A RELEVÂNCIA DE TEMAS GERADORES ALIADOS AO ENSINO DE QUÍMICA: BELEZA, SAÚDE E UTILIZAÇÃO DE FORMOL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RELEVÂNCIA DE TEMAS GERADORES ALIADOS AO ENSINO DE QUÍMICA: BELEZA, SAÚDE E UTILIZAÇÃO DE FORMOL"

Transcrição

1 1 A RELEVÂNCIA DE TEMAS GERADORES ALIADOS AO ENSINO DE QUÍMICA: BELEZA, SAÚDE E UTILIZAÇÃO DE FORMOL Gezyel Barbosa de Aquino Éverton da Paz Santos Elber Ricardo Alves dos Santos GT1- Espaços educativos, currículos e formação docente (saberes e práticas). RESUMO A utilização de temas geradores aliados ao ensino de Química constitui-se como uma viável alternativa à otimização do processo educativo, uma vez que torna a química mais aplicável. Neste trabalho, sugere-se a abordagem temática a respeito da beleza e o uso de Formol como alisante de cabelos, sendo elucidados os problemas que este produto pode causar aos seres humanos, como forma de promover a contextualização dos conceitos químicos. Também é estruturado um modelo de cronograma para a realização das atividades em sala de aula, bem como sugestões de atividades extraclasse e textos base para a discussão da temática. Palavras chave: Interdisciplinaridade. Ensino aprendizagem. Beleza. RESUMEN El uso de temas generadores combinados con la enseñanza de la química se estableció como una alternativa viable para optimizar la educación, ya que hace que la química más aplicables. En este trabajo, se sugiere el enfoque temático de la belleza y el uso de formaldehído como alisar el pelo, y se aclaran los problemas que este producto puede causar a los seres humanos como un recurso para contextualizar el contenido de la química. También se estructuró un programa modelo para la realización de actividades en el aula así como sugerencias para actividades extracurriculares y los textos de base para la discusión del tema. Palabras - clave: Interdisciplinariedad. Enseñanza-aprendizaje. Belleza. Graduando do Curso de licenciatura em Química da Faculdade Pio Décimo. Graduando do Curso de licenciatura em Química da Faculdade Pio Décimo. Graduando do Curso de licenciatura em Química da Faculdade Pio Décimo.

2 2 1 INTRODUÇÃO Atualmente, tem se ouvido falar que a educação está passando por um período de reflexão, na qual tem se questionado a necessidade de repensar a atual prática docente aplicada em sala de aula, a fim de que os conteúdos sejam abordados de uma maneira que promova uma aprendizagem significativa. A interdisciplinaridade, diante desse contexto, é apresentada como uma ferramenta educacional imprescindível às mudanças inerentes ao processo de reflexão, no qual, professores de diferentes disciplinas estão sujeitos a trocarem informações e buscarem maior conhecimento em diversos campos do saber, interconectando-os e consolidando-os. Contudo, o processo de mudança e adaptação a essa ferramenta é árduo e de difícil efetivação, uma vez que, o professor deve estar disposto a se dedicar (estudando e se atualizando cada vez mais), deve ser humilde para buscar informações, reaprender a ensinar e romper com o atual paradigma da educação. Essa postura, entretanto, requer que o educador abdique de métodos tradicionais e convenientes a si e transforme as aulas em um espaço propício à interação e integração dos conhecimentos, no qual, as aulas são aplicadas baseadas em diálogos claros e específicos, que priorizem a importância do aluno no processo educativo e promova a aprendizagem e não somente a retenção dos conhecimentos. Partindo desse pressuposto, não é mais aceitável um ensino departamentalizado (disciplinar), porém, faz-se mister a organização de uma prática educativa que preconize novas formas de ensinar, na qual, as disciplinas estejam conectadas e possibilitem a formação de um aprendizado real acerca de abordagens diversas (interdisciplinar) e, sobretudo, a formação de significados. O projeto interdisciplinar objetiva despertar o interesse por temas relacionados à Química e contribui para que os educandos percebam as aplicações dessa Ciência em seu cotidiano. Quanto mais o ensino da Química se aproxima da realidade dos alunos, maiores são as possibilidades de se interessarem pelo tema

3 3 em estudo. O conhecimento mais próximo da vivência e do interesse de cada um é um importante ponto de partida para que as dificuldades no processo de abstração do conhecimento sejam atenuadas. Dessa forma, a temática dos cosméticos pode ser uma alternativa viável à construção de um projeto interdisciplinar, uma vez que existe uma preocupação constante da população no que diz respeito à qualidade de vida, no tocante à beleza e do bem estar. Além disso, observa-se uma variedade de cosméticos encontrados no cotidiano de todas as pessoas independente de classe social, região ou cultura. Os mais conhecidos são: esmaltes, xampus, maquiagens, cremes para a pele e cabelos etc. Contudo os consumidores não possuem conhecimento suficientemente necessário acerca dos danos que os produtos de beleza podem causar à saúde humana. Neste contexto o formol aparece como o grande causador de irritação na pele de forma subcutânea e nos olhos, sendo considerado por órgãos como o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) como uma substância potencialmente cancerígena. Outro fator relevante é o desenvolvimento tecnológico e investimento nas indústrias de cosméticos, numa produção de grande escala, a fim de oferecer melhores produtos para todos os segmentos sociais; oferecendo também oportunidades de emprego, com impacto diretamente na economia do país e do mundo (GALEMBECK E CSORDAS, 2010). Acredita-se que a produção de cosméticos e sua comercialização industrial e artesanal, tem gerado perspectivas de crescimento bem como envolvimento de vários profissionais da química e de outras áreas. Assim, este projeto objetiva apresentar uma metodologia capaz de despertar o interesse pelo estudo da Química por parte dos alunos através do uso do tema gerador Beleza, de modo a promover o conhecimento dos riscos e problemas à saúde quanto à utilização do formol em produtos de alisamento capilar, levando em consideração o que é regulamentado pela ANVISA, fazendo uma correlação da Química com diversas disciplinas como a História, o Inglês, a Matemática e a Biologia.

4 4 2 METODOLOGIA Neste trabalho, sugere-se a abordagem temática a respeito da beleza e o uso de Formol como alisante de cabelos, sendo elucidados os problemas que este produto pode causar aos seres humanos. Isso será realizado mediante discussão de textos que abordem a utilização de produtos para alisamento contendo formol e jogo didático. Discorre-se sobre a necessidade de realizar prática pedagógica baseada nos eixos norteadores estabelecidos pelos PCN s (Parâmetros Curriculares Nacionais) a contextualização e a interdisciplinaridade possibilitando questionamentos e indagações que, por conseguinte, otimizem o processo educativo, levando os estudantes a uma compreensão crítica, baseada em princípios da química, acerca de aspectos sociais como é o caso do emprego do formol na composição de alisantes de cabelos. Também foi esquematizado um cronograma de atividades para que seja abordado o conteúdo em questão, levando-se em consideração todas as conexões que esta temática abrange ou pode abranger, a fim de que seja realizada uma prática interdisciplinar bem estruturada. 3 DISCUSSÃO 3.1 O CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA DE BELEZA E A EDUCAÇÃO QUÍMICA De acordo com os PCN s (Brasil, 1999) o Ensino de Química deve possibilitar ao aluno a compreensão tanto de processos químicos em si, quanto da construção de um conhecimento científico em estreita relação com as aplicações tecnológicas e suas implicações ambientais, sociais e econômicas.

5 5 A "Industria de Beleza" vem crescendo de modo discreto e rápido. No Brasil, a obsessão pela imagem e aparência vem sendo cada vez mais abrangente, ganhou uma conotação de viver bem, autoestima e sucesso na sociedade contemporânea. No fim dessa mesma década, segundo 1 Featherstone (1993), sob o impacto das indústrias de cosmético, da moda, da publicidade e de Hollywood, mulheres aderem ao uso de maquiagens e passam a valorizar o corpo magro. Como consequência surge a dieta como forma de controle pessoal do peso e a necessidade das pessoas tomarem para si a responsabilidade de desenhar o seu próprio corpo. [ ] A partir de 1950, surgem as férias remuneradas e o acesso às praias foi uma nova opção de férias de verão ao proletariado, em que a exposição do corpo exige novos padrões de beleza. No fim da Segunda Guerra, o aparecimento da tevê e da publicidade traz mudanças consideráveis nos comportamentos e hábitos no que diz respeito ao cuidado com o corpo, higiene, saúde e beleza (KNOPP, 2008, p. 02) Então, é perceptível a crescente preocupação da população quanto à beleza, principalmente entre os adolescentes e o público feminino, tornando-se um cenário de várias discussões quanto ao uso de produtos que promovam uma melhor aparência e bem estar. Dentre estes produtos, podem-se destacar: relaxantes e colorações (transformação capilar), cremes faciais e capilares (como tratamentos e maquiagens), os quais apresentam grandes procuras e investimentos. Em contra partida, grande parte dos consumidores não tem conhecimento sobre os impactos que o corpo é submetido, bem como alguns componentes químicos presentes nos cosméticos que podem ser agentes nocivos à saúde, causando irritações, alergias ou até mesmo a morte, por exemplo, o formol ou formaldeído. A educação química, por sua vez, está diretamente relacionada a este aspecto, no sentido de contribuir para o desenvolvimento de competências e habilidades através de conteúdos que possam ser contextualizados e discutidos em sala de aula, contribuindo de forma significativa ao processo de aprendizagem dos alunos, além de promover à conscientização acerca de aspectos sociais que poderiam comprometer a saúde e o bem estar da população em geral, atuando, desse modo, na formação de cidadãos cientes de sua importância na sociedade em que se inserem. 1 FEATHERSTONE, M. Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel, 1995.

6 POR QUE TRABALHAR COM ESSE TIPO DE PESQUISA? A falta de orientação sobre os danos ocasionados ao corpo humano devido à utilização do formol em alisamentos capilares é um problema que tem sido bastante discutido entre os consumidores e profissionais da saúde, uma vez que as discussões e regulamentações efetuadas pela ANVISA não tem causado grande impacto quanto à suspensão do uso desses produtos, muitas vezes devido à fraca fiscalização realizada por órgãos como esse. É importante ressaltar que muitas pessoas tem dificuldade em ler os rótulos desses produtos, os quais não possuem informações suficientes, ou as possui, contudo, de forma obscura, pelo fato de não ser devidamente regulamentado, quanto à presença dessa substância potencialmente cancerígena. Muito se tem comentado sobre uma abordagem contextualizada e interdisciplinar, no ensino de química e de outras ciências, assim como há uma série de pesquisas relacionadas a esses dois eixos, porém observa-se que, na prática, os alunos ainda apresentam dificuldades em entender certos conteúdos de química, bem como que há a necessidade que sejam realizadas aulas expositivas que possam motivar os alunos na busca de novos conhecimentos. Dessa forma, a sugestão de estratégias, tais qual o uso do tema Beleza como recurso que colabora no processo de ensino-aprendizagem, implica em promover a compreensão tanto dos processos químicos em si, quanto da construção de um conhecimento científico voltado para o cotidiano do aluno. Considera-se, então, que a execução do projeto com uma turma leve estudantes a perceberem a importância da Química no seu cotidiano, de modo que os conteúdos sejam mais facilmente assimilados e que a visão de uma matéria de difícil assimilação seja desmistificada.

7 7 3.3 ORGANIZAÇÃO DO PROJETO INTERDISCIPLINAR Propõe-se a realização de aulas contextualizadas, nas quais haverá a discussão dos conhecimentos Químicos através da abordagem de situações cotidianas. Nesse sentido, a real intenção da temática é instigar o interesse dos alunos promovendo a desmistificação da matéria como uma Ciência de difícil compreensão, inútil e desmotivadora. Para a realização das contextualizações, utilizar-se-ão textos que discutam sobre a legislação de produtos para alisamento com a presença de Formol como princípio ativo, retirados de fontes eletrônicas da ANVISA e Ministério da Saúde, e notícias sobre o emprego do formol e suas consequências na saúde humana, fazendo uma discussão sobre os conteúdos químicos, devidamente contextualizados e interligados com outros campos do saber. O projeto deverá ser realizado com uma turma de 3º ano do Ensino Médio, logo após a explicação sobre Funções Orgânicas. Considerando-se que a turma possui duas aulas semanais, no total de todas as etapas da execução, o projeto demandará o período de oito semanas (dois meses). Será dividido em quatro etapas básicas: 1ª Etapa: Revisão sobre as funções orgânicas já estudadas, dentre as quais será explanada, em especial, a função aldeído, de modo que os alunos possam relembrar conceitos ou definições referentes a esta função. 2ª Etapa: Levantamento de materiais como: Textos sobre o desenvolvimento dos cosméticos no Brasil e sua utilização e a importância dos cosméticos na economia brasileira e os riscos do emprego do formol no corpo humano.

8 8 Rótulos de produtos de alisamento com formol. Esses materiais servirão de embasamento para a próxima etapa do projeto, (jogo didático) no qual os discentes deverão elaborar argumentos sobre a utilização do Formol em produtos de alisamento dos cabelos. 3ª Etapa: Realização do Jogo Jure Químico com os alunos, no qual a turma será dividida entre dois grupos, aqueles que defendem o uso do Formol (Indústria, Cabeleireiros, etc) e os que condenam seu uso (Médicos, Ministério da Saúde e ANVISA). Alguns alunos participarão da equipe de Júri, na qual o professor será o Juíz e os demais serão outros jurados. Dessa forma, busca-se promover maior interação entre os alunos e os conteúdos da Química, de modo que todos os alunos participem de forma ativa e construam seu próprio conhecimento. Para a efetivação das primeiras 3 etapas do projeto com as devidas atividades, considera-se que 6 aulas (50 minutos de duração) sejam suficientes. Essas atividades serão realizadas no momento da aula. Deverá seguir o cronograma abaixo: Tabela 1: Cronograma de atividades para a realização da etapa inicial do projeto. Aula Atividade Duração 1ª Aula Explicação especial e particular sobre a função Aldeído 50 minutos 2 ª Aula Leitura e discussão de 2 textos referentes à temática. 50 minutos 3 ª e 4ª Aula Tempo reservado para que os alunos se organizem para o Júri Químico e esclareçam possíveis dúvidas. 100 minutos 5ª e 6ª Aula Aplicação do Jogo Júri Químico. 100 minutos

9 9 4ª Etapa: Realização de atividades extraclasse. Estas se encontram descritas no cronograma de ações (tabela 2) e deverão fazer parte do processo avaliativo dos estudantes. Essa etapa terá a duração de cinco semanas. Tabela 2: Atividades extraclasses a serem executadas a fim de consolidar os conhecimentos e gerar avaliação. Quando Ações Como 1ª semana Análise dos componentes presentes nos cosméticos encontrados na casa dos alunos. Verificar a presença de formol nos mesmos. Estudo de rótulos como atividade extraclasse, os alunos poderão consultar dicionário inglês/português. 2ª semana Análise histórica sobre a origem dos cosméticos e sua importância na vida humana. Pesquisas na internet, livros, revistas e jornais. 3ª semana Normatização da ANVISA com relação à concentração do formol em cosméticos. Pesquisas na internet, folhetos e reportagens. Consulta aos textos de base. 4ª semana Elaboração de gráficos e discussão sobre o consumo dos cosméticos no cotidiano dos alunos. Levantamento de investimento e quantidade de produtos cosméticos utilizados em casa. 5ª semana Interação entre alunos e comunidade (consumidores e cabeleireiros). Explicação sobre a ação do formol no corpo humano. Atividade observada pelo professor. Distribuição de panfletos no intuito de conscientizar a população. Se há predomínio da função lúdica, não há ensino, somente jogo. Se há predomínio da função educativa, não há jogo, somente material didático. O desafio é equilibrar as duas funções descritas (OLIVEIRA e SOARES, 2005 Pág. 01).

10 10 É importante ressaltar que as primeiras três etapas do projeto não deverão ser computadas no processo avaliativo, a fim de que o jogo não perca seu caráter lúdico e passe a ser um instrumento de avaliação. Por isso, pensou-se em realizar as atividades contidas na tabela 2. Essas deverão ser computadas e somadas à avaliação bimestral dos educandos. 4 CONCLUSÃO Considera-se que a prática docente deve estar focada no desenvolvimento cognitivo dos educandos. Desse modo, a busca por alternativas e recursos que tornem o processo de aprendizagem mais motivador, dinâmico e interessante são questões que o educador, seja ele de qualquer área, deve estar atento e disposto. A aplicação de um projeto interdisciplinar, nesse sentido, constitui-se como instrumento facilitador à educação química, uma vez que proporciona uma abordagem sobre temas sociais, atualizados, e observáveis no cotidiano, trazendo esta matéria, que muitas vezes é considerada distante da realidade e sem aplicabilidade prática, para próximo dos alunos. 5 REFERÊNCIAS BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnologia, Ministério da Educação. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. In: Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio. Brasília, GALEMBECK F. CSORDAS, Y. Cosméticos a Química da Beleza. Conteúdos Digitais de Química Museu virtual e Sala de Leitura. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO). Disponível em: <http://web.ccead.pucrio.br/condigital/mvsl/sala%20de%20leitura/conteudos/sl_cosmeticos.pdf>. Acesso em 05/11/2010.

11 11 Knopp, G. da C. A Influência da Mídia e da Indústria da Beleza na Cultura de Corpolatria e na Moral da Aparência na Sociedade Contemporânea. Artigo publicado nos anais do IV ENECULT- Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Salvador-Bahia, Maio, OLIVEIRA, A. S. de. SOARES, M. H. F. B. Júri químico e a discussão de conceitos químicos. Química Nova na Escola n 21, Maio 2005.

UTILIZAÇAO DO TEMA GERADOR DETERGENTES BIODEGRADÁVEIS COMO CONTRIBUIÇAO AO PROCESSO DE FORMAÇAO DE PROFESSORES

UTILIZAÇAO DO TEMA GERADOR DETERGENTES BIODEGRADÁVEIS COMO CONTRIBUIÇAO AO PROCESSO DE FORMAÇAO DE PROFESSORES 1 UTILIZAÇAO DO TEMA GERADOR DETERGENTES BIODEGRADÁVEIS COMO CONTRIBUIÇAO AO PROCESSO DE FORMAÇAO DE PROFESSORES Elber Ricardo Alves dos Santos * Gezyel Barbosa de Aquino ** Lenalda Dias dos Santos ***

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TEMAS SOCIAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA ABORDAGEM SOBRE OS PRODUTOS DE LIMPEZA NO ENSINO DE QUÍMICA. GT4- Práticas Investigativas

A UTILIZAÇÃO DE TEMAS SOCIAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA ABORDAGEM SOBRE OS PRODUTOS DE LIMPEZA NO ENSINO DE QUÍMICA. GT4- Práticas Investigativas 1 A UTILIZAÇÃO DE TEMAS SOCIAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA ABORDAGEM SOBRE OS PRODUTOS DE LIMPEZA NO ENSINO DE QUÍMICA GT4- Práticas Investigativas Éverton da Paz Santos * Josevânia Teixeira Guedes **

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINOAPRENDIZAGEM DE FUNÇÕES ORGÂNICAS ATRAVÉS DO TEMA GERADOR XAMPUS

OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINOAPRENDIZAGEM DE FUNÇÕES ORGÂNICAS ATRAVÉS DO TEMA GERADOR XAMPUS 1 OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINOAPRENDIZAGEM DE FUNÇÕES ORGÂNICAS ATRAVÉS DO TEMA GERADOR XAMPUS Gezyel Barbosa de Aquino Josevânia Teixeira Guedes ** Lenalda Dias dos Santos *** GT4- PRÁTICAS INVESTIGATIVAS.

Leia mais

A MOBILIDADE DO PROFESSOR NA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS ESCOLARES: O CASO DA FEIRA DAS NAÇÕES DO CENTRO EDUCACIONAL CRI ARTE EM ARACAJU-SE.

A MOBILIDADE DO PROFESSOR NA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS ESCOLARES: O CASO DA FEIRA DAS NAÇÕES DO CENTRO EDUCACIONAL CRI ARTE EM ARACAJU-SE. 1 A MOBILIDADE DO PROFESSOR NA ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS ESCOLARES: O CASO DA FEIRA DAS NAÇÕES DO CENTRO EDUCACIONAL CRI ARTE EM ARACAJU-SE. GT8 Espaços Educativos, Currículo e Formação Docente (Saberes e

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

Educación Estocástica La enseñanza y aprendizaje de la probabilidad y la estadística

Educación Estocástica La enseñanza y aprendizaje de la probabilidad y la estadística PROYECTOS DE APRENDIZAJE EN LA ENSEÑANZA DE LA ESTADÍSTICA Mauren Porciúncula y Suzi Pinto Universidade Federal do Rio Grande (Brasil) mauren@furg.br, suzisama@furg.br Para que el aprendizaje ocurra, es

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS Kelly Karina Cardoso (kkimica@hotmail.com) Eniz Conceição de Oliveira (eniz@univates.br) Marlise

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI JOÃO BATISTA ALVES DE SOUZA SIRLENE SOUZA BENEDITO VIRGENS

ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI JOÃO BATISTA ALVES DE SOUZA SIRLENE SOUZA BENEDITO VIRGENS ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI JOÃO BATISTA ALVES DE SOUZA SIRLENE SOUZA BENEDITO VIRGENS INTERATIVIDADE NA ESCOLA O USO DO APLICATIVO WHATSAPP COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE GEOGRAFIA DO ENSINO

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO

ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO ENSINO DA QUÍMICA NUCLEAR PARA ALUNOS DO 3º ANO MÉDIO Andeson Lisboa de Oliveira AZEVEDO 1, Kleyfton Soares da SILVA 2 1 Departamento de Química, Instituto Federal da Paraíba-IFPB, João Pessoa-PB. E-mail:

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Janete Jacinta Carrer Soppelsa UCS - jsopelsa@gmail.com Raquel

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação

EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL. PALAVRAS-CHAVE: educação pública, período integral, desafios, inovação EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: NOVOS DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL Fernanda Oliveira Fernandes 1 José Heleno Ferreira 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar reflexões acerca da educação integral

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ.

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. 223 3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. Andréia Bulaty 70 GT2: Mídia e Educação à Distância Modalidade: Pôster Resumo: O presente trabalho

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO E CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA NA MATRIZ CURRICULAR DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO

BIOCOMBUSTÍVEIS IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO E CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA NA MATRIZ CURRICULAR DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO 1 BIOCOMBUSTÍVEIS IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO E CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA NA MATRIZ CURRICULAR DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO Janelane de Jesus Santos * Elber Ricardo Alves dos Santos ** Alinne Oliveira Nunes ***

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES Eliana Rela 1 Karla Marques da Rocha 2 Marceli Behm Goulart 3 Marie Jane Soares Carvalho 4 RESUMO: É inadiável tentar

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657 TEMAS DE BIOLOGIA MAIS FREQUENTES NO PROCESSO SELETIVO SERIADO (PSS) DA UFPB E OS CONTEÚDOS DE ENSINO DE BIOLOGIA, SEGUNDO OS ORIENTADORES CURRICULARES Alessandro Tomaz Barbosa 1, Marsílvio Gonçalves Pereira

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Interdisciplinaridade, Contextualização, Educação Matemática.

PALAVRAS-CHAVE: Interdisciplinaridade, Contextualização, Educação Matemática. ESTUDO CRÍTICO DAS AÇÕES DE CONTEXTUALIZAÇÃO E INTERDISCIPLINARIDADE PRESENTE NO CONTEÚDO MATEMÁTICO MINISTRADO NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Jorge Pereira Santos 1 e Jucilene Souza Santos

Leia mais

MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Abimael Sousa Cordeiro* 1 ; Bruno Peixoto de Oliveira 1 1 Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Educação de Itapipoca,

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO Resumo HOÇA, Liliamar Universidade Positivo liliamarh@up.com.br MORASTONI, Josemary- Universidade Positivo

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO BASEADA EM PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS PARA CONTEXTUALIZAÇÃO DO ENSINO DE QUÍMICA EM ESCOLA DE CAMPO

EXPERIMENTAÇÃO BASEADA EM PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS PARA CONTEXTUALIZAÇÃO DO ENSINO DE QUÍMICA EM ESCOLA DE CAMPO 8 Simpósio Brasileiro de Educação Química Natal / RN 25 à 27 de Julho de 2010 Universidade Federal do Pampa Campus Bagé - RS EXPERIMENTAÇÃO BASEADA EM PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS PARA CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

O RÁDIO NA ESCOLA Uma proposta Educomunicativa. Wagner Rosseto 1 Emerson Luis Monsani 2 Juliana Carla Bauerle Motta 3 RESUMO

O RÁDIO NA ESCOLA Uma proposta Educomunicativa. Wagner Rosseto 1 Emerson Luis Monsani 2 Juliana Carla Bauerle Motta 3 RESUMO O RÁDIO NA ESCOLA Uma proposta Educomunicativa Wagner Rosseto 1 Emerson Luis Monsani 2 Juliana Carla Bauerle Motta 3 RESUMO A aliança entre Educação e Comunicação constitui-se em uma das modernas alternativas

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa 270 3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O USO DO BLOG NO ENSINO DE PARASITOSES PREVALENTES EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES JUNTO A LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS E BIOLOGIA Eberton Luiz

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO I PORTUGUÊS: Compreensão e interpretação de texto. Ortografia: divisão silábica, pontuação, hífen, sinônimo, acentuação gráfica, crase. Morfologia: classes de

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem

Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem 91 Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem ET-06-015 INFLUÊNCIA DA MONTAGEM DE UM JOGO DIDÁTICO DO SISTEMA DIGESTÓRIO PARA A MELHORIA NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Jéssica Maria Bernardo da Silva,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

MODELOS BIOLÓGICOS: FATOR MOTIVACIONAL NAS AULAS DE BIOLOGIA DO ENSINO MÉDIO

MODELOS BIOLÓGICOS: FATOR MOTIVACIONAL NAS AULAS DE BIOLOGIA DO ENSINO MÉDIO MODELOS BIOLÓGICOS: FATOR MOTIVACIONAL NAS AULAS DE BIOLOGIA DO ENSINO MÉDIO *Fernanda Fonseca dos Santos¹, Biatriz Alves da Costa², Alyne Araújo Trajano², Paula Folha Milarindo² Laerte de Sousa Estrela²

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º semestre EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º semestre EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Produção Alimentícia Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Agroindústria FORMA/GRAU:( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA EM GEOGRAFIA: REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR 1

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA EM GEOGRAFIA: REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR 1 APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA EM GEOGRAFIA: REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR 1 DAMBROS, Gabriela 2 ; CASSOL, Roberto 3 1 Trabalho de Pesquisa _UFSM

Leia mais

LITERATURA ESPANHOLA II E UMA PRÁTICA DE MONITORIA.

LITERATURA ESPANHOLA II E UMA PRÁTICA DE MONITORIA. LITERATURA ESPANHOLA II E UMA PRÁTICA DE MONITORIA. Ibernon Alves de Macena Junior ¹ Cristiano Silva Aragão ² Resumo: O presente artigo trás o relato de uma experiência acadêmica desenvolvida durante o

Leia mais

REFORÇO AO ENSINO DE FÍSICA PARA CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

REFORÇO AO ENSINO DE FÍSICA PARA CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA 1 REFORÇO AO ENSINO DE FÍSICA PARA CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA Cibeli Marzari Bertagnolli Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Resumo

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia Faculdades Integradas Mato - Grossenses de Ciências Sociais e Humanas Missão: Formar cidadãos, através da educação, para atuar de forma transformadora, ética e crítica, no contexto profissional e social

Leia mais

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES P R O POS T A A INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES SOBRE NÓS Quem Somos A mantenedora do Seu Professor atua há mais de 18 anos no segmento educacional, com escolas de Ensino Fundamental, Médio, cursos técnicos,

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar

LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar Silviana Izabel Freire Severo 1 Débora da Silva de Lara 2 Maurício Ramos Lutz 3 Resumo: O presente relato tem

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 1/2013-PREAE - ANEXO II: Vagas/informações básicas sobre as Ações de Extensão

CHAMADA PÚBLICA Nº 1/2013-PREAE - ANEXO II: Vagas/informações básicas sobre as Ações de Extensão CPTL - Ione da Silva Cunha Nogueira - Docente (ionescn@hotmail.com) ÉTICA, DESENVOLVIMENTO MORAL E RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA COMPREENSÃO DA (IN)DISCIPLINA NA SALA DE AULA LICENCIATURAS Dentre os diversos

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA

O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA O DESAFIO DA AVALIAÇÃO EM CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA Maio de 2008 Marina Caprio Faculdade Interativa COC marinacaprio@coc.com.br Karen Bortoloti Faculdade Interativa COC bortoloti@coc.com.br Categoria

Leia mais

APLICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE OFICINA SOBRE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DE QUÍMICA A PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DA CIDADE DE ITAPIPOCA CE

APLICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE OFICINA SOBRE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DE QUÍMICA A PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DA CIDADE DE ITAPIPOCA CE APLICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE OFICINA SOBRE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DE QUÍMICA A PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DA CIDADE DE ITAPIPOCA CE Artur Ramon Tomé Oliveira Julyane Moreira de Sousa Resumo A maioria

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS Debora Laranjeira Colodel 1 Mary Ângela Teixeira Brandalise 2 Resumo A pesquisa teve como objetivo investigar

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

E depois da Elaboração de um Produto Educacional?

E depois da Elaboração de um Produto Educacional? E depois da Elaboração de um Produto Educacional? Antônio do Nascimento Gomes 1 José Antonio Salvador 2 Resumo O trabalho de Mestrado Profissional que gerou este texto tinha como objetivo principal o desenvolvimento

Leia mais

Laboratório Virtual. E.E. Prof. Milton da Silva Rodrigues Sala 12 Sessão 1. O uso da tecnologia como recurso

Laboratório Virtual. E.E. Prof. Milton da Silva Rodrigues Sala 12 Sessão 1. O uso da tecnologia como recurso Laboratório Virtual O uso da tecnologia como recurso E.E. Prof. Milton da Silva Rodrigues Sala 12 Sessão 1 Professores Apresentadores: Raphael Bueno Thiago Xavier Realização: Foco Na elaboração de aulas

Leia mais

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DA REDE COLABORATIVA Construçãoo de Saberes no Ensino Médio ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO CMRJ - 2010 2 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Exemplo de

Leia mais

Interdisciplinaridade: conceito e princípios

Interdisciplinaridade: conceito e princípios Unidade 1 Interdisciplinaridade: conceito e princípios Você já parou para pensar sobre o significado do termo interdisciplinaridade? Antes de iniciar a leitura, anote as ideias que lhe vêm à mente. Depois,

Leia mais

Palavras-chave: Programas Curriculares; Conteúdos; Aprendizagem; Ensino de Química; Escola Pública.

Palavras-chave: Programas Curriculares; Conteúdos; Aprendizagem; Ensino de Química; Escola Pública. LEVANTAMENTO DOS CONTEÚDOS DE QUÍMICA MINISTRADOS PELOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DA CIDADE DE AREIA - PB Fabrícia Bezerra Vieira, Gustavo do Nascimento, Maria Betania Hermenegildo

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

VI Encuentro Ibero-americano de Colectivos Escolares y redes de Maestros/as que hacen investigación e inovación desde la Escuela.

VI Encuentro Ibero-americano de Colectivos Escolares y redes de Maestros/as que hacen investigación e inovación desde la Escuela. VI Encuentro Ibero-americano de Colectivos Escolares y redes de Maestros/as que hacen investigación e inovación desde la Escuela. Córdoba Argentina Intervenção Pedagógica, um trabalho interdisciplinar

Leia mais

UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1

UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1 UM PROJETO COMO CATALISADOR DA INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS 1 Christian Dias Azambuja christian.dias.92@gmail.com Bianca Silveira silveirabianca41@gmail.com Geovânia dos Santos geovania_dos_santos@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E HQS NO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E HQS NO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E HQS NO ENSINO FUNDAMENTAL Daiane Aparecida Begname 1 Priscila Paschoalino Ribeiro 2 RESUMO O presente trabalho de extensão visou incentivar o uso de Histórias em Quadrinhos no ensino

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE UM CIDADÃO CRÍTICO POR MEIO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO. 1

A CONSTRUÇÃO DE UM CIDADÃO CRÍTICO POR MEIO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO. 1 1 A CONSTRUÇÃO DE UM CIDADÃO CRÍTICO POR MEIO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO. 1 Fabiana Bezerra Mangili Edilene Précoma Marcela Bianca Malosso Graça Caroline Felizardo Carrazedo de Souza 2 RESUMO: O presente

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

O ENSINO DE BIOLOGIA A PARTIR DA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS

O ENSINO DE BIOLOGIA A PARTIR DA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS O ENSINO DE BIOLOGIA A PARTIR DA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS Mayara Larrys Gomes de Assis Universidade Estadual da Paraíba Resumo: Neste artigo abordamos o ensino por projeto de pesquisa desenvolvido

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

LOS RETOS DE LA FORMACIÓN EN DISTANCIA PARA MEDIADORES DE ARTE CONTEMPORÁNEO

LOS RETOS DE LA FORMACIÓN EN DISTANCIA PARA MEDIADORES DE ARTE CONTEMPORÁNEO GT: Artes Visuais - Eixo Temático: Educação a distância, tecnologias contemporâneas e Artes Visuais OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO A DISTÂNCIA PARA MEDIADORES DE ARTE CONTEMPORÂNEA Gabriela Bon (UFRGS, RS, Brasil)

Leia mais

a Resolução CONSEPE/UFPB nº. 34/2004, que orienta a elaboração e reformulação dos Projetos Políticos Pedagógicos dos Cursos de Graduação da UFPB;

a Resolução CONSEPE/UFPB nº. 34/2004, que orienta a elaboração e reformulação dos Projetos Políticos Pedagógicos dos Cursos de Graduação da UFPB; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 22 / 2007 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em, na modalidade

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais