UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C Doc 7b (COP C Doc 7b) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 7b (COP C 2 2011.1-Doc 7b) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas)"

Transcrição

1 CEP C Doc 7b (COP C Doc 7b) Comissão 2 (Encomendas) Propostas relativas ao Regulamento das Encomendas Postais Propostas dos Países-membros (Item 7b da pauta) 1. Assunto Propostas de modificação do Regulamento das Encomendas Postais. Referências/Parágrafos 1 a 3 e anexos 1 a 4 2. Decisões esperadas A Comissão 2 é convidada a: pronunciar-se sobre a necessidade das modificações propostas e, se for o caso, sobre sua adoção; aprovar a entrada em vigor das modificações adotadas em 1º de janeiro de e anexos 1 a 4 I. Introdução 1. Segundo as disposições do artigo 12.1 do Regulamento Interno do Conselho de Operações Postais (COP), as propostas relativas aos Regulamentos submetidos ao COP pelos Países-membros entre dois Congressos devem ser notificadas ao Secretário Geral pelo menos seis semanas antes da abertura da sessão ao longo da qual elas serão analisadas. Elas só serão levadas em consideração se o COP aprovar sua urgente necessidade. As propostas notificadas ao Secretário Geral menos de seis semanas antes da abertura da sessão só podem ser levadas em consideração se o COP assim decidir, e pela maioria dos votos dos membros presentes e votantes. / 2. A Secretaria Internacional recebeu as propostas a seguir, relativas ao Regulamento das Encomendas Postais (anexos 1 a 4): Proposta da Grécia e da Turquia visando modificar o sistema de bônus sobre as quotas-partes territoriais de chegada para as encomendas, dividindo o bônus de 10% concedido para os eventos EMC, EMD, EMH/I em três elementos distintos independentes (art. RC 192) (anexo 1). Proposta da França visando modificar o artigo RC 194, referente aos gastos de trânsito aplicados às encomendas em trânsito a descoberto, a fim de permitir aos países de trânsito recuperar melhor suas despesas (anexo 2). Duas propostas da França instaurando a transmissão das mensagens CARDIT/RESDIT e PRECON/RESCON como solução de substituição da transmissão dos formulários CN 38 e CN 41 DOT.PCL Br.

2 2 (anexos 3 e 4). Tais propostas serão analisadas durante a reunião do Grupo «Transporte», sob a cota CEP C 1 GT Doc 6, em 6 de maio de Todas as propostas reproduzidas nos anexos foram recebidas dentro dos prazos. II. Decisões esperadas 4. A Comissão 2 é convidada a: pronunciar-se sobre a necessidade das modificações propostas e, se for o caso, sobre sua adoção; aprovar a entrada em vigor das modificações adotadas em 1º de janeiro de Berna, 24 de março de 2011

3 CEP C Doc 7b.Annexe 1 (COP C Doc 7b.Anexo 1) Encomendas, Regulamento Proposta Artigo RC 192 Quotas-partes territoriais de chegada GRÉCIA, TURQUIA Modificar o da seguinte forma: O bônus de 10% é aplicado Os bônus a seguir são aplicados sobre a taxa de base, se o operador designado fornecer dados de rastreamento sobre as encomendas e transmitir, sem interrupção, os elementos dos dados relativos aos eventos de rastreamento obrigatórios a todos os operadores parceiros, conforme o artigo RC e buscando os, os objetivos fixados no artigo RC 164 e as exigências mínimas de desempenho fixadas pelo Conselho de Operações Postais para ter direito a um bônus: % para os eventos EMC; % para os eventos EMD; % para os eventos EMH/EMI. Motivos. 1. O rastreamento é o único elemento de serviço que dá direito a um bônus de 10%, enquanto que todos os outros elementos dão direito a um bônus de 5%. A não realização de uma meta de desempenho para apenas uma das componentes desse elemento de serviço tem, portanto, uma forte repercussão sobre as receitas mais forte que qualquer outro elemento. 2. Quando o bônus para o fornecimento do elemento «rastreamento» foi introduzido pelo 24 º Congresso, ele não estava ligado a nenhuma exigência mínima de desempenho, simplesmente ao fornecimento dos únicos elementos de dados de rastreamento obrigatórios. 3. Segundo as novas disposições introduzidas pelas resoluções CEP 10/ e CEP 11/2010.1, o operador designado deve, para obter o pagamento do bônus de 10% associado ao fornecimento do elemento de serviço «rastreamento», não apenas fornecer todos os elementos de dados de rastreamento obrigatórios, mas também cumprir todas as exigências mínimas de desempenho para as três componentes (a troca de mensagens EMSEVT referente aos eventos EMC, EMD e EMH/EMI, incluída na resolução CEP 11/2010.1). 4. Diante disso, o fornecimento do elemento de serviço «rastreamento» no nível de desempenho exigido tornou-se muito mais difícil, já que ele exige a obtenção de porcentagens mínimas de resultados para as três componentes. Assim, em um número considerável de casos, os operadores designados cumprem uma - ou mesmo duas das exigências mínimas de desempenho, sem, contudo, receberem o bônus de 10%. Isso não parece muito justo e desestimula os operadores designados que chegam a cumprir determinadas exigências mínimas (por vezes bem mais elevadas que aquelas fixadas no Regulamento) e não são recompensados por isso. 5. Diante de tudo o que foi mencionado, a divisão desse bônus de 10% em três partes (associadas às três exigências mínimas de desempenho) poderia permitir que um número maior de operadores designados se beneficiasse dele, total ou parcialmente. A solução proposta respeita a lógica que norteou a implantação original do bônus associado ao elemento de serviço «rastreamento» (três elementos de dados de rastreamento obrigatórios), permitindo, assim, uma aplicação mais amena e mais equitativa das exigências mínimas de desempenho no sistema de bônus.

