DOENÇA DIVERTICULAR DOS CÓLONS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOENÇA DIVERTICULAR DOS CÓLONS"

Transcrição

1 1 DOENÇA DIVERTICULAR DOS CÓLONS Flávio Antonio Quilici Lisandra Carolina Marques Quilici INTRODUÇÃO Os divertículos que acometem os cólons são classificados de acordo com sua origem em congênitos e adquiridos. Os congêntios são formados por todas as camadas da parede cólica, por isso chamados de verdadeiros, com baixa incidência e de localização preferencial no cólon direito. Os adquiridos ocorrem pela herniação da mucosa, por pulsão, através da camada muscular da parede cólica. São considerados falsos divertículos e responsáveis pela enfermidade denominada Doença Diverticular dos Cólons. Essa doença é uma das mais freqüentes nos países industrializados do Ocidente e pouco comum nos países subdesenvolvidos da África e da Ásia. Sua real incidência é desconhecida no Brasil, raramente encontrados antes da terceira década de vida, com aumento significante a partir da quinta década, atingindo até 50% dos indivíduos após a sétima e 66% após a oitava, segundo estudos radiológicos e de necropsia. Não há predominância em relação ao sexo. Apesar da etiologia do divertículo adquirido estar relacionada a fatores desencadeantes que incidem sobre o cólon, pode coexistir predisposição constitucional, pela ocorrência, em alguns doentes, da tríade de Sanit, caracterizada pela a- ssociação de divertículos cólicos com hérnia do hiato e colelitíase. O termo diverticulite define a presença de inflamação no divertículo e o diverticulose, a existência de divertículos sem processo inflamatório. Como são expressões que podem causar questionamentos, a preferência atual é a denominação genérica de Doença Diverticular dos Cólons. ETIOPATOGENIA Seus fatores etiopatogênicos mais aceitos são: idade do doente (envelhecimento) alterações do colágeno e de elastina na submucosa cólica aumento da pressão intracolônica modificação da motilidade dos cólons pouca ingestão de fibras. O divertículo adquirido é formado por uma parte sacular, externa à parede cólica, denominada corpo, e por um colo, que é o trajeto de comunicação deste com a luz intestinal. Apresenta tamanho variável e localiza-se em fileira junto aos apêndices epiplóicos, entre a tênia mesentérica e as duas antimesentéricas. O reto com freqüência está poupado. Os divertículos podem ficar cobertos pelos apêndices epiplóicos e gordura pericólica e não serem visíveis externamente.

2 2 A alteração muscular da parede cólica é a afecção mais importante dessa doença e sempre precede o desenvolvimento dos divertículos, constituindo-se no fator desencadeante da herniação da mucosa cólica, por pulsão, através da camada muscular, com duas formas de apresentação: uma evidenciada pelo espessamento dessa camada muscular, denominada hipertônica e outra, na qual a musculatura apresenta-se adelgaçada, caracterizando o formato hipotônico. Com freqüência, os doentes são acometidos pelas duas alterações, configurando a forma mista e manifestando o quadro de clínico de ambas. Os conhecimentos fisiopatológicos, a medida da pressão intraluminal dos cólons, a visão endoscópica e os estudos da musculatura da parede cólica possibilitam diagnosticar e diferenciar essas duas formas da diverticulose. Diverticulose forma hipertônica È a de manifestação menos freqüente e, como referido, caracteriza-se pelo espessamento da musculatura da parede cólica que se encontra aumentada em até duas a três vezes do normal. Estudos evidenciaram que ele decorre da contração permanente das túnicas musculares, longitudinal e circular, acarretando inclusive seu encurtamento. Se permanente, ocasiona a segmentação cólica e a formação de câmaras de hipertensão, separadas entre si por diafragmas musculomucosos. A medida da pressão intracolônica revela, nestas áreas, ondas de contração muito elevadas. O aparecimento das câmaras de hipertensão pode produzir maior pressão intraluminar, a qual provoca a ruptura das fibras musculares da parede cólica e, através dessa, pela força de pulsão existente, acontecer a herniação da mucosa, originando os divertículos hipertônicos. Estes têm seu corpo externo em formato de pêra ou raquete e se comunicam com a luz cólica por um óstio pequeno, através de um colo estreito e alongado por entre as fibras musculares espessadas. A forma hipertônica da diverticulose está restrita ao cólon esquerdo, em especial, ao sigmóide, apresentando diminuição importante da luz intestinal e redução do seu comprimento, ficando o segmento como que sanfonado. Apesar de sua etiologia ser controversa, há uma forte relação entre a dieta pobre em fibras e da influência dos fatores emocionais, com o aparecimento dessa forma diverticular e suas crises de agudização. A falta de fibras na dieta aumenta o tempo do trânsito intestinal, maior absorção de água e endurecimento das fezes, que requerem contração intestinal mais intensa para serem movimentadas e defecadas, podendo estimular a excessiva segmentação do cólon e, como conseqüência, o aparecimento dos divertículos por pulsão. Esses divertículos têm maior tendência à complicação por apresentarem colo estreito, o que possibilita a impactação fecal no interior do corpo diverticular, dificultando seu esvaziamento e ocasionando sua obstrução (Quadro 1). QUADRO 1 Doença diverticular dos cólons: complicações Forma hipertônica Perissigmoidite Abscesso intramural ou pericólico Fístulas internas Colovesical Coloentérica

3 3 Colovaginal Fístulas externas Colocutânea Coloperineal Obstrução intestinal Perfuração em peritônio livre Forma hipotônica Hemorragia diverticular Perfuração em peritônio livre Na hipótese de obstrução persistente desses divertículos, pode ocorrer a microperfuração do seu corpo, dando origem a um processo inflamatório peridiverticular, confinado à gordura pericólica e, com freqüência, evoluindo para perissigmoidite, que é o seu primeiro estádio. Raramente acontece perfuração diverticular para peritônio livre. O processo inflamatório perissigmóideo tende a progredir e originar um abscesso intramural ou pericólico. Quando este se propaga aos tecidos circunvizinhos, produz periviscerite, possibilitando o aparecimento de fístulas internas do cólon com órgãos adjacentes, como bexiga, intestino delgado e vagina ou externas, com a parede abdominal ou perineal. Outra complicação da forma hipertônica é a obstrução intestinal, causada pela estenose fibrótica com diminuição da luz cólica por episódios repetidos de perissigmoidite, edema e inflamação de abscesso pericólico, com compressão extrínseca ou por angulação do intestino delgado por bloqueio e aderência no sigmóide inflamado. Habitualmente, essa obstrução é incompleta, caracterizando um quadro de suboclusão intestinal. Diverticulose - forma hipotônica É a de ocorrência mais freqüente. As camadas musculares, longitudinal e circular, da parede cólica, encontram-se adelgaçadas e as pregas mucosas frouxas e pouco salientes, provavelmente resultante do enfraquecimento do intestino devido às alterações no tecido conjuntivo e ao depósito de elastina na camada muscular, observados nos idosos. Essa deficiência muscular dificulta a progressão das fezes que, na maioria das vezes, encontram-se endurecidas e desidratadas pela dieta e hábitos de vida inadequados. Alguns autores sugerem que a forma hipotônica da doençaé meramente um processo degenerativo, concomitante ao envelhecimento do indivíduo. O orifício anatômico de penetração da artéria na camada muscular da parede cólica pode encontrar-se alargado, devido à própria fraqueza muscular ou associado à aterosclerose, especialmente nos idosos. Qualquer aumento de pressão intracolônica, como a constipação crônica característica do paciente com idade avançada ou o provocado pelo uso prolongado de laxativos, pode ocasionar uma força de pulsão, que provoca a herniação da mucosa pelo orifício de penetração da artéria, originando os divertículos, chamados hipotônicos. São encontrados difusamente em todos os segmentos cólicos e têm o corpo com formato arredondado, globoso, que se comunica com a luz intestinal por meio de um óstio amplo, através de um colo curto e largo. Essa forma de manifestação da diverticulose pode estar relacionada ao envelhecimento fisiológico do indivíduo, que ocasiona o adelgaçamento da muscu-

4 4 latura cólica, deixando-a tênue e hipotônica e, por esta razão, com maior incidência nas faixas etárias mais altas. Suas complicações são hemorragia e perfuração (Quadro 1). O sangramento é atribuído à lesão das arteríolas que acompanham a herniação da mucosa que forma o divertículo hipotônico. Devido ao seu óstio amplo, é comum a impactação fecal no interior do corpo diverticular e esse fecalito pode provocar lesão em sua mucosa e pela proximidade anatômica, também da arteríola que o acompanha, ocasionando seu sangramento. A perfuração é rara e relacionada à compressão de um fecalito, impactado no interior do corpo diverticular, levando à ulceração isquêmica da mucosa e conseqüente perfuração para peritônio livre. QUADRO CLÍNICO A simples presença dos divertículos no cólon é assintomática. Quando presentes, as queixas são conseqüência das mesmas causas que os originam, assim como das suas complicações. Forma hipertônica Inicialmente, quando há contração permanente da musculatura cólica, há referência de dor em cólica na fossa ilíaca esquerda ou região suprapúbica, de intensidade variável, que normalmente aumenta após as refeições e alivia com a eliminação de gases ou fezes. Pode estar ou não associada à dificuldade de evacuar e o bolo fecal nas formas de fita ou em cíbalos. Ao exame físico, à palpação profunda abdominal da fossa ilíaca esquerda, pode-se reconhecer o cólon sigmóide doloroso, porém de paredes normais. Alguns pacientes chegam a apresentar sintomas crônicos e intermitentes, com dor, desconforto abdominal e alteração do hábito intestinal, sendo comum a obstipação que irá tornarse mais freqüente e prolongada, de acordo com o grau de diminuição da luz do cólon e acompanhada de distensão abdominal. Numa fase posterior, após o aparecimento das câmaras de hipertensão na parede intestinal (sigmóide), acentuando a segmentação cólica, a dor é mais intensa e constante, localizando-se no quadrante inferior esquerdo do abdome, podendo irradiar-se à parte inferior das costas, aos órgãos pélvicos e ao períneo. Nesta fase, há grande número de divertículos que, devido ao seu formato, têm chance de acumular secreções e/ou fecalitos em seu interior, obstruir seu cólo estreito, originando um processo inflamatório pericólico, que acentua a dor e favorece a fixação da víscera à pelve, à parede abdominal, à bexiga ou até mesmo ao útero e à vagina, na mulher. Anorexia, náusea, vômito ou distensão abdominal são sintomas que se associam ao íleo ou a obstrução colônica parcial, resultantes da pericolite. O aparecimento de sintomas geniturinários ou ginecológicos pode levar à confusão diagnóstica com doenças dessas áreas. A fixação do sigmóide ao fundo-de-saco de Douglas causa tenesmo constante retal e dor irradiada ao períneo anterior. O toque do reto é freqüentemente doloroso. A perissigmoidite aguda é a complicação mais comum, até mesmo o primeiro sintoma da doença em até dois terços dos pacientes. É suspeitada pela presença de

5 5 um ou mais dos sintomas: dor intensa na fossa ilíaca esquerda, febre, calafrio, taquicardia e reação peritoneal. No exame hematológico o número de leucócitos polimorfonucleares está aumentado e o índice de sedimentação se eleva. A dor tende a ser constante e pode irradiar-se para as costas, para o flanco esquerdo, virilha e pernas. Alteração do ritmo da evacuação, diarréia ou a parada de eliminação de gases e fezes, costuma estar presente. A intensidade e a duração dos sintomas são variáveis, dependendo se o processo inflamatório é localizado ou difuso. Com a evolução da doença diverticular hipertônica, o cólon esquerdo encurta, a luz intestinal quase desaparece e as câmaras de hipertensão podem levar à suboclusão cólica. A intensificação do processo inflamatório pericólico pode transformar o sigmóide em uma grande massa inflamatória. Como esse cólon já se encontra fixo à pelve ou à fossa ilíaca esquerda, essa tumoração é facilmente palpável e extremamente dolorosa. Na sequência, esse processo inflamatório pode evoluir para um abscesso intramural ou pericólico, sendo este último mais freqüente. A drenagem espontânea desses abscessos para a cavidade abdominal é rara e produz peritonite bacteriana de alta morbimortalidade. Entretanto, como geralmente essa inflamação é lenta e o cólon esquedo, em especial o sigmóide, já se encontra aderido às estruturas circunvizinhas, pode haver a drenagem do abscesso para elas, originando as fístulas do sigmóide para a bexiga, colovesicais e as coloentéricas, colovaginais, colocutâneas ou coloperineais. Seu quadro clínico é geralmente grave, com dor intensa e contínua, sinais de irritação peritoneal, disúria, tenesmo, dismenorréia e obstipação. Os pacientes podem estar em condições gerais razoáveis, ou se encontrar em choque séptico, de acordo com o tipo e tempo de perfuração e a idade do doente. As fístulas colovesicais são as mais freqüentes, sendo as mulhéres menos afetadas, devido à posição anatômica do útero e seus anexos dando proteção à bexiga. O início dos seus sintomas é geralmente insidioso, com queixas leves de disúria e pneumatúria, podendo evoluir para um quadro agudo com febre alta, dor abdominal, infecção urinária e fecalúria. As fístulas coloentérica e colovaginal são raras. A colovaginal ocorre quase exclusivamente em mulheres que se submeteram à histerectomia e manifesta-se com secreção fecalóide vaginal, além dos gases intestinais expelidos pela vagina. O quadro clínico do abscesso perissigmóideo pode acontecer subitamente ou ser precedido por alguns dias de crise de perissigmoidite aguda menos intensa, em que os sintomas não cederam ou aumentaram, apesar do tratamento clínico. A demora no diagnóstico e no tratamento é acompanhada de alta taxa de morbimortalidade. É comum haver suboclusão intestinal em pacientes portadores da forma hipertônica de longa evolução, sendo raro seu agravamento para a obstrução aguda. Quando ocorre, deve-se sempre diferenciar do carcinoma do cólon. A perfuração do divertículo hipertônico para peritônio livre é infreqüente e produz peritonite fecal grave. Comumente, os doentes desenvolvem choque séptico. A diverticulose hipertônica raramente acarreta lesões na mucosa cólica e, portanto, é incomum episódios de sangramento intestinal. Forma hipotônica

6 6 A doença hipotônica é freqüentemente assintomática e, quando existem sintomas, eles são decorrentes de enfermidades concomitantes. Os mais referidos são distensão ou incômodo abdominal e dificuldade evacuatória ocasionados pela constipação intestinal, particularmente no idoso. Apesar de não existir um quadro clínico característico para a forma hipotônica, pode haver, conforme já exposto, dois tipos de complicações: hemorragia e perfuração. A real incidência dessas complicações é desconhecida e não existe qualquer sinal que possibilite prever qual paciente é suscetível a elas. A hemorragia parece depender da concomitância de outras enfermidades, tais como a aterosclerose, hipertensão arterial e diabetes. É um sangramento do tipo arterial e atribuído à lesão da arteríola que acompanha a herniação da mucosa que forma o divertículo hipotônico. Essa enterorragia é freqüentemente copiosa, indolor e sem pródromos. O quadro clínico do sangramento é de um episódio agudo, em alguns casos com sangue vermelho rutilante, podendo ou não haver coágulos, e em outros com melena. Habiualmente, o doente permanece relativamente estável, o que possibilita sua avaliação criteriosa. Habitualmente a hemorragia cessa espontaneamente, fato que ocorre em aproximadamente 95% dos pacientes. No entanto suas recidivas são comuns. São poucos os que necessitam de transfusão sanguínea. Os casos de sangramento maciço são raros e, quando ocorrem, podem levar o doente ao choque hipovolêmico e considerar indicação para cirurgia de urgência. Vários estudos angiográficos e de peças cirúrgicas verificaram que o sangramento mais comum era proveniente de divertículo localizado no cólon direito. A perfuração do divertículo na forma hipotônica da moléstia é rara e pode acontecer em qualquer localização cólica. Ela ocorre em peritônio livre e causa peritonite fecal, extremamente grave, com choque septicêmico precoce e mortalidade elevada. DIAGNÓSTICO No diagnóstico da doença diverticular deve-se valorizar a anamnese, o exame físico geral e especializado, os exames laboratoriais, e por imagem que facilmente diferenciam suas formas hipotônica, hipertônica ou mista, suas complicações e as possíveis doenças concomitantes (Quadro 2). QUADRO 2 Doença diverticular dos cólons: diagnóstico Anamnese Exame físico geral e especializado Exames laboratoriais Exames endoscópicos Exames por imagem Forma hipertônica Por ser enfermidade que produz alterações morfológicas ao cólon, o método propedêutico de escolha é o radiológico, por exame contrastado (enema opaco). Ele demonstra na sua fase inicial as mudanças típicas da diverticulose hipertônica, com

7 7 deformidade segmentar e espasmo acentuado do cólon esquerdo e, em especial, a irregularidade do cólon sigmóide. Normalmente, evidencia os divertículos hipertônicos em forma de pêra ou raquete e nas fases avançadas, a presença de trajetos fistulosos entre o cólon e órgãos circunvizinhos. A presença de abscesso perissigmóideo e da perfuração diverticular bloqueada é, raramente, diagnosticada por esse método. Nessa forma hipertônica, a radiografia dos cólons nem sempre permite uma avaliação adequada da luz intestinal, devido ao espasmo existente, ocasionando resultados falso-negativos, principalmente em pacientes com doenças concomitantes como pólipos e/ou câncer. Alguns autores sugerem poder-se diagnosticar a moléstia em um estádio prédiverticular, caracterizado pela presença, no enema opaco, de serrilhamento fino ou mesmo irregularidade grosseira da parede cólica. A radiografia simples do abdome é indicada nos doentes com abdome agudo e suspeita de perfuração diverticular não-bloqueada (presença de pneumoperitônio) ou com sinais de obstrução intestinal. Ao toque retal pode-se sentir a presença de tumoração pélvica. A retossigmoidoscopia é geralmente difícil, devido às alterações do cólon sigmóide que dificultam a progressão do aparelho além da junção retossigmoideana. Entretanto, sua realização é importante para a exclusão de enfermidade anorretal associada. A colonoscopia, no paciente com a forma hipertônica, freqüentemente, mostra uma mucosa de coloração e aspecto normais. A progressão do aparelho é lenta e as manobras de introdução, geralmente mais dolorosas. É no cólon sigmóide que se observam as alterações mais significativas, com a presença de estreitamento da luz intestinal e a mucosa formando dobras para o interior do lúmen, septando-a. Os óstios diverticulares apresentam-se pequenos não sendo observados com facilidade. Sua importância está em possibilitar o diagnóstico diferencial com doenças inflamatórias localizadas, especialmente a colite de Crohn, e a concomitância com lesões vegetantes, como pólipos e câncer. Nos pacientes com a forma hipertônica que apresentam sangramento intestinal, diminuto ou copioso, a colonoscopia é o primeiro procedimento a ser realizado, pois permite a adequada avaliação da mucosa cólica para identificação do sangramento. Com a progressão da enfermidade e intensificação da segmentação cólica, o exame radiológico demonstra um cólon de aspecto endurecido, com paredes rígidas, e os divertículos facilmente identificáveis. A colonoscopia, nesta fase, mostra um cólon de luz estreitada, com membranas mucosas espessas e endurecidas, sendo a progressão do colonoscópio dolorosa, mesmo com o uso de antiespasmódicos. Estando o sigmóide aderido ao fundo-de-saco de Douglas ou à fossa ilíaca esquerda, o aparelho progride com muita dificuldade e as manobras mais abruptas ocasionam dor intensa e podem esgarçar o ângulo retossigmóideo, com alto risco de perfuração. Os óstios diverticulares permanecem pequenos e a mucosa pode apresentar áreas de enantema ao seu redor. Na suspeita de abscesso intramural ou pericólico, a ecografia pode ser útil, mas é o exame de escolha é a ressonância magnética. A colonoscopia e o enema opaco, nesse momento, estão contra-indicados devido à morbidade que podem acarretar. A ecografia e, em especial, a ressonância magnética abdominal são métodos que

8 8 permitem detectar a presença do processo inflamatório diverticular, a hipertrofia da parede cólica e do abscesso, sua extensão e volume. Porém, a ressonância é, também, eficaz para detectar abscessos entre as alças intestinais ou abscessos com a presença de gases e sua infiltração retroperitoneal e sua relação com o músculo psoas. A tomografia computadorizada proporciona informações menos precisas nesses casos. Esses métodos por imagem dão informação não apenas sobre o diagnóstico da doença, mas também permitem distinguir os pacientes com inflamação moderada, limitada ao cólon, daqueles com extensão perivisceral ou abscessos que necessitam de drenagem percutânea ou cirúrgica. O enema opaco, sem duplo contraste, permite diagnosticar os casos de suboclusão da moléstia e os trajetos fistulosos do cólon para o delgado, bexiga vagina, parede abdominal ou perineal. A colonoscopia raramente possibilita a visão do orifício da fístula no cólon. Nas fístulas colovesicais, o diagnóstico poderá ser feito pela observação, à luz do cólon, de corante introduzido na bexiga (azul-de-metileno), ou pela presença de bile ou suco entérico nas fístulas colojejunais e coloileais. Mesmo nessa fase crônica da moléstia, em que não existe abscesso, é necessário realizar a endoscopia de maneira cuidadosa, evitando as complicações, como a perfuração ou a laceração cólica, que podem ocorrer devido ao processo inflamatório perivisceral que fixa o cólon às estruturas circunvizinhas. O enema opaco e a colonoscopia, apesar de importantes no diagnóstico, mostram apenas alterações da doença intramural ou do relevo mucoso; já as informações relacionadas ao grau da doença pericólica e sua extensão inflamatória extracolônica são melhor obtidas pela ressonância magnética. A classificação mais usada para identificar o paciente com diverticulite aguda complicada é a de Hinchey que se divide em estadios de I a IV, onde: Estadio I: abscesso pericólico; Estadio II: presença de abscesso pélvico ou retroperitoneal, subdividido em o IIa com drenagem percutânea e o IIb associado a fístula; Estadio III: presença de peritonite purulenta Estádio IV: presença de peritonite fecal Forma hipotônica A radiologia contrastada (enema opaco) revela a presença de divertículos globosos, esparsos por todos os segmentos cólicos. A colonoscopia permite ver os óstios diverticulares amplos, suas localizações e a presença de fecalitos no seu interior. Como os óstios são amplos, deve-se tomar cuidado para não se introduzir o colonoscópio no interior de um divertículo, confundindo-o com a luz cólica e assim perfurá-lo. Nos casos de hemorragia da forma hipotônica, o enema opaco é de pouca valia no sentido de revelar o local do sangramento, diagnosticando somente a presença dos divertículos. Deve-se ainda ressaltar que sua realização dificulta e até mesmo impede a feitura de outros exames, pela presença do contraste baritado na luz cólica.

9 9 A colonoscopia na vigência do sangramento, mesmo profuso, tem sido cada vez mais indicada na urgência. Ela permite, na maioria das vezes, localizar o sítio da hemorragia e sua etiologia. As ectasias vasculares (angiodisplasias) são também importante causa de enterorragia no paciente idoso e a endoscopia possibilita o diagnóstico diferencial com a doença diverticular. O sangramento ativo fluindo de um divertículo é raramento identificado à colonoscopia. Dos pacientes com doença diverticular hipotônica com hemorragia persistente, 45% sãoportadores de lesão concomitante e causadora do sangramento. A arteriografia seletiva mesentérica pode ser de grande valia na hemorragia maciça, para reconhecer o local do sangramento. Ela só é efetiva quando ele estiver ativo no momento de sua realização, com débito médio acima de 0,5 ml/minuto. Deve-se iniciar a injeção do contraste na artéria mesentérica superior por causa da alta incidência de sangramento do cólon direito. Os achados radiográficos incluem extravasamento do contraste, malformação arteriovenosa e enchimento precoce da veia. É importante ressaltar que se deve evitar a embolização por essa técnica, devido ao grande risco de provocar isquemia e necrose da parede cólica, acompanhada, freqüentemente, de perfuração. A cintilografia com colóide sulfurado de tecnécio ou com glóbulos vermelhos marcados com tecnécio 99 também é utilizada, com algum sucesso, para localização do sangramento. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Várias doenças podem simular o quadro clínico da doença diverticular dos cólons, e seu diagnóstico diferencial pode apresentar considerável dificuldade (Quadro 3). QUADRO 3 Doença diverticular dos cólons: diagnóstico diferencial Síndrome do intestino irritável Carcinoma colorretal Apendicite aguda Doenças inflamatórias intestinais Enfermidades inflamatórias pélvicas Colite isquêmica Ectasia vascular As mais importantes são: Carcinoma cólico: aproximadamente 20% dos pacientes com a moléstia diverticular dos cólons têm pólipo ou carcinoma simultâneo. A associação entre ela e o câncer colorretal ocorre pela coincidência da maior incidência nessas faixas etárias (acima dos 50 anos de idade). Em geral, é fácil diagnosticar o carcinoma cólico concomitante à enfermidade diverticular. Entretanto, quando o câncer está localizado no cólon esquerdo em paciente portador da forma hipertônica da diverticulose, sua diferenciação poderá tornar-se difícil pela alteração morfológica do cólon. Na presença de sangramento cólico, o diagnóstico diferencial com o carcinoma é muito importante.

10 10 O exame de escolha nesses dois casos é a colonoscopia. Quando a lesão maligna perfura o cólon, o aspecto radiográfico pode ser indistingüível do abscesso pericólico. Apendicite aguda: o apêndice cecal pode localizar-se na fossa ilíaca esquerda ou na pelve e, ocorrendo apendicite aguda, esta será indistinguível da peridiverticulite do sigmóide, em especial, em pacientes acima dos 40 anos. A apendicite aguda também pode ser simulada pela perissigmoidite quando o sigmóide é redundante e adere ao quadrante inferior direito do abdome. Enfermidades inflamatórias pélvicas: a salpingite aguda pode confundir-se com doença diverticular inflamada, mas como usualmente ocorre em mulheres jovens, com histórico de irregularidades menstruais e secreções vaginais anormais, seu diagnóstico, em geral, não é difícil. O mesmo pode acontecer com a cistite ou prostatite aguda, porém a freqüência urinária, disúria, piúria microscópica e os achados na citoscopia e no exame retossigmoideano fazem a diferenciação. Colite isquêmica: diferencia-se por apresentar, em geral, início abrupto, freqüentemente atingindo um ponto culminante em minutos ou horas, com diarréia sanguinolenta e dor abdominal. Suas localizações mais comuns são a flexura esplênica, o cólon descendente e o sigmóide. Uma história de insuficiência cardíaca, hipotensão ou hipercoagulação podem sugerir o diagnóstico, pois são fatores predisponentes da colite isquêmica. A impressão do polegar na mucosa cólica, especialmente na flexura esplênica, é seu achado radiográfico característico. Ectasia vascular: em virtude de ser importante causa de hemorragia intestinal, as ectasias vasculares do cólon (angiodisplasias) devem sempre ser investigadas para diferenciá-las da enterroragia diverticular. Como é freqüente a concomitância entre ambas e, nem sempre, é possível definir-se qual a verdadeira causa do sangramento, nestes casos deve-se sempre proceder a esclerose, alcoolização ou fotocoagulação dessas ectasias vasculares, pela colonoscopia. Além deste exame endoscópico, a arteriografia seletiva também possibilita seu diagnóstico. TRATAMENTO CLÍNICO Rotineiramente o tratamento dos pacientes sintomáticos da doença diverticular dos cólons, mesmo quando há processo inflamatório perissigmóideo ou sangramento intestinal é clínico. A melhora dos sintomas ocorre em cerca de 90% dos casos. Observações radiológicas, estudos da pressão intraluminal colônica e pesquisas epidemiológicas dão apoio à inclusão de alimentos com alto teor de fibras na dieta desses pacientes. Um conteúdo colônico volumoso, que se movimenta rapidamente, com menor grau de segmentação da parede cólica, reduz a pressão intracolônica e, sobretudo, diminui a possibilidade de se formarem divertículos, de aparecerem sintomas relacionados ao espasmo ou até mesmo o risco de suas complicações. Forma hipertônica O tratamento clínico é realizado por dieta rica em fibras, que inclui cereais (farelo não refinado, pão integral, etc.), frutas e vegetais (por exemplo, passas ou uva sem sementes, pêssegos frescos, laranjas, bananas, maçãs, pêras, ameixas, cenouras, nabos, alface, etc.). Quando necessário, associam-se auxiliares da evacuação formadores de massa, tais como metilcelulose, ágar e mucilagem. Esta dieta leva à

11 11 formação de fezes compactas e macias, que requerem pequena pressão para serem expelidas, além de aumentar o diâmetro do cólon. Há melhora do ritmo intestinal e diminuição da dor. Deve-se iniciar com as fibras em pequena quantidade, sendo aumentadas gradualmente, para se evitar a formação excessiva de gases. Da mesma forma, os alimentos que podem bloquear o colo diverticular, obstruindo seu óstio para a luz cólica, devem ser evitados, tais como milho, pipoca, nozes, sementes de frutas (uva, laranja, melancia, jabuticaba, etc.) e vegetais (tomate, pepino, etc.). Nos casos acompanhados de dor, prescrevem-se antiespasmódicos, como escopolamina, hioscina ou brometo de otilonium, anticolinérgicos, como brometo de propantelina, fosfato de codeina ou cloridrato de papaverina, que reduzem a contração intestinal pela diminuição da pressão intraluminal, aliviando o espasmo. Os derivados da morfina são contra-indicados pelo risco de perfuração e drogas antiinflamatórias não-esteróides são evitadas por aumentar o risco de sangramento. Os pacientes com processo inflamatório perissigmóideo têm sido tratados com sucesso, utilizando-se de antibióticos de amplo espectro. Poucos são os que necessitam de hospitalização nesta fase. Na crise aguda, com dor abdominal intensa, em geral, na fossa ilíaca esquerda, febre e leucocitose, o paciente deve ser hospitalizado e confinado ao leito. É necessário repouso intestinal completo, freqüentemente incluindo sucção nasogástrica. A nutrição é mantida pela administração intravenosa de líquidos contendo glicose e eletrólitos. A dor é aliviada pelo uso de meperidina. É fundamental a administração parenteral de antibióticos e quimioterápicos associados para atingir um amplo espectro de ação, visando especialmente aos microorganismos de presença comum no lúmen cólico, como os gram-negativos e os bacilos anaeróbicos. Mesmo os doentes com diagnóstico clínico de peritonite secundária à perissigmoidite podem ser tratados conservadoramente, evitando-se a cirurgia de emergência e, na sua maioria, respondem positivamente entre 3 e 7 dias. Após a crise inicial, tratada clinicamente, sua recidiva pode ocorrer em cerca de 25% desses casos, nos primeiros cinco anos. Com episódios múltiplos, as possibilidades de se desenvolverem complicações se triplicam. Além disso, a recorrência aumenta a probabilidade da necessidade de intervenção cirúrgica. Segundo várias publicações, há uma tendência maior de complicações nos pacientes jovens ou imunocomprometidos e nestes a opção é pelo tratamento cirúrgico. Na presença de abscesso perissigmoideu bem delimitado, quando à tomografia computadorizada seu tamanho for menor que 3 cm o tratamento inicial poderá ser com antibióticos de amplo espectro. Nos maiores que 3 cm deve-se efetuar, sempre que possível, sua drenagem por cateteres guiados pela ecografia ou pela tomografia computadorizada, evitando-se a cirurgia na urgência. Essa drenagem pode ser realizada pelas vias trans-abdominal, trans-retal, trans-vaginal ou trans-ciática. Sendo o procedimento bem-sucedido, o estado geral do paciente melhora, permitindo a realização eletiva da cirurgia, em melhores condições clínicas, em geral, 4 a 8 semanas após a drenagem. Forma hipotônica

12 12 Como é normalmente assintomática, não se emprega tratamento algum. Nos pacientes que apresentam constipação intestinal, freqüente nos idosos, deve-se utilizar a dieta rica em fibras associada aos auxiliares da evacuação, como exposto anteriormente. Quando complicada com sangramento diverticular, mesmo que profuso, seu tratamento inicial será clínico, com ou sem hospitalização, de acordo com a intensidade da hemorragia. Faz-se o restabelecimento hemodinâmico e, se necessária, transfusão de sangue. O sangramento diverticular cessa espontaneamente na maioria dos pacientes. TRATAMENTO CIRÚRGICO A indicação do tratamento cirúrgico na doença diverticular dos cólons é pouco freqüente, tanto eletivo quanto na urgência. A cirurgia eletiva deve ser cuidadosamente programada e seus resultados, em geral, são bons, com baixa morbimortalidade. Entretanto, o emprego da cirurgia de emergência pode atingir mortalidade de 20% a 30%, segundo várias publicações. Os cuidados pré-operatórios consistem na correção dos distúrbios hidroeletrolíticos ou metabólicos e da avaliação cardiopulmonar, da extensão da enfermidade diverticular e do possível acometimento de outros órgãos. O uso de antibióticos com finalidade profilática é rotina e sua manutenção, ou não, pós-operatória será de acordo com o grau do processo inflamatório encontrado. O preparo mecânico do cólon é fundamental e deverá ser realizado sempre que possível. Forma hipertônica A cirurgia da enfermidade hipertônica está indicada como no Quadro 4: QUADRO 4 Doença diverticular dos cólons: indicações cirúrgicas da forma hipertônica Crônica persistente Sem suboclusão Com suboclusão Abscesso perissigmóideo Sem massa palpável Com massa palpável Fistulização Obstrução intestinal Perfuração diverticular Carcinoma concomitante Pode ser realizada eletivamente ou na urgência como vista no Quadro 5. QUADRO 5 Doneça diverticular dos cólons: tratamento cirúrgico na urgência Abscesso perissigmóideo sem peritonite ou com obstrução intestinal Ressecção sem anastomose Operação de Hartmann Operação de Mikulicz Ressecção com anastomose primária Abscesso perissigmóideo com peritonite ou na perfuração diverticular Drenagem com colostomia ou exteriorização da perfuração Ressecção sem anastomose Operação de Hartmann

13 13 Operação de Mikulicz Ressecção com anastomose primária e colostomia de proteção Hemorragia diverticular com área sangrante localizada Colectomia segmentar com anastomose primária Hemorragia diverticular sem localização da área sangrante Colectomia subtotal com anastomose ileorretal Colectomia subtotal com ileostomia terminal Forma hipotônica A cirurgia na forma hipotônica é indicada somente nas suas complicações (Quadro 6). QUADRO 6 Doença diverticular dos cólons: indicações cirúrgicas da forma hipotônica Hemorragia incontrolável Hemorragia recidivante Perfuração diverticular É importante enfatiizar que, na maioria dos pacientes com sangramento diverticular, a hemorragia cessa espontaneamente (95%). Entretanto, nos casos em que ela é profusa e não responde ao tratamento clínico, havendo necessidade de transfusão de ml ou mais de sangue total em um período de 24 horas ou ocorrendo continuamente por 72 horas ou mais, ou acontecendo nova perda sanguínea intensa na primeira semana após o sangramento inicial, a opção terapêutica é cirurgica.

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Prof.: José Rubens de Andrade

Prof.: José Rubens de Andrade Prof.: José Rubens de Andrade 2º Semestre/2012 Divertículo verdadeiro (congênito) X Pseudodivertículos Pseudodivertículos: Formações saculares provenientes da herniação da mucosa e submucosa através da

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA HEMORRÓIDAS: PROCTOLOGIA DilataÅÉes varicosas dos plexos artñrio-venosos hemorroidörios situados na regiço anorretal, causadas por aumento na pressço hidrostötica no plexo venoso hemorroidörio. Podem ser

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA

COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA X COD PROTOCOLOS DE GASTROENTEROLOGIA ( ) 18.01 Abdome Agudo Diagnóstico (algoritmo) ( ) 18.02 Abdome Agudo Inflamatório Diagnóstico e Tratamento ( ) 18.03 Abdome Agudo na Criança ( ) 18.04 Abdome Agudo

Leia mais

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR MÓDULO ABDOME AULA 2 AVALIAÇÃO INTESTINAL POR TC E RM Prof. Mauricio Zapparoli Neste texto abordaremos protocolos de imagem dedicados para avaliação do intestino delgado através

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva Versão eletrônica atualizada em Julho de 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: -

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

Maria da Conceição Muniz Ribeiro

Maria da Conceição Muniz Ribeiro Maria da Conceição Muniz Ribeiro Os miomas são a principal causa de histerectomia em nosso meio, sendo responsável por um terço do total de indicações de histerectomia. Aproximadamente 30 a 50% de todas

Leia mais

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012)

Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Dor abdominal em crianças Resumo de diretriz NHG M100 (setembro 2012) Gieteling MJ, Van Dijk PA, De Jonge AH, Albeda FW, Berger MY, Burgers JS, Geijer RMM, Eizenga WH traduzido do original em holandês

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO PROCTOLOGISTA QUESTÃO 21 São afirmativas verdadeiras sobre a anatomia colo-reto-anal, EXCETO: a) A fáscia de Denonvilliers não necessita ser removida na excisão

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites Abdome Agudo Inflamatório Peritonites Conceito: Classificação: Funcionais ou Fisiopatológicas Peritonite Primária ou Espontânea Peritonite Secundária Peritonite Terciária Quanto à Extensão Generalizada

Leia mais

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA PROTOCOLO - OBS 032 DATA: 24/09/2005 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITOS - Infecção do trato urinário inferior: colonização bacteriana na bexiga e/ou uretra acompanhada de resposta inflamatória CISTITES, URETRITES.

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Oclusão do tubo digestivo

Oclusão do tubo digestivo ABDOME AGUDO O diagnóstico sindrômico de abdome agudo (AA) é caracterizado pela presença de dor abdominal intensa e aguda (horas até 4 dias). O número de causas é enorme e ainda assim, a maioria dos casos

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

CURSOS PRÉ-CONGRESSO MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008

CURSOS PRÉ-CONGRESSO MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008 1 MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008 08:00 08:15 Etiopatogenia da Incontinência Anal 08:15 08:30 Etiopatogenia da Constipação Intestinal 08:30 08:45

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins DOENÇAS DA PRÓSTATA P/ Edison Flávio Martins PRÓSTATA NORMAL Peso: 15 a 20 gr Localização: Abaixo da bexiga Atravessada pela uretra Função: Reprodutiva DOENÇAS DA PRÓSTATA Infecção: Prostatite aguda e

Leia mais

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata AULA PREPARADA POR: PATOLOGIAS DA PRÓSTATA Prostata A próstata é um órgão interno que só o homem possui; tem a forma de uma maçã muito pequena, e fica logo abaixo da bexiga. ANATOMIA Tem o tamanho aproximado

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica

14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica 14º Imagem da Semana: Cintilografia para pesquisa de mucosa gástrica ectópica Enunciado Paciente de 13 anos, sexo masculino, foi levado ao PA-HCUFMG queixando melena. Peso e estatura adequados para a idade

Leia mais

COLONOSCOPIA. Desenho do cólon com seus diversos segmentos

COLONOSCOPIA. Desenho do cólon com seus diversos segmentos COLONOSCOPIA 1- QUE É A COLONOSCOPIA? A colonoscopia é um exame endoscópico que permite a visualização do interior de todo o cólon através de um tubo flexível com cerca de um metro de comprimento e um

Leia mais

Intestino Grosso. Intestino Grosso. Doença diverticular. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Intestino Grosso. Intestino Grosso. Doença diverticular. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Intestino Grosso Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Intestino Grosso Doença diverticular Câncer de cólon Retocolite ulcerativa Síndrome do intestino irritável Apendicite Reto / Ânus

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Tomografia computadorizada da pelve após injeção endovenosa de meio de contraste iodado, tendo havido ingestão prévia do mesmo produto. Paciente,

Leia mais

GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO

GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO GLAUCOMA DE ÂNGULO FECHADO Introdução Glaucoma de Ângulo Fechado é um tipo de glaucoma que actualmente é designado Glaucoma por Encerramento do Ângulo. Não é o tipo de glaucoma mais frequente na Europa,

Leia mais

Raniê Ralph Semiologia 2

Raniê Ralph Semiologia 2 06 de Agosto de 2007. Professor Luiz Sérgio Emery. Hemorragia Digestiva Evolução 75% cessam espontaneamente. 25% persistem ou recorrem. 10% a 30% de morte. Trata-se de uma doença grave. Epidemiologia 10%

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS DOENÇAS DA PRÓSTATA Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho de uma noz, e se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra masculina.

Leia mais

FISSURA ANAL DEFINIÇÃO:

FISSURA ANAL DEFINIÇÃO: FISSURA ANAL FISSURA ANAL DEFINIÇÃO: Ulcera linear dolorosa situada no canal anal desde a linha denteada até a margem anal. CLASSIFICAÇÃO ETIOLOGIA FASE Primária ria ou idiopática Secundária Aguda Crônica

Leia mais

32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome

32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome 32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome Enunciado Paciente masculino, de 52 anos, previamente hígido, procurou atendimento médico devido a dor abdominal em cólica iniciada há cerca de 18 horas, com

Leia mais

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO RADIOLOGIA DO ESÔFAGO Esofagograma : administração de substância com densidade diferente do órgão. São elas sulfato de bário (rotina) e soluções iodadas (casos de suspeita de ruptura) na dose de 2 a 6

Leia mais

CONSTIPÇÃO INTESTINAL

CONSTIPÇÃO INTESTINAL AEROFAGIA A maior parte do gás intestinal é constituída de cinco gases: N², O², CO², H² e CH4 {metano}. O indivíduo normal usualmente elimina menos de 100ml de gás por hora. Se esta quantidade for excedida,

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

Constipação Resumo de diretriz NHG M94 (setembro 2010)

Constipação Resumo de diretriz NHG M94 (setembro 2010) Constipação Resumo de diretriz NHG M94 (setembro 2010) Diemel JM, Van den Hurk APJM, Muris JWM, Pijpers MAM, Verheij AAA, Kurver MJ traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EMBRIOLOGIA E ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO

ESTUDO DIRIGIDO EMBRIOLOGIA E ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO DISCIPLINA: SISTEMA GASTROINTESTINAL Área do conhecimento: Anatomia Professora: Jákina Guimarães Vieira ESTUDO DIRIGIDO EMBRIOLOGIA E ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO 1. Qual (is) o (s) folheto (s) embrionário

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos.

Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. LACTO-PURGA bisacodil 5mg Forma farmacêutica e apresentação: Comprimido revestido. Display contendo 25 blísteres com 6 comprimidos revestidos. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças acima de 4 anos) USO ORAL

Leia mais

Na fase de benignidade, que é longa, é possível retirar a lesão e com isso impedir sua degeneração e o aparecimento do câncer.

Na fase de benignidade, que é longa, é possível retirar a lesão e com isso impedir sua degeneração e o aparecimento do câncer. Todos sabem que o intestino compreende duas grandes regiões. Uma parte mais fina chamada intestino delgado que está relacionada com a digestão e a absorção dos alimentos, e uma mais grossa, o intestino

Leia mais

03/05/2012. Radiografia simples do abdome

03/05/2012. Radiografia simples do abdome Radiografia simples do abdome 3 1 Contrastados: Urografia Excretora Injeção EV Contraste iodado Opacificação: 1. Parênquima renal 2. Sistema coletor 3. Bexiga e uretra 4 Litíase urinária Caso cr Rx simples:

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81

PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 81 QUESTÃO 26 Todas as estruturas descritas abaixo estão no Canal Anal, EXCETO: a) Criptas Anais. b) Linha Denteada. c) Colunas de Morgani. d) Valva inferior de Houston. QUESTÃO

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato de sódio dibásico heptaidratado. Forma farmacêutica: Solução de enema

ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato de sódio dibásico heptaidratado. Forma farmacêutica: Solução de enema ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato de sódio dibásico heptaidratado Forma farmacêutica: Solução de enema 1 MODELO DE BULA ENEMAPLEX fosfato de sódio monobásico monoidratado + fosfato

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA

DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA DIARREIA: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO NORMAS DE ORIENTAÇÃO CLÍNICA A diarreia é definida por um aumento na frequência das dejecções ou diminuição da consistência das fezes e por uma massa fecal>200g/dia. Pode

Leia mais

Aula 13: Distúrbios gastrointestinais

Aula 13: Distúrbios gastrointestinais Aula 13: Distúrbios gastrointestinais Distúrbios gastrointestinais Distúrbios gastrointestinais são aqueles que afetam todo o tubo gastrointestinal e órgãos anexos; Os mais frequentes são: azia, gastrite,

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

Presença de ar no fundo gástrico gerando a imagem da bolha gástrica em quadrante superior esquerdo em posição ortostática.

Presença de ar no fundo gástrico gerando a imagem da bolha gástrica em quadrante superior esquerdo em posição ortostática. Análise e avaliação do exame convencional e contrastado do abdômen Radiografia do Abdômen É realizada nas seguintes incidências: Decúbito dorsal (ou simples) Posição ortostática Decúbito lateral direito

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013)

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Blanker MH, Breed SA, van der Heide WK, Norg RJC, de Vries A, Wolters RJ, van den Donk M, Burgers JS, Opstelten W,

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Estômago Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Sessão Cardiovascular

Sessão Cardiovascular Sessão Cardiovascular Dr Carlos Jader Feldman Priscila Schenkel R3 26/10/2012 Sexo feminino, 46 anos Hemiplegia à esquerda Dissecção arterial 3 camadas: -intima, média, adventícia Dissecção = ruptura na

Leia mais

Laxantes. Laxantes e Antidiarreicos. Obstipação. Fibras. são comuns na população em geral. rios. Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios

Laxantes. Laxantes e Antidiarreicos. Obstipação. Fibras. são comuns na população em geral. rios. Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios Laxantes e Diarréia e obstipação são comuns na população em geral Na maioria das vezes quadros benignos e transitórios rios Laxantes Muitas vezes sem a necessidade de medicação Porem esses sintomas podem

Leia mais

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Curso de Diagnóstico por Imagem do Abdome Agudo EPM/UNIFESP - Março de 2011 Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Rogério Caldana Obstrução intestinal 20 % dos casos cirúrgicos de abdome agudo

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO...

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO gesep ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... 2009 Converse com o paciente... A Anamnese e o Ex. Físico 70% dos diagnósncos são baseados apenas na história 90% dos diagnósncos

Leia mais

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA

PROVA TEÓRICO-PRÁTICA PROVA TEÓRICO-PRÁTICA 1. Na atresia de esôfago pode ocorrer fistula traqueoesofágica. No esquema abaixo estão várias opções possíveis. A alternativa indica a forma mais freqüente é: Resposta B 2. Criança

Leia mais

TÍTULO: ADENOMIOMATOSE DE VESÍCULA BILIAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

TÍTULO: ADENOMIOMATOSE DE VESÍCULA BILIAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO: ADENOMIOMATOSE DE VESÍCULA BILIAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): RAVENA CAMPOS CÔRTES PAIVA, MAYARA

Leia mais

Dulcolax bisacodil. LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre

Dulcolax bisacodil. LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre Dulcolax bisacodil LAXANTE DE AÇÃO PREVISÍVEL Estimula o movimento intestinal Alivia a prisão de ventre Esta bula é atualizada continuamente. Por favor, proceda à sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM)

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem 01. Radiografia anteroposterior do terço proximal da perna esquerda. Imagem 02. Ressonância magnética do mesmo paciente, no plano coronal

Leia mais

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Diagnóstico: História Clinica Exame Físico Avaliação

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAI VI Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias Bactérias anaeróbias não-esporuladas Participam

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais