XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 1"

Transcrição

1 1 EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NO MEIO RURAL CAPIXABA Charles Moreto Instituto Federal do Espírito Santo Campus Santa Teresa RESUMO O estudo em questão é o resultado de um Levantamento, de caráter exploratório, que utilizou como instrumento para obtenção de dados questionário encaminhado às Secretarias Municipais de Educação dos setenta e oito (78) municípios do Estado do Espírito Santo. Com o objetivo de identificar e analisar as experiências de educação no meio rural, no ensino fundamental das respectivas redes municipais, bem como de identificar as modalidades de parcerias interinstitucionais para financiamento e assessoramento pedagógico que ocorrem para a manutenção das experiências e verificar o conhecimento das Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo colocamo-nos como questão de investigação: Quais experiências de educação no meio rural, no ensino fundamental, estão sendo desenvolvidas nos municípios capixabas? Entre os resultados obtidos destacamos que as escolas do meio rural atendem a uma população complexa e diversificada, com especificidades étnicas e culturais marcantes, onde destacamos as comunidades de pomeranos e de quilombolas. No meio rural capixada, número expressivo de escolas são multisseriadas. Entre as experiências pedagógicas destacam-se a escola rural regular (escola tradicional) e o Programa Escola Ativa - PEA. Discute-se que nos municípios que vinham desenvolvendo experiências pedagógicas para o meio rural, o diálogo entre os projetos locais, como as escolas em semi-alternância, o Programa de Valorização da Educação Rural PROVER, as experiências em pedagogia da alternância PA, os Centros Municipais de Educação Agroecológica - CMEA e o PEA é necessário, ao invés da substituição de um (local) por outro (nacional). Todas as escolas são mantidas pelas Prefeituras e têm parcerias estabelecidas seja com a Secretaria de Estado da Educação SEDU, o Ministério da Educação MEC ou ambos. PALAVRAS-CHAVE: Educação no meio rural. Espírito Santo. Experiências pedagógicas. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE apresentou, recentemente, relatório preliminar com dados referentes ao Censo Nele, a população rural brasileira representava 15,65% de sua população total. Eram habitantes que tinham seus domicílios no meio rural. Livro 3 - p

2 2 Ao considerar os dados por regiões geográficas, os valores percentuais de população residente no meio rural são os que seguem: 1º) Nordeste (26,87%); 2º) Norte (26,49%); 3º) Sul (15,07%); 4º) Centro-Oeste (11,18%); 5º) Sudeste (7,08%) (IBGE, 2010). Contudo, quando observamos os valores absolutos, a posição das regiões sofre ligeira alteração. Assim, temos em ordem decrescente: Nordeste ( hab.), Sudeste ( hab.), Norte ( hab.), Sul ( hab.) e Centro-Oeste ( hab.) (IBGE, 2010). Em relação aos dados demográficos sobre as Regiões, queremos chamar a atenção para dois casos em particular: o primeiro refere-se à Região Nordeste que possui praticamente a mesma população residente no meio rural das demais regiões (são 47,77% da população rural brasileira). O segundo caso diz respeito à Região Sudeste que, apesar de ter apenas 7,08% de sua população total residindo no campo, quando consideramos os valores absolutos referentes a essa população, a região em questão responde por 19,07% da população rural brasileira. Sobre o Estado do Espírito Santo, os dados apurados pelo Censo 2010 mostram que, 16,62% de sua população reside no meio rural. São, aproximadamente, pessoas que vivem NO campo, sendo o número de habitantes que vivem DO campo muito maior quando levamos em conta que a base da economia da maior parte dos municípios capixabas está relacionada ao setor primário, além de inúmeros profissionais que não estão diretamente ligados ao trabalho no setor em questão, mas que desenvolvem trabalhos nos setores secundário e terciário da economia NO campo e PARA o campo. Somado a isso, temos interessantes discussões que problematizam a metodologia oficial de cálculo do grau de urbanização do Brasil, afirmando que a mesma é anacrônica e obsoleta, o que contribui para que o país seja mais urbano do que efetivamente é (VEIGA, 2003). Em que pese esse amplo contingente que habita o meio rural brasileiro, dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD 2008 analisados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA mostram que a população rural continua menos favorecida que a urbana. Em relação à escolarização, a Pesquisa aponta que: [...] A taxa de analfabetismo para pessoas acima de 15 anos é de 7,5% na zona urbana e de 23,5% na zona rural. Enquanto, nas cidades, 9% da população têm pouca ou nenhuma instrução, no campo, tal proporção ultrapassa 24%. Em outro extremo, a população mais escolarizada, acima de 11 anos de estudo, representa mais de 40% da população urbana e apenas 12,8% Livro 3 - p

3 3 da população rural. A maioria da população do campo 73% - não completou o ensino fundamental (IPEA, 2010, p. 5). A temática da educação no meio rural, assim como a educação em geral, está intimamente relacionada às relações de poder que envolvem a produção do rural na sociedade brasileira. Essa produção pautou-se (e/ou ainda pauta-se) sob uma lógica excludente, discriminatória, injusta, originada no processo de divisão das terras no Brasil, desde o início da Colônia. Diante disso, ocorreu/vem ocorrendo um movimento de ressignificação do rural como espaço de vida e de vivências, de saberes e práticas, como CAMPO; um campo de possibilidades. O termo Educação do Campo foi gestado a partir de diferentes sujeitos coletivos, entre os quais podemos destacar os movimentos sociais do campo, as universidades, as organizações não-governamentais, as instituições religiosas e as instituições públicas entre outras. Esses sujeitos coletivos, de forma processual, revelaram que a educação rural ofertada, além de não atender ao direito de acesso à educação básica a todos os indivíduos, em idade escolar ou que a ela não tiveram acesso na idade própria, também não garantia a permanência (e uma permanência com sucesso) de todos que a ela tinham tido acesso. Em muitos casos, mesmo quando a permanência era garantida, esta acabava sendo permeada por uma oferta de qualidade duvidosa. A esse respeito merecem destaque as denúncias das precárias condições de conservação dos espaços escolares (prédios, pátios e demais dependências); da falta de recursos financeiros específicos e diferenciados que contemplassem as especificidades dessas escolas; da organização dos tempos e dos espaços da escola de forma mais adequada à vida dos alunos e de suas respectivas famílias, bem como de suas comunidades; da falta de propostas de formação inicial e continuada para os docentes (HENRIQUES, 2007; INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - INEP, 2007), potencializando entre os professores discutir sobre essa escola, seus sujeitos, seus tempos, seus espaços, seu valor simbólico para as comunidades onde estão inseridas e suas populações. Diante do exposto, elaborou-se e difundiu-se no imaginário coletivo nacional que esse tipo de escola (sobretudo as escolas com salas multisseriadas), assim como o local onde a mesma está localizada, são resquícios de um passado (rural) sinônimo do atraso e que estariam fadadas ao desaparecimento com o processo de urbanização. Era apenas uma questão de tempo que essa população extinguisse-se e, consequentemente, Livro 3 - p

4 4 não necessitasse mais de escolas rurais. No entanto, há um engano na crença de que o rural desaparecerá (VEIGA, 2003). Centrada no protagonismo dos sujeitos coletivos, na luta por uma educação de qualidade e no compromisso com a construção do campo e da cidade como espaços de construção da vida de forma sustentável, a Educação do Campo vai firmando-se como princípio, conceito, método, política pública, etc., cujo referencial germina e frutifica a partir da luta pela terra. Muito mais que uma mudança de nomenclatura (de educação rural para educação do campo), esta se caracteriza como um movimento de constituição de políticas públicas que garantam à população rural uma educação que seja NO e DO CAMPO (ARROYO; CALDART; MOLINA, 2009; FERNANDES; CERIOLI; CALDART, 2009; ARROYO, 2009; CALDART, 2009a; 2009b; FERNANDES, 2009). Ela defende o direito a uma educação pensada desde o seu lugar e com a sua participação, vinculada a sua cultura e as suas necessidades humanas e sociais e não a implantação de experiências de escolas alienígenas a esse cenário/contexto. Assim, considerando o cenário capixaba, desde a década de 1960 vêm sendo desenvolvidas experiências diferenciadas de educação no meio rural, com destaque para as Escolas Famílias Agrícolas EFA s e o emprego da Pedagogia da Alternância - PA. Diante dos argumentos apresentados, o problema que abordamos para o desenvolvimento deste estudo buscou responder à seguinte questão: Quais as experiências de educação no meio rural, no ensino fundamental, estão sendo desenvolvidas pelos municípios do Estado do Espírito Santo? Nossos objetivos com este trabalho, portanto, foram: a) Identificar as experiências de educação no meio rural, no ensino fundamental, desenvolvidas pelos municípios do Estado do Espírito Santo; b) Identificar as modalidades de parceria interinstitucionais e de financiamento que ocorrem para a manutenção dessas experiências educativas; c) Verificar o conhecimento, por parte das Secretarias Municipais de Educação do Estado do Espírito Santo, das Diretrizes Operacionais da Educação do Campo e de como as mesmas estão sendo implantadas. Este trabalho é um Levantamento e caracteriza-se como uma pesquisa exploratória. Para a obtenção dos dados empregamos o questionário, encaminhado a todas as 78 Secretarias Municipais de Educação do Estado do Espírito Santo. Junto do questionário, foi encaminhado um Guia de Orientação para auxiliar no processo de preenchimento e, também, envelope selado para devolução do questionário respondido. Livro 3 - p

5 5 Obtivemos retorno de 52 Secretarias Municipais de Educação. No entanto, 01 informou não ter escolas localizadas no meio rural sob sua jurisdição e 02 tiveram seus questionários desconsiderados por problemas no preenchimento. Portanto, 49 municípios capixabas tiveram seus questionários considerados para tabulação e análise neste estudo, o que representa 62,82% dos municípios. As fontes, portanto, com as quais trabalhamos foram, prioritariamente, primárias, ou seja, constituídas por dados que ainda não sofreram estudo e análise. APRESENTANDO OS DADOS DA PESQUISA Segundo dados do Censo da Educação 2010 (INEP, 2011), no Brasil alunos estavam matriculados nas séries iniciais e finais do ensino fundamental do ensino regular, nas redes estaduais e municipais, em escolas localizadas no meio rural. Esse quantitativo representava 17,49 % do total de matrículas do país, nesse nível de ensino. Em relação ao Espírito Santo, eram matrículas no meio rural, em escolas municipais e estaduais, o que representava 12,76% do total de matrículas dessas redes e nível de ensino no Estado. No estudo em questão, consideramos apenas os dados relativos às redes municipais e informados por suas respectivas Secretarias de Educação. Como já explicitamos são 49 (62,82%) dos 78 municípios capixabas que tiveram seus questionários validados para compor nosso corpus de análise. Essas Secretarias informaram a existência de um total de 771 escolas localizadas no meio rural dos municípios respondentes, responsáveis por atender a uma população diferente e diversa em suas características sociais, culturais, étnicas e econômicas. Nesse sentido, 72,89% das escolas localizadas no meio rural capixaba atendem especificamente a população campesina tradicional. Aqui é importante esclarecer que populações campesinas tradicionais englobam também as populações indígenas, quilombolas (DIEGUES apud SANTANA; OLIVEIRA, 2005), pomeranas, entre outras. No entanto, no estudo em questão, estamos considerando-as separadamente. Outras 0,52% e 0,65% atendem, respectivamente, a acampados e assentados da Reforma Agrária. Em 0,91% das escolas do meio rural no Espírito Santo, são atendidos alunos de populações indígenas, enquanto que em 2,20% estudam alunos provenientes Livro 3 - p

6 6 de comunidades quilombolas e em 3,63% estudantes de comunidades étnicas que não indígenas e quilombolas. Estas últimas atendem alunos de comunidades de origem germânica, sobretudo alemães e pomeranos que representam significativo grupo formador do povo capixaba. Há também, escolas que atendem alunos provenientes de dois ou mais grupos, sendo: 0,26% - população campesina tradicional e acampados; 0,78% - população campesina tradicional e assentados; 0,13% - população campesina tradicional e quilombolas; 4,80% - população campesina tradicional e comunidades étnicas que não indígenas e quilombolas. Outras 13,23% do total de escolas não informaram a população que atendem. Essas escolas, tendo em vista sua localização geográfica combinada com reduzido número de alunos, são unidocentes ou pluridocentes, compostas por turmas multisseriadas em 77,55% dos casos. Aspecto importante a considerar é que todas essas escolas atendem alunos matriculados nas séries iniciais do ensino fundamental. Outras 14,66% das escolas são organizadas em turmas unisseriadas, sendo que entre as mesmas destacam-se as que atendem às séries finais do ensino fundamental. Em 1,43% dos casos, as escolas possuem turmas multisseriadas (séries iniciais do ensino fundamental) e unisseriadas (séries finais do ensino fundamental). Por fim, 0,91% das escolas são organizadas em ciclos/outra forma e 5,45% das escolas não tiveram sua forma de organização das turmas informada. Ao considerarmos os dados acima e compararmos os mesmos com os que seguem, podemos perceber a relevância das escolas unidocentes e pluridocentes (com turmas multisseriadas) para as populações do meio rural. Das 771 escolas localizadas no meio rural dos 49 municípios capixabas considerados neste trabalho, 42,67% não são escolas nucleadas. Ou seja, são escolas isoladas, localizadas em fazendas, em sedes de pequenas comunidades rurais. Outras 26,59% são escolas nucleadas, no entanto, localizadas no meio rural. Essas escolas são, em sua maioria, compostas de turmas unisseriadas, com destaque para as séries finais do ensino fundamental. Por fim, 30,74% das escolas não foram identificadas se são nucleadas ou não por suas respectivas Secretarias de Educação. PROGRAMAS / EXPERIÊNCIAS PEDAGÓGICAS Livro 3 - p

7 7 Considerando as respostas dadas pelas Secretarias Municipais de Educação, podemos afirmar que a diversidade de projetos e programas de educação própria e apropriada para as escolas do meio rural dos municípios capixabas é bastante reduzido. Em um universo de 771 escolas, foram informados oito projetos/programas que de educação para o meio rural que acabam por engendrar uma ação pedagógica segundo os princípios filosóficos, epistemológicos e políticos propostos pelos mesmos. Os projetos/programas (ou ausência deles) e suas respectivas experiências são: a) Escolas Rurais Tradicionais; b) Programa de Valorização da Educação Rural PROVER; c) Experiências em Pedagogia da Alternância PA; d) Experiências em Semi-Alternância; e) Escola Indígena; f) Centos Municipais de Educação Agroecológica CMEA e; g) Programa Escola Ativa - PEA. Também foi informada a formação ofertada pela UFES em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, voltada exclusivamente para os professores do meio rural como uma experiência de formação docente. Em termos de abrangência das escolas do meio rural, as experiências acima mencionadas correspondem a: a) Programa Escola Ativa PEA: 71,73%; b) Escolas Tradicionais Rurais: 13,62%; c) Experiências em Semi-Alternância: 5,45%; d) Programa de Valorização da Educação Rural PROVER: 2,33%; e) Experiências em Pedagogia da Alternância PA: 1,30%; f) Escola Indígena: 0,91%; g) Centros Municipais de Educação Agroecológica CMEA: 0,40%. A formação oferecida pela UFES em parceria com a Secretaria Municipal de Educação abrange 1,80% das escolas do meio rural, enquanto a situação de 2,46% das escolas não foi informada. FINANCIADORES E MANTENEDORES Por estarmos trabalhando apenas com as escolas das redes municipais de educação, em 99,48% dos casos seus principais financiadores ou mantenedores foram as Prefeituras Municipais, por meio das Secretarias Municipais de Educação. Outras 0,52% das escolas não tiveram seus financiadores ou mantenedores informados. Livro 3 - p

8 8 Dentre as escolas com financiadores e mantenedores informados, em 79,14% o mantenedor é, exclusivamente, a Prefeitura Municipal por meio da Secretaria Municipal de Educação. Em 11,08% das escolas, o município continua sendo o principal mantenedor, porém tendo como co-financiador o Ministério da Educação - MEC. Em 9,26%, além da Prefeitura e do co-financiamento do MEC, as escolas também recebem recursos da Secretaria de Estado da Educação - SEDU. Por fim, em 0,52% das escolas, as famílias são apresentadas como co-financiadoras, sendo o município seu principal mantenedor. PARCERIAS Em relação às parcerias, em 9,99% das escolas as mesmas se dão exclusivamente com as Secretarias Municipais de Educação. Em 25,42% elas se dão, exclusivamente, com o MEC. No entanto, a maior parte das escolas possui parcerias com dois ou mais órgãos/instituições, conforme explicitado a seguir: a) Em 28,92% são parceiros a SEDU e o MEC. b) Em 8,43% os parceiros são, além da SEDU e do MEC, a própria Secretaria Municipal. c) Em 6,87% são parceiros a Secretaria Municipal e o MEC. d) Em 5,45% são parceiros a Secretaria Municipal de Educação, o MEC, a SEDU e a Regional das Associações dos Centros Familiares de Formação em Alternância do Espírito Santo RACEFFAES. e) Em 3,24% os parceiros são a Secretaria Municipal de Educação, o MEC, a SEDU e a UFES. f) Em 1,82% são parceiros a Secretaria Municipal de Educação e a UFES. g) Em 0,26% os parceiros são a Secretaria Municipal de Educação e a RACEFFAES. Importante salientar que 9,60 % das escolas não tiveram seus parceiros informados. CONHECIMENTO DAS DIRETRIZES OPERACIONAIS Livro 3 - p

9 9 Das Secretarias Municipais de Educação que responderam ao questionário, 81,63% informaram ter conhecimento das Diretrizes Operacionais para Educação Básica do Campo, enquanto 18,37% informaram desconhecê-la. Dentre os conhecedores, 55,10% afirmaram ter tido conhecimento das Diretrizes através do Programa Escola Ativa, enquanto outros 44,90% informaram ter tido conhecimento por outros meios, tais como a participação de membros das Secretarias Municipais de Educação em reuniões do Território Pólo Colatina; através da realização de Cursos de Aperfeiçoamento e pelo Curso de Especialização em Educação do Campo ofertado pela UFES; por participar do Comitê Estadual de Educação do Campo; participação em reuniões e seminários, participação nas discussões sobre o Plano Nacional de Educação e na CONAE, pela Resolução CNE/CEB nº 01 de 03 de abril de 2002, participar do Seminário de Educação do Campo na UFES, lendo a legislação vigente sobre a educação, pesquisas, estudos realizados para elaboração do Plano Municipal de Educação e por ter uma pesquisadora sobre educação do campo trabalhando na Secretaria. Um aspecto importante a ser mencionado é que o Programa Escola Ativa foi universalizado para todo o território brasileiro em 2008 e começou a ser trabalhado no Espírito Santo em Nesse sentido, entendemos que, apesar das críticas ao Programa, foi graças ao mesmo que mais da metade dos municípios em questão tiveram conhecimento das Diretrizes Operacionais da Educação Básica do Campo. Ainda segundo as Secretarias Municipais que responderam ao questionário, 69,39% delas implementam as Diretrizes. Outras 28,57% não as implementam. Outras 2,04% não informaram. Isso nos mostra que cerca de 12,24% (o que representa 06 municípios), conhecem as Diretrizes mas não as implementam. Entre os motivos alegados temos que as mesmas encontram-se em fase de estudo, formação dos professores e adequação das estruturas pedagógicas (SECRETARIAS 03, 21 e 23). Outra alegou que as Diretrizes não estão contempladas nas políticas municipais, sobretudo no Plano Municipal de Educação (SECRETARIA 09). A Secretaria 20 informou que um novo documento municipal (proposta curricular) está em fase de construção e que buscarão contemplar as diretrizes no mesmo. Por fim, uma Secretaria (19) manifestou que, mesmo já capacitados, os professores não implementam as Diretrizes em suas respectivas escolas. Livro 3 - p

10 10 CONSIDERAÇÕES FINAIS Pode-se concluir, com base nos dados obtidos, que as Secretarias Municipais de Educação dos municípios em questão vêm tentando desenvolver um trabalho de acompanhamento mais próximo das escolas do meio rural. No entanto, o Programa Escola Ativa - PEA, dada sua universalização em 2008 para todas as regiões do Brasil, é implantado nas escolas multisseriadas (que constituem o maior número), trazendo uma metodologia própria que tem, como objetivo, melhorar a qualidade da educação no meio rural. Entendemos que onde existiam vácuos, o PEA apresenta-se como importante elemento de fomento à discussão sobre como fazer da educação rural uma educação do campo. No entanto, entendemos também que nos municípios que vinham desenvolvendo experiências pedagógicas para o meio rural, o diálogo entre os projetos locais e o PEA é necessário, ao invés da substituição de um (local) por outro (nacional). REFERÊNCIAS ARROYO, Miguel González. A educação básica e o movimento social do campo. In: ARROYO, Miguel González; CALDART, Roseli Salete; MOLIINA, Mônica Castagna (Orgs.). Por uma educação do campo. 4. ed. Petrópolis: Vozes, cap. 2, p ARROYO, Miguel González; CALDART, Roseli Salete; MOLIINA, Mônica Castagna. Apresentação. In:. (Orgs.). Por uma educação do campo. 4. ed. Petrópolis: Vozes, Apresentação, p CALDART, Roseli Salete. A escola do campo em movimento. In: ARROYO, Miguel González; CALDART, Roseli Salete; MOLIINA, Mônica Castagna (Orgs.). Por uma educação do campo. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2009a. cap. 3, p Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In: ARROYO, Miguel González; CALDART, Roseli Salete; MOLIINA, Mônica Castagna (Orgs.). Por uma educação do campo. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2009b. cap. 5, p FERNANDES, Bernardo Mançano. Diretrizes de uma caminhada. In: ARROYO, Miguel González; CALDART, Roseli Salete; MOLIINA, Mônica Castagna (Orgs.). Por uma educação do campo. 4. ed. Petrópolis: Vozes, cap. 4, p Livro 3 - p

11 11 FERNANDES, Bernardo Mançano; CERIOLI, Paulo Roberto; CALDART, Roseli Salete. Primeira Conferência Nacional Por uma Educação Básica do Campo : texto preparatório. In: ARROYO, Miguel González; CALDART, Roseli Salete; MOLIINA, Mônica Castagna (Orgs.). Por uma educação do campo. 4. ed. Petrópolis: Vozes, cap. 1, p HENRIQUES, Ricardo et al. (Orgs.). Educação do campo: diferenças mudando paradigmas. Brasília: MEC. SECAD, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Primeiros dados do Censo Disponível em: <http://www.censo2010.ibge.gov.br/primeiros_dados_divulgados/index.php>. Acesso em: 10 jun INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. PNAD 2008: primeiras análises. O setor rural. Comunicados IPEA nº mar INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Panorama da Educação do Campo. Brasília: INEP, SANTANA, Luciano Rocha; OLIVEIRA, Thiago Pires. O patrimônio cultural imaterial das populações tradicionais e sua tutela pelo Direito Ambiental. Jus Navigandi, Teresina, ano 10, n. 750, 24 jul Disponível em: <http://jus.uol.com.br/revista/texto/7044>. Acesso em: 23 jul VEIGA, José Eli da. Cidades imaginárias: o Brasil é menos urbano do que se calcula. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, Livro 3 - p

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GRUPO PERMANENTE DE TRABALHO DE EDUCAÇÃO DO CAMPO REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO CADERNO DE SUBSÍDIOS BRASÍLIA Outubro, 2003 2 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...5

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12

Leia mais

Perfil Educacional SEADE 72

Perfil Educacional SEADE 72 Perfil Educacional A análise da situação educacional do Estado de Santa Catarina fundamentase nos indicadores de instrução da população (taxa de analfabetismo para 1991), de escolarização (taxa líquida

Leia mais

ELEMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO: DIALOGOS COM A EXPERIÊNCIA DO IFPA OUTUBRO DE 2011

ELEMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO: DIALOGOS COM A EXPERIÊNCIA DO IFPA OUTUBRO DE 2011 ELEMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO: DIALOGOS COM A EXPERIÊNCIA DO IFPA OUTUBRO DE 2011 1 - IMPORTÂNCIA HISTÓRICO-SOCIAL DOS MOVIMENTOS SOCIAIS DO CAMPO: Luta pela terra / acesso

Leia mais

B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil

B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil Raimundo Jackson Nogueira da Silva, Secretaria Municipal de Educação de Canindé-CE, e- mail: raimundojackson@hotmail.com.

Leia mais

Educação do Campo: Um olhar panorâmico

Educação do Campo: Um olhar panorâmico Educação do Campo: Um olhar panorâmico Eliene Novaes Rocha (1) Joana Célia dos Passos ( 2) Raquel Alves de Carvalho (3) 1) Contextualização histórica do debate da Educação do Campo Embora o Brasil sendo

Leia mais

A educação do campo no currículo do curso de Pedagogia: bases legais e teóricas

A educação do campo no currículo do curso de Pedagogia: bases legais e teóricas EDUCAÇÃO DO CAMPO NO CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA: EXPERIÊNCIA PARA A AÇÃO DOCENTE EMANCIPADORA Resumo Maria Iolanda Fontana Universidade Tuiuti do Paraná Este artigo apresenta a inserção da Educação

Leia mais

ROSEMARA DOS SANTOS CASAS JUDSON GONÇALVES DE LIMA O PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO EM PARANAGUÁ

ROSEMARA DOS SANTOS CASAS JUDSON GONÇALVES DE LIMA O PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO EM PARANAGUÁ ROSEMARA DOS SANTOS CASAS JUDSON GONÇALVES DE LIMA O PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO EM PARANAGUÁ MATINHOS 2012 ROSEMARA DOS SANTOS CASAS JUDSON GONÇALVES DE LIMA

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2011-1

PLANO DE ENSINO 2011-1 PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Educação do Campo - JP0026 PROFESSOR: Dr.ª Arlete Salcides I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: Carga Horária Prática: 15h II EMENTA 45h Estudo de manifestações

Leia mais

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR Este projeto visa investir na melhoria da infraestrutura escolar, por meio de construção, ampliação e reforma, bem como dotá-las com equipamentos e mobiliários

Leia mais

enfoque Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil

enfoque Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil enfoque Qual é a questão? Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil Luís Donisete Benzi Grupioni Doutorando em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo e pesquisador

Leia mais

META NACIONAL 15: garantir, em regime de colaboração entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no prazo de 1 (um) ano de vigência deste PNE, política nacional de formação dos profissionais

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

Estatísticas dos Professores no Brasil

Estatísticas dos Professores no Brasil EDUCAÇÃO E Estatísticas dos Professores no Brasil Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva

Leia mais

Mestre em Educação pela UFF (Universidade Federal Fluminense) e Professora Assistente na Universidade Estadual de Santa Cruz (Ilhéus BA).

Mestre em Educação pela UFF (Universidade Federal Fluminense) e Professora Assistente na Universidade Estadual de Santa Cruz (Ilhéus BA). Aleph Formação dos Profissionais da Educação ISSN 1807-6211 A FORMAÇÃO DO PROFESSOR: POSSIBILIDADES E LIMITES NA ORGANIZAÇÃO DE UM PLANO DE TRABALHO COLETIVO NO PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO NA REFORMA

Leia mais

Universalizar a educação primária

Universalizar a educação primária Universalizar a educação primária META 2 terminem um ciclo completo de ensino. Garantir que, até 2015, todas as crianças, de ambos os sexos, Escolaridade no Estado de São Paulo O aumento sistemático das

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O pleno desenvolvimento do cidadão é assegurado como dever do Estado e direito de todo brasileiro, de acordo com a Constituição Federal de 1988, em seu Artigo 205: Artigo

Leia mais

CARTOGRAFIA DA EDUCAÇÃO RURAL EM MINAS GERAIS

CARTOGRAFIA DA EDUCAÇÃO RURAL EM MINAS GERAIS CARTOGRAFIA DA EDUCAÇÃO RURAL EM MINAS GERAIS Bruno César de Resende 1 Maria. Isabel Antunes-Rocha 2 Israel Rossi Almeida Alves 3 Resumo Este trabalho é parte componente da pesquisa CARTOGRAFIA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 278, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. Altera e insere dispositivos na Lei Municipal nº 016, de 20 de janeiro de 2004, a qual dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores do Magistério

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

A MUNICIPALIZAÇAO DA EDUCAÇÃO (DO CAMPO) EM SANTA CATARINA: O CASO DE CONCÓRDIA SC

A MUNICIPALIZAÇAO DA EDUCAÇÃO (DO CAMPO) EM SANTA CATARINA: O CASO DE CONCÓRDIA SC A MUNICIPALIZAÇAO DA EDUCAÇÃO (DO CAMPO) EM SANTA CATARINA: O CASO DE CONCÓRDIA SC Resumo Sandra Simone Höpner Pierozan UFFS Campus Erechim. email: sandra.pierozan@uffs.edu.br Liane Vizzotto IFC Campus

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR ALFABETIZADOR: PERSPECTIVAS PARA EDUCAÇÃO DO MEIO RURAL

FORMAÇÃO DO PROFESSOR ALFABETIZADOR: PERSPECTIVAS PARA EDUCAÇÃO DO MEIO RURAL 0 FORMAÇÃO DO PROFESSOR ALFABETIZADOR: PERSPECTIVAS PARA EDUCAÇÃO DO MEIO RURAL Email marialc08@yahoo.com. 1 Maria Lemos da Costa Universidade Federal do Piauí 2 Carmen Lúcia de Oliveira Cabral Universidade

Leia mais

Políticas de Educação de Jovens e

Políticas de Educação de Jovens e Ministério da Educação Políticas de Educação de Jovens e Adultos Junho de 2011 Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Documentos de Referência Legislação Constituição

Leia mais

O PAPEL DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL NA AMPLIAÇÃO DO ATENDIMENTO EM CRECHE ÀS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS

O PAPEL DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL NA AMPLIAÇÃO DO ATENDIMENTO EM CRECHE ÀS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS O PAPEL DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL NA AMPLIAÇÃO DO ATENDIMENTO EM CRECHE ÀS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS Débora Brondani da Rocha Bacharel em Direito e Auditora Pública Externa do TCERS Hilário Royer-

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS E DE DOCUMENTAÇÃO EM EDUCAÇÃO (CEDE) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA (UEFS)

CENTRO DE ESTUDOS E DE DOCUMENTAÇÃO EM EDUCAÇÃO (CEDE) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA (UEFS) CENTRO DE ESTUDOS E DE DOCUMENTAÇÃO EM EDUCAÇÃO (CEDE) Coordenação: Antonia Almeida Silva Vice-coordenação: Leomárcia Caffé de Oliveira Uzêda UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA (UEFS) Sobre o grupo

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira NOTA INFORMATIVA DO IDEB 2013 (Atualizada em maio de 2015) Os resultados do Ideb 2013 para escola, município,

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LINHARES, Clarice Schneider UNICENTRO clarinha_linhares@yahoo.com.br Área Temática: Formação de Professores Este trabalho partiu

Leia mais

Grupo de Trabalho 2: Juventudes e Políticas Públicas: Saberes e Fazeres

Grupo de Trabalho 2: Juventudes e Políticas Públicas: Saberes e Fazeres Grupo de Trabalho 2: Juventudes e Políticas Públicas: Saberes e Fazeres A ligação entre o saber e o fazer : saberes locais e permanência na Educação de Jovens e Adultos Leonardo Faé de Almeida Pós-graduando

Leia mais

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros.

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros. Meta 1 - Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de quatro e cinco anos, e ampliar, até 2025, a oferta de Educação Infantil de forma a atender a 50% da população de até 3 anos. Estratégias:

Leia mais

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Magda Vianna de Souza 1 Marta Sisson de Castro 11 Palavras-chave: ensino

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Palavras chaves: Pedagogia da alternância, Pedagogia empreendedora, formação profissional, ensino-aprendizagem.

Palavras chaves: Pedagogia da alternância, Pedagogia empreendedora, formação profissional, ensino-aprendizagem. O PRINCÍPIO DA PEDAGOGIA EMPREENDEDORA NO CURSO TÉCNICO DE AGROPECUÁRIA, DA ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DO PACUÍ. DARLENE DO SOCORRO DEL-TETTO MINERVINO DR. SANDRA REGINA GREGÓRIO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL

Leia mais

Um mecanismo de cidadania e redução da desigualdade social.

Um mecanismo de cidadania e redução da desigualdade social. XXVII Congreso de la Asociación Latinoamericana de Sociología. VIII Jornadas de Sociología de la Universidad de Buenos Aires. Asociación Latinoamericana de Sociología, Buenos Aires, 2009. Um mecanismo

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: POLÍTICAS PÚBLICAS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS. PALAVRAS-CHAVE: Educação do campo; Políticas públicas; Práticas pedagógicas.

EDUCAÇÃO DO CAMPO: POLÍTICAS PÚBLICAS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS. PALAVRAS-CHAVE: Educação do campo; Políticas públicas; Práticas pedagógicas. EDUCAÇÃO DO CAMPO: POLÍTICAS PÚBLICAS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Edenir Kelin,(PG - Dom Bosco), ede_kelin@hotmail.com Marinalva Borges Ferreira,(PG -Dom Bosco), maripechim@hotmail.com Leonir Borges, (OR- Instituto

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2014-2024: IMPLICAÇÕES E PROJEÇÕES PARA O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2014-2024: IMPLICAÇÕES E PROJEÇÕES PARA O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2014-2024: IMPLICAÇÕES E PROJEÇÕES PARA O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Gizelle Rodrigues dos Santos; Márcio Adriano de Azevedo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE O Futuro da Educação a Distância na Educação Básica Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br Dispositivos da LDB e DECRETOS

Leia mais

O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS

O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ISSN 2177-9139 O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS Edimar Fonseca da Fonseca edyyfon@yahoo.com.br Fundação Universidade Federal do Pampa, Campus Caçapava do

Leia mais

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior CAPA 1 República Federativa do Brasil Ministério da Educação Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação

Leia mais

A Educação no Brasil Rural

A Educação no Brasil Rural Alvana Maria Bof (Organização) Carlos Eduardo Moreno Sampaio Carolina Pingret de Sousa Claudia H. Cavalieri Fábio Costa Andrade Ignacio Cano James Richard Silva Santos João Vicente Pereira José Marcelino

Leia mais

Índice. 1. Cursos Presenciais...3. 2. Cursos de Presença Flexível...3

Índice. 1. Cursos Presenciais...3. 2. Cursos de Presença Flexível...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 2 Índice 1. Cursos Presenciais...3 1.1. Do 1º ao 5º (4ª Série) Anos do Ensino Fundamental... 3 1.2. Do 6º (5ª Série) ao 9º (8ª Série) Anos do Ensino Fundamental... 3 1.3. Do 1º ao 3º Ano

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

A GESTÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS: UMA ANÁLISE DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS WIGGERS, Verena. UFSC/ PUC GT: Educação de Crianças de 0 a 6 anos /

A GESTÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS: UMA ANÁLISE DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS WIGGERS, Verena. UFSC/ PUC GT: Educação de Crianças de 0 a 6 anos / A GESTÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS: UMA ANÁLISE DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS WIGGERS, Verena. UFSC/ PUC GT: Educação de Crianças de 0 a 6 anos / n.07 Agência Financiadora: CNPq / CAPES O projeto em

Leia mais

Escolas públicas localizadas no campo e o movimento nacional da educação do campo: quais aproximações?

Escolas públicas localizadas no campo e o movimento nacional da educação do campo: quais aproximações? Escolas públicas localizadas no campo e o movimento nacional da educação do campo: quais Resumo O objetivo deste texto é problematizar as escolas públicas localizadas no campo, no Estado do Paraná, que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL E DO ENSINO FUNDAMENTAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL E DO ENSINO FUNDAMENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL E DO ENSINO FUNDAMENTAL PROGRAMAS E POLÍTICAS Política Nacional de Educação Infantil Credenciamento e

Leia mais

Sistema Penitenciário Regional Rio de Janeiro Escola de Gestão Penitenciária RJ 7 a 9 de dezembro de 2005

Sistema Penitenciário Regional Rio de Janeiro Escola de Gestão Penitenciária RJ 7 a 9 de dezembro de 2005 Relatório-síntese do I Seminário de Articulação Nacional e Construção de Diretrizes para a Educação no Sistema Penitenciário Regional Rio de Janeiro Escola de Gestão Penitenciária RJ 7 a 9 de dezembro

Leia mais

Estudo exploratório sobre o professor brasileiro Com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2007

Estudo exploratório sobre o professor brasileiro Com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2007 Estudo exploratório sobre o professor brasileiro COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE QUALIDADE E DE TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL Maria Inês Pestana (coordenação) Alex Ricardo Medeiros

Leia mais

EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE Tatiana Feitosa de Britto 1 A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos, proporcionando uma oportunidade

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DE JOVENS E ADULTOS

PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DE JOVENS E ADULTOS PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DE JOVENS E ADULTOS 1 Justificativa A proposta que ora apresentamos para formação específica de educadores de Jovens e Adultos (EJA)

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: ANÁLISE DAS ESCOLAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE JOÃO PESSOA

EDUCAÇÃO DO CAMPO: ANÁLISE DAS ESCOLAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE JOÃO PESSOA EDUCAÇÃO DO CAMPO: ANÁLISE DAS ESCOLAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE JOÃO PESSOA Ana Clara da Silva Nascimento - UFPB 1 Clara.edcampo@gmail.com Jakeline da Silva Farias UFPB 2 jakesilvapib@hotmail.com Valéria

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA Ana Claudia da Silva Rodrigues; Lílian Maria Paes de Carvalho Ramos (Orientadora) Universidade Federal Rural

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES

ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES Introdução Paulo Speller 1 Nos anos recentes, diversos países vem debatendo a possibilidade de promoverem alterações em seus sistemas de educação

Leia mais

ESCOLAR II ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE

ESCOLAR II ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA COM ESCOLAR MELHORIA DO FLUXO I - META 7 DO PNE: Fomentar a qualidade da educação básica em todas etapas e modalidades, com melhoria do fluxo escolar e da aprendizagem de modo

Leia mais

ADOLESCENTES E JOVENS NO BRASIL: ESCOLARIZAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO

ADOLESCENTES E JOVENS NO BRASIL: ESCOLARIZAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO ADOLESCENTES E JOVENS NO BRASIL: ESCOLARIZAÇÃO E INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO Ana Lúcia Sabóia Barbara Cobo Soares Dolores Bombadelli Kappel Palavras-chave: jovens, escolarização, mercado de trabalho

Leia mais

2. PROPOSTAS - conforme modelo de projeto a ser seguido no ANEXO 2

2. PROPOSTAS - conforme modelo de projeto a ser seguido no ANEXO 2 Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais da Educação Básica da Universidade Federal de Santa Catarina COMFOR/UFSC Campus Prof. João David Ferreira Lima CEP 88040-900

Leia mais

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação (Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014 (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação Instrumento Diagnóstico - PAR Municipal 2011-2014 A gestão que prioriza

Leia mais

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3.

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3. PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, Erineu - UFES GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: PRONERA/Ação Educativa 1. Tema O curso Pedagogia da Terra/ES

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores O CURSO DE EXTENSÃO DA UNIRIO EDUCAÇÃO INFANTIL: ARTE, CORPO E NATUREZA : RELATO DE EXPERIÊNCIA.

Leia mais

NUCLEAMENTO DAS ESCOLAS RURAIS NA REGIÃO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA-SP: ALGUNS APONTAMENTOS

NUCLEAMENTO DAS ESCOLAS RURAIS NA REGIÃO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA-SP: ALGUNS APONTAMENTOS NUCLEAMENTO DAS ESCOLAS RURAIS NA REGIÃO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA-SP: ALGUNS APONTAMENTOS Andrea Margarete de Almeida Marrafon; Maria Cristina dos Santos Bezerra Programa de Pós-graduação em Educação Universidade

Leia mais

3. ENADE. CURSOS EM AVALIAÇÃO EM 2009. PORTARIA NOR- MATIVA Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE 2009, PUBLICADA DIA 30 DE JANEIRO DE 2009

3. ENADE. CURSOS EM AVALIAÇÃO EM 2009. PORTARIA NOR- MATIVA Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE 2009, PUBLICADA DIA 30 DE JANEIRO DE 2009 SIC 05/09 Belo Horizonte, 30 de janeiro de 2009. 1. EDUCAÇÃO BÁSICA. FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO. POLÍTICA NACIONAL. DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009, PUBLICADO DIA 30 DE JANEIRO

Leia mais

MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO DO CAMPO NA AMAZÔNIA PARAENSE: AÇÕES E REFLEXÕES QUE ARTICULAM PROTAGONISMO, PRECARIZAÇÃO E REGULAÇÃO

MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO DO CAMPO NA AMAZÔNIA PARAENSE: AÇÕES E REFLEXÕES QUE ARTICULAM PROTAGONISMO, PRECARIZAÇÃO E REGULAÇÃO MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO DO CAMPO NA AMAZÔNIA PARAENSE: AÇÕES E REFLEXÕES QUE ARTICULAM PROTAGONISMO, PRECARIZAÇÃO E REGULAÇÃO Salomão Antônio Mufarrej Hage UFPA Carlos Renilton Cruz UFPA Agência Financiadora:

Leia mais

10 Pontos Para um Plano de Expansão da Educação Infantil de Qualidade no Município de São Paulo

10 Pontos Para um Plano de Expansão da Educação Infantil de Qualidade no Município de São Paulo 10 Pontos Para um Plano de Expansão da Educação Infantil de Qualidade no Município de São Paulo São Paulo, 20 de agosto de 2013 1 Apresentação O GRUPO DE TRABALHO INTERINSTITUCIONAL SOBRE EDUCAÇÃO INFANTIL

Leia mais

Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 11 DE MARÇO DE 2016 Estabelece Diretrizes e

Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 11 DE MARÇO DE 2016 Estabelece Diretrizes e Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 11 DE MARÇO DE 2016 Estabelece Diretrizes e Normas Nacionais para a Oferta de Programas e Cursos de Educação

Leia mais

Aos Senhores e às Senhoras Dirigentes das Instituições Federais de Educação Profissional, Científica e Tecnológica.

Aos Senhores e às Senhoras Dirigentes das Instituições Federais de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA - SETEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE - SECAD Ofício Circular nº. 2010 - GAB/SETEC/MEC Brasília,

Leia mais

META NACIONAL 5: alfabetizar todas as crianças, no máximo, até os 8 (oito) anos de idade, durante os primeiros 5 (cinco) anos de vigência do PNE; no

META NACIONAL 5: alfabetizar todas as crianças, no máximo, até os 8 (oito) anos de idade, durante os primeiros 5 (cinco) anos de vigência do PNE; no META NACIONAL 5: alfabetizar todas as crianças, no máximo, até os 8 (oito) anos de idade, durante os primeiros 5 (cinco) anos de vigência do PNE; no máximo, até os 7 (sete) anos de idade, do sexto ao nono

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 5/2014

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 5/2014 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 5/2014 Dispõe sobre a reorganização da Rede Nacional de Certificação Profissional - Rede Certific. OS MINISTROS DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no

Leia mais

META PNE SUBSTITUTIVO PNE PEE 1.7 Fomentar o atendimento populações do campo, comunidades

META PNE SUBSTITUTIVO PNE PEE 1.7 Fomentar o atendimento populações do campo, comunidades META PNE SUBSTITUTIVO PNE PEE 1.10) Fomentar o atendimento das 1.7 Fomentar o atendimento populações do campo, comunidades das crianças do campo na indígenas e quilombolas na educação educação infantil

Leia mais

Instrumento de Avaliação para Renovação de Reconhecimento de Cursos de Graduação

Instrumento de Avaliação para Renovação de Reconhecimento de Cursos de Graduação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ

PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ Mauricio Pastor dos Santos 1 PUCPR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência

Leia mais

ILMO. SR. PROMOTOR DE JUSTIÇA DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DA COMARCA DE OSASCO DR. FÁBIO GARCEZ

ILMO. SR. PROMOTOR DE JUSTIÇA DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DA COMARCA DE OSASCO DR. FÁBIO GARCEZ ILMO. SR. PROMOTOR DE JUSTIÇA DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DA COMARCA DE OSASCO DR. FÁBIO GARCEZ Ref.: Manifestação em Inquérito Civil Público nº122/2010 O FÓRUM ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DE

Leia mais

ANALISE DA CONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA ESTADUAL DO CAMPO DOM PEDRO II 1

ANALISE DA CONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA ESTADUAL DO CAMPO DOM PEDRO II 1 ANALISE DA CONSTRUÇÃO E RECONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA ESTADUAL DO CAMPO DOM PEDRO II 1 Eduarda Nicola 2 Gabriela Geron³ INTRODUÇÃO A gestão democrática escolar está prevista na

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº /22 - CME NATAL/RN Estabelece a Reformulação da Normatização da Jornada de trinta horas para o Educador Infantil para o Ensino Infantil nos Centros Infantis

Leia mais

Título: Até que ponto a Educação de Jovens e Adultos e a Educação do Campo representam Políticas de Inclusão Social?

Título: Até que ponto a Educação de Jovens e Adultos e a Educação do Campo representam Políticas de Inclusão Social? II Seminário Local de Pesquisa OBEDUC/CAPES-INEP-PPGE/UFES I Seminário PIBID/UFES/ARTES/INGLÊS DIÁLOGOS ENTRE LINGUAGENS PESQUISAS E PRÁTICASCONTEMPORÂNEAS NA EDUCAÇÃO Eixo 1 - Diversidade na EJA Título:

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 30/01/2009

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 30/01/2009 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 30/01/2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Conselho

Leia mais

Formação continuada de professores de música das escolas municipais de João Pessoa 1

Formação continuada de professores de música das escolas municipais de João Pessoa 1 Formação continuada de professores de música das escolas municipais de João Pessoa 1 Luis Ricardo Silva Queiroz 2 Universidade Federal da Paraíba Vanildo Mousinho Marinho 3 Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014. Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores,

NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014. Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores, NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014 Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores, Nos dias 3 e 4 deste mês participamos de reunião com a coordenação nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 2/9/2015, Seção 1, Pág. 24. Portaria n 889, publicada no D.O.U. de 2/9/2015, Seção 1, Pág. 22. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

ANEXO II INDICADORES PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DAS METAS DO PDME

ANEXO II INDICADORES PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DAS METAS DO PDME ANEXO II INDICADORES PARA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DAS METAS DO PDME No presente documento, estão listados os indicadores básicos que serão utilizados para monitoramento e avaliação das metas

Leia mais

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior 1. Apresentação Em cumprimento à deliberação 1-F do Eixo Formação, aprovada no 37 0 Encontro Nacional CFESS/CRESS,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Educação do campo. Escolas multisseriadas. Formação de professores. História Oral de Vida. Processos de homogeneização.

PALAVRAS-CHAVE: Educação do campo. Escolas multisseriadas. Formação de professores. História Oral de Vida. Processos de homogeneização. DISCUTINDO O TRABALHO DOCENTE EM ESCOLA MULTISSERIADA RESUMO Charles Morete/IFES de Santa Teresa ES charlesm@ifes.edu.br Na última década, o protagonismo de diversos sujeitos coletivos, com especial destaque

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DELONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto:

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER,

EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER, EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER, Adriana UNIPLAC adriana.kremer@bomjesus.br GT: Educação Popular/ n.06 Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Currículo Como experiências escolares

Leia mais

Análise do desempenho das escolas públicas em Minas Gerais: Políticas Públicas de Educação do campo equivocadas?

Análise do desempenho das escolas públicas em Minas Gerais: Políticas Públicas de Educação do campo equivocadas? Análise do desempenho das escolas públicas em Minas Gerais: Políticas Públicas de Educação do campo equivocadas? Autoria: Cláudia Souza Passador Resumo O artigo descreve as políticas públicas voltadas

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº02/2012 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O PROJETO PRONERA/INCRA/UECE

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº02/2012 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O PROJETO PRONERA/INCRA/UECE CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº02/2012 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O PROJETO PRONERA/INCRA/UECE 1. PROJETO PRONERA/INCRA/UECE SELECIONA CANDIDATOS PARA DIVERSOS PERFIS O projeto PRONERA/INCRA/UECE convênio

Leia mais

EDITAL 012/2015 - Perfil Pesquisa Avaliativa dos Projetos Educacionais da SAIAT/SPM

EDITAL 012/2015 - Perfil Pesquisa Avaliativa dos Projetos Educacionais da SAIAT/SPM EDITAL 012/2015 - Perfil Pesquisa Avaliativa dos Projetos Educacionais da SAIAT/SPM PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Superintendência de Cultura e Comunicação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Superintendência de Cultura e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS PARA O PLANO DE CULTURA DA UFES PREVISTO NO EDITAL MAIS CULTURA NAS UNIVERSIDADES A da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), em parceria com a Pró-Reitoria de Extensão, convida

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ Resumo SOUZA, Maria Antônia de UTP maria.antonia@pq.cnpq.br Este trabalho tem o intuito de caracterizar as ações governamentais que vêm sendo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal artigos 205, 206, 208, 211 e

Leia mais

Análise da Formação Continuada em Educação Ambiental dos Professores da Rede Municipal de Ensino de Jahu

Análise da Formação Continuada em Educação Ambiental dos Professores da Rede Municipal de Ensino de Jahu Análise da Formação Continuada em Educação Ambiental dos Professores da Rede Municipal de Ensino de Jahu Fábio Leonardo Romano FRAGNAN¹ Yanina Micaela SAMMARCO² Resumo Este trabalho apresenta um estudo

Leia mais

II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004

II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004 II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004 DECLARAÇÃO FINAL (VERSÃO PLENÁRIA) Por Uma Política Pública de Educação do Campo QUEM SOMOS Somos 1.100 participantes

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Helton Andrade Canhamaque/UFES heltongeoufes@hotmail.com Júlio de Souza Santos/UFES juliogeoufes@hotmail.com INTRODUÇÃO O trabalho em questão

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JONATHAN ROCHA GUIMARÃES Avaliar a Política de Trabalho e juventude torna-se de extrema importância na medida em que representa um

Leia mais