4 2 6. Além disso, considerando a importância e a dificuldade de cumprir as diversas exigências mínimas de desempenho do serviço de rastreamento, o evento final (H/I em relação a D, isto é, a entrega ao destinatário) é o mais importante dos três e deveria, portanto, dar direito a um bônus mais relevante que os outros dois. É por isso que se propõe lhe agregar um bônus de 4%, contra 3% para os outros dois. Apoios. Dinamarca, Espanha Finlândia, Itália, Noruega, Suécia.

5 CEP C Doc 7b.Annexe 2 (COP C Doc 7b.Anexo 2) Encomendas, Regulamento Proposta Artigo RC 194 Quota-parte territorial de trânsito FRANÇA Modificá-lo da seguinte forma: 1. As taxas aplicáveis ao cálculo da quota-parte territorial de trânsito para as expedições fechadas, conforme o artigo 33.2 da Convenção, são as seguintes: 1.1 a 1.4 (Sem alteração.) 2. Para as encomendas em trânsito a descoberto, os operadores designados intermediários são autorizados a reclamar uma quota-parte previamente fixada de 0,40 DES por objeto. 2bis. Para as encomendas em trânsito a descoberto e as encomendas mal encaminhadas, os operadores designados intermediários são autorizados a reclamar uma quota-parte de trânsito, cujo montante eles fixam livremente, composta de: 2bis.1 2bis.2 uma taxa por objeto, compreendendo o custo de tratamento do objeto pelo operador designado de trânsito, inclusive transporte interno, que varia segundo o país de destino, bem como uma remuneração suplementar fixa para a produção dos eventos J e K; uma taxa por quilograma, calculada com base no peso real do objeto, correspondente ao custo do transporte internacional por superfície ou aéreo assumido pelo operador designado de trânsito quando o objeto deixa seu território. 2ter. As taxas aplicáveis ao cálculo da quota-parte territorial de trânsito são definidas por cada operador designado de trânsito de maneira a lhe permitir cobrir seus gastos, e são indicadas nas tabelas CP 81 e CP 82. 2quater. Se um operador designado de trânsito não publica suas condições de trânsito, uma taxa geral de trânsito (a definir) é aplicada. Motivos. A proposta tem por objetivo: aplicar tarifas adaptadas para permitir aos operadores designados de trânsito cobrir seus gastos reais e integrar à quota-parte territorial de trânsito a remuneração do transporte interno (isto é, o encaminhamento das expedições entre o correio permutante e o aeroporto ou de um correio permutante a outro); faturar o custo do transporte internacional segundo: o peso real (supressão dos escalões de 500 g para o transporte aéreo); o custo real, de onde ocorreria a supressão das tabelas tarifárias da UPU, que não refletem a realidade econômica; harmonizar a unidade de peso para os dois níveis de serviço aéreo (prioritário e S.A.L.).

6 CEP C Doc 7b.Annexe 3 (COP C Doc 7b.Anexo 3) Encomendas, Regulamento Proposta Artigo RC 182 Entrega das expedições FRANÇA Modificar o 2 da seguinte forma: 2. Encomendas aéreas e encomendas de superfície transportadas por via aérea (S.A.L.) 2.1 As expedições de encomendas aéreas a serem entregues ao aeroporto são acompanhadas das guias CN As expedições a serem entregues ao aeroporto são acompanhadas de cinco vias, por escala aérea, da guia de entrega CN 38 quando se trata de encomenda aérea, ou CN 41 quando se trata de encomenda de superfície transportada por via aérea (S.A.L.). 2.2bis Senão, uma guia CN 38 ou CN 41 eletrônica pode ser transmitida, por meio das mensagens EDI padronizadas apropriadas, ao invés da guia em suporte papel devidamente assinada. 2.3 Uma via da guia CN 38 ou CN 41, assinada no ato da entrega das expedições pela companhia aérea ou pelo organismo encarregado do serviço terrestre, é guardada pelo correio remetente. 2.3bis O operador designado de origem envia uma mensagem CARDIT padronizada ao invés de entregar duas vias da guia CN 38 ou CN 41. O operador designado de origem exige da companhia aérea, ou da entidade responsável pelos serviços terrestres, a captura eletrônica dos dados de recebimento da expedição e o envio desses dados em uma mensagem padronizada RESDIT para confirmar o recebimento da expedição, ao invés de assinar as vias da guia de entrega. 2.4 Duas vias da guia CN 38 ou CN 41 são mantidas no aeroporto de embarque pela companhia que transporta as expedições. 2.4bis A companhia aérea deve guardar os dados CARDIT e os dados de recebimento RESDIT em seu sistema e compartilhar esses dados com a entidade encarregada dos serviços terrestres nos aeroportos de entrega e de destino da expedição. 2.5 Duas vias da guia CN 38 ou CN 41 são inseridas em um envelope CN 45. Elas são transportadas em uma sacola de bordo do avião ou em outra mala especial onde são guardados os documentos de bordo. Na chegada ao aeroporto de descarregamento das expedições, a primeira via, devidamente assinada no ato da entrega das expedições, é mantida pela companhia aérea que transportou as expedições. A segunda via acompanha as expedições até o correio ao qual a guia CN 38 ou CN 41 é encaminhada. 2.5bis O operador designado de origem envia uma mensagem PRECON padronizada ao operador designado ao qual a guia CN 38 ou CN 41 é encaminhada. 2.6 As guias CN 38 ou CN 41 transmitidas eletronicamente pelo transportador aéreo podem ser aceitas no correio permutante de chegada quando as duas vias mencionadas no 2.4 não estão imediatamente disponíveis. Neste caso, duas vias da guia CN 38 ou CN 41 são assinadas pelo representante da companhia aérea no aeroporto de destino antes da entrega ao operador designado de recepção. Salvo nos casos previstos nos e 2.6.2, uma via é assinada pelo operador designado de recepção no momento do recebimento das expedições e guardada pelo

