CRIMES CONTRA A LIBERDADE INDIVIDUAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRIMES CONTRA A LIBERDADE INDIVIDUAL"

Transcrição

1 Alexandre Magalhães de Mattos CRIMES CONTRA A LIBERDADE INDIVIDUAL Trabalho acadêmico apresentado como atividade gradual complementar da disciplina de Direito PENAL III do Curso de Direito, Professor RENATO LISBOA, 4º Período, Turma Campus Centro Rio de Janeiro 1

2 SUMÁRIO CAPÍTULO VI DOS CRIMES CONTRA A LIBERDADE INDIVIDUAL... 3 SEÇÃO I DOS CRIMES CONTRA A LIBERDADE PESSOAL... 3 Constrangimento ilegal... 3 Aumento de pena... 3 Excludente penal... 3 Perguntas para fixar o tema... 5 Ameaça... 6 Perguntas para fixar o tema... 7 Seqüestro e cárcere privado... 8 Agravante penal... 8 Pergunta para fixar o tema... 9 Redução a condição análoga à de escravo Pergunta para fixar o tema REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

3 Capítulo VI Dos crimes contra a liberdade individual No último capítulo do Título I, o Código Penal trata de crimes contra a liberdade individual, dividido o seu estudo em quatro seções: 1ª Dos crimes contra a liberdade pessoal (arts. 146 a 149) estudo que será aqui apresentado. 2ª Dos crimes contra inviolabilidade de domicílio. 3ª Dos crimes contra a inviolabilidade de correspondência. 4ª Dos crimes contra a inviolabilidade dos segredos. Ao contrário da lei anterior, os crimes contra a inviolabilidade de correpondência e os crimes contra a inviolabilidade de segredos são tratados separadamente: A inviolabilidade da correspondência é um interesse que reclama a tutela penal independentemente dos segredos confiados por esse meio. A objetidade jurídica dos crimes do Capítulo VI é a liberdade jurídica, considerada como a faculdade de realizar condutas de acordo com a própria vontade do sujeito. Assim, ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei (CF, art. 5º, II) Nos crimes contra a liberdade pessoal, o Código Penal protege a liberdade de autodeterminação, de locomoção e a livre disposição de si próprio. Constrangimento ilegal Seção I Dos crimes contra a liberdade pessoal Art Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, ou depois de lhe haver reduzido, por qualquer outro meio, a capacidade de resistência, a não fazer o que a lei permite, ou a fazer o que ela não manda: Pena detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa. Aumento de pena 1º As penas aplicam-se cumulativamente e em dobro, quando, para a execução do crime, se reúnem mais de três pessoas, ou há emprego de armas. 2º Além das penas cominadas, aplicam-se as correspondentes à violência. Excludente penal 3º Não se compreendem na disposição deste artigo: I a intervenção médica ou cirúrgica, sem o consentimento do paciente ou de seu representante legal, se justificada por iminente perigo de vida; II a coação exercida para impedir suicídio. 3

4 O crime previsto neste dispositivo tem como objeto a liberdade pessoal, entendida como a livre manifestação da vontade, como liberdade de ação e não mero livre arbítrio ou liberdade psicológica. Trata-se de crime subsidiário, uma vez que constitui outras infrações penais, como as dos arts. 213, 214, 158, 161 II, e 219 do Código Penal. Diz a Exposição de Motivos : o crime de constrangimento ilegal é previsto, no art. 146, com uma forma unitária. Não há indagar, para diverso tratamento penal, se a privação da liberdade de agir foi obtida mediante violência, física ou moral, ou com emprego de outro qualquer meio, como por exemplo, se o agente, insidiosamente, faz a vítima ingerir um narcórtico. A pena relativa ao constrangimento ilegal, como crime sui generis, é sempre a mesma. Se há emprego da vis corporalis com resultado lesivo à pessoa da vítima, dá-se um concurso material de crimes. Constranger é compelir, obrigar. Pelo Código, é crime obrigar alguém, mediante violência ou grave ameaça, a não fazer o que a lei permite ou fazer o que ela proíbe. Igualmente crime é constranger alguém, depois de lhe haver reduzido, por qualquer meio, a capacidade de resistência, a não fazer o que a lei permita ou a fazer o que ela não manda. O constrangimento só é punível, quando ilegal. Isto é, quando o objetivo do constrangimento ou o meio empregado são injurídicos. É necessário que o meio empregado para a coação seja sério, isto é, que seja possível a realização do mal com que se ameaça e que a violência usada tenha poder suficiente para consecução do fim a que o agente se propunha. O crime apresenta uma figura típica fundamental, descrita no caput da disposição, e um tipo qualificado, descrito no 1º. É delito material, de conduta e resultado, em que o estatuto penal exige a produção deste. Em regra, é delito instantâneo, consumando-se em certo e exato momento, ou seja, a consumação ocorre no instante em que a vítima faz ou deixa de fazer alguma coisa. As causas de exclusão da tipicidade são apresentadas no 3º do art Conquanto às vezes assuma caráter de coação a intervenção médica ou cirúrgica, determinada por iminente perigo de vida, esta não se compreende na disposição deste artigo, falte embora o consentimento do paciente ou de seu representante legal. A coação exercida para impedir suicídio não se compreende na diposição deste artigo. É facil se chegar a essa conclusão pois se a lei pune quem provoca o suicídio ou lhe presta auxílio, não é possível considerar ato punível o impedi-lo. A violência pode ser material e/ou moral. 4

5 É material, quando consiste em agressão física, para vencer a força da pessoa subjugada, impossibilitando ou dificultando a resistência desta. É moral, quando consiste em ameaça tal, que infunda terror à vítima. Para se avaliar o valor da ameaça, se deve atender: a) a índole da vítima, se corajosa ou tímida; b) o número e a índole dos agressores; c) o lugar, se solitário ou com possibilidades de defesa. Essa ameaça pode ser expressa ou tácita: a Expressa se verifica quando a ameaça é feita verbalmente; a Tácita, quando resulta de ato que revela o objeto perverso do malfeitor. Quando, para a execução do crime, se reúnem mais de três pessoas, ou há emprego de armas, as penas, de detenção e multa, aplicam-se cumulativamente, e em dobro. Além das penas cominadas, aplicam-se as correspondentes à violência. Qualquer pessoa pode ser sujeito ativo de constrangimento ilegal, entretanto em se tratando de funcionário público (sendo o fato cometido no exercício da função), este responderá pelo delito de abuso de autoridade (conforme a hipótese). Quanto ao sujeito passivo, é indispensável que possua capacidade de autodeterminação (liberdade de vontade), no sentido de o cidadão fazer o que bem entenda, desde que não infrinja disposição legal. Assim, não há o crime quando o fato é praticado contra criança ou louco, desde que a idade e a situação mental não permitam a liberdade de autodeterminação. Quando o sujeito passivo se tratar do Presidente (ou vice) da República, do Senado Federal, da Câmara dos Deputados ou do STF o delito é contra a Segurança Nacional. Perguntas para fixar o tema 1) Existe constrangimento ilegal se o sujeito quer evitar que a vítima pratique um ato imoral? Segundo Damásio de Jesus, sim, desde que o ato imoral não seja proibido por lei. Ocorre que o crime consiste em obrigar o ofendido, mediante violência ou outro meio de execução, a não fazer o que a lei permite, ou a fazer o que ela não manda. Na hipótese, o sujeito está constrangendo a vítima a não fazer o que a lei permite, uma vez que o ato é simplesmente imoral e não proibido. 2) Dorival, amigo de Lindomar, diz a este que está esperando carona para ir a uma festa à fantasia só de homens na área comum de um edifício na orla da Zona Sul do Rio de Janeiro. Dorival diz que irá fantasiado de Adão no Outono e que o bom da festa é o final quando geralmente todos são encaminhados a delegacia do bairro após denúncias dos vizinhos. Lindomar, militar da ativa saca sua arma e impede que Dorival pegue carona. Existe constrangimento ilegal no ato de Lindomar? 5

6 Segundo Damásio, só não há crime quando o constrangimento visa a impedir ato proibido pela lei. Assim, responde por constrangimento ilegal quem, mediante violência, impede outrem de entregar-se à pederastia. 3) Dorotéia, filha de Padilha, diz ao pai que está indo a uma festa só para mulheres com suas amigas Bibi-Caminhão, Ana-Machadão e Joana-Safanão para comemorar o seu aniversário de 15 anos que acontecerá dentro de dois dias. Padilha, irritado com o fato diz a filha que tocará fogo em todas as suas roupas, pertences e a expulsará de casa se ela sair com as amigas. Existe constrangimento ilegal no ato de Padilha? Não por dois motivos. O primeiro seria o fato não haver o crime quando o fato é praticado contra criança ou louco, o segundo e principal é o fato de o pai estar exercendo o seu Pátrio Poder. Ameaça Art Ameaçar alguém, por palavra, escrito ou gesto, ou qualquer outro meio simbólico, de causar-lhe mal injusto e grave: Pena detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa. Parágrafo único. Somente se procede mediante representação. Diferente do previsto na Consolidação é o crime de ameaça, encarado pela atual lei penal. Naquela, a ameaça exigia para caracterização do delito que o mal prometido constituísse crime. Atualmente basta que o mal prometido seja injusto e grave. Devemos entender que a ameaça é um delito formal, e que o momento consumativo de tal delito coincide com o momento em que a própria ameaça chega ao conhecimento daquele a quem é feita. O mal ameaçado deve ser futuro, porque da ameaça de um mal presente não pode surgir restrição à liberdade individual, cessando qualquer receio por isso que à ameaça não se seguiu o ato. Para que a ameaça seja punível, é necessário que dela tome conhecimento a pessoa ameaçada e é indispensável que a ameaça seja séria, de modo a inspirar o receio de um atentado. A legislação anterior não conceituava a ameaça simbólica nem a real. A primeira pode consistir no fato de o agente afixar à porta da casa de alguém o emblema ou sinal usado por uma associação de criminosos. A segunda, efetiva-se quando o agente demonstra por gestos a ameaça: tal o caso de apontar uma arma de fogo contra alguém. A objetividade jurídica é a paz de espírito, a tranqüilidade espiritual. A diferença entre o constrangimento ilegal e a ameaça é que no crime de constrangimento ilegal o agente busca uma conduta positiva ou negativa da vítima. No crime de ameaça o autor pretende somente atemorizar o sujeito passivo. 6

7 O delito de ameça, igualmente ao de constrangimento ilegal é subsidiário em relação a outros crimes. Assim, funciona como elementar das descrições típicas dos crimes de roubo, extorsão, estupro e etc. A ameaça não é delito próprio permitindo assim, que qualquer pessoa seja sujeito ativo. Já com relação ao sujeito passivo, igualmente ao constrangimento ilegal, é necessário que este tenha capacidade de entendimento, ficando de fora da tutela penal a pessoa jurídica, a criança e o louco. Assim como no constrangimento ilegal, constituirá crime contra a Segurança Nacional a ameaça ao Presidente (e vice) da República, do Senado Federal, da Câmara dos Deputados e do STF. A ameaça não se confunde com a praga, com o esconjuro, como, por exemplo, vá para o inferno, que o diabo te carregue, que um raio te parta e etc. Os meios de execução da ameaça são a palavra, o escrito, o gesto ou qualquer outro meio simbólico. Assim, a ameaça pode ser oral, escrita, real (por intermédio de gesto) ou simbólica. A ameaça pode ser classificada como direta, quando é dirigida ao sujeito passivo e indireta quando dirigida a terceiros, ligados à vítima. Ambas são punidas a título de dolo. A ameaça se consuma no instante em que o sujeito passivo toma conhecimento do mal prenunciado, independentemente de sentir-se ameaçado ou não. Conseqüentemente admite-se a tentativa quando se trata de ameaça realizada por meio escrito e que não obteve o resultado final (quando interceptada por outrem, quando não veiculada pela imprensa e etc). Perguntas para fixar o tema 1) Crânios humanos eram deixados nas portas das residências dos jogadores Roberto Dinamite, Zico e Júnior (Barcelona, Udinese e Torino) ao atuarem no exterior, juntamente com bilhetes dizendo este será seu futuro caso não atue bem na partida de amanhã. No Brasil, o fato descrito acima pode ser caracterizado como um crime de ameaça? Sim, trata-se de uma clássica ameaça futura e simbólica e que ameaça a paz de espírito dos sujeitos passivos 2) Marcelo após beber por várias horas em um bar perto de sua residência, grita aos vizinhos que irá tocar fogo na casa de quem não lhe der dinheiro para que este continue bebendo. Está Marcelo comentendo um crime de ameaça contra seus vizinhos? Segundo Damásio de Jesus a jurisprudência vencedora de nossos Tribunais entende que não há crime de ameaça quando o fato é praticado pelo sujeito em estado de embriaguez. Ele entende que a embriaguez do sujeito, por si só, não exclui o crime mas analisando a questão da ira no crime de ameaça, a agitação ébria é tal que exclui a seriedade da ameaça. 7

8 Seqüestro e cárcere privado Alexandre Magalhães de Mattos Art Privar alguém de sua liberdade, mediante seqüestro ou cárcere privado: Pena reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos. Agravante penal 1º A pena é de reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos: I se a vítima é ascendente, descendente ou cônjuge do agente; II se o crime é praticado mediante internação da vítima em casa de saúde ou hospital; III se a privação da liberdade dura mais de 15 (quinze) dias. 2º Se resulta à vítima, em razão de maus-tratos ou da natureza da detenção, grave sofrimento físico ou moral: Pena reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos. Por cárcere privado deve-se entender qualquer casa, apartamento, edifício, não destinado à prisão legal. Este crime é cometido, em geral, por particulares, não se excluindo desta denominação o agente da autoridade, quando, por vontade própria, e sem requisitos legais, detém arbitrariamente alguém em sua casa, ou para amedrontá-la ou para praticar uma extorsão. Diz-se que o delito consiste na privação de liberdade, seja qual for o modo por que esta privação se realiza. O essencial é que o sujeito passivo fique privado da liberdade de locomoção ou que a possua unicamente dentro de determinados limites impostos pelo autor do delito, pouco importando que seja aberto ou fechado o lugar em que o indivíduo é colocado. A detenção é ordinariamente precedida de prisão e denomina-se, mais particularmente pela palavra detenção, quando se opera em uma prisão; e seqüestro, quando se verifica em uma casa particular. Para a existência do delito, necessária é a concordância e a intenção criminosa: a) de fato de detenção ou seqüestro; e b) a ilegalidade desse fato. A detenção pode ser manifestada em um manicômio, em um convento, em um bordel, com a tirada de escada pela qual alguém desceu a um poço profundo e também o fato de pôr alguém em estado hipnótico. A pena prevista para crime de seqüestro e cárcere privado é de um a três anos. Esta será agravada (de dois a cinco anos), quando a vítima é ascendente, descendente, ou cônjuge do agente e também se o crime é praticado mediante internação da vítima em casa de saúde ou hospital, ou, ainda, se a privação, em qualquer dos casos, dura mais de quinze dias. 8

9 A pena também será agravada (de dois a oito anos, de reclusão), se resulta à vítima, em razão de maus-tratos ou de natureza de detenção, grave sofrimento físico ou moral. Por maus-tratos e torturas, se entendem não só as agressões físicas ou violências graves, como também a privação de alimentos, de cama, de roupas, de higiene e etc. O seqüestro e o cárcere privado são crimes comuns pois podem ser praticados por qualquer pessoa. Tratando-se, entretanto, de funcionário público e com o fato sendo cometido no exercício da função, o crime pode ser classificado ou como abuso de autoridade ou o abuso de poder. Quanto ao sujeito passivo, alguns autores entendem que, tendo em vista que o objeto jurídico é a liberdade de locomoção, estão fora da tutela penal as pessoas que não podem exercer a faculdade de ir e vir, como os paralíticos, os doentes graves etc. Para Damásio de Jesus, por serem essas pessoas portadoras desses males, merecem maior proteção penal. Não fazendo distinção alguma quanto ao sujeito passivo. O seqüestro ou cárcere privado contra o Presidente (e vice) da República, do Senado, da Câmara dos Deputados e ou do STF é considerado um delito contra a Segurança Nacional. O crime só é punido a título de dolo pois consiste na vontade de privar a vítima de sua liberdade de locomoção. O seqüestro e o cárcere se consumam no instante em que a vítima se vê privada da sua liberdade de locomoção. São delitos permanentes pois a lesão ao objeto jurídico perdura no tempo, ou seja, enquanto a vítima estiver encarcerdada a liberdade de locomoção estará sendo lesada. A tentativa é admissível quando, por exemplo, o sujeito ativo é impedido por terceiros a realizar o ato de seqüestro do sujeito passivo. Pergunta para fixar o tema 1) A petição inicial da ação de separação da ex-esposa de Alexandre foi indeferida pelo juiz de família pois continha o seguinte trecho:...após a venda do automóvel de família a ré ficou reduzida ao estado de cárcere privado por seu marido pois, por residirem em um condomínio próximo a uma área de risco, a ré não mais teve segurança em se ausentar de seu lar pois o ponto de ônibus mais próximo ao condomínio ficava na entrada de uma favela ficando, também, assim a ré obrigada a frequentar a academia, o restaurante e o salão de beleza do condomínio.... Agiu certo o juiz ao desconsiderar o cárcere privado citado? Sim, pois o delito consiste na privação de liberdade. A ré não ficou privada da liberdade de locomoção por imposição do autor (ex-marido) mas sim por desejo próprio. Apesar de ter sua vida condicionada a determinados limites os mesmos não foram impostos pelo autor do delito. 9

10 Redução a condição análoga à de escravo Art Reduzir alguém a condição análoga à de escravo: Pena reclusão, de 2 (dois) a 8 (oito) anos. ESCRAVO, diz-se da pessoa que está sem liberdade, sob o domínio absoluto de um senhor. A Exposição de Motivos, a propósito, declara: No art. 149, é prevista uma entidade criminal ignorada do Código vigente: o fato de reduzir alguém a condição análoga à de escravo, isto é, suprimir-lhe, de fato, o status libertatis, sujeitando o agente ao seu completo e discricionário poder. É o crime que os antigos chamavam plagium. Não é desconhecida a sua prática entre nós, notadamente em certos pontos remotos do nosso hinterland. Qualquer pessoa pode ser sujeito ativo ou passivo. A norma incriminadora não faz nenhuma restrição ou exigência quanto à qualidade pessoal do autor ou do ofendido. É considerado delito comum pois pode ser praticado por qualquer pessoa O fato só é punível a título de dolo, pois consiste na vontade de exercer domínio sobre outra pessoa, suprimindo-lhe a liberdade de fato, embora permaneça ela com a liberdade jurídica. A consumação se dá quando o sujeito ativo reduz a vítima a condição análoga à de escravo. Conseqüentemente a tentativa é admitida no caso de terceiro(s) interromper(em) o sujeito ativo de realizar o ato em sua totalidade (chegada ao lugar fim). Pergunta para fixar o tema 1) Severino pede a Antônio Carlos (grande fazendeiro) para que lhe dê trabalho em troca de comida, roupas e moradia e que este não se importa em trabalhar quantas horas forem necessárias. Configura-se nesse pedido de Severino e o aceite de Antônio Carlos a redução ao trabalho escravo? Sim, pois o consentimento do ofendido é irrelevante, uma vez que a situação de liberdade do homem constitui interesse preponderante do Estado. 10

11 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA PONTES, Ribeiro. Código Penal Comentado. Ed. Freitas Bastos, Rio de Janeiro, 1999, 11ª Ed. JESUS, Damásio. Direito Penal, vol 2. Ed. Saraiva, São Paulo, 1999 vol

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal IV 2 EXTORSÃO Art. 158 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE 2.3.1 Introdução a) Crime de perigo os da periclitação da vida e da saúde são denominados como crimes de perigo, cuja consumação se dá com a exposição

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade RESULTADO Não basta existir uma conduta. Para que se configure o crime é necessário

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução:

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução: 1 PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal 1. Introdução: - Teoria da dupla imputação art. 225, 3º 1, CF. - STF RE 628582. - INF 639, J.

Leia mais

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 DUDH Artigo 5º Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante. ART. 5º DA CF Inciso III Ninguém será submetido à tortura nem

Leia mais

NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR

NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR Apelidada de Lei Carolina Dieckmann, a Lei nº 12.737, de 30 de novembro de 2012, entrou em pleno vigor no último dia 3 de abril de 2013, alterando o Código

Leia mais

As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro.

As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro. 1 As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro. Francisco de Salles Almeida Mafra Filho. 1 Sumário: Introdução. Artigo 1º. Alcance e bens protegidos. Art. 2º. Medidas

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

APONTAMENTOS ART. 146 a 154 do CP

APONTAMENTOS ART. 146 a 154 do CP APONTAMENTOS ART. 146 a 154 do CP 1 Alves, Rodrigo Teófilo. A474a Apontamentos : Art. 146 a 154 do CP / Rodrigo Teófilo Alves. Varginha, 2015. 13 f. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso:

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO PENAL PARTE GERAL I. Princípios Penais Constitucionais... 003 II. Aplicação da Lei Penal... 005 III. Teoria Geral do Crime... 020 IV. Concurso de Crime... 027 V. Teoria do Tipo... 034 VI. Ilicitude...

Leia mais

Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual

Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual 645. (CESPE / Promotor de Justiça - MPE - ES / 2010) No ordenamento jurídico brasileiro, apenas o homem pode ser autor do delito de estupro; a mulher pode

Leia mais

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente.

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. Trata-se de um problema que acontece em ambos os sexos e

Leia mais

Exercícios de fixação

Exercícios de fixação 1. (UFMT) As infrações penais se dividem em crimes e contravenções. Os crimes estão descritos: a) na parte especial do Código Penal e na Lei de Contravenção Penal. b) na parte geral do Código Penal. c)

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 8ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 8ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Direito penal Iv 2 ROUBO 3 - Roubo Qualificado/Latrocínio 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e multa.

Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e multa. CRIMES CONTRA A HONRA CALÚNIA DIREITO PENAL Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e multa. 1º - Na mesma pena incorre

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

1. Objetividade jurídica: é a incolumidade física e a saúde da pessoa.

1. Objetividade jurídica: é a incolumidade física e a saúde da pessoa. Perigo de contágio venéreo Art. 130 - Expor alguém, por meio de relações sexuais ou qualquer ato libidinoso, a contágio de moléstia venérea, de que sabe ou deve saber que está contaminado: Pena - detenção,

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 PROJETO DE LEI Nº DE 2011 Altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, a Lei 8.666, de 21 de junho de 1993 e a Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O art. 4º

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres

Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres Exercícios da lei 9.455/97 - lei de tortura. Prof. Wilson Torres 01- A prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes, o terrorismo e os crimes definidos como hediondos podem ser imputados, com

Leia mais

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420)

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420) Fica autorizada a reprodução do texto e ilustrações, no todo ou em parte, desde que se não altere o sentido, bem como seja citada a fonte. As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 Disciplina: Direito Penal IV Departamento III Penal e Processo Penal Docente Responsável: Mauro Augusto de Souza Mello Junior Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo:

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

Combate e prevenção à violência contra a mulher

Combate e prevenção à violência contra a mulher Combate e prevenção à violência contra a mulher O CIM - Centro Integrado de Atendimento à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar - tem por objetivo fazer valer a Lei n.º 11.340/06, Lei Maria da

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

37. Garantias do preso (Art. 104 GG)

37. Garantias do preso (Art. 104 GG) 37. Garantias do preso (Art. 104 GG) GRUNDGESETZ Art. 104 (Garantias do preso) 1 (1) A liberdade da pessoa só pode ser cerceada com base em uma lei formal e tão somente com a observância das formas nela

Leia mais

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido.

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido. ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA CONCEITO Dispõe o art. 288 do CP: Associarem-se três ou mais pessoas, para o fim específico de cometer crimes: Pena reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos. No delito em apreço, pune-se

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014)

PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014) Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal) para tipificar

Leia mais

Os representantes do povo francês, reunidos em Assembléia Nacional, considerando que a ignorância, o esquecimento ou o desprezo dos direitos do homem

Os representantes do povo francês, reunidos em Assembléia Nacional, considerando que a ignorância, o esquecimento ou o desprezo dos direitos do homem Os representantes do povo francês, reunidos em Assembléia Nacional, considerando que a ignorância, o esquecimento ou o desprezo dos direitos do homem são as únicas causas dos males públicos e da corrupção

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ÁREA CRIMINAL CRIMES CONTRA OS COSTUMES 1. CRIMES CONTRA OS COSTUMES. ESTUPRO E ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR. TODAS AS FORMAS. CRIMES HEDIONDOS.

Leia mais

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação.

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Prof. Marcos Monteiro te ...pode ser tipificado como : Falsidade ideológica

Leia mais

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988

LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 LEGISLAÇÃO CITADA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 TÍTULO VIII Da Ordem Social CAPÍTULO VII DA FAMÍLIA, DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO Art. 227. É dever da família, da sociedade

Leia mais

CRIMES DE TORTURA (9.455/97)

CRIMES DE TORTURA (9.455/97) CRIMES DE TORTURA (9.455/97) TORTURA FÍSICA MENTAL Art. 1º Constitui crime de tortura: I - constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental: a) tortura-persecutória

Leia mais

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA Mitos e Realidades Algumas considerações O álcool e as drogas são as causas reais da violência. O consumo de álcool pode favorecer a emergência de condutas violentas,

Leia mais

Roger Ancillotti. Considerações médico-legais sobre os crimes contra a liberdade sexual

Roger Ancillotti. Considerações médico-legais sobre os crimes contra a liberdade sexual Considerações médico-legais sobre os crimes contra a liberdade sexual Médico. Perito Legista, Professor de Medicina Legal. Ex-Diretor Geral do Instituto Médico Legal Afrânio Peixoto (RJ). Autor do livro

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

Lição 2. Periclitação da Vida e da Saúde

Lição 2. Periclitação da Vida e da Saúde Lição 2. Periclitação da Vida e da Saúde PERIGO DE CONTÁGIO VENÉREO Artigo 130 - Expor alguém, por meio de relações sexuais ou qualquer ato libidinoso, a contágio de moléstia venérea, de que sabe ou deve

Leia mais

1. CRIMES CONTRA A HONRA.

1. CRIMES CONTRA A HONRA. 1. CRIMES CONTRA A HONRA. Fundamentos Jurídicos: arts. 138 a 145, CP. art. 5º, X, CF. Integridade Moral; consideração social; auto-estima; dignidade. Espécies: Calúnia: Imputação falsa de um ato criminoso

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

Projeto de Lei nº. / 2011. (do Sr. Ricardo Tripoli)

Projeto de Lei nº. / 2011. (do Sr. Ricardo Tripoli) Projeto de Lei nº. / 2011 (do Sr. Ricardo Tripoli) Criminaliza condutas praticadas contra cães e gatos, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Dos Crimes contra Cães e Gatos Art. 1º. Esta

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES

CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES CONSELHOS TUTELARES FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES Conselho Tutelar Órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente,

Leia mais

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico.

FATO TÍPICO CONDUTA. A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA A conduta é o primeiro elemento integrante do fato típico. Na Teoria Causal Clássica conduta é o movimento humano voluntário produtor de uma modificação no mundo

Leia mais

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Espécies de Conduta a) A conduta pode ser dolosa ou culposa. b) A conduta pode ser comissiva ou omissiva. O tema dolo e culpa estão ligados à

Leia mais

A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas

A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas 1 www.oxisdaquestao.com.br A violação do direito ao sigilo das conversas telefônicas Texto de CARLOS CHAPARRO A transcrição jornalística de conversas telefônicas violadas é, sem dúvida, uma questão complicada.

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 1ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 TEORIA GERAL DO CRIME REVISÃO CRIME É : FATO TÍPICO CONDUTA - DOLO E CULPA NEXO CAUSAL/NEXO DE IMPUTAÇÃO RESULTADO TIPICIDADE

Leia mais

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CTB- Parte Especial Art. 302. Praticar

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal Pedro Melo Pouchain Ribeiro Procurador da Fazenda Nacional. Especialista em Direito Tributário. Pósgraduando em Ciências Penais

Leia mais

Informações práticas para denunciar crimes raciais

Informações práticas para denunciar crimes raciais Informações práticas para denunciar crimes raciais O que é racismo? Racismo é tratar alguém de forma diferente (e inferior) por causa de sua cor, raça, etnia, religião ou procedência nacional. Para se

Leia mais

REQUISITOS PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL

REQUISITOS PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL 1. Capacidade para o exercício da empresa Atualmente, existe a possibilidade de a atividade empresarial ser desenvolvida pelo empresário individual, pessoa física, o qual deverá contar com capacidade para

Leia mais

+(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA

+(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA 2129275$7$0(1723(1$/$23257('($50$'()2*2$ 7(1'Ç1&,$'(75$16)250$d 2'23257('($50$(0&5,0( +(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA Estagiário do Ministério Público Federal atuando na Procuradoria da República

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS PROJETO DE LEI N o 6.418, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei n os : 715/1995; 1.026/1995; 1.477/2003; 5.452/2001; 6.840/2002; 2.252/1996 e 6.573/2006) Define

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 27 DE JUNHO PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA

Leia mais

ESTATUTO DO IDOSO - PONTOS FUNDAMENTAIS Ednalva Maria Guimarães Farias de David Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO OUTUBRO/2003 Câmara dos Deputados Praça dos

Leia mais

MUNICÍPIO DE CUIABÁ) Excelentíssimo Senhor Presidente do. Supremo Tribunal Federal, Doutor Professor Gilmar Ferreira

MUNICÍPIO DE CUIABÁ) Excelentíssimo Senhor Presidente do. Supremo Tribunal Federal, Doutor Professor Gilmar Ferreira O SR. JOSÉ ANTÔNIO ROSA (PROCURADOR-GERAL DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ) Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Federal, Doutor Professor Gilmar Ferreira Mendes, na pessoa de quem cumprimento todos

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 1ª Fase OAB/FGV Aula 5 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a honra Crimes contra o patrimônio; Crimes contra a dignidade sexual; Crimes praticados

Leia mais

Estatística referente à violência doméstica contra a mulher no Distrito Federal 2006-2013

Estatística referente à violência doméstica contra a mulher no Distrito Federal 2006-2013 Estatística referente à violência doméstica contra a mulher no Distrito Federal 2006-2013 1. Denúncias Oferecidas pelo Ministério Público Denúncias oferecidas em feitos de Violência Doméstica entre 2006

Leia mais

Violência Contra a Mulher no Brasil e em todo o Mundo

Violência Contra a Mulher no Brasil e em todo o Mundo Violência Contra a Mulher no Brasil e em todo o Mundo Joseana Macêdo Fechine Campina Grande outubro, 2010 Violência Contra a Mulher no Brasil e em todo o Mundo (FECHINE, J. M.) 1 Sumário Considerações

Leia mais

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET

CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET ESTUDO CRIMES PRATICADOS PELA INTERNET Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Define os crimes resultantes de discriminação e preconceito de raça, cor, etnia, religião ou origem. Seção I Disposição preliminar Art. 1º Serão punidos, na forma desta

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br As Medidas de Segurança (Inconstitucionais?) e o dever de amparar do Estado Eduardo Baqueiro Rios* Antes mais nada são necessárias breves considerações acerca de pena e das medidas

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade

FATO TÍPICO. Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Nexo de causalidade Tipicidade TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO Conduta (dolosa ou culposa; comissiva ou omissiva) Resultado Nexo de causalidade Tipicidade NEXO DE CAUSALIDADE O nexo causal ou relação de causalidade é o elo que une

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais