cáluls Mdul de Cnsulta Gereniais Mdul de ntrada de Dads Mdul Help Mdul de Criaçã de Cenáris Mdul de Cadastrs Mdul de Verifiaçã de rrs Mdul de Segurança Mdul de Interfae m utrs sistemas Mdul de persnaliz de Cnsultas,0 2,0 0,7,6,, 0,7 4,0 7, 0,,0,0 2,6 0,,0,8, 2,0 0,, 6,2 0,,0 4,4 4,8 2,0 0, 4,8 2,0,0,0 2,0 6,6,,,,7 2,0 0,7 4,4 Mdul de Interfae m utrs sistemas, Mdul de Criaçã de Cenáris, Mdul de ntrada de Dads,0 Mdul de Verifiaçã de rrs 4,8 Mdul de Cadastrs 4,4 Mdul de Persnalizaçã de Cnsultas 4,4 Mdul de Cnsulta Gereniais 4,0 Mdul de Cáluls,6 Mdul de Segurança 2,0 Mdul Help,8 Figura 4: Pririzaçã das Partes d prdut, -- Snda. F. A.. Rilxir. J. L. D., heves[e A Apliaçã d QFD n Oesenvlvim:m de' Sq./waT Um stud de Cas

12 PRODUÇÀO======================================================================= Na pririzaçã das partes também fram nsidera- meses e depis pr dia terems uma nsulta de níveis. ds s aspets relativs à failidade e temp neessári -Quantidade de dimensões suprtada (Quantidade a desenvlviment de ada módul. A pririzaçã das de dimensões) as nsultas sã mntadas em frma de partes aparee ilustrada na Figura 4. Cm pde ser vist ub u seja pdems ver as vendas pr períd, u pr na Figura 4, as partes priritárias sã módul de regiã, u ainda pr vendedr, u prdut neste as interfae m utrs sistemas e módul de riaçã de tems 4 dimensões. enáris. - Quantidade de Métds de Custei Suprtads (Quantidade) é a quantidade de métds suprtads 6 - Matriz das Caraterístias das Partes apazes de transfrmar as mesmas entradas em saídas através de métds algritms difereniads para prpiiar a mparaçã ds resultads. Nesta matriz sã estabeleidas a intensidade ds relainaments entre as partes e as araterístias de - Temp de arga ds dads (segunds) é temp de qualidade. A seguir sã apresentads s indiadres respsta da imprtaçã ds dads de utrs sistemas. utilizads para a lassifiaçã das araterístias de -Quantidade de sistemas suprtads nativamente qualidade das partes d prdut. (Númer de sistemas), é númer de sistemas de tereirs que sã suprtads pel sistema de frma n-line. - Nível de ntrle de errs (de I a ) - será nsiderad nível O (zer) sistema sem ntrle de err, I mands) é a quantidade de reurss dispníveis para -Númer de mands suprtads (Quantidade de m ntrle de errs básis a nível de apliaçã, 2 m usuári desenvlver seu trabalh. ntrle de errs básis a nível da apliaçã e servidr, -Quantidade de xempls e exeríis (Quantidade) métds mplexs de análise de dads para detetar - é númer de tutriais m exempls e exeríis errs. dispníveis a usuári. -Nível de segurança (de I a ) - O sem nenhum tip - Quantidade de métds suprtads na simulaçã de segurança, I - segurança a nível de senhas, 2 - (Quantidade) - é a quantidade de algritms de simulaçã segurança anterir e enriptgrafia ds arquivs, - suprtads pel sistema segurança anterir e enriptgrafia da muniaçã - Temp de respsta (segunds) é interval de A Matriz das araterístias das partes aparee na temp entre iníi de um métd até términ d Tabela 4 e a pririzaçã das araterístias das partes está mesm. Na prgramaçã ds métds será lad apresentada na Figura. A análise da Figura revela linhas de ódig que gravarã temp de respsta de que s indiadres mais imprtantes sã temp de ada métd de frma individual e aumulada. respsta, temp de aprendizad e temp de preenhiment. -Númer de nsultas realizadas (Quantidade) sistema manterá uma estatístia de númer de nsu Itas realizadas pels usuáris m seu nme, data, hra e tip de nsulta. Quant mair fr a quantidade de nsultas feitas, mais útil é a nsulta. - Nível de detalhament (Quantidade de níveis) é a quantidade de detalhament que as nsultas suprtam, pr exempl se tems uma nsulta que ns infrma ttal faturad n an e se nós quiserms mesm pr rrodução. Vl. 0. no I. p