7 2 transportador aéreo. A segunda via, em todos os casos, acompanha as expedições até o correio ao qual a guia CN 38 ou CN 41 é encaminhada Os operadores designados que implantaram um sistema de recebimento eletrônico para as expedições das encomendas que lhes são transmitidas pelos transportadores aéreos podem utilizar os dados desse sistema ao invés das guias CN 38 ou CN 41, conforme indicado no 2.6. Ao invés da via assinada dos formulários CN 38 ou CN 41, o operador designado de recepção pode fornecer ao transportador aéreo uma versão impressa dos dados eletrônicos referentes ao recebimento da expedição Os operadores designados que trocam mensagens EDI para as expedições e as remessas de encomendas também podem utilizar as mensagens EDI relativas ao recebimento ao invés das guias CN 38 ou CN 41, conforme indicado nos 2.6 e Ao invés da via assinada dos formulários CN 38 ou CN 41, o operador designado de recepção pode transmitir a mensagem EDI relativa ao recebimento. O operador designado de origem exige da companhia aérea o envio de uma mensagem RESDIT padronizada de entrega, e o operador designado que recebe a expedição envia uma mensagem RESCON ao operador designado de origem ao invés de uma via assinada da guia CN 38 ou CN 41. A companhia aérea mantém os dados de entrega em seu sistema, e os operadores designados também conservam os dados de entrega em seu sistema. 2.7 e 2.8 (Sem alteração.) Motivos. Em sua resolução C 54/2008, o 24º Congresso decidiu que «qualquer modificação aos Regulamentos quanto à troca de objetos postais internacionais deve conduzir à eliminação progressiva da utilização dos documentos em suporte papel e favorecer os processos baseados na captura eletrônica das informações e na troca informatizada de dados» (EDI). Um número crescente de operadores designados desmaterializa os documentos que acompanham suas expedições e remessas; a presente proposta visa adaptar o Regulamento para assegurar essas trocas adaptando o processo estabelecido para os documentos em suporte papel à transmissão de dados desmaterializados. Os operadores designados que desmaterializam os documentos que acompanham as expedições e as remessas por eles trocadas farão isso dentro de um plano regulamentar apropriado, enquanto que os operadores designados que ainda não estão prontos para desmaterializar essas informações continuarão aplicando o processo relativo ao suporte papel, que permanece inalterado. Proposta correlativa: modificação do artigo RL 190 do Regulamento das Correspondências. Documento de referência: CEP C 1 GT Doc 6b.

8 CEP C Doc 7b.Annexe 4 (COP C Doc 7b.Anexo 4) Encomendas, Regulamento Proposta Artigo RC 183 Verificação das expedições FRANÇA Modificar o 5 da seguinte forma: 5. Quando as constatações feitas por um correio permutante são suscetíveis de citar a responsabilidade de uma empresa de transporte, elas devem, na medida do possível, ser subscritas pelo representante da referida empresa, bem como pelo operador designado de trânsito ou de destino que se encarrega das expedições e confirma a ausência de anomalias. Esse visto pode aparecer seja no boletim de verificação CP 78, cuja cópia é entregue à empresa, seja, segundo o caso, nas guias CN 37, CN 41 ou CN 38 que acompanham a expedição. Em caso de reservas com relação ao serviço de transporte, estas devem ser indicadas nas cópias da guia CN 37, CN 38 ou CN 41. Por analogia, os operadores designados que trocam informações por via eletrônica podem aplicar os processos descritos no artigo RC a 6.2. Motivos. A presente proposta provém da proposta de modificação do artigo RC Ela tem por objetivo reportar-se às novas disposições. As novas disposições incluídas no artigo RC estabelecem um processo para os operadores designados que desmaterializam os documentos que acompanham suas expedições e remessas. Proposta correlativa: modificação do artigo RL 194 do Regulamento das Correspondências. Documento de referência: CEP C 1 GT Doc 6d.

Uma carta sobre o assunto será divulgada nas próximas semanas.

Uma carta sobre o assunto será divulgada nas próximas semanas. Berna, 17 de Maio de 2010 Circular da Secretaria Internacional 106 Modificações ao Regulamento das Encomendas postais Prezada Senhora, Prezado Senhor, O Conselho de Operações Postais (COP) 2010, em virtude

Leia mais

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 8c (COP C 2 2011.1 Doc 8c) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas)

UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL. CEP C 2 2011.1 Doc 8c (COP C 2 2011.1 Doc 8c) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS. Comissão 2 (Encomendas) CEP C 2 2011.1 Doc 8c (COP C 2 2011.1 Doc 8c) Comissão 2 (Encomendas) Propostas formuladas por grupos da Comissão 2 sobre o Regulamento das Encomendas Postais Propostas relativas ao desenvolvimento do

Leia mais

Eventuais modificações do Acordo SPP e de seu Regulamento Resultados da pesquisa

Eventuais modificações do Acordo SPP e de seu Regulamento Resultados da pesquisa UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 3 2011.1 Doc 3b (COP C 3 2011.1 Doc 3b) CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 3 (Serviços Financeiros Postais) Eventuais modificações do Acordo SPP e de seu Regulamento

Leia mais

Berna, 28 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan

Berna, 28 de Abril de 2010 (de 9h30 às 12h30 e de 15h00 às 18h00), Sala Heinrich von Stephan UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 2 2010.1 Doc 12a.Rev 1 Original: inglês CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 2 (Encomendas) Propostas referentes às quotas-partes territoriais de chegada para 2011 Propostas

Leia mais

MENSAGEM N.º 164, DE 2015 (Do Poder Executivo)

MENSAGEM N.º 164, DE 2015 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS MENSAGEM N.º 164, DE 2015 (Do Poder Executivo) Aviso nº 209/2015 - C. Civil Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos

Leia mais

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: MEDIDA PROVISÓRIA N o 713, DE 1 o DE MARÇO DE 2016 Altera a Lei n o 12.249, de 11 de junho de 2010, para dispor sobre o Imposto de Renda Retido na Fonte sobre a remessa de valores destinados à cobertura

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 1 2015.1 Doc 10.Rev 1 Comissão 1 (Integração da cadeia logística) Propostas de modificação dos Regulamentos apresentadas pelos grupos subordinados diretamente à Comissão

Leia mais

Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio

Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio Acordo Referente aos Serviços de Pagamento do Correio Os abaixo-assinados, Plenipotenciários dos Governos dos Países membros da União, face ao disposto no parágrafo 4 do artigo 22.º da Constituição da

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 3 2014.1 Doc 12 CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 3 (Serviços Físicos) Grupo «Avaliação e Melhoria da Qualidade do Serviço de Encomendas Postais» Relatório do Presidente

Leia mais

Convenção Postal Universal

Convenção Postal Universal Convenção Postal Universal Os abaixo assinados, Plenipotenciários dos Governos dos Países membros da União, face ao disposto no parágrafo 3 do artigo 22.º da Constituição da União Postal Universal, concluída

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001 de 29 de Abril de 2011. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO Disciplina no âmbito da UDESC o controle dos serviços de postagem e remessa

Leia mais

Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) 1. PROJETO DE LEI

Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) 1. PROJETO DE LEI PROJETO DE LEI Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) ROL DE DOCUMENTOS 1. PROJETO DE LEI 2. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS 3. MENSAGEM 4. LEGISLAÇÃO CITADA PROJETO DE LEI Nº 36, DE 2014 Altera

Leia mais

Convenção relativa à Proteção das Crianças e a Cooperação em matéria de Adoção Internacional

Convenção relativa à Proteção das Crianças e a Cooperação em matéria de Adoção Internacional Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Proteção Internacional dos Direitos Humanos Convenção relativa à Proteção das Crianças e a Cooperação em matéria de Adoção Internacional Conclusão e

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito de aplicação

Artigo 1.º Âmbito de aplicação Resolução da Assembleia da República n.º 54/2004 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, da República Popular da China, Relativo ao Auxílio

Leia mais

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO

OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO Dia 17 de Fevereiro entrou em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que estabelece regras

Leia mais

O ciclo de premiação Jovem Empreendedor foi lançado em 2009 com o objetivo de incentivar os jovens líderes da próxima geração.

O ciclo de premiação Jovem Empreendedor foi lançado em 2009 com o objetivo de incentivar os jovens líderes da próxima geração. Prêmios Rolex de Empreendedorismo 2014 Apresentação do Programa Apresentação do Programa Os Prêmios Rolex de Empreendedorismo foram criados com o intuito de promover o espírito de empreendimento e ampliar

Leia mais

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Estas Normas estão em vigor para todos os processos de URS. Os procedimentos de URS devem ser regidos por estas

Leia mais

a) operações cobertas de venda de ações ou de lançamento de opções;

a) operações cobertas de venda de ações ou de lançamento de opções; Dispõe sobre a Constituição de funcionamento de Clubes de Investimento. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão realizada nesta data, e de acordo com o

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Mercosul Protocolo de Ouro Preto

Mercosul Protocolo de Ouro Preto PROTOCOLO DE OURO PRETO PROTOCOLO ADICIONAL AO TRATADO DE ASSUNÇÃO SOBRE A ESTRUTURA INSTITUCIONAL DO MERCOSUL (Ouro Preto, 17/12/1994) A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

AUTORIZAÇÃO Nº ICP ANACOM 08/2008 - SP

AUTORIZAÇÃO Nº ICP ANACOM 08/2008 - SP Data de publicação - 30.7.2008 AUTORIZAÇÃO Nº ICP ANACOM 08/2008 - SP O Vice-Presidente do Conselho de Administração da Autoridade Nacional de Comunicações (ICP- ANACOM), decide, nos termos do artigo 5º

Leia mais

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição.

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição. TÍTULO VII - Regiões autónomas Artigo 225.º (Regime político-administrativo dos Açores e da Madeira) 1. O regime político-administrativo próprio dos arquipélagos dos Açores e da Madeira fundamenta-se nas

Leia mais

REPRESENTAÇÃO BRASILEIRA NO PARLAMENTO DO MERCOSUL

REPRESENTAÇÃO BRASILEIRA NO PARLAMENTO DO MERCOSUL REPRESENTAÇÃO BRASILEIRA NO PARLAMENTO DO MERCOSUL MENSAGEM N o 405, DE 2009 Submete à consideração do Congresso Nacional, acompanhado de Exposição de Motivos do Senhor Ministro de Estado, interino, das

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA Preâmbulo Com a publicação da Lei 53-E/2006, de 29 de Dezembro, alterada pela Lei 64-A/2008 de 31 de Dezembro, tornou-se necessário a adaptação da Tabela

Leia mais

(MENSAGEM N o 812/2005)

(MENSAGEM N o 812/2005) COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.539, DE 2006 (MENSAGEM N o 812/2005) Aprova o texto do Acordo sobre Serviços Aéreos entre o Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 Promulga a Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Agências Especializadas das Nações Unidas, adotada, a 21 de novembro de 1947, pela Assembléia Geral das

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO

MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÃO 3. OBJETO DE NEGOCIAÇÃO 4. PARTICIPANTES 4.1 Participantes Intermediadores 4.2 Participantes Compradores e Vendedores Bancos 5. OPERAÇÕES

Leia mais

Condições Gerais Norwegian Cruise Line

Condições Gerais Norwegian Cruise Line Condições Gerais Norwegian Cruise Line 1. CONFIRMAÇÃO DA VIAGEM A confirmação da viagem da NCL (Bahamas) Ltd., negociando como Norwegian Cruise Line (a seguir Norwegian), é a aceitação do seu pedido de

Leia mais

Ref: COBRANÇA DE TAXAS DE EMBARQUE E PEDÁGIO DAS GRATUIDADES

Ref: COBRANÇA DE TAXAS DE EMBARQUE E PEDÁGIO DAS GRATUIDADES Brasília, 23 de maio de 2014. Of. circular 021/2014 Ref: COBRANÇA DE TAXAS DE EMBARQUE E PEDÁGIO DAS GRATUIDADES Prezado Associado: Em face da posição de algumas administradoras de terminais rodoviários,

Leia mais

Jornal da República. Convenção relativa à Protecção das Crianças e à Cooperação em matéria de Adopção Internacional. Haia 29/05/93

Jornal da República. Convenção relativa à Protecção das Crianças e à Cooperação em matéria de Adopção Internacional. Haia 29/05/93 mediante notificação por escrito dirigida ao Secretário-Geral das Nações Unidas. A denúncia tornar-se-á efetiva um ano após a data de recepção da notificação pelo Secretário- Geral. Convenção relativa

Leia mais

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.25

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.25 Quarta-Feira, 19 de Outubro de 2005 Série1, Série Nº.1 I, N. 20 $ 0.25 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: SUMÁRIO

Leia mais

DISPOSIÇÃO REGULAMENTAR DA

DISPOSIÇÃO REGULAMENTAR DA DISPOSIÇÃO REGULAMENTAR DA FEDERAÇÃO LATINOAMERICANA DE QUÍMICOS TÊXTEIS 1 DISPOSIÇÃO REGULAMENTAR I: DAS ASSEMBLÉIAS Artigo 1: As Assembléias se classificam em Ordinárias e Extraordinárias. Artigo 2:

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL UNIÃO POSTAL UNIVERSAL 24º CONGRESSO CONGRÈS C 9 Rapp 3 Prova RELATÓRIO DA COMISSÃO 9 (REDACÇÃO) Terceira sessão Segunda-feira, 28 de Julho de 2008, 08h10 Presidência de Sr. Faouzi Belhassen, Presidente

Leia mais

TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: HARMONIZAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: HARMONIZAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS: HARMONIZAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS A criação de um mercado único europeu dos transportes rodoviários não é possível sem uma harmonização das disposições legais em vigor nos Estados-Membros.

Leia mais

Termos e Condições Gerais de Vendas

Termos e Condições Gerais de Vendas Termos e Condições Gerais de Vendas 1º Escopo da aplicação (1) As condições a seguir são aplicáveis a todos os fornecimentos e serviços (por exemplo, instalações, projetos) da BrasALPLA. Estas condições

Leia mais

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Luiz Estevam Gonçalves Rio de Janeiro fevereiro de 2015 A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo,

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 Tema 5.4 da agenda provisória

Leia mais

Índice. 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 2. Como funcionam as regras de reajuste. 3. Quais as regras de reajuste dos planos

Índice. 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 2. Como funcionam as regras de reajuste. 3. Quais as regras de reajuste dos planos Índice FenaSaúde na Redação Reajuste dos Planos de Saúde Apresentação 6 1. Os preços dos planos de saúde são controlados? 8 2. Como funcionam as regras de reajuste dos planos de saúde? 3. Quais as regras

Leia mais

Âmbito. 2 - Um «transportador» é qualquer pessoa física ou jurídica ou qualquer empresa autorizada, quer na República Portuguesa, quer na

Âmbito. 2 - Um «transportador» é qualquer pessoa física ou jurídica ou qualquer empresa autorizada, quer na República Portuguesa, quer na Decreto do Governo n.º 18/86 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federal da Áustria Relativo ao Transporte Rodoviário Internacional de Passageiros e Mercadorias O Governo

Leia mais

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN

ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN ADENDA AO MANUAL SOBRE A APLICAÇÃO PRÁTICA DO REGULAMENTO INN Trata-se de uma adenda à primeira edição do Manual sobre a aplicação prática do Regulamento (CE) n.º 1005/2008 do Conselho, de 29 de Setembro

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA Resolução da Assembleia da República n.º 31/98 Acordo Que Institui o Laboratório Europeu de Biologia Molecular, concluído em Genebra em 10 de Maio de 1973, no âmbito do Acordo Relativo à Criação da Conferência

Leia mais

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para facilitar o comércio. Elas tratam das condições e responsabilidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

EVENTOS E CONGRESSOS

EVENTOS E CONGRESSOS EVENTOS E CONGRESSOS O financiamento de eventos de caráter científico-tecnológico obedece à seguinte priorização: a) organização; b) participação coletiva; c) participação individual no país; d) participação

Leia mais

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL Controlo da emissão e comunicação Comunicação dos inventários Incentivo fiscal DECRETO-LEI N.º 198/2012, DE 24 DE AGOSTO Estabelece medidas de controlo

Leia mais

REAL ESTATE PUBLISHER A BRIDGE BETWEEN PORTUGAL & FRANCE REP. R e s i d i r e m P o r t u g a l

REAL ESTATE PUBLISHER A BRIDGE BETWEEN PORTUGAL & FRANCE REP. R e s i d i r e m P o r t u g a l REAL ESTATE PUBLISHER A BRIDGE BETWEEN PORTUGAL & FRANCE REP NÓS GOSTAMOS DE PORTUGAL VOCÊ, VINE NELE! Todos os dias, 10 bens são comprados por francesês de norte a sul de Portugal! E ISTO É SO O PRINCIPIO

Leia mais

XVI CONVOCATÓRIA DE AJUDAS A PROJETOS ARQUIVÍSTICOS: IBERARQUIVOS-PROGRAMA ADAI

XVI CONVOCATÓRIA DE AJUDAS A PROJETOS ARQUIVÍSTICOS: IBERARQUIVOS-PROGRAMA ADAI XVI CONVOCATÓRIA DE AJUDAS A PROJETOS ARQUIVÍSTICOS: IBERARQUIVOS-PROGRAMA ADAI A presente Convocatória de Ajudas a Projetos Arquivísticos baseia-se na execução do Programa de Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

Companhia Energética de Minas Gerais

Companhia Energética de Minas Gerais CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 41/2012 Companhia Energética de Minas Gerais AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução Normativa nº 334/2008 NOTA TÉCNICA /2012

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004

Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 L 150/12 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.4.2004 REGULAMENTO (CE) N.º 812/2004 DO CONSELHO de 26.4.2004 que estabelece medidas relativas às capturas acidentais de cetáceos no exercício das actividades

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.1.2010 COM(2009)708 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES sobre a aplicação

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD E LEGISLAÇÃO CORRELATA Florianópolis, março de 2011. 2 SUMÁRIO SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEI N. 15.327,

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INTEROPERABILIDADE (ETI) ANEXO 2 AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE E VERIFICAÇÃO «CE»

GUIA DE APLICAÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INTEROPERABILIDADE (ETI) ANEXO 2 AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE E VERIFICAÇÃO «CE» Agência Ferroviária Europeia Guia de aplicação das ETI Agência Ferroviária Europeia GUIA DE APLICAÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE INTEROPERABILIDADE (ETI) ANEXO 2 AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE E VERIFICAÇÃO

Leia mais

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA O GOVERNO

Leia mais

ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DA VINHA E DO VINHO. Preâmbulo

ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DA VINHA E DO VINHO. Preâmbulo ACORDO CONSTITUTIVO DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DA VINHA E DO VINHO Preâmbulo Mediante Acordo firmado em 29 de novembro de 1924, os Governos da Espanha, França, Grécia, Hungria, Itália, Luxemburgo, Portugal

Leia mais

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

31/10/1992 Jornal Oficial L 316

31/10/1992 Jornal Oficial L 316 DIRECTIVA 92/83/CEE DO CONSELHO de 19 de Outubro de 1992 relativa à harmonização da estrutura dos impostos especiais sobre o consumo de álcool e bebidas alcoólicas CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS, Tendo

Leia mais

Considerando que o Acordo entrou em vigor, no plano jurídico externo, para a República Federativa do Brasil em 23 de abril de 2008;

Considerando que o Acordo entrou em vigor, no plano jurídico externo, para a República Federativa do Brasil em 23 de abril de 2008; DECRETO No 7.552, DE 12 DE AGOSTO DE 2011 Promulga o Acordo de Estabelecimento da Rede Internacional de Centros para Astrofísica Relativística - ICRANET e seu Estatuto, assinados em 21 de setembro de 2005.

