Encerramento de Exercício - Normas Contábeis - Atualização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Encerramento de Exercício - Normas Contábeis - Atualização"

Transcrição

1 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) , (teleatendimento), fax (11) web: Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis São Paulo SP Presidente: Luiz Fernando Nóbrega Gestão Palestra Encerramento de Exercício - Normas Contábeis - Atualização A reprodução total ou parcial, bem como a reprodução de apostilas a partir desta obra intelectual, de qualquer forma ou por qualquer meio eletrônico ou mecânico, inclusive através de processos xerográficos, de fotocópias e de gravação, somente poderá ocorrer com a permissão expressa do seu Autor (Lei n. 9610) TODOS OS DIREITOS RESERVADOS: É PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTA APOSTILA, DE QUALQUER FORMA OU POR QUALQUER MEIO. CÓDIGO PENAL BRASILEIRO ARTIGO 184. Elaborado por: José Joaquim Filho Fevereiro 2013 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Acesso gratuito pelo portal do CRC SP

2 1ª ETAPA: Aspectos Gerais da Contabilidade 2

3 A Harmonização da Contabilidade no mundo em IFRS Emissões das Normas em IFRS IFRIC SAC IFRIC: International Financial Reporting Interpretations Committee(Comitê de Interpretações das IFRSs) Emissão de IFRS SAC: Standards Advisory Council (Conselho de Aconselhamento de Normas) 3

4 Os Pronunciamentos Aprovados CPC Tema IFRS 00 Estrutura Conceitual Básica Estrutura Conceitual Básica 01 Perda de Valor Recuperável IAS Conversão de Demonstrações Contábeis IAS Demonstração dos Fluxos de Caixa IAS 7 04 Ativos Intangíveis IAS Divulgação sobre Partes Relacionadas Não há 06 Arrendamento Mercantil IAS Subvenções Governamentais IAS Custos de Transação e Emissão de Títulos IAS 39 (partes) 09 Demonstração do Valor Adicionado Não há 10 Pagamento Baseado em Ações IFRS 2 11 Contratos de Seguros IFRS 4 12 Ajuste a Valor Presente Não há 13 Adoção Inicial da Lei /07 e MP 449/08 Não há 14 Instrumentos Financeiros (ver CPC 38,39,40) IAS 39 (partes) CPC Tema IFRS 15 Combinação de Negócios IFRS 3 16 Estoques IAS 2 17 Contratos de Construção IAS Investimento em Coligada e em Controlada IAS Os Pronunciamentos Aprovados Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Join Venture) IAS Custos de Empréstimos IAS Demonstração Intermediária IAS Informações por Segmento IFRS 8 23 Políticas Contábeis, Mudanças de Estimativa e Retificação de Erro IAS 8 24 Evento Subsequente IAS Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes IAS Apresentação das Demonstrações Contábeis IAS 1 27 Ativo Imobilizado IAS Propriedade para Investimento IFRS 40 4

5 CPC Tema IFRS 29 Ativo Biológico e Produto Agrícola IAS Receitas IAS Os Pronunciamentos Aprovados Ativo não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada IFRS 5 32 Tributos sobre o Lucro IAS12 33 Benefícios a Empregados IAS Demonstrações Separadas IAS Demonstrações Consolidadas IAS Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade 38 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração IAS Instrumentos Financeiros: Apresentação IAS Instrumentos Financeiros: Evidenciação IFRS 7 41 Resultado por Ação 43 Adoção Inicial dos Procedimentos Técnicos CPC 15 e 41 IFRS 1 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades IFRS Mensuração do Valor Justo IFRS 13 As InterpretaçõesAprovadas ICPC Tema IFRIC 01 Contratos de Concessão IFRIC Contrato de Construção do Setor Imobiliário IFRIC Aspectos Complementares das Operações de Arrendamento Mercantil Alcance do Pronunciamento Técnico CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Pronunciamento Técnico CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Transações de Ações do Grupo e em Tesouraria IFRIC 4, SIC 15 e SIC 27 IFRIC 8 IFRIC Hedge de Investimento Líquido em Operação no Exterior IFRIC Distribuição de Lucros In Natura IFRIC Contabilização da Proposta de Pagamento de Dividendos Não há 09 Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial Não há 5

6 As InterpretaçõesAprovadas ICPC Tema IFRIC 10 Interpretação Sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado e à Propriedade para Investimento dos Pronunciamentos Técnicos CPCs 27, 28, 37 e 43 Não há 11 Recebimento em Transferência de Ativos dos Clientes IFRIC Mudanças em Passivos por Desativação, Restauração e Outros Passivos Similares Direitos a Participações Decorrentes de Fundos de Desativação, Restauração e Reabilitação Ambiental Cotas de Cooperados em Entidades Cooperativas e Instrumentos Similares Passivo Decorrente de Participação em Mercado Específico Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Extinção de Passivos Financeiros com Instrumentos Patrimoniais IFRIC 1 IFRIC 5 IFRIC 2 IFRIC 6 IFRIC Contratos de Concessão: Evidenciação SIC 29 As Orientações TécnicasAprovadas OCPC Tema CFC 01 Entidades de Incorporação Imobiliária 1.154/ Esclarecimentos sobre as Demonstrações Contábeis de 2008 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação Aplicação da Interpretação Técnica ICPC 02 às Entidades de Incorporação Imobiliária Brasileiras 1.157/ / /10 05 Contratos de Concessão 1.318/10 6

7 Pronunciamento Técnico para as Pequenas e Médias Empresas partir de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) Apresentação em 35 Seções O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) aprovam o Pronunciamento Técnico sobre CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS (PMEs), que está correlacionada com a Norma Internacional de Contabilidade The International Financial Reporting Standard for Small and Medium-sized Entities (IFRS for SMEs) emitida pelo International Accounting Standards Board(IASB). Depois da revisão inicial de implementação, o CFC espera propor emendas pela publicação de uma minuta para discussão aproximadamente uma vez a cada três anos. 11 NOVO MODELO CONTÁBIL PARA AS MICROEMPRESAS (ME) E AS EMPRESA DE PEQUENO PORTE (EPP) - RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 A ITG 1000 aprova o Modelo Contábil para Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP); A Resolução entra em vigor na data de sua publicação, aplicandose aos exercícios iniciados a partir de 1º de janeiro de 2012; Microempresa e Empresa de Pequeno Porte a sociedade empresária, a sociedade simples, a empresa individual de responsabilidade limitada ou o empresário a que se refere o Art. 966 da Lei n.º /02, que tenha auferido, no ano calendário anterior, receita bruta anual até os limites previstos nos incisos I e II do Art. 3º da Lei Complementar n.º 123/06. ME => Faturamento no ano-calendário até R$ ,00; EPP=> Faturamento no ano-calendário superior a R$ ,00 e igual ou inferior a R$ ,00. 7

8 Pessoas Jurídicas obrigadas a elaborar a contabilidade dentro das novas regras 1. S.A./Cap. Aberto(CPC 26); 2. Sociedade De Grande Porte-SGP (Cap. Fechado/Ltda)(CPC26) [Faturamento:> 300 milhoes; ou Ativo Total: > 240 milhões] Analisar: Individual e/ou Conjunto de Sociedades Sob Controle Comum. 3. Pequenas e Médias Empresas- PME (Res. do CFC 1.255/09) (em vigor a partir de 1º. de janeiro de 2010) 4. Entidades Sem Fins Lucrativas As Entidades Sem Fins Lucrativos Do Setor Privado ou Público podem acessar e aplicar esta norma (item 5 CPC 26) 5. ME e EPP (Resolução CFC nº 1.418/12) em vigor a partir de 1º de janeiro de 2012). PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATÓRIAS PARA AS PJ s ALCANCE GERAL (CPC 26 / art. 176 Lei nº6.404/76) 1. Balanço Patrimonial (nova estrutura) 2. Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) (nova estrutura) 3. Demonstração do Resultado Abrangente (DRA (novo) => Para as PME s, a DRA pode ser substituída pela Demonstração do Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) conforme item 3.18 Resolução CFC 1.255/09). 4. Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) => Para as PME s, a DMPL pode ser substituída pela Demonstração do Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) conforme item 3.18 Resolução CFC 1.255/09) 5. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) - CPC 03 (novo) => Substituiu a DOAR =>A CIA fechada com PL, na data do balanço, inferior a R$ ,00 não será obrigada à elaboração e publicação da demonstração dos fluxos de caixa (Lei nº 6.404/76, art. 176, 6º ) 7. Notas Explicativas (NE) => A ser aplicado para S.A., Ltda. e demais PME. 8

9 Nova Estrutura do Balanço Patrimonial BALANÇO PATRIMONIAL (Lei nº /09 e Res. CFC nº 1.157/09 e CPC 26) Ativo Circulante Disponível Clientes Etc. Ativo não Circulante Realizável a Longo Prazo Investimentos Imobilizado Intangível Passivo Circulante Fornecedores Empréstimos Etc. Passivo não Circulante Financiamentos Receita Diferida Etc. Patrimônio Líquido Capital Social (-) Gastos com Emissão de Ações Reservas de Capital Opções Outorgadas Reconhecidas Reservas de Lucros Reservas de Incentivos Fiscais (-) Ações em Tesouraria Ajuste de Avaliação Patrimonial Ajustes Acumulados de Conversão Prejuízos Acumulados Participação de não Controladores (CPC26.54) (de forma destacada dentro do patrimônio líquido) DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 2011 OPERAÇÕES EM CONTINUIDADE Receita Bruta $ (-) Impostos Inc. Vendas/Serviços $ ( ) (=) Receita Líquida $ (-)CMV $ ( ) (=) Lucro Bruto $ (+/-) Receitas e Despesas Operacionais $ ( ) (+/-) Resultado da Equivalência Patrimonial $ (=) Resultado (antes Receitas/Despesas Financeiras/V. Cambiais) $ (+/-) Receitas/Despesas Financeiras $ (50.000) (+/-) Variações Cambiais -0- (+/-) Receitas/Despesas Operacionais -0- (=) Resultado (antes do IRPJ/CSLL) $ (-) Tributos IRPJ/CSLL (Correntes e Diferidos) $ ( ) (-) Participações Societárias -0- (=) Resultado Líquido Das Operações EM CONTINUIDADE $ (+/-) Resultado De OPERAÇÕES DESCONTINUADAS (* NE ) (líquido dos tributos) -0- (=) Resultado Líquido do Período $ Parcela dos Sócios da Controladora (80%) $ Parcela dos Sócios Não Controladores (minoritários)(20%) $

10 CPC 26 - Exemplo de Outros Resultados Abrangentes evidenciado na DMPL Capital Social Integralizado Reservas de Capital, Opções Reservas de Lucros (2) Lucros ou Prejuízos Acumulado Outros Resultados Abrangent Patrimônio Líquido dos Sócios da Participaçã o dos Não Controlador Patrimônio Líquido Consolidado Outorgadas e Ações em Tesouraria (1) s es (3) Controladora es no Pat. Liq. das Controladas Saldos Iniciais Aumento de Capital Gastos com Emissão de Ações Opções Outorgadas Reconhecidas Ações em Tesouraria Adquiridas Ações em Tesouraria Vendidas Dividendos Transações de Capital com os Sócios Lucro Líquido do Período Ajustes Instrumentos Financeiros Tributos s/ Ajustes Instrumentos Financeiros Equiv. Patrim. s/ Ganhos Abrang. de Coligadas Ajustes de Conversão do Período Tributos s/ Ajustes de Conversão do Período Outros Resultados Abrangentes Reclassific. p/ Resultado Aj. Instrum. Financ Resultado Abrangente Total Constituição de Reservas Realização da Reserva Reavaliação Tributos sobre a Realização da Reserva de Reavaliação Saldos Finais NOTA: Conforme previsto no 2º da Lei 6.404/76, a DLPA poderá ser incluída na demonstração das mutações do patrimônio líquido (DMPL), se elaborada e publicada pela companhia. 10

11 PLANO DE CONTAS O plano de contas serve como um guia para os registros dos lançamentos contábeis relacionados com a entidade, e também como parâmetro para a elaboração das demonstrações contábeis de acordo como os princípios contábeis geralmente aceitos e pela Lei das Sociedades por Ações. EXEMPLO DE PLANO DE CONTAS - CÓDIGO E GRAU DA CONTA CÓDIGOS TÍTULOS 1. (1º grau que indica a estrutura) ATIVO 1.1. (2º grau indica o grupo) ATIVO CIRCULANTE (3º grau indica o sub-grupo) Disponibilidades (4º grau indica as divisões da sub-contas) Caixa (5º grau indica a conta de lançamento) Caixa Matriz Bancos C/C Banco Social... 2ª ETAPA: Roteiro para Encerramento do Exercício 11

12 Grupo do Disponível Ativo Circulante Disponível Caixa Bancos Conta Movimento Aplicações Financeiras (Equivalentes de Caixa - Alta Liquidez) CPC 03 (R1): Caixa: Compreende numerário em espécie e depósitos bancários disponíveis. Equivalentes de Caixa: São aplicações financeiras de curto prazo (3 meses ou menos, a contar da data da contratação), de alta liquidez, e não para investimentos ou outros fins, que são prontamente conversíveis em um montante conhecido de caixa e que estão sujeitas a um insignificante risco de mudança de valor. Análise da Conta Caixa 1) Reflexos Contábeis: Definir qual tipo de controle do caixa (Fixo ou Flutuante); Manter somente notas e moedas; Contagem de valores; 2) Reflexos Fiscais: Verificar os lançamentos e documentos do caixa que possam influenciar no resultado; 12

13 Análise da Conta Bancos C/C 1) Reflexos Contábeis: Efetuar as conciliações bancárias periodicamente (de preferência diariamente); Confrontar os cheques e depósitos pendentes na conciliação do mês com o extrato bancário do mês subseqüente; Checar possíveis pendências nas conciliações tais como: encargos financeiros referentes ao mês; Verificar se as despesas estão sendo contabilizadas pelo regime de competência. As Contas bancárias negativas deverão ser demonstradas no passivo circulante no fechamento do balanço 2) Reflexos Fiscais: Verificar se as despesas estão sendo contabilizadas no resultado para redução no IRPJe a CSLL. Análise da Conta Investimentos 1) Reflexos Contábeis: Contabilizar os rendimentos de aplicações financeiras como receita pelo regime de competência; Caso existam aplicações atreladas à moeda estrangeira, deverá ser reconhecida a variação cambial. Classificação dos Investimentos Temporários a partir de 1º/01/08 (Lei nº /07): 2) Reflexos Fiscais: Verificar se os rendimentos de aplicações financeiras estão contabilizados no resultado corretamente. Aproveitar os créditos de IRRF sobre as aplicações financeiras; Atualizar pela SELIC os saldos credores de IRRF sobre as aplicações financeiras; 13

14 Análise da Conta Clientes 1) Reflexos Contábeis: Conciliação do razão com o relatório do contas a receber dos títulos vencidos e a vencer (aging) Efetuar adequadamente as perdas estimadas para crédito de liquidação duvidosa Deverá se reconhecida a variação cambial nas exportações (Dólar, Euro, etc) Possibilidade da venda de duplicatas junto ao banco para solucionar problemas com capital de giro O CPC 30 - traz os regras contábeis aplicadas à receita Os cheques pré-datados não cobrados imediatamente deve ser classificado em Cheques em Cobrança 2) Reflexos Fiscais: As NF`s de venda deverão ser lançadas corretamente (valores, impostos e amarração com os livros fiscais); Baixar as duplicatas vencidas consideradas dedutíveis para do IRPJ e a CSLL (artigos 9º a 12 da Lei 9.430/96 e artigos. 340 a 434 RIR/99) considerando: I Sem garantia de Valor: Até 5.000,00 Por operação, vencidos há mais de seis meses, independente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento. Exemplo: D Perdas no recebimento de crédito (DRE) C Duplicatas a receber(ac) Valo: R$ 3.000,00 Acima de R$ 5.000,00 Até ,00 Por operação, vencidos há mais de um ano, independente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento, mantida a cobrança administrativa. recebimento estejam andamento. Exemplo: D Perdas no recebimento de crédito (DRE) C (-) Dupl. a Receber em atraso (AC) Valor: R$ 8.000,00 Acima de R$ ,00 Vencidos a mais de um ano, cujos procedimentos judiciais para o II Com garantia de Valor: a) Vencidos a mais de 2 anos e com procedimentos judiciais para recebimento ou arresto das garantias já em andamento; b) Haja declaração de falência ou concordata do devedor. Nota: Os valores registrados na conta redutora dos créditos poderão ser baixados definitivamente da escrituração contábil, a partir em que se completar cinco anos do vencimento do crédito sem que o mesmo tenha sido liquidado pelo devedor. já em 14

15 Análise da Conta Estoques 1) Reflexos Contábeis: Conferir e analisar o Relatório de Estoque e o Livro de Inventário Analisar uma possível superavaliação ou subavaliação dos estoques Efetuar a análise das prováveis perdas com estoques Separar na contabilidade os gastos para determinar a composição dos custos de produção identificando o que é custo e o que é despesa Adequar o sistema de custo integrado com a contabilidade (exemplo: PCP) Efetuar periodicamente a contagem física dos estoques O CPC 16 (R1) - traz os regras contábeis aplicadas aos Estoques 2) Reflexos Fiscais: Escriturar e ter disponível para as autoridades fiscais o livros obrigatórios tais como: o Livro de Inventário (Art. 260 RIR/99), IPI, etc. Checar os custo unitário (impostos sobre compras, avaliados pelo Custo Médio ou PEPS conforme os artigos 289, 290, 293, 294, 295 e 296 do RIR/99) Arbitrar os estoques caso a empresa não possua um sistema de custo integrado com a contabilidade (art. 296, RIR/99) CPC 16 -Exemplos de Estoques Mercadorias; Matérias primas, produtos em processo e produtos acabados; Fisicamente sob a guarda (exceto de propriedade de 3ºs, como consignação, beneficiamento ou armazenagem; Itens em trânsito sob condições FOB; Remetidos em Consignação; Em poder de 3ºs para armazenagem, beneficiamento, etc. 15

16 CPC 16 - Mensuração dos Estoques Os estoques objeto desta Norma devem ser mensurados pelo valor de custo ou pelo valor realizável líquido, dos dois o menor. VALOR DE CUSTO Inclui todos os custos de aquisição (Ex: Preço de compra,imposto de importação e outros tributos não recuperáveis, transporte, seguros, etc), menos os descontos incondicionais e abatimentos mais os custos de transformação (ex. MOD, CIFs) bem como outros custos incorridos para trazer os estoques à sua condição e localização atuais. VALOR REALIZÁVEL LÍQUIDO O valor realizável líquido refere-se à quantia líquida que a entidade espera realizar com a venda do estoque no curso normal dos negócios. 29 CPC 16 -Confrontação do valor de Custo X Valor Realizável Líquido Produto Quantidade Custo Unitário Custo Total Valor Realizável Líquido (unit) Valor Realizável Líquido Perdas Estimadas A , ,00 12, ,00 - B , ,00 19, ,00 (6.000,00) C , ,00 14, ,00 - D , ,00 16, ,00 (2.000,00) Total (8.000,00) Lançamento Contábil da Perdas Estimada: D Perda Estimada para Redução ao valor realizável líquido (DRE) C Perda Estimada para redução ao valor realizável líquido (AC) ,00 (Valor Indedutível para fins Apuração do IRPJ e CSLL no Lucro Real) => Realizar o Teste de Realização dos Estoques pelo menos no final exercício 30 16

17 Análise das Despesas Antecipadas 1) Reflexos Contábeis: São as despesas pertencentes ao exercício ou outros exercícios porém ainda não incorridas As despesas antecipadas deverão se contabilizada de acordo com o regime de competência Exemplos de Despesas antecipadas: prêmios de seguros, assinatura de livros e revistas, aluguéis pagos antec., etc) 2) Reflexos Fiscais: Apropriar pro rata tempore os juros pagos antecipadamente e os descontos de títulos de crédito (art. 374, RIR/99) 1) Reflexos Contábeis: Novo Conceito de Imobilizado (CPC 27): Análise do Imobilizado e Intangível Os direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das atividades da companhia ou da empresa ou exercidos com essa finalidade, inclusive os decorrentes de operações que transfiram à companhia os benefícios, riscos e controle desses bens Leasing Financeiro = Ativo Imobilizado Leasing Operacional = Despesas Conceito de Intangível (CPC 04): São os bens incorpóreos, inclusive o fundo de comércio adquirido (Goodwill) 17

18 1) Reflexos Contábeis: Análise do Imobilizado e Intangível Depreciações e Amortizações para Fins Contábeis: A diminuição do valor dos elementos dos ativos imobilizado e intangível será registrada periodicamente nas contas de: Depreciação, Amortização e Exaustão, de acordo com a vida útil econômica. OBS: Adoção a partir de 1º/01/2010 conforme Resolução CFC nº 1.177/09 Exemplos de Métodos para Fins de Vida Útil econômica: 1) Método Linear, também conhecido como método de linha reta; 2) Método dos Saldos Decrescentes; 3) Método de Unidades Produzidas; Exemplo de Método Linear: Valor do bem: R$ ,00 Vida útil econômica: 5 anos (60 meses) Depreciação mensal: R$ ,00 60 meses = R$ 1.000,00/mês Quota de Depreciação Mensal = Exemplo do Método de Unidades Produzidas N º de Unidades Produzidas Nº de no Unidades mês junho: Estimadas 100 = para serem produzidas durante a vida útil do bem: % de Depreciação para o mês de junho: 0,40% Exemplo do Método dos Saldos Decrescentes: Valor do bem: R$ ,00 Vida útil econômica: 5 anos Soma dos algarismos: = 15 TOTAL 5 Anos Ano Fração Depreciação 5 1 X R$ ,00 R$ 5.000, X R$ ,00 R$ 4.000, X R$ ,00 R$ 3.000, X R$ ,00 R$ 2.000, X R$ ,00 R$ 1.000,00 15 R$ ,00 Valor Recuperável de Ativos Imobilizado e Intangível (CPC 01) Teste de Impairment : A companhia deverá efetuar, periodicamente, análise sobre a recuperação dos valores registrados no imobilizado e no intangível. CPC 1 -O Teste de Impairment VALOR CONTÁBIL LÍQUIDO Comparar: o maior valor entre: Valor por uso é o valor presente de fluxos de caixa futuros esperados que devem advir de um ativo ou de uma unidade geradora de caixa; Valor Justo líquido de despesas de venda é o montante a ser obtido pela venda de um ativo ou de uma unidade geradora de caixa em transações em bases comutativas, entre partes conhecedoras e interessadas, menos as despesas estimadas de venda. OBS: se o Valor de Uso ou o Valor de Venda for maior que o valor contábil, nenhuma perda será reconhecida. 18

19 CPC 1 - Indicadores de Impairment Externos: Redução do valor de mercado do ativo menor que o esperado; Mudanças no ambiente tecnológico, econômico ou legal; Aumento das taxas de juros de mercado; Valor Contábil do PL maior que o valor das ações no mercado. CPC 1 - Indicadores de Impairment Internos: Evidências de Obsolescência ou dano físico; Mudança na medida ou maneira de uso do ativo; Evidência de relatório interno indicando que o desempenho econômico de um ativo é ou será pior que o esperado. 19

20 CPC 01 -Redução ao Valor Recuperável de Ativos Valor da líquido da Máquina: Valor Original:...R$ ,00 (-) Depreciação acumulada:... R$ ,00 Valor Líquido:... R$ ,00 Valor por uso? Valor líquido de venda: R$ ,00 Ano CPC 01 -Redução ao Valor Recuperável de Ativos Entradas de caixa (1) Saídas de caixa (2) Entradas líquidas de caixa (3) = (1) - (2) Valor presente das entradas líquidas de caixa Total Tempo de vida útil da máquina: 5 anos Faturamento obtido a partir das vendas Desembolsos para manutenção da máquina Taxa de desconto: 25% (média de mercado) 20

21 CPC 01 -Redução ao Valor Recuperável de Ativos Ano Entradas líquidas de caixa HP 12C Fórmula: VP = FV (1+i) n Valor presente das entradas líquidas de caixa F REG CHS FV 25i 1n PV F REG CHS FV 25i 2n PV F REG CHS FV 25i 3n PV F REG CHS FV 25i 4n PV F REG CHS FV 25i 5n PV (1+0,25)¹ (1+0,25)² (1+0,25)³ (1+0,25) (1+0,25) Total CPC 01 -Redução ao Valor Recuperável de Ativos Cálculo do valor recuperável da máquina Critério Utilizado Reais Valor por uso Valor líquido de venda NOTA: Dos dois cálculos apurados, utilizar o MAIOR valor como recuperável, nesse caso o valor será R$

22 CPC 01 -Redução ao Valor Recuperável de Ativos Contabilização da provisão para perda da máquina Reais Valor por uso (-) valor líquido da máquina (=) Redução ao valor recuperável imobilizado D Perdas estimadas por desvalorização de mobilizado (DRE) C Perdas estimadas por valor não recuperável imobilizado (AÑC) Custo Atribuído - ICPC 10 ICPC 10 -Interpretação 22

23 ICPC 10 -Adoção Inicial das Normas Internacionais e dos CPCs(Situação Especial) Pode existir ativo com valor contábil substancialmente depreciado, ou mesmo igual a zero, e que continua em operação e gerando benefícios econômicos para a entidade, o que pode acarretar, em certas circunstâncias, que o seu consumo não seja adequadamente confrontado com tais benefícios, o que deformaria os resultados vindouros. Por outro lado, pode ocorrer que o custo de manutenção seja tal que já represente adequadamente o confronto dos custos com os benefícios. Assim, a entidade pode adotar a opção de atribuir um valor justo inicial ao ativo imobilizado desta Interpretação e fazer o eventual ajuste nas contas do ativo imobilizado tendo por contrapartida a conta do patrimônio líquido denominada de Ajustes de Avaliação Patrimonial; e estabelecer a estimativa do prazo de vida útil remanescente quando do ajuste desses saldos de abertura na aplicação inicial dos Pronunciamentos CPC 27, 37 e 43. Esse procedimento irá influenciar o prazo a ser depreciado a partir da adoção do CPC 27. ICPC 10 -Adoção Inicial das Normas Internacionais e dos CPCs(Situação Especial) Data da aplicação inicial do custo atribuído (deemed cost) RESOLUÇÃO CFC Nº /09: a obrigação da revisão periódica determinada pela NBC TG 13, item 54, a ser efetuada durante o exercício social iniciado a partir de 1º. de janeiro de 2009, cuja aplicação em 2009 foi excepcionalizada, deverá ser efetuada na abertura do exercício social iniciado a partir de 1º. de janeiro de

24 Caso Prático A empresa Capricho Ltda. procedeu durante o exercício de 2010 a aplicação do custo atribuído conforme o ICPC 10, atualizou o valor de sua máquina, o qual se encontra suportada por laudo de peritos e aprovado em assembléia. O resultado dessa avaliação estáa seguir demonstrado: Bem Valor Atualizado conforme Laudo Valor Contábil Atual (-) Depreciação Acumulada Valor Contábil Líquido Valor da Avaliação (Custo Atribuído) Vida Útil Remanes cente Máquina , , , , ,00 10 anos Nota: 1) Considere as alíquotas de 25% para o IRPJ e 9% para a CSLL; 2) Taxa de depreciação: 10% a.a. Baixa da depreciação para apuração do valor contábil líquido Máquina (AÑC) (-) Depreciação acumulada (AP) , , , , ,00 24

25 Contabilização do Custo Atribuído Máquina (AÑC) Ajuste de Avaliação Patrimonial (PL) , , , ,00 Cálculo para fins do IRPJ (25%) e a CSLL (9%) Diferidos (CPC 32) Valor do Custo Atribuído: R$ ,00 IRPJ: R$ ,00 X 25% = R$ ,00 CSLL: R$ ,00 X 9% = R$ 8.100,00 25

26 Contabilizado do IRPJ e a CSLL Diferidos (CPC 32) (-) Tributos sobre Ajuste de Avaliação Patrimonial (PL) , ,00 Prov. para IRPJ Diferido (PÑC) ,00 3 Prov. para CSLL Diferido (PÑC) 8.100,00 4 Controle do IRPJ e a CSLL no Lalur PARTE B DO LALUR Histórico Data Histórico Debito Crédito Saldo D/C Avaliação pelo Custo Atribuído de máquina ,00 C CONTROLE DA CSLL (IN SRF 390/04) Histórico Data Histórico Debito Crédito Saldo D/C Avaliação pelo Custo Atribuído de máquina ,00 C 26

27 Realização do Custo Atribuído pela depreciação Valor da Máquina sem a Avaliação (Residual) ,00 Valor da Avaliação pelo Custo Atribuído ,00 Valor Atualizado com o Custo Atribuído ,00 Vida útil do bem (Máquina) 10 nos Taxa de Depreciação Anual 10% Depreciação total no ano ( ,00 x 10%) ,00 Depreciação do bem antigo (10.000,00 x 10%) 1.000,00 Depreciação do custo atribuído (90.000,00 x 10%) 9.000,00 Contabilização da Realização do Custo Atribuído pela depreciação Despesas com Depreciação (DRE) ,00 (-) Depreciação acumulada (AÑC) ,00 5 Ajuste de Avaliação Patrimonial (PL) , , ,00 Lucros Acumulados (PL) 9.000,

28 Cálculo e contabilização CONTABILIZAÇÃO DO IRPJ, CSLL DIFERIDOS E A RECOLHER PELA REALIZAÇÃO DO CUSTO ATRIBUÍDO NA CONTA AJUSTE DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL PELA DEPRECIAÇÃO. IRPJ 25% CSLL 9% Depreciação da Avaliação pelo Custo Atribuído R$ 9.000, ,00 810,00 (-) Tributos sobre Ajuste de Avaliação Patrimonial (PL) , ,00 7 Lucros Acumulados (PL) , , ,00 810, , , , , , , ,00 Prov. para IRPJ Diferido (PÑC) Prov. para CSLL Diferido(PÑC) , , , , , ,00 IRPJ a Recolher (PC) CSLL a Recolher (PC) 2.250, ,

29 Baixa pela realização do custo atribuído na parte B do Lalure a CSLL PARTE B DO LALUR Histórico Data Histórico Debito Crédito Saldo D/C Avaliação pelo Custo Atribuído de máquina Baixa pela realização da depreciação do custo atribuição da máquina ,00 C 9.000, ,00 C CONTROLE DA CSLL (IN SRF 390/04) Histórico Data Histórico Debito Crédito Saldo D/C Avaliação pelo Custo Atribuído de máquina Baixa pela realização da depreciação do custo atribuição da máquina ,00 C 9.000, ,00 C Escrituração para fins de CSLL DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DA C.S.L L. Folha: Resultado do Período antes da CSLL Ajuste do Regime Tributário de Transição - RTT : Adições do RTT xxxx (+) Depreciação custo atribuído Maquina 9.000, ,00 Excluções do RTT - Lucro Líquido após Ajuste do RTT xxxxx (+) A D I Ç Õ E S : xxxx T O T A L A D I Ç Õ E S xxxx (-) E X C L U S Õ E S : xxx T O T A L E X C L U S Õ E S xxxx (=) Base de Cálculo antes das compensações xxxx (-) Compensação da base de cálculo negativa xxxx (=) Base de Cálculo da C.S.L.L. xxxx 31 de Dezembro de 2.010, Diretor, Gerente ou Titular Contabilista CRC nº... 29

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Plano de Contas - Modelo

Plano de Contas - Modelo Plano de Contas - Modelo Ativo Passivo Contas De Compensação Passivas (CCP) Contas De Resultado Despesas Operacionais (DO) Provisão para o Imposto Sobre a Renda e Contribuição Social (PR) Participações

Leia mais

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS)

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) Miguel Silva RTD REGIME TRIBUTÁRIO DEFINITIVO (Vigência e Opção pela Antecipação de seus Efeitos) 1 Para efeito de determinação do IRPJ, CSLL, PIS-PASEP e

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

PLANO DE CONTAS CONTÁBIL

PLANO DE CONTAS CONTÁBIL Cod.Normal Cód.Reduz. Grau Tipo Natureza Descrição 1. 1 1 S A ATIVO 1.1. 2 2 S AC ATIVO CIRCULANTE 1.1.1. 3 3 S AC DISPONÍVEL 1.1.1.01. 4 4 S AC BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.001-5 5 A AC Caixa 1.1.1.01.002-6

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Codificação 3. Abertura de Contas Novas 4. Manual de Contas 5. Estrutura e Classificação Das Contas Patrimoniais 6. Modelo

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Modelo após Leis 11638/2007 e 11941/2009 (Adaptada ao Sped)

Modelo de Plano de Contas Modelo após Leis 11638/2007 e 11941/2009 (Adaptada ao Sped) Modelo de Plano de Contas Modelo após Leis 11638/2007 e 11941/2009 (Adaptada ao Sped) Código Descrição Analítica Patrim. Natureza 1 *** Ativo *** X Devedora 101 Ativo Circulante X Devedora 10101 Disponibilidades

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328

Conta Descrição (em R$ mil) 31/03/2011 31/12/2010. 1 Ativo Total 13.623.774 13.422.948. 1.01 Ativo Circulante 1.403.533 1.180.328 Conta Descrição (em R$ mil) /0/0 //00 Ativo Total.6.77..98.0 Ativo Circulante.0.5.80.8.0.0 Caixa e Equivalentes de Caixa 69.7 8.657.0.0.0 Bens Numerários.0 05.0.0.0 Depósitos Bancários.07.57.0.0.0 Aplicações

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

2.2. Tratamento tributário dos juros e Imposto de Renda na Fonte

2.2. Tratamento tributário dos juros e Imposto de Renda na Fonte EXERCÍCIOS PRÁTICOS - PLANILHAS DE CÁLCULOS CONTABILIZAÇÕES 1. Empréstimo Bancário Contabilização de empréstimo (Planilha 1), considerando que não houve despesas incrementais de captação, como taxas e

Leia mais

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord TipoConta SuperiorGrau Nat 1 ATIVO 1 S 1 1 1.01 ATIVO

Leia mais

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por:

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Telefones: 11 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento); fax 11 3824-5487 E-mail: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

DFC - DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA - Roteiro

DFC - DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA - Roteiro Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais)

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

19. Patrimônio líquido 19.1 Capital 20. Balanço patrimonial de acordo com a Lei n.º 6.404/76 e alterações Questões de provas comentadas

19. Patrimônio líquido 19.1 Capital 20. Balanço patrimonial de acordo com a Lei n.º 6.404/76 e alterações Questões de provas comentadas Sumário CAPÍTULO 1 CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceito de contabilidade 1.1 Ciência social 1.1.1 Princípios de contabilidade 1.2 Objeto da contabilidade 1.3 Objetivo da contabilidade 1.4 Finalidade da contabilidade

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 1 - BALANÇO PATRIMONIAL CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis PROFESSOR : Salomão Dantas Soares TURMA 6º CCN AULA 02 Turno/Horário Noturno Apostila

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64 1.... ATIVO 152.101.493,67 50.040.951,48 153.182.697,98 1.10... ATIVO CIRCULANTE 12.634.079,13 49.780.167,34 14.042.894,83 1.10.10.. DISPONIBILIDADES 10.621.727,62 40.765.261,82 12.080.213,47 1101001 BENS

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS

POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC 00 CPC 01 CPC 02 CPC 03 CPC 04 CPC 05 CPC 06 CPC 07 CPC 08 EMITIDOS Pronunciamento Técnico

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

ECF - PLANO REFERENCIAL - VERSAO 8 - TABELA - PJ em Geral

ECF - PLANO REFERENCIAL - VERSAO 8 - TABELA - PJ em Geral ECF - PLANO REFERENCIAL - VERSAO 8 - TABELA - PJ em Geral 1 ATIVO 1.01 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 DISPONIBILIDADES 1.01.01.01 CAIXA GERAL 1.01.01.01.01 Caixa Matriz 1.01.01.01.02 Caixa Filiais 1.01.01.02

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados - Roteiro

Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados - Roteiro Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011;

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011; Créditos sobre ativo imobilizado novas regras: A MP 540 artigo 4, de 2 de agosto de 2011 introduz novas regras para a tomada de crédito sobre itens do ativo imobilizado, conforme destacamos a seguir: O

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA D I P J 2014

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA D I P J 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA D I P J 2014 Ficha 01 - Dados Iniciais CNPJ: Situação da Declaração: Normal

Leia mais

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras No ano de 2012 o Londrina Country Club atualizou o plano de contas de sua demonstração de resultado. O objetivo é atualizar a nomenclatura das contas permitindo

Leia mais

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Compra e Venda, Incorporação, Loteamento e Construção para Venda de Imóveis Aspectos Contábeis e Tributários Sergio Renato

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda

Rodobens Locação de Imóveis Ltda Rodobens Locação de Imóveis Ltda Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos auditores

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MAIO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MAIO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MAIO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2013 ASSUNTOS CONTÁBEIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATÓRIAS APÓS AS LEIS NºS 11.638/2007 E 11.941/2009... Pág. 341 IMPOSTO DE RENDA PESSOA

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

Relatório do Plano de Contas

Relatório do Plano de Contas 1 10000 ATIVO 1.01 10001 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 10002 DISPONIVEL 1.01.01.01 10003 CAIXA 1.01.01.01.00001 10004 CAIXA GERAL S 1.01.01.02 10020 BANCO CONTA MOVIMENTO 1.01.01.02.00001 10021 BANCO DO BRASIL

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014

Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014 1 Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014 Alterações na Legislação do IRPJ, CSLL, PIS, COFINS e Extinção do RTT Junho/2015 2 1. Introdução à IN RFB nº 1.515/2014 Dispõe sobre a determinação e o pagamento

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA Seção 5. Anexos Seção 5.1. Planos de Contas Referenciais Seção 5.1.1. Lucro Real Seção 5.1.1.1. Contas Patrimoniais Seção 5.1.1.1.1. L100A - PJ em Geral Código: Chave da linha. Ordem: Ordem de apresentação

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004.

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. Analista CNMP Contabilidade Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. De maneira geral, foi uma prova

Leia mais

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014

Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT. Claudio Yano 20 de maio de 2014 Mesa de Debates CRC/RJ Lei 12.973/2014 e o novo regime tributário pós RTT Claudio Yano 20 de maio de 2014 DIPJ 2014 Prazo de entrega Programa Gerador aprovado pela IN RFB 1.463/14; Prazo para entrega:

Leia mais

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas.

Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. Segue a relação das contas do Ativo e do Passivo Exigível mais utilizadas pela ESAF, organizadas por grupo de contas. 1 - Ativo (Saldo devedor, exceto as contas retificadoras) 1.1 Ativo Circulante Adiantamento

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

METROBUS TRANSPORTE COLETIVO S/A. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 e o relatório dos auditores independentes

METROBUS TRANSPORTE COLETIVO S/A. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 e o relatório dos auditores independentes METROBUS TRANSPORTE COLETIVO S/A Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 e o relatório dos auditores independentes 1 Informações gerais A Metrobus Transporte Coletivo S.A., constituída

Leia mais

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$)

ASSOCIAÇÃO FRATERNAL PELICANO CNPJ Nº 05.439.594/0001-55 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012/2011 (EM R$) ATIVO 2012 2011 PASSIVO E PATRIMONIO SOCIAL 2012 2011 CIRCULANTE 41.213,54 37.485,00 CIRCULANTE 12.247,91 11.914,91 EQUIVALENCIA DE

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Introdução 1

Sumário. Capítulo 1 Introdução 1 Capítulo 1 Introdução 1 1 Conceito 1 1.1 Contabilidade Teórica 1 1.2 Contabilidade Prática 3 2 Objeto 3 3 Finalidade ou objetivo 5 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 6 5 Funções 8 6 Identificação

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 14 - Investimento em Controlada e em Coligada

IFRS para PMEs: Seção 14 - Investimento em Controlada e em Coligada Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-54, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Abril S.A. e empresas controladas

Abril S.A. e empresas controladas Abril S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2010 e Relatório dos Auditores Independentes 1 Abril S.A. e empresas controladas

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2012 - JOSAPAR- JOAQUIM OLIVEIRA S/A PARTICIP Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2012 - JOSAPAR- JOAQUIM OLIVEIRA S/A PARTICIP Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais