TACIBA: CRECHE EM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E RENOVAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TACIBA: CRECHE EM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E RENOVAÇÃO"

Transcrição

1 TACIBA: CRECHE EM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E RENOVAÇÃO 1. Introdução Foram várias as mudanças na legislação brasileira na ultima década que define a garantia de atenção à crianças de 0 a 6 anos, caracterizado por uma concepção de atenção a criança contribuindo-lhe a condição de cidadã, cujo direito a proteção integral deve ser assegurado pela família, pela sociedade e pelo poder público como absoluta prioridade. De acordo com Brasil (1998, p.17) a qualidade das experiências oferecidas as crianças podem contribuir no exercício da cidadania. Reafirma ainda os seguintes princípios o respeito a dignidade e aos direitos das crianças, consideradas nas suas diferenças individuais, sociais, econômicas,culturais, éticas, religiosas etc. (BRASIL, 1998, p.13) Deste modo, acreditamos que a criança é um ser social que aprende com o meio em que vive através das interações e ludicidade, e para superarmos a dicotomia entre o cuidar e o educar é necessário além de estudos, conscientização política educacional por parte do educador em relação a sua formação continuada, respaldado pelas diretrizes, leis, documentos. Com tudo, procuramos por em prática os direitos da criança ao atendimento de acordo com os estudos e assuntos abordados no Fórum. 2. Desenvolvimento Há tempos atrás a creche tinha um atendimento voltado ao assistencialismo, cuidar, alimentar, trocar fraldas e realização de algumas atividades pedagógicas. Sob os cuidados de ADIs (Auxiliar do Desenvolvimento Infantil) que em sua maioria não tinham nenhuma formação pedagógica e muitas outras funcionárias com o cargo de serviços gerais atendiam as crianças. Havia ainda um número alto de crianças nos agrupamentos e poucos adultos para o trabalho. Entre tantos problemas, desrespeito aos direitos das 1

2 crianças, inclusive algumas coordenadoras não tinham formação em educação, mas contribuíam com o pouco que sabiam. Outro ponto havia pouco material disponível: pedagógico, brinquedos, mobiliário, fraldas. Aliás, fraldas de pano e calça plástica de uso coletivo, cada troca era muito desagradável, assim como para quem as lavava. Estrutura física ruim, muitas adaptações inadequadas, prédio antigo com reformas que nunca eram feitas, ambiente pouco arejado e escuro, além de uma rotina diária engessada. Situações que atrapalhavam um bom atendimento, além de descaso político e uma visão apenas: creche apenas como lugar para cuidar de crianças enquanto os pais trabalham. Além dos citados acima outros inúmeros problemas enfrentamos antes da participação no Fórum. Muitas barreiras, gestores inertes, muitas críticas que não contribuíam em nada e inúmeras dificuldades enfrentadas. Pouco respaldo por parte da secretaria de educação e administração, a creche era vista, porém não ouvida. Aos novos gestores havia uma visão, um sentimento de que a creche tinha que ser diferente, mas não conseguia pô-la em prática, mesmo participando do Fórum, devido as políticas públicas desfavoráveis. Em meio as adversidades a família procurava a creche porque não tinha onde deixar os filhos, e o pensamento da maioria era apenas que as crianças só precisavam ser cuidadas (trocadas e alimentadas). Segundo Brasil (1998, p. 17) A tônica do trabalho institucional foi pautada por uma visão que estigmatizava a população de baixa renda. (...) A concepção educacional era marcada por características assistencialistas, sem considerar as questões de cidadania ligadas aos ideais de liberdade e igualdade. Assim sendo, a relação com a escola era difícil e com pouco diálogo, a creche também com dificuldades em melhorar essa relação já que muitos que atuavam com as crianças também pensavam apenas no cuidar. Além das dificuldades já existentes, a creche também era lugar de pessoas despreparadas para trabalhar com crianças e local onde funcionários que já haviam passado por vários setores no município, ficavam. Modificar essa concepção de educação assistencialista significa atentar para várias questões que vão muito além dos aspectos legais. Envolve, principalmente, assumir as especificidades da educação infantil e rever concepções sobre a infância, as relações entre classes sociais, 2

3 as responsabilidades da sociedade e o papel do Estado diante das crianças pequenas. (BRASIL, 1998, P.17) De fato, para mudar esta realidade sentiu-se a necessidade de inserir o município no FORPEDI. Devido a visão negativa que se tinha das creches e poucas ações realizadas, o secretario de educação no ano de 2011 sugeriu a participação no fórum, porém os responsáveis diretos das creches na época não quiseram participar, ficando evidente o descaso e despreparo desses gestores, então professoras eventuais aceitaram o convite. O fórum atuaria na formação de profissionais com um olhar voltado efetivamente para creche, pois entendia-se que realizar uma mudança no atendimento a criança era urgente e necessário para muitos municípios. Evidenciar a criança como o centro e dar o atendimento que é seu de direito. De fato, houve muitas dificuldades devidas a pouca aceitação e até rejeição as mudanças por parte de coordenação de creche, professores, funcionários e até gestão municipal. A família também acostumada ao atendimento social não compreendia creche como centro de educação, não aceitando ações para melhoria no atendimento. Enfim, todos os envolvidos teriam que sair da zona de conforto e assumir suas responsabilidades, o que causou conflitos e resistências. Até mesmo quem queria mudanças também desanimava, depois retomava as ações. É certo que o processo de renovação de ideias e ações é lento, mas de algumas conquista. A chegada de professores na creche foi primordial para iniciar as mudanças. A relação com os pais tem avançado, mas ainda há um longo caminho para melhoria dessa relação, porém iniciou-se o processo. Embora haja algumas resistências em alguns pontos que são comuns as escolas regulares como o calendário escolar, férias dos alunos, recesso escolar, a participação da secretaria de educação melhorou, mas ainda é pouco, assim como o apoio da administração municipal. É importante ressaltar que algumas ações que foram discutidas no Fórum já foram colocadas em prática: retirada dos berços das salas para ganhar espaço; implantação dos cantinhos; melhorias na rotina da creche; kit de higiene individual a todos os alunos; algumas melhorias nos espaços físicos internos e externos; 3

4 mais auxiliares nas salas junto as professoras; melhoria na relação com as famílias. Destacam-se ainda outros pontos positivos: assumindo a creche gestores com formação em pedagogia e com olhar realmente voltado a Creche; chegada do professor coordenador pedagógico; estudos de documentos oficiais voltados a educação infantil; estimulo a formação profissional; implantação do regimento interno e calendário escolar; elaboração do Projeto Político Pedagógico; criação da APM (Associação de Pais e Mestre) e do Conselho escolar; realização do planejamento participativo; Conselho de classe; parceria com Conselho Tutelar. Em contrapartida, alguns pontos negativos apontados: dificuldade em aquisição de alguns materiais como parque infantil; não realização de obras para melhoria do prédio; equipamentos quebrados e não consertados; mobiliário sucateado; pouca supervisão da gestão municipal e secretaria de educação; parceria tímida com outras secretarias como a de saúde e assistência social; e a falta de preparo de alguns profissionais e perfil inadequado a faixa etária, este último mais preocupante, pois segundo Brasil (1998, p. 41): (...) ao professor cabe trabalhar com conteúdos de naturezas diversas que abrangem desde cuidados básicos essenciais até conhecimentos específicos provenientes das diversas áreas do conhecimento. Este caráter polivalente demanda, por sua vez, uma formação bastante ampla do profissional que deve tornar-se, ele também, um aprendiz, refletindo constantemente sobre sua prática, debatendo com seus pares, dialogando com as famílias e a comunidade e buscando informações necessárias para o trabalho que desenvolve. Neste caso comprometimento e dedicação são indispensáveis para a realização do trabalho com os pequenos. De acordo com o que foi relatado, o fórum foi de extrema importância como formação continuada, veio de encontro as necessidades orientando a solucionar dificuldades enfrentadas, sendo um apoio ao gestor de creche. Conscientes que há muito a ser feito em melhorias para as creches, mas com boas perspectivas. Um caminho são as formações coletivas (HTPC e cursos) e individuais, pois estas darão suporte necessário para o desenvolvimento esperado nas unidades. Como consequência, a conscientização das administrações públicas do trabalho diferenciado que hoje a creche oferece, e a 4

5 participação efetiva de pais de alunos proporcionando um bom convívio na relação escola e família. Assim sendo, creche, administração pública e família, cada qual assumindo suas responsabilidades não sobrecarrega nenhuma parte e todos serão beneficiados com os ganhos na educação da primeira infância. 3. Proposta para uma educação de qualidade 0 á 12 anos: sugestões para o FORPEDI em Trabalho com as oficinas focando as creches durante todo o ano. Promover momentos de encontros entre municípios para tratar das realidades vividas, dificuldades e solução de problemas. Estudos e definição de um Currículo para Educação Infantil de 0 a 3 anos. 4. Referências BRASIL. Referencial Curricular da Educação Infantil. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF,

PERCEPÇÃO DAS CRIANÇAS DA ESCOLA MUNICIPAL CENTRO DE PROMOÇÃO EDUCACIONAL ACERCA DO ESTATUTO CRIANÇA E ADOLESCENTE

PERCEPÇÃO DAS CRIANÇAS DA ESCOLA MUNICIPAL CENTRO DE PROMOÇÃO EDUCACIONAL ACERCA DO ESTATUTO CRIANÇA E ADOLESCENTE 28 PERCEPÇÃO DAS CRIANÇAS DA ESCOLA MUNICIPAL CENTRO DE PROMOÇÃO EDUCACIONAL ACERCA DO ESTATUTO CRIANÇA E ADOLESCENTE FEITOZA, Rosangela 1 BARROS, Ady 2 IGNÁCIO, Alba Valéria Alves 3 CRUZ, Marcelo Sérgio

Leia mais

TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL

TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL Curso Gestão para Educação de Qualidade 1 TEXTO 2 EDUCAÇÃO DE QUALIDADE UM DIREITO SOCIAL Sonia Balzano... a escola de qualidade é aquela que tem como valor fundamental a garantia dos direitos de aprendizagem

Leia mais

A IMPORTANCIA DA FAMÍLIA NO INGRESSO DA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTANCIA DA FAMÍLIA NO INGRESSO DA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTANCIA DA FAMÍLIA NO INGRESSO DA CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Mª K. Dwulatka 1 Profª Rejane Klein 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade apresentar as atividades de Estágio Supervisionado

Leia mais

UNIDADE DE ESTUDO 2ª ETAPA 2016

UNIDADE DE ESTUDO 2ª ETAPA 2016 UNIDADE DE ESTUDO 2ª ETAPA 2016 Disciplina: Natureza e Sociedade Professoras: Anália, Carla, Fabiana e Roberta Período: 2º Segmento: Educação Infantil OBJETIVOS GERAIS: Identificar as diferenças e semelhanças

Leia mais

Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade

Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade Antônio Lidio de Mattos Zambon Coordenador Geral de Políticas

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Tópicos Contemporâneos Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 4º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceitos teóricos: Moral

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESCOLAR: AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR

FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESCOLAR: AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESCOLAR: AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO A escola é a

Leia mais

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO

OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO PAULA, Maristela Vicente de 1, PIMENTA, Pedro Henrique Santana 2, PEREIRA, Bruna

Leia mais

Programa Estadual de Educação ambiental do Rio de Janeiro. Processo de construção coletiva

Programa Estadual de Educação ambiental do Rio de Janeiro. Processo de construção coletiva Programa Estadual de Educação ambiental do Rio de Janeiro Processo de construção coletiva ProEEA A presente versão foi objeto de Consulta Pública que envolveu educadores ambientais dos 92 municípios fluminenses,

Leia mais

REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA CURSO DE PEDAGOGIA ASSIS CHATEAUBRIAND PR 1 REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA Título I BRINQUEDOTECA Capítulo I Princípios e Diretrizes Art. 1º. A brinquedoteca do curso de Pedagogia

Leia mais

Colégio Anglo-Brasileiro

Colégio Anglo-Brasileiro Colégio Anglo-Brasileiro Rua Mangalô, n 156 Colina A Patamares, Salvador/Bahia CEP: 41680-380 Tels: 33672173 / 33674510 Projeto Social Do 6 ao 9 ano EFII 2014 Colégio Anglo-Brasileiro/Projeto Social 2014/Cristina

Leia mais

O PROEJA, A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E O MUNDO DO TRABALHO

O PROEJA, A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E O MUNDO DO TRABALHO O PROEJA, A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E O MUNDO DO TRABALHO ROSMANN, Márcia Adriana 1 Palavras-chave: Educação. Jovem-Adulto. Profissionalização. Cidadania. A Educação de Jovens e Adultos foi implementada

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática Paebes 2013 Paebes 2013 Conhecendo o outro.. Expectativas... Paebes 2013 OBJETIVOS DA OFICINA Objetivo geral: Analisar e interpretar resultados da avaliação

Leia mais

Avanços do TPE Setembro 2006 / Maio 2007

Avanços do TPE Setembro 2006 / Maio 2007 Avanços do TPE Setembro 2006 / Maio 2007 Já sabemos que... Educação de qualidade para todos promove: Já sabemos que... Educação de qualidade para todos promove: Crescimento econômico Já sabemos que...

Leia mais

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011.

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011. RESOLUÇÃO/SED n. 2.491, de 8 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o Projeto de Implementação das Salas de Tecnologias Educacionais - STEs e a utilização das diversas tecnologias midiáticas nas unidades escola

Leia mais

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO Página 1 ATENÇÃO A SAÚDE DA POPULAÇÃO Promover o acesso universal da população aos serviços ambulatoriais, emergenciais e hospitalares nos postos de saúde e hospital localizados no Município. População

Leia mais

DE INÍCIO: MÊS/ANO DE TÉRMINO:

DE INÍCIO: MÊS/ANO DE TÉRMINO: Página 1 PROGRAMA: QUALIDADE DO ENSINO FUNDAMENTAL OBJETIVO: Assegurar a igualdade nas condições de acesso, permanência e êxito dos alunos matriculados no Ensino Fundamental. PUBLICO ALVO: Alunos do Ensino

Leia mais

PROJETO SOCIAL EDUCAÇÃO E CIDADANIA PARA TODOS.

PROJETO SOCIAL EDUCAÇÃO E CIDADANIA PARA TODOS. ESADE ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO, DIREITO E ECONOMIA. CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESPONSABILIDADE SOCIAL PROJETO SOCIAL EDUCAÇÃO E CIDADANIA PARA TODOS. Profª. Ana Elisa Pascottini. MARIA IANE CAMARGO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CRECHE MUNICIPAL JOSÉ LUIZ BORGES GARCIA PROJETO DO 2 SEMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL: CONSTRUINDO O CONHECIMENTO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CRECHE MUNICIPAL JOSÉ LUIZ BORGES GARCIA PROJETO DO 2 SEMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL: CONSTRUINDO O CONHECIMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CRECHE MUNICIPAL JOSÉ LUIZ BORGES GARCIA PROJETO DO 2 SEMESTRE EDUCAÇÃO INFANTIL: CONSTRUINDO O CONHECIMENTO CUIABÁ 2015 Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO (A) PEDAGOGO (A) DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPB

REFLEXÕES SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO (A) PEDAGOGO (A) DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPB REFLEXÕES SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO (A) PEDAGOGO (A) DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPB Lívia Maria Montenegro da Silva (Bolsista/PROLICEN) Maria Aparecida

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. Estabelece preceitos para o aperfeiçoamento da política educacional estadual dos sistemas públicos de ensino, para a permanência e o sucesso escolar de alunos com distúrbios,

Leia mais

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID

Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola. Concessão de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID Programa 1448 Qualidade na Escola Ações Orçamentárias Número de Ações 16 0E530000 Apoio ao Transporte Escolar para a Educação Básica - Caminho da Escola Veículo adquirido Unidade de Medida: unidade UO:

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

Introdução. Autores: Allan do Carmo Silva 2 Gisele Ramos Duarte 3 Monique Santanna de Faria 4 Orientador: Márcia Denise Pletsch 5

Introdução. Autores: Allan do Carmo Silva 2 Gisele Ramos Duarte 3 Monique Santanna de Faria 4 Orientador: Márcia Denise Pletsch 5 1 O cinema como estratégia para discutir as políticas de inclusão de pessoas com necessidades educacionais especiais: uma análise do filme Vermelho como o céu 1 Introdução Autores: Allan do Carmo Silva

Leia mais

CRECHE MUNICIPAL MARIANA FERNANDES MACEDO

CRECHE MUNICIPAL MARIANA FERNANDES MACEDO Secretaria Municipal de Educação Diretoria de Politicas Educacionais Coordenadoria de Organização Curricular Gerencia de Educação Infantil CRECHE MUNICIPAL MARIANA FERNANDES MACEDO PROJETO ALIMENTAÇÃO

Leia mais

DISSERTAÇÃO DEFENDIDA EM FEVEREIRO DE 2014... MAIS EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE MESQUITA - RJ

DISSERTAÇÃO DEFENDIDA EM FEVEREIRO DE 2014... MAIS EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE MESQUITA - RJ DISSERTAÇÃO DEFENDIDA EM FEVEREIRO DE 2014... A FORMAÇÃO CONTINUADA NO ÂMBITO DO PROGRAMA A FORMAÇÃO CONTINUADA NO ÂMBITO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE MESQUITA - RJ As novas propostas de educação

Leia mais

Gestão Pública Democrática

Gestão Pública Democrática Gestão Pública Democrática Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Gestão Pública Democrática Conceito de gestão Tem origem na palavra latina gestione que se refere ao ato de gerir, gerenciar e administrar.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº. 02/2014 CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº. 02/2014 CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº. 02/2014 CUn PLANO DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Plano de Cargos e Carreiras do Pessoal Técnico-Administrativo em Educação (PCCTAE) foi implantado

Leia mais

POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL

POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL POLITICADERESPONSABILIDADESOCIALDATHYSSENKRUPPELEVADORESBRASIL 1. PoliticadoGrupoThyssenKrupp Esta política trata-se de um complemento à Politica «Group Policy on Corporate Citizenship Activities,MembershipsandTicketsPurchases(últimamodificaçãoJaneiro2013)».

Leia mais

Primeira Infância Completa

Primeira Infância Completa Primeira Infância Completa Uma abordagem integrada do Desenvolvimento Infantil Seminário Itaú de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Printed Eduardo Pádua Outubro, 2011 Agenda 1. Educação Infantil

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014. Anexo 2 Atribuições dos Cargos SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 050/2014 Anexo 2 Atribuições dos Cargos AGENTE DE APOIO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Acompanhar, auxiliar e orientar os alunos nas Atividades de Vida

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A SUA INTERDISCIPLINARIDADE

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A SUA INTERDISCIPLINARIDADE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A SUA INTERDISCIPLINARIDADE INTRODUÇÃO Autor: Franklin Vieira de Sá Instituição: Universidade Federal do Piauí E-mail: frankkkfalcon@hotmail.com A temática de Educação Ambiental

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL EM BELO HORIZONTE

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL EM BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL EM BELO HORIZONTE Fórum de Educação Integral, 2013 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Prefeito Márcio Lacerda Secretária Municipal de Educação

Leia mais

1. Perfil A Faculdade de Medicina de Campos foi criada pela Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia (SFMC), na sessão de 02 de agosto de 1965,

1. Perfil A Faculdade de Medicina de Campos foi criada pela Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia (SFMC), na sessão de 02 de agosto de 1965, 1. Perfil A Faculdade de Medicina de Campos foi criada pela Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia (SFMC), na sessão de 02 de agosto de 1965, para se constituir em uma Instituição de Ensino Superior

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO

ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO ELEIÇÕES 2012 DIRETRIZES DO PROGRAMA DE GOVERNO DO CANDIDATO JOSÉ SIMÃO DE SOUSA PARA A PREFEITURA DE MANAÍRA/PB ZÉ SIMÃO 45 - PREFEITO OBJETIVOS DO GOVERNO: Consolidar e aprofundar os projetos e ações

Leia mais

Atividades práticas-pedagógicas desenvolvidas em espaços não formais como parte do currículo da escola formal

Atividades práticas-pedagógicas desenvolvidas em espaços não formais como parte do currículo da escola formal Atividades práticas-pedagógicas desenvolvidas em espaços não formais como parte do currículo da escola formal Linha de Pesquisa: LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016 PLANEJAMENTO ESTRATEGICO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES Junho de 2014 a junho de 2016 Apresentação O Curso de Licenciatura em Artes da tem como meta principal formar o professor de artes através de

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS/PORTUGUÊS Gêneros textuais como ferramenta para o ensino de Língua Portuguesa INTRODUÇÃO De acordo com os objetivos do programa, conforme portaria 096/2013 Capes, essa proposta de

Leia mais

REGIÃO SUDESTE. GRUPO 1 ALICIAMENTO PARA TRÁFICO DE DROGAS Planejamento das Ações Intersetoriais. Políticas Envolvidas. Segurança Pública.

REGIÃO SUDESTE. GRUPO 1 ALICIAMENTO PARA TRÁFICO DE DROGAS Planejamento das Ações Intersetoriais. Políticas Envolvidas. Segurança Pública. REGIÃO SUDESTE Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização GRUPO 1 ALICIAMENTO PARA TRÁFICO DE DROGAS Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Capacitar permanente os gestores e profissionais envolvidos

Leia mais

PROPOSTA DE GOVERNO DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO PSB. VAMOS MUDAR JAMBEIRO

PROPOSTA DE GOVERNO DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO PSB. VAMOS MUDAR JAMBEIRO PROPOSTA DE GOVERNO DO PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO PSB. VAMOS MUDAR JAMBEIRO A Gestão Participativa, com a construção de múltiplos canais de consulta, com a participação em decisões, com o controle Social,

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG

FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG Maria Wellitania de Oliveira Adriana de Miranda Santiago Terra Eduardo Fernandes de Miranda Sandra de Cássia Amorim Abrão

Leia mais

Reunião por Tutoria E.E. Profª Olga Benatti Sala 6 / 1ª. Sessão

Reunião por Tutoria E.E. Profª Olga Benatti Sala 6 / 1ª. Sessão Reunião por Tutoria E.E. Profª Olga Benatti Sala 6 / 1ª. Sessão Professor(es) Apresentador(es): Rodrigo Alves de Barros Suzilei Aparecida Crepaldi Realização: Foco A reunião de pais/responsáveis por tutor

Leia mais

paulinhaven@hotmail.com Introdução

paulinhaven@hotmail.com Introdução DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NO ENSINO DE BIOLOGIA: REFLEXÃO A PARTIR DE SUBSTRATOS TEÓRICOS E PESQUISAS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE PARNAÍBA/PI 1 Ana Paula Costa do Nascimento 1 Nailton de Souza

Leia mais

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO Página 1 PROGRAMA: ATENÇÃO A SAÚDE DA POPULAÇÃO OBJETIVO: Promover o acesso universal da população aos serviços ambulatoriais, emergenciais e hospitalares nos postos de saúde e hospitais localizados no

Leia mais

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade. Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL

Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade. Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL Seminário Internacional Trabalho Social em Habitação: Desafios do Direito à Cidade Mesa 2: AGENTES PÚBLICOS, NORMATIVOS E DIREÇÃO DO TRABALHO SOCIAL Elzira Leão Trabalho Social/DHAB/DUAP/SNH Ministério

Leia mais

EDITAL 03/2012 - CE, de 03 de setembro de 2012

EDITAL 03/2012 - CE, de 03 de setembro de 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO EDITAL 03/2012 -

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - DOCENTES ENGENHARIA AMBIENTAL EAD

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - DOCENTES ENGENHARIA AMBIENTAL EAD RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - DOCENTES ENGENHARIA AMBIENTAL EAD Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Engenharia Ambiental - Campus EAD INDICADOR Curso* Campus EAD* ÍNDICE DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Página 2 DIÁRIO OFICIAL MUNICÍPIO DE PALOTINAA - PR QUARTA-FEIRA, 20 DE ABRIL DE 2016 ANO: IV EDIÇÃO Nº: Pág(s) ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO

Página 2 DIÁRIO OFICIAL MUNICÍPIO DE PALOTINAA - PR QUARTA-FEIRA, 20 DE ABRIL DE 2016 ANO: IV EDIÇÃO Nº: Pág(s) ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO Página 1 DIÁRIO OFICIAL MUNICÍPIO DE PALOTINAA - PR QUARTA-FEIRA, 20 DE ABRIL DE 2016 ANO: IV EDIÇÃO Nº: 993-4 Pág(s) ATOS DO PODER EXECUTIVO SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 DECRETO Nº 8.567/2016... 2 DECRETO Nº

Leia mais

Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um.

Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. A Educação Básica, B Avanços e Desafios Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para cada

Leia mais

Seduc debate reestruturação curricular do Ensino Médio

Seduc debate reestruturação curricular do Ensino Médio Seduc debate reestruturação curricular do Ensino Médio Em função da manifestação da direção do CPERS/sindicato sobre a proposta de reestruturação curricular do Ensino Médio a Secretaria de Estada da Educação

Leia mais

EDITAL Bolsas FAPTO/TE-PNCA - Nº 002/2011 ANEXO III. Título do Projeto: Transporte Escolar Pesquisa Nacional Custo Aluno

EDITAL Bolsas FAPTO/TE-PNCA - Nº 002/2011 ANEXO III. Título do Projeto: Transporte Escolar Pesquisa Nacional Custo Aluno EDITAL Bolsas FAPTO/TE-PNCA - Nº 002/2011 ANEXO III Título do Projeto: Transporte Escolar Pesquisa Nacional Custo Aluno Identificação do Proponente: Universidade Federal do Tocantins por meio do Núcleo

Leia mais

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Esplanada dos Ministérios, Bloco L 70047-902 Brasília DF ANEXO II PROJETO DE MELHORIA DO ENSINO MÉDIO NOTURNO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais

A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS (PAR) NO MUNICÍPIO DE SANTA INÊS/MA: OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS (PAR) NO MUNICÍPIO DE SANTA INÊS/MA: OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS (PAR) NO MUNICÍPIO DE SANTA INÊS/MA: OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Eriveth Silva Teixeira¹ ¹Acadêmica do 7º período do curso

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Dr. UBIALI)

REQUERIMENTO (Do Sr. Dr. UBIALI) REQUERIMENTO (Do Sr. Dr. UBIALI) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa à inserção do Cooperativismo como Tema Transversal nos currículos escolares do ensino Senhor Presidente: Nos termos

Leia mais

MANUAL REPRESENTANTES E VICE- REPRESENTANTES DE TURMAS

MANUAL REPRESENTANTES E VICE- REPRESENTANTES DE TURMAS MANUAL REPRESENTANTES E VICE- REPRESENTANTES DE TURMAS Introdução Parabéns! Você foi eleito representante de sua turma. Isso demonstra o seu interesse em contribuir com os seus colegas e a Etec Arnaldo

Leia mais

CONCEPÇÃO DE SER CRIANÇA NA SOCIEDADE PAUTADA NA CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA PÚBLICA CIDADÃ

CONCEPÇÃO DE SER CRIANÇA NA SOCIEDADE PAUTADA NA CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA PÚBLICA CIDADÃ CONCEPÇÃO DE SER CRIANÇA NA SOCIEDADE PAUTADA NA CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA PÚBLICA CIDADÃ Silvia Casciolato de Cezaro 1 Bruna Nátali Silva dos Reis Maria Izaura Cação Introdução Como discentes do curso

Leia mais

em 2013 e, no Fundamental II, de 5,0 em 2011 para 4,7 em Com esses índices em decréscimo fica evidenciada a falta de investimento na qualidade

em 2013 e, no Fundamental II, de 5,0 em 2011 para 4,7 em Com esses índices em decréscimo fica evidenciada a falta de investimento na qualidade Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação apresenta as propostas dos candidatos à prefeitura da cidade de Campo Grande no segundo turno das eleições de 2016 Rose PSDB Confira o programa

Leia mais

DA EDUCAÇÃO À ESCOLA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO URBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO TAYLORIZAÇÃO DA ESCOLA = TECNICISMO

DA EDUCAÇÃO À ESCOLA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO URBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO TAYLORIZAÇÃO DA ESCOLA = TECNICISMO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO HISTORICIZANDO... DA EDUCAÇÃO À ESCOLA EDUCAÇÃO: PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO = PROCESSO DE PRODUÇÃO DA EXISTÊNCIA DIFERENCIAÇÃO SOCIAL= ESCOLA COMO ESPAÇO DA ELITE = ÓCIO

Leia mais

VOTO AO PEDIDO DE VISTAS DO SISMUC, REFERENTE AO ARTIGO 14º DA DELIBERAÇÃO Nº 02/2012 DA EDUCAÇÃO INFANTIL

VOTO AO PEDIDO DE VISTAS DO SISMUC, REFERENTE AO ARTIGO 14º DA DELIBERAÇÃO Nº 02/2012 DA EDUCAÇÃO INFANTIL VOTO AO PEDIDO DE VISTAS DO SISMUC, REFERENTE AO ARTIGO 14º DA DELIBERAÇÃO Nº 02/2012 DA EDUCAÇÃO INFANTIL Christiane Izabella Schunig A Educação Infantil é considerada o período no qual a criança irá

Leia mais

PROJETO PROFESSOR DIRETOR DE TURMA (SEDUC/CE) DEFINIÇÃO: Tecnologia educacional de execução simples, em que um professor, ministrante de qualquer disciplina e com perfil adequado para exercer a função,

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação do idoso, os dados

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1

ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1 ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1 Priscilla Régia de Castro PEREIRA 2 Ivanilton José de OLIVEIRA 3 Introdução Dentre as pesquisas existentes

Leia mais

PACTO NACIONAL PELO FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO

PACTO NACIONAL PELO FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PACTO NACIONAL PELO FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio à Gestão 1 Educacional Objetivo do Pacto do Ensino

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás. Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás. Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí-Goiás Fabiana dos Santos Santana Flávia Cristina da Silva Educação Especial: Formação dos Professores na Cidade de Itaberaí Itaberaí-GO

Leia mais

Política Nacional de Educação Infantil

Política Nacional de Educação Infantil Política Nacional de Educação Infantil Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Conferência Global sobre Desenvolvimento na Primeira

Leia mais

EDITAL N.º 262/2016 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL: SELEÇÃO DE TUTOR PET CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

EDITAL N.º 262/2016 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL: SELEÇÃO DE TUTOR PET CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EDITAL N.º 262/216 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL: SELEÇÃO DE TUTOR PET CIÊNCIAS BIOLÓGICAS O VICE-REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna pública

Leia mais

Piraí é mais Cultura. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Piraí é mais Cultura. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Piraí é mais Cultura Mostra Local de: Piraí do Sul Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Secretaria de Cultura de Piraí do Sul Cidade:

Leia mais

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8 GRUPO 5.1 MÓDULO 8 Índice 1. O Processo de Organização Escolar...3 1.1. Pensando para a Prática... 3 2 1. O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO ESCOLAR O processo de organização escolar dispõe de etapas a fim de que

Leia mais

Resultados Processo de Trabalho Oficina 1

Resultados Processo de Trabalho Oficina 1 Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Medicina - Departamento de Medicina Social Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Monitoramento e Avaliação do Programa de Expansão e Consolidação

Leia mais

PIBID - RECURSOS DE ATIVIDADES LÚDICAS PARA ENSINAR APRENDER HISTÓRIA

PIBID - RECURSOS DE ATIVIDADES LÚDICAS PARA ENSINAR APRENDER HISTÓRIA PIBID - RECURSOS DE ATIVIDADES LÚDICAS PARA ENSINAR APRENDER HISTÓRIA Paulo Célio Soares 1 Luciano Alves Pereira, Flaviane Rezende De Almeida, Daniele Ouverney Francisco 2 Resumo Este artigo tem como objetivo

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS INTRODUÇÃO SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS Thialy Thaís da Silva Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) thialy_thais@hotmail.com As Salas de Recursos Multifuncionais (SRMF) foram instituídas pelo Programa

Leia mais

INDICADORES DA QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

INDICADORES DA QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Monitoramento do uso dos INDICADORES DA QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo Executivo Monitoramento do uso dos Indicadores da Qualidade na Educação Infantil 1 Apresentação A divulgação do estudo Monitoramento

Leia mais

Título do Case: Categoria: Temática: Resumo: Introdução:

Título do Case: Categoria: Temática: Resumo: Introdução: Título do Case: Diagnóstico Empresarial - Vendendo e Satisfazendo Mais Categoria: Prática Interna. Temática: Mercado Resumo: Na busca por uma ferramenta capaz de auxiliar na venda de mais consultorias

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: / FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: / FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ILHA SOLTEIRA CNPJ: 03.117.139/0001-08 FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA - FAISA ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA EDUCAÇÃO INFANTIL Ilha Solteira SP

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL: UM OLHAR DIFERENTE NO ENSINO DOS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS

GEOMETRIA ESPACIAL: UM OLHAR DIFERENTE NO ENSINO DOS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS GEOMETRIA ESPACIAL: UM OLHAR DIFERENTE NO ENSINO DOS SÓLIDOS GEOMÉTRICOS Fabiana Polessa Universidade Federal de Juiz de Fora / Departamento de Matemática, profabianapolessa@gmail.com Walter Soares SEEDUC-RJ

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O PROGRAMA ESCOLA ACESSÍVEL

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O PROGRAMA ESCOLA ACESSÍVEL FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O PROGRAMA ESCOLA ACESSÍVEL Ingrid da Silva Ricomini Universidade de São Paulo Eixo Temático: Política educacional inclusiva Palavras chave: Financiamento da educação;

Leia mais

Gabriela Geovana Pinho. Fátima Inês Wolf de Oliveira. Faculdade de Filosofia e Ciências FFC UNESP/Campus Marília

Gabriela Geovana Pinho. Fátima Inês Wolf de Oliveira. Faculdade de Filosofia e Ciências FFC UNESP/Campus Marília INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA EM INCLUSÃO ESCOLAR DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS DE UMA ESCOLA BÁSICA DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA Gabriela Geovana Pinho Fátima Inês Wolf de

Leia mais

EXPECTATIVA DAS FAMÍLIAS EM RELAÇÃO AO ATENDIMENTO NA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL.

EXPECTATIVA DAS FAMÍLIAS EM RELAÇÃO AO ATENDIMENTO NA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL. 02127 EXPECTATIVA DAS FAMÍLIAS EM RELAÇÃO AO ATENDIMENTO NA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Joana Angélica Bernardo de Oliveira Reis e Gilza Maria Zauhy Garms. Faculdade de Ciências e Tecnologia-FCT/Unesp

Leia mais

1 Sobre os aspectos legais da abrangência da Lei 20.817 de 29/07/2013

1 Sobre os aspectos legais da abrangência da Lei 20.817 de 29/07/2013 Ofício Circular nº 252/2013 Assunto: Abrangência da Lei 20.817/2013 matrícula de aluno no 1º ano do Ensino Fundamental Setor: Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica Belo Horizonte, 21 de Outubro

Leia mais

O DIRIGENTE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CONAE 2014 E DO PNE. Célia Maria Vilela Tavares

O DIRIGENTE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CONAE 2014 E DO PNE. Célia Maria Vilela Tavares O DIRIGENTE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA CONAE 2014 E DO PNE Célia Maria Vilela Tavares Pré PNE: conferências municipais de educação, participação nas conferências estaduais e na

Leia mais

PLANO DE GESTÃO CÂMPUS CAÇADOR

PLANO DE GESTÃO CÂMPUS CAÇADOR PLANO DE GESTÃO CÂMPUS CAÇADOR 2016-2019 Consolidar, Incluir e Unir com ética, transparência e responsabilidade SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 METODOLOGIA... 6 3 EQUIPE... 7 4 MAPA SITUACIONAL... 8 5 EIXOS

Leia mais

A GINÁSTICA RÍTMICA ENQUANTO PRÁTICA ESPORTIVA EDUCACIONAL INCLUSIVA NA VILA OLÍMPICA DA MANGUEIRA (2002/2013)

A GINÁSTICA RÍTMICA ENQUANTO PRÁTICA ESPORTIVA EDUCACIONAL INCLUSIVA NA VILA OLÍMPICA DA MANGUEIRA (2002/2013) 980 A GINÁSTICA RÍTMICA ENQUANTO PRÁTICA ESPORTIVA EDUCACIONAL INCLUSIVA NA VILA OLÍMPICA DA MANGUEIRA (2002/2013) Maria Augusta A. G. Buarque Maciel - Lapeade / FE- UFRJ José Jairo Vieira Lapeade- PPGE-

Leia mais

ÍNDICE. Desenvolvimentos das atividades do Curso, Seminário e Simpósio e de formação...24 a 27

ÍNDICE. Desenvolvimentos das atividades do Curso, Seminário e Simpósio e de formação...24 a 27 3 Convênio 027/2015 4 ÍNDICE Apresentação do Projeto... 6 Objetivo...7 Justificativa...8 e 9 Metodologia...10 e 11 Marco Legal...12 Cidades Contempladas...13 Pessoas Beneficiadas...14 Parceiros...15 Cronograma

Leia mais

Anais da Semana de Integração Acadêmica 02 a 06 de setembro de 2013

Anais da Semana de Integração Acadêmica 02 a 06 de setembro de 2013 EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM DEBATE NO 7º ANO DO COLÉGIO ESTADUAL PRINCESA IZABEL DE TAQUARAL DE GOIÁS INTRODUÇÃO SILVA, Nabio Vanutt da Universidade Estadual de Goiás/UnU Goiás Acadêmico do I ano de História

Leia mais

FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL

FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL Arthur Henrique Teixeira Faustino 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Arthurtfaustino@gmail.com Auricélia Lopes Pereira

Leia mais

Informativo Semente Esperança

Informativo Semente Esperança Campinas, fevereiro de 2016-1ª edição Informativo Semente Esperança Ano Novo... 2016 começa e com ele trazemos nossos desafios, sonhos, esperanças e todo o amor para poder transformar, a nós mesmos e àqueles

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR INTÉRPRETE DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E LÍNGUA PORTUGUESA NO CONTEXTO EDUCACIONAL

ATUAÇÃO DO TRADUTOR INTÉRPRETE DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E LÍNGUA PORTUGUESA NO CONTEXTO EDUCACIONAL ATUAÇÃO DO TRADUTOR INTÉRPRETE DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E LÍNGUA PORTUGUESA NO CONTEXTO EDUCACIONAL Elenay Maciel Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Maurício Loubet Universidade Federal de

Leia mais

A RNP e a Educação no Brasil

A RNP e a Educação no Brasil A RNP e a Educação no Brasil SBC 99 - Educação e Aprendizagem na Sociedade da Educação - Rio de Janeiro (RJ) 21 de julho 1999 José Luiz Ribeiro Filho Sumário: A história da Internet e seu uso na educação

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2013 201 PEDAGOGIA. COORDENADORA Cristiane Aparecida Baquim cbaquim@hotmail.com

UFV Catálogo de Graduação 2013 201 PEDAGOGIA. COORDENADORA Cristiane Aparecida Baquim cbaquim@hotmail.com UFV Catálogo de Graduação 2013 201 PEDAGOGIA COORDENADORA Cristiane Aparecida Baquim cbaquim@hotmail.com 202 Currículos dos Cursos UFV Licenciatura ATUAÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

A formação do educador de jovens e adultos na perspectiva da escolarização desafios e as possibilidades

A formação do educador de jovens e adultos na perspectiva da escolarização desafios e as possibilidades A formação do educador de jovens e adultos na perspectiva da escolarização desafios e as possibilidades Márcia Pereira Melo Coordenadora Fórum Goiano de EJA FORMAÇÃO PARA ESCOLARIZAÇÃO A formação de educadores

Leia mais

A MESA EDUCADORA COMO PROPOSTA PEDAGÓGICA

A MESA EDUCADORA COMO PROPOSTA PEDAGÓGICA A MESA EDUCADORA COMO PROPOSTA PEDAGÓGICA Lisiane Gazola Santos Nanci Gabriela Cardoso Fernandes Resumo: Este trabalho visa acompanhar e analisar a continuidade de um projeto de formação de educadores

Leia mais

Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Renato Custódio da Silva PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Ética e Cidadania Organizacional Eixo Tecnológico: Gestão e

Leia mais

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES PROPOSTAS PRIORITÁRIAS: 1. PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL Criar o Conselho Estadual da cidade e apoiar a criação dos conselhos municipais, de forma paritária, de caráter

Leia mais

Alimentação Saudável nas Escolas Elaborado por Keyla Preuss

Alimentação Saudável nas Escolas Elaborado por Keyla Preuss Alimentação Saudável nas Escolas Elaborado por Keyla Preuss Como utilizar este check list? Em cada tabela é abordado um tema diferente com uma lista de declarações. Assinale para respostas positivas e

Leia mais

A INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA CLASSE ESPECIAL. EIXO TEMÁTICO: Relatos de experiências em oficinas e salas de aula

A INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA CLASSE ESPECIAL. EIXO TEMÁTICO: Relatos de experiências em oficinas e salas de aula A INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA CLASSE ESPECIAL Roberta Bevilaqua de Quadros Clara Noha Nascimento Dutra Thaine Bonaldo Nascimento Douglas Rossa 1 Rosalvo Sawitzk 2 EIXO TEMÁTICO: Relatos de experiências

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n 011/2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO E EDUCAÇÃO INFANTIL: ESTUDO SOBRE PRÁTICAS DOCENTES EM ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DE BRASÍLIA

RELAÇÕES DE GÊNERO E EDUCAÇÃO INFANTIL: ESTUDO SOBRE PRÁTICAS DOCENTES EM ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DE BRASÍLIA RELAÇÕES DE GÊNERO E EDUCAÇÃO INFANTIL: ESTUDO SOBRE PRÁTICAS DOCENTES EM ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES DE BRASÍLIA Palavras-chave: Educação infantil, Gênero, Prática docente. Eixo temático: Gênero e

Leia mais