Leia mais

ANEXO IV - Casos práticos

ANEXO IV - Casos práticos 59 ANEXO IV - Casos práticos Aquisição de Software Para aquisição ou renovação de softwares, a Universidade deve atender os requisitos da Instrução Normativa 04/2010, conforme publicado no OF. CIRCULAR

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES CAPÍTULO IV

Leia mais

www.aluminiocba.com.br Manual do Usuário Fornecedor

www.aluminiocba.com.br Manual do Usuário Fornecedor Manual do Usuário Fornecedor Manual do Usuário - Fornecedor Versão 1.2 Página 2 CBA Online Manual do Usuário Fornecedor Versão 1.2 3 de agosto de 2004 Companhia Brasileira de Alumínio Departamento de Tecnologia

Leia mais

ACORDO SOBRE O ESPAÇO DE AVIAÇÃO COMUM ENTRE A UNIÃO EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E A GEÓRGIA, POR OUTRO

ACORDO SOBRE O ESPAÇO DE AVIAÇÃO COMUM ENTRE A UNIÃO EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E A GEÓRGIA, POR OUTRO ACORDO SOBRE O ESPAÇO DE AVIAÇÃO COMUM ENTRE A UNIÃO EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E A GEÓRGIA, POR OUTRO EU/GE/pt 1 EU/GE/pt 2 O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA DA BULGÁRIA, A REPÚBLICA

Leia mais

JO/S S97 21/05/2016 173059-2016-PT. Programas de ajuda externa - Serviços - Anúncio de concurso - Concurso limitado 1 / 5

JO/S S97 21/05/2016 173059-2016-PT. Programas de ajuda externa - Serviços - Anúncio de concurso - Concurso limitado 1 / 5 1 / 5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:173059-2016:text:pt:html Angola-Luanda: FED Prestação de serviços de assistência técnica para o estabelecimento do

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009.

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe sobre as ofertas públicas de valores mobiliários distribuídas com esforços restritos e a negociação desses valores mobiliários nos mercados regulamentados.

Leia mais

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB, no uso das suas atribuições, torna público o presente Edital

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

Gestix 5.0. Enquadramento. Comunicação documentos de transporte

Gestix 5.0. Enquadramento. Comunicação documentos de transporte Comunicação documentos de transporte Enquadramento De acordo com o disposto no Decreto-Lei n.º 198/2012 de 24 de agosto, os sujeitos passivos de IVA têm de comunicar os documentos de transporte emitidos

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Aprovada pelo Conselho de Administração em 03 de maio de 2012 1. INTRODUÇÃO Esta Política de Negociação estabelece diretrizes e procedimentos a serem observados

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1 REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA Março 2014 Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES... 3 CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA... 6 CAPÍTULO

Leia mais

Análise da adequação orçamentária e financeira da

Análise da adequação orçamentária e financeira da Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Análise da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 693, de 30 de setembro de 2015 Nota Técnica n.º 31, de 2015. Subsídios acerca da

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI nº 4.804-B, de 2001 (Apensos Projetos de Lei nºs 7.277, de 2002; 1.156, de 2003; 1.784, de 2003; 4.347, de 2004; 3.632, de 2008; e 6.249, de 2009) Dispõe

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária. Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda

Legislação em Vigilância Sanitária. Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda título: Resolução RDC nº 99, de 30 de dezembro de 2008

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 142, DE 2005

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 142, DE 2005 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 142, DE 2005 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG) RESOLUÇÃO Nº 355/2015 1 RESOLVE:

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG) RESOLUÇÃO Nº 355/2015 1 RESOLVE: .1. RESOLUÇÃO Nº 355/2015 1 Estabelece procedimentos para a concessão de apoio financeiro e institucional. O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG), no uso da atribuição

Leia mais

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação)

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) L 271/38 ANEXO IV Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) Representação esquemática do princípio do empréstimo

Leia mais

PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Artigo 1

PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Artigo 1 PROTOCOLO FACULTATIVO À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Os Estados Partes do presente Protocolo acordaram o seguinte: Artigo 1 1. Qualquer Estado Parte do presente Protocolo ( Estado

Leia mais

PROPOSTAS PARA ATIVIDADES ADICIONAIS

PROPOSTAS PARA ATIVIDADES ADICIONAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS PARA ATIVIDADES ADICIONAIS EM PROJETOS APOIADOS PELO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA Os cerca de 7,5 milhões postos à disposição do Programa Cidadania Ativa pelos países financiadores

Leia mais

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES.

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES. Resolução da Assembleia da República n.º 32/97 Tratado de Budapeste sobre o Reconhecimento Internacional do Depósito de Microrganismos para Efeitos do Procedimento em Matéria de Patentes, adoptado em Budapeste

Leia mais

ACORDO DE ACIONISTAS ENTRE ALEXANDRE G. BARTELLE PARTICIPAÇÕES S.A. VERONA NEGÓCIOS E PARTICIPAÇÕES S.A. GRENDENE NEGÓCIOS S.A. GRENDENE S.A.

ACORDO DE ACIONISTAS ENTRE ALEXANDRE G. BARTELLE PARTICIPAÇÕES S.A. VERONA NEGÓCIOS E PARTICIPAÇÕES S.A. GRENDENE NEGÓCIOS S.A. GRENDENE S.A. ACORDO DE ACIONISTAS ENTRE ALEXANDRE G. BARTELLE PARTICIPAÇÕES S.A. VERONA NEGÓCIOS E PARTICIPAÇÕES S.A. GRENDENE NEGÓCIOS S.A. GRENDENE S.A. E DETERMINADOS INTERVENIENTES ACORDO DE ACIONISTAS Pelo presente

Leia mais

REGULAMENTO DAS TELECOMUNICAÇÕES INTERNACIONAIS. Preâmbulo

REGULAMENTO DAS TELECOMUNICAÇÕES INTERNACIONAIS. Preâmbulo Decreto n.º 19/93 Regulamento das Telecomunicações Internacionais Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo 1.º É aprovado, para ratificação,

Leia mais

Manual Operacional do Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP Representante Administrativo (AGOSTO 2010)

Manual Operacional do Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP Representante Administrativo (AGOSTO 2010) Manual Operacional do Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP Representante Administrativo (AGOSTO 2010) Índice 1. Reserva Passagem...03 1.1. Remarcação de Bilhete...13 2 1. Reserva Passagem

Leia mais

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE N.º 02/2013 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2013/09/30 Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à Elaborada por: Unidade de Certificação SÍNTESE A presente Circular atualiza

Leia mais

DHL IMPORT EXPRESS ONLINE

DHL IMPORT EXPRESS ONLINE DHL IMPORT EXPRESS ONLINE GuIa DE usuário RaPIDaMENTE VOCÊ PODE PREPaR E CONTROLaR SuaS REMESSaS COM TODOS OS DETaLHES E VISIBILIDaDE DO ENVIO COM a FERRaMENTa DHL IMPORT EXPRESS. DHL IMPORT EXPRESS é

Leia mais

2º O regime de drawback integrado isenção aplica-se também à aquisição no mercado interno ou à importação de mercadoria equivalente à empregada:

2º O regime de drawback integrado isenção aplica-se também à aquisição no mercado interno ou à importação de mercadoria equivalente à empregada: Portaria SECEX s/nº, de 15.02.2010 - DOU 1 de 16.02.2011 Dispõe sobre drawback integrado isenção. A Secretária de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior no uso

Leia mais

CIRCULAR N 3015. Art. 6º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Daniel Luiz Gleizer Diretor

CIRCULAR N 3015. Art. 6º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Daniel Luiz Gleizer Diretor CIRCULAR N 3015 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes para incluir título relativo a Transferências Postais. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 30 de dezembro de 2015. Série. Número 205

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 30 de dezembro de 2015. Série. Número 205 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 30 de dezembro de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA ECONOMIA, TURISMO E CULTURA Portaria n.º 410/2015 Aprova a composição da comissão encarregada

Leia mais

CIRCULAR Nº 027/2005 ISS PRESTADORES ESTABELECIDOS FORA DE SÃO PAULO CADASTRAMENTO NA CAPITAL - OBRIGATORIEDADE

CIRCULAR Nº 027/2005 ISS PRESTADORES ESTABELECIDOS FORA DE SÃO PAULO CADASTRAMENTO NA CAPITAL - OBRIGATORIEDADE São Paulo, 21 de Novembro de 2.005 DE: ASSESSORIA JURÍDICA PARA: ASSOCIADOS CIRCULAR Nº 027/2005 ISS PRESTADORES ESTABELECIDOS FORA DE SÃO PAULO CADASTRAMENTO NA CAPITAL - OBRIGATORIEDADE Para conhecimento,

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Conceitos Verificações 1 VISÃO GERAL... 162 1.1 O QUE SÃO AS REVISÕES E AS ADEQUAÇÕES CONTRATUAIS?... 162 1.2 O QUE É O REAJUSTE TARIFÁRIO? 162 1.3 O QUE É O PROGRAMA DE EXPLORAÇÃO DA RODOVIA (PER)?...

Leia mais

DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA

DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA UNIÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA OESTE AFRICANA O Conselho de Ministros DIRECTIVA N 01/2009/CM/UEMOA Sobre o Código de Transparência na Gestão das Finanças Públicas NO SEIO DA UEMOA O CONSELHO DE MINISTROS

Leia mais

Diretoria Regional de São Paulo Metropolitana SUOPE/GENCO / SPM

Diretoria Regional de São Paulo Metropolitana SUOPE/GENCO / SPM Diretoria Regional de São Paulo Metropolitana SUOPE/GENCO / SPM Abordagem Definição de Logística Reversa; Apresentação das características; Modalidades; Funcionalidades do sistema; Importância do serviço;

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o, L 268/24 REGULAMENTO (CE) N. o 1830/2003 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativo à rastreabilidade e rotulagem de organismos geneticamente modificados e à rastreabilidade

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS Foco no cliente interno e parceria com o fornecedor para garantir a satisfação dos clientes, aliado à filosofia de colocar no mercado produtos de

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL PO UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP 2013.2 Doc 4b CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Questões de interesse da Comissão 2 (Desenvolvimento dos mercados) Plano de trabalho do Grupo «Desenvolvimento das atividades

Leia mais

( «Jornal Oficial da União Europeia» L 157 de 30 de Abril de 2004 ) de 29 de Abril de 2004

( «Jornal Oficial da União Europeia» L 157 de 30 de Abril de 2004 ) de 29 de Abril de 2004 Rectificação ao Regulamento (CE) n. o 847/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004, relativo à negociação e aplicação de acordos de serviços aéreos entre Estados Membros e países

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E 469/08. Dispõe sobre a avaliação de investimentos em sociedades coligadas e controladas e sobre os procedimentos

Leia mais