A SEAT CONJUNTO DE FERRAMENTAS. Conjunto de Ferramentas de Avaliação Socioeconômica Versão 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SEAT CONJUNTO DE FERRAMENTAS. Conjunto de Ferramentas de Avaliação Socioeconômica Versão 3"

Transcrição

1 A SEAT CONJUNTO DE FERRAMENTAS Conjunto de Ferramentas de Avaliação Socioeconômica Versão 3

2 A SEAT CONJUNTO DE FERRAMENTAS A Anglo American gostaria de agradecer as organizações a seguir por sua orientação e assistência na produção da terceira versão do SEAT: A Anglo American continua responsável por quaisquer erros e omissões. Para mais informações: CORPORATE OFFICE GOVERNMENT AND SOCIAL AFFAIRS 20 Carlton House Terrace, London, SW1Y 5AN, UK Telefone: +44 (0) Fax: +44 (0) Membro do Grupo Anglo American plc

3 Vencedor do prêmio Iniciativa Corporativa de 2012 da Associação Internacional para Avaliação de Impactos: O SEAT é uma tentativa única por uma grande empresa para incorporar uma avaliação de impactos na gestão constante das principais operações.

4 ÍNDICE RESUMO DO SEAT ETAPA 1 INTRODUÇÃO AO PERFIL DA 3 OPERAÇÃO DA ANGLO AMERICAN Ferramenta 1A: determinando o perfil da operação 5 da Anglo American Ferramenta 1B: avaliação de impactos econômicos 11 Ferramenta 1C: avaliação de iniciativas de 19 investimento social corporativo existentes ETAPA 2 INTRODUÇÃO ÀS FERRAMENTAS DE 23 PERFIL E ENGAJAMENTO Ferramenta 2A: definição de perfil da área local 25 Ferramenta 2B: desenvolvimento de um Plano de 45 Engajamento com Stakeholders (Partes Interessadas) ETAPA 3 - INTRODUÇÃO À FERRAMENTA DE 59 IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMPACTO Ferramenta 3A: avaliação de questões e impactos 61 ETAPA 4 INTRODUÇÃO ÀS FERRAMENTAS DE 69 GESTÃO DE DESEMPENHO SOCIAL Ferramenta 4A: procedimento de reclamações 71 e queixas Ferramenta 4B: engajamento das partes interessadas 81 (stakeholders) em planejamentos de emergência Ferramenta 4C: avaliação e gestão de conflitos 89 Ferramenta 4D: planejamento de reassentamento e 97 implementação Ferramenta 4E: planejamento para as dimensões 111 sociais do fechamento de mina Ferramenta 4F: gestão de empresas contratadas 119 Ferramenta 4G: populações indígenas 133 Ferramenta 4H: princípios voluntários sobre 141 segurança e direitos humanos ETAPA 5 INTRODUÇÃO ÀS FERRAMENTAS DE 147 FORNECIMENTO DE BENEFÍCIOS SOCIOECONÔMICOS Ferramenta 5A: abordagens para entrega de 153 benefícios socioeconômicos Ferramenta 5B: compras locais 163 Ferramenta 5C: desenvolvimento e treinamento 169 de força de trabalho local Ferramenta 5D: desenvolvimento de 179 infraestrutura local Ferramenta 5E: desenvolvimento de capacidade 185 institucional local Ferramenta 5F: desenvolvimento de meios de 191 subsistência alternativos Ferramenta 5G: microcrédito para desenvolvimento 201 de pequenas e médias empresas Ferramenta 5H: suporte à água em pequena escala 207 e fornecimento de serviços de saneamento básico Ferramenta 5I: suporte ao fornecimento de energia 215 sustentável Ferramenta 5J: suporte aos problemas de saúde 223 da comunidade Ferramenta 5K: suporte a moradias de baixo custo 235 ETAPA 6 INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO 255 DE UM PLANO DE GESTÃO SOCIAL Ferramenta 6A: desenvolvimento de um plano de 257 gestão social (Social Management Plan - SMP) ETAPA 7 INTRODUÇÃO AO RELATÓRIO DO SEAT 265 Ferramenta 7A: relatórios SEAT 267 Ferramenta 7B: compartilhamento de resultados 281 processo SEAT com stakeholders (partes interessadas) AGRADECIMENTOS 285 GLOSSÁRIO 287 Anglo American Services UK Ltd 2012 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida em qualquer formato material, armazenada em um sistema de recuperação ou transmitida em qualquer formato ou meio (eletrônico, mecânico, fotocópia, gravação ou outros) sem conhecimento e permissão por escrito do detentor dos direitos autorais. Pedidos de permissão por escrito para o detentor dos direitos autorais para reprodução de qualquer parte desta publicação devem ser enviados para: Head of Social Performance Anglo American 20 Carlton House Terrace London SW1Y 5AN Telefone: +44 (0) Aviso: a realização de um ato sem autorização em relação a um trabalho com direitos autorais pode resultar em ações civis por danos e processos criminais. ÍNDICE 1

5 2 ÍNDICE

6 ETAPA 1 INTRODUÇÃO AO PERFIL DA OPERAÇÃO DA ANGLO AMERICAN 1.1 OBJETIVOS A Etapa 1 contém um conjunto de ferramentas projetadas para criar uma compreensão de cada operação e seus impactos. 1.2 IMPLEMENTAÇÃO DAS FERRAMENTAS DA ETAPA 1 A Etapa 1 fornece orientação sobre a obtenção de informações principais sobre a operação, seus impactos econômicos e aqueles associados com o Investimento Social Corporativo (Corporate Social Investment - CSI). As ferramentas da Etapa 1 são: 1A determinando o perfil da operação da Anglo American; 1B avaliação de impactos econômicos; e 1C avaliação de iniciativas de investimento social corporativo existentes. Ao final da Etapa 1 as questões e os critérios de requisitos de informação na Caixa 1.1 devem estar estabelecidos. CAIXA 1.1 REQUISITOS DE INFORMAÇÕES PARA A ETAPA 1 Informações básicas sobre a operação Local da operação Investimentos futuros de capital e planos de expansão Planos de encerramento existentes Planos de gestão existentes (ex: planos de gestão social, ambiental, etc.) Impactos econômicos existentes A eficiência, adequação e sustentabilidade das iniciativas do CSI existentes e associadas. ETAPA 1 INTRODUÇÃO AO PERFIL DA OPERAÇÃO DA ANGLO AMERICAN 3

7 4 ETAPA 1 INTRODUÇÃO AO PERFIL DA OPERAÇÃO DA ANGLO AMERICAN

8 Ferramenta 1A: determinando o perfil da operação da Anglo American 1A.1 OBJETIVOS O objetivo desta ferramenta é fornecer um formato padrão no qual as principais informações sobre a operação possam ser relatadas. A definição de perfil da operação da Anglo American destina-se a ser um exercício baseado em escritórios para identificação de problemas e impactos socioeconômicos já conhecidos, além de impactos sobre direitos humanos. A compreensão destas problemas e impactos será mais desenvolvida e aprimorada através de participação com stakeholders (partes interessadas) externas (consulte a Ferramenta 2B desenvolvimento de um Plano de Engajamento com Stakeholders (Partes Interessadas)). As informações coletadas serão usadas na avaliação de problemas e impactos da operação juntamente com os dados coletados na Ferramenta 1B avaliação de impactos econômicos e na Ferramenta 1C avaliação de iniciativas de investimento social corporativo existentes. Estas informações também serão úteis para preparação do Plano de Gestão Social (Social Management Plan - SMP) (consulte a Ferramenta 6A desenvolvimento de um plano de gestão social) e para a preparação do relatório SEAT (consulte a Ferramenta 7A relatórios SEAT). 1A.2 CONSIDERAÇÕES SOBRE DIREITOS HUMANOS Ao definir um perfil da operação da Anglo American, é importante identificar quaisquer problemas e impactos em potencial sobre direitos humanos. Os Princípios de Orientação sobre Negócios e Direitos Humanos das Nações Unidas (The United Nations (UN) Guiding Principles on Business and Human Rights) (também conhecidos como estrutura Proteger, respeitar e remediar ( Protect, Respect and Remedy Framework)) recomenda que a devida investigação de direitos humanos devem ser realizadas para identificar, monitorar e diminuir de maneira pró-ativa quaisquer problemas e impactos sobre direitos humanos em potencial. Questões específicas desenvolvidas para identificar e avaliar impactos sobre direitos humanos são detalhadas abaixo. Esta análise do impacto nos direitos humanos é suplementada com a interação com stakeholders (consulte a Ferramenta 2A determinação de perfil da área local e Ferramenta 2B desenvolvimento de um Plano de Engajamento com Stakeholders (Partes Interessadas)). A inclusão de questões de direitos humanos no processo SEAT destinase a atender os requisitos para a devida investigaçã de direitos humanos constantes conforme recomendado nos Princípios de Orientação das Nações Unidas (UN Guiding Principles). 1. DETALHES DA EMPRESA Unidade de Negócios da Anglo American: Nome do local / operação: Local: Nome e cargo do autor: Detalhes de contato: Telefone: Instalações da Anglo American relacionadas (por exemplo, aquelas que processam as saídas ou entradas de fornecimento da operação): 2. EQUIPE DE IMPLEMENTAÇÃO DO SEAT Especialista SEAT: Líder de avaliação SEAT: Nome do local / operação: Outros participantes chave do estudo SEAT interno: Cargo: Cargo: Ferramenta 1A: determinando o perfil da operação da Anglo American 5

9 Consultores externos que auxiliam com a implementação do processo SEAT: 3. INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE AS OPERAÇÕES DA EMPRESA: O que é produzido pela operação? Futuramento na operação (US$ / ano): Saída (por exemplo, toneladas ou onças / ano): Número de empregados da Anglo American (consulte a Ferramenta 1B - avaliação de impactos econômicos para orientação sobre cálculo de empregados não ligados à Anglo American): Total de salários pago (US$ / ano): Número de residentes nas acomodações da empresa (empregados e suas famílias): Investimentos da operação com cuidados básicos de saúde Total de pagamentos de pensão (para esquemas públicos ou privados, US$ / ano): Orçamento para CSI (US$ / ano): 4. RESUMO BREVE SOBRE A HISTÓRIA DA OPERAÇÃO Data de início de produção na operação: Data que a operação se juntou ao Grupo (em caso de aquisição): Datas de quaisquer atividades significativas de expansão ou redução: Descrição de quaisquer atividades significativas de expansão ou redução: Datas e detalhes de quaisquer avaliações de impactos sociais ou ambientais (EIAs e SIAs) e planos de ação relevantes (por exemplo, plano de ação de reassentamento, plano de ação de biodiversidade, etc.) associados com projetos de expansão: Sim / Não Data A operação já obteve prêmios ou menções favoráveis por seus impactos ou iniciativas sociais, econômicas, ambientais ou de saúde? A operação já enfrentou: da operação? OBS.: em qualquer relatório SEAT não é necessário informar questões antigas que foram resolvidas para a satisfação das stakeholders. No entanto, o processo de avaliação SEAT fornece uma oportunidade para abordar quaisquer questões excepcionais que tenham uma dimensão social ou econômica. Caso você não acredite que as questões possam ser abordadas, então isto deve ser destacado como um risco que deve ser gerenciado durante a avaliação SEAT. Também é necessário notificar todos os membros da equipe de implementação SEAT sobre tais questões, especialmente quando alguns membros da equipe são novos na operação ou há comissionamento de assistência externa. 5. FORNEÇA DETALHES SOBRE GASTOS CAPITAIS PLANEJADOS, INCLUINDO CUSTOS CAPITAIS ESTIMADOS 6 Ferramenta 1A: determinando o perfil da operação da Anglo American

10 6. DESCREVA AS ABORDAGENS ATUAIS PARA GESTÃO DE DESEMPENHO SOCIAL, INCLUINDO, MAS NÃO SE LIMITANDO A: políticas e compromissos (acima e além dos requisitos da Anglo American, conforme definido no Social Way da empresa); sistemas de gestão (por exemplo, participação de stakeholders, reclamações e procedimentos de queixas, planejamento de reassentamento, etc.); riscos e oportunidades, conforme coletados através da avaliação de riscos integrada anual da operação, juntamente com medidas de diminuição; e desempenho (por exemplo, resultados de avaliações anuais do Social Way, indicadores chave de desempenho, resultados de atividades de monitoramento e avaliação, etc.). 7. OBSERVE QUE OUTRAS QUESTÕES PODEM TER RELEVÂNCIA ESPECIAL PARA IMPACTOS SOCIAIS, ECONÔMICOS OU AMBIENTAIS. POR EXEMPLO: processos de produção de alto impacto; planos para mudanças significativas, como redução, terceirização ou projetos de expansão; impactos ambientais (por exemplo, impactos em recursos naturais, saúde da comunidade, etc.); e contexto sociopolítico mais amplo no qual a operação está localizada (por exemplo, riscos de regulação associados com a dependência sobre recursos minerais). OBS.: não descreva os impactos resultantes: estes serão coletados posteriormente no relatório SEAT. 8. IDENTIFIQUE QUAISQUER IMPACTOS DE DIREITOS HUMANOS EM POTENCIAL Forneça quaisquer detalhes relacionados ao status da operação em relação aos impactos de direitos humanos abaixo (isto é, políticas, procedimentos e controles de gestão, desempenho). Em locais nos quais a triagem identificar quaisquer questões em potencial, as operações devem: a) examinar a questão detalhadamente usando um método aprovado. O Instituto Dinamarquês para Direitos Humanos (The Danish Institute for Human Rights) publicou um conjunto bastante útil de questões de avaliação em seu Human Rights Compliance Assessment Quick Check (Verificação rápida de avaliação de conformidade com os direitos humanos), o qual pode ser acessado no endereço www. humanrightsbusiness.org; e b) alertar a Área de Relações Sociais e Governamentais de Grupo caso o uso da verificação rápida indicar que pode haver questões de direitos humanos a serem abordadas. A. PRÁTICAS DE TRABALHO A1 Trabalho forçado A1.1 Tomar todas as medidas necessárias para garantir que a empresa não participe ou se beneficie, de forma alguma, de trabalho forçado (isto inclui trabalho escravo, escravidão por débitos, trabalho forçado em prisão, escravidão, servidão ou tráfico humano). A1.2 Impedir a retenção de carteiras de identidade, documentos de viagens e outros documentos pessoais importantes de empregados. A2 Trabalho infantil e empregados jovens A2.1 Conformidade com os padrões de idade mínimos. A2.2 Caso a empresa saiba que está empregando crianças em idade escolar, ela deve considerar que as empresas sejam inscritas em um programa de educação de remediação ao invés de serem sumariamente demitidas do trabalho. A2.3 Certificar que a empresa não contrate menores de idade (abaixo dos 18 anos) para realização de trabalho nocivo ou perigoso para sua saúde, segurança ou moral. A3 Não discriminação A3.1 Garantir que as decisões da empresa relacionadas a planos de benefícios e empregos sejam baseadas em critérios objetivos e relevantes. A3.2 Ambiente de trabalho inclusivo e respeito cultural Ferramenta 1A: determinando o perfil da operação da Anglo American 7

