Ação de Pesquisa e Extensão no Projeto Laboratório de Tecnologias Intelectuais 1 UFPB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ação de Pesquisa e Extensão no Projeto Laboratório de Tecnologias Intelectuais 1 UFPB"

Transcrição

1 Ação de Pesquisa e Extensão no Projeto Laboratório de Tecnologias Intelectuais 1 UFPB Isa Maria Freire 1 (UFPB) Edvaldo Carvalho Alves 2 (UFPB) Julio Afonso Sá de Pinho Neto 3 (UFPB) Marckson Roberto Ferreira de Souza 4 (UFPB) Resumo Apresenta os primeiros resultados do Projeto Laboratório de Tecnologias Intelectuais (LTi), em desenvolvimento mediante parceria entre o Departamento e o Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal da Paraíba. Visa promover ações para propiciar o acesso à informação e à formação de competências em informação, através da Internet, bem como a troca produtiva de conhecimentos e experiências entre pesquisadores, bolsistas e usuários do LTi. Propõe ações em níveis de pesquisa (o projeto em si), ensino (EAD) e extensão (cursos e tutoriais), abordando as tecnologias intelectuais e suas aplicações em um ambiente de compartilhamento de conhecimentos. Relata resultados já alcançados desde o início do Projeto LTi (2009), especialmente a experiência com a Oficina de Criatividade Científica, curso de extensão presencial com atividades on line, que proporciona aos participantes a oportunidade de conhecer e trabalhar as abordagens e metodologias do campo da Ciência da Informação. Palavras chave: Tecnologias intelectuais. Competências em informação. Regime de informação. Educação continuada. Ciência da Informação. Abstract This paper presents the first results of the Project in Intellectual s Technologies Laboratory (LTi), developed through a partnership between the Department and Graduate Program in Information Science at the Federal University of Paraíba. The LTi promotes actions to provide access to information and skills training in information on the Internet, 1 Com apoio da Capes, do CNPq e do Programa de Bolsas de Extensão da UFPB. Home Page: <http://dci.ccsa.ufpb.br/lti>

2 and productive exchange of knowledge and experiences among researchers, scholars and users of LTi. Proposed actions on levels of research (the project itself), learning (ODL) and extension (courses and tutorials), sharing intellectual technologies and their applications in a collaborative environment. Show results since the beginning of the Project LTi (2009), especially the experience with Office of Scientific Creativity. An extension course with online activities that gives the opportunity to meet and work with methodologies in Information Science approaches to these participants. Key words: Intellectual technologies. Information skills. Information scheme. Continuing education. Information Science. 1 Introdução O presente trabalho visa descrever as ações de pesquisa e extensão desenvolvidas no Projeto Laboratório de Tecnologias Intelectuais LTi, com vistas ao desenvolvimento de atividades que facilitem o acesso livre à informação científica e tecnológica e, ao mesmo tempo, promovam competências em tecnologias intelectuais para produção e uso da informação. O LTi iniciou suas atividades em 2009, contando com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), através do edital 014/2009 Universal e do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), e do Programa de Bolsas de Extensão (PROBEX) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), mantido com recursos próprios da própria Universidade, e que tem o propósito de contribuir para a formação acadêmica dos estudantes dos cursos de graduação e das escolas técnicas, a partir da experiência em extensão universitária.

3 No quadro de pesquisadores participantes, o LTi conta com um conjunto de 13 professores 2, doutores e mestres do Departamento e do Programa Pós Graduação em Ciência da Informação do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da UFPB. A abordagem metodológica utilizada no LTi tem um caráter participativo, tanto em nível da articulação com o espaço sócio institucional quanto em nível da abordagem teórica. Nesse sentido, adotam se os modelos da responsabilidade social da Ciência da Informação, conforme Wersig e Neveling (1995) e Freire (2001), do regime de informação como proposto por González de Gómez (1999, 2002, 2003), das tecnologias intelectuais e da inteligência coletiva, ambos de Lévy (1993 e 2000, respectivamente), de competências em informação, conforme Hattschbach (2002) e Dudziak (2003), de projeto (Lück, 2001) e da pesquisa ação, como proposto por Thiollent (2000) experimentado por Freire (1998), Espírito Santo e Freire (2003) e Freire (2006 e 2009). Como urdidura para os fios do nosso relato, apresentamos, a seguir, a perspectiva a partir da qual propõe se promover uma integração entre pesquisaensino extensão, no escopo do LTi. Dessa forma, espera se ampliar a discussão sobre o valor da informação na sociedade contemporânea e a necessária democratização do acesso a fontes e a competências informacionais relevantes. 2 Contexto A Ciência da Informação surgiu em um contexto social onde a grande preocupação era organizar o enorme volume de informação produzida e disponibilizá la, utilizando os mecanismos e tecnologias acessíveis na época. Depois da Segunda Guerra Mundial, em decorrência da explosão documental, 2 Alba Lígia Silva, Bernardina Maria Juvenal Freire de Oliveira, Dulce Amélia de Brito Neves, Emeide Nóbrega Duarte, Edvaldo Carvalho Alves, Genoveva Batista do Nascimento, Guilherme Ataíde Dias, Gustavo Henrique de Araujo Freire, Isa Maria Freire (coordenadora geral), Julianne Teixeira e Silva, Julio Afonso Sá de Pinho Neto, Marckson Ferreira de Sousa, Meriane Vieira da Rocha, Patrícia Silva, Wagner Junqueira de Araujo.

