Certificação do Controlo da Produção

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Certificação do Controlo da Produção"

Transcrição

1 Certificação do Controlo da Produção 1. Sistema de controlo da produção Eng.º João Carlos Duarte Chefe de Serviços de Normalização APEB O Decreto-Lei n.º 301/2007, de 23 de Agosto, estabelece no seu Artigo 5.º que o betão destinado a estruturas ou elementos estruturais para os quais tenha sido especificada uma Classe de Inspecção 3 (ver NP ENV ) ) deve ser proveniente de uma central com o controlo da produção certificado. Desta forma, apesar de esta certificação ser uma actividade estritamente voluntária, do ponto de vista do produtor do betão torna-se quase como obrigatória, uma vez que, na sua ausência, aquele não poderá fornecer as obras da Classe de Inspecção 3, ou seja, não terá acesso a parte do mercado em que actua. Esta certificação é comprovada através de um certificado de conformidade, o qual foi passado por um organismo de certificação, sendo que este deve encontrarse acreditado pelo organismo nacional de acreditação. Para obter aquele certificado, as empresas devem estabelecer um sistema de controlo da produção, que será sujeito a uma avaliação da conformidade por parte do referido organismo de certificação. Neste artigo iremos então abordar os diversos aspectos que envolvem a certificação do controlo da produção das centrais de betão, tendo em conta, não só o disposto na NP EN ), mas também as regras de acreditação dos organismos de certificação emitidas pelo IPAC para este âmbito de actuação. (1) NP ENV Execução de estruturas de betão. Parte 1: Regras gerais (2) NP EN Betão. Parte 1: Especificação, desempenho, produção e conformidade. (3) NP EN ISO Sistema de Gestão da Qualidade. Parte 1: Requisitos. Para que o controlo da produção possa ser certificado é primeiramente necessário que o produtor desenvolva e implemente um sistema de controlo da produção que lhe permita manter as propriedades do betão em conformidade com os requisitos especificados para o betão, incluindo o controlo da conformidade. Este sistema de controlo da produção deve ter como base os requisitos do controlo da produção que se encontram estabelecidos na secção 9 da NP EN Estes requisitos encontram-se de alguma forma alinhados com parte dos requisitos da NP EN ISO ), o que quer dizer, por outras palavras, que se o produtor possuir um sistema de gestão da qualidade implementado de acordo com os requisitos desta norma, satisfaz imediatamente parte dos requisitos do controlo da produção do betão. O sistema de controlo da produção deve ser consubstanciado através de um manual de controlo da produção, o qual deve ser apoiado em procedimentos, instruções de trabalho e planos de inspecções e ensaios. De igual forma, o produtor deve assegurar que todos os dados relevantes relativos à execução do sistema de controlo da produção devem encontrar-se adequadamente documentados, e conservados por um período não inferior a 3 anos. O sistema de controlo da produção deve abranger toda a produção e deve incluir metodologias que assegurem que os materiais constituintes, os equipamentos, o processo de produção e o betão se encontram em conformidade com as especificações e requisitos da NP EN Como parte do sistema de controlo da produção, o produtor deve levar a cabo os ensaios iniciais sobre os betões que pretende produzir, os quais são o garante de que as composições estudadas cumprem todos os requisitos que lhes são aplicáveis, com uma margem adequada. Estes ensaios iniciais devem ser efectuados sobre as novas composições de betões, podendo ser dispensados apenas no caso de o produtor conseguir demonstrar que as composições são adequadas com base em resultados de ensaios prévios ou em experiência de longa duração na produção de betões semelhantes. 13

2 REQUISITOS DO CONTROLO DA PRODUÇÃO Secção 9 da NP EN Generalidades Todo o betão deve ser sujeito ao controlo da produção, incluindo o controlo da conformidade de acordo com a secção 8 da NP EN Sistemas de controlo da produção - SCP O SCP deve encontrar-se documentado através de um manual, procedimentos e instruções de trabalho. O SCP deve ser revisto pela direcção do produtor, pelo menos de 2 em 2 anos. 3. Registos e outros documentos Todos os dados relevantes do SCP devem ser adequadamente registados, devendo estes registos ser conservados durante um período mínimo de 3 anos. 4. Ensaios No caso de se utilizarem métodos de ensaio diferentes dos métodos de referência, devem ser estabelecidas correlações seguras entre o método de referência e o método alternativo. Estas correlações devem ser revalidados a intervalos apropriados. 5. Composição e ensaios iniciais No caso de uma nova composição, devem ser efectuados ensaios iniciais para verificar se o betão cumpre com as propriedades especificadas ou o desempenho pretendido com uma margem adequada. As composições de betão devem ser revistas periodicamente para assegurar que ainda se encontram conformes com os requisitos. 6. Pessoal, equipamento e instalações O pessoal afecto à produção e ao controlo da produção devem ter conhecimentos, formação e experiência adequados. Os equipamentos e as instalações devem ser adequadas à produção do betão, assegurando uma correcta dosagem e mistura dos materiais constituintes. Os equipamentos de ensaio devem encontrar-se calibrados quando da sua utilização. 7. Doseamento dos materiais constituintes As composições devem encontrar-se documentadas e disponíveis no local do doseamento. Devem ser cumpridas as tolerâncias de doseamento. 8. Amassadura do betão A mistura dos materiais constituintes deve ser feita numa betoneira e continuar até o betão ter uma aparência uniforme. 9. Procedimentos para o controlo da produção Os materiais constituintes, o equipamento, os procedimentos de produção e o betão devem ser alvo de controlo através da elaboração e implementação de planos de inspecções e ensaios de acordo os requisitos da NP EN

3 2. Avaliação da conformidade A avaliação da conformidade, necessária para efeitos da certificação do controlo da produção do betão, desenvolve-se através de uma avaliação inicial, seguida de uma fiscalização contínua por parte do organismo de certificação. Em qualquer destas fases, a avaliação da conformidade baseia-se em duas actividades complementares: a) a realização de inspecções ao controlo da produção; b) a realização de ensaios em paralelo com o produtor. Os critérios para estas actividades são ligeiramente diferentes consoante se esteja na fase de avaliação inicial ou na fase de fiscalização contínua, como veremos de seguida. 2.1 Avaliação inicial Após a selecção do organismo de certificação, as empresas candidatas à certificação do controlo da produção do betão devem formalizar o seu pedido. Ao receber o pedido, o Organismo de Certificação procede à marcação da inspecção inicial. Conforme já referimos, a inspecção pode ser efectuada pelo próprio organismo de certificação ou por um organismo de inspecção, sendo que neste caso, ambos os organismos deverão estar acreditados para o efeito pelo organismo nacional de acreditação, que no nosso país é o IPAC 4). Com esta inspecção inicial, pretende-se determinar se as condições, em termos de pessoal e de equipamento, são adequadas para uma correcta produção e para o correspondente controlo da produção. Para o efeito, a equipa de inspectores deve verificar, pelo menos, os seguintes aspectos: se existe um manual de controlo da produção em conformidade com os requisitos do controlo da produção e se tem em consideração os restantes requisitos da NP EN 206-1; se existem os documentos essenciais para as realização das inspecções da central, se eles estão nos locais apropriados e se o pessoal relevante tem acesso aos mesmos; se estão disponíveis todos os meios e equipamentos necessários para efectuar os controlos e ensaios requeridos ao equipamento, aos materiais constituintes e ao betão; (4) IPAC Instituto Português de Acreditação. se os conhecimentos, a formação e a experiência do pessoal envolvido na produção e no controlo da produção é adequado ao nível dos betões produzidos; se são realizados os ensaios iniciais, de acordo com o estabelecido no Anexo A da NP EN 206-1, e se os respectivos resultados ficaram registados num relatório elaborado de forma adequada; se as correlações e/ou relações seguras se encontram adequadamente comprovadas pelo produtos, tanto no caso de utilização de ensaios indirectos ou alternativos, como no caso do controlo da conformidade baseado na transposição de resultados das famílias de betões. No final da inspecção inicial, todos os factos relevantes encontrados, especialmente no que respeita ao equipamento no local de produção, ao controlo da produção e à avaliação do sistema são registados pela equipa de inspectores num relatório de inspecção. Com referimos anteriormente, a avaliação inicial só está completa com a obtenção dos resultados dos ensaios efectuados pelo organismo de certificação em paralelo com o produtor. As amostragens correspondentes a estes ensaios, de acordo com o IPAC, devem ser efectuadas no decorrer da inspecção inicial, nos moldes descritos no ponto 3, adiante. Uma vez na posse do relatório da inspecção inicial e dos relatórios de ensaio correspondentes aos ensaios efectuados em paralelo com o produtor, o organismo de certificação deve deliberar sobre a concessão da certificação do controlo da produção. Caso a avaliação seja favorável, o organismo de certificação procede então à emissão do respectivo certificado de conformidade. 2.2 Fiscalização contínua do controlo da produção Uma vez concedida a certificação do controlo da produção do betão, o organismo de certificação deve envidar pela fiscalização contínua do controlo da produção, consistindo esta fiscalização na realização de inspecções de rotina (uma por cada 6 meses, de acordo com o IPAC). Nestas inspecções de rotina, as quais, segundo o IPAC, não devem ser previamente anunciadas, o(s) inspector(es) devem verificar se o controlo da produção continua a satisfazer os requisitos que lhe são aplicáveis. Claro está, que a manutenção do controlo da produção compete ao respectivo produtor, sendo que este deve notificar o organismo de cer- 15

4 16 tificação (ou o organismo de inspecção, se for o caso) de todas as alterações significativas que tenham sido implementadas nas instalações de produção, no sistema de controlo da produção ou no manual do controlo da produção. Durante as inspecções de rotina devem ser avaliados os seguintes aspectos: os procedimentos de produção, de amostragem e de ensaio; os dados registados no âmbito do sistema de controlo da produção; os resultados dos ensaios referentes ao controlo da produção durante o período que decorrer desde a última inspecção; se os ensaios ou procedimentos requeridos foram conduzidos com a frequência apropriada; se os equipamentos de produção foram verificados e mantidos como previsto; se os equipamentos de ensaio foram mantidos e calibrados como previsto; se foram levadas a efeito as acções decorrentes das não conformidades; as guias de remessa e as declarações de conformidade, quando aplicável. Periodicamente, o organismo de certificação (ou de inspecção, se aplicável) deve reavaliar as correlações e/ou as relações seguras dos ensaios indirectos/alternativos e dos elementos das famílias de betões. Tal como para a inspecção inicial, os resultados da inspecção de rotina devem ser registados num relatório de inspecção. Mas como já vimos, complementarmente à realização das inspecções de rotina, o organismo de certificação deve providenciar a realização de ensaios em paralelo com o produtor. Desta forma, deve ser efectuada uma amostra no decorrer de cada uma destas inspecções, conforme veremos mais adiante (ponto 3). Nota: No caso de o produtor possuir o laboratório de controlo da produção acreditado, o organismo de certificação poderá não efectuar estes ensaios em todas as inspecções de rotina, mas terá de o fazer pelo menos uma vez por ano. Assim, com base no relatório de inspecção e nos resultados dos ensaios, o organismo de certificação deve deliberar sobre a manutenção da certificação do controlo da produção. 2.3 Inspecções extraordinárias O organismo de certificação pode decidir pela realização de uma inspecção extraordinária, em determinadas situações, tais como: quando da detecção de graves discrepâncias durante uma inspecção de rotina; quando a produção tiver sido interrompida por um período superior a 6 meses; a pedido do produtor, p.e.: na sequência de alterações das condições de produção. Em qualquer dos casos, o organismo de certificação deve providenciar a devida justificação. 3. Ensaios efectuados em paralelo com o produtor Como parte das inspecções de avaliação do controlo da produção do betão, quer no decorrer da inspecção inicial, quer durante as inspecções subsequentes (de rotina ou extraordinárias), é necessário efectuar ensaios que permitam garantir a confiança tanto na amostragem efectuada pelo produtor, como nos respectivos resultados. Estes ensaios devem ser efectuados de acordo com os métodos preconizados na NP EN 206-1, incluindo a execução da amostragem (NP EN ), a realização do ensaio de abaixamento (NP EN ), a fabricação e cura dos provetes (NP EN ) e o respectivo ensaio (NP EN ). De cada amostra efectuada pelo organismo de certificação, o produtor deve efectuar uma amostra em paralelo, ou seja, a partir da mesma amassadura ou carga. As amostras devem ser efectuadas em obra, cabendo ao produtor assegurar a viabilidade da sua execução, incluindo a garantia da manutenção da integridade dos equipamentos deixados em obra para efeitos de cura inicial dos provetes. De cada amostra, devem ser fabricados 3 provetes para ensaio aos 28 dias de idade. Para assegurar que a execução da amostragem, a fabricação e a cura dos provetes e a execução dos ensaios de consistência e de resistência são efectuados de acordo com os documentos de referência mencionados, o organismo de certificação deve socorrer-se de laboratórios acreditados.

5 3.1 Plano de amostragem No decorrer da inspecção inicial devem ser efectuadas 3 amostras, as quais devem, se possível, corresponder a betões de classes de resistência diferentes. No decorrer das inspecções de rotina deve ser efectuada 1 amostra, sendo que esta deve ser realizada sem aviso prévio. No caso de o produtor possuir o seu laboratório de controlo da produção acreditado pelo IPAC, o organismo de certificação pode optar por não efectuar colheita de amostras em todas as inspecções realizadas, devendo no entanto fazê-lo pelo menos uma vez por ano. 3.2 Avaliação dos resultados a) Consistência Cada resultado de ensaio de consistência deve encontrar-se dentro dos limites da classe de consistência especificada ou, no caso de ter sido especificado um valor pretendido, dentro das tolerâncias aplicáveis. b) Resistência à compressão Os resultados dos ensaios de resistência à compressão têm dois níveis de avaliação. Por um lado, devem ser comparados os resultados obtidos pelo laboratório acreditado com os obtidos pelo produtor. Por outro lado, há que efectuar uma avaliação qualitativa dos resultados obtidos pelo laboratório acreditado. Número de resultados n CRITÉRIOS DE IDENTIDADE Quadro B.1 Critério 1 Média de n resultados Critério 2 Resultados individuais 1 Não aplicável f ci 2 a 4 f cm + 1 f ci 5 a 6 f cm + 2 f ci Assim, a diferença entre cada uma dos resultados obtidos pelos dois laboratórios não deve ser superior a 10%. No caso de ser efectuada mais de uma amostra de um mesmo betão, este critério aplica-se à diferença entre as médias das amostras. Quanto à avaliação qualitativa, a mesma é baseada na aplicação dos critérios de identidade estabelecidos no Quadro B.1 da NP EN 206-1, consoante o número de resultados relativos de cada betão, e ainda dos seguintes critérios: no caso de o resultado de um ensaio ser inferior à resistência característica especificada, devem ser efectuadas 3 amostras nos 3 meses seguintes (1 por mês); no caso de o resultado de um ensaio ser inferior à resistência característica especificada em mais de 4 MPa (fck 4), deve ser efectuada uma inspecção extraordinária, no decorrer da qual deve ser efectuada nova amostragem; no caso de surgirem dois resultados consecutivos abaixo de (fck 4), a certificação do controlo da produção deve ser suspensa e, no caso do produtor pretender readquirir a certificação, então deve ser reiniciado todo o processo. 4. Conclusões Estão reunidas as condições para a certificação do controlo da produção em fábrica do betão, sendo possível cumprir com o requerido no Decreto-Lei n.º 301/2007, de 23 de Agosto. No entanto, as regras a aplicar não se afiguram de todo simples ou pacíficas, nomeadamente no que diz respeito à execução das amostras nos moldes estabelecidos pelo IPAC. Efectivamente, a execução das amostras em obra pode levantar alguns problemas, apesar de o IPAC ter colocado o ónus da viabilidade de execução no produtor que está a requerer a certificação do seu controlo da produção. Apesar destes problemas hipotéticos, é legítimo considerar que o esquema montado tem potencialidades para poder contribuir, tanto para a melhoria da imagem que transparece do sector, como para a garantia da qualidade dos betões aplicados em obra e, consequentemente, das próprias estruturas a edificar. 17

3.5 Utilizador Pessoa ou entidade que utiliza betão fresco na execução de uma construção ou de um elemento.

3.5 Utilizador Pessoa ou entidade que utiliza betão fresco na execução de uma construção ou de um elemento. 1 Objectivo Esta Instrução de Trabalho define o esquema de certificação do controlo da produção de Betão, nomeadamente os Planos de Controlo Externo e Interno a efectuar pela EIC e pelo produtor, respectivamente.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO CONDIÇÕES PARTICULARES. Modo Produção Biológico CONTROLO DA PRODUÇÃO DE BETÃO

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO CONDIÇÕES PARTICULARES. Modo Produção Biológico CONTROLO DA PRODUÇÃO DE BETÃO REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO CONDIÇÕES PARTICULARES DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO Modo Produção Biológico CONDIÇÕES PARTICULARES CONTROLO DA PRODUÇÃO DE BETÃO ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO...

Leia mais

Certificação do Controlo da Produção das Centrais de Betão

Certificação do Controlo da Produção das Centrais de Betão Seminário Evolução da marcação Certificação do Controlo da Produção das Centrais de Betão João André Produção e controlo do betão Marcos históricos principais RBLH Anos 70, 80 e 90 (até 1996, formalmente);

Leia mais

2 Âmbito Esta Instrução de Trabalho aplica-se à Certificação do Controlo da Produção de Cabos, de acordo com a norma NS 9415.

2 Âmbito Esta Instrução de Trabalho aplica-se à Certificação do Controlo da Produção de Cabos, de acordo com a norma NS 9415. 1 Objectivo Esta Instrução de Trabalho define o esquema de certificação do controlo da produção de Cabos, nomeadamente os Planos de Controlo Externo e Interno a efectuar pela EIC e pelo produtor, respectivamente.

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS

ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS Elaborado por: Délia Ferreira nº3502 Elisabete Santos nº3549 Sara Gerardo nº3453 Mara Cristo nº3395 OBJECTIVOS DO TRABALHO

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA AS EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO & '!

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PARA AS EMPRESAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) SUMÁRIO & '! Página 1 de 11 SUMÁRIO! " #$ % & $! & '! $ " () % %% % ($)& $ Página 2 de 11 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Todas Liberação do documento 07/07/2001 Todas Todas

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO ISENÇÃO DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO DOS JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES HUMANO

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES HUMANO REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES ÁGUA Modo PARA Produção CONSUMO Biológico HUMANO ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS...

Leia mais

REGULAMENTO DE USO DA MARCA COLECTIVA

REGULAMENTO DE USO DA MARCA COLECTIVA REGULAMENTO DE USO DA MARCA COLECTIVA 1. Introdução A Marca (doravante designada como Marca) está orientada para a promoção da Indústria Portuguesa de Engineering & Tooling, a nível nacional e internacional,

Leia mais

DATA : Quarta-feira, 29 de Novembro de 1995 NÚMERO : 276/95 SÉRIE I-A. EMISSOR : Ministério do Emprego e da Segurança Social

DATA : Quarta-feira, 29 de Novembro de 1995 NÚMERO : 276/95 SÉRIE I-A. EMISSOR : Ministério do Emprego e da Segurança Social DATA : Quarta-feira, 29 de Novembro de 1995 NÚMERO : 276/95 SÉRIE I-A EMISSOR : Ministério do Emprego e da Segurança Social DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 324/95 SUMÁRIO : Transpõe para a ordem jurídica

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade O Comitê - ISO A Organização Internacional de Normalização (ISO) tem sede em Genebra na Suíça, com o propósito

Leia mais

CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE A NACIONALIDADE

CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE A NACIONALIDADE CONVENÇÃO EUROPEIA SOBRE A NACIONALIDADE Preâmbulo Os Estados membros do Conselho da Europa, bem como os restantes Estados signatários da presente Convenção: Considerando que o objectivo do Conselho da

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio)

Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) Trabalho apresentado para obtenção do Título de Especialista (Desp. N.º 8590/2010 de 20 de Maio) IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DE QUALIDADE E AMBIENTE DE ACORDO COM OS REFERENCIAIS NORMATIVOS

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA POLÍTICA DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE DO BANCO ESPIRITO SANTO NO ÂMBITO DAS ACTIVIDADES DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 1. Introdução O Banco Espírito Santo, S.A. (o Banco) desenvolve diversas

Leia mais

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU Regulamento de Atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras de atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau, adiante designada

Leia mais

Varão de aço para armadura PEQ 084 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/6

Varão de aço para armadura PEQ 084 Procedimento Específico da Qualidade PÁGINA: 1/6 Procedimento Específico da Qualidade PÁGI: 1/6 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento refere-se às condições que devem ser satisfeitas na aquisição, recepção e inspecção de aços para armaduras de betão

Leia mais

As Tendências da Certificação

As Tendências da Certificação As Tendências da Certificação Seminário APCER - 2009 Apresentar o Sistema de Gestão da Qualidade e a Certificação do Produto Betão, dando a conhecer as Especificidades inerentes ao Sector da Construção

Leia mais

Bélgica-Geel: Fornecimento, instalação e manutenção de um sistema de digestão por micro-ondas de alta pressão e alta temperatura 2013/S 141-244766

Bélgica-Geel: Fornecimento, instalação e manutenção de um sistema de digestão por micro-ondas de alta pressão e alta temperatura 2013/S 141-244766 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:244766-2013:text:pt:html Bélgica-Geel: Fornecimento, instalação e manutenção de um sistema de digestão por micro-ondas

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural para a Região Autónoma dos Açores 2007-2013

Programa de Desenvolvimento Rural para a Região Autónoma dos Açores 2007-2013 Programa de para a Região Autónoma dos Açores 2007-2013 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES 2007-2013 CCI: 2007PT06RPO001 Terceira Alteração Junho 2010 ESTADO MEMBRO Portugal

Leia mais

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Competências a serem trabalhadas ENTENDER OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008 E OS SEUS PROCEDIMENTOS OBRIGATÓRIOS SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.019.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Portaria n.º 106, de 25 de fevereiro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 106, de 25 de fevereiro de 2015. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 106, de 25 de fevereiro de 2015. CONSULTA

Leia mais

Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert

Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert Apresentar as principais variáveis a serem observadas na gestão da metrologia industrial, transformando barreiras técnicas em requisitos de competitividade. ABNT NBR ISO

Leia mais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rodrigo R. Latado Certificação de Soja não-ogm NEGÓCIO Pesquisa, Desenvolvimento e Difusão da Avaliação da Conformidade ALCA Grupo de Negociação

Leia mais

Procedimento interno que regula o processo de integração dos Organismos que prestam serviços de Avaliação da conformidade no Sistema Nacional da

Procedimento interno que regula o processo de integração dos Organismos que prestam serviços de Avaliação da conformidade no Sistema Nacional da 2016 Procedimento interno que regula o processo de integração dos Organismos que prestam serviços de Avaliação da conformidade no Sistema Nacional da Qualidade de Cabo Verde (SNQC) SUMÁRIO: O presente

Leia mais

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DE ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DE ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO A NOVA REGULAMENTAÇÃO DE ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO 18 Janeiro.2012 ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO INSPEÇÃO E ENSAIOS A NOVA REGULAMENTAÇÃO DE ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO ESTRUTURAS EM BETÃO ARMADO INSPEÇÃO

Leia mais

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva

Carina Gonçalves, Carlos Dimas e Cátia Silva Gestão da Qualidade 1 Índice Introdução... 3 Objectivo geral... 4 Objectivos específicos... 4 Qualidade... 5 Gestão da Qualidade Total (TQM)... 6 Os princípios básicos da qualidade total são:... 7 Qualidade

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta alterada de REGULAMENTO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta alterada de REGULAMENTO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 10.3.2006 COM(2006) 110 final 2003/0218 (CNS) Proposta alterada de REGULAMENTO DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) nº 1030/2002 que estabelece um modelo

Leia mais

Procedimento do SGI PSG-17. (Rastreabilidade)

Procedimento do SGI PSG-17. (Rastreabilidade) Procedimento do SGI PSG-17 (Rastreabilidade) Índice 1. Objectivo 4 2. Campo de Aplicação 4 3. Actividades 4 3.1 1ª Actividade: Identificação e Rastreabilidade 4 3.1.1 Responsabilidades 5 3.2 2ª Actividade:

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Instituto Português de Corporate Governance IPCG Av. Liberdade, 196, 6º Ed. Victoria, 1250-147 Lisboa. Pág. 1. www.cgov.

1. INTRODUÇÃO. Instituto Português de Corporate Governance IPCG Av. Liberdade, 196, 6º Ed. Victoria, 1250-147 Lisboa. Pág. 1. www.cgov. 1. INTRODUÇÃO O presente documento foi elaborado pela Direcção do Instituto Português de Corporate Governance (IPCG), na sequência da Conferência subordinada ao tema «Corporate Governance e o Sector Empresarial

Leia mais

Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de Este regulamento está sujeito a alterações anuais

Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de Este regulamento está sujeito a alterações anuais Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de 2016 Este regulamento está sujeito a alterações anuais Bolsa asppa+: Suporte financeiro a um português que, durante um período limitado de tempo, desenvolva um projecto

Leia mais

1ª Sessão de trabalho 21 Novembro Castro Verde

1ª Sessão de trabalho 21 Novembro Castro Verde 1ª Sessão de trabalho 21 Novembro 2012 - Castro Verde No âmbito do Projecto Capacitação de explorações agrícolas para a certificação de sustentabilidade Apresentação: Normalização e Certificação: Noções

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Envie-se a presente informação ao Sr. Director Municipal do Departamento de Gestão Urbanística, Arq. Aníbal caldas. Anabela Moutinho Monteiro Chefe da 111.02.2011 N/Inf.: (...) N/Ref.ª: (...)

Leia mais

MUNICIPIO DE MESÃO FRIO

MUNICIPIO DE MESÃO FRIO MUNICIPIO DE MESÃO FRIO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA SOCIAL DE APOIO À HABITAÇÃO DO MUNICIPIO DE MESÃO FRIO A, em conformidade com as atribuições e competências consignadas aos Municípios, nomeadamente

Leia mais

Ministério das Cidades

Ministério das Cidades Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H ANEXO III Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras

Leia mais

Publicado no Diário da República n º 72, I série, de 18 de Abril. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 64/11 de 18 de Abril

Publicado no Diário da República n º 72, I série, de 18 de Abril. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 64/11 de 18 de Abril Publicado no Diário da República n º 72, I série, de 18 de Abril DECRETO PRESIDENCIAL N.º 64/11 de 18 de Abril Considerando o disposto na Lei n.º 13/05, de 30 de Setembro - Lei das Instituições Financeiras,

Leia mais

REFORMA DA GESTÃO TRIBUTÁRIA

REFORMA DA GESTÃO TRIBUTÁRIA GOVERNO DA REPÚBLICA DE CABO VERDE REFORMA DA GESTÃO TRIBUTÁRIA Realização do mapeamento de processos de negócio TERMOS DE REFERÊNCIA CONTEXTUALIZAÇÃO No contexto da estruturante reforma das Finanças Públicas

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

CONTROLO E CERTIFICAÇÃO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

CONTROLO E CERTIFICAÇÃO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA CONTROLO E CERTIFICAÇÃO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA SATIVA Controlo e Certificação de Produtos Av. Visconde de Valmor, 11, 3º. 1000-289 Lisboa Tel: 217991100 Fax: 217991119 sativa@sativa.pt www.sativa.pt

Leia mais

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor)

Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Certificação de Sistemas (Seminário Lipor) Outubro 2006 Direcção Comercial e Gestão de Clientes www.apcer.pt Gonçalo Pires Índice: Certificação de S.G.: Qualidade (NP EN ISO 9001:2000); Ambiente (NP EN

Leia mais

Apresentação geral das mudanças da norma ISO/IEC e visão da Cgcre, organismo de acreditação brasileiro

Apresentação geral das mudanças da norma ISO/IEC e visão da Cgcre, organismo de acreditação brasileiro Apresentação geral das mudanças da norma ISO/IEC 17025 e visão da Cgcre, organismo de acreditação brasileiro Mauricio Araujo Soares 02/08/2017 Analista Executivo em Metrologia e Qualidade Dicla/Cgcre/Inmetro

Leia mais

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção NP 4239:1994 Bases para a quantificação dos custos da qualidade CT 80 1995-01-01 NP 4397:2008 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho. Requisitos CT 42 2008-12-31 NP 4410:2004 Sistemas de gestão

Leia mais

Procedimento para a Certificação de Conformidade com a Directiva de Produtos da Construção 89/106/CEE

Procedimento para a Certificação de Conformidade com a Directiva de Produtos da Construção 89/106/CEE 1 Objectivo Este procedimento tem como objectivo descrever o procedimento seguido pela EIC como Organismo de Certificação Notificado para a avaliação da conformidade dos agregados de acordo com os requisitos

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 810

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 810 Directriz de Revisão/Auditoria 810 CERTIFICAÇÃO DE CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E DE DEDUÇÃO DE IVA Nos termos do n.ºs 9 e 10 do art.º 71.º do Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Introdução Julho

Leia mais

Obtenção de Certificado de Conformidade

Obtenção de Certificado de Conformidade 1/6 Palavras-chave: Certificação, Certificado, Conformidade. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento

Leia mais

Portaria n.º 199/2010 de 14 de Abril MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS (fonte Diario da Repubblica)

Portaria n.º 199/2010 de 14 de Abril MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS (fonte Diario da Repubblica) Portaria n.º 199/2010 de 14 de Abril MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS (fonte Diario da Repubblica) O Regulamento (CE) n.º 1234/2007, do Conselho, de 22 de Outubro, com as

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 02-13/01/2010 13/01/2010 APROVADO POR Sebastião J. Santolin SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO Modo Produção Biológico CONDIÇÕES PARTICULARES EN 694

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO E SERVIÇO Modo Produção Biológico CONDIÇÕES PARTICULARES EN 694 REGULAMENTO GERAL DE CONDIÇÕES CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO, PARTICULARES PROCESSO E SERVIÇO Modo Produção Biológico CONDIÇÕES PARTICULARES EN 694 ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 4

Leia mais

Maria Segurado Lisboa 30.mar.12. O Processo de Certificação PSO

Maria Segurado Lisboa 30.mar.12. O Processo de Certificação PSO O Processo de Certificação PSO Agenda Breve apresentação da certificação PSO Processo de certificação Metodologias de auditoria Decisão de certificação Marcas de certificação e certificado Benefícios da

Leia mais

7. Auditorias em Qualidade e Segurança Alimentar

7. Auditorias em Qualidade e Segurança Alimentar Elsa Ramalhosa We would like to acknowledge that the research leading to these results has received funding from the European Union s Seventh Framework Programme for research, technological development

Leia mais

Portaria n.º 369/2004, de 12 de Abril

Portaria n.º 369/2004, de 12 de Abril Regime de intervenção das entidades acreditadas em acções ligadas ao processo de verificação das condições técnicas e de segurança a observar na instalação e manutenção das balizas de futebol, de andebol,

Leia mais

Regras e Procedimentos para a Normalização Portuguesa. Organismos de Normalização Sectorial (ONS) Constituição, reconhecimento e atribuições

Regras e Procedimentos para a Normalização Portuguesa. Organismos de Normalização Sectorial (ONS) Constituição, reconhecimento e atribuições Regras e Procedimentos para a Normalização Portuguesa Organismos de Normalização Sectorial (ONS) Constituição, reconhecimento e RPNP 010/2014 Versão 2 / 2014 Sumário 1 Natureza e objetivo... 3 2 Termos

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO LABORATÓRIOS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS DE ACREDITAÇÃO LABORATÓRIOS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS Pág. 1 de 5 1. Objetivo O presente documento tem como finalidade definir requisitos específicos para a acreditação de laboratórios de ensaios não destrutivos, incluindo disposições com vista à harmonização

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto:

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto: Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 21/2002-R Data: 28/11/2002 Assunto: POLÍTICA DE INVESTIMENTO DOS FUNDOS DE PENSÕES - REGRAS DE COMPOSIÇÃO DO PATRIMÓNIO E MECANISMOS DE DEFINIÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Decreto Regulamentar n. º 10/2009, de 29 de Maio

Decreto Regulamentar n. º 10/2009, de 29 de Maio Decreto Regulamentar n. º 10/2009, de 29 de Maio 1 Decreto Regulamentar n.º 10/2009, de 29 de Maio Fixa a cartografia a utilizar nos instrumentos de gestão territorial, bem como na representação de quaisquer

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA Preâmbulo No processamento da política de reorganização dos serviços municipais e no caso particular do Arquivo do Município de Fronteira, pretende-se com

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: Art. 12º; D. L. 21/2007. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: Art. 12º; D. L. 21/2007. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA Art. 12º; D. L. 21/2007. Renuncia à Isenção Operações Imobiliárias - Leasing imobiliário. Processo: nº 655, por despacho do Director Geral dos Impostos,

Leia mais

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 1. Parte 1 Objectivos, valor e designação das bolsas 1.1. O programa PARSUK Xperience pretende dar a oportunidade a alunos de licenciatura ou mestrado em Portugal

Leia mais

Acesso aos dados do processo clínico dos participantes em ensaios clínicos pelos monitores

Acesso aos dados do processo clínico dos participantes em ensaios clínicos pelos monitores 1 Acesso aos dados do processo clínico dos participantes em ensaios clínicos pelos monitores Introdução A necessidade de elaborar este documento resultou da divergência de posições entre a CEIC e os promotores

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP)

REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE (BCSTP) Considerando a necessidade de se definir políticas, regras e procedimentos para o funcionamento do Conselho de Auditoria

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Auditoria financeira e de conformidade de partidos políticos e fundações políticas ao nível europeu 2016/S 114-202107

Bélgica-Bruxelas: Auditoria financeira e de conformidade de partidos políticos e fundações políticas ao nível europeu 2016/S 114-202107 1 / 7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:202107-2016:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Auditoria financeira e de conformidade de partidos políticos e fundações

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PEDRAS NATURAIS

CERTIFICAÇÃO PEDRAS NATURAIS Indústria Extractiva e Transformadora de Rocha CERTIFICAÇÃO PEDRAS NATURAIS Empresas - Agregados Rocha Ornamental 1 Certificação de Empresas Referenciais (exemplos): NP EN ISO 9001 (Sistemas de Gestão

Leia mais

Certificação de cabos ou cordões flexíveis para tensões até 750 V, com isolação/cobertura extrudada de policloreto de vinila (PVC)

Certificação de cabos ou cordões flexíveis para tensões até 750 V, com isolação/cobertura extrudada de policloreto de vinila (PVC) 1/9 Palavras-chave: Certificação, cabos, cordões, flexíveis. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Referências Anexo A Ensaios Anexo B Avaliação

Leia mais

Tendo em conta o contexto de apresentação deste trabalho, a pergunta que se impõe e que todos terão na cabeça é

Tendo em conta o contexto de apresentação deste trabalho, a pergunta que se impõe e que todos terão na cabeça é Tendo em conta o contexto de apresentação deste trabalho, a pergunta que se impõe e que todos terão na cabeça é 1 O que é uma cereja de qualidade??? 2 É óbvio que dependendo da opinião e perspectiva, os

Leia mais

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem

RDC de outubro de Produção Controle de Qualidade Amostragem RDC 48 25 de outubro de 2013 Produção Controle de Qualidade Amostragem Amostragem de materiais item 16 Denifição: Conjunto de operações de retirada e preparação de amostras. Amostragem de materiais item

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL - UMA FERRAMENTA AO SERVIÇO DOS LABORATÒRIOS DE ACÚSTICA E VIBRAÇÕES Ana Maria Duarte 1, Claudia Silva

Leia mais

Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Estabelecer lista de verificação para auditoria;

Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Estabelecer lista de verificação para auditoria; Página 1 de 9 AUDITORIAS DA QUALIDADE ETAPA 1. Objetivo geral: Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Desempenho esperado: Estabelecer programa anual de auditorias; Elaborar agenda

Leia mais

Registo de Representantes Autorizados e Pessoas Responsáveis

Registo de Representantes Autorizados e Pessoas Responsáveis Instrução da Euronext 2-01 Alterado em 4 de Agosto de 2014 Data de Entrada em vigor: 11 de Agosto de 2014 Assunto: Registo de Representantes Autorizados e Pessoas Responsáveis Departamento: Regulation

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES. IPQ Produção Biológico

REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES. IPQ Produção Biológico REGULAMENTO GERAL DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO CONDIÇÕES PARTICULARES ET Modo IPQ 107-1 Produção Biológico ÍNDICE 1. PREÂMBULO... 3 2. ÂMBITO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS... 3 5. ESQUEMA

Leia mais

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGISTO DE ENTIDADES NA ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de julho e Despacho n.º 10738/2011 de 30 de agosto) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Que entidades devem efetuar o registo na ANPC (Autoridade Nacional

Leia mais

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535 PROGRAMA DE HASTA PÚBLICA Para atribuição do direito de ocupação efetiva de natureza precária da loja n.º 4 no Mercado de Quiaios Artigo 1.º Identificação A loja objeto de hasta pública localiza-se no

Leia mais

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Implementação de um SCP Marcação CE de Vigotas NP EN 15037-1 Helena Teixeira Sistemas de Gestão e Melhoria 1 CTCV 09/DEZ/2010 centro tecnológico

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ

FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ ESTATUTOS: DA FUNDAÇÃO DE AURÉLIO AMARO DINIZ Da Denominação, Natureza e Fins CAPITULO I Artigo 1º - 1 A Fundação Aurélio Amaro Diniz é uma Fundação de Solidariedade Social,

Leia mais

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário João Noronha ESAC/IPC 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

CERT Exceptions ED 15 pt. Exceções. Documento Explicativo. Válido a partir de: 02/03/2016 Distribuição: Pública

CERT Exceptions ED 15 pt. Exceções. Documento Explicativo. Válido a partir de: 02/03/2016 Distribuição: Pública CERT Exceptions ED 15 pt Exceções Documento Explicativo Válido a partir de: 02/03/2016 Distribuição: Pública Índice 1 Objetivo... 3 2 Área de Aplicação... 3 3 Definições... 3 4 Processo... 3 5 Tipos de

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 137/2006 de 26 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 137/2006 de 26 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 137/2006 de 26 de Julho O gás natural comprimido, designado por GNC, é um combustível alternativo, que pode ser utilizado na alimentação dos motores

Leia mais

NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2007-R, DE 27 DE ABRIL EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA

NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2007-R, DE 27 DE ABRIL EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA NORMA REGULAMENTAR N.º 6/2007-R, DE 27 DE ABRIL EMPRESAS DE SEGUROS MARGEM DE SOLVÊNCIA E FUNDO DE GARANTIA Com a entrada em vigor do novo Plano de Contas para as Empresas de Seguros são alteradas algumas

Leia mais

CALHETA D ESPERANÇAS

CALHETA D ESPERANÇAS CÂMARA MUNICIPAL DA CALHETA MADEIRA REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO À FAMILIA E INCENTIVO À NATALIDADE CALHETA D ESPERANÇAS Página 1 de 5 Nota Justificativa Considerando a crescente intervenção deste Município

Leia mais

Alemanha-Francoforte no Meno: BCE - T141 Plataformas de elevação 2014/S 173-305766. Anúncio de concurso. Fornecimentos

Alemanha-Francoforte no Meno: BCE - T141 Plataformas de elevação 2014/S 173-305766. Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:305766-2014:text:pt:html Alemanha-Francoforte no Meno: BCE - T141 Plataformas de elevação 2014/S 173-305766 Anúncio de

Leia mais

Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012

Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012 Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná HEMEPAR Farm. Elvira Rosa Folda DVGQB Jul/2012 ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário A documentação permite a comunicação

Leia mais

RECONHECIMENTO MÚTUO PORTUGAL - ESPANHA GUIA DE REQUISITOS DOS CENTROS DE MANUTENÇÃO DE MATERIAL CIRCULANTE FERROVIÁRIO

RECONHECIMENTO MÚTUO PORTUGAL - ESPANHA GUIA DE REQUISITOS DOS CENTROS DE MANUTENÇÃO DE MATERIAL CIRCULANTE FERROVIÁRIO RECONHECIMENTO MÚTUO PORTUGAL - ESPANHA GUIA DE REQUISITOS DOS CENTROS DE MANUTENÇÃO DE MATERIAL CIRCULANTE FERROVIÁRIO ÍNDICE 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Objeto... 3 3. Gestão de riscos... 3 4. Procedimento

Leia mais

O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal.

O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal. O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal. 2. O Quadro de Pessoal da Polícia Judiciária é constituído por: - Pessoal de Investigação Criminal - Pessoal de Apoio à Investigação Criminal - Pessoal

Leia mais

Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC

Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC Global Standard for Food Safety Issue 5 - BRC http://www.brc.org.uk/standards Luísa Pestana Bastos 1 Referencial Global para a Segurança Alimentar 2 OBJECTIVO Desenvolvido para ajudar as empresas a cumprir

Leia mais

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia

Preâmbulo. Objetivos. Metodologia Preâmbulo Numa sociedade democrática é fundamental que existam mecanismos de participação que permitam aos jovens o desenvolvimento de competências de cidadania que lhes possibilitem a formulação de ideias

Leia mais

Unidade de Informação Financeira. Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD )

Unidade de Informação Financeira. Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD ) Unidade de Informação Financeira Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD ) Índice 1. Objectivo da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas (DIPD)... 3

Leia mais

Certificação de cabos isolados com policloreto de vinila (PVC) para tensões nominais de 450/750 V, sem cobertura para instalações fixas

Certificação de cabos isolados com policloreto de vinila (PVC) para tensões nominais de 450/750 V, sem cobertura para instalações fixas 1/9 Palavras-chave: Certificação, cabos, isolados. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Referências Anexo A Ensaios Anexo B Avaliação do

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 146/7

Jornal Oficial da União Europeia L 146/7 8.6.2007 Jornal Oficial da União Europeia L 146/7 REGULAMENTO (CE) N. o 633/2007 DA COMISSÃO de 7 de Junho de 2007 que estabelece requisitos para a aplicação de um protocolo de transferência de mensagens

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS EXCECIONAIS DE APOIO AO EMPREGO PARA 2010 APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.

GUIA PRÁTICO MEDIDAS EXCECIONAIS DE APOIO AO EMPREGO PARA 2010 APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I. GUIA PRÁTICO MEDIDAS EXCECIONAIS DE APOIO AO EMPREGO PARA 2010 APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Medidas excecionais de apoio

Leia mais

a417b20d79cc4cca821fc913a9bf9d64

a417b20d79cc4cca821fc913a9bf9d64 DL 218/2014 2014.05.23 Através do -Lei 279/2009, de 6 de outubro, procedeu-se à revisão do regime de licenciamento das unidades privadas de saúde e estabeleceu-se uma nova metodologia no sentido de garantir

Leia mais

A responsabilidade pela revisão desta Norma é da DINQP/DICEP. Critérios para o Credenciamento de Organismo de Certificação de Produto

A responsabilidade pela revisão desta Norma é da DINQP/DICEP. Critérios para o Credenciamento de Organismo de Certificação de Produto REGRA ESPECÍFICA PARA FÓSFOROS DE SEGURANÇA NORMA N o NIE-DINQP-094 APROVADA EM AGO/99 N o /10 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Siglas e Abreviaturas

Leia mais

Definição. RDC 17: 16 de abril de Validação de metodologia analítica

Definição. RDC 17: 16 de abril de Validação de metodologia analítica Validação de metodologia analítica Definição RDC 17/2010: Ato documentado que atesta que qualquer procedimento, processo, equipamento, operação, material ou sistema realmente conduza ao resultado esperado.

Leia mais