Regulamento Erasmus. Cap. I Disposição geral. Artigo 1º (Objecto)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento Erasmus. Cap. I Disposição geral. Artigo 1º (Objecto)"

Transcrição

1 Regulamento Erasmus Cap. I Disposição geral Artigo 1º (Objecto) O presente Regulamento rege a mobilidade de estudantes ao abrigo do Programa Erasmus/Socrates, no curso de licenciatura da Escola de Direito da Universidade Católica Portuguesa (ED da UCP) - Porto. Cap. II Frequência por estudantes da UCP de Faculdades de Direito estrangeiras Artigo 2º (Candidaturas) Podem candidatar-se à frequência de Faculdades de Direito estrangeiras os alunos da Escola de Direito do Porto da UCP que, no momento da candidatura, tenham realizado um mínimo de 90 créditos na licenciatura. Artigo 3º (Disciplinas) 1. É permitida a frequência de Faculdades de Direito estrangeiras com as quais a ED da UCP tenha acordo bilateral para realização de disciplinas: a) correspondentes a disciplinas do plano curricular indicativo da ED da UCP; b) sem correspondência no currículo da ED da UCP, como disciplinas opcionais. 2. As disciplinas obrigatórias do tronco comum de direito processual português e aquelas que a Direcção da Escola de Direito do Porto excepcionalmente determine são obrigatoriamente realizadas na Escola de Direito da UCP. Artigo 4º (Duração do período de estudos no estrangeiro) A frequência de Faculdades de Direito estrangeiras tem em regra a duração de um semestre lectivo, podendo ter a duração de um ano lectivo se o plano curricular da Universidade de destino o aconselhar ou se as vagas existentes o permitirem.

2 Artigo 5º (Selecção) 1. O preenchimento das vagas disponíveis depende de selecção efectuada pelo Coordenador no Porto do Programa Erasmus, de entre alunos que tenham, preferencialmente, média de curso não inferior a 12 valores. 2. No caso de o número de candidatos ultrapassar o número de vagas disponíveis para cada Faculdade de destino, a selecção faz-se em função da média de curso (arredondada à casa decimal). 3. Na hipótese de equivalência de situações, têm prioridade os alunos que tenham realizado um número superior de créditos na licenciatura. Artigo 6º (Propinas) 1. Os estudantes seleccionados ficam isentos do pagamento das propinas exigíveis na Faculdade de destino. 2. Pode ser determinada anualmente a redução ou isenção do pagamento à Escola de Direito do Porto da Universidade Católica Portuguesa das propinas correspondentes às unidades de crédito atribuídas à disciplina ou disciplinas realizadas no estrangeiro, relativamente a todos ou a uma parte dos estudantes seleccionados. Artigo 7º (Bolsas Erasmus) 1. A atribuição de bolsas Erasmus, cujo montante e número são determinados anualmente pelo competente organismo da Administração Pública portuguesa, é decidida pelo Coordenador no Porto do Programa Erasmus. 2. A selecção como estudante Erasmus não garante, por si só, a atribuição de bolsa. 3. No caso de o número de bolsas disponíveis ser inferior ao número de estudantes seleccionados, a sua atribuição depende dos critérios indicados nos números 2 e 3 do artigo 5º. Artigo 8º (Reconhecimento de disciplinas) 1 Salvo o disposto nos números 2 e 3, a atribuição a disciplinas realizadas no estrangeiro de equivalência a disciplinas obrigatórias do tronco comum e a disciplinas obrigatórias da área de especialização escolhida depende da correspondência substancial entre o respectivo programa e o programa da correspondente disciplina da UCP, bem como da correspondência de carga lectiva. 2 A atribuição a disciplinas realizadas no estrangeiro de equivalência a disciplinas obrigatórias da área de especialização escolhida depende da integração do respectivo programa no conjunto de matérias abrangidas pela área de especialização em causa, bem como da correspondência de carga lectiva. 3 O regime previsto no número anterior é aplicável a um máximo de três disciplinas.

3 4 A atribuição a disciplinas realizadas no estrangeiro de equivalência a disciplinas opcionais jurídicas ou não jurídicas não depende da correspondência com disciplinas do plano curricular da UCP. 5 A certificação da equivalência referida nos nºs 1 e 2 é decidida pelo Conselho de Direcção, após parecer do docente coordenador da disciplina em causa, ou do Coordenador no Porto do Programa Erasmus, respectivamente, devendo ser requerida pelo aluno antes da realização da mesma, mediante apresentação dos elementos relativos à carga lectiva, créditos atribuídos e programa das matéria leccionadas. 6 Não serão reconhecidas as disciplinas realizadas no estrangeiro cujo conteúdo corresponda substancialmente ao programa de disciplinas já efectuadas na UCP. Artigo 9º (Créditos) 1. O reconhecimento de disciplinas realizadas no estrangeiro determina a atribuição dos créditos ECTS estabelecidos na Universidade de destino. 2. Às disciplinas obrigatórias do tronco comum e obrigatórias da área de especialização escolhida que devam ser reconhecidas atribui-se, porém, um número de créditos não inferior ao previsto no plano de curso da UCP. 3. Às disciplinas realizadas em Universidades onde não vigore o sistema de créditos ECTS são atribuídos créditos em função do respectivo peso lectivo. Artigo 10º (Classificações obtidas) As classificações obtidas no estrangeiro são convertidas na escala de 0 a 20, de acordo com os critérios de conversão adoptados pela Direcção da Escola de Direito do Porto, sob proposta do Coordenador no Porto do Programa Erasmus. Artigo 11º (Pedido de reconhecimento) 1. Os estudantes devem requerer o reconhecimento das disciplinas realizadas no estrangeiro, juntando toda a documentação necessária para a avaliação do pedido. 2. É indispensável a apresentação do certificado de aprovação nas disciplinas frequentadas. 3. São ainda exigíveis os elementos relativos à carga lectiva, créditos atribuídos e programa das matérias efectivamente leccionadas, se os mesmos não tiverem sido anteriormente fornecidos. 4. Os estudantes podem ser solicitados a fornecer os elementos adicionais que se mostrem convenientes.

4 Artigo 12º (Decisão sobre o reconhecimento) 1. O reconhecimento das disciplinas realizadas no estrangeiro e a atribuição dos créditos respectivos depende de decisão do Conselho de Direcção, após parecer do Coordenador no Porto do Programa Erasmus. 2. A decisão sobre o reconhecimento é tomada no mais curto prazo possível. Cap. III Frequência da UCP por estudantes de Faculdades de Direito estrangeiras Artigo 13º (Selecção) 1. A selecção dos estudantes de Faculdades de Direito estrangeiras com as quais a Escola de Direito do Porto da UCP tem acordos bilaterais cabe às instituições de origem. 2. A instituição de origem deve exigir aos estudantes candidatos um domínio suficiente da língua portuguesa. Artigo 14º (Propinas) Estão isentos do pagamento de propinas na Escola de Direito do Porto da UCP os estudantes das Faculdades de Direito das Universidades estrangeiras seleccionados ao abrigo de acordos bilaterais no âmbito do programa Erasmus. Artigo 15º (Faltas) Os estudantes de FD estrangeiras estão sujeitos ao regime de faltas em vigor na Escola de Direito do Porto da UCP. Artigo 16º (Avaliação) 1. Os estudantes de FD estrangeiras estão sujeitos ao regime de avaliação em vigor na Escola de Direito do Porto da UCP, com as adaptações previstas nos números seguintes. 2. Em alternativa ao regime de avaliação adoptado para cada disciplina, os estudantes podem optar por realizar apenas uma prova oral. 3. A marcação da prova oral pode ser antecipada, se houver acordo entre os docentes e o estudante. 4. Sem prejuízo da tomada em consideração das dificuldades inerentes à língua, a classificação dos estudantes de FD estrangeiras obedece a critérios semelhantes aos adoptados para os estudantes da Escola de Direito do Porto da UCP.

5 Cap. IV Regras finais e transitórias Artigo 17º (Resolução de dúvidas) As dúvidas e questões omissas neste regulamento, bem como as resultantes da transição de planos curriculares, ou da mudança de regras aplicáveis, são resolvidas pela Direcção da Escola de Direito do Porto, ouvido o Coordenador no Porto do Programa Erasmus. Artigo 18º (Aplicação no tempo) Relativamente aos estudantes da UCP que frequentem Faculdades de Direito estrangeiras nos semestres corres-pondentes ao ano lectivo de 2003/2004, o Regulamento aplica-se com as necessárias adaptações. Aprovado pelo Conselho de Direcção, em 25 de Julho de 2003

Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos. I. Disposições Gerais. Artigo 1º.

Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos. I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos I. Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Regulamento rege a mobilidade internacional de estudantes

Leia mais

Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha. (Recomendação CRUP)

Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha. (Recomendação CRUP) Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha (Recomendação CRUP) Na sequência da Recomendação do CRUP relativa à aquisição do grau de mestre pelos licenciados Pré-Bolonha,

Leia mais

REGULAMENTO DE MOBILIDADE INTERNACIONAL DE ESTUDANTES

REGULAMENTO DE MOBILIDADE INTERNACIONAL DE ESTUDANTES REGULAMENTO DE MOBILIDADE INTERNACIONAL DE ESTUDANTES (Aprovado em 30 de Janeiro de 2012, pela Direcção da Escola de Lisboa) CAPÍTULO I Disposição geral Artigo 1º (Objecto) O presente Regulamento rege

Leia mais

PROGRAMA ERASMUS+ Ação-Chave 1: Mobilidade individual de estudos para estudantes do ensino superior. 2.º Ciclo. Regulamento

PROGRAMA ERASMUS+ Ação-Chave 1: Mobilidade individual de estudos para estudantes do ensino superior. 2.º Ciclo. Regulamento PROGRAMA ERASMUS+ Ação-Chave 1: Mobilidade individual de estudos para estudantes do ensino superior 2.º Ciclo Regulamento I. INDICAÇÕES GERAIS 1.1. A mobilidade Erasmus oferece aos alunos de mestrado a

Leia mais

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso A Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) e a Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho (EEGUM), através do seu Departamento de Economia,

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria)

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) Despacho n.º /2015 Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto (IPLeiria) Preâmbulo Nos termos do n.º 1 do artigo 15.º da Lei n.º 46/86, de 14.10 1,

Leia mais

Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa

Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO Aprovado no Conselho Científico de 2 de julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Nos termos do artigo 10.º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior aprovado

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO FISCAL. (Aprovado pelo Conselho Científico em reunião de 7 de março de 2012)

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO FISCAL. (Aprovado pelo Conselho Científico em reunião de 7 de março de 2012) REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO FISCAL (Aprovado pelo Conselho Científico em reunião de 7 de março de 2012) FEVEREIRO - 2012 ÍNDICE CAPÍTULO I ÁREA CIENTÍFICA, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO SETEMBRO/2015 Artigo 1º Objeto REG.SEC.02.02 Página 1 de 7 O presente regulamento estabelece as normas relativas aos regimes

Leia mais

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Instituto Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO 1 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Cláusula 1ª Área de especialização A Universidade do Porto, através da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor REGULAMENTO DO ESTATUTO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR A Universidade da Beira Interior (UBI) pretende implementar uma política ativa de atração e acolhimento de estudantes

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM BIOMECÂNICA. (edição 2010 2012)

EDITAL MESTRADO EM BIOMECÂNICA. (edição 2010 2012) EDITAL MESTRADO EM BIOMECÂNICA (edição 2010 2012) Nos termos do Decreto Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto Lei n.º

Leia mais

EDITAL. (Edição )

EDITAL. (Edição ) EDITAL MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ESPECIALIZAÇÃO EM PROBLEMAS DO DOMÍNIO COGNITIVO E MOTOR (Edição 2017-2019) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de

Leia mais

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento define o regime de estágios curriculares aplicável aos cursos: a) De Especialização Tecnológica; b) De Licenciatura;

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012)

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012) EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL (Edição 2010 2012) Nos termos dos Decretos Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO E.A.S.S.

REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO E.A.S.S. REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO E.A.S.S. Artigo 1.º Objeto e âmbito 1. O presente regulamento define o processo de atribuição de bolsas de estudo pela Família Soares dos Santos para a

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte em Espaço Público. Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO Artigo 1º Criação do Programa As Universidades do Aveiro e Minho, designadas por Universidades, instituem

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER UNIVERSIDADES/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2016

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER UNIVERSIDADES/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2016 REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER UNIVERSIDADES/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2016 Este concurso visa reforçar a cooperação existente entre a Universidade de Coimbra (UC) e as instituições suas parceiras,

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO DA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP)

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO DA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP) REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO DA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP) Conforme definido no nº 3 do Artigo 25º do Regulamento Geral dos Regimes de Reingresso

Leia mais

Regulamento de Propinas de 1º e 2º Ciclo e. Ciclo integrado do IST 2010/2011

Regulamento de Propinas de 1º e 2º Ciclo e. Ciclo integrado do IST 2010/2011 Regulamento de Propinas de 1º e 2º Ciclo e Ciclo integrado do IST 2010/2011 Artigo 1º Propina A Propina, tal como estipula a Lei 37/2003, de 22 de Agosto, é a taxa de frequência, devida pelo estudante

Leia mais

Preâmbulo. O LLP-ERASMUS surge no âmbito do programa de ação de educação da comunidade europeia

Preâmbulo. O LLP-ERASMUS surge no âmbito do programa de ação de educação da comunidade europeia REGULAMENTO PROGRAMA LLP-ERASMUS-ESTESL-IPL Preâmbulo O LLP-ERASMUS surge no âmbito do programa de ação de educação da comunidade europeia de Fevereiro de 1976, através do lançamento de um programa piloto

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO E.A.S.S.

REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO E.A.S.S. REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO E.A.S.S. Artigo 1.º Objeto e âmbito 1. O presente regulamento define o processo de atribuição de bolsas de estudo pela Família Soares dos Santos para a

Leia mais

Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett Princípios Orientadores para 2014/2015

Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett Princípios Orientadores para 2014/2015 Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett Princípios Orientadores para 2014/2015 1. Enquadramento O Programa Almeida Garrett, adiante designado por Programa AG, é o programa de mobilidade nacional

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA outubro/2010

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett. Princípios Orientadores

Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett. Princípios Orientadores Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett Princípios Orientadores 2011/2012 1. Enquadramento O Programa Almeida Garrett, adiante designado por Programa AG, é o programa de mobilidade nacional de

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA Considerando - Que a Educação é um direito de todos, cabendo ao Estado promover a sua democratização, bem como as condições

Leia mais

Regulamento dos regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no ano lectivo de 2009/2010

Regulamento dos regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no ano lectivo de 2009/2010 Regulamento dos regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no ano lectivo de 2009/2010 Nos termos do artigo 10.º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso

Leia mais

ANEXO I - CRITÉRIOS DE DISTRIBUIÇÃO ORÇAMENTAL PARA AS ACTIVIDADES DE MOBILIDADE DE ESTUDANTES DO IPV AO ABRIGO DO PROGRAMA ERASMUS

ANEXO I - CRITÉRIOS DE DISTRIBUIÇÃO ORÇAMENTAL PARA AS ACTIVIDADES DE MOBILIDADE DE ESTUDANTES DO IPV AO ABRIGO DO PROGRAMA ERASMUS ANEXO I - CRITÉRIOS DE DISTRIBUIÇÃO ORÇAMENTAL PARA AS ACTIVIDADES DE MOBILIDADE DE ESTUDANTES DO IPV AO ABRIGO DO PROGRAMA ERASMUS - Períodos de Estudo e Estágio No que respeita às actividades de mobilidade

Leia mais

REGULAMENTO. Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica

REGULAMENTO. Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica REGULAMENTO DA Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica Aprovado pela Comissão Científica de Curso Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Ano

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Educação. Regulamento de Creditação. Preâmbulo

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Educação. Regulamento de Creditação. Preâmbulo Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Educação Regulamento de Creditação Preâmbulo No âmbito da concretização do Processo de Bolonha, o Decreto-Lei n.º 74/2006 consagra normas relativas à

Leia mais

REGULAMENTO Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica

REGULAMENTO Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica REGULAMENTO da Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica Aprovado pela Comissão Científica de Curso Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Ano

Leia mais

TABELA DE TAXAS E EMOLUMENTOS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR

TABELA DE TAXAS E EMOLUMENTOS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR TABELA DE TAXAS E EMOLUMENTOS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR (aprovada por deliberação de 3 de setembro de 2014 do Conselho de Gestão do IPT para vigorar a partir do dia seguinte) 1 Diplomas /certificados/certidões:

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA DE CLÍNICAS LEGAIS E ESTÁGIOS DE

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA DE CLÍNICAS LEGAIS E ESTÁGIOS DE REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA DE CLÍNICAS LEGAIS E ESTÁGIOS DE VERÃO (Aprovado em 2 de Dezembro de 2009, pela Direcção da Escola de Lisboa) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO FISCAL

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO FISCAL REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO FISCAL OUTUBRO - 2003 ÍNDICE CAPÍTULO I ÁREA CIENTÍFICA, OBJECTIVOS E ORGANIZAÇÃO Artigo 1.º - Criação Artigo 2.º - Objectivos Artigo 3.º - Estrutura Artigo

Leia mais

Escola Superior de Biotecnologia. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

Escola Superior de Biotecnologia. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais 1 Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

REGULAMENTO LICENCIATURA EM NUTRIÇÃO HUMANA, SOCIAL E ESCOLAR

REGULAMENTO LICENCIATURA EM NUTRIÇÃO HUMANA, SOCIAL E ESCOLAR Campus Universitário de Viseu Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo (Viseu) REGULAMENTO LICENCIATURA EM NUTRIÇÃO HUMANA, SOCIAL E ESCOLAR Ano Letivo de 2011 2012 wwww.ipiaget.org Índice ARTIGO

Leia mais

MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO CAPÍTULO II. Disposições gerais

MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO CAPÍTULO II. Disposições gerais MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO CAPÍTULO I Disposições gerais Homologo, Artigo 1.º Enquadramento jurídico Considerando que, nos termos do artigo 23.º-A do Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO E.A.S.S.

REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO E.A.S.S. REGULAMENTO PARA A ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO E.A.S.S. Artigo 1.º Objeto e âmbito 1. O presente regulamento define o processo de atribuição de bolsas de estudo pela Família Soares dos Santos para a

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. Artigo 1.º Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. Artigo 1.º Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA (Ao abrigo do artigo 41.º do Estatuto da Carreira Docente da Universidade Católica Portuguesa)

Leia mais

REGULAMENTO. Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos do Mestrado em Engenharia de Materiais

REGULAMENTO. Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos do Mestrado em Engenharia de Materiais REGULAMENTO DA Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos do Mestrado em Engenharia de Materiais Aprovado pela Comissão Científica de Curso Mestrado em Engenharia de Materiais 1

Leia mais

Despacho N.º 32/2015

Despacho N.º 32/2015 Despacho N.º 32/2015 Publicam-se, em anexo, os Regulamentos de Propinas dos Ciclos de Estudos (1.º, 2.º e 3.º) e Pós-Graduação para o ano letivo de 2015/2016. Lisboa, 16 de julho de 2015 O Diretor (Prof.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DAS LICENCIATURAS

REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DAS LICENCIATURAS REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DAS LICENCIATURAS Artigo 1.º (Épocas de avaliação de conhecimentos) Em cada semestre, existem duas épocas de avaliação de conhecimentos a cada unidade curricular,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDANTE EXTRAORDINÁRIO

REGULAMENTO DE ESTUDANTE EXTRAORDINÁRIO REGULAMENTO DE ESTUDANTE EXTRAORDINÁRIO 17 07 10 CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 2015 03 REGULAMENTO DE ESTUDANTE EXTRAORDINÁRIO ARTIGO 1º (ÂMBITO) 1- Consideram-se Estudantes Regulares os Estudantes matriculados

Leia mais

Regulamento de propinas dos cursos de Licenciatura e de Mestrado Integrado da U.Porto

Regulamento de propinas dos cursos de Licenciatura e de Mestrado Integrado da U.Porto Regulamentos Regulamento de propinas dos cursos de Licenciatura e de Mestrado Integrado da U.Porto Secção Permanente do Senado em 7 de Abril de 2004 1ª Alteração pela Secção Permanente do Senado em 13

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Ao abrigo do disposto no artigo 10.º da Portaria nº 401/2007 de 5 de Abril, o Conselho Científico do Instituto Superior Politécnico

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Despacho Presidente n.º 2014/18 Valores de propina e outras taxas para o ano letivo de 2014/2015 Nos termos previstos no Regulamento de propinas em vigor na ESEP

Leia mais

Creditação de formação académica e de competências profissionais

Creditação de formação académica e de competências profissionais Creditação de formação académica e de competências profissionais (Aprovado em reunião CTC de 28 de junho de 2012) Preâmbulo A Lei nº 49/2005, de 30 de Agosto, que alterou a Lei de Bases do Sistema Educativo,

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo a atletas do programa de preparação paralímpica e surdolímpica

Atribuição de Bolsas de Estudo a atletas do programa de preparação paralímpica e surdolímpica Atribuição de Bolsas de Estudo a atletas do programa de preparação paralímpica e surdolímpica REGULAMENTO Ano letivo 2016-2017 Exposição de Motivos A relação entre o desporto e a educação constitui-se

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estágio dos estudantes

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Artigo 1º - Âmbito --------------------------------------- 1) O presente Regulamento

Leia mais

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos e do Concurso Especial dos Estudantes

Leia mais

Edital. Ref. 484.5/2016 Pág. 1/5

Edital. Ref. 484.5/2016 Pág. 1/5 Universidade de Évora Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Poĺıticas Universidade de Lisboa - Instituto

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO. Serviços Académicos. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2016/2017

ORDEM DE SERVIÇO. Serviços Académicos. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2016/2017 DE: Direcção PARA: Serviços Académicos DATA: 14-04-2016 N.º: 2016003 Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2016/2017 Por deliberação da Direcção da CEU-Cooperativa de

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS E PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ACADÉMICAS E PROFISSIONAIS Página 1 de 6 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º (objeto e âmbito) 1. O presente regulamento fixa os procedimentos relativos à creditação de competências académicas e profissionais, nos termos da

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL. Artigo 1º. (Natureza e âmbito de aplicação)

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL. Artigo 1º. (Natureza e âmbito de aplicação) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no artº. 32º do Regulamento do Ciclo de Estudos

Leia mais

Regulamento do Aluno Extraordinário

Regulamento do Aluno Extraordinário Regulamento do Aluno Extraordinário Conselho Científico (Deliberação CC-32/2007, de 20 de dezembro) 05 03 2012 01 ARTIGO 1º (ÂMBITO) 1- Consideram-se alunos regulares os alunos matriculados e inscritos

Leia mais

INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO. Candidaturas para o Ano Académico 2009/2010

INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO. Candidaturas para o Ano Académico 2009/2010 INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO Candidaturas para o Ano Académico 2009/2010 Serviço de Cooperação com os Países Lusófonos e Latino-Americanos SCPLLA Endereço Reitoria da Universidade

Leia mais

MUNICÍPIO DE VALPAÇOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE VALPAÇOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Preâmbulo MUNICÍPIO DE VALPAÇOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Preâmbulo Nos termos do artigo 235º nº2 da Constituição da República Portuguesa, as Autarquias são pessoas colectivas territoriais

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO,

REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO, Considerando o disposto da alínea f), do n.º 1, do art. 62.º, dos Estatutos do Instituto Politécnico de Leiria; Com vista a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26º do Decreto-Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

Programa de Mobilidade Nacional. Almeida Garrett. Princípios Orientadores

Programa de Mobilidade Nacional. Almeida Garrett. Princípios Orientadores Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett Princípios Orientadores 2011/2012 1. Enquadramento O Programa Almeida Garrett, adiante designado por Programa AG, é o programa de mobilidade nacional de

Leia mais

REGULAMENTO APLICÁVEL AOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO

REGULAMENTO APLICÁVEL AOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO I Âmbito e disposições comuns 1. O presente regulamento estabelece as normas do IPSN para os regimes de reingresso e de mudança de par instituição/curso, previstos na Portaria n.º 181-D/2015, de 19-06.

Leia mais

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU Regulamento de Atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras de atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau, adiante designada

Leia mais

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 Sendo a transparência dos processos de candidatura e recrutamento de estudantes um dos elementos constituintes do sistema interno

Leia mais

Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento

Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento Programas de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento A experiência de duas décadas de funcionamento de programas de pós-graduação em Filosofia revelou a necessidade de conceber

Leia mais

REGULAMENTO Acesso e Ingresso nos Ciclos de Estudo Conducentes ao Grau de Doutor

REGULAMENTO Acesso e Ingresso nos Ciclos de Estudo Conducentes ao Grau de Doutor REGULAMENTO Acesso e Ingresso nos Ciclos de Estudo Conducentes ao Grau de Doutor Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.0 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CURSO DE

Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CURSO DE Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO ESPECÍFICO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA E GESTÃO INDUSTRIAL 3ª edição 2011-2013 Nos termos do artigo 26.º

Leia mais

Regulamento de Candidatura e Frequência de Unidades Curriculares Isoladas e de Estudantes em Regime de Tempo Parcial

Regulamento de Candidatura e Frequência de Unidades Curriculares Isoladas e de Estudantes em Regime de Tempo Parcial Regulamento de Candidatura e Frequência de Unidades Curriculares Isoladas e de Estudantes em Regime de Tempo Parcial 2015 2015 em Regime de Tempo Parcial 1 ÍNDICE Nota Introdutória... 3 Capítulo I Disposições

Leia mais

1.º Condições para requerer a inscrição

1.º Condições para requerer a inscrição REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DOS CURSOS SUPERIORES DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO DOS MAIORES DE 23 ANOS Nos termos do

Leia mais

Assim, o regulamento de provas de Agregação da Universidade Católica Portuguesa rege-se pelas seguintes normas:

Assim, o regulamento de provas de Agregação da Universidade Católica Portuguesa rege-se pelas seguintes normas: DESPACHO NR/R/0094/2008 ASSUNTO: Regulamento de provas de agregação Na sequência da publicação do Decreto-Lei nº 239/2007, de 19 de Junho e ao fim de alguns meses de aplicação na UCP, considerou-se conveniente

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA E A ESCOLA NAVAL Considerando que, com a publicação da Portaria n.162/99, de 10 de Março, a Escola Naval passou a ser responsável

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA E URBANISMO

NORMAS REGULAMENTARES MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA E URBANISMO PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares visam dar cumprimento ao Artigo 14.º e ao Artigo 26.º do Decreto-Lei nº74/2006, de 24 de Março. Distinta informação relativa a matérias mencionadas nas presentes

Leia mais

3. Condições de ingresso

3. Condições de ingresso EDITAL Concurso institucional aos Cursos Técnicos Superiores Profissionais em «Intervenção Social e Comunitária» e em «Comunicação Digital» para o ano letivo de 2016/2017 Cumprindo o previsto no n.º 1

Leia mais

Regulamento da Unidade Curricular Dissertação/Projeto do Mestrado Integrado em Engenharia Civil

Regulamento da Unidade Curricular Dissertação/Projeto do Mestrado Integrado em Engenharia Civil Regulamento da Unidade Curricular Dissertação/Projeto do Mestrado Integrado em Engenharia Civil (aprovado pela CC do MEC em 11 de Março de ) (aprovado pela CCP do DECivil em 7 de Junho de ) Generalidades

Leia mais

Disposições Específicas para Alunos com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto.

Disposições Específicas para Alunos com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto. 1 Disposições Específicas para Alunos com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto. I Preâmbulo. O Regulamento do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior Público, definido anualmente

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição )

EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição ) EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição -) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 107/2008

Leia mais

LICENCIATURA EM DESIGN DE COMUNICAÇÃO

LICENCIATURA EM DESIGN DE COMUNICAÇÃO LICENCIATURA EM DESIGN DE COMUNICAÇÃO NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PLANEAMENTO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PLANEAMENTO AMBIENTAL UNIVERSIDADE DOS AÇORES REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PLANEAMENTO AMBIENTAL Art.º 1.º Âmbito O Curso de Mestrado em Ordenamento do Território e Planeamento Ambiental,

Leia mais

(Preâmbulo) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto e âmbito)

(Preâmbulo) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto e âmbito) (Preâmbulo) Conforme disposto no Decreto-Lei nº 113/2014 de 16 de julho, aprova-se o Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior a aplicar no Instituto Superior de Ciências

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Nos termos do disposto no artº 10º da Portaria nº 401/2007, de 5 de Abril, é aprovado o Regulamento dos

Leia mais

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO Regulamento do Programa de Bolsas de Educação Introdução Considerando a importância e oportunidade do Programa de Responsabilidade Social do Comité Olímpico de

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (Edição )

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (Edição ) EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (Edição 2010-2012) Nos termos dos Decretos-Lei nº /2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

Tabela de Emolumentos do Instituto Politécnico de Castelo Branco

Tabela de Emolumentos do Instituto Politécnico de Castelo Branco Tabela de Emolumentos do Instituto Politécnico de Castelo Branco Aprovada em reunião do Conselho de Gestão de 14 de outubro de 16 (entra em vigor a partir de 1 de abril de 17) Designação do Emolumento

Leia mais

REGULAMENTO PARA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÕES ANTERIORMENTE OBTIDAS INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA

REGULAMENTO PARA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÕES ANTERIORMENTE OBTIDAS INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA REGULAMENTO PARA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÕES ANTERIORMENTE OBTIDAS INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA Artigo 1.º Âmbito 1. O presente regulamento define os princípios e estabelece as normas a seguir no Instituto

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Saúde Pública. Artigo 1.º. Criação do curso

Regulamento do Curso de Mestrado em Saúde Pública. Artigo 1.º. Criação do curso Regulamento do Curso de Mestrado em Saúde Pública Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), concede o grau de mestre em Saúde Pública.

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM BIOLOGIA FUNCIONAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM BIOLOGIA FUNCIONAL 1.1 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM BIOLOGIA FUNCIONAL Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade Técnica de

Leia mais

Cursos de Pós-Graduação REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

Cursos de Pós-Graduação REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Gabinete Apoio Reitoria Reitor 2.0 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial Secretário-Geral

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO. Serviços Académicos

ORDEM DE SERVIÇO. Serviços Académicos DE: Conselho de Administração PARA: Serviços Académicos DATA: 31-03-2017 N.º: 2017006 Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2017/2018 Por deliberação do Conselho de

Leia mais

Tabela de Emolumentos do Instituto Politécnico de Castelo Branco Aprovada em reunião do Conselho de Gestão de 9 de junho de 2016

Tabela de Emolumentos do Instituto Politécnico de Castelo Branco Aprovada em reunião do Conselho de Gestão de 9 de junho de 2016 Tabela de Emolumentos do Instituto Politécnico de Castelo Branco Aprovada em reunião do Conselho de Gestão de 9 de junho de 16 Designação do Emolumento Euros 1 Candidaturas: 1.1 Candidatura a Cursos Técnicos

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Gestão da Saúde. Artigo 1.º. Criação do curso

Regulamento do Curso de Mestrado em Gestão da Saúde. Artigo 1.º. Criação do curso Regulamento do Curso de Mestrado em Gestão da Saúde Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), concede o grau de Mestre em Gestão da

Leia mais

É revogado o Despacho RT-21/2012 de 04 de abril. Universidade do Minho, 08 de fevereiro de 2013

É revogado o Despacho RT-21/2012 de 04 de abril. Universidade do Minho, 08 de fevereiro de 2013 Universidade do Minho Reitoria Despacho RT-15/2013 Sobre proposta da Escola Superior de Enfermagem, ouvido o Senado Académico, é homologado o Regulamento do Curso de Formação Especializada em Intervenção

Leia mais

GUIA PARA O ESTUDANTE ERASMUS MOBILIDADE DE ESTUDOS

GUIA PARA O ESTUDANTE ERASMUS MOBILIDADE DE ESTUDOS GUIA PARA O ESTUDANTE ERASMUS MOBILIDADE DE ESTUDOS Atualizado a 01 de fevereiro de 2016 Página 1 PARTE A) PREPARAÇÃO DA MOBILIDADE - ANTES DE IR 1. Escolha da Instituição de Ensino Superior (IES) e período

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EDUCAÇÃO SOCIAL E COMUNITÁRIA Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett Princípios Orientadores para 2017/2018

Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett Princípios Orientadores para 2017/2018 Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett Princípios Orientadores para 2017/2018 1. Enquadramento O Programa Almeida Garrett, adiante designado por Programa AG, é o programa de mobilidade nacional

Leia mais