Roger Ancillotti. Considerações médico-legais sobre os crimes contra a liberdade sexual

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roger Ancillotti. Considerações médico-legais sobre os crimes contra a liberdade sexual"

Transcrição

1 Considerações médico-legais sobre os crimes contra a liberdade sexual Médico. Perito Legista, Professor de Medicina Legal. Ex-Diretor Geral do Instituto Médico Legal Afrânio Peixoto (RJ). Autor do livro Medicina Legal à luz do Direito Penal e Processual Penal. Editora Impetus. A Lei n.º , publicada no dia , alterou diversos dispositivos do Código Penal, do Estatuto da Criança e do Adolescente e da Lei dos Crimes Hediondos, de maneira geral no que tange aos crimes contra a liberdade sexual, tentando puni-los com maior rigor, endurecendo aqueles cometidos contra crianças e adolescentes. Lamentavelmente, o legislador equivocou-se, em nossa opinião, em não observar a complexidade das implicações médico-legais. Desapareceu do Código Penal brasileiro (CPB) o tipo penal do atentado violento ao pudor, sendo absorvido pelo estupro. Anteriormente à lei, tínhamos: Estupro: artigo 213 do CPB: Constranger mulher à conjunção carnal, mediante violência ou grave ameaça: Pena - reclusão de 6 (seis) a 10 (dez) anos. Atentado violento ao pudor: artigo 214 do CPB: Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a praticar ou permitir que com ele se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal: Pena - reclusão de 6 (seis) a 10 (dez) anos. Estes crimes foram resumidos no artigo 213 do CPB, atualmente com a seguinte redação: Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso: Pena - reclusão de 6 (seis) a 10 (dez) anos. 1º Se da conduta resulta lesão corporal de natureza grave ou se a vítima é menor de 18 (dezoito) anos ou maior de 14 (quatorze) anos: Pena - reclusão de 8 (oito) a 12 (doze) anos. 2º Se da conduta resulta morte: Pena - reclusão de 12 (doze) a 30 (trinta) anos. 1

2 Ao ser trocado, neste texto, a palavra mulher por alguém, em tese, os homens daqui para frente poderiam ser vítimas de estupro, ao passo que, anteriormente, indivíduos do sexo masculino sofriam atentado violento ao pudor, cuja penalidade era similar ao estupro. Homens homossexuais, garotos de programa e michês poderiam ser doravante estuprados. Não havendo restrição de gênero quanto aos sujeitos do crime, porém, deve-se observar cuidadosamente que o homem somente poderá ser vítima da figura prevista na segunda parte do referido artigo. A capitulação, quando houver a prática de estupro e ato libidinoso, deverá mencionar ambos os núcleos dos verbos existentes no citado artigo 213. A Medicina Legal considera estupro, desde o tempo do Direito Romano, a entidade que tem como requisito sine qua non a conjunção carnal e está intimamente ligado à expressão em latim introdutio penis in(tra) vas, ou seja, introdução do pênis na vagina, que pode ser total ou parcial, com ou sem ejaculação. Portanto, deixa vestígios materiais, como marcas da violência exercida, a presença de esperma, ruptura himenal, gravidez, doenças sexualmente transmissíveis etc. O exame de corpo de delito é necessário. Os outros constrangimentos diversos da conjunção carnal serão, como anteriormente, tipificados no atentado violento ao pudor. Os exemplos típicos são a cópula anal ou em outras sedes, a introdução de dedos, objetos ou pênis de silicone na vagina, felação, cunilíngua etc., sendo realizados por e contra pessoa de qualquer gênero, comportando ação tanto ativa quanto passiva. Exemplos: ativa a ofendida sofre o constrangimento de masturbar o autor; passiva o ofendido é obrigado a deixar-se ser masturbado pela delinquente. Portanto, na nossa opinião, pode ser alegada aqui a figura jurídica da abolitio criminis, pela absorção deste tipo penal pelo estupro. Por isso, não há mais condições legais para o concurso dos tipos anteriormente capitulados nos artigos 213 e 214, ora falecidos. Os outros requisitos são a violência ou a grave ameaça, respectivamente, vis corporalis ou vis compulsiva. A violência pode ser física (real) ou presumida. A violência física é o emprego de meios materiais para vencer a resistência da vítima, como a força física e/ou a superioridade numérica. Como ressaltado, é nesta hipótese que se encontrarão, com frequência, escoriações, equimoses, estigmas ungueais (marcas das unhas), sugilações (chupões), lesões de defesa etc., devidamente referidas no exame pericial. A violência presumida consiste na anulação da capacidade da vítima resistir. Há exemplos como hipnotismo ou sessões onde falsos espiritualistas aproveitam-se da situação de transe e mantêm cópula com alguma adepta. 2

3 Já a grave ameaça é uma modalidade de violência moral ou psíquica, consistindo em prometer/ameaçar causar um mal sério. Atua-se, assim, inibindo a capacidade de resistência da vítima, impondo o terror. Exemplo: ameaçar um filho daquela pessoa com uma arma. Ademais, houve o acréscimo de artigos que gerarão controvérsias periciais. VIOLAÇÃO SEXUAL MEDIANTE FRAUDE, ART. 215 Sob esse título, as condutas que constituíam os crimes de posse sexual mediante fraude e atentado ao pudor mediante fraude, constantes dos artigos 215 e 216 do CP, nessa ordem, foram unificadas no artigo 215., que hoje é ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com alguém, mediante fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade da vítima: Pena - reclusão de 2 (dois) a 6 (seis) anos. Parágrafo único. Se o crime é cometido com o fim de obter vantagem econômica, aplica-se também multa. Anteriormente, chamava-se posse sexual mediante fraude: Art Ter conjunção carnal com mulher, mediante fraude: Pena - reclusão de 1 (um) a 3 (três) anos. Parágrafo único. Se o crime é praticado contra mulher virgem, menor de 18 (dezoito) e menor de 14 (catorze) anos: Pena - reclusão de 2 (dois) a 6 (seis) anos. Ou atentado ao pudor mediante fraude: Art Induzir alguém, mediante fraude, a praticar ou submeterse à prática de ato libidinoso diverso da conjunção carnal: Pena - reclusão de 1 (um) a 2 (dois) anos. Parágrafo único. Se a vítima é menor de 18 (dezoito) e maior de 14 (catorze) anos: Pena - reclusão de 2 (dois) a 4 (quatro) anos. ASSÉDIO SEXUAL, ART. 216-A Foi acrescentada ao crime de assédio sexual, previsto no artigo 216-A do Código Penal, uma causa de aumento de pena, tratada no 2º daquele dispositivo, com a seguinte redação: A pena é aumentada em até um terço se a vítima é menor de 18 (dezoito) anos. Desse modo, se o crime for praticado contra menores de 18 (dezoito) anos, será afastada a competência dos juizados especiais, não podendo sequer ser aplicados os institutos despenalizadores da Lei nº 9.099/95, pois, apesar da aludida norma não especificar a fração mínima de aumento da pena, qualquer 3

4 acréscimo importará na extrapolação dos limites previstos nos artigos 61 e 89 da Lei dos Juizados Especiais. A ação penal, nos casos de assédio sexual contra menores de 18 (dezoito) anos, passou a ser pública incondicionada por força do artigo 225, parágrafo único, do CP, com a nova redação conferida pela lei em estudo. DOS CRIMES SEXUAIS CONTRA VULNERÁVEL. ESTUPRO DE VULNERÁVEL, ART. 217-A A nova lei trata por vulneráveis as vítimas menores de 14 (quatorze) anos, ou portadoras de enfermidade ou deficiência mental, ou, ainda, aquelas que por qualquer outra causa não possam oferecer resistência. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 (quatorze) anos: Pena - reclusão de 8 (oito) a 15 (quinze) anos. 1º Incorre na mesma pena quem pratica as ações descritas no caput com alguém que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não pode oferecer resistência. 2º (VETADO) 3º Se da conduta resulta lesão corporal de natureza grave: Pena - reclusão de 10 (dez) a 20 (vinte) anos. 4º Se da conduta resulta morte: Pena - reclusão de 12 (doze) a 30 (trinta) anos. Não há restrição de gênero quanto aos sujeitos do crime, todavia, deve-se observar que o homem somente poderá ser vítima da figura prevista na segunda parte do referido artigo. A capitulação, quando houver a prática de estupro e ato libidinoso, deverá mencionar ambos os núcleos dos verbos existentes no citado artigo 213. As condutas que definiam o estupro e o atentado violento ao pudor foram sistematizados no artigo 217-A em razão do sujeito passivo, denominadamente vulnerável, havendo um aumento da pena básica, que passou a reger-se pelos limites de 8 (oito) a 15 (quinze) anos. Note-se que o tipo penal pune o ato de ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 anos, não exigindo o emprego de violência real. Anteriormente, neste caso, preceituava o art. 224: Presume-se a violência, se a vítima: a) não é maior de 14 (quatorze) anos; b) é alienada ou débil mental e o agente conhecia esta circunstância; c) não pode, por qualquer outra causa, 4

5 oferecer resistência. E somente mulher poderia ser vítima do crime de estupro, que tinha o homem como seu sujeito ativo. CORRUPÇÃO DE MENORES, ART. 218 A Lei n.º /09 alterou o título do capítulo II que tratava Da Sedução e da Corrupção de Menores para Dos Crimes Sexuais contra Vulnerável, mudando a redação do artigo 218 do Código Penal, passando a punir a conduta de induzir alguém menor de 14 (catorze) anos a satisfazer a lascívia de outrem, com pena de reclusão de 2 (dois) a 5 (cinco) anos. A ação penal nesse crime é igualmente pública incondicionada, ex vi artigo 225, parágrafo único, do CP. SATISFAÇÃO DE LASCÍVIA MEDIANTE PRESENÇA DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE, ART. 218-A A lei em estudo criou o seguinte tipo penal: Art. 218-A. Praticar, na presença de alguém menor de 14 (catorze) anos ou induzi-lo a presenciar conjunção carnal ou outro ato libidinoso, a fim de satisfazer lascívia própria ou de outrem: Pena - reclusão de 2 (dois) a 4 (quatro) anos. A ação penal nesse crime é igualmente pública incondicionada, conforme artigo 225, parágrafo único, do CP. FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE VULNERÁVEL, ART. 218-B Também foi criada a seguinte figura delitiva: Art. 218-B. Submeter, induzir ou atrair à prostituição ou outra forma de exploração sexual alguém menor de 18 (dezoito) anos ou que, por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, facilitá-la, impedir ou dificultar que a abandone: Pena - reclusão de 4 (quatro) a 10 (dez) anos. 1º Se o crime é praticado com o fim de obter vantagem econômica, aplica-se também multa. 2º Incorre nas mesmas penas: I - Quem pratica conjunção carnal ou outro ato libidinoso com alguém menor de 18 (dezoito) e maior de 14 (catorze) anos na situação descrita no caput deste artigo; II - O proprietário, o gerente ou o responsável pelo local em que se verifiquem as práticas referidas no caput deste artigo. 5

6 3º Na hipótese do inciso II do 2º, constitui efeito obrigatório da condenação a cassação da licença de localização e de funcionamento do estabelecimento. Para caracterizarmos pericialmente pela Medicina Legal os crimes contra a liberdade sexual, utilizamos a quesitação oficial padrão desde 1941, criada depois da publicação do Código de Processo Penal brasileiro, à época produzida por médicos legistas e coordenada por jurisconsultos brasileiros de renome internacional. Hoje, ainda utilizados, os quesitos básicos para cada caso são os que se seguem: AUTO DE EXAME DE CORPO DE DELITO (CONJUNÇÃO CARNAL) PRIMEIRO - SE A PACIENTE É VIRGEM; SEGUNDO - SE HÁ VESTÍGIOS DE DESVIRGINAMENTO RECENTE; TERCEIRO - SE HÁ OUTROS VESTÍGIOS DE CONJUNÇÃO CARNAL; QUARTO - SE HÁ VESTÍGIO DE VIOLÊNCIA E, NO CASO AFIRMATIVO, QUAL O MEIO EMPREGADO; QUINTO - SE DA VIOLÊNCIA RESULTOU PARA A VÍTIMA INCAPACIDADE PARA AS OCUPAÇÕES HABITUAIS POR MAIS DE TRINTA DIAS, OU PERIGO DE VIDA, OU DEBILIDADE PERMANENTE OU PERDA OU INUTILIZAÇÃO DO MEMBRO, SENTIDO OU FUNÇÃO, OU INCAPACIDADE PERMANENTE PARA O TRABALHO, OU ENFERMIDADE INCURÁVEL, OU DEFORMIDADE PERMANENTE (RESPOSTA ESPECIFICADA); SEXTO - SE A VÍTIMA É ALIENADA OU DÉBIL MENTAL; SÉTIMO - SE HOUVE OUTRA CAUSA DIVERSA DA IDADE NÃO MAIOR DE QUATORZE ANOS, ALIENAÇÃO OU DEBILIDADE MENTAL, QUE A IMPOSSIBILITASSE DE OFERECER RESISTÊNCIA. AUTO DE EXAME DE CORPO DE DELITO (ATENTADO AO PUDOR): PRIMEIRO - SE HÁ VESTÍGIOS DE ATO LIBIDINOSO; SEGUNDO - SE HÁ VESTÍGIO DE VIOLÊNCIA E, NO CASO AFIRMATIVO, QUAL O MEIO EMPREGADO; TERCEIRO - SE DA VIOLÊNCIA RESULTOU PARA A VÍTIMA INCAPACIDADE PARA AS OCUPAÇÕES HABITUAIS POR MAIS DE TRINTA DIAS, OU PERIGO DE VIDA, OU DEBILIDADE PERMANENTE OU PERDA OU INUTILIZAÇÃO DO MEMBRO, SENTIDO OU FUNÇÃO, OU INCAPACIDADE PERMANENTE PARA O TRABALHO, OU ENFERMIDADE INCURÁVEL, OU DEFORMIDADE PERMANENTE (RESPOSTA ESPECIFICADA) QUARTO - SE A VÍTIMA É ALIENADA OU DÉBIL MENTAL; QUINTO - SE HOUVE OUTRA CAUSA DIVERSA DA IDADE NÃO MAIOR DE QUATORZE ANOS, ALIENAÇÃO OU DEBILIDADE MENTAL, QUE A IMPOSSIBILITASSE DE OFERECER RESISTÊNCIA. 6

7 Como foi discutido acima, a capitulação, quando houver a prática de estupro e ato libidinoso, deverá mencionar ambos os núcleos dos verbos existentes no citado artigo 213. E, por analogia, separadamente nos casos estanques de cada violação per se. Em nossa opinião, antes de modificarmos as quesitações oficiais, há que haver uma ampla discussão entre os profissionais da medicina legal, penalistas, autoridades e representantes sociedade civil organizada. Enquanto isso, deve ser dever da autoridade requisitante o enquadramento dentro de cada núcleo dos verbos do artigo 213, já que a atividade pericial se dá por demanda e não autônoma e automaticamente. Finalmente, não devem ser modificados os quesitos em cada unidade federativa ao bel-prazer dos interesses locais; tratando-se de uma lei federal, devemos respeitar as implicações. Jornal Carta Forense, sexta-feira, 25 de setembro de

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

1. DOS CRIMES CONTRA O SENTIMENTO RELIGIOSO

1. DOS CRIMES CONTRA O SENTIMENTO RELIGIOSO 1. DOS CRIMES CONTRA O SENTIMENTO RELIGIOSO Ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato a ele relativo Art. 208 - Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir

Leia mais

Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual

Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual Capítulo 12 Dos Crimes Contra a Dignidade Sexual 645. (CESPE / Promotor de Justiça - MPE - ES / 2010) No ordenamento jurídico brasileiro, apenas o homem pode ser autor do delito de estupro; a mulher pode

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014)

PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.622, DE 2013 (Apenso o Projeto de Lei nº 7.490, de 2014) Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal) para tipificar

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Junji Abe) Dispõe sobre o crime de intimidação vexatória. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei tipifica o crime de intimidação vexatória. Art. 2º O Decreto-Lei

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS VALADARES I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2008. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS VALADARES I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 370, de 2008, do senador Papaléo Paes, que altera o Código Penal, para incluir o crime de induzir

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ÁREA CRIMINAL CRIMES CONTRA OS COSTUMES 1. CRIMES CONTRA OS COSTUMES. ESTUPRO E ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR. TODAS AS FORMAS. CRIMES HEDIONDOS.

Leia mais

1. Questionamento: 2. Fundamentos:

1. Questionamento: 2. Fundamentos: 1. Questionamento: Preciso saber em qual dispositivo legal se encaixa o seguinte caso: Um senhor induziu um menor, com 12 anos de idade, a praticar ato sexual com animal (ovelha), porém não há indícios

Leia mais

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases Dra.Ancilla-Dei Vega Dias Baptista Giaconi Maio/2014 0 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia Criada em 23 de Novembro

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA LEI 12.015/09 (LEI DOS CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL)

BREVES CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA LEI 12.015/09 (LEI DOS CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL) BREVES CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA LEI 12.015/09 (LEI DOS CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL) Cláudia Tereza Sales Duarte 1 Thallys Mendes Passos 2 RESUMO: Este artigo trata das alterações introduzidas pela

Leia mais

TRÁFICO DE PESSOAS CONCEITO E CARACTERÍSTICAS. Daianny Cristine Silva

TRÁFICO DE PESSOAS CONCEITO E CARACTERÍSTICAS. Daianny Cristine Silva TRÁFICO DE PESSOAS CONCEITO E CARACTERÍSTICAS Daianny Cristine Silva TRÁFICO DE PESSOAS CONCEITO E CARACTERÍSTICAS Daianny Cristine Silva Assessora Administrativa da Procuradoria-Geral de Justiça do Estado

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido.

O bem jurídico tutelado é a paz pública, a tranqüilidade social. Trata-se de crime de perigo abstrato ou presumido. ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA CONCEITO Dispõe o art. 288 do CP: Associarem-se três ou mais pessoas, para o fim específico de cometer crimes: Pena reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos. No delito em apreço, pune-se

Leia mais

Atendimento Policial a Vítimas de Violência Doméstica

Atendimento Policial a Vítimas de Violência Doméstica Pág. 01 Pág. 02 Pág. 03 Pág. 04 Pág. 05 Pág. 06 Pág. 07 Pág. 08 As condutas delituosas inseridas no contexto da Violência Doméstica e/ou familiar contra a mulher receberam uma conceituação legal a partir

Leia mais

Crimes Contra a Paz Pública Art. 286 a 288 do Código Penal. I Sujeito Ativo, Passivo e Bem Jurídico Tutelado. a) Sujeito Ativo: qualquer pessoa

Crimes Contra a Paz Pública Art. 286 a 288 do Código Penal. I Sujeito Ativo, Passivo e Bem Jurídico Tutelado. a) Sujeito Ativo: qualquer pessoa Crimes Contra a Paz Pública Art. 286 a 288 do Código Penal I Sujeito Ativo, Passivo e Bem Jurídico Tutelado a) Sujeito Ativo: qualquer pessoa b) Sujeito Passivo: a coletividade(crime vago) c) Bem Jurídico:

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 84 DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 84 DE 1999 PROJETO DE LEI Nº 84 DE 1999 (Do Sr. Luiz Piauhylino) Dispõe sobre os crimes cometidos na área de informática, suas penalidades e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 155. No juízo penal, somente quanto ao estado das pessoas, serão observadas as restrições à prova estabelecidas na lei civil. Art. 156. A prova da

Leia mais

DIREITO PENAL Denunciação caluniosa Comunicação falsa de crime ou de contravenção Auto-acusação falsa Falso testemunho ou falsa perícia

DIREITO PENAL Denunciação caluniosa Comunicação falsa de crime ou de contravenção Auto-acusação falsa Falso testemunho ou falsa perícia Crimes contra a Administração da Justiça e Denunciação caluniosa Art. 339. Dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, instauração de investigação administrativa, inquérito

Leia mais

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO

NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO O que muda na responsabilização dos indivíduos? Código Penal e a Lei 12.850/2013. MARCELO LEONARDO Advogado Criminalista 1 Regras Gerais do Código Penal sobre responsabilidade penal:

Leia mais

ANÁLISE DA LEI 12.015/2009 E A ALTERAÇÃO DO ARTIGO 213 DO CÓDIGO PENAL A PARTIR DA JURISPRUDÊNCIA DOS TRIBUNAIS SUPERIORES BRASILEIROS

ANÁLISE DA LEI 12.015/2009 E A ALTERAÇÃO DO ARTIGO 213 DO CÓDIGO PENAL A PARTIR DA JURISPRUDÊNCIA DOS TRIBUNAIS SUPERIORES BRASILEIROS ANÁLISE DA LEI 12.015/2009 E A ALTERAÇÃO DO ARTIGO 213 DO CÓDIGO PENAL A PARTIR DA JURISPRUDÊNCIA DOS TRIBUNAIS SUPERIORES BRASILEIROS Fabrízia Pessoa Serafim 1 - UFRN 1 INTRODUÇÃO A lei 12.015 de 07 de

Leia mais

Campanha de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Cartilha Educativa

Campanha de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Cartilha Educativa Um país que quer ser grande tem que proteger quem não terminou de crescer. Campanha de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Cartilha ducativa PRSIDNT DA RPÚBLICA Luiz Inácio Lula

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.858, DE 2010 (Do Sr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI N.º 6.858, DE 2010 (Do Sr. Marcelo Itagiba) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.858, DE 2010 (Do Sr. Marcelo Itagiba) Altera a Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984, Lei de Execução Penal, para criar comissão técnica independente da administração

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 2.349, DE 2015 (Do Sr. Lelo Coimbra)

PROJETO DE LEI N.º 2.349, DE 2015 (Do Sr. Lelo Coimbra) *C0054824A* C0054824A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 2.349, DE 2015 (Do Sr. Lelo Coimbra) Dá nova redação aos arts. 14, 16, 17 e 18 da Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003, que "Dispõe sobre

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ( ) CAPÍTULO VII DISPOSIÇÕES PENAIS Seção I Dos Crimes em

Leia mais

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução:

PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal. 1. Introdução: 1 PONTO 1: Introdução PONTO 2: Crimes contra a Honra continuação PONTO 3: Crimes contra a Liberdade Pessoal 1. Introdução: - Teoria da dupla imputação art. 225, 3º 1, CF. - STF RE 628582. - INF 639, J.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 27.622 - RJ (2010/0021048-3) RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO : JEAN IRIDIO DA SILVA VARGAS : MARCELLO RAMALHO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RELATÓRIO O SENHOR

Leia mais

1 de 5 18/10/2010 17:48

1 de 5 18/10/2010 17:48 1 de 5 18/10/2010 17:48 Noções sobre o Estupro RODRIGO DA SILVA BARROSO, Advogado. E-MAIL rodrigosbarroso@terra.com.br Noções Basicas e Gerais sobre o Crime de Estupro. Ultimamente estou sendo muito questionado

Leia mais

PROJETOS DE LEI QUE PRETENDEM INTRODUZIR O CONCEITO DE GÊNERO NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PROJETO DE CÓDIGO PENAL

PROJETOS DE LEI QUE PRETENDEM INTRODUZIR O CONCEITO DE GÊNERO NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PROJETO DE CÓDIGO PENAL PROJETOS DE LEI QUE PRETENDEM INTRODUZIR O CONCEITO DE GÊNERO NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA I PROJETO DE CÓDIGO PENAL - Em tramitação no Senado, passará em seguida para a Câmara - [1] O artigo 75 do substitutivo

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

A Nova Lei de Drogas e seus reflexos na Execução Penal. Redação O Estado do Paraná [29/07/2007] Renato Marcão

A Nova Lei de Drogas e seus reflexos na Execução Penal. Redação O Estado do Paraná [29/07/2007] Renato Marcão A Nova Lei de Drogas e seus reflexos na Execução Penal Redação O Estado do Paraná [29/07/2007] Renato Marcão 1. Introdução. A Lei n.º 11.343, de 23 de agosto de 2006, denominada "Nova Lei de Drogas", entrou

Leia mais

Palavras-chave. Art. 218-B do Código Penal. Presunção de Violência. Não elementar.

Palavras-chave. Art. 218-B do Código Penal. Presunção de Violência. Não elementar. O ELEMENTO DA PRESUNÇÃO DE VIOLÊNCIA NO CRIME DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO E OUTRAS FORMAS DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA, ADOLESCENTE E VULNERÁVEL SOB A ÓTICA DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA (STJ)

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MEDIDA PROVISÓRIA Nº 201, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre as formas de cumprimento da jornada de trabalho e o banco de horas no âmbito do Instituto Geral de Perícias (IGP) e estabelece outras providências.

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.016-F DE 2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.016-F DE 2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.016-F DE 2015 Regulamenta o disposto no inciso XLIII do art. 5º da Constituição Federal, disciplinando o terrorismo, tratando de disposições investigatórias e processuais

Leia mais

Atualização Sobre Legislação a Respeito de Testagem de Álcool e Outras Drogas

Atualização Sobre Legislação a Respeito de Testagem de Álcool e Outras Drogas Atualização Sobre Legislação a Respeito de Testagem de Álcool e Outras Drogas Marcos Legais LEI Nº 11.343, DE 23 DE AGOSTO DE 2006. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas Art. 18.

Leia mais

Estupro de vulnerável consentido: uma absolvição polêmica

Estupro de vulnerável consentido: uma absolvição polêmica Estupro de vulnerável consentido: uma absolvição polêmica Plínio Gentil 1 Introdução Recente decisão da 7ª Câmara do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, absolvendo réu acusado de praticar estupro

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E MINORIAS PROJETO DE LEI N o 6.418, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei n os : 715/1995; 1.026/1995; 1.477/2003; 5.452/2001; 6.840/2002; 2.252/1996 e 6.573/2006) Define

Leia mais

Teresina, 08 de junho de 2015.

Teresina, 08 de junho de 2015. Faculdade Estácio CEUT Coordenação do Curso de Bacharelado em Direito Disciplina: História do Direito Professor: Eduardo Albuquerque Rodrigues Diniz Turma: 1 B Alunas: Alice Brito, Larissa Nunes, Maria

Leia mais

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011.

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. Jorge Assaf Maluly Procurador de Justiça Pedro Henrique Demercian Procurador de Justiça em São Paulo.

Leia mais

Campanha de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Cartilha Educativa

Campanha de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Cartilha Educativa Um país que quer ser grande tem que proteger quem não terminou de crescer. Campanha de Prevenção à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Cartilha Educativa PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Vana

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - MONITORIA

MATERIAL DE APOIO - MONITORIA INTENSIVO II Disciplina: Direito Penal Especial Prof. Rogério Sanches Aula nº 11 MATERIAL DE APOIO - MONITORIA Índice 1. Artigo Correlato 1.1 Crimes Contra A Dignidade Sexual 2. Jurisprudência Correlata

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.712, DE 2015 (Do Sr. Macedo)

PROJETO DE LEI N.º 3.712, DE 2015 (Do Sr. Macedo) *C0057644A* C0057644A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.712, DE 2015 (Do Sr. Macedo) Resolve o contrato de alienação fiduciária para aquisição de veículos automotores, por motivo de roubo ou furto

Leia mais

LEIS PENAIS ESPECIAIS

LEIS PENAIS ESPECIAIS LEIS PENAIS ESPECIAIS Prof. Marcel Figueiredo Gonçalves Especialista em Direito Penal e Direito Processual Penal (PUC-SP) Mestre em Ciências Jurídico-Criminais (Universidade de Lisboa) www.cienciacriminal.com

Leia mais

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução

Direito Penal III. Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE. 2.3.1 Introdução Aula 07 21/03/2012 2.3 DA PERICLITAÇÃO DA VIDA E DA SAÚDE 2.3.1 Introdução a) Crime de perigo os da periclitação da vida e da saúde são denominados como crimes de perigo, cuja consumação se dá com a exposição

Leia mais

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença:

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: 1. Qualidade da redação: 1.1. Com observância, inclusive, de ortografia e gramática além de completo domínio do vernáculo. 1.2. Valor: 2,0

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

ESTUPRO DE VULNERÁVEL: UM ESTUDO ACERCA DAS ALTERAÇÕES TRAZIDAS PELA LEI Nº 12.015/09

ESTUPRO DE VULNERÁVEL: UM ESTUDO ACERCA DAS ALTERAÇÕES TRAZIDAS PELA LEI Nº 12.015/09 FACULDADES SUDAMÉRICA ESTUPRO DE VULNERÁVEL: UM ESTUDO ACERCA DAS ALTERAÇÕES TRAZIDAS PELA LEI Nº 12.015/09 Jenaine Aparecida Silva CATAGUASES 2010 JENAINE APARECIDA SILVA ESTUPRO DE VULNERÁVEL: UM ESTUDO

Leia mais

FALSIDADE DOCUMENTAL

FALSIDADE DOCUMENTAL FALSIDADE DOCUMENTAL E objetivo da proteção legal, em todos os casos, a fé pública que a lei atribui aos documentos como prova e autenticação de fatos jurídicos. Certos selos e sinais públicos, documentos

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Crimes da lei de tóxicos: (Lei 6368, de 21 de outubro de 1976)...

ÍNDICE. Apresentação. Crimes da lei de tóxicos: (Lei 6368, de 21 de outubro de 1976)... ÍNDICE Apresentação. Crimes da lei de tóxicos: (Lei 6368, de 21 de outubro de 76)... Aspectos gerais H""""""""""""""""""""""" H H Lei penal em branco H"""" H""""" H""" H.. H"""""'" H "Abolitiocriminis"

Leia mais

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação 10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação Mesa Redonda: CRIMES DIGITAIS Recife/PE, 1º de Dezembro de 2004. Apresentação: Omar Kaminski Direitos e Garantias Constituicionais: II - ninguém será obrigado

Leia mais

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 14/10/2015) Interessado: Dr. M. F. C. N Expedientes n.º 8771/2015 Assunto: Análise jurídica. Perícia médico-legal em vítimas de violência

Leia mais

Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e multa.

Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e multa. CRIMES CONTRA A HONRA CALÚNIA DIREITO PENAL Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e multa. 1º - Na mesma pena incorre

Leia mais

PROVAS ASPECTOS GERAIS.

PROVAS ASPECTOS GERAIS. PROVAS ASPECTOS GERAIS. CONCEITO art.332 Art. 332. Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 Dá nova redação aos artigos que menciona, entre outras providências, da Lei Complementar n. 3, de 12 de janeiro de 1981, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452compilado.htm CAPÍTULO IV DA PROTEÇÃO DO TRABALHO DO MENOR SEÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452compilado.htm CAPÍTULO IV DA PROTEÇÃO DO TRABALHO DO MENOR SEÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS Fonte: DECRETO-LEI N.º 5.452, DE 1º DE MAIO DE 1943 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452compilado.htm CAPÍTULO IV DA PROTEÇÃO DO TRABALHO DO MENOR SEÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 402.

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Primeira Câmara Criminal Juízo de origem: 37ª Vara Criminal da Comarca da Capital Embargante: Pither Honorio Gomes Advogado: Defensoria Pública Embargado: Ministério Público Presidente: Marcus Henrique Pinto Basílio Relatora:

Leia mais

Alienação Parental. Andréia Magalhães Araújo 1

Alienação Parental. Andréia Magalhães Araújo 1 28 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 12 Família do Século XXI - Aspectos Jurídicos e Psicanalíticos Alienação Parental Andréia Magalhães Araújo 1 A Lei 12.318, com efeitos gerados a partir da data de

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Durante o carnaval do ano de 2015, no mês de fevereiro, a família de Joana resolveu viajar para comemorar o feriado, enquanto Joana, de 19 anos, decidiu ficar em

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

Digite o título aqui. Informativo 17/2015

Digite o título aqui. Informativo 17/2015 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui Informativo 17/2015 PUBLICADA LEI QUE PROMOVE ALTERAÇÕES NOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Lei nº 13.135, de 17 de junho de 2015 - DOU de

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 211, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 211, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 211, DE 2014 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera o art. 241-D da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente ECA), para tornar crime a conduta

Leia mais

THALES TÁCITO PONTES LUZ DE PÁDUA CERQUEIRA PROMOTOR DE JUSTIÇA COOPERADOR 1

THALES TÁCITO PONTES LUZ DE PÁDUA CERQUEIRA PROMOTOR DE JUSTIÇA COOPERADOR 1 COTA INTRODUTÓRIA À DENÚNCIA I.P nº 151/98 MM. Juiz: 1) Recebi o Inquérito em questão, a fim de cooperar com os cultos colegas Ministeriais, face o acúmulo de serviços; 2) Manifestei-me em separado, em

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 101/2014. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI Nº 101/2014. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Nº 101/2014 Dispõe sobre a Regulamentação para registro e funcionamento de Meios de Hospedagem no Município de Foz do Iguaçu, exceto Hotéis, Flats, Apart-Hotéis, Hotéis-Residência e Similares.

Leia mais

O abuso sexual ocorre em diferentes culturas e classes sociais. Em função do contexto em que aparece, pode ser classificado como:

O abuso sexual ocorre em diferentes culturas e classes sociais. Em função do contexto em que aparece, pode ser classificado como: Sumário Apresentação 2 O que é abuso sexual? 3 Como se manifesta 4 Conseqüências 4 O perfil do abusador 6 Como abordar 6 A Revelação 6 Avaliando a Criança 7 Tratamento 8 Como encaminhar uma situação de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.867 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2002. (publicada no DOE nº 243, de 18 de dezembro de 2002) Cria os procedimentos

Leia mais

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO RACIAL (DECRETO Nº 65.810, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1969)

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO RACIAL (DECRETO Nº 65.810, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1969) Normas internacionais sistema global DECLARAÇÃO UNIVERSAL DE DIREITOS HUMANOS Art. 2º - Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidas nesta Declaração, sem distinção de

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MEDIDA PROVISÓRIA Nº 203, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre as formas de cumprimento da jornada de trabalho e o banco de horas no âmbito da Polícia Civil do Estado de Santa Catarina e estabelece outras

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº / 2012. (Dep. Jean Wyllys) LEI GABRIELA LEITE

PROJETO DE LEI Nº / 2012. (Dep. Jean Wyllys) LEI GABRIELA LEITE PROJETO DE LEI Nº / 2012 (Dep. Jean Wyllys) Regulamenta a atividade dos profissionais do sexo. LEI GABRIELA LEITE O Congresso Nacional Decreta: Art. 1º - Considera-se profissional do sexo toda pessoa maior

Leia mais

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª-

L G E ISL S A L ÇÃO O ES E P S EC E IAL 1ª ª- DIREITO PENAL IV LEGISLAÇÃO ESPECIAL 1ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 TEORIA GERAL DO CRIME REVISÃO CRIME É : FATO TÍPICO CONDUTA - DOLO E CULPA NEXO CAUSAL/NEXO DE IMPUTAÇÃO RESULTADO TIPICIDADE

Leia mais