UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Apostila Pascal Ed Prof. Dr. Galeno José de Sena DMA/FEG CAPÍTULO 8

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Apostila Pascal Ed. 2006. Prof. Dr. Galeno José de Sena DMA/FEG CAPÍTULO 8"

Transcrição

1 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Apostila Pascal Ed 2006 Prof Dr Galeno José de Sena DMA/FEG CAPÍTULO 8 ARQUIVOS DE DADOS EM PASCAL: ARQUIVOS SEQUENCIAIS - UMA INTRODUÇÃO 81 ARQUIVOS SEQUENCIAL E DIRETO Sequencial: todos os registros são armazenados sequencialmente um após o outro; para se acessar um particular registro, é necessário começar do início e pesquisar todo o arquivo até que o registro desejado seja encontrado Direto: cada registro pode ser acessado diretamente, sem que se tenha que proceder à leitura de todo o arquivo desde o seu início 82 DEFINIÇÃO DE ARQUIVOS Definição do registro; Declaração de tipo arquivo; Declaração de variáveis do tipo arquivo Exemplo: type reg_aluno = record arquivo = file of reg_aluno; var info_alunos: arquivo; 83 PROCEDIMENTOS E FUNÇÕES ÚTEIS NA GERAÇÃO, CONSULTA E ATUALIZAÇÃO DE ARQUIVOS (i) ASSIGN Associa o nome de arquivo lógico (como definido no programa) a um nome de arquivo físico (como armazenado na unidade de memória secundária) 146

2 Exemplos: assign (info_alunos, 'alunos1dat'); assign (info_alunos, 'a:alunos2dat'); (ii) REWRITE Prepara um arquivo externo (memória secundária: disquete, disco rígido) Arquivo inexistente: Cria e abre o arquivo Arquivo já existente: abre o arquivo para escrita, apagando o seu conteúdo anterior Ex: rewrite (info_alunos); (iii) WRITE Gravação de registro no arquivo Forma geral: write (id_arquivo, id_registro); Ex: var info_alunos: arquivo; aluno: reg_aluno; write (info_alunos, aluno); (iv) CLOSE Fechamento de um arquivo anteriormente aberto Sintaxe: close (id_arquivo); Ex: close (info_alunos); Observação: os procedimentos WRITE e REWRITE: são específicos para a geração de novos arquivos 147

3 (v) RESET Abertura de um arquivo já existente para leitura Forma geral: reset (id_arquivo); Ex: reset (info_alunos); (vi) READ Leitura de registro do arquivo Forma geral: read (id_arquivo, id_registro); Ex: read (info_alunos, aluno); (vii) EOF ("end of file") Função booleana para sinalizar se o final do arquivo foi ou não alcançado, retornando TRUE caso não haja mais elementos no arquivo e FALSE caso contrário Exemplo: while not eof (info_alunos) do (* o registro *) read (info_alunos, aluno); Observação: os procedimentos RESET, READ e a função EOF são específicos para consulta a um arquivo existente (viii) ERASE Remove o arquivo físico associado ao identificador lógico do meio de armazenamento (disquete ou winchester) 148

4 Forma geral: erase (id_arquivo); Ex: erase (info_alunos); Observação: O arquivo deve ser fechado (se estiver aberto) antes da execução do comando ERASE (ix) RENAME Renomeia o arquivo físico associado ao identificador de arquivo lógico, usando o nome fornecido como parâmetro do procedimento Forma geral: rename (id_arquivo_logico, id_arquivo_fisico); Ex: rename (cop_alunos, 'alunos1dat'); Programa Exemplo: Criação de um arquivo de dados contendo informações sobre os clientes de uma instituição financeira Codificação: program prjcontrolebancario; { cria um arquivo de dados contendo informações sobre contas correntes de clientes de uma instituição financeira } uses Crt; type tiposaldo = (devedor, credor, nulo); cliente = record conta : ; nome : string[10]; saldo : real; tipo : tiposaldo; arq_clientes = file of cliente; var info_clientes : arq_clientes; reg_cliente : cliente; I,N : integer; vsaldo : real; (* associa nome lógico a nome físico *) assign (info_clientes,'c:\cadastro\clientesdat'); 149

5 (* abre arquivo para escrita *) rewrite (info_clientes); (* numero de clientes *) writeln; write ('Numero de clientes? '); readln(n); For i := 1 to n do (* estrutura registro de cliente *) writeln; writeln ('Dados do ', I,'ocliente'); write ('Nome? '); readln (reg_clientenome); write ('saldo? '); readln (vsaldo); if (vsaldo < 0) then reg_clientesaldo := -vsaldo; reg_clientetipo := devedor; end else if (vsaldo > 0) then reg_clientesaldo := vsaldo; reg_clientetipo := credor; end else (* vsaldo = 0 *) reg_clientesaldo := 0; reg_clientetipo := nulo; reg_clienteconta := (i - 1) * 10; (* grava registro no arquivo *) write (info_clientes, reg_cliente); readln; (* fecha arquivo *) close(info_clientes); end (* principal *) Tela de execução: 150

6 Programa Exemplo: Leitura exaustiva dos registros do arquivo de clientes criado pelo programa anterior Codificação: program prjacessocontasclientes; { Efetua leitura exaustiva do arquivo de contas dos clientes } uses Crt; type tiposaldo = (devedor, credor, nulo); cliente = record conta : ; nome : string[10]; saldo : real; tipo : tiposaldo; arq_clientes = file of cliente; var info_clientes : arq_clientes; reg_cliente : cliente; (* associa nome lógico a nome físico *) assign (info_clientes,'c:\cadastro\clientesdat'); (* abre arquivo para leitura *) reset(info_clientes); writeln; writeln('registros do arquivo: '); writeln; 151

7 while not eof(info_clientes) do (* le registro do arquivo *) read(info_clientes,reg_cliente); (* apresenta informações do registro na tela *) with reg_cliente do writeln('conta : ', conta); writeln('nome : ', nome); if (tipo=devedor) then writeln('saldo: ', -saldo:7:2); if (tipo=credor) then writeln('saldo: ', saldo:7:2); if (tipo=nulo) then writeln('saldo: ',0); writeln; readln; (* fecha arquivo *) close(info_clientes); end Tela de execução: Programa Exemplo: Busca das informações de um cliente específico, a partir do arquivo de dados dos clientes da instituição Codificação: 152

8 program prjacessodadosumcliente; { Apresenta as informações das contas para os clientes cujos nomes são fornecidos } uses Crt; type tiposaldo = (devedor, credor, nulo); cliente = record conta : ; nome : string[10]; saldo : real; tipo : tiposaldo; arq_clientes = file of cliente; var info_clientes : arq_clientes; reg_cliente : cliente; aux_nome : string[10]; (* associa nome lógico a nome físico *) assign (info_clientes,'c:\cadastro\clientesdat'); (* abre arquivo para leitura *) reset(info_clientes); (* identificação do cliente a ser pesquisado no arquivo *) writeln; write('nome do cliente : '); readln(aux_nome); writeln; (* processamento informações clientes *) while (aux_nome <> 'FIM') do (* while (1) *) (* busca dados do cliente no arquivo *) while not eof(info_clientes) do (* while (2) *) (* le registro do arquivo *) read(info_clientes,reg_cliente); (* o registro lido é do cliente? *) if (reg_clientenome=aux_nome) then (* dados cliente *) (* apresenta informações do registro na tela *) with reg_cliente do writeln('conta : ', conta); writeln('nome : ', nome); if (tipo=devedor) then writeln('saldo: ', -saldo:7:2); if (tipo=credor) then writeln('saldo: ', saldo:7:2); if (tipo=nulo) then writeln('saldo: ',0); writeln; readln; (* dados cliente *) (* while (2) *) write('nome do cliente : '); readln(aux_nome); writeln; reset(info_clientes); (* while (1) *) readln; (* fecha arquivo *) close(info_clientes); end 153

9 Tela de execução: 84 ESTUDO DE CASO: CODIFICAÇÃO DE UM PROGRAMA PARA MANIPULAÇÃO DE UM ARQUIVO DE REGISTROS DE INFORMAÇÕES SOBRE ESTUDANTES DE UM CURSO Codificação em Pascal: program prjcontracad; { Sistema simplificado de controle academico: utilização de arquivos sequenciais em Pascal } uses Crt; const Nexames = 4; type reg_aluno = record Nro_aluno: string[8]; Nome_aluno : string[20]; Notas : array[1nexames] of real; Media: real; arquivo = file of reg_aluno; var aluno: reg_aluno; info_alunos: arquivo; opcao: integer; procedure cria_arquivo_inicial(var info_alunos: arquivo); { Cria arquivo de dados inicial, contendo informações dos alunos } var soma : real; i : integer; { prepara arquivo externo para ser gravado } rewrite(info_alunos); { estrutura registro e grava registro no arquivo } 154

10 with aluno do { estrutura registro } writeln; write ('Numero? (FIM p/ termino)'); readln(nro_aluno); while (Nro_aluno <> 'FIM' ) do write('nome? '); readln(nome_aluno); write('notas? (',Nexames:2,' exames) : '); soma := 0; for i := 1 to Nexames do read(notas[i]); soma := soma + Notas[i]; readln; media := soma/nexames; { gravação do registro } write(info_alunos, aluno); { inicia proximo registro ou finaliza } write('numero =? (FIM p/ termino) '); readln(nro_aluno); (* while *) (* with *) { fechamento do arquivo } close(info_alunos); (* cria_arquivo_inicial *) procedure lista_arquivo(var info_alunos: arquivo); { Apresenta dados de um aluno, a partir de seu registro no arquivo } var Nro_pesq: string [8]; achou: boolean; i: integer; reset(info_alunos); // abre arquivo write('numero =? ' ); readln(nro_pesq); // nro do aluno a pesquisar no arquivo achou := false; // supõe inicialmente que registro não esta no arquivo { percorre o arquivo, buscando o registro do aluno } while not eof(info_alunos) and not achou do (* while *) read(info_alunos, aluno); if (alunonro_aluno = Nro_pesq) then // aluno encontrado writeln; achou:= true; // achou sinaliza registro encontrado with aluno do // apresenta informações do aluno write(nro_aluno,' ',Nome_aluno,' ' ); for i := 1 to Nexames do write(notas[i]:5:1); writeln(media:5:1); readln; break; // break interrompe a execução do laço de repetição (* while *) if not achou then // registro nao encontrado writeln('aluno nao cadastrado no arquivo!'); readln; close(info_alunos); procedure atualiza_arquivo(var info_alunos: arquivo); { Permite atualizar (alterar) campos dos registros do arquivo } 155

11 var resp: char; cop_alunos: arquivo; soma: real; i: integer; procedure alterar(var resp:char); { para confirmar a alteração (ou não) de um campo de um registro } writeln('atualizar? (S/N): '); readln(resp); while ((resp <> 'S' ) and (resp <> 'N')) do writeln('atualizar? (S/N)'); readln(resp); (* alterar *) (* atualiza_arquivo *) reset(info_alunos); // arquivo original assign(cop_alunos, 'c:\cadastro\alunos2dat' ); // arquivo temporario rewrite (cop_alunos); // abre arquivo temporário para escrita while not eof(info_alunos) do // processamento: atualização dos registros do arquivo read(info_alunos, aluno); // leitura de registro do arquivo with aluno do // atualização dos campos de um registro writeln('dados DO ALUNO CORRENTE: ' ); write(nro_aluno, ' ', Nome_aluno); for i := 1 to Nexames do write(notas[i]:5:1); writeln(media:5:1); alterar(resp); // pergunta se o registro deverá ser modificado if (resp = 'S') then writeln('numero = ', Nro_aluno); alterar(resp); // alterar o numero? if (resp = 'S') then write('numero =? '); readln(nro_aluno); writeln('nome = ', Nome_aluno); alterar(resp); // alterar o nome? if (resp= 'S' ) then write('nome =? '); readln(nome_aluno); soma := 0; // guarda soma das notas p/ calculo da media (atualizada) for i := 1 to Nexames do writeln('notas[',i:2,' ] = ', Notas[i]:5:1); alterar(resp); // alterar a i-ésima nota? if resp = 'S' then write('notas[ ',i:2,'] =? ' ); readln(notas[i]); soma := soma + Notas[i]; media := soma/nexames; (* with *) write(cop_alunos, aluno); // gravação do registro atualizado (arq temporário) (* while *) close(info_alunos); // fecha arquivo original erase(info_alunos); // apaga o arquivo original do disco close(cop_alunos); // fecha arquivo temporário 156

12 rename(cop_alunos, 'c:\cadastro\alunos1dat'); // renomeia temporário p/ arq original (* atualiza_arquivo *) procedure menu_entrada; var i: integer; { menu de opcoes } for i := 1 to 5 do writeln; writeln( ' (1) Criar arquivo de dados inicial' ); writeln( ' (2) Listar dados de um aluno' ); writeln( ' (3) Atualizar dados de alunos' ); writeln( ' (4) Fim' ); writeln; write( 'Opcao =? ' ); readln(opcao); { chamada do procedimento correspondente à opção } case opcao of 1 : cria_arquivo_inicial(info_alunos); 2 : lista_arquivo(info_alunos); 3: atualiza_arquivo(info_alunos); 4: exit; else writeln; writeln('opcao invalida'); menu_entrada; (* case *) { retorna ao menu principal } menu_entrada; (* menu_entrada *) (* principal *) { associa arquivo logico a arquivo fisico } assign(info_alunos, 'c:\cadastro\alunos1dat' ); { ativa menu de opcoes } menu_entrada; end (* principal *) 157

13 Telas de execução correspondentes às opções do menu: Exercícios 1) Modificar os programas_exemplo anteriores segundo o esquema abaixo, modularizando o programa, introduzindo procedimentos para: (i) Criar o arquivo de cadastro (ii) Listar informações sobre todos os clientes (iii) Listar informações sobre um cliente dado o número de sua conta (iv) Listar informações sobre um cliente dado o seu nome 158

14 (iv) Gerar listagem ordenada (por nome) dos cliente cadastrados (v) Modificar o arquivo em função de uma transação (depósito ou retirada) 2) Modificar o programa anterior para criar um arquivo ordenado Criar procedimentos (selecionáveis através de menu) para: (a) Listar todos os registros do arquivo (b) Listar um registro em particular (selecionável através de uma chave como número de conta ou nome do cliente) (c) Inserir um registro no arquivo (mantendo-o ordenado) (d) Excluir um registro do arquivo (mantendo-o ordenado) (e) Efetuar uma transação (depósito ou retirada) para um cliente específico (f) Finalizar o processamento Referências: 1 Forbellone, A L V; Elberspächer, H F Lógica de Programação - A Construção de Algoritmos e Estruturas de Dados São Paulo: Makron Books, Farrer, H e outros PASCAL ESTRUTURADO Rio de Janeiro: Guanabara Dois S A, Catlin, A Pascal for Engineers and Scientists with Turbo Pascal Englewood Cliffs, N J: Prentice-Hall, Inc, Schmitz, E A; Teles, A A S Pascal e Técnicas de Programação Rio de Janeiro: LTC, Grillo, M C A Turbo Pascal 50 e 55 Rio de Janeiro: LTC,

Pascal. -Cabeçalho do programa. - label - const - type - var - procedure - function. - integer - real - byte - boolean - char - string

Pascal. -Cabeçalho do programa. - label - const - type - var - procedure - function. - integer - real - byte - boolean - char - string Pascal -Cabeçalho do programa Áreas do programa -Área de declarações -Corpo do programa - label - const - type - var - procedure - function - integer - real - byte - boolean - char - string Program

Leia mais

ARQUIVOS. Os arquivos criados em meios magnéticos poderão ser acessados para leitura e escrita na forma seqüencial, direta ou indexada.

ARQUIVOS. Os arquivos criados em meios magnéticos poderão ser acessados para leitura e escrita na forma seqüencial, direta ou indexada. Texto retirado e adaptado da apostila A Linguagem Pascal, disponível no site http://www.portaldaprogramacao.com (autor: desconhecido) ARQUIVOS Anteriormente, foi estudado o conceito de tabelas em memória

Leia mais

Lista de Comandos: Arquivo texto e Binário

Lista de Comandos: Arquivo texto e Binário Lista de Comandos: Arquivo texto e Declaração de arquivo do tipo binário program sequencial; type endereco = record end; rua : string[40]; numero : integer; CEP : real; cadastro = record end; nome : string[30];

Leia mais

PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos

PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos 1 PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos Arquivos Permitem que gravemos nossas informações em dispositivos físicos Pendrive HD Estão organizados logicamente em registros Cada registro é similar a um campo

Leia mais

Manipulação de Arquivos em Pascal

Manipulação de Arquivos em Pascal Manipulação de Arquivos em Pascal Estrutura de Dados II Aula 03 UFS - DComp Adaptados a partir do material da Profa. Kenia Kodel Cox 1 Para implementar programa infantil para ordenação (alfabética) de

Leia mais

Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Armazenamento de Dados Prof. Antonio Almeida de Barros Junior 1 Armazenamento de Dados Todos os dados que utilizamos até o momento, ficavam armazenados apenas na memória. Ao final da execução dos programas,

Leia mais

Linguagem Pascal. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Linguagem Pascal. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Linguagem Pascal Prof. Antonio Almeida de Barros Junior 1 Linguagem Pascal Criada para ser uma ferramenta educacional (Década de 70); Prof. Niklaus Wirth (Universidade de Zurique); Blaise Pascal (Matemático

Leia mais

Linguagem Pascal. Prof. Sérgio Rodrigues. É a descrição, de forma lógica, dos passos a serem executados no cumprimento de determinada tarefa;