4 tornou se necessário gerenciar e controlar o grande volume de informação, estocar e caracterizar seu conteúdo, bem como priorizar o seu uso de acordo com as diferentes comunidades de usuários. As primeiras pesquisas campo da Ciência da Informação priorizavam a recuperação da informação, o que tornou possível o desenvolvimento de inúmeras aplicações em produtos, sistemas, redes e serviços de informação. Na década de 1970, o tema da recuperação da informação começou a abranger os processos de comunicação humana em si, passando a ser vista como um campo de estudo do modo pelo qual as pessoas, criam, usam e comunicam informações (SARACEVIC, 1996, p.48). No início da década de 1980, a área de administração de sistemas e serviços de informação foi acrescentada como mais uma de interesse para o campo da Ciência da Informação, e nos anos 1990 a Ciência da Informação foi definida por Saracevic (1996, p.48) como [...] um campo dedicado às questões científicas e às práticas profissionais voltadas para os problemas da comunicação do conhecimento e de seus registros entre os seres humanos, onde, no tratamento destas questões, são consideradas as modernas tecnologias informacionais. Destaca se, nesta definição, a função social da Ciência da Informação, que visualiza na socialização da informação o princípio básico para a produção do conhecimento científico. Nesse sentido, no início do século 21, González de Gómez (2003b, p. 61) entende a Ciência da Informação como o campo científico [...] que estuda fenômenos, processos, construções, sistemas, redes e artefatos de informação, enquanto informação for definida por ações de informação as quais remetem aos atores que as agenciam aos contextos e situações em que acontecem e aos regimes de informação em que se inscrevem. (Grifo nosso) Nesta abordagem, a autora propõe que

5 [...] as ações de pesquisa e as ações de informação integrarão um mesmo domínio de orientações estratégicas e, em conseqüência, a política e gestão da Informação formarão parte do mesmo plano decisional e prospectivo ao qual pertence a política e gestão da ciência e da tecnologia agora reunidos em um só paradigma epistêmicoadministrativo. (GONZÁLEZ DE GÓMEZ, 2003b, p. 64, Grifos nossos) Nesse contexto, como propõe Freire (2006) caberia ao campo científico da informação produzir e compartilhar abordagens e tecnologias intelectuais para otimizar os recursos informacionais 3, de modo a promover a inclusão de indivíduos e grupos na Sociedade da Informação. Uma das práticas bastante significativa neste conjunto é a gestão da informação. Segundo discutido no Departamento de Ciência e Gestão da Informação da Universidade Federal do Paraná, o termo gestão da informação significa o planejamento, a construção, a organização, a direção, o treinamento e o controle associados com a informação (DECIGI, 2004). O termo pode significar tanto a informação em si quanto os recursos relacionados, tais como pessoas, equipamentos, verbas de custeio e tecnologias. Nessa perspectiva, na Ciência da Informação a atividade de gestão pode ser considerada como [um] conjunto de processos que englobam atividades de planejamento, organização, direção, distribuição e controle de recursos de qualquer natureza, visando à racionalização e à efetividade de determinado sistema, produto ou serviço (PONJUÁN DANTE, 1998 citada em MARCHIORI, 2002). Para Marchiori (2002) existem pelo menos três recortes no contexto da gestão da informação que já se apresentam como realidades em cursos de graduação e pós graduação no Brasil: a) da administração de empresas, nos quais a gestão da informação visa a incrementar a competitividade 3 No Projeto LTi entendemos como recursos informacionais o conjunto de ações e/ou elementos englobados nas ações de produção, organização, acesso, comunicação e uso da informação.

6 empresarial e os processos de modernização organizacional [...]; b) da tecnologia, onde a gestão da informação é vista como um recurso a ser otimizado via diferentes arquiteturas de hardware, software e de redes de telecomunicações adequadas aos diferentes sistemas de informação em especial aos empresariais; c) da Ciência da Informação, [considerando] a necessidade do gerenciamento de recursos de informação, o monitoramento, a localização, a avaliação, a compilação e a disponibilidade de fontes de informação [...] no âmbito de diferentes fluxos de informação [...]. Para González de Gómez cabe à gestão da informação o planejamento, instrumentalização, atribuição de recursos e competências, acompanhamento e avaliação das ações de informação e seus desdobramentos em sistemas, serviços e produtos (GONZÁLEZ DE GÓMEZ, 1999b, p.131). Na visão da autora, a gestão estabelece a mediação entre as políticas de informação de um setor e a ação informada dos atores envolvidos, sejam eles o Estado, o Governo, ou as comunidades usuárias de bens e serviços. Esse conjunto de regras, proposições, artefatos, ações e atores formam o contexto para a gestão da informação, em um dado regime de informação. 2.1 A perspectiva do regime de informação Na sua abordagem da sociedade informacional, González de Gómez (1999; 2002; 2003; 2004) trabalha com o conceito de regime de informação, que designa

7 o modo de produção informacional numa formação social, no qual ficaria estabelecido quem são os sujeitos, as organizações, as regras e as autoridades normativas no campo da informação. Trata se do conjunto de determinações onde estão definidos os elementos que compõem o fluxo estrutural da produção, organização, comunicação e transferência de informações em um dado espaço social. Um regime de informação é definido por González de Gómez (1999a, p.24; 2002, p. 34) como [um] conjunto mais ou menos estável de redes sociocomunicacionais formais e informais nas quais informações podem ser geradas, organizadas e transferidas de diferentes produtores, através de muitos e diversos meios, canais e organizações, a diferentes destinatários ou receptores, sejam estes usuários específicos ou públicos amplos. [Este conjunto] está configurado, em cada caso, por complexos de relações plurais e diversas: intermediáticas; interorganizacionais e intersociais. [Sendo constituído, assim,] pela figura combinatória de uma relação de forças, definindo uma direção e arranjo de mediações comunicacionais e informacionais dentro de um domínio funcional (saúde, educação, previdência, etc.), territorial (município, região, grupo de países) ou de sua combinação. Neste modelo, enquanto Ação de Informação, a informação refere se a um conjunto de estratos heterogêneos e articulados, que se manifestam através de três modalidades: a) ação de mediação: quando a ação está atrelada aos fins e orientação de uma outra ação, como nas parcerias com educação; b) ação formativa: quando a ação está orientada à informação não como um meio, mas como sua finalização, como nos programas de pósgraduação; c) ação relacional: quando a ação busca intervir em uma outra ação para obter direção e fins, como na inclusão social (GONZALEZ DE GOMEZ, 2003a).

8 São, também, constituintes de um regime de informação: os Dispositivos de informação, que podem ser considerados um mecanismo operacional, ou um conjunto de meios composto de regras de formação e de transformação desde o seu início, ou, como González de Gómez (1999a, p. 63) exemplifica, um conjunto de produtos e serviços de informação e das ações de transferência de informação. os Atores sociais, [...] que podem ser reconhecidos por suas formas de vida e constroem suas identidades através de ações formativas existindo algum grau de institucionalização e estruturação das ações de informação. (GONZÁLEZ DE GÓMEZ, 2003a, p. 35). os Artefatos de informação, que são os modos tecnológicos e materiais de armazenagem, processamento e de transmissão de dados, mensagem, informação. (GONZÁLEZ DE GÓMEZ, 2002, 2003a). Nesse modelo teórico operativo, é possível propor se uma ação que possibilite a união desses elementos em um espaço social onde cientistas da informação possam desenvolver ações com vistas à gestão de recursos informacionais para promover a inclusão na Sociedade da Informação. Com esta abordagem, é possível argumentar que o campo da Ciência da Informação pode proporcionar recursos teóricos, tecnológicos e metodológicos que promovam as competências necessárias para a socialização da informação. Essa perspectiva traz a escola para campo de atuação da Ciência da Informação, pois no contexto cultural [...] a escola é [...] um espaço de informação ou de exercício da comunicação e de acesso às informações produzidas socialmente. [...] o campo social escola é assim um lócus privilegiado para o estudo das praticas informacionais e por aí para uma visão da institucionalização e

9 funcionamento do nosso mundo cultural. (MARTELETO, Em itálico, no original) E contextualiza uma ação de informação desenvolvida na escola como um entrelaçamento teórico metodológico entre os campos da Educação e da Ciência da Informação. Nesse contexto, conforme Pereira e Freire (1998, p.32), a informação pode ser abordada na perspectiva [da] transmissão de conhecimento para aqueles que dele necessitam, atividade que tem uma responsabilidade social que Wersig e Neveling sugerem ser o fundamento em si para a ciência da informação. Nessa perspectiva, o projeto LTi assume a função social de oferecer um espaço de mediação na transferência da informação entre um estoque de conhecimento, acumulado e disponível na sociedade e usuários (alunos universitários) que necessitam de conhecimento no seu processo de desenvolvimento pessoal e social. Aos fios desse contexto, entrelaçam se o de uma área que vem adquirindo relevância para as ações de informação, principalmente no que diz respeito à capacitação para o uso de tecnologias intelectuais e digitais para produção, busca, recuperação e propagação da informação por diversos grupos, na sociedade. 2.2 As competências em informação Deve se a Paul Zurkowski, bibliotecário norte americano, a introdução da expressão Information Literacy. 4 Quando presidente da Information Industry Association, em 1974, Zurkowski apresentou um relatório à National Commission on Libraries and Information Science recomendando aos Estados Unidos um programa nacional para aquisição de competências em informação em uma década. Depois de 15 anos, o Comitê Presidencial da American Library Association (ALA) publicou um Relatório sobre Information Literacy, reconhecendo a importância desta área 4 Traduzido por Hattschbach (2002) como competências em informação, termo que adotamos.

10 para a manutenção de uma sociedade democrática. Neste documento, descrevem se os critérios que definem como competentes em informação pessoas capazes [...] de reconhecer quando a informação é necessária e [têm] a habilidade de localizar, avaliar e usar efetivamente esta informação [Essas pessoas] aprenderam como aprender. Elas sabem como aprender porque sabem como a informação é organizada, como encontrá la e como usar a informação de forma que os outros também possam aprender com ela. (AMERICAN LIBRARY ASSOCIATION, 1989) Logo em seguida, Kuhlthau (1991) contribuiu para a fundamentação teórica da Information Literacy com um estudo sobre o comportamento dos estudantes, concluindo que não se trata apenas de possuir habilidades, mas, sobretudo, de uma maneira de aprender: a busca de informação é um processo de construção que envolve a experiência de vida, os sentimentos, bem como os pensamentos e as atitudes de uma pessoa (KUHLTHAU, 1991, p. 362). Em 1994, Doyle publicou um trabalho que traça a história, o desenvolvimento e a importância da Information Literacy como aspecto significante para a organização e o desenvolvimento da sociedade contemporânea, além de fazer um estudo das competências requeridas dos estudantes, a partir da análise de currículos escolares americanos das áreas sociais, exatas e biológicas. O estudo apresenta um levantamento dos atributos para uma pessoa ser considerada information literate. De acordo com a autora, esses atributos são os seguintes: reconhecer que uma informação precisa e correta é a base para uma tomada de decisão inteligente; reconhecer a necessidade de informação; formular questões baseadas em necessidades de informação; identificar fontes potenciais de informação; desenvolver estratégias de pesquisa bem sucedidas; saber acessar diversas fontes de informação, incluindo o computador e outras tecnologias;

11 avaliar a informação; organizar a informação para aplicação prática; integrar informações novas a conhecimentos já adquiridos; utilizar a informação de uma forma crítica e para a resolução de problemas (cf. DOYLE, 1994). Hatschbach (2002) entende como competências em informação a habilidade e a capacidade em utilizar a informação e o conhecimento sobre a sistemática e o movimento da informação. Além da capacitação no uso das ferramentas para a recuperação da informação, esse conjunto inclui o conhecimento de fontes, o pensamento crítico, a formulação de questões, a avaliação, a organização e a utilização da informação. O que nos traz, certamente, para o ambiente universitário. A autora coloca a importância da consciência em desenvolver habilidades específicas de informação junto aos estudantes universitários, para melhor desempenho de suas atividades acadêmicas, na política educacional e também como tema de interesse de educadores e pesquisadores. O aprender e o recriar permanentemente, ou aprender a aprender, conceito pedagógico derivado dos novos desafios da sociedade contemporânea, é o marco norteador para construir metodologias criativas no trabalho docente. Nesse sentido, pode se observar que as competências em informação constituem uma temática relevante no contexto educacional, indo ao encontro das orientações e práticas pedagógicas contemporâneas. Em seu trabalho sobre a questão da educação na Sociedade da Informação, Belluzzo afirma que a gestão da informação nos diferentes níveis pessoais, organizacionais e sociais, é o grande desafio dos tempos atuais, constituindo se no próximo estágio de alfabetização do homem (BELLUZZO, 2001). A autora também destaca a Information Literacy dentre as competências em que o processo de ensino aprendizagem deve estar centrado: constitui se na fluência científica e

12 tecnológica e no saber utilizar a informação, criando novo conhecimento (BELLUZZO, 2001). É nesse contexto que situam se as tecnologias de organização, processamento e busca da informação relevante para um dado grupo de usuários, na sociedade. Seguindo o modelo de Lèvy (1993, p. 42), consideram se tecnologias intelectuais [...] tanto as formas de expressão simbólica [...] quanto as tecnologias de informação em si mesmas (p.ex., a escrita em tabuinhas de barro, as iluminuras medievais, a imprensa e os computadores). Podemos chamá las, também, de tecnologias soft em contraponto às tecnologias de produção material (que evoluíram, p.ex., desde o machado de pedra até os satélites de comunicação). Ainda de acordo com Lévy (1993, p. 42), essas tecnologias intelectuais [...] situam se fora dos sujeitos cognitivos, como este computador sobre minha mesa ou este [texto] em suas mãos. Mas elas também estão entre os sujeitos como códigos compartilhados, textos que circulam, programas que copiamos, imagens que imprimimos e transmitimos por via hertziana. [...] As tecnologias intelectuais estão ainda nos sujeitos, através da imaginação e da aprendizagem. O autor destaca as tecnologias intelectuais em suporte digital, as quais favorece(m), ainda, o desenvolvimento e manutenção da inteligência coletiva, pois exteriorizando uma parte de nossas operações coletivas as tornam [...] públicas e partilháveis ; destarte, as tecnologias intelectuais aumentam e modificam nossas capacidades cognitivas (LÉVY, 2001 citado por GONZÁLEZ DE GÓMEZ, 2004, p.55). Nesse contexto, entendemos como intelectuais as tecnologias digitais de organização, processamento e busca de informações relevantes para um dado grupo social, na sociedade. Essa perspectiva propicia a abordagem das competências em tecnologias intelectuais e digitais de informação através de projeto para desenvolvimento e experimentação de um modelo de ação para

13 competências em informação no âmbito universitário, integrado às atividades de pesquisa, ensino e extensão do Departamento de Ciência da Informação e do Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da UFPB. 2.3 O acesso livre O LTi não poderia deixar de desenvolver ações voltadas para o Open Access (OA), ou Acesso Livre, como é chamado no Brasil. Tal iniciativa diz respeito à disponibilização, na rede mundial de computadores, de trabalhos voltados para a produção de conhecimento científico, oriundos de pesquisas realizadas em universidades e institutos de pesquisa. Tem com objetivo viabilizar o livre acesso de qualquer pesquisador aos conteúdos de tais trabalhos. A ideia é permitir, além da consulta, a livre reprodução e distribuição na íntegra ou em parte de artigos ou outras diferentes fontes de informação científica. Parte se do pressuposto que as tecnologias de informação e comunicação são um instrumento essencial para o avanço e a difusão do conhecimento. A disponibilização dos acervos sem qualquer tipo de ônus via bibliotecas digitais, repositórios, cursos a distância em plataformas digitais de livre acesso é uma atribuição inerente a um laboratório voltado para gerar competências em ensino e aprendizagem a partir das tecnologias intelectuais e digitais de informação. Contudo, o papel relevante da academia diante desse processo está especialmente voltado para desencadear uma mudança de perspectiva no que diz respeito ao ensino, aliada a uma postura crítica, com o compromisso de transformação, no que tange aos novos saberes ligados à utilização das TIC e em especial no que diz respeito às possibilidades ao livre acesso ao conhecimento que a Internet hoje torna possível.

14 É preciso que utilizem a web para a exposição de competências e permuta contínua de informações. Assim estarão praticando um exercício de inconformismo que divide uma era de conhecimento de outra. [...] Essa busca permanente de eficiência não é um procedimento empresarial, como alguns pensam. É antes de tudo um procedimento acadêmico, em sentido estrito. (MARKOVITCH, 2002). O LTi tem o interesse em familiarizar a comunidade acadêmica e demais usuários com os instrumentos de livre acesso já existentes no Brasil. À frente de várias iniciativas nesse sentido, encontram se os projetos desenvolvidos pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), tais como o Programa de Informação e Comunicação para a Pesquisa (PROSSIGA), o portal Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD) e ainda o Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER). Tudo isso acrescido de um grande número de softwares livres já existentes que têm como finalidade contribuir para a consecução do tão almejado objetivo de disponibilizar livremente o acesso a conteúdos informações de empresas ou organizações, como o DSPACE, também disponível gratuitamente pelo IBICT. Outras inúmeras instituições brasileiras fazem coro a tais iniciativas, dentre as quais podem ser citadas a Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (FAPESP) e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O SCIELO (Scientific Eletronic Library Online) e o Portal de Periódicos da CAPES são dois exemplos pujantes de instrumentos desenvolvidos com o objetivo de viabilizar o Open Access pelas instituições citadas. Um dos papéis preponderantes da academia deve ser o de preparar os usuários da informação para que estes possuam competências para lidar com as tecnologias da informação. No bojo de tais competências reside a necessidade primordial de educar tais usuários a partir de uma perspectiva crítica e analítica. Para Barreto (1994), o objetivo precípuo da informação deve ser promover o desenvolvimento do indivíduo, de seu grupo e da sociedade. Para que o livre acesso à informação, disponível através das TIC, possa realmente vir a provocar uma

15 verdadeira inclusão digital, fundamentada na promoção da cidadania. É necessário que este processo de Information Literacy seja organizado tendo em vista o estímulo à reflexão, à análise e crítica, sem os quais é impossível atingir tal objetivo. Um bom exemplo dessa panorâmica é o excesso de informação hoje existente na rede mundial de computadores, que enfrenta, segundo alguns, a ameaça tornar se um espaço de culto ao amadorismo (KEEN, 2006), corroborando para agravar a crise política e ideológica contemporânea. Segundo estudos realizados por Lawrence (2001, citado por BOMFÁ; BLATTMANN; CASTRO, 2010), o índice de citações nas publicações eletrônicas é preponderantemente maior que em similares impressas. Conforme a pesquisa, as publicações eletrônicas contam com 7,03%, enquanto que nas impressas esse percentual de citações cai para 2,74%. Resta, assim, a indagação sobre a qualidade, legitimidade e confiabilidade de tais conteúdos. Ou seja, como assegurar igual legitimidade e confiabilidade nos trabalhos disponibilizados em nesses diferentes suportes materiais da informação? Aprender a aprender requer poder contar com o exercício da crítica necessário para conceber a tecnologia como um instrumento que não prescinde de démarches políticas, culturais, econômicas ou ideológicas (PINHO NETO, 2008), fortalecendo um entendimento e uso dos seus processos que discorda, ao mesmo tempo, das concepções excessivamente funcionalistas que apostam no simples uso ou aquisição de novos gadgets como a solução para todos os males da humanidade. O interagir humano com a técnica não diz respeito somente ao uso, mas a questões políticas, sociais, econômicas e culturais, onde há sempre um espaço para criar outras possibilidades de interagir com tecnologia e assim plasmar novas formas de ensino e aprendizagem.

16 3 A rede de projetos do lti O Laboratório de Tecnologias Intelectuais (LTi) está sendo implementado através de uma rede de projetos, em correspondência às atividades acadêmicas da UFPB e em conformidade com o método de projeto, considerado por Lück (2001, p. 13) como uma ferramenta básica do gestor, que [...] fundamenta, direciona e organiza a ação de sua responsabilidade [e] possibilita o seu monitoramento e avaliação. Nesta perspectiva, projeto é definido como [...] um conjunto organizado e encadeado de ações de abrangência e escopo definidos, que focaliza aspectos específicos a serem abordados num período determinado de tempo, por pessoas associadas e articuladoras das condições promotoras de resultados. (LÛCK, 2001, p.27) A rede de projetos do LTi é constituída por propostas de ações de informação no âmbito de cada uma das linhas de atuação universitária: ensino, pesquisa, extensão. Professores do Departamento de Ciência da Informação (DCI) e do Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da UFPB participam da rede, através de projetos que estão em desenvolvimento, ou em elaboração, ou em fase de discussão, em uma das linhas de atuação da UFPB e integrados a programas institucionais. Nos três níveis de atividades do projeto LTi, essa rede visa alcançar os seguintes objetivos específicos: i. na pesquisa [inovação e desenvolvimento] Proposição de modelo de ação de informação na perspectiva da universidade Implementação de projeto piloto [experimentação e avaliação do modelo] Comunicação científica [oficinas, seminários, comunicações em eventos, artigos]

17 ii. no ensino [apoio e complementação] realização de oficinas de tecnologias intelectuais [fundamentação teórica e metodológica para pesquisa científica, EAD Competências em informação] realização de oficinas de tecnologias intelectuais digitais [introdução à informática, sistemas de processamento e recuperação da informação, softwares livres] iii. na extensão [responsabilidade social] realização de oficinas de acesso a fontes acadêmicas de informação na Internet [portal de periódicos científicos, portais de informação científica] e EAD Qualidade do trabalho acadêmico, EAD Competências em informação Dessa forma, as ações possibilitam o desenvolvimento entre os participantes de uma sinergia para o trabalho a ser empreendido, além de gerar comprometimento com a efetiva construção de condições para sua realização, com o propósito de promover benefícios às pessoas e organizações. Nesse contexto, o projeto justifica sua implantação e implementação efetivas, visando novas ações e realidades. A seguir, na Figura 1 é apresentado o diagrama da rede de projetos do LTi, conforme explicitadas acima.

18 Figura 1 : Diagrama da rede de projetos do LTi na perspectiva do regime de informação. Dispositivos Políticas de informação ProjetoLTi Colegiado DCI Edital CNPq Laboratório de Tecnologiasintelectuais Atores Professores PPGCI Professores DCI Participantes Ensino Pesquisa Extensão Ensino Virtual: Fundamentos em CI Políticas de informação Recuperação da informação Tecnologiasda Informação Fundamentos de Arquivologia Legislação Arquivística Na trilha do futuro Janelas da cultura local Revista PBCIB O tesouro de conhecimentos da comunidade MonitoriaVirtual Oficina de Criativi dade Científica Competências em Informaçãoon line Apoio à Gestão Acadêmica Ações Projetos Artefatos Resultados FREIRE Notas de trabalho. Considerando a finalidade deste artigo, qual seja, a de relatar a abordagem e estrutura do Projeto LTi no diz respeito ao desenvolvimento de um modelo de ação para competências em informação, em especial nossa experiência com a integração entre pesquisa e extensão universitária, não serão abordados aqui os projetos iniciados em 2010 e dos quais ainda não dispomos de avaliação dos resultados. A seguir, descrevemos uma ação de extensão do LTi e da qual estamos realizando a segunda edição em Ação de extensão: oficina de criatividade científica A Oficina de Criatividade Cientifica no campo da informação tem sua origem motivada, simultaneamente, por dois fatores: 1) a percepção da necessidade de capacitação, no campo da ciência da informação e da metodologia da pesquisa, de um conjunto significativo de candidatos a mestrandos do Programa de Pós

19 Graduação em Ciência da Informação, oriundos das mais diversas áreas do conhecimento; 2) o desejo de contribuir, através de ações de informação, para o desenvolvimento de competências informacionais capazes de alterar trajetórias de vidas. No que se refere à estrutura, metodologia e funcionamento, a Oficina foi estruturada, inicialmente, em 30h/aula, distribuídas em 10 encontros semanais e seqüenciais de 3 h/aula, no período de maio a agosto de Os encontros foram desenvolvidos mediante aulas expositivas, conduzidas com dinâmicas de grupo, envolvendo exercícios intelectuais e de integração social e afetiva, exercícios extraclasse e palestras 5, com vista à aplicação e fixação do conteúdo programático 6. O público atendido se caracterizou, principalmente, por uma heterogeneidade no que se refere à biografia individual, no entanto, eram, em sua maioria, profissionais com certo tempo de atuação em suas áreas de competência e alunos de graduação em fase de conclusão de curso que desejavam fazer a seleção para o Mestrado do PPGCI da UFPB. 7 Na intenção de atender um número maior de inscritos, foi decidido que seriam realizadas, em 2009, duas edições da oficina, cada uma com 25 participantes. Em relação à avaliação, para realizá la, decidiu se trabalhar com dois conjuntos de dados de naturezas diferentes: 1) dados quantitativos referentes aos percentuais de sucesso dos participantes da oficina que se submeteram ao processo de seleção do PPGCI/UFPB em 2009; e 2) dados qualitativos referentes à percepção dos participantes quanto ao funcionamento e à contribuição da Oficina nas suas trajetórias de vida e sugestões para a melhoria do projeto. 5 Na edição 2010 da Oficina, que iniciou suas atividades em abril, aumentou se o numero de palestras realizadas, tanto sobre pesquisas na Ciência da Informação quanto sobre mecanismos de busca na web. 6 Todo o material didático utilizado está disponibilizado em um grupo de discussão no Google Grupos. Nesse espaço também são compartilhadas e discutidas questões, dúvidas, comentários e sugestões, entre os professores e os participantes, e publicado o MURAL da Oficina de Criatividade Científica. 7 Um fato que chamou a atenção dos coordenadores na Oficina 2009 foi a significativa participação de servidores técnicoadministrativos da UFPB, especialmente oriundos da Pró Reitoria de Administração.

20 No tocante aos dados quantitativos, que possibilitam a obtenção de um indicador numérico do sucesso da Oficina, dos 50 participantes inscritos nas duas turmas 26% não concluíram a carga horária mínima exigida 8 em sua maioria devido à impossibilidade de conciliação de seus horários de trabalho com o horário de funcionamento da Oficina 9. Tabela 1 Quantidade de participantes da Oficina Número de participantes inscritos Qtde. (%) evasão de participantes Número de participantes concluintes 50 (100,0) 13 (26,0) 37 (74,0) Fonte: Pesquisa Direta Dos 74% que conseguiram completar a carga horária e concluir a oficina, 59,4% (vinte e dois participantes) se submeteram ao processo seletivo do PPGCI/UFPB Desse total, 54,5% conseguiram ser aprovados na fase de análise dos pré projetos de pesquisa, o que representa um percentual bastante significativo, principalmente se consideramos o fato de que a melhor nota dos préprojetos (9,8) foi de uma participante da oficina. No entanto, desses 54,5% que conseguiram aprovação na etapa de análise dos pré projetos, 50% não atingiram a média necessária para a sua aprovação na prova escrita sendo, portanto, eliminados do processo seletivo 10. Dos outros 50% que continuaram no processo, 8 Correspondendo a 75% das aulas. 9 A Oficina funcionou, e continua a funcionar, às terças feiras, das 14:00 às 17: Este foi um dos motivos que levou os coordenadores a introduzir mudanças na edição 2010 da Oficina, tanto na carga horária quanto na dinâmica dos encontros, com vistas a desenvolver nos participantes a familiaridade com as tecnologias intelectuais utilizadas no campo da Ciência da Informação.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PIVIC. Titulo do Projeto:

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PIVIC. Titulo do Projeto: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PIVIC Titulo do Projeto: Ação de Pesquisa e Extensão no Projeto Laboratório de Tecnologias Intelectuais

Leia mais

EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836. Projeto NA TRILHA DO FUTURO. Plano de trabalho COMPETÊNCIAS PARA ENSINO VIRTUAL

EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836. Projeto NA TRILHA DO FUTURO. Plano de trabalho COMPETÊNCIAS PARA ENSINO VIRTUAL LABORATÓRIO DE TECNOLOGIAS INTELECTUAIS LTi Coordenadora: Profa. Dra. Isa Maria Freire EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836 Projeto NA TRILHA DO FUTURO Plano

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Ações de pesquisa e extensão no projeto laboratório de tecnologias intelectuais 1

Ações de pesquisa e extensão no projeto laboratório de tecnologias intelectuais 1 Ações de pesquisa e extensão no projeto laboratório de tecnologias intelectuais 1 Research and extension actions in the intellectual technology laboratory project 127 ARTIGO ARTIGO TECNOLOGIAS INTELECTUAIS

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP 2014 PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP INTRODUÇÃO A Pró-reitoria de graduação (PROGRAD), a Câmara Central de Graduação (CCG), o Núcleo de Educação à Distância

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS Profa. Dra. Ivete Martins Pinto Secretária Geral de Educação a Distância Coordenadora UAB/FURG Presidente da Associação Universidade

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Arquivologia:

Gestão do Conhecimento e Arquivologia: Gestão do Conhecimento e Arquivologia: entrelaçamentos e possibilidades na formação do profissional arquivista. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira DCI/FABICO/UFRGS Arquivologia Salvador, 2013. Apresentação

Leia mais

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE 1 O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE Recife, maio/2010 Ana Paula Teixeira Bruno Silva Universidade Federal

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO 1 REDES SOCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Eduardo Alves Silva Dalton Lopes Martins

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTOS DOS CONSELHOS ESCOLARES PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

e auxiliares de biblioteca mediada por EAD como modalidade de aprendizagem organizacional

e auxiliares de biblioteca mediada por EAD como modalidade de aprendizagem organizacional Capacitação de técnicos t e auxiliares de biblioteca mediada por EAD como modalidade de aprendizagem organizacional Márcia Elisa Garcia de Grandi,, Alice Mari Miyazaki de Souza, Elenise Maria de Araújo,

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Emir José Suaiden Professor e pesquisador da Universidade de Brasília Diretor do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - Ibict

Emir José Suaiden Professor e pesquisador da Universidade de Brasília Diretor do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - Ibict SERVIÇOS DE REFERÊNCIA: NAS TRILHAS DA WEB Emir José Suaiden Professor e pesquisador da Universidade de Brasília Diretor do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - Ibict No processo

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Instituto Serzedello Corrêa - ISC É uma unidade de apoio estratégico ligada à Presidência do TCU. Criado pela Lei Orgânica do

Leia mais

GESTÃO EM EAD VIA INTERNET

GESTÃO EM EAD VIA INTERNET GESTÃO EM EAD VIA INTERNET Nunes, Flávio L. B. Cetro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas Palavras-chave: Educação a distância Gestão Internet. Resumo: Este trabalho tem por objetivo lançar algumas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO

ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO O curso de Pós-graduação Lato Sensu Especialização em Propriedade Intelectual e Inovação faz parte do Programa de Capacitação dos

Leia mais

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE Eliane Apolinário Vieira Priscila Marylin de Almeida Arlete Inocencia Menezes Roni

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO ADMINISTRATIVA INTEGRADA A TECNOLOGIA UnC INTRODUÇÃO A UnC interage com um mundo organizacional competitivo, inclusive com sua própria estrutura administrativa e geográfica que

Leia mais