Na Batida do Som: Bizz e o Jornalismo de Revista 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Na Batida do Som: Bizz e o Jornalismo de Revista 1"

Transcrição

1 Na Batida do Som: Bizz e o Jornalismo de Revista 1 GUERRA, Renan Machado (graduando em Jornalismo) 2 FINARDI, Tamara (graduanda em Jornalismo) 3 RIBEIRO, Mara Regina Rodrigues (Professora Mestre) 4 Universidade Federal do Pampa/Rio Grande do Sul Resumo: Este artigo apresenta um estudo exploratório sobre a revista de música e cultura pop Bizz, que surge na segunda metade dos anos 1980, seguindo padrões estéticos internacionais e visando um novo público até então ignorado pela mídia: os jovens. A publicação tratava, além da música, de cinema, moda, vídeo, quadrinhos e tecnologia; mas as temáticas abordadas eram influenciadas pelas mudanças editoriais e pelo momento econômico do país. A partir deste contexto, o artigo trabalhará sob a tríade proposta por Manuel Chaparro: Ética, Técnica e Estética, ao longo da trajetória da revista, tanto nas suas mudanças gráficas, quanto nas problemáticas enfrentadas entre o ideário de imprensa, e a realidade de uma empresa. Demonstraremos através da análise deste veículo, o quão complexa é a produção e desenvolvimento deste meio, utilizando-se para isso dos autores Marília Scalzo, Sergio Vilas Boas e Alberto Dines. Com a pesquisa sobre a história da revista, este artigo visa propor a discussão sobre as funções de um jornalista inserido em uma realidade sustentada por interesses econômicos, reavaliando assim as expectativas da profissão. Palavras-chave: jornalismo; revista; cultura pop. Revista: forma e conteúdo A revista é o meio de comunicação que mais aderiu à idéia de segmentação, um exemplo disso é a revista Bizz, que nos anos 1980, optou por dirigir-se a um público até então esquecido: os jovens. A publicação conseguiu assim, algo que só este formato consegue: uma relação de fidelidade e intimidade com o seu leitor. Scalzo (2003, p. 11) afirma que: uma revista é um veículo de comunicação, um produto, um negócio, uma marca, um objeto, um conjunto de serviços, uma mistura de jornalismo e entretenimento. Nenhuma das definições acima está errada, mas também nenhuma delas abrange completamente o universo que envolve uma revista e seus leitores. A propósito: o editor espanhol Juan Caño define revista como uma história de amor com o leitor. Este veículo, além de sua relação íntima com o leitor, também possui características que o 1 Trabalho apresentado no GT de História da Mídia Impressa, integrante do VIII Encontro Nacional de História da Mídia, Graduando do curso de Jornalismo da Universidade Federal do Pampa (Unipampa) e integrante do Grupo de Pesquisa História da Mídia. 3 Graduanda do curso de Jornalismo da Universidade Federal do Pampa (Unipampa) 4 Orientadora do trabalho. Jornalista formada pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e Mestre em Ciências Sociais Aplicadas pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Doutorado em andamento em Ciências Sociais pela Faculdad Latinoamericana de Ciencias Sociales.

2 tornam único, tanto no estilo quanto no ritmo de produção, pois possui um tempo de trabalho maior do que o jornal diário. Um ponto importante para essa singularidade é o seu visual gráfico, pois possui uma maior liberdade, podendo trabalhar com inúmeros formatos. O texto em revista é amplo, bem trabalhado, contendo informações mais apuradas, em tese, uma revista tem obrigação de acompanhar o fato e ir além dele. Tem de municiar o leitor com informações sobre o que tal fato está indicando, que tipo de mudanças e o que ele realmente significa. Não pode, por isso, dar a palavra final. Deve dar pistas ou até mesmo a interpretação dos acontecimentos. É preciso fugir da cobertura a reboque que o jornal e a TV têm que fazer, conforme Vilas Boas (1996, p. 74). A linguagem da escrita também é diferenciada, pois tem um caráter mais intimista, demonstrando conhecer o seu leitor, pois assim sabe-se exatamente o tom com que se dirigir a ele. É preciso escrever na língua do leitor ou, como diria o jornalista Eugênio Bucci, em leitorês (Scalzo, 2003, 76). Mas Vilas Boas ressalta que a suposta liberdade do texto semanal de uma revista informativa é um labirinto no qual não é suficiente apenas um novelo de lã para marcar o caminho, pois ele requer mais dedicação e criatividade. Outro aspecto marcante das revistas é o público específico ao qual elas se dirigem, pois não tentam abarcar a todos, elas optam pela segmentação. Tanto que atualmente encontra-se no mercado revistas de moda, beleza, decoração, economia, agricultura, educação, esportes, ciências, música, cinema, surf, em quadrinhos, de animais de estimação, entre outros. A Bizz Nessa linha, surgiu nos anos 1980, a Revista Bizz, que optou pelo mercado da música, mas com uma linha editorial que visava um público novo, os jovens, que até aquele momento ainda não haviam sido enxergados como um público consumidor. A revista surgiu com o enfoque na música internacional e nacional, num primeiro momento voltado ao rock, MPB e pop. A Bizz surge em meio à renovação nacional, pois na metade da década de 1980 o país passava por uma reestruturação política e social, após 21 anos de ditadura militar. Os jovens ainda não tinham meios que passassem as informações que eles buscavam, tanto do cenário cultural nacional, quanto do internacional. Alex Antunes (2010), editor-chefe das revistas Bizz e Set, no final dos anos 1980, afirmou que O que determinou a importância da Bizz nos anos 80 foi a combinação entre determinadas condições político-sociais e de mercado, que permitiram que a revista apresentasse, por assim dizer, o Brasil urbano carente de uma expressão musical condizente com a juventude da época a uma onda emergente de rock (nacional e internacional) pós-punk. A circulação de informação era precária. Não havia internet; nem todos os discos supostamente importantes eram lançados no país e a importação de vinis era cara; não havia tecnologia de reprodução doméstica de discos sem perda considerável de qualidade da cópia (fita K7, no caso); as próprias bandas brasileiras emergentes precisavam de um interlocutor na imprensa os jornais mais antenados, como a Folha de São Paulo, ainda não tinham impressão em cores e não havia MTV, então o formato revista era importante inclusive na divulgação da imagem das bandas. Ao mesmo tempo, o impacto ainda recente do punk permitia uma discussão histórica das conexões entre a sonoridade da época e as raízes do rock e, em termos de Brasil, a relação entre as bandas de pop urbano e a música

3 brasileira (questão colocada pela Tropicália e muito carente de respostas nos anos 80). (entrevista ao site Canal Comum) Outro fator que fortalece a revista é o boom do rock nacional, que tem seu grande marco no primeiro Rock in Rio, realizado em 1985, no qual inúmeras bandas hoje consagradas fizeram seus primeiros shows, como Paralamas do Sucesso, Barão Vermelho e os então intitulados Kid Abelha & Os Abóboras Selvagens. A partir desse festival, que demonstra o quanto os jovens queriam consumir rock, a indústria fonográfica passa a valorizar artistas dessa primeira safra rock n roll do Brasil: Legião Urbana, RPM, Titãs, Blitz, Lobão, Ira!, Nenhum de Nós, Engenheiros do Hawaii, entre outros. Isso cria um mercado tão lucrativo, que estes artistas passam a fazer parte das paradas de sucesso em rádios de todo país. Outro público que o Rock in Rio revela é uma gama de jovens apaixonados pelo crescente heavy metal, sendo que shows de artistas como AC/DC, Ozzy Osbourne e Iron Maiden levaram uma platéia gigantesca ao festival. Acrescenta-se a esta cena internacional, a efervescente cena heavy metal brasileira, que iria revelar talentos como Sepultura e Ratos de Porão, bandas que também foram apoiadas pela revista Bizz. A popularização do videoclipe é mais um ponto para a criação da Bizz, pois após a inauguração da MTV norte-americana, em 1981, a música foi elevada a outro nível, porque não apenas ouvia-se música, agora assisti-se música. A maioria dos artistas pop/rock dos anos 1980 passa pela tela da MTV, e não se tendo uma sucursal no Brasil, a Bizz participa como um elo entre o fã e as produções da MTV, tanto seus videoclipes quanto suas premiações. Com todas essas condições, a revista Bizz surge como um protótipo, intitulado Bizz nº 0, em junho de 1985, que é apresentado à imprensa, ao mercado publicitário e aos artistas nacionais. Com um formato baseado em revistas internacionais como a Rolling Stone e a New Music Express (NME), ela recebeu aprovação geral, tanto que em menos de dois meses chega às bancas a primeira edição, trazendo o cantor norte-americano Bruce Springsteen na capa. Seu formato incluía uma página intitulada Showbizz, que trazia as notícias e fatos do mundo musical; a parada de vendas nacional e internacional; trazia pequenas resenhas de inúmeros lançamentos em vinil e k7 e também de alguns filmes em vídeo; também resenhava apresentações ao vivo; e possuía ainda uma página para canções traduzidas, uma para resenhar algum disco clássico, outra de cartas dos leitores e também trazia algum artista apresentando seu instrumento. A revista contava ainda com alguns correspondentes internacionais, em cidades como Los Angeles, Milão, Paris e Londres, que informavam as novidades dos músicos, seus lançamentos e shows. Ela contava ainda com uma seção intitulada Porão, onde artistas do underground nacional e internacional eram apresentados ao público, exemplo disso está na primeira edição da revista, que apresentava as bandas R.E.M. e Jesus and Mary Chain, atualmente considerados grandes nomes do rock mundial.

4 Uma das seções que mais está relacionada ao momento em que o mundo do entretenimento estava é a Clip, na qual se apresentava em alguns quadros os novos lançamentos em videoclipes, fazendo-se comentários sobre a obra e apresentando curiosidades; a seção ainda era complementada pela parada de clipes da Billboard. A revista ainda era recheada de grandes entrevistas exclusivas com músicos nacionais e internacionais, utilizando-se de formatos variados, desde entrevistas simples até produções em que se acompanhava um artista durante sua turnê. Exemplo disto encontra-se na edição número 35, de 1988, na qual a cantora Sinéad O Connor, ainda em começo de carreira, foi acompanhada alguns dias pelo repórter do jornal inglês Melody Maker, Ted Mico, que fez a matéria exclusivamente para a Bizz, retratando o cotidiano de Sinéad, sua preparação para os shows e colhendo inúmeros comentários ácidos da cantora. Analisando as fases da revista A revista foi inicialmente publicada pela editora Abril, tanto que em seu primeiro número o editorial era assinado por Victor Civita, diretor e editor geral da Abril na época, que reforçava os motivos da criação da Bizz. A publicação atingiu vendagens elevadas, fazendo com que em menos de um ano a Abril criasse a editora Azul, que passa a publicar a Bizz e outras publicações segmentadas. A partir dessa troca, começa uma trajetória repleta de mudanças, onde a revista passa a seguir os caminhos delimitados pelo mercado, tanto nas questões estéticas quanto de conteúdo, fazendo da história da Bizz um rico material de análise dos caminhos do jornalismo de revista, e, por conseguinte do jornalismo cultural, onde se percebe os embates entre as aspirações de uma empresa e dos jornalistas. Optou-se por dividir em seis fases a história da revista Bizz, ressaltando-se as mudanças mais acentuadas da publicação, levando em conta os critérios-base do jornalismo, estabelecidos por Manuel Chaparro: ética, técnica e estética. Percebendo assim as inúmeras facetas de uma empresa jornalística frente às pressões do mercado e as mudanças sociais. 1ª : a fase de ouro Após o começo apoiado por uma parcela grande do meio musical e da publicidade, a revista mantém sua linha editorial, que foi apresentada anteriormente. Sob a direção editorial de Carlos Arruda e chefia de redação de José Eduardo Mendonça, a revista começa sua trajetória como a principal revista musical do país nos anos Em 1986, o país entra no Plano Cruzado, que fortalece o poder de consumo da população, fortalecendo de vez a revista, que a partir deste momento já tinha suas ramificações, que eram outras pequenas revistas ou encartes especiais. Destacam-se aí o Top Hits/Letras Traduzidas,

5 pequena revista que trazia os grandes sucessos internacionais traduzidos; Ídolos do Rock, que trazia a história de alguns artistas, através de muitas fotos, discografias e oito páginas só de adesivos; destes especiais ela ainda trazia muitas revistas-pôsteres. Com todo esse crescimento da revista, a editora Abril cria a Editora Azul, que dá vazão a estas publicações segmentadas. Toda essa euforia econômica acaba com o fracasso do Plano Cruzado, tanto que em 1987, revistas de música e cultura pop, como a Somtrês e a Roll, acabam fechando as portas. A falência das concorrentes eleva a Bizz ao posto de maior revista musical do país. Inicialmente focada em inúmeros temas, além da música, como cinema, moda e comportamento, a Bizz abre caminho a outras revistas, como a revista Set, que foca principalmente no cinema. Set e Bizz só crescem por causa do apoio da Editora Azul e de um público que quer informação cultural, abrindo-se assim caminhos novos no jornalismo nacional. A partir de 1987, com a direção de redação de José Augusto Lemos e Alex Antunes como editor, a revista fecha seu foco na música e acentua seu caráter alternativo, exemplo disso é a edição número 35, de 1988, já citada aqui, que traz em sua capa a cantora Sinéad O Connor, que na época lançava seu primeiro disco e ainda fazia turnês pequenas pela Europa. Mesmo assim, a revista não abandona seu caráter pop, tanto que uma das capas emblemáticas desta fase é que traz o cantor Michael Jackson, num close, apenas com alguns nomes de artistas no canto esquerdo inferior, demonstrando a simplicidade da capa e a força da revista, que não necessitava de uma publicidade exacerbada. Uma das marcas da Bizz desde seu lançamento foi o trailer-disc, que vinha de brinde na revista. Era um compacto com trechos de músicas pop-rock que ainda não haviam sido lançadas. Mais tarde foi substituído por flexidisc, aqueles disquinhos do tamanho de compactos, só que de plástico e dobráveis. (Alzer & Claudino, 2004, p.95) Outra característica que se fará presente pela trajetória da revista é o fato dos jornalistas assinarem suas matérias, não apenas as resenhas, mas reportagens sobre turnês ou produção de discos também eram assinadas. Mas é importante ressaltar, que mesmo com sua identidade jovem e inovadora, os textos eram, em sua maioria, informativos, leves e interessantes, não se utilizando de uma linguagem pobre, apenas simples. Fortalecida pelo boom do rock nacional, pela influência mundial da MTV americana e por um momento de ajustes na economia nacional, a Bizz conseguiu produzir jornalismo cultural e ainda conquistou um grande público, pois como defende a jornalista Marília Scalzo (2003), a relação do leitor com sua revista é uma relação que entra no espaço privado, na intimidade, na casa dos leitores. A publicação marca assim uma época, tanto na vida de seus leitores, quanto na história do jornalismo segmentado nacional. 2ª : Caminhos mutantes Com sua força sedimentada, a Bizz dá seus primeiros passos de mudança, tentando

6 acompanhar as transformações do país: opta por um novo projeto gráfico e muda seu logotipo. Mudanças visuais à parte, a revista mantém seu foco na música, tanto internacional quanto nacional, mas o país não era mais o mesmo. Iniciam-se os anos 90 e o cenário nacional está completamente diferente: o rock nacional já não vende como antes, poucas bandas ainda estão nas paradas, como Titãs, Legião Urbana e Paralamas do Sucesso; os campeões de venda tornaram-se as duplas sertanejas, como Chitãozinho & Xororó e Leandro & Leonardo, e os ritmos da lambada de Sarajane e Beto Barbosa. Em 1990, é criada a MTV Brasil, que chama a atenção do público para muitos artistas internacionais de pop rock, ajudando as vendas da Bizz. Acrescenta-se aí a segunda edição do Rock in Rio, realizada em janeiro de 1991, que trazia artistas como Guns N Roses, Faith No More, Judas Priest e Megadeth. Esses dois acontecimentos dão um apoio rápido à manutenção da Bizz, mas o momento era de incertezas, pois o cenário musical estava em mudança e a revista queria acompanhá-lo. Já em 1993, a revista muda novamente seu visual, alterando seu logotipo pela terceira vez e redirecionando seu projeto editorial. Logo de início, a revista já demonstra seu interesse na música nacional, apoiando artistas como Carlinhos Brown, Skank, Okotô, entre outros. Mesmo assim, a revista fica um pouco perdida em relação aos caminhos a seguir. Pedro Só, jornalista da revista na época, afirma não é segredo que a revista viveu fase crítica em termos de vendas e de orientação editorial exatamente entre 1994 e Com isso, só restam mudanças pela frente. 3ª : Showbizz e os caminhos turvos Define-se essa fase em uma afirmação do jornalista Alberto Dines (ano, p.: infelizmente, o perigo que ameaça a grande empresa jornalística moderna não é a ênfase no jornalismo (grifo do autor), mas ao contrário: a predominância da tecnocracia e da burocracia. Demonstram-se aqui os caminhos que a revista escolhe, optando por definir sua linha editorial através das vendagens, esquecendo-se de seu papel de formadora de opinião e transmissora de informações. A revista muda seu nome para Showbizz e opta por focar em um público juvenil, para isso utiliza uma linguagem adolescente, prioriza as imagens em detrimento do texto, é veiculada em um formato maior e traz ensaios sensuais. Esse formato acaba atraindo a publicidade e faz com que nos primeiros meses as vendagens subam consideravelmente. Assim, a revista confirma sua relação de dependência total da publicidade, ação que difere de sua atitude nos anos 80, que é exposta por Alex Antunes (2010): O prestígio da Bizz nos anos 80 permitia total autonomia entre a redação e a área comercial. Houve caso de um álbum ser massacrado na seção de crítica, e ter um anúncio de página inteira ao lado. Aconteceu com o Jean-Michel Jarre, por exemplo. Claro que o anunciante não gostava, e podia até mandar reclamações sobre o mau-humor da redação em determinadas críticas como aconteceu com o Gilberto Gil, que considerou uma resenha particularmente ofensiva. Mas nada disso abalava a

7 percepção do anunciante de que estar na revista era imprescindível. (entrevista no site Canal Comum) Alberto Dines novamente corrobora a quão é errada a atitude de depender dos lucros para guiar o caminho editorial de uma publicação, pois o jornalismo é a atividade-fim da empresa jornalística. Administração e comercialização são atividades-meio para assegurar-lhe todas as facilidades para um bom desempenho. Isso fica claro no momento em que a revista foi bem no quesito vendas, mas a resposta do público as mudanças é negativa. Pedro Só (2010, anexo 1), editor da revista na época, mostra as problemáticas enfrentadas: Eu lembro que muito me desiludi com isso [mudanças editoriais], porque fui trabalhar na Bizz convencido de que a mudança seria em outra direção: na época, a revista Vox era a referência que me interessava seguir. Infelizmente, a editora Azul, com supervisão da Abril, queria algo nos moldes da reforma feita pela Placar na mesma época: menos texto e mais ênfase em fotos produzidas em estúdio, uma certa infantilização da linguagem (tentativa vã de falar com o adolescente e o pré-adolescente), superficialidade etc. Nessas circunstâncias, a reforma editorial, com mudança de nome para Showbizz (outubro de 95), apesar de infeliz em vários aspectos, coincidiu com investimentos em divulgação que melhoraram a situação da Bizz como negócio. A revista passou a vender mais. O editorial teve a maior parte de seus pecados e erros de orientação atenuados e corrigidos em processo interno, extra-oficial. Para isso, contei com ótima ajuda de Sérgio Martins, à época também editor (fui promovido a editor-chefe em 1996). O retorno dado pelos leitores - e, claro, também pelas vendas em banca - nos ajudou a embasar nossas decisões e a derrubar algumas sandices impostas pelo projeto original. Assim, em 1998, com a compra da Editora Azul pela editora Abril, a revista, então, Showbizz volta a apostar no texto jornalístico, e abre o foco para a música nacional, caminho trazido por Pedro Só, desde sua chegada na revista, em 1990, mas só aderida com o apoio da editora Abril. A revista não se restringe a MPB, fala também de samba, forró, entre outros. A partir daqui, a publicação fez uma limpeza total, retirando, por exemplo, os ensaios sensuais de seu projeto. Sobre essa fase, Pedro Só ressalta: Sempre trabalhei sob supervisão de outros profissionais, seguindo projetos editoriais, orientações com as quais nem sempre concordei. Por mais pessoal que seja um trabalho jornalístico, nessas circunstâncias, como redator-chefe, a Bizz/Showbizz jamais expressou o que eu realmente gostaria de fazer como revista de música. Apesar disso e de eventuais frustrações, avalio a experiência como muito prazerosa. Foi possível exercitar a criatividade, praticar boa reportagem e - mais importante - influenciar e de certa forma, transformar algumas visões culturais vigentes na geração jovem dos anos 90. 4ª : O abandono Em 2000, a editora Símbolo faz uma parceria com a editora Abril e passa a publicar a revista Showbizz, que volta a se chamar Bizz. Nessa fase, a publicação perde, internamente, em muitos sentidos, pois a nova editora não dá o suporte necessário à publicação, pagando baixos salários, não investindo na publicação, fazendo com que essa fase dure menos de dois anos. Nesse curto espaço de tempo, a linha editorial abriu-se para ritmos como a música eletrônica e deu um enfoque especial ao pop nacional. Os editores deste novo projeto eram Emerson Gasperin e José Flávio Jr., que mesmo com o pouco apoio, tentaram reestruturar a revista, trazendo um novo caminho: o da publicação de grandes especiais, que contavam a história de algum grande astro ou banda.

8 Mesmo assim, em 2001, depois de 16 anos na ativa, a revista Bizz fecha suas portas, por que o contrato entre a editora Abril e a editora Símbolo acabou, e a primeira não se interessou em manter o título. 5º : Ideais jornalísticos Entre 2001 e 2005, a revista ainda manteve-se viva em algumas edições especiais, como uma forma de manter e utilizar a marca. Já em 2005, Adriano Silva, que coordenava o Núcleo Jovem da Editora Abril, juntamente com Ricardo Alexandre, que colaborava com a revista Bizz, desde o início dos anos 90, começam a trabalhar na reedição da revista mensal. De uma forma natural, após as edições especiais, a revista mensal volta a ser comercializada, composta no mesmo formato das revistas anteriores, com grandes reportagens, resenhas e lançamentos. Porém, o retorno da revista as bancas foi um projeto independente da editora Abril, pois no momento específico, a editora optava por não investir em novos projetos, com isso os dois jornalistas, Adriano Silva e Ricardo Alexandre, encontram outros caminhos para a publicação. Ricardo Alexandre (em entrevista por telefone, 2010) conta que para a publicação da revista, ele e Adriano Silva fizeram propostas surreais de patrocínio da revista. Tipo porque 1/8 do que você pagaria normalmente e tenha tudo que você quiser e mais um pouco só para poder patrocinar a existência da revista Bizz. [...] A gente fez um acordo com a Claro de patrocínio completo da revista. [...] Era um tipo de patrocínio exclusivo da revista, algo que eu nunca vi na minha vida ser praticado, mas a gente fez. Com esse diferencial publicitário, a revista é lançada sem chamar a atenção, com vendagens modestas, mas optando por um jornalismo sério, onde o importante era informar e discutir música, sem limitar-se em razão da publicidade. Alexandre também conta que a revista teve apoio de alguns entusiastas da Bizz, como a banda Skank, o cantor Nando Reis e os Mutantes, mas que a revista tornou-se algo pequeno, que não chamou a atenção nacional. Isso pode ser visto nas vendagens da revista, que foram baixas para um produto da editora Abril. Sobre os lucros, Alexandre ressalta que a revista não dava um centavo de lucro e a nossa idéia era que a gente fosse atrás de patrocínios pelo menos para manter a revista viva, e o fato de a gente ter acordos publicitários estabelecidos também inibia a Editora Abril de extinguir o título. [...] Durante esse tempo todo, a revista existiu nesse esquema, que a gente chamava de esquema apinéia, a gente tomava um fôlego e mergulhava de novo. Dessa forma, a revista conseguiu manter-se ativa até julho de 2007, quando sai a última edição mensal, tendo na capa a banda Los Hermanos, falando sobre sua última turnê. Esta matéria foi assinada por Ricardo Alexandre, que ressalta que aprendeu muito com o tempo em que trabalhou na revista, pois trabalhava em condições péssimas, fazendo com que aprendesse a lidar com todo esse trânsito entre publicidade e editorial, ou como fazer edição, direção de equipe, de gestão, essas coisas todas surgiram ali. 6ª : Especiais

9 A partir de 2007, apenas para a manutenção da marca Bizz e em momentos específicos, a Abril lança especiais, que trazem grandes matérias sobre a carreira de determinados artistas. Exemplo deste formato é a edição especial sobre o cantor Michael Jackson, que foi lançada logo após seu falecimento, aproveitando um momento em que o mercado queria consumir produtos relacionados ao músico. Os especiais servem como uma saída para determinadas produções da editora que não possuem um veículo específico e que acabam mantendo a marca Bizz viva. Outro exemplo deste novo rumo da publicação, é o especial sobre a cantora pop americana Lady GaGa, que foi publicado em 2010, num momento em que a cantora está no auge de seu sucesso. Considerações finais Após a percepção da história da revista Bizz, compreende-se que o jornalismo cultural no Brasil é um caminho difícil, onde o foco do jornalismo, que é a informação, é distorcido, em função do mercado publicitário. Entende-se que o trabalho jornalístico deve ser buscado paralelamente as projeções financeiras. Dines ressalta que a empresa deve servir de base à instituição pública que é a atuação jornalística. Quanto mais bem feita, mais independente e influente, melhor servirá à empresa jornalística visa a sistematizar o talento e não sufocá-lo. O jornalista é também o leitor dentro da redação. Anexos 1 Entrevista via com o jornalista Pedro Só: Eu comecei a colaborar para a revista em 1990/91 e fui contratado como editor em julho de Peguei um bonde andando, é verdade: cheguei quando já havia o projeto de reforma editorial. Eu lembro que muito me desiludi com isso, porque fui trabalhar na Bizz convencido de que a mudança seria em outra direção: na época, a revista Vox, inglesa, era a referência (um pouco como a Mojo, porém mais pop e ligada na atualidade) que me interessava seguir. Infelizmente, a editora Azul, com supervisão da Abril, queria algo nos moldes da reforma feita pela Placar na mesma época: menos texto e mais ênfase em fotos produzidas em estúdio, uma certa infantilização da linguagem (tentativa vã de falar com o adolescente e o pré-adolescente), superficialidade etc. Não sei exatamente o que você define como degradação: de qualquer modo, não é segredo que a revista viveu fase crítica em termos de vendas e de orientação editorial exatamente entre 1994 e Nessas circunstâncias, a reforma editorial, com mudança de nome para Showbizz (outubro de 95), apesar de infeliz em vários aspectos, coincidiu com investimentos em divulgação que melhoraram a situação da Bizz como negócio. A revista passou a vender mais. O editorial teve a maior parte de seus pecados e erros de orientação atenuados e corrigidos em processo interno, extra-oficial. Para isso, contei com ótima ajuda de Sérgio Martins, à época também editor (fui promovido a editor-chefe em 1996). O retorno dado pelos leitores - e, claro, também pelas vendas em banca - nos ajudou a embasar nossas decisões e a derrubar algumas sandices impostas pelo projeto original. Em 1998, a revista voltou a ser publicada pela Ed. Abril (que já era sócia da Azul, mas comprou a parte restante) e houve maior valorização do conteúdo jornalístico. A orientação para a música brasileira (não gosto de restringir à MPB, porque samba, forró e outros gêneros populares também entraram na receita editorial) era uma ideia

10 que eu trouxe para a revista desde o começo, mas que foi abraçada pela direção da Abril - creio que depois ela até errou na mão no direcionamento para esse lado. Entre 1998, houve outros ajustes, uma troca de direção editorial na Abril (saiu Celso Pucci, ficou Matinas Suzuki) e a volta de um diretor de redação, Felipe Zobaran. Lembro vocês que em todo esse tempo trabalhei sob supervisão de outros profissionais, seguindo projetos editoriais, orientações com as quais nem sempre concordei. Por mais pessoal que seja um trabalho jornalístico, nessas circunstâncias, como redator-chefe, a Bizz/Showbizz jamais expressou o que eu realmente gostaria de fazer como revista de música. Apesar disso e de eventuais frustrações, avalio a experiência como muito prazerosa. Foi possível exercitar a criatividade, praticar boa reportagem e - mais importante - influenciar e de certa forma, transformar algumas visões culturais vigentes na geração jovem dos anos 90. Não acho presunçoso dizer, porque já ouvi da boca de vários artistas e jornalistas, que a Bizz/Showbizz ajudou a mudar a música que se faz no Brasil. Tem um pouquinho de culpa no cartório. Pessoalmente, foi uma bênção poder trabalhar com cultura em estrutura jornalística de bom nível sem estar atrelado às noções empobrecedoras das revistas semanais. Posso dizer também que me diverti bastante ao longo desses cinco anos. Saí, em 2000, porque tinha proposta de trabalho mais vantajosa. A Bizz foi para uma editora menor e me perguntaram se eu toparia continuar no cargo ganhando menos - proposta indecorosa. Na ed. Símbolo, ela não teve a atenção nem a estrutura que merecia. Voltou a ser Bizz, mas durou creio que apenas um ano. De qualquer modo, continuei colaborando - até porque os editores que tocaram o projeto eram meus amigos, companheiros que eu tinha trazido para a Redação, alguns anos antes: Emerson Gasperin e José Flavio Jr. Quando a Bizz voltou, depois de um hiato, editada novamente pela Abril, o editor também era um profissional que eu tinha contratado para a empresa (eu continuava lá, então como redador-chefe da Vip). Ricardo Alexandre foi meu subordinado por dois anos durante o tempo em que trabalhei como diretor de conteúdo da Usina do Som e dos sites da Abril Jovem (entre 2000 e 2002, mais ou menos). Então, na verdade, eu jamais me afastei da revista. Escrevi reportagens e entrevistas, assinei resenhas e seções (Discoteca Básica) até bem perto da interrupção da publicação da Bizz. Não iria abandonar meus chapas, nem mesmo quando o pagamento pelas colaborações ficou inferior ao praticado pelo mercado. Atualmente, em 2010, não se passam dois meses sem que alguém me procure para falar da Bizz, lembre dos meus textos na revista etc. O fato de vocês hoje estarem escrevendo este trabalho atesta a importância dela. Entre 1985 e 2000 a Bizz foi fonte valiosa de informação para várias gerações, trazendo textos com personalidade e inovadores. E sendo, de certa forma, um oásis de reportagens importantes sobre música em um país onde isso sempre foi pouco valorizado. Sem falar nos artistas que ela lançou, os ídolos a quem deu voz, as reputações e gêneros musicais que reabilitou ou divulgou. Depois de 2000, ela ainda recuperou certa mística, mas, em um cenário em que a informação está muito mais disseminada e pulverizada, creio que teve repercussão bem mais reduzida. Apesar disso, o trabalho jornalístico desenvolvido nessa fase é de primeira qualidade - o que, de certa forma, talvez ajude a explicar também o seu fracasso num tempo em que o jornalismo de revista vai se refugiando cada vez mais em fórmulas e superficialidade. A inovação e a ousadia que a Bizz tinha, me parece, estão hoje muito mais na web ou em documentários musicais (alguns inspirados por pautas da revista, outros dirigidos ou roteirizados por ex-leitores...).

11 Referências ALZER, Luiz André & CLAUDINO, Mariana. Almanaque Anos 80. Rio de Janeiro: Ediouro, BOAS, Sergio Vilas. O Estilo Magazine: o texto em revista. São Paulo: Summus Editorial, CHAPARRO, Manuel. Pragmático do Jornalismo. São Paulo: Summus Editorial, DINES, Alberto. O papel do jornal, uma releitura. São Paulo: Summus Editorial, SCALZO, Marilia. Jornalismo de Revista. São Paulo: Editora Contexto, (acessado em 21/10/2010) (acessado em 21/10/2010) (acessado em 21/10/2010)

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

NADJA VLADI - Editora da revista Muito.

NADJA VLADI - Editora da revista Muito. NADJA VLADI - Editora da revista Muito. Jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Faculdade de Comunicação da UFBA. Atualmente atua como editora-coordenadora da revista Muito do

Leia mais

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Maicon Ferreira de SOUZA 3 Faculdade Assis Gurgacz, Cascavel, PR. RESUMO O presente

Leia mais

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII CATEGORIA: EM

Leia mais

PRAIEIRO. Lili Araujo

PRAIEIRO. Lili Araujo PRAIEIRO Lili Araujo APRESENTAÇÃO: "PRAIEIRO" será o terceiro trabalho fonográfico solo da cantora e compositora carioca Lili Araujo. Haverá a produção de uma tiragem mínima do CD em formato físico (1.000

Leia mais

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M

M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M M U N D O L I V R E 9 3. 9 F M Mais que uma programação feita para ouvintes exigentes, a Mundo Livre FM ultrapassa a frequência do rádio e se estabelece como uma identidade conceitual. No ar há 7 anos,

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO SUMÁRIO INTRODUÇÃO 15 Para que serve este Livro 17 Como usar este livro 1. PARA ENTENDER A PROFISSÃO 23 O que é preciso para ter sucesso na profissão 23 TALENTO - Como saber se você tem 24 CONHECIMENTO-Como

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação

Conteúdos: Gêneros musicais: Rock. Revisão. Avaliação Conteúdos: Gêneros musicais: Rock Revisão Avaliação Habilidades: Valorizar as diversas culturas musicais, especialmente as brasileiras Habilidades: Reconhecer e utilizar com propriedade diversas técnicas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional Sequencia Didática destinada aos Anos Finais do Ensino

Leia mais

e S p e c I A L c A r A S FASHION 2013 p r I m A v e r A - v e r ã O

e S p e c I A L c A r A S FASHION 2013 p r I m A v e r A - v e r ã O especial caras FASHION 2013 primavera - verão Há tendências que nunca saem de moda; CARAS Fashion é uma delas. Publicado em duas edições anuais (Primavera/Verão e Outono/Inverno), este especial traz em

Leia mais

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário XXI EDIÇÃO DO CONGRESSO FENABRAVE TERMINA COM PREVISÃO OTIMISTA PARA

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO

PLANEJAMENTO DE MARKETING ELETRÔNICO Instituto FA7 IBMEC MBA em Marketing Disciplina: Professor: Turma: Equipe: Marketing Eletrônico Renan Barroso Marketing II - Fortaleza Ana Hilda Sidrim, Ana Carolina Danziger PLANEJAMENTO DE MARKETING

Leia mais

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS Até onde vai a força da Motivação? Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Uma proposta criativa motivadora na sala de aula pode deixar o professor bem impressionado

Leia mais

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE A CRIANÇA NA PUBLICIDADE Entrevista com Fábio Basso Montanari Ele estuda na ECA/USP e deu uma entrevista para e seu grupo de colegas para a disciplina Psicologia da Comunicação, sobre sua história de vida

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.radiomisturebaonline.com.br

APRESENTAÇÃO. www.radiomisturebaonline.com.br APRESENTAÇÃO www.radiomisturebaonline.com.br O que é a rádio MISTUREBA on-line? A rádio MISTUREBA on-line é voltada para divulgação sócio-cultural, musical e esportiva. cultural. A rádio MISTUREBA on-line

Leia mais

São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 2015

São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 2015 REGULAMENTO I - AS CATEGORIAS São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 11 de Matéria Completa 3 de Texto 4 de Arte 4 de Fotografia 5 Digitais 2 Especiais Prêmio Roberto Civita Prêmio Matéria

Leia mais

Revista Lilica & Tigor

Revista Lilica & Tigor filhos família moda Revista Lilica & Tigor Lilica & Tigor é a revista produzida para o Grupo Marisol S.A., uma das maiores indústrias nacionais no segmento de vestuário, que hoje detém como marcas Lilica

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p.

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 219 SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 220 Não é lenda; é Realidade It's not legend; it's Reality Joaquim Francisco

Leia mais

Máxima Nova Classe Média autoestima 33%

Máxima Nova Classe Média autoestima 33% Máxima é a primeira revista mensal totalmente voltada para os desejos e as necessidades da mulher da Nova Classe Média. Sua missão é ajudá-la a resolver as questões do seu dia a dia e ser fonte de inspiração

Leia mais

Antes que me esqueçam, meu nome é Edy Star

Antes que me esqueçam, meu nome é Edy Star Antes que me esqueçam, meu nome é Edy Star O documentário aborda a trajetória artística de Edvaldo Souza, o Edy Star, cantor, ator, dançarino, produtor teatral e artista plástico baiano. Edy iniciou a

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 08: Música

Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 08: Música Deutsche Welle Learning By Ear Aprender de Ouvido Empregos 08: Música Texto: Sam Olukoya Redacção: Ulrich Neumann, Maja Dreyer Tradução: Madalena Sampaio 1 Voz para Intro e Outro (Voz 1) 1 Narrador (Voz

Leia mais

BEM VINDO AO MUNDO. Michael Schumacher

BEM VINDO AO MUNDO. Michael Schumacher BEM VINDO AO MUNDO GRUPO ESPN é o grupo de comunicação líder mundial em esportes, reunindo plataformas multimídia para cobrir todas as modalidades esportivas. São 34 canais de TV, emissoras de rádio, sites

Leia mais

Mídia Kit // 2012. (11) 3077 4842// tania@luminosidade.com.br

Mídia Kit // 2012. (11) 3077 4842// tania@luminosidade.com.br Mídia Kit // 2012 (11) 3077 4842// tania@luminosidade.com.br Portal de conteúdo da Luminosidade, o FFW.com.br Fashion Forward, lançado em dezembro de 2009, significa um passo adiante no que diz respeito

Leia mais

SEMANA DO SERVIDOR PÚBLICO sugestão de palestrantes. Otimize seu orçamento e mantenha um bom nível de palestrantes.

SEMANA DO SERVIDOR PÚBLICO sugestão de palestrantes. Otimize seu orçamento e mantenha um bom nível de palestrantes. SEMANA DO SERVIDOR PÚBLICO sugestão de palestrantes Otimize seu orçamento e mantenha um bom nível de palestrantes. resultados positivos para os servidores? qualidade de vida fernando rocha wesley schunk

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais

Natura apresenta o Show de Lançamento do CD Lia Sophia

Natura apresenta o Show de Lançamento do CD Lia Sophia Natura apresenta o Show de Lançamento do CD Lia Sophia Lia Sophia mistura os ritmos locais com batidas internacionais, para criar uma música original e de alta qualidade. Ela não veio para ficar. Ela já

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

A fotografia de Jørgen Angel

A fotografia de Jørgen Angel A fotografia de Jørgen Angel Jørgen Angel (nascido em 1951, em Copenhagen na Dinamarca) trabalhou como fotógrafo profissional no cenário musical desde sua adolescência, no final dos anos 60, até o início

Leia mais

Plano Editorial Julho 2006

Plano Editorial Julho 2006 Plano Editorial Julho 2006 Missão Uma agência que noticia processos ocorridos no espaço público político (governo, Estado e cidadania), com foco nos interesses do cidadão brasileiro. Público-Alvo Cidadãos

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

Manual prático de criação publicitária. (O dia-a-dia da criação em uma agência)

Manual prático de criação publicitária. (O dia-a-dia da criação em uma agência) Manual prático de criação publicitária (O dia-a-dia da criação em uma agência) MANUAL final2.indd 1 14/3/2006 23:19:58 Flávio Waiteman Manual prático de criação publicitária (O dia-a-dia da criação em

Leia mais

O CRM não é software; é uma nova filosofia

O CRM não é software; é uma nova filosofia O CRM não é software; é uma nova filosofia Provavelmente todos concordam que a ferramenta da hora é o CRM, sigla em inglês para gestão de relacionamento com o cliente. No entanto, oito em cada dez tentativas

Leia mais

Empresas e projetos do grupo

Empresas e projetos do grupo MÍDIA KIT 2015 Atualmente o Grupo WDS é o maior grupo de entretenimento do Brasil. Possui diversas empresas em vários segmentos diferentes e em várias regiões do país. O Wood s é uma marca pertencente

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça?

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PLE CERIFICADO INTERNACIONAL DE LÍNGUA PORTUGUESA CILP SIMULADO COMPREENSÃO LEITORA E ASPECTOS LINGUÍSTICOS NÍVEL BÁSICO ESCOLAR A2 Leia os

Leia mais

Em 2012, a Abril Mídia lançou a 1ª edição do HOTEL PRO, uma publicação focada nas necessidades da indústria hoteleira.

Em 2012, a Abril Mídia lançou a 1ª edição do HOTEL PRO, uma publicação focada nas necessidades da indústria hoteleira. Em 2012, a Abril Mídia lançou a 1ª edição do HOTEL PRO, uma publicação focada nas necessidades da indústria hoteleira. Um grande sucesso editorial, ela vai agora para a segunda edição (com lançamento em

Leia mais

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores**

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** 16 revistas 3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** Fonte: *IV (Out/09 a Set/10) E **Ipsos-Estudos Marplan/EGM- Out/09 a Set/10 Leitores Ambos, 10/+ anos Audiência Líquida das Revistas

Leia mais

A Its, com seus veículos e novas tecnologias, interage com jovens de 12 a 19 anos, criando um conceito novo de comunicação teen. 325.

A Its, com seus veículos e novas tecnologias, interage com jovens de 12 a 19 anos, criando um conceito novo de comunicação teen. 325. A Its, com seus veículos e novas tecnologias, interage com jovens de 12 a 19 anos, criando um conceito novo de comunicação teen. 325.000 Esta geração é composta por adolescentes entre 12 e 19 anos, nascidos

Leia mais

Com leveza e bom humor, a revista traz textos que falam de equilíbrio entre mente, corpo e sociedade.

Com leveza e bom humor, a revista traz textos que falam de equilíbrio entre mente, corpo e sociedade. VIDA SIMPLES ajuda o leitor a ver o mundo de um jeito novo, a refletir sobre os próprios sentimentos, a identificar tendências de comportamento e a buscar modos originais de interagir no meio social. Promove

Leia mais

O que é Estudio Cosmica?

O que é Estudio Cosmica? Apresentacao O que é Estudio Cosmica? Criação e Concepção de Ideias e Projetos. Estudio Cosmica é um Estúdio de Criação e desenvolvimento de Ideias, Sempre Atento e antenado ao Mercado e novidades, buscando

Leia mais

Sobre o site. mídia kit. www.nivelepico.com

Sobre o site. mídia kit. www.nivelepico.com 2013 Sobre o site O Nível Épico é um site de entretenimento que tem como objetivo manter o público informado sobre as últimas novidades da cultura pop. Fundado em 2010, traz conteúdos sobre cinema, literatura,

Leia mais

tecnologia estilo de vida reflexão esportividade

tecnologia estilo de vida reflexão esportividade tecnologia estilo de vida reflexão esportividade Revista Audi Audi Magazine não é uma revista sobre carros, por mais que seja editada por uma das mais prestigiadas montadoras do planeta, não dedica suas

Leia mais

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso 6D Estúdio promessa de ir além das 3 dimensões Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso ao design em movimento, em vídeo ou internet. Eles unem diferentes conhecimentos técnicos

Leia mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais importantes que marcaram a trajetória da MPB nos últimos

Leia mais

PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA:

PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA: Fundo Perpétuo de Educação PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA: Os depoimentos, ensinamentos e metas dos participantes mais bem sucedidos. A escolha da escola fez a diferença na sua colocação

Leia mais

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso.

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. Cliocar Acessórios: A construção de um negócio A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. 2 Conteúdo Resumo executivo... 2 Conhecendo o mercado... 2 Loja

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Versão Oficial. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares

Versão Oficial. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares 1 Versão Oficial Sueli Costa EF98 E S T Ú D I O F - programa número 98 Á U D I O T E X T O Música-tema entra e fica em BG; Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte Apresentação

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Fotos: Simone Andress/Shutterstock e Divulgação DECORAÇÃO CONVERSA COM MODA, QUE CONVERSA COM BEM-ESTAR.

Fotos: Simone Andress/Shutterstock e Divulgação DECORAÇÃO CONVERSA COM MODA, QUE CONVERSA COM BEM-ESTAR. Fotos: Simone Andress/Shutterstock e Divulgação DECORAÇÃO CONVERSA COM MODA, QUE CONVERSA COM BEM-ESTAR. ARQUITETURA & DECORAÇÃO Projetos de arquitetura residenciais e comerciais, nacionais e internacionais,

Leia mais

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente:

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente: Resumo Com a criação do Ministério do Turismo em 2003, o Brasil passa a ter, pela primeira vez em sua história, um ministério voltado exclusivamente para a atividade turística. A partir de então a Embratur

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha

O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha uns 14 anos e um amigo chegou com aquele papo de experimenta,

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2004 (nº 708, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei da Câmara

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

O processo da pauta do Programa Ade!

O processo da pauta do Programa Ade! 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

Prêmios Internacionais. cobertura

Prêmios Internacionais. cobertura Prêmios Internacionais cobertura Festivais Inegavelmente, o Brasil é uma potência criativa global. Essa posição de destaque tem se consolidado ainda mais nos últimos anos e a grande vitrine desse processo

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

33,33% 30,07% 45,75% 3,92% 8,50% 52,94% 5,2% 20,26% Fonte: Serpes/março/2015.

33,33% 30,07% 45,75% 3,92% 8,50% 52,94% 5,2% 20,26% Fonte: Serpes/março/2015. 30,07% 45,75% 3,92% 20,26% 33,33% 52,94% 8,50% 5,2% Fonte: Serpes/março/2015. 00:00 às 06:00 Sem Parar 06:00 às 08:00 Foco 96 08:00 às 10:00 Hit s 96 10:00 às 12:00 Moloko 12:00 às 13:00 Go Back - 1ª

Leia mais

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade 10 passos para ganhar a mídia Estudantes Pela Liberdade 2013 10 passos para ganhar a mídia Aqui estão 10 passos para atrair a atenção da mídia para o seu grupo. Siga todos esses passos efetivamente, e

Leia mais

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente.

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Introdução. Jornal é o meio de comunicação de maior credibilidade. Por isso,

Leia mais

ESCOLAS DE INGLÊS MTV

ESCOLAS DE INGLÊS MTV ESCOLAS DE INGLÊS MTV A MTV ON-AIR Mais de 12 milhões de assinantes. Potencial de impactar mais de 40MM pessoas. (Estimativa Viacom com base em 3.2 pessoas/domicílio. Com base no IBGE) A MTV GANHA CADA

Leia mais

tecnologia estilo de vida reflexão esportividade

tecnologia estilo de vida reflexão esportividade tecnologia estilo de vida reflexão esportividade Revista Audi Audi Magazine não é uma revista sobre carros, por mais que seja editada por uma das mais prestigiadas montadoras do planeta, não dedica suas

Leia mais

MÍDIA KIT ABRIL 2015

MÍDIA KIT ABRIL 2015 MÍDIA KIT ABRIL 2015 SOBRE O SALADA O Salada de Cinema busca informar, de maneira leve, sobre as novidades do cinema brasileiro e internacional por meio de notícias diárias, críticas dos lançamentos e

Leia mais

TOMORROWLAND. Esquema de Patrocínio

TOMORROWLAND. Esquema de Patrocínio TOMORROWLAND 100000000000 Esquema de Patrocínio Assinantes: + 12.600.000 na Claro TV, NET, Oi TV, Sky e Vivo TV Fonte: Viacom Janeiro 2014 POTENCIAL DE IMPACTO Potencial de impactar mais de 40MM pessoas

Leia mais

Durante três dias, Vitória se torna o centro da moda capixaba, com desfile de grandes marcas no evento Vitória Moda.

Durante três dias, Vitória se torna o centro da moda capixaba, com desfile de grandes marcas no evento Vitória Moda. APRESENTAÇÃO Durante três dias, Vitória se torna o centro da moda capixaba, com desfile de grandes marcas no evento Vitória Moda. Reunindo cerca de 10 mil pessoas no Centro de Convenções de Vitória, em

Leia mais

TOMORROWLAND. Esquema de Patrocínio

TOMORROWLAND. Esquema de Patrocínio TOMORROWLAND 100000000000 Esquema de Patrocínio Assinantes: + 12.600.000 na Claro TV, NET, Oi TV, Sky e Vivo TV Fonte: Viacom Janeiro 2014 POTENCIAL DE IMPACTO Potencial de impactar mais de 40MM pessoas

Leia mais

Desde a sua fundação o GRUPO MPE tem a preocupação de incentivar a cultura em nosso país, principalmente ao cinema e à música brasileira.

Desde a sua fundação o GRUPO MPE tem a preocupação de incentivar a cultura em nosso país, principalmente ao cinema e à música brasileira. INCENTIVO À CULTURA Desde a sua fundação o GRUPO MPE tem a preocupação de incentivar a cultura em nosso país, principalmente ao cinema e à música brasileira. Por isso criamos o projeto MPB pela MPE. Ao

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais Os desafios do Bradesco nas redes sociais Atual gerente de redes sociais do Bradesco, Marcelo Salgado, de 31 anos, começou sua carreira no banco como operador de telemarketing em 2000. Ele foi um dos responsáveis

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

ESCOLAS DE INGLÊS MTV

ESCOLAS DE INGLÊS MTV ESCOLAS DE INGLÊS MTV A MTV ON-AIR Mais de 12 milhões de assinantes. Potencial de impactar mais de 40MM pessoas. (Estimativa Viacom com base em 3.2 pessoas/domicílio. Com base no IBGE) A MTV GANHA CADA

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Apresentação. Público. Abrangência / Tiragem Atibaia / 3.000 exemplares impressos / edição on line

Apresentação. Público. Abrangência / Tiragem Atibaia / 3.000 exemplares impressos / edição on line CMídia Kit 2015 Apresentação O que é A revista Circulô Conceitual é um periódico quadrimestral, distribuído gratuitamente em locais estratégicos da cidade. Chega para suprir as necessidades e interesses

Leia mais

MÍDIA KIT 2016. A revista especializada em gestão de pessoas com a maior taxa de credibilidade junto a seus leitores.

MÍDIA KIT 2016. A revista especializada em gestão de pessoas com a maior taxa de credibilidade junto a seus leitores. MÍDIA KIT 2016 A revista especializada em gestão de pessoas com a maior taxa de credibilidade junto a seus leitores. PÚBLICO-ALVO Profissionais de RH, presidentes, vice-presidentes e executivos com papel

Leia mais

A REVISTA BACKSTAGE É DIRIGIDA A QUE PÚBLICO?

A REVISTA BACKSTAGE É DIRIGIDA A QUE PÚBLICO? A REAL FORÇA de uma revista está nas suas páginas; nas suas matérias; nos seus anúncios; na sua história e principalmente na sua linha editorial comprometida com informações úteis aos leitores. Durante

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

O PROGRAMA. Colunistas fixos irão falar sobre moda, gastronomia, tecnologia, cinema e estilo.

O PROGRAMA. Colunistas fixos irão falar sobre moda, gastronomia, tecnologia, cinema e estilo. O PROGRAMA Claquete, sua revista eletrônica de entretenimento. Claquete: Sua revista eletrônica de entretenimento. Com seu bom humor e curiosidade característicos, Otávio Mesquita apresenta os bastidores

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES Resumo Angelita Ribeiro da Silva angelita_ribeiro@yahoo.com.br O tema do trabalho foi Raios, Relâmpagos e Trovões. Os alunos investigaram como se dá a formação dos três fenômenos.

Leia mais

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 1 Jornal Marco Zero 1 Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 Faculdade internacional de Curitiba (Facinter) RESUMO O jornal-laboratório Marco Zero 6 é

Leia mais

Idade 28 anos Portfólio www.andersonmoco.com.br E-mail andersonmoco2@gmail.com. Celular + 55 11 99339-5893 Fixo + 55 11 3624-1917

Idade 28 anos Portfólio www.andersonmoco.com.br E-mail andersonmoco2@gmail.com. Celular + 55 11 99339-5893 Fixo + 55 11 3624-1917 Anderson Moço www.andersonmoco.com.br Jornalista com experiência em criação e desenvolvimento de sites, edição de textos, produção de reportagens e vídeos, planejamento e estratégias de ação em mídias

Leia mais

Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo

Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo Algumas questões importantes sobre um projeto digital. Dependendo do cliente não é necessário levantar uma grande quantidade de dados. Utilize este

Leia mais

Para alcançar o Sucesso é preciso que você tenha a plena convicção de que nossos produtos e nossa Oportunidade podem realmente transformar a vida das

Para alcançar o Sucesso é preciso que você tenha a plena convicção de que nossos produtos e nossa Oportunidade podem realmente transformar a vida das Querida Estrela do Bem, Aqui estão alguns Passos para aplicarmos no dia a dia São passos diários para o sucesso do seu negócio MK. Faça o Plano das 100 CARITAS em 4 semanas com todas as Consultoras de

Leia mais

O MAIOR E MAIS INFLUENTE PROJETO GASTRONÔMICO DO PAÍS.

O MAIOR E MAIS INFLUENTE PROJETO GASTRONÔMICO DO PAÍS. O MAIOR E MAIS INFLUENTE PROJETO GASTRONÔMICO DO PAÍS. VEJA Comer & Beber Um projeto que já nasceu com a força do nome VEJA VEJA é uma marca reconhecida no Brasil inteiro por sua excelência, credibilidade,

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

MAIS IMPORTANTE GUIA DO RIO DE JANEIRO VEJA RIO é plural como as atrações cariocas e traz em suas páginas o espírito típico dos moradores da cidade.

MAIS IMPORTANTE GUIA DO RIO DE JANEIRO VEJA RIO é plural como as atrações cariocas e traz em suas páginas o espírito típico dos moradores da cidade. MAIS IMPORTANTE GUIA DO RIO DE JANEIRO VEJA RIO é plural como as atrações cariocas e traz em suas páginas o espírito típico dos moradores da cidade. É o mais importante e confiável guia de lazer e cultura

Leia mais

360º. da Construção. Visão. cobertura. Lorem ipsum dolor sit amet, cons ectetur adipiscing elit. Phasellus aliquet neque eu mi feugiat eget ante

360º. da Construção. Visão. cobertura. Lorem ipsum dolor sit amet, cons ectetur adipiscing elit. Phasellus aliquet neque eu mi feugiat eget ante Também distribuída para as maiores construtoras do Brasil Matéria de capa cobertura Lorem ipsum dolor sit amet, cons ectetur adipiscing elit. Phasellus aliquet neque eu mi feugiat eget ante Visão 360º

Leia mais