11 A4 Livre associação A4.1 Reconhecimento dos representantes eleitos pelos trabalhadores e negociação coletiva e respeito pela liberdade e privacidade de intenções de voto de empregados. A4.2 Medidas alternativas no caso de proibição estadual de sindicatos. A5 Saúde e segurança do local de trabalho A5.1 Garantir que os empregados e contratados da empresa tenham instalações de trabalho seguras, adequadas e higiênicas. A5.2 Fornecer a empregados e contratados o equipamento e treinamento de segurança necessários para realização de suas tarefas de maneira segura. A6 Condições de emprego e trabalho (horário, salário, licenças, etc.) A6.1 Tomar medidas para proteger os trabalhadores contra atos de assédio físico, verbal, sexual ou psicológico, abuso ou ameaças no local de trabalho, incluindo determinação e implementação de medidas disciplinares. A6.2 Garantir que a empresa tenha mecanismos para ouvir, processar e resolver as queixas de empregados. A6.3 Fornecer um salário digno que permita que os trabalhadores atendam suas necessidades básicas e aquelas de seus dependentes. A6.4 Garantir aos empregados feriados pagos e licenças de saúde todo ano, além de licenças paternas e maternas para cuidado de um recém nascido ou uma criança recém adotada. A6.5 Garantir que a semana de trabalho seja limitada a 48 horas, horas extras sejam voluntárias, sem frequência, não ultrapassem 12 horas por semana e que os empregados recebam intervalos razoáveis durante o trabalho, além de períodos de descanso suficientes entre turnos. A6.6 Respeitar os direitos de privacidade de seus empregados sempre que a empresa obtiver informações privadas ou implementar práticas de monitoramento de empregados. B. IMPACTO NA COMUNIDADE B1 Segurança B1.1 Treinamento de guardas de segurança sobre como intervir em situações relacionadas à segurança e como usar a força autorizada o mínimo necessário. B2 Gestão de terras B2.1 Antes da compra de terras, a empresa deve consultar todas as partes afetadas, incluindo proprietários legais e de direito para buscar seu consenso prévio bem informado. B2.2 Garantir que a empresa não participe ou se beneficie de reassentamentos forçadas inadequadas e compense de forma apropriada os moradores em reassentamentos voluntárias. B2.3 Honrar as terras, a paisagem e os direitos de uso de povos locais ou indígenas de terras controladas pela empresa. B2.4 Consulta com moradores locais e tomada de medidas para abordar e diminuir quaisquer efeitos disruptivos que as operações da empresa possam ter sobre a terra, a comunidade local e os recursos naturais na área.. B3 Saúde e segurança ambiental B3.1 Contar com procedimentos de emergência em vigor para evitar, de maneira eficiente e abordar todas as emergências de saúde e acidentes industriais afetando a comunidade vizinha. B3.2 Contar com mecanismos para ouvir, processar e resolver as queixas da comunidade local. B4 Corrupção e suborno B5 Produtos da empresa B5.1 Exercício de due dilligence ao desenvolver, fabricar e comercializar produtos para proteção contra defeitos de produtos que possam causar riscos à vida, saúde ou segurança humana do consumidor ou outros que possam ser afetados pelo projeto defeituoso. B5.2 Antes de usar qualquer material artístico, com direitos reservados ou mesmo patentear uma invenção não patenteada que já tenha sido usada por povos locais ou indígenas, a empresa deve primeiro obter o consenso informado do criador ou proprietário do trabalho. C. Gestão de Cadeia de Suprimento C1.1 Triagem e monitoramento de todos os principais fornecedores, contratados, sub-fornecedores, parceiros em empreendimentos em conjunto e todos os outros principais associados de negócios para compromisso em questões de direitos humanos / sociais. Fonte: adaptado da Avaliação de Conformidade de Direitos Humanos (Human Rights Compliance Assessment - HRCA) desenvolvida pelo Instituto Dinamarquês para Direitos Humanos. 8 Ferramenta 1A: determinando o perfil da operação da Anglo American

12 9. DESCREVER QUAISQUER INDÚSTRIAS EXISTENTES OU PROPOSTAS E / OU EMPRESAS NA ÁREA DE OPERAÇÃO, INCLUINDO OUTRAS OPERAÇÕES DA ANGLO AMERICAN. Observação: inclua aquelas indústrias / empresas que: tenham impactos sociais, econômicos e ambientais similares em sua operação ou sejam significativas de outra forma; contribuirão para os impactos cumulativos na área de sua operação; recrutam força de trabalho da mesma área de envio; e / ou estão localizadas na mesma municipalidade (ou equivalente). Ferramenta 1A: determinando o perfil da operação da Anglo American 9

13 10 Ferramenta 1A: determinando o perfil da operação da Anglo American

14 Ferramenta 1B: avaliação de impactos econômicos 1B.1 OBJETIVOS Essa ferramenta é projetada para auxiliar no impacto geral de cada operação sobre as economias local, regional e nacional. Os impactos econômicos podem ser avaliados através da análise dos seguintes aspectos: 1. pagamentos feitos ao setor público (Seção 1B.3); 2. total de postos de trabalhos, seja direto, indireto ou incentivado (1) (Seção 1B.4); 3. total de compras locais gerada pela operação (Seção 1B.5); e 4. contribuições à economia nacional ou regional (Seção 1B.6). A avaliação da contribuição econômica de uma operação também fornece meios para compreender os impactos econômicos associados com seu eventual fechamento. Diferente da maioria das ferramentas no processo do conjunto de ferramentas de avaliação socioeconômica (SEAT), essa precisa ser usada em nível nacional, uma vez que algumas unidades operacionais locais não são registradas individualmente para efeitos fiscais. Também deve ser usada com a cooperação de contratados e fornecedores. 1B.2 QUANDO USAR ESSA FERRAMENTA O suporte da Anglo American para o processo de Iniciativa de Transparência nas Indústrias de Extração (Extractive Industries Transparency Intitiative - EITI) exige que a empresa informe determinados pagamentos (ex: para governos) anualmente para todos os países participantes (2) em nível nacional. Outras informações necessárias para essa ferramenta podem ser atualizadas cada vez que um relatório SEAT for preparado. As equipes SEAT provavelmente precisarão obter auxílio dos setores de finanças, compras e RH para preencher os dados nessa ferramenta. 1B.3 CÁLCULOS DOS PAGAMENTOS AO SETOR PÚBLICO Essa seção pode ser usada para informar pagamentos e receita em resposta à EITI, o objetivo que consiste em aumentar a transparência nos setores de extração em economias dependentes de recursos (3). Essa seção é baseada no modelo de mineração para relatórios de EITI, uma vez que essa é uma abordagem amplamente aceita. A Tabela 1B.1 fornece definições resumidas para diferentes categorias de pagamento sob a EITI. A Tabela 1B.2 fornece um modelo para relatórios de pagamentos. Como pode ser observado, a Tabela 1B.2 é dividida em duas partes: pagamentos que são incluídos no escopo da EITI; e pagamentos adicionais relevantes que se enquadram no escopo da EITI, mas que podem ser apropriados na ilustração de uma contribuição econômica total da operação. Observe que os impostos geralmente devem ser representados como aparecem nas contas anuais. Por exemplo, se houver uma cobrança de imposto diferente, deve ser tratada da mesma forma como é registrada no lucro e na demonstração de resultados da operação. 1B.4 CÁLCULO DE RELAÇÃO DE TRABALHO Visão geral As seções seguintes fornecem orientação de como calcular cada categoria de relação de trabalho ou vínculo empregatício. Todos os vínculos de trabalho devem ser expressos como equivalências de tempo integral (full-time equivalents - FTE) por um ano. Um cargo em tempo integral é aquele que ocupa dos empregados trinta horas ou mais por semana (4). Portanto, os seguintes exemplos de relação de trabalho constituem cada um ano de equivalência de tempo integral de emprego: um membro da equipe que trabalha sob um contrato permanente de cinco dias por semana com um dia de trabalho completo ou aqueles em padrões de turno em tempo integral; duas equipes de meio-período, cada uma das quais trabalha dois dias completos por semana ao longo do ano; e quatro equipes sazonais ou ocasionais que trabalham cinco dias completos por semana, mas apenas por três meses no ano. Os regimes nacionais de tributação variam tanto que uma orientação para calcular pagamentos ao setor público não é determinada. No entanto, a intenção é determinar todos os pagamentos líquidos feitos ao setor público, exceto aqueles que são em troca de um serviço comercial (assim como ornecimento de água e transporte ferroviário) onde esses serviços são de propriedade pública. (1) O cálculo deve ser realizado no momento em que é feita a avaliação do SEAT. Se houver uma grande mudança nos níveis de emprego durante o período da avaliação do SEAT, descreva a natureza da mudança. (2) (3) A EITI estabelece um padrão global de transparência nos setores de petróleo, mineração e gás. Essa coalizão entre governos, empresas e sociedade civil faz com que os recursos naturais beneficiem a todos, fornecendo um padrão para as empresas publicarem o que pagam e para os governos divulgarem o que recebem. (4) OBSERVAÇÃO: Pelo foco ser em um número de pessoas empregadas (ao invés da quantidade de horas trabalhadas), uma pessoa que trabalha 45 horas por semana, constituiria apenas um cargo. Trinta horas são consideradas como o mínimo para um cargo em tempo integral. Ferramenta 1B: avaliação de impactos econômicos 11

15 Todas as três categorias de emprego (direto, indireto e induzido) são acompanhadas, especialmente porque as funções contratadas ou terceirizadas podem dar a impressão de que o emprego gerado pela Anglo American está em queda, considerando que pode simplesmente ter sido subcontratado. A ênfase é no emprego gerado no país hospedeiro. Portanto, exclui empregos indiretos e incentivados que são criados no exterior. A Figura 1B.1 resume os tipos de emprego que devem ser incluídos no gráfico, enquanto uma definição de trabalho para cada tipo de emprego é fornecida abaixo. Quando os empregados não são de comunidades próximas à operação, é importante identificar qual a sua origem. Isso também é útil para demonstrar tendências de emprego, portanto, onde possível, fornecer estimativas para o presente, cinco e dez anos atrás e para cinco e dez anos no futuro (essas estimativas podem ser mais aproximadas). Tipos de Emprego Os empregos incluem o seguinte: 1. Emprego direto pelas empresas da Anglo American (pessoal que está na folha de pagamento e contratados que estão permanentemente com base no local). 2. Emprego indireto na região compreendendo: empregados de contratados de fora do local que trabalham para a operação (ex: pessoal nas folhas de pagamento dos contratados que são empregados para cumprir contratos na operação); empregados que trabalham nos fornecedores da operação e em qualquer fornecedor dos contratados cujo emprego é atribuído a negócios gerados pela operação da Anglo American; e emprego gerado na região pelas atividades do Investimento Social Corporativo (Corporate Social Investment - CSI), incluindo o desenvolvimento dos negócios locais. 3. Estima-se que o emprego incentivado seja gerado pelas despesas dos empregados diretos e indiretos, como aqueles em serviços locais (ex: lojas, transporte e serviços públicos). 4. Em conjunto, essas três categorias estabelecem o número total de pessoas que dependem da operação da Anglo American para sua subsistência. 2. Emprego Indireto Como observado acima, empregados indiretos são aqueles que trabalham para os fornecedores e contratados de fora do local da operação, mas cujos empregados são dependentes das práticas da operação. Isso também inclui quaisquer cargos criados através da atividade do CSI. Se o fornecedor trabalhar para outras operações da Anglo American, isso será calculado separadamente para aquelas operações. Emprego Indireto na Cadeia de Suprimento Empregados de fornecedores ou contratados não precisam estar permanentemente integrados no trabalho para a operação para o emprego ser contado. Por exemplo: Um contratado de construção que fornece 100 trabalhadores por um período fixo de seis meses teria que ter o equivalente a 50 cargos em tempo integral criados pelas práticas da operação naquele ano. Um fornecedor que emprega 500 equipes e vende 10% de sua produção em um ano para a operação, também deveria ter o equivalente a 50 cargos em tempo integral criados pelas práticas da operação. Essas informações devem estar disponíveis para fornecedores e contratados. Se uma porção do trabalho é sub-contratada para outras empresas, cálculos semelhantes devem ser concluídos para as mesmas. É útil registrar a proporção de emprego indireto mantida localmente. Consulte a Ferramenta 2A definição de perfil da área local para orientação em uma avaliação de zona de influência. A Tabela 1B.3 resume como calcular o emprego de fornecedor e contratado. Se a operação tiver mais contratados ou fornecedores que eles próprios e a maior parte de seu trabalho tem origem de fora de suas empresas, as mesmas devem fornecer dados relevantes. Ao coletar essas informações, um método de amostragem deve ser adotado. Uma amostra representativa de fornecedores que cobre um mínimo de 20% das despesas da operação deve ser comunicada. A amostra deve ser representativa com relação ao tipo de fornecedor, geografia, tamanho da compra e habilidades necessárias. As informações obtidas devem ser consolidadas para refletir a despesa total. Não é necessário comunicar todos os fornecedores, uma vez que isso seria muito trabalhoso. Um exemplo de como isso pode ser feito é mostrado no Quadro 1B Emprego Direto São aqueles empregados pelas empresas do grupo Anglo American, mais as contratadas que estão permanentemente baseados no local, como o pessoal da segurança ou alimentação. O total é simplesmente o número de indivíduos permanentemente no local, expresso como equivalência de tempo integral. Essa informação deve estar disponível para os departamentos de pessoal / recursos humanos e para contratados de aquisição ou segurança do local (que possam emitir autorizações). Também é importante observar a origem dos empregados, incluindo aqueles de outras regiões do país hospedeiro e estrangeiros. 12 Ferramenta 1B: avaliação de impactos econômicos

16 Tabela 1B.1 Pagamentos do Escopo Um da EITI ESCOPO 1 FLUXO DE BENEFÍCIO REFERÊNCIA DE MODELO DE RELATÓRIO DESCRIÇÕES ADICIONAIS Impostos sobre o lucro i Impostos cobrados sobre os lucros de uma empresa de mineração integrada. Royalties ii Acordos de royalties serão diferentes entre os regimes do governo hospedeiro. Taxas de licença, de aluguel, de entrada e outras considerações para licenças e / ou concessões iii Acordos de royalties podem incluir o dever da empresa de dispor de toda a produção e pagar mais uma parte das receitas de vendas. Esses pagamentos de royalty devem ser incluídos na Seção 1(c) dos Modelos de Relatório. Quando o governo anfitrião tiver um interesse mais direto na produção básica, e fizer acordos de vendas independentemente do concessionário, esses royalties são mais semelhantes aos direitos de produção do governo hospedeiro e deve ser informado na EITI dos Modelos de Relatório. Pagamentos ao governo hospedeiro e / ou empresa estatal nacional para: receber e / ou iniciar exploração e / ou para a retenção de uma licença de concessão (licença / taxas de concessão); realizar trabalho de exploração e / ou coletar dados (taxas de entradas). Isso ocorre, provavelmente, na fase de pré-produção; e arrendamento ou aluguel da concessão ou área de licença. Direitos de produção de governos hospedeiros Direito de produção da empresa estatal nacional Bônus (como assinatura, descoberta, produção) iv v Essa é a cota do governo hospedeiro da produção total. Esse direito de produção pode ser transferido diretamente ao governo hospedeiro ou à empresa estatal nacional. Esse fluxo pode ser em espécie e / ou em dinheiro. Quando o governo hospedeiro tiver um interesse mais direto na produção básica, e fizer acordos de vendas independentemente do concessionário, esses royalties são mais semelhantes aos direitos de produção do governo hospedeiro e devem ser informados nos Modelos de Relatório da EITI (EITI Reporting Templates). Essa é a cota da empresa estatal nacional da produção total. Esse direito de produção é derivado da participação acionária da empresa estatal nacional. Esse fluxo pode ser em espécie e / ou em dinheiro. vi Pagamentos relacionados a bônus para e em consideração a: prêmios, subsídios e transferências de direitos de extração; realização de determinados níveis de produção em certos objetivos; e descoberta de reservas minerais adicionais / depósitos. Dividendos vii Os dividendos são pagos ao governo hospedeiro como um acionista da empresa em relação a ações e qualquer distribuição de lucros relacionados a qualquer forma de capital que não seja dívida ou capital de empréstimo. Outros benefícios significativos para governos hospedeiros viii Esses fluxos de benefícios incluem: outros impostos que são cobrados sobre a renda, produção, ganhos de capital, vendas, exportações ou lucros de empresas, práticas; outros tipos de acordo de royalty; impostos de importação; retenção de impostos relacionados a dividendos, juros / taxas de serviços técnicos; taxas de registro; impostos do selo; e taxas ambientais. Ferramenta 1B: avaliação de impactos econômicos 13

17 LINHA DE REF. CATEGORIA TABELA 1B.1 REFERÊNCIA VOLUME VALOR TOTAL NACIONAL REGIÃO LOCAL Pagamentos Cobertos pela EITI 1 Fluxos de benefício de Empresas Estatais Internacionais e Nacionais 1a) Impostos sobre o lucro i 1b) Royalties ii Taxas de licença, aluguel, de entrada e outras considerações para licenças / 1c) iii concessões 1d) Bônus de contratação e produção vi 1e) Dividendos vii Outros pagamentos aos países hospedeiros (especificado como incluindo pagamento 1f) iv, v, viii feito através dos direitos de produção e outros tipos de acordos de royalty): Pagamentos não relacionados à EITI 2 Benefício Adicional / Fluxos de Pagamento para Incluir nos Estudos do SEAT 2a) Impostos de renda pagos em nome dos trabalhadores 2b) Contribuições para a previdência social para entidades públicas 2c) Qualquer outro pagamento como taxas de treinamento (especificar) Exclui pagamentos a autoridades públicas em retorno de um serviço comercial (ex: transporte ferroviário ou aquisição de energia de geradores de estatais) 14 Ferramenta 1B: avaliação de impactos econômicos

18 Figura 1B.1 Limite de Estimativas de Emprego para Incluir no SEAT Empregados da Empresa Contratados Permanentes no Local Cargos da Cadeia de Fornecimento Fora do País Cargos da Cadeia de Suprimento No País, Fora do Local Cargos Gerados No País pelas Despesas com Empregados Cargos Criados no Exterior pelas Despesas com Empregados Cargos Diretos Cargos Indiretos Cargos Incentivados Cargos Externos - NÃO Incluídos Limite de Estimativas de Empregos Incluídas no SEAT Tabela 1B.3 Como Calcular o Emprego Indireto na Cadeia de Suprimento NOME DO CONTRATADO / SUBCONTRATADO / FORNECEDOR (A) NÚMERO DE EQUIPES NÃO PERMANENTES (1) (2) NO LOCAL (B) NÚMERO TOTAL DE EMPREGADOS NA EMPRESA (1) NÚMERO DE EQUIPES FORA DO LOCAL (C) PORCENTAGEM DE NEGÓCIOS COM A OPERAÇÃO (D) TOTAL DE EMPREGADOS FORA DO LOCAL (B X C) (E) TOTAL DE EMPREGADOS INDIRETOS (A + D) (F) PORCENTAGEM DE EMPREGO LOCAL Observações: (1) O número de equipes deve ser expresso como equivalência de tempo integral. (2) Equipes permanentes no local devem ser contadas como empregados diretos. QUADRO 1B.1 EXEMPLO DE AMOSTRAGEM DE FORNECEDOR PARA CALCULAR O EMPREGO INDIRETO A mina X adquire US$ 10 milhões em bens no Ano A. No total, a mina compra de 100 fornecedores, com contratos variando em valores de US$ a US$ 1 milhão no Ano A. A mina analisa sua lista de fornecedores e seleciona oito deles, com cada dois se enquadrando abaixo de US$ 1.000, US$ US$ , US$ US$ e US$ US$ 1.000,000. O valor total dos fornecedores selecionados equivale a US$ 2 milhões. A mina então entra em contato com esses oito fornecedores e preenche a Tabela 1C.1 com os dados relevantes. A mina constata que 50 pessoas estão empregadas dentro dessa amostra. Como a amostra foi equivalente a 20% do valor total, estima-se que a mina gera emprego indireto de 250 (50x5) pessoas através da aquisição. Em algumas situações os fornecedores podem não desejar cooperar por motivos como sigilo comercial. Se não puder ser oferecida garantia suficiente para tratar as informações em sigilo, a seguinte alternativa de abordagem para estimar o emprego indireto pode ser usada: Identifique o faturamento anual do fornecedor através de contas publicadas (isso deve ser informação pública). Identifique o emprego total de fornecedores a partir de relatórios anuais, websites, etc. da empresa. Calcule o faturamento por cargo dividindo o faturamento total pelo total de empregos. Divida o tamanho das despesas da operação com a empresa pelo faturamento por número de cargo para fornecer uma estimativa de emprego gerado pelas práticas da operação. Esse método deve ser um último recurso e apenas deve ser feito com fornecedores significativos. Em alguns casos, essas informações podem ser difíceis de serem encontradas, principalmente se a empresa não tiver capital aberto. Pode ser necessário trabalhar com uma série de amostras de fornecedores antes de finalizar sua lista. Ferramenta 1B: avaliação de impactos econômicos 15

19 Emprego Indireto em Iniciativas de CSI A identificação do número de cargos gerados pelas iniciativas de CSI é um processo simples de quatro etapas: 1. Identifique o número de beneficiários do projeto. Podem ser empregados do projeto ou aqueles que obtêm seu emprego ou subsistência da assistência fornecida pelo projeto. 2. Identifique a porcentagem média de empregados ou, no caso de projetos de geração de renda, rendas de beneficiários ou empregados que a obtém do projeto. Empregados / beneficiários podem precisar ser entrevistados para a obtenção dessa informação. 3. Faça uma estimativa da contribuição da operação para estabelecer e manter o projeto. Podem ser incluídas contribuições em espécie (ex: terra, tempo, etc.). Para garantir que a resposta seja equilibrada, a operação deve tentar entrar em acordo com outros parceiros do projeto, incluindo os beneficiários. 4. Calcule os cargos de equivalência de tempo integral usando a fórmula apresentada na Tabela 1B.4 abaixo: 4. Número Total de Pessoas Suportadas pela Operação Em alguns contextos será útil conhecer o número total de pessoas suportadas por uma operação. Isso pode ser calculado se as seguintes variáveis forem conhecidas: 1. Total de empregos criados por uma operação (a soma de empregos diretos, indiretos e incentivados como calculado acima). 2. Tamanho médio da família (consulte a Ferramenta 2A definição de perfil da área local). 3. Porcentagem média da renda familiar obtida do emprego criado pela Anglo American. Uma pesquisa simples de amostras de trabalhadores pode ser necessária para encontrar essas informações (as respostas podem variar entre os diferentes tipos de trabalhadores). O cálculo na Figura 1B.2 pode ser usado para estimar o número de pessoas dependentes de sua operação. 3. Emprego Incentivado Espera-se que em países desenvolvidos, os multiplicadores de geração de empregos incentivados estejam bem abaixo de 100% (5 a 20% é uma variação mais comum), com valores de renda média e economias em transição ficando em uma zona intermediária. O Governo, economistas acadêmicos ou associações comerciais podem ser capazes de oferecer orientação relevante a um país e / ou setor. Figura 1B.2 Equação para Estimar o Número de Dependentes Total de emprego Tamanho médio da família % da renda familiar obtida do emprego criado pela Anglo American Número total de pessoas dependentes da operação da Anglo American para sua subsistência. Tabela 1B.4 Como Calcular a Contribuição da Anglo American para Empregos de Iniciativas de CSI NOME DO PROJETO DE CSI (A) NÚMERO DE BENEFICIÁRIOS DO PROJETO (B) PORCENTAGEM MÉDIA DE RENDAS DE BENEFICIÁRIOS OBTIDAS DO PROJETO (C) CONTRIBUIÇÃO DA ANGLO AMERICAN PARA ESTABELECER O PROJETO (PORCENTAGEM) (D) CARGOS DE EQUIVALÊNCIA DE TEMPO INTEGRAL ATRIBUÍDOS AOS CSIS DA ANGLO AMERICAN (A X B X C) Ferramenta 1B: avaliação de impactos econômicos

20 1B.5 CÁLCULO DACOMPRAS LOCAIS E NACIONAL Visão geral O dinheiro gasto pelas operações da Anglo American com aquisição da economia doméstica pode ser considerável. Portanto, a aquisição pode impulsionar a produção local e promover o desenvolvimento de cadeias de fornecimento. Para orientação de como impulsionar esse esforço, Consulte Ferramenta 5B compras locais. Exemplos de setores que podem se beneficiar com as operações de mineração dessa forma geralmente incluem serviços públicos, construção, produção, fornecimento de alimentos, hotéis, restaurantes, rodovia, transporte ferroviário e aéreo e bancos e seguros. Como acontece com o emprego, é útil obter um número de como o gasto com aquisição tem mudado e é esperado que continue a evoluir. Portanto, tente estimar números para 10 e 5 anos atrás e para 5 e 10 anos no futuro. Como acontece com o emprego, estimativas mais aproximadas podem ser produzidas para esses anos do que para o ano atual se os dados não estiverem disponíveis. Perfil de uma Cadeia de Suprimento Fornece uma breve visão geral da cadeia de suprimento respondendo às seguintes perguntas. Essas informações devem estar disponíveis nos departamentos de aquisição e contas da operação: 1. Quantos fornecedores há no total, tanto nacionais quanto internacionais? 2. Quanto é gasto a cada ano com esses fornecedores externos? 3. Quantos deles são domésticos (local / nacional)? 4. O fornecedor pertence a proprietários / acionistas desfavorecidos no momento ou anteriormente? 5. A operação adquire de fornecedores que representam uma interseção da comunidade local (em termos de gênero, etnia, religião, etc.)? Valor da Compras Locais e Nacional Uma amostra de fornecedores domésticos deve ser informada. A amostra deve ser representativa com relação ao tipo de fornecedor, geografia, tamanho da compra e habilidades necessárias. Em seguida, use as seguintes etapas: 1. Calcule o valor total de aquisição comprado através desses fornecedores. Essas informações devem estar disponíveis na cadeia de suprimento ou nos departamentos de financeiros. 2. Faça contato com cada fornecedor para avaliar que proporção dessa aquisição está relacionada à atividade econômica realizada no local da operação ou país hospedeiro. Consulte a orientação sobre a zona de influência na Ferramenta 2A definição de perfil da área local para definir a área local. Por exemplo, combustíveis importados terão uma porcentagem muito baixa de conteúdo local, enquanto alimentos cultivados no local terão uma porcentagem muito alta. Observe que os endereços de faturamento geralmente não são bons indicadores de onde a atividade econômica ocorreu. 3. O valor da amostra multiplicado pela porcentagem do conteúdo local / nacional oferecerá o valor do conteúdo local / nacional na amostra. 4. Aumente essa amostra para estimar o valor total da aquisição originada localmente / domesticamente (supondo que a amostra seja precisamente representativa da cadeia de suprimento doméstico). Por exemplo, se o valor de aquisição para um terço dos fornecedores domésticos foi calculado, em seguida multiplique pelo valor da amostra por um fator de três para obter o valor total de aquisição doméstica. Projetos de Despesa de Capital Grandes projetos de capital envolvem aquisição significativa. Se houver investimento planejado, descreva a escala da despesa e de onde os serviços de construção e equipamento de capital serão adquiridos. Se os dados estiverem disponíveis, use um processo semelhante ao descrito acima. Se não, uma descrição mais qualitativa do investimento deve ser fornecida, descrevendo o valor dos trabalhos, o número de pessoas empregadas e a origem dos fornecedores de equipamentos de construção e capital. Tabela 1B.5 Que suprimentos são comprados e de onde? NO. ITEM VALOR APROXIMADO (US$ / ANO) EMPRESA ONDE FOI FEITA A AQUISIÇÃO? LOCAL FORNECEDOR DESFAVORECIDO?* CONTEÚDO LOCAL (PORCENTAGEM) etc. * No contexto sul-africano, isso incluiria aquisições das empresas de emponderamento econômico dos negros. Ferramenta 1B: avaliação de impactos econômicos 17

SEAT. Caixa de ferramentas de avaliação socioeconômica Versão 3

SEAT. Caixa de ferramentas de avaliação socioeconômica Versão 3 SEAT Caixa de ferramentas Caixa de ferramentas de avaliação socioeconômica Versão 3 SEAT Caixa de ferramentas A Anglo American gostaria de agradecer as organizações a seguir por sua orientação e assistência

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

Responsabilidade Social 8000

Responsabilidade Social 8000 NORMA INTERNACIONAL SAI SA8000 : 2001 Responsabilidade Social 8000 SA8000 é uma marca registrada da Social Accountability International CÓPIA NÃO AUTORIZADA SEM PERMISSÃO DA SAI, EXCETO QUANDO PERMITIDO

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável Julho 2010 O que é ISO 26000? A ISO 26000 é uma norma internacional de Responsabilidade Social, um guia de diretrizes que contribui

Leia mais

Política de Direitos Humanos (GLOBAL)

Política de Direitos Humanos (GLOBAL) Política de Direitos Humanos (GLOBAL) DCA0069/2014 Rev.: 01-29/05/2014 Nº: POL-0005-G PÚBLICO Objetivo: Estabelecer diretrizes e princípios para atuação da Vale no que se refere ao respeito aos direitos

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Finalidade e escopo Na Pearson (incluindo suas subsidiárias e empresas com controle acionário), acreditamos fortemente que agir de forma ética e responsável

Leia mais

GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE

GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE Comissão Técnica Nacional de Sustentabilidade novembro/2014 Sumário Desenvolver e aplicar análises ESG - ambiental,

Leia mais

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos.

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos. NBC TSP 5 Custos de Empréstimos Objetivo Esta Norma indica o tratamento contábil dos custos dos empréstimos. Esta Norma geralmente exige o reconhecimento imediato no resultado do exercício dos custos dos

Leia mais

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal QUESTIONÁRIO PARA AS AUTORIDADES NACIONAIS TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO DAS RECEITA DOS RECURSOS NATURAIS O objetivo deste questionário é colher informações sobre a gestão dos recursos naturais, com ênfase

Leia mais

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social Características essenciais de Responsabilidade Social Incorporação por parte da organização de considerações sociais e ambientais nas suas decisões tornando-se

Leia mais

VIVEMOS NOSSOS VALORES

VIVEMOS NOSSOS VALORES BOA CIDADANIA: PRINCÍPIOS EMPRESARIAIS VIVEMOS NOSSOS VALORES INTEGRIDADE CORPORATIVA SEGURANÇA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EMPREGO E DIREITOS TRABALHISTAS DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE E DIREITOS HUMANOS

Leia mais

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios Princípios de Emponderamento da Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade significa negócios Igualdade significa Negócios Igualdade significa Negócios da Mulheres Princípios de Emponderamento

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO pág. 3. 2. CERTIFICAÇÃO DE FORNECEDORES ABVTEX pág. 4. 3. AUDITORIA pág. 7. 4. DOCUMENTO DE CERTIFICAÇÃO pág. 10

1. APRESENTAÇÃO pág. 3. 2. CERTIFICAÇÃO DE FORNECEDORES ABVTEX pág. 4. 3. AUDITORIA pág. 7. 4. DOCUMENTO DE CERTIFICAÇÃO pág. 10 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO pág. 3 2. CERTIFICAÇÃO DE FORNECEDORES ABVTEX pág. 4 3. AUDITORIA pág. 7 4. DOCUMENTO DE CERTIFICAÇÃO pág. 10 5. CANCELAMENTO OU SUSPENSÃO DA CERTIFICAÇÃO pág. 10 6. PRAZO PARA

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 07 As Famílias no Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance 1. Uma entidade que prepare e apresente demonstrações contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização

Leia mais

Novartis Código para Fornecedores

Novartis Código para Fornecedores Novartis Código para Fornecedores Version 1.0 01-04-2013 Introdução Finalidade Considerações éticas permeiam todas as dimensões de nossos negócios nossos processos de pesquisa, desenvolvimento, produção,

Leia mais

Institutional Skills Development. Diretrizes para Propostas

Institutional Skills Development. Diretrizes para Propostas Institutional Skills Development Sumário da chamada Público-alvo: instituições públicas e da sociedade civil brasileira, museus de ciência e jardins botânicos Prazo para envio de propostas: 20 de janeiro

Leia mais

Mineração e pessoas que fazem a diferença. SOCIAL WAY

Mineração e pessoas que fazem a diferença. SOCIAL WAY Mineração e pessoas que fazem a diferença. SOCIAL WAY Versão 2 PARA MAIS INFORMAÇÕES: CORPORATE OFFICE GOVERNMENT AND SOCIAL AFFAIRS 20 Carlton House Terrace, London, SW1Y 5AN, UK T +44 (0) 20 7968 8888

Leia mais

Guia de Boas Praticas para CSI. Segurança. para terceirizados. World Business Council for Sustainable Development

Guia de Boas Praticas para CSI. Segurança. para terceirizados. World Business Council for Sustainable Development Guia de Boas Praticas para CSI Segurança para terceirizados World Business Council for Sustainable Development Índice Introdução... 1 Parte A: Considerações Gerais sobre a Segurança na gestão de Terceirizados..

Leia mais

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros Todas as actividades empresariais na Bristol-Myers Squibb (BMS) apoiam-se no alicerce do nosso compromisso com a integridade e a conformidade com todas as leis, regulamentos, directivas e códigos industriais

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

Código de Conduta Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Brasil Kirin

Código de Conduta Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Brasil Kirin Código de Conduta Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Brasil Kirin 1 Código de Conduta do Fornecedor Brasil Kirin Introdução O objetivo deste Código de Conduta é orientar os nossos fornecedores

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios. www.siemens.

Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios. www.siemens. Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios www.siemens.com/compliance "A cultura de uma empresa e seus valores fazem a diferença.

Leia mais

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI Notas de orientação 9 3 de julho de 2015 Estas notas de orientação foram produzidas pela Secretaria Internacional da EITI para ajudar os países implementadores a publicarem dados eletrônicos do Relatório

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Código de Ética. Âmbito de aplicação

Código de Ética. Âmbito de aplicação Código de Ética Âmbito de aplicação O Código de Ética agora publicado busca orientar as ações da Energias do Brasil S.A. e de suas Controladas ( Energias do Brasil ) cujo âmbito de aplicação considera

Leia mais

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL Setor jurídico N. do documento: 00-LE-P0030 Edição: 5.0 Data da publicação: 09/04/2010 Data da revisão: 16/09/2013 Data de entrada em vigor: 16/09/2013 Página 1 de 8 POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA 2010 Pág.: 2 de 9 A maioria das empresas exige dos seus fornecedores um excelente produto/serviço, a preço competitivo. Além disso, para nós da Saraiva, é muito importante

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Como desenvolver o seu plano empresarial

Como desenvolver o seu plano empresarial PLANO EMPRESARIAL Como desenvolver o seu plano empresarial l Esta apresentação tem por objetivo sugerir a criação de um plano empresarial focando q Anatomia de um plano empresarial q Base para a automatização

Leia mais

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Caro Parceiro de Negócio, A história da nossa empresa inclui um compromisso de longa data em estar de acordo com as leis onde quer que atuemos e realizar nossos

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL INTRODUÇÃO 1. A Australian Securities Commission e a Comissão de Valores Mobiliários, reconhecendo

Leia mais

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros REPÚBLICA DA NAMÍBIA Lei de Investimentos Estrangeiros Promulgada em 7 de julho de 1992 e com emenda pela Lei 24 de 1993, Emenda da Lei de Investimentos Estrangeiros de 1993 LEI Para a disposição ao fomento

Leia mais

PADRÕES DE BUIÇÃO. Acordo de. Distribuição. a agir em seu em nosso nome sejam. você solicite. os nossos. & Nephew. Smith.

PADRÕES DE BUIÇÃO. Acordo de. Distribuição. a agir em seu em nosso nome sejam. você solicite. os nossos. & Nephew. Smith. PADRÕES DE CONFORMIDADE ADICIONAIS AO CONTRATO DE DISTRIB BUIÇÃO Estes padrões de conformidade fazem parte dos requisitoss detalhados referidos na cláusula 16.3 do Acordo de Distribuição ("TSA") entre

Leia mais

6 - Balanço de Pagamentos

6 - Balanço de Pagamentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-2215 - Contabilidade Social Balanço de Pagamentos Estrutura da apresentação 1) Definição

Leia mais

ESTABELECENDO UM NEGÓCIO NOS EUA

ESTABELECENDO UM NEGÓCIO NOS EUA ESTABELECENDO UM NEGÓCIO NOS EUA Escritórios de Advocacia Zara 111 John Street, Suite 510, New York, NY 10038 Tel: 1-212-619 45 00 Fax: 1-212-619 45 20 www.zaralawny.com 1 Introdução A recente queda do

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDOR

CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDOR CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDOR É fundamental que os funcionários da Jones Lang LaSalle Incorporated (incluindo a LaSalle Investment Management e suas demais subsidiárias, Jones Lang LaSalle, doravante

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE CADASTRAMENTO NO BANCO DE CONSULTORES DA ACOI EXPERT NETWORK 1

TERMOS E CONDIÇÕES DE CADASTRAMENTO NO BANCO DE CONSULTORES DA ACOI EXPERT NETWORK 1 TERMOS E CONDIÇÕES DE CADASTRAMENTO NO BANCO DE CONSULTORES DA ACOI EXPERT NETWORK 1 Os Termos e Condições abaixo dizem respeito aos requisitos exigidos dos profissionais especializados para seu cadastramento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA

PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA PARCEIRO DE NEGÓCIOS DA MSD CÓDIGO DE CONDUTA "Nossos valores e normas" para Parceiros de negócios Código de conduta do parceiro de negócios da MSD [Edição 1] A MSD compromete-se com a sustentabilidade

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL 8000

RESPONSABILIDADE SOCIAL 8000 PADRÃO INTERNACIONAL SAI SA8000 : 2008 RESPONSABILIDADE SOCIAL 8000 SA8000 é uma marca registrada da Social Accountability International CÓPIA NÃO AUTORIZADA SEM PERMISSÃO DA SAI, EXCETO QUANDO PERMITIDO

Leia mais

Princípios básicos nas relações com terceiros:

Princípios básicos nas relações com terceiros: Princípios básicos nas relações com terceiros: Checkup de reputação/responsabilidade quando utilizando terceiros em todo o mundo Marjorie W. Doyle, JD, CCEP-F com a contribuição de Diana Lutz 6500 Barrie

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

sustainable Código de Conduta da Industria Têxtil e da Moda Alemã

sustainable Código de Conduta da Industria Têxtil e da Moda Alemã sustainable Código de Conduta da Industria Têxtil e da Moda Alemã Introdução As empresas da Industria Têxtil e da Moda Alemã reconhecem as suas obrigações a nível de responsabilidade social, independentemente

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

Critério I - Relações de Trabalho e Direitos Fundamentais. A empresa possui compromisso formal com relação à erradicação do trabalho infantil?

Critério I - Relações de Trabalho e Direitos Fundamentais. A empresa possui compromisso formal com relação à erradicação do trabalho infantil? Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Social Critério I - Relações de Trabalho e Direitos Fundamentais Indicador 1 - Trabalho Infantil 1. A empresa possui compromisso formal com relação

Leia mais

Serviço HP Foundation Care Exchange

Serviço HP Foundation Care Exchange Informações técnicas Serviço HP Foundation Care Exchange HP Services Visão geral do serviço O serviço HP Foundation Care Exchange é composto de serviços remotos de hardware e software que lhe permitem

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A O código de ética da Empresa Luz e Força Santa Maria S/A contempla as seguintes partes interessadas: empregados, fornecedores, meio ambiente, consumidores

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Relatório de Resultados 2T 2015

Relatório de Resultados 2T 2015 MMX - Resultados Referentes ao 2º trimestre de 2015 Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2015 A MMX Mineração e Metálicos S.A. ( Companhia ou MMX ) (Bovespa: MMXM3) anuncia seus resultados referentes ao 2º

Leia mais

Notas de orientação sobre despesas sociais Requisito 4.1(e)

Notas de orientação sobre despesas sociais Requisito 4.1(e) Estas notas foram publicadas pela Secretaria Internacional da EITI para oferecer orientação para os países implementadores sobre como satisfazer os requisitos do Padrão da EITI. Aconselhamos os leitores

Leia mais

FINANCIAMENTO INTELIGENTE: PROTEÇÃO AO CLIENTE NO PROCESSO DE CRÉDITO

FINANCIAMENTO INTELIGENTE: PROTEÇÃO AO CLIENTE NO PROCESSO DE CRÉDITO FINANCIAMENTO INTELIGENTE: PROTEÇÃO AO CLIENTE NO PROCESSO DE CRÉDITO Uma Visão Geral para Incorporação de Práticas de Proteção ao Cliente em Empréstimos a Pessoas Físicas por Instituições de MicroFinanciamento

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

Modelo de Lista de Verificação de Nova Administração

Modelo de Lista de Verificação de Nova Administração Modelo de Lista de Verificação de Nova Administração Da publicação do IREM : Estratégias de Negócios para Administradoras de Imóveis Richard F. Muhlebach, CPM Alan A. Alexander, CPM A sua empresa acabou

Leia mais

Conferência Internacional do Trabalho

Conferência Internacional do Trabalho Conferência Internacional do Trabalho Recomendação 203 RECOMENDAÇÃO SOBRE MEDIDAS SUPLEMENTARES PARA A SUPRESSÃO EFETIVA DO TRABALHO FORÇADO, ADOTADA PELA CONFERÊNCIA EM SUA CENTÉSIMA TERCEIRA SESSÃO,

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL PARA A DEMOCRACIA DIRETRIZES DA PROPOSTA DIRETRIZ ADICIONAL

FUNDAÇÃO NACIONAL PARA A DEMOCRACIA DIRETRIZES DA PROPOSTA DIRETRIZ ADICIONAL Utilize este documento como uma ajuda adicional para escrever um orçamento ou narrativa da proposta. Se tiver outras perguntas, queria enviar um email à equipe regional do NED apropriada ou para proposals@ned.org.

Leia mais

NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS. Professor Rodrigo Nobre Fernandez NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução A partir de 2015, o Banco Central do Brasil divulga as estatísticas de setor

Leia mais

A ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE International Finance Corporation (IFC) Gladis Ribeiro

A ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE International Finance Corporation (IFC) Gladis Ribeiro A ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE International Finance Corporation (IFC) Gladis Ribeiro INTERNATIONAL FINANCE CORPORATION (IFC), QUEM SOMOS? A IFC, membro do Grupo Banco Mundial, é uma instituição de desenvolvimento

Leia mais

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC.

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC. Orientação Geral para Mandatos de Seguro de Depósito Eficazes Considerações importantes no Projeto de um Mandato Eficaz Disponibilidade de Recursos para um Sistema Eficaz de Seguro de Depósitos: Financiamentos,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA Para a QUAY, o Código de Ética e Conduta evidencia o propósito da empresa de buscar o constante aperfeiçoamento de seus valores, respeitando a

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters Código de Conduta do Fornecedor Em vigor a partir de 2 de julho de 2012 Ethics Matters Mensagem do CPO [Chief Procurement Officer - Diretor de Compras] A Duke Energy está comprometida com a segurança,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Princípios Gerais de Negócios da ARCADIS Logos

Princípios Gerais de Negócios da ARCADIS Logos Princípios Gerais de Negócios da ARCADIS Logos Conteúdo 1 Página Capítulo 2 1. Introdução 3 2. Nossos Compromissos 3! Compromissos com a sociedade 3! Compromissos para com os clientes 4! Compromissos para

Leia mais

WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL

WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL WORKSHOP DIMENSÃO AMBIENTAL 08.05.2009 WORKSHOP DIMENSÃO SOCIAL 26.05.2009 2009/2010 Processo 2009/2010 Principais etapas / eventos Quem Quando Revisão questionário 2008/09 e pontos de FGV CES MAR/2009

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Política Básica de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência Japonesa (Tradução Provisória) 31 de agosto de 2010

Política Básica de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência Japonesa (Tradução Provisória) 31 de agosto de 2010 Política Básica de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência Japonesa (Tradução Provisória) 31 de agosto de 2010 Conselho para Promoção de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

A consolidação do modelo

A consolidação do modelo C A P Í T U L O 2 A consolidação do modelo Nos últimos anos, o balanço social modelo Ibase tornou-se a principal ferramenta por meio da qual as empresas são estimuladas a conhecer, sistematizar e apresentar

Leia mais

Código de Conduta Versão resumida. The global leader in door opening solutions

Código de Conduta Versão resumida. The global leader in door opening solutions Código de Conduta Versão resumida The global leader in door opening solutions 2 Código de Conduta Esta versão do Código de Conduta contém um resumo do Código de Conduta. Ele é distribuído a todos os funcionários.

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

Anexo para Produtos e Serviços da IBM Internet Security Systems No

Anexo para Produtos e Serviços da IBM Internet Security Systems No IBM BRASIL - Indústria, Máquinas e Serviços Ltda. Av. Pasteur, 138/146 - Rio de Janeiro - RJ CEP 22296-900 Tel.: (21) 2132-5252 Internet: WWW.IBM.COM.BR CNPJ: 33.372.251/0001-56 Anexo para Produtos e Serviços

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Filmes. Na mídia... Gestão de RH. Responsabilidade Social Empresarial. Prof. Rafael Marcus Chiuzi. Sesi responsabilidade social Duração: 2 09

Filmes. Na mídia... Gestão de RH. Responsabilidade Social Empresarial. Prof. Rafael Marcus Chiuzi. Sesi responsabilidade social Duração: 2 09 Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Responsabilidade Social Empresarial Filmes Sesi responsabilidade social Duração: 2 09 Na mídia... Empresa socialmente responsável. Responsabilidade social corporativa.

Leia mais

ThyssenKrupp Code of Conduct

ThyssenKrupp Code of Conduct ThyssenKrupp Desenvolvendo o futuro. Prefácio Caros colegas, a nossa missão descreve os valores que desejamos compartilhar e como queremos cooperar hoje e no futuro. Ela define um objetivo claro, que temos

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

Amway - Política de privacidade

Amway - Política de privacidade Amway - Política de privacidade Esta Política de Privacidade descreve como a Amway Brasil e determinadas filiadas, inclusive a Amway América Latina (conjuntamente Amway ) utilizam dados pessoais coletados

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais