30 Outubro Metrologia no Setor Alimentar _ Exemplo de Boas Práticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "30 Outubro 2014. Metrologia no Setor Alimentar _ Exemplo de Boas Práticas"

Transcrição

1 30 Outubro 2014 Metrologia no Setor Alimentar _ Exemplo de Boas Práticas

2 Marcas com história Sumol e Compal são as marcas portuguesas que dão nome à nossa empresa. Cada uma tem mais de 50 anos e origem na fruta. A inovação e a natureza fazem parte de nós!

3 MARCAS FANTÁSTICAS MARCAS FORTES, NUMA GAMA COMPLETA E DIVERSIFICADA

4 CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO 13 CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO EM PORTUGAL 550 SKU s 4 CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO REGIONAIS Póvoa de Varzim Leiria Carnaxide Faro 4 CENTROS DE PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO Vila Flor Gouveia Pombal Almeirim 5 CENTROS DE CROSS DOCKING Ovar Viseu Seixal Évora Portimão 4

5 UNIDADES INDUSTRIAIS 4 UNIDADES INDUSTRIAIS EM PORTUGAL Vila Flor Gouveia Pombal Almeirim Almeirim Pombal Gouveia Vila Flor 5

6 UNIDADES INDUSTRIAIS 1 UNIDADE INDUSTRIAL EM MOÇAMBIQUE Boane, Moçambique A Fábrica de Boane, nos arredores de Maputo, começou a operar no decurso do 2º semestre de 2013 Boane 6

7 UNIDADES INDUSTRIAIS PRODUÇÃO ANUAL Almeirim Pombal Milhões de litros Gouveia Vila Flor Fonte: SUMOL+COMPAL

8 UNIDADE INDUSTRIAL POMBAL

9 UNIDADE INDUSTRIAL DE POMBAL Caracterização Produz refrigerantes e cerveja Formato lata é o principal: 107 MLitros Actividade sazonal Taxa de ocupação 50% Tem 8 linhas de produção Volume de investimentos nos 4 últimos anos: superior a 8,5 M Capacidade diária instalada: 1,5 MLitros

10 UNIDADE INDUSTRIAL DE POMBAL PRODUÇÃO PET 1 linha de enchimento em embalagens de formato 1,25Lt e 1,5Lt Grf/h 1 linha de enchimento em embalagens de formato 0,5Lt, 1,5Lt e 2 Lt Grf/h

11 UNIDADE INDUSTRIAL DE POMBAL VIDRO 1 linha de enchimento em embalagens de vidro VTP de formato: 0,25Lt e 0,30Lt Grf/h 1 linha de enchimento em embalagens de vidro VTR de formato: 0,20Lt, 0,25Lt e 0,33Lt Grf/h

12 UNIDADE INDUSTRIAL DE POMBAL LATA 1 linha de enchimento em embalagens de formato: 0,33Lt Latas/h 1 linha de enchimento em embalagens de formato 0,33Lt Latas/h

13 UNIDADE INDUSTRIAL DE POMBAL OUTRAS 1 linha de enchimento de BIB em formatos: 3, 5, 10 e 20Lt. 120 BIB/h 1 linha de enchimento de Tanquetas em formato 18Lt 135 Tanquetas/h FORMULAÇÕES Sala de Xaropes PALETIZAÇÃO 2 robots linha de Pet

14 UNIDADE INDUSTRIAL DE POMBAL REFERENCIAIS DE CERTIFICAÇÃO Certificação ISO 9001:2008 O Sistema de Gestão da Qualidade Implementado pela S+C, cumpre os requisitos especificados na norma ISO 9001, no desenvolvimento e produção de refrigerantes, bebidas de sumo, cerveja de marcas próprias e de terceiros. Certificação ISO 14001:2004 O Sistema de Gestão Ambiental Implementado pela S+C, cumpre os requisitos especificados na norma ISO 14001:2004, no desenvolvimento e produção de refrigerantes, bebidas de sumo, cerveja de marcas próprias e de terceiros.

15 UNIDADE INDUSTRIAL DE POMBAL REFERENCIAIS DE CERTIFICAÇÃO Certificação AIB Referencial Americano para Certificação de programas de prérequisitos e Segurança Alimentar Registo EMAS Sistema de Gestão Ambiental e Auditoria de acordo com o regulamento (CE) para promover a melhoria continua de desempenho Ambiental.

16 UNIDADE INDUSTRIAL DE POMBAL CERTIFICAÇÕES VS METROLOGIA Gestão Qualidade _ISO 9001 Requisitos legais METROLOGIA Segurança Alimentar _AIB + HACCP Requisitos Marcas

17 METROLOGIA SETOR ALIMENTAR METROLOGIA_CLASSIFICAÇÃO Metrologia Legal Requisitos legais Segurança Alimentar METROLOGIA Metrologia Industrial Requisitos Marcas Segurança Alimentar

18 METROLOGIA CONTROLO EQUIPAMENTOS MEDIÇÃO MONITORIZAÇÃO EMM Codificar/ cadastrar Avaliar necessidade calibração S Desencadear processo de calibração Calibração Externa_CE 1 N Calibração Analítica_CA/ verificação 2 1 Analisar Certificado/ registo calibração Verificar Critérios Aceitação EMM Apto Colocar EMM em funcionamento Actualizar Plano de Calibração 2 EMM Não Apto Avaliar influência nas medições Verificar possibilidade reparação

19 METROLOGIA PLANO CALIBRAÇÃO PLANO CALIBRAÇÃO EMM - LABORATÓRIO PLANO CALIBRAÇÃO EMM - PRODUÇÃO

20 METROLOGIA LEGAL EXEMPLOS PRÁTICOS_Controlo metrológico de pré - embalados EQUIPAMENTO: balança METODOLOGIA: 1 - Controlo estatístico do processo - sofware ACCEPT -, garantindo o cumprimento dos critérios de aprovação da amostra do lote 2 - Avaliação de eficácia do controlo interno implementado, garantindo o cumprimento dos requisitos para a comercialização de um lote OPERAÇÃO: verificação metrológica ENTIDADE: Aferymed PERIODICIDADE: anual

21 METROLOGIA LEGAL EXEMPLOS PRÁTICOS_Controlo metrológico de pré - embalados

22 METROLOGIA LEGAL EXEMPLOS PRÁTICOS_Controlo metrológico de pré - embalados

23 METROLOGIA LEGAL EXEMPLOS PRÁTICOS_Controlo metrológico de pré - embalados

24 PERIODICIDADE: anual METROLOGIA LEGAL EXEMPLOS PRÁTICOS_Báscula EQUIPAMENTO: báscula com capacidade 60 Ton REQUISITO: legal, associada a transacções comerciais OPERAÇÃO: verificação metrológica ENTIDADE: Ministério Economia_DREC METODOLOGIA: 1 - Pesagem de padrões 20 Ton + peso de forma a atingir o alcance máximo 2 - Selagem e identificação da conformidade do equipamento, com emissão do certificado, incluindo conclusão da verificação

25 METROLOGIA LEGAL EXEMPLOS PRÁTICOS_Câmaras: Refrigeração (1 a 6ºC) e Congelação (-8 a - 12ºC) EQUIPAMENTO: registador de temperatura REQUISITO LEGAL: armazenagem dos alimentos refrigerados e congelados OPERAÇÃO: verificação metrológica ENTIDADE: ISQ METODOLOGIA: Verificação da medição de temperatura (ºC) 1 - Imersão das sondas em banho termostático, para temperaturas legisladas 5ºC e -15ºC 2 Leitura do valor referência, valor do equipamento, respectivo erro e incerteza 3 Selagem e identificação da conformidade do equipamento, com emissão do certificado, incluindo conclusão da verificação

26 METROLOGIA LEGAL EXEMPLOS PRÁTICOS_ Análises Externas PRODUTO: gama/ tipo embalagem REQUISITO: legal, evidência cumprimento teor melamina em géneros alimentícios Adulteração dos alimentos para aumentar o teor de proteína através da adição de melamina ENTIDADE: laboratório externo acreditado METODOLOGIA: interna PERIODICIDADE: de acordo com analise de risco

27 METROLOGIA INDUSTRIAL EXEMPLOS PRÁTICOS_Equipamentos produção EQUIPAMENTO: sonda de temperatura de flash s REQUISITO: segurança alimentar OPERAÇÃO: calibração externa_ce ENTIDADE: externa acreditada PERIODICIDADE: anual

28 METROLOGIA INDUSTRIAL EXEMPLOS PRÁTICOS_Equipamentos laboratório EQUIPAMENTO: refractómetro REQUISITO: controlo do produto/ requisito de marca OPERAÇÃO: calibração analítica_ca ENTIDADE: interna PERIODICIDADE: - diária, com água destilada - semanal, com solução padrão de acordo com gama de medição

29 METROLOGIA INDUSTRIAL EXEMPLOS PRÁTICOS_Equipamentos laboratório EQUIPAMENTO: manómetro REQUISITO: controlo do produto/ requisito de Marca OPERAÇÃO: verificação ENTIDADE: interna PERIODICIDADE: semanal

30 30

PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS

PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS QUEM SOMOS? Tecnicil Indústria: Empresa de produção e engarrafamento de águas e produtos refrigerantes Sede: Cidade da Praia Fabrica: Trindade Praia Delegações: Assomada, S.Vicente, Sal e Boavista Número

Leia mais

Controlo Metrológico de instrumentos de medição e registo de temperatura Aspectos práticos do controlo metrológico

Controlo Metrológico de instrumentos de medição e registo de temperatura Aspectos práticos do controlo metrológico Controlo Metrológico de instrumentos de medição e registo de temperatura Aspectos práticos do controlo metrológico 1 A Metrologia no ISQ ISQ Breve Apresentação 1965: Instituto de Soldadura (IS) 1985: Transformação

Leia mais

Esclarecimento 13/2014

Esclarecimento 13/2014 Segurança Alimentar Registo de temperaturas e controlo metrológico de registadores automáticos Esclarecimento 13/2014 Resumo: A manutenção da cadeia de frio é essencial para a segurança de alguns géneros

Leia mais

LABORATÓRIO DE METROLOGIA DA MADEIRA

LABORATÓRIO DE METROLOGIA DA MADEIRA O Laboratório rio de Metrologia da Madeira é um edifício desenvolvido em três pisos, com uma área total aproximada de 2 000 m 2. O edifício do Laboratório rio compreende três áreas distintas: Área Técnica

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

Procedimento Específico. Gestão dos Dispositivos de Monitorização e Medição. Validado: Jaime Quendera Data: 2006-01-11. Responsável da Qualidade

Procedimento Específico. Gestão dos Dispositivos de Monitorização e Medição. Validado: Jaime Quendera Data: 2006-01-11. Responsável da Qualidade Elaborado: 2006-01-11 Validado: 2006-01-11 Pág. 1 de 5 Aprovado: 2006-01-11 Documento: Título: Código: Produzido por: Aprovado por: Descrição Sumária: Gestão dos Dispositivos PE-QL-14 (Data de Aprovação)

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração www.apcer.pt AGENDA Apresentação APCER Desenvolvimento ERS3002 Conteúdo da ERS3002 Metodologias de auditorias Associação constituída em Abril 1996

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO EM MASSA ESPECÍFICA MEDIÇÕES REALIZADAS NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 00 02 de

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.045.03 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS SEGURANÇA ALIMENTAR PORQUÊ UMA NORMA ISO DE GESTÃO DA SEGURNAÇA ALIMENTAR? 1,5 Bilhões de casos de toxi- infecções alimentares por ano; Uma das causas mais comuns de mortalidade em Países em desenvolvimento;

Leia mais

1. EMMs Equipamentos de Monitorização e Medição ÍNDICE

1. EMMs Equipamentos de Monitorização e Medição ÍNDICE 10 páginas sobre Equipamentos de Monitorização e Medição "É muito mais difícil medir a falta de desempenho do que o desempenho." [ Harold Geneen ] palavras-chave QUALIDADE ISO 90 MONITORIZAÇÃO MEDIÇÃO

Leia mais

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO

CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto de Qualidade e Metrologia Ltda Rio de Janeiro - RJ QUALIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS AUTOCLAVES E ESTUFAS CONCEITOS E ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA IDENTIFICAÇÃO DA NECESSIDADE DA QUALIFICAÇÃO Instituto

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL 1ª CONFERÊNCIA NACIONAL MEDIR MAIS E MELHOR, 28 e 29 de Novembro de 2005 Área temática: Aspectos de interesse geral Organização da metrologia nos laboratórios e nas empresas Título da comunicação: Qualificação

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO CATÁLOGO DE SERVIÇOS... um parceiro fiável. INTRODUÇÃO 2 A APEB Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto, é uma associação empresarial sem fins

Leia mais

Segurança alimentar ISO 22000. QSO - Consultores (Março 2007)

Segurança alimentar ISO 22000. QSO - Consultores (Março 2007) Segurança alimentar Sistemas de gestão da qualidade (ISO 9001) Referenciais específicos de segurança alimentar: Sectoriais: Alimentos para animais, produção primária, transformação de alimentos, distribuição,

Leia mais

Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria

Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria Contactos: www.silliker.pt info@silliker.pt Tel: 227 150 820 Fax: 227 129 812 Auditorias Consultadoria A Silliker Portugal desenvolve soluções de consultadoria

Leia mais

Sistemas Premissas Básicas

Sistemas Premissas Básicas Sistemas Premissas Básicas Todo o sistema tem um OBJETIVO Geralmente, o objetivo de um sistema é transformar os insumos em produtos Todo o sistema é formado por um ou mais elementos, ou componentes, das

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL SUMOLIS GM Produção Pombal 2008. 2008 Jun 09

DECLARAÇÃO AMBIENTAL SUMOLIS GM Produção Pombal 2008. 2008 Jun 09 DECLARAÇÃO AMBIENTAL SUMOLIS GM Produção Pombal 2008 2008 Jun 09 Sumolis GM 1 declaração ambiental 2008 Sumolis GM 2 declaração ambiental 2008 0_ ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL 4 2..

Leia mais

MITIGAR RISCOS DA EXPORTAÇÃO. Paulo Cruz Gomes Comunicação, Desenvolvimento e Inovação paulo.gomes@sgs.com 808 200 747 www.sgs.pt

MITIGAR RISCOS DA EXPORTAÇÃO. Paulo Cruz Gomes Comunicação, Desenvolvimento e Inovação paulo.gomes@sgs.com 808 200 747 www.sgs.pt MITIGAR RISCOS DA EXPORTAÇÃO Paulo Cruz Gomes Comunicação, Desenvolvimento e Inovação paulo.gomes@sgs.com 808 200 747 www.sgs.pt 2 A SGS A SGS é um parceiro do comércio internacional desde 1878 Líder Mundial

Leia mais

Apresentação. Joinville - SC. São José dos Pinhais - PR

Apresentação. Joinville - SC. São José dos Pinhais - PR Apresentação Fundada em 1990, em Joinville/ SC, a K&L iniciou suas atividades com serviços de manutenção em instrumentos de medição da área dimensional. O rápido reconhecimento permitiu investimentos em

Leia mais

Controlo Metrológico dos Instrumentos de medição e Registo de Temperatura

Controlo Metrológico dos Instrumentos de medição e Registo de Temperatura Controlo Metrológico dos Instrumentos de medição e Registo de Temperatura Legislação nacional e específica Ana Almeida DMET Pontos a Abordar 1. Metrologia 2. Regulamentação Metrológica 3. A Cadeia de Frio

Leia mais

O serviço Elaboramos propostas de formação de acordo com as reais necessidades dos laboratórios, sugerindo os seguintes temas:

O serviço Elaboramos propostas de formação de acordo com as reais necessidades dos laboratórios, sugerindo os seguintes temas: Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização dos seus colaboradores e na resposta às necessidades do Sistema de Gestão da Qualidade. Recorrendo

Leia mais

B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA

B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA B2Q WEB TECNOLOGIA APLICADA O DESAFIO: A qualidade dos produtos finais e serviços prestados, é requisito mínimo nos dias de hoje para as organizações que desejam estar à frente. O mercado encontra-se cada

Leia mais

NORMAS ISO. Docente: Dr. José Carlos Marques

NORMAS ISO. Docente: Dr. José Carlos Marques NORMAS ISO Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade Nº. 2089206 Maria da Luz Abreu Nº. 2405797 Teodoto Silva Nº. 2094306 Vitalina Cunha Nº. 2010607 Antes do aparecimento das normas ISO,

Leia mais

Controlo Estatístico de Produtos Pré-embalados. IPQ SEMINÁRIO: Metrologia no Setor Alimentar 30 Outubro 2014 Cristina Barros (ovm@aferymed.

Controlo Estatístico de Produtos Pré-embalados. IPQ SEMINÁRIO: Metrologia no Setor Alimentar 30 Outubro 2014 Cristina Barros (ovm@aferymed. Controlo Estatístico de Produtos Pré-embalados IPQ SEMINÁRIO: Metrologia no Setor Alimentar 30 Outubro 2014 Cristina Barros (ovm@aferymed.pt) 1 Apresentação 2 Apresentação 3 Controlo estatístico dos produtos

Leia mais

Metrologia. Metrologia

Metrologia. Metrologia Metrologia Sumário da Aula JN3 1 1ª Parte: Categorias da Metrologia Metrologia Industrial e Científica Metrologia Legal Rastreabilidade e calibração 2ª Parte: Unidades Metrológicas Conceitos Básicos e

Leia mais

Workshop: Controlo Metrológico de Produtos Pré-embalados (4 horas)

Workshop: Controlo Metrológico de Produtos Pré-embalados (4 horas) Workshop: Controlo Metrológico de Produtos Pré-embalados (4 horas) Edifício Nerlei - Associação Empresarial da Região de Leiria 14 Março 2014 14H 18H Formadora: Cristina Barros ESTE WORKSHOP DESTINA-SE

Leia mais

ENOLOGIA. Analisadores para Vinho, Mosto e outras Bebidas

ENOLOGIA. Analisadores para Vinho, Mosto e outras Bebidas ENOLOGIA Analisadores para Vinho, Mosto e outras Bebidas Analisador Automático Multiparamétrico de Vinho e Mosto A Skalar Analytical, oferece uma completa automação para vários parâmetros na análise automática

Leia mais

Balança pesa pessoas até 150 Kg com precisão de 50g, modelo MAX 21

Balança pesa pessoas até 150 Kg com precisão de 50g, modelo MAX 21 Balança pesa pessoas até 150 Kg com precisão de 50g, modelo MAX 21 Apresenta no ticket, o nome e morada da farmácia, peso, altura, peso ideal, IMC, menu de dietas, data/hora e nove linhas de publicidade

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA Revisão 00-11 de outubro 2011 Fol. 1 de 11 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Benefícios da Certificação para a Administração Pública

Benefícios da Certificação para a Administração Pública Benefícios da Certificação para a Administração Pública Hélder Estradas, 7 de Maio de 2008 Agenda 1 - Resumo Histórico da Certificação em Portugal; 2 - Vantagens da Certificação; 3 - Processo de Certificação.

Leia mais

Calibração em Instrumentação Pneumática, Analógica, Eletrônica e Digital.

Calibração em Instrumentação Pneumática, Analógica, Eletrônica e Digital. Calibração em Instrumentação Pneumática, Analógica, Eletrônica e Digital. Estruturada na confiabilidade. A TORR Service Center está estruturada para a manutenção na área de automação industrial e possui

Leia mais

Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013

Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013 JORNADAS TÉCNICAS Lisboa, 13 Dezembro 2012 Agenda 2 Fluxos financeiros Como preencher a declaração anual Reciclagem de embalagens Multipacks Valores Ponto Verde 2013 Fluxos financeiros 3 Fluxos financeiros

Leia mais

CAPÍTULO 4 DOCUMENTAÇÃO

CAPÍTULO 4 DOCUMENTAÇÃO CAPÍTULO 4 DOCUMENTAÇÃO Princípio Uma boa documentação constitui parte essencial do sistema de garantia de qualidade. Documentos redigidos com clareza impedem erros resultantes da comunicação verbal e

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

REGISTRO DO CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE DE TIRA PARA URINÁLISE

REGISTRO DO CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE DE TIRA PARA URINÁLISE REGISTRO DO CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE DE TIRA PARA URINÁLISE Fabricante da tira:...lote:... Amostra-controle:...Lote:... Freqüência: Diária Semanal Mensal Por lote CRITÉRIOS DE ACEITABILIDADE Limites

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.174.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Inovar em rede A cidadania na Gestão Pública Quidgest Portugal R. Castilho n.º 63 6.º 1250-068 Lisboa Portugal tel. (+351) 213 870 563 / 652 / 660 fax. (+351) 213

Leia mais

Referenciais GFSI para as atividades de Logística, Armazenagem e Transporte

Referenciais GFSI para as atividades de Logística, Armazenagem e Transporte Referenciais GFSI para as atividades de Logística, Armazenagem e Transporte AGRO&FOOD é a área de serviços da APCER que se dedica exclusivamente ao sector alimentar: do campo à mesa A alta especificidade

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.197.05 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Ensaio de Aptidão. Calibração de uma Micropipeta Variável 2014. Programa de Execução. Ref: EAp/CL-MIC/1-2014 Ed: 01 Data: 2014-07-03

Ensaio de Aptidão. Calibração de uma Micropipeta Variável 2014. Programa de Execução. Ref: EAp/CL-MIC/1-2014 Ed: 01 Data: 2014-07-03 Ensaio de Aptidão Calibração de uma Micropipeta Variável 2014 Programa de Execução Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Entidades Envolvidas e Funções... 3 4. Procedimento... 3 4.1 Regras de

Leia mais

Ambiente Qualidade Metrologia Gás TIC S

Ambiente Qualidade Metrologia Gás TIC S Ambiente Qualidade Metrologia Gás TIC S AMBIENTE LICENCIAMENTO INDUSTRIAL E LICENÇA AMBIENTAL Conhecimentos sobre o processo de licenciamento industrial e respectiva metodologia associada; - Informação

Leia mais

METROLOGIA APLICADA AOS CENTROS DE INSPEÇÃO E CONCESSIONÁRIOS AUTOMÓVEL

METROLOGIA APLICADA AOS CENTROS DE INSPEÇÃO E CONCESSIONÁRIOS AUTOMÓVEL SEMINÁRIO: A ENGENHARIA MECÂNICA E OS DESAFIOS DA MEDIÇÃO METROLOGIA APLICADA AOS CENTROS DE INSPEÇÃO E CONCESSIONÁRIOS AUTOMÓVEL PEDRO GOMES RESPONSÁVEL DO DEPARTAMENTO DE METROLOGIA FÍSICA TECNOLÓGICA

Leia mais

A Specanalítica organiza e desenvolve conteúdos programáticos ajustados às necessidades dos laboratórios e empresas, em áreas tão vastas como:

A Specanalítica organiza e desenvolve conteúdos programáticos ajustados às necessidades dos laboratórios e empresas, em áreas tão vastas como: PLANO DE FORMAÇÃO 2014 A Specanalítica, Equipamentos Científicos, Lda ter por objectivo oferecer condições que favoreçam a transmissão, o desenvolvimento e a aplicação de conhecimentos científicos e técnicos

Leia mais

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9

Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 Q SETTING CALIBRAÇÕES E ENSAIOS LTDA Fol. 1 de 9 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME E MASSA ESPECÍFICA Revisão 02 de 04-set-2009 Q SETTING

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SHST E RESPONSABILIDADE SOCIAL

GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SHST E RESPONSABILIDADE SOCIAL DOS MÓDULOS GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE, SHST E RESPONSABILIDADE SOCIAL Criar competências que possibilitem a utilização da Gestão da Qualidade, Ambiente, Segurança e Responsabilidade Social como uma

Leia mais

ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO. José António Rousseau - Director Geral 1

ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO. José António Rousseau - Director Geral 1 ROTULAGEM RASTREABILIDADE COMERCIALIZAÇÃO do QUEIJO José António Rousseau - Director Geral 1 ÍNDICE 1- INTRODUÇÃO 2- ROTULAGEM 3- RASTREABLILIDADE 4- DENOMINAÇÃO DE ORIGEM PROTEGIDA 5- PROGRAMA EUROPEU-

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: MEDIÇÃO DE TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA Revisão

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇO. Formação. Contactos: www.silliker.pt info@silliker.pt Tel: 227 150 820 Fax: 227 129 812

CATÁLOGO DE SERVIÇO. Formação. Contactos: www.silliker.pt info@silliker.pt Tel: 227 150 820 Fax: 227 129 812 CATÁLOGO DE SERVIÇO Formação Contactos: www.silliker.pt info@silliker.pt Tel: 227 150 820 Fax: 227 129 812 FORMAÇÃO FORMAÇÃO, UM INVESTIMENTO NO CENTRO DA POLITICA DA QUALIDADE. A melhor forma de prevenir

Leia mais

Parcerias com selo de excelência

Parcerias com selo de excelência Parcerias com selo de excelência I. Apresentação do Grupo Promor II. Rações III. Produção Animal IV. Indústria de Carnes V. Selecção Genética Parcerias com selo de excelência I. Apresentação do Grupo

Leia mais

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição

Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Abordagem da Indústria Automotiva para Sistemas de Medição Joselino Lacerda - Gerente de Qualidade Acumuladores Moura PRESENÇA Marca líder na América do Sul 6 plantas industriais Mais de 70 centros de

Leia mais

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Rastreabilidade dos Padrões Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Aspectos associados Calibração Padrões Cadeia de rastreabilidade Processo produtivo Sistema da qualidade Certificado de calibração AcreditaçãoA

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

Controlo Metrológico de Pré-embalados

Controlo Metrológico de Pré-embalados (4 horas) 18 de julho de 2014 09:00-13:00 Instalações Castro, Pinto & Costa, Lda. - Maia Destinada a quem? Tem dúvidas sobre a legislação que suporta o controlo metrológico da quantidade préembalada. Tem

Leia mais

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 7 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 19/09/14 ELABORAÇÃO: Volnei VERIFICAÇÃO:

Leia mais

Gerindo a inocuidade dos alimentos

Gerindo a inocuidade dos alimentos Gerindo a inocuidade dos alimentos ISO 22000 : 2005 Sónia Gonçalves Novembro de 2006 DE QUE TRATA A NORMA A norma ISO 22000 estabelece os requisitos que deve cumprir um sistema de gestão da segurança alimentar

Leia mais

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente 1. Perfil Profissional Edital de abertura de concurso Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente O/A Técnico/a Especialista em Gestão da Qualidade e do Ambiente é o/a

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2012

TABELA DE PREÇOS 2012 TABELA DE PREÇOS 2012 1. Calibrações Dimensionais / Massas Micrómetros de exteriores 0-25 / 0-30 / 0-50 mm 31,00 25-100 mm / (Cap. Individual de 25 mm) 40,00 100-300 mm / (Cap. Individual de 25 mm) 50,00

Leia mais

Descubra uma nova Qualidade PARALLEL DISCOVER

Descubra uma nova Qualidade PARALLEL DISCOVER Descubra uma nova Qualidade PARALLEL DISCOVER DESCUBRA UMA NOVA QUALIDADE A, existe como empresa de direito Português desde do ano de 2014 principalmente nas áreas da certificação para a Segurança, Gestão

Leia mais

Sistema de Segurança Alimentar Operações de Higienização Página 1 de 1. Café da Quinta Sandra & Elisa - Serviços de Restauração, Lda.

Sistema de Segurança Alimentar Operações de Higienização Página 1 de 1. Café da Quinta Sandra & Elisa - Serviços de Restauração, Lda. Operações de Higienização Mês de de Dias/Área 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Sanitários M Sanitários F Sanitários/Vestiários Armazém Mesas/Cadeiras

Leia mais

Actualização de dados da Declaração Ambiental

Actualização de dados da Declaração Ambiental Actualização de dados da Declaração Ambiental 2 0 0 5 G U I M A R Ã E S REG. Nº P-000014 Actualização de dados da Declaração Ambiental 2005 Índice 1. Política de Qualidade e Ambiente 4 2. Aspectos Gerais

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública www.apcer.pt Hélder Estradas 4 de Novembro de 2005 QUEM SOMOS Constituída em Abril de 1996 (IPQ, AIPortuguesa AIPortuense, actual

Leia mais

ABNT NBR ISO 10012 NORMA BRASILEIRA. Sistemas de gestão de medição Requisitos para os processos de medição e equipamento de medição

ABNT NBR ISO 10012 NORMA BRASILEIRA. Sistemas de gestão de medição Requisitos para os processos de medição e equipamento de medição NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 10012 Primeira edição 30.04.2004 Válida a partir de 31.05.2004 Sistemas de gestão de medição Requisitos para os processos de medição e equipamento de medição Measurement management

Leia mais

Desafios da Certificação Ambiental em Portugal

Desafios da Certificação Ambiental em Portugal Desafios da Certificação Ambiental em Portugal Nuno Videira Paula Antunes nmvc@fct.unl.pt mpa@fct.unl.pt Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente 1. A certificação ambiental e as estratégias das

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Versão: 2 Pág: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 02/09/2010 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

Teste Cego Comprova: A Importância da Marca na Tomada de Decisão de Consumo de Refrigerante Sabor Guaraná 1

Teste Cego Comprova: A Importância da Marca na Tomada de Decisão de Consumo de Refrigerante Sabor Guaraná 1 Teste Cego Comprova: A Importância da Marca na Tomada de Decisão de Consumo de Refrigerante Sabor Guaraná 1 Camila Menezes TORRES² Bruna Fonseca KASTRUP³ Maxuell Cardoso PORTO 4 Tânia Maria Bassetti de

Leia mais

Comparação Interlaboratorial com Termopar tipo K de -40 a 300 C

Comparação Interlaboratorial com Termopar tipo K de -40 a 300 C Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Protocolo de Comparação n.º 001/2008 (Dimci/Dicep)

Leia mais

CATEGORIAS DA METROLOGIA

CATEGORIAS DA METROLOGIA Cadernos Técnicos Carlos Sousa CATEGORIAS DA METROLOGIA METROLOGIA CIEN TÍFICA Investigação D esenvolvim ento D em onstração Unidades de medida Materialização de grandezas PADRÕ ES APLICADA Controlo: Processos

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

PREFÁCIO. Trata-se de um guia prático de orientação e interpretação dos requisitos deste referencial e não dispensa a leitura atenta do mesmo.

PREFÁCIO. Trata-se de um guia prático de orientação e interpretação dos requisitos deste referencial e não dispensa a leitura atenta do mesmo. PREFÁCIO Este documento tem por objectivo constituir um apoio na interpretação da norma NP EN ISO 22000:2005 Sistemas de gestão da segurança alimentar; Requisitos para qualquer organização que opere na

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia

6 Calibração de Sistemas de. Fundamentos de Metrologia 6 Calibração de Sistemas de Medição Fundamentos de Metrologia Motivação definição do mensurando procedimento de medição resultado da medição condições ambientais operador sistema de medição Posso confiar

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO

7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO 7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO Autor(es) SIMONE RODRIGUES DOS SANTOS Orientador(es) ANGELA DE FÁTIMA K. CORREIA 1. Introdução O

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO CALIBRAÇÕES REALIZADAS NAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 03 11 de NOVEMBRO de 2014

Leia mais

Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e. buscando a universalização de modo sustentável, desenvolvimento do Estado.

Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e. buscando a universalização de modo sustentável, desenvolvimento do Estado. MISSÃO Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, em cooperação com os municípios, buscando a universalização de modo sustentável, contribuindo para a melhoria da

Leia mais

CALENDÁRIO FORMAÇÃO 2015 1º SEMESTRE

CALENDÁRIO FORMAÇÃO 2015 1º SEMESTRE CALENDÁRIO BUREAU VERITAS Pólo Tecnológico de Lisboa - Lote 21 1600 485 LISBOA 217 100 934 Visite o nosso site: formacao.bureauveritas.pt QUALIDADE Implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade ISO

Leia mais

METROLOGIA SENAI / SP

METROLOGIA SENAI / SP METROLOGIA SENAI / SP Rede de Laboratórios de Serviços Senai / SP Eduardo Ferreira Garcia GIT Metrologia Definição : Metrologia : Ciência da medição e suas aplicações Nota : A metrologia engloba todos

Leia mais

A importância da Metrologia na Área da Saúde HPP ALGARVE, SA

A importância da Metrologia na Área da Saúde HPP ALGARVE, SA A importância da Metrologia na Área da Saúde HPP ALGARVE, SA Elaborado: Eng.ª Silvia Rodrigues 1 APRESENTAÇÃO Elaborado por: Silvia Rodrigues 2 Sistema de Gestão da Qualidade Príncipio da HPP Saúde: Implementar

Leia mais

ACIF CCIM. Associação Comercial e Industrial do Funchal Câmara de Comércio e Indústria da Madeira

ACIF CCIM. Associação Comercial e Industrial do Funchal Câmara de Comércio e Indústria da Madeira ACIF CCIM Associação Comercial e Industrial do Funchal Câmara de Comércio e Indústria da Madeira Objectivos Apoiar os estabelecimentos na implementação dos seus Sistemas de Segurança Alimentar, baseados

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO]

[SELO ALIMENTO SEGURO] 1 Lista de Verificação Selo Alimento Seguro Lista de Verificação com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados pelas

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

Orador: Local e Data:

Orador: Local e Data: A CERTIFICAÇÃO NO SECTOR ALIMENTAR 23 de Setembro de 2009 ISO 28001 ISO9001 ISO22000 MSC GLOBALGAP HACCP BRC IFS SA8000 PRINCIPAIS PRODUTOS ISO 22000 HACCP - CODEX ALIMENTARIUS BRC IFS OUTROS PRODUTOS:

Leia mais

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Proposta de Nota Técnica Cgcre Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação

Leia mais

Grupo de Auditoria ISO 19011

Grupo de Auditoria ISO 19011 Grupo de Auditoria ISO 19011 Aplicação do processo de avaliação para um time de auditoria executar uma auditoria interna no sistema de gestão da qualidade de uma Fábrica de Chocolate Fictícia Exemplo da

Leia mais

NOTA: Procedimentos revistos pela ASAE

NOTA: Procedimentos revistos pela ASAE A. PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA OS S ES DOADOS PELAS GRANDES SUPERFICIES A. Pratos Cozinhados e Sobremesas não Pré- embaladas (1/2) - Declaração de responsabilidade do lojista em como garante o fabrico

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

www.hannacom.pt Eléctrodos Industriais

www.hannacom.pt Eléctrodos Industriais www.hannacom.pt Eléctrodos Industriais ÍNDICE 03 Eléctrodos 04 Eléctrodos de combinados, profissionais, especiais 05 Eléctrodo de referência 05 Eléctrodos de e ORP combinados 06 Série HI 1000 e HI 2000

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000

COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000 COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000 PARTICIPAÇÃO NA CEET DA ABNT NBR 14900 e NBR 14991 COORDENAÇÃO DO GT INDÚSTRIA COORDENAÇÃO DO GT AUDITORIA

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 SOCIEDADE PONTO VERDE. www.pontoverde.pt

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 SOCIEDADE PONTO VERDE. www.pontoverde.pt RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 SOCIEDADE PONTO VERDE www.pontoverde.pt Entidade Atividade Licença Sociedade Ponto Verde Gestão de um Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Embalagens (SIGRE) Licença

Leia mais

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. WinREST Sensor Log A Restauração do Séc. XXI WinREST Sensor Log Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. 2 WinREST Sensor Log Índice Índice Pag. 1. WinREST Sensor Log...5 1.1. Instalação (aplicação ou serviço)...6

Leia mais

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Agenda Introdução aos Sistemas de Gestão de Energia Princípios da ISO 50001 Relação entre a ISO 50001 e outras normas como a ISO 14001 ou a ISO 9001 2 O problema económico

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

S U S T E N T A B I L I D A D E

S U S T E N T A B I L I D A D E S U S T E N T A B I L I D A D E Encontro ILSI Brasil: Sua EMPRESA É SUSTENTÁVEL? Dez 12 I L T O N A Z E V E D O D I R. S R A E M E I O A M B I E N T E C O C A - C O L A B R A S I L NOSSA MISSÃO Refrescar

Leia mais