A Importância da Drenagem Linfática Manual no Pós-Operatório de Lipoaspiração e Abdominoplastia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Importância da Drenagem Linfática Manual no Pós-Operatório de Lipoaspiração e Abdominoplastia"

Transcrição

1 1 A Importância da Drenagem Linfática Manual no Pós-Operatório de Lipoaspiração e Abdominoplastia Leuziane Alves da Silva Dayana Priscila Maia Mejia Pós-graduação em Estética e Cosmetologia Faculdade Ávila Resumo Drenagem Linfática Manual é uma técnica utilizada no pós-operatório de lipoaspiração e abdominoplastia. É uma terapia potencializadora para redução não só de edemas, como também a prevenção de seromas, fibroses e aderências. O sistema linfático representa uma via auxiliar ao sistema circulatório sanguíneo, cuja função é recolher o líquido intersticial que não retornou aos capilares sanguíneos. A lipoaspiração ou lipossucção é um procedimento cirúrgico podendo ser realizada através de pequenas incisões na pele. A abdominoplastia ou dermolipectomia é uma correção estética e funcional da parede abdominal, devido alterações por flacidez da musculatura. Palavra-Chave: Drenagem Linfática Manual (DLM); Sistema Linfático; Lipoaspiração e Abdominoplastia. 1. Introdução O biólogo dinamarquês Emil Vodder e sua esposa Estrid Vodder desenvolveu a técnica da drenagem linfática em Desde essa descoberta vários adeptos passaram a difundi-la. A técnica de Emil Vodder esta fundamentada na longa experiência de massagens em Cannes, Riviera Francesa. Com a experiência e observando os resultados, desenvolveu-se a técnica de drenagem linfática manual, com a sistematização de alguns tipos de movimentos e da orientação do sentido de drenagem, A partir do trabalho experimental deste casal, outros pesquisadores tais como Fonldi e Kuhnke (Alemanha), Cashley-Smith (Australia) e Leduc (Belgica), desenvolveram a base cientifica da técnica e criaram-se linhas de trabalho dentro da drenagem Linfatica manual (SOUZA,2009,p18). Sabe - se que a drenagem linfática drena os líquidos excedentes que banham as células, mantendo, desse modo, o equilíbrio hídrico dos espaços intersticiais. Também é responsável pela evacuação dos dejetos procedentes do metabolismo celular. Existem dois processos muito distintos que contribuem para a evacuação desses líquidos intersticiais. Sendo o primeiro processo, a captação, realizada pela rede de capilares linfáticos. A captação é a consequência do aumento local da pressão tissular. Quanto mais a pressão aumenta, maior é a recaptação pelos capilares linfáticos. Enquanto o segundo processo consiste na evacuação, longe da região infiltrada, dos elementos recaptados pelos capilares. Esse transporte de linfa que se encontra nos vasos é efetuado pelos pré-coletores em direção aos coletores (LEDUC e LEDUC, 2000). ¹ Pós-graduando em Estética e Cosmetologia. ² Orientador: Fisioterapeuta Especialista em Metodologia do Ensino Superior Mestranda em Aspectos Bioética e Jurídicas da Saúde.

2 Segundo Guynton (1997), o sistema linfático representa uma via acessória pela qual o liquido pode fluir dos espaços intersticiais para o sangue. E o que é mais importante, os linfáticos podem transportar proteínas e material em grandes partículas, para fora dos espaços teciduais, nehum dos quais podem ser removidos por absorção direta pelos capilares sanguíneos. O sistema linfático desempenha o papel primordial de absorção e transporte do excesso de líquido, tem também a função de devolver as proteínas plasmáticas do líquido intersticial de volta à circulação do sangue. Uma pequena quantidade de proteínas plasmáticas vaza continuamente, através dos poros para o líquido intersticial, que, se não forem devolvidas, a pressão coloidosmótica do plasma cairia a volumes muito baixos para reter líquido na circulação. O fluxo linfático promove um retorno de 2 a 3 litros de linfa por dia, necessário para repor o equilíbrio protéico. Além das proteínas, o linfático transporta substâncias de elevado peso molecular como células, restos celulares, bactérias, vírus, água em excesso e gordura de grande peso molecular. Outra função importante e essencial é a produção de linfócitos. Essas células são os principais presentes na linfa, e não são originárias nem da corrente sangüínea, nem do espaço intersticial, mas sim dos gânglios linfáticos, do baço e da medula óssea. Um grande numero de linfócitos entra diariamente na circulação sangüínea, através do ducto torácico e do linfático direito. Os linfócitos, por serem capazes de fagocitar bactérias ou qualquer agente estranho que invada os tecidos, desempenham um papel imunológico fundamental (MAX E CAMARGO,1986). Visando imitar a fisiologia do sistema linfático, desenvolveu-se a técnica de Drenagem Linfática Manual. De acordo com Ferreira (2004), técnica significa: o conjunto de processo de uma arte ou ciência. Segundo Guirro e Guirro (2002) a captação é efetuada objetivamente sobre o segmento edemaciado, levando a linfa pelos linfocapilares. Na reabsorção, as manobras são executadas nos pré-coletores e nos coletores linfáticos, que levarão a linfa captada pelos linfocapilares. Já no processo de evacuação realiza nos linfonodos recebendo a confluência dos coletores linfáticos (GUIRRO; GUIRRO, 2002). Em meados de 1967, foi criada a sociedade de Drenagem Linfática Manual, a qual, a partir de 1976, foi incorporada à Sociedade Alemã de Linfologia. Dentre os principais grupos que utilizam a técnica estão: Földi, Leduc, Casley-Smith, Nieto, Ciucci, Beltramino, Mayall e outros. Devemos salientar que tais grupos acrescentaram suas contribuições individuais, principalmente no tratamento de paciente portadores do linfedema, porém mantiveram os princípios preconizados por Vodder. Dentre as principais contribuições está a de Földi, que preconizou a associação de drenagem linfática, bandagens e cuidados higiênicos. Tal técnica ficou conhecida como terapia física complexa de Földi. A lipoaspiração ou lipossucção foi criada na década de 80, é um procedimento cirúrgico podendo ser com anestesia local (peridural) ou geral é uma cirurgia realizada através de pequenas incisões na pele, onde são introduzidas cânulas que aspiram gorduras localizadas em pequenas regiões do corpo através de uma pressão negativa (MATTOS; ALCM, 2004). No passado utilizava o método seco, sem nenhuma introdução de infiltração de líquido, com isso provocava muitas complicações como sangramento intenso no pós-operatório de lipoaspiração, dentre as mais comuns são as infecções, hematomas, embolia gordurosa, trombose e perfurações devido ao uso do método seco (PEREIRA et al., 2002; GUIRRO;GUIRRO 2002). A abdominoplastia ou dermolipectomia é uma correção estética e funcional da parede abdominal, devido alterações por flacidez da musculatura, excesso de emagrecimento, 2