Linguagem Pascal. Prof. Sérgio Rodrigues. É a descrição, de forma lógica, dos passos a serem executados no cumprimento de determinada tarefa; Linguagem Pascal Prof. Sérgio Rodrigues Introdução Algoritmo É a descrição, de forma lógica, dos passos a serem executados no cumprimento de determinada tarefa; Programa é a formalização de um algoritmo

Leia mais

Elementos básicos das linguagens de programação

Elementos básicos das linguagens de programação Elementos básicos das linguagens de programação Objetivos: Apresentar os últimos elementos básicos das linguagens de programação Elementos básicos já estudados Entrada (read, readln) Saída (write, writeln)

Leia mais

Engenharia Civil e Engenharia Básica Programação de Computadores Wedson Quintanilha da Silva

Engenharia Civil e Engenharia Básica Programação de Computadores Wedson Quintanilha da Silva Página 1 de 10 APOSTILA DE PASCAL MAPEAMENTO DE ALGORITMOS PARA PASCAL Algoritmo Exercicio1 Program Exercicio1; declare nome : caracter; nome : string; aux : inteiro; aux : integer; salario : real; salario

Leia mais

Tutorial de Turbo Pascal

Tutorial de Turbo Pascal Página 1 de 7 Este tutorial foi completamente escrito por Rodrigo Brambilla pode ser distribuído livremente sem nenhuma modificação. Agradecimentos: Leomar Pacheco Rocha, Rodrigo Hoffmann dos Santos, Paulo

Leia mais

Computação Eletrônica. Arquivo

Computação Eletrônica. Arquivo Computação Eletrônica Arquivo Memória RAM (1 Giga Byte) Processador (Intel Pentium) Disco ou (100 Giga Bytes) Por que temos 2 memórias? : permanente (pode desligar o computador), barato e lento O é representado

Leia mais

Linguagem de programação: Pascal

Linguagem de programação: Pascal Aula 04 Linguagem de programação: Pascal Prof. Tecgº Flávio Murilo 26/03/2013 1 Pascal Introdução Pascal é uma linguagem de programação estruturada, criada em 1970 pelo suíço Niklaus Wirth, dando este

Leia mais

Unidade VI. Técnicas de Teste de Software Teste Estrutural. Profa. Dra. Sandra Fabbri

Unidade VI. Técnicas de Teste de Software Teste Estrutural. Profa. Dra. Sandra Fabbri Unidade VI Técnicas de Teste de Software Profa. Dra. Sandra Fabbri Os requisitos de teste são extraídos de uma implementação em particular Teste dos detalhes procedimentais A maioria dos critérios dessa

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ICC 1 TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ICC 1 TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ICC 1 TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO 1. INTRODUÇÃO O que é um programa? Programa constitui uma seqüência lógica de passos para solução de um problema. Um programa pode ser codificado em

Leia mais

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea Variáveis Compostas Heterogêneas Variável Composta Heterogênea Conjunto de dados logicamente relacionados, mas de tipos diferentes. Também chamada de registro. Variável Composta Heterogênea 1 Declaração

Leia mais

Computação I. Prof. Miguel Elias Mitre Campista.

Computação I. Prof. Miguel Elias Mitre Campista. Computação I Prof. Miguel Elias Mitre Campista http://www.gta.ufrj.br/~miguel Linguagens de Programação DEL-Poli/UFRJ Introdução ao Pascal Níveis de Linguagens de Programação Linguagens declarativas Linguagens

Leia mais

Teoria da Computação e Algoritmos. Introdução à Linguagem Pascal. ALGORITMO <Nome do algoritmo>; <definições>; INÍCIO <Comandos>; FIM.

Teoria da Computação e Algoritmos. Introdução à Linguagem Pascal. ALGORITMO <Nome do algoritmo>; <definições>; INÍCIO <Comandos>; FIM. Teoria da Computação e Algoritmos Introdução à Linguagem Pascal 1 Estrutura de um programa INÍCIO FIM. PROGRAM END.

Leia mais

Aula Anterior. Decomposição algorítmica (continuação)

Aula Anterior. Decomposição algorítmica (continuação) Aula Anterior Decomposição algorítmica (continuação) Degenerescência da decomposição básica da solução em três etapas Método de decomposição modificado à entrada Associação de diferentes valores de entrada

Leia mais

Introdução ao Pascal. Computação I. Níveis de Linguagens de Programação. Níveis de Linguagens de Programação. Como um Programa é Executado?

Introdução ao Pascal. Computação I. Níveis de Linguagens de Programação. Níveis de Linguagens de Programação. Como um Programa é Executado? Computação I Introdução ao Pascal Prof. Miguel Elias Mitre Campista http://www.gta.ufrj.br/~miguel Linguagens de Programação DEL-Poli/UFRJ Níveis de Linguagens de Programação Linguagens declarativas Linguagens

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aula 08 Programação em pascal Pascal Pascal

Leia mais

Aulas Anteriores. Detalhes da linguagem de programação

Aulas Anteriores. Detalhes da linguagem de programação Aulas Anteriores Detalhes da linguagem de programação Elementos básicos (identificadores, constantes, símbolos gráficos) Estrutura básica de um programa (cabeçalho, parte declarativa, parte de execução)

Leia mais

Linguagem de Programação Pascal - Introdução

Linguagem de Programação Pascal - Introdução Linguagem de Programação Pascal - Introdução História Pascal é uma linguagem de programação que recebeu o seu nome em homenagem ao matemático Blaise Pascal. A linguagem Pascal foi criada em 1970 pelo suíço

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL PREFÁCIO

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL PREFÁCIO INTRODUÇÃO À LINGUAGEM PASCAL CESAR BEZERRA TEIXEIRA,MSC PREFÁCIO A linguagem Pascal foi criada pelo Prof Niklaus Wirth na universidade de Zurich, com o propósito de ensinar os conceitos de uma linguagem

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação Aula 10 Arquivos Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Técnico em Informática Prof. Bruno B. Boniati www.cafw.ufsm.br/~bruno Persistência