13 ========================================================================PRODUÇÃO Tabela 4: Matriz das araterístias das partes para estud de as d sftware de ust. Itriz das rateristias das rtes rj) Q) : r a. rj) r r 'u <CO : a. Idul de Cáluls,6 Idul de Cnsulta reniais 4,0 Idul de ntrada de ds,0 Idul Help,8 Idul de Criaçã de náris, Idul de Cadastrs 4.4 Idul de Verifiaçã rrs 4,8 Idul de Segurança 2,0 Idul de Interfae n utrs sistemas, Idul de Persnaliz. Cnsultas 4.4 mprtãnia das CPs -- a (f) Z -'=- z 'a I- rj) rj) u la.> M r Q) rj)..- Q) r UJ r rj) Q) e... Q) ::J Q) Ol Q) r Q) U rj) e Q) -;;; ' :::J. Zm Z l- a Z TI a a ' iji a 'iji Snda. F. A., Ribeir. J. L O.. hev(:slt A Aplilç;l d QFD n Desenvlvim:m de Sf'f;wilrr. Um stud de C:ISO

14 PRODUÇÀO======================================================================= Temp de respsta 2 Temp de aprendizad 42 Temp de preenhiment 2 Temp de arga ds dads 8 Nível de detalhament Quantidade de exempls e exeríis 04 Qtd. de sistemas suprtads nativamente 8 Núm. de errs nã detetads autmat. 86 Qtd. de simulações suprtadas simultan. 86 Númers de mands suprtads 78 Qtd. de métds de ustei suprtads 7 Qtd. de métds suprtads na simulaçã 6 Nível de segurança 8 Quantidade de dimensões suprtada 8 Númer de nsultas realizadas 4 Figura : Pririzaçã das Caraterístias das partes.,,,,, L ---' 7 - Matriz ds Presss Cm prdut em estud - sftware - efetivamente envlve nsiderações relativas a prdut e serviç, a matriz de presss (ver Tabela ), neste estud de as, inrpra tant s presss de fabriaçã (desenvlviment de sftware) m s presss de prestaçã de serviçs da empresa. A Figura 6 evidenia que as duas etapas iniias d desenvlviment d sftware (análise de atributs d sistema e prjet d prdut) devem ser pririzadas. ste fat inide m a prátia defendida pela mairia ds autres de engenharia de sftware, que pregam que um esfrç mair deve ser feit nas fases iniias de desenvlviment, evitand retrabalhs futurs. O treinament também é um ds itens destaads. Iss realça a imprtânia resente que vem send atribuída a apaítaçã de funináris, fat este que nem sempre é pririzads pels desenvlvedres de sftware. 8 - Matriz ds Parâmetrs ds Presss Na área de desenvlviment de sftwares um ds prblemas assiads é a falta de ntrle durante press. Neste sentid, estabeleer s parâmetrs para ntr le ds press é fundamenta l para suess das atividades de desenvlviment e assessria. Visand preenhiment da matriz ds parâmetrs ds presss, fram identifiads s segui nt es indiadres (parâmetrs d press): - Pnts perdids nas revisões (pnts) - em tdas as fases d il de vida d sftware, após termin de uma tarefa, a mesma é submetida a uma equipe ténia que apnta errs e u melhrias a serem feitas. Cnfrme grau de impat d err n rest d sistema a tarefa perde mais p nts u mens. Pr exempl, se um err de análise é detetad na fase de prgramaçã ust para se nsertar mesm é mair d que se fsse desbert na fase de aná li se prpriamente dita. - Métd d pnt de funçã (pnts) - é um métd de engenharia de sjill'are para alular quã mplex é um módul basead nas infrmações de entrada e saída que mesm deve gerar. Quant mair fr a pntuaçã mais mplex é módul e mais temp será neessári para prgramá-l. O bjetiv é ter móduls simples bjetivand a fá il manutenibilidade e entendiment d sistema. PRO DUÇÃO. Vl. 0. no I. p

15 =======================================================================PRODUÇÃO -Cmplexidade ilmátia (grau) - é um métd de -Questinári de avaliaçã d instrutr (nta) - será engenharia de sftware para alular quã mplex é um módul basead n númer de laçs que tem um prgrama. ste métd é mais utilizad em móduls m prgramaçã mais mplexa. riad um questinári m várias questões pntuadas de I a 0, permitind que a média das ntas ds aluns será mputada. - Questinári de avaliaçã d assessr (nta) - será -Temp manutençã x desenvlviment (%) - é riad um questinári m várias questões pntuadas de perentual de temp em que estã envlvidas as pessas I a 0, permitind que a média das ntas da diretria será rrigind errs e fazend manutenções n sf tware em mputada. relaçã a temp ttal que será mputad m temp de -% de nsultas m êxit a help (%) - é a quantidade manutençã + temp de desenvlviment de nvs de nsultas que ajudaram na sluçã d prblema móduls. d usuári feitas a help sbre ttal de nsultas, -Temp médi de implantaçã d sftware (dias) - sistema após ada nsulta sliitará a usuári se será nsiderad temp entre iníi da implantaçã d mesm teve sua dúvida reslvida. sistema até termin da implantaçã d mesm, u seja A Tabela 6 apresenta a matriz ds parâmetrs d quand liente meça a utilizar sistema regularmente. press e a Figura 7 revela que s parâmetrs mais Tabela : Matriz ds presss para estud de as d sftware de ust. Matriz ds Presss -. Ui' (j) <li "0"0 (/),, Q)... \.li _ \J - s.g (/). ICO M (/)(/) u.g li). r Ui' r u.g "* r... tl 'Ui : 0"0 m Q) m (/) ::::J U) t; u li) U gci) Q) e 0"0 0"0 ::::Ja. 6 li} (j) 0"0 li) li) (j).!!! -g (j) (j) li) =g 82 i? i? (j).. g nco Q) Q) e a..q.q (j) r : li) "0"0 C r Q) (i) Q) :g ái Q) Q) r:=. 6 6 u "0"00 (j) OO'-_' ;:::;(/) a. a.::::j a. ::::J (j) li) (j) 'ãi : : r "' OlOlII):- r r (j) (j) (j) (j) (j) '::::J ' ::::J (j) li) ::::J ::::J. -. I-.e I-.e z Qj z III G a a.. z Imprtênia das CQs 2 O 2 O O O 7 7 O 8 O 7 26,,,,,,,,, Análise ds atributs Prjet d prdut Desenvlviment Dumentaçã Assessria p/ implant Treinament Suprte / Manutençã li) r r. u r 2 li) li) g 'Ui M r ái... (j) r :. m - r ::::J. : ::::J li) (j) (j) Ol "C 8.. Ci) rn ãi.l!!. (j) (j) z I-.. Cl, 06,, B : (j) B : 'S (j) li) ( li) (j) (j) :: > 'S : :: r (j) ( r a. li) > a. li) (j) : (j) li) r li) r (j) Ql r r 'õ Ql Ql 'õ : : «r O «:: ;g a. :: O O a. 'õ a. r Ql Li. I- Ipi Fi Ti Ipi 0,8 0,,0 0,6 0,6,, 0,8 0,7,0 0, 0, 0, 2,0, 0, 0,, 2,0 0,4 0,, 2,0 0,8 0,, 2 0,4 Snda, F. A., Ribei r. J. L. D., hevest: - A Apliaçã d QFD n Oesnvlvirnnr de Srr:. Um SlUd de Cas

16 PRODUÇÀO======================================================================= Prjet d prdut 0,8 Treinament 0,8 Análise ds atributs d sistema 0,6 Desenvlviment 0, Dumentaçã 0, Assessria pl implantaçã 0,4 Suprte I Manutençã 0,4 Figura 6: Pririzaçã ds presss imprtantes sã s pnts perdids na revisã, questinári d assessr e temp médi de implantaçã d sftware. - Matriz ds reurss humans e reurss de infraestrutura A tabela 7 apresenta s itens referentes a reurss humans e itens referentes a infra-estrutura, relainand s mesms as presss e serviçs neessáris para desenvlviment e manutençã d prdut. Assim, é pssível relainar de frma indireta as araterístias de qualidade as reurss humans e a infra-estruturas neessárias a sua realizaçã. Cm pde ser vist na Figura 8, s itens de RH mais imprtantes sã s analistas e assessr de usts. A mesm temp, a Figura india que s itens de infraestrutura priritáris sã s mputadres, impressras e ferramentas de análise (sftwares espeializads). 0- Matriz ds usts A matriz ds Custs (ver tabela 8) avalia ust ds presss de desenvlviment e manutençã d sftware. la permite verifiar se a alaçã de usts é prprinal a imprtânia ds diverss presss. Cm pde ser vist na Figura 0, press que mbiliza mais reurss é desenvlviment d prdut. Iss evidenia ainda mais a imprtânia das fases anterires - Análise ds atributs d sistema e Prjet d prdut. rrs nessas fases impliam em grande retrabalh na etapa de desenvlviment, que é a etapa mais ara. - Plan da melhria da qualidade plan de melhria da qualidade é a última etapa d QFD e permite fazer a transiçã neessária para desenvlviment de um prdut m qualidade superir. ste planejament é feit a partir ds resultads de tdas as matrizes anterires. Os itens pririzads em ada etapa sã ntemplads n plan de melhrias. Cm as matrizes sã interrelainadas, plan final é nstituíd de uma série de ações integradas, definidas a partir de um mesm alinhament: a satisfaçã das neessidades d liente. Um resum d planejament da qualidade aparee na tabela. PRODUÇÃO. Vl. 0. n' I. p. 7 66

17 ======================================================================== PRODUÇÃO Tabela 6: Matri z ds parâmetrs d press para estud de as d sftware de ust.... êil 'S B... S' êií (/) e.!: Q) Matriz ds Parâmetrs d (/) 00. "J. (/) (\J press (/).:; C>!!! (/) C :J... r x (/).. Q) e r a.,g. 'õ (/) (/) B 'õ g. Q) (/) Q) r Q) -Q) OU a. r r u 'ti Q) r - -QJQ) a. 'x Q) (/) Q) B.. >... a. a.r a. B -QJ : Q) Q) Q) a. O F'ÕFii>O.sOCó Análise 2,2 7 Prjet 0,4 7 Desenvlviment, 7 Dumentaçã 0, Assessria p/ implantaçã 2,6 Treinament 0,2 Suprte / Manutençã 0,0 Imprtânia ds parâmetrs (/)!!! "S (/) Ü z Pnts perdids nas revisões 7 Questinári de avaliaçã d assessr 2 Temp médi de implantaçã d sftware Métd d pnt de funçã Cmplexidade ilmátia Questinári de avaliaçã d instrutr 2 Nr. Cnsultas /exit a help Temp manutençã x desenvlviment Figura 7: Pririzaçã ds parâmetrs d press Snda, F. A.. Ribeir. J. L. D.. hevt:sle - A Apliaçã d QFD n Desenvlviment de sq/warr: Um.SlUd de Cas

18 PRODUÇÀO======================================================================= Matriz ds Reurss Humans Análise de atributs Tabela 7: Matriz ds reurss para estud de as d sftware de ust, QJ (J e r ' - 0,6 Prjet d prdut 0,8 Desenvlviment 0, Dumentaçã 0, Assessria pl implantaçã 0,4 Treinament 0,8 -aí 0e... QJ... r QJ " ü «... r OI e.... ::J Ü QJ... QJ «Suprte I Manutençã 0,4 Imprtânia ds reurss ê ::J (j) QJ r rn « êií QJ QJ C 2 <í r QJ (J r rn ' r Q; r QJ êií U) u. u... rn QJ ti -. r :J - r <> r QJ 0- r à. r (j) Analista 6 Assessr de Custs 0 Instrutr Prgramadr Analista de Suprte 8 Atendente Crdenadr d prjet 4 Figura 8: Pririzaçã ds Reurss Humans Cmputadr I Impressras 2 Ferramentas de análise Ferramentas de prgramaçã 2 Sistema perainal Ban de dads Sftware pl apresentaçã Sftware pl suprte 4 Figura : Pririzaçã da Infra strutura PRODUÇÃO. Vl. 0. no I. p, -7 68

19 ========================================================================PRODUÇÃO Tabela 8: Matriz ds Custs para estud de as. Matriz ds Custs «a.. «««CD ü Li.. Análise de atributs,,8 0,8,0 0, 0,0 0,0 0,2 0, 0,4 Li.. Cf) O 0,2 0,0 0,2 Prjet d prdut,,8 2, 0,0 0,0 0,0 0,0 0,2 0, 0,4 0, 0,0 0, 0,0 8,7 Desenvlviment,, 6,8 0,0 0,8 0,0 0,0 0,7 0, 0, 0, 0,0 0, 0,0 2,0 Dumentaçã,, 2,,0 0,0 0,0 0,0 0, 0, 0,2 0,2 0,0 0,2 0,0 6,4 Assessria pl implantaçã, 0,0 0,0,0 0,0 0, 0,0 0, 0, 0,2 0,0 0,0 0, 0,0,7 Treinament, 0,0 0,0,0 0,8 2,8 0, 0, 0, 0,0 0,0 0,0 0, 0, 6, Suprte I Manutençã, 0,0 0,0 0,0 2, 0, 0,7 0, 0, 0,0 0,0 0, 0,2 0,0 4,8 Cf) 0,0 In In In Ql U e. In êií ::J 8,2 Desenvlviment 2,0 Prjet d prdut 8,7 Análise ds atributs 8,2 Dumentaçã 6,4 Treinament 6, Assessria pl implantaçã,7 Suprte I Manutençã 4,8 Figura 0: Pririzaçã ds Custs Snda. F. A.. Ribeir, J. l. D., hevs(e A Apliaçã d QFD n Desenvlviment de Sarr. Um SlUd de Cas

20 PRODUÇÃO=========================================================================== Tabela : Planejament da qualidades para estud de as d sftware de ust. :ã ( que) Cm Resultads Quem Quand sperads Desenvlver I. Pesquisar nvs métds e Rue sistema tenha Analista e Até ramas e prediments para evitar errs na. nfrmações rretas e Prgramadr Dezembr lediments entrada de dads esta frma nã mstre de ra melhrar a 2. Implementar biblitea de prgramas rma imagem errada da nfiabilidade ds para validar a entrada de dads realidade a usuári :ls que servem. Testar metdlgia prpsta em entrada d sistema já existente tema de usts Desenvlver - Fazer benhmark m prduts Capaitar sistema a Analista e Até :nlgias e uma nrrentes alular e apresentar Prgramadr Març de llitea de 2- Pesquisar funinament das ténias s usts d liente 2000 jets que de ustei ABC e UP uti I izand-se s lrtem ustei - Desenvlver a análise e prjet ds métds ABC e UP rup e ABC bjets 4- Implementar s bjets prpsts Desenvlver - slher tenlgias de Sistema apaitad a Analista Até I sistema m desenvlviment de sftwares que respnder as Nvemb. I nível de pririzem desempenh neessidades de de :psta rápid 2- Criar métds e padrões de testes de infrmações d liente perfrmane para tds s móduls de frma rápida. - xpliitar a tds s mpnentes da equipe da neessidade de pririzar a perfrmane em detriment de utrs benefiis m pr exempl us de memória u diss. Desenvlver - Busar n merad bibliteas de Aumentar ganh de Analista Até la interfae de mpnentes que auxiliem na prdutividade d Nvemb. :il aess nstruçã de interfaes. usuári, permitind de 2- Desenvlver uma ténia de avaliaçã que se tenha uma da qualidade da interfae m a melhr interpretaçã partiipaçã efetiva d usuári. das infrmações que - Pesquisar us de nvas tenlgias lhe sã frneidas e que failitem a interfae hmem- um aprendizad rápid máquina d sistema Desenvlver - Busar estabeleer parerias m as Para usuári tenha Gerente de Até Julh erfaes m empresas líderes de merad (em uma fnte únia de Prjet / de 2000 Irs sistemas sistemas rprativs) para pder dads (seu sistema Analista e eres de merad integrar-se perfeitamente as seus rprativ) e nã Prgramadr sistemas. tenha que redigitar 2- Criar interfae de muniaçã junt dads já existentes em m pareirs seleinads. mei eletrôni. - Criar interfae de muniaçã genéria para pder se integrar a qualquer sistema Desenvlver - Pesquisar ténias de simulaçã que Capaitar sistema a Analista e Até Junh :nlgias e uma mais se adeguem as simulações de riar enáris futurs Prgramadr de 2000 llitea de usts jets para 2- Desenvlver a análise e prjet ds nulaçã bjets para simulaçã - Imlementar s bjets prpsts PRODUÇÁO. Vl. 0. no I. p

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE Institut Instituiçã fcada na geraçã de sluções para a implementaçã e gestã pedagógica de Núcles de Treinament e Capacitaçã de prfissinais e acadêmics

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação Pesquisa Oficial de Demanda Imbiliária SINDUSCON Grande Flrianóplis. NÃO ASSOCIADOS Apresentaçã O presente trabalh tem cm principais bjetivs identificar perfil d frequentadr d Salã d Imóvel, suas demandas

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Processo de envio de e-mail de marketing

Processo de envio de e-mail de marketing Prcess de envi de e-mail de marketing Intrduçã Visand um melhr gerenciament ns prcesss de marketing das empresas, fi desenvlvid uma nva funcinalidade para sistema TCar, que tem pr finalidade realizar envis

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

Exercícios de Java Aula 17

Exercícios de Java Aula 17 Exercícis de Java Aula 17 Link d curs: http://www.liane.cm/2013/10/curs-java-basic-java-se-gratuit/ 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.605 de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.605 de 05 de nvembr de 2013. Altera a Plítica de Segurança da Infrmaçã n âmbit d Tribunal Reginal d Trabalh da 4ª Regiã. A PRESIDENTE DO, n us de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais Diferenciais d QlikView Versus Tecnlgias Tradicinais Índice Tecnlgia MOLAP... 3 Demanda criaçã de Datawarehuse... 3 Númer limitad de dimensões... 3 Inflexível... 3 Cnsultas smente nline... 3 Tecnlgia ROLAP...

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

1. Objetivo: Lançar novo produto para bloqueio do veículo via celular GSM e rastreador GSM com localização por GPS.

1. Objetivo: Lançar novo produto para bloqueio do veículo via celular GSM e rastreador GSM com localização por GPS. Históric de Revisões Revisã Data Descriçã da Revisã Mtiv da Revisã 11 20/08/09 Ajustes de hardware dispar Sirene PST 12 14/11/09 AJUSTES SOFTWARE 13 25/11/09 Ajustes de hardware, falha n mdul GSM na trca

Leia mais

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto.

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto. TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentaçã / Apresentaçã d Prjet. 9.1 Técnicas de apresentaçã Cm apresentar cm sucess? A qualidade d prdut u d u d serviç quase sempre é cnfundida cm a qualidade da apresentaçã.

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Manual. Autorizador da UNIMED

Manual. Autorizador da UNIMED Manual Prtal Autrizadr da UNIMED Pass a Pass para um jeit simples de trabalhar cm Nv Prtal Unimed 1. Períd de Atualizaçã Prezads Cperads e Rede Credenciada, A Unimed Sul Capixaba irá atualizar seu sistema

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares Prjet e Implementaçã de um Sftware para auxili n Ensin de Linguagens Regulares Jsé Rbsn de Assis 1, Marln Oliveira da Silva 1. Faculdade de Ciências Exatas e Cmunicaçã (FACEC) Universidade Presidente Antôni

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

PAULO ALVIM TIRANDO O MÁXIMO DO JAVA EE 6 OPEN SOURCE. 3ª edição. com jcompany Developer Suite

PAULO ALVIM TIRANDO O MÁXIMO DO JAVA EE 6 OPEN SOURCE. 3ª edição. com jcompany Developer Suite PAULO ALVIM TIRANDO O MÁXIMO DO JAVA EE 6 OPEN SOURCE cm jcmpany Develper Suite 3ª ediçã Bel Hriznte Paul César Alvim Ottni 2010 Tirand Máxim d Java EE 6 Open Surce cm jcmpany Develper Suite 2010 Pwerlgic

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística A Imprtância de Sistemas de Infrmaçã para a Cmpetitividade Lgística Paul Nazári 1. Intrduçã O avanç da tecnlgia de infrmaçã (TI) ns últims ans vem permitind às empresas executarem perações que antes eram

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

1 Índice. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

1 Índice. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis ERP 1 Índice 1 Índice... 2 2 Vensis ERP... 3 2.1 Móduls Principais... 4 2.2 Móduls Cmplementares... 4 2.3 Infrmações Gerenciais... 5 3 Apresentaçã Detalhada Móduls Principais... 6 3.1 Características

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

WWW.CLICK-MENTAL.COM

WWW.CLICK-MENTAL.COM Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes WWW.CLICK-MENTAL.COM Criad pr: Click Mental - Sistemas de Infrmaçã, Lda. Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes O que é? O Fidelity é um sftware

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

Visão por Computador. http://gec.di.uminho.pt/lesi/vpc, http://gec.di.uminho.pt/mcc/vpc. LESI / LMCC 5º Ano. Introdução

Visão por Computador. http://gec.di.uminho.pt/lesi/vpc, http://gec.di.uminho.pt/mcc/vpc. LESI / LMCC 5º Ano. Introdução Visã pr Cmputadr http://gec.di.uminh.pt/lesi/vpc, http://gec.di.uminh.pt/mcc/vpc LESI / LMCC 5º An Intrduçã Jã Luís Ferreira Sbral Departament d Infrmática Universidade d Minh Setembr 2003 Prgrama Intrduçã

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais