O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal."

Transcrição

1 O Processo de Recrutamento e Selecção de Pessoal. 2. O Quadro de Pessoal da Polícia Judiciária é constituído por: - Pessoal de Investigação Criminal - Pessoal de Apoio à Investigação Criminal - Pessoal Auxiliar e Operário 3. Publicação dos Concursos 4. Conteúdo do Aviso de Abertura de Concursos 5. Recrutamento e Selecção para a Carreira de Investigação Criminal 6. Como são Providos os Lugares de Inspector Estagiários 7. Requisitos de Admissão ao Concurso para Frequência do Curso de Formação de Inspectores 8. Métodos de Selecção a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores 9. Prova Escrita de Conhecimentos Específicos a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores 10. Exame Psicológico a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores 11. Privacidade do Resultado do Exame Psicológico a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores 12. Exame Médico a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores 13. Provas Físicas a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores 14. Entrevista Profissional de Selecção a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores 15. Classificação Final do Concurso para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores 16. Curso de Formação de Inspectores Estagiários 17. Estágio de Inspectores 18. Dever de Permanência na Polícia Judiciária dos Candidatos Admitidos ao Curso e dos Inspectores Estagiários

2 19. O Processo de recrutamento e Selecção para as carreiras do Pessoal de Apoio à Investigação Criminal 20. Requisitos de Admissão a Concurso para o Ingresso nas Carreiras do Pessoal de Apoio à Investigação Criminal 21. Requisitos Específicos de Admissão a Concurso para a Carreira de Especialista Superior 22. Requisitos Específicos de Admissão a Concurso para a Carreira de Especialista 23. Requisitos Específicos de Admissão a Concurso para Carreira de Especialista-Adjunto 24. Requisitos Específicos de Admissão a Concurso para a Carreira de Especialista Auxiliar 25. Requisitos Específicos de Admissão a Concurso para a Carreira de Segurança 26. O Ingresso nas Carreiras do Pessoal de Apoio à Investigação Criminal 27. Regras a que Obedece o Estágio para Ingresso nas Carreiras do Pessoal de Apoio à Investigação Criminal 28. Avaliação e Classificação do Estágio para Ingresso nas Carreiras do Pessoal de Apoio à Investigação Criminal 29. O Ingresso nas Carreiras de Pessoal Auxiliar e Operário O Processo de Recrutamento e Selecção 1. Legislação O recrutamento para os lugares do quadro de pessoal da Polícia Judiciária efectuase, nos termos dos seguintes Decretos-Lei e Lei: - Lei nº. 37/2008, de 6 de Agosto (Orgânica da Polícia Judiciária); - Lei 12-A/2008 de 27 de Fevereiro Estabelece os regimes de vinculação, de carreiras e de remunerações dos trabalhadores que exercem funções públicas - Decreto-Lei n.º 275-A/2000, de 9 de Setembro (Lei Orgânica da Polícia Judiciária); - Decreto-Lei n.º 204/98, de 11 de Julho (Regulamento de Concursos para a Administração Pública).

3 2. O Quadro de Pessoal da Polícia Judiciária é constituído por: Pessoal de Investigação Criminal. - Coordenador superior de investigação Criminal - Coordenador de investigação criminal - Inspector-chefe - Inspector. Pessoal de Apoio à Investigação Criminal - Especialista superior - Especialista - Especialista-adjunto - Especialista auxiliar - Segurança Pessoal Auxiliar e Operário - Motorista de Pesados - Motorista de Ligeiros - Telefonista - Encarregado de pessoal Auxiliar - Auxiliar Administrativo - Operador de Reprografia - Operário Principal Altamente Qualificado - Operário Altamente Qualificado - Operário Principal Qualificado - Operário Qualificado - Operário Semi-qualificado

4 3. Publicação dos Concursos O processo de recrutamento e selecção de pessoal inicia-se sempre com a publicação de um Aviso no Diário da República II série. Todas as aberturas de concursos são divulgadas neste sítio, pelo que se aconselha a todos os interessados, a consultá-lo periodicamente. Não existe uma periodicidade definida para abertura de concursos. 4. Conteúdo do Aviso de Abertura de Concurso O Aviso contém: - Categoria a que se destina o concurso; - Número de vagas postas a concurso; - Modo de formalizar a candidatura; - Prazo de candidatura; - Local de trabalho; - Composição do júri de selecção; - Métodos de selecção; - Requisitos de candidatura. 5. Recrutamento e Selecção para a Carreira de Investigação Criminal O ingresso na carreira de investigação criminal faz-se na categoria de inspector estagiário. 6. Como são providos os lugares de Inspector Estagiário? Os lugares de inspector estagiário são providos de entre indivíduos aprovados sucessivamente: - Em concurso para admissão ao Curso de Formação de Inspectores; - No Curso de Formação de Inspectores.

5 7. Requisitos de Admissão ao Concurso para Frequência do Curso de Formação de Inspectores: Específicos: - Idade inferior a 30 anos; - Licenciatura em Direito (pelo menos 35% dos candidatos a prover como inspectores estagiários deverão ser licenciados em Direito); Outras licenciaturas (a definir pela Direcção da PJ, apenas no momento da abertura do concurso); - Carta de condução de veículos ligeiros. Gerais: - Nacionalidade portuguesa, quando não dispensada pela Constituição, convenção internacional ou Lei especial; - Ter cumprido os deveres militares ou de serviço cívico, quando obrigatório (não é necessário ter cumprido o serviço militar, basta que a situação militar esteja regularizada); - Não estar inibido do exercício de funções públicas ou interdito para o exercício das funções a que se candidata; - Possuir a robustez física e o perfil psíquico indispensáveis ao exercício da função; - Ter cumprido as leis da vacinação obrigatória. 8. Métodos de Selecção a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores (*) - Prova escrita de conhecimentos específicos; - Exame psicológico; - Exame médico; - Provas físicas; - Entrevista profissional. (*) Todos os métodos de selecção, à excepção da entrevista profissional, são eliminatórios

6 9. Prova Escrita de Conhecimentos Específicos a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores A prova escrita de conhecimentos específicos é elaborada pelo júri de selecção, nomeado para cada concurso, e deverá incidir sobre os temas constantes no programa de provas aprovado pelo Despacho Conjunto n.º 477/2006 de 01 de Junho, publicado no Diário da República, II série, n.º 115, de Exame Psicológico a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores. Visa avaliar as capacidades e as características de personalidade dos candidatos através da utilização de técnicas psicológicas, a fim de determinar a sua adequação à função de inspector. O exame psicológico pode comportar mais de uma fase, podendo qualquer delas ter carácter eliminatório. 11. Privacidade do Resultado do Exame Psicológico a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores O resultado do exame psicológico é transmitido ao júri do concurso apenas sob a forma de uma apreciação global, utilizando a seguinte escala: > favorável preferencialmente...20 valores > bastante favorável...16 valores > favorável...12 valores > com reservas...8 valores > não favorável...4 valores 12. Exame Médico a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores Visa avaliar as condições físicas e psíquicas dos candidatos, tendo em vista determinar a sua aptidão para o exercício da função de inspector. É efectuado por uma equipa médica, de acordo com o Regulamento do Exame Médico aplicável nos concursos de ingresso para lugar de inspector, publicado no Diário da República, I série-b, n.º 176, de 31 de Julho de 2001 (Despacho Normativo n.º 31/2001). É garantida a privacidade do exame médico de selecção, sendo o resultado transmitido ao júri do concurso sob a forma de apreciação global: Apto / Não Apto.

7 13. Provas Físicas a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores Visa avaliar a aptidão física dos candidatos para o exercício da função de inspector. São realizadas no Instituto Superior de Polícia Judiciária e Ciências Criminais, de acordo com o Regulamento das Provas Físicas aplicável nos concursos de ingresso para lugar de inspector, publicado no Diário da República, I série-b, n.º 176, de 31 de Julho de 2001 (Despacho Normativo n.º 31/2001), com as alterações introduzidas pelo Despacho Normativo 38/2003, publicado no Diário República, I série-b, de 19 de Setembro. O resultado transmitido ao júri do concurso sob a forma de apreciação global: Apto/ Não Apto. 14. Entrevista Profissional de Selecção a Utilizar nos Concursos para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores Visa avaliar, numa relação interpessoal e de forma objectiva e sistemática, as aptidões profissionais e pessoais dos candidatos. Por cada entrevista é elaborada uma ficha individual contendo o resumo dos assuntos abordados, os parâmetros relevantes e a classificação obtida em cada um deles, devidamente fundamentada. Os elementos a avaliar na prova de entrevista constarão do aviso de abertura de concurso. 15. Classificação Final do Concurso para Admissão à Frequência do Curso de Formação de Inspectores A classificação final é calculada mediante a aplicação de uma fórmula aritmética, previamente determinada e constante no aviso de abertura do concurso. Consideram-se excluídos os candidatos que nos métodos de selecção eliminatórios (ou nas suas fases eliminatórias), ou na classificação final, obtenham classificação inferior a 10 valores, considerando-se como tal, por arredondamento, as classificações inferiores a 9,5 valores, e, bem assim, os que sejam considerados não aptos no exame médico e nas provas físicas de selecção. Os candidatos aprovados em número idêntico ao das vagas postas a concurso, estão aptos a frequentar o Curso de Formação de Inspectores ministrado pelo Instituto Superior de Polícia Judiciária e Ciências Criminais.

8 16. Curso de Formação de Inspectores Estagiários O Curso de Formação de Inspectores Estagiários realiza-se no Instituto Superior de Polícia Judiciária e Ciências Criminais (ISPJCC), sito na Quinta do Bom Sucesso, Barro, 2670 Loures, e obedecerá ao plano curricular e aos regulamentos em vigor no ISPJCC em matéria de frequência e avaliação. Os alunos não vinculados à função pública recebem um abono mensal igual ao valor do índice 100, da escala salarial do regime geral da função pública. Os candidatos que sejam funcionários ou agentes da administração central, regional e local frequentam o curso de formação em regime de comissão de serviço extraordinária, e podem optar pela remuneração correspondente à categoria de origem. A aprovação no curso é requisito de provimento nos lugares de inspector estagiário, sendo os candidatos graduados de acordo com o aproveitamento e classificação que obtenham no curso de formação. Pelo menos 35% dos lugares de inspector estagiário serão providos por candidatos aprovados no curso de formação, com licenciatura em Direito. 17. Estágio de Inspectores O estágio tem a duração de um ano, sem prejuízo de, por despacho do Ministro da Justiça, sob proposta do Director Nacional, atentas razões de conveniência para o serviço, poder ser reduzido em três meses. Findo o período de estágio, e tendo sido considerado apto, o estagiário é nomeado definitivamente, Inspector de escalão 1. Os candidatos que sejam funcionários ou agentes da administração central, regional e local frequentam o estágio em regime de comissão de serviço extraordinária, e podem optar pela remuneração correspondente à categoria de origem. No período de estágio é celebrado um contrato administrativo de provimento com os candidatos não vinculados à Função Pública, o qual confere a atribuição da remuneração constante do anexo V ao Decreto-Lei n.º 275-A/2000, de 9 de Novembro. Este contrato pode ser rescindido quando o estagiário não revele aptidão para o exercício das funções. 18. Dever de Permanência na Polícia Judiciária dos Candidatos Admitidos ao Curso e dos Inspectores Estagiários Os candidatos admitidos ao curso de formação e os inspectores estagiários vinculam-se a permanecer em funções na Polícia Judiciária por um período mínimo de cinco anos após a conclusão da formação ou do estágio ou, em caso de abandono ou desistência injustificada, a indemnizar o Estado dos custos de

9 formação, remunerações e gratificações que lhes forem imputados relativamente ao período de formação e de estágio. (Artº. 126.º, n.º 6, Decreto-Lei n.º 275-A/2000, de 9 de Novembro) 19. O Processo de Recrutamento e Selecção para as Carreiras do Pessoal de Apoio à Investigação Criminal - O ingresso nestas carreiras é feito através de concurso; - Os interessados deverão, por conseguinte, aguardar a abertura de concurso e formalizar a sua candidatura nos termos do respectivo Aviso de Abertura, o qual será sempre publicado no Diário da República; - Os candidatos admitidos a concurso serão sujeitos a métodos de selecção, que constarão sempre do aviso de abertura do concurso; - Nos concursos de ingresso é obrigatório o recurso a provas de conhecimentos (gerais ou específicas), sem prejuízo de outros métodos de selecção, nomeadamente, entrevista profissional de selecção ou avaliação curricular; - A natureza, forma e duração da prova de conhecimentos consta do aviso de abertura do concurso. 20. Requisitos de Admissão a Concurso para o Ingresso nas Carreiras do Pessoal de Apoio à Investigação Criminal Gerais Apenas poderão ser admitidos a concurso os candidatos que satisfaçam os seguintes requisitos gerais de admissão a concurso e provimento em funções públicas, a saber: - Nacionalidade portuguesa, quando não dispensada pela Constituição, convenção internacional ou Lei especial; - Ter cumprido os deveres militares ou de serviço cívico, quando obrigatório (não é necessário ter cumprido o serviço militar, basta que a situação militar esteja regularizada); - Não estar inibido do exercício de funções públicas ou interdito para o exercício das funções a que se candidata; - Possuir a robustez física e o perfil psíquico indispensável ao exercício da função; - Ter cumprido as leis da vacinação obrigatória; - Ter 18 anos completos. Específicos

10 Além dos requisitos gerais exigidos a todos os que pretendem desempenhar funções públicas, os candidatos aos concursos para o ingresso nas carreiras de apoio à investigação criminal deverão preencher requisitos específicos, que variam consoante a carreira a que se destina o concurso. 21. Requisitos Específicos de Admissão a Concurso para a Carreira de Especialista Superior - Licenciatura (a definir pela Direcção da Polícia Judiciária, no momento da abertura do concurso, consoante a área funcional a que se destina o concurso: telecomunicações, informática, relações públicas, recursos humanos, etc...); - Carta de condução de veículos ligeiros. 22. Requisitos específicos de Admissão a Concurso para a Carreira de Especialista - Curso superior que não confira o grau de licenciatura (por exemplo: bacharelato) em área a definir pela Direcção da Polícia Judiciária, no momento da abertura do concurso, consoante a área funcional a que se destine o concurso: telecomunicações, informática, relações públicas, recursos humanos, etc...; - Carta de condução de veículos ligeiros. 23. Requisitos Específicos de Admissão a Concurso para a Carreira de Especialista-Adjunto - 12.º ano ou equivalente (quando o concurso se destinar às áreas funcionais de telecomunicações, informática ou perícia financeira e contabilística, serão admitidos a concurso os titulares das seguintes habilitações: a) Curso de natureza técnica, técnico-profissional e tecnológica ou profissional, com formação específica numa dessas áreas, que confira certificado de qualificação profissional de nível III e que atribua certificado ou diploma equivalente ao do ensino secundário regular; Ou, em alternativa: b) 12.º ano ou equivalente + curso de formação profissional numa dessas áreas, oficialmente reconhecido. - Carta de condução.

11 24. Requisitos Específicos de Admissão a Concurso para a Carreira de Especialista Auxiliar - 11.º ano ou equivalente; - Carta de condução de veículos ligeiros. 25. Requisitos Específicos de Admissão a Concurso para a Carreira de Segurança - 11.º ano ou equivalente; - Idade entre 21 e 30 anos; - Carta de condução de veículos ligeiros. 26. O Ingresso nas Carreiras do Pessoal de Apoio à Investigação Criminal O ingresso nas carreiras do Pessoal de Apoio à Investigação Criminal faz-se no escalão 1, precedido de um período de estágio. 27. Regras a que Obedece o Estágio para Ingresso nas Carreiras do Pessoal de Apoio à Investigação Criminal - O estágio tem carácter probatório e deve integrar a frequência de cursos de formação directamente relacionados com as funções a exercer, sendo, no caso dos especialista-adjuntos e dos seguranças, obrigatória a frequência de curso adequado ministrado no Instituto Superior de Polícia Judiciária e Ciências Criminais; - O estágio tem a duração de um ano; - A frequência do estágio é feita em regime de contrato administrativo de provimento, no caso de indivíduos não vinculados à Função Pública, e em regime de comissão de serviço extraordinária, caso exista vínculo; - Os estagiários aprovados são providos a título definitivo na respectiva carreira e os não aprovados regressam ao lugar de origem ou vêem o contrato rescindido, sem direito a qualquer indemnização, consoante se trate de indivíduos vinculados ou não à Função Pública; - A não aprovação nos cursos de formação inicial previstos para os especialistaadjuntos e seguranças, tem os mesmos efeitos; - Os estagiários são remunerados nos termos da tabela indiciária constante do anexo V ao Decreto-Lei n.º 275-A/2000, de 9 de Novembro, sendo reconhecido aos que já são funcionários a faculdade de optar, pela remuneração correspondente à categoria de origem.

12 28. Avaliação e Classificação do Estágio para Ingresso nas Carreiras do Pessoal de Apoio à Investigação Criminal A avaliação e classificação do estágio são determinadas: - Pela classificação de serviço, atribuída nos termos regulamentares, na qual se tem em consideração, sempre que possível, os resultados da formação profissional, considerando-se aprovados os estagiários com classificação igual ou superior a Bom; - Nos casos de frequência obrigatória de cursos de formação inicial, pela classificação de serviço e pela classificação obtida nos cursos. 29. O Ingresso nas Carreiras de Pessoal Auxiliar e Operário O ingresso nas carreiras de pessoal auxiliar e operário faz-se nos termos da Lei Geral As condições de ingresso para estas carreiras são as seguintes: - Idade superior a 18 anos; - Escolaridade obrigatória.

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos e do Concurso Especial dos Estudantes

Leia mais

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria)

Despacho n.º /2015. Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) Despacho n.º /2015 Regulamento Académico dos Cursos de Pós-Graduação não Conferentes de Grau Académico do Instituto (IPLeiria) Preâmbulo Nos termos do n.º 1 do artigo 15.º da Lei n.º 46/86, de 14.10 1,

Leia mais

Carreiras e Quadro de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República 1

Carreiras e Quadro de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República 1 Carreiras e Quadro de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República 1 Resolução da Assembleia da República n.º 39/96, de 27 de novembro (Declaração de Rectificação n.º 5/97, de 28 de janeiro) e com as

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO SETEMBRO/2015 Artigo 1º Objeto REG.SEC.02.02 Página 1 de 7 O presente regulamento estabelece as normas relativas aos regimes

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte em Espaço Público. Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A

Leia mais

AVISO CAMÕES INSTITUTO DA COOPERAÇÃO E DA LÍNGUA, I.P.

AVISO CAMÕES INSTITUTO DA COOPERAÇÃO E DA LÍNGUA, I.P. AVISO CAMÕES INSTITUTO DA COOPERAÇÃO E DA LÍNGUA, I.P. ESTRUTURA DE COORDENAÇÃO DO ENSINO PORTUGUÊS NA ALEMANHA (Abertura de procedimento concursal simplificado destinado ao recrutamento local de docente

Leia mais

«Publicação da lista definitiva» Quando é publicada a lista definitiva?

«Publicação da lista definitiva» Quando é publicada a lista definitiva? Concurso centralizado, de ingresso externo, para lugares vagos de técnico superior de 1.ª classe, 1.º escalão, da carreira de técnico superior, área jurídica (ref.: concurso n. 006-2015-TS-05) «e respostas

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012)

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012) EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL (Edição 2010 2012) Nos termos dos Decretos Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE PROCEDIMENTO CONCURSAL Atividades de Enriquecimento Curricular 2015/2016

AVISO DE ABERTURA DE PROCEDIMENTO CONCURSAL Atividades de Enriquecimento Curricular 2015/2016 DIREÇÃO-GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALENTEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BARRANCOS RUA DE ANGOLA - 7230-003 BARRANCOS Código do Agrupamento: 135010 AVISO DE ABERTURA

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico Credenciada pela portaria: MEC 292, de 15.02.2001 DOU Nº 35-E, de 19.02.2001, Seção 1 RESOLUÇÃO

Leia mais

AVISO. 2. Identificação do posto de trabalho: O presente procedimento destina-se ao preenchimento dos seguintes postos:

AVISO. 2. Identificação do posto de trabalho: O presente procedimento destina-se ao preenchimento dos seguintes postos: AVISO ESTRUTURA DE COORDENAÇÃO DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO EM ÁFRICA DO SUL, NAMÍBIA, SUAZILÂNDIA E ZIMBABUÉ (Abertura de procedimento concursal simplificado destinado ao recrutamento local de docentes

Leia mais

Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha. (Recomendação CRUP)

Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha. (Recomendação CRUP) Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha (Recomendação CRUP) Na sequência da Recomendação do CRUP relativa à aquisição do grau de mestre pelos licenciados Pré-Bolonha,

Leia mais

Critérios de seleção para a contratação de técnicos especializados - Psicólogo

Critérios de seleção para a contratação de técnicos especializados - Psicólogo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VALE TAMEL Sede: Escola Básica e Secundária Vale Tamel Critérios de seleção para a contratação de técnicos especializados - Psicólogo 2015/2016 Decreto-Lei nº 83-A/2014 de 23 de

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO FISCAL. (Aprovado pelo Conselho Científico em reunião de 7 de março de 2012)

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO FISCAL. (Aprovado pelo Conselho Científico em reunião de 7 de março de 2012) REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO FISCAL (Aprovado pelo Conselho Científico em reunião de 7 de março de 2012) FEVEREIRO - 2012 ÍNDICE CAPÍTULO I ÁREA CIENTÍFICA, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM BIOMECÂNICA. (edição 2010 2012)

EDITAL MESTRADO EM BIOMECÂNICA. (edição 2010 2012) EDITAL MESTRADO EM BIOMECÂNICA (edição 2010 2012) Nos termos do Decreto Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto Lei n.º

Leia mais

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos.

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos. PEDIDOS DE EQUIPARAÇÃO OU EQUIVALÊNCIA AOS NOVOS PLANOS DE ESTUDO E TÍTULOS ACADÉMICOS EM TEOLOGIA E CIÊNCIAS RELIGIOSAS 1. Cursos Básicos de Teologia O Mapa em anexo ao Despacho Normativo n.º 6-A/90,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO. Click aqui para se candidatar

REGULAMENTO DO CONCURSO. Click aqui para se candidatar REGULAMENTO DO CONCURSO Click aqui para se candidatar Recrutamento para a Administração Pública A Administração Pública pretende recrutar 1 (um) Técnico Nível I com licenciaturas em Engenharia Informática,

Leia mais

TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Nos termos do artigo 10.º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior aprovado

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO,

REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO, Considerando o disposto da alínea f), do n.º 1, do art. 62.º, dos Estatutos do Instituto Politécnico de Leiria; Com vista a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26º do Decreto-Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE DOCENTES ESPECIALMENTE CONTRATADOS EM REGIME CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS

PROJECTO DE REGULAMENTO INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE DOCENTES ESPECIALMENTE CONTRATADOS EM REGIME CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS PROJECTO DE REGULAMENTO INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE DOCENTES ESPECIALMENTE CONTRATADOS EM REGIME CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento tem como objecto a definição

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE PROCEDIMENTO CONCURSAL

AVISO DE ABERTURA DE PROCEDIMENTO CONCURSAL AVISO DE ABERTURA DE PROCEDIMENTO CONCURSAL Concurso externo para o preenchimento de um (1) posto de trabalho, na categoria de Assistente Técnico, da carreira de Assistente Técnico, para exercer funções

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento do ciclo de estudos conducentes ao grau de mestre em Engenharia Química Artigo 1º - Âmbito --------------------------------------- 1) O presente Regulamento

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO DA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP)

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO DA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP) REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO DA ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO (ESAP) Conforme definido no nº 3 do Artigo 25º do Regulamento Geral dos Regimes de Reingresso

Leia mais

3. Estou a concluir a licenciatura, posso ser admitido (a) a concurso? 4. Estou a tirar a carta de condução, posso ser admitido (a) a concurso?

3. Estou a concluir a licenciatura, posso ser admitido (a) a concurso? 4. Estou a tirar a carta de condução, posso ser admitido (a) a concurso? 1. Quando termina o prazo de candidaturas No dia 13 de abril de 2015 (inclusive) 2. Quais são os requisitos de candidatura? De acordo com o indicado no nº 5, do aviso de abertura do concurso, o candidato

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO Nº 14/2007

MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO Nº 14/2007 REGULAMENTO Nº 14/2007 Regulamento Interno de Recrutamento e Selecção de Pessoal em Regime de Contrato Individual de Trabalho da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira INTRODUÇÃO O objectivo do presente

Leia mais

Viana do Castelo, de março de O Presidente do IPVC. Rui Alberto Martins Teixeira. Página 1 de 8

Viana do Castelo, de março de O Presidente do IPVC. Rui Alberto Martins Teixeira. Página 1 de 8 Despacho IPVC-P /2016 REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DOS CURSOS SUPERIORES DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO DOS MAIORES DE

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP) ministrados

Leia mais

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento define o regime de estágios curriculares aplicável aos cursos: a) De Especialização Tecnológica; b) De Licenciatura;

Leia mais

Escrita Didática Títulos Entrevista

Escrita Didática Títulos Entrevista MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS EDITAL Nº 019/2009-PRORH CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROFESSOR DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO DE

Leia mais

MESTRADO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA Edição

MESTRADO EM AGRICULTURA BIOLÓGICA Edição INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL (EDIÇÃO 2016-2018) Nos termos do Decreto-Lei nº42/2005, de 22 de fevereiro e do Decreto-Lei nº74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA

RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Código da publicitação do procedimento Indicar o número do aviso publicado no Diário da República ou o número do código da oferta de emprego

Leia mais

LEI Nº 8.460, DE 17 DE SETEMBRO DE 1992. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 8.460, DE 17 DE SETEMBRO DE 1992. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI Nº 8.460, DE 17 DE SETEMBRO DE 1992. Mensagem de veto Texto compilado Concede antecipação de reajuste de vencimentos e de soldos dos servidores civis e militares do Poder Executivo e dá outras providências.

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

M U N I C Í P I O D E M E A L H A D A C Â M A R A M U N I C I P A L PROCEDIMENTO CONCURSAL ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

M U N I C Í P I O D E M E A L H A D A C Â M A R A M U N I C I P A L PROCEDIMENTO CONCURSAL ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR PROCEDIMENTO CONCURSAL ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Para os devidos efeito torna-se público que se encontra aberto procedimento concursal com vista à constituição de relação jurídica de emprego

Leia mais

DESP. 52/SESS/90 DE 16 DE JULHO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA SOCIAL

DESP. 52/SESS/90 DE 16 DE JULHO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA SOCIAL Anterior DESP. 52/SESS/90 DE 16 DE JULHO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA SOCIAL No âmbito da acção social exercida pelo sistema de segurança social, o Dec.- Lei 18/89, de 11-1, definiu, num quadro

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação

Secretaria Municipal de Educação EDITAL SME 001/2016 DISPÕE SOBRE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFISSIONAIS DA ÁREA DE EDUCAÇÃO, COM VISTAS AO PREENCHIMENTO MEDIANTE CONTRATO POR PRAZO DETERMINADO, DE VAGA PARA O CARGO DE NUTRICIONISTA.

Leia mais

3. Condições de ingresso

3. Condições de ingresso EDITAL Concurso institucional aos Cursos Técnicos Superiores Profissionais em «Intervenção Social e Comunitária» e em «Comunicação Digital» para o ano letivo de 2016/2017 Cumprindo o previsto no n.º 1

Leia mais

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa.

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa. Artigo 1º Objetivo e âmbito de aplicação O presente regulamento tem como objetivo dar cumprimento ao artigo 14º do Decreto-Lei nº 36/2014, de 10 março e aplica-se exclusivamente aos estudantes internacionais

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento CARACTERIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO Código de candidato A preencher pela entidade

Leia mais

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III Colégio de Pós Graduações Regulamento do Mestrado em Psicologia Clínica Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF) confere o grau de Mestre em Psicologia Clínica. Artigo 2º Objectivos Gerais

Leia mais

AVISO. 1. Data e autor do ato de autorização de abertura do procedimento:

AVISO. 1. Data e autor do ato de autorização de abertura do procedimento: AVISO ESTRUTURA DE COORDENAÇÃO DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO NO REINO UNIDO E ILHAS DO CANAL (Abertura de procedimento concursal simplificado destinado ao recrutamento local de docentes do ensino

Leia mais

AAC1/2016 GABINETE DO COMANDO. Aviso Abertura Concurso N.º 1/2016. Data Páginas 26/10/ / 6

AAC1/2016 GABINETE DO COMANDO. Aviso Abertura Concurso N.º 1/2016. Data Páginas 26/10/ / 6 26/10/2016 1 / 6 Gilberto Manuel Salgado Baptista Gonçalves, Comandante do Corpo de Bombeiros faz público, que se encontra aberto o de Ingresso na Categoria de Estagiário da Carreira de Bombeiro Voluntário

Leia mais

(Unidade Disciplina Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS DIREÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA. Aviso

(Unidade Disciplina Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS DIREÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA. Aviso que está aberto o Concurso Público para a ocupação de lugares vagos na Direção das Alfândegas, nomeadamente: 2 Vagas Verificador Superior de 3ª classe 5 Vagas Verificador Adjunto de 3ª classe a assinatura

Leia mais

Detalhe de Oferta de Emprego

Detalhe de Oferta de Emprego Detalhe de Oferta de Emprego Caracterização da Oferta Requisitos de Admissão Código da Oferta: OE201602/0127 Tipo Oferta: Concurso Externo Estado: Activa Nível Orgânico: Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

AVISO Nº 11/2009 PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONTRATAÇÃO

AVISO Nº 11/2009 PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONTRATAÇÃO Câmara Municipal Sector de Recrutamento e Selecção AVISO Nº 11/2009 PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONTRATAÇÃO DE QUATRO ASSISTENTES OPERACIONAIS, NO REGIME DE CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO A TERMO

Leia mais

REF.ª 24/2017_DRPD_ASA

REF.ª 24/2017_DRPD_ASA REF.ª 24/2017_DRPD_ASA RECRUTAMENTO DE UM TRABALHADOR PARA A CARREIRA DE ASSISTENTE ADMINISTRATIVO PARA O DEPARTAMENTO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E DOCUMENTAIS A Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC)

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 1136 Diário da República, 1.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2008 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Assembleia Legislativa Decreto Legislativo Regional n.º 5/2008/M Altera a orgânica da Inspecção Regional das

Leia mais

7 - Prazo de validade O procedimento, nos termos do artigo 4º do Decreto-Lei n.º 212/2009, de 3 de setembro, com as alterações introduzidas pelo

7 - Prazo de validade O procedimento, nos termos do artigo 4º do Decreto-Lei n.º 212/2009, de 3 de setembro, com as alterações introduzidas pelo ANÚNCIO Abertura de procedimento concursal para constituição de relação jurídica de emprego público por tempo determinado, a tempo integral ou parcial, tendo em vista a ocupação 380 postos de trabalho

Leia mais

HASTA PÚBLICA PROGRAMA DO CONCURSO

HASTA PÚBLICA PROGRAMA DO CONCURSO HASTA PÚBLICA CONCURSO POR HASTA PÚBLICA PARA ATRIBUIÇÃO DA CONCESSÃO DE 4 LOJAS COMERCIAIS E 6 ESPAÇOS DE VENDA EXISTENTES NO PISO INFERIOR DO MERCADO MUNICIPAL DE ESPINHO PROGRAMA DO CONCURSO ARTIGO

Leia mais

AVISO. O presente Aviso é composto pelos seguintes capítulos: Capítulo I - Natureza do concurso

AVISO. O presente Aviso é composto pelos seguintes capítulos: Capítulo I - Natureza do concurso AVISO Nos termos dos n.ºs 1 e 2 do artigo 30º do Decreto-Lei n.º 104/2008, de 24 de Junho, e do n.º 1 do artigo 12.º do Decreto-Lei n.º 200/2007, de 22 de Maio, torna-se público que, através do Despacho

Leia mais

RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA

RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA RH PROCEDIMENTO CONCURSAL/CANDIDATURA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Código da publicitação do procedimento Indicar o número do aviso publicado no Diário da República ou o número do código da oferta de emprego

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DO ESTAGIÁRIO JULHO 2015 abatista@fatecbt.edu.br 03 a 14/08/2015 Matrícula de Estágio Supervisionado para os alunos que não constam no SIGA. 03 a 14/08/2015 Confirmação da

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO CONCURSO EXTERNO DE INGRESSO

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO CONCURSO EXTERNO DE INGRESSO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO CONCURSO EXTERNO DE INGRESSO CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato OE201404/0223 CARACTERIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado do Centro Social Paroquial de Pinhal Novo

Regulamento Interno do Voluntariado do Centro Social Paroquial de Pinhal Novo Regulamento Interno do Voluntariado do Centro Social Paroquial de Pinhal Novo Preâmbulo O Centro Social Paroquial de Pinhal Novo é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que tem por objetivos

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA. 2014Jul29. Documento. Data. Conselho Pedagógico. Científico.

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA. 2014Jul29. Documento. Data. Conselho Pedagógico. Científico. Documento Data Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA 2014Jul29 Conselho Pedagógico Conselho Científico Conselho Direção Técnico- de REVISÃO DO DOCUMENTO Versão Alteração Por Data

Leia mais

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS-TRANSPORTES EM TÁXI

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS-TRANSPORTES EM TÁXI REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS-TRANSPORTES EM TÁXI 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se

Leia mais

Câmara Municipal de Mealhada

Câmara Municipal de Mealhada Câmara Municipal de Mealhada Normas de funcionamento dos serviços da Componente de Apoio à Família nos Estabelecimentos de Educação Pré-Escolar do Município da Mealhada NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA Considerando - Que a Educação é um direito de todos, cabendo ao Estado promover a sua democratização, bem como as condições

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS

PROJETO DE REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS PROJETO DE REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS 2014 1 CAPÍTULO I - ÂMBITO Art.º 1.º (ÂMBITO) O presente Regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos Técnicos Superiores

Leia mais

TPG PDIit(tflieO di, Gtmrda

TPG PDIit(tflieO di, Gtmrda TPG PDIit(tflieO di, Gtmrda 71 EDITAL INSTITUTO POLITÉCNICO DA GUARDA CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR EDIÇÃO 2017/2018 Constantino Mendes Rei, Presidente do Instituto Politécnico

Leia mais

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO O Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março, procedeu à criação de um tipo de formação

Leia mais

h) Ter a primeira classe comportamento, caso tenha cumprido o serviço militar obrigatório. Artigo 6º DOCUMENTOS PARA ADMISSÃO AOS CONCURSOS Os candida

h) Ter a primeira classe comportamento, caso tenha cumprido o serviço militar obrigatório. Artigo 6º DOCUMENTOS PARA ADMISSÃO AOS CONCURSOS Os candida REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO INTERIOR POLÍCIA NACIONAL DIRECÇÃO NACIONAL DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO SOBRE CONCURSO0S, CURSOS DE FORMAÇÃO E PROMOÇÃO DO PESSOAL MILITARIZADO DA POLÍCIA NACIONAL

Leia mais

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso A Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) e a Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho (EEGUM), através do seu Departamento de Economia,

Leia mais

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos e do Concurso Especial dos Estudantes

Leia mais

REF.ª 6/2017_LE_TSP RECRUTAMENTO DE UM TRABALHADOR PARA A CARREIRA DE TÉCNICO SUPERIOR PARA O DEPARTAMENTO DE LICENCIAMENTO DE EMPRESAS

REF.ª 6/2017_LE_TSP RECRUTAMENTO DE UM TRABALHADOR PARA A CARREIRA DE TÉCNICO SUPERIOR PARA O DEPARTAMENTO DE LICENCIAMENTO DE EMPRESAS REF.ª 6/2017_LE_TSP RECRUTAMENTO DE UM TRABALHADOR PARA A CARREIRA DE TÉCNICO SUPERIOR PARA O DEPARTAMENTO DE LICENCIAMENTO DE EMPRESAS A Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) pretende recrutar 1

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código da publicitação do procedimento Código de candidato 206 490 688 CARACTERIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO Carreira

Leia mais

(Não dispensa a consulta do Diário da República)

(Não dispensa a consulta do Diário da República) (Não dispensa a consulta do Diário da República) Lei n.º 2/2008, de 14 de janeiro (versão atualizada) REGULA O INGRESSO NAS MAGISTRATURAS, A FORMAÇÃO DE MAGISTRADOS E A NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

Leia mais

Edital. Ref. 484.5/2016 Pág. 1/5

Edital. Ref. 484.5/2016 Pág. 1/5 Universidade de Évora Universidade Nova de Lisboa - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Universidade de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Poĺıticas Universidade de Lisboa - Instituto

Leia mais

Embaixada de Portugal Tripoli

Embaixada de Portugal Tripoli ANEXO I AVISO DE ABERTURA Concurso Externo para o recrutamento de 1 (um) lugar de ASSISTENTE ADMINISTRATIVO do Quadro Único de Contratação dos Serviços Externos do Ministério dos Negócios Estrangeiros,

Leia mais

Plano de Carreira Docente do Centro de Ensino Superior de São Gotardo

Plano de Carreira Docente do Centro de Ensino Superior de São Gotardo Plano de Carreira Docente do Centro de Ensino Superior de São Gotardo Título I Disposições Preliminares Art. 1 o - O Centro de Ensino Superior de São Gotardo - CESG, entidade mantenedora da Faculdade de

Leia mais

UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DO NORTE ALENTEJANO, EPE AVISO

UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DO NORTE ALENTEJANO, EPE AVISO UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DO NORTE ALENTEJANO, EPE AVISO Procedimento concursal para constituição de reserva de recrutamento com vista à posterior celebração de Contrato Individual de Trabalho sem Termo para

Leia mais

Concursos Especiais para Estudantes Internacionais Guia de Acesso - Ano Lectivo

Concursos Especiais para Estudantes Internacionais Guia de Acesso - Ano Lectivo De acordo com o estipulado no Regulamento do concurso especial de acesso e ingresso do estudante internacional a ciclos de estudo de licenciatura na Universidade de Atlântica, e no cumprimento do Decreto-Lei

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Gabinete do Reitor REGULAMENTO DO ESTATUTO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR A Universidade da Beira Interior (UBI) pretende implementar uma política ativa de atração e acolhimento de estudantes

Leia mais

DESPACHO N.º 2 / DGRHE / 2008

DESPACHO N.º 2 / DGRHE / 2008 DESPACHO N.º 2 / DGRHE / 2008 1. Nos termos dos n.ºs 1 e 2 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 104/2008, de 24 de Junho, do n.º 1 do artigo 5º do Decreto-Lei n.º 200/2007, de 22 de Maio, do n.º 2 do artigo

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO PROCEDIMENTO CONCURSAL CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Código de publicitação do procedimento Código de candidato (A preencher pela entidade empregadora) CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

EMBAIXADA DE PORTUGAL EM WINDHOEK AVISO DE ABERTURA DE PROCEDIMENTO CONCURSAL

EMBAIXADA DE PORTUGAL EM WINDHOEK AVISO DE ABERTURA DE PROCEDIMENTO CONCURSAL AVISO DE ABERTURA DE PROCEDIMENTO CONCURSAL Concurso externo para o preenchimento de um (1) posto de trabalho, na categoria de Assistente Técnico, para exercer funções na Embaixada de Portugal em Windhoek.

Leia mais

Diploma DRE. Capítulo I. Objecto e âmbito. Artigo 1.º. Objecto

Diploma DRE. Capítulo I. Objecto e âmbito. Artigo 1.º. Objecto Diploma Regulamenta as provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior dos maiores de 23 anos, previstas no n.º 5 do artigo 12.º da Lei n.º 46/86,

Leia mais

REGULAMENTO APLICÁVEL AOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO

REGULAMENTO APLICÁVEL AOS REGIMES DE REINGRESSO E DE MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO I Âmbito e disposições comuns 1. O presente regulamento estabelece as normas do IPSN para os regimes de reingresso e de mudança de par instituição/curso, previstos na Portaria n.º 181-D/2015, de 19-06.

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL (EDIÇÃO 2016-2018) Nos termos do Decreto-Lei nº42/2005, de 22 de fevereiro e do Decreto-Lei nº74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

AVISO N.º 5/2015 ESTÁGIOS PEPAL, 5.ª EDIÇÃO

AVISO N.º 5/2015 ESTÁGIOS PEPAL, 5.ª EDIÇÃO AVISO N.º 5/205 ESTÁGIOS PEPAL, 5.ª EDIÇÃO Torna-se público, nos termos e para os efeitos do n.º do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 66/204, de 6 de novembro conjugado com o artigo 3.9 da Portaria n.º 254/204,

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

GABINETE DO MINISTRO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DESPACHO Nos termos do artigo 25.º do Decreto-Lei n.º 113/2014, de 16 de julho, a soma das vagas para ingresso nos ciclos de estudos de licenciatura e integrados de mestrado em cada par instituição/ciclo

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 155/IX ALTERAÇÃO DO QUADRO E NORMAS DE ADMISSÃO E PROVIMENTO DO PESSOAL DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 155/IX ALTERAÇÃO DO QUADRO E NORMAS DE ADMISSÃO E PROVIMENTO DO PESSOAL DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 155/IX ALTERAÇÃO DO QUADRO E NORMAS DE ADMISSÃO E PROVIMENTO DO PESSOAL DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA A Assembleia da República, nos termos do n.º 5 do artigo 166.º da Constituição

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Cláusula 1ª Área de especialização A Universidade do Porto, através da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE, ESPECIALMENTE CONTRATADO, AO ABRIGO DO ARTIGO 8.º DO ECPDESP DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE, ESPECIALMENTE CONTRATADO, AO ABRIGO DO ARTIGO 8.º DO ECPDESP DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE, ESPECIALMENTE CONTRATADO, AO ABRIGO DO ARTIGO 8.º DO ECPDESP DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO ARTIGO 1.º PESSOAL ESPECIALMENTE CONTRATADO 1. Podem ser contratados

Leia mais

Colégio de Procuradores de Justiça

Colégio de Procuradores de Justiça RESOLUÇÃO nº 003/2009/CPJ Colégio de Procuradores de Justiça Institui e regulamenta o serviço de voluntários no âmbito do Ministério Público do Estado do Tocantins. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA,

Leia mais

U LISBOA. Despacho D-5/2016. Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais. Ano letivo 2016/2017

U LISBOA. Despacho D-5/2016. Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais. Ano letivo 2016/2017 U LISBOA (DIRETOR] Despacho D-5/2016 Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais Ano letivo 2016/2017 Considerando o Decreto-Lei n.2 36/2014, de 10 de março, que aprov o Estatuto

Leia mais

Direção Regional de Educação do Norte Aviso

Direção Regional de Educação do Norte Aviso Direção Regional de Educação do Norte Aviso ABERTURA DE CONCURSO DE ASSISTENTEs OPERACIONAIS A TERMO RESOLUTIVO CERTO E A TEMPO PARCIAL A Escola Secundária de Alberto Sampaio torna público que se encontra

Leia mais

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho 2ª Versão ( )

Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho 2ª Versão ( ) (PREÂMBULO) Proposta de decreto-lei que altera o DL n.º 132/2012, de 27 de junho 2ª Versão (12.03.2014) Artigo 1.º Objeto O presente diploma procede à alteração do Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho.

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 02, DE 26 DE JANEIRO DE 2012.

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 02, DE 26 DE JANEIRO DE 2012. AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO - PRONATEC A Diretora de Desenvolvimento do Ensino, no exercício da Direção Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus Timon, no uso de

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR

REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR Artigo 1º Princípio da legalidade regulamentar Ao abrigo do Decreto-Lei n.º 22/2014 que define o novo Regime Jurídico da

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA E A ESCOLA NAVAL Considerando que, com a publicação da Portaria n.162/99, de 10 de Março, a Escola Naval passou a ser responsável

Leia mais

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República

Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Carreiras e Quadros de Pessoal dos Serviços da Assembleia da República Resolução da Assembleia da República n.º 8/98, de 18 de Março 1, (Declaração de Rectificação n.º 11/98, de 8 de Junho) com as alterações

Leia mais

Foram observados os procedimentos decorrentes da Lei n.º 23/98, de 26 de Maio. Artigo 1.º Objecto

Foram observados os procedimentos decorrentes da Lei n.º 23/98, de 26 de Maio. Artigo 1.º Objecto ( ) Foram observados os procedimentos decorrentes da Lei n.º 23/98, de 26 de Maio. Assim: Ao abrigo do disposto no artigo 101º da Lei 12-A/2008, de 27 de Fevereiro, e nos termos da alínea a) do n.º 1 do

Leia mais

Licenciatura em Fotografia

Licenciatura em Fotografia Câmara Municipal Sector de Recrutamento e Selecção AVISO Nº 37/2009 PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONTRATAÇÃO DE UM TÉCNICO SUPERIOR NO REGIME DE CONTRATO INDIVDUAL DE TRABALHO POR TEMPO INDETERMINADO

Leia mais

Ministério da Saúde. Centro Hospitalar do Baixo Vouga, EPE. (CHBV, EPE) AVISO PROCEDIMENTO CONCURSAL PARA RECRUTAMENTO DE AUDITOR INTERNO

Ministério da Saúde. Centro Hospitalar do Baixo Vouga, EPE. (CHBV, EPE) AVISO PROCEDIMENTO CONCURSAL PARA RECRUTAMENTO DE AUDITOR INTERNO AVISO PROCEDIMENTO CONCURSAL PARA RECRUTAMENTO DE AUDITOR INTERNO 1. Em cumprimento da deliberação do Conselho de Administração de 30 de agosto de 2016, faz-se público que se encontra aberto até às 16:00

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO REGULAMENTO DE CARTOGRAFIA. I Parte Âmbito e competências

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO REGULAMENTO DE CARTOGRAFIA. I Parte Âmbito e competências FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE ORIENTAÇÃO REGULAMENTO DE CARTOGRAFIA I Parte Âmbito e competências Art.º 1.º (Âmbito) Nos termos do art.º 49.º, alínea p), dos Estatutos da FPO, são aprovadas as presentes normas,

Leia mais

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS - TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS - TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS - TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO Preâmbulo Em 28 de Novembro de 1995 foi publicado o Decreto-Lei

Leia mais

REF.ª 22/2017_DRH_ASA RECRUTAMENTO DE UM TRABALHADOR PARA A CARREIRA DE ASSISTENTE ADMINISTRATIVO PARA O DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS

REF.ª 22/2017_DRH_ASA RECRUTAMENTO DE UM TRABALHADOR PARA A CARREIRA DE ASSISTENTE ADMINISTRATIVO PARA O DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REF.ª 22/2017_DRH_ASA RECRUTAMENTO DE UM TRABALHADOR PARA A CARREIRA DE ASSISTENTE ADMINISTRATIVO PARA O DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS A Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) pretende recrutar

Leia mais