Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade Antônio Lidio de Mattos Zambon Coordenador Geral de Políticas de Educação do Campo Brasília, outubro de 2012.

2 O Ministério da Educação - MEC, por meio da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão - SECADI desenvolve o Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade, em parceria com 166 municípios polos que atuam na formação dos gestores/as e educadores/as para a construção de sistemas educacionais inclusivos em todo o país.

3 O Programa objetiva apoiar a formação de gestores e educadores para a transformação dos sistemas educacionais em sistemas educacionais inclusivos por meio da realização de seminários de formação presencial. A partir de 2012, o Programa está sob gerência da Coordenação Geral de Acompanhamento da Inclusão Escolar da Diretoria de Políticas de Direitos Humanos e Cidadania. Continua na Coordenação Geral de Articulação da Política de Inclusão nos Sistemas de Ensino da Diretoria de Políticas de Educação Especial a orientação e o monitoramento dos Convênios firmados até 2010.

4 Este Programa foi reestruturado para assegurar a transversalidade das políticas de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva; Educação em Direitos Humanos; Educação para a Sustentabilidade Socioambiental; Educação Escolar Indígena; Educação do Campo; Educação Quilombola; Educação para as Relações Étnico-Raciais; Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos.

5 Estabelece como objetivo a construção de sistemas educacionais inclusivos por meio de ações voltadas à cada área. Contempla as áreas temáticas: Educação Especial Educação Ambiental Educação em Direitos Humanos e Cidadania Educação para as Relações Étnico-Raciais Educação Escolar Indígena Educação do Campo e Quilombola Educação de Jovens e Adultos

6 OBJETIVOS: Construção de sistemas educacionais inclusivos, por meio de ações voltadas ao: - Pleno acesso ao ensino regular, a garantia da acessibilidade e a oferta do atendimento educacional especializado AEE aos/às estudantes público alvo da educação especial; - Efetivação do Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino da História e Cultura Afrobrasileira e Africana; - Educação em Direitos Humanos, a defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente e a eliminação de preconceitos e discriminação por raça/etnia, gênero, orientação sexual e identidade de gênero, condição de deficiência, situação de pobreza e vulnerabilidade social; protagonismo juvenil no ambiente escolar, diversidade religiosa;

7 OBJETIVOS: - Educação ambiental, por meio, entre outros, da constituição de espaços educadores sustentáveis, caracterizados pela sustentabilidade socioambiental no âmbito da estrutura física, da gestão, da organização curricular, da formação, dos materiais didáticos e das práticas pedagógicas; - Ampliação e qualificação da oferta de educação básica e superior às populações do campo, quilombolas e indígenas e a implementação dos Territórios Etnoeducacionais; - Superação do analfabetismo e elevação da escolaridade de jovens e adultos, ao longo da vida, garantindo igualdade de condições com os demais estudantes da educação básica; - Ampliação e qualificação da oferta da Educação de Jovens e Adultos, considerando os princípios da modalidade e as especificidades do público a ser atendido.

8 Áreas Temáticas: eixos para a formação A proposta de formação deverá contemplar dentre as 7 áreas temáticas, eixos de interesse, considerando o contexto local. Assim, algumas temáticas deixarão de ser abordadas quando não atenderem a realidade regional e, neste caso, a carga horária será destinada as áreas de maior necessidade.

9 Educação para os Direitos Humanos e Cidadania: a) Educação em direitos humanos; b) Direitos da criança e do/da adolescente; c) Relações de gênero e diversidade sexual; d) Violência na escola; e) Acompanhamento da frequência escolar dos/as estudantes beneficiários do Programa Bolsa Família.

10 Educação Ambiental: a) Organização da gestão, da estrutura física e do currículo para tornar as escolas espaços educadores sustentáveis; b) Fundamentos, conceitos e práticas em educação ambiental na escola; c) Implementação e fortalecimento da Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na Escola (COM-VIDA).

11 Educação de Jovens e Adultos - EJA: a) Políticas para a alfabetização de adultos; b) EJA no projeto político pedagógico: ampliação da oferta e melhoria da qualidade; c) Políticas Educacionais para a Juventude; d) Oferta de EJA no Sistema Prisional; e) Formação de Mediadores/as de Leitura.

12 Educação para as Relações Étnico-Raciais: a) Ensino de História e Cultura Afrobrasileira e Africana; b) Educação para as Relações Étnico-Raciais.

13 Educação Especial: a) Atendimento Educacional Especializado AEE para estudantes com deficiência; b) Atendimento Educacional Especializado AEE para estudantes com transtornos globais do desenvolvimento; c) Atendimento Educacional Especializado AEE para estudantes com altas habilidades/superdotação; d) Organização da educação bilíngue para estudantes surdos no ensino regular; e) Políticas públicas intersetoriais para a eliminação das barreiras que impedem o acesso e permanência de pessoas com deficiência na escola.

14 Educação do Campo e Quilombola: a) Organização pedagógica para as classes multisseriadas; b) Metodologia da Alternância; c) Formação de Professores/as e materiais didáticos para a educação do campo e quilombola.

15 Educação Indígena: a) Marcos Políticos e Legais da Educação Indígena; b) Formação de professores/as e materiais didáticos na perspectiva intercultural; c) Organização dos Territórios Etnoeducacionais; d) Ensino da História e Cultura Indígena.

16 A escola é "um processo ativo e dinâmico de discussão e construção. Não será construída com facilidade porque terá que trabalhar com interesses divergentes e através do conflito. Paulo Freire

17 Antônio Lidio de Mattos Zambon Coordenador Geral de Políticas de Educação do Campo Fone:

Política Nacional da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Três Corações Minas Gerais Julho de 2011

Política Nacional da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Três Corações Minas Gerais Julho de 2011 Política Nacional da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva Três Corações Minas Gerais Julho de 2011 Do ponto de vista político... O movimento mundial pela inclusão é uma ação política,

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS DO INTERIOR DO MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISE DOS ASPECTOS INCLUSIVOS Clarice Karen de Jesus Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Palavras chave:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 04/2010

TERMO DE REFERÊNCIA 04/2010 TERMO DE REFERÊNCIA 04/2010 PROJETO: OEI/BRA 08/003 Fortalecimento da Capacidade Institucional da Secretaria de Educação Especial SEESP/MEC em Gestão e Avaliação do Programa de Acompanhamento e Monitoramento

Leia mais

EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS. Documento Referência

EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS. Documento Referência EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS Documento Referência O tema Educação e diversidade: justiça social, inclusão e direitos humanos constitui o eixo central da educação

Leia mais

O direito à Educação das pessoas com deficiência intelectual SAMIRA ANDRAOS MARQUEZIN FONSECA

O direito à Educação das pessoas com deficiência intelectual SAMIRA ANDRAOS MARQUEZIN FONSECA O direito à Educação das pessoas com deficiência intelectual SAMIRA ANDRAOS MARQUEZIN FONSECA HTTP://WWW.REVIDE.COM.BR/BLOG/SAMIRA-FONSECA/ BREVE HISTÓRICO CONSTITUCIONAL 1976 Constituição Brasileira expressamente

Leia mais

78. EIXO II Educação e Diversidade: Justiça Social, Inclusão e Direitos Humanos

78. EIXO II Educação e Diversidade: Justiça Social, Inclusão e Direitos Humanos 78. EIXO II Educação e Diversidade: Justiça Social, Inclusão e Direitos Humanos 113. O tema Educação e diversidade: justiça social, inclusão e direitos humanos constitui o eixo central da educação e objeto

Leia mais

Pacto Nacional Universitário pela Promoção do Respeito à Diversidade, Cultura de Paz e Direitos Humanos

Pacto Nacional Universitário pela Promoção do Respeito à Diversidade, Cultura de Paz e Direitos Humanos Pacto Nacional Universitário pela Promoção Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Ministério da Educação SECADI/MEC Secretaria Especial de Direitos Humanos Ministério

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

EIXO II 112. Educação e Diversidade: Justiça Social, Inclusão e Direitos Humanos

EIXO II 112. Educação e Diversidade: Justiça Social, Inclusão e Direitos Humanos EIXO II 112. Educação e Diversidade: Justiça Social, Inclusão e Direitos Humanos 113. O tema Educação e diversidade: justiça social, inclusão e direitos humanos constitui o eixo central da educação e objeto

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS

EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO EDUCAÇÃO DE JOVENS, ADULTOS E IDOSOS Sergipe/Região Nordeste Izabel Cristina Santos da Silva izabelcris2212@gmail.com (79) 8801-2090 9977-0650

Leia mais

Carta-compromisso dos Candidatos ao Governo do Estado com a Educação Básica Pública

Carta-compromisso dos Candidatos ao Governo do Estado com a Educação Básica Pública Carta-compromisso dos Candidatos ao Governo do Estado com a Educação Básica Pública A Constituição Federal Brasileira de 1988 e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDBEN nº 9394/96 que regem,

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de

Leia mais

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

ADVERTÊNCIA. Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Gabinete do Ministro ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.311, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Altera a Portaria nº 2.866/GM/MS, de 2 de

Leia mais

POLÍTICA PÚBLICA ÉTNICO-RACIAL REFLEXÕES NECESSÁRIAS...

POLÍTICA PÚBLICA ÉTNICO-RACIAL REFLEXÕES NECESSÁRIAS... POLÍTICA PÚBLICA ÉTNICO-RACIAL REFLEXÕES NECESSÁRIAS... Manuela Lima 1 Uniube/ Programa de Mestrado em Educação/manuelalima@uberabadigital.com.br Linha de trabalho: Políticas Públicas na Educação. Resumo

Leia mais

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR

PLANOS DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR S DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PAIR ANÁLISE DA SITUAÇÃO NACIONAL 1. Identificar causas/ fatores de vulnerabilidade e modalidades de violência sexual contra

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. As Diretrizes Curriculares Nacionais para EJA (CNE,2000) preconizam princípios norteadores da ação pedagógica da escola: (A) éticos, políticos e estéticos; (B)

Leia mais

Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do PNEM. Programas Integrados

Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do PNEM. Programas Integrados MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETORIA DE FORMULAÇÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS Cenário atual e perspectiva para a formação continuada de professores do Ensino Médio no âmbito do

Leia mais

Características Educação SESI

Características Educação SESI EDUCAÇÃO SESI Características Educação SESI Atendimento prioritário ao Trabalhador da indústria e seus dependentes Gratuidade nos cursos EJA Atuação nas 27 Unidades Federativas 32% de evasão na EJA Cenário

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Núcleo Temático: Químico Pedagógico Código da Disciplina:

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Núcleo Temático: Químico Pedagógico Código da Disciplina: 1 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: ESCOLA DE ENGENHARIA Curso: Química Disciplina: Educação e Alteridade Prof. Dr. LUIZ FERNANDO PINTO BAHIA Carga horária: Teórica (x) 1h30 Prática

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS - LGBT

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS - LGBT PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS - LGBT Departamento de Apoio à Gestão Participativa /DAGEP Secretaria de Gestão Estratégica

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

COLEGIADO ESPECIAL DE LICENCIATURA FAE/UFMG DISCIPLINAS TEÓRICAS DOS CURSOS REGULARES DE LICENCIATURA HORÁRIO PARA O 2 o SEMESTRE DE 2013

COLEGIADO ESPECIAL DE LICENCIATURA FAE/UFMG DISCIPLINAS TEÓRICAS DOS CURSOS REGULARES DE LICENCIATURA HORÁRIO PARA O 2 o SEMESTRE DE 2013 CÓDIGO DISCIPLINAS C/H CRED. ADE003 Política Educacional 60 04 CAE001 Sociologia da Educação 60 04 CAE002 Psicologia da Educação - aprendizagem e ensino 60 04 MTE101 Didática de Licenciatura 60 04 Q U

Leia mais

MINUTA EM CONSTRUÇÃO

MINUTA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO MINUTA EM CONSTRUÇÃO RESOLUÇÃO POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS E PROMOÇÃO DA IGUALDADE ÉTNICO-RACIAL Institui a Política de Ações Afirmativas

Leia mais

Proposta para a 1ª Conferência Estadual de Educação Básica

Proposta para a 1ª Conferência Estadual de Educação Básica REGIONAL SUL DO FÓRUM ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SECRETARIA EXECUTIVA API/APLB - Itabuna, APJ/APLB Jussari, EACMA - Ilhéus, ESCOLA ESTADUAL INDÍGENA DE OLIVENÇA, FASE BAHIA, MST Regional Sul. Contatos:

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás - PRG Pró-Reitoria de Graduação - PRG Coordenação de Direitos Humanos e Diversidade

Universidade Estadual de Goiás - PRG Pró-Reitoria de Graduação - PRG Coordenação de Direitos Humanos e Diversidade Universidade Estadual de Goiás - PRG Pró-Reitoria de Graduação - PRG Coordenação de Direitos Humanos e Diversidade Equipe: Prof. Rezende Avelar, coordenador Alessandra Sobreira, pedagoga Lilian Morais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA ORIENTAÇÕES EDIÇÃO 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA ORIENTAÇÕES EDIÇÃO 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA ORIENTAÇÕES EDIÇÃO 2015 DESCRIÇÃO DOS MATERIAIS 2015 Caderno de apresentação. Caderno para gestores e equipe pedagógica

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 03/2016 COMED/Maceió

RESOLUÇÃO nº 03/2016 COMED/Maceió RESOLUÇÃO nº 03/2016 COMED/Maceió EMENTA: Dispõe sobre a organização e o funcionamento do Ensino Fundamental na modalidade da Educação de Jovens, Adultos e Idosos EJAI, a ser ofertada pelas Unidades Escolares

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO (A) PEDAGOGO (A) DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPB

REFLEXÕES SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO (A) PEDAGOGO (A) DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPB REFLEXÕES SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DO (A) PEDAGOGO (A) DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFPB Lívia Maria Montenegro da Silva (Bolsista/PROLICEN) Maria Aparecida

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS BAHIA

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS BAHIA PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS BAHIA OBJETIVO GERAL Promover ações integradas para o enfrentamento da epidemia de HIV/AIDS e outras DST

Leia mais

Política Nacional de Educação Infantil

Política Nacional de Educação Infantil Política Nacional de Educação Infantil Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Conferência Global sobre Desenvolvimento na Primeira

Leia mais

Resultado Final do Eixo 04 - Currículo e e políticas educacionais Nº TÍTULO CPF

Resultado Final do Eixo 04 - Currículo e e políticas educacionais Nº TÍTULO CPF Nº TÍTULO CPF 1 Resultado Final do Eixo 04 - Currículo e e políticas educacionais ANÁLISE DA POLÍTICA PÚBLICA CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PAULISTA NA PERSPECTIVA DE AVALIAÇÃO EXTERNA DE SISTEMA 41691261815

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição e do Programa Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS INTRODUÇÃO SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS Thialy Thaís da Silva Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) thialy_thais@hotmail.com As Salas de Recursos Multifuncionais (SRMF) foram instituídas pelo Programa

Leia mais

CONSIDERANDO os princípios referendados na Declaração Universal dos Direitos Humanos;

CONSIDERANDO os princípios referendados na Declaração Universal dos Direitos Humanos; RESOLUÇÃO Nº 066-CONSELHO SUPERIOR, de 14 de fevereiro de 2012. REGULAMENTA A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RORAIMA IFRR. O PRESIDENTE DO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Título do Projeto: Aprimoramento da sistemática de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DIVISÃO DE ESPORTE E LAZER DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DIVISÃO DE ESPORTE E LAZER DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DIVISÃO DE ESPORTE E LAZER DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O PROGRAMA SEGUNDO TEMPO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Profa. Viviane Araujo

Profa. Viviane Araujo Unidade II ESCOLA, CURRÍCULO E CULTURA Profa. Viviane Araujo Organização do currículo Teorias de currículo: respostas às questões o que, como e por que ensinar intencionalidade da prática educativa. CFB/88:

Leia mais

O Plano Nacional de Educação. Maria Alice Setubal, educadora e presidente dos conselhos do Cenpec e da Fundação Tide Setubal

O Plano Nacional de Educação. Maria Alice Setubal, educadora e presidente dos conselhos do Cenpec e da Fundação Tide Setubal O Plano Nacional de Educação Maria Alice Setubal, educadora e presidente dos conselhos do Cenpec e da Fundação Tide Setubal Plano Nacional de Educação Diretrizes Superação das desigualdades educacionais

Leia mais

ROTEIRO PROPOSITIVO Proposta Preliminar de Estrutura e Organização do Documento-Referência

ROTEIRO PROPOSITIVO Proposta Preliminar de Estrutura e Organização do Documento-Referência ROTEIRO PROPOSITIVO Proposta Preliminar de Estrutura e Organização do Documento-Referência Introdução: Proposta preliminar construída a partir do documento final da Conae 2014, do PNE e das contribuições

Leia mais

Currículo do Curso de Pedagogia

Currículo do Curso de Pedagogia Currículo do Curso de Pedagogia Licenciatura ATUAÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN), aprovadas em 2006 pelo Conselho Nacional de (CNE) e homologadas pelo Ministério da (MEC),

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara 1992 Darcy Ribeiro, apoiado por

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação PEDAGOGIA. COORDENADORA Cristiane Aparecida Baquim

UFV Catálogo de Graduação PEDAGOGIA. COORDENADORA Cristiane Aparecida Baquim UFV Catálogo de Graduação 2014 477 PEDAGOGIA COORDENADORA Cristiane Aparecida Baquim cbaquim@hotmail.br 478 Currículos dos Cursos do CCH UFV Licenciatura ATUAÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 CURSO OBJETIVOS Oferecer aos alunos e profissionais interessados no assunto, subsídios

Leia mais

AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos

AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos Vitória ES Março/2010 1.Apresentação A elaboração do

Leia mais

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação XXXIX edição da Reunião dos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO -

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - 1. Número e Título do Projeto: BRA/10/001 - OEI - Fortalecimento

Leia mais

Conselho Nacional de Secretários de Educação Consed

Conselho Nacional de Secretários de Educação Consed Conselho Nacional de Secretários de Educação Consed Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Brasília, 8 de março de 2012 Educação Infantil Meta 1 do PNE PROINFÂNCIA Taxas de atendimento Creches

Leia mais

Objetivo Geral: Objetivos Específicos:

Objetivo Geral: Objetivos Específicos: Objetivo Geral: Superação da pobreza e geração de trabalho e renda no meio rural por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável. Objetivos Específicos: Inclusão produtiva das populações

Leia mais

IV Encontro Pedagógico do IFAM 2016 DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN

IV Encontro Pedagógico do IFAM 2016 DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN AVALIAÇÃO DOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IFAM Lei Nª 11.872/2008 Art. 7ª - Objetivos dos Institutos Federais: I - ministrar educação profissional

Leia mais

Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV)

Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) O que é o SCFV? É realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus usuários, de acordo

Leia mais

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO

TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO TÍTULO: 11 ANOS DA LEI 10639/2003 E O ENSINO DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE SÃO PAULO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES):

Leia mais

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA UFG - Números 2015 GRADUAÇÃO Deficiência No. Especificidade No. Auditiva 57 Surdos 27 Física 52 Cadeirante 4 Intelectual 19 Sínd. de Down 2 Visual 36 Cego 2 Asperger

Leia mais

Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva em foco

Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva em foco Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva em foco Prof.ª Fernanda Chagas Schneider O texto a seguir destaca momentos que remontam a história da educação especial no Brasil

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE CONFERÊNCIA LIVRE DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL

MODELO DE RELATÓRIO DE CONFERÊNCIA LIVRE DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL MODELO DE RELATÓRIO DE CONFERÊNCIA LIVRE DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL IDENTIFICAÇÃO Nome da Conferência: Conferência Livre de Proteção e Defesa Civil: contribuições da Psicologia como ciência e profissão

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO ENSINO MÉDIO EM UMA ESCOLA PARTICULAR: VISÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA.

EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO ENSINO MÉDIO EM UMA ESCOLA PARTICULAR: VISÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA. EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO ENSINO MÉDIO EM UMA ESCOLA PARTICULAR: VISÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA. Beatriz A. Barboza do Nascimento Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho UNESP Mestranda do programa

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO

PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Lei Municipal nº 16.271/2015 São Paulo 2016 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) São Paulo (SP). Secretaria Municipal

Leia mais

Desafios e perspectivas do Programa Bolsa Família

Desafios e perspectivas do Programa Bolsa Família Desafios e perspectivas do Programa Bolsa Família Rodrigo Lofrano Coordenador-Geral de Acompanhamento das Condicionalidades Decon/Senarc/MDS Brasília, 19 de agosto de 2015 As três dimensões do Programa

Leia mais

REUNI IV SEMINÁRIO NACIONAL Licenciaturas Presenciais Diurnas, Noturnas e com Educação a Distância: Respostas às demandas de Formação de Professores

REUNI IV SEMINÁRIO NACIONAL Licenciaturas Presenciais Diurnas, Noturnas e com Educação a Distância: Respostas às demandas de Formação de Professores REUNI IV SEMINÁRIO NACIONAL Licenciaturas Presenciais Diurnas, Noturnas e com Educação a Distância: Respostas às demandas de Formação de Professores Mesa Redonda Novos formatos e novos instrumentos de

Leia mais

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs -PNAN - Portaria 1.010 - Estatuto da criança e do adolescente -PCNs Alimentação Escolar Aline Guimarães Nutricionista - CECANE UnB PNAN Política Nacional de Alimentação e Nutrição Alimentação escolar PNAN

Leia mais

SUMÁRIO. Língua Portuguesa

SUMÁRIO. Língua Portuguesa Língua Portuguesa Compreensão e interpretação de textos de gêneros variados... 3 Domínio da ortografia oficial... 21 Reconhecimento de tipos e gêneros textuais... 9 Domínio da estrutura morfossintática

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ANEXO ÚNICO METAS E ESTRATÉGIAS DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO (PEE) PARA O DECÊNIO 2015-2024 Meta 1: Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 04 (quatro) a 05 (cinco)

Leia mais

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1.

Palavras-chave: Educação Física. Produção Colaborativa de Práticas Corporais Inclusivas. Alunos público alvo da Educação Especial. 1. INCLUSÃO DE ALUNOS PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REDE REGULAR DE ENSINO DA CIDADE DE CATALÃO: ANÁLISE E ESTÍMULO DA PRODUÇÃO COLABORATIVA DE PRÁTICAS CORPORAIS INCLUSIVAS

Leia mais

Juntos pela Educação Política de Educação Integral do Município de São Miguel dos Campos (AL) 2016

Juntos pela Educação Política de Educação Integral do Município de São Miguel dos Campos (AL) 2016 Juntos pela Educação Política de Educação Integral do Município de São Miguel dos Campos (AL) 2016 Sumário Apresentação.2 Parte 1: Das disposições gerais da Política de São Miguel dos Campos....4 Parte

Leia mais

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo

Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS. Uma instituição do grupo Educador A PROFISSÃO DE TODOS OS FUTUROS F U T U R O T E N D Ê N C I A S I N O V A Ç Ã O Uma instituição do grupo CURSO 2 OBJETIVOS Discutir e fomentar conhecimentos sobre a compreensão das potencialidades,

Leia mais

para que a educação seja assumida como responsabilidade de todos, e ampliar o controle social no cumprimento das políticas públicas educacionais.

para que a educação seja assumida como responsabilidade de todos, e ampliar o controle social no cumprimento das políticas públicas educacionais. para que a educação seja assumida como responsabilidade de todos, e ampliar o controle social no cumprimento das políticas públicas educacionais. 19. Constituir fóruns paritários e regulares, envolvendo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 2012 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA POLÍTICAS DE PROTEÇÃO POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ PROTEÇÃO ESPECIAL META: COMBATE AO TRABALHO INFANTIL

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo II Políticas Públicas e Direitos Humanos Aula 7 Políticas públicas e

Leia mais

MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA: FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA REDE PÚBLICA DE MANAUS

MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA: FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA REDE PÚBLICA DE MANAUS MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA: FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA REDE PÚBLICA DE MANAUS Claudia Regina Rodrigues Nazaré Magalhães, Secretaria Municipal de Educação Msc. Jacy Alice Grande da

Leia mais

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Proteção Social para todos/as os/as brasileiros/as II Plano Decenal - 2016/2026 CARACTERÍSTICAS DOS PLANOS São técnicos e políticos;

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS.

A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. A ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL CONGÊNITA E ADQUIRIDA ATRAVÉS DE JOGOS PEDAGÓGICOS. Luciana Barros Farias Lima Instituto Benjamin Constant Práticas Pedagógicas Inclusivas

Leia mais

Diretoria de Políticas de Educação de Jovens e Adultos

Diretoria de Políticas de Educação de Jovens e Adultos Diretoria de Políticas de Educação de Jovens e Adultos Coordenação de Coordenação de Alfabetização Educação Jovens e Adultos Coordenação de Formação e Leitura Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização

Leia mais

Art O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;

Art O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I DA EDUCAÇÃO Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade,

Leia mais

Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica

Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica Fundação de Assistência Social e Cidadania FASC Direção Técnica Coordenaçao Rede Básica PROTEÇÃO SOCI AL BÁSI CA - PSB Centro de Referência da Assistência Social CRAS Organização da Rede Socioassistencial

Leia mais

A OFERTA DE CURSOS FIC S POR MEIO DA BOLSA-FORMAÇÃO NO PRONATEC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 1. Resumo

A OFERTA DE CURSOS FIC S POR MEIO DA BOLSA-FORMAÇÃO NO PRONATEC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 1. Resumo A OFERTA DE CURSOS FIC S POR MEIO DA BOLSA-FORMAÇÃO NO PRONATEC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 1 Autor: Genilda Teixeira Pereira Amaral 2 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade

Leia mais

2ª Reunião Ordinária da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena CNEEI

2ª Reunião Ordinária da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena CNEEI 2ª Reunião Ordinária da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena CNEEI Atividades da Coordenação Geral de Educação Escolar Indígena 18.11.2014 TERRITÓRIOS ETNOEDUCACIONAIS Pactuação de 02 TEEs TEE

Leia mais

1 05/03/ :53:32 PROFESSOR DE ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO(68 HORAS)

1 05/03/ :53:32 PROFESSOR DE ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO(68 HORAS) 1 05/03/2016 11:53:32 PROFESSOR DE ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO(68 HORAS) TURMA SÁBADO - UNIDADE PAULISTA PROFESSOR DE ENSINO FUNDAMENTAL II E MÉDIO INÍCIO 27/02/2016 COM TRANSMISSÃO AO VIVO 27/02/2016

Leia mais

XLV Reunião Plenária. 25 a 28 de novembro de 2015, Belém/PA. Um país pensando a educação para a próxima década

XLV Reunião Plenária. 25 a 28 de novembro de 2015, Belém/PA. Um país pensando a educação para a próxima década XLV Reunião Plenária 25 a 28 de novembro de 2015, Belém/PA Um país pensando a educação para a próxima década Prof. Heleno Araújo Filho Diretor do SINTEPE Diretor da CNTE Coordenador do FNE O PNE é um documento

Leia mais

Inovação e Criatividade na Educação Básica

Inovação e Criatividade na Educação Básica MEC Inovação e Criatividade na Educação Básica 2015 Objetivo Criar as bases para uma política pública de fomento a inovação e criatividade na educação básica Desafios da Educação Básica no Brasil hoje

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º C, DE 2010 (Do Poder Executivo)

*PROJETO DE LEI N.º C, DE 2010 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 8.035-C, DE 2010 (Do Poder Executivo) Ofício nº 2.816/2013-SF SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 8.035-B, DE 2010, que "Aprova o Plano Nacional

Leia mais

LDB Lei de Diretrizes e Bases

LDB Lei de Diretrizes e Bases PEDAGOGIA LDB Lei de Diretrizes e Bases Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional O pedagogo estuda as teorias da ciência da educação e do ensino É

Leia mais

Programa Nacional de Educação do Campo PRONACAMPO. Ministério da Educação. Março de Ministério da Educação

Programa Nacional de Educação do Campo PRONACAMPO. Ministério da Educação. Março de Ministério da Educação Programa Nacional de do Campo PRONACAMPO Março de 2012 Acesso à Básica no Campo Taxas de atendimento Infantil /Creche 6,98% Infantil/Pré-Escola 66,80% Ensino Fundamental 91,96% Ensino Médio 18,43% EJA

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA - PNAIC

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA - PNAIC PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA - PNAIC CHAMADA PARA COMPOSIÇÃO DA EQUIPE DE SUPERVISORES E PROFESSORES FORMADORES PARA O PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA - PNAIC A Coordenação

Leia mais

construindo uma agenda

construindo uma agenda Regime de colaboração: construindo uma agenda . Regime de colaboração. Sistema nacional de educação. Responsabilidade da gestão pública educacional. Esforço coordenado e planejado. Atuação propositiva

Leia mais

CICLO DE Aprendizagem DESAFIOS E PERSPECTIVAS

CICLO DE Aprendizagem DESAFIOS E PERSPECTIVAS CICLO DE Aprendizagem DESAFIOS E PERSPECTIVAS O QUE É CICLO? Utiliza-se na Educação brasileira a palavra ciclo para designar cada um dos níveis em que se divide o tempo do ensino público. Orientase pela

Leia mais

Departamento. Responsabilidade Social ELETROBRÁS

Departamento. Responsabilidade Social ELETROBRÁS Departamento de Responsabilidade Social ELETROBRÁS das@eletrobras.com (21) 2514-6146 Histórico de Criação da Área 1º Momento 27.01.2003 Res - 038/2003 Coordenadoria para o Desenvolvimento Humano e Responsabilidade

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 08/2016 Aprova a estrutura curricular do Curso de Letras Libras, modalidade

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

Estado de Mato Grosso do Sul

Estado de Mato Grosso do Sul Estado de Mato Grosso do Sul Universidade Federal de Mato Grosso Sul - UFMS Coordenadora Geral - Profa. Dra. Edna Scremin-Dias Coordenadora Adjunta - Profa. Dra. Vivina Dias Sol Queiroz Universidade Federal

Leia mais

EMENDA Nº 4 - PLEN (SUBSTITUTIVO) (ao PLC nº 103, de 2012)

EMENDA Nº 4 - PLEN (SUBSTITUTIVO) (ao PLC nº 103, de 2012) EMENDA Nº 4 - PLEN (SUBSTITUTIVO) (ao PLC nº 103, de 2012) Aprova o Plano Nacional de Educação PNE e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação PROPOSTA DE QUALIFICAÇÃO DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO BRASIL Brasília, Junho/2004

Leia mais

1. DO CURSO. 1.6 O cronograma do curso será disponibilizado no endereço eletrônico .

1. DO CURSO. 1.6 O cronograma do curso será disponibilizado no endereço eletrônico <http://educacaopobrezaedesigualdadesocial.nute.ufsc.br>. EDITAL N. o 13/2014 /EED/CED/UFSC, DE 02 DE SETEMBRO DE 2014 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO, POBREZA E DESIGUALDADE SOCIAL, MODALIDADE A DISTÂNCIA O Coordenador

Leia mais

EMENTA - CURSO DE EXTENSÃO EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA

EMENTA - CURSO DE EXTENSÃO EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA EMENTA - CURSO DE EXTENSÃO EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA Descrição O objetivo deste curso é promover um aprimoramento para estudantes e profissionais das áreas de saúde e/ou educação que buscam ampliar seus conhecimentos

Leia mais

Ressignificação da juventude

Ressignificação da juventude Ressignificação da juventude Seminário de Integração Favela-Cidade Regina Novaes. maio de 2012 MESA 5: Ressignificação da juventude A proliferação de atividades ilegais e o constante isolamento das favelas

Leia mais

Relatório de Avaliação do Programa Escola da Família 2º Semestre/2010. Raquel Maria Rodrigues PCOP Programa Escola da Família. Oficina Pedagógica

Relatório de Avaliação do Programa Escola da Família 2º Semestre/2010. Raquel Maria Rodrigues PCOP Programa Escola da Família. Oficina Pedagógica Diretoria de Ensino Região Guarulhos Norte Relatório de Avaliação do Programa Escola da Família 2º Semestre/2010 Raquel Maria Rodrigues PCOP Programa Escola da Família Oficina Pedagógica Guarulhos, Dezembro

Leia mais

Autores: CHRISTIANE CABRAL E HUGO RODRIGUES

Autores: CHRISTIANE CABRAL E HUGO RODRIGUES DEVERES DA ESCOLA NA OFERTA DE EDUCAÇÃO DE QUALIDADE, COM IGUALDADE DE CONDIÇÕES E OPORTUNIDADES PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: da convenção às orientações legais e pedagógicas para uma educação inclusiva.

Leia mais

Percentagem de escolas que são gratuitas, desagregadas por ano (*)

Percentagem de escolas que são gratuitas, desagregadas por ano (*) Indicadores globais propostos Objetivo 4. Garantir uma educação inclusiva e equitativa de qualidade e promover as oportunidades de aprendizagem contínua para todos Estas recomendações são feitas em conjunto

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS: DEFINIÇÃO DE ETAPAS PARA A PRODUÇÃO DE TEXTO ARGUMENTATIVO

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS: DEFINIÇÃO DE ETAPAS PARA A PRODUÇÃO DE TEXTO ARGUMENTATIVO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS: DEFINIÇÃO DE ETAPAS PARA A PRODUÇÃO DE TEXTO ARGUMENTATIVO Vivian Cristina Jacomite de Souza 1 Luis Mateus da Silva Souza 2 Universidade do Sagrado Coração - USC

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DOS ADOLESCENTES NA 9 CONFERÊNCIA DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES

PARTICIPAÇÃO DOS ADOLESCENTES NA 9 CONFERÊNCIA DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPAÇÃO DOS ADOLESCENTES NA a 9 CONFERÊNCIA DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES Mobilizando, implementando e monitorando a política e o plano decenal de direitos humanos de crianças e adolescentes

Leia mais

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO

ANEXO DE METAS E PRIORIDADES PROGRAMA FINALÍSTICO Página 1 PROGRAMA: ATENÇÃO A SAÚDE DA POPULAÇÃO OBJETIVO: Promover o acesso universal da população aos serviços ambulatoriais, emergenciais e hospitalares nos postos de saúde e hospitais localizados no

Leia mais

DESCRIÇÃO E FINALIDADE DAS AÇÕES DE GOVERNO

DESCRIÇÃO E FINALIDADE DAS AÇÕES DE GOVERNO DESCRIÇÃO E FINALIDADE DAS AÇÕES DE GOVERNO Programa 126 2030 - Educação Básica Ação Orçamentária Tipo: Operações Especiais Número de Ações 20RJ - Apoio à Capacitação e Formação Inicial e Continuada de

Leia mais