CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA"

Transcrição

1 CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Compra e Venda, Incorporação, Loteamento e Construção para Venda de Imóveis Aspectos Contábeis e Tributários Sergio Renato Reolon Martins APOIO: Para obter uma senha cortesia do portal LEFISC envie um para (51)

2 Observações Gerais Para fins tributários, as Pessoas Jurídicas que desenvolvem a atividade imobiliária, deverão observar as normas contidas nos artigos 27 a 29 do Decreto Lei 1.598/77, consolidadas no atual RIR/99, Decreto 3.000/99, artigos 410 a 414. O regramento tributário principal relativo a esta atividade está normatizado pela Instrução Normativa SRF 84/1979. Conforme a CTG 01 - Entidades Imobiliárias Resolução CFC 1.154/2009, aplicam-se à essas Empresas os Princípios de Contabilidade bem como as Normas Brasileiras de Contabilidade e as suas IT e CT editados pelo CFC. Conforme o processo de Convergência às Normas Internacionais, implementado pela Lei /2007, Medida Provisória 449/2008 convertida na Lei /2009 e Resolução do CFC de 2009 (NBC TG 1.000), o CPC Comitê de Pronunciamentos Técnicos através de seus pronunciamentos provocou a edição de Resoluções de Convergência pelo CFC Conselho Federal de Contabilidade, que será observado para os efeitos societários e que devera ser ajustado para os efeitos tributários, de acordo com as regras do RTT Regime Tributário de Transição, no Lalur, DIPJ e Fcont. 1) CONTRIBUINTES SUJEITOS A ESTE REGIME TRIBUTÁRIO As pessoas jurídicas com a atividade de compra de imóvel para a venda, empreendimento com desmembramento ou loteamento de terrenos, incorporação imobiliária ou construção de prédio destinado à venda, bem como a pessoa física considerada empresário individual por promover a incorporação de prédios em condomínio ou o loteamento de terrenos, devem apurar seus resultados operacionais para fins de tributação, segundo as normas estabelecidas através da IN SRF 84/79 com alterações trazidas pela IN SRF 23/83 e IN SRF 67/88. 2) REGIME TRIBUTÁRIO 2.1) Lucro Real As pessoas jurídicas que exerçam as atividades de compra e venda, loteamento, incorporação e locação de imóveis poderão optar pelo lucro presumido, desde que não tenham operações imobiliárias para as quais haja registro de custo orçado, enquanto estas não forem concluídas (IN SRF 25/99). 2.2) Lucro Arbitrado Nas empresas que se dediquem às atividades de venda de imóveis construídos ou adquiridos para revenda, de loteamento de terrenos e de incorporação de prédios em condomínio, o lucro arbitrado é apurado deduzindo-se da receita bruta o custo do imóvel devidamente comprovado. 2.3) Lucro Presumido As empresas com atividades de venda de imóveis construídos ou adquiridos para revenda, loteamento de terrenos e incorporação de imóveis, sem registro de custo orçado, permite o lucro presumido apurado aplicando-se sobre a receita bruta trimestral recebida o percentual de 8% para o IRPJ e 12% para a CSLL. 2.4) Simples Nacional As empresas que se dediquem às atividades de venda de imóveis construídos ou adquiridos para revenda, assim como construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada, poderão optar pelo SIMPLES NACIONAL (LC 123/2006 Resolução CGSN 94/2011). 3) RECEITAS E DESPESAS DIFERIDAS NOVO GRUPAMENTO Com a extinção do GRUPO de contas REF - RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS pela MP 449/2008 convertida na Lei /2009, que incluiu na Lei das Sociedades Por Ações (Lei 6.404/1976) o art. 299-B, os saldos constantes nesse grupo de Resultados de Exercícios Futuros na data de 04/12/2008 deverão ser reclassificados na data de 05/12/2008 para o grande grupo intitulado PASSIVO NÃO-CIRCULANTE, em contas representativas de receitas e despesas diferidas (RECEITAS DIFERIDAS menos DESPESAS DIFERIDAS = RESULTADOS DIFERIDOS). CONTAS 2.2 Passivo Não-Circulante Passivo Exigível a Longo Prazo Empréstimos e Financiamentos Fornecedores Impostos a Pagar ou Recolher Resultados Diferidos Receitas Diferidas (-) Custos Diferidos - Custos e Despesas Vinculadas às Receitas Diferidas. 4) FORMAÇÃO DO CUSTO DOS IMÓVEIS Compõe o custo da obra, desde que diretamente relacionados com o respectivo projeto: - Os materiais aplicados ou bens consumidos na produção, inclusive os custos com transporte e tributos gastos na aquisição desses insumos; - A mão de obra, própria ou de terceiros, e seus encargos sociais, inclusive os serviços de engenheiros, apontadores, almoxarifes, segurança e demais responsáveis que prestarem serviços na obra; - O Terreno e o Projeto; - As despesas com legalização, água, energia, telefone, cópias, etc. - A locação e manutenção de bens aplicados na produção alem dos seus encargos de depreciação; 2

3 - Os encargos de amortização e exaustão diretamente relacionados com a produção; - Encargos financeiros provenientes de financiamento obtido especificamente para construção; Não Compõe o Custo da obra: - As despesas com vendas, como comissões, publicidade, etc...; - Despesas financeiras não vinculadas ao empreendimento. - Despesas gerais e administrativas não vinculadas diretamente à obra. 3 5) CUSTOS PAGOS OU INCORRIDOS Instrução Normativa SRF 84 de 1979 (VIGÊNCIA CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA ATÉ 2009) (REGRA TRIBUTÁRIA DO RTT A PARTIR DE 2010) A Instrução Normativa SRF 84 de 1979 deverá ser aplicada para os efeitos contábeis e tributários até o período contábil (ano-calendário) de 2009 e a partir de 2010 permanecerá sendo aplicada somente para efeitos tributários, e para isso deverá ser utilizado o sistema do RTT Regime Tributário de Transição, mediante ajustes efetuados no Lalur, na DIPJ e no Fcont. Os custos pagos, admitidos na formação do CIV - Custo do Imóvel Vendido são aqueles que, além de estarem pagos, se refiram a bens ou serviços adquiridos ou contratados para específica aplicação no empreendimento de que a unidade negociada faça parte. 5.1) Tratamento Contábil para os CPI - Custos Pagos ou Incorridos a) Os bens adquiridos sem destinação específica, deverão ser debitados a conta de Almoxarifado no Ativo Circulante e somente apropriáveis ao custo de empreendimento quando nele aplicados; b) Todos os custos pagos ou incorridos serão primeiramente debitados a uma conta representativa das Obras em Andamento, classificável no AC, para depois serem considerados na formação do custo de cada unidade vendida; c) Os custos pagos ou incorridos referentes a empreendimentos que compreenda duas ou mais unidades deverão ser apropriados, a cada uma, mediante rateio de acordo com os mapas de apropriação de custos. 6) CUSTOS CONTRATADOS Instrução Normativa SRF 84 de 1979 (VIGÊNCIA CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA ATÉ 2009) (REGRA TRIBUTÁRIA DO RTT A PARTIR DE 2010) A Instrução Normativa SRF 84 de 1979 deverá ser aplicada para os efeitos contábeis e tributários até o período contábil (ano-calendário) de 2009 e a partir de 2010 permanecerá sendo aplicada somente para efeitos tributários, e para isso deverá ser utilizado o sistema do RTT Regime Tributário de Transição, mediante ajustes efetuados no Lalur, na DIPJ e no Fcont. O contribuinte poderá também computar, na formação do custo do imóvel vendido, os custos contratados para a realização das obras a que estiver obrigado. Esta opção é aplicável somente aos imóveis vendidos, portanto, não deverão ser registrados custos contratados para a unidades por vender. 6.1) Tratamento Contábil para os Custos Contratados a) O valor dos custos contratados deverá ser creditado a conta específica do Passivo Circulante ou Passivo Nãocirculante, na data da efetivação da venda, em contrapartida a um dos seguintes débitos: a.1) Resultado do Exercício Débito à conta própria, se referente à unidade não concluída vendida à vista; a.2) Passivo Não-circulante Custos Diferidos Débito à conta própria deste grupo, se referente à unidade não concluída vendida a prazo ou à prestação; b) À medida que os fornecedores forem cumprindo os contratos, debitar a conta do PC ou PNC e creditar a conta do AC (Obras em Andamento). 7) CUSTOS ORÇADOS Instrução Normativa SRF 84 de 1979 (VIGÊNCIA CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA ATÉ 2009) (REGRA TRIBUTÁRIA DO RTT A PARTIR DE 2010) A Instrução Normativa SRF 84 de 1979 deverá ser aplicada para os efeitos contábeis e tributários até o período contábil (ano-calendário) de 2009 e a partir de 2010 permanecerá sendo aplicada somente para efeitos tributários, e para isso deverá ser utilizado o sistema do RTT Regime Tributário de Transição, mediante ajustes efetuados no Lalur, na DIPJ e no Fcont. Quando a venda for contratada antes de completado o empreendimento, o contribuinte poderá computar no custo do imóvel vendido, além dos custos pagos, incorridos ou contratados, os Custos Orçados para a conclusão das obras ou melhoramentos que estiver contratualmente obrigado realizar. 7.1) Tratamento Contábil para os Custos Orçados Aos custos orçados, aplica-se o seguinte tratamento contábil: a) O valor dos custos orçados respectivos ao imóvel vendido deverá ser creditado à conta especifica do PASSIVO CIRCULANTE ou do PASSIVO NÃO-CIRCULANTE - LONGO PRAZO, na data da efetivação da venda, em contrapartida a um dos seguintes débitos: - Resultado do Exercício - débito à conta de Custo das Unidades Vendidas, se referente à venda à vista; - Passivo Não-Circulante Custos Diferidos - débito a conta própria deste grupo não-circulante, se referente à unidade não concluída vendida a prazo ou à prestação, com pagamento restante ou pagamento total contratado para depois do período-base de venda, na hipótese de interesse do contribuinte pelo reconhecimento do lucro bruto proporcionalmente à receita da venda recebida.

4 8) VENDAS DE IMÓVEIS (RECONHECIMENTO DA RECEITA) 4 8-A) Instrução Normativa SRF 84 de 1979 (Regra Tributaria) (VIGÊNCIA CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA ATÉ 2009) (REGRA TRIBUTÁRIA DO RTT - TRANSIÇÃO A PARTIR DE 2010) A Instrução Normativa SRF 84 de 1979 deverá ser aplicada para os efeitos contábeis e tributários até o período contábil (ano-calendário) de 2009 e a partir de 2010 permanecerá sendo aplicada somente para efeitos tributários, e para isso deverá ser utilizado o sistema do RTT Regime Tributário de Transição, mediante ajustes efetuados no Lalur, na DIPJ e no Fcont. Os Procedimentos Tributários, ou seja, com validade perante a Secretaria da Receita Federal do Brasil, que deverão continuar vigindo para efeitos de cálculo do IRPJ, CSLL, PIS e COFINS, são aqueles que estão de acordo com as regras da Instrução Normativa SRF 84 de 1979, independentemente das Novas Regras Contábeis instituídas pelas Novas Resoluções do CFC de Convergência (ver itens abaixo). VENDA À VISTA Venda à Vista de Unidades Concluídas (item 11 da IN SRF 84/79) Venda à Vista de Unidades Não Concluídas (item12 da IN SRF 84/79) VENDA À PRAZO Venda a prazo de unidade imobiliária concluída (item 13 INSRF 84/79) Venda a Prazo de Unidade Não Concluída (item 14 IN SRF 84/79) Para a aplicação dos Procedimentos Tributários, durante o Regime Tributário de Transição (instituído pela Lei de 27 de maio de 2009), observar a Instrução Normativa RFB 949, de que regulamentou o RTT e instituiu o Fcont Controle Fiscal Contábil de Transição. 8-B) NBC TG 30 - Receitas (REGRA CONTÁBIL COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 2010) A partir de 2010 deverão ser observadas para efeitos CONTÁBEIS as normas de convergência à contabilidade internacional, em especial a NBC TG 30 que dispõe sobre a forma de reconhecer a receita relativa á atividade imobiliária. Entretanto, a Instrução Normativa SRF 84 de 1979 continua sendo aplicada para efeitos TRIBUTÁRIOS, e para isso deverá ser utilizado o sistema do RTT Regime Tributário de Transição, mediante ajustes efetuados no Lalur, na DIPJ e no Fcont. APLICAÇÃO DAS NORMAS DE CONVERGÊNCIA CONTABILIZAÇÃO COM BASE NA CONTABILIDADE NOVA 8-B.1) Venda à Vista de Unidades Concluídas Nas vendas à vista de unidades imobiliárias concluídas, as apurações e apropriações do custo, a apuração e o reconhecimento do lucro bruto deverão ser apuradas e reconhecidas no trimestre (apuração pelo lucro real trimestral), no ano (lucro real anual) em que se efetivar a venda, ou no período em curso, quando tratar-se de lucro real acumulado. Dados: Valor da venda do imóvel à vista: R$ ,00 Valor do Custo do Imóvel registrado no Estoque (AC): R$ ,00 a) Venda à vista do imóvel acabado D= Banco (Ativo Circulante) ,00 C= Receita Bruta de Venda de Imóveis (Resultado) ,00 (reconhecimento das receitas e custos por ocasião da venda, tendo em vista que a construção já está acabada, e que a transferência de riscos e benefícios já ocorreu de forma única) b) Apropriação do Custo do Imóvel Vendido D= Custo dos Imóveis Vendidos (Resultado) ,00 C= Imóveis de Venda (Ativo Circulante) ,00

5 c) Apuração de Resultado D= Receita Bruta de Venda de Imóveis (Resultado) ,00 C= Resultado do Exercício ,00 e D= Resultado do Exercício ,00 C= Custo dos Imóveis Vendidos (Resultado) ,00 5 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Receita Venda de imóveis ,00 (-) Custos dos Imóveis Vendidos ( ,00) Lucro do Exercício ,00 d) Transferência do Resultado para o Patrimônio Líquido D= Resultado do Exercício ,00 C=Lucros Acumulados (Patrimônio Liquido) ,00 8-B.2) Venda à Vista de Unidades Não Concluídas Nas vendas à vista de unidades imobiliárias não concluídas (vendas na planta ou durante a construção do imóvel), as apurações e apropriações do custo, a apuração e o reconhecimento do lucro bruto, deverão ser efetuadas e reconhecidas no trimestre (apuração pelo lucro real trimestral), no ano (lucro real anual) em que se efetivar a venda, ou no período em curso, quando tratar-se de lucro real acumulado, de acordo com a PROPORÇÃO DO CUSTO ACUMULADO em relação ao CUSTO ORÇADO. Dados: Empreendimento Imobiliário com 10 Unidades Imobiliárias (apartamentos) de mesmo padrão Custo Orçado para o Empreendimento Imobiliário: R$ ,00 Custo Orçado Rateado para uma Unidade Imobiliária: R$ ,00 Valor do Custo Incorrido do Imóvel por ocasião da Venda: R$ ,00 Valor da Venda do Imóvel: R$ ,00 a) Recebimento da Venda à vista D = Cx/Banco (Ativo Circulante) ,00 C = Receita Diferida por Venda de Imóveis (PNC Resultados Diferidos) ,00 b) Apropriação da ser reconhecida na contabilidade Cálculo da proporcionalidade dos custos incorridos em relação ao custo orçado total do empreendimento (reconhecimento das receitas e despesas à medida que a construção avança uma vez que a transferência de riscos e benefícios ocorre de forma contínua) D = Receita Diferida por Venda de Imóveis (PNC Resultados Diferidos) ,00 C = Receita Bruta de Venda de Imóveis (Resultado) ,00 Custo Incorrido Acumulado da Unidade Imobiliária até o Período Base (x) 100 (=) % de Realização da Receita Acumulado Custo Orçado Total da Unidade Imobiliária , (x) 100 (=) 70 % ,00 (=) Receita Bruta da venda (x) % de Realização da Receita Acumulado (=) ,00 (x) 70% (=) ,00

6 6 c) Apropriação do Custo da Unidade Imobiliária Vendida (custo incorrido) D= Custo dos Imóveis Vendidos (Resultado) ,00 C= Imóveis de Venda (Ativo Circulante) ,00 d) Reconhecimento da Receita final pela quitação D = Receita Diferida por Venda de Imóveis (PNC Resultados Diferidos) ,00 C = Receita Bruta de Venda de Imóveis (Resultado) ,00 ( , ,00) e) Apropriação do Custo do Imóvel Vendido D= Custo dos Imóveis Vendidos (Resultado) ,00 C= Imóveis de Venda (Ativo Circulante) ,00 ( , ,00) f) Apuração de resultado D = Resultado do Exercício ,00 C = Custo dos Imóveis Vendidos (CR) ,00 e D = Receita Bruta de Venda de Imóveis (CR) ,00 C = Resultado do Exercício ,00 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Receita Venda de imóveis ,00 (-) Custos dos imóveis vendidos ( ,00) Lucro do Exercício ,00 g) Transferência do Resultado para o Patrimônio Líquido D = Resultado do Exercício ,00 C = Lucros Acumulados (PL) ,00 8-B.3) Venda à Prazo de Unidade Concluída Nas vendas à prazo de unidades imobiliárias concluídas, as apurações e apropriações do custo, a apuração e o reconhecimento do lucro bruto deverão ser apuradas e reconhecidas no trimestre (apuração pelo lucro real trimestral), no ano (lucro real anual) em que se efetivar a venda, ou no período em curso, quando tratar-se de lucro real acumulado. Dados: Empreendimento Imobiliário com 10 unidades imobiliárias (apartamentos) de mesmo padrão Valor do Custo da Unidade Imobiliária Pronta Vendida: R$ ,00 Valor da Venda do Imóvel: R$ ,00 Forma do recebimento: Entrada: R$ ,00 05 Prestações Mensais: R$ ,00 cada a) Reconhecimento da Venda à Prazo da Unidade Imobiliária Pronta D = Clientes por Venda de Imóveis (Ativo Circulante) ,00 C = Receita Bruta de Venda de Imóveis (Resultado) ,00 b) Reconhecimento do Valor recebido de Entrada D = Cx/Banco (Ativo Circulante) ,00 C = Clientes por Venda de Imóveis (Ativo Circulante) ,00 c) Apropriação do Custo do Imóvel Vendido D= Custo dos Imóveis Vendidos (Resultado) ,00 C= Imóveis de Venda (Ativo Circulante) ,00

7 7 d) Reconhecimento dos Valores recebidos por ocasião de cada Prestação mensal D = Cx/Banco (Ativo Circulante) ,00 C = Clientes por Venda de Imóveis (Ativo Circulante) ,00 8-B.4) Venda à Prazo de Unidade Concluída Com Correção Monetária prevista no Contrato Nas vendas à prazo de unidades imobiliárias concluídas, com previsão contratual de correção das mensalidades a receber, as apurações e apropriações do custo, a apuração e o reconhecimento do lucro bruto deverão ser apuradas e reconhecidas no trimestre (apuração pelo lucro real trimestral), no ano (lucro real anual) em que se efetivar a venda, ou no período em curso, quando tratar-se de lucro real acumulado. Dados: Empreendimento Imobiliário com 10 unidades imobiliárias (apartamentos) de mesmo padrão Valor do Custo da Unidade Imobiliária Pronta Vendida: R$ ,00 Valor da venda do imóvel: R$ ,00 Forma do recebimento: Entrada: R$ ,00 05 Prestações Mensais: R$ ,00 Correção Monetária das Prestações com base INCC INCC (FGV) - ÍNDICE NACIONAL DE CUSTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2012 MÊS % MÊS ANO JAN 0,89 0,89 FEV 0,30 1,19 MAR 0,51 1,70 ABR 0,75 2,47 MAI 1,88 4,39 JUN 0,73 5,16 JUL 0,67 5,86 AGO 0,26 6,14 SET 0,22 6,37 OUT NOV DEZ a) Reconhecimento da Venda à Prazo da Unidade Imobiliária Pronta D = Clientes por Venda de Imóveis (Ativo Circulante) ,00 C = Receita Bruta de Venda de Imóveis (Resultado) ,00 b) Reconhecimento do Valor recebido de Entrada D = Cx/Banco (Ativo Circulante) ,00 C = Clientes por Venda de Imóveis (Ativo Circulante) ,00 c) Apropriação do Custo do Imóvel Vendido D= Custo dos Imóveis Vendidos (Resultado) ,00 C= Imóveis de Venda (Ativo Circulante) ,00 d) Reconhecimento da Variação do INCC sobre o saldo da Conta Clientes por Venda de Imóveis no 1º mês (obediência ao regime de competência) R$ ,00 (x) 0,89% (=) R$ 890,00 D = Clientes por Venda de Imóveis - INCC (Ativo Circulante) 890,00 C = Variação Monetária Ativa Venda de Imóveis (Resultado) 890,00

8 e) Mensalidade recebida (1ª prestação) com a variação do INCC R$ ,00 (x) 1,0089 (=) R$ ,00 D = Cx/Banco (Ativo Circulante) ,00 C = Clientes por Venda de Imóveis (Ativo Circulante) ,00 C = Clientes por Venda de Imóveis - INCC (Ativo Circulante) 178, B.5) Venda à Prazo de Unidade Não Concluída Nas vendas à prazo de unidades imobiliárias não concluídas (vendas na planta ou durante a construção do imóvel), as apurações e apropriações do custo, a apuração e o reconhecimento do lucro bruto deverão ser efetuadas e reconhecidas no trimestre (apuração pelo lucro real trimestral), no ano (lucro real anual) em que se efetivar a venda, ou no período em curso, quando tratar-se de lucro real acumulado, de acordo com a PROPORÇÃO DO CUSTO ACUMULADO em relação ao CUSTO ORÇADO. Dados: Empreendimento Imobiliário com 10 unidades imobiliárias (apartamentos) de mesmo padrão Custo Orçado para o Empreendimento Imobiliário: R$ ,00 Custo Orçado para o Imóvel: R$ ,00 Valor do Custo Incorrido do Imóvel por ocasião da venda: R$ ,00 Valor da venda do imóvel: R$ ,00 Forma do recebimento: Entrada: R$ ,00 05 Prestações Mensais: R$ ,00 a) Reconhecimento do Recebimento da Entrada da Venda à Prazo D = Cx/Banco (Ativo Circulante) ,00 C = Receita Diferida por Venda de Imóveis (PNC Resultados Diferidos) ,00 b) Apropriação do Custo da Unidade Imobiliária Vendida (custo incorrido) D= Custo dos Imóveis Vendidos (Resultado) ,00 C= Imóveis de Venda (Ativo Circulante) ,00 c) Apropriação da ser reconhecida na contabilidade Cálculo da proporcionalidade dos custos incorridos em relação ao custo orçado total da unidade imobiliária (reconhecimento das receitas e despesas à medida que a construção avança uma vez que a transferência de riscos e benefícios ocorre de forma contínua) Custo Incorrido Acumulado da Unidade Imobiliária até o Período Base (x) 100 (=) % de Realização da Receita Acumulado Custo Orçado Total da Unidade Imobiliária , (x) 100 (=) 70 % ,00 (=) Receita Bruta da venda (x) % de Realização da Receita Acumulado (=) ,00 (x) 70% (=) ,00 D = Receita Diferida por Venda de Imóveis (PNC Resultados Diferidos) ,00 D = Clientes por Venda de Imóveis (Ativo Circulante) ,00 C = Receita Bruta de Venda de Imóveis (Resultado) ,00

9 9 d) Reconhecimento da Receita final pela quitação (mês a mês) Reconhecimento dos Recebimentos da Venda à Prazo (05 Prestações Mensais de R$ ,00) D = Cx/Banco (Ativo Circulante) ,00 C = Clientes por Venda de Imóveis (Ativo Circulante) ,00 C = Receita Diferida por Venda de Imóveis (PNC Resultados Diferidos) ,00 D = Receita Diferida por Venda de Imóveis (PNC Resultados Diferidos) ,00 C = Receita Bruta de Venda de Imóveis (Resultado) ,00 ( , ,00) e) Apropriação do Custo do Imóvel Vendido D = Custo dos Imóveis Vendidos (Resultado) ,00 C = Imóveis de Venda (Ativo Circulante) ,00 ( , ,00) f) Apuração de resultado D = Resultado do Exercício ,00 C = Custo do imóvel vendido (CR) ,00 e D = Receita com vendas de imóvel (CR) ,00 C = Resultado do Exercício ,00 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Receita Venda de imóveis ,00 (-) Custos dos imóveis vendidos ( ,00) Lucro do Exercício ,00 g) Transferência do Resultado para o Patrimônio Líquido D = Resultado do Exercício ,00 C = Lucros Acumulados (PL) ,00 8-B.6) Venda à Prazo de Unidade Não Concluída Com Correção Monetária prevista no Contrato Nas vendas à prazo de unidades imobiliárias não concluídas (vendas na planta ou durante a construção do imóvel), com previsão contratual de correção das mensalidades a receber, as apurações e apropriações do custo, a apuração e o reconhecimento do lucro bruto deverão ser efetuadas e reconhecidas no trimestre (apuração pelo lucro real trimestral), no ano (lucro real anual) em que se efetivar a venda, ou no período em curso, quando tratar-se de lucro real acumulado, de acordo com a PROPORÇÃO DO CUSTO ACUMULADO em relação ao CUSTO ORÇADO. Dados: Empreendimento Imobiliário com 10 unidades imobiliárias (apartamentos) de mesmo padrão Custo Orçado para o Empreendimento Imobiliário: R$ ,00 Custo Orçado para o Imóvel (unidade imobiliária): R$ ,00 Custo Incorrido do Imóvel na data da venda: R$ ,00 (reconhecido) Custo Incorrido do Imóvel acumulado na 1ª prestação: R$ ,00 Valor da venda do imóvel: R$ ,00 Forma do recebimento: Entrada: R$ ,00 05 Prestações Mensais: R$ ,00 Correção Monetária das Prestações com base INCC

10 INCC (FGV) - ÍNDICE NACIONAL DE CUSTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL 2012 MÊS % MÊS ANO JAN 0,89 0,89 FEV 0,30 1,19 MAR 0,51 1,70 ABR 0,75 2,47 MAI 1,88 4,39 JUN 0,73 5,16 JUL 0,67 5,86 AGO 0,26 6,14 SET 0,22 6,37 OUT NOV DEZ 10 a) Reconhecimento do Recebimento da Entrada da Venda à Prazo D = Cx/Banco (Ativo Circulante) ,00 C = Receita Diferida por Venda de Imóveis (PNC Resultados Diferidos) ,00 b) Apropriação do Custo do Imóvel Vendido D= Custo dos Imóveis Vendidos (Resultado) ,00 C= Imóveis de Venda (Ativo Circulante) ,00 c) Apropriação da ser reconhecida na contabilidade Cálculo da proporcionalidade dos custos incorridos em relação ao custo orçado total da unidade imobiliária (reconhecimento das receitas e despesas à medida que a construção avança uma vez que a transferência de riscos e benefícios ocorre de forma contínua) Custo Incorrido Acumulado da Unidade Imobiliária até o Período Base (x) 100 (=) % de Realização da Receita Acumulado Custo Orçado Total da Unidade Imobiliária , (x) 100 (=) 70 % ,00 (=) Receita Bruta da venda (x) % de Realização da Receita Acumulado (=) ,00 (x) 70% (=) ,00 D = Receita Diferida por Venda de Imóveis (PNC Resultados Diferidos) ,00 D = Clientes por Venda de Imóveis (Ativo Circulante) ,00 C = Receita Bruta de Venda de Imóveis (Resultado) ,00 d) Mensalidade recebida (1ª prestação) com a variação do INCC R$ ,00 (x) 1,0089 (=) R$ ,00 D = Cx/Banco (Ativo Circulante) ,00 C = Clientes por Venda de Imóveis (Ativo Circulante) ,00 C = Variação Monetária Ativa Venda de Imóveis (Resultado) 178,00 e) Apropriação do Custo do Imóvel Vendido D= Imóveis de Venda (Ativo Circulante) ,00 C = Cx/Banco (Ativo Circulante) ,00 D= Custo dos Imóveis Vendidos (Resultado) ,00 C= Imóveis de Venda (Ativo Circulante) ,00

11 11 f) Apropriação da ser reconhecida na contabilidade Cálculo da proporcionalidade dos custos incorridos em relação ao custo orçado total da unidade imobiliária (reconhecimento das receitas e despesas à medida que a construção avança uma vez que a transferência de riscos e benefícios ocorre de forma contínua) Custo Incorrido Acumulado da Unidade Imobiliária até o Período Base (x) 100 (=) % de Realização da Receita Acumulado Custo Orçado Total da Unidade Imobiliária , (x) 100 (=) 80 % ,00 (=) Receita Bruta da venda (x) % de Realização da Receita Acumulado (=) ,00 (x) 80% (=) ,00 (-) ,00 (=) ,00 D = Clientes por Venda de Imóveis (Ativo Circulante) ,00 C = Receita Bruta de Venda de Imóveis (Resultado) ,00 g) Mensalidade recebida (2ª prestação) com a variação do INCC R$ ,00 (x) 1,0119 (=) R$ ,00 D = Cx/Banco (Ativo Circulante) ,00 C = Clientes por Venda de Imóveis (Ativo Circulante) ,00 C = Variação Monetária Ativa Venda de Imóveis (Resultado) 238,00 8.1) VENDA À VISTA (conforme a IN SRF 84 de 1979 Regras Tributária) (VIGÊNCIA CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA ATÉ 2009) (REGRA TRIBUTÁRIA DO RTT - TRANSIÇÃO A PARTIR DE 2010) A Instrução Normativa SRF 84 de 1979 deverá ser aplicada para os efeitos contábeis e tributários até o período contábil (ano-calendário) de 2009 e a partir de 2010 permanecerá sendo aplicada somente para efeitos tributários, e para isso deverá ser utilizado o sistema do RTT Regime Tributário de Transição, mediante ajustes efetuados no Lalur, na DIPJ e no Fcont ) Venda à Vista de Unidades Concluídas (item 11 da IN SRF 84/79) I) Nas vendas à vista de unidades imobiliárias concluídas, o lucro bruto deverá ser apurado e reconhecido no trimestre (apuração pelo lucro real trimestral), no ano (lucro real anual) em que se efetivar a venda, ou no período em curso, quando tratar-se de lucro real acumulado ) Venda à Vista de Unidades Não Concluídas (item12 da IN SRF 84/79) I) Venda à vista de unidades não concluídas, com utilização de CUSTO PAGO, CUSTO INCORRIDO E CUSTO CONTRATADO (item12 da IN SRF 84/79). II- Venda à vista de unidade não concluída, com utilização de CUSTO PAGO, CUSTO INCORRIDO, CUSTO CONTRATADO E CUSTO ORÇADO (item 12.2 da IN SRF 84/79) 8.2) VENDA À PRAZO (conforme a IN SRF 84 de 1979 Regra Tributária) 8.2.1) Venda a prazo de unidade imobiliária concluída (item 13 INSRF 84/79) I - Na venda à prazo ou a prestação de unidade imobiliária concluída, com pagamento total contratado para o curso do período-base da venda (ano-calendário da venda), o lucro bruto será apurado e reconhecido no resultado do exercício social, na data em que se efetivar a transação (item 13.1 da IN SRF 84/79). (idem Venda à Vista de Unidades Concluídas)

12 12 II - Na venda a prazo ou prestação de unidade concluída, com pagamento restante ou pagamento total contratado para depois do período-base da venda (depois do ano-calendário da venda), o lucro bruto poderá, para efeito determinar o lucro real, ser reconhecido nas contas de resultados de cada exercício social proporcionalmente à receita de venda recebida, observadas as seguintes regras (item 13.2 da IN SRF 84/79): 8.2.2) Venda a Prazo ou Prestação de Unidade Não Concluída (item 14 IN SRF 84/79) I - Venda a prazo ou a Prestação de Unidade não concluída, com pagamento total contratado para o curso do período-base da venda (ano-calendário da venda), sem utilização do custo orçado (item 14.1 da IN SRF 84/79) II - Venda a prazo ou a Prestação de Unidade não concluída, com pagamento total contratado para o curso do período-base da venda (ano-calendário da venda), com utilização do CUSTO ORÇADO (item 14.1 da IN SRF 84/79). III - Venda a prazo ou a prestação de Unidade não concluída, com pagamento restante ou total contratado para depois do período-base da venda (ano-calendário), sem a utilização do custo orçado (item 14.3 da IN SRF 84/79). IV - Venda a prazo ou a prestação de unidade não concluída, com pagamento restante ou total contratado para depois do período-base de venda (ano-calendário da venda) com utilização do Custo Orçado e reconhecimento do lucro bruto proporcional a receita de venda recebida (item 14.4 IN SRF 84/79).

I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização;

I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização; 3 FORMAÇÃO DO CUSTO O custo dos imóveis vendidos compreenderá obrigatoriamente: I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização;

Leia mais

Entidades de Incorporação Imobiliária. ria- Tratamento contábil e fiscal das transações com unidades imobiliárias.

Entidades de Incorporação Imobiliária. ria- Tratamento contábil e fiscal das transações com unidades imobiliárias. Entidades de Incorporação Imobiliária ria- Tratamento contábil e fiscal das transações com unidades imobiliárias Agenda Atividades de compra e venda, loteamento, incorporação e construção de imóveis 1.Formação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 23, de 25.03.83.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 23, de 25.03.83. INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 23, de 25.03.83. Altera normas para a apuração e tributação do lucro nas atividades de compra e venda, loteamento, incorporação e construção de imóveis estabelecidas pela Instrução

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

12 PLANILHAS DE CUSTO E DIFERIMENTO PARA EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL.

12 PLANILHAS DE CUSTO E DIFERIMENTO PARA EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. 12 PLANILHAS DE CUSTO E DIFERIMENTO PARA EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. I Introdução 1 Comentários Gerais As planilhas a seguir descritas foram desenvolvidas com base na legislação aplicável às empresas

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

Adoção Inicial dos arts. 1º a 70 da Lei 12.973/2014. Lei 12.973/14 e IN RFB 1.515/14

Adoção Inicial dos arts. 1º a 70 da Lei 12.973/2014. Lei 12.973/14 e IN RFB 1.515/14 Adoção Inicial dos arts. 1º a 70 da Lei 12.973/2014 Adoção Inicial dos arts. 1º a 70 da Lei 12.973/2014 Lei 12.973/14 e IN RFB 1.515/14 Lei nº 12.973/2014 arts. 64 a 70 Adoção Inicial => procedimentos

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Fevereiro de 2015 CONTA Seção 5. Anexos Seção 5.1. Planos de Contas Referenciais Seção 5.1.1. Lucro Real Seção 5.1.1.1. Contas Patrimoniais Seção 5.1.1.1.1. L100A - PJ em Geral Código: Chave da linha. Ordem: Ordem de apresentação

Leia mais

Lei 12.973/2014 Receita Bruta

Lei 12.973/2014 Receita Bruta Lei 12.973/2014 Lei 12.973/2014 Receita Bruta Receita Bruta Produto da venda de bens Receita Bruta (art. 12, DL nº 1.598/1977) Preço da prestação de serviços Resultado auferido nas operações de conta alheia

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Martelene Carvalhaes

TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Martelene Carvalhaes TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL Martelene Carvalhaes GESTÃO DE RISCOS O mercado de empreendimentos imobiliários é onde as empresas operam com maior nível de riscos devido às particularidades

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14. O que foi alterado na apuração do IRPJ?

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14. O que foi alterado na apuração do IRPJ? III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF LEI 12.973/14 O que foi alterado na apuração do IRPJ? Alberto Pinto DL 1598/77 LEI 12.973/14 Alterações Art 6º - Lucro real é o

Leia mais

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL 1) Contratos de Curto Prazo 1.1) Definição Contratos de curto prazo são aqueles cuja construção total ou cada unidade da construção deva ser produzida em prazo

Leia mais

SEMINÁRIO ABRASCA A NOVA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA (LEI 12.973/14) AJUSTE A VALOR JUSTO E AJUSTE A VALOR PRESENTE

SEMINÁRIO ABRASCA A NOVA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA (LEI 12.973/14) AJUSTE A VALOR JUSTO E AJUSTE A VALOR PRESENTE SEMINÁRIO ABRASCA A NOVA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA (LEI 12.973/14) AJUSTE A VALOR JUSTO E AJUSTE A VALOR PRESENTE Considerações gerais Tratamento tributário e suas restrições Ajuste a Valor Presente AVP Ajuste

Leia mais

IN RFB 1.515/14. Controle em subcontas distintas de que trata a Lei 12.973/14

IN RFB 1.515/14. Controle em subcontas distintas de que trata a Lei 12.973/14 IN RFB 1.515/14 Controle em subcontas distintas de que trata a Lei 12.973/14 Consultor: Márcio Tonelli tt.consultoria.sped@gmail.com 1 ADOÇÃO INICIAL Opção pelo fim do RTT em 2014 (ir)retratável => 1499/14

Leia mais

Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo

Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo Medida Provisória 627/13 Giancarlo Matarazzo 2 de Dezembro de 2013 1 Evolução Histórica Introdução no Brasil de regras contábeis compatíveis com os padrões internacionais de contabilidade IFRS Essência

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14

Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 Principais Aspectos da Regulação da Lei 12.973/14 pela IN 1.515/14 Julio Chamarelli Sócio de Consultoria Tributária da KPMG jcepeda@kpmg.com.br Sergio André Rocha Professor Adjunto de Direito Financeiro

Leia mais

Ajuste a Valor Presente e Ajuste a Valor Justo

Ajuste a Valor Presente e Ajuste a Valor Justo Ajuste a Valor Presente e Ajuste a Valor Justo Roberto Haddad Ajuste a Valor Presente (AVP) Ativo decorrente de operações de longo prazo (Art. 3º) Os valores decorrentes do ajuste a valor presente, do

Leia mais

E-LALUR e a extinção do Regime Tributário de Transição (RTT)

E-LALUR e a extinção do Regime Tributário de Transição (RTT) E-LALUR e a extinção do Regime Tributário de Transição (RTT) Setembro de 2012 Celso Pompeu Alcantara 1 Regime Tributário de Transição (RTT) Durante 2011/2012, ouvimos discussões sobre 4 diferentes cenários:

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 949, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (DOU DE 17.06.09)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 949, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (DOU DE 17.06.09) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 949, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (DOU DE 17.06.09) Regulamenta o Regime Tributário de Transição (RTT), institui o Controle Fiscal Contábil de Transição (FCONT) e dá outras providências.

Leia mais

Operações de Combinações de Negócios e Ágio

Operações de Combinações de Negócios e Ágio Operações de Combinações de Negócios e Ágio Tema: Operações de Combinações de Negócios e Ágio (Participações em Coligadas e Controladas ) Fonte: IN RFB Nº 1.515/14 Desdobramento do Custo de Aquisição com

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014.

Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014. Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014. Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis para registro dos Ajustes de Avaliação Patrimonial, objeto da Resolução CFC

Leia mais

IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS

IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS IMPORTAÇÃO DE MERCADORIAS E MATÉRIAS-PRIMAS De acordo com o princípio contábil do custo como base de valor, o custo de aquisição de um ativo ou dos insumos necessários para fabricá-lo e colocá-lo em condições

Leia mais

ATIVIDADE IMOBILIÁRIA - VENDAS A PRAZO Registros Contábeis

ATIVIDADE IMOBILIÁRIA - VENDAS A PRAZO Registros Contábeis ATIVIDADE IMOBILIÁRIA - VENDAS A PRAZO Registros Contábeis Sumário 1. Introdução 2. Venda a Prazo de Unidades Imobiliárias Concluídas 3. Venda a Prazo ou à Prestação de Unidade Não Concluída Com Vencimento

Leia mais

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED O que é ECF Escrituração Contábil Fiscal? Demonstra o cálculo do IRPJ e da CSLL Sucessora da DIPJ Faz parte do projeto SPED Instituída pela Instrução Normativa RFB 1.422/2013

Leia mais

MARAFON & FRAGOSO ADVOGADOS. pmarafon@marafonadvogados.com.br Fone 11 3889 22 84

MARAFON & FRAGOSO ADVOGADOS. pmarafon@marafonadvogados.com.br Fone 11 3889 22 84 MARAFON & FRAGOSO ADVOGADOS pmarafon@marafonadvogados.com.br Fone 11 3889 22 84 NOVO TRATAMENTO DO ÁGIO/DESÁGIO ARTIGO 20 O CONTRIBUINTE QUE AVALIAR INVESTIMENTO PELO VALOR DE PATRIMÔNIO LÍQUIDO DEVERÁ,

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Venda à Vista de Unidades Imobiliárias

ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Venda à Vista de Unidades Imobiliárias ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Venda à Vista de Unidades Imobiliárias Sumário 1. Introdução 2. Venda à Vista de Unidade Concluída 3. Venda à Vista de Unidade Não Concluída Sem Utilização do Custo Orçado 4. Venda

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

12 MAPAS/PLANILHAS DE CUSTO E DIFERIMENTO PARA EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL.

12 MAPAS/PLANILHAS DE CUSTO E DIFERIMENTO PARA EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. 12 MAPAS/PLANILHAS DE CUSTO E DIFERIMENTO PARA EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. I Introdução 1 Comentários Gerais As planilhas a seguir descritas foram desenvolvidos com base na legislação aplicável às empresas

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002

INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002 INTERPRETAÇÃO DA RESOLUÇÃO CFC No. 1.409/12 ITG 2002 NO CONTEXTO OPERACIONAL DEVE TER OS REQUISITOS QUE ENQUADRAM A ENTIDADE COMO SEM FINS LUCRATIVOS: A) pessoas jurídicas de direito privado sem finalidade

Leia mais

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS)

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) Miguel Silva RTD REGIME TRIBUTÁRIO DEFINITIVO (Vigência e Opção pela Antecipação de seus Efeitos) 1 Para efeito de determinação do IRPJ, CSLL, PIS-PASEP e

Leia mais

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento TAX ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento Ativo diferido de imposto de renda da pessoa jurídica e de contribuição social sobre o lucro líquido aspectos fiscais e contábeis Outubro de 2014 1. Noções

Leia mais

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios. 1 Sistema Cumulativo Pessoa Jurídica tributada pelo

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LUCRO PRESUMIDO (COM RESTRIÇÕES) LUCRO REAL SIMPLES NACIONAL (COM RESTRIÇÕES) LEI nº 9.716/98 Artigo 5º As pessoas jurídicas que tenham como objeto

Leia mais

PERMUTA DE IMÓVEIS CONCEITO

PERMUTA DE IMÓVEIS CONCEITO PERMUTA DE IMÓVEIS CONCEITO Considera-se permuta toda e qualquer operação que tenha por objeto a troca de uma ou mais unidades imobiliárias, prontas ou a construir, por outra ou outras unidades imobiliárias,

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ATIVO IMOBILIZADO Considerações Gerais Sumário 1. Conceito 2. Classificação Contábil Das Contas do Ativo Imobilizado 3. Imobilizado em Operação 3.1 - Terrenos 3.2 - Edificações 3.3 - Instalações 3.4 -

Leia mais

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 12 Ajuste a Valor Presente. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC CPC 12 Ajuste a Valor Presente. Estabelece a obrigatoriedade do ajuste a valor presente nos realizáveis e exigíveis a longo prazo e, no caso de efeito relevante,

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014

Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014 1 Instrução Normativa RFB nº 1.515/2014 Alterações na Legislação do IRPJ, CSLL, PIS, COFINS e Extinção do RTT Junho/2015 2 1. Introdução à IN RFB nº 1.515/2014 Dispõe sobre a determinação e o pagamento

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL SIMPLIFICADA PARA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE ORIENTAÇÕES RECEBIDAS DO FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE,

Leia mais

CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1. Breve comentário sobre o plano de contas

CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1. Breve comentário sobre o plano de contas CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1. Breve comentário sobre o plano de contas A contabilidade das empresas que tem como objeto social a atividade imobiliária, ou seja, a construção de unidades imobiliárias

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

LEI 12.973/2014 PRINCIPAIS IMPACTOS PRÁTICOS. Palestrante Luciano Perrone

LEI 12.973/2014 PRINCIPAIS IMPACTOS PRÁTICOS. Palestrante Luciano Perrone LEI 12.973/2014 PRINCIPAIS IMPACTOS PRÁTICOS Palestrante Luciano Perrone Você bem preparado para o futuro da profissão. SINDCONT-SP Lei 12.973/14 - CEPAEC; Planejamento 'SINDCONT-SP - Comunicação - Fernanda

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

CIRCULAR N 2.722 DECIDIU:

CIRCULAR N 2.722 DECIDIU: CIRCULAR N 2.722 Estabelece condições para remessa de juros a titular, sócios ou acionistas estrangeiros, a título de remuneração do capital próprio, calculado sobre as contas do patrimônio líquido, bem

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 214 - Data 21 de julho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS. REGIME

Leia mais

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês;

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês; Créditos Dos valores de Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins apurados, a pessoa jurídica submetida à incidência não-cumulativa poderá descontar créditos, calculados mediante a aplicação das alíquotas

Leia mais

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Page 1 of 14 IRPJ - REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS A Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8 º, admite a possibilidade de se avaliarem os ativos

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas 24/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1

Leia mais

Uma crônica de uma profissional da área Contábil/Tributária por Terezinha Massambani - Consultora Tributária do Cenofisco

Uma crônica de uma profissional da área Contábil/Tributária por Terezinha Massambani - Consultora Tributária do Cenofisco Medida Provisória 627 e o fim do RTT: R-Evolução? Uma crônica de uma profissional da área Contábil/Tributária por Terezinha Massambani - Consultora Tributária do Cenofisco Atualmente, nós, profissionais

Leia mais

Art. 2º Fica suspenso o pagamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a receita bruta da venda, no mercado interno, de:

Art. 2º Fica suspenso o pagamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a receita bruta da venda, no mercado interno, de: Nº 240, quarta-feira, 16 de dezembro de 2009 1 ISSN 1677-7042 87 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 977, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a suspensão da exigibilidade

Leia mais

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Page 1 Da base de tributação Page 2 Alteração do art. 3º da Lei nº 9.718/98 Art. 52 A Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, passa a vigorar com as seguintes

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Ágio Contábil e Fiscal Aspectos Relevantes e Polêmicos

Ágio Contábil e Fiscal Aspectos Relevantes e Polêmicos Ágio Contábil e Fiscal Aspectos Relevantes e Polêmicos Ricardo Antonio Carvalho Barbosa DRJ/Fortaleza/CE Receita Federal do Brasil 13/11/12 1 Ágio: Decreto-Lei nº 1.598/77 CPC 15 e 18 a) Ágio ou deságio

Leia mais

MODELO DE PLANO DE CONTAS

MODELO DE PLANO DE CONTAS 26 MODELO DE PLANO DE CONTAS SINTÉTICA ANALÍTICA TÍTULO 1 ATIVO 1.1 CIRCULANTE 1.1.1 DISPONÍVEL 1.1.1.1 Caixa 1.1.1.2 Bancos Conta Movimento 1.1.1.3 Aplicações de Liquidez Imediata 1.1.2 CRÉDITOS DE VENDAS

Leia mais

EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL

EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD PIS COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo trazer considerações relevantes quanto a dados inerentes à Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de 17/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Tributação do Setor Imobiliário. Ricardo Lacaz Martins

Tributação do Setor Imobiliário. Ricardo Lacaz Martins Tributação do Setor Imobiliário Ricardo Lacaz Martins Abril de 2014 Visão Geral do Mercado Imobiliário Atividades Base legal Incorporação imobiliária Lei nº 4.591/64 Loteamento Lei nº 6.766/79 Compra e

Leia mais

Critérios de Avaliação do Ativo Investimentos

Critérios de Avaliação do Ativo Investimentos Critérios de Avaliação do Ativo Investimentos 10.1 - Conceitos Norma da lei societária: III os investimentos em participação no capital social de outras sociedades, ressalvado o disposto nos artigos 248

Leia mais

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015

Fiscal - ECF. Me. Fábio Luiz de Carvalho. Varginha-MG, 31.julho.2015 Escrituração Contábil Fiscal - ECF Me. Fábio Luiz de Carvalho Varginha-MG, 31.julho.2015 Causa & Efeito A Lei n. 11.638/07 combinada com os Pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT TributAção Novembro de 2013 Edição Extraordinária MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT Passados quase cinco anos da convergência das regras contábeis brasileiras ao padrão internacional contábil

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO LUCRO PRESUMIDO 1. PESSOAS JURÍDICAS QUE PODEM OPTAR A partir do ano-calendário de 2003, poderão optar pelo lucro presumido as pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas ao lucro real, e tenham auferido,

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Capitulo VI IRPJ - Lucro Real 2014

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Capitulo VI IRPJ - Lucro Real 2014 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Capitulo VI IRPJ - Lucro Real 2014 001 O que se entende por lucro real e lucro tributável? Para fins da legislação do imposto de renda, a expressão lucro real significa

Leia mais

IRPJ/CSL/PIS-PASEP/COFINS

IRPJ/CSL/PIS-PASEP/COFINS Imposto de Renda e Legislação Societária Anexo à 2 a Semana de Julho/2006 IRPJ/CSL/PIS-PASEP/COFINS Atividades imobiliárias - Compra e venda, loteamento, incorporação e construção de imóveis Suplemento

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino Simples Nacional Seminário de Direito Tributário Assunto: PGDAS Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino 1 CÁLCULO E PGDAS Conceitos Básicos para Cálculo Regime de Tributação: Competência e Caixa Segregação

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 265 - Data 26 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO BENEFÍCIOS FISCAIS. PROGRAMA

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD) 1 Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrações Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa e Reflexos na Escrituração Contábil Digital (ECD) 04/06/2014. Contábeis por Tipo e Tamanho de Empresa 1

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Brasília-DF Dezembro/2012 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Processo CFC n.º 2012/000258

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Parecer Normativo nº 1 de 29 de julho de 2011. DOU de 9.8.2011

Parecer Normativo nº 1 de 29 de julho de 2011. DOU de 9.8.2011 Parecer Normativo nº 1 de 29 de julho de 2011 DOU de 9.8.2011 As diferenças no cálculo da depreciação de bens do ativo imobilizado decorrentes do disposto no 3º do art. 183 da Lei nº 6.404, de 1976, com

Leia mais

1. O que é ECF? 2. Obrigatoriedade; 3. Prazo de Entrega; 4. Informações e Estrutura; 5. Penalidades; 6. Considerações Finais.

1. O que é ECF? 2. Obrigatoriedade; 3. Prazo de Entrega; 4. Informações e Estrutura; 5. Penalidades; 6. Considerações Finais. ECF Escrituração Contábil Fiscal Aspectos gerais. Por: Luana Romaniuk. Em junho de 2015. SUMÁRIO 1. O que é ECF? 2. Obrigatoriedade; 3. Prazo de Entrega; 4. Informações e Estrutura; 5. Penalidades; 6.

Leia mais

ECF Considerações Iniciais

ECF Considerações Iniciais Outubro de 2014 ECF Considerações Iniciais A ECF é mais um dos projetos da RFB que integrará o SPED (Disciplinada pela Instrução Normativa RFB 1.422/2013). O layout da ECF pode ser encontrado no website

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA Alterações MANUAL DO SISTEMA DE APURAÇÃO DO ICMS RELATIVO AO CUSTO DAS SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS

NOTA EXPLICATIVA Alterações MANUAL DO SISTEMA DE APURAÇÃO DO ICMS RELATIVO AO CUSTO DAS SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS NOTA EXPLICATIVA Alterações MANUAL DO SISTEMA DE APURAÇÃO DO ICMS RELATIVO AO CUSTO DAS SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS Versão 1.0.0.2 - Setembro 2009 Foram realizadas alterações no Sistema,

Leia mais

4.2.2 VENDA À VISTA DE UNIDADE NÃO CONCLUÍDA SEM UTILIZAÇÃO DO CUSTO ORÇADO

4.2.2 VENDA À VISTA DE UNIDADE NÃO CONCLUÍDA SEM UTILIZAÇÃO DO CUSTO ORÇADO 4 RECEITA DE VENDAS 41 EFETIVAÇÃO OU REALIZAÇÃO A venda de unidades imobiliárias considera se efetivada ou realizada quando contratada a operação de compra e venda, ainda que mediante instrumento de promessa,

Leia mais

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 011/2010 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 011/2010 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 011/2010 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 5 1 - DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa de consultoria tributária para rotinas de apuração de IRPJ/CSLL, PIS/COFINS, bem

Leia mais