Aula Prática administrada aos alunos do 4º e 5º períodos do curso de graduação em medicina no Ambulatório de Ginecologia do UH-UMI.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula Prática administrada aos alunos do 4º e 5º períodos do curso de graduação em medicina no Ambulatório de Ginecologia do UH-UMI."

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA III CURSO DE MEDICINA Prof. Antonio Augusto Pereira Martins Especialista em Docência do Ensino Superior INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFERIOR Aula Prática administrada aos alunos do 4º e 5º períodos do curso de graduação em medicina no Ambulatório de Ginecologia do UH-UMI. PALAVRAS-CHAVE: Infecção urinária. Cistite. Bacteriúria assintomática. Cistite. Uretrite. Pielonefrite. Diagnóstico. Tratamento. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A infecção urinária pode ser assintomática, quando refere algum tipo de queixa, como ardência uretral miccional, polaciúria, urgência miccional, dor suprapúbica ou febre, ou assintomática, quando ocorre bacteriúria significativa crescimento de mais de unidades formadoras de colônias (UFC) / ml) na ausência de qualquer tipo de sintoma. Esta situação em geral ocorre em mulheres idosas e com freqüência está associada a relaxamento pélvico, anormalidades do trato urinário ou cateterização crônica da bexiga. DEFINIÇÕES A infecção urinária é uma síndrome que engloba várias situações clínicas, como bacteriúria assintomática, uretrite, cistite, pielonefrite, abcesso renal e perirrenal. Ela ocorre quando há a colonização bacteriana da bexiga e / ou da uretra acompanhada de resposta inflamatória e é um dos problemas mais encontrados na clínica ginecológica e obstétrica, sendo particularmente comum nas mulheres jovens, sexualmente ativas. TERMOS USADOS a) Recidiva infecção que retorna duas semanas após o tratamento e é causado pelo mesmo agente;

2 2 b) Reinfecção novo episódio de infecção urinária causada por um agente diferente do episódio anterior, num prazo superior a duas semanas do término do tratamento; c) Persistência manutenção da infecção após o tratamento; d) Recorrência dois ou mais episódios de infecção no período de seis meses, ou três ou mais episódios de infecção no período de um ano. AGENTES ETIOLÓGICOS Escherichia coli (90% dos casos); Klebsiella pneumoniae: Proteus mirabilis; Staphylococcus saprophyticus. Infecções hospitalares: Enterobacter cloacae; Serratia marcescens; Psudomonas aeruginosa. DIAGNÓSTICO CLÍNICO Principais sintomas: disúria, polaciúeria, urgência, dor supra-púbica e hematúria. Excluir outras condições causadoras de disúria: a) Processos inflamatórios genitais: vulvites, colpites, cervicites. A disúria é conseqüente ao gotejamento da urina ao final da micção nas áreas da vulva com irritação; b) Doenças sexualmente transmissíveis (DSTs): ardor durante todo o ato da micção disúria de início gradual, secreção vaginal, em pacientes com novos ou múltiplos parceiros sexuais; c) Infecção genital: disúria, início abrupto, outros sintomas urinários, uso de diafragma. 1. Bacteriúria assintomática: duas uroculturas com valores iguais ou superiores a 10 5 UFC / ml, realizadas com intervalo de duas semanas, em pacientes assintomáticos. 2. Uretrite e Cistite: é acometimento da uretra e / ou bexiga. O principal sintoma é disúria, presente em 50 a 70% dos casos. No diagnóstico de cistite deve-se excluir:

3 3 a) Processos infecciosos por vírus, fungos e parasitas; b) Tumores; c) Corpos estranhos; d) Radiação; e) Imunológicos; f) Cistite intersticial 3. Pielonefrite aguda: é a inflamação do parênquima renal resultante de invasão bacteriana. Na presença de febre elevada acompanhada de calafrios, vômitos, mal estar generalizado e dor lombar, o diagnóstico de pielonefrite aguda é o mais provável. No exame clínico, é freqüente a presença de dor à percussão lombar (punho percussão lombar positiva ou PPL +). EXAMES COMPLEMENTARES a) Urina tipo I: b) Urocultura e antibiograma Urina tipo I (sedimento urinário) O paciente deve permanecer duas horas sem urinar e sem ingerir líquidos em excesso previamente à colheita. Se estiver sob antibioticoterapia, fazer a coleta com intervalo de cinco dias após seu término. Fazer a antissepsia vulvovaginal com água e sabão sem enxugar. De preferência, colher o meiojato de urina, em frasco estéril. Urocultura: é o que define a infecção urinária, ou seja, padrão ouro para diagnóstico. Considera-se positiva nas seguintes condições: a) 10 2 UFC / ml micção espontânea jato médio paciente sintomática; b) 10 2 UFC / ml cateterismo vesical; c) 10 5 UFC / ml micção espontânea jato médio paciente assintomática; d) Cultura positiva com qualquer número de bactérias colheita por punção suprapúbica.

4 4 TRATAMENTO Bacteriúria asintomática: não há consenso na indicação de tratamento dessa condição com a idade, a prevalência e a incidência aumentam. Déficit de estrogênio na pós-menopausa, e diminuição da colonização vaginal por lactobacilos favorecem a colonização vaginal por bactérias patogênicas. Infecção do trato urinário não complicada Situação 1 Mulheres com episódio isolado, caracterizado por disúria, urgência miccional, freqüência sensação de esvaziamento vesical incompleto, acompanhado ou não de hematúria e / ou dor vesical. Exceções: pacientes com mais de 65 anos, diabéticas, gestantes ou com problema urológico cálculo renal. Diagnóstico: clínico. Não é necessário colher urocultura ou urina tipo I Tratamento: empírico, de curta duração ou dose única.

5 5 TRATAMENTO DE CURTA DURAÇÃO OPÇÃO Droga Apresentação Macrodantina 1 Nitrofurantoína 100mg 2 SMT/TMP 800/160mg 3 Norfloxacina Urogen Nitrofen Bactrim Espectrim Infectrim Norf Floxacin Respexil Cipro 1cáp VO, 8/8hs, por 3 dias. 1 cp VO, 12/12hs, por 3 dias 1 cp. VO, 12/12hs, por 3 dias Ciprofloxacina 250mg Ciflox Procin 1 cp. VO, 12/12hs, por 3 dias 4 Ciprofloxacina TRATAMENTO DE CURTA DURAÇÃO Droga Droga Apresentação Maxaquim 5 Lomefloxacina 1co VO, 1 x dia, por 3 dias

6 6 Levofloxacina 250mg Tamiram Levaquim 1co VO, 1 x dia, por 3 dias 6 Tavanic Levofloxacino compr. Revest. 250 e 500mg TRATAMENTO DE DOSE ÚNICA 1 SMT/TMP 800/160mg Bactrim Espectrim Infectrim 2 cpds. VO dose única 2 Norfloxacina Norf Floxacin Respexil 2 cpds. VO dose única TRATAMENTO DE DOSE ÚNICA 3 Ciprofloxacina 250mg Cipro Ciflox Procin 2 cpds. VO dose única

7 7 4 Ciprofloxacina 500mg Cipro Ciflox Procin 1 cp VO, dose única 5 Pefloxacin Peflacin Floxinon 1 cp VO, dose única 6 Fosfomicina trometamol 3mg Monuril 1 envelope em ½ copo d água antes do deitar, após esvaziar a bexiga Situação 2 Pacientes sintomáticos com um ou mais dos fatores de exceção acima: a) Diabetes; b) Idade acima de 65 anos; c) Problema urológico (cirurgia no trato urinário, cálculo); d) Antes de instrumentação (sondagem vesical, cistoscopia); e) Gestantes; f) Recidivas. Diagnóstico: clínico. Colher obrigatoriamente urina I e urocultura antes e após o tratamento. Não é necessário esperar o resultado para iniciar o tratamento, exceto em caso de mudança de fármaco (nos casos de persistência dos sintomas após 72 horas de tratamento empírico). Observação: a critério clínico, utilizar os esquemas abaixo por 7 a 14 dias.

8 8 1 SMT/TMP 800/160mg 2 Nitrofurantoína 100mg Bactrim Espectrim Infectrim Macrodantina Urogen Nitrofen 1 cp VO a cada 12 hs, por 7 dias 1 cp VO a cada 78 hs, por 7 dias 3 Norfloxacina 4 Ciprofloxacina 250mg Norf Floxacin Respexil Cipro Ciflox Procin 1 cp VO a cada 12 hs, por 7 dias 1 cp VO a cada 12 hs, por 7 dias 5 Lomefloxacina Maxaquim 1 cp 1 vez ao dia, por 7 dias 6 Levofloxacina Tamiram Levaquim Tavanic 1 cp 1 vez ao dia, por 7 dias

9 9 7 8 Cefalexina 250 mg Cefalexina 500 mg Keflex Cefalem Cefalexin 1 cp VO a cada 6 hs, por 7 dias 9 Ampicilina 500 mg Amplacilina Binotal Ampifar 1 cp. VO a cada 6 hs, por 7 dias 10 Amoxicilina 500 mg Amoxil Hiconcil, Novocilin 1 cp. VO a cada 8 hs, por 7 dias Situação 3 Paciente com ITU de repetição (mais de três episódios num ano ou dois em um semestre). Diagnóstico: urocultura no início e após tratamento de cada episódio. Tratamento: quimioprofilaxia com subdose à noite, após esvaziar a bexiga, por no mínimo 6 meses. Colher urocultura durante o tratamento profifático para assegurar cobertura microbiana adequada.

10 10 Macrodantina 1 Nitrofurantoína 100mg Urogen Nitrofen 1 cp. VO, ao deitar, após esvaziar a bexiga,diariamente 2 SMT/TMP 400/80mg Bactrim Espectrim Infectrim 1 cp. VO, ao deitar, após esvaziar a bexiga,diariamente 3 Norfloxacina 4 Ciprofloxacina 250mg Norf Floxacin Respexil Cipro Ciflox Procin 1 cp. VO, ao deitar, após esvaziar a bexiga,diariamente 1 cp. VO, ao deitar, após esvaziar a bexiga,diariamente 5 Cefalexina 250 mg Keflex Cefalem Cefalexin 1 cp. VO, ao deitar, após esvaziar a bexiga,diariamente O tratamento da ITU pode ser complementado por medicamentos sintomáticos como analgésicos (Pyrisept cl. fenazopiridina 200 mg), antiinflamatórios ou anti-sépticos do trato urinário, conforme a necessidade da paciente e para aliviar mais rapidamente a disúria e a dor vesical

INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO

INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO INTRODUÇÃO ITU invasão por microorganismos que desencadeiam resposta inflamatória. Bactérias que atingem via ascendente, hematogência ou linfática Cistite : mucosa vesical -

Leia mais

mulher Prof. Ricardo Muniz Ribeiro Professor Livre-Docente da Disciplina de Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP

mulher Prof. Ricardo Muniz Ribeiro Professor Livre-Docente da Disciplina de Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP Infecção urinária ria na mulher Prof. Ricardo Muniz Ribeiro Professor Livre-Docente da Disciplina de Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP Epidemiologia Queixa freqüente ente em atendimentos de ginecologia

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do Trato Urinário Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea Data de Realização: 23/03/2009 Data de Revisão: Data da Última

Leia mais

INFECÇÃO URINÁRIA. Dr. Auro Antonio Simões de Souza Casa de Saúde Santa Marcelina

INFECÇÃO URINÁRIA. Dr. Auro Antonio Simões de Souza Casa de Saúde Santa Marcelina Dr. Auro Antonio Simões de Souza Casa de Saúde Santa Marcelina INFECÇÃO HOSPITALAR 2.000.000 internados infecções 350.000 infecções bacteremias 90.000 bacteremias óbito 3 a 5% - População mundial INCIDÊNCIA

Leia mais

INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO Arlindo Schiesari Júnior Médico infectologista Curso de Medicina Faculdades Integradas Padre Albino Catanduva-SP arlindo107@terra.com.br Potenciais Conflitos de Interesses MSD,

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Trato urinário superior Rins Ureteres Professora: Juliana Peloi Vides Trato urinário inferior Bexiga Uretra FREQUENTES!!! Parênquima renal Pelve renal Ureteres Bexiga Uretra

Leia mais

Alterações no Trato Urinário

Alterações no Trato Urinário Alterações no Trato Urinário PPCSA Profª Daniele C D Zimon Profª Adriana Cecel Guedes Aparelho Urinário Rim Infecções do Trato Urinário As infecções do trato urinário (ITUs) são causadas por micoorganismos

Leia mais

INFECÇÃO URINÁRIA. BIBLIOGRAFIA: EXAME DE URINA E PATOLOGIAS ASSOCIADAS Nadilson Cunha

INFECÇÃO URINÁRIA. BIBLIOGRAFIA: EXAME DE URINA E PATOLOGIAS ASSOCIADAS Nadilson Cunha INFECÇÃO URINÁRIA BIBLIOGRAFIA: EXAME DE URINA E PATOLOGIAS ASSOCIADAS ÍNDICE Epidemiologia Sintomatologia Etiologia Diagnóstico Diagnóstico diferencial Fatores facilitadores Refluxo Vésico Uretral (RVU)

Leia mais

Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013)

Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013) Infecção do trato urinário Resumo de diretriz NHG M05 (terceira revisão, junho 2013) Van Pinxteren B, Knottnerus BJ, Geerlings SE, Visser HS, Klinkhamer S, Van der Weele GM, Verduijn MM, Opstelten W, Burgers

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

Infecção urinária recorrente

Infecção urinária recorrente recorrente Infecção urinária na mulher Etiologia Diagnóstico Tratamento Cistite recorrente Etiologia da cistite na mulher 7,1% 1,4% 4,9% 2,8% 3,8% 6,1% 73,9% E. coli K. pneumoniae P. mirabilis Outras enterobactérias

Leia mais

INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO. Profa. Marinez Amabile Antoniolli Unochapecó Outubro, 2013

INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO. Profa. Marinez Amabile Antoniolli Unochapecó Outubro, 2013 INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO Profa. Marinez Amabile Antoniolli Unochapecó Outubro, 2013 Sistema Urinário Formado por: - Um par de rins; - Um par de ureteres; - Bexiga; - Uretra 18-20 cm 4 cm Microbiota

Leia mais

Curso Anual Universitario de Medicina Familiar y Atención Primaria Infecções urinárias

Curso Anual Universitario de Medicina Familiar y Atención Primaria Infecções urinárias Infecções urinárias Dr.Eduardo Durante Dra. Karin Kopitowski Dr. Mario Acuña Objetivos Definir disúria e realizar os diagnósticos diferenciais. Realizar uma correta aproximação diagnóstica, Manejar adequadamente

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO EM MULHERES NA CIDADE DE UBERLÂNDIA

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO EM MULHERES NA CIDADE DE UBERLÂNDIA 1 INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO EM MULHERES NA CIDADE DE UBERLÂNDIA OLIVEIRA, Fernanda Aparecida (Curso de Farmácia do Centro Universitário do Triângulo - Unitri, fernanda32k@hotmail.com) GOUVEIA, Isabela

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO 1 Público Alvo: Médicos do Corpo Clínico e Enfermagem. Objetivo: Esta rotina aplica-se a padronizar e orientar a equipe de enfermagem no atendimento a ITU Referência: 1. Anual para Prevenção das Infecções

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves - Msc

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves - Msc Prof. Fernando Ramos Gonçalves - Msc DEFINIÇÃO Colonização bacteriana da urina e infecção das estruturas do aparelho urinário, da uretra ao parenquima renal. AGENTE ETIOLÓGICO:( bacteriano, fúngico) LOCALIZAÇÃO:

Leia mais

Antibióticos. Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente

Antibióticos. Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente Antibióticos Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente Introdução São produtos que eliminam os microorganismos vivos que causam danos aos pacientes. Os agentes antimicrobianos podem ser de origem

Leia mais

Professor: Luiz Antônio Ranzeiro Bragança Monitor: Fernando Pessuti. Niterói, 25 de novembro de 2015

Professor: Luiz Antônio Ranzeiro Bragança Monitor: Fernando Pessuti. Niterói, 25 de novembro de 2015 Professor: Luiz Antônio Ranzeiro Bragança Monitor: Fernando Pessuti Niterói, 25 de novembro de 2015 Nitrofurantoína Nitrofurano Sintético Pró-droga: Sofre reação de redução para formar composto ativo Bactérias

Leia mais

Perfil das infecções do trato urinário nos Campos Gerais: Uma revisão da literatura.

Perfil das infecções do trato urinário nos Campos Gerais: Uma revisão da literatura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Infecções Vulvo-vaginais

Infecções Vulvo-vaginais Infecções Vulvo-vaginais Sintomatologia: Leucorréia (Corrimento Vaginal) Prurido Dor Tumoração Lesões Verrucosas Queixas Urinárias (Ardor Miccional, Disúria, etc...) Leucorréia Inespecífica Leucorréia

Leia mais

Rascunhos de Um Acadêmico de Medicina Rafael Lessa

Rascunhos de Um Acadêmico de Medicina Rafael Lessa INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Em mulheres com sintomas de cistite não complicada, As ITUs são classificadas da seguinte forma: a bacteriúria significante é definida como > 10 2 UFC/mL da urina do jato médio

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves - Msc

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves - Msc Prof. Fernando Ramos Gonçalves - Msc DEFINIÇÃO Colonização bacteriana da urina e infecção das estruturas do aparelho urinário, da uretra ao parenquima renal. AGENTE ETIOLÓGICO:( bacteriano, fúngico) LOCALIZAÇÃO:

Leia mais

Definição Diversas condições clínicas que variam desde presença assintomática de bactérias na urina até infecção renal grave, resultando em sepsis.

Definição Diversas condições clínicas que variam desde presença assintomática de bactérias na urina até infecção renal grave, resultando em sepsis. Definição Diversas condições clínicas que variam desde presença assintomática de bactérias na urina até infecção renal grave, resultando em sepsis. Prof. João Luiz Schiavini Disciplina de Urologia INFECÇÕES

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO PEDIATRIA UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO PEDIATRIA UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO PEDIATRIA UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL CAUSAS DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES o papel das uropatias/infecção urinária

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. ALICE OKUMURA Nefrologia Pediátrica - UFBa

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. ALICE OKUMURA Nefrologia Pediátrica - UFBa INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ALICE OKUMURA Nefrologia Pediátrica - UFBa DEFINIÇÃO Crescimento de germes patogênicos em qualquer segmento do trato urinário ocasionando uma bacteriúria sintomática ou assintomática.

Leia mais

Objetivo. Exame contrastado Urografia Excretora. Indicações 15/04/2011. Anatomia. Contra-indicação. Preparo do paciente

Objetivo. Exame contrastado Urografia Excretora. Indicações 15/04/2011. Anatomia. Contra-indicação. Preparo do paciente Objetivo Exame contrastado Urografia Excretora É o estudo radiológico contrastado dos rins, ureteres e bexiga e necessita de um ótimopreparo intestinal, na véspera do exame. Indicações Anatomia Cálculo

Leia mais

Estudo dos factores de risco associados a infecções do tracto urinário em idosos institucionalizados

Estudo dos factores de risco associados a infecções do tracto urinário em idosos institucionalizados UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade das Ciências da Saúde Estudo dos factores de risco associados a infecções do tracto urinário em idosos institucionalizados Dissertação para a obtenção do Grau de

Leia mais

COMPARAÇÃO DE AGENTES INFECCIOSOS DO TRATO URINÁRIO DE PACIENTES AMBULATORIAIS VERSUS PACIENTES HOSPITALIZADOS

COMPARAÇÃO DE AGENTES INFECCIOSOS DO TRATO URINÁRIO DE PACIENTES AMBULATORIAIS VERSUS PACIENTES HOSPITALIZADOS COMPARAÇÃO DE AGENTES INFECCIOSOS DO TRATO URINÁRIO DE PACIENTES AMBULATORIAIS VERSUS PACIENTES HOSPITALIZADOS Freitas MAA 1, Kroll CM 2, Silveira GC 3, Morais WV 4, Giana HE 5, Beltrame N 6 Laboratório

Leia mais

CAPÍTULO 10 INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. Augusto César Oliveira de Araújo Eduardo de Paula Miranda Francisco das Chagas Medeiros

CAPÍTULO 10 INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. Augusto César Oliveira de Araújo Eduardo de Paula Miranda Francisco das Chagas Medeiros CAPÍTULO 10 INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Augusto César Oliveira de Araújo Eduardo de Paula Miranda Francisco das Chagas Medeiros O termo infecção urinária refere-se ao comprometimento de qualquer porção

Leia mais

Cálculo urinário Resumo de diretriz NHG M63 (april 2007)

Cálculo urinário Resumo de diretriz NHG M63 (april 2007) Cálculo urinário Resumo de diretriz NHG M63 (april 2007) Arndt UP, Van Koningsbruggen PJW, Salden NMA, Visser HS, Van der Wal J, Van Lieshout J traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

Módulo 1 INFEÇÕES URINÁRIAS: RECOMENDAÇÕES E NOC DGS ABORDAGEM DE PATOLOGIAS UROLÓGICAS FREQUENTES NA URGÊNCIA DE MGF: INFEÇÕES URINÁRIAS

Módulo 1 INFEÇÕES URINÁRIAS: RECOMENDAÇÕES E NOC DGS ABORDAGEM DE PATOLOGIAS UROLÓGICAS FREQUENTES NA URGÊNCIA DE MGF: INFEÇÕES URINÁRIAS Módulo 1 INFEÇÕES URINÁRIAS: RECOMENDAÇÕES E NOC DGS Palestrante: Dr. Luis Miguel Abranches Monteiro Urologia Moderador: Prof. Carlos Martins Medicina Geral e Familiar 01 Abril 2017 URO/2017/0010/PTq,

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO RIO. Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de pediatria Faculdade de Medicina de Botucatu- UNESP

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO RIO. Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de pediatria Faculdade de Medicina de Botucatu- UNESP INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO RIO Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de pediatria Faculdade de Medicina de Botucatu- UNESP INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO RIO É caracterizada pela multiplicação bacteriana

Leia mais

DOSSIER INFORMATIVO Doenças da Próstata

DOSSIER INFORMATIVO Doenças da Próstata DOSSIER INFORMATIVO Doenças da Próstata 2013 O que é a próstata? A próstata é uma glândula do aparelho genital masculino localizada à frente do recto e logo abaixo da bexiga, órgão onde a urina está temporariamente

Leia mais

Infecção do Trato Urinário em Pediatria. Luciana Cabral Matulevic

Infecção do Trato Urinário em Pediatria. Luciana Cabral Matulevic Infecção do Trato Urinário em Pediatria Luciana Cabral Matulevic Importância Grande frequência Dificuldade no diagnóstico Comprometimento renal (IRC até 20%)* Hipertensão (20 a 40%)* * Clin Nephrol 1994;41:50-5;

Leia mais

Bárbara Ximenes Braz

Bárbara Ximenes Braz Bárbara Ximenes Braz Identificação Sexo masculino 26 anos Universitário Americano Queixa principal Dor abdominal há 1 semana. HDA O paciente apresentou queixa de dor latejante, constante há uma semana,

Leia mais

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO CAPÍTULO 16 PROCESSOS INFLAMATÓRIOS GENITAIS: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO José Eleutério Junior Francisco das Chagas Medeiros Raquel Autran Coelho Quadros clínicos de corrimento e prurido genital ocorrem

Leia mais

RELATÓRIO CUMULATIVO DA SUSCETIBILIDADE DOS AGENTES DE INFEÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS

RELATÓRIO CUMULATIVO DA SUSCETIBILIDADE DOS AGENTES DE INFEÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS RELATÓRIO CUMULATIVO DA SUSCETIBILIDADE DOS AGENTES DE INFEÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS ALGARVE RELATÓRIO CUMULATIVO DE SUSCETIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS DOS AGENTES DE INFEÇÃO URINÁRIA NO ALGARVE

Leia mais

PROTOCOLO DE TRATAMENTO ANTIMICROBIANO EMPÍRICO PARA INFECÇÕES COMUNITÁRIAS, HOSPITALARES E SEPSE

PROTOCOLO DE TRATAMENTO ANTIMICROBIANO EMPÍRICO PARA INFECÇÕES COMUNITÁRIAS, HOSPITALARES E SEPSE PROTOCOLO DE TRATAMENTO ANTIMICROBIANO EMPÍRICO PARA INFECÇÕES COMUNITÁRIAS, HOSPITALARES E SEPSE Sumário Introdução...6 Informações Importantes...6 Infecções Comunitárias...8 Infecções Relacionadas

Leia mais

SUSCEPTIBILIDADE DOS AGENTES DE INFECÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS

SUSCEPTIBILIDADE DOS AGENTES DE INFECÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS SUSCEPTIBILIDADE DOS AGENTES DE INFECÇÃO URINÁRIA AOS ANTIMICROBIANOS ALGARVE RELATÓRIO CUMULATIVO DE SUSCEPTIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS DOS AGENTES DE INFECÇÃO URINÁRIA NO ALGARVE Objectivo Fornecer

Leia mais

Artigos de Revisão AVALIAÇÃO CLÍNICA DA INFECÇÃO URINÁRIA NÃO COMPLICADA NA MULHER 1

Artigos de Revisão AVALIAÇÃO CLÍNICA DA INFECÇÃO URINÁRIA NÃO COMPLICADA NA MULHER 1 Facene/Famene - 2012;10(1):61-66 61 Artigos de Revisão AVALIAÇÃO CLÍNICA DA INFECÇÃO URINÁRIA NÃO COMPLICADA NA MULHER 1 Rafael Eugenio Lazarotto 2 Camila Albuquerque de Brito Gomes 3 Maria do Socorro

Leia mais

CIBELE LEFEVRE CORREA FONSECA GE-CIH // MI // HSPE 2013

CIBELE LEFEVRE CORREA FONSECA GE-CIH // MI // HSPE 2013 INFECÇÃO URINÁRIA CIBELE LEFEVRE CORREA FONSECA GE-CIH // MI // HSPE 2013 INTRODUÇÃO ALTA PREVALENCIA DAS ITUs Necessidade de reavaliar esquemas terapeuticos das itus, devido ao aumento da resistencia

Leia mais

CLOTRIGEL (clotrimazol)

CLOTRIGEL (clotrimazol) CLOTRIGEL (clotrimazol) Glenmark Farmacêutica Ltda. Creme vaginal 100 mg/5g CLOTRIGEL clotrimazol LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome genérico:

Leia mais

EFEITO DE ANTIBIÓTICOS SOBRE A BACTÉRIA ESCHERICHIA COLI RESPONSÁVEL PELA CISTITE

EFEITO DE ANTIBIÓTICOS SOBRE A BACTÉRIA ESCHERICHIA COLI RESPONSÁVEL PELA CISTITE EFEITO DE ANTIBIÓTICOS SOBRE A BACTÉRIA ESCHERICHIA COLI RESPONSÁVEL PELA CISTITE Luana Goularte Silva (1) ; Grace Kelly Arruda Rodrigues (2) ; Eriton Ronaldo M. Freitas (3) ; Melissa kayser (4) (1) Discente;

Leia mais

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE MICRORGANISMOS E PERFIL DE SUSCEPTIBILIDADE ANTIMICROBIANA EM UROCULTURAS POSITIVAS DO LABORATÓRIO EVANGÉLICO DE ANÁPOLIS

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE MICRORGANISMOS E PERFIL DE SUSCEPTIBILIDADE ANTIMICROBIANA EM UROCULTURAS POSITIVAS DO LABORATÓRIO EVANGÉLICO DE ANÁPOLIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PREVALÊNCIA DE MICRORGANISMOS E PERFIL DE SUSCEPTIBILIDADE ANTIMICROBIANA EM UROCULTURAS POSITIVAS

Leia mais

DIRETRIZES PARA INFECÇÕES UROLÓGICAS

DIRETRIZES PARA INFECÇÕES UROLÓGICAS DIRETRIZES PARA INFECÇÕES UROLÓGICAS (Texto atualizado em Abril de 2010) M. Grabe (presidente), T.E. Bjerklund-Johansen, H. Botto, M. Çek, K.G. Naber, R.S. Pickard, P. Tenke, F. Wagenlehner, B. Wullt Introdução

Leia mais

31º episódio Podcast Urologia. Infecção Urinária e Tratamentos

31º episódio Podcast Urologia. Infecção Urinária e Tratamentos 31º episódio Podcast Urologia Infecção Urinária e Tratamentos Dr. Paulo Santos Caro ouvinte, Seja bem vindo a mais um pod cast do canal Urologia. Meu nome é Paulo Santos, e sou atual gerente médico da

Leia mais

PERFIL DE SENSIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS DAS BACTÉRIAS ISOLADAS DE INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO EM NATAL RN

PERFIL DE SENSIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS DAS BACTÉRIAS ISOLADAS DE INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO EM NATAL RN 157 Faculdades Integradas de Patos Curso de Medicina v. 1, n. 2, Abr-Jun. 2016, p. 157-165. ISSN: 2448-1394 PERFIL DE SENSIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS DAS BACTÉRIAS ISOLADAS DE INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO

Leia mais

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013)

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Blanker MH, Breed SA, van der Heide WK, Norg RJC, de Vries A, Wolters RJ, van den Donk M, Burgers JS, Opstelten W,

Leia mais

Histórias de Sucesso no Controle da Infecção Hospitalar. Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar

Histórias de Sucesso no Controle da Infecção Hospitalar. Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar Utilização da informática no controle da pneumonia hospitalar Médico Assistente da Disciplina de Moléstias Infecciosas e Tropicais HC-FMRP-USP Médico da CCIH do Hospital Estadual de Ribeirão (HER) e HSP

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Diagnóstico e Tratamento de ITU no CTIA

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Diagnóstico e Tratamento de ITU no CTIA Diretrizes Assistenciais Protocolo de Diagnóstico e Tratamento de ITU no CTIA Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Diagnóstico e Tratamento de ITU no CTIA BACTERIÚRIA ASSINTOMÁTICA

Leia mais

1 - OBJETIVO 2 - DEFINIÇÃO

1 - OBJETIVO 2 - DEFINIÇÃO SESAU.MED..001 Revisão: 00 Página: 1 de 15 PROCEDIMEN DE GESTÃO 1 - OBJETIVO Estabelecer algoritmo adequado para diagnóstico e abordagem terapêutica da infecção do trato urinário, por se tratar de uma

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE INFECÇÕES UROLÓGICAS

ORIENTAÇÕES SOBRE INFECÇÕES UROLÓGICAS ORIENTAÇÕES SOBRE INFECÇÕES UROLÓGICAS (Texto actualizado em Março de 2009) M. Grabe (Presidente), M.C. Bishop, T.E. Bjerklund-Johansen, H. Botto, M. Çek, B. Lobel, K.G. Naber, J. Palou, P. Zenke, F. Wagenlehner

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015.

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015. Recursos de estudo na Área do Aluno Site SJT Educação Médica Aula À La Carte Simulados Presenciais e on-line Cursos Extras Antibioticoterapia Prático SJT Diagnóstico por imagem Eletrocardiografia Revisão

Leia mais

Antibacterianos nas infecções do trato urinário

Antibacterianos nas infecções do trato urinário UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO IV Antibacterianos nas infecções do trato urinário Infecções do trato urinário Bacteriúria

Leia mais

Infecção Urinária e Gestação

Infecção Urinária e Gestação I ENCONTRO DA REDE MÃE PARANAENSE Infecção Urinária e Gestação Marcos Takimura UFPR/UniPositivo/HT-SESA Modificações Fisiológicas do Aparelho Urinário na Gestação Compressão mecânica do útero gravídico

Leia mais

das queixas Urinárias em Gestantes

das queixas Urinárias em Gestantes QUALIDADE DA AMOSTRA E Diagnóstico Laboratorial das queixas Urinárias em Gestantes Eli Mendes Ferreira 1 Edílson Floriano dos Santos 2 Júlio César de Oliveira Carneiro 3 1. Farmacêutica Bioquímica, Hospital

Leia mais

Protocolos Não Gerenciados

Protocolos Não Gerenciados Protocolos Não Gerenciados Avaliação e Monitoração do Paciente com Infecção de Trato Urinário em Instituição de Longa Permanência (RIAE) Versão eletrônica atualizada em Agosto - 2007 Avaliação e Monitoração

Leia mais

DIOGRANDE DIÁRIO OFICIAL DE CAMPO GRANDE-MS

DIOGRANDE DIÁRIO OFICIAL DE CAMPO GRANDE-MS DIOGRANDE Digitally signed by RODRIGO LENZ:51860678149 DN: c=br, o=icp-brasil, ou=secretaria da Receita Federal do Brasil - RFB, ou=rfb ecpf A3, ou=(em BRANCO), ou=ar NAPTON, cn=rodrigo LENZ:51860678149

Leia mais

Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria......

Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria...... 27/06/16 Síndrome caracterizada por: Urgência miccional (principal sintoma) COM ou SEM incontinência, Também associada a: Polaciúria. Noctúria...... na ausência de causa infecciosa ou outra doença que

Leia mais

Matheus Henrique Bragança Duarte 1 Isabella Gois Fontenele 2 Cássio Antonio Lanfredi dos Santos 3 INTRODUÇÃO METODOLOGIA

Matheus Henrique Bragança Duarte 1 Isabella Gois Fontenele 2 Cássio Antonio Lanfredi dos Santos 3 INTRODUÇÃO METODOLOGIA ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DE INFECÇÕES URINÁRIAS EM PACIENTES NÃO HOSPITALIZADOS: ANÁLISE DA INCIDÊNCIA MICROBIANA E PERFIL DE RESISTÊNCIA E SENSIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS. Matheus Henrique Bragança Duarte

Leia mais

1. O QUE É SILVESPRAY E PARA QUE É UTILIZADO?

1. O QUE É SILVESPRAY E PARA QUE É UTILIZADO? FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento - Conserve este folheto: Pode ter necessidade de o reler. - Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. - Este

Leia mais

ANÁLISE DAS UROCULTURAS REALIZADAS EM UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA DA CIDADE DE ITABUNA-BA *Lap-Laboratório de Análises e Pesquisas

ANÁLISE DAS UROCULTURAS REALIZADAS EM UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA DA CIDADE DE ITABUNA-BA *Lap-Laboratório de Análises e Pesquisas ANÁLISE DAS UROCULTURAS REALIZADAS EM UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA DA CIDADE DE ITABUNA-BA *Lap-Laboratório de Análises e Pesquisas Luiz Felipe Moreno de Brito¹; Ana Paula Melo Mariano²; Wallace Victor Brandão

Leia mais

Cólica nefrética em adultos

Cólica nefrética em adultos . INTRODUÇÃO A cólica nefrética é uma entidade frequentemente encontrada no atendimento de urgência em pronto atendimentos de todo o mundo. A causa mais frequente é a passagem de cálculos urinários pelo

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO NOSOCOMIAL

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO NOSOCOMIAL INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO NOSOCOMIAL DEFINIÇÃO A infecção de trato urinário (ITU) nosocomial é definida como qualquer ITU relacionada a procedimento urológico ou ITU diagnosticada após a admissão em serviço

Leia mais

Litíase Renal. Introdução. Tipos de Cálculo

Litíase Renal. Introdução. Tipos de Cálculo Litíase Renal Introdução Litíase renal é uma doença frequente que acomete mais homens que mulheres (atualmente em proporção inferior a 2:1) e pode estar localizada nos rins, ureter, bexiga e uretra. A

Leia mais

Infecções do Trato Urinário

Infecções do Trato Urinário Infecções do Trato Urinário Anatomia e Fisiologia do Trato Urinário Órgãos secretores: Rins (2) Órgãos excretores: Ureteres (2) Bexiga Uretra Fonte: http://www.auladeanatomia.com Microbiota Normal da Uretra

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADO ÀS GESTANTES E O PAPEL DO PROFISSIONAL FARMACÊUTICO NO TRATAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADO ÀS GESTANTES E O PAPEL DO PROFISSIONAL FARMACÊUTICO NO TRATAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADO ÀS GESTANTES E O PAPEL DO PROFISSIONAL FARMACÊUTICO NO TRATAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO Clebner Inacio de Carvalho¹ ¹Acadêmico do curso de Farmácia Bacharelado na FACIDER

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES

USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS EM GERMES MULTIRRESISTENTES Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria Infectologista e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada 14/04/2015 13:19 1 O QUE É USO RACIONAL DE ANTIBIÓTICOS?

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO: PREVALÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE BACTERIANA EM PACIENTES AMBULATORIAIS

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO: PREVALÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE BACTERIANA EM PACIENTES AMBULATORIAIS UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE FARMÁCIA RAFAEL MARRAS GRANDINO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO: PREVALÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE BACTERIANA EM PACIENTES AMBULATORIAIS CRICIÚMA,

Leia mais

Monuríl fosfomicina trometamol. Granulado

Monuríl fosfomicina trometamol. Granulado Monuríl fosfomicina trometamol Granulado Forma farmacêutica e apresentação: Caixa com 1 envelope de granulado com 8g. USO ADULTO - USO ORAL Composição: Granulado Cada envelope contém: 5,631 g de fosfomicina

Leia mais

INFECÇÃO URINÁRIA EM GESTANTES: REVISÃO DE LITERATURA

INFECÇÃO URINÁRIA EM GESTANTES: REVISÃO DE LITERATURA Vol.26,n.2,pp.26-30 (Abr - Jun 2016) Revista UNINGÁ Review INFECÇÃO URINÁRIA EM GESTANTES: REVISÃO DE LITERATURA URINARY TRACT INFECTION IN PREGNANCY: REVIEW OF LITERATURE JULIANA PAGNONCELI¹ *, JEAN COLACITE²

Leia mais

INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A.

INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A. FLOXIMED norfloxacino MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA S.A. Comprimidos Revestidos 400mg FLOXIMED norfloxacino MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA comprimido revestido I- IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Avaliação e manejo do paciente adulto com infecção urinária

Avaliação e manejo do paciente adulto com infecção urinária Lesões ARTIGO pré-malignas ESPECIAL do esôfago e câncer precoce Moreira & Tiburi com infecção urinária Elvino José G. Barros 1, Joana Garcez 2, Fernando S. Thomé 3 Infecção urinária é uma das doenças mais

Leia mais

PREVALÊNCIA DE INFECÇÃO URINÁRIA EM GESTANTES ATENDIDAS NO LABORATÓRIO MUNICIPAL DE ANÁLISES CLÍNICAS DO MUNÍCIPIO BAGÉ-RS

PREVALÊNCIA DE INFECÇÃO URINÁRIA EM GESTANTES ATENDIDAS NO LABORATÓRIO MUNICIPAL DE ANÁLISES CLÍNICAS DO MUNÍCIPIO BAGÉ-RS PREVALÊNCIA DE INFECÇÃO URINÁRIA EM GESTANTES ATENDIDAS NO LABORATÓRIO MUNICIPAL DE ANÁLISES CLÍNICAS DO MUNÍCIPIO BAGÉ-RS AMARO, S. L. (1) ; FREITAS, B. P. (2) ; ROCHA, N. P. (3). MARIÑO, P.A. (4). AMBRÓZIO,

Leia mais

Hematúria 1. DEFINIÇÕES 2. ETIOLOGIA. Revisão. Aprovação. Elaboração Joana Campos Dina Cirino Clara Gomes A Jorge Correia Data: Maio 2007

Hematúria 1. DEFINIÇÕES 2. ETIOLOGIA. Revisão. Aprovação. Elaboração Joana Campos Dina Cirino Clara Gomes A Jorge Correia Data: Maio 2007 1. DEFINIÇÕES Hematúria presença de glóbulos vermelhos (GV) na urina em quantidade superior ao normal. Hematúria Macroscópica urina de cor vermelha/ acastanhada - > 5 000 GV/mm3 ou > 5 000 GV/min o -Inicial

Leia mais

FLOGO-ROSA. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Pó 53,2 mg/g

FLOGO-ROSA. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Pó 53,2 mg/g FLOGO-ROSA Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. Pó 53,2 mg/g BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FLOGO-ROSA cloridrato de benzidamina APRESENTAÇÃO

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO EM GERIATRIA*

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO EM GERIATRIA* INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO EM GERIATRIA* ELIENE FERREIRA CORRÊA, EDLAINE RODRIGUES MONTALVÃO Resumo: neste estudo abordamos sobre infecção do Trato Urinário (ITU) em pacientes geriátricos, suas principais

Leia mais

Procedimentos Técnicos. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato de Lacerda Barra Filho Dr. Ivo Fernandes. Gerente da Qualidade Biomédico

Procedimentos Técnicos. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato de Lacerda Barra Filho Dr. Ivo Fernandes. Gerente da Qualidade Biomédico Versão: 1 Pg: 1/6 ELABORADO POR DE ACORDO NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato de Lacerda Barra Filho Dr. Ivo Fernandes Biomédico 01/10/2009 Gerente da Qualidade Biomédico 20/10/2009 Dr. Jose Carlos

Leia mais

INFECCAO URINARIA. DR Fernando Vaz

INFECCAO URINARIA. DR Fernando Vaz INFECCAO URINARIA DR Fernando Vaz Complicada x não complicada Infecção urinária não complicada Leve Trato urinário normal Infecção urinária complicada Mais grave Trato urinário comprometido Infecção Urinária

Leia mais

CASO CLÍNICO: INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

CASO CLÍNICO: INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO CASO CLÍNICO: INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO CASO CLÍNICO Identificação L.R.O.P. Sexo feminino Branca 2 anos Natural e procedente de Macéio Informante : a mãe CASO CLÍNICO Q. P: Febre e dor ao urinar HDA:

Leia mais

Infecção do trato urinário em crianças e adolescentes

Infecção do trato urinário em crianças e adolescentes TE-5 REMESSA DE documentos de CAIXA, EXTRA-CAIXA E CONTABILIDADE PARA MICROFILMAGEM DIBAN/DPSAG - Depto. de Processos e Suporte às Agências Tipo Documental. INTRODUÇÃO A Infecção do trato urinário (ITU)

Leia mais

Abordagem. Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci

Abordagem. Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci Abordagem sindrômica das DSTs Tamara Paz (R1) Orientadora: Dra. Juraci DST - conceito Doença infecciosa adquirida por meio do contato sexual, que pode ser causada por vírus, bactéria ou protozoário. Glossário

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: RELAÇÃO DA OCORRÊNCIA DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO DE ACORDO COM A IDADE, FATORES DE RISCO,

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Tomografia computadorizada da pelve após injeção endovenosa de meio de contraste iodado, tendo havido ingestão prévia do mesmo produto. Paciente,

Leia mais

CAPÍTULO 10 INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. Augusto César Oliveira de Araújo Eduardo de Paula Miranda Francisco das Chagas Medeiros

CAPÍTULO 10 INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO. Augusto César Oliveira de Araújo Eduardo de Paula Miranda Francisco das Chagas Medeiros CAPÍTULO 10 INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Augusto César Oliveira de Araújo Eduardo de Paula Miranda Francisco das Chagas Medeiros O termo infecção urinária refere-se ao comprometimento de qualquer porção

Leia mais

TEMA: URO-VAXON no tratamento da infecção recorrente do trato urinário em paciente portador de DM SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... 3

TEMA: URO-VAXON no tratamento da infecção recorrente do trato urinário em paciente portador de DM SUMÁRIO 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 NT89/2013 Solicitante: Ilmo Dr Des. Bitencourt Marcondes 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais Data: 10/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração: 1.0313.13.008851-8/001

Leia mais

Infecção do trato urinário em crianças e adolescentes à luz da evidência clínica. Kênio Ferreira Valadares

Infecção do trato urinário em crianças e adolescentes à luz da evidência clínica. Kênio Ferreira Valadares Infecção do trato urinário em crianças e adolescentes à luz da evidência clínica Kênio Ferreira Valadares Academia de Ciência e Tecnologia ACT. São José do Rio Preto SP. Curso de Pós-Graduação de especialização

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UROLOGIA 21. Dentre os cristais urinários relacionados a seguir, aquele que tem significado patológico, quando visto na microscopia de pequeno aumento, durante um exame

Leia mais

Possivelmente espécies captnofílicas, incluindo Corynebacterium e Lactobacillius.

Possivelmente espécies captnofílicas, incluindo Corynebacterium e Lactobacillius. INFECÇÕES DO TRACTO URINÁRIO Comuns, especialmente nas mulheres Normalmente agudas e de curta duração; Infecções severas podem resultar em perda de função renal e sequelas permanentes Aquisição Via ascendente

Leia mais

Manual de Orientações para o. Paciente Lesado Medular. Reeducação vesical. Cateterismo Feminino

Manual de Orientações para o. Paciente Lesado Medular. Reeducação vesical. Cateterismo Feminino Manual de Orientações para o Paciente Lesado Medular Reeducação vesical Cateterismo Feminino REEDUCAÇÃO VESICAL A Lesão Medular consiste em trauma ou doença, que altera a função da medula e produz como

Leia mais

Caraterização das Infeções Vaginais incidência e prevalência

Caraterização das Infeções Vaginais incidência e prevalência Caraterização das Infeções Vaginais incidência e prevalência CANDIDÍASE VULVO-VAGINAL INFEÇÕES VAGINAIS - Enquadramento Sintomatologia do trato genital inferior Modificações patológicas ou mesmo fisiológicas

Leia mais

INFECÇÃO TRATO URINÁRIO UDC 2 016

INFECÇÃO TRATO URINÁRIO UDC 2 016 INFECÇÃO TRATO URINÁRIO PROF M V MSC. ANTONIO CEREDA UDC 2 016 CLÍNICA M ÉDICA II ITU É definida como a colonização bacteriana de porções do trato urinário que normalmente são estéreis (rins, ureteres,

Leia mais

TUTORIAL DE URO-NEUROLOGIA DISFUNÇÃO MICCIONAL NO IDOSO

TUTORIAL DE URO-NEUROLOGIA DISFUNÇÃO MICCIONAL NO IDOSO TUTORIAL DE URO-NEUROLOGIA DISFUNÇÃO MICCIONAL NO IDOSO Márcio Augusto Averbeck, MD, MSc Márcio Augusto Averbeck, MD Médico Urologista UFCSPA EAU Clinical Fellowship (Neurourology Unit Innsbruck/Austria)

Leia mais

Solução antisséptica com sulfato de neomicina

Solução antisséptica com sulfato de neomicina EXEMPLIFICAÇÃO DE FÓRMULAS Solução antisséptica com sulfato de neomicina Ácido bórico...5g Ácido láctico...2g Alúmen de potássio...10g Sulfato de neomicina...0,5g Extrato fluido de hamamélis (H. virginiana)...2,5ml

Leia mais