Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios"

Transcrição

1 Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios Patrícia Barbosa Investigadora Escola nacional de Saúde Pública, Universidade Nova de Lisboa; Colaboradora do Observatório Português dos Sistemas de Saúde Vítor Ramos Médico de Família; Docente Escola nacional de Saúde Pública, Universidade Nova de Lisboa Ana Escoval Coordenadora do Observatório Português dos Sistemas de Saúde; Docente Escola nacional de Saúde Pública, Universidade Nova de Lisboa Marcos estruturantes A história da atenção primária em Portugal, tem 42 anos e um conjunto de marcos estruturantes. Em 1971 foram criados os primeiros centros de saúde (Decreto-Lei 413/71), com atividades preventivas, de promoção da saúde e de saúde pública. Em 1979 foi criado um Serviço Nacional de Saúde (SNS) universal, geral e gratuito para garantir o direito à protecção da saúde a todos os cidadãos. A partir de 1983, os centros de saúde integraram cuidados personalizados e a medicina de família. Entre 1982 e 1988 foram colocados cerca de 6000 jovens médicos nestes centros e cada cidadão passou a ter ligação personalizada ao seu médico de família (Despacho normativo 97/83 - centros de saúde, ditos de segunda geração ). O enquadramento organizativo era, então, pouco favorável à prática de uma medicina centrada na pessoa e na família. Os centros de saúde não tinham capacidade de gestão e eram controlados à distância por órgãos burocráticos, com problemas de funcionamento. Tudo isto contribuía para a insatisfação dos utentes e dos profissionais. Entre 1996 e 1999 foram feitas experiências de inovação organizativa tais como: os Projetos Alfa, baseados na auto-organização em equipas; os grupos RRE (Decreto-Lei nº 117/98 - regime remuneratório experimental), iniciando um modelo retributivo misto dos médicos de família, com uma componente associada ao desempenho; o projecto Tubo de Ensaio em que um centro de saúde, abrangendo pessoas, passou a ser gerido autonomamente, por contrato entre o SNS e a Faculdade de Medicina do Porto. Em 1999 houve uma tentativa para reorganizar todos os centros de saúde em pequenas equipas multiprofissionais, passando os centros de saúde a ter autonomia de gestão. Esta tentativa ficou conhecida por centros de saúde de 3ª geração (Decreto-lei nº 157/99). Porém, surgiram diversos 1

2 obstáculos à sua concretização, quer a partir de alguns sectores do Governo quer, sobretudo, no aparelho burocrático da administração pública tradicional. Entre 2000 e 2004 viveu-se um período de contradições e de estagnação da mudança iniciada. Em 2005, um Grupo Técnico nomeado pelo novo Ministro da Saúde fez um balanço das lições aprendidas e delineou uma estratégia para relançar a mudança planeada em Esta estratégia assentou em três vertentes: a) Constituição, em 2005, de uma Missão para os Cuidados de Saúde Primários (MCSP), enquanto liderança nacional, externa ao aparelho burocrático da administração, mas com poder para o influenciar; b) Estímulo e apoio à constituição voluntária de equipas multiprofissionais auto-organizadas (20 a 25 elementos, em média), capazes de mobilizar e de potenciar o brio, a criatividade e a capacidade empreendedora dos profissionais mais ousados e desejosos da mudança foram as unidades de saúde familiar (USF); c) Responsabilização destas equipas por objectivos contratualizados de desempenho, com monitorização e avaliação, assegurando-lhes proteção política, legislativa e administrativa face aos obstáculos identificados anteriormente (Decreto-lei n.º 298/ 2007). Os princípios estruturantes e as finalidades visadas eram: Melhor acesso a cuidados de saúde de qualidade, por parte do maior número possível de cidadãos; Responsabilidade de cada equipa pela prestação de cuidados à população inscrita, no próprio dia se necessário, através dum sistema inteligente de gestão de oferta de cuidados e de intersubstituição profissional; Auto-organização e auto-regulação dos profissionais, com forte espírito de pertença a um projeto comum; Contratualização do desempenho e de resultados o que requer compromissos e procedimentos claros, pré-definidos e transparentes, e sistemas de informação confiáveis; Reforço da promoção da saúde da comunidade e do envolvimento e capacitação dos cidadãos; Melhoria contínua da qualidade, através de dispositivos de governação clínica e de saúde e da promoção de boas práticas clínicas; Nova ecologia para o trabalho profissional no Serviço Nacional de Saúde (SNS), com alta capacidade de auto-regulação, trabalho em equipa com capacidade de decidir localmente, sentido de pertença acompanhadas por formas de remuneração e incentivos associados ao desempenho e por melhoria das condições de trabalho das equipas; Participação dos profissionais da primeira linha na configuração e implementação das políticas públicas de saúde; 2

3 Modelo avançado de gestão pública, com autonomia contratualizada. A reforma iniciada em 2005 e desafios atuais A partir de 2006, deu-se em Portugal uma mudança substancial na organização da atenção primária à saúde, a qual foi logo no seu início considerada um acontecimento extraordinário e uma rutura com a forma tradicional de conceber, transformar, organizar, gerir e prestar cuidados de saúde nos serviços públicos do país (Relatório Acontecimento Extraordinário, 2009). Esta mudança foi despoletada com a constituição voluntária de unidades de saúde familiar (USF) - pequenas equipas multiprofissionais, orientadas para a prestação de cuidados centrados na pessoa e na família. São equipas com carácter estrutural permanente no organigrama dos centros de saúde, dotadas de considerável grau de autonomia contratualizada. Para além das USF, a reforma abrange várias outras vertentes: Rede descentralizada de equipas Concentração de recursos e partilha de serviços Descentralização da gestão para o nível local Governação clínica e de saúde Participação da comunidade Equipas multiprofissionais de tipo estrutural permanente, com missões específicas: cuidados à pessoa e à família (USF e UCSP), cuidados a grupos com necessidades especiais e intervenções na comunidade (UCC), intervenções no meio físico e social e acções com alcance populacional (USP). Equipa multiprofissional que assegura e rentabiliza serviços específicos, assistenciais e de consultadoria às unidades funcionais e aos projectos de saúde comuns a várias unidades e ao ACES (URAP) Criação de ACES com diretores executivos e conselhos executivos e desenvolvimento de competências locais para a gestão de recursos (UAG), obtendo economias de escala com a agregação dos anteriores centros de saúde Desenvolvimento de um sistema de pilotagem técnicocientífica envolvendo todos os profissionais, sob orientação do conselho clínico de cada ACS e dos conselhos técnicos das suas unidades Ênfase e reforço da participação da comunidade através de órgãos como os gabinetes do cidadão e os conselhos da comunidade Fonte: A Reforma numa página, in (2011) Em 2009, quando já estavam em atividade mais de 200 USF, deu-se início à reorganização normativa dos restantes profissionais em equipas e 3

4 foram criados órgãos próprios da gestão local, abrangendo vários de centros de saúde - agrupamentos de centros de saúde, ACES (Decreto-lei n.º 28/2008). Tanto os ACES como as suas equipas/unidades funcionais passam a contratualizar objetivos referentes a um quadro de indicadores, num contexto de accountability e de avaliação de resultados. Apesar dos sucessos e dos resultados conseguidos, existem várias limitações, que colocam grandes desafios à atenção primária e que a seguir se resumem. Unidades de saúde familiar (USF) recrudesceram os obstáculos levantados pela administração à entrada em actividade de novas USF e à evolução das existentes para estádios mais avançados de autonomia organizacional. Existem 383 USF em actividade, mas são necessárias cerca de 830 para cobrir toda a população um objetivo possível até Paralelamente, tem havido escasso progresso na acreditação das USF. Unidades de cuidados na comunidade (UCC) ausência de investimento nestas unidades e incapacidade da administração em criar centros de custos e em contratualizar com elas. Unidades de saúde pública (USP) escassez de recursos humanos qualificados e incapacidade da administração em criar centros de custos e em contratualizar com estas unidades. Unidades de recursos assistenciais partilhados (URAP) são semelhantes às NASF do Brasil. Porém, têm em geral um reduzido skill-mix. A sua missão é a de apoiar as restantes unidades funcionais de cada ACES, mas está por iniciar a contratualização com estas URAP. Agrupamentos de centros de saúde (ACES) permanecem sem autonomia de gestão e a sua governação clínica e de saúde é, ainda, muito incipiente. Interfaces e interligação com os cuidados secundários, terciários e continuados - os cuidados centrados na pessoa, ao longo do sistema de saúde ainda é um objetivo por atingir em muitos locais. Persistem descontinuidades e deficiências de interligação e de comunicação com os cuidados hospitalares e os de longa evolução que causam desperdício de recursos e menor efetividade da atenção à saúde. Gestão de pessoal os ACES, sem autonomia de gestão, estão impedidos de resolver o problema dos recursos humanos e dos seus contratos, por vezes precários, o que coloca em risco a prestação de serviços. Esta precariedade e o atraso no pagamento de incentivos financeiros contribuem, entre outros fatores, para a insatisfação e para o atraso no desenvolvimento das unidades. 4

5 Contratualização existem atrasos recorrentes nos diversos passos deste processo. Se estes desafios não forem ultrapassados, a atenção primária corre o risco de regredir, com efeitos negativos para a saúde da população. 5

Investigação em serviços de saúde

Investigação em serviços de saúde Ministério da Saúde Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Investigação em serviços de saúde Cuidados de saúde primários 2011-2015 Índice Tópicos Pág. Nota inicial.... 02 Prioridades

Leia mais

Sérgio Antunes de Carvalho

Sérgio Antunes de Carvalho A EXPERIENCIA DE GERIR A ENFERMAGEM DA FORMAÇÃO AO CONTEXTO DA PRÁTICA DOS CUIDADOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DIFICULDADES PERCEBIDAS - Diferenças substanciais dos ACES no que se refere a políticas de

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios?

