Berna, 28 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Berna, 28 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan"

Transcrição

1 UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C Doc 12a.Rev 1 Original: inglês CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 2 (Encomendas) Propostas referentes às quotas-partes territoriais de chegada para 2011 Propostas de mudança ao Regulamento das Encomendas postais apresentadas pelo Presidente do Grupo «Remuneração» da Comissão 2 Berna, 28 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan Relatório (Item 12a da pauta) 1. Assunto Apresentação das propostas do Grupo «Remuneração» da Comissão 2 visando modificar as disposições do Regulamento das Encomendas postais em relação às quotas-partes territoriais de chegada. Referências/Parágrafos 1 a 9 2. Decisões esperadas Pede-se à Comissão 2 que: aprove a urgente necessidade de revisar as disposições do Regulamento das Encomendas postais relativas às quotas-partes territoriais de chegada; aprove as propostas ou sugira as modificações necessárias; fixe a data de entrada em vigor das emendas aprovadas para 1º de Janeiro de e anexos 1 e 2 I. Introdução 1. Durante sua reunião realizada em Berna no dia 11 de Fevereiro de 2010, o Grupo «Remuneração» da Comissão 2 examinou as mudanças que a Secretaria Internacional propõe aos procedimentos de avaliação das quotas-partes territoriais de chegada, aprovou as propostas sobre a avaliação das condições necessárias para poder beneficiar do sistema de bônus ligados às quotas-partes territoriais de chegada e endossou as propostas sobre a avaliação dos elementos de serviço relativos ao sistema de bônus ligados às quotas-partes territoriais de chegada. 2. O Grupo «Remuneração» também aceitou as propostas visando revisar o Regulamento das Encomendas postais em função das mudanças endossadas, para exame final do Grupo em sua próxima reunião (durante o Conselho de Operações Postais (COP) 2010), depois para aprovação final pela Comissão 2 (sempre durante o COP 2010). DOT.PCL

2 2 / 3. As propostas de modificação dos artigos RC 192 e RC 193 do Regulamento das Encomendas postais, apresentadas à Comissão 2, para aprovação, nos anexos 1 e 2 deste documento, foram elaboradas pela Secretaria Internacional em consulta (por correio eletrônico) com os membros do Grupo «Remuneração» da Comissão 2 e as outras partes interessadas. II. Artigo RC 192 (Quotas-partes territoriais de chegada baseadas nos elementos de serviço fornecidos) 4. A mudança do artigo RC 192 reflete as mudanças aprovadas pelo Grupo «Remuneração», particularmente sobre a automatização da avaliação da maioria dos elementos de serviço, a supressão da aceitação da responsabilidade como condição necessária para poder beneficiar de qualquer um dos bônus oferecidos pelos elementos de serviço fornecidos e a introdução de uma nova condição a cumprir, referente ao fornecimento de informações para a nova Coletânea das Encomendas postais on-line. 5. As mudanças propostas também visam simplificar e esclarecer a terminologia e os prazos previstos para o fornecimento das informações pelos operadores designados. O novo texto suprime qualquer referência aos procedimentos de validação aplicados pela Secretaria Internacional para a avaliação das quotas-partes territoriais de chegada. Estes procedimentos estão descritos em detalhes no documento CEP C Doc 12b.Rev 2, que deve ser aprovado pela Comissão A nova redação também simplifica o texto relativo à determinação das taxas de base e à avaliação dos critérios necessários para poder beneficiar de um bônus. Toda referência aos objetivos de desempenho também foi retirada do artigo RC 192 e transferida para os artigos pertinentes do Regulamento das Encomendas postais (art. RC 145, RC 163 e RC 164). 7. Enfim, o artigo RC 192 revisado define o papel da Secretaria Internacional no processo de avaliação das quotas-partes territoriais de chegada. III. Artigo RC 193 (Modificações das quotas-partes territoriais de chegada) 8. As modificações do artigo RC 193 simplificam o texto relativo ao ajuste das quotas-partes territoriais de chegada com base na inflação, indicam claramente que as modificações das quotas-partes territoriais de chegada são efetuadas duas vezes ao ano e esclarecem o prazo prescrito para a apresentação, pelos operadores designados, de seus pedidos de novos bônus. IV. Exame do documento pelo Grupo «Remuneração» da Comissão 2 9. O Grupo «Remuneração» examinou e aprovou o documento e os anexos 1 e 2 com as seguintes mudanças: Artigo RC : inclusão temporária da referência aos documentos da Comissão e adição de um comentário da Secretaria Internacional assim que os números de resoluções do COP foram dados, se os projetos de rsolução são aprovados pela Comissão 2. Artigo RC : inclusão de um parágrafo restabelecendo a aceitação da responsabilidade como uma das condições para a participação de um operador designado ao sistema de bônus. Artigo RC : o fato de que a avaliação dos bônus será baseada nas informações notificadas em uma rubrica apropriada da Coletânea das Encomendas postais on-line ou, se não for possível, por escrito à Secretaria Internacional. Artigo RC : para as normas de distribuição, a informação sobre os prazos médios de liberação alfandegária fornecida pelos operadores designados sobre as encomendas-avião e as encomendas de superfície tem apenas valor indicativo. Artigo RC : para a distribuição ao domicílio, se existir informações sobre disposições governamentais ou juridicamente restritivas, estas últimas serão publicadas sob uma rubrica apropriada da Coletânea das Encomendas postais on-line. Também se esclarece o fato de que em caso de dúvida dos parceiros, o direito ao bônus de 5% pode ser reexaminado.

3 3 Artigo RC : para as normas de distribuição, eliminação da obrigação de atualizar anualmente estas normas ou confirmar que elas ainda estão em vigor. Artigo RC 193.2: na última frase, retirada do termo «por escrito» e acréscimo de um comentário da Secretaria Internacional. O termo «notificadas à Secretaria Internacional» significa que as informações foram recebidas na Secretaria Internacional (Berna, Suíça) até às 23 h 59, hora local, por correio registrado, por fax ou par correio eletrônico, ou que estas informações foram registradas na Coletânea das Encomendas postais on-line na data exigida. V. Decisões aguardadas 10. Pede-se à Comissão 2 que: aprove a urgente necessidade de revisar as disposições do Regulamento das Encomendas postais relativas às quotas-partes territoriais de chegada; aprove as propostas ou sugira as modificações necessárias; fixe a data de entrada em vigor das emendas aprovadas para 1º de Janeiro de Berna, 26 de Abril de 2010 Kola Aduloju Presidente do Grupo «Remuneração»

4 UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP Doc 12a.Rev 1.Annexe 1 Encomendas, Regulamento Proposta Artigo RC 192 Quotas-partes territoriais de chegada baseadas nos elementos de serviço fornecidos Modificar o título e o artigo como a seguir: Artigo RC 192 Quotas-partes territoriais de chegada baseadas nos elementos de serviço fornecidos 1. Nível das quotas-partes territoriais de chegada de base Princípio 1.1 Para os anos A partir de 2010 a 2013, o nível das as quotas-partes territoriais de chegada previstas no artigo 33.1 da Convenção está indicado a seguir, são compostas das taxa de base e de bônus (taxas suplementares) basedadas nos elementos de serviços fornecidos pelo operador designado e validados pela Secretaria Internacional, de acordo com o presente Regulamento e as resoluções do COP (CEP C Doc 12b.Rev 2.Annexe 1 e CEP C Doc 12c.Annexe 1 Comentário da Secretaria Internacional a ser acrescentado) A quota-parte de base corresponde a uma taxa máxima por encomenda e a uma taxa máxima por quilograma, próprias de cada país. Estas taxas serão calculadas com base numa proporção correspondente a 71,4% da taxa estabelecida por cada operador designado para 2004, mais qualquer ajuste anual pela inflação solicitado a título do artigo RC Todavia, se a nova quota-parte territorial de chegada de base de um operador designado for inferior a 2,85 DES por encomenda e a 0,28 DES por quilograma, sob reserva da taxa limite prevista em 1.1.3, a quota-parte territorial de chegada aplicável ao referido operador designado será estabelecida ao nível da taxa aplicada para calcular a quota-parte territorial de chegada mínima universal, correspondendo a 2,85 DES por encomenda e a 0,28 DES por quilograma Quando um operador designado aplica a quota-parte territorial de chegada de base, como indicado no ponto 1.1.2, a aplicação desta quota-parte é sujeita a uma taxa limite correspondente à combinação das remunerações por encomenda e por quilograma, a saber 4,25 DES por uma encomenda de 5 quilogramas. Se o valor correspondente a 71,4% da soma das remunerações por encomenda e por quilograma para o ano 2004 for superior a 4,25 DES, a quota-parte territorial de chegada de base será estabelecida em função de uma proporção de 71,4% das taxas por encomenda e por quilograma. Se o valor correspondente a 71,4% da soma das remunerações por encomenda e por quilograma para o ano 2004 for inferior a 4,25 DES, a quota-parte territorial de chegada de base será estabelecida de acordo com as disposições do artigo Com o objectivo de determinar as quotas-partes territoriais de chegada, o termo «operador designado» refere-se a cada país ou território que explora um serviço de encomendas postais independente. Quando os serviços de encomendas postais de um país ou de um território são explorados por um operador designado de um outro país ou território, de acordo com o artigo 12 da Convenção, são considerados como fazendo parte deste último operador designado para fins de determinação dos elementos de serviço fornecidos e do cálculo das quotas-partes territoriais de chegada com base nos elementos de serviço fornecidos. 1.1bis Para fins da determinação das quotas-partes territoriais de chegada: 1.1bis.1 o termo «operador designado» é considerado como se referindo a cada país ou território explorando um serviço de encomendas postais independente. 1.1bis.2 o país ou território onde o serviço das encomendas postais é explorado pelo operador designado de um outro país ou território, é considerado como fazendo parte do país ou território do operador designado que assegura a exploração do serviço.

5 2 1.1bis.3 os termos «notifica», «notificadas», «notificação» se referem à recepção, pela Secretaria Internacional, de um pedido ou informações necessárias nas formas estabelecidas no Regulamento. 1bis. 1bis.1 1bis.2 1bis.3 Taxa de base A taxa de base corresponde a uma taxa por encomendas e a uma taxa por quilograma, específicas a cada país. Estas taxas de base são fixada em 71,4% das quotas-partes territoriais de chegada estabelecidas por cada operador designado para 2004, mais qualquer ajuste anual pela inflação, baseado no artigo RC A taxa de base mínima universal é de 2,85 DES por encomenda e 0,28 DES por quilograma e corresponde a 4,25 DES para uma encomenda de 5 quilogramas. Cada operador designado deve receber pelo menos a taxa de base mínima universal. Se o valor da taxa de base indicado no 1bis.1 for inferior a 4,25 DES, as quotas-partes territoriais de chegada de base serão estabelecidas de acordo com o item 1bis Bônus Sistema de bônus (taxas suplementares) 2.1 À condição de aceitar a responsabilidade obrigatória das encomendas perdidas, espoliadas ou avariadas, inscrita no artigo 21 da Convenção, e de respeitar as disposições do artigo RC 162.1, relativas à aplicação obrigatória de um código de barras de acordo a norma S10d da UPU, qualquer operador designado pode aumentar as quotas-partes de base referidas no 1, fornecendo entre um e quatro dos elementos de serviço claramente definidos abaixo, o que o habilitará a receber um bônus podendo atingir 40% de sua quota-parte de base. A possibilidade de receber um bônus é oferecida a todo operador designado, independente do fato deste operador designado aplicar uma quota-parte de base própria a cada país ou a quota-parte de base universal. A participação de um operador designado ao sistema de bônus está subordinada: à aceitação obrigatória da responsabilidade para as encomendas perdidas, espoliadas e avariadas, em virtude do artigo 21 da Convenção à aplicação obrigatória de um código de barras de acordo a norma S10d da UPU no sentido do artigo RC ao fornecimento de uma amostra do código de barras aplicada nas encomendas pelo operador designado à Secretaria Internacional e de qualquer informação sobre a modificação do mesmo ao registro das informações sobre os elementos de serviços fornecidos na coletânea das encomendas postais on-line ou, em caso de impedimento, à notificação escrita (por correio registrado, fax ou mensagem eletrônica) de suas informações à Secretaria Internacional a validação destes elementos pela Secretaria Internacional é efetuada com base nas informações notificdas à Secretaria Internacional em 31 de Agosto e em 31 de Dezembro, de acordo com as disposições figurando em 2, bis 2.1ter Todo operador designado, possuindo as condições de participação ao sistema de bônus (taxas suplementares), pode beneficiar de aumento de sua taxa de base em até 40%, em função dos elementos de serviço fornecidos, tais como definidos a seguir. O sistema de bônus é aplicado sobre a taxa de base ou sobre a quota-parte territorial de chegada mínima universal. 3. Definição des elementos de serviço e pagamento de um bônus correspondente 3.1 Elemento de serviço 1 Rastreamento Todo operador designado que fornece dados de rastreamento sobre as encomendas que chegam em seu território nacional munidas de um código de barras de acordo com a norma S10d da UPU, disponha de um equipamento técnico para a transmissão dos dados sobre todos os eventos de rastreamento obrigatórios e transmita activamente esses dados a todos os operadores designados parceiros com base nos elementos de dados conexos definidos no artigo RC , de acordo com os objetivos indicativos em termos de prazos de transmissão definidos no artigo RC 164, estará apto a receber um bônus correspondendo a 10% das quotas-partes de base indicadas no 1. O bônus de 10% é aplicado sobre a taxa de base, se o operador designado fornece dados de rastreamento sobre as encomendas e transmite, sem interrupção de transmissão, os elementos

6 3 dos dados de rastreamento obrigatórios a todos os operadores parceiros, de acordo com o artigo RC e visando os objetivos fixados no RC Todo operador designado que fornece dados de rastreamento sobre as encomendas que chegam a seu território nacional munidas de um código de barras conforme à norma S10d da UPU, disponha de um equipamento técnico para a transmissão dos dados de rastreamento sobre os eventos EME e EMF e transmita activamente esses dados com base na definição e nos elementos de dados conexos indicados no artigo RC e nos objectivos indicativos de desempenho em matéria de prazos de transmissão definidos no artigo RC 164, estará apto a receber um bónus correspondendo a 5% das quotas-partes de base indicadas no 1 O bônus de 5% é aplicado sobre a taxa de base, se o operador designado fornece dados de rastreamento sobre as encomendas e transmite, sem interrupção de transmissão, os elementos de dados de rastreamento facultativos sobre os eventos EME e EMF, de acordo com o artigo RC e visando os objetivos fixados no RC Todo operador designado que fornece dados de rastreamento sobre as encomendas que chegam a seu território nacional munidas de um código de barras conforme à norma S10d da UPU, disponha de um equipamento técnico para a transmissão de informações a nível da expedição, através das mensagens PREDES versão 2 e RESDES versão 1.1, e transmita activamente esses dados com base na definição e nos elementos de dados conexos indicados no artigo RC e nos objectivos indicativos de desempenho em matéria de prazos de transmissão definidos no artigo RC 164, estará apto a receber um bónus correspondendo a 5% das quotas-partes de base indicadas no 1. O bônus de 5% é aplicado sobre a taxa de base, se o operador designado fornece dados de rastreamento sobre as encomendas e transmite, sem interrupção de transmissão, os elementos de dados necessários sobre as expedições, de acordo com o artigo RC e visando os objetivos fixados no RC Todo operador designado que alcançar os objectivos fixados no artigo RC estará apto a receber um bónus correspondendo a 5% das quotas-partes de base indicadas no parágrafo 1. O bônus de 5% é aplicado sobre a taxa de base, se o operador designado alcança os objetivos de desempenho em matéria de transmissão de dados fixados no artigo RC Elemento de serviço 2 Distribuição ao domicílio O operador designado que faz uma primeira tentativa de distribuição do correio a seu destinatário (com exceção dos que possuem voluntariamente uma caixa postal) ou deixa um aviso de passagem no endereço do destinatário se o mesmo, ou qualquer outra pessoa que resida no local, estiver ausente e o operador designado que, tratando-se de objetos passíveis de direitos e de taxas, oferece ao destinatário a possibilidade de lhe pagar diretamente as taxas e direitos devidos e de receber fisicamente o objeto terão direito a um bónus correspondente a 5% das quotas-partes de base indicadas no 1. O bônus de 5% é aplicado sobre a taxa de base, se o operador designado oferece o serviço de distribuição ao domicílio. Este último inclui a primeira tentativa de distribuição do correio no endereço do destinatário (com exceção dos que possuem voluntariamente uma caixa postal), um aviso de passagem no endereço do destinatário se o mesmo ou qualquer outra pessoa que resida no local, estiver ausente e, quando se tratar de objetos passíveis de direitos e de taxas, a possibilidade de lhe pagar diretamente as taxas e direitos devidos ao operador designado e de receber fisicamente o objeto bis Um operador designado que, em razão de disposições governamentais ou juridicamente restritivas, é limitado em sua possibilidade de implementar o elemento de serviço 2 pode, mesmo assim, estar habilitado a receber o bônus de 5%. 3.3 Elemento de serviço 3 Normas de distribuição Conforme o artigo 20.1 e 2 da Convenção, o operador designado que fornece todas as informações abaixo, com vistas a sua inclusão na Colectânea das Encomendas Postais, terá direito a um bónus correspondendo a 5% das quotas-partes de base indicadas no 1. O bônus de 5% é aplicado sobre a taxa de base se o operador designado registrou na Coletânea das Encomendas postais on-line ou, em caso de impedimento, notificou por escrito (por correio registrado, fax ou mensagem eletrônica) à Secretaria Internacional, as informações a seguir:

7 Normas de distribuição referentes às encomendas-avião e às encomendas de superfície, tais como definidas no plano e nos títulos da Coletânea das Encomendas postais Indicação dos Prazos médios de liberação indicativos das encomendas-avião e das encomendas de superfície. 3.4 Elemento de serviço 4 Uso do sistema comum de reclamações pela Internet da UPU Um operador designado estará apto a receber um bónus correspondendo a 5% das quotas-partes de base indicadas no 1 se todas as condições a seguir forem preenchidas: O bônus de 5% é aplicado sobre a taxa de base, se o operador designado utiliza o sistema comum de reclamações pela Internet da UPU para tratar todas as reclamações com os operadores designados que utilizam este sistema comum, de acordo com o artigo RC 145.8, e alcance o objetivo fixado no artigo RC utiliza o sistema comum de reclamações por Internet da UPU para tratar todas as reclamações com os operadores designados que utilizam este sistema comum, de acordo com o artigo RC 145.8, e que alcance o objectivo fixado no artigo RC Desde que os operadores designados satisfaçam as condições mínimas prevista em 2.1, a avaliação dos elementos de serviço fornecidos é baseada no desempenho de cada operador designado. Nos casos onde as fichas reconhecidas pela UPU não tragam as informações necessárias, a Secretaria Internacional se informará junto aos operadores designados em questão a fim de determinar se eles fornecem os elementos de serviço considerados e podem receber, assim, o bônus correspondente. Verificação e validação do fornecimento dos elementos de serviço 4.0bis Para cada operador designado, a Secretaria Internacional verifica e, se for o caso, valida o fornecimento dos elementos de serviço, de acordo com o procedimento aprovado pelo COP. 4.1 Elemento de serviço 1 Rastreamento Todo operador designado que transmite a seus parceiros dados sobre os eventos EMC, EMD, EMH e EMI sobre as encomendas de chegada, sem interrupção de transmissão, receberá um bónus de 10%. A Secretaria Internacional verifica e, se for o caso, valida elemento de serviço 1 com base nas relatórios de rastreamento da UPU ou, em caso de lacuna dos relatórios da UPU, nos relatórios internacionalmente reconhecidos fornecidos pelo operador designado Salvo disposições em contrário da parte do governo e juridicamente obrigatórias, todo operador designado que transmite a seus parceiros dados relativos ao evento EMF para os objetos para os quais ele também comunica dados relativos ao evento EME, sem interrupção de transmissão, receberá um bónus de 5% Todo operador designado que transmite a seus parceiros mensagens PREDES versão 2 e mensagens RESDES em resposta às mensagens PREDES recebidas, sem interrupção de transmissão, receberá um bónus de 5% Todo operador designado que transmite a seus parceiros dados relativos aos eventos EMH e/ou EMI para 90% das encomendas de chegada para as quais foram transmitidos dados relativos ao evento EMD receberá um bónus de 5%. 4.2 Elemento de serviço 2 Distribuição ao domicílio A Secretaria Internacional solicitará informações sobre a questão de saber se um determinado operador designado aplica ou não as disposições da definição do elemento de serviço 2, enunciada no Todo operador designado que indica que fornece o elemento de serviço em questão tem, se aplicável, a um bónus de 5%. Apesar da resposta do operador designado, o Conselho de Operações Postais pode decidir, com base nas informações comunicadas em um relatório da Secretaria Internacional elaborado para este fim, que o operador designado não tem direito ao bónus em questão. Todo operador designado que não dá nenhuma informação sobre o assunto não poderá se beneficiar do bónus de 5%. A Secretaria Internacional verifica e, se for o caso, valida o elemento de serviço 2 com base nas informações incluídas pelo operador designado na Coletânea das Encomendas postais on-line ou, em caso de impedimento, notificadas por escrito (por correio registrado, fax ou mensagem eletrônica) à Secretaria Internacional, bem como com base nas provas obrigatoriamente fornecidas pelo operador designado e em qualquer outra informação oficialmente disponível.

8 Um operador designado que, devido às restrições impostas por um governo ou às disposições juridicamente restritivas, é limitado em sua possibilidade de implementar o elemento de serviço 2 pode, mesmo assim, pretender o recebimento do bónus de 5% se ele publica, na seção apropriada da Coletânea das encomendas postais, informações sobre a natureza das limitações de que é objeto.. As informações sobre a natureza das disposições governamentais ou juridicamente restritivas são publicadas em uma rubrica apropriada da Coletânea das Encomendas postais online. As informações fornecidas pelos operadores designados e incluídas na Coletânea podem ser submetidas a exame da Secretaria Internacional se um dos operadores designados parceiros manifesta uma dúvida quanto a sua exatidão. Neste caso, a possibilidade de receber o bônus de 5% também pode ser objeto de um exame. 4.3 Elemento de serviço 3 Normas de distribuição Um operador designado que fornece todas as informações indicadas no artigo 20.1 e 2 da Convenção, conforme à definição do elemento de serviço 3, particularmente uma indicação do prazo médio de liberação alfandegária, e cujas informações constam da Coletânea das Encomendas Postais, e que, além disso, fornece cada ano uma atualização destas informações ou uma confirmação de sua validade, bem como uma indicação do prazo de liberação alfandegária, até 31 de Agosto do ano anterior, poderá beneficiar de um bónus de 5%. Um operador designado cujas informações não constam da Coletânea não poderá se beneficiar deste bónus. A Secretaria Internacional verifica e, se for o caso, valida o elemento de serviço 3 com base nas informações incluídas pelo operador designado na Coletânea das Encomendas postais on-line ou, em caso de impedimento, notificadas por escrito (por correio registrado, fax ou mensagem eletrônica) à Secretaria Internacional, até 31 de Agosto do ano anterior. 4.4 Elemento de serviço 4 Uso do sistema comum de reclamações pela Internet da UPU Todo operador designado que utiliza o sistema comum de reclamações através da Internet da UPU, de acordo com as disposições do artigo RC e que alcance o objectivo de desempenho indicado no artigo RC 145.9, beneficiará de um bónus de 5%. A Secretaria Internacional verifica e, se for o caso, valida o elemento de serviço 4 com base nos relatórios transmitidos pelo fornecedor do sistema comum de reclamações pela Internet da UPU. Motivos. A modificação do artigo RC 192 visa facilitar a compreensão e a implementação deste artigo. A simplificação envolve vários aspectos, particularmente a modificação da terminologia para estabelecer claramente o prazo previsto para o fornecimento das informações pelos operadores designados, a retirada de toda referência aos procedimentos de validação aplicados pela Secretaria Internacional para a avaliação das quotas-partes territoriais de chegada, a retirada de todo elemento supérfluo no texto sobre a determinação das taxas de base e a avaliação dos critérios necessários para poder beneficiar de um bônus. Além disso, toda referência aos objetivos de desempenho foi retirada do artigo RC 192 e incluída nos artigos pertinentes do Regulamento das Encomendas postais (artigos RC 145, RC 163 e RC 164). As outras mudanças refletem a aprovação das disposições do documento CEP C 2 GR Doc 5 pelo Grupo «Remuneração» da Comissão 2: automatização da avaliação da maioria dos elementos de serviço, remoção da aceitação da responsabilidade como condição necessária para poder beneficiar de qualquer um dos bônus concedidos pelos elementos de serviço fornecidos e introdução de uma nova condição, relacionada com o fornecimento de informações para a nova Coletânea das Encomendas postais on-line. Assim, a responsabilidade do fornecimento das informações será totalmente dos operadores designados. Além disso, os operadores designados que não retornaram o questionário anual sobre as quotas-partes territoriais de chegada desde 2007 poderão receber bônus pelos elementos de serviço fornecidos se fornecerem, no futuro, informações para a Coletânea das Encomendas postais on-line. Enfim, o parágrafo 4 define o papel da Secretaria Internacional no processo de avaliação das quotas-partes territoriais de chegada.

9 UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP Doc 12a.Rev 1.Annexe 2 Encomendas, Regulamento Proposta Artigo RC 193 Modificações das quotas-partes territoriais de chegada Modificar o artigo como a seguir: 1. Todo operador designado que deseje rever o aumento de sua quota-parte territorial de chegada sua taxa de base para levar em conta a inflação deverá fornecer notifica por escrito (por correio registrado, fax ou mensagem eletrônica) à Secretaria Internacional, até 31 de Agosto do ano anterior, um pedido de ajuste em função da inflação. documentos comprobatórios baseados no índice geral oficial dos preços ao consumidor de seu país em conformidade com seu pedido. O aumento das quotas-partes territoriais de chegada baseado na inflação não poderá, em nenhum caso, ser superior a 5% para cada ano em que o índice de inflação é calculado. O operador designado indica a fonte oficial e o nome da organização que publicou o índice, bem como o período considerado. Quando este prazo não for observado, estas modificações só entram em vigor em 1 de Janeiro do ano seguinte. Todo aumento das quotas-partes territoriais de chegada de base resultante de um ajuste pela inflação só pode entrar em vigor em 1 de Janeiro. O pedido deve indicar a fonte oficial e o nome da organização que publicou o índice geral oficial dos preços ao consumidor de seu país, bem como o período considerado, e deve ser acompanhado dos documentos comprobatórios. 1.1 O aumento das quotas-partes territoriais de chegada baseado na inflação não poderá, em nenhum caso, ser superior a 5% para cada ano em que o índice de inflação é claculado. 1.2 O aumento das quotas-partes territoriais de chegada de base resultantede um ajuste pela inflação só pode entrar em vigor em 1 de Janeiro. Se não for respeitado o prazo mencionado no ponto 1, o ajuste só entra em vigor em 1 de Janeiro do ano seguinte. 2. Os operadores designados devem indicar à Secretaria Internacional, até 31 de Agosto do ano anterior, os elementos de serviço que pretendem fornecer a partir de 1 de Janeiro e de 1 de Julho. Para os operadores designados que não indicaram no questionário anual a natureza de sua oferta nem comunicaram a sua intenção de fornecer os elementos de serviço considerados, estas eventuais modificações só entram em vigor em 1 de Janeiro do ano seguinte, independente da data em que os elementos de serviço são fornecidos. Todo operador designado que deseje obter um novo bônus em relação com os elementos de serviço que fornece, deve notificar por escrito à Secretaria Internacional seu pedido de concessão: 2.1 Em relação aos aumentos das quotas-partes territoriais de chegada baseados nos elementos de serviço fornecidos, aplicáveis a partir de 1 de Janeiro, os elementos de serviço pertinentes devem ter sido introduzidos e estarem operacionais de forma permanente desde 1 de Julho do ano anterior, e serem oferecidos de forma permanente após esta data. até 31 de Agosto, para a verificação dos elementos de serviço aplicável à quotas-partes que entram em vigor em 1 de Janeiro do ano seguinte; 2.2 Em se tratando dos aumentos das quotas-partes territoriais de chegada baseados nos elementos de serviço fornecidos, aplicáveis a partir de 1 de Julho, os elementos de serviço pertinentes devem ter sido introduzidos e estarem operacionais de forma permanente desde 1 de Janeiro do mesmo ano, o mais tardar, e serem oferecidos de forma permanente após esta data.até 31 de Dezembro, para a verificação dos elementos de serviço aplicável à quotas-partes que entram em vigor em 1 de Julho do ano seguinte.

10 2 2.3 Um operador designado que pede um aumento das quotas-partes territoriais de chegada baseado na introdução de novos elementos de serviço e que não consegue implementar estes elementos na data indicada, deve comunicá-lo imediatamente à Secretaria Internacional. Neste caso, o aumento das quotas-partes territoriais de chegada não é aplicável. Os operadores designados registram a atualização de seus dados referentes aos elementos de serviços na Coletânea das Encomendas postais on-line, respeitando os mesmos prazos. 2.4 A Secretaria Internacional verifica se os elementos de serviço são fornecidos e se os operadores designados satisfazem as exigências enunciadas neste artigo antes de proceder a eventuais modificações. 2bis. A Secretaria Internacional verifica duas vezes ao ano se os elementos de serviço foram implantados e se estão operacionais em permanência, de acordo com o procedimento de validação dos elementos de serviço aprovados pelo COP antes de proceder a eventuais modificações de bônus. Os bônus podem ser modificados para mais ou para menos, dependendo dos resultados do procedimento de validação. 3. As modificações das quotas-partes territoriais de chegada baseadas nos elementos de serviço fornecidos, correspondentes aos bónus, podem ser aplicadas duas vezes por ano, em 1 de Janeiro e 1 de Julho. A Secretaria Internacional notifica as quotas-partes territoriais de chegada aplicáveis a todos os operadores designados, até 30 de Setembro do ano anterior à sua entrada em vigor, incluindo toda modificação prevista às quotas-partes territoriais de chegada a partir de 1 de Julho em razão dos novos bónus que os operadores designados podem ter direito. A Secretaria Internacional confirma a todos os operadores designados, até 31 de Março, todas as modificações das quotas-partes territoriais de chegada aplicáveis a partir de 1 de Julho. As modificações das quotas-partes territoriais de chegada baseadas nos elementos de serviço fornecidos, em relação com os bônus, entram em vigor respectivamente em 1 de Janeiro e em 1 de Julho. 3.1 A Secretaria Internacional notifica as quotas-partes territoriais de chegada aplicáveis a todos os operadores designados, até 30 de Setembro para as quotas-partes que entram em vigor em 1 de Janeiro do ano seguinte, respectivamente, em 31 de Março para sua entrada em vigor em 1 de Julho. 4. Por iniciativa dos operadores designados, as reduções das quotas-partes territoriais de chegada podem entrar em vigor nos dias 1 de Janeiro, 1 de Abril, 1 de Julho ou 1 de Outubro. Estas devem ser comunicadas imediatamente aos operadores designados pela Secretaria Internacional. Motivos. As modificações do artigo RC 193 simplificam o texto relativo aos ajustes das quotas-partes territoriais de chegada com base na inflação. O 2 agora indica claramente que as modificações das quotas-partes territoriais de chegada são efetuadas duas vezes ao ano e que existem prazos específicos para a apresentação, pelos operadores designados, de seus pedidos de novos bônus e dos documentos relacionados. O 3 define melhor a responsabilidade da Secretaria Internacional para a publicação das quotas-partes territoriais de chegada. Comentário da Secretaria Internacional: o termo «notificadas à Secretaria Internacional» significa que as informações foram recebidas na Secretaria Internacional (Berna, Suíça) até às 23 h 59, hora local, por correio registrado, por fax ou par correio eletrônico, ou que estas informações foram registradas na Coletânea das Encomendas postais on-line na data exigida.

Uma carta sobre o assunto será divulgada nas próximas semanas.

Uma carta sobre o assunto será divulgada nas próximas semanas. Berna, 17 de Maio de 2010 Circular da Secretaria Internacional 106 Modificações ao Regulamento das Encomendas postais Prezada Senhora, Prezado Senhor, O Conselho de Operações Postais (COP) 2010, em virtude

Leia mais

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 8c (COP C 2 2011.1 Doc 8c) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas)

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 8c (COP C 2 2011.1 Doc 8c) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas) CEP C 2 2011.1 Doc 8c (COP C 2 2011.1 Doc 8c) Comissão 2 (Encomendas) Propostas formuladas por grupos da Comissão 2 sobre o Regulamento das Encomendas Postais Propostas relativas ao desenvolvimento do

Leia mais

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 7b (COP C 2 2011.1-Doc 7b) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas)

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 7b (COP C 2 2011.1-Doc 7b) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas) CEP C 2 2011.1 Doc 7b (COP C 2 2011.1-Doc 7b) Comissão 2 (Encomendas) Propostas relativas ao Regulamento das Encomendas Postais Propostas dos Países-membros (Item 7b da pauta) 1. Assunto Propostas de modificação

Leia mais

Eventuais modificações do Acordo SPP e de seu Regulamento Resultados da pesquisa

Eventuais modificações do Acordo SPP e de seu Regulamento Resultados da pesquisa UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 3 2011.1 Doc 3b (COP C 3 2011.1 Doc 3b) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 3 (Serviços Financeiros Postais) Eventuais modificações do Acordo SPP e de seu Regulamento

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

Berna, 27 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan

Berna, 27 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan CEP C 1 2010.1 Doc 6a CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 1 (Correspondências) Grupo «Melhoria da qualidade» Berna, 27 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan

Leia mais

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos Convenção nº 146 Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada para Genebra pelo conselho administração da Repartição Internacional

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 3 2014.1 Doc 12 CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 3 (Serviços Físicos) Grupo «Avaliação e Melhoria da Qualidade do Serviço de Encomendas Postais» Relatório do Presidente

Leia mais

C E R T I F I C A Ç Ã O REGULAMENTO NACIONAL DE CERTIFICAÇÕES

C E R T I F I C A Ç Ã O REGULAMENTO NACIONAL DE CERTIFICAÇÕES C E R T I F I C A Ç Ã O REGULAMENTO NACIONAL DE CERTIFICAÇÕES Com o objetivo de melhorar o nível de confiabilidade e segurança das certificações emitidas pelas ASSESPRO REGIONAIS a favor de seus associados,

Leia mais

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares.

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares. Normas do RRDRP Estas Normas estão em vigor para todos os processos de RRDRP. Os processos administrativos referentes a resolução de disputas nos termos do Procedimento de resolução de disputas de restrições

Leia mais

Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio

Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio Os abaixo-assinados, Plenipotenciários dos Governos dos Países membros da União, face ao disposto no parágrafo 4 do artigo 22.º da Constituição da

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A UMUARAMA S/A C.T.V.M, denominada simplesmente Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e

Leia mais

Novidades da Versão 3.0.0.30

Novidades da Versão 3.0.0.30 Novidades da Versão 3.0.0.30 Alteração Equipamento Unidade Instalação Inserida informação Telemetria na Tela de Alteração de Equipamento Unidade de Instalação (326). A informação Roaming Internacional

Leia mais

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio

Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política aprovada em 26 de agosto de 1999 Documentos de implementação aprovados em 24 de outubro de 1999 Versão em português da Organização

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

Regulamento da Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio

Regulamento da Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio 1 Regulamento da Política Uniforme de Solução de Disputas Relativas a Nomes de Domínio Política aprovada em 26 de agosto de 1999 Documentos de implementação aprovados em 24 de outubro de 1999 Versão em

Leia mais

PROTOCOLO referente ao Acordo de Madri relativo ao Registro Internacional de Marcas adotado em Madri em 27 de Junho de 1989 *

PROTOCOLO referente ao Acordo de Madri relativo ao Registro Internacional de Marcas adotado em Madri em 27 de Junho de 1989 * PROTOCOLO referente ao Acordo de Madri relativo ao Registro Internacional de Marcas adotado em Madri em 27 de Junho de 1989 * Artigo 1º - Membros da União de Madri Os Estados partes do presente Protocolo

Leia mais

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 SISTEMA DE EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO E DE ELEGIBILIDADE NAS ELEIÇÕES PARA O PARLAMENTO EUROPEU DOS CIDADÃOS DA UNIÃO EUROPEIA RESIDENTES NUM ESTADO-MEMBRO DE QUE

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência Resolução da Assembleia da República n.º 21/2002 Decisão dos Representantes dos Governos dos Estados- Membros da União Europeia, reunidos no Conselho, de 15 de Outubro de 2001, Relativa aos Privilégios

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Diploma: CIVA Artigo: 29º, 36º e 40º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Faturas - Mediadores de seguros que pratiquem operações isentas Processo: nº 4686, por despacho de 2013-05-15, do SDG do IVA, por delegação

Leia mais

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES.

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES. Resolução da Assembleia da República n.º 32/97 Tratado de Budapeste sobre o Reconhecimento Internacional do Depósito de Microrganismos para Efeitos do Procedimento em Matéria de Patentes, adoptado em Budapeste

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão: 24/05/2010 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

Versão Data Autor(es) Revisor(es) Alterações Aprovação 1.0 2013 11 20 M.B. Elisa Decq. Regina Bento Mota 1.01 2013 12 09 M.B.

Versão Data Autor(es) Revisor(es) Alterações Aprovação 1.0 2013 11 20 M.B. Elisa Decq. Regina Bento Mota 1.01 2013 12 09 M.B. Manual PASEP Controlo do documento Versão Data Autor(es) Revisor(es) Alterações Aprovação 1.0 2013 11 20 M.B. Elisa Decq Regina Bento Mota 1.01 2013 12 09 M.B. Elisa Decq Mota Regina Bento PASEP v.1.01

Leia mais

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 10.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 329/5 DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de novembro de 2013 que altera a Diretiva 2006/66/CE do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

Certificação Profissional de Análise e Aprovação de Crédito - CERT.FBB-200

Certificação Profissional de Análise e Aprovação de Crédito - CERT.FBB-200 MANUAL DE CANDIDATURA da Abril de 2012 Versão 2.0 A Federação Brasileira de Bancos FEBRABAN vem, neste Manual de Candidatura, divulgar as regras e informações necessárias para a realização dos exames pertinentes

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

União das Freguesias de Real, Dume e Semelhe

União das Freguesias de Real, Dume e Semelhe REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DE NATUREZA COMERCIAL EM EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS DE ÂMBITO LOCAL Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento rege-se pelo disposto no artigo 241º da Constituição

Leia mais

Termos e Condições Gerais para a loja online da Olympus

Termos e Condições Gerais para a loja online da Olympus Termos e Condições Gerais para a loja online da Olympus 1. Âmbito 2. Celebração do contrato 3. O direito à devolução por parte do consumidor 4. Preços 5. Entrega 6. Vencimento, pagamento e mora 7. Compensação

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão 1.0 23/07/2009 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES * Aprovado em assembleia-geral de 1/7/2003 Nos termos do al f) do n.º 1 do art.º 30.º, do n.º 6 do art.º 33.º e da alínea j) do art.º

Leia mais

Perguntas frequentes

Perguntas frequentes Perguntas frequentes 1. MEUS PEDIDOS Consigo rastrear o minha Compra? Sim. As informações mais atualizadas sobre sua Compra e a situação de entrega de sua Compra podem ser adquiridas a qualquer momento

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL UNIÃO POSTAL UNIVERSAL 24º CONGRESSO CONGRÈS C 9 Rapp 3 Prova RELATÓRIO DA COMISSÃO 9 (REDACÇÃO) Terceira sessão Segunda-feira, 28 de Julho de 2008, 08h10 Presidência de Sr. Faouzi Belhassen, Presidente

Leia mais

TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849

TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849 1 REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BOVESPA TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849 ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. nº 4-3 com sede no Município de São

Leia mais

Ass.: Programa de Financiamento a Caminhoneiros - PROCAMINHONEIRO

Ass.: Programa de Financiamento a Caminhoneiros - PROCAMINHONEIRO CARTA-CIRCULAR N 09/2006 Rio de Janeiro, 04 de maio de 2006 Ref.: FINAME e FINAME LEASING Ass.: Programa de Financiamento a Caminhoneiros - PROCAMINHONEIRO O Superintendente da Área de Operações Indiretas,

Leia mais

Manual Passo a Passo

Manual Passo a Passo Manual Passo a Passo 2015 ACESSO SELEÇÃO DE RA SELEÇÃO DO PRODUTO CARRINHO DE COMPRAS FECHAR PEDIDO ENDEREÇO DE ENTREGA TIPO DE FRETE INFORMAÇÃO DE PAGAMENTO PAGAMENTO CARTÃO DE CRÉDITO PAGAMENTO BOLETO

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

ERMOS & CONDIÇÕES Ao aceder a este site

ERMOS & CONDIÇÕES Ao aceder a este site TERMOS & CONDIÇÕES Ao aceder a este site, ou a qualquer conteúdo do mesmo, o utilizador toma conhecimento e estabelece um acordo com a SDEA Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores, EPER

Leia mais

SUMÁRIO: Convenção n.º 127 da OIT relativa ao peso máximo das cargas que podem ser transportadas por um só trabalhador.

SUMÁRIO: Convenção n.º 127 da OIT relativa ao peso máximo das cargas que podem ser transportadas por um só trabalhador. DATA: 4 de Abril de 1984 NÚMERO: 301 I SÉRIE A EMISSOR: Ministério do Emprego e da Segurança Social DIPLOMA/ACTO: Decreto do Governo n.º 17/84 SUMÁRIO: Convenção n.º 127 da OIT relativa ao peso máximo

Leia mais

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO Os Membros, Considerando que os Ministros acordaram em Punta del Este que "em seguida a um exame da operação dos Artigos do GATT relacionados

Leia mais

Decreto n.º 73/81 Acordo Cinematográfico entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Francesa

Decreto n.º 73/81 Acordo Cinematográfico entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Francesa Decreto n.º 73/81 Acordo Cinematográfico entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Francesa O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO QUEM INDICA AMIGO É

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO QUEM INDICA AMIGO É REGULAMENTO DA PROMOÇÃO QUEM INDICA AMIGO É 1. DA REALIZADORA 1.1 Este instrumento tem como objetivo regulamentar as condições para participação dos Clientes Claro HDTV na Promoção Quem indica Amigo é,

Leia mais

Ass.: Programa de Financiamento à Aquisição de Veículos de Transporte Escolar PROESCOLAR

Ass.: Programa de Financiamento à Aquisição de Veículos de Transporte Escolar PROESCOLAR CARTA-CIRCULAR Nº 36/2007 Rio de Janeiro, 20 de agosto de 2007 Ref.: FINAME Ass.: Programa de Financiamento à Aquisição de Veículos de Transporte Escolar PROESCOLAR O Superintendente da Área de Operações

Leia mais

Guia de Utilização FControl - Área do Lojista - (Administrador / Manager)

Guia de Utilização FControl - Área do Lojista - (Administrador / Manager) - - (Administrador / Manager) Índice 1. Introdução... 03 2. Acessando a... 03 2.1 Problemas com acesso... 03 3. Menu... 04 4. Dados Cadastrais... 04 5. Configurações... 05 5.1 Homologação... 05 5.2 Comentários

Leia mais

Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I

Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I P7_TA-PROV(2013)0417 Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I Resolução legislativa do Parlamento Europeu, de 10 de outubro de 2013, sobre a proposta de diretiva do Parlamento Europeu

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE DOMÍNIOS

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE DOMÍNIOS O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE DOMÍNIOS A POP3 reuniu aqui as principais orientações para registro, renovação e transferência de domínios, entre outras questões que possam ajudar você a entender como funcionam

Leia mais

NOTA FISCAL PAULISTA. com a cópia do contrato social e do documento de identificação no Posto Fiscal da jurisdição do seu estabelecimento.

NOTA FISCAL PAULISTA. com a cópia do contrato social e do documento de identificação no Posto Fiscal da jurisdição do seu estabelecimento. NOTA FISCAL PAULISTA 1. O PROGRAMA NOTA FISCAL PAULISTA 1.1 O que é a Nota Fiscal Paulista? A Nota Fiscal Paulista é um programa de estímulo à cidadania fiscal do governo do Estado de São Paulo que concede

Leia mais

Portal Fornecedores 1

Portal Fornecedores 1 Portal Fornecedores 1 o endereço Internet: http://www.jumbo.pt/pfornecedores 2 3 O Fluxo da Informação Inscrição no Portal Atualizar Dados / Gerir Utilizadores Aprovar Inscrição Manutenção de Artigos Aprovar

Leia mais

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, convocada em S. Francisco pelo conselho de administração

Leia mais

ANEXO AO REGULAMENTO DO PROGREDIR

ANEXO AO REGULAMENTO DO PROGREDIR ANEXO AO REGULAMENTO DO PROGREDIR O presente anexo ( ANEXO ) estabelece as normas regulamentares complementares ao PROGRAMA regido pelo REGULAMENTO registrado em 09/11/2012, no 6º Cartório de Registro

Leia mais

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga ESAMC MBA Executivo Unidades: Sorocaba Itu Itapetininga REGULAMENTO INTERNO DA INSTITUIÇÃO ÚLTIMA REVISÃO: NOVEMBRO/2009 SUMÁRIO ii 1) DO REGIME ESCOLAR... 1 1.1) CRITÉRIO DE CONTAGEM DE CRÉDITOS... 1

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1. (Natureza) O Conselho Nacional para a Economia Social, adiante também identificado como CNES,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

Amercian Express, Diners, Hipercard, Aura e Elo.

Amercian Express, Diners, Hipercard, Aura e Elo. TERMO DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE PRODUTOS PELA INTERNET Magazine Luiza S/A, pessoa jurídica de direito privado, com sede na cidade de Franca/SP, Rua Voluntários da Franca, nº 1465, inscrita no CNPJ

Leia mais

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores 10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns relativas

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 01/03 ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA SECRETARIA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 04/96, 24/00, 1/02, 16/02 e 30/02 do Conselho

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET POLÍTICA GLOBAL DE NA INTERNET A política da PayU Latam é cumprir com todas as leis aplicáveis referentes à proteção de dados e privacidade. Este compromisso reflete o valor que conferimos à conquista

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A JURISDIÇÃO, LEI APLICÁVEL E RECONHECIMENTO DE DECISÕES EM MATÉRIA DE ADOÇÃO (Concluída em 15 de novembro de 1965) (Conforme o seu artigo 23, esta Convenção teve vigência limitada até

Leia mais

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO ALUNO CURSOS ONLINE VIANNA & CONSULTORES ENSINO A DISTÂNCIA

REGULAMENTO DO ALUNO CURSOS ONLINE VIANNA & CONSULTORES ENSINO A DISTÂNCIA REGULAMENTO DO ALUNO CURSOS ONLINE VIANNA & CONSULTORES ENSINO A DISTÂNCIA 1. Objeto Cursos Online Vianna & Consultores Este Regulamento tem por objetivo definir os direitos, os deveres, as obrigações

Leia mais

ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2011

ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2011 CONTROLE DE VERSÃO EILD PADRÃO BRASIL TELECOM S.A. ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2011 1. Alterações realizadas no corpo do contrato: Alteradas as qualificações da CONTRATADA e CONTRATANTE O Anexo

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software PEM Dezembro, 2012 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda.

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. 1. Aplicabilidade 2. Entrega 3. Preços e pagamentos 4. Inspeção 5. Garantia 6. Cancelamento 7. Subcontratação e Cessão 8. Código de conduta 9. Saúde

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 171 da Organização Internacional

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

(85/577/CEE) Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o seu artigo 100º,

(85/577/CEE) Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o seu artigo 100º, DIRECTIVA DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 1985 relativa à protecção dos consumidores no caso de contratos negociados fora dos estabelecimentos comerciais (85/577/CEE) O CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS,

Leia mais

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 Promulga a Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Agências Especializadas das Nações Unidas, adotada, a 21 de novembro de 1947, pela Assembléia Geral das

Leia mais

Condições Gerais de Venda

Condições Gerais de Venda Condições Gerais de Venda ARTIGO 1º: DISPOSIÇÕES GERAIS 1. As presentes Condições Gerais de Venda aplicam-se às reservas individuais iguais ou inferiores a 5 quartos, efetuadas em uma única vez, concluídas

Leia mais

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos.

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE COOPERAÇÃO EM PESQUISA CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Governo da República

Leia mais

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil,

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil, Página 1 DECRETO Nº 93.413, de 15 de outubro de 1986 Promulga a Convenção nº 148 sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à Contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações

Leia mais

Férias Remuneradas na Agricultura

Férias Remuneradas na Agricultura 1 CONVENÇÃO N. 101 Férias Remuneradas na Agricultura I Aprovada na 35ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1952), entrou em vigor no plano internacional em 24.7.54. II Dados referentes

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011 Resolução nº 001/011 Regulamentar a Arbitragem Expedita. do Curso de Direito; - Considerando a necessidade de Regulamentar a Arbitragem Expedita O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão aprovou, e eu

Leia mais

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio [Denominação legal da entidade de envio e código Erasmus, se aplicável]

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL PO UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP 2013.2 Doc 4b CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Questões de interesse da Comissão 2 (Desenvolvimento dos mercados) Plano de trabalho do Grupo «Desenvolvimento das atividades

Leia mais

Política de Privacidade amaiseducacao.org

Política de Privacidade amaiseducacao.org Política de Privacidade amaiseducacao.org Este documento contém as práticas de privacidade para o site de amaiseducacao.org. Este site é de propriedade e operado por ou em nome de amaiseducacao.org ("A+").

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL AUTOZ NAVEGANDO COM O AUTOZ

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL AUTOZ NAVEGANDO COM O AUTOZ REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL AUTOZ NAVEGANDO COM O AUTOZ 1. Das considerações 1.1 - Da empresa organizadora A responsável e organizadora do presente Concurso Cultural é a Comercial Automotiva Ltda., situada

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS PROGRAMA DE CONCURSO Artigo 1.º OBJECTO E VALIDADE DO CONCURSO 1.

Leia mais

Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa

Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa Versão 4.0 1 Histórico de Revisão do Manual Versão Autor Data Descrição Equipe suporte Criação do 1.0 Plataforma Brasil 01/11/2011 Documento

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Regime de IVA de Caixa

Regime de IVA de Caixa Regime de IVA de Caixa Versão 1.4 maio de 2014 (Última atualização a 05.05.2014) Índice Índice... 2 Introdução... 3 Notas prévias... 4 Configurações Gerais... 4 Administrador...4 ERP PRIMAVERA...8 Perfis

Leia mais

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE O presente Anexo III faz parte integrante do Contrato de Credenciamento ao Sistema Elavon ( CONTRATO ) registrado no 5º Oficial de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Questões mais frequentes FAQs Maio/2012 Versão 2.0 DDO É obrigatório adoptar o novo formato para envio da informação de Folhas de Férias estabelecido na legislação em vigor

Leia mais

Manual Passo a Passo

Manual Passo a Passo Manual Passo a Passo 2014 Passa a passo Loja Virtual 2014 ACESSO SELEÇÃO DE RA CARRINHO DE COMPRAS VISUALIZAR LIVROS DO KIT FECHAR PEDIDO ENDEREÇO DE ENTREGA FECHAR PEDIDO CARTÃO DE CRÉDITO FECHAR PEDIDO

Leia mais

PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS - MANUAL DO USUÁRIO

PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS - MANUAL DO USUÁRIO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SEVIDORES ESTADUAIS PLANSERV PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS - MANUAL DO USUÁRIO CONTATO: 3116-4789/ 3116-4741 AGOSTO/2007

Leia mais