TITLE. Proposta do Orçamento do Estado Principais Medidas Fiscais nos Impostos sobre o Rendimento e Garantias dos Contribuintes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TITLE. Proposta do Orçamento do Estado 2012. Principais Medidas Fiscais nos Impostos sobre o Rendimento e Garantias dos Contribuintes"

Transcrição

1 Proposta do Orçamento do Estado 2012 Principais Medidas Fiscais nos Impostos sobre o Rendimento e Garantias dos Contribuintes TITLE Speaker (Arial 24pt) Samuel Fernandes de Almeida ORÇAMENTO DE ESTADO de Outubro 1

2 ÍNDICE Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado (OE) e outros dados macroeconómicos Principais medidas fiscais nos impostos sobre o rendimento Imposto sobre o rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Imposto sobre o rendimento das Pessoas Singulares (IRS) Principais medidas fiscais nas garantias dos contribuintes 2

3 ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 ESTRUTURA DAS RECEITAS FISCAIS NO ORÇAMENTO DO ESTADO (OE) 3

4 IMPACTO DAS MEDIDAS FISCAIS NA RECEITA DO ESTADO (*) (*) Fonte: Relatório do Orçamento do Estado 2012 Previsão receitas fiscais milhões Aumento de 2,9% face a 2011 Imposto directos decréscimo de 4,5% Imposto indirectos acréscimo de 8,6% 4 I. ESTRUTURA DAS RECEITAS FISCAIS NO ORÇAMENTO DO ESTADO (OE)

5 IMPACTO DAS MEDIDAS FISCAIS NA RECEITA DO ESTADO (*) PREVISÕES DE RECEITA FISCAL EM 2012 POR IMPOSTO: IRS IRC IVA (*) Fonte: Relatório do Orçamento do Estado Sobretaxa extraordinária - Alterações legislativas -Combate àfraude -Abrandamento económico - Redução de salários e pensões -Eliminação das taxas reduzidas -Redução dos benefícios fiscais - Aumento da derrama -Combate àfraude - Aumento do IVA na electricidade e gás natural -Reajustamentos nas tabelas -Evolução da act. económica e impacto das medidas orçamentais Receita milhões de euros Decréscimo de 4,1% face a 2011 Receita milhões de euros Decréscimo de 5,3% face a 2011 Receita milhões de euros Acréscimo de 12,6% face a I. ESTRUTURA DAS RECEITAS FISCAIS NO ORÇAMENTO DO ESTADO (OE)

6 EVOLUÇÃO DA RECEITA FISCAL (MILHÕES EUROS) (*) Impostos (*) Fonte: Relatório do Orçamento do Estado (estimativa execução orçamental) 2012 (orçamento) Variação 2012/2011 IRS 9.757, ,4-4,1% IRC 5.020, ,3-5,3% Outros (impostos directos) 52,9 50,1-5,4% ISP 2.321, ,1-1,9% IVA , ,6 12,6% ISV 692,2 743,8 7,5% IT 1.345, ,1 3,0% IABA 175,0 190,9 9,1% I Selo 1.478, ,0-5,3% IUC/IC 165,3 178,0 7,7% Outros (impostos indirectos) 46,1 58,9 27,7% Total Geral , ,1 2,9% 6 I. ESTRUTURA DAS RECEITAS FISCAIS NO ORÇAMENTO DO ESTADO (OE)

7 ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 OUTROS DADOS MACROECONÓMICOS 7

8 MEMORANDO DE ASSISTÊNCIA FINANCEIRA Medidas Fiscais para 2012 Congelamento e eliminação de benefícios fiscais Redução de deduções em sede de IRC milhões de Euros Redução de deduções em sede de IRS -150 milhões de Euros Tributação do património 250 milhões de Euros Reformulação de taxas IVA 410 milhões de Euros Reforço tributação IEC 175 milhões de Euros 8 I. OUTROS DADOS MACROECONÓMICOS

9 ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 9

10 PRINCIPAIS MEDIDAS IRC Período de Tributação Proposta OE/2012 O prazo mínimo de 5 anos deixa de ser aplicável nos casos em que o sujeito passivo passe a integrar um grupo de sociedades obrigado a elaborar demonstrações financeiras consolidadas sempre que a casa-mãe adopte um período de tributação diferente do que era adoptado pelo sujeito passivo Elementos depreciáveis ou amortizáveis Proposta OE/2012 São expressamente aceites para efeitos fiscais as depreciações e amortizações de activos biológicos não consumíveis (i.e. que não se destinam a ser vendidos como produtos agrícolas ou activos biológicos - ex: gado destinado a produzir leite) II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 10

11 PRINCIPAIS MEDIDAS IRC Dedução de Prejuízos Fiscais Proposta OE/2012 Prazo de reporte de prejuízos fiscais gerados em ou após 1 de Janeiro de 2012 é alargado de 4 para 5 períodos de tributação. A dedução dos prejuízos fiscais passa a estar limitada a 75% do lucro tributável regime extensível ao RETGS (parte não deduzida pode ser reportada nos 5 exercícios subsequentes) É revogada com efeitos retroactivos a 1 de Janeiro 2011 a obrigatoriedade de certificação legal das contas por revisor oficial aquando da dedução de prejuízos pelo terceiro ano consecutivo II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 11

12 PRINCIPAIS MEDIDAS IRC Pagamentos a entidades não residentes sujeitas a um regime fiscal privilegiado Proposta OE/2012 Passam a não também dedutíveis para efeitos fiscais as importâncias pagas ou devidas, indirectamente, a qualquer título, a entidades não residentes sujeitas a um regime fiscal mais favorável, quando o sujeito passivo tenha ou devesse ter conhecimento do destino dessas importâncias mantém-se cláusula de salvaguarda Presunção de conhecimento em caso de relações especiais entre o sujeito passivo e a entidade offshore, mandatário, fiduciário ou interposta pessoa II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 12

13 PRINCIPAIS MEDIDAS IRC Imputação de rendimentos de entidades não residentes sujeitas a um regime fiscal privilegiado (CFC) Proposta OE/2012 Normas CFC passam a ser aplicáveis sempre que os lucros ou rendimentos derivem de uma participação detida através de mandatário, fiduciário ou interposta pessoa Regime CFC deixa de ser aplicável a entidades residentes na UE e EEE, desde que o funcionamento das entidades controladas obedeça a razões economicamente válidas (Acórdão Cadbury Schweppes) e seja desenvolvida uma actividade comercial, industrial ou agrícola II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 13

14 PRINCIPAIS MEDIDAS IRC Imputação de rendimentos de entidades não residentes sujeitas a um regime fiscal privilegiado (CFC) Proposta OE/2012 Possibilidade de deduzir imposto pago no estado da residência Possibilidade de deduzir na base tributável valores que já tenham sido imputados de referentes a períodos de tributação anteriores (até à concorrência da base tributável) Crédito de imposto por dupla tributação internacional não utilizado por insuficiência de colecta deixa de ser reportável para períodos de tributação seguintes Maiores obrigações declarativas integração de informação no dossier fiscal (cadeias de participações, imposto pago no estrangeiro, contas aprovadas) II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 14

15 PRINCIPAIS MEDIDAS IRC Regime Especial dos Grupos de Sociedades (RETGS) Proposta OE/2012 Passa a atribuir-se competência à sociedade dominante para fazer prova do preenchimento das condições de aplicação do RETGS Regra da dedução dos prejuízos fiscais até à concorrência de 75% do lucro tributável é também aplicável ao RETGS aplicável aos prejuízos apurados antes da aplicação do regime e os gerados pelo grupo Apuramento da derrama municipal tem por base o lucro tributável individual das sociedades sujeitas ao RETGS reacção ao Acórdão do STA n.º 909/2010 II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 15

16 PRINCIPAIS MEDIDAS IRC Taxas Proposta OE/2012 Eliminação da taxa de 12,5% aplicável à matéria colectável até EUR Tributação agravada de 30% - até à data 21,5% - aplicável aos rendimentos de capitais pagos ou colocados à disposição de entidades não residentes sem estabelecimento estável em território português sujeitas a um regime fiscal claramente mais favorável II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 16

17 PRINCIPAIS MEDIDAS IRC Derrama estadual Proposta OE/2012 Redução para EUR do limite de lucro tributável a partir do qual há lugar ao pagamento de derrama Criação de dois escalões de tributação consoante o lucro tributável: De mais de até % Superior a % II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 17

18 PRINCIPAIS MEDIDAS IRC Derrama estadual Proposta OE/2012 Quando lucro superior a EUR dividido em 2 partes, até EUR sujeito à taxa de 3%, outra igual ao lucro que exceda EUR , ao qual se aplica a taxa de 5% Aplicação das taxas sobre o lucro tributável de cada uma das sociedades do RETGS Até agora: taxa de derrama de 2,5% às entidades com um lucro tributável superior a EUR II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 18

19 PRINCIPAIS MEDIDAS IRC Pagamentos especiais por conta Proposta OE/2012: Lucro tributável Taxas até ,5% Superior a ,5% Regime em vigor: Aplicação de uma taxa de 2% sobre o lucro tributável que exceda EUR II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 19

20 PRINCIPAIS MEDIDAS IRC Representação de entidades não residentes Passa a ser facultativa a designação de representante fiscal para entidades não residentes sempre que as mesmas sejam residentes na UE ou no EEE Despesas com equipamentos e softwares de facturação São aceites fiscalmente, sem necessidade de obtenção de aceitação por parte da DGCI, as perdas por imparidade devidas a abates em 2012 de programas de equipamento informático de facturação por exigência de certificação de software. A aquisição destes equipamentos em 2012 poderá ser considerada na totalidade como custo Contribuição sobre o sector bancário Prorrogada para 2012 II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 20

21 INCENTIVOS FISCAIS Passam a vigorar por tempo indeterminado os benefícios fiscais relativos às SGPS e à reorganização e reestruturação de empresas Reposta a isenção de mais-valias realizadas por entidades domiciliadas em Estado com a qual não esteja em vigor uma convenção destinada a evitar a dupla tributação internacional ou um acordo sobre troca de informações em matéria fiscal, desde que não domiciliadas em região sujeita a regime fiscal claramente mais favorável Isenção de IRC aplicável aos Fundos de Pensões estabelecidos noutro Estado-Membro da UE ou num Estado-Membro do EEE, mediante o cumprimento de determinados requisitos (Acórdão do TJUE n.º C-493/09) II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 21

22 INCENTIVOS FISCAIS Fundos de Investimento Imobiliário passam a poder deduzir o IMI aos rendimentos prediais obtidos É aumentada de 10% para 21,5% a taxa de tributação aplicável às mais-valias realizadas por Fundos de Investimento Mobiliário Prorrogada isenção de IRC sobre os ganhos obtidos por instituições financeiras não residentes na realização de operações de reporte de valores mobiliários efectuadas com instituições de crédito residentes desde que estas não sejam estabelecimentos estáveis daquelas instituições Revogados benefícios fiscais relativos à interioridade Manutenção do benefício de criação líquida de emprego II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 22

23 INCENTIVOS FISCAIS Sociedade de Capital de Risco e Investidores de Capital de Risco passam a ter regime fiscal autonomizado (isenção de tributação de mais-valias) Revogação do Estatuto Fiscal Cooperativo e criação de regime fiscal das cooperativas: (i) limitação às cooperativas agrícolas, de habitação e solidariedade social; (ii) tributação de rendimentos sujeitos a IRC por retenção na fonte; (iii) manutenção de isenção de IMT, IMI e IS Deduções de clubes desportivos: reduzida de 90% para 50% da matéria colectável e limitada a importâncias investidas em infraestruturas II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 23

24 INCENTIVOS FISCAIS SIFIDE II: Manutenção do regime com novas regras para a dedução de determinadas despesas - despesas de funcionamento limitadas a 55% das despesas elegíveis com pessoal envolvido em I&D, dedutibilidade limitada a 90% do valor, etc. Prorrogação do Regime Fiscal de Apoio ao Investimento RFAI durante o ano de 2012 Donativos Mecenato revogação do Estatuto Mecenato Científico e criação de regime especial no EBF: dedução de 6/1000 do volume de negócios dos donativos concedidos a associações que prossigam fins de investigação, mediatecas, laboratórios, unidades de I&D, centros tecnológicos e órgãos de comunicação que se dediquem à divulgação científica II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 24

25 INCENTIVOS FISCAIS CINM - Revogam-se os benefícios fiscais aplicáveis aos sócios de entidades licenciadas no CINM aplicáveis aos dividendos distribuídos e aos juros de suprimentos recebidos. Dividendos distribuídos e juros pagos por entidades licenciadas no CINM aos seus sócios passam a estar sujeitos a retenção na fonte à taxa de 21,5% Excepção Para as entidades licenciadas entre 1 de Janeiro de 2007 e 31 de Dezembro de 2013 permanecem em vigor as isenções anteriormente previstas para o regime original do CINM (isenções de IS e retenção na fonte sobre juros de empréstimos, royalties e serviços pagos a entidades não residentes) II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) 25

26 ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 26

27 PRINCIPAIS MEDIDAS IRS Categoria A Rendimentos do trabalho dependente Proposta OE/2012: Valor do subsídio de refeição excluído de tributação passa para EUR 5,55 (actualmente EUR 6,41) e vales de refeição reduzidos de EUR 7,26 para EUR 6,83 Euros Reduzida parcela da indemnização por rescisão de contratos de trabalho excluída de tributação em IRS (de 1,5 para 1 vez valor médio remunerações regulares pagas últimos 12 meses) III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 27

28 PRINCIPAIS MEDIDAS IRS Categoria H Pensões Proposta OE/2012 Dedução específica das pensões reduzida de EUR para EUR (equiparação com dedução aplicável aos rendimentos do trabalho dependente) Agravamento da tributação das pensões acima de EUR face à tributação dos rendimentos de trabalho dependente III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 28

29 PRINCIPAIS MEDIDAS IRS Taxas de Imposto Mais-valias obtidas por residentes em Portugal na alienação de partes sociais e outros valores mobiliários sujeitas a uma taxa de 21,5% (taxa actual: 20%) Rendimentos prediais auferidos por não residentes em território português passam a estar sujeitos a tributação à taxa de 16,5% (taxa actual: 15%) Tributação à taxa de 30% rendimentos de capitais pagos ou colocados à disposição de titulares residentes em território português, devidos por entidades não residentes e sem estabelecimento estável em Portugal, domiciliadas em localizações com um regime fiscal claramente mais favorável III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 29

30 PRINCIPAIS MEDIDAS IRS Taxas de Imposto Tributação à taxa liberatória de 30% dos rendimentos de capitais, pagos ou colocados à disposição de entidades não residentes e sem estabelecimento estável em Portugal, domiciliadas em localizações com um regime fiscal claramente mais favorável, pagos sujeitos passivos residentes em Portugal Taxa adicional de solidariedade: Aplicação de uma taxa adicional de solidariedade de 2,5% sobre os contribuintes com rendimento colectável superior a EUR III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 30

31 PRINCIPAIS MEDIDAS IRS Deduções à colecta e benefícios fiscais Criados novos limites globais de deduções à colecta: Rendimento colectável (euros) Limite 2011 Limite 2012 Até Sem limite Sem limite De mais de até Sem limite Sem limite De mais de até Sem limite 1.250* De mais de até Sem limite 1.200* De mais de até Sem limite 1.150* De mais de até Sem limite 1.100* De mais de até ,666% do RC com limite de Superior a * limites majorados em 10% por cada dependente ou afilhado civilque não seja sujeito passivo de IRS 0 III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 31

32 PRINCIPAIS MEDIDAS IRS Redução Gradual Deduções à colecta e benefícios fiscais Despesas de saúde: Redução de 30% para 10% do valor da dedução com limite de EUR 838,44 Encargos com empréstimos à habitação: Redução de 30% para 15% do valor da dedução (mantém-se limite de EUR 591). Amortizações de capital deixarão de ser consideradas para efeitos de dedução. Juros dedutíveis para contratos celebrados até 31 de Dezembro de 2011 Encargos com rendas: Redução de 30% para 15% do valor da dedução (mantém-se limite de EUR 591) III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 32

33 PRINCIPAIS MEDIDAS IRS Deduções à colecta e benefícios fiscais Pensões de alimentos: Redução do limite da dedução de EUR 1.048,05 para EUR 419,22 Prémios de seguros: Redução de 30% para 10% da dedução dos prémios de seguro que cubram exclusivamente riscos de saúde, bem como redução dos limites da dedução PPR: Reposição do regime de penalização de resgate de PPRs fora dos prazos e condições previstas na Lei acréscimo à colecta do IRS das importâncias indevidamente deduzidas acrescidas de 10% por cada ano ou fracção III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 33

34 PRINCIPAIS MEDIDAS IRS Período de reporte de perdas Período de reporte passa de 4 para 5 anos relativamente aos rendimentos da categoria B, categoria F e categoria G (resultados apurados a partir de 2012) Representante Fiscal Deixa de ser obrigatória designação de representante fiscal para os não residentes em território português e residentes em outros Estados-Membros da UE ou EEE Liquidação É estabelecida a data de 31 de Julho como data limite para a liquidação do IRS, independentemente do prazo de entrega da declaração Autorizaçãolegislativaparadeduçãoemsedede IRS de 5% do IVA suportado na aquisição de bens/serviços, sujeito a limite máximo III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 34

35 SIMULAÇÕES LIQUIDAÇÃO IRS SOLTEIRO RENDIMENTO ANUAL BRUTO DE EUR Rendimento Bruto Anual , ,00 Dedução Específica Cat. A 4.104, ,00 Rendimento Colectável , ,00 Taxa 35,50% 35,50% Colecta 8.046, ,33 Deduções Educação 450,00 450,00 Saúde 600,00 200,00 Empréstimo Habitação 650,10 Capital Juros 337,50 Prémio por seguro de Saúde 85,00 50,00 Deduções pessoais 261,25 261,25 Imposto a Pagar 5.999, ,58 Diferença (+747,6) Retenção na fonte 22,5% 7.875, ,00 A receber / pagar (+) 1.875,02 (+) 1.127,42 Sem contabilizar cálculo da sobretaxa temporária [(RC 6790)*3,5%] III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 35

36 SIMULAÇÕES LIQUIDAÇÃO IRS CASAL RENDIMENTO ANUAL BRUTO DE EUR ( ) (DOIS FILHOS) Sem contabilizar cálculo da sobretaxa temporária [(RC 6790)*3,5%] Rendimento Bruto Anual , ,00 Dedução Específica Cat. A 8.208, ,00 Rendimento Colectável , ,00 Splitting , ,00 Taxa 43,50% 43,50% Colecta , ,65 x , ,30 Deduções Educação 600,00 Saúde 500,00 Empréstimo Habitação Capital Juros Prémio por seguro de Saúde Deduções pessoais / dependentes 902,50 902,50 Imposto a Pagar , ,80 Diferença 1.100,00 Retenção na fonte 28,5% , ,00 A receber / pagar (-) 1.291,8 (-) 2.391,8 III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) 36

37 ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2012 GARANTIAS DOS CONTRIBUINTES 37

38 PRINCIPAIS MEDIDAS IRS Principais medidas: Reforço do regime contra-ordenacional e penal montante das coimas mínimas e máximas agravado em 50%, agravamento da moldura penal para os crimes de burla (5 anos) e de fraude qualificada superior a EUR (8 anos) Caixa postal electrónica: endereço de passa a ser obrigatório para sujeitos passivos de IRC e de IVA (regime normal), sendo as notificações efectuadas por Factos tributários conexos com paraísos fiscais: Caducidade passa para 12 anos (regime normal: 4 anos) Prescrição passa para 15 anos (regime normal: 8 anos) Eliminado prazo máximo de 3 anos para contagem dos juros de mora Elevação para o dobro da taxa de juros de mora em caso de incumprimento de execução espontânea de decisão judicial IV. GARANTIAS DOS CONTRIBUINTES 38

39 PRINCIPAIS MEDIDAS IRS Principais medidas: Alargamento do prazo de resposta das informações vinculativas urgentes de 60 para 120 dias (informações vinculativas normais o prazo é alargado de 90 para 150 dias) e aumento do valor da taxa máxima, a qual passa de EUR para EUR Revogado prazo limite de 3 anos para abertura do procedimento especial anti-abuso Prazo legal de decisão do procedimento encurtado para 4 meses (prática de actos no procedimento reduzido para 8 dias) Entidades não residentes na UE e EEE deixam de ter de nomear representante fiscal Pagamento em prestações pode ser solicitado até marcação da data de venda dos bens IV. GARANTIAS DOS CONTRIBUINTES 39

40 PRINCIPAIS MEDIDAS IRS Principais medidas RERT III Regime excepcional de regularização tributária de elementos patrimoniais que não se encontrem no território português em 31 de Dezembro de 2010, mediante pagamento de uma taxa de 7,5% sobre o valor respectivo Principais diferenças face ao RERT II: PROPOSTA: taxa 7,5% RERT II: taxa 5% não obrigatoriedade de repatriamento majoração de 50% do valor do imposto obrigatoriedade de repatriamento IV. GARANTIAS DOS CONTRIBUINTES 40

41 DEBATE Algumas questões Haveria forma de cumprir com os objectivos de consolidação orçamental de forma mais equitativa? Faz sentido poupar os rendimentos de capital? Tributar os fringe benefits? Haveria folga para alargar benefícios concedidos às SGPS? Receita vs despesa: estarão cumpridas as metas impostas pelo Memorando de Assistência Financeira? 41

42 Obrigado 42

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC)

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) FLASH NEWS FISCAL N.º 2 (IRC) PROPOSTA ORÇAMENTO DE ESTADO 2012 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Taxas de IRC É eliminada a taxa de 12,5% aplicável aos primeiros 12.500,00 de matéria

Leia mais

RENDIMENTOS E RETENÇÕES A TAXAS LIBERATÓRIAS

RENDIMENTOS E RETENÇÕES A TAXAS LIBERATÓRIAS R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO (Art. 119.º, N.º 12, do CIRS) RENDIMENTOS E RETENÇÕES A TAXAS LIBERATÓRIAS MODELO 39 1 NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL NÚMERO DE

Leia mais

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida

Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE. Samuel Fernandes de Almeida Medidas Fiscais: Impostos sobre o Rendimento TITLE Samuel Fernandes de Almeida 1 ÍNDICE Dados macroeconómicos / Caracterização das receitas fiscais Estrutura das receitas fiscais no Orçamento do Estado

Leia mais

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting

O IRC no Orçamento do Estado para 2012. Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Opção por período de tributação distinto do ano civil Período mínimo de vigência da opção: 5 anos Período mínimo poderá ser < 5 anos, se o s.p. passar a integrar grupo obrigado

Leia mais

OE/2006 - A PERSPECTIVA DA ADMINISTRAÇÃO FISCAL SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS

OE/2006 - A PERSPECTIVA DA ADMINISTRAÇÃO FISCAL SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS OE/2006 - A PERSPECTIVA DA ADMINISTRAÇÃO FISCAL SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS RECEITAS FISCAIS Impostos 2005 2006 Variação Estimativa Orçamento % IRS 7 750.0 8 287.0 6.9% IRC 3 660.0 3 830.0

Leia mais

FISCALIDADE DAS COOPERATIVAS

FISCALIDADE DAS COOPERATIVAS FISCALIDADE DAS COOPERATIVAS naguiar@ipb.pt Lisboa, 04-06-2015 Constituição da República Portuguesa Artigo 85º 1. O Estado estimula e apoia a criação e a actividade de cooperativas. 2. A lei definirá os

Leia mais

Conferência IDEFF/OTOC 8 de Outubro de 2010. A relação entre a Contabilidade e a Fiscalidade problemas fiscais

Conferência IDEFF/OTOC 8 de Outubro de 2010. A relação entre a Contabilidade e a Fiscalidade problemas fiscais Conferência IDEFF/OTOC 8 de Outubro de 2010 A relação entre a Contabilidade e a Fiscalidade problemas fiscais Delimitação do tema Custos e proveitos contabilísticos que não são fiscalmente relevantes,

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas 19 de Dezembro de 2011 O IRC na receita fiscal -5,3% IRC Page 2/28 Artigos alterados 8.º - Período de tributação 10.º - Isenções 29.º - Depreciações 52.º

Leia mais

REGIÕES AUTÓNOMAS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO REGIÕES AUTÓNOMAS REPARTIÇÃO DO VOLUME ANUAL DE NEGÓCIOS

REGIÕES AUTÓNOMAS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO REGIÕES AUTÓNOMAS REPARTIÇÃO DO VOLUME ANUAL DE NEGÓCIOS MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2015 03 R P MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS Volume global de negócios não isento REGIÕES AUTÓNOMAS 01 Nº DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PPR SÉNIOR - 2ª Série

PPR SÉNIOR - 2ª Série Plano Poupança Reforma TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Destina-se essencialmente a Clientes, com perfil conservador, com idade igual ou superior a 55 anos,

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo III Procedimentos Técnico-Contabilísticos de Fim de Exercício

ÍNDICE. Capítulo III Procedimentos Técnico-Contabilísticos de Fim de Exercício EC,4.ªed - I:EC-I.qxd 08-09-2011 15:49 Página 5 Nota Prévia..................................................... 13 Capítulo I A Importância da Informação Contabilística 1. As necessidades de Informação

Leia mais

abatimentos e deduções em IRS

abatimentos e deduções em IRS TERTÚLIA 18 de Novembro de 2004 abatimentos e deduções em IRS afinal, quanto é preciso investir? não casados casados benefício investimento benefício investimento Seguros de vida... do sujeito passivo

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO RENDIMENTOS ISENTOS ISENÇÃO DEFINITIVA. do EBF)

BENEFÍCIOS FISCAIS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO RENDIMENTOS ISENTOS ISENÇÃO DEFINITIVA. do EBF) MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2013 03 R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS BENEFÍCIOS FISCAIS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02 PERÍODO

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO REGIME FISCAL ESPECIAL ATIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. Lei nº. 61/2014, de 26 de agosto

BOLETIM INFORMATIVO REGIME FISCAL ESPECIAL ATIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. Lei nº. 61/2014, de 26 de agosto Departamentos: Contabilidade, Auditoria e Fiscalidade BOLETIM INFORMATIVO 01 de Setembro de 2014 REGIME FISCAL ESPECIAL ATIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS Lei nº. 61/2014, de 26 de agosto Pedro Moreira T.O.C

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola PART Angola: Indicadores de Relevo 1 Angola: Indicadores de Relevo Informação Global * Angola 2010 População 18,5M Capital Luanda (aprox. 6 M habitantes)

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ATIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA)

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ATIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) IES DECLARAÇÃO ANUAL (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ATIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO/PERÍODO 1 IES - INFORMAÇÃO

Leia mais

O Orçamento de Estado para 2012 e os advogados

O Orçamento de Estado para 2012 e os advogados O Orçamento de Estado para 2012 e os advogados Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) As alterações que a Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro, introduz ao Código do IRS são muito significativas

Leia mais

Concordata de 2004. Artigo 26

Concordata de 2004. Artigo 26 Concordata de 2004 Artigo 26 1. A Santa Sé, a Conferência Episcopal Portuguesa, as dioceses e demais jurisdições eclesiásticas, bem como outras pessoas jurídicas canónicas constituídas pelas competentes

Leia mais

FiscalEspecial. Boletim. Índice. Proposta de Lei de Orçamento do Estado para 2009 - Principais Medidas

FiscalEspecial. Boletim. Índice. Proposta de Lei de Orçamento do Estado para 2009 - Principais Medidas Proposta de Lei de Orçamento do Estado para 2009 - Principais Medidas Na sequência da apresentação, no passado dia 14 de Outubro, da Proposta de Lei de Orçamento do Estado para 2009 (OE/2009), pretende-se,

Leia mais

Cód. Validação: 3450-C0607-2 2015-05-31 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL

Cód. Validação: 3450-C0607-2 2015-05-31 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 05 0 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO EXERCÍCIO De 0-0-0 a 0-- 0 0 R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS IRC MODELO SERVIÇO

Leia mais

PRINCÍPIOS DA FISCALIDADE

PRINCÍPIOS DA FISCALIDADE PRINCÍPIOS DA FISCALIDADE 1. Objectivos Gerais O programa da presente disciplina tem por objectivo dar a conhecer aos alunos o conjunto de normas e princípios que regulam o nascimento, desenvolvimento

Leia mais

PPR Taxa Garantida 2% + O PPR Taxa Garantida 2%+ é um plano de poupança que assegura:

PPR Taxa Garantida 2% + O PPR Taxa Garantida 2%+ é um plano de poupança que assegura: Característi cas PPR Taxa Garantida 2% + O PPR Taxa Garantida 2%+ é um plano de poupança que assegura: Capital e rendimento mínimo garantido a uma taxa mínima garantida de 2% em cada ano durante o prazo

Leia mais

Outras Alterações ao Código do Trabalho

Outras Alterações ao Código do Trabalho Outras Alterações ao Código do Trabalho CLÁUDIA DO CARMO SANTOS de de 2012 ÍNDICE CONTRATO DE TRABALHO DE MUITO CURTA DURAÇÃO COMISSÃO DE SERVIÇO TRABALHO SUPLEMENTAR OBRIGAÇÕES DE COMUNICAÇÃO À ACT RENOVAÇÃO

Leia mais

Calendário Fiscal 2016

Calendário Fiscal 2016 1224455645 45 46 456 4 45 345 8990 4322 344445 5666 2 2121 212 477 7 35 578997896 2345 345 45 6 65 3 24 6 76 7 1 168 1 5 95 64966 883 55 7 9 0 4564576 3 5345345 66345343 1223 576 7 8888 24 76868 123234

Leia mais

Orçamento Estado 2012. Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro

Orçamento Estado 2012. Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro Orçamento Estado 2012 Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES IRS Rendimentos de Trabalho Dependente (Categoria A) Subsídio de refeição O rendimento tributável

Leia mais

a) Âmbito objetivo b) Pressupostos de aplicabilidade do regime

a) Âmbito objetivo b) Pressupostos de aplicabilidade do regime Lei n.º 58/2012 de 9 de novembro, que cria um regime extraordinário de proteção de devedores de crédito à habitação em situação económica muito difícil A presente lei procede à criação de um regime extraordinário

Leia mais

Fiscalidade do Terceiro Sector IPSS 4 de Junho de 2015

Fiscalidade do Terceiro Sector IPSS 4 de Junho de 2015 www.pwc.pt IPSS 4 de Junho de 2015 Filipa Moreira Ribeiro Universidade Católica Portuguesa, Lisboa Agenda 1. IPSS Problemáticas Fiscais 2. Conclusão 2 IPSS Problemáticas Fiscais 3 Enquadramento fiscal

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças PARTE C. Segunda-feira, 14 de janeiro de 2013 Número 9

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças PARTE C. Segunda-feira, 14 de janeiro de 2013 Número 9 II SÉRIE Segunda-feira, 14 de janeiro de 2013 Número 9 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério das Finanças Gabinete do Ministro: Despacho n.º 796-B/2013: Despacho que aprova as tabelas de retenção na

Leia mais

ÍNDICE GERAL. CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA... 13

ÍNDICE GERAL. CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA... 13 CP-cp 1:CP-cp 1.qxd 08-09-2011 15:59 Página 5 1. CONTABILIDADE PÚBLICA...................................... 13 1.1 Características......................................... 15 1.2 Princípios contabilísticos..................................

Leia mais

As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património

As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património As novas regras de tributação de rendimentos de capitais, mais-valias e de tributação do património Foi hoje publicada a Lei n.º 55-A/2012, de 29 de Outubro, a qual vem agravar a tributação dos rendimentos

Leia mais

Constituição de Empresas e Fiscalidade em Cabo Verde. João Afonso Fialho

Constituição de Empresas e Fiscalidade em Cabo Verde. João Afonso Fialho Constituição de Empresas e Fiscalidade em Cabo Verde João Afonso Fialho Sociedades Comerciais O potencial investidor externo pode constituir uma sociedade optando por qualquer tipo de sociedade previsto

Leia mais

Prazo Máximo - 50 anos (6) Vide (1f) - Multifunções em Simultâneo com CH - Select. Taxa Swap a 5 anos + 4,805% (3) Taxa Swap a 5 anos + 4,818% (3)

Prazo Máximo - 50 anos (6) Vide (1f) - Multifunções em Simultâneo com CH - Select. Taxa Swap a 5 anos + 4,805% (3) Taxa Swap a 5 anos + 4,818% (3) 18.1. Crédito à habitação e contratos conexos Empréstimos a taxa variável - Super Crédito Habitação Taxa Variável Taxa Anual Efectiva (TAE) 4,836% (3) - Super Crédito Habitação Taxa Variável - Select 4,836%

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 27 de Maio 2011 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO 27 de Maio 2011 Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não residente Dupla tributação

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO. A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro.

GESTÃO FINANCEIRA NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO. A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro. GESTÃO FINANCEIRA A cooperação técnica e financeira entre a CCDRC e as Freguesias da Região Centro NAS FREGUESIAS DA REGIÃO CENTRO CCDRCentro 2011 Matriz da acção de formação O MODELO FINANCEIRO DAS FREGUESIAS

Leia mais

U m o l h a r s o b r e... O S I S T E M A F I S C A L M O Ç A M B I C A N O

U m o l h a r s o b r e... O S I S T E M A F I S C A L M O Ç A M B I C A N O i U m o l h a r s o b r e... O S I S T E M A F I S C A L M O Ç A M B I C A N O Informação Geral TAX & BUSINESS A presente Informação Fiscal destina-se a ser distribuída entre Clientes e Colegas e a informação

Leia mais

Orçamento do Estado para 2012 - Lei nº 64 B/2011, de 30/12 - - Síntese das Principais Medidas na Área Fiscal -

Orçamento do Estado para 2012 - Lei nº 64 B/2011, de 30/12 - - Síntese das Principais Medidas na Área Fiscal - Orçamento do Estado para 2012 - Lei nº 64 B/2011, de 30/12 - - Síntese das Principais Medidas na Área Fiscal - Tal como consta do Relatório do Ministério das Finanças, trata-se do Orçamento do Estado mais

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe V

Linha de Crédito PME Investe V Linha de Crédito PME Investe V I - Condições gerais da Linha de Crédito PME Investe V 1. Montante das Linhas Linhas Específicas Montante Micro e Pequenas Empresas 250 milhões Geral 500 milhões Total Linha

Leia mais

Sobretaxa extraordinária

Sobretaxa extraordinária Sobretaxa extraordinária Por Elsa Marvanejo da Costa Departamento de Consultoria da OTOC Atualizado em 29 09 2011 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através da sua Pasta TOC ou para

Leia mais

Este ano será possível fazer a declaração no modo online através do e-cac Fatos Relevantes:

Este ano será possível fazer a declaração no modo online através do e-cac Fatos Relevantes: Este ano será possível fazer a declaração no modo online através do ecac Fatos Relevantes: 1) Caso seu interesse seja Publicar no DIÁRIO OFICIAL do MUNICÍPIO do RJ Rio de Janeiro, CLIQUE AQUI 2) Caso seu

Leia mais

PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2010

PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2010 29 de Janeiro de 2010 PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2010 IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) Regime simplificado dos rendimentos empresariais e profissionais (categoria B) -

Leia mais

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 17.1. Depósitos à ordem Contas de Depósitos à Ordem Produtos em comercialização - Conta Standard Superior a 0 euros - Maxi-Conta Até 2.500,00 De 2.500,00 a 5.000,00 De 5.000,00 a 25.000,00 De 25.000,00

Leia mais

B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS

B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS ASSOCIADOS AOS IMPOSTOS MUNICIPAIS E APOIOS E INCENTIVOS FINANCEIROS À REABILITAÇÃO 38 39 B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS ASSOCIADOS AOS IMPOSTOS MUNICIPAIS E APOIOS E

Leia mais

Lei n.º 82-B/2014, de 31 de Dezembro (OE 2015) Lei n.º 82-C/2014, de 31 de Dezembro (Alterações ao IRC) Lei n.º 82-D/2014, de 31 de Dezembro

Lei n.º 82-B/2014, de 31 de Dezembro (OE 2015) Lei n.º 82-C/2014, de 31 de Dezembro (Alterações ao IRC) Lei n.º 82-D/2014, de 31 de Dezembro Lei n.º 82-B/2014, de 31 de Dezembro (OE 2015) Lei n.º 82-C/2014, de 31 de Dezembro (Alterações ao IRC) Lei n.º 82-D/2014, de 31 de Dezembro (Fiscalidade Verde) Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro (Reforma

Leia mais

FINS DE TARDE NA ACISO

FINS DE TARDE NA ACISO FINS DE TARDE NA ACISO 1º CICLO DE SESSÕES DE INFORMAÇÃO EMPRESARIAL OURÉM, 27 de Janeiro de 2012 AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES E IMPLICAÇÕES FISCAIS DECORRENTES DO OE 2012 OUTROS ASPETOS RELACIONADOS COM A

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 235/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 235/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 235/XII Exposição de Motivos A partir do ano de 2005, e por força da adoção obrigatória das Normas Internacionais de Relato Financeiro e das Normas de Contabilidade Ajustadas, o montante

Leia mais

RECEITAS DOS MUNICÍPIOS. Participação no IRS Derrama IMI IMT

RECEITAS DOS MUNICÍPIOS. Participação no IRS Derrama IMI IMT RECEITAS DOS MUNICÍPIOS Participação no IRS Derrama IMI IMT 1. Introdução De acordo com a Lei n.º 73/2013, de 3 de Setembro (Lei das Finanças Locais), em vigor a partir de 1 de Janeiro de 2014, constituem

Leia mais

TAX alert 15 NOVEMBRO / 2013

TAX alert 15 NOVEMBRO / 2013 15 NOVEMBRO / 2013 REGIME EXCEPCIONAL DE REGULARIZAÇÃO DE DÍVIDAS FISCAIS E À SEGURANÇA SOCIAL (RERD) Foi recentemente aprovado o Decreto-Lei n.º 151-A/2013, de 31 de Outubro, mencionado na nossa última

Leia mais

Lei n.º 55-A/2010, de 31 de Dezembro:

Lei n.º 55-A/2010, de 31 de Dezembro: Lei n.º 55-A/2010, de 31 de Dezembro: A lei que aprova o Orçamento de Estado para 2011 (daqui em diante LOE 2011), publicada na passada sexta-feira, introduz importantes alterações aos códigos tributários

Leia mais

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS O Aviso n.º 13/2013, de 31 de Julho, do Banco Nacional de Angola, publicado a 06.08.2013, estabelece os novos e mais flexíveis procedimentos

Leia mais

Curriculum Vitae. Identificação. Nome profissional: Joana Lança. Experiencia Profissional

Curriculum Vitae. Identificação. Nome profissional: Joana Lança. Experiencia Profissional Curriculum Vitae Identificação Nome profissional: Joana Lança Experiencia Profissional Desde 2014 Associada Sénior da Área de Prática de Direito Fiscal de PLMJ A. M. PEREIRA,SÁRAGGA LEAL, OLIVEIRA MARTINS,

Leia mais

i) Efetuados entre 1 de novembro e 20 de dezembro de 2013;

i) Efetuados entre 1 de novembro e 20 de dezembro de 2013; Página 1 de 5 Regularização Excecional de Dívidas Fiscais e à Segurança Social Decreto- Lei n.º 151- A/2013, de 31 de outubro O diploma legal que instituiu o novo regime excecional para regularização de

Leia mais

MÉTODO EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL. Norma aplicável: NCRF 13 Inter. em Empr. Conj. e Investimentos em Associadas

MÉTODO EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL. Norma aplicável: NCRF 13 Inter. em Empr. Conj. e Investimentos em Associadas MÉTODO EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL Norma aplicável: NCRF 13 Inter. em Empr. Conj. e Investimentos em Associadas Definições relevantes: Associada: é uma entidade (aqui se incluindo as entidades que não sejam

Leia mais

A revolução dos trabalhadores independentes

A revolução dos trabalhadores independentes Curso Intensivo sobre o Código Contributivo 2.ª edição A revolução dos trabalhadores independentes Gustavo Lopes Courinha 30 Novembro 2010 O Direito da Segurança Social - a vertente contributiva A importância

Leia mais

IMPOSTO SUCESSÓRIO PASSADO, PRESENTE E FUTURO ANTÓNIO NEVES

IMPOSTO SUCESSÓRIO PASSADO, PRESENTE E FUTURO ANTÓNIO NEVES IMPOSTO SUCESSÓRIO PASSADO, PRESENTE E FUTURO ANTÓNIO NEVES O ANTIGO IMPOSTO SOBRE AS SUCESSÕES E DOAÇÕES Incidência Principais exclusões e isenções Regra de conexão Taxas Transmissões a título gratuito

Leia mais

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL CXGOLBD_20160701 Caixa Gold CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS,

Leia mais

3450-C0160-1 2013-05-20 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO. De 2012-01-01 a 2012-12-31 2012 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB.

3450-C0160-1 2013-05-20 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO. De 2012-01-01 a 2012-12-31 2012 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 0 DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS IRC MODELO Identificação da Declaração Data de Receção Comprovativo de Entrega da Declaração Modelo Via Internet Elementos para validação

Leia mais

Circular n.º 4 DGSS 16 dezembro 2014

Circular n.º 4 DGSS 16 dezembro 2014 Regulamento das comparticipações familiares devidas pela utilização dos serviços e equipamentos sociais, com acordo de cooperação Data de divulgação no site - 31 março 2015 Orientações gerais Comparticipações

Leia mais

Tem início a 1 de maio e termina a 31 de

Tem início a 1 de maio e termina a 31 de RENDIMENTOS IMÓVEIS Tem início a 1 de maio e termina a 31 de maio a entrega da declaração de rendimentos para efeitos de IRS Imposto sobre o rendimento das Pessoas Singulares que aufiram, entre outros,

Leia mais

Estatuto dos Beneficios Fiscais

Estatuto dos Beneficios Fiscais Dedução ao rendimento Majoração à criação emprego para Jovens e empregados de longa duração Artº19º 14 x retribuição minima mensal garantida Valor = 14 x 485 eur = 6.790 eur 150% Este beneficio passa a

Leia mais

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS RECEITAS CORRENTES

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS RECEITAS CORRENTES MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] CAPÍ- IMTÂNCIAS EM EUROS GRU CAPÍ RECEITAS CORRENTES 01 IMTOS DIRECTOS 01 Sobre o Rendimento 01 Imposto

Leia mais

Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS

Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS Concurso de 2015 REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece os procedimentos e documentos necessários à verificação das despesas elegíveis necessárias

Leia mais

CONTABILIDADE I. Universidade da Madeira. Ano: 2015/2016. Docente: José Eduardo Gonçalves

CONTABILIDADE I. Universidade da Madeira. Ano: 2015/2016. Docente: José Eduardo Gonçalves CONTABILIDADE I Docente: José Eduardo Gonçalves Ano: 2015/2016 Universidade da Madeira Elementos Patrimoniais Activo Recurso controlado pela entidade como resultado de acontecimentos passados e do qual

Leia mais

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] CAPÍ- IMTÂNCIAS EM EUROS GRU ARTI CAPÍ RECEITAS CORRENTES 01 IMTOS DIRECTOS 01 Sobre o Rendimento 01

Leia mais

Medidas Específicas de Apoio ao Emprego

Medidas Específicas de Apoio ao Emprego Portaria nº 130/2009, de 30 de Janeiro, alterada pela Declaração de Rectificação n.º 13/2009, de 10 de Fevereiro Medidas: 1 Apoio ao emprego em micro e pequenas empresas 2 Apoio à contratação de jovens,

Leia mais

Mínimo de abertura: Não aplicável. Não aplicável (conta não remunerada)

Mínimo de abertura: Não aplicável. Não aplicável (conta não remunerada) Designação Conta Ordenado Condições de Acesso Clientes Particulares, que efetuem a domiciliação do seu ordenado, através de transferência bancária codificada como ordenado. Modalidade Depósito à Ordem

Leia mais

O N O V O C Ó D I G O D O I M P O S T O S O B R E O R E N D I M E N T O D O T R A B A L H O

O N O V O C Ó D I G O D O I M P O S T O S O B R E O R E N D I M E N T O D O T R A B A L H O i N º 3 7 / 1 4 O N O V O C Ó D I G O D O I M P O S T O S O B R E O R E N D I M E N T O D O T R A B A L H O INTRODUÇÃO Em 22 de Outubro passado, no âmbito do projecto da Reforma Tributária angolana, foi

Leia mais

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas [IRC] Lei n.º 2/2014 de 16 de Janeiro

Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas [IRC] Lei n.º 2/2014 de 16 de Janeiro Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas [IRC] Lei n.º 2/2014 de 16 de Janeiro A Lei n.º 2/2014 de 16 de Janeiro veio proceder à reforma da tributação do imposto sobre o rendimento das pessoas

Leia mais

Impacto do VPT nos Impostos sobre o Rendimento

Impacto do VPT nos Impostos sobre o Rendimento www.pwc.com Impacto do VPT nos Impostos sobre o Rendimento 16 de janeiro de 2013 O que é o Valor Patrimonial Tributário (VPT)? VPT = Vc x A x Ca x Cl x Cq x Cv Vc Valor de base dos prédios edificados (valor

Leia mais

O IRS no Orçamento do Estado para Audit Tax Advisory Consulting

O IRS no Orçamento do Estado para Audit Tax Advisory Consulting Audit Tax Advisory Consulting Tributação "Subsídio de Refeição" Tributado na parte que exceder em 50% o limite legal ou 70% se for atribuído através de vales de refeição Tributado na parte que exceder

Leia mais

15 MEDIDAS PRINCIPAIS DA REFORMA DO IRS MEDIDAS DE PROTEÇÃO DA FAMÍLIA

15 MEDIDAS PRINCIPAIS DA REFORMA DO IRS MEDIDAS DE PROTEÇÃO DA FAMÍLIA 15 MEDIDAS PRINCIPAIS DA REFORMA DO IRS MEDIDAS DE PROTEÇÃO DA FAMÍLIA 1. Alargamento do Quociente Familiar no IRS O sistema atualmente em vigor consagra o quociente conjugal. De acordo com esse regime,

Leia mais

OE 2013: ALTERAÇÕES FISCAIS RELEVANTES

OE 2013: ALTERAÇÕES FISCAIS RELEVANTES Outubro 2012 OE 2013: ALTERAÇÕES FISCAIS RELEVANTES INDICE I. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) II. SEGURANÇA SOCIAL III. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS (IRC) IV.

Leia mais

OE 2013 O QUE ESTÁ EM CAUSA PARA TRABALHADORES NO ATIVO E PARA APOSENTADOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA?

OE 2013 O QUE ESTÁ EM CAUSA PARA TRABALHADORES NO ATIVO E PARA APOSENTADOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA? OE 2013 O QUE ESTÁ EM CAUSA PARA TRABALHADORES NO ATIVO E PARA APOSENTADOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA? UMA BREVE SÍNTESE DAS PRINCIPAIS DISPOSIÇÕES DO CAPÍTULO III DA LEI Nº 66-B/2012, DE 31 DE DEZ. (ARTºS

Leia mais

FORMULÁRIO CANDIDATURA PORTA 65 - JOVEM. Dados gerais. 15 Anexos Apresentados Nº. 1 do Art. 13º do DL 43/2010, de 30/Abril

FORMULÁRIO CANDIDATURA PORTA 65 - JOVEM. Dados gerais. 15 Anexos Apresentados Nº. 1 do Art. 13º do DL 43/2010, de 30/Abril FORMULÁRIO Dados gerais 1 Candidatura Nº. 2 Período 3 Tipo de agregado Isolado Jovem Casal Jovens em Coabitação 4 Matriz da habitação arrendada Distrito 5 Tipologia da habitação arrendada Concelho Freguesia

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE JANEIRO 2015 Dia 12: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de novembro de 2014 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos

Leia mais

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 CÓDIGO CONTAS ACTIVO ANO ACTIVO BRUTO AMORTIZAÇÃO ACUMULADA ANO-ACTIVO LIQUIDO ANO ANTERIOR 10 01 Caixa e Disponibilidades 70.895,07 70.895,07 114.143,22 12 02 Disponib.à

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75% DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75% DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75% DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático 2035 Medida

Leia mais

A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS)

A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS) A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS) QUAL É O CONCEITO DE SÍNDICO PREVISTO NO CÓDIGO CIVIL DE 2002? O Síndico é definido como sendo administrador do Condomínio (art. 1.346).

Leia mais

Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2009. Principais alterações

Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2009. Principais alterações Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2009 Principais alterações A PricewaterhouseCoopers presta serviços profissionais de auditoria, fiscalidade e assessoria de gestão orientados por indústria,

Leia mais

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO ^ Jatobá Anexo I, Módulo I, Inciso II, IN n. 09/05 do TCE/MA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO O responsável pelo controle interno do Município de Jatobá, em atendimento à Instrução Normativa n. 009/2005 e

Leia mais

Índice. Para que efeito deve ser usada cada operação de certificação? Qual o período de referência das operações de certificação?

Índice. Para que efeito deve ser usada cada operação de certificação? Qual o período de referência das operações de certificação? Índice As operações de certificação Para que efeito deve ser usada cada operação de certificação? Qual o período de referência das operações de certificação? Qual o prazo para submissão das operações de

Leia mais

IVA e Imposto do Selo. Notas mais salientes TITLE. Luís Oliveira

IVA e Imposto do Selo. Notas mais salientes TITLE. Luís Oliveira IVA e Imposto do Selo Notas mais salientes TITLE Luís Oliveira 1 IVA 2 Após a revolução do OE 2012, com migração massiva de bens da taxa reduzida para a taxa normal apenas se agrava em 2013 a tributação

Leia mais

REGIMES ESPECIAIS DE TRIBUTAÇÃO REGIMES ESPECIAIS DE TRIBUTAÇÃO EXISTENTES MÓDULO 1. Os regimes em causa são os seguintes:

REGIMES ESPECIAIS DE TRIBUTAÇÃO REGIMES ESPECIAIS DE TRIBUTAÇÃO EXISTENTES MÓDULO 1. Os regimes em causa são os seguintes: REGIMES ESPECIAIS DE TRIBUTAÇÃO MÓDULO 1 REGIMES ESPECIAIS DE TRIBUTAÇÃO EXISTENTES José Soares Roriz Março de 2011 A par de um regime apelidado de normal, em que o IVA é apurado pelo método do crédito

Leia mais

NCRF-ESNL. Tributação das ESNL: enquadramento nos principais impostos

NCRF-ESNL. Tributação das ESNL: enquadramento nos principais impostos NCRF-ESNL Tributação das ESNL: enquadramento nos principais impostos 1 Tributação das ESNL: enquadramento nos principais impostos As ESNL no âmbito do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 86/XIII/1.ª

PROJETO DE LEI Nº 86/XIII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI Nº 86/XIII/1.ª GARANTE A IMPENHORABILIDADE E A IMPOSSIBILIDADE DE EXECUÇÃO DE HIPOTECA DO IMÓVEL DE HABITAÇÃO PRÓPRIA E PERMANENTE POR DÍVIDAS FISCAIS (ALTERA O CÓDIGO

Leia mais

Dicas de cálculo e declaração seu Imposto na Spinelli investhb

Dicas de cálculo e declaração seu Imposto na Spinelli investhb Dicas de cálculo e declaração seu Imposto na Spinelli investhb Tesouro Direto Apuração O Imposto de Renda incide sobre o total dos rendimentos auferidos nas vendas antecipadas, nos vencimentos de títulos

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 97/2016, 1º Suplemento, Série II de 2016-05-19, páginas 15806-(2) a 15806-(5)

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 97/2016, 1º Suplemento, Série II de 2016-05-19, páginas 15806-(2) a 15806-(5) Classificação: 060.01.01 Segurança: Pública Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma - Despacho n.º 6635-A/2016, de 19 de maio Estado: vigente Resumo: Despacho

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

autoridade tributária e aduaneira

autoridade tributária e aduaneira Classificação: Segurança: Processo: Ofício Circulado N.º: ãl(t.lq O Entrada Geral:~-.("~.~ N. 0 Identificação Fiscal (NIF): Sua Ref.ª: Técnico: Exmos. Senhores Subdiretores-Gerais Diretor da UGC Diretores

Leia mais

A taxa do IRC para as PME. Alguns aspetos a ter em conta para a sua utilização

A taxa do IRC para as PME. Alguns aspetos a ter em conta para a sua utilização A taxa do IRC para as PME Alguns aspetos a ter em conta para a sua utilização A reforma do IRC criou uma nova taxa de 17% (n.º 2 do artigo 87.º do Código do IRC) para pequenas e médias empresas, aplicável

Leia mais

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL CXGOFARD_20160701 Caixa Gold Ordem dos Farmacêuticos CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação

Leia mais

1. Identificação do projecto

1. Identificação do projecto (a preencher pelos Serviços) FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Nº da Candidatura: Data de Recepção: Assinatura do(a) Técnico(a): 1. Identificação do projecto Projecto/Empresa: Morada: Codigo Postal Telefone: E-mail:

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (180 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (180 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (180 dias), não mobilizável antecipadamente. Caracterização

Leia mais

ATLÂNTICO EUROPA, SGPS, S.A. Relatório Intercalar

ATLÂNTICO EUROPA, SGPS, S.A. Relatório Intercalar ATLÂNTICO EUROPA, SGPS, S.A. Relatório Intercalar 1º Semestre 2015 1 ÍNDICE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2015 EM BASE INDIVIDUAL... 3 NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS RENDIMENTOS ISENTOS

BENEFÍCIOS FISCAIS RENDIMENTOS ISENTOS MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2016 R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS 03 031 BENEFÍCIOS FISCAIS 01 N.º DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIF) 02

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL IRC Janeiro 2014. Reforma do IRC

NEWSLETTER FISCAL IRC Janeiro 2014. Reforma do IRC NEWSLETTER FISCAL IRC Janeiro 2014 Reforma do IRC 1. Introdução No passado dia 16 de Janeiro de 2014, foi publicada a Lei nº 2/2014, que procede à reforma da tributação das sociedades, alterando o Código

Leia mais

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA

A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA www.fbladvogados.com A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA As Principais Linhas de Orientação ÍNDICE 1. O PERT: Missão e Objectivos 2. O Sistema Fiscal Angolano 2.1. A Tributação dos Rendimentos 2.2. A Tributação

Leia mais

Guia do IRS 2015 A análise no tempo certo. Abril 2016

Guia do IRS 2015 A análise no tempo certo. Abril 2016 Guia do IRS 2015 A análise no tempo certo Abril 2016 Índice Principais alterações em 2015 3 Residentes Não Habituais 4 Rendimentos 5 Taxas 2015 14 Deduções à Coleta 17 Benefícios Fiscais 22 Manifestações

Leia mais

RELATÓRIO DE ENDIVIDAMENTO

RELATÓRIO DE ENDIVIDAMENTO 31 março2013 CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos / Aplicações Financeiras 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Limites do Endividamento 8 Endividamento

Leia mais

ALTERAÇÕES AO IRS - 2015

ALTERAÇÕES AO IRS - 2015 ALTERAÇÕES AO IRS - 2015 Tax Lei nº 82 E/2014, de 31.12 Através desta Lei foi alterado o Código do IRS, o Código do Imposto do Selo, o Estatuto dos Benefícios Fiscais, a Lei Geral Tributária, o Código

Leia mais

Entrada em vigor. Incidência GUIA FISCAL. Transparência fiscal (artigo 6.º) Período de tributação (artigo 8.º)

Entrada em vigor. Incidência GUIA FISCAL. Transparência fiscal (artigo 6.º) Período de tributação (artigo 8.º) 1 Nota Introdutória Foi publicada a Lei n.º 2/2014, de 16 de janeiro, diploma que aprova a reforma do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC). Trata-se de um importante instrumento

Leia mais