PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA COMO SOLUÇÃO DE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA COMO SOLUÇÃO DE"

Transcrição

1 III Congresso Consad de Gestão Pública PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA COMO SOLUÇÃO DE MOBILIDADE URBANA: O CASO DO METRÔ/BH Mario Queiroz Guimarães Neto

2 Painel 44/174 Soluções de longo prazo em parceria com a iniciativa privada na oferta de infraestrutura de transportes PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA COMO SOLUÇÃO DE MOBILIDADE URBANA: O CASO DO METRÔ/BH Mario Queiroz Guimarães Neto RESUMO Com o advento da Copa do Mundo de 2014, as administrações públicas buscam novas alternativas para alavancar investimentos em infraestrutura atraindo a iniciativa privada para os projetos. Um dos grandes gargalos para a maioria das cidades que abrigarão os jogos da Copa do Mundo é a mobilidade urbana. No caso do Metrô de Belo Horizonte, há um grande esforço dos governos do Estado e do município em ampliar a atual rede metroviária, por meio de uma parceria públicoprivada (PPP). Tendo em vista o grande desafio dos administradores em conceber, executar e monitorar políticas públicas, o presente trabalho tem por objetivo apresentar a alternativa escolhida pelo Estado de Minas Gerais como modelo de planejamento em soluções de infraestrutura e de negócio sustentável para exploração do Metrô BH. Visamos apresentar os seguintes aspectos do estudo: modelagem jurídica e financeira do projeto; estudos de demanda; custos de operação; investimentos em expansão e adequação; participação dos entes União, Estado e Municípios; papel da iniciativa privada; estratégias adotadas; benchmarking realizado; mitigação de riscos; regulação do contrato; garantias e planejamento de longo prazo.

3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO MOBILIDADE URBANA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA DO METRÔ BH Caracterização do transporte em Belo Horizonte Contexto Metrô BH Parceria público-privada Delegação dos serviços ao Estado Projeto CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 22

4 3 1 INTRODUÇÃO O anúncio da escolha pela FIFA do Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014 evidenciou a necessidade de o país se adaptar a este evento e abriu uma grande oportunidade de modernização da infraestrutura brasileira. Como ocorrido em outros países, a preparação do país passa obrigatoriamente por uma melhoria de sua infraestrutura. Nos próximos 4 anos, grande investimentos em aeroportos, rodovias, estádios, rede hoteleira, transporte urbano entre outros se farão necessários. Há, atualmente, uma grande movimentação por parte tanto dos gestores públicos quanto do empresariado nacional para aproveitar esta onda de investimentos e melhorias que um evento como este exige. As doze cidades préescolhidas para hospedar as seleções e sediar os jogos devem seguir um detalhado caderno de encargos da FIFA que contempla diversos critérios, normas e recomendações que vão desde segurança e conforto do torcedor, requisitos de construção sustentável, áreas especiais para mídia até detalhes sobre acesso aos equipamentos urbanos como aeroportos, hotéis e estádios. A mobilidade urbana pode ser considerada como um dos maiores gargalos que as grandes cidades brasileiras enfrentam. Em praticamente todas estas cidades, as alternativas de transporte público urbano atendem parcialmente a demanda existente. Neste trabalho, pretendemos apresentar uma das alternativas pensadas pelo Governo do Estado de Minas Gerais para melhorar a mobilidade urbana de Belo Horizonte: a expansão e ampliação do Metrô BH. O presente trabalho tem por objetivo apresentar os seguintes aspectos do estudo: modelagem jurídica e financeira do projeto; estudos de demanda; operação; investimentos em expansão e adequação; participação dos entes União, Estado e Municípios; papel da iniciativa privada; estratégias adotadas; benchmarking realizado; mitigação de riscos; regulação do contrato; garantias e planejamento de políticas de transporte de longo prazo.

5 4 2 MOBILIDADE URBANA A questão da mobilidade urbana é de extrema importância para a organização das cidades. Segundo dados da ONU, em 2009 o mundo tornou-se definitivamente urbano, com mais de 50% de sua população vivendo em cidades. O Brasil tem aproximadamente 195 milhões de habitantes, sendo que em torno de 80% desta população vive em cidades. No entanto, na maioria dos casos, se não em sua totalidade, este processo de urbanização foi conduzido de forma acelerada e desordenada, tornando-se explosivo. Ainda segundo dados da ONU, ocorrem, diariamente, cerca de 200 milhões de deslocamentos motorizados nas cidades brasileiras. O custo destes deslocamentos em termos de tempo, poluição, acidentes e investimento é enorme e, em geral, desfavorável à mobilidade da população. Este problema tende a se agravar, com reflexos na produtividade, no meio ambiente urbano e na qualidade de vida. A mobilidade urbana é também um componente central do transporte a longa distância. A maioria dos meios de transporte, tanto de passageiros como de mercadorias, começa e acaba e atravessa no seu percurso diversas zonas urbanas. Estas deveriam proporcionar pontos de interligação eficientes para a rede de transportes e permitir a eficiência dos transportes no quilômetro final, tanto para o transporte de mercadorias como de passageiros. São, portanto, vitais para a competitividade e a sustentabilidade de um futuro sistema de transportes eficaz. A responsabilidade pelas políticas de mobilidade urbana cabe essencialmente às autoridades locais, estaduais e nacionais. Contudo, as decisões a nível local não são tomadas isoladamente, mas sim no âmbito estabelecido pela política e legislação nacional e estadual. Com a coordenação e trabalho conjunto entre estas três esferas haverá muito a ganhar com a definição de uma abordagem de parceria, respeitando ao mesmo tempo plenamente as diferentes competências e responsabilidades de todas as partes envolvidas. Dentre as várias soluções apontadas para a melhoria da oferta de mobilidade urbana está o metrô. Embora haja questionamentos em termos de custos de implantação e operação, o modal metroviário continua sendo uma das melhores alternativas como solução de transportes por apresentar as seguintes vantagens:

6 5 ter alta capacidade de transporte, apresentar velocidades médias comerciais altas se comparado a outros modais, oferecer níveis de conforto e segurança altos, ser um estruturador dos sistemas de transporte integrado nas grandes cidades, ser livre da competição por espaço nas vias públicas, pois grande parte dos sistemas é subterrâneo.

7 6 3 PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA DO METRÔ BH 3.1 Caracterização do transporte em Belo Horizonte Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, é um importante centro metropolitano que integra 34 Municípios. A população municipal é estimada em 2,4 milhões de habitantes (estimativa IBGE/2006), mas, a população da Região Metropolitana atinge cerca de 4,6 milhões de habitantes. Segundo dados da BHTRANS, autoridade de trânsito da capital, as viagens urbanas em Belo Horizonte podem ser caracterizadas da seguinte maneira: São motivadas, em sua maioria, por ida/retorno a residência, ao trabalho e para estabelecimentos de ensino; Para faixas de menor renda, a proporção de viagens motivadas por trabalho e busca de serviços de saúde são mais expressivas; As viagens duram geralmente até 45 minutos e são feitas predominantemente por ônibus; Os principais problemas do transporte coletivo feito por ônibus, sob a ótica dos usuários, são relacionados com o preço da passagem e com o conforto e a frequência das viagens ; A mobilidade na cidade é concentrada na opção rodoviária ônibus e carros particulares, representando respectivamente 44,1% e 23,2% dos deslocamentos. Percebe-se um forte movimento concentrador nas mais de 4 milhões de viagens diárias, haja vista as deficiências na oferta alternativa do trem/metrô. 3.2 Contexto Metrô BH O Metrô BH é explorado pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) empresa pública ligada ao Ministério das Cidades. Atualmente são transportados 150 mil passageiros/dia pela linha 1, a única existente. A linha possui 28,2 quilômetros de extensão e 19 estações de embarque e desembarque. As obras da linha 2 Barrreiro-Calafate, que teria 10,2 quilômetros de extensão, foram iniciadas no fim dos anos 80, mas por motivos políticos e

8 7 contratuais houve uma paralisação e atualmente a questão encontra-se em litígio judicial. Embora esta linha não exista, seu traçado, todo em superfície, está em com os serviços de terraplenagem em parte realizados. Tabela 01 Informações sobre o Metrô BH Extensão (Km) 28,2 Número de estações 19 Passageiros transportados/dia 150 mil Fonte: CBTU 3.3 Parceria Público Privada Em 31 de dezembro de 2004 foi promulgada a lei federal a lei de Parcerias Público-Privadas (PPP). A lei de PPP representou um grande avanço para os gestores públicos, uma vez que, com ela, projetos que antes eram considerados não viáveis, passaram a ser rediscutidos. A possibilidade de o Poder Concedente entrar com um percentual na remuneração do parceiro privado no empreendimento abriu oportunidades para que diversos empreendimentos, sobretudo em infraestrutura de transportes, pudessem ser finalmente desengavetados e colocados em prática. público-privada: No art. 2 o 4 o da lei é vedada a celebração de contrato de parceria cujo valor do contrato seja inferior a R$ ,00 (vinte milhões de reais); cujo período de prestação do serviço seja inferior a 05 (cinco) anos; que tenha como objeto único o fornecimento de mão-de-obra, o fornecimento e instalação de equipamentos ou a execução de obra pública. A lei ainda trouxe duas importantes inovações. Ambas encontram-se no art. 5 o, estando a primeira no inciso III no qual é introduzida idéia de compartilhamento de riscos: Art. 5 o As cláusulas dos contratos de parceria público-privada atenderão ao disposto no art. 23 da Lei n o 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, no que couber, devendo também prever:

9 8 (...) III a repartição de riscos entre as partes, inclusive os referentes a caso fortuito, força maior, fato do príncipe e álea econômica extraordinária. A segunda inovação, que é a idéia de remuneração por desempenho, está explicitada em seu artigo 5 inciso VII: Art. 5 o As cláusulas dos contratos de parceria público-privada atenderão ao disposto no art. 23 da Lei n o 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, no que couber, devendo também prever: (...) VII os critérios objetivos de avaliação do desempenho do parceiro privado. Por ser uma lei de 2004, relativamente recente, há atualmente, poucos projetos de PPP em andamento no país na área de transportes, embora este segmento seja provavelmente o que ofereça maiores oportunidades de negócio. Apesar de já existirem projetos de PPP em no setor rodoviário, notadamente o caso pioneiro de Minas Gerais da MG-050, atualmente, o único projeto de PPP na área metroviária no país é a Linha Amarela (linha 4) do Metrô de São Paulo, no qual o Estado financia os investimentos em obras de construção civil e o concessionário entra com investimentos em material rodante sendo 29 trens, com 6 carros cada sistemas de comunicação móvel de voz e dados, sinalização, controle do pátio e controle e supervisão centralizada totalizando aproximadamente R$1 bilhão. 3.4 Delegação dos serviços ao Estado Com a promulgação da Constituição da República de 1988 e da Constituição do Estado de Minas Gerais de 1989, a competência para a prestação do serviço de transporte ferroviário de passageiros foi assim dividida entre a União e o Estado de Minas Gerais: CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE 1988: Art. 21. Compete à União: (...) XII explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão ou permissão: (...) d) os serviços de transporte ferroviário e aquaviário entre portos brasileiros e fronteiras nacionais, ou que transponham os limites de Estado ou Território; CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS DE 1989: Artigo 10 Compete ao Estado: (...) IX explorar diretamente, ou mediante concessão, os serviços de transporte ferroviário e aquaviário que não transponham os limites do seu território e o rodoviário estadual de passageiros; (...)

10 9 À União foi reservada a competência para a prestação de tais serviços entre portos brasileiros e fronteiras nacionais ou no caso transposição dos limites de Estado ou Território, sendo que ao Estado de Minas Gerais foi reservada a competência para a prestação dos serviços dentro dos limites do seu território. Em ambos os casos, a Constituição determinou expressamente que os serviços podem ser prestados diretamente pelo respectivo ente federativo, ou, indiretamente, mediante sua delegação para a iniciativa privada. Legislação complementar A Lei Federal 8.693/93 dispõe sobre a descentralização dos serviços de transporte ferroviário coletivo de passageiros, urbano e suburbano, da União para os Estados e Municípios. A referida lei determinou que o processo de descentralização deveria ocorrer por meio da cisão da CBTU em novas sociedades constituídas para a prestação dos serviços de transporte ferroviário de passageiros nos Estados e Municípios nos quais os serviços são prestados, com a posterior incorporação de tais sociedades por sociedades já existentes e sob o controle acionário direto ou indireto detido pelos Estados ou Municípios, ou, ainda, por meio da alienação, inclusive mediante doação, das ações detidas pela União nas sociedades cindidas para os Estados e Municípios nos quais os serviços são prestados. Por meio da Lei Estadual de 1997, foi autorizada a constituição da empresa pública Trem Metropolitano de Belo Horizonte S.A.13 ( Metrominas ), vinculada à Secretaria de Estado de Transporte e Obras Públicas SETOP, para planejar, implantar, operar e explorar os serviços de transporte de passageiros sobre trilhos na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Nota-se que não foi atribuído expressamente à Metrominas o poder de delegar a prestação dos serviços para a iniciativa privada. Portanto, a delegação deverá ser realizada pelo próprio Estado de Minas Gerais, com base no artigo 10, inciso IX, da CEMG/89. O artigo 4 o da referida lei determinou que o Estado de Minas Gerais deveria deter um percentual de ações que lhe assegure o controle da Metrominas, sendo que o artigo 6 o determinou que durante a implantação da companhia seria aberto prazo para que os Municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte subscrevessem parte do capital social da companhia.

11 10 Por meio de lei municipal, o município de Belo Horizonte foi autorizado a subscrever 35% (trinta e cinco por cento) do capital social da companhia. Procedimento igual foi feito pelo município de Contagem que foi autorizado a subscrever 10% (dez por cento) do capital social da companhia. Atualmente o capital social da Metrominas é dividido entre o Estado de Minas Gerais com 55%; Município de Belo Horizonte com 35%; e, Município de Contagem com 10%. Em 2001, a questão envolvendo a estadualização do Metrô de Belo Horizonte foi novamente trazida à tona por meio da edição da Lei Federal /01 ( Lei Federal ), que dispõe sobre a reestruturação dos transportes aquaviário e terrestre, cria o Conselho Nacional de Integração de Transportes Terrestres, a Agência Nacional de Transportes Terrestre, dentre outras providências. No que tange ao gerenciamento da infra-estrutura e da operação dos transportes aquaviário e terrestre, o artigo 12, inciso I, da Lei Federal determina que: Art. 12. Constituem diretrizes gerais do gerenciamento da infra-estrutura e da operação dos transportes aquaviário e terrestre: I descentralizar as ações, sempre que possível, promovendo sua transferência e outras entidades públicas, mediante convênios de delegação, ou a empresas públicas ou privadas,mediante outorgas de autorização, concessão ou permissão, conforme dispõe o inciso XII do art. 21 da Constituição Federal; (...) A mesma Lei Federal reforçou as disposições da Lei Federal no sentido de que a estadualização do Metrô de Belo Horizonte deveria ser acompanhada, necessariamente, do repasse por parte da União para a CBTU dos recursos necessários para a manutenção e operação do sistema transferido, podendo a CBTU executar diretamente os projetos ou transferir para os Estados e Municípios, ou para sociedades por eles constituídas, os recursos necessários para a implementação do processo de descentralização. O objetivo almejado com a edição da Lei Federal foi reforçado pela Lei Federal , que preceitua que o processo de descentralização compreende a transferência, a implantação, a modernização, a ampliação e a recuperação dos serviços de transporte ferroviário de passageiros. Tendo em vista o disposto na CR/88 e CEMG/89, na Lei Complementar 89/06 e nos atos normativos editados pelos Governos Federal e Estadual desde a promulgação de suas respectivas Constituições, é possível observar que se encontra devidamente constituído o arcabouço legal necessário para amparar a efetiva estadualização do Metrô de Belo Horizonte.

12 11 As regras constantes das Leis Federais e e da Lei Estadual dão guarida para a operação pretendida, em total consonância com a competência outorgada ao Estado de Minas Gerais para a prestação do serviço de transporte ferroviário de passageiros dentro do seu território. De forma resumida, seria feito um convênio de delegação entre a União e o Estado de Minas Gerais. Posteriormente, o Estado de Minas Gerais por meio da Metrominas receberia o sistema e em seguida, faria uma licitação para delegar a exploração do metrô à iniciativa privada, conforme o esquema abaixo. 3.5 Projeto A valoração do tempo de viagem é um dos pilares da estimação dos benefícios de investimentos em transporte para passageiros. O princípio desta estimativa está amparado na constatação de que as empresas podem usar o tempo poupado em viagens para fins alternativos, quer seja trabalho, lazer, família, saúde,

13 12 por exemplo. Segundo o Banco Mundial, para os países em desenvolvimento, o custo econômico dos acidentes de trânsito situa-se entre 1% e 2% do PIB. Dada sua importância, muitas pesquisas já foram desenvolvidas buscando-se aprimorar esta estimativa, com significativas diferenças metodológicas. Porém, há certa convergência na compreensão de que o custo do tempo gasto no transporte deve ter como referência a renda do trabalho ou o custo do empregador. O projeto do Metrô BH contempla a delegação à iniciativa privada por meio de concessão patrocinada precedida de licitação pública na modalidade concorrência. Sendo a concessão de serviço público instrumento de regulação para implementar uma política capaz de dotar de eficiência o transporte coletivo de passageiros, bem como de concentrar capital privado em favor da desoneração dos cofres públicos, deve ser utilizada conforme política direcionada para o aperfeiçoamento das políticas de transporte urbano, de urbanismo, de meio ambiente e de geração de emprego. Dentro do objeto da licitação estão incluídos não apenas a exploração da linha 1 (Eldorado-Vilarinho), atualmente em operação, mas também a construção e operação das linhas 2 (Barreiro-Hospitais) e 3 (Savassi- Pampulha), conforme figura 01 abaixo. Figura 01: Linhas integrantes do futuros sistema do METRÔ BH

14 Modelagem econômico-financeira A modelagem econômico-financeira elaborada abordou tanto os custos de operação quanto o montante de investimentos necessários às obras de construção civil, sistemas de telecomunicação, de sinalização e material rodante. Uma das grandes dificuldades de se fazer uma transferência de um sistema federal a um estado federado, é a capacidade deste assumir investimentos e passivos que possam já estar embutidos no negócio. A proposta do governo mineiro, prevê que a União, ao transferir o sistema, repasse R$1,7 bilhão que seriam utilizados basicamente nas obras de construção civil das linhas 2 e 3, além de cobrir a parte do passivo trabalhista da CBTU, uma vez que a transferência desse ônus ao parceiro privado iria inviabilizar o negócio. O Estado de Minas Gerais entraria com recursos da ordem de R$600 milhões a serem pagos a título de contraprestação pecuniária, conforme previsto na Lei de PPPs. O parceiro privado arcaria com investimentos da ordem de R$1,2 bilhão concentrados basicamente em material rodante e sistemas de sinalização e controle, conforme a tabela 02. Tabela 02: Investimentos a serem realizados pela Concessionária (em R$mil) Descrição Ano TOTAL Material rodante Reforma Equipamentos de manutenção Sinalização e controle Obras civis nas estações Linha VLT Vilarinho Despesas préoperacionais TOTAL Investimentos Fonte: SETOP

15 14 Tabela 03: Valores a serem desembolsados por cada parceiro (em R$ milhões) Parceiro Montante Destinação União Estado 600 Privado Obras de construção civil das linhas 2 e 3 Contraprestação pecuniária Material rodante e sistemas de comunicação Fonte: SETOP Segundo o estudo realizado pela SETOP, os montantes necessários para a construção de cada linha seriam os seguintes: Tabela 04: Custo de construção e/ou reforma das linhas Linha Fonte: SETOP Valor (em R$ milhôes) Tipo de intervenção 1 25 Reforma Construção Construção As projeções de demanda podem ser vistas na tabela 05, que evidenciam o número de passageiros pagantes por dia. Tabela 05: Projeções de demanda Passageiros pagantes/dia Linhas Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Linha Linha Linha TOTAL Fonte: SETOP

16 15 Para que o negócio seja viável, os recursos pagos pelo Estado a título de contraprestação pecuniária devem ser de no mínimo R$600 milhões em valor presente ao longo do contrato. No entanto, conforme tabela 06, caso este valor seja maior, a TIR seria mais alta, aumentando a atratividade do negócio e o payback (retorno financeiro) seria obtido mais cedo. Tabela 06: Projeções em função da contraprestação pecuniária Valor da contraprestação pecuniária Anual (R$ milhões) TIR (%) Payback (ano) 50 8, , , ,36 10 Fonte: SETOP Metas operacionais do Metrô BH até 2014 Caso o planejamento para o Metrô BH seja seguido rigidamente, é possível estabelecer as seguintes metas para a Copa do Mundo de 2014: Linha 1: Na primeira fase da concessão, a Linha 1 terá as seguintes metas operacionais a serem atingidas o quarto ano: Comprimento da Linha: 28,2 km; Número de estações operacionais: 19 estações; Número médio de passageiros nos dias úteis: passageiros/dia útil; Intervalos mínimos entre os trens, nos picos nos dias úteis: 4 minutos e 40 segundos; Número máximo de passageiros por hora por sentido no pico da manhã: passageiros/h/sentido;

17 16 Frota de Material Rodante: Formação dos trens: 6 (seis) carros; Trens operacionais nos picos: 21 (vinte e um); Trens reservas (10%): 3 (três); Frota Total: 24 (vinte e quatro) trens 144 (cento e quarenta e quatro) carros. Investimentos Desapropriações necessárias às obras de melhoria nos acessos às estações existentes; Obras Civis e Sistemas Fixos do trecho Eldorado Novo Eldorado; Construção das Estações Nova Rodoviária e Novo Eldorado; Melhorias de Acessibilidade nas estações atuais; Fornecimento de novos equipamentos para a Manutenção e Veículos Ferroviários Auxiliares; Reforma da sinalização e reforço do sistema de energia; Reforma e modernização de 100 carros existentes; Aquisição de 92 novos carros; Modernização dos Sistemas de Telecomunicações; Modernização do Centro de Controle Operacional (CCO). Linha 2 No quarto ano da concessão a Linha 2, trecho Barreiro-Nova Rodoviária, deverá entrar em operação, integrada com a Linha 1, e com as seguintes metas operacionais: Comprimento da Linha: 10 km; Número de estações operacionais: 5 estações; Número médio de passageiros nos dias úteis: passageiros/dia útil; Intervalo mínimo entre os trens, nos picos nos dias úteis: 7 minutos e 30 segundos; Número máximo de passageiros por Hora por Sentido no Pico da Manhã: passageiros/hora/sentido; Frota de Material Rodante: Formação dos trens: 4 (quatro) carros;

18 17 Trens operacionais nos picos: 5 (cinco); Trens reservas (10%): 1 (um); Frota Total: 6 (seis) trens 24 (vinte e quatro) carros. Investimentos: Conclusão das Obras Civis e Via Permanente; Fornecimento do Sistema de Energia; Fornecimento do Sistema de Sinalização e Controle de Trens; Fornecimento do Sistema de Telecomunicações: multimídia, monitoração, comunicação fixa; Fornecimento dos Sistemas Auxiliares: ventilação principal e de salas técnicas, elevadores e escadas rolantes, bombas, Iluminação e detecção de Incêndio; Fornecimento do Sistema de Controle Centralizado e do CCO; Fornecimento do Sistema de Controle de Arrecadação e Passageiros; Aquisição de 28 (vinte e oito) novos carros; Aquisição de equipamentos industriais para complementar o centro de Manutenção de São Gabriel; Aquisição de veículos rodo-ferroviários complementares. Linha 3 (trecho Savassi/ Lagoinha) Investimentos Execução e conclusão das Obras Civis e Via Permanente; Fornecimento do Sistema de Energia; Fornecimento do Sistema de Sinalização e Controle de Trens; Fornecimento do Sistema de Telecomunicações: multimídia, monitoração, comunicação Fixa; Fornecimento dos Sistemas Auxiliares: ventilação principal e de salas técnicas, elevadores e escadas rolantes, bombas, iluminação e detecção de incêndio; Fornecimento do Sistema de Controle Centralizado e do CCO; Fornecimento do Sistema de Controle de Arrecadação e Passageiros; Aquisição de 20 novos carros; Aquisição de equipamentos industriais para o centro de Manutenção Provisório; Aquisição de veículos rodo-ferroviários para execução dos serviços de manutenção da linha.

19 18 VLT Operação, se necessário, do trecho Vilarinho Novo Centro Administrativo do Estado (CAMG), por meio de veículos sobre pneus, sem cobrança adicional de tarifa. Investimentos Execução e conclusão das Obras Civis e Via Permanente; Fornecimento do Sistema de Energia; Fornecimento do Sistema de Sinalização e Controle de Trens; Fornecimento do Sistema de Telecomunicações: multimídia, monitoração, comunicação fixa; Fornecimento dos Sistemas Auxiliares: ventilação principal e de salas técnicas, elevadores e escadas rolantes, bombas, iluminação e detecção de Incêndio; Fornecimento do Sistema de Controle Centralizado e do CCO; Fornecimento do Sistema de Controle de Arrecadação e Passageiros; Aquisição de 4 trens VLT de 2 carros cada; Aquisição de veículos rodo-ferroviários; Construção das estações em Vilarinho e no CAMG.

20 19 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS A alta capacidade de sistemas de transporte urbano por trens, livre da competição por espaço nas vias públicas, proporciona a seus usuários tempos de viagens inferiores à maioria dos demais modos de transporte, além de contribuir para redução de acidentes de trânsito, de despesas com manutenção das vias públicas e do consumo de combustíveis de uma maneira geral. Não somente os usuários destes sistemas, mas toda a sociedade se beneficia com a redução do tempo gasto nas viagens e com a melhoria da qualidade de vida, resultando em tempo livre para atividades como trabalho, lazer, esporte e cultura. A melhoria da qualidade de vida acontece quando há substituição entre modos mais poluentes que utilizam combustíveis fósseis para os modos que se utilizam de energia limpa, o que, ainda, concorre para diminuir a quantidade de veículos em circulação, resultando na redução de congestionamentos e de doenças, como, por exemplo, as respiratórias. Os benefícios decorrentes se contrapõem aos custos com investimentos e operação do sistema. Avaliar a correlação entre estas duas variáveis benefício e custo é fundamental, dada a limitação e o alto custo de oportunidade dos recursos públicos. Um dos instrumentos importantes para a avaliação de projetos de investimentos nos sistemas de transporte diz respeito ao conhecimento dos benefícios que podem ser gerados com as intervenções. Tais benefícios são externalidades das intervenções. Os investimentos em transporte devem gerar benefícios que necessitam, por sua vez, ser devidamente valorados, abordando: As reduções nos custos de conservação das vias melhoradas; As reduções nos custos operacionais dos veículos (ou de tarifas); As reduções nos tempos de percurso dos usuários; As reduções no número de acidentes; Outros benefícios gerados (aumento de velocidade e minimização dos congestionamentos em outras áreas). Os benefícios dos projetos de transporte podem assumir diversas faces: Pode gerar aumento da segurança, com a redução do número de acidentes;

21 20 Pode tornar o transporte mais eficiente, pois, se reduz o consumo de recursos; Pode proporcionar aumentos de produtividade da economia, com aumento da qualidade das viagens. Observa-se que, na maioria das vezes, tais benefícios não são facilmente mensuráveis. Atributos como conforto, conveniência e credibilidade no sistema podem causar dificuldades na valoração, haja vista que têm fortes componentes subjetivos. Para os cálculos dos benefícios da implantação do Metrô em Belo Horizonte, algumas variáveis devem ser utilizadas: Economias de tempo de viagem e de espera, descontado o tempo de transbordo; Economias de combustíveis e com custos operacionais dos veículos; Economias com poluição; Economias com acidentes. As melhorias proporcionadas pelos investimentos em transporte afetam a eficiência do sistema, com impactos nos custos operacionais dos veículos e na velocidade de circulação, afetando, com isso, toda a logística pessoal e empresarial. A expressão de maior relevância de uma intervenção desta natureza são os impactos nos tempos de circulação. Com menor dispêndio de tempo e associado a sua maior previsibilidade, os usuários de um sistema de transporte poderão planejar de forma mais efetiva suas ações, significando para as empresas reduções de custos logísticos expressivos, tais como redução da frota e dos níveis de estoque, e para os usuários em geral, maior disponibilização de tempo para outras atividades profissionais, com aumento de renda e produção, e pessoais que impactam, na qualidade de vida. Pode-se indicar algumas variáveis que podem expressar os valores econômicos de tais benefícios, a saber: Poupança em virtude de redução de tempo das viagens, com aumento da velocidade operacional ou redução de congestionamentos; Poupança com o uso de veículos mais eficientes; Poupança advinda da maior previsibilidade e credibilidade do tempo estimado das viagens;

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e Marcus Vinicius Macedo Pessanha Sócio Coordenador de Direito Regulatório Escritório Nelson Wilians e Advogados

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA, sobre o Ofício S nº 9, de 2011 (Ofício GS nº 2.097, de 22 de novembro de 2010, na origem), da Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado

Leia mais

INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO

INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO Fonte: Relatório 2001 do Governo do Estado de SP O sistema metroviário de São Paulo paga suas operações e ainda devolve aos cofres do Estado os investimentos realizados.

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo

Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo Metrô em elevado com extensão de 9,3 Km com rede elétrica aérea, sinalização, bilhetagem eletrônica, escadas rolantes Quatro Estações de Passageiros

Leia mais

AS/DEURB. 2 Seminário de Trólebus. Instituto de Engenharia SP. 14 de maio de 2013

AS/DEURB. 2 Seminário de Trólebus. Instituto de Engenharia SP. 14 de maio de 2013 AS/DEURB 2 Seminário de Trólebus Instituto de Engenharia SP 14 de maio de 2013 Carlos Malburg Gerente Setorial de Mobilidade Urbana cmalburg@bndes.gov.br Transporte (recentes) Principais Contratações Metro

Leia mais

Infraestrutura, Segurança e PPPs

Infraestrutura, Segurança e PPPs www.pwc.com Infraestrutura, Segurança e PPPs Dezembro, 2011 Agenda - Características de uma PPP - Alguns Projetos de PPP no Brasil - Exemplos de PPP em Infraestrutura e Segurança 2 Características de uma

Leia mais

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas.

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. O Povo de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte

Leia mais

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA Autores: Eng Sérgio Piccinelli Eng Carlos Henrique Machado Edição: José Carlos Lada Outubro / 2014 Formas de Contratação pela Administração 1) Contratação Direta (Formas de

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 Frota antiga e tecnologia obsoleta; Serviço irregular de vans operando em todo o DF 850 veículos; Ausência de integração entre os modos e serviços; Dispersão das linhas;

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO POTENCIAL DE PPPs NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RILEY RODRIGUES Conselho Empresarial de Infraestrutura Sistema FIRJAN Principais desafios Os programas precisam ser estruturados, dentro de seus setores, como

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

desafios para o sistema de mobilidade sustentável no estado de minas gerais

desafios para o sistema de mobilidade sustentável no estado de minas gerais desafios para o sistema de mobilidade sustentável no estado de minas gerais Subsecretaria de Regulação de Transportes maio / 2015 Secretaria de Desenvolvimento Econômico Secretaria de Desenvolvimento Urbano

Leia mais

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014 O que o Brasil já ganhou com a Copa 2 O que o Brasil já ganhou com a Copa Investimentos A Copa do Mundo é um grande investimento para todos brasileiros Os únicos

Leia mais

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 Agenda Crescimento de Manaus Solução de mobilidade urbana Resumo do projeto do monotrilho Resumo do projeto do BRT Quadro 2 Agenda Crescimento

Leia mais

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública.

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública. Pág.1 de 11 1. O QUE SÃ O PPPs? São modalidades especiais de concessão por meio da qual a Administração Pública delega a um particular a prestação de um serviço público, com ou sem construção de obra,

Leia mais

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral Governo do do Amazonas Secretaria de de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Sistema de Planejamento, Orçamento e Gestão do do Amazonas SPLAM Pág. 3 de 2001 - da 25000 - Secretaria de de Infraestrutura

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013

57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013 Araxá, 08/03/13 57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013 O Futuro do Transporte Urbano nas Cidades de Pequeno e Médio Porte Compete à União: XX instituir diretrizes

Leia mais

Programa de Descentralização da Gestão dos Trens Urbanos

Programa de Descentralização da Gestão dos Trens Urbanos Programa de Descentralização da Gestão dos Trens Urbanos O que é Objetivos Modelo Estratégia do Modelo Adotado Implementação Crítica Proposta de um novo modelo Execução orçamentária dos trens metropolitanos

Leia mais

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2 Municípios Habitantes PIB (Regional) Comércio e Serviços 39 18,6 milhões 10,5% população Brasileira R$ 244 Bilhões 15,7% PIB Brasileiro

Leia mais

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre o Programa Municipal de Parcerias Público- Privadas. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO TRANSPORTE COLETIVO M. Eng. André Cademartori Jacobsen Especialista em Benchmarking Associação Latino-americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT) 28/Nov/2012

Leia mais

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Mobilidade Urbana Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Apresentação A política de desenvolvimento urbano é estratégica para a promoção de igualdade de oportunidades, para a desconcentração

Leia mais

BRT em Belo Horizonte Melhoria da Mobilidade para a Copa 2014

BRT em Belo Horizonte Melhoria da Mobilidade para a Copa 2014 BRT em Belo Horizonte Melhoria da Mobilidade para a Copa 2014 Situação Atual População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da RMBH: 4,5 milhões de habitantes 3,8 milhões de viagens/dia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011)

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) Dispõe sobre a obrigatoriedade de existência de Pontos de Apoio nas rodovias e dá outras providências.

Leia mais

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Sumário 1. Dados da SAC sobre o Setor Aeroportuário 2. Plano Geral de Outorgas

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB)

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. SEMOB 2. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA 3. PPA DA UNIÃO 2012-2015 4. PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO

Leia mais

DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS DESMISTIFICANDO AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS UMA IMPORTANTE ALTERNATIVA PARA O AVANÇO DA INFRAESTRUTURA BRASILEIRA Daniel R. Figueiredo Especialista em Estruturação de Projetos de PPP e Concessões 26/08/2015

Leia mais

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE NCERTEZA E SUA APLICAÇÃO

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS INFRAESTRUTURA, REDES DE SERVIÇOS E CIRCULAÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS INFRAESTRUTURA, REDES DE SERVIÇOS E CIRCULAÇÃO ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS INFRAESTRUTURA, REDES DE SERVIÇOS E CIRCULAÇÃO 1) Transporte e obras públicas Minas Gerais é um Estado que tem grande extensão territorial, localização

Leia mais

Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro:

Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro: Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro: A - SeMOB participa do Convênio em questão na condição de Concedente. O Convênio n 00112008 foi celebrado em 30/12/2008

Leia mais

Perspectivas do Trem de Alta Velocidade

Perspectivas do Trem de Alta Velocidade Perspectivas do Trem de Alta Velocidade Bernardo Figueiredo Julho/2013 TRENS DE ALTA VELOCIDADE Segurança: Trem de Alta Velocidade é mais seguro. AVIÃO Número de mortes por bilhão de passageiro/km RODOVIA

Leia mais

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades.

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. A Política de Mobilidade Urbana no desenvolvimento das cidades! AS CIDADES País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. Processo de urbanização caracterizado pelo

Leia mais

Modelo de Concessão da Infra- Estrutura Aeroportuária. ria. Ministério da Defesa Secretaria de Aviação Civil

Modelo de Concessão da Infra- Estrutura Aeroportuária. ria. Ministério da Defesa Secretaria de Aviação Civil Modelo de Concessão da Infra- Estrutura Aeroportuária ria Ministério da Defesa Secretaria de Aviação Civil 1. Contexto institucional 2. Determinação legal 3. Política Nacional de Aviação Civil e a concessão

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima PSTM - Parte 2: Mobilidade Urbana /

Leia mais

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs)

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Organização: Unidade de Parcerias Público-Privadas - Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP) Vitória, 26.11.2010 Objetivos do Curso Apresentar

Leia mais

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 O espaço urbano como bem ambiental. Aspectos ambientais do Estatuto da cidade garantia da qualidade de vida. Meio ambiente natural; Meio ambiente cultural; Meio ambiente

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de BH

Plano de Mobilidade Urbana de BH 4 a 7 de junho de 2013 Hotel Ouro Minas Plano de Mobilidade Urbana de BH Ramon Victor Cesar Presidente de BHTRANS Contexto do PlanMob-BH: Cenários, diagnóstico e prognósticos Desafio 1: como articular

Leia mais

TAV BRASIL (RIO DE JANEIRO SÃO PAULO CAMPINAS)

TAV BRASIL (RIO DE JANEIRO SÃO PAULO CAMPINAS) TAV BRASIL (RIO DE JANEIRO SÃO PAULO CAMPINAS) 11 Ligação Rio São Paulo - Antecedentes No final da década de 90 o Governo Brasileiro com a cooperação do Governo Alemão realizou estudo de alternativas para

Leia mais

PPP Parcerias Público-Privadas. Gustavo Eugenio Maciel Rocha Leonardo Grilo

PPP Parcerias Público-Privadas. Gustavo Eugenio Maciel Rocha Leonardo Grilo PPP Parcerias Público-Privadas Gustavo Eugenio Maciel Rocha Leonardo Grilo Curso Parcerias Público-Privadas Governo Espírito Santo 26/11/2010 SUMÁRIO O que são PPPs e como surgiram PPPs no Brasil (legislação

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ÀS PRIVADAS

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ÀS PRIVADAS LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ÀS PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS Segundo a Lei Federal 11.079/04, a Parceria Público-Privada é um contrato administrativo de concessão, na modalidade patrocinada ou administrativa: Patrocinada

Leia mais

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS.

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. O Governador do Estado de Minas Gerais, no uso de atribuição que lhe confere o artigo 90, inciso VII, da Constituição do Estado,

Leia mais

www.supervia.com.br 1

www.supervia.com.br 1 www.supervia.com.br 1 Trens Urbanos no Rio de Janeiro Histórico Antes da privatização, sob condições de transporte inadequadas, o número de passageiros caiu consistentemente Média de passageiros dias úteis

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Belo Horizonte. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Belo Horizonte. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Belo Horizonte Setembro/2013 Belo Horizonte: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

DIRETORIA DE TRANSPORTES

DIRETORIA DE TRANSPORTES O que é concessão? É o instrumento previsto em Lei que possibilita a transferência da execução de determinado serviço público a particulares, através da celebração de um contrato, por prazo certo e determinado,

Leia mais

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2011/2012

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2011/2012 BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2011/2012 Pela 1ª vez o setor se reúne para divulgar seus números, que refletem a importância dos trilhos para a mobilidade dos brasileiros Aumento de 20% no número de

Leia mais

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2

Dados de Porto Alegre. População: 1.409.351 habitantes. Área: 496,682 km2 AUDIÊNCIA PÚBLICA Dados de Porto Alegre População: 1.409.351 habitantes Área: 496,682 km2 Figura 1. Localização do Município de Porto Alegre e dos demais municípios integrantes da RMPA. Legislação Aplicável:

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização

Projetos de Expansão e Modernização Projetos de Expansão e Modernização Março/2012 Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco da Rocha Caieiras REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Itaquaquecetuba Osasco Barueri São

Leia mais

Prof. Murillo Sapia Gutier. www.murillogutier.com.br

Prof. Murillo Sapia Gutier. www.murillogutier.com.br Prof. Murillo Sapia Gutier www.murillogutier.com.br é acordo firmado entre Administração Pública e pessoa do setor privado; Objetivo: implantação ou gestão de serviços públicos, com eventual execução de

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Waldir Peres Superintendente Agência Metropolitana de Transportes Urbanos São Paulo Setembro de 2011 Plano Geral Rio

Leia mais

GESTÃO METROPOLITANA DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

GESTÃO METROPOLITANA DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE GESTÃO METROPOLITANA DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE CONSÓRCIO DE TRANSPORTES DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE PARA QUE O CONSÓRCIO? Aperfeiçoar a gestão

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador JOSÉ SERRA PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 Altera a Lei nº 11.314, de 3 de julho de 2006, que dispõe sobre o prazo referente ao apoio à transferência definitiva

Leia mais

Privadas O Projeto de Lei em tramitação

Privadas O Projeto de Lei em tramitação BNDES BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Parcerias Público-Privadas Privadas O Projeto de Lei em tramitação MAURÍCIO PORTUGAL RIBEIRO CONSULTOR JURÍDICO DA UNIDADE DE PPP DO MINISTÉRIO

Leia mais

TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV

TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV Encontro Econômico Brasil - Alemanha 2009 Cooperação para o Crescimento e Emprego Idéias e Resultados TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV Secretaria de Política Nacional de Transportes / MT - Engº Marcelo Perrupato

Leia mais

Agenda da Mobilidade Urbana - ABDIB

Agenda da Mobilidade Urbana - ABDIB ESTUDOS E PESQUISAS Nº 639 Agenda da Mobilidade Urbana - ABDIB Ricardo A. M. Castanheira * Fórum Nacional (Sessão Especial) O Brasil que Queremos Nova Grande Concepção: Sair da Crise e Enfrentar os Desafios

Leia mais

DECRETO Nº 156, DE 20 DE JULHO DE 2012. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA, no uso de suas atribuições

DECRETO Nº 156, DE 20 DE JULHO DE 2012. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA, no uso de suas atribuições DECRETO Nº 156, DE 20 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o Decreto Municipal de nº 076/2005 que institui a Bilhetagem Eletrônica no Município de Petrolina-PE, bem como a Lei nº 1.123/2002 e o Decreto 90/2002,

Leia mais

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS 9 PROJETO DE LEI Institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada, no âmbito da administração pública. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO)

LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO) LEI COMPLEMENTAR Nº 326, DE 4 DE OUTUBRO DE 2000 (AUTORIA DO PROJETO: PODER EXECUTIVO) Publicação: DODF nº 192 de 5/10/2000 PÁG.01 e 02. Regulamentada pelo Decreto nº 21.933, de 31/01/2001 DODF nº 23,

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS III Fórum Brasileiro sobre a Reforma do Estado Carlos Ari Sundfeld SITUANDO O TEMA DA PPP escassez de recursos orçamentários para projetos de alto custo déficit de projetos

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO outubro 2013 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Em atendimento à Lei Federal 12.587 Institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

Veja a íntegra da lei 12.587/2012. Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012.

Veja a íntegra da lei 12.587/2012. Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012. A presidente Dilma Rousseff sancionou com vetos a lei nº 12.587/2012, que institui no país as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, publicada no DOU (Diário Oficial da União), nesta quarta-feira

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini)

PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini) PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini) Institui as diretrizes da Política Metropolitana de Mobilidade Urbana (PMMU), cria o Pacto Metropolitano da Mobilidade Urbana

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a criação do Serviço Social do Transporte Ferroviário - SESF e altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.706, de 14 de setembro de 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º

Leia mais

MODELO DE CARTA-CONSULTA PAC 2 MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE

MODELO DE CARTA-CONSULTA PAC 2 MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE MODELO DE CARTA-CONSULTA PAC 2 MOBILIDADE MÉDIAS CIDADES IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Proponente: Município Beneficiado: Estado: Nome Entidade: CNPJ: Endereço da Sede: CEP: Tel/Fax: Representante Legal:

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima PSTM - Parte 2: Mobilidade Urbana /

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA Seminário Internacional sobre Cidades Inteligentes, Cidades do Futuro Comissão de Desenvolvimento Urbano CDU Câmara dos Deputados A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília 06

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana

Política Nacional de Mobilidade Urbana Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Política Nacional de Mobilidade Urbana SIMT - Seminário Internacional Mobilidade e Transportes Agosto 2013 Estrutura

Leia mais

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA MOBILIDADE URBANA EM REGIÕES METROPOLITANAS Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA Marco Aurélio Spall Maia Diretor Presidente TRENSURB-Porto Alegre Região Metropolitana

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

Mobilidade urbana: realidade e perspectivas

Mobilidade urbana: realidade e perspectivas Mobilidade urbana: Josef Barat realidade e perspectivas Fórum Nordeste 2030 Visão Estratégica Recife, 14 de Agosto de 2013 Importância da mobilidade urbana Econômica: Necessária para o bom desempenho das

Leia mais

ANEXO V PLANO DE NEGÓCIOS. VOLUME I Diretrizes do Plano de Negócios. VOLUME II Plano de Negócios Quadros Financeiros

ANEXO V PLANO DE NEGÓCIOS. VOLUME I Diretrizes do Plano de Negócios. VOLUME II Plano de Negócios Quadros Financeiros ANEXO V PLANO DE NEGÓCIOS VOLUME I Diretrizes do Plano de Negócios VOLUME II Plano de Negócios Quadros Financeiros 1 1. INTRODUÇÃO O objetivo deste Anexo é estabelecer as Diretrizes do Plano de Negócios,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para

A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos No Brasil há necessidade de conscientização e cumprimento de Decretos e Leis para a promover acessibilidade e inclusão social

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Lei nº 7.915, de 08 de janeiro de 2001. Altera o texto da Lei nº 7.893, de 19 de dezembro de 2000 e seus anexos, que estima a receita e fixa a despesa do Estado do Rio Grande do Norte para o exercício

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012.

LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012. LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012. Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana; revoga dispositivos dos Decretos-Leis n os 3.326, de 3 de junho de 1941, e 5.405, de 13 de abril

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309

NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: REMOÇÃO DE DIRIGENTES E EMPREGADOS APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 71, de 25/05/2015 VIGÊNCIA: 25/05/2015 NORMA DE REMOÇÃO NOR 309 1/7 SUMÁRIO 1. FINALIDADE...

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais