Investigação em serviços de saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Investigação em serviços de saúde"

Transcrição

1 Ministério da Saúde Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Investigação em serviços de saúde Cuidados de saúde primários Índice Tópicos Pág. Nota inicial Prioridades para Necessidades de novos conhecimentos mapa geral.. 03 I Necessidades de saúde, procura e risco. 03 II Medidas de resultados / ganhos em saúde aplicáveis em CSP III Financiamento, risco, contratualização e alocação de recursos. 03 IV Acessibilidade / procura / meios de contacto / satisfação dos utentes. 03 V CSP e equidade em saúde VI Estudos de custo-efectividade, custo benefício e custo-utilidade VII Subsidariedade e descentralização de competências de gestão.. 04 VIII Gestão e liderança nos agrupamentos de centros de saúde IX Governação clínica, gestão integrada de doenças e multimorbilidade.. 04 X Desenvolvimento humano, de equipas e impacto da formação XI Desempenho das equipas de saúde pessoal e familiar XII Desempenho das equipas de cuidados na comunidade XIII Prioritização de projectos de intervenção em saúde da comunidade.. 05 XIV Intervenções em saúde populacional e saúde pública XV Interligação em rede de unidades e partilha de competências/serviços 06 XVI Interfaces, referenciação e interligação com hospitais e RNCCI. 06 XVII Empowerment, capacitação e participação dos cidadãos. 06 XVIII Sistemas de informação, registos e codificação XIX Arquitectura dos edifícios CSP (exterior e interior) XX Impacto dos métodos e técnicas da Qualidade nos ganhos em saúde XXI Avaliação de tecnologias apropriadas em CSP Dezembro de 2010 Ministério da Saúde - Cuidados de Saúde Primários Coordenação Estratégica ( ) 1

2 Nota inicial A reforma dos CSP é um processo evolutivo de aprendizagem sistémica e enfrenta no seu dia-a-dia dificuldades de decisão quando sobre aspectos pioneiros, tanto a nível nacional como internacional. Por isso, é necessário produzir novos conhecimentos para responder às perguntas formuladas nas fronteiras do dia-a-dia do processo. Por isso, uma das linhas de acção é a de mobilizar para este fim o potencial científico e tecnológico do País. A ordem de grandeza dos custos do SNS é tal, que a persistência de práticas inadequadas, ou decisões tomadas sem base de evidência, podem causar desperdício de muitos milhões de euros, com perdas em custos de oportunidade quanto a ganhos em saúde que deixam de ser alcançados. Assim, o Ministério da Saúde, através do Instituto Nacional de Saúde, Dr. Ricardo Jorge (INSA), promove um concurso específico de projectos de investigação em serviços de saúde de apoio à reforma dos CSP. Para 2011, elegeram-se as prioridades abaixo indicadas. Os projectos que se enquadrem nessas prioridades serão objecto de uma majoração da pontuação atribuída de acordo com os critérios definidos pelo Júri do concurso. Só serão apoiados projectos que se enquadrem nas áreas de investigação enunciadas neste documento. As candidaturas deverão ser apresentadas de acordo com os requisitos definidos no Edital do concurso e ter por referência ou horizonte a obtenção de ganhos em saúde e a redução de desigualdades em saúde / melhoria da equidade (Anexo I). Prioridades para 2011 As prioridades para 2011 são as seguintes: Estudos de custo-efectividade, custo-benefício e custo-utilidade; Desenvolvimento de modelos para apoio à decisão de organização de unidades e de aplicação de recursos humanos; Projectos de intervenção em saúde da comunidade prioritização; Equidade e desigualdades (acesso e resultados); Interfaces, referenciação e interligação com hospitais e RNCCI medição de efeitos (por exemplo, na evolução da qualidade do ciclo de referenciação, na procura de urgências hospitalares, entre outros), Estudos de apoio aos processos de contratualização. Ministério da Saúde - Cuidados de Saúde Primários Coordenação Estratégica ( ) 2

3 Necessidades de novos conhecimentos mapa geral I Necessidades de saúde, procura e medidas de risco individual e colectivo Análises comparativas de evolução de necessidades e de procura de cuidados Como medir e ajustar risco individual e colectivo? II - Medidas de resultados / ganhos em saúde aplicáveis em CSP (ver Anexo I) Como medir resultados / ganhos em saúde em CSP? Quais os indicadores de resultados mais adequados em CSP? III Financiamento, risco, contratualização e alocação de recursos Como financiar em função de necessidades e de risco em saúde? Como tornar os processos de contratualização mais justos e efectivos? Quais os melhores métodos de alocação de recursos tendo em vista a optimização das capacidades instaladas e a maximização dos resultados de saúde? IV Acessibilidade / procura / meios de contacto / satisfação dos utentes Quais as melhores medidas e indicadores de acessibilidade em CSP? Quais os melhores métodos para medir a procura em CSP? Quais os melhores métodos para gerir e para regular a procura em CSP? Inovação e diversificação de meios de contacto/comunicação utentes-serviçosprofissionais e respectivos efeitos? Análises comparativas de evolução de satisfação dos utentes em CSP V CSP e equidade em saúde Equidade / demonstração de redução de desigualdades (acesso e resultados) Contributos dos CSP para a redução das desigualdades em saúde em Portugal Estratégias para redução de desigualdades em saúde em locais e situações específicos Análises comparativas de evolução de redução de desigualdades em CSP Ministério da Saúde - Cuidados de Saúde Primários Coordenação Estratégica ( ) 3

4 VI Estudos de custo-efectividade (impacto), custo-benefício e custo-utilidade Análise comparativa de experiências ACES; ULS, etc. - expectativas e resultados - ópticas dos ganhos em saúde, do custo-efectividade, dos utentes e dos profissionais Identificação de fontes de eficiência vs. desperdício de escala níveis nacional, regional (ARS) e local (ULS e ACES) Análises comparativas entre ACES e factores explicativos das diferenças encontradas Análises comparativas das várias modalidades de prestação de cuidados de saúde pessoal e familiar (USF-A; USF-B; USF-C e UCSP) Quais os impactos dos actuais programas normativos de vigilância de saúde (materna, infantil, etc.), respectivas periodicidades e momentos-chave, nos ganhos em saúde? Quais os impactos (ganhos em saúde e efeitos adversos) dos actuais procedimentos normativos de rastreio / detecção oportunista de casos (cancros do colo do útero, mama, colo-rectal), e respectivas periodicidades? Qual ou quais das aplicações informáticas em uso, actualmente, para o mesmo fim, proporcionam melhores resultados? Qual ou quais os tipos de educação médica/profissional contínua que são mais vantajosos: congressos e similares? cursos em sala? formação estruturada inter-pares nas equipas? círculos de qualidade? ou outros? Efectividade dos diferentes tipos de intervenções de educação para a saúde quais os que valem a pena e são custo-efectivos? VII Subsidariedade e descentralização de competências de gestão Análise comparativa de resultados de experiências já efectuadas Análise de agendas de actores e de possíveis conflitos de interesses Processo transformacional sistémico: que factores a montante ( vis a monti )? que factores a jusante ( vis a tergo )? Quais os pontos e factores críticos para a mudança e para o bloqueio e imobilismo? VIII Gestão e liderança nos agrupamentos de centros de saúde (ACES) Tipologias de comportamento dos dirigentes e respectivas consequências Análise de perspectivas e expectativas dos profissionais Desenvolvimento de modelos e de escalas de avaliação de desempenho de gestão e de liderança IX Governação clínica e de saúde, gestão integrada de doenças crónicas e multimorbilidade Como desenvolver a governação clínica e de saúde nos CSP em Portugal? Estratégias para a gestão integrada de doenças crónicas e multimorbilidade Ministério da Saúde - Cuidados de Saúde Primários Coordenação Estratégica ( ) 4

5 X Desenvolvimento humano, de equipas e impacto da formação Qual o skill mix óptimo em CSP? Análise previsional a curto-médio-longo prazo de necessidades no modelo de rede de equipas multiprofissionais complementares Como alinhar os curricula da formação profissional (pré e pós-graduada) com as novas necessidades em cuidados de saúde? Avaliação do impacto da formação pré e pós-graduada nos cuidados de saúde Que estratégias adoptar para reter voluntariamente os médicos de família no SNS? Quais as dinâmicas mais eficazes para o desenvolvimento das equipas? Lideranças descentralizadas - seus efeitos no clima, na motivação, na satisfação no trabalho e nos resultados organizacionais? Que inovações estão a emergir nas equipas de CSP? Análises comparativas da evolução de desempenho nas USF/UCSP com internos da especialidade MGF (actualmente com 4 anos) XI Desempenho das equipas de saúde pessoal e familiar Como superar os problemas actuais das USCP? Que factores podem levar as UCSP e desejarem evoluir para USF? Desenvolvimento e renovação de indicadores e modalidades de contratualização Qual a evolução da prestação de cuidados no domicílio: antes e depois da reorganização em equipas de saúde pessoal e familiar? Impactos dos modelos retributivos nos desempenhos em relação a indicadores de efectividade (ganhos em saúde*), qualidade e eficiência organizacional Estimativas de fracção de efeitos (em ganhos em saúde*) atribuíveis às mudanças assistenciais decorrentes do novo modelo organizacional dos serviços de CSP XII Desempenho das equipas de cuidados na comunidade Definição e aperfeiçoamento de carteiras de serviços, indicadores e modalidades de contratualização para as UCC Modelo normativo vs modelo de desenvolvimento por geometria variável nas unidades de cuidados na comunidade (UCC) desempenho das unidades e impacto? Que mais valias, em qualidade e quantidade, trazem as UCC para a comunidade? Desenvolvimento de modelos para apoio à decisão de organização de unidades e de aplicação de recursos humanos em projectos de cuidados na comunidade XIII Prioritização de projectos de intervenção em saúde da comunidade Prioritização e avaliação de projectos de intervenção em saúde da comunidade análise comparativa de métodos Ministério da Saúde - Cuidados de Saúde Primários Coordenação Estratégica ( ) 5

6 XIV Intervenções em saúde populacional e saúde pública Carteiras de serviços, indicadores e modalidades de contratualização para as USP Que modalidade(s) de observatórios locais de saúde se ajusta(m) à realidade portuguesa? Estratégias locais de saúde (ELS) modelos alternativos e comparação de impactos Qual a evidência que suporta as medidas de prevenção secundária instituídas a grupos populacionais e qual a qualidade dessa evidência num dado momento do estado do conhecimento científico? XV Interligação em rede de unidades e partilha de competências/serviços Estudos de impacto de novas áreas de intervenção em CSP? Que indicadores de gestão e modalidades de partilha de competências e de serviços? Interacção entre as diferentes equipas/unidades funcionais no terreno (USF/UCSP UCC USP - URAP): como evitar sobreposições, desperdício de tempo e redundâncias? Avaliação de modalidades e de dinâmicas de intermutação em rede de participação entre equipas estruturais e equipas transversais XVI Interfaces, referenciação e interligação com hospitais e RNCCI Estudos comparativos da evolução dos processos de comunicação-referenciação entre CSP e hospitais, no âmbito do programa Consulta a Tempo e Horas (CTH) Estudos comparativos da evolução dos processos de interligação CSP - RNCCI Interfaces, referenciação e interligação com hospitais e RNCCI medição de efeitos (por exemplo, na evolução da qualidade do ciclo de referenciação, na procura de urgências hospitalares, entre outros). XVII Empowerment, capacitação e participação dos cidadãos e da comunidade Inovação e fenómenos emergentes de empowerment dos cidadãos e das comunidades no âmbito dos CSP Educação do doente e resultados em saúde (estudos baseados na prática dos CSP) Quais as modalidades mais eficazes de participação dos cidadãos e das comunidades na saúde (práticas dos CS, gabinetes do cidadão e conselhos da comunidade)? Ministério da Saúde - Cuidados de Saúde Primários Coordenação Estratégica ( ) 6

7 XVIII Sistemas de informação (SI) - arquitectura, engenharia e gestão dos SI e das TIC; registos e codificação Como superar pontos críticos e prosseguir vias de desenvolvimento? Análise de agendas dos actores e identificação de eventuais conflitos de interesses Quais as experiências mais avançadas, já em funcionamento no domínio dos SI? Integração de sistemas, fluidez e segurança da informação - estudos de casos concretos Quais os custos de oportunidade dos bloqueios, das quebras, da lentidão e de outros problemas de estrutura e de funcionamento de TIC instaladas? Soluções para a interoperabilidade entre as múltiplas aplicações em uso XIX Arquitectura dos edifícios CSP (exterior e interior Análise comparativa da funcionalidade das instalações inauguradas ou remodeladas nos últimos 5 anos Arquitectura e multidisciplinaridade em CSP - (estudos de casos concretos no terreno) Como prevenir e/ou superar as principais deficiências e insuficiências dos projectos de arquitectura recentes, actuais e futuros? Que relações entre a satisfação dos utentes, a taxa de utilização e outros indicadores e a arquitectura dos serviços? XX Impacto dos métodos e técnicas da Qualidade nos ganhos em saúde Quais os impactos das acreditações dos ACES e das suas unidades funcionais? Quais os impactos das auditorias clínicas? Quais os impactos das auditorias de gestão? Quais os impactos dos ciclos de qualidade desenvolvidos localmente? XXI - Avaliação de tecnologias apropriadas em CSP Desenvolvimento de artefactos e equipamentos Desenvolvimento de técnicas e tecnologias Avaliação de tecnologias e grau de apropriação em CSP Desenvolvimento de sistemas de apoio à decisão clínica Análise de custo benefício da manutenção e substituição periódica de equipamentos: ganhos em eficiência, redução de custos energéticos, satisfação, etc. Ministério da Saúde - Cuidados de Saúde Primários Coordenação Estratégica ( ) 7

8 Anexo I Tipologia dos resultados / ganhos a considerar Os projectos deverão, sempre que possível, incluir medidas de resultados ou de efeito, tais como: clima organizacional; desempenho organizacional (balanced score card, por exemplo) satisfação dos profissionais; satisfação dos utentes; desempenho/ comportamentos dos profissionais (qualidade da prescrição de medicamentos e de meios auxiliares de diagnóstico e terapêutica, por exemplo) e, quando adequado e exequível, resultados em termos de ganhos em saúde. Em relação às medidas de ganhos em saúde sugerem-se as exemplificadas na tipologia indicada no Quadro seguinte. 1. Potencial de saúde - melhoria das defesas biológicas (estado imunitário) e psicológicas (SOC de A. Antonovsky), do potencial de saúde das pessoas, através da auto-percepção dos seus estados de saúde, entre outros; 2. Determinantes da saúde - redução e/ou controle de factores que possam determinar a ocorrência de doenças, acidentes ou morte (tabaco, alimentação, álcool, etc.); 3. Doenças agudas resolução, estabilização e/ou encurtamento de duração de episódios agudos de doença e do consequente sofrimento; 4. Doenças evitáveis redução ou estabilização da ocorrência de doenças evitáveis, num dado período de tempo; 5. Doenças crónicas redução ou estabilização de incidência, de prevalência e/ou controle de sofrimento / de consequências/ de complicações de doenças; 6. Mortes prematuras evitáveis redução do número de mortes prematuras evitáveis (com os meios disponíveis); 7. Qualidade de vida aumento dos níveis de funcionalidade e de qualidade de vida relacionados com a saúde; 8. Esperança de vida com qualidade aumento do número de anos vividos com qualidade (DALE, por exemplo). Ministério da Saúde - Cuidados de Saúde Primários Coordenação Estratégica ( ) 8

Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios

Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios Patrícia Barbosa Investigadora Escola nacional de Saúde Pública, Universidade Nova de Lisboa; Colaboradora do Observatório Português dos Sistemas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante INTRODUÇÃO II - DO OBJETO E DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS III - DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA IV - DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO V - DO RECEBIMENTO DA DOCUMENTAÇÃO E DA PROPOST VI - ABERTURA DOS ENVELOPES VII - DA DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... NOTA INTRODUTÓRIA... 1

ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... NOTA INTRODUTÓRIA... 1 ÍNDICE DE QUADROS ÍNDICE ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE GRÁFICOS... ix xiii xiv NOTA INTRODUTÓRIA... 1 Parte 1O «ACIDENTE TÍPICO» EM TODOS OS SECTORES DE ACTIVIDADE (PERÍODO 2001-2003)...

Leia mais

Relatório de Progresso da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários

Relatório de Progresso da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários Ministério da Saúde Relatório de Progresso da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários (Etapa II) Situação em 30 de Junho de 2010 Enquadramento Este Relatório dá cumprimento à atribuição cometida ao Grupo

Leia mais

Direito. Lições. Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa

Direito. Lições. Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa MARIA JOÃO ESTORNINHO Professora Catedrática da Faculdade de Direito de Lisboa e da Faculdade de Direito da Univ. Católica Portuguesa TIAGO MACIEIRINHA Assistente da Escola de Lisboa da Faculdade de Direito

Leia mais

Sérgio Antunes de Carvalho

Sérgio Antunes de Carvalho A EXPERIENCIA DE GERIR A ENFERMAGEM DA FORMAÇÃO AO CONTEXTO DA PRÁTICA DOS CUIDADOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DIFICULDADES PERCEBIDAS - Diferenças substanciais dos ACES no que se refere a políticas de

Leia mais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais

Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Prioridades de capacitação em saúde da comunidade nos cuidados de saúde primários: um estudo com os ACES de Almada Seixal e Cascais Capacitação em saúde como prioridade A capacitação dos cidadãos em saúde

Leia mais

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC Data de referência da informação: 18 de Novembro de 2016 SUMÁRIO EXECUTIVO Os cuidados de saúde primários (CSP) constituem o primeiro ponto de contacto

Leia mais

Apresentação aos novos Médicos MGF

Apresentação aos novos Médicos MGF Apresentação aos novos Médicos MGF Diretor Executivo Gonçalves André TORRES VEDRAS 31-05-2016 PLANO DE EXPOSIÇÃO Caracterização Geral do ACES Oeste Sul Resultados Impacto da Contratualização no desempenho

Leia mais

Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP) e indicadores de referência para a implementação e desenvolvimento destas equipas

Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP) e indicadores de referência para a implementação e desenvolvimento destas equipas N. 1/2017/CNCP/ACSS DATA: 12-01-2017 CIRCULAR NORMATIVA PARA: Instituições Hospitalares do SNS, Administrações Regionais de Saúde, IP/Agrupamentos de Centros de Saúde/Unidades Locais de Saúde, EPE ASSUNTO:

Leia mais

Profissionais da Sau de e provimento em aŕeas remotas

Profissionais da Sau de e provimento em aŕeas remotas AGO Associação para o Desenvolvimento e Cooperação Garcia de Orta Profissionais da Sau de e provimento em aŕeas remotas Histórias da História dos Cuidados de Saúde Primários Portugueses USF Marginal ACES

Leia mais

Ciências Genéticas. Atividades Complementares 20. Ciências Humanas Ciências Sociais Ciências Biológicas. Atividades Complementares 20

Ciências Genéticas. Atividades Complementares 20. Ciências Humanas Ciências Sociais Ciências Biológicas. Atividades Complementares 20 MÓDULO I Bases Elementares para o Estudo e Compreensão do Comportamento: Aspectos Históricos INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE LONDRINA - INESUL CARGA HORÁRIATOTAL DO CURSO 4250 horas relógio CARGA HORÁRIA

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 Tipologias de Intervenção 3.6, 8.3.6 e 9.3.6 Qualificação dos Profissionais da Saúde I Prioridades a considerar na seleção de candidaturas para 2013 Concurso n.º13/2013

Leia mais

Como formar uma USF?

Como formar uma USF? Como formar uma USF? Apresentação Numa palavra USF? e formar uma USF https://www.youtube.com/watch?v=5ztm-iyupm4 Quem e como se pensou sns? Baseados em cuidados primários efectivos Médicos generalistas

Leia mais

ANO CONGRESSO PAÍS TEMAS TÉCNICOS 1953 I Cuba Tema 1 O sistema de contabilidade do Estado, fundamento da intervenção e fiscalização dos Tribunais de

ANO CONGRESSO PAÍS TEMAS TÉCNICOS 1953 I Cuba Tema 1 O sistema de contabilidade do Estado, fundamento da intervenção e fiscalização dos Tribunais de ANO CONGRESSO PAÍS TEMAS TÉCNICOS 1953 I Cuba Tema 1 O sistema de contabilidade do Estado, fundamento da intervenção e fiscalização dos Tribunais de Contas. Alcance da fiscalização preventiva na execução

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T17. Bibliografia. Conceitos a reter. Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) Livro EFP, Cap. 12. Orçamento do Estado

Economia e Finanças Públicas Aula T17. Bibliografia. Conceitos a reter. Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) Livro EFP, Cap. 12. Orçamento do Estado Economia e Finanças Públicas Aula T17 Cap. 5 - Orçamento do Estado (OE) 5.1 Noção de orçamento e ciclo orçamental 5.1.1 Noção, âmbito e importância do OE 5.1.2 O conteúdo da Proposta de Lei do OE 5.1.3

Leia mais

Enquadramento Geral da Educação e do Ensino Gráfico 31 - População Residente Nível de Instrução (%/n.º). 59 Gráfico 32 - População Residente com 3.ºCi

Enquadramento Geral da Educação e do Ensino Gráfico 31 - População Residente Nível de Instrução (%/n.º). 59 Gráfico 32 - População Residente com 3.ºCi Índice de Gráficos O Concelho de Soure Gráfico 1 - Distâncias das Freguesias àsede do Concelho.14 Gráfico 2 - Variação dapopulação Residente 1981 1991.21 Gráfico 3 - Variação dapopulação Residente 1991

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO E OPERACIONAL EIXOS ESTRATÉGICOS

PLANO ESTRATÉGICO E OPERACIONAL EIXOS ESTRATÉGICOS REFORMA DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL PARA OS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS PLANO ESTRATÉGICO E OPERACIONAL Missão Expansão e melhoria da capacidade da rede de cuidados de saúde primários,

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da Administração Regional de Saúde

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) SIADAP 1 - Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO : Garantir à população da região de saúde do Norte o acesso a cuidados de saúde de qualidade, em tempo útil e a custos socialmente comportáveis, adequando os recursos disponíveis às

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante I - INTRODUÇÃO II - OBJETO III - DOS ÓRGÃOS E UNIDADES INTEGRANTES DO REGISTRO IV - CONDIÇÕES GERAIS PARA PARTICIPAÇÃO V - DO RECEBIMENTO DA DOCUMENTAÇÃO E DA PROPOST VI - ABERTURA DOS ENVELOPES VII -

Leia mais

Documento de Trabalho

Documento de Trabalho AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE Documento de Trabalho O Decreto-Lei nº 28/2008 de 22 de Fevereiro cria os agrupamentos de centros de saúde (ACES) do Serviço Nacional de

Leia mais

Jornadas de Cuidados Continuados Integrados

Jornadas de Cuidados Continuados Integrados WWW.ACSS.MIN-SAUDE.PT 2 May 2016 Jornadas de Cuidados Continuados Integrados Para onde caminhamos? Rede de cuidados continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade, futuro e Sustentabilidade

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Sistema de Gestão de Utentes do Serviço Nacional de Saúde 1. Porquê um sistema de gestão de utentes do SNS? Documento de trabalho (Versão de

Leia mais

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR:

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE FUTURO PAULA SANTANA HELENA PEIXOTO 27º Encontro Nacional de Clínica Geral, Vilamoura, Março de 2010 Objectivos do Estudo

Leia mais

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 Ordem de trabalhos: - Rede de Referência - Composição UCF

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 1. Introdução O Banco Espírito Santo, S.A. (o Banco) desenvolve diversas

Leia mais

INSTRUÇÃO INFORMÁTICA N.º 36/2007 CONTROLO DE PRAZOS DE REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS DE DANOS MATERIAIS COM DANOS CORPORAIS

INSTRUÇÃO INFORMÁTICA N.º 36/2007 CONTROLO DE PRAZOS DE REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS DE DANOS MATERIAIS COM DANOS CORPORAIS INSTRUÇÃO INFORMÁTICA N.º 36/2007 CONTROLO DE PRAZOS DE REGULARIZAÇÃO DE SINISTROS DE DANOS MATERIAIS COM DANOS CORPORAIS Objectivo Instruções para a constituição do ficheiro, em suporte informático, para

Leia mais

Investigação em Saúde Pública

Investigação em Saúde Pública Investigação em Saúde Pública José Pereira Miguel 2º Congresso Nacional de Saúde Pública Porto 28 10 2010 Out 2010 I&D em Saúde Pública - JPM Sumário Conceito e crise da Saúde Pública Tipologias i de investigação

Leia mais

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios?

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários Unidades Cuidados Comunidade: Projetos, Programas e Recursos. Desafios! Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Apresentação da: Unidade de Cuidados

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Análise SWOT. recomendações para o. o desenvolvimento. dos. Cuidados de Saúde Primários

Análise SWOT. recomendações para o. o desenvolvimento. dos. Cuidados de Saúde Primários Ministério da Saúde Grupo Técnico para o Desenvolvimento dos Cuidados de Saúde Primários Análise SWOT e recomendações para o o desenvolvimento dos Cuidados de Saúde Primários Documento de trabalho - versão

Leia mais

Agradecimentos. Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho. e nas minhas capacidades,

Agradecimentos. Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho. e nas minhas capacidades, Agradecimentos Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho e nas minhas capacidades, pelo apoio incansável nos momentos mais aflitivos, pelas

Leia mais

RNCCI ANÁLISE SWOT. Análise SWOT da RNCCI

RNCCI ANÁLISE SWOT. Análise SWOT da RNCCI Análise SWOT da RNCCI PONTOS FORTES Convergência de esforços entre a Saúde e Segurança Social, no sentido da implementação de um modelo de intervenção multisectorial (integração da RNCCI no SNS e SS);

Leia mais

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Bárbara Menezes Coordenadora do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil Divisão de Saúde Sexual,Reprodutiva, Infantil

Leia mais

O Novo perfil profissional do Técnico de Radiologia dos Cuidados de Saúde Primários CARLOS NUJO ACES FEIRA/AROUCA

O Novo perfil profissional do Técnico de Radiologia dos Cuidados de Saúde Primários CARLOS NUJO ACES FEIRA/AROUCA O Novo perfil profissional do Técnico de Radiologia dos Cuidados de Saúde Primários CARLOS NUJO ACES FEIRA/AROUCA Evolução do T. de Radiologia nos CSP Evolução dos Centros de Saúde Função do T. de Radiologia

Leia mais

ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES

ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES Junho de 2016 CARACTERIZAÇÃO DO ACES OESTE SUL O ACES Oeste Sul, é um serviço desconcentrado da ARSLVT, IP com autonomia administrativa e gestionária, nos termos previstos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE relatório pela As entidades Inspeção-Geral circunstanciado prestadoras das sobre Atividades de cuidados o acesso em de Saúde, aos saúde cuidados conforme devem que publicar o prestam, disposto e o divulgar,

Leia mais

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2 Questões da Semana 1 Indicadores solicitados no âmbito do Relatório Anual de Acesso a Cuidados de Saúde Relatórios SIARS a utilizar para o preenchimento do quadro pág.12 Com o objectivo de responder às

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 651/XIII/2.ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 651/XIII/2.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 651/XIII/2.ª RECOMENDA AO GOVERNO QUE RECUSE O PLANO PARA A CONSTITUIÇÃO DA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE ENTRE O DOURO E VOUGA, PROCURANDO ALTERNATIVAS QUE GARANTAM

Leia mais

CCAE. Lógica Aplicada a Computação - Teoria dos Conjuntos - Parte II. UFPB - Campus IV - Litoral Norte. Centro de Ciências Aplicadas e Educação

CCAE. Lógica Aplicada a Computação - Teoria dos Conjuntos - Parte II. UFPB - Campus IV - Litoral Norte. Centro de Ciências Aplicadas e Educação CCA UFB - Campus IV - Litoral Norte Lógica Aplicada a Computação - Teoria dos Conjuntos - arte II Centro de Ciências Aplicadas e ducação rofessor Alexandre Duarte - alexandrend@gmail.com Slides baseados

Leia mais

Portal BI USF. José Luis Biscaia

Portal BI USF. José Luis Biscaia CLOUD S MMIT 2014 25 Junho 2014 - CCB Portal BI USF O Cloud Computing assume importância estratégica nas organizações. Numa era de acelerado desenvolvimento tecnológico, em que a globalização e as profundas

Leia mais

REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Reconfiguração dos Centros de Saúde. Criação de Agrupamentos de Centros de Saúde.

REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Reconfiguração dos Centros de Saúde. Criação de Agrupamentos de Centros de Saúde. REFORMA DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Reconfiguração dos Centros de Saúde Criação de Agrupamentos de Centros de Saúde Luis Pisco Missão para os Cuidados de Saúde Primários Viseu - Hotel Montebelo 12

Leia mais

Como realinhar o financiamento para melhorar a resposta aos doentes crónicos?

Como realinhar o financiamento para melhorar a resposta aos doentes crónicos? Como realinhar o financiamento para melhorar a resposta aos doentes crónicos? Financiamento & Contratualização Perspectiva do Financiador/ Comprador Capacidade para pagar Qualidade/ Acesso aos Cuidados

Leia mais

USF s um modelo de Governação Clínica Ascensão e/ou Queda? Ângela Fernanda Santos Neves Bárbara Inês Carvalho Pessoa

USF s um modelo de Governação Clínica Ascensão e/ou Queda? Ângela Fernanda Santos Neves Bárbara Inês Carvalho Pessoa USF s um modelo de Governação Clínica Ascensão e/ou Queda? Ângela Fernanda Santos Neves Bárbara Inês Carvalho Pessoa Reforma sns s Transversal a toda a Europa Objectivo: garantir prestação de cuidados

Leia mais

Mini MBA Gestão Avançada

Mini MBA Gestão Avançada Mini MBA Gestão Avançada FORMAÇÃO PARA EXECUTIVOS Gestão Curso FEXMMBA 10 Dia(s) 66:00 Horas Introdução Os Cursos de Formação para Executivos, promovidos pela Actual Training, têm por finalidade responder

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE MODELOS DE REFERENCIAÇÃO HOSPITALAR AMÉRICO AFONSO

REFLEXÃO SOBRE MODELOS DE REFERENCIAÇÃO HOSPITALAR AMÉRICO AFONSO REFLEXÃO SOBRE MODELOS DE REFERENCIAÇÃO HOSPITALAR AMÉRICO AFONSO 1 TÓPICOS A ABORDAR Conceitos gerais Redes de Referenciação Hospitalar Perspectivas actuais e futuras Apresentação de exemplo real Conclusões

Leia mais

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública

Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública Prevenção e tratamento do VIH/SIDA nos migrantes e não migrantes: alguns aspectos económicos Julian Perelman Escola Nacional de Saúde Pública (com a colaboração de Alexandre Carvalho e Helena Vaz, Coordenação

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

Clínica Organizacional. Inovação

Clínica Organizacional. Inovação QUALIDADE Clínica Organizacional e Inovação Anabela Coelho Divisãode Gestão da Qualidade Enquadramento O DOENTE PASSOU A TER O DIREITO RECONHECIDO DE Estar informado sobre os fundamentos das decisões que

Leia mais

Plataforma / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa

Plataforma  / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa Plataforma SIM@SNS SIM@SNS / SIARS / MIM@UF 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa 1 Agenda Agenda Enquadramento Caraterização (SIM@SNS / SIARS / MIM@UF) Evolução da plataforma SIM@SNS 2 Enquadramento Plataforma

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE INVESTIMENTOS SOCIAIS

FUNDO MUNICIPAL DE INVESTIMENTOS SOCIAIS a. Quadro Principal DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS : 2015 QUADRO - VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUANTITATIVAS Nota Impostos, Taxas e Contribuições de Melhoria Contribuições Exploração e Venda de Bens,

Leia mais

Capítulo IV A Programação Matemática -------------------------------------------- 93

Capítulo IV A Programação Matemática -------------------------------------------- 93 ÍNDICE Índice de Quadros -------------------------------------------------------------------------- iii Índice de Figuras ---------------------------------------------------------------------------- ix

Leia mais

Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras

Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras Melhoria da Segurança com o Programa da Acreditação na USF Dafundo Nelson Mota Gaspar USF Dafundo ACES Lisboa Ocidental e Oeiras Segurança Postura de análise crítica guiada pelos requisitos propostos Reconhecimento

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE Direcção-Geral da Saúde www.dgs.pt Ministério da Saúde PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE Filipa Homem Christo Divisão de Qualidade Clínica e Organizacional Departamento da Qualidade em Saúde filipahc@dgs.pt

Leia mais

ANEXO I TABELA DE TRANSFORMAÇÃO DE CARGOS EDUCAÇÃO CARGOS TRANSFORMADOS ORD. CARGOS ANTIGOS CLASSES DE CARGOS ATUAIS

ANEXO I TABELA DE TRANSFORMAÇÃO DE CARGOS EDUCAÇÃO CARGOS TRANSFORMADOS ORD. CARGOS ANTIGOS CLASSES DE CARGOS ATUAIS ANEXO I TABELA DE TRANSFORMAÇÃO DE CARGOS EDUCAÇÃO CARGOS TRANSFORMADOS ORD. CARGOS ANTIGOS CLASSES DE CARGOS ATUAIS 1 Agente de Serviços Escolares Agente de Serviços Escolares Q. S. da Educação 2 CARGO

Leia mais

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Relatório Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural

Leia mais

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL

Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL A formação e a remuneração dos profissionais responsáveis pela atenção primária em saúde Formas e estratégias de remuneração dos profissionais da APS em PORTUGAL Henrique Botelho

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho Da Março de 2010 Trabalho Realizado: Enfª Isabel Espírito Santo (MCSP) Enfª Pedro Pardal (MCSP) Enfª Anabela Miguelote (Grupo Parametrizador) Enfº Jorge Barros (Grupo Parametrizador)

Leia mais

(Revisado e aprovado pelo Colegiado do Curso em 24/09/2014)

(Revisado e aprovado pelo Colegiado do Curso em 24/09/2014) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS DE GUANAMBI Distrito de Ceraíma, s/n Zona Rural - Cx Postal 09

Leia mais

PROJECTO CLIP AGENDA. INTRODUÇÃO OBJECTIVO CARACTERISTICAS o AMBITO FUNCIONALIDADES. o PLANO o EQUIPA

PROJECTO CLIP AGENDA. INTRODUÇÃO OBJECTIVO CARACTERISTICAS o AMBITO FUNCIONALIDADES. o PLANO o EQUIPA AGENDA INTRODUÇÃO OBJECTIVO CARACTERISTICAS o AMBITO o PLANO o EQUIPA FUNCIONALIDADES INTRODUÇÃO Em 2003 é lançada a primeira versão do GESDOC Ferramenta oficial de Gestão Documental da Marinha. Permite

Leia mais

Relação de Pré-Requisitos

Relação de Pré-Requisitos Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Centro de Gestão do Conhecimento Organizacional - CGCO Sistema Integrado de Gestão Acadêmica - SIGA CDARA - COORDENADORIA DE ASSUNTOS E REGISTROS ACADÊMICOS

Leia mais

EDITAL 21/2015 PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTAÇÃO DISCENTE NA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BARUERI PADRE DANILO JOSÉ DE OLIVEIRA OHL.

EDITAL 21/2015 PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTAÇÃO DISCENTE NA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BARUERI PADRE DANILO JOSÉ DE OLIVEIRA OHL. EDITAL 21/2015 PARA ELEIÇÃO DE REPRESENTAÇÃO DISCENTE NA CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BARUERI PADRE DANILO JOSÉ DE OLIVEIRA OHL. A Comissão Eleitoral da Fatec Barueri, tendo em vista a instalação

Leia mais

Notícias Consolidação das Leis Federais

Notícias Consolidação das Leis Federais Notícias Consolidação das Leis Federais Encaminhado ao Congresso Nacional Projeto de lei para declarar expressamente revogadas leis e decretos-leis cujos preceitos perderam eficácia. (EM nº 020/2000 -

Leia mais

UNIDADES CURRICULARES

UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES Bioética e Gestão em Saúde Docente Responsável: Paula Lobato Faria Objectivos da unidade curricular: Promover a reflexão e debate sobre questões de natureza ética relacionadas com

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de Março de cada ano, um relatório circunstanciado sobre o acesso aos

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR. Os Pretéritos Perfeito Simples e Composto em Português e Castelhano: Semelhanças e Diferenças

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR. Os Pretéritos Perfeito Simples e Composto em Português e Castelhano: Semelhanças e Diferenças UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE ARTES E LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRAS Os Pretéritos Perfeito Simples e Composto em Português e Castelhano: Semelhanças e Diferenças LILIANA FILIPA PAIS CORREIA

Leia mais

JOVENS TÉCNICOS PARA O AMBIENTE

JOVENS TÉCNICOS PARA O AMBIENTE 1. Apresentação JOVENS TÉCNICOS PARA O AMBIENTE O INOV-JOVEM, é um programa destinado a estimular o processo de inovação e desenvolvimento nas PME portuguesas, permitindo assim, a promoção de um emprego

Leia mais

Os desafios da oncologia: a sociedade, o sistema, o doente. Gabriela Sousa Oncologia Médica IPO Coimbra

Os desafios da oncologia: a sociedade, o sistema, o doente. Gabriela Sousa Oncologia Médica IPO Coimbra Os desafios da oncologia: a sociedade, o sistema, o doente Gabriela Sousa Oncologia Médica IPO Coimbra Na União Europeia, e tendo como base apenas o envelhecimento da população, é previsto um aumento dos

Leia mais

Equipe Central de Gestão Universitária Secretaria Especial de Avaliação Institucional (SEAVI) ENADE 2014

Equipe Central de Gestão Universitária Secretaria Especial de Avaliação Institucional (SEAVI) ENADE 2014 Equipe Central de Gestão Universitária Secretaria Especial de Avaliação Institucional (SEAVI) ENADE 2014 Ações Realizadas 3- Videoconferências com Coordenadores (13/06 e 09/07) 4- Campanha de comunicação

Leia mais

METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO

METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO UNIDADES DE SAÚDE FAMILIAR E UNIDADES DE CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS METODOLOGIA DE CONTRATUALIZAÇÃO Versão revista a 24 de Fevereiro de 2010 08 de Janeiro de 2010 1 Conteúdo Siglas utilizadas...

Leia mais

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Novas tendências e desafios na Economia da Saúde Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Desafios metodológicos vs. de temas mundo académico vs. mundo das políticas de saúde 01/04/2016 2 Temas que

Leia mais

Comissões da Qualidade e Segurança 6ª Reunião novembro/dezembro de 2015

Comissões da Qualidade e Segurança 6ª Reunião novembro/dezembro de 2015 Comissões da Qualidade e Segurança 6ª Reunião novembro/dezembro de 2015 Alexandre Diniz Anabela Coelho Maria João Gaspar AGENDA 1. Enquadramento 2. Ponto de situação sobre a implementação dos projectos

Leia mais

Relatório Final. Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança

Relatório Final. Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança Relatório Final Os cidadãos no centro do sistema Os profissionais no centro da mudança 21-Nov-2011 1 Abordagem Conceptual para a Reforma Hospitalar 1 Diagnóstico 2 Transformação 3 Implementação 2 M Eur

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Ergonomia Código da Disciplina: EPD 006 Curso: Engenharia de Produção Faculdade responsável: Engenharia

Leia mais

José Biscaia USF São Julião

José Biscaia USF São Julião Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2009 25 de Novembro de 2009 Auditório do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa José Biscaia USF São Julião Patrocínio: Patrocinadores Globais O Centro de

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO Anexo VIII 1/7 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-AÇÃO 2016-2018 2/7 1. ENQUADRAMENTO O Sistema Integrado de Referenciação e de Gestão do Acesso à Primeira Consulta de Especialidade Hospitalar nas Instituições do SNS,

Leia mais

Dia Internacional da Higiene das Mãos

Dia Internacional da Higiene das Mãos Dia Internacional da Higiene das Mãos Prevenção e Controlo da Infeção e da Resistência aos Antimicrobianos PPCIRA Dia 5 de Maio de 2016 Auditório Tomé Pires, INFARMED, Lisboa Paulo André Fernandes Ana

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 52 DE 09 DE OUTUBRO DE 2001

ATO NORMATIVO Nº 52 DE 09 DE OUTUBRO DE 2001 ATO NORMATIVO Nº 52 DE 09 DE OUTUBRO DE 2001 DISPÕE SOBRE REGULAMENTAÇÃO E NORMAS PARA O EXERCÍCIO DA FISCALIZAÇÃO, CONCERNENTES A ESTUDOS, PROJETOS E SERVIÇOS NECESSÁRIOS À EXECUÇÃO DE EDIFICAÇÕES. O

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 191, DE 12 DE JULHO DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 191, DE 12 DE JULHO DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 191, DE 12 DE JULHO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA UNIVESIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA Chapecó SC,

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO Economia Internacional I

UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO Economia Internacional I UNIVERSIDADE DOS AÇORES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E GESTÃO Economia Internacional I Enquadramento: A disciplina de Economia Internacional I está planeada como obrigatória na Licenciatura em Economia e na

Leia mais

ORIGENS E FORMAÇÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS

ORIGENS E FORMAÇÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS A Fernando da Silva Correia ORIGENS E FORMAÇÃO DAS MISERICÓRDIAS PORTUGUESAS I Livros I Horizonte ÍNDICE GERAL PREFÁCIO 7 NOTA LIMINAR 9 INTRODUÇÃO 13 0 CONCEITO DE ASSISTÊNCIA 13 AS DIFICULDADES DA HISTÓRIA

Leia mais

QUALIHOSP São Paulo, 03 de abril de 2012

QUALIHOSP São Paulo, 03 de abril de 2012 Regulação e Qualidade QUALIHOSP São Paulo, 03 de abril de 2012 Ações para melhoria da Qualidade Remuneração Qualificação Informação Qualidade Resolução Normativa n o 267 QUALIFICAÇÃO Programa de Divulgação

Leia mais

ENQUADRAMENTO DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 15

ENQUADRAMENTO DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 15 ÍNDICE Apresentação 13 PRIMEIRA PARTE ENQUADRAMENTO DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 15 I. A Gestão dos Recursos Humanos: do Modelo Clássico ao Modelo Gestionário 1. Antecedentes

Leia mais

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO (Artigo 17.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) Organismo avaliado: ARS CENTRO 1.

Leia mais

1 de 5 ERTE/PTE > dinamização e projectos > Iniciativa "comtic" > Regulamento do concurso Edital da Iniciativa Abertura de candidaturas ao apoio a conceder pelo Ministério da Educação a Projectos de Escola

Leia mais

Estudo Interoperabilidade na Saúde Apresentação Pública

Estudo Interoperabilidade na Saúde Apresentação Pública Interoperabilidade na Saúde - Onde Estamos? 26 de novembro de 2013 Auditório Escola Nacional de Saúde Pública Patrocinadores Globais APDSI Estudo Interoperabilidade na Saúde Apresentação Pública Escola

Leia mais

Prefácio 17 Explicação necessária 19

Prefácio 17 Explicação necessária 19 SUMÁRIO Prefácio 17 Explicação necessária 19 I. CONSTITUIÇÃO 21 1. Conceitos 21 2. História das Constituições 21 3. Classificação das Constituições 23 4. Elementos das Constituições 24 5. Estrutura da

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

ANEXO I. Tabela I Reitoria. Nível Cargo Vagas

ANEXO I. Tabela I Reitoria. Nível Cargo Vagas ANEXO I Tabela I Reitoria Nível C Auxiliar em Assuntos Educacionais 1 Nível C Auxiliar de Administração 4 Assistente em Administração 12 Técnico em Arquivo 2 Informática 1 Técnico em Secretariado 3 Técnico

Leia mais

Índice. Parte I: Organização, Racionalidade, Estruturas e Sistemas...7

Índice. Parte I: Organização, Racionalidade, Estruturas e Sistemas...7 Índice Prefáce de Jean-Louis Laville........................... xiii Prefácio........................................ xvii Nota.......................................... xxi Introdução Geral...................................

Leia mais

ACES Almada-Seixal RELATÓRIO ANUAL DE ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

ACES Almada-Seixal RELATÓRIO ANUAL DE ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL DE ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE Nota Introdutória O presente documento corresponde ao Relatório Anual de Acesso a Cuidados de Saúde proporcionado pelas Unidades Funcionais do Agrupamento

Leia mais

Objectivos Operacionais (OO) Eficácia Ponderação: 50% Aumentar em 50% o número de USF em actividade na região Norte + 57% (69 USF) 10%

Objectivos Operacionais (OO) Eficácia Ponderação: 50% Aumentar em 50% o número de USF em actividade na região Norte + 57% (69 USF) 10% Ministério: Ministério da Saúde Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte, IP QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - ANO 2008 MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE

RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE RELATÓRIO ANUAL SOBRE O ACESSO A CUIDADOS DE SAÚDE As entidades prestadoras de cuidados de saúde devem publicar e divulgar, até 31 de Março de cada ano, um relatório circunstanciado sobre o acesso aos

Leia mais

1ª JORNADAS DA QUALIDADE INEM A EXPERIÊNCIA DA ACREDITAÇÃO SEGUNDO MODELO NACIONAL ACREDITAÇÃO EM SAÚDE- DGS/ACSA DA USF VALONGO

1ª JORNADAS DA QUALIDADE INEM A EXPERIÊNCIA DA ACREDITAÇÃO SEGUNDO MODELO NACIONAL ACREDITAÇÃO EM SAÚDE- DGS/ACSA DA USF VALONGO 1ª JORNADAS DA QUALIDADE INEM A EXPERIÊNCIA DA ACREDITAÇÃO SEGUNDO MODELO NACIONAL ACREDITAÇÃO EM SAÚDE- DGS/ACSA DA USF VALONGO Margarida Abreu Aguiar Médica Coordenadora da USF Valongo PERGUNTAS A RESPONDER

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA Página 1 de 5 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 469, DE 6 DE JUNHO DE 2017 A PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida -

Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - Unidade de Cuidados na Comunidade -1º Ano de Vida - CUIDADOS DE SUPORTE: Saúde Mental na Comunidade SANDRA MOREIRA Enf.ª ULSM - Coordenadora UCCSMI Título de Especialista em Enfermagem de Saúde Mental

Leia mais

Versão de trabalho PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO À EXECUÇÃO DOS PROJECTOS

Versão de trabalho PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO À EXECUÇÃO DOS PROJECTOS Versão de trabalho PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO À EXECUÇÃO DOS PROJECTOS UMCCI Março de 2009 Índice 1 Introdução.. 3 2 - Contabilização do investimento e dos incentivos 3 3 - Execução do projecto 4

Leia mais

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários PATROCINADOR OURO Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários Isabel Hintze d Almeida MFamília- CS Povoação Isabel_h_almeida@hotmail.com 1 Sumário Qualidade em CSP Programas Regionais

Leia mais