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários Unidades Cuidados Comunidade: Projetos, Programas e Recursos. Desafios! Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Apresentação da: Unidade de Cuidados

Leia mais

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC Data de referência da informação: 18 de Novembro de 2016 SUMÁRIO EXECUTIVO Os cuidados de saúde primários (CSP) constituem o primeiro ponto de contacto

Leia mais

Como formar uma USF?

Como formar uma USF? Como formar uma USF? Apresentação Numa palavra USF? e formar uma USF https://www.youtube.com/watch?v=5ztm-iyupm4 Quem e como se pensou sns? Baseados em cuidados primários efectivos Médicos generalistas

Leia mais

- Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A

- Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A O Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Baixo Vouga III, representado pelo seu Director Executivo, Dr. Manuel Sebe e a Unidade

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES

ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES Junho de 2016 CARACTERIZAÇÃO DO ACES OESTE SUL O ACES Oeste Sul, é um serviço desconcentrado da ARSLVT, IP com autonomia administrativa e gestionária, nos termos previstos

Leia mais

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5

MISSÃO VISÃO VALORES 1/5 A Administração Central do Sistema de Saúde, I.P. (ACSS, IP) é um Instituto Público, criado em 2007, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa, financeira e patrimonial

Leia mais

Relatório de Progresso da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários

Relatório de Progresso da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários Ministério da Saúde Relatório de Progresso da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários (Etapa II) Situação em 30 de Junho de 2010 Enquadramento Este Relatório dá cumprimento à atribuição cometida ao Grupo

Leia mais

CAPACIDADE PARA MUDAR

CAPACIDADE PARA MUDAR CAPACIDADE PARA MUDAR Carlos Carapeto Inovações Organizacionais na Administração Pública: O caso dos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) REUNIÃO NACIONAL DE DIRECTORES EXECUTIVOS DOS AGRUPAMENTOS DE

Leia mais

AS UNIDADES DE SAÚDE FAMILIARES E A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

AS UNIDADES DE SAÚDE FAMILIARES E A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS ACÇÃO MÉDICA AS UNIDADES DE SAÚDE FAMILIARES E A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS José Augusto Simões * Em 1996 foram iniciados projetos e iniciativas experimentais de inovação organizativa visando

Leia mais

o Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Pinhal Litoral 11,representado pela Presidente do Conselho

o Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Pinhal Litoral 11,representado pela Presidente do Conselho CARTA DE COMPROMISSO Unidade de Saúde Familiar Condestável Modelo A o Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Pinhal Litoral 11,representado pela Presidente do Conselho Clínico, Dra. Maria Isabel Poças

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 Tipologias de Intervenção 3.6, 8.3.6 e 9.3.6 Qualificação dos Profissionais da Saúde I Prioridades a considerar na seleção de candidaturas para 2013 Concurso n.º13/2013

Leia mais

REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Reconfiguração dos Centros de Saúde. Criação de Agrupamentos de Centros de Saúde.

REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Reconfiguração dos Centros de Saúde. Criação de Agrupamentos de Centros de Saúde. REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Reconfiguração dos Centros de Saúde Criação de Agrupamentos de Centros de Saúde Luis Pisco Missão para os Cuidados de Saúde Primários Viseu - Hotel Montebelo 12

Leia mais

Documento de Trabalho

Documento de Trabalho AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE Documento de Trabalho O Decreto-Lei nº 28/2008 de 22 de Fevereiro cria os agrupamentos de centros de saúde (ACES) do Serviço Nacional de

Leia mais

A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS CAD 8 27/9/7 14:28 Page 6 A REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS LUÍS PISCO COORDENADOR DA MISSÃO PARA OS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS. O Programa do XVII Governo Constitucional (1), na área da saúde,

Leia mais

Direito. Lições. Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa

Direito. Lições. Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa MARIA JOÃO ESTORNINHO Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa TIAGO MACIEIRINHA Assistente da Escola de Lisboa da Faculdade de Direito

Leia mais

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

GOALS PASSADO PRESENTE FUTURO OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? SEGURANÇA NO TRABALHO ENCONTRO: PASSADO, PRESENTE E FUTURO GOALS OBJECTIVO POR ALCANÇAR? CAMINHO DEFINIDO? OBJECTIVOS - Passado: Evolução Histórica da SHT no SNS - Presente: Modelo de Gestão de SHT(Gestão de Risco) - O Futuro: uma abordagem estratégica INTRODUÇÃO

Leia mais

APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II

APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 957/XII APROVA AS LINHAS FUNDAMENTAIS PARA A ELABORAÇÂO E EXECUÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE SIMPLIFICAÇÃO ADMINISTRATIVA E DESBUROCRATIZAÇÃO SIMPLEX II 1-Têm vindo a ser aprovadas

Leia mais

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM:

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM: SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: apecp.geral@gmail.com Facebook: apecsp TM: 967 238 912 5 de Junho de 1991 OBJETIVOS Criar e incentivar o aparecimento de instrumentos que permitam

Leia mais

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ref #GRH090 Nº Horas: 48 h Nº de Dias: 8 dias Hora de Início:

Leia mais

Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Caracterização do ACES LISBOA NORTE Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica

Leia mais

USF s um modelo de Governação Clínica Ascensão e/ou Queda? Ângela Fernanda Santos Neves Bárbara Inês Carvalho Pessoa

USF s um modelo de Governação Clínica Ascensão e/ou Queda? Ângela Fernanda Santos Neves Bárbara Inês Carvalho Pessoa USF s um modelo de Governação Clínica Ascensão e/ou Queda? Ângela Fernanda Santos Neves Bárbara Inês Carvalho Pessoa Reforma sns s Transversal a toda a Europa Objectivo: garantir prestação de cuidados

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO N.º 15 / SI/ 2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais

- Unidade de Saúde Familiar Novo Cuidar

- Unidade de Saúde Familiar Novo Cuidar CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar Novo Cuidar Modelo B A Administração Regional de Saúde (ARS), IP, representada pelo seu Presidente, Dr. Alcindo Maciel Barbosa e a Unidade de Saúde Familiar

Leia mais

Parecer da DGAI sobre a Auto-Avaliação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras relativa ao desempenho de serviço, em 2009

Parecer da DGAI sobre a Auto-Avaliação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras relativa ao desempenho de serviço, em 2009 Parecer da DGAI sobre a Auto-Avaliação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras relativa ao desempenho de serviço, em 2009 (Artigo 17.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) 1 Enquadramento De acordo

Leia mais

Regulação e Contratualização

Regulação e Contratualização Regulação e Contratualização Data: 3/1/2005 Autor: Ana Cristina Portugal, Ana Paula Pereira, Dídia Eusébio, Eduardo Carlos Noronha, Margarida Baltazar (mbaltazar@alunos.ensp.unl.pt) Num cenário de mudança,

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS), representada pelo seu Presidente, Dr. e a Unidade de Saúde Familiar (USF), representada pelo seu Coordenador, Dr., constituída com base na homologação pelo Conselho

Leia mais

Acordo entre o Ministério da Saúde e a Associação Nacional das Farmácias sobre a implementação de programas de Saúde Pública

Acordo entre o Ministério da Saúde e a Associação Nacional das Farmácias sobre a implementação de programas de Saúde Pública Acordo entre o Ministério da Saúde e a Associação Nacional das Farmácias sobre a implementação de programas de Saúde Pública O Ministério da Saúde (MS), representado pelo Senhor Ministro da Saúde, e a

Leia mais

9228/16 fmm/cm/fc 1 DG B 3A - DG G 1A

9228/16 fmm/cm/fc 1 DG B 3A - DG G 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de junho de 2016 (OR. en) 9228/16 ECOFIN 468 UEM 214 SOC 332 EMPL 228 COMPET 302 ENV 347 EDUC 203 RECH 194 ENER 210 JAI 458 NOTA de: para: n. doc. Com.: Assunto:

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO FLEXÍVEL DO CURRÍCULO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS FÍSICAS E NATURAIS NO 3º CICLO

CONTRIBUTOS PARA UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO FLEXÍVEL DO CURRÍCULO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS FÍSICAS E NATURAIS NO 3º CICLO CONTRIBUTOS PARA UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO FLEXÍVEL DO CURRÍCULO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS FÍSICAS E NATURAIS NO 3º CICLO Manuel Sequeira, msequeira@iep.uminho.pt Conceição Duarte Laurinda Leite Luís Dourado

Leia mais

Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP) e indicadores de referência para a implementação e desenvolvimento destas equipas

Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP) e indicadores de referência para a implementação e desenvolvimento destas equipas N. 1/2017/CNCP/ACSS DATA: 12-01-2017 CIRCULAR NORMATIVA PARA: Instituições Hospitalares do SNS, Administrações Regionais de Saúde, IP/Agrupamentos de Centros de Saúde/Unidades Locais de Saúde, EPE ASSUNTO:

Leia mais

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso Anexo A Protocolo do Estudo de Caso 140 Protocolo do Estudo de Caso - Especificação do Processo de Recolha de Informação O processo de recolha de informação no decorrer do estudo de caso respeita a três

Leia mais

Portal BI USF. José Luis Biscaia

Portal BI USF. José Luis Biscaia CLOUD S MMIT 2014 25 Junho 2014 - CCB Portal BI USF O Cloud Computing assume importância estratégica nas organizações. Numa era de acelerado desenvolvimento tecnológico, em que a globalização e as profundas

Leia mais

Pós Graduação Coordenação de Unidades de Saúde

Pós Graduação Coordenação de Unidades de Saúde Pós Graduação Coordenação de Unidades de Saúde 5ª Edição Coordenação Cientifica e Pedagógica Início 26 Fevereiro de 2016 Limite Inscrições 16 Fevereiro 2016 Sábados das 09h às 18 h MSc Ana Terezinha Rodrigues

Leia mais

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO (Artigo 17.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) Organismo avaliado: ARS CENTRO 1.

Leia mais

Estudo Interoperabilidade na Saúde Apresentação Pública

Estudo Interoperabilidade na Saúde Apresentação Pública Interoperabilidade na Saúde - Onde Estamos? 26 de novembro de 2013 Auditório Escola Nacional de Saúde Pública Patrocinadores Globais APDSI Estudo Interoperabilidade na Saúde Apresentação Pública Escola

Leia mais

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa Documento realizado para

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Bárbara Menezes Coordenadora do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil Divisão de Saúde Sexual,Reprodutiva, Infantil

Leia mais

O Desenvolvimento: Um Desafio à Participação Cívica em todos os Contextos e Idades

O Desenvolvimento: Um Desafio à Participação Cívica em todos os Contextos e Idades O Desenvolvimento: Um Desafio à Participação Cívica em todos os Contextos e Idades O OLHAR DA SAÚDE. UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE TONDELA SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE No SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE

Leia mais

Reagrupamento dos centros de saúde

Reagrupamento dos centros de saúde Ministério da Saúde Grupo Técnico para o Desenvolvimento dos Cuidados de Saúde Primários Reagrupamento dos centros de saúde Aspetos e princípios a ter em conta Documento de trabalho - versão de 2012.02.08

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) São Julião, representada pelo seu Coordenador, Dr. José

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2013 I. Introdução O ano de 2013 foi um ano marcado por grandes investimentos na Comunidade Terapêutica, por forma a criar condições estruturais que possibilitem a formação e integração

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM GESTÃO DE UNIDADE DE SAÚDE NA UCC MONTE MOR

RELATÓRIO DE ESTÁGIO EM GESTÃO DE UNIDADE DE SAÚDE NA UCC MONTE MOR Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre 1.º Curso de Mestrado em Enfermagem Especialização em Gestão de Unidades de Saúde Prof. Coordenadora Graça Gama RELATÓRIO DE ESTÁGIO

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 Universidade de Aveiro e Universidade do Porto Fernando Almeida (UA) Helena Sant Ovaia (UP) Geomateriais e Recursos Geológicos 1.

Leia mais

Calendário de reuniões e eventos - 2011

Calendário de reuniões e eventos - 2011 Ministério da Saúde Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Calendário de reuniões e eventos - 2011 Actualizado em 2011.05.16 COORDENAÇÃO ESTRATÉGICA Dia 18 de Maio (10,00-19,00) Coordenação

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) Douro Vita, representada pelo seu Coordenador, Dr. Marques

Leia mais

Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução.

Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução. Apresentação A QIS O Método O Sistema de Gestão Da Estratégia aos Resultados, a diferença está na Solução. 12 Benefícios 4 Razões Referências 1 Consultoria Tecnologia Consultoria Tecnologia Quem somos

Leia mais

Casa de Saúde São João de Deus

Casa de Saúde São João de Deus Casa de Saúde São João de Deus Funchal Outubro 2013 Manuel Freitas CSSJD Funchal Caminho percorrido SGQ- Situação atual CSSJD Funchal CSSJD Inaugurada 10/08/1924 OHSJD Província Portuguesa ISJD Fins de

Leia mais

\ A NECESSIDADEDE MINIMIZAR OS CUSTOS DE ENERGIA NAS EMPRESAS

\ A NECESSIDADEDE MINIMIZAR OS CUSTOS DE ENERGIA NAS EMPRESAS \ A NECESSIDADEDE MINIMIZAR OS CUSTOS DE ENERGIA NAS EMPRESAS Como Atingir a Eficiência Energética nas Empresas NPF 27 e 28 de Junho de 2006 \Sumário Introdução Política Energética para Portugal Energia

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 9 de março de Série. Número 43

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 9 de março de Série. Número 43 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 9 de março de 2016 Série Suplemento Sumário ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA MADEIRA Decreto Legislativo Regional n.º 11/2016/M Estabelece a estrutura e

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PARA A EDUCAÇÃO DE ÓBIDOS

PLANO ESTRATÉGICO PARA A EDUCAÇÃO DE ÓBIDOS PLANO ESTRATÉGICO PARA A EDUCAÇÃO DE ÓBIDOS Óbidos, Junho 2012 1 - INTRODUÇÃO Um modelo para a nossa educação: (re)pensar a Escola A Educação em Portugal tem sido alvo de mudanças consecutivas, provocando

Leia mais

Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000

Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000 Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000 NOTA TÉCNICA Universo de referência Organismos da Administração Pública Central Realização

Leia mais

Decreto-Lei Nº 6/2001 de 18 de Janeiro - Novos currículos do ensino básico

Decreto-Lei Nº 6/2001 de 18 de Janeiro - Novos currículos do ensino básico Decreto-Lei Nº 6/2001 de 18 de Janeiro - Novos currículos do ensino básico O Programa do Governo assume como objectivo estratégico a garantia de uma educação de base para todos, entendendo-a como início

Leia mais

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor)

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Outubro 2006 Direcção Comercial e Gestão de Clientes www.apcer.pt Gonçalo Pires Índice: Certificação de S.G.: Qualidade (NP EN ISO 9001:2000); Ambiente (NP EN

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública O direito administrativo é o direito que regula a Administração pública Administração pública: é o objeto do direito administrativo Fernanda Paula Oliveira 1. Administração: gestão

Leia mais

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização Anexo D Guião de Entrevista Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização 151 Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização Guião de Entrevista Organizações:

Leia mais

Filipe Silva filipe.silva@ambidata.pt Ana Sofia Ferreira asferreira@ambidata.pt

Filipe Silva filipe.silva@ambidata.pt Ana Sofia Ferreira asferreira@ambidata.pt Filipe Silva filipe.silva@ambidata.pt Ana Sofia Ferreira asferreira@ambidata.pt Agenda O que é o B-Quality Requisitos da Norma(17025) Vs Soluções Áreas de Acção do B-Quality Colaboradores e responsabilidades

Leia mais

ISAL - por José Quaresma (director geral do ISAL)

ISAL - por José Quaresma (director geral do ISAL) ISAL - por José Quaresma (director geral do ISAL) O ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas, instituto superior politécnico, foi a primeira instituição de ensino superior da Região Autónoma

Leia mais

José Biscaia USF São Julião

José Biscaia USF São Julião Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2009 25 de Novembro de 2009 Auditório do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa José Biscaia USF São Julião Patrocínio: Patrocinadores Globais O Centro de

Leia mais

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas Resumo Nos Serviços Água, a Construbuild apresenta-se já como uma Referência a Nível deste sector. As actividades desenvolvidas nesta área relacionam-se fundamentalmente, com a Gestão de Equipamentos de

Leia mais

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental 1. Introdução Júlia Fonseca 2010/2011 CICLO DE GESTÃO Planeamento Implementação Controlo de gestão Ciclo de gestão Planeamento Feedback Implementação Controlo Planear Dirigir e Motivar Controlar PLANEAMENTO

Leia mais

O Novo perfil profissional do Técnico de Radiologia dos Cuidados de Saúde Primários CARLOS NUJO ACES FEIRA/AROUCA

O Novo perfil profissional do Técnico de Radiologia dos Cuidados de Saúde Primários CARLOS NUJO ACES FEIRA/AROUCA O Novo perfil profissional do Técnico de Radiologia dos Cuidados de Saúde Primários CARLOS NUJO ACES FEIRA/AROUCA Evolução do T. de Radiologia nos CSP Evolução dos Centros de Saúde Função do T. de Radiologia

Leia mais

SOLUÇÕES AO ALCANCE DAS ORGANIZAÇÕES

SOLUÇÕES AO ALCANCE DAS ORGANIZAÇÕES SOLUÇÕES AO ALCANCE DAS ORGANIZAÇÕES Quem é a AGÊNCIA FAGES? A AGÊNCI A FAGES é um núcleo formado por Professores Mestres e Doutores da Faculdade de Gestão e Serviços da Metodista e conta com a participação

Leia mais

Equidade e Acesso aos Cuidados de Saúde. Anexo II. Intervenções. Cláudia Furtado João Pereira

Equidade e Acesso aos Cuidados de Saúde. Anexo II. Intervenções. Cláudia Furtado João Pereira Equidade e Acesso aos Cuidados de Saúde Anexo II Intervenções Cláudia Furtado João Pereira Escola Nacional de Saúde Pública Universidade Nova de Lisboa Lisboa Julho de 2010 Cuidados de Saúde Primários

Leia mais

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de:

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de: Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015 Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME Se precisa de: Prospetar novos Clientes em mercados externos Elaborar um plano de negócios para

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS INFÂNCIA E JUVENTUDE CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

ACES LISBOA NORTE. Planeamento do ACES de Lisboa Norte

ACES LISBOA NORTE. Planeamento do ACES de Lisboa Norte ACES LISBOA NORTE Planeamento do ACES de Lisboa Norte ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento Departamento de Instalações e Equipamentos Departamento de Gestão e Administração Geral 07-2013 Índice 1. Introdução...

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL A formação e a remuneração dos profissionais responsáveis pela atenção primária em saúde Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL Henrique Botelho

Leia mais

VOLTA DE APOIO AO EMPREGO

VOLTA DE APOIO AO EMPREGO VOLTA DE APOIO AO EMPREGO CIDADE DAS PROFISSÕES A CIDADE DAS PROFISSÕES É UM ESPAÇO GRATUITO DE INFORMAÇÃO E CONSULTORIA SOBRE A VIDA PROFISSIONAL E O MUNDO DO TRABALHO PROMOVIDO PELA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

CONFLITO DE INTERESSES

CONFLITO DE INTERESSES CONFLITO DE INTERESSES 1.MF e Coordenador, numa USF em modelo B, e acreditada (ACSA e DGS) desde 2013. 2. Ex. membro da MCSP, 2005-2008 que iniciou o processo de Reforma dos CSP com a criação de USF. 3.

Leia mais

REVISTAS DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E A INICIAÇÃO PROFISSIONAL E CIENTÍFICA EM GEOGRAFIA: O CASO DA REVISTA ÁREA

REVISTAS DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E A INICIAÇÃO PROFISSIONAL E CIENTÍFICA EM GEOGRAFIA: O CASO DA REVISTA ÁREA REVISTAS DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E A INICIAÇÃO PROFISSIONAL E CIENTÍFICA EM GEOGRAFIA: O CASO DA REVISTA ÁREA Paulo Pereira 1, Domingos Silva 2 & Ricardo Almendra 3 Direcção da Área - Revista dos

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO COM AS UNIDADES DE SAÚDE FAMILIARES

CONTRATUALIZAÇÃO COM AS UNIDADES DE SAÚDE FAMILIARES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE AGÊNCIAS DE CONTRATUALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CONTRATUALIZAÇÃO COM AS UNIDADES DE SAÚDE FAMILIARES 2006 MODELO 1 E RRE JUNHO de 2006 In the context

Leia mais

Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Loures / Sacavém. Leonor Murjal Vogal do Conselho Clínico

Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Loures / Sacavém. Leonor Murjal Vogal do Conselho Clínico Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Loures / Sacavém Leonor Murjal Vogal do Conselho Clínico 1 Agrupamento de Centros de Saúde Loures/Sacavém DL 28/2008 Criação de agrupamentos de Centros de Saúde:

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO NOS ACES

CONTRATUALIZAÇÃO NOS ACES CONTRATUALIZAÇÃO NOS ACES Margarida Aguiar USF Valongo (coordenadora) Reunião Nacional de Directores Executivos dos ACES 6 de Março 2009- Peniche margarida.abreu.aguiar@gmail.com Contratualização Peça

Leia mais

UNIDADES CURRICULARES

UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES Bioética e Gestão em Saúde Docente Responsável: Paula Lobato Faria Objectivos da unidade curricular: Promover a reflexão e debate sobre questões de natureza ética relacionadas com

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011.

RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011. RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Discurso do Presidente do Conselho Diretivo da ARS-Norte Visita às USF Aldoar e Lordelo do Ouro ACES Porto Ocidental

Discurso do Presidente do Conselho Diretivo da ARS-Norte Visita às USF Aldoar e Lordelo do Ouro ACES Porto Ocidental Discurso do Presidente do Conselho Diretivo da ARS-Norte Visita às USF Aldoar e Lordelo do Ouro ACES Porto Ocidental Porto, 29 de setembro de 2015 Exmºs Senhores Ministro da Saúde Caros Colegas do Conselho

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ESTUDO SOBRE AS UNIDADES DE SAÚDE FAMILIAR E AS UNIDADES DE CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS FEVEREIRO DE 2016 R u a S. J o ã o d e B r i t o, 6 2 1 L 3 2, 4 1 0 0-4 5 5 P

Leia mais

Portaria n.º 1458/2009. de 31 de Dezembro

Portaria n.º 1458/2009. de 31 de Dezembro Portaria n.º 1458/2009 de 31 de Dezembro O Governo suspendeu, durante o ano de 2010, o mecanismo de actualização do indexante dos apoios sociais (IAS), das prestações sociais e da revalorização das remunerações

Leia mais

Grupo Técnico Secretariado Clínico Versão actualizada em

Grupo Técnico Secretariado Clínico Versão actualizada em Grupo Técnico Secretariado Clínico Versão actualizada em 06.05.2011 Grupo de Coordenação Estratégica 1 Grupo Técnico Secretariado Clínico Grupo de trabalho constituído na reunião da Coordenação Estratégica

Leia mais

3ª DELIBERAÇÃO DA SECÇÃO PERMANENTE DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO DAS ESTATÍSTICAS DA SAÚDE

3ª DELIBERAÇÃO DA SECÇÃO PERMANENTE DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO DAS ESTATÍSTICAS DA SAÚDE DOCT/3463/CSE/S 3ª DELIBERAÇÃO DA SECÇÃO PERMANENTE DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO DAS ESTATÍSTICAS DA SAÚDE Considerando que: - as Linhas Gerais da Atividade Estatística Nacional

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Comissões de Controlo de Infecção Nº: 18/DSQC/DSC DATA: 15/10/07 Para: Contacto na DGS: Todas as Unidades de Saúde Direcção de Serviços da Qualidade Clínica, Divisão da Segurança Clínica NORMA

Leia mais

Proteger e promover o Capital Humano do Serviço Nacional de Saúde

Proteger e promover o Capital Humano do Serviço Nacional de Saúde Proteger e promover o Capital Humano do Serviço Nacional de Saúde Capital humano principal ativo do SNS O Serviço Nacional de Saúde (SNS), apesar de muitas contrariedades, produz resultados de saúde que

Leia mais

Reforço das respostas do SNS na área da Saúde Mental em Portugal

Reforço das respostas do SNS na área da Saúde Mental em Portugal PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 1004/XIII/2.ª Reforço das respostas do SNS na área da Saúde Mental em Portugal O Relatório da Direção-Geral de Saúde relativo a Portugal

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes. Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S.º João dos Montes Projeto Educativo do Agrupamento Apresentação para Divulgação CARATERIZAÇÃO DOS TERRITÓRIOS ENVOLVIDOS NA CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

Terminologia. Comissão Técnica 169. Atividades de Investigação, Desenvolvimento e Inovação

Terminologia. Comissão Técnica 169. Atividades de Investigação, Desenvolvimento e Inovação Comissão Técnica 169 Atividades de Investigação, Desenvolvimento e Inovação INTRODUÇÃO A Comissão Técnica 169 foi criada em 2007 pelo Organismo de Normalização Nacional (IPQ) no âmbito da Iniciativa "Desenvolvimento

Leia mais

o Agrupamento dos Centros de Saude (ACES) Baixo Vouga III, representado pelo seu Director Executivo,

o Agrupamento dos Centros de Saude (ACES) Baixo Vouga III, representado pelo seu Director Executivo, Manuel S be Cr. Director f.,., "'u '0'0. Unidade de Salide Familiar S. Joao de Ovar Modelo A o Agrupamento dos Centros de Saude (ACES) Baixo Vouga III, representado pelo seu Director Executivo, Dr. Manuel

Leia mais

Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC ASSESSOR SÉNIOR PARA DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC ASSESSOR SÉNIOR PARA DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Termos de Referencia para Assessor Sénior da ANAC Titulo da Posição: Período de desempenho: ABRIL A SETEMBRO DE 2014 Dias de trabalho: 110 DIAS EQUIVALENTE A 5 MESES RENOVÁVEIS Nome do consultor: PD ASSESSOR

Leia mais

Agrupamento de Centros de Saúde do PIN I CARTA DE MISSÃO I UCSP LOUSÃ/SERPINS

Agrupamento de Centros de Saúde do PIN I CARTA DE MISSÃO I UCSP LOUSÃ/SERPINS Agrupamento de Centros de Saúde do PIN I CARTA DE MISSÃO I UCSP LOUSÃ/SERPINS DO CENTRO DE SAÚDE DA LOUSÃ I. Introdução Geral A Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados, Lousã/Serpins, adiante designada

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº 24 EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS INDICE 1. OBJECTIVO 1 2. DEFINIÇÕES 2 3. TIPOS DE EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS 2 3.1. Operações conjuntamente controladas 3 3.2. Activos conjuntamente

Leia mais

ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016

ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016 ACES Almada Seixal Plano de Contingência local para Vagas de Frio 2015-2016 Índice Pág 1. Plano de Contingência para Vagas de Frio (PCVF)... 4 2. Grupos Vulneráveis. 4 3. Objetivos. 5 3.1 Objetivos gerais.

Leia mais

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO

PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO PROJECTO FUNDAMENTAÇÃO No seguimento das propostas apresentadas por esta Direcção Regional de Educação para o Plano de Acompanhamento dos Centros de Recursos TIC (CRTIC) no ano de 2011, com uma linha orientadora

Leia mais

ACES MÉDIO TEJO

ACES MÉDIO TEJO ACES MÉDIO TEJO 06-206 Direção de ACES A sede do agrupamento localiza-se em Riachos, sito na Rua Dr. Rivotti, 2350-365 Riachos: Mensagem Diretora Executiva O, com um total de cerca de 227.000 utentes,

Leia mais

Lisboa. uma cidade de bairros

Lisboa. uma cidade de bairros Lisboa uma cidade de bairros Fonte: Relatório do PDM Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, Setembro 2010 No PDM de Lisboa, foram identificadas Zonas de Moderação da circulação automóvel, que podem ser concretizadas

Leia mais