Trabalho Prático. Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho Prático. Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática"

Transcrição

1 Trabalho Prático Designação do Projecto Proposta de Valorização da Zona Ribeirinha do Montijo Tema Cidades Saudáveis e Respostas Locais Breve descrição de conceitos e desenvolvimento teórico da temática a promoção da saúde das populações requer a criação de ambientes sadios Leonhard Duahl O mundo está a urbanizar-se rapidamente. Existem cada vez mais pessoas a viverem em cidades. É certo que viver nos centros urbanos pode proporcionar um estilo de vida mais cómodo mas também será nestes mesmos centros que se irão concentrar os principais problemas ambientais e sociais. Será perante esta vulnerabilidade que a necessidade de refletir sobre os conceitos «saudável» e «sustentável» se torna ainda mais exigente. Na realidade, hoje em dia, há de facto o cuidado de projetar uma cidade tendo em consideração os impactos sócio-ambientais. O respeito pelas gerações futuras e a preocupação pelos recursos naturais exigem uma justa distribuição de bens e serviços para garantir o bem-estar das populações. Mas todos os cidadãos podem e devem cooperar para o bom desenvolvimento das cidades. Há que contribuir para a resolução de problemas e para a construção de ambientes com qualidade. A promoção da saúde e de um estilo de vida saudável é já, para muitos, uma opção de vida. Deve-se fomentar esta opção aproveitando os meios naturais oferecidos pela natureza ou proporcionando, de forma controlada e ordenada, meios que privilegiem ambientes sadios. A necessidade de intervenção no ambiente físico é por isso, muitas vezes, fundamental, para que possamos oferecer às populações, locais de lazer e bem-estar e dar resposta às suas necessidades. Neste sentido, o Montijo passou na última década por transformações muito significativas na estrutura de ocupação do seu território e na modernização das infra- 1/14

2 estruturas. Essas transformações conduziram à necessidade de dar novos usos a espaços que perderam funcionalidades passadas (Nuno Ribeiro Canta, 2008). A transformação de uma das zonas mais emblemáticas da cidade, a Frente Ribeirinha, mostra precisamente esse empenho dedicado à preservação do meio natural e ao bem-estar da população. Proposta de projeto Localização e breve descrição da área de intervenção Proposta de Valorização da Zona Ribeirinha do Montijo A zona de intervenção proposta incide na frente Ribeirinha do Montijo, local de cultura e tradição (na arte piscatória) e de beleza natural. A proximidade do Tejo, e de toda a envolvente associada à sua beleza, fauna e flora existentes, conduz quase forçosamente a usufruir do local. Poder tirar partido deste espaço e manter ao mesmo tempo as suas características natas, criando apenas ambientes físicos propícios a momentos lúdicos e de lazer, à prática desportiva, à deslocação pedonal e ciclável e à promoção de eventos culturais e turísticos, beneficiará não só quem o irá utilizar, mas simultaneamente irá promover a imagem da cidade e gerar oportunidades de emprego. 2 1 Figura 1: Zona Ribeirinha do Montijo: (1) zona comercial da Rua Miguel Pais, (2) zona envolvente ao espelho de água, sapal e Moinho de Maré 2/14

3 A área de intervenção situa-se no concelho e freguesia do Montijo. Está inserida em zona comercial e de diversão, não esquecendo uma vasta extensão de área natural e toda a envolvente histórica. Engloba a zona comercial da Rua Miguel Pais, o largo envolvente ao espelho de água e a zona de sapal onde se encontra o restaurado Moinho de Maré. A decisão na escolha do local é influenciada pelo trabalho já realizado no âmbito da requalificação da zona Ribeirinha e por aquilo que ainda pode e necessita ser feito em prol e harmonia com o local e a conjuntura dos vários cenários envolventes. No fundo, é um aproveitar e continuar do objetivo traçado para o local, e poder tirar benefício disso Pretende-se assim com este projeto: Promover e dignificar a relação da cidade do Montijo com o rio Tejo; Integrar a área envolvida no quotidiano da cidade e dos munícipes como um espaço de lazer aliado à saúde e bem-estar; Atrair a atenção de visitantes locais e de outros concelhos vizinhos aos espaços de lazer; Contribuir para a melhoria da imagem da cidade; Perspetivar um espaço dinâmico e atrativo. Identificação do problema A decisão de escolha para a intervenção na zona Ribeirinha do Montijo, deve-se aos seguintes aspetos, identificados no local: Subaproveitamento das infraestruturas já existentes; Falta de dinamização; Degradação natural consequente à deficiente manutenção; Degradação imposta por atos de vandalismo praticados; Abandono da área envolvente ao sapal atualmente destinada à instalação de equipamentos lúdicos durante o decorrer das festas populares. 3/14

4 Os aspetos apontados podem ser factor de explicação para a indiferença e falta de atracão ao local, por parte de muitos montijenses e demais visitantes da cidade do Montijo. A presente proposta procura, neste sentido, dar resposta a estas debilidades através da criação e execução de ações de excelência que contribuam para a requalificação física do local, com a criação de infraestruturas de apoio a atividades lúdicas, desportivas, culturais, de educação ambiental, orientadas para a população local e demais utentes. Proposta de intervenção A presente proposta, como já foi referido anteriormente, não tem por objetivo projetar uma intervenção de raiz mas sim dar continuidade ao trabalho de requalificação já iniciado com o objetivo de controlar e inverter o processo de degradação ambiental e desintegração urbana. Procura-se incidir no melhoramento do ambiente envolvente e na dinamização do local, com a criação de pontos de atração e de comodidade ao bem-estar do cidadão contemporâneo. Assim, o objetivo será estabelecer uma cumplicidade entre os vários cenários projetados/pretendidos, tornando-os aptos a cativar os visitantes, do ponto de vista social, cultural, desportivo e ao mesmo tempo, perspetivar uma dinâmica económica. É intenção: No âmbito social: promover locais de encontro, convívio e de interação com a paisagem, criar espaços de lazer e de descanso equipados com mobiliário urbano, direcionados a todas as faixas etárias; No âmbito cultural: desenvolver espetáculos de rua, exposições e pequenas feiras (gastronómicas, artesanais, culturais, tradicionais, livros, etc), workshops; No âmbito desportivo: criação de circuito pedonal/ciclável com ligação da zona comercial à zona de sapal onde se encontra o Moinho de Maré; criar condições à deslocação pedonal, de bicicleta ou outro meio não motorizado; criar parque de manutenção com equipamentos para a prática desportiva; promover a cooperação com as associações de práticas desportivas náuticas e outras; 4/14

5 No âmbito económico: dinamizar o espaço comercial na área da restauração e de bebidas e de divertimento. Podemos ainda considerar a organização de ações de sensibilização e educação ambiental com realização de sessões no âmbito desta temática, enriquecidas pela envolvente do local. Para o efeito, a proposta centra-se em três áreas de intervenção: Zona 1 - Zona comercial da Rua Miguel Pais, Zona 2 - Largo envolvente ao espelho de água e Zona 3 Zona de sapal e Moinho de Maré Figura 2: Identificação das três zonas de intervenção: (1) zona comercial da Rua Miguel Pais; (2) zona envolvente ao espelho de água; (3) zona de sapal e Moinho de Maré 5/14

6 Zona 1 - Zona comercial da Rua Miguel Pais Rua Miguel Pais - Situação atual Figura 3: Rua Miguel Pais na situação atual (1) Zona de estabelecimentos comerciais de restauração e de bebidas e de diversão noturna; (2) Circulação rodoviária com dois sentidos; (3) Presença de pilaretes para delimitação da zona comercial; (4) Inexistência de locais de lazer em concordância com o local com vista para o rio Tejo. Rua Miguel Pais - Proposta de intervenção Figura 4: Imagem trabalhada da Rua Miguel Pais como proposta de intervenção (1) Na frente dos estabelecimentos comerciais proceder ao alargamento do espaço destinado a esplanada; (2) Redução da circulação rodoviária para uma única faixa de rodagem, de sentido único de saída; (3) Uniformização do espaço, com utilização de equipamentos atrativos e enquadrados esteticamente com o local. 6/14

7 Estacionamento anexo à Rua Miguel Pais - Situação atual (1) Estacionamento inserido e enquadrado com a zona ribeirinha; (2) Acesso ao estacionamento pelo final da Rua Miguel Pais, o que implica constante circulação de trânsito em frente aos estabelecimentos comerciais. Figura 5: Parque de estacionamento anexo à zona comercial da Rua Miguel Pais na situação atual Estacionamento anexo à Rua Miguel Pais Proposta de intervenção Figura 6: Parque de estacionamento anexo à zona comercial da Rua Miguel Pais como proposta de intervenção (1) Alteração da circulação rodoviária de acesso ao parque estacionamento, com abertura direta pela Travessa Miguel Pais; (2) Circulação livre no interior do parque de estacionamento; (3) Circulação rodoviária com entrada pela Travessa Miguel Pais e saída pela Rua Miguel Pais. 7/14

8 Zona 2: Largo envolvente ao espelho de água Passeio em calçada portuguesa - Situação atual Figura 7: Passeio em calçada portuguesa em frente ao espelho de água, na situação atual (1) Área ampla, embelezada com palmeiras, de frente para o espelho de água; (2) Pavimento em calçada portuguesa, propício para passeios e momentos de lazer; (3) Ausência de equipamentos atrativos de repouso e descanso para desfrutar em pleno do local e apreciar a paisagem. Passeio em calçada portuguesa Proposta de intervenção (1) Instalação de equipamento amovível de restauração e de bebidas; (2) Colocação de esplanada, de frente para o rio Tejo, com sombras e equipamentos atrativos à permanência no local. Figura 8: Passeio em calçada portuguesa em frente ao espelho de água como proposta de intervenção 8/14

9 Largo anexo ao passeio em calçada portuguesa - Situação atual (1) Terreno amplo anexo ao passeio em calçada portuguesa, com estacionamento rodoviário que permite fácil acesso ao local; (2) Sem qualquer atrativo que cative a presença de visitantes. (3) Espaço subaproveitado. Figura 9: Largo anexo ao passeio em calçada portuguesa, na situação atual Largo anexo ao passeio em calçada portuguesa Proposta de intervenção (1) Instalação de equipamento amovível de restauração e de bebidas; (2) Colocação de esplanada, de frente, com sombras e equipamentos atrativos à permanência no local; Figura 10: Largo anexo ao passeio em calçada portuguesa como proposta de intervenção 9/14

10 Figura 11: Largo anexo ao passeio em calçada portuguesa, visto de outra perspetiva, como proposta de intervenção (3) Criação de zonas verdes/arbóreas, incluindo equipamentos de diversão para os mais jovens e locais sombreados equipados com mobiliário de jardim propício ao descanso e leitura, para os adultos; (4) Possibilidade de aluguer/recolha de bicicletas, patins e outros meios de locomoção não motorizados, para percorrer todo o circuito ciclável, abrangendo o percurso ecológico na zona de sapal. Zona 3: Zona de sapal e moinho de maré Terreno junto ao sapal inserido no espelho de água Situação atual Figura 12: Terreno junto ao sapal, na situação atual (1) Zona de transição entre o passeio de calçada e a zona de sapal; (2) Areal amplo, com crescimento de vegetação espontânea próximo da zona de sapal; (3) Área subaproveitada, sem ligação entre a zona de passeio em calçada portuguesa, a calçada do moinho de maré e o sapal, impossibilitando uma circulação ao longo de todo eixo envolvente ao espelho de água 10/14

