Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização do ACES LISBOA NORTE"

Transcrição

1 Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013

2 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos

3 Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica de influência, através de : Promover da Saúde e Prevenção da Doença; Prestação de cuidados personalizados e continuados de saúde; Integração de cuidados; Vigilância epidemiológica e investigação em saúde; Implementação da qualidade total; Formação dos vários grupos profissionais nas fases pré-graduada, pós-graduada e contínua.

4 Visão Garantir a excelência dos Cuidados de Saúde Primários, reconhecidos pela inovação, criatividade e qualidade. Obter ganhos em saúde, com a participação e satisfação Obter ganhos em saúde, com a participação e satisfação do Cidadão e dos Profissionais.

5 Valores Centrado no Cidadão Integrado na Comunidade Ética, Rigor e Profissionalismo Promoção de Boas Práticas / Melhoria da Prestação de Cuidados Trabalho em Equipa Eficiência e Eficácia Inovação

6 Quantos somos. População Residente do ACES Lisboa Norte e da ARSLVT Indicadores demograficos Unidade Medida ACESLN ACESLN Variação ARSLVT ARSLVT Variação Residentes Residentes Residentes Residentes ACESLN ARSLVT População residente Nº ,66% ,94% Proporção de População residente feminina % 54,64% 54,37% -0,27% 51,79% 52,52% 0,73% População residente com menos de 15 anos Nº ,10% ,94% População residente com idades entre anos (Pop. Ativa) Nº ,70% ,84% População residente com mais de 65 anos (idosos) Nº ,66% ,26% Índice de dependência de jovens % 24,67% 21,13% -3,54% 24,06% 23,31% -0,75% Índice de dependência de idosos % 39,82% 35,26% -4,56% 28,40% 29,00% 0,60% ìndice de envelhecimento % 161,41% 166,88% 5,47% 118,03% 124,42% 6,39% Índice de dependência total % 64,48% 56,39% -8,09% 52,45% 52,30% -0,15% Fonte INE Census 2011 atualizados a Novembro de 2012 Média 15 ACES ARSLVT

7 População residente por freguesia ACES Lisboa Norte Local % de Mulheres idade fértil % de Jovens % Potencialm ente Ativos % Idosos Índice de Juventud e Índices Demográficos Índice de Envelhec imento Índice Dependê ncia de Jovens Índice Dependê ncia de Idosos Índice Dependê ncia Total Índice de Longevid ade Índice de Maternid ade Índice Reno. Pop. Ativa Índice de Índice Tendênci Potencia a lidade Alvalade 34,79% 11,53% 57,0% 31,50% 36,61% 273,12% 20,25% 55,30% 75,55% 65,68% 19,43% 78,44% 102,99% 93,94% Ameixoeira 49,13% 17,57% 67,6% 14,80% 118,68% 84,26% 25,98% 21,89% 47,86% 40,38% 24,28% 130,38% 105,03% 117,07% Benfica 38,10% 11,03% 60,0% 28,93% 38,13% 262,28% 18,38% 48,20 66,57% 47,13% 17,41% 82,14% 104,90% 93,36% Campo Grande 41,70% 13,31% 62,3% 24,37% 54,61% 183,13% 21,35% 39,10% 60,45% 59,37% 20,35% 101,78% 102,70% 99,01% Campolide 40,88% 11,69% 64,2% 24,08% 48,56% 205,92% 18,21% 37,50% 55,71% 54,36% 18,09% 100,99% 96,73% 89,36% Carnide 46,49% 16,19% 68,3% 15,55% 104,08% 96,08% 23,71% 22,78% 46,49% 47,02% 20,59% 95,96% 94,82% 83,30% Charneca 51,12% 19,39% 66,9% 13,75% 141,00% 70,92% 28,99% 20,56% 49,56% 41,51% 25,25% 139,90% 108,78% 101,83% Lumiar 47,58% 15,38% 68,4% 16,17% 95,06% 105,20% 22,46% 23,63% 46,09% 45,81% 20,88% 102,00% 104,29% 92,48% São Domingos de Benfica 41,06% 12,38% 63,0% 24,63% 50,28% 198,90% 19,65% 39,09% 58,75% 48,45% 17,61% 83,32% 94,24% 89,94% São João de Brito 35,92% 11,29% 57,5% 31,25% 36,13% 276,81% 19,65% 54,39% 74,04% 63,96% 18,25% 93,32% 102,13% 91,45% São Sebastião da Pedreira 40,72% 12,61% 63,2% 24,20% 52,12% 191,88% 19,97% 38,31% 58,27% 57,59% 17,36% 92,50% 95,70% 89,46% Nossa Senhora de Fátima 40,34% 11,96% 62,0% 26,03% 45,95% 217,61% 19,29% 41,98% 61,26% 55,93% 16,16% 106,64% 92,26% 108,42% Total ACES Norte 42,56% 13,56% 63,93% 22,50% 165,80% 21,22% 35,19% 56,41% ARSLVT 52,52% 15,30% 65,66% 19,04% 80,37% 124,42% 23,31% 29,00% 52,30% 46,62% 20,87% 92,31% 96,83% 84,82% Portugal 52,22% 14,89% 66,08% 19,03% 78,22% 127,84% 22,53% 28,80% 51,33% 47,86% 19,22% 94,34% 91,92% 83,23% Fonte: Documentos de apoio à contratualização de 2013, de DPC-CSP, da ARSLVT

8 População inscrita População Inscrita ACESLN Inscritos 2011 ACESLN Inscritos 2012 Variação Inscritos Índice de dependência de idosos 32,90% 32,90% 0% Índice de dependência de jovens 22,90% 22,90% 0% Índice de dependência total 55,80% 55,80% 0% % utentes ativos 64,20% 64,20% 0% Nº utentes com mais de 65 anos % Nº utentes com idades entre anos % Nº de utentes com menos de 15 anos % Nº de utilizadores % Fonte: Documentos de apoio à contratualização de 2013, de DPC-CSP, da ARSLVT

9 Pirâmide etária do ACES Lisboa Norte

10 População inscrita por freguesia Área de Influência Freguesia Habitação Nº Utentes Inscritos Alvalade Ameixoeira Benfica Campo Grande Campolide Carnide Área de Influência Charneca Lumiar Nossa Senhora de Fátima São Domingos de Benfica São João de Brito São Sebastião da Pedreira Total Outras Freguesias de Lisboa Fora da área de Influência Outros Concelhos Total Total Fonte: SIARS, 19 de Abril de 2013

11 Residentes/ inscritos por freguesia Freguesias do ACES Lisboa Norte Total (HM) Residentes Census Nº Utentes Inscritos Alvalade Ameixoeira Benfica Campo Grande Campolide Carnide Charneca Lumiar São Domingos de Benfica São João de Brito São Sebastião da Pedreira Nossa Senhora de Fátima Total ACES Norte ARSLVT Portugal Fonte: 19 de Abril de 2013 e INE, Census

12 Indicadores de mortalidade e morbilidade Indicador económico-social Unidade de medida ACES LN 2010 ACES LN 2011 Variação ARSLVT ARSLVT Variação Variação 2011 ACESLN ARSLVT ACESLN/ ARSLVT Tx de mortalidade padronizada pela idade Rácio por ,37-8,29 593,75 561,75-5,47 2,33 Tx bruta de mortalidade Rácio por ,31 11,9-10,6 9,87 9,51-3,62 25,14 Tx bruta de natalidade Rácio por ,66-5,58 10,89 10,34-5,07 12,78 Tx de mortalidade infantil Rácio por ,05 2,97-2,68 3,11 3,34 7,38-11,25 Tx de mortalidade perinatal Rácio por ,48 4,35-2,89 3,92 3,83-2,34 13,46 Tx de mortalidade neonatal Rácio por ,57 2,27-11,62 2,14 2,47 15,53-8,31 Tx de mortalidade pós-natal Rácio por ,8 0,7 45,03 0,97 0,87-10,57-19,64 % nados vivos peso<2.500g/total de nados vivos % 8,03 8,02-0,01 8,28 8,51 0,23-0,48 Tx de analfabetismo % 2,57 3,98-1,41 Fonte INE Dados definitivos do Censos 2011 atualizados em 20 de Novembro de 2012

13 Características demográficas da população do ACES Lisboa Norte utentes inscritos residentes. (census 2011) Diferença de 23% entre o número de inscritos e o número de residentes. Inscritos em cada unidade por freguesia de residência, verificamos que existem apenas cerca de 12% de utentes fora de área, ficando pois cerca de 11% de utentes inscritos, com moradas da área geográfica do ACES, mas não contabilizados em termos de recenseamento. Este fenómeno é mais marcado nas freguesias da Ameixoeira e Carnide, onde existe uma população mais jovem. 24% não tem médico de família atribuído Quanto às características da população verificamos que no ACES Lisboa Norte existe uma população com maior percentagem de população feminina, mais idosos e mais dependentes que na ARSLVT. Evolução de 2011 para 2012, verifica-se um aumento significativo (17%) do número de residentes, sobretudo à custa do aumento da população em idade ativa (mais 23%), mas também de jovens e idosos. Nos inscritos não se observam alterações significativas nem no número total, nem pelos diferentes grupos etários.

14 Indicadores económicos e sociais Comparando com a ARSLVT verifica-se uma maior taxa de: mortalidade padronizada pela idade no ACES Lisboa Norte (574,37/ ) assim como a taxa bruta de mortalidade (11,9/1.000) da mortalidade infantil perinatal (4,35/1.000), (Mortalidade perinatal: relação entre óbitos fetais de 28 ou mais semanas de gestação e óbitos de nados vivos com menos de 7 dias de idade) Pelo contrário o ACES Lisboa Norte tem melhores taxas de natalidade (11,9/1.000), de mortalidade neonatal (2,27/1.000), de mortalidade pós-natal (0,7/1.000 residentes). de analfabetismo (2,57%), percentagem de nados vivos com peso inferior a 2,500 Kg/total de nados vivos (8,02%).

15 Indicadores de mortalidade e morbilidade A Incidência de doenças de notificação obrigatória é de 16,5/1000 (DGS-2007), existindo muita sub-notificação. Em 2010 tivemos no ACES Lisboa Norte 101 casos notificados, dos quais 60 casos de tuberculose respiratória, 1 caso de meningite meningocócia, 1 caso de febre escaronodular e 2 casos de parotidite epidémica. Em 2012 tivemos 118 casos notificados

16 Recursos humanos

17 ACES Lisboa Norte ARSLVT

18 Ministério da Saúde Serviços Centrais Serviços Desconcentrados 5 Administrações Regionais de Saúde (ARS) ARS do Norte ARS do Centro ARS de Lisboa e Vale do Tejo ARS do Alentejo ARS do Algarve

19 Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Serviços Centrais Serviços Desconcentrados 15 Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) ACES Lisboa Norte ACES... ACES...

20 Conselho Executivo Conselho Clínico Director Executivo Conselho Comunidade Gabinete Cidadão UAG USP URAP CS Alvalade CS Benfica CS Coração de Jesus CS Lumiar C S Sete Rios UCSP Alvalade UCSP Benfica UCSP Coração de Jesus UCSP Lumiar UCSP Sete Rios USF do Parque USF Carnide Quer UC Comunidade UCSP Charneca Aparece USF Luz UCSP Alto Lumiar USF Tílias Organograma USF Gerações USF Conchas UC Comunidade ACES Lisboa Norte 2º Pólo da USF Gerações Nova geração Unidade de Telheiras / SCML USF Rodrigues Miguéis

21 Reforma dos Cuidados de Saúde Primários (2009): 350 Centros de Saúde Agrupamentos de Centros de Saúde (Director Executivo) + Governação Clínica! Presidente do Conselho Clínico (e da Saúde) Conselho Clínico (e da Saúde)

22 Organização: Unidades Funcionais de Prestação de Cuidados de Saúde: USF Unidades de Saúde Familiar UCSP Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados

23 USF Unidades de Saúde Familiar Equipas de cerca de: 8-10 Médicos (1750 Utentes/Médico) 8-10 Enfermeiros 6 Administrativos Com: Carteira Básica de Serviços; Plano / Relatório de Actividades; Contratualização de Metas em Indicadores pré-estabelecidos; Carta de Compromisso; Manual de Articulação com o ACES.

24 UCSP Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados Profissionais de Saúde (Médicos, Enfermeiros e Administrativos) a cumprir as Actividades de uma Carteira Básica de Serviços. Utentes inscritos em ficheiros clínicos ( Utentes/Médico) Utentes sem Médico de Família atribuído Contratualização de Metas em Indicadores pré-estabelecidos

25 ACES Lisboa Norte UCSP do Centro de Saúde de Sete Rios Carteira Básica de Serviços

26 Carteira Básica de Serviços Saúde Infantil Saúde Reprodutiva Saúde Materna Planeamento Familiar Saúde de Adultos (Para Utentes inscritos em Médico de Família e Utentes sem Médico atribuído).

27 Carteira Básica de Serviços Vacinação Saúde Escolar Saúde Oral

28 Carteira Básica de Serviços Sala de Tratamentos Domicílios Médicos e de Enfermeiros

29 Atendimento Juvenil Gabinetes de Apoio ao Doente Diabético Consulta de Cessação Tabágica Atendimento Social Consulta de Psicologia

30 Atendimento de Situações Agudas Dias úteis (18-20 horas) Sábados (10-18 horas) Domingos e Feriados (10-14 horas)

31 UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE Saúde Escolar Núcleos de Apoio a Crianças e Jovens em Risco Equipas de Cuidados Continuados Integrados

32 ACES Lisboa Norte Serviços do ACES e outros Serviços

33 Serviços do ACES Unidade de Saúde Pública Autoridade de Saúde Vigilância Epidemiológica Observatório de Saúde

34 Serviços do ACES Unidade de Apoio à Gestão Recursos Humanos Contabilidade Aprovisionamento e Serviços Gerais Sistemas de Informação

35 Serviços do ACES Gabinete do Cidadão Núcleo de Apoio ao Gabinete do Cidadão (em cada Unidade de Saúde)

36 Serviços do ACES Departamento de Formação Formação Contínua Formação em Estágio Investigação

ACES LISBOA NORTE. Planeamento do ACES de Lisboa Norte

ACES LISBOA NORTE. Planeamento do ACES de Lisboa Norte ACES LISBOA NORTE Planeamento do ACES de Lisboa Norte ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento Departamento de Instalações e Equipamentos Departamento de Gestão e Administração Geral 07-2013 Índice 1. Introdução...

Leia mais

ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES

ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES ACOLHIMENTO A NOVOS COLABORADORES Junho de 2016 CARACTERIZAÇÃO DO ACES OESTE SUL O ACES Oeste Sul, é um serviço desconcentrado da ARSLVT, IP com autonomia administrativa e gestionária, nos termos previstos

Leia mais

Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Loures / Sacavém. Leonor Murjal Vogal do Conselho Clínico

Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Loures / Sacavém. Leonor Murjal Vogal do Conselho Clínico Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Loures / Sacavém Leonor Murjal Vogal do Conselho Clínico 1 Agrupamento de Centros de Saúde Loures/Sacavém DL 28/2008 Criação de agrupamentos de Centros de Saúde:

Leia mais

RIBEIRINHO. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento

RIBEIRINHO. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento ACES ARCO RIBEIRINHO Caracterização e Propostas de Reestruturação Núcleo de Estudos e Planeamento 09-10-2015 Índice 1. Introdução... 3 2. ACES 10 Arco Ribeirinho... 3 2.1. População Residente... 3 2.2.

Leia mais

A dinâmica demográfica do sul de Portugal: características do passado e desafios para o futuro. Lídia Patrícia Tomé & Filipe Ribeiro

A dinâmica demográfica do sul de Portugal: características do passado e desafios para o futuro. Lídia Patrícia Tomé & Filipe Ribeiro + A dinâmica demográfica do sul de Portugal: características do passado e desafios para o futuro. Lídia Patrícia Tomé & Filipe Ribeiro + Estrutura da apresentação 2 1. Evolução da Estrutura Populacional;

Leia mais

ACES ALMADA - SEIXAL. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento

ACES ALMADA - SEIXAL. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento ACES ALMADA - SEIXAL Caracterização e Propostas de Reestruturação Núcleo de Estudos e Planeamento 20-07-205 Índice. Introdução... 2 2. ACES 9 Almada - Seixal... 2 2.. População Residente... 2 2.2. Indicadores

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Apresentação realizada para a Rede Social de Lisboa Plataforma para a Área do Envelhecimento Zona Norte www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013

NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 NOTA TÉCNICA N. º 1/ACSS-POPH/2013 Tipologias de Intervenção 3.6, 8.3.6 e 9.3.6 Qualificação dos Profissionais da Saúde I Prioridades a considerar na seleção de candidaturas para 2013 Concurso n.º13/2013

Leia mais

Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Um ponto de situação. Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha

Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Um ponto de situação. Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha Perfil de Saúde e Plano Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Reunião de Delegados de Saúde Caldas da Rainha 25.02.2010 Plano da sessão Objectivo: Efectuar um ponto de situação relativamente àelaboração

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DO CONCELHO DE BRAGA CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO DA UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA DE BRAGA

DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DO CONCELHO DE BRAGA CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO DA UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA DE BRAGA DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DO CONCELHO DE BRAGA CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO DA UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA DE BRAGA Pedro Domingos Cunha Gomes Pereira 2009 DIAGNÓSTICO DE SITUAÇÃO DO CONCELHO DE BRAGA

Leia mais

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013

Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA. Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 Reunião Plenária da Comissão Nacional com as CRSMCA Anfiteatro do Infarmed Lisboa 20 de Novembro de 2013 CRSMCA M. Cândida Rebelo Presidente Alda P. Luís Benvinda Bento Representante do CD Helena Cargaleiro

Leia mais

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010

COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 COMISSÃO REGIONAL DA SAÚDE DA MULHER DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE UNIDADE COORDENADORA FUNCIONAL Hospital Sousa Martins Guarda, 1 de Julho 2010 Ordem de trabalhos: - Rede de Referência - Composição UCF

Leia mais

Operação S.Ó.S Lisboa

Operação S.Ó.S Lisboa Operação S.Ó.S Lisboa Em 2011 o Regimento de Sapadores Bombeiros e o Serviço Municipal de Protecção Civil da Câmara Municipal de Lisboa receberam 1.511 chamadas de para ocorrências designadas por abertura

Leia mais

ACES SINTRA. Planeamento do ACES de Sintra. ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento

ACES SINTRA. Planeamento do ACES de Sintra. ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento ACES SINTRA Planeamento do ACES de Sintra ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento 06-203 Índice. Introdução... 3 2. ACES 06 Sintra... 3 2.. População Residente... 3 2.2. Unidades Funcionais... 4 2.3. Recursos

Leia mais

ACES LOURES - ODIVELAS

ACES LOURES - ODIVELAS ACES LOURES - ODIVELAS Núcleo de Estudos e Planeamento 01-09-2015 Índice 1. ACES 7 Loures-Odivelas... 2 2. População residente... 2 3. Inscritos... 3 4. Concelho de Odivelas... 4 5. Concelho de Loures...

Leia mais

Lenda que perdura pelos séculos Ide vêlas

Lenda que perdura pelos séculos Ide vêlas CALDAS DA RAINHA - MAIO 2013 BREVE HISTÓRIA DO CONCELHO DE ODIVELAS A origem do nome: Lenda que perdura pelos séculos Ide vêlas senhor ; Odi palavra de origem árabe que significa curso de água e Velas

Leia mais

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios?

Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários. Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Encontro Regional de Cuidados de Saúde Primários Unidades Cuidados Comunidade: Projetos, Programas e Recursos. Desafios! Cuidados na Comunidade e UCC. Que desafios? Apresentação da: Unidade de Cuidados

Leia mais

Índice. Indicadores Demográficos

Índice. Indicadores Demográficos NUT III Península de Índice Densidade Populacional... 3 Esperança de Vida à Nascença... 3 Estrutura Etária da População dos 0 aos 14 anos... 4 Estrutura Etária da População dos 15 aos 24 anos... 4 Estrutura

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Apresentação realizada para a Rede Social de Lisboa Plataforma para a Área do Envelhecimento Zona Centro Ocidental (Alvalade, Campo Grande, S. João

Leia mais

PLANO NACIONAL DE SAÚDE E SUA IMPLEMENTAÇÃO LOCAL

PLANO NACIONAL DE SAÚDE E SUA IMPLEMENTAÇÃO LOCAL PLANO NACIONAL DE SAÚDE E SUA IMPLEMENTAÇÃO LOCAL 19 de setembro de 2016 Palácio dos Marqueses da Praia e de Monforte Parque da Cidade Loures Médico SP, Chefe de Serviço. Responsável pelo PLS Loures Odivelas

Leia mais

Plano Regional de Saúde Lisboa e

Plano Regional de Saúde Lisboa e Plano Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo Um Futuro para as Nossas Crianças Plano Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo 2010 2012 Rui Portugal Presidente da ARSLVT António Tavares Director do Departamento

Leia mais

- Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A

- Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A O Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Baixo Vouga III, representado pelo seu Director Executivo, Dr. Manuel Sebe e a Unidade

Leia mais

Objectivos Operacionais (OO) Eficácia Ponderação: 50% Aumentar em 50% o número de USF em actividade na região Norte + 57% (69 USF) 10%

Objectivos Operacionais (OO) Eficácia Ponderação: 50% Aumentar em 50% o número de USF em actividade na região Norte + 57% (69 USF) 10% Ministério: Ministério da Saúde Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte, IP QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - ANO 2008 MISSÃO: Garantir à população da sua área de influência o acesso

Leia mais

Caracterização da Região Alentejo

Caracterização da Região Alentejo Reunião Plenária da Comissão Nacional com as Comissões Regionais da Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente, e com as Autoridades de Saúde das Regiões Autónomas. Um contributo para a definição de

Leia mais

Apresentação aos novos Médicos MGF

Apresentação aos novos Médicos MGF Apresentação aos novos Médicos MGF Diretor Executivo Gonçalves André TORRES VEDRAS 31-05-2016 PLANO DE EXPOSIÇÃO Caracterização Geral do ACES Oeste Sul Resultados Impacto da Contratualização no desempenho

Leia mais

Qualidade e Gestão da Doença Crónica

Qualidade e Gestão da Doença Crónica Qualidade e Gestão da Doença Crónica Alexandre Lourenço Director Coordenador de Financiamento e Contratualização www.acss.min saude.pt Perspectiva do Comprador Capacidade para pagar Qualidade de Cuidados

Leia mais

ACES ALMADA-SEIXAL UCSP Amora e Corroios

ACES ALMADA-SEIXAL UCSP Amora e Corroios ACES ALMADA-SEIXAL UCSP e Planeamento do ACES de -Seixal ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento 0-0 ACES ALMADA - SEIXAL 0 Índice. Introdução.... ACES 9 - Seixal..... Direção de ACES..... Locais de prestação

Leia mais

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE 06 Como se Nasce, Vive e Morre 090 06. Como se Nasce, Vive e Morre? Atlas do Plano Nacional de Saúde Como se Nasce, Vive e Morre? Considerações Gerais A Esperança de Vida

Leia mais

Juntos faremos a diferença!

Juntos faremos a diferença! Juntos faremos a diferença! GUIA DE ACOLHIMENTO Leia com atenção as nossas recomendações e ajude-nos a fazer o melhor. Contamos consigo! COMO FUNCIONAMOS O QUE É UMA USF As U.S.F. Unidades de Saúde Familiares

Leia mais

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017 Diagnóstico de Saúde Lourinhã Lourinhã 15 de Maio de 2017 A população do Concelho Homens Mulheres 2 Pirâmide etária da população residente em Lourinhã Fonte: INE, Últimos dados de 2013 A população do Concelho

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional.

CARTA DE MISSÃO. Colaborar na elaboração do Plano Nacional de Saúde e acompanhar a respetiva execução a nível regional. CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo Cargo: Vogal do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: Período de 5 anos a contar

Leia mais

A Saúde dos Portugueses. Perspetiva DE JULHO DE 2015

A Saúde dos Portugueses. Perspetiva DE JULHO DE 2015 A Saúde dos Portugueses. Perspetiva 2015 7 DE JULHO DE 2015 ÍNDICE DE VIDA MELHOR (Better Life Index) OCDE 1º SATISFAÇÃO PESSOAL 2º SAÚDE 3º SEGURANÇA PESSOAL 2 QUANTOS SOMOS: 10,3 MILHÕES Índice sintético

Leia mais

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 DMPATO DPU Divisão de Estudos e Planeamento A ALMADA FICHA TÉCNICA Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 Serviço Divisão de Estudos e Planeamento Departamento de Planeamento

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) São Julião, representada pelo seu Coordenador, Dr. José

Leia mais

ACES SINTRA. Planeamento do ACES de Sintra. ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento

ACES SINTRA. Planeamento do ACES de Sintra. ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento ACES SINTRA Planeamento do ACES de Sintra ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento Revisão - FEVEREIRO-2014 Índice 1. Introdução... 3 2. ACES 06 Sintra... 3 2.1. População Residente... 3 2.2. Indicadores

Leia mais

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos Diagnóstico Social de Oeiras 2013 Anexos Fevereiro de 2014 SAÚDE POPULAÇÃO Anexo 1 INDICADORES Densidade populacional (hab./km 2 ) 3766,6 População residente, segundo os grandes grupos etários e sexo (nº):

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Ordem dos Médicos / Ministério da Saúde Formação Médica Pós-Graduada: Internatos Médicos CARACTERIZAÇÃO DAS UNIDADE DE SAÚDE PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DE IDONEIDADE FORMATIVA PARA O INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE

Leia mais

Ganhos em Saúde na Região do Algarve

Ganhos em Saúde na Região do Algarve Ganhos em Saúde na Região do Algarve Factos Governo de 15 Janeiro 1971 Ministro Dr. Baltazar Rebello de Souza Secretário de Estado Professor Gonçalves Ferreira Traziam no seu programa o projecto da reorganização

Leia mais

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL . NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL .. Introdução A taxa de natalidade e a taxa de mortalidade infantil são indicadores frequentemente utilizados na caracterização da população. O estudo da taxa de natalidade,

Leia mais

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2

SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2 Questões da Semana 1 Indicadores solicitados no âmbito do Relatório Anual de Acesso a Cuidados de Saúde Relatórios SIARS a utilizar para o preenchimento do quadro pág.12 Com o objectivo de responder às

Leia mais

Demografia e População

Demografia e População População Residente Total Anos de 2001 e 2011 População Residente Total Portugal 10 356 117 10 562 178 Continente 9 869 343 10 047 621 Norte 3 687 293 3 689 682 Entre Douro e Vouga 276 812 274 859 Santa

Leia mais

Indicadores Demográficos. Atividades Integradas III

Indicadores Demográficos. Atividades Integradas III Indicadores Demográficos Atividades Integradas III Dados demográficos Dados demográficos básicos são uma parte essencial de qualquer investigação epidemiológica: - fazem a contagem da linha de base da

Leia mais

ACES ARRÁBIDA. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento

ACES ARRÁBIDA. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento ACES ARRÁBIDA Caracterização e Propostas de Reestruturação Núcleo de Estudos e Planeamento 09-10-2015 Índice 1. Introdução... 3 2. ACES 11 Arrábida... 3 2.1. População Residente... 4 2.2. Indicadores Demográficos...

Leia mais

Movimento. Assistencial das. Unidades de Saúde. Área Funcional de Estatística - Núcleo de Estudos e Planeamento. Paula Cunha NEP-Estatística

Movimento. Assistencial das. Unidades de Saúde. Área Funcional de Estatística - Núcleo de Estudos e Planeamento. Paula Cunha NEP-Estatística 2013 Movimento Assistencial das Unidades de Saúde Área Funcional de Estatística - Núcleo de Estudos e Planeamento Paula Cunha NEP-Estatística Ficha Técnica Título Movimento Assistencial das Unidades de

Leia mais

O Desafio da Promoção da Saúde no Município de Lisboa EP-PLHDS Maria Teresa Craveiro

O Desafio da Promoção da Saúde no Município de Lisboa EP-PLHDS Maria Teresa Craveiro O Desafio da Promoção da Saúde no Município de Lisboa EP-PLHDS Maria Teresa Craveiro EP-PLHDS - Equipa de Projecto do Programa Local de Habitação e Direitos Sociais Ana Cosme Ana Lúcia Antunes Ana Sofia

Leia mais

NOVASInterações com os Serviços de Saúde 26 de junho de 2015

NOVASInterações com os Serviços de Saúde 26 de junho de 2015 Seminário NOVASInterações com os Serviços de Saúde 26 de junho de 2015..Resultados em Saúde.. O Programa do XVII Governo reconheceu os Cuidados de Saúde Primários como o pilar central do sistema de saúde.

Leia mais

Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte

Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte Melhoria Contínua da Qualidade no ACES Lisboa Norte Dos registos clínicos: médicos e de enfermagem Qualidade e segurança do doente Lucília Martinho médica, presidente da CQSD Maria Teresa Antunes enfermeira

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) Douro Vita, representada pelo seu Coordenador, Dr. Marques

Leia mais

Plataforma / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa

Plataforma  / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa Plataforma SIM@SNS SIM@SNS / SIARS / MIM@UF 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa 1 Agenda Agenda Enquadramento Caraterização (SIM@SNS / SIARS / MIM@UF) Evolução da plataforma SIM@SNS 2 Enquadramento Plataforma

Leia mais

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada

Responsável. USF Monte Caparica Américo Varela. Data Início Actividade CS Costa de Caparica Luís Marquês. ACES Almada Responsável Monte Caparica Américo Varela Data Início Actividade 01-05-2008 CS Costa de Caparica Luís Marquês ACES Almada Data Início Modelo B 01-05-2008 ARS Lisboa e Vale do Tejo Rui Portugal Utentes

Leia mais

Natalidade e Mortalidade Perinatal

Natalidade e Mortalidade Perinatal Natalidade e Mortalidade Perinatal Seminário do Observatório rio sobre Envelhecimento e Natalidade Teresa Tome, Maio 2012 Definições Taxa de natalidade nº de nascimentos por 1000 Expectativa de vida ao

Leia mais

envelhecimento demográfico

envelhecimento demográfico Em, Portugal manteve a tendência de envelhecimento demográfico A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população residente em Portugal (10 463), para o qual foi essencial

Leia mais

Perfil de Saúde. ACeS Arco Ribeirinho. O ACeS Arco Ribeirinho em números - um resumo: Concelhos de Alcochete, Barreiro, Moita, Montijo

Perfil de Saúde. ACeS Arco Ribeirinho. O ACeS Arco Ribeirinho em números - um resumo: Concelhos de Alcochete, Barreiro, Moita, Montijo ACeS Arco Ribeirinho Perfil de Saúde Concelhos de Alcochete, Barreiro, Moita, Montijo Ano de 14 O ACeS Arco Ribeirinho em números - um resumo: A esperança de vida à nascença é de aproximadamente 76 anos

Leia mais

Desenvolvimento de um Coeficiente de Ajustamento Local entre diferentes entidades geográficas de oferta e procura de cuidados de saúde

Desenvolvimento de um Coeficiente de Ajustamento Local entre diferentes entidades geográficas de oferta e procura de cuidados de saúde Desenvolvimento de um Coeficiente de Ajustamento Local entre diferentes entidades geográficas de oferta e procura de cuidados de saúde Alexandre Lourenço, Maria de Fátima Candoso, Ana Sofia Ferreira Objectivos

Leia mais

- Unidade de Saúde Familiar da BARRINHA - Modelo B

- Unidade de Saúde Familiar da BARRINHA - Modelo B CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar da BARRINHA - Modelo B O Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) BAIXO VOUGA III, representado pelo seu Director Executivo, Dr. MANUEL SEBE e a Unidade

Leia mais

Jornadas de Cuidados Continuados Integrados

Jornadas de Cuidados Continuados Integrados WWW.ACSS.MIN-SAUDE.PT 2 May 2016 Jornadas de Cuidados Continuados Integrados Para onde caminhamos? Rede de cuidados continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade, futuro e Sustentabilidade

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO REDE SOCIAL MIRANDELA SISTEMA DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 TERRITÓRIO Número de Freguesias Tipologia das Freguesias (urbano, rural, semi urbano) Área Total das Freguesias Cidades Estatísticas Total (2001, 2008, 2009) Freguesias Área Média

Leia mais

Documento de Apoio ao Utilizador

Documento de Apoio ao Utilizador Documento de Apoio ao Utilizador Dez 2015 2 Ferramenta mort@lidades.infantil Natalidade, Mortalidade Infantil e Componentes, Região do Algarve, 1996-2014 Autoria Departamento de Saúde Pública da ARS Norte

Leia mais

REUNIÃO CNSMCA Elsa Rocha

REUNIÃO CNSMCA Elsa Rocha REUNIÃO CNSMCA 27-11-2015 Elsa Rocha Elsa Rocha João Moura Reis Ana Cristina Guerreiro Pediatra Hospital Faro (Presidente) Presidente do Conselho Diretivo da ARS Algarve, IP Diretora do Departamento de

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 2010-2013 VOLUME I - Portugal DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 2010-2013 2010-2013 VOLUME I - PORTUGAL DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA 2015 Portugal. Direção-Geral da Saúde.

Leia mais

CONFLITO DE INTERESSES

CONFLITO DE INTERESSES CONFLITO DE INTERESSES 1.MF e Coordenador, numa USF em modelo B, e acreditada (ACSA e DGS) desde 2013. 2. Ex. membro da MCSP, 2005-2008 que iniciou o processo de Reforma dos CSP com a criação de USF. 3.

Leia mais

DINÂMICA POPULACIONAL E INDICADORES DEMOGRÁFICOS. Aula 4

DINÂMICA POPULACIONAL E INDICADORES DEMOGRÁFICOS. Aula 4 DINÂMICA POPULACIONAL E INDICADORES DEMOGRÁFICOS Aula 4 NOS DÁ A IDÉIA DA COMPOSIÇÃO DA POPULAÇAO... Década de 30 A ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER passou de aproximadamente 41 anos Década de 50 Viviam média

Leia mais

ACES Cascais ACES DE CASCAIS

ACES Cascais ACES DE CASCAIS MANUAL DE ACOLHIMENTO NOTA INTRODUTÓRIA Este Manual de Acolhimento foi elaborado a pensar nos nossos visitantes e na integração de novos colaboradores. Tem como objectivo fornecer um conjunto de informações

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da Direcção-Geral da Saúde Setembro

Leia mais

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental * Lei n.º 37/2007, de 14 de Agosto Direcção-Geral da Saúde com a colaboração do INSA Acompanhamento estatístico e epidemiológico

Leia mais

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

ACES MÉDIO TEJO

ACES MÉDIO TEJO ACES MÉDIO TEJO 06-206 Direção de ACES A sede do agrupamento localiza-se em Riachos, sito na Rua Dr. Rivotti, 2350-365 Riachos: Mensagem Diretora Executiva O, com um total de cerca de 227.000 utentes,

Leia mais

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade

Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil: A implementação e a sustentabilidade Bárbara Menezes Coordenadora do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil Divisão de Saúde Sexual,Reprodutiva, Infantil

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 11 de outubro 2016 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 População residente Em 31 de dezembro de 2015, a população residente na Região Autónoma da Madeira (RAM) foi estimada em

Leia mais

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007)

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007) O Centro Social Padre Tomás D Aquino Vaz de Azevedo (CSPTAVA) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que desenvolve a sua actividade na área do apoio à Terceira Idade nas valências de Lar

Leia mais

Apresentação do ACES da ARRÁBIDA. Agrupamento de Centros de Saúde da Arrábida

Apresentação do ACES da ARRÁBIDA. Agrupamento de Centros de Saúde da Arrábida Apresentação do ACES da ARRÁBIDA 2016 Agrupamento de Centros de Saúde da Arrábida I Organização Diretor Executivo: Dr. Pedro Lopes ORGÃOS DO ACES De administração e fiscalização Orgãos de direção Presidente

Leia mais

o Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Pinhal Litoral 11,representado pela Presidente do Conselho

o Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Pinhal Litoral 11,representado pela Presidente do Conselho CARTA DE COMPROMISSO Unidade de Saúde Familiar Condestável Modelo A o Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Pinhal Litoral 11,representado pela Presidente do Conselho Clínico, Dra. Maria Isabel Poças

Leia mais

PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS: AS ÚLTIMAS DÉCADAS Cláudia Pina, Graça Magalhães

PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS: AS ÚLTIMAS DÉCADAS Cláudia Pina, Graça Magalhães Cláudia Pina, Graça Magalhães A desaceleração do crescimento demográfico e, mais recentemente, o decréscimo dos volumes populacionais a par com um continuado processo de envelhecimento demográfico consubstanciam

Leia mais

A Atenção Básica na Vigilância dos Óbitos Materno, Infantil e Fetal

A Atenção Básica na Vigilância dos Óbitos Materno, Infantil e Fetal A Atenção Básica na Vigilância dos Óbitos Materno, Infantil e Fetal Halei Cruz Coordenador da Área Técnica de Saúde da Criança e do Comitê Estadual de Prevenção dos Óbitos Maternos, Infantis e Fetais INTRODUÇÃO

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX A tendência do número de nascimentos em Portugal neste período é de um decréscimo. O período de 1975 a 1977 contraria esta evolução devido a fatores

Leia mais

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM:

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM: SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: apecp.geral@gmail.com Facebook: apecsp TM: 967 238 912 5 de Junho de 1991 OBJETIVOS Criar e incentivar o aparecimento de instrumentos que permitam

Leia mais

Manteigas em Números. Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte. Território. População

Manteigas em Números. Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte. Território. População Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte Território Área total 122 km 2 2012 INE Anuário Estatístico da Região Centro - 2012 Perímetro 65 km2 2012 INE Anuário Estatístico da Região Centro - 2012

Leia mais

ACeS BAIXO VOUGA Plano de Desempenho de Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Vouga

ACeS BAIXO VOUGA Plano de Desempenho de Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Vouga Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Vouga Plano de Desempenho 2015 Director Executivo Dr. Manuel Sebe Conselho Clínico e de Saúde Presidente: Dr. Manuel Lebre Medicina Geral e Familiar Vogais - Dr.

Leia mais

Documento de Trabalho

Documento de Trabalho AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE Documento de Trabalho O Decreto-Lei nº 28/2008 de 22 de Fevereiro cria os agrupamentos de centros de saúde (ACES) do Serviço Nacional de

Leia mais

INFO. Inauguração da Unidade Cuidados Saúde Personalizados de Carnaxide

INFO. Inauguração da Unidade Cuidados Saúde Personalizados de Carnaxide INFO Inauguração da Unidade Cuidados Saúde Personalizados de Carnaxide O Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, inaugurou, no dia 07 de junho, a Unidade Cuidados Saúde Personalizados (UCSP) de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CONCELHO DE PONTA DELGADA

APRESENTAÇÃO DO CONCELHO DE PONTA DELGADA APRESENTAÇÃO DO CONCELHO DE PONTA DELGADA GEOGRAFIA O concelho Ponta Delgada está situado no extremo sudoeste da maior ilha do arquipélago dos Açores (S. Miguel). A sua área é 231,89 Km 2 que se encontram

Leia mais

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 A Monoparentalidade em Portugal Breve caracterização através dos Censos Graça Magalhães núcleos familiares monoparentais Evolução

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel

EPIDEMIOLOGIA. Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel EPIDEMIOLOGIA Profª Ms. Karla Prado de Souza Cruvinel O QUE É EPIDEMIOLOGIA? Compreende: Estudo dos determinantes de saúdedoença: contribuindo para o avanço no conhecimento etiológico-clínico Análise das

Leia mais

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo

CARTA DE MISSÃO. Ministério da Saúde. Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte. Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo CARTA DE MISSÃO Ministério da Saúde Serviço/Organismo: Administração Regional de Saúde do Norte Cargo: Vice-presidente do Conselho Diretivo Período da Comissão de Serviço: 2016-2020 1. Missão do Organismo

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar Infante D. Henrique - Modelo B A Administração Regional de Saúde do Centro, IP, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de

Leia mais

MANUAL DE ACOLHIMENTO

MANUAL DE ACOLHIMENTO MANUAL DE ACOLHIMENTO Maio, 2016 Índice Mensagem de Boas Vindas... 3 O ACES Lisboa Ocidental e Oeiras... 4 Apresentação do ACES Lisboa Ocidental e Oeiras... 4 Unidades Funcionais do ACES de Lisboa Ocidental

Leia mais

Praceta Recarei de Cima, Leça do Balio, Matosinhos Telefone: ; Fax:

Praceta Recarei de Cima, Leça do Balio, Matosinhos Telefone: ; Fax: CARTAA DE QUALIDADE UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR PORTA DO SOL Praceta Recarei de Cima, 56 4465-339 Leça do Balio, Matosinhos Telefone: 220969178; Fax: 220969179 e-mail: usf.portadosol@ulsm.min-saude.pt Horário

Leia mais

Documento de Apoio ao Utilizador

Documento de Apoio ao Utilizador Documento de Apoio ao Utilizador julho 2013 2 Ferramenta mort@lidades.infantil Natalidade, Mortalidade Infantil e Componentes, Região Alentejo, 1996-2012 Autoria Departamento de Saúde Pública da ARS Norte

Leia mais

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E.

Identificação da empresa. Missão. Objetivos. Políticas da Empresa. Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Identificação da empresa Hospital da Senhora da Oliveira - Guimarães, E.P.E. Missão O Hospital da Senhora da Oliveira tem como missão prestar os melhores cuidados de saúde, com elevados níveis de competência,

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO E DA ESTRUTURA FAMILIAR NA REGIÃO NORTE NOS ÚLTIMOS 15 ANOS: MUDANÇA E CONTINUIDADE

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO E DA ESTRUTURA FAMILIAR NA REGIÃO NORTE NOS ÚLTIMOS 15 ANOS: MUDANÇA E CONTINUIDADE CAPÍTULO II Sérgio Bacelar EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO E DA ESTRUTURA FAMILIAR NA REGIÃO NORTE NOS ÚLTIMOS 15 ANOS: MUDANÇA E CONTINUIDADE A análise da evolução da população e da estrutura familiar da Região

Leia mais

Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios

Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios Atenção primária à saúde em Portugal experiências e desafios Patrícia Barbosa Investigadora Escola nacional de Saúde Pública, Universidade Nova de Lisboa; Colaboradora do Observatório Português dos Sistemas

Leia mais

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA

DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 29-212 VOLUME I DOENÇAS DE DECLARAÇÃO OBRIGATÓRIA 29-212 29-212 VOLUME I DIREÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Março de 214 Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

- Unidade de Saúde Familiar Novo Cuidar

- Unidade de Saúde Familiar Novo Cuidar CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar Novo Cuidar Modelo B A Administração Regional de Saúde (ARS), IP, representada pelo seu Presidente, Dr. Alcindo Maciel Barbosa e a Unidade de Saúde Familiar

Leia mais

ACES Barcelos / Esposende

ACES Barcelos / Esposende Perfil Local de Saúde 2009 ACES Barcelos / Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de

Leia mais

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia Distribuição da Mortalidade e dos Internamentos Hospitalares por Doenças do Aparelho Circulatório em Portugal Continental: Agregação Geográfica e Determinantes Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho

Leia mais

A Diabetes: que desafio?

A Diabetes: que desafio? A Diabetes: que desafio? José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes Audição na Comissão Parlamentar da Saúde Assembleia da República 25 Fevº 2015 Prevalência da Diabetes Prevalência

Leia mais

Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto

Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto 1 Caracterização da população >65 anos no Distrito do Porto: Concelho Censos 2001 Censos 2011

Leia mais