Leia mais

Capítulo IV : A Linguagem Pascal Ficheiros de Texto

Capítulo IV : A Linguagem Pascal Ficheiros de Texto Capítulo IV : A Linguagem Pascal Ficheiros de Texto 1 _ Capítulo IV : A Linguagem Pascal Ficheiros de Texto Um Programa Pascal pode comunicar com um ou vários Ficheiros, tanto para a Leitura de Dados,

Leia mais

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Programação 1 Prof. Osório Aula 05 Pag.: 1 UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática PROGRAMAÇÃO I AULA 05 Disciplina: Linguagem

Leia mais

Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias. Programação I

Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias. Programação I Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Algoritmos de busca Basicamente podem ser citadas duas estratégias para procurar (ou buscar) algo em uma coleção de dados: Busca

Leia mais

Métodos de Programação I (2005/2006) 1. Ficheiro (file)

Métodos de Programação I (2005/2006) 1. Ficheiro (file) Métodos de Programação I (2005/2006) 1 Ficheiro (file) O tipo estruturado file representa, em Pascal, uma estrutura de dados capaz de armazenar dados ou resultados de qualquer outro tipo É uma estrutura

Leia mais

Linguagem Pascal. Definição e Tipos de Dados. Professora Lara Popov Zambiasi Bazzi Oberderder. Linguagem PASCAL 1

Linguagem Pascal. Definição e Tipos de Dados. Professora Lara Popov Zambiasi Bazzi Oberderder. Linguagem PASCAL 1 Linguagem Pascal Definição e Tipos de Dados Professora Lara Popov Zambiasi Bazzi Oberderder Linguagem PASCAL 1 Origem Linguagem de programação largamente utilizada no ensinoaprendizagem de programação

Leia mais

Linguagem Pascal. Prof. Jonatas Bastos Site:

Linguagem Pascal. Prof. Jonatas Bastos   Site: Linguagem Pascal Prof. Jonatas Bastos Email: jonatasfbastos@gmail.com Site: http://jonatasfbastos.wordpress.com/ 1 Linguagem Pascal Foi desenvolvida pelo prof. Niklaus Wirth como uma linguagem simples

Leia mais

Ciclo com Contador : instrução for. for de variável := expressão to. expressão do instrução

Ciclo com Contador : instrução for. for de variável := expressão to. expressão do instrução Métodos de Programação I 2. 27 Ciclo com Contador : instrução for identificador downto for de variável := expressão to expressão do instrução UMA INSTRUÇÃO (SIMPLES OU COMPOSTA) Neste caso o ciclo é repetido

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Variáveis Conceitos Básicos Variáveis x Constantes a = x + 5 a, x e 5 são variáveis ou constantes? Variáveis As variáveis são recipientes de valores É um espaço reservado

Leia mais

Manipulação de Arquivos Binários

Manipulação de Arquivos Binários Introdução à Computação I Departamento de Física e Matemática FFCLRP-USP Prof. Dr. José Augusto Baranauskas IBm1006 1º Semestre/2006 Notas de Aula Manipulação de Arquivos Binários Até agora vimos como

Leia mais

1.2 OPERAÇÕES BÁSICAS EM ALGORITMOS E PROGRAMAS 18

1.2 OPERAÇÕES BÁSICAS EM ALGORITMOS E PROGRAMAS 18 ÍNDICE MÓDULO 1 INTRODUÇÃO À ALGORITMIA 11 1.1 PROGRAMAS E ALGORITMOS 12 Fases da programação 12 Algoritmos e algoritmia 13 Algoritmos em linguagem informal, pseudocódigo e fluxogramas 14 Símbolos utilizados

Leia mais

10) REGISTROS : Exemplos: var N,I: integer; A,B,C: real; CHAVE: boolean; CARAC: char; V: array[1..20] of real; M: array[1..10,1..

10) REGISTROS : Exemplos: var N,I: integer; A,B,C: real; CHAVE: boolean; CARAC: char; V: array[1..20] of real; M: array[1..10,1.. Página 1 de 10 10) REGISTROS : De um modo geral, as variáveis podem ser: - simples (integer, real, boolean, char) e - compostas: - homogêneas (array) - heterogêneas (record) Exemplos: var N,I: integer;

Leia mais

APÊNDICE A - FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PASCAL.

APÊNDICE A - FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PASCAL. APÊNDICE A - FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PASCAL. 1. INTRODUÇÃO Este apêndice tem o objetivo de fornecer as regras básicas para transformar algoritmos (em Natural) em programas (em PASCAL).

Leia mais

Capítulo V : A Linguagem Pascal Um Tipo Estruturado de Dados: o array 18. Para limite de n até 2 (* passagens de 1 até (n-1) *)

Capítulo V : A Linguagem Pascal Um Tipo Estruturado de Dados: o array 18. Para limite de n até 2 (* passagens de 1 até (n-1) *) Capítulo V : A Linguagem Pascal Um Tipo Estruturado de Dados: o array 18 _ Métodos de Ordenamentos: Borbulhamento (BubbleSort) Estratégia: Os elementos de um vector a[1..n] estão dispostos por ordem não

Leia mais

Disciplina Programação Prof. Esp. Armando Hage. Programação em Turbo Pascal

Disciplina Programação Prof. Esp. Armando Hage. Programação em Turbo Pascal Disciplina Programação Prof. Esp. Armando Hage Programação em Turbo Pascal Introdução A linguagem de programação pascal foi escrita por Niklaus Wirth entre 1969 e 1971, e deriva das linguagens ALGOL-60

Leia mais

FACCAT Sistemas de Informação. Estruturas de Dados

FACCAT Sistemas de Informação. Estruturas de Dados FACCAT Sistemas de Informação Estruturas de Dados Aula 1 http://professores.faccat.br/azambuja (Estrutura de Dados) Definição de variáveis Podemos imaginar uma variável como o local onde se pode colocar

Leia mais

Estrutura de Decisão - Case

Estrutura de Decisão - Case FTC Faculdade de Tecnologia e Ciências Engenharia Civil 1º Semestre Estrutura de Decisão - Case Rafael Barbosa Neiva rafael@prodados.inf.br Definição Para a execução de um determinado comando CASE, somente

Leia mais

Este capítulo apresenta as técnicas de manipulação de arquivos texto, binários e suas principais funções de I/O.

Este capítulo apresenta as técnicas de manipulação de arquivos texto, binários e suas principais funções de I/O. TRABALHANDO COM ARQUIVOS E DIRETÓRIOS Capítulo 9 Este capítulo apresenta as técnicas de manipulação de arquivos texto, binários e suas principais funções de I/O. ARQUIVOS TEXTO (File of Text) Os Arquivos

Leia mais

Estruturas de Controle

Estruturas de Controle UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Prof. Yandre Maldonado - 1 Estruturas de Controle Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa yandre@din.uem.br Estrutura de Seleção Prof. Yandre

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação Aula 2 Introdução Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Técnico em Informática Prof. Bruno B. Boniati www.cafw.ufsm.br/~bruno O que

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Súmula:

PLANO DE ENSINO. Súmula: INF01211 NOME DA DISCIPLINA: Algoritmos e Programação Semestre: 2009/2 Carga horária: 4 h Créditos: 4 Professor: Luis de França G. Ferreira Súmula: Formulação de problemas, construção de algoritmos e implementação

Leia mais

Refinamentos sucessivos

Refinamentos sucessivos Refinamentos sucessivos Objetivos: Estudar a técnica de refinamentos sucessivos Jogo: 2048 Implementaremos o jogo 2048, com o objetivo de estudar a manipulação dos elementos de uma matriz Utilizaremos

Leia mais

Introdução ao Fortran 90. Aula 3

Introdução ao Fortran 90. Aula 3 Introdução ao Fortran 90 Aula 3 Usando vetores e matrizes Definição Uma matriz ou vetor consiste de um conjunto retangular de elementos, todos do mesmo tipo e espécie do tipo. Uma matriz ou vetor é um

Leia mais

Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias. Programação I

Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias. Programação I Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Armazenamento de dados Armazenamento de dados Você adquiriu muitas habilidades de programação. Os programas cresceram em tamanho

Leia mais

Algumas notas sobre PASCAL

Algumas notas sobre PASCAL Algumas notas sobre PASCAL PARTE I Anjolina Grisi de Oliveira 1 Um programa em PASCAL Esse texto inclui algumas notas sobre a linguagem PASCAL. As diferenças existentes entre os diversos compiladores não

Leia mais

Estruturas de Controle. Estrutura de Seleção. Estrutura de Seleção

Estruturas de Controle. Estrutura de Seleção. Estrutura de Seleção UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Prof. Yandre Maldonado - 1 Estruturas de Controle Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa yandre@din.uem.br Estrutura de Seleção Prof. Yandre

Leia mais

II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL

II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL Leitura: Engenharia de Software - Roger S. Pressman Cap 16 - Linguagens de Programação e Codificação (exceto 16.2) Introdução à Programação com Pascal - Sérgio E. R.

Leia mais

PROF. Menezes. program ex17; uses wincrt; var i, a, cont: integer;

PROF. Menezes. program ex17; uses wincrt; var i, a, cont: integer; ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LISTA RESOLVIDA PROF. Menezes. DISCIPLINA : ICCII TURMAS : 22431N / 22432N 01. Escrever um algoritmo/programa em Pascal que lê 5 valores para a, um de cada vez, e conta quantos destes

Leia mais

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo;

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; O tipo de dados tem por base um tipo simples (enumerável); Na verdade, um set representa o conjunto

Leia mais

Simulado de Linguagem de Programação Java

Simulado de Linguagem de Programação Java Simulado de Linguagem de Programação Java 1. Descreva o processo de criação de programas em Java, desde a criação do código-fonte até a obtenção do resultado esperado, por meio de sua execução. Cite as

Leia mais

PASCAL Adriano Mauro Cansian André Proto

PASCAL Adriano Mauro Cansian André Proto PASCAL Adriano Mauro Cansian André Proto UNESP - São José do Rio Preto Linguagem Computacional Programação Pascal Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian 1 Programando em Pascal (1) Pascal é uma linguagem altamente

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Genéricas Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

Exercícios sobre o Capítulo III

Exercícios sobre o Capítulo III A Linguagem Pascal Exercícios 1 Exercícios sobre o Capítulo III Problema: Dado um número inteiro e positivo, representando segundos, convertê-lo em horas, minutos e segundos. O resultado deve ser dado

Leia mais

Exercícios: Arquivos

Exercícios: Arquivos Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Arquivos 1. Codifique, compile e execute um programa que: (a) crie/abra

Leia mais

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Programação 1 Prof. Osório Aula 03 Pag.: 1 UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática PROGRAMAÇÃO I AULA 03 Disciplina: Linguagem

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

Descrição da Linguagem Pascal Jr.

Descrição da Linguagem Pascal Jr. Descrição da Linguagem Pascal Jr. Características gerais PascalJr possui convenções de tipos igual a linguagem Pascal PascalJr suporta definições de funções Com passagem de parâmetros por valor e por referência

Leia mais

Procedimento. Função. Selecção Condicional - a instrução if-then-else. expressão if lógica then instrução else instrução

Procedimento. Função. Selecção Condicional - a instrução if-then-else. expressão if lógica then instrução else instrução Métodos de Programação I 2. 20 2.2.8 ESTRUTURAS DE CONTROLO Estruturas de controlo são instruções especiais em Pascal que permitem controlar o fluxo de sequência de instruções, alterando a ordem sequencial

Leia mais

ALGORITMOS VARIÁVEIS E OPERADORES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

ALGORITMOS VARIÁVEIS E OPERADORES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ALGORITMOS VARIÁVEIS E OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ESTRUTURA DE UM ALGORITMO VISUALG Algoritmo Exemplo var valor_a, valor_b, valor_c : inteiro soma : inteiro

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Programação 1I Prof. Osório Listas simplesmente encadeadas Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Programação II Disciplina:

Leia mais

1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir:

1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir: Introdução à Informática 1 de 6 Data: 29/05/04 1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir: program eq2grau; uses WinCrt, Strings;

Leia mais

Teste de Introdução à Computação 11 de Junho 2003, 17:00-19:00 (Duração: 2 horas) Universidade do Algarve

Teste de Introdução à Computação 11 de Junho 2003, 17:00-19:00 (Duração: 2 horas) Universidade do Algarve Teste de Introdução à Computação 11 de Junho 2003, 17:00-19:00 (Duração: 2 horas) Universidade do Algarve Escreva o seu nome, número e curso em todas as folhas que entregares. Não é permitido falar com

Leia mais

Ciência da Computação. Prof. Dr. Leandro Alves Neves Prof. Dr. Adriano M. Cansian

Ciência da Computação. Prof. Dr. Leandro Alves Neves Prof. Dr. Adriano M. Cansian Algoritmos e Programação Informática II Ciência da Computação Prof. Dr. Leandro Alves Neves Prof. Dr. Adriano M. Cansian 1 Sumário Tipos de Dados Variáveis Modelo esquemático Características e Regras para

Leia mais

Fundamentos de Arquivos

Fundamentos de Arquivos Fundamentos de Arquivos Leandro C. Cintra M.C.F. de Oliveira Rosane Minghim 2004-2010 Fonte: Folk & Zoelick, File Structures 2 Arquivos Informação mantida em memória secundária HD Fitas magnéticas CD DVD

Leia mais

Funções Geométricas, de Strings, de Listas e de Manipulação de Arquivos

Funções Geométricas, de Strings, de Listas e de Manipulação de Arquivos AutoLISP - VII Funções Geométricas, de Strings, de Listas e de João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Funções geométricas As funções geométricas do AutoLISP são: distance, angle, polar, inters,

Leia mais

In I t n rto r d o u d ç u ão ã o à à Com o pu p t u a t ç a ão ã Linguagem Fortran! " 1

In I t n rto r d o u d ç u ão ã o à à Com o pu p t u a t ç a ão ã Linguagem Fortran!  1 Introdução à Computação Linguagem Fortran! " 1 ESTRUTURA DE CONTROLE DECISÃO SE / CASO; 2 ESTRUTURA DE CONTROLE Operadores Relacionais Símbolo Significado Fortran = Igual - Equal to.eq. Diferente - Not

Leia mais

Computação Eletrônica

Computação Eletrônica Computação Eletrônica Expressões ovsj@cin.ufpe.br Observação: Material da Disciplina Computação Eletrônica CIN/UFPE. Expressões São sequências de operandos e operadores devidamente arrumadas; Obedecendo

Leia mais

tipoveiculo = (bicicleta, motociclo, motorizada, automovel, autocomreb, camioneta, autocarro, camiao, reboque); veiculo : tipoveiculo;

tipoveiculo = (bicicleta, motociclo, motorizada, automovel, autocomreb, camioneta, autocarro, camiao, reboque); veiculo : tipoveiculo; Métodos de Programação I Departamento de Matemática, FCTUC 38 type var tipoveiculo = (bicicleta, motociclo, motorizada, automovel, autocomreb, camioneta, autocarro, camiao, reboque); veiculo : tipoveiculo;

Leia mais

Estruturas II UFOP 1/35

Estruturas II UFOP 1/35 BCC 201 - Introdução à Programação I Estruturas II Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/35 Conceito de struct I Vetores e matrizes Estruturas de dados homegêneas Armazenam vários valores, mas todos de um mesmo

Leia mais

5. NOÇÕES DE PROGRAMAÇÃO

5. NOÇÕES DE PROGRAMAÇÃO 5. NOÇÕES DE PROGRAMAÇÃO VARIÁVEIS As variáveis, em Visual Basic, são classificadas de acordo com o esquema a seguir: Tabela 14 ESCOPO VIDA DECLARAÇÃO Local Dinâmica ou Estática Dim, Static (dentro de

Leia mais

PHP INTRODUÇÃO FOPEN FOPEN

PHP INTRODUÇÃO FOPEN FOPEN INTRODUÇÃO PHP O PHP permite a manipulação de arquivos de texto. Existem diversas funções usadas para abertura, leitura, escrita e fechamento dos mesmos. Aula 4 Arquivos Leonardo Pereira facebook.com/leongamerti

Leia mais

Sequencial Estrutura de controlo mais simples. As instruções são executadas sequencialmente.

Sequencial Estrutura de controlo mais simples. As instruções são executadas sequencialmente. Sequencial Estrutura de controlo mais simples. As instruções são executadas sequencialmente. Com base numa condição Estruturas de decisão ou selecção Com base num selector ou de escolha múltipla Com contador

Leia mais

LINGUAGEM C: ARQUIVOS

LINGUAGEM C: ARQUIVOS LINGUAGEM C: ARQUIVOS Prof. André Backes Arquivos 2 Por que usar arquivos? Permitem armazenar grande quantidade de informação; Persistência dos dados (disco); Acesso aos dados poder ser não seqüencial;

Leia mais

Modularidade. Objetivos: Introduzir noções básicas de modularidade. Funções e procedimentos

Modularidade. Objetivos: Introduzir noções básicas de modularidade. Funções e procedimentos Modularidade Objetivos: Introduzir noções básicas de modularidade Funções e procedimentos Motivação É muito difícil manter um código quando ele tende a ser grande (com muitas linhas) É preciso organizar

Leia mais

Shell Script. Rafael Silva Guimarães

Shell Script. Rafael Silva Guimarães Shell Script Rafael Silva Guimarães O que é Shell O Shell é o "prompt" da linha de comando do Linux, que recebe os comandos digitados pelo usuário e os executa. Mas o Shell é muito mais poderoso que seu

Leia mais

Capítulo 3 CARACTERÍSTICAS GERAIS DA LINGUAGEM PASCAL 1. INTRODUÇÃO

Capítulo 3 CARACTERÍSTICAS GERAIS DA LINGUAGEM PASCAL 1. INTRODUÇÃO Capítulo 3 CARACTERÍSTICAS GERAIS DA LINGUAGEM PASCAL 1. INTRODUÇÃO A linguagem Pascal foi concebida por Niklaus Wirth no início da década de 70, tendo por principal objetivo eliminar os péssimos hábitos

Leia mais

Estrutura de Dados Polinómio

Estrutura de Dados Polinómio Estrutura de Dados Polinómio Estrutura de Dados: representação computacional + algorimos especializados Estrutura de Dados Polinómio P n (x) = nx a i x i i=0 Logo, Polinómio tem uma estrutura recorrente:

Leia mais

ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO Memória Variáveis e constantes Tipos primitivos de dados Operadores Comandos

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Fila / Alocação Estática Pag.: 1 - UNIVERSIAE O VALE O RIO OS SINOS IÊNIAS EXATAS E TENOLÓGIAS urso: Informática / iência da omputação Programação II isciplina: Linguagem de

Leia mais

Programando o Computador com PascaL: um ambiente para Auto-Aprendizagem.

Programando o Computador com PascaL: um ambiente para Auto-Aprendizagem. Programando o Computador com PascaL: um ambiente para Auto-Aprendizagem. Resolução dos desafios propostos no Capítulo 8 Resolução do Desafio 8.1 Resolução do Desafio 8.2 Fórmulas usadas na planilha: Para

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013

Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013 Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013 Linguagem C - Arquivos - Prof. César Melo cavmelo@dcc.ufam.edu.br Slides preparados pelo Prof. Leandro Galvão galvao@dcc.ufam.edu.br Conceitos iniciais Um arquivo

Leia mais

1: unit ArvAVL; 2: { Unit que implementa uma arvore AVL } 3: interface 4: 5: type 6: Tipo_da_Chave = longint; 7: Tipo_do_Dado = record 8: Chave :

1: unit ArvAVL; 2: { Unit que implementa uma arvore AVL } 3: interface 4: 5: type 6: Tipo_da_Chave = longint; 7: Tipo_do_Dado = record 8: Chave : 1: unit ArvAVL; 2: { Unit que implementa uma arvore AVL } 3: interface 4: 5: type 6: Tipo_da_Chave = longint; 7: Tipo_do_Dado = record 8: Chave : Tipo_da_Chave; 9: Nome : string; 10: { Outras informacoes

Leia mais

7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS

7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS 7. ESTRUTURAS DE DADOS ESTÁTICAS E DINÂMICAS Até... 7.1 Alocação Estática Alocação de Espaço em Memória Como já foi visto anteriormente, a memória de um computador compõe-se de uma sequência de palavras,

Leia mais

Agregado Homogêneo e Heterogêneo

Agregado Homogêneo e Heterogêneo Universidade Estadual de Maringá - UEM Centro de Tecnologia - CTC Departamento de Informática - DIN Fundamentos da Computação Agregado Homogêneo e Heterogêneo Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado

Leia mais

Estrutura de Dados Pilha (Stack)

Estrutura de Dados Pilha (Stack) Estrutura de Dados Pilha (Stack) Estrutura de Dados que corresponde a uma lista sequencial com a propriedade seguinte: LIFO O primeiro elemento a entrar é o último a sair ( Last in First Out ) Operações

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I AULA 08

PROGRAMAÇÃO I AULA 08 Programação 1 Prof. Osório Aula 08 Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática PROGRAMAÇÃO I AULA 08 Disciplina: Linguagem de Programação

Leia mais

Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias. Programação I

Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias. Programação I Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Modularização Recursividade Modularização Seus programas continuam evoluindo e o código está cada vez maior e mais complexo: o

Leia mais

Busca. Prof. Alneu de Andrade Lopes. ICMC - USP - São Carlos

Busca. Prof. Alneu de Andrade Lopes. ICMC - USP - São Carlos Busca Prof. Alneu de Andrade Lopes ICMC - USP - São Carlos Algoritmo de Procura Algoritmo de Procura O problema de procurar, pesquisar alguma informação numa tabela ou num catálogo é muito comum Exemplo:

Leia mais

Rateio por Despesas por Contas Contábeis

Rateio por Despesas por Contas Contábeis Rateio por Despesas por Contas Contábeis Introdução É possível efetuar configuração no sistema para que a contabilização das despesas seja rateada entre departamentos/centros de custo, de acordo com percentuais

Leia mais

PRIMEIRA AVALIAÇÃO IDENTIFICAÇÃO. Nome: ID: 25/04/2005. PARTE I Questões Objetivas

PRIMEIRA AVALIAÇÃO IDENTIFICAÇÃO. Nome: ID: 25/04/2005. PARTE I Questões Objetivas Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Bacharelado em Ciência da Computação/ Engenharia da Computação INF 01203 Estruturas de Dados Professora: Renata de Matos Galante PRIMEIRA

Leia mais

Capítulo VII : A Recorrência

Capítulo VII : A Recorrência Capítulo VII : A Recorrência 1 _ Capítulo VII : A Recorrência Quando algo é definido em termos de si próprio. Ex1: O Tetraedro de Sierpinski Ex2: Fracções Contínuas Ex3: A Carpete de Sierpinski Ex4: A

Leia mais

Simulação de Caixa Automático

Simulação de Caixa Automático Programação Funcional UFOP DECOM 2014.1 Trabalho 1 Simulação de Caixa Automático Sumário Resumo Com esta atividade pretende-se explorar a construção de programas interativos usando ações de entrada e saída

Leia mais

Tipos de Dados Dinâmicos

Tipos de Dados Dinâmicos Tipos de Dados Dinâmicos Manipular uma lista de nomes de alunos: como? Tipo de dados Registo com: nome notas de trabalhos assiduidade nota final Representação para a Lista???? MP II, 2006/2007 p.1/20 Hipótese

Leia mais