11 Terreno junto ao sapal inserido no espelho de água Proposta de intervenção (1) Criação de circuito, de ligação entre a área de lazer (área junto ao espelho de água) e área destinada à pratica desportiva, com continuação até à zona de sapal e termo no Moinho de Maré; Figura 13: Terreno junto ao sapal como proposta de intervenção (2) Circuito enquadrado com o local, para deslocação pedonal, bicicletas e outros meios de locomoção não motorizados; (3) Instalação de parque de manutenção com equipamentos para a prática desportiva. Zona de sapal Situação atual (1) Zona de sapal, com toda a sua fauna e flora envolvente; (2) Local subaproveitado em termos de atração turística. Figura 14: Zona de sapal com circuito pedonal em areal, na situação atual 11/14

12 Zona de sapal Proposta de intervenção Figura 15: Zona de sapal com circuito pedonal em passadiço enquadrado com o local, como proposta de intervenção (1) Instalação de um passadiço de madeira enquadrado com área ambiental de sapal; (2) Possibilitar a circulação pedonal na área definida até ao Moinho de Maré. (3) Permitir a visualização das embarcações tradicionais de pesca ancoradas no Esteiro da Quebrada, tendo um contacto mais próximo com a paisagem ribeirinha. Todos os espaços estão igualmente projetados para a realização de espetáculos e outras animações, assim como, para a instalação de equipamentos movíveis para a organização de feiras e exposições. O local é ainda propício à prática de desportos naúticos e passeios pelo rio Tejo em barcos tradicionais de pesca, restaurados e equipados para o efeito. Perspetivas de Investimento A proposta apresentada conta primordialmente como promotor direto o Município do Montijo, em parceria com a Junta de Freguesia de Montijo, empresas e associações locais, com eventual recorrência a programas e medidas de financiamento. As intervenções serão executadas através de concursos públicos. A instalação e exploração dos bares/quiosques e respetivas esplanadas serão feitos por modelo de concessão, assim como, a aquisição de bicicletas e outros meios de locomoção não motorizados, de uso público. Os equipamentos para a prática de desportos náuticos (canoas e caiaques) e a exploração dos barcos para os passeios no rio, serão igualmente explorados por empresas ou associações locais. 12/14

13 As referidas intervenções requerem como investimento material: Alargamento de passeio, instalação de deck para esplanadas e abertura para o estacionamento na Rua Miguel Pais; Instalação de equipamentos para bares/quiosques; Construção de circuito com passadiço e pavimento nas áreas onde é inexistente; Instalação de jardins; Aquisição de mobiliário urbano e equipamentos lúdicos e desportivos. Como investimento imaterial, pode-se referir a necessidade de ações de divulgação e promoção à utilização dos espaços. Para além das atividades desenvolvidas pelo município do Montijo, no contrato de concessão, o concessionário deverá comprometer-se na realização de animação nas noites de fim de semana de verão. Por desconhecimento na matéria o investimento inerente à realização do projeto proposto não será quantificado. Observações Este trabalho foi desenvolvido com base nas considerações de todos os elementos do grupo, não só enquanto técnicos mas sobretudo na qualidade de munícipes. Mais se acresce, que um projeto destas dimensões requereria apoio técnico especializado para o efeito, nos vários âmbitos de intervenção na instalação de infraestruturas em espaços públicos. Reforça-se ainda a questão da eventual necessidade de pareceres técnicos de entidades competentes nas diversas áreas, nomeadamente na questão de instalação de passadiço na zona de sapal. 13/14

14 Trabalho prático realizado por Ana Vanessa Santos Fernanda Guerreiro Jaime Vintém Margarida Mira Teresa Pinto Bibliografia Apresentação Cidades Saudáveis, Curso Ordenamento do Território, por Prof. Dr. Nuno Marques da Costa, Site Câmara Municipal do Montijo: Site Wikipédia: Fotografias originais de Fernanda Guerreiro e Margarida Mira 14/14

6 Plano de Acção 2005/2006

6 Plano de Acção 2005/2006 1 6 Plano de Acção 2005/ A Rede social iniciou actividades efectivas em em 2003, tendo sido realizado, até 2004 o Pré-Diagnóstico, o Diagnóstico Social, o Plano de Desenvolvimento Social e o Plano de Acção

Leia mais

O Interface de Transportes

O Interface de Transportes O Interface de Transportes Tipologias de funcionamento e morfologia espacial - aplicação ao projecto Resumo Alargado Inês Isabel do Nascimento Piedade Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL E AUDITORIA URBANA DE GUIMARÃES

AGENDA 21 LOCAL E AUDITORIA URBANA DE GUIMARÃES AGENDA 21 LOCAL E AUDITORIA URBANA DE GUIMARÃES PRINCIPAIS PROBLEMAS EXISTENTES E GRANDES OPÇÕES DE QUALIDADE DE VIDA PARA O FUTURO 3 de Março de 2004 Elaborado para e Por CIVITAS Centro de Estudos sobre

Leia mais

Orçamento Participativo da Lourinhã 2015

Orçamento Participativo da Lourinhã 2015 Orçamento Participativo da Lourinhã 2015 O Orçamento Participativo da Lourinhã (OPL) está numa nova fase a votação dos projetos elegíveis. Esta fase tem início no dia 24 de junho e termina a 31 de julho.

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003

GAPTEC. Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas. Relatório Final Volume II. Maio 2003 GAPTEC Departamento de Planeamento Estratégico Divisão do Plano Director Municipal Estudos de Orientação Para o Planeamento do Concelho de Odivelas Maio 2003 Relatório Final Volume II EQUIPA Coordenadores

Leia mais

Inovação, Cultura, Ambiente e Biodiversidade

Inovação, Cultura, Ambiente e Biodiversidade Inovação, Cultura, Ambiente e Biodiversidade O projecto SONS DO ARCO RIBEIRINHO SUL acompanha o OUT.FEST Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro, e procura, através de uma abordagem artística

Leia mais

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO

Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO DA FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO - NÚCLEO DO CABEDELO SÍNTESE METODOLÓGICA Polis Litoral Norte CONCURSO PARA A ELABORAÇÃO

Leia mais

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Normas de Funcionamento do Projeto FÉRIAS ATIVAS OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO As presentes Normas têm por objetivo regulamentar as questões de funcionamento das Atividades a realizar nos períodos de

Leia mais

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião

PROJECTO NAZARÉ XXI. - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião PROJECTO NAZARÉ XXI - Marina de recreio e Complexo Turístico de S. Gião Nazaré XXI é um projecto turístico de impacto regional, inserido na política de desenvolvimento económico que a Câmara Municipal

Leia mais

Plano de Atividades AAJUDE - 2016

Plano de Atividades AAJUDE - 2016 Plano de Atividades AAJUDE - 2016 AAJUDE.16.007.1 Página 1 de 13 Índice PLANO DE ATIVIDADES - AAJUDE / 2016 1. Introdução 2. Enquadramento i. Apresentação ii. Princípios e áreas de intervenção iii. Missão

Leia mais

região madeira acaporama adrama madeira leste e porto santo madeira norte e oeste projetos leader 122

região madeira acaporama adrama madeira leste e porto santo madeira norte e oeste projetos leader 122 TERRITÓRIO região madeira madeira leste e porto santo acaporama 124 madeira norte e oeste adrama 126 projetos leader 122 minha terra 123 acaporama território madeira leste e porto santo www.acaporama.org

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015 Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015 Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE SACAVÉM E PRIOR. Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias

JUNTA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE SACAVÉM E PRIOR. Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias JUNTA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE SACAVÉM E PRIOR Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias ÍNDICE 2 Introdução Pág. 3 Princípios e Valores Pág. 3 Objetivos Gerais Pág. 4 Objetivos

Leia mais

Lisboa 2012 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2012 Refª: 037 [Jogos de Rua] Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura. Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura

Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura. Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura 1 Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas...

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

PROJECTO MOBILIDADE SUSTENTÁVEL ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE CASTELO BRANCO

PROJECTO MOBILIDADE SUSTENTÁVEL ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE CASTELO BRANCO PROJECTO MOBILIDADE SUSTENTÁVEL ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE CASTELO BRANCO População concelho: 11 659 População Sede concelho: 2 134 (18%) Área: 1412,73 km2 Freguesias: 17 Intervenção nas seguintes

Leia mais

Plano Atividades Câmara Municipal do Funchal

Plano Atividades Câmara Municipal do Funchal 2015 Plano Atividades 1 Câmara Municipal do Funchal Departamento de Educação e Promoção Social 2 A Câmara Municipal do Funchal, no âmbito do seu Programa de Educação para a Cidadania, desenvolve, através

Leia mais

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO. Resumo Não Técnico ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA CENTRO HISTÓRICO DE SINTRA PROGRAMA ESTRATÉGICO Resumo Não Técnico GABINETE DE REABILITAÇÃO URBANA março de 2015 Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Avaliação Ambiental Estratégica Recomendações para a integração e apreciação da Componente Saúde Humana nos Planos Municipais de Ordenamento do Território Nº: 36/DA DATA:09.10.09 Para: Contacto

Leia mais

Projeto Viva a Alameda

Projeto Viva a Alameda Projeto Viva a Alameda Janeiro 2012 I. Enquadramento a. Política de Cidades o instrumento PRU b. Sessões Temáticas II. A PRU de Oliveira do Bairro a. Visão b. Prioridades Estratégicas c. Área de Intervenção

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA LISBOA OCIDENTAL, SRU ARTE & CONSTRUÇÃO

APRESENTAÇÃO DA LISBOA OCIDENTAL, SRU ARTE & CONSTRUÇÃO APRESENTAÇÃO DA LISBOA OCIDENTAL, SRU ARTE & CONSTRUÇÃO Lisboa, 25 de Julho de 2007 1. ENQUADRAMENTO ESTRATÉGICO O Município de Lisboa criou a Sociedade de Reabilitação Urbana Lisboa Ocidental, SRU, em

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO DA PONTE DA VÁRZEA

PLANO DE INTERVENÇÃO DA PONTE DA VÁRZEA PLANO DE INTERVENÇÃO DA PONTE DA VÁRZEA 1 A Junta de Freguesia de Labruja, tendo definido como uma das suas prioridades para este mandato, a requalificação de toda a área da Ponte da Várzea, junto às margens

Leia mais

Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014

Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014 Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014 O Diagnóstico Social e a Agenda 21 Local de Montemor-o- Novo identifica problemas/necessidades, oportunidades e principais fatores críticos ao desenvolvimento do

Leia mais

AS DINÂMICAS REGIONAIS E OS SEUS ACTORES Conhecer para estruturar e promover o sector do turismo

AS DINÂMICAS REGIONAIS E OS SEUS ACTORES Conhecer para estruturar e promover o sector do turismo AS DINÂMICAS REGIONAIS E OS SEUS ACTORES Conhecer para estruturar e promover o sector do turismo Situa-se junto ao IC2, e entre as duas principais metrópoles do país, Lisboa e Porto. De destacar a sua

Leia mais

Estratégia Territorial de Valorização do Parque Nacional da Peneda-Gerês 2014-2020. Refoios, 16 de setembro 2014

Estratégia Territorial de Valorização do Parque Nacional da Peneda-Gerês 2014-2020. Refoios, 16 de setembro 2014 Estratégia Territorial de Valorização do Parque Nacional da Peneda-Gerês 2014-2020 Refoios, 16 de setembro 2014 ENQUADRAMENTO W N E Território do PNPG: MELGAÇO ARCOS DE VALDEVEZ PONTE DA BARCA TERRAS DE

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015

Valorizar os produtos da terra. Melhorar a vida das nossas aldeias. documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 PROGRAMA VISEU RURAL Valorizar os produtos da terra Melhorar a vida das nossas aldeias documento síntese para consulta e debate público 9 Fev 2015 CONSELHO ESTRATÉGICO DE VISEU Apresentação. O mundo rural

Leia mais

Territórios e atividades turísticas o Roteiro do Tejo

Territórios e atividades turísticas o Roteiro do Tejo Newsletter do Centro de Estudos Politécnicos da Golegã // setembro 2012 Territórios e atividades turísticas o Roteiro do Tejo O mapeamento turístico dos territórios tem sido, desde sempre, uma preocupação

Leia mais

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra O Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra estabelece a concepção do espaço urbano, para a área de intervenção do Plano, dispondo, designadamente,

Leia mais

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão plano estratégico del desenvolvimento económico local PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL ECONÓMICO LOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA Equipa técnica: Assessor: João Pedro Guimarães Colaboradores:

Leia mais

Plano de Desenvolvimento do Alto Minho

Plano de Desenvolvimento do Alto Minho Plano de Desenvolvimento do Alto Minho Síntese dos focus group preparatórios sobre o tema Como tornar o Alto Minho uma região resiliente 1. Sustentabilidade 2. Coesão 3. Flexibilidade e adaptabilidade

Leia mais

CONTEÚDOS FUNCIONAIS:

CONTEÚDOS FUNCIONAIS: CONTEÚDOS FUNCIONAIS: Ref.ª A) TÉCNICO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO AMBIENTE Realizar análises, estudo e emissão de pareceres dos assuntos que lhe são submetidos, tendo como base as melhores praticas legais

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Nota Justificativa A beneficiação e promoção dos pequenos espaços do domínio público

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO de Desenvolvimento Urbano de VISEU 2020

PLANO ESTRATÉGICO de Desenvolvimento Urbano de VISEU 2020 PLANO ESTRATÉGICO de Desenvolvimento Urbano de VISEU 2020 Outubro 2015 Apresentação Síntese ENQUADRAMENTO O Município de Viseu apresentou ao PORTUGAL 2020 a sua candidatura de Plano Estratégico de Desenvolvimento

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão APA Administração do Porto de Aveiro, S.A. A sustentabilidade do Porto de Aveiro é a garantia do seu futuro. A génese do Porto de Aveiro está ligada à história da Ria e

Leia mais

Centro de Arqueologia de Almada Actividades de Educação Patrimonial. Campo de Simulação Arqueológica

Centro de Arqueologia de Almada Actividades de Educação Patrimonial. Campo de Simulação Arqueológica Centro de Arqueologia de Almada Actividades de Educação Patrimonial Facilitar a apropriação de memórias colectivas pelas novas gerações. O departamento pedagógico do Centro de Arqueologia de Almada, vocacionado

Leia mais

Junta de Freguesia da Misericórdia PRIMEIRA INFORMAÇÃO ESCRITA DA PRESIDENTE DA JUNTA

Junta de Freguesia da Misericórdia PRIMEIRA INFORMAÇÃO ESCRITA DA PRESIDENTE DA JUNTA PRIMEIRA INFORMAÇÃO ESCRITA DA PRESIDENTE DA JUNTA ÍNDICE pág. PREÂMBULO 3 HABITAÇÃO E OBRAS, ESPAÇO PÚBLICO, TRÂNSITO, ESTACIONAMENTO E SEGURANÇA 3 Habitação e Obras 3 Espaço Público, Trânsito, Estacionamento

Leia mais

Plano de Actividades 2010

Plano de Actividades 2010 Plano de Actividades Amigos dos Açores Associação Ecológica Dezembro de 2009 Plano de Actividades 2010 Título Amigos dos Açores Associação Ecológica Autoria Avenida da Paz, 14, 9600-053 Pico da Pedra +351

Leia mais

OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA

OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA Promoção e divulgação dos Jardins da Fundação Calouste Gulbenkian - Centro Interpretativo Gonçalo

Leia mais

as s FESTIVAL DE ARTES

as s FESTIVAL DE ARTES as s ARTES MÚSICA WORKSHOPS SOLIDÁRIO FESTIVAL DE ARTES Festival ASAS Apresentação: ATB e Município de Penela Conceito Método Objetivos Cronograma/programação Projetos de intervenção social A região de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

PROJETO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO CENTRO DE FÉRIAS DESPORTIVAS DE VERÃO N OS MOCHOS - 2013 - PROJETO DINAMIZADO PELA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DE ESPINHO PROJETO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO Espinho, 2 de Maio de 2013 ÍNDICE Página Introdução 3

Leia mais

região lisboa e vale do tejo

região lisboa e vale do tejo região lisboa e vale do tejo 0 0 0 06 0 0 0 adirn 0 adrepes 0 aproder 0 charneca 0 leader oeste 06 tagus minha terra adirn ribatejo norte www.adirn.pt Frusel Novas Instalações Frusel Liteiros / Torres

Leia mais

Etnobotânica da Terra de Miranda

Etnobotânica da Terra de Miranda Etnobotânica da Terra de Miranda 2 anos de atividades do Projeto Cultibos, Yerbas i Saberes Título: Etnobotânica da Terra de Miranda. 2 anos de atividades do projeto Cultibos, Yerbas i Saberes. Coordenação:

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Página de Rosto Aluna: Tânia Marlene Silva Ano/ Turma: 12º ano do Curso Profissional Técnico de Secretariado Disciplina: Técnicas de Secretariado Modulo: 20 Organização de Eventos

Leia mais

CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO PROJETO JOVENS EM MOVIMENTO 2016

CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO PROJETO JOVENS EM MOVIMENTO 2016 CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO PROJETO JOVENS EM MOVIMENTO 2016 ENQUADRAMENTO O Departamento de Ambiente e Equipamento, através do Núcleo de Promoção e Sensibilização Ambiental (NPSA), tem como incumbência,

Leia mais

Promover a sensibilização ambiental nos nossos centros comerciais no Brasil

Promover a sensibilização ambiental nos nossos centros comerciais no Brasil Promover a sensibilização ambiental nos nossos centros comerciais no Brasil Sonae Sierra O nosso compromisso para com o ambiente vai das nossas próprias operações até às ações dos nossos visitantes e lojistas.

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

Apresentação do Projecto RETOMAR A CENTRALIDADE

Apresentação do Projecto RETOMAR A CENTRALIDADE ACICB Castelo Branco 23 Novembro 2011 Apresentação do Projecto Apoio à execução do projecto Enquadramento Projecto financiado pelo QREN, no âmbito do Mais Centro - Programa Operacional Regional do Centro

Leia mais

CONCLUSÕES PROGRAMA DO CONGRESSO DO CONGRESSO

CONCLUSÕES PROGRAMA DO CONGRESSO DO CONGRESSO 1 1. CONCLUSÕES DO CONGRESSO 2. PROGRAMA DO CONGRESSO 2 3 1. CONCLUSÕES DO CONGRESSO 4 5 A. O Crédito Agrícola está a comemorar um século de existência enquanto Instituição profundamente enraizada na vida

Leia mais

Estado de direito democrático...2. Tarefas fundamentais do Estado...2. Liberdade de associação...2. Direitos dos trabalhadores...3

Estado de direito democrático...2. Tarefas fundamentais do Estado...2. Liberdade de associação...2. Direitos dos trabalhadores...3 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (Texto nos termos da última revisão constitucional (sexta revisão constitucional) operada pela Lei Constitucional n.º 1/2004, de 24 de Julho) Estado de direito democrático...2

Leia mais

requalificação em consequência de concurso de arquitectura promovido pela Câmara Municipal de Lisboa.

requalificação em consequência de concurso de arquitectura promovido pela Câmara Municipal de Lisboa. AIRES MATEUS E ASSOCIADOS RUA SILVA CARVALHO, 193, 1250-250 LISBOA TEL 21 381 56 50 35/79 requalificação em consequência de concurso de arquitectura promovido pela Câmara Municipal de Lisboa. O edifício

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII

PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII PLANO NACIONAL DE AÇÃO PARA OS DIREITOS DA CRIANÇA As crianças são encaradas como sujeitos de direitos, a partir do momento em que o seu bem-estar é concebido como uma consequência

Leia mais

VISÃO SOBRE QUALIDADE DE VIDA AMBICIONADA PARA OEIRAS 2020

VISÃO SOBRE QUALIDADE DE VIDA AMBICIONADA PARA OEIRAS 2020 VISÃO SOBRE QUALIDADE DE VIDA AMBICIONADA PARA OEIRAS 2020 Habitação, Espaços Exteriores e Equipamentos A minha casa é muito confortável e sossegada. Já está paga porque beneficiei de um programa de requalificação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objectivos gerais:... 4 2. Objectivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 5 4. Actividades Sócio-Educativas... 6 5.

Leia mais

A SUA ACADEMIA DE GOLFE NO CENTRO DE LISBOA AG001_AP_0516

A SUA ACADEMIA DE GOLFE NO CENTRO DE LISBOA AG001_AP_0516 A SUA ACADEMIA DE GOLFE NO CENTRO DE LISBOA AG001_AP_0516 Conceito A Academia de Golfe de Lisboa (AGL) é um espaço de treino, onde pode ter um primeiro contacto com o golfe ou uma grande diversidade de

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável de Vendas Novas. Relatório de Diagnóstico

Plano de Mobilidade Sustentável de Vendas Novas. Relatório de Diagnóstico Plano de Mobilidade Sustentável de Vendas Novas Relatório de Diagnóstico Setembro de 2007 Projecto: Projecto Mobilidade Sustentável Equipa Técnica: Av. Rovisco Pais, 1 Pav. Mecânica I, 2º andar 1049-001

Leia mais

Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede

Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede Câmara Municipal do Cadaval Saúde em Rede Promoção da Saúde A promoção da saúde é o processo que permite capacitar as pessoas a melhorar e a aumentar o controle sobre a sua saúde (e seus determinantes

Leia mais

Plano de Desenvolvimento do Alto Minho

Plano de Desenvolvimento do Alto Minho Plano de Desenvolvimento do Alto Minho Síntese dos focus group preparatórios sobre o tema Como tornar o Alto Minho uma região atrativa 1. O mundo rural do Alto Minho 2. O mundo urbano do Alto Minho 3.

Leia mais

2/16. 1. Memória Descritiva. 1.1. Introdução

2/16. 1. Memória Descritiva. 1.1. Introdução 1. Memória Descritiva 1.1. Introdução Tendo em conta o Estudo Prévio executado pelo Arquitecto Paisagista João Ceregeiro em Março 2003, e os esboços do Arquitecto Paisagista Álvaro Manso realizados em

Leia mais

Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente

Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente Concurso Público para o Projecto de Concepção Arquitectónica do Novo Edifício da Capitania dos Portos e Optimização da Zona Envolvente I. Situação actual e características do ambiente Planta: Área de intervenção

Leia mais

Infraestruturas para instalação de empresas

Infraestruturas para instalação de empresas Infraestruturas para instalação de empresas A proximidade a Lisboa, a infraestruturas portuárias e aeroportuárias, e a existência de um conjunto de acessibilidades marcadas por eixos rodoviários (A1, A6,

Leia mais

Co-Financiado pelo QREN (Programa Mais Centro e da União Europeia e Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional)

Co-Financiado pelo QREN (Programa Mais Centro e da União Europeia e Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional) Co-Financiado pelo QREN (Programa Mais Centro e da União Europeia e Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional) Protocolo entre: Câmara Municipal de Águeda Santa Casa da Misericórdia de Águeda; Identificação

Leia mais

1. Nota Introdutória. Caros Associados,

1. Nota Introdutória. Caros Associados, PROGRAMA DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2016 1 7 1. Nota Introdutória Caros Associados, O Plano Anual de Atividades é um instrumento de organização e gestão, contextualizando as diversas atividades a desenvolver

Leia mais

Plano de Atividades 2015. Frente MarFunchal. Gestão e Exploração de Espaços Públicos, e de Estacionamentos Públicos Urbanos do Funchal, E.M.

Plano de Atividades 2015. Frente MarFunchal. Gestão e Exploração de Espaços Públicos, e de Estacionamentos Públicos Urbanos do Funchal, E.M. 2 Plano de Atividades 2015 Frente MarFunchal Gestão e Exploração de Espaços Públicos, e de Estacionamentos Públicos Urbanos do Funchal, E.M. Complexo Balnear da Barreirinha Praia de São Tiago Complexo

Leia mais

Problema Como combater o isolamento social de seniores com deficiência visual. Organização

Problema Como combater o isolamento social de seniores com deficiência visual. Organização Problema Como combater o isolamento social de seniores com deficiência visual. Organização ACAPO - Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal / Delegação do Porto Morada: Rua do Bonfim, 215 4300-069

Leia mais

Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora

Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora Página 1 de 12 Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora Nota Justificativa No final de 2011, entrou em vigor

Leia mais

02_03 SUCESSOS OPORTUNIDADES EMOÇÕES

02_03 SUCESSOS OPORTUNIDADES EMOÇÕES 02_03 SUCESSOS OPORTUNIDADES EMOÇÕES 04_05 Tudo no mesmo palco Mais de 6.000 m2 quadrados completamente adaptáveis a todo o tipo de evento, enquadrados no seio de uma região onde sol, animação, hospitalidade

Leia mais

Município de Leiria ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2014 I 2015. Ciclo de Participação: 3.ª Etapa. Designação: Documento: Relatório

Município de Leiria ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2014 I 2015. Ciclo de Participação: 3.ª Etapa. Designação: Documento: Relatório Ciclo de Participação: 3.ª Etapa Designação: Avaliação técnica das propostas pelos serviços da câmara Municipal de Leiria, transformação das propostas em projetos Documento: Relatório Data: 01.09.2014

Leia mais

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio:

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio: Projeto Educativo Creche Humanus C.A.M. 1 de 11 Índice Introdução... 3 Quem somos?...3 As Dimensões do Projeto Educativo Dimensão Global da Criança.. 5 Dimensão Individual.... 6 Dimensão das Aquisições..

Leia mais

Conceito territorial Projecto de requalificação Empresa pública Projecto decisivo para a criação da Cidade das duas

Conceito territorial Projecto de requalificação Empresa pública Projecto decisivo para a criação da Cidade das duas Arco Ribeirinho Sul: o que é? Conceito territorial Projecto de requalificação Empresa pública Projecto decisivo para a criação da Cidade das duas margens Oportunidade de reconversão ambiental e urbanística

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PATRIMÓNIO CULTURAL ENTRADA EM VIGOR EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

De referir que a zona da piscina não está incluída neste processo de concurso.

De referir que a zona da piscina não está incluída neste processo de concurso. MEMÓRIA DESCRITIVA Trata esta memória descritiva da descrição do objeto a concessionar no Concurso Público para Concessão de Exploração do Empreendimento das SALINAS, em Câmara de Lobos. Esta intervenção

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA 1. INTRODUÇÃO E DESCRIÇÃO GERAL

MEMÓRIA DESCRITIVA 1. INTRODUÇÃO E DESCRIÇÃO GERAL MEMÓRIA DESCRITIVA 1. INTRODUÇÃO E DESCRIÇÃO GERAL Trata esta memória descritiva da identificação do objeto a concessionar no Concurso para Concessão de Exploração de um Espaço destinado a Restauração

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS

PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS Datas Despesas Anos Seguintes 1. FUNÇÕES GERAIS 938.000 688.000 250.000 125.786 108.000 1.171.786 1.1 SERVIÇOS GERAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 938.000 688.000 250.000 125.786 108.000 1.171.786 1.1.1 ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

EUROPAN 13 AZENHA DO MAR, ODEMIRA

EUROPAN 13 AZENHA DO MAR, ODEMIRA EUROPAN 13 AZENHA DO MAR, ODEMIRA 1. CONTEXTO TERRITORIAL EUROPAN 13 AZENHA DO MAR, ODEMIRA > CONCELHO DE ODEMIRA BAIXO ALENTEJO Situado no sudoeste de Portugal, o concelho de Odemira evidencia características

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Workshop1 Voluntariado na área social e humanitária nacional Dinamizadores: Vo.U Associação de Voluntariado Universitário

Leia mais

Ficha de Protocolo. Resumo do Protocolo. Contactos da Entidade

Ficha de Protocolo. Resumo do Protocolo. Contactos da Entidade Ficha de Protocolo Resumo do Protocolo Entidade: Pedras d el Rei e Pedras da Rainha Local: Tavira Serviços/Produtos: Alojamento turístico Benefícios e Vantagens: Notas: 01 Novembro 2014 a 27 Março 2015

Leia mais

Escola do 1º Ciclo com Pré-Escolar do Lombo de São João [Ribeira Brava] Projeto Educativo de Escola 2012-2015

Escola do 1º Ciclo com Pré-Escolar do Lombo de São João [Ribeira Brava] Projeto Educativo de Escola 2012-2015 Escola do 1º Ciclo com Pré-Escolar do Lombo de São João [Ribeira Brava] Projeto Educativo de Escola 2012-2015 Escola Básica do 1º Ciclo com Pré- Escolar do Lombo de São João - Ribeira Brava 1 Índice Introdução...

Leia mais

Uma abordagem à visão de Portugal

Uma abordagem à visão de Portugal Uma abordagem à visão de Portugal Como é que os operadores turísticos podem contribuir para um novo posicionamento XXXVIII Congresso da APAVT: Potenciar Recursos, Romper Bloqueios, Ganhar Mercado painel

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PORTA DO MEZIO ARCOS DE VALDEVEZ PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Olá, sou o Lobito, a mascote da Porta do Mezio. Vem comigo descobrir as atividades que podes fazer na Porta do Mezio! 2013/2014 Localizado

Leia mais

PROJETOS ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DA FREGUESIA DE BENFICA 2014

PROJETOS ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DA FREGUESIA DE BENFICA 2014 PROJETOS ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DA FREGUESIA DE BENFICA 2014 Projeto nº1 Mensagem: No âmbito da Educação e com vista à integração das pessoas com dificuldades cognitivas, de desenvolvimento e motoras,

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA Governo Provincial da Huíla. INVEST HUÍLA 2015 Fórum de Negócios e Oportunidades de Investimento OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO

REPÚBLICA DE ANGOLA Governo Provincial da Huíla. INVEST HUÍLA 2015 Fórum de Negócios e Oportunidades de Investimento OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO REPÚBLICA DE ANGOLA Governo Provincial da Huíla INVEST HUÍLA 2015 Fórum de Negócios e s de Investimento OPORTUNIDADES SECTOR IMOBILIÁRIO Construção SECTOR IMOBILIÁRIO Construção ÍNDICE IH.IM017 Boulevard

Leia mais

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Nome: Centro Social de Cultura e Recreio da Silva Natureza Jurídica: Associação - Instituição

Leia mais

Uma entidade privada sem fins lucrativos constituída em 1994, por entidades colectivas denaturezapúblicaeprivada,comsedenaviladocadaval.

Uma entidade privada sem fins lucrativos constituída em 1994, por entidades colectivas denaturezapúblicaeprivada,comsedenaviladocadaval. Uma entidade privada sem fins lucrativos constituída em 1994, por entidades colectivas denaturezapúblicaeprivada,comsedenaviladocadaval. GAL Grupo de Acção Local, reconhecido pelo Ministério da Agricultura

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 2 de julho de 2014. Série. Número 99

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 2 de julho de 2014. Série. Número 99 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 2 de julho de 2014 Série Sumário ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DAMADEIRA Resolução da Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira

Leia mais

Projeto: Férias em Movimento

Projeto: Férias em Movimento Projeto: Férias em Movimento 2012 INTRODUÇÃO Este projeto pretende ser um guia orientador da ação educativa, pedagógica e ocupacional a desenvolver ao longo das férias de Verão de 2012 na resposta de Centro

Leia mais

ANEXO TURISMO SUSTENTÁVEL BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL -

ANEXO TURISMO SUSTENTÁVEL BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL - ANEXO BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE TURISMO SUSTENTÁVEL VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL - ANEXO AO RELATÓRIO 3 ANEXO AO RELATÓRIO 3_ PROGRAMA DE EXECUÇÃO

Leia mais

O novo PDM é um instrumento para concretizar 7 grandes objetivos, uma nova visão estratégica de Lisboa.

O novo PDM é um instrumento para concretizar 7 grandes objetivos, uma nova visão estratégica de Lisboa. O novo PDM é um instrumento para concretizar 7 grandes objetivos, uma nova visão estratégica de Lisboa. Recuperar os habitantes perdidos na última década, nos próximos 10 anos ATRAIR MAIS HABITANTES Como?

Leia mais

Centro de Atividades Ocupacionais

Centro de Atividades Ocupacionais Villa Urbana de Valbom Plano Anual de Atividades 2013 Proposta realizada pela equipa técnica: TO Madalena Ricou Dra. Sónia Santos Conteúdo: Mapa da planificação anual de atividades Breve descrição das

Leia mais