3 3 gestações sucessivas, diástase abdominal, extenso depósito de tecido gorduroso na parede abdominal e hérnias (CARDOSO, 2003). Segundo Guirro e Guirro (2002) um capítulo recente da cirurgia plástica é a abdominoplastia, sendo que desde quando foram criadas, várias alterações surgiram em suas técnicas e fundamentos, assim com a diminuição da incidência de seqüelas deixadas no pós-operatório. Para Moraes (2008), a cirurgia estética estar intimamente ligada à autoestima dos pacientes e bem estar, oferecendo melhor qualidade de vida ao indivíduo. Em toda intervenção cirúrgica ao deslocar ou cortar o tecido, células e vasos sanguíneos se rompem gerando um acúmulo de liquidos local (MACHADO, 2007). Nesse caso é indicada a Drenagem Linfática Manual (DLM), contribuindo na recuperação e satisfação dos resultados estéticos. No pós-operatório com o intuito de aliviar a pressão nas suturas, é necessário posicionar a cama de um modo específico durante os três primeiros dias depois da operação. Os joelhos devem estar flexionados e o tronco superior levemente elevado. A paciente deve ser mobilizada já no primeiro dia após a operação, para prevenir a formação de coágulos de sangue. Nesse período inicial, deve-se evitar a extensão do tronco superior, mantendo a flexão da coxa sobre o tronco, de maneira que a cicatrização da ferida operatória não seja prejudicada. A movimentação frequente dos membros inferiores é estimulada, uma vez que ela promove o retorno do fluxo sanguíneo. No segundo dia depois da operação, os drenos Redon são removidos, o curativo é trocado, e uma malha modeladora especial de compressão é colocada (GREGORY, 2007). Hoje em dia a drenagem linfática é conhecida pelas comunidades internacionais e tem suas utilizações definidas não só para o tratamento estético, mas também para tratamento em afecções de natureza angiológica, traumáticas, neurológicas, metabólica e cirúrgica (BORGES, 2006). É importante para o estéticista ter conhecimento da anatomia da regiao abdominal e dos principais passos técnico da abdominoplastia, podendo assim atuar nos casos de pósoperatório com mais confiança desde que esteja em contato com o cirurgião responsável (MAUAD, 2003). As técnicas de aplicação da drenagem linfática manual no pós-operatório de cirurgia plástica podem ser fundamentadas na drenagem reversa que consiste em direcionar o edema a um gânglio proximal a lesão como uma via alternativa para não haver encharcamento da cicatriz e aumento de edema, já que dependendo da cirurgia onde há uma secção, vasos são lesionados, dificultando assim a eliminação dos líquidos em excesso (MACEDO e OLIVEIRA, 2010). 2. Metodologia Este artigo trata-se de um levantamento bibliográfico, assim possibilitando conhecimento sobre a importância da drenagem linfática no pós-operatório da lipoaspiração e abdominoplastia. Foram usadas fontes de consultas de livros, artigos científicos em sites de pesquisa como: Google acadêmico, scielo, lilacs e medline através das palavras chaves Drenagem Linfática Manual, Sistema Linfático, Lipoaspiração e Abdominoplastia. As referências utilizadas variam entre os períodos de 1993 a Procurou-se buscar informações das possíveis interpretações dadas pelos diferentes autores sobre o proposto tema. 3. Resultados e Discussão Observou-se que a Drenagem Linfática Manual (DLM) é uma das técnicas mais procuradas e importantes na área de Pós-Operatório de lipoaspiração e abdominoplastia, devido à eficácia e

4 prevenção precoce de edemas, hematomas, seromas, fibroses, aderências, equimoses dentre outros. De acordo com Ferreira (2004) é um conjunto de processo de uma arte ou ciência; portanto para realizar essa técnica específica de Drenagem Linfática Manual (DLM) deve-se possuir um conhecimento aprofundado sobre anatomia e fisiologia do sistema linfático. A Drenagem Linfática Manual esta representada principalmente pelas técnicas de Voldder e Leduc. A diferença está no tipo de movimento. Voldder utiliza movimentos circulares, rotatórios e de bombeio, já Leduc propõem movimentos mais restritos (PICCININI et al., 2009). O pós-operatório, segundo Jacques (2006), traz como resultado a Drenagem Linfática Manual (DLM), da seguinte forma: - Massagem: ajuda a diminuir o desconforto na área cirúrgica, diminuindo o inchaço; - Elimina a coleta do líquido e / melhorando a drenagem linfática; -Velocidade no processo de recuperação do corpo, entregando aumento dos níveis de oxigênio e nutrientes para as células; -Auxilia na eliminação de toxinas (células danificadas, produtos químicos, anestesia e outros agentes farmacêuticos) do corpo (sangue e circulação da linfa); - Ajuda a minimizar a excessiva (equimose) no local da contusão; - Contribui para a regeneração do nervo (dormência e reduz a área afetada); - Auxilia com redução de cicatrizes e melhora a elasticidade da pele; - Suporta o sistema imunitário do corpo e pode ajudar a prevenir ou combater uma infecção, no caso de ocorrer. Soares et al. (2005) também relata que a Drenagem Linfática Manual (DLM) iniciada precocemente diminui o acúmulo de líquidos nos locais que foram realizados os procedimentos cirúrgicos de lipoaspiração e abdominoplastia, sendo mais rápida a recuperação dos pacientes. Segundo Amaral et al. (2005) o simples toque proporcionado pela Drenagem Linfática Manual (DLM) promove uma redução de dor, fibrose, edema, relaxamento e sensação de leveza. Celion et al; (2006) realizou 15 atendimentos de Drenagem Linfática Manual (DLM) na região do abdômen após uma lipoaspiração, constatando uma diminuição significativa do hematoma, edema e redução na dor local. Guirro e Guirro (2002), afirma que a drenagem linfática manual é contra indicada na presença de: - Processos infecciosos; - Neoplasias; - Trombose venosa profunda; - Erisipela. Apesar da existência de versões adaptadas e evoluídas da drenagem linfática manual, aprimoradas por diferentes escolas científicas ao longo da história, conforme achados e pesquisas experimentais de anatomia, fisiologia e fisiopatologia do sistema linfático, todas estas versões seguem os mesmos parâmetros técnicos, não havendo diferença técnica de drenagem linfática manual terapêutica e estética (TACANI e TACANI, 2008). A nova técnica de Godoy & Godoy consiste na utilização de roletes que seguem o sentido de fluxo dos vasos linfáticos (corrente linfatias) e mantêm a sequencia de drenagem proposta por Vodder. Alem dos roletes, a técnica pode fazer uso das mãos ou de outro instrumento adequado, que permitam a realização da drenagem linfática seguindo o sentido dos vasos linfáticos ou da corrente linfática, simplificado, desse modo, toda a técnica de drenagem linfática (GODOY & GODOY, 1999). Evolução da técnica de drenagem linfática Godoy & Godoy: Drenagem linfática total 4

5 5 Nestes anos a observação prática e a pesquisas permitiram a evolução do conceito da drenagem linfático inicialmente descrito por Godoy & Godoy para um novo conceito que é descrito como drenagem linfática total. Este conceito fundamenta-se na associação de estímulos que interferem nos mecanismos fisiológicos de drenagem linfática, de forma mais abrangente do que na drenagem convencional, procurando maximizar todos os estímulos do sistema linfático. O domínio do conhecimento anatômico, fisiológico, fisiopatológico e das regras da hidrodinamica são fundamentais para execução destes conceitos. O objetivo é envolver de forma harmoniosa a formação da linfa com o seu deslocamento até atingir o sistema venoso de forma global. Segundo (GODOY E GODOY, 2005) a drenagem linfática pode ser utilizada pelo fisioterapeuta e é eficaz para minimizar o edema no pós-cirúrgico de abdominoplastia. Além do mais, a aplicação precoce da drenagem linfática manual após a cirurgia pode prevenir complicações, como o seroma e auxilia na reparação de ferimentos, proporcionando uma recuperação mais rápida no pós-cirúrgico. Para realizar a drenagem linfática é necessário o conhecimento da anatomia, fisiologia do sistema linfático e princípios de hidráulica e hidrodinâmica. É uma técnica sistematizada, cujos movimentos devem ter uma sequência determinada. A Drenagem Linfática Manual (DLM) esta representada principalmente palas técnicas de Vodder e Leduc. A diferença entre elas estar no tipo de movimentos. Vodder utiliza movimentos circulares, rotatorios e de bombeio, ja Leduc propoem movimentos mais restritos (PICCININI et. al., 2009). A manobra de drenagem linfática deve ser executada em ritmo lento, pausado e repetitivo, em consideração ao mecanismo de transporte da linfa, cuja à frequência de contração é de 5 a 7 vezes por minuto, não deve ser brusco. As sessões devem ter no mínimo 30 minutos, e o corpo deve ser posicionado de maneira que a pele esteja o menos tensa possível, para dar condições de melhor deslocamento da linfa (LOPES, 2002). Para Godoy, Belczak, Godoy (2005) se inicia a drenagem linfática estimulando a região cervical por mais de 10 minutos, o tempo máximo ainda não está determinado,sugerindo um tempo de drenagem de 15 a 20 minutos na região cervical.em seguida,pode ser realizada a inspiração e expiração profunda em torno de 5 vezes por minuto. A drenagem linfática manual não apresenta risco algum para o paciente de pós-operatório de cirurgias plásticas, apenas se for mal aplicada concentrando muita força, rapidez excessiva, ou direção errada (BORGES, 2006). Há duas etapas a serem seguidas na drenagem linfática, sendo, em ambas, realizadas sempre no sentido da circulação linfática de retorno e centripetamente. Essas duas etapas são chamadas de evacuação e de captação (DE BARROS, 2001). O primeiro processo é a captação que é realizada no mesmo nível da infiltração. O segundo processo consiste na evacuação que é a transparência dos líquidos captados longe da zona de captação (LEDUC, 2000). O objetivo da evacuação é proporcionar um aumento do fluxo linfático na região proximal, deixando essa descongestionada e preparada para receber a linfa de outras regiões mais distais. Ao se facilitar e melhora a circulação linfática dessa região, não haverá sobrecargas maiores a esses vasos (DE BARROS, 2001). O objetivo da captação é absorver os líquidos excedentes da região com estase (com edema, celulite, etc) e transportá-la através dos vasos linfáticos de volta para a circulação venosa. Este efeito regenerativo pode explicar-se pela eliminação do edema intersticial, fator de diminuição da velocidade da micro circulação (DE BARROS, 2001).

6 Segundo VODDER este fato também se poderia explicar pelo aumento da produção de linfócitos, cujo núcleo tem um papel alimentício e regenerador para os tecidos. Este fenômeno foi observado em: - Úlceras; - Varicosas; - Osteoporoses; - Celulites. A Drenagem Linfática Manual exerce uma ação, tranqüilizante e relaxante. Favorece o predomínio do sistema nervoso parasimpático, a parte do sistema nervoso autônomo que preside à recuperação de forças e à regeneração de tecidos. De fato, quando se inicia o tratamento, a maioria dos pacientes sente que os seus músculos se relaxam, as suas pálpebras pesam e uma sensação de torpor invade-os. Para Coutinho (2006), durante as fases de cicatrização após a cirurgia estética, como a lipoaspiração lifting, abdominoplastia, a Drenagem Linfática Manual (DLM) pode aumentar a taxa de cicatrização da área e, assim, aumentar a velocidade com que o cliente pode retomar uma vida normal a Drenagem Linfática Manual (DLM) pode beneficiar condições tais como: - Tendinites; - Linfoedema Primário e Secundário; - Linfoedema do braço pós; - Mastectomia; - Edemas pós-operatórios e pós traumáticos; - Problemas circulatórios; - Pós - cirurgia plástica; - Pós Lipoaspiração; - Sinusite, Rinite e Otite; - Varizes e pernas cansadas; - Edemas da Gravidez; - Enxaquecas; - Atrozes, Artrites, Gota; - Celulite Tratamento de manutenção regular pode melhorar; - Ajuda com a perda de peso; - Dores de cabeça e enxaqueca; - Suporte ao sistema imunológico; Os pacientes que apresentam disfunções tireoidianas, crises asmáticas, flebite, trombose, menstruação abundante, afecções da pele, hipertensão descontrolada, hipotensão, insuficiência renal, insuficiência cardíaca, nervos pré-cancerosos, câncer, suspeita de arteriosclerose, e sensação de mal estar não poderão receber drenagem linfática manual. O objetivo deste é investigar a importância da Drenagem Linfática Manual em pacientes submetidos à Lipoaspiração e Abdominoplastia (WENER et. al, 2008). Tratando-se de uma revisão bibliográfica sobre Drenagem Linfática Manual no pós - operatório de Lipoaspiração e abdominoplastia. A Drenagem Linfática Manual (DLM) pode ser indicada ao lado de outros tratamentos a fim de conter o edema em um nível confortável, reduzir a dor e a fibrose e realçar o relaxamento e os sentimentos de bem estar (Kasseroler,1998). A Drenagem Linfática Manual (DLM) possui influência direta em outras funções biológicas: Capacidade dos capilares linfáticos; Velocidade da linfa transportada; Filtração e reabsorção dos capilares sanguíneos; Quantidade de linfa processada dentro dos gânglios linfáticos; Sobre a musculatura esquelética; 6

7 Sobre a motricidade do intestino; Sobre o sistema nervoso vegetativo; Sobre a imunidade. Influencia indireta da Drenagem Linfática Manual (DLM): Oxigenação dos tecidos; Desintoxicação dos tecidos intersticiais; Desintoxicação da musculatura esquelética; Absorção de nutrientes pelo trato gastro intestinal; Distribuição de hormônios; Aumento de quantidade de líquidos excretados (Guelfi, 2003). Os capilares linfáticos são os menores vasos do sistema linfático vascular. Vodder apud Giardini (1999) chamou os capilares linfáticos de fios de seda, devido a estrutura peculiar de suas paredes, constituídas de um único estrato de célula endoteliais. Sede de pequenas trocas recolhe a linfa por pressão osmótica, permitindo a anastomose direta do lúmem dos capilares com o interstício e a reabsorção de micro-células, isto porque não há nas suas paredes uma membrana basal contínua. A linfa recolhida pelos capilares linfáticos é levada aos condutos maiores chamados vasos linfáticos (LOPES, 2002). Os vasos linfáticos fornam-se pela confluência dos capilares linfáticos, portanto estão ligados à rede capilar linfática e canalizam a linfa em direção ao terminus, passando por vasos de calibres maiores, em direção ao ducto torácico. Os vasos linfáticos possuem válvulas que impedem o refluxo da linfa, forçando-a a movimentar-se unidirecionalmente. São divididos em: Pré-coletores, cujo calibre é menor e tem a estrutura acrescida de células musculares e fibras elásticas, que possibilitam a contractilidade. Coletores linfáticos: possuem maior calibre, e se apresentam com aspecto de dedo de luva ou coroa de rosário evidente no exame histológico e de linfangiografia. Se apresentarem em dois planos, o superficial e o profundo, sendo que no plano profundo, os pré-coletores se unem aos coletores, formando os troncos linfáticos (LOPES, 2002). Os troncos ou coletores linfáticos principais recebem o fluxo linfático proveniente das vias anteriores. São dois: Canal linfático direito: união do tronco linfático broncomediastinal D, do tronco subclávio e do tronco jugular. Drena a linfa vinda do Membro Superior Direito (MSD), hemitórax D, pescoço e cabeça. Ducto torácico: é o maior, iniciando na parte inferior do abdome, na cisterna do quilo (troncos intestinais, intercostais descendentes e lombares); drena a linfa dos Membros Inferiores (MMII), vísceras pélvicas, parte inferior do tórax, Membro Superior Esquerdo (MSE), pescoço e cabeça. Os dois ductos recolhem a linfa coletada e filtrada pelo sistema linfático lançando-a na corrente sanguínea, onde ela recomeçará o seu circuito como plasma sanguíneo (GUIRRO e GIRRO, 2002). Os linfonodos são também conhecidos como gânglios ou nodos linfáticos. São formações que se dispõem ao longo dos vasos linfáticos e são em numero de 600 a 700 ao todo, estão geralmente situados na face anterior das articulações, desempenhando o papel de reguladores da corrente linfática, cuja função é filtrar impurezas da linfa e produzir linfócitos, células de defesa especializadas (GUIRRO e GIRRO, 2002). Os vasos que chegam ao linfonodos (linfáticos aferentes) são mais numerosos e mais finos do que os que saem (linfáticos eferentes), e é por este motivo que o fluxo nesta região é lento. A linfa que chega ao órgão percorre numerosas cavidades, os seios linfáticos, onde as impurezas são retidas e passam para a linfa os linfócitos recém-produzidos (GUIRRO e GIRRO, 2002). 7

8 O líquido intersticial, ao penetrar no interior dos capilares linfáticos, denomina-se linfa. A composição da linfa é semelhante a do plasma, ou seja, é um líquido viscoso que contém 96 % de água, resíduos celulares, proteínas e grande numero de linfócitos pequenos. O fluxo da linfa é relativamente lento, aproximadamente 3 litros de linfa penetram no sistema cardiovascular em 24 horas. Esse fluxo é lento, porque, ao contrário do sistema cardiovascular, o sistema linfático para fluir depende de forças externas e internas ao organismo, tais como: a gravidade, os movimentos passivos, a massagem ou a contração muscular, a pulsação das artérias próximas aos vasos, o peristaltismo visceral e os movimentos respiratórios (Ibidem). A linfa absorvida nos capilares linfáticos é transportada para os vasos pré-coletores, passando através de vários linfonodos, sendo aí filtrada e recolocada na circulação até atingir os vasos sanguíneos. No membro superior, tanto os vasos linfáticos superficiais como os profundos atingem os linfonodos axilares. No membro inferior os vasos superficiais e profundos fluem para os linfonodos inguinais superficiais. Toda a linfa do organismo acaba retornando ao sistema vascular sanguíneo através dos dois grandes troncos: o ducto torácico e o ducto linfático direito (Ibidem). Para uma perfeita circulação da linfa através dos capilares linfáticos, é necessário um bom funcionamento dos mecanismos de impulsão (De Barros, 2001). Existem diversos mecanismos que favorecem o fluxo linfático, entre eles: Presença de fibras contráteis (elásticas, colágenas e musculares) nos vasos linfáticos; O surgimento de vasos linfáticos acessórios (em casos patológicos); Presença de válvulas; Respiração; Elevação do membro; Drenagem Linfática; Exercícios físicos (De Barros, 2001). De acordo com Borges (2006), a cirurgia plástica se desenvolveu em consequência do desejo (já que o abdômen constitui um dos elementos de maior interesse erótico), e não da necessidade, e é nisso que se diferencia das demais cirurgias. O paciente faz porque quer, e nem sempre é porque precisa. Segundo Mauad (2003), o termo abdominoplastia corresponde a um conjunto de técnicas cirúrgicas para a correção das alterações da região abdominal. A primeira cirurgia desse gênero foi realizada por Kelly, em 1899, para correção do abdômen em avental. A partir de então, inúmeros especialistas contribuíram para o avanço das técnicas, inclusive alguns brasileiros como Avelar, Bozola, Psillakis e Pitanguy, entre outros. Segundo Rosário (2009), a parede abdominal é constituída basicamente por três elementos: a pele, o tecido subcutâneo com o tecido gorduroso e os músculos abdominais. Dentre as principais técnicas de abdominoplastia as mais realizadas são a mini-abdominoplastia e a abdominoplastia completa. Segundo Mauad (2003), a primeira consiste na retirada do excesso de pele e tecido gorduroso supra-público, é indica nos casos em que há pouca flacidez, lipodistrofia de pequena e moderada e musculatura normal. Já na segunda, trabalha-se todo o abdome anterior com descolamento da cicatriz umbilical, ou seja, é realizada através de uma incisão supra-púbica com transposição do umbigo e também com plicatura dos músculos reto-abdominais, que proporcionam aproximação dos músculos oblíquos promovendo assim o acinturamento (COUTINHO ET. AL., 2006). Sendo indicada em casos onde há grande flacidez de pele, panículo adiposo variável e diástase dos músculos retos e/ou oblíquos (DURÃES, 2011). De acordo com Borges (2006), após a intervenção cirúrgica recomenda-se: - O uso da cinta elástica no período de 45 a 60 dias; 8

9 9 - Repouso de 24 a 48 horas, até que os drenos sejam retirados; - Andar com o tronco ligeiramente curvado; - Evitar atividades que necessitam de esforço físico. Estas recomendações são importantes para o próprio bem-estar do individuo e a sua correta recuperação (FONTOURA, 2007). 4. CONCLUSÃO Ao realizar a pesquisa conclui que para se obter um bom resultado terapêutico, a técnica de Drenagem Linfática Manual deve ser realizada por profissionais qualificados, pois devem conhecer a anatomia e fisiologia do sistema linfático. A drenagem Linfática Manual mostrouse eficaz no pós-operatório da abdominoplastia e lipoaspiração por constituir uma terapia potencializadora para redução não só de edemas, como a prevenção de seromas, fibroses, equimoses, aderências e alívio da dor local como também reduz as chances de outras complicações, contribuindo no processo de cicatrização. Foi possível constatar que a aplicação precoce da drenagem pode minimizar o edema após a cirurgia. Mas, além dessa função, auxilia na reparação de ferimentos, pois o fibrinogênio da linfa é o elemento responsável pela formação de coágulos, que darão origem à barreira protetora das lesões. O trauma agudo ou a inflamação crônica no processo de cicatrização dependem inteiramente da eficiência da circulação sanguínea e linfática, sendo que a linfa é formada e drenada continuamente pelo nosso organismo e, no entanto o que realizamos é a potencialização da formação e drenagem por meio de movimentos manual que aumenta o diferencial de pressão tanto na formação como no tratamento de pós-operatório de cirurgia plástica. Enfocando a fisiologia e indicações da Drenagem Linfática Manual a qual drena os líquidos excedentes que banham as células, dos dejetos provenientes do metabolismo celular e pelo trauma ocasionado pelo procedimento cirúrgico como a abdominoplastia e a lipoaspiração estão representadas por quatro técnicas: Foldi, Leduc, Vodder e Godoy & Godoy, as quais são baseadas nos trajetos dos coletores linfáticos e linfonodos. Foi observada uma escassez de estudo científica e literatura sobre a importância da Drenagem Linfática Manual no pós-operatório de abdominoplastia e lipoaspiração, sendo que é de grande importância a opinião de outros autores sobre este assunto abordado. Nos dias atuais, é notório o aumento exagerado da preocupação com a imagem corporal. Os padrões de beleza estabelecidos pela mídia de modo geral, com a sociedade, que são os meios de convencimento de massa querem e consegue atingir o seu alvo principal que é o publico feminino. Essa busca pela perfeição gera a insatisfação e a procura cada vez mais por intervenções cirúrgicas. Este estudo tem como objetivo realizar uma busca de dados atualizados e confiáveis sobre a aplicação da Drenagem Linfática Manual no pós-operatório de abdominoplastia e lipoaspiração. Portanto pude analisar que há diferença entre as técnicas de Foldi, Leduc e Vodder são dos tipos de movimentos em círculos e semicírculos e que se manteve ao longo dos anos, já a característica da técnica Godoy & Godoy são os movimentos que seguem o trajeto dos vasos linfáticos até os linfonodos correspondentes. 5. Referências Bibliográficas AMARAL, A. C. Et. Al. Os corpos da cirurgia plástica: os discursos de mulheres sobre o corpo, aparência e atividade física. Disponível em:<

10 10 BORGES, Fabio dos Santos. Dermato- Funcional: Modalidades Terapêuticas nas Disfunções estéticas. São Paulo: Phorte, CORDEIRO, P. R. P. Aspectos estressores no pre-operatorio de cirurgias plasticas: a percepção dos pacientes. Disponivel em: CORDEIRO.pdf. Acesso em 24 mar COUTINHO, Mariana de Morais. et. al. A importância da atenção fisioterapêutica na minimização do edema nos casos de pós-operatório de abdominoplastia associada à lipoaspiração de flancos. Disponível em: REVISTA FISIOTERAPIA SER Ano 1 nr 4 out/nov/dez Acesso em 24 set COUTINHO, Mariana de Morais. et. al. A importância da atenção fisioterapêutica na minimização do edema nos casos de pós-operatório de abdominoplastia associada à lipoaspiração de flancos. Disponível em: Rev. Fisioterapia ser, v. 1, n. 4, out. /dez CEOLIN, M. M. Efeitos da drenagem linfática manual no pós-operatório imediato de lipoaspiração no abdome. Disponível em Acesso em: 23 mar DURÃES, E. R. Abdominoplastia: cirurgia plástica do abdome. Disponível em: Acessoem:14 mar De BARROS, M. H. Fisioterapia: Drenagem Linfática Manual. São Paulo: Rpbe,2001. EVANS,GREGORY R.D.Cirurgia plástica.estética e reconstrutora.rio de Janeiro:Revinter,2007. Ferreira, A. Mini Aurélio: o dicionário da lingua portuguesa. 6 ed. Curitiba: Posigraf, FONTOURA, Edmar. Abdominoplastia: uma incrível transformação. Ver. Edmar. V.1, n. 36, p. 29. Nov Disponível em: < em: 27 maio Foldi M, Foldi E. Lymphoedema. Methods of Treatment and control. English Translation: Andrew C. Newell. New York: caring and Sharing; GUELFI, M. Estudo Comparativo dos resultados de drenagem linfática eletrônica na diurese de mulheres na faixa etária entre 35 e 40 anos. Monografia de Conclusão de curso de Pós Graduação em Fisioterapia Dermato Funcional do Ibrate GUYTON, A. C. Tratado de Fisiologia Médica. 9a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1997. Godoy JMP. Godoy MFG. Drenagem Linfática Manual. Uma Nova Abordagem. São José do Rio Preto: Link; GODOY,J.M.P.:BELCZAK,C.E.Q.;GODOY,GODOY,M.F.E.Reabilitação Linfovenosa.Rio de Janeiro:DiLivros,2005.

11 11 GUIRRO E, GUIRRO R. Fisioterapia Dermato-Funcional: Fundamentos, recursos,patologias. 3. Ed. São Paulo: Manole, JACQUES, G. Drenagem Linfática. Disponível em: conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/reumato/drenagem_dra_gheyza.htm. Acesso em: 24 set KASSEROLER, r. Guidelines for the use of MLD and SLd. Compendium of Dr. Vodder s - manual lymph drainage. Canadá, Disponível aqui: Acesso em 04/03/2004. KASSEROLER, r. Lymph Drainage Massage. Compendium of Dr. Vodder s manual lymph drainage Heidelberg, Disponível aqui: Acesso em 04/03/2004. Kurz I. Textbook of Dr. Vodder s Manual Lymph Drainage. Heidelberg: Haug Verlarg; LEDUC,Albert; LEDUC,Olivier.Drenagem Linfática.Teoria e Prática.São Paulo: Manole, LEDUC, A,; LEDUC, O. Drenagem linfática: teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Manole, p. LOPES, M. Drenagem Linfática Manual e a Estética. Blumenau: Odorizzi, MACHADO,D. Cirurgia plastica Disponivel em: Acesso em: 23 maio MAUAD, Raul. Estetica e cirurgia plastica: tratamento no pre operatorio. 2. Ed. Sao Paulo: SENAC, 2003 MACEDO, Ana Carolina Brandt de, OLIVEIRA,Sandra Mara de. A atuação da fisioterapia no pré e pós-operatório de cirurgia plástica corporal: uma revisão de literatura. Cadernos da Escola de Saúde, Curitiba, 4: vol.1,2010. MARX, A. G.; CAMARGO, M.C. Fisioterapia no Edema Linfático. São Paulo: Paramed, MANG, Werner L.;tradução Pedro Bins Ely,Débora Lessa da Silva Nora.Manual de cirurgia Estética.Porto Alegre;Artmed,2006.2v.(316;316p.):28cm+DVD-ROM. MACEDO, Ana Carolina Brandt de, OLIVEIRA,Sandra Mara de. A atuação da fisioterapia no pré e pós-operatório de cirurgia plástica corporal: uma revisão de literatura. Cadernos da Escola de Saúde, Curitiba, 4: vol.1,2010. ROSÁRIO, G. G. Efeitos da drenagem linfática manual aplicado no pós-operatório de abdominoplastia Disponível em: <htt:// TCC_GISELLE_10.pdf>. Acesso em: 14 mar SOARES, Lucia Maria Alves; SOARES, Mara Brasil; SOARES, Aline K. Alves. Estudo comparativo da drenagem linfatica manual e mecanica no pos-operatorio de dermolipectomia. Rev Bras. Em promocao da saude, v. 18, n. 4, Disponivel em <http//redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/ pdf>.acesso em: 13 abr.2011.

12 12 SOUZA, T. L. Drenagem linfática como promoção do bem estar e beleza física Disponível em: <httpp:// 07 abr PCCININI, Aline Martinelli et. Al. Reducao do edema em membros inferiores atraves da drenagem linfatica manual: um estudo de caso. Rev. Inspirar. Curitiba, V. 1,n.2, set TACANI,Rogério; TACANI,Pascale. Drenagem linfática manual terapêutica ou estética: existe diferença? Revista Brasileira de Ciências da Saúde, ano III, nº 17, jul/set DE BARROS, M. H. Fisioterapia: Drenagem Linfática Manual. São Paulo: Robe, Fonte: PORTAL EDUCAÇÃO - Cursos Online: Mais de 1000 cursos online com certificado acessado no dia 10/03/2014 as 10:00.

DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL

DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO PÓS OPERATÓRIO DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL Cássia Vanessa Baseggio 1 Deborah Ariza 2 Naudimar Di Pietro Simões 3 Resumo: Dermolipectomia abdominal ou abdominoplastia é uma

Leia mais

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonati Sistema Linfático Sistema auxiliar de drenagem que faz a retirada do excesso de líquidos do meio extracelular,

Leia mais

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO A IMPORTÂNCIA DOS TRATAMENTOS ESTÉTICOS NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA DO CONTORNO CORPORAL

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

PARECER COREN-SP 012 /2014 CT PRCI n 100.480/2012 Ticket n : 292.305, 295.096,

PARECER COREN-SP 012 /2014 CT PRCI n 100.480/2012 Ticket n : 292.305, 295.096, PARECER COREN-SP 012 /2014 CT PRCI n 100.480/2012 Ticket n : 292.305, 295.096, Ementa: Realização de Drenagem linfática por Enfermeiro. 1. Do fato linfática. Enfermeiros solicitam parecer sobre respaldo

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data!

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 13 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Vai e avisa a todo mundo que encontrar que ainda existe um sonho

Leia mais

REVISTA CEREUS nº.6, online dez/2011-jun 2012 ISSN 2175-7275 A DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE: UMA REVISÃO LITERÁRIA

REVISTA CEREUS nº.6, online dez/2011-jun 2012 ISSN 2175-7275 A DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE: UMA REVISÃO LITERÁRIA A DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL NO TRATAMENTO DO FIBRO EDEMA GELÓIDE: UMA REVISÃO LITERÁRIA LESSA, Leilane B. dos S¹ SILVA, Maria N. da ² DINIZ, Júlia S³. HERRERA, Sávia Denise Silva Carlotto 4 ¹Leilane Bernadete

Leia mais

ABDOMINOPLASTIA 01) P: QUANTOS QUILOS VOU EMAGRECER COM A PLASTICA ABDOMINAL?

ABDOMINOPLASTIA 01) P: QUANTOS QUILOS VOU EMAGRECER COM A PLASTICA ABDOMINAL? ABDOMINOPLASTIA Também chamada de dermolipectomia abdominal. É um procedimento cirúrgico utilizado para redefinir o contorno abdominal, através da retirada do excesso de pele e gordura depositada, além

Leia mais

A eficácia da drenagem linfática. The efficiency of lymphatic drainage.

A eficácia da drenagem linfática. The efficiency of lymphatic drainage. A eficácia da drenagem linfática. The efficiency of lymphatic drainage. Jaqueline Gomes de Almeida Esteticista facial e corporal formada pelo Senac Santo André e Estudante de fisioterapia pela Fefisa.

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide Lipodistrofia Ginóide Estria Discromia Distúrbios inestéticos O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000)

Leia mais

OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA

OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA OS EFEITOS DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS- CIRURGIA CARDÍACA Vanessa Mota Lins Eder Rodrigues Machado RESUMO: Introdução: Trata-se de um estudo que sintetizou o conhecimento produzido acerca

Leia mais

O Nosso Corpo Volume XV Sistema Linfático

O Nosso Corpo Volume XV Sistema Linfático O Nosso Corpo Volume XV um Guia de O Portal Saúde Novembro de 2009 O Portal Saúde Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright O Portal Saúde, todos os direitos

Leia mais

Sistema Circulatório

Sistema Circulatório Sistema Circulatório O coração Localização: O coração está situado na cavidade torácica, entre a 2ª e 5ª costelas, entre os pulmões, com 2/3 para a esquerda, ápice para baixo e para esquerda e base para

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM 27-11-2014 / 30-11-2014. HORARIO Manhã - 09:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 19:00 INVESTIMENTO FORMADOR

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM 27-11-2014 / 30-11-2014. HORARIO Manhã - 09:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 19:00 INVESTIMENTO FORMADOR FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL CORPORAL E FACIAL - REVOLUçãO E NOVOS CONCEITOS (NOV 2014) - PORTO Está cansado de ver sempre os mesmos temas e conceitos a serem abordados nos cursos de Fisioterapia Dermatofuncional?

Leia mais

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples FIBRO EDEMA GELÓIDE DEFINIÇÃO O FEG é uma disfunção localizada que afeta a derme e o tecido subcutâneo, com alterações vasculares e lipodistrofia com resposta esclerosante. FASES DO FEG Primeira fase:

Leia mais

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio 1 Generalidades As células corporais quando desempenham suas funções: Consome O 2 e nutrientes, Bem como produzem substâncias como

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

O beneficio da fisioterapia utilizando a drenagem linfática manual facial no pós-operatório de Blefaroplastia

O beneficio da fisioterapia utilizando a drenagem linfática manual facial no pós-operatório de Blefaroplastia 1 O beneficio da fisioterapia utilizando a drenagem linfática manual facial no pós-operatório de Blefaroplastia Karen Camila Souza de Oliveira¹ karenzinha_oliveira@hotmail.com Pós-graduação em Fisioterapia

Leia mais

Reologia e Mecanismos de Edema

Reologia e Mecanismos de Edema Conceitos Reologia é o estudo do fluxo. Um aspecto importante a ser considerado é a viscosidade sanguínea, que diz respeito à maior ou menor facilidade de fluxo, maior ou menor atrito durante o fluxo sanguíneo.

Leia mais

Análise da aplicação da drenagem linfática manual (DLM) no pósoperatório

Análise da aplicação da drenagem linfática manual (DLM) no pósoperatório 1 Análise da aplicação da drenagem linfática manual (DLM) no pósoperatório de abdominoplastia Resumo Jannyle de Jesus Aguiar 1 fisio_jany@hotmail.com Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-graduação em Fisioterapia

Leia mais

ABDOMINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA DO ABDOME)

ABDOMINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA DO ABDOME) ABDOMINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA DO ABDOME) A abdominoplastia destina-se à remoção de gordura localizada no abdome inferior, assim como da flacidez de pele ao redor da região umbilical e das estrias

Leia mais

Que tal dar um up em seu visual e melhorar sua auto-estima? Promover sua saúde sem o cigarro aproveitando os sabores da vida e recuperar seu fôlego?

Que tal dar um up em seu visual e melhorar sua auto-estima? Promover sua saúde sem o cigarro aproveitando os sabores da vida e recuperar seu fôlego? Você que está tentando largar o vício do cigarro e não consegue encontrar forças para se livrar desse mal. Anda sentindo dores nas costas, cansaço e/ou inchaço nas pernas, problemas com acnes ou querendo

Leia mais

Fígado e Vesícula Biliar: Vascularização e Inervação. Orientador: Prof. Ms. Claúdio Teixeira Acadêmica: Letícia Lemos

Fígado e Vesícula Biliar: Vascularização e Inervação. Orientador: Prof. Ms. Claúdio Teixeira Acadêmica: Letícia Lemos Fígado e Vesícula Biliar: Vascularização e Inervação Orientador: Prof. Ms. Claúdio Teixeira Acadêmica: Letícia Lemos Vasos Sanguíneos do Fígado O Fígado possui vascularização dupla: Venosa(dominante) e

Leia mais

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos.

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos. CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA Gresemar Aparecida Silva Vedat Sevilla RA 5250988 Natalia Matos da Silva RA: 6837127 Coordenadora: Prof. Natalie

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E O que não é assimilado pelo organismo O que o organismo não assimila, isto é, os materiais inúteis ou prejudiciais ao seu funcionamento, deve ser eliminado.

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck)

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck) Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos

Leia mais

Tratamento com Bandagens e Cosméticos

Tratamento com Bandagens e Cosméticos Tratamento com Bandagens e Cosméticos Argilaterapia A argila é uma terra especial que absorve os princípios vitais do sol, da água e do ar, constituindo-se em um poderoso agente de recuperação física.

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

Drenos. Prof. Claudia Witzel

Drenos. Prof. Claudia Witzel Drenos 1 Conceito É um material que quando necessário ;e colocado em uma cavidade, ou ferida, para saída de líquidos, secreções, e ou ar, pois estes não deveriam estar presentes no local. 2 Objetivos dos

Leia mais

CABELEIREIRO 7.50 7.50 5.00 8.00 8.00 9.50 11.00 7.50 15.00 25.00 15.00 40.00 50.00 60.00 15.00 20.00 25.00 30.00 6.00 20.00 27.50 100.00 150.00 2.

CABELEIREIRO 7.50 7.50 5.00 8.00 8.00 9.50 11.00 7.50 15.00 25.00 15.00 40.00 50.00 60.00 15.00 20.00 25.00 30.00 6.00 20.00 27.50 100.00 150.00 2. LISTA DE PREÇOS Os Sócios do CADTPS usufruem de um desconto de 12% nos serviços de estética e cabeleireiro bem como de um desconto de 10% na aquisição de produtos de estética e cabeleireiro. CABELEIREIRO

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. FORTALECENDO SABERES 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. 3 CONTEÚDO

Leia mais

INSUFICIÊNCIA VENOSA

INSUFICIÊNCIA VENOSA Insuficiência Venosa As meias de compressão estreitam o diâmetro das veias das pernas. O sistema das válvulas venosas volta a funcionar por acção das meias de compressão - o sangue deixa de se acumular

Leia mais

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA

CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA CANCRO DA MAMA O PORQUÊ DA RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA A cirurgia mamária, seja ela uma tumorectomia, quadrantectomia ou mastectomia, provoca uma alteração significativa no órgão e que pode e deve ser minimizada.

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFº EDUARDO

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 16: Sistema circulatório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFº EDUARDO As funções realizadas pela circulação do sangue são indispensáveis para o equilíbrio de nosso corpo e vitais para

Leia mais

CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL

CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL Prof. Hélder Mauad CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL São variáveis e sujeitas a controle fisiológico São variáveis e sujeitas a controle fisiológico 1. Sistema Nervoso

Leia mais

Transporte nos animais

Transporte nos animais Transporte nos animais Tal como nas plantas, nem todos os animais possuem sistema de transporte, apesar de todos necessitarem de estabelecer trocas com o meio externo. As hidras têm somente duas camadas

Leia mais

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes*

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* * Fisioterapeuta. Pós-graduanda em Fisioterapia Ortopédica, Traumatológica e Reumatológica. CREFITO 9/802 LTT-F E-mail: laisbmoraes@terra.com.br Osteoporose

Leia mais

Escola de Massagem Estética e Terapêutica. Espondiolaterapia : Programa: Programa Curso Profissionalizante 2011 vr.2

Escola de Massagem Estética e Terapêutica. Espondiolaterapia : Programa: Programa Curso Profissionalizante 2011 vr.2 Escola de Massagem Estética e Terapêutica Programa Curso Profissionalizante 2011 vr.2 Espondiolaterapia : Trata-se de um protocolo para avaliação, interpretação e orientação aplicado à coluna vertebral

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral! Sistema Cardiovascular! Professor: Bruno Aleixo Venturi! O sistema cardiovascular ou é composto pelo coração

Leia mais

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira

TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Indicadas para modelar o corpo e reduzir medidas; além de ser importante no combate contra a celulite; TRATAMENTOS ESTÉTICOS Professora: Debora Siqueira MASSAGEM MODELADORA Esta técnica,

Leia mais

MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO

MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO Prof. Esp.* ANDRÉ LEONARDO DA SILVA NESSI Prof. Ms.**AIDE ANGÉLICA DE OLIVEIRA Prof. Dra.*VILMA NATIVIDADE *Universidade Anhembi

Leia mais

Sistema Respiratório Introdução

Sistema Respiratório Introdução Introdução Nesse caso, o termo respiração é empregado incluindo as trocas gasosas através do corpo e as trocas gasosas nas células dos diferentes tecidos. As trocas gasosas são realizadas através da superfície

Leia mais

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco.

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco. Função renal: excreção, controle do volume e composição dos líquidos corporais. Composto por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga urinária e pela uretra. Os rins situam-se na parte dorsal do

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função.

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função. Lesões Meniscais Introdução O menisco é uma das estruturas mais lesionadas no joelho. A lesão pode ocorrer em qualquer faixa etária. Em pessoas mais jovens, o menisco é bastante resistente e elástico,

Leia mais

GOMAGEM CORPORAL COM BANHO DE ÁGUA TERMAL SULFUROSA

GOMAGEM CORPORAL COM BANHO DE ÁGUA TERMAL SULFUROSA GOMAGEM CORPORAL COM BANHO DE ÁGUA TERMAL SULFUROSA A gomagem corporal tem o objetivo de fazer uma esfoliação corporal completa renovando as células mortas, além de conferir uma extrema hidratação e maciez

Leia mais

Benefícios da drenagem linfática manual no pós-operatório imediato da cirurgia de rinoplastia

Benefícios da drenagem linfática manual no pós-operatório imediato da cirurgia de rinoplastia 1 Benefícios da drenagem linfática manual no pós-operatório imediato da cirurgia de rinoplastia Clarice Barbosa Rodrigues¹ E-mail: claricefisiorodrigues@hotmail.com Dayana Priscila Maia Mejia² Pós-graduação

Leia mais

PARTE I SAE X PROCESSO DE ENFERMAGEM

PARTE I SAE X PROCESSO DE ENFERMAGEM PARTE I SAE X PROCESSO DE ENFERMAGEM - SAE é uma metodologia científica que vem sendo cada vez mais implementada na prática assistencial, conferindo maior segurança aos pacientes, melhora da qualidade

Leia mais

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza Patologia por imagem Abdome ProfºClaudio Souza Esplenomegalia Esplenomegalia ou megalosplenia é o aumento do volume do baço. O baço possui duas polpas que são constituídas por tecido mole, polpa branca

Leia mais

Biologia. 8 o ano. Caderno 2

Biologia. 8 o ano. Caderno 2 Biologia 8 o ano Caderno 2 Módulos 7 e 8 1 A atividade das enzimas no organismo humano varia em função do grau de acidez do meio. Observe o gráfico e responda: Qual curva representa o local da ação da

Leia mais

REVISÃO SIMPLIFICADA DA FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR.

REVISÃO SIMPLIFICADA DA FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR. REVISÃO SIMPLIFICADA DA FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR. INTRODUÇÃO Como somos complexos seres multicelulares e como todas as nossas células, enquanto vivas, desempenhando suas funções, necessitam constantemente

Leia mais

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO BIOLOGIA Prof. Helder SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO 1. Anatomia do Sistema Respiratório O oxigênio do ar deve chegar aos alvéolos e passar para o sangue, fazendo o gás carbônico o caminho inverso. O caminho

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções.

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. Possuímos dois rins que têm cor vermelho-escura, forma de grão de feijão e medem cerca de 12 cm em uma pessoa adulta.localizam-se na parte posterior

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Revista Brasileira em Promoção da Saúde ISSN: 1806-1222 rbps@unifor.br Universidade de Fortaleza Brasil

Revista Brasileira em Promoção da Saúde ISSN: 1806-1222 rbps@unifor.br Universidade de Fortaleza Brasil Revista Brasileira em Promoção da Saúde ISSN: 1806-1222 rbps@unifor.br Universidade de Fortaleza Brasil Alves Soares, Lúcia Maria; Brasil Soares, Sandra Mara; Alves Soares, Aline Kercia Estudo comparativo

Leia mais

CAP. 08: TECIDO ÓSSEO E SISTEMA ESQUELÉTICO CAP. 09: TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CAP. 10: SISTEMA IMUNITÁRIO E LINFÁTICO

CAP. 08: TECIDO ÓSSEO E SISTEMA ESQUELÉTICO CAP. 09: TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CAP. 10: SISTEMA IMUNITÁRIO E LINFÁTICO CAP. 08: TECIDO ÓSSEO E SISTEMA ESQUELÉTICO CAP. 09: TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CAP. 10: SISTEMA IMUNITÁRIO E LINFÁTICO 1. A Figura I corresponde a uma etapa da ação da vitamina K no processo de

Leia mais

Cisto Poplíteo ANATOMIA

Cisto Poplíteo ANATOMIA Cisto Poplíteo O Cisto Poplíteo, também chamado de cisto de Baker é um tecido mole, geralmente indolor que se desenvolve na parte posterior do joelho. Ele se caracteriza por uma hipertrofia da bolsa sinovial

Leia mais

Pressão Intracraniana - PIC. Aula 10

Pressão Intracraniana - PIC. Aula 10 Pressão Intracraniana - PIC Aula 10 Definição É a pressão encontrada no interior da caixa craniana. Pressão exercida pelo líquor nas paredes dos ventrículos cerebrais. Quando essa pressão é alterada significa

Leia mais

ANÁLISE LABORATORIAL DE URINA PÓS-DRENAGEM LINFÁTICA

ANÁLISE LABORATORIAL DE URINA PÓS-DRENAGEM LINFÁTICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE LABORATORIAL DE URINA PÓS-DRENAGEM LINFÁTICA Tuane Krupek 1 ; Louriane Panucci de Oliveira 1 ; Lilian Rosana dos Santos Moraes 2 ; Silvana Lorenzi

Leia mais

BIOLOGIA SISTEMA EXCRETOR

BIOLOGIA SISTEMA EXCRETOR BIOLOGIA Prof. Helder SISTEMA EXCRETOR ANATOMIA O sistema excretor é formado por um conjunto de órgãos que filtram o sangue, produzem e excretam a urina - o principal líquido de excreção do organismo.

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO Funções e anatomia O sistema respiratório humano possui a função de realizar as trocas gasosas (HEMATOSE). Esse sistema é composto pelas seguintes

Leia mais

Orientações ao Professor Fundamentos de Fisiologia Humana

Orientações ao Professor Fundamentos de Fisiologia Humana ao Professor Fundamentos de 10 ao Professor A fisiologia é a base para as profissões que trabalham o corpo humano. O livro de Fundamentos de propicia o conhecimento dos aspectos fundamentais dos sistemas

Leia mais

Artroscopia do Cotovelo

Artroscopia do Cotovelo Artroscopia do Cotovelo Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo Artroscopia é uma procedimento usado pelos ortopedistas para avaliar, diagnosticar e reparar problemas dentro

Leia mais

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão DRENOS CONCEITO É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes. OBJETIVOS DOS DRENOS Permitem

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

PROFa. DEBORAH ELYANA IOST FORNI QUESTÕES PARA REVISÃO DE BIOLOGIA 8º.ANO III BIMESTRE 2013

PROFa. DEBORAH ELYANA IOST FORNI QUESTÕES PARA REVISÃO DE BIOLOGIA 8º.ANO III BIMESTRE 2013 PROFa. DEBORAH ELYANA IOST FORNI QUESTÕES PARA REVISÃO DE BIOLOGIA 8º.ANO III BIMESTRE 2013 1. (Fgv 2012) O epitélio respiratório humano é composto por células ciliadas e pelas células caliciformes produtoras

Leia mais

O que é a Terapia das Pedras? Terapia das Pedras. O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras?

O que é a Terapia das Pedras? Terapia das Pedras. O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras? Terapia das Pedras Professora: Debora Clinicamente é a aplicação de termoterapia, usando-se pedras aquecidas de efeito permanente e alternando com pedras extremamente frias.

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters. Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada.

Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters. Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada. Produto INCI Definição Propriedades SLIMBUSTER L Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada. - Diminui a gordura localizada

Leia mais

A drenagem linfática manual como tratamento do edema no pós- cirúrgico de lipoaspiração: Revisão de literatura Rebeca Santos Rocha1

A drenagem linfática manual como tratamento do edema no pós- cirúrgico de lipoaspiração: Revisão de literatura Rebeca Santos Rocha1 1 A drenagem linfática manual como tratamento do edema no póscirúrgico de lipoaspiração: Revisão de literatura Rebeca Santos Rocha 1 rebecadermato@gmail.com Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-graduação em

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Sistema cardiovascular transporte sangue - Circuitos pulmonar pulmões sistêmico tecidos do corpo constituídos

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje.

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO- Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. Profa. Dra. Valéria Batista O que é vida saudável? O que é vida saudável? Saúde é o estado de complexo bem-estar físico,

Leia mais

A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas

A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas A importância da Albumina Sérica no processo de cicatrização de feridas III SIMPÓSIO SOBRE FERIDAS E ESTOMAS EM PACIENTES ONCOLÓGICOS Letícia Faria Serpa A albumina é uma proteína presente em grande concentração

Leia mais

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda.

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda. O USO DA CRIOTERAPIA NAS LESÕES AGUDAS DE TECIDO MOLE RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o organismo responde através do mecanismo de inflamação e o uso da crioterapia vai amenizar

Leia mais

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Classificação: A. Tecidos conjuntivos embrionários: 1- Tecido Conjuntivo Mesenquimal (mesênquima) 2- Tecido Conjuntivo Mucoso B. Tecidos conjuntivos propriamente

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL Alessandra Prado de Souza, Ana Eliza Gonçalves Santos, Jaciara Nazareth Campos Palma, Karine Aparecida Silvério, Leonardo Ferreira, Matheus

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 ANATOMIA E FISIOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 2 DEFINIÇÕES Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO Úlcera de Pressão Também conhecida como escara ou úlcera de decúbito. É definida como qualquer lesão causada por pressão não aliviada que resulta em danos nos tecidos subjacentes (subcutâneo, músculo,

Leia mais

Aparelho Circulatório

Aparelho Circulatório Visão geral das funções dos Vasos Sanguíneos Os vasos sanguíneos formam um sistema tubular fechado que transporta o sangue do coração (artérias), aos tecidos do corpo (arteríolas, capilares e vénulas),

Leia mais

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP 91347 CREMEPE 15002 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP 91347 CREMEPE 15002 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO . TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO 1- EU,, portador (a) do CPF nº, por determinação explícita de minha vontade, reconheço DRA TATIANA MARTINS CALOI, médica inscrita no CREMESP sob o nº 91347 e no CREMEPE

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16 DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA A tensão do dia a dia é a causa mais freqüente das dores de cabeça mas, elas poderem aparecer por diversas causas e não escolhem idade e sexo. Fique sabendo, lendo este artigo,

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Urinário Conceito As atividades metabólicas resultam na decomposição de proteínas, lipídeos e carboidratos.

Leia mais

Tratamentos Fisioterapêuticos no Pré e Pós- operatório de Lipoaspiração no Brasil

Tratamentos Fisioterapêuticos no Pré e Pós- operatório de Lipoaspiração no Brasil 1 Tratamentos Fisioterapêuticos no Pré e Pós- operatório de Lipoaspiração no Brasil Ingrid Mineiro de Almeida¹ ingrid_mineiro@hotmail.com Dayana Priscila Maia Mejia² Pós-graduação em Fisioterapia Dermato

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 QUESTÃO 26 A heparina administrada por via endovenosa necessita de um co-fator para interferir no mecanismo da coagulação. Identifique-o: a) antitrombina III. b) plaquetário

Leia mais

INCI. Biocomplexo anticelulítico de plantas da Amazônia com destacada ação Drenante. Definição

INCI. Biocomplexo anticelulítico de plantas da Amazônia com destacada ação Drenante. Definição Produto INCI Definição SLIMBUSTER H Water and Butylene Glycol and PEG-40 Hydrogenated Castor Oil and Ptychopetalum Olacoides Extract and Trichilia Catigua Extract and Pfaffia sp Extract Biocomplexo anticelulítico

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais