LIVRO VERDE SOBRE O JOGO EM LINHA NO MERCADO INTERNO RESPOSTA INDIVIDUAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIVRO VERDE SOBRE O JOGO EM LINHA NO MERCADO INTERNO RESPOSTA INDIVIDUAL"

Transcrição

1 LIVRO VERDE SOBRE O JOGO EM LINHA NO MERCADO INTERNO RESPOSTA INDIVIDUAL 1 - Tem conhecimento de quaisquer dados ou estudos disponíveis sobre o mercado do jogo em linha na União Europeia que poderiam contribuir para a elaboração de políticas aos níveis da UE e nacional? No caso afirmativo, incluem esses dados ou estudos operadores licenciados exteriores à UE presentes no mercado da UE? Não tenho conhecimento de dados ou estudos. 2 - Tem conhecimento de dados ou estudos disponíveis sobre a natureza e dimensão do mercado negro de serviços de jogo em linha? (operadores não licenciados) Não tenho conhecimento, mas é de conhecimento geral que há muitos jovens e pessoas de mais idade que se dedicam ao jogo não autorizado especialmente o poker e os jogos de casino na internet pois tal é sucessivamente noticiado e promovido nos jornais e televisões como uma actividade lucrativa que movimenta muito dinheiro. Conheço várias pessoas com problemas de jogo na internet sobretudo estudantes do ensino superior que estão em residências de estudantes que estão agarrados ao jogo noite e dia como se fosse uma droga. Apenas um deles conseguiu fazer do poker profissão e ganhar dinheiro a sério. Hoje dealer de vários sites ilegais. Os outros são apenas viciados. Há alguns em tratamento e pelo menos 1 suicidou-se. 3 - Qual é a sua experiência, se é que teve, no que diz respeito a operadores de jogo em linha baseados na UE e licenciados num ou mais Estados-Membros que prestem e promovam os seus serviços noutros Estados-Membros da UE? Qual é a sua opinião sobre o seu impacto nos mercados correspondentes e seus consumidores? Do que é possível observar dos operadores que se encontram licenciados num Estado, mas prestam serviço noutro fazem-se passar por sites legais, escudando-se na pretensa licença desse Estado para fazerem uma oferta descontrolada e muito mais agressiva ao consumidor, tendo comportamentos e usando de meios que são vedados aos operadores licenciados ou autorizados nesse Estado, por razões de interesse social e protecção do consumidor e da sociedade em geral. Este impacto, como é claro e evidente, é ruinoso, não só para os mercados correspondentes, mas, acima de tudo para os jogadores, suas famílias e a sociedade em geral. 4 - Qual é a sua experiência, se é que teve, no que diz respeito a operadores de jogo em linha exteriores à UE licenciados que prestem e promovam os seus serviços em

2 Estados-Membros da UE? Qual é a sua opinião sobre o seu impacto no mercado da UE e seus consumidores? Na mesma linha da resposta anterior, a actuação de operadores de jogo em linha sem controlo das autoridades do país do consumidor é ruinosa sobretudo porque aumenta em muito a oferta de jogo, As pessoas tendem a jogar todos os jogos que existem para tentar a sua sorte, Quanto mais sites há para jogar mais necessidade de jogar se cria nas pessoas. Estes operadores que se recusam a respeitar as leis dos países onde oferecem os seus jogos só visam o lucro, não aceitam pagar impostos superiores a 1% sobre o lucro (segundo o que vem nos jornais eletrónicos da especialidade) e têm uma grande a agressividade comercial enviando vários s apelando ao jogo por dia para os seus inscritos. Os meