Programa de Desenvolvimento Rural para a Região Autónoma dos Açores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Desenvolvimento Rural para a Região Autónoma dos Açores 2007-2013"

Transcrição

1 Programa de para a Região Autónoma dos Açores PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CCI: 2007PT06RPO001 Terceira Alteração Junho 2010

2 ESTADO MEMBRO Portugal REGIÃO Região Autónoma dos Açores 1. PROGRAMA APROVADO Programa de da Região Autónoma dos Açores (PRORURAL), aprovado pela Decisão C (6162), de 04/12/ BASE LEGAL PARA A ALTERAÇÃO Alínea c) do n 1 do artigo 6 do Regulamento (CE) n 1974/2006, da Comissão, de 15 de Dezembro. 3. FUNDAMENTAÇÃO DAS ALTERAÇÕES Medida 1.3 Reforma Antecipada Esta alteração surge na sequência de uma carta da DG AGRI com a referência FF/mk (2010) , na qual nos foi transmitido que a Medida 1.3 Reforma Antecipada, do PRORURAL, não está conforme com o disposto no Regulamento (CE) nº 1698/2006, de 20 de Setembro. As desconformidades apontadas são as seguintes: 1ª Disposição do PRORURAL: Em caso de morte do beneficiário, cedente ou trabalhador, a ajuda contínua a ser paga nas mesmas condições ao seu cônjuge, descendentes menores em 1º grau ou outras pessoas a cargo, deduzida, se for caso disso, da pensão de sobrevivência. Argumento da desconformidade: O apoio à reforma é um direito estritamente pessoal do cedente e do trabalhador e expira com a respectiva morte. 2ª Disposição do PRORURAL: 2

3 A ajuda poderá beneficiar o cedente e o respectivo cônjuge ou equiparado, desde que ambos trabalhem na exploração e cessem simultaneamente a actividade agrícola.na exploração em causa e nos últimos quatro anos.. Argumento da desconformidade: A comissão considera que são possíveis situações de gestão conjunta da exploração pelo cedente e o respectivo cônjuge ou equiparado, desde que ambos sejam cedentes e que toda todas as outras condições de elegibilidade sejam cumpridas, nomeadamente a condição de acordo com a qual ambos devem ter exercido a actividade agrícola nos 10 anos anteriores à transferência. Com a presente alteração pretende-se ajustar o PRORURAL de acordo com o disposto no Regulamento (CE) nº 1698/2006, de 20 de Setembro. 4. ALTERAÇÃO Medida 1.3 Reforma Antecipada TIPOLOGIA DO APOIO Condições de Acesso Foram suprimidos os parágrafos 2 a 4. Ajudas Foi alterado o primeiro parágrafo passando a ter a seguinte redacção: A ajuda a conceder aos cedentes será paga mensalmente durante um período de 10 anos sem ultrapassar o limite máximo dos 70 anos. Esta ajuda será calculada tendo em conta uma indemnização de base anual, de Os parágrafos 4º e 5º foram alterados passando a ter a seguinte redacção: A ajuda é paga em prestações mensais até ao limite de 800, passando a constituir um complemento da reforma por velhice, de montante equivalente à diferença entre o valor da ajuda atribuída e o valor da respectiva reforma. 3

4 O montante máximo anual de que o cedente pode beneficiar é de num total de cumpridos os 10 anos de pagamento ou de , se a exploração permite a majoração de 1.500, num total de cumpridos os 10 anos de pagamento. Foi suprimido o último parágrafo. 5. IMPACTOS PREVISTOS COM A ALTERAÇÃO Não se prevêem impactos com a alteração da Medida. 6. AVALIAÇÃO As alterações propostas são coerentes com o Plano Estratégico Nacional, e respeitam as disposições do Regulamento (CE) nº 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro de 2005 e do Regulamento (CE) nº 1974/2006, da Comissão, de 15 de Dezembro de IMPLICAÇÕES FINANCEIRAS Alteração proposta não tem implicações financeiras. 4

5 ANEXO Assim sendo, a Medida passa a ter a seguinte redacção: MEDIDA 1.3 REFORMA ANTECIPADA ENQUADRAMENTO LEGAL Regulamento (CE) N.º 1698/2005: Artigo 20º, alínea a), iii) e Artigo 23 Regulamento (CE) n.º 1974/2006: Artigo 14º e Anexo II, ponto Código de medidas (CE): 113 Reforma Antecipada de agricultores e trabalhadores agrícolas FUNDAMENTAÇÃO DA INTERVENÇÃO A Reforma Antecipada tem por objectivo a mudança estrutural das explorações agrícolas, através do rejuvenescimento e/ou redimensionamento físico e económico das explorações, visando também a intervenção ao nível do reordenamento agrário. OBJECTIVOS - Favorecer o emparcelamento agrícola de exploração ou parcelas de modo a permitir uma maior viabilidade económica das novas explorações. - Proporcionar um rendimento adequado aos agricultores que decidam cessar as suas actividades agrícolas; - Favorecer a substituição desses agricultores idosos por agricultores que possam melhorar a viabilidade económica das explorações resultantes; ÂMBITO Esta medida contempla a atribuição de apoios específicos aos agricultores que pretendam cessar a sua actividade agrícola antes da idade normal da reforma. BENEFICIÁRIOS 5

6 - Cedente: O agricultor que cessa definitivamente toda a actividade agrícola com objectivos comerciais nos termos deste regime de ajudas. - Trabalhadores: os familiares, exceptuando o cônjuge e os assalariados agrícolas que trabalham na exploração do cedente antes da reforma antecipada deste e cessam definitivamente toda a sua actividade agrícola. - Cessionário: A pessoa ou organismo que toma total ou parcialmente, as terras libertadas pelo cedente a fim de ampliar a sua exploração. TIPOLOGIA DO APOIO Condições de Acesso Podem beneficiar da ajuda à Reforma Antecipada todos os agricultores com idade compreendida entre os 55 e os 65 anos de idade que tenham exercido a actividade nos últimos 10 anos, que estejam inscritos na segurança social como produtores agrícolas, tenham possibilidade de completar o prazo mínimo de garantia para a pensão de velhice, até atingirem 70 anos de idade e que sejam titulares de uma exploração com uma área mínima de 1 hectare. Também podem beneficiar do apoio à reforma antecipada, no máximo dois trabalhadores agrícolas, familiares ou não do cedente, que trabalhem na exploração do agricultor, e que com ele cessam a sua actividade, desde que: - Estejam dentro do mesmo escalão etário indicado para o cessante; - Se tenham dedicado a tempo inteiro à agricultura, durante os últimos 5 anos na exploração do cedente; - Estejam inscritos na segurança social como trabalhadores por conta de outrem e tenham possibilidade de completar o prazo mínimo de garantia na idade normal de reforma. Os cedentes podem reservar 10% da área agrícola da exploração para autoconsumo, até ao limite de 1 ha para as candidaturas com área superior a 10 ha. Para além das condições de elegibilidade já referidas os cedentes terão de assegurar a utilização futura da exploração agrícola através da venda, arrendamento ou doação a outro agricultor (cessionário), excepto o cônjuge ou equiparado. O cessionário deve residir ou ter a sede na ilha da exploração transmitida, ter capacidade profissional adequada e, no máximo ter idade de 45 anos. Este limite não se aplica sempre que o cessionário for proprietário da terra transmitida ou quando o cessionário efectuar uma acção de emparcelamento da área transmitida com alguma(s) parcela(s) de terra que possui. O cessionário pode ainda ser um jovem agricultor em início de actividade com um projecto de 1ªinstalação. A aprovação da candidatura à Reforma Antecipada depende do parecer de aprovação do projecto de 1ªinstalação do cessionário. 6

7 Ajudas A ajuda a conceder aos cedentes será paga mensalmente durante um período de 10 anos sem ultrapassar o limite máximo dos 70 anos. Esta ajuda será calculada tendo em conta uma indemnização de base anual, de A indemnização de base anual será majorada em 1500 /ano sempre que a transferência da exploração permita emparcelar uma área igual ou superior a 20% da área da exploração transmitida. A indemnização de base anual é ainda acrescida de um prémio complementar por hectare de 300. A ajuda é paga em prestações mensais até ao limite de 800, passando a constituir um complemento da reforma por velhice, de montante equivalente à diferença entre o valor da ajuda atribuída e o valor da respectiva reforma. O montante máximo anual de que o cedente pode beneficiar é de num total de cumpridos os 10 anos de pagamento ou de , se a exploração permite a majoração de 1.500, num total de cumpridos os 10 anos de pagamento. A ajuda a conceder aos trabalhadores, familiares ou não do cedente, no valor de 291 mensais, será paga durante um período máximo de 10 anos, até ao limite de idade normal de reforma do beneficiário. Outras condições - Elegibilidade dos cedentes limitada a agricultores a titulo principal. - Área mínima 1 ha sendo obrigatório o mínimo de 4 ha para explorações de pecuária. - O cessionário deve aumentar a exploração de acordo com as seguintes possibilidades: - Sempre que se trate de agricultores já instalados, a área das terras libertadas pelo cedente devem corresponder a pelo menos 20% da área da exploração que o cessionário já possui. - Sempre que se trate de agricultores já instalados, em que se verifique o emparcelamento da área transmitida com uma parcela da exploração do cessionário, o aumento de área da exploração a apresentar pelo cessionário deve corresponder a pelo menos 5% da área transmitida pelo cedente a esse cessionário. - No caso de o cessionário ser um jovem agricultor em regime de 1ªinstalação, deverá comprovar que possui um projecto de 1ª instalação aprovado nos termos do proposto para a Medida 1.2 Instalação de jovens agricultores CO-FINANCIAMENTO A despesa pública será co-financiada pelo FEADER e pelo orçamento regional em, respectivamente, 85% e 15%. REGIMES NACIONAIS DE REFORMA E DE REFORMA ANTECIPADA 7

8 A protecção nas eventualidades de invalidez ou velhice, no âmbito do sistema de segurança social, é consubstanciada através de regimes de base contributiva (regime geral de inscrição obrigatória e seguro social voluntário de inscrição facultativa) e do regime não contributivo. O montante mensal das pensões do Regime Geral resulta do número de anos de carreira contributiva e do montante das remunerações registadas e cumprimento do número mínimo de anos necessário para a obtenção dos prazos de garantia previstos. Regimes de base contributiva: - Regime Geral: Abrange obrigatoriamente os trabalhadores por conta de outrem e os trabalhadores independentes da agricultura, industria, comércio e serviços e é financiado pelas contribuições dos trabalhadores e, no caso dos trabalhadores subordinados, também das entidades patronais. - Seguro Social Voluntário: Garante o direito à protecção social de pessoas aptas para o trabalho que estejam obrigatoriamente abrangidas por qualquer regime de protecção social, bem como dos cidadãos nacionais que exerçam actividade profissional no estrangeiro e não estejam abrangidos por instrumento nacional a que Portugal se encontre vinculado. Prestações do regime geral: O montante mensal das pensões do Regime Geral resulta do número de anos de carreira contributiva e do montante das remunerações registadas e cumprimento do número mínimo de anos necessário para a obtenção dos prazos de garantia previstos. - Invalidez: são condições para a sua atribuição o não auferir na sua profissão, em consequência de incapacidade permanente, física ou normal e ter cumprido um prazo de garantia de 5 anos civis, seguidos ou interpolados, com registo de remunerações e com uma densidade contributiva de 120 dias por ano. A pensão dura enquanto se mantiver a situação de incapacidade permanente, que pode ser revista. A pensão de invalidez converte-se automaticamente em pensão de velhice quando o seu titular atingir a respectiva idade. - Velhice: são condições para a sua atribuição ter idade igual ou superior aos 65 anos e cumprir um prazo de garantia de 15 anos civis, seguidos ou interpolados, com registo de remunerações e com uma densidade contributiva de 120 dias por ano. É garantido um valor mínimo, tendo em conta o numero de anos relevantes para a taxa de formação da pensão, nos mesmos termos que para a pensão de invalidez. A duração da sua atribuição é vitalícia. - Prestações do seguro social voluntário: o esquema de prestações revelado do esquema concebido para o regime geral, com algumas particularidades ao nível das condições de atribuição, nomeadamente no que diz respeito a prazos de garantia: 72 meses de contribuições para a invalidez e 144 meses de contribuições para a velhice. Regime não contributivo: O acesso ao esquema de protecção na invalidez e na velhice do regime não contributivo depende da verificação de condição de recurso alcançável por quem não tenha rendimentos ilíquidos mensais superiores a 30% do salário mínimo ou, tratando-se de casal, a 50% desse mesmo salário. 8

9 INPUT A candidatura à reforma antecipada impõe como condição de elegibilidade dos candidatos cedentes cônjuges ou trabalhadores agrícolas: - Que não aufiram nem tenham requerido pensão de invalidez. - Que estejam inscritos na segurança social como produtores agrícolas ou cônjuges de produtores agrícolas, que tenham a sua situação contributiva regularizada e tenham contribuído durante um período de, pelo menos 10 anos, que lhes permitam completar, ao atingir os 70 anos, o prazo de garantia; - Que requeiram a pensão de velhice três meses antes de satisfazer as respectivas condições de atribuição, excepto se a aprovação da candidatura ocorrer nesses período, caso em que deverão fazer no mês imediatamente seguinte ao da aprovação. Quando se iniciar o pagamento da pensão de velhice, a ajuda passará a constituir um complemento de reforma de montante equivalente á diferença entre o valor da ajuda anual atribuída e o valor anual da respectiva reforma, incluindo o montante adicional da pensão. ARTICULAÇÃO DA REFORMA ANTECIPADA COM O BANCO DE TERRAS Pretende-se que a Reforma Antecipada contribua como instrumento para dinamização dos perímetros de emparcelamento através de um novo instrumento a definir legalmente: O Banco de Terras. O IROA poderá, sempre que for conveniente, assumir o acesso às terras libertadas com vista a uma posterior entrega a um cessionário que reúna as condições legais. INDICADORES DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DA MEDIDA Indicadores do Quadro Comum de Acompanhamento e Avaliação (QCAA) Indicadores de INPUT Medida Tipo INDICADOR DO QCAA Descrição Metas Despesa pública realizada total ( ): Apoio FEADER total ( ):

10 RESULTADOS RESULTADOS REALIZAÇÃO (OUTPUT) Indicadores de REALIZAÇÃO (OUTPUT) Medida INDICADOR DO QCAA Metas Tipo Descrição N.º agricultores apoiados (H/M, classe etária): Nº de trabalhadores assalariados apoiados (H/M, classe etária): 10 Nº de hectares libertos Ha Indicadores de RESULTADOS Medida Tipo INDICADOR DO QCAA Descrição Metas 1.3 Acréscimo de VAB nas explorações apoiadas (não determinado) Indicadores Específicos do Programa (IEP) Indicadores de RESULTADOS Medida Tipo IEP Descrição Metas 1.3 Aumento da área média das explorações agrícolas 4 Ha 10

Portaria n.º 1458/2009. de 31 de Dezembro

Portaria n.º 1458/2009. de 31 de Dezembro Portaria n.º 1458/2009 de 31 de Dezembro O Governo suspendeu, durante o ano de 2010, o mecanismo de actualização do indexante dos apoios sociais (IAS), das prestações sociais e da revalorização das remunerações

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA FINANÇAS E TRABALHO, SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL. 1112 Diário da República, 1.ª série N.º 64 1 de abril de 2016

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA FINANÇAS E TRABALHO, SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL. 1112 Diário da República, 1.ª série N.º 64 1 de abril de 2016 1112 Diário da República, 1.ª série N.º 64 1 de abril de 2016 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 8/2016 Procede à décima alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro,

Leia mais

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016

Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 Formação-ação no domínio da competitividade e internacionalização -Portugal 2020- Maria José Caçador 15.abril.2016 ENQUADRAMENTO SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO ISENÇÃO DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO DOS JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL,

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTERVENIENTES 2. ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO 3. ZONA DE APLICAÇÃO 4. OBJECTIVOS 7. COMPROMISSOS DOS CESSANTES

SUMÁRIO 1. INTERVENIENTES 2. ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO 3. ZONA DE APLICAÇÃO 4. OBJECTIVOS 7. COMPROMISSOS DOS CESSANTES Pág.1/20 SUMÁRIO 1. INTERVENIENTES 2. ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO 3. ZONA DE APLICAÇÃO 4. OBJECTIVOS 5. BENEFICIÁRIOS 6. CONDIÇÕES DE ACESSO DOS CESSANTES Do empresário agrícola Do empresário agrícola e

Leia mais

Portaria n.º 1323-B/2001

Portaria n.º 1323-B/2001 Portaria n.º 1323-B/2001 Actualiza as prestações de invalidez e de velhice, bem como as de sobrevivência, e as pensões de doença profissional dos regimes de segurança social. Revoga a Portaria n.º 1141-A/2000,

Leia mais

PDR Jovens Agricultores Investimentos na Exploração Agrícola

PDR Jovens Agricultores Investimentos na Exploração Agrícola PDR 2014-2020 Jovens Agricultores + 3.2 - Investimentos na Exploração Agrícola PSZ CONSULTING 2015 Índice Índice... 1 1 Prémio aos Jovens Agricultores... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários... 2

Leia mais

REGIME DE SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES DECRETO-LEI N.º 328/93, DE 25 DE SETEMBRO

REGIME DE SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES DECRETO-LEI N.º 328/93, DE 25 DE SETEMBRO Legislação publicada: Despacho Normativo n.º 19/87, de 19 de Fevereiro: vai ser feita referência a este despacho no art. 6.º do D.L. 328/93; Decreto-Lei n.º 328/93, de 25 de Setembro: instituiu o regime

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES FAQ s Regime Geral de Segurança Social dos Trabalhadores Independentes

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES FAQ s Regime Geral de Segurança Social dos Trabalhadores Independentes PERGUNTAS MAIS FREQUENTES FAQ s Regime Geral de Segurança Social dos Trabalhadores Independentes 1 Que categorias profissionais se encontram abrangidas pelo regime dos trabalhadores independentes? Estão

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 42/08. de 3 de Julho

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 42/08. de 3 de Julho REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 42/08 de 3 de Julho Considerando que a protecção social obrigatória compreende, além do regime dos trabalhadores por conta de outrem, o regime dos

Leia mais

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO)

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) Condições de Acesso (Portaria n.º 985/2009 de 4 de Setembro) 0 PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO

Leia mais

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN 1. Beneficiários 1.1. As regras de enquadramento que se aplicam às empresas são as correspondentes à da região onde se localiza

Leia mais

ANEXO I INVESTIMENTOS EXCLUÍDOS E DESPESAS CONDICIONADAS

ANEXO I INVESTIMENTOS EXCLUÍDOS E DESPESAS CONDICIONADAS ANEXO I INVESTIMENTOS EXCLUÍDOS E DESPESAS CONDICIONADAS A INVESTIMENTOS EXCLUÍDOS: 1. No sector do leite e produtos lácteos são excluídos os investimentos: a) Que elevem o número de vacas leiteiras acima

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES 2400 Diário da República, 1.ª série N.º 140 22 de julho de 2016 Vértice M (m) P (m) Furo de Soitolinho e Poço de Soitolinho 41................... 48940,78 120224,79 42................... 48920,83 120206,38

Leia mais

A PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS

A PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS A PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DR. Manuel Moreira CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015 A PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA DIREITO (ARTº 43º)

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário Seguro Social Voluntário Ficha Técnica Título Autor de Segurança Social Seguro Social Voluntário Conceção gráfica Edição Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação http://www.seg-social.pt/dgss-direccao-geral-da-seguranca-social

Leia mais

Decreto-Lei n.º 361/98, de 18 de Novembro *

Decreto-Lei n.º 361/98, de 18 de Novembro * Decreto-Lei n.º 361/98, de 18 de Novembro * De harmonia com princípios constitucionalmente previstos e tendo em conta o estabelecido no artigo 70.º da Lei n.º 28/84, de 14 de Agosto, foi instituído o regime

Leia mais

Tunísia Atualizado em: 12-11-2015

Tunísia Atualizado em: 12-11-2015 Tunísia Atualizado em: 12-11-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores que sejam nacionais de Portugal ou da Tunísia, que estejam ou tenham estado sujeitos à legislação

Leia mais

MUNICIPIO DE MESÃO FRIO

MUNICIPIO DE MESÃO FRIO MUNICIPIO DE MESÃO FRIO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA SOCIAL DE APOIO À HABITAÇÃO DO MUNICIPIO DE MESÃO FRIO A, em conformidade com as atribuições e competências consignadas aos Municípios, nomeadamente

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS EXCECIONAIS DE APOIO AO EMPREGO PARA 2010 APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.

GUIA PRÁTICO MEDIDAS EXCECIONAIS DE APOIO AO EMPREGO PARA 2010 APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I. GUIA PRÁTICO MEDIDAS EXCECIONAIS DE APOIO AO EMPREGO PARA 2010 APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Medidas excecionais de apoio

Leia mais

Através do seguro social voluntário Atualizado em:

Através do seguro social voluntário Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL Através do seguro social voluntário Atualizado em: 05-01-2017 Esta informação destina-se a que cidadãos Pessoas abrangidas pelo seguro social voluntário O que é O regime do seguro social

Leia mais

Briefing Laboral # 18 1

Briefing Laboral # 18 1 Briefing Laboral # 18 1 CRIAÇÃO DA MEDIDA ESTÍMULO EMPREGO E ALTERAÇÃO ÀS MEDIDAS ESTÁGIO EMPREGO Portaria n.º 149-A/2014, de 24 de Julho Concessão de Apoio Financeiro à celebração de contrato de Trabalho

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE AS NOVAS REGRAS PARA A ATRIBUIÇÃO DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

INFORMAÇÃO SOBRE AS NOVAS REGRAS PARA A ATRIBUIÇÃO DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INFORMAÇÃO SOBRE AS NOVAS REGRAS PARA A ATRIBUIÇÃO DO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO O Governo publicou, a 15 de Março, dois diplomas em matéria de protecção no desemprego: Decreto-Lei nº 64/2012, de 15 de Março

Leia mais

Decreto n.º 11/2002 Convenção sobre Segurança Social entre a República Portuguesa e a Austrália, assinada em Lisboa em 3 de Setembro de 2001

Decreto n.º 11/2002 Convenção sobre Segurança Social entre a República Portuguesa e a Austrália, assinada em Lisboa em 3 de Setembro de 2001 Decreto n.º 11/2002 Convenção sobre Segurança Social entre a República Portuguesa e a Austrália, assinada em Lisboa em 3 de Setembro de 2001 Considerando que Portugal e a Austrália gozam de excelentes

Leia mais

PROJETO DIGITALL APOIO SOCIAL E INCLUSÃO DIGITAL

PROJETO DIGITALL APOIO SOCIAL E INCLUSÃO DIGITAL PROJETO DIGITALL APOIO SOCIAL E INCLUSÃO DIGITAL (COFINANCIADO PELO PROGRAMA MONTEPIO INCENTIVO SUPERIOR) REGULAMENTO (MARÇO 2015) 1 DigitALL: Apoio Social e Inclusão Digital REGULAMENTO PREÂMBULO O atual

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO RURAL 2000-2006 - Região Autónoma dos Açores. Relatório Anual 2002

PLANO DE DESENVOLVIMENTO RURAL 2000-2006 - Região Autónoma dos Açores. Relatório Anual 2002 PORTUGAL REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E PESCAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO RURAL 2000-2006 - Relatório Anual 2002 01/01/2002-31/12/2002 (artigo 53º do Regulamento(CE) 445/2002,

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 145/17

Jornal Oficial da União Europeia L 145/17 10.6.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 145/17 REGULAMENTO (CE) N. o 482/2009 DA COMISSÃO de 8 de Junho de 2009 que altera o Regulamento (CE) n. o 1974/2006 que estabelece normas de execução do Regulamento

Leia mais

PDR Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola

PDR Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola PDR 2014-2020 3.2.2 Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola Portal dos Incentivos Maio 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários... 2 1.3 Critérios de Elegibilidade

Leia mais

ACORDO ENTRE O REINO DA BÉLGICA E A REPÚBLICA PORTUGUESA SOBRE A SEGURANÇA SOCIAL DOS EMPREGADOS DO CONGO E DO RUANDA-URUNDI.

ACORDO ENTRE O REINO DA BÉLGICA E A REPÚBLICA PORTUGUESA SOBRE A SEGURANÇA SOCIAL DOS EMPREGADOS DO CONGO E DO RUANDA-URUNDI. Decreto-Lei n.º 46279 Acordo entre Portugal e a Bélgica sobre a segurança social dos empregados do Congo e do Ruanda-Urundi, assinado em Bruxelas a 13 de Janeiro de 1965 Usando da faculdade conferida pela

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONDICIONADO N.

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONDICIONADO N. EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: Aviso n.º 1/REB/AC REQUALIFICAÇÃO DA REDE ESCOLAR DE 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DA EDUCAÇÃO PRÉ- ESCOLAR AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Leia mais

TÍTULO DO CAPÍTULO CORRESPONDENTE. Segurança Social MANUAL PRÁTICO. 2014 9ª Edição. Apelles J. B. Conceição. Atualização nº 2

TÍTULO DO CAPÍTULO CORRESPONDENTE. Segurança Social MANUAL PRÁTICO. 2014 9ª Edição. Apelles J. B. Conceição. Atualização nº 2 Segurança Social MANUAL PRÁTICO 2014 9ª Edição Apelles J. B. Conceição Atualização nº 2 DIREITO DOS REGISTOS E DO NOTARIADO SEGURANÇA SOCIAL Manual Prático Atualização nº 2 AUTOR Apelles J. B. Conceição

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

MANUAL DE APOIO NO DESEMPREGO PROTEÇÃO SOCIAL

MANUAL DE APOIO NO DESEMPREGO PROTEÇÃO SOCIAL A informação contida neste manual de apoio não é exaustiva e, como tal, não dispensa a consulta da legislação aplicável: Decreto-Lei n.º 64/2012, de 15 de março. Altera o Decreto-Lei 220/2006, de 03 de

Leia mais

REGIME DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES

REGIME DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES REGIME DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES TERESA FERNANDES 1 REGIME DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES Âmbito Pessoal Âmbito Material Relação Jurídica de Vinculação Relação Jurídica Contributiva 2 ÂMBITO PESSOAL

Leia mais

Trabalhadores Independentes Atualizado em:

Trabalhadores Independentes Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores Independentes Atualizado em: 08-02-2017 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores independentes Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado,

Leia mais

PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 1 DE JANEIRO DE 2009 E 31 DE DEZEMBRO DE

PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 1 DE JANEIRO DE 2009 E 31 DE DEZEMBRO DE NOTA INFORMATIVA SOBRE AS CONCLUSÕES DO COMITÉ EUROPEU DOS DIREITOS SOCIAIS RELATIVAS À APLICAÇÃO DA CARTA SOCIAL EUROPEIA REVISTA JANEIRO 2015 (PORTUGAL 2009-2012) I. INTRODUÇÃO A Carta Social Europeia

Leia mais

Direção Regional de Estatística da Madeira

Direção Regional de Estatística da Madeira 28 de novembro de 2014 PROTEÇÃO SOCIAL 2004-2013 Nota introdutória A Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM) divulga, pela primeira vez, no seu novo portal, uma série retrospetiva com os principais

Leia mais

ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Introdução Estrutura da Protecção Social Conceito de Segurança Social Obrigatória Principais Fontes da Segurança Social Obrigatória Sistema de Segurança Social Obrigatório Regime

Leia mais

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa

ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL. Nota Justificativa ARGANIL INVESTE MAIS REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa Considerando que a competitividade da economia concelhia está na primeira linha das preocupações

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2015 Regulamento Municipal orçamento participativo de Lagoa NOTA JUSTIFICATIVA A implementação do primeiro orçamento participativo em Lagoa vai buscar

Leia mais

Certificação do Controlo da Produção

Certificação do Controlo da Produção Certificação do Controlo da Produção 1. Sistema de controlo da produção Eng.º João Carlos Duarte Chefe de Serviços de Normalização APEB O Decreto-Lei n.º 301/2007, de 23 de Agosto, estabelece no seu Artigo

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DECISÃO DA COMISSÃO. de 04-XII-2007

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DECISÃO DA COMISSÃO. de 04-XII-2007 COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 04-XII-2007 C(2007) 6159 NÃO PUBLICAR DECISÃO DA COMISSÃO de 04-XII-2007 que aprova o programa de desenvolvimento rural de Portugal Continental relativo ao

Leia mais

Decreto-Lei n.º 28/2003, de 25 de Agosto

Decreto-Lei n.º 28/2003, de 25 de Agosto REGIME DOS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM NO ÂMBITO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA Decreto-Lei n.º 28/2003 de 25 de Agosto A Lei de Bases da Protecção Social trouxe um conjunto de importantes inovações

Leia mais

Aprovadas em sessão do Conselho de Administração de 7/05/2001e atualizadas em Fevereiro de 2003

Aprovadas em sessão do Conselho de Administração de 7/05/2001e atualizadas em Fevereiro de 2003 Empréstimos NORMAS INTERNAS Aprovadas em sessão do Conselho de Administração de 7/05/2001e atualizadas em Fevereiro de 2003 ARTº 1º - NATUREZA E VALOR 1. As condições específicas de cada operação constarão

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO

GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA APOIO À REDUÇÃO DA PRECARIEDADE NO EMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO

Leia mais

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de:

Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME. Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015. Se precisa de: Apresentação de Candidaturas 2ª fase até 31 d Agosto 2015 Projetos - Vales Vocacionado para apoiar as PME Se precisa de: Prospetar novos Clientes em mercados externos Elaborar um plano de negócios para

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I. GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução da taxa contributiva Medida

Leia mais

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU Regulamento de Atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras de atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau, adiante designada

Leia mais

ADAPTA O REGIME DA CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES AO REGIME GERAL DA SEGURANÇA SOCIAL EM MATÉRIA DE APOSENTAÇÃO E CÁLCULO DE PENSÕES

ADAPTA O REGIME DA CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES AO REGIME GERAL DA SEGURANÇA SOCIAL EM MATÉRIA DE APOSENTAÇÃO E CÁLCULO DE PENSÕES ADAPTA O REGIME DA CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES AO REGIME GERAL DA SEGURANÇA SOCIAL EM MATÉRIA DE APOSENTAÇÃO E CÁLCULO DE PENSÕES APROVADO PELA LEI N.º 52/2007, DE 31 DE AGOSTO ALTERADA PELOS SEGUINTES

Leia mais

RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL

RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL Respostas às questões mais frequentes sobre a pensão antecipada na Segurança Social Pág. 1 RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A REFORMA ANTECIPADA NA SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores empregados e desempregados

Leia mais

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional No âmbito da medida de incentivos ao emprego "Estímulo 2012", estabelecida pela Portaria n 45/2012, de 13.2, o Instituto

Leia mais

Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020

Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020 FICHA TÉCNICA FUNCIONAMENTO 2020 Sistema de apoio à compensação dos custos das empresas da Região Autónoma da Madeira- Funcionamento 2020 Objetivo Este sistema de incentivos tem por alvo direto as micro,

Leia mais

ANEXO. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXO. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Estrasburgo, 13.12.2016 COM(2016) 815 final ANNEX 1 ANEXO Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 883/2004, relativo à coordenação

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DATA: Segunda-feira, 16 de setembro de 2013 NÚMERO: 178 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DIPLOMA: Portaria n.º 286-A/2013 SUMÁRIO: Cria a medida Incentivo

Leia mais

Regras Técnicas

Regras Técnicas Regras Técnicas 2007-2008 2008 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

LBA NEWS. Direito Laboral. Janeiro de 2017

LBA NEWS. Direito Laboral. Janeiro de 2017 LBA NEWS Direito Laboral Janeiro de 2017 Contactos: Manuel Lopes Barata - manuellb@lopesbarata.com Diogo Lopes Barata - diogolb@lopesbarata.com Catarina Correia Soares cataricacs@lopesbarata.com Esta informação

Leia mais

Lisboa, 26 de Junho de 2012

Lisboa, 26 de Junho de 2012 Lisboa, 26 de Junho de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a

Leia mais

Medidas de Reforma da Segurança Social

Medidas de Reforma da Segurança Social Medidas de Reforma da Segurança Social Documento de Trabalho Complementar Dando continuidade ao processo negocial em curso, em sede de Comissão Permanente de Concertação Social, e na sequência do anterior

Leia mais

Estatuto dos Beneficios Fiscais

Estatuto dos Beneficios Fiscais Dedução ao rendimento Majoração à criação emprego para Jovens e empregados de longa duração Artº19º 14 x retribuição minima mensal garantida Valor = 14 x 485 eur = 6.790 eur 150% Este beneficio passa a

Leia mais

CÓDIGO DOS REGIMES CONTRIBUTIVOS DO SISTEMA PREVIDENCIAL DE SEGURANÇA SOCIAL LEI N.º 110/2009, DE

CÓDIGO DOS REGIMES CONTRIBUTIVOS DO SISTEMA PREVIDENCIAL DE SEGURANÇA SOCIAL LEI N.º 110/2009, DE ÂMBITO DE APLICAÇÃO Trabalhadores abrangidos Pessoas singulares que exerçam actividade profissional sem sujeição a contrato de trabalho ou a contrato legalmente equiparado, ou se obriguem a prestar a outrem

Leia mais

INFORMAÇÃO FISCAL. IVA - Imposto sobre o valor acrescentado. Despesas em que o IVA é dedutível. Despesas em que o IVA não é dedutível

INFORMAÇÃO FISCAL. IVA - Imposto sobre o valor acrescentado. Despesas em que o IVA é dedutível. Despesas em que o IVA não é dedutível INFORMAÇÃO FISCAL IVA - Imposto sobre o valor acrescentado Características gerais do imposto: É um imposto geral sobre o consumo, já que incide sobre as transmissões de bens, prestações de serviços e importações.

Leia mais

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014

Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 Regulamento das Bolsas PARSUK Xperience 2014 1. Parte 1 Objectivos, valor e designação das bolsas 1.1. O programa PARSUK Xperience pretende dar a oportunidade a alunos de licenciatura ou mestrado em Portugal

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Caixa Eurovalor maio 2016_PFC Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo

Leia mais

FUNDO FLORESTAL PERMANENTE PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO, DA GESTÃO E DO ORDENAMENTO FLORESTAIS

FUNDO FLORESTAL PERMANENTE PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO, DA GESTÃO E DO ORDENAMENTO FLORESTAIS APOIO PARA A ELABORAÇÃO DO INVENTÁRIO DA ESTRUTURA DA PROPRIEDADE NO ÂMBITO DAS ZONAS DE (Portaria n.º 77/2015, de 16 de março, alterada pela Portaria n.º 163/2015, de 2 de junho, e Declaração de Retificação

Leia mais

Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) - IEFP, I.P.

Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) - IEFP, I.P. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) - IEFP, I.P. Empreendedorismo: Apoios e casos de sucesso AERLIS (Museu do Design - Lisboa) 9 de maio de 2012 Enquadramento

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE INCENTIVOS - QUALIFICAÇÃO DE PME CONTRATAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ALTAMENTE QUALIFICADOS Índice Preâmbulo... 3 1. Objetivos e prioridades visadas...

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha)

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha) Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha) Linha de Crédito Bonificada com Garantia Mútua (atualizado a 30 de abril de 2014) UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Enquadramento

Leia mais

Trabalhadores Independentes

Trabalhadores Independentes Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social - Principais alterações Trabalhadores Independentes Rita Rodrigues PwC Agenda 1. Trabalhadores abrangidos 8. Obrigações das

Leia mais

Titulo da Apresentação da DRAPLVT

Titulo da Apresentação da DRAPLVT Título da Apresentação Titulo da Apresentação da DRAPLVT Substítulo Alcochete Maio 2017 Objetivos Nacionais Crescimento sustentável do sector AGROFLORESTAL em TODO O TERRITÒRIO NACIONAL Aumento do valor

Leia mais

FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 FUNDO DE POUPANÇA EM AÇÕES PPA VALORIS NOTAS À DEMONSTRAÇÃO DA POSIÇÃO FINANCEIRA E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Valores expressos em euros) INTRODUÇÃO O Fundo de Poupança em

Leia mais

Titulo da Apresentação da DRAPLVT

Titulo da Apresentação da DRAPLVT Título da Apresentação Titulo da Apresentação da DRAPLVT Substítulo Santarém Fevereiro 2017 Objetivos Nacionais Crescimento sustentável do sector AGROFLORESTAL em TODO O TERRITÒRIO NACIONAL Aumento do

Leia mais

(6) É necessário estabelecer regras relativas ao formato e à apresentação dos relatórios anuais de execução.

(6) É necessário estabelecer regras relativas ao formato e à apresentação dos relatórios anuais de execução. L 365/124 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 1362/2014 DA COMISSÃO de 18 de dezembro de 2014 que estabelece as regras relativas a um procedimento simplificado para a aprovação de certas alterações dos programas

Leia mais

Exemplo: Uma empresa efetua despedimentos, no âmbito de uma reestruturação, em

Exemplo: Uma empresa efetua despedimentos, no âmbito de uma reestruturação, em Em cada triénio, só são consideradas para efeitos de proteção no desemprego as situações de cessação do contrato de trabalho por acordo, com fundamento em motivos que permitam o recurso ao despedimento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

1. A Fundação Eugénio de Almeida definirá, anualmente, o montante global de recursos financeiros destinados à concessão de bolsas de estudo.

1. A Fundação Eugénio de Almeida definirá, anualmente, o montante global de recursos financeiros destinados à concessão de bolsas de estudo. REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS de ESTUDO PARA LICENCIATURA (1º CICLO) Aprovado pelo Conselho de Administração da Fundação Eugénio de Almeida em 26 de Setembro de 2008 ARTIGO 1º ÂMBITO E OBJECTO

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 111/5

Jornal Oficial da União Europeia L 111/5 5.5.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 111/5 REGULAMENTO (CE) N. o 363/2009 DA COMISSÃO de 4 de Maio de 2009 que altera o Regulamento (CE) n. o 1974/2006 que estabelece normas de execução do Regulamento

Leia mais

SALÁRIO MÍNIMO - UGT EXIGE COMPROMISSO DO GOVERNO A 4 ANOS

SALÁRIO MÍNIMO - UGT EXIGE COMPROMISSO DO GOVERNO A 4 ANOS SALÁRIO MÍNIMO - UGT EXIGE COMPROMISSO DO GOVERNO A 4 ANOS Na Política de Rendimentos 2005/2006 apresentada a 01 de Setembro, a UGT reivindicou que, em sede de Comissão Permanente de Concertação Social,

Leia mais

3. BENEFICIÁRIOS Podem ser beneficiários dos apoios previstos na acção 3.1.3, Pessoas singulares ou colectivas de direito privado.

3. BENEFICIÁRIOS Podem ser beneficiários dos apoios previstos na acção 3.1.3, Pessoas singulares ou colectivas de direito privado. 1. OBJECTIVOS DAS INTERVENÇÕES Os apoios previstos no âmbito do presente regulamento visam desenvolver o turismo e outras actividades de lazer como forma de potenciar a valorização dos recursos endógenos

Leia mais

Implicações do Código dos Regimes Contributivos REGIMES APLICÁVEIS A TRABALHADORES INTEGRADOS EM CATEGORIAS OU SITUAÇÕES ESPECÍFICAS

Implicações do Código dos Regimes Contributivos REGIMES APLICÁVEIS A TRABALHADORES INTEGRADOS EM CATEGORIAS OU SITUAÇÕES ESPECÍFICAS Implicações do Código dos Regimes Contributivos REGIMES APLICÁVEIS A TRABALHADORES INTEGRADOS EM CATEGORIAS OU SITUAÇÕES ESPECÍFICAS TRABALHADORES COM ÂMBITO MATERIAL DE PROTECÇÃO REDUZIDO Art. 56º, 1

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO Faro empreendedor MEDIDAS DE APOIO À CONTRATAÇÃO IEFP, I.P. - Centro de Emprego e Formação Profissional de Faro Serviço de Emprego de Faro ESTÍMULO 2013 (Portaria 106/2013) ESTÍMULO 2013 Objetivo Estimular

Leia mais

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DISPENSA PARCIAL OU ISENÇÃO TOTAL DO PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES - 1º EMPREGO, DESEMPREGADO DE LONGA DURAÇÃO E DESEMPREGADO DE MUITO LONGA DURAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA

Leia mais

PROSPETO INFORMATIVO EUR BAC DUAL PORTUGAL 2013-2016 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPETO INFORMATIVO EUR BAC DUAL PORTUGAL 2013-2016 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO PROSPETO INFORMATIVO EUR BAC DUAL PORTUGAL 201-2016 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Designação Depósito Dual EUR BAC DUAL PORTUGAL 201-2016 Classificação Caracterização do produto Produto Financeiro Complexo

Leia mais

FICHA TÉCNICA TÍTULO PROPRIEDADE AUTOR MORADA DATA DE PUBLICAÇÃO

FICHA TÉCNICA TÍTULO PROPRIEDADE AUTOR MORADA DATA DE PUBLICAÇÃO FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Morte PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social AUTOR Instituto Nacional de Segurança Social MORADA Rua Cirilo da Conceição e Silva, 42, 1º andar

Leia mais

/ b) Acção 2: Formação: infra-estruturas e equipamentos; I Série - Número 26. Segunda - feira, 10 de Março de 1997 SUMÁRIO

/ b) Acção 2: Formação: infra-estruturas e equipamentos; I Série - Número 26. Segunda - feira, 10 de Março de 1997 SUMÁRIO PDF elaborado pela DATAJURIS REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA I Série - Número 26 Segunda - feira, 10 de Março de 1997 SUMÁRIO SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA, FLO RESTAS E PESCAS Portaria n," 15/97 Estabelece

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.2.2015 C(2015) 850 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 13.2.2015 que aprova o programa de desenvolvimento rural de Portugal-Açores, para apoio pelo Fundo Europeu Agrícola

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Eslováquia

Os seus direitos de segurança social. na Eslováquia Os seus direitos de segurança social na Eslováquia O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

Trabalhador Independente Atualizado em:

Trabalhador Independente Atualizado em: SEGURANÇA SOCIAL Trabalhador Independente Atualizado em: 20-10-2017 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores Independentes O que é Pessoa singular que exerça atividade profissional sem sujeição

Leia mais

Regulamento para atribuição do Fundo de Reestruturação

Regulamento para atribuição do Fundo de Reestruturação Regulamento para atribuição do Fundo de Reestruturação Nos termos das alíneas c), d) e e) do n.º 2 do artigo 3.º do Decreto- lei n.º 55/2013, de 17 de Abril, que aprova a lei orgânica da Fundação para

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica:

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO DE APOIO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA Nota justificativa A Câmara Municipal de Vidigueira assume o papel de agente fundamental na aplicação de políticas de protecção social,

Leia mais

INSTITUTO DA HABITAÇÃO E DA REABILITAÇÃO URBANA, IP

INSTITUTO DA HABITAÇÃO E DA REABILITAÇÃO URBANA, IP INSTITUTO DA HABITAÇÃO E DA REABILITAÇÃO URBANA, IP 2015 DIREÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS DARH/DRH Contrato de Emprego-Inserção 1 W W W.PORTALDAHABITACAO.PT

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGIME DE PROTEÇÃO SOCIAL DE TRABALHADORES EM FUNÇÕES PÚBLICAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REGIME DE PROTEÇÃO SOCIAL DE TRABALHADORES EM FUNÇÕES PÚBLICAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REGIME DE PROTEÇÃO SOCIAL DE TRABALHADORES EM FUNÇÕES PÚBLICAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Regime de Proteção Social de Trabalhadores em Funções Públicas

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: Art. 12º; D. L. 21/2007. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: Art. 12º; D. L. 21/2007. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA Art. 12º; D. L. 21/2007. Renuncia à Isenção Operações Imobiliárias - Leasing imobiliário. Processo: nº 655, por despacho do Director Geral dos Impostos,

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Título Autor de Segurança Social Trabalhadores Independentes Conceção gráfica Edição Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação http://www.seg-social.pt/dgss-direccao-geral-da-seguranca-social

Leia mais

Portugal 2020 Inovação Produtiva para Projetos do Setor do TURISMO

Portugal 2020 Inovação Produtiva para Projetos do Setor do TURISMO MARÇO 2015 Portugal 2020 Inovação Produtiva para Projetos do Setor do TURISMO Enquadramento Com a publicação da Portaria n.º 57-A/2015, de 27 de fevereiro, foi aprovado o Regulamento Específico do Domínio

Leia mais

PPR FUTURO. Informações Pré-Contratuais. Plano Poupança Reforma BPN

PPR FUTURO. Informações Pré-Contratuais. Plano Poupança Reforma BPN TIPO DE CLIENTE Particulares, Profissionais Liberais e Empresas. SEGMENTO-ALVO Destina-se a fomentar a poupança para constituição de um complemento de reforma. Direccionado para Clientes com idade inferior

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA

SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA SEMINÁRIO SOBRE PROPOSTAS DE MEDIDAS DE APERFEIÇOAMENTO DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA Projecto de Decreto Presidencial que Estabelece o Regime Jurídico de Vinculação e de Contribuição da Protecção Social

Leia mais

Lisboa Rua Fradesso da Silveira, n. 4, Piso 3B, Lisboa

Lisboa Rua Fradesso da Silveira, n. 4, Piso 3B, Lisboa PDR 2020 - Programa de Desenvolvimento Rural JovensAgricultores Anúncio nº 04 /Ação 3.1 / 2017 Fase de candidaturas: de 2de marçode 2017 a 31 de maio de 2017 Porto Largo Luís de Camões, Edifício Rainha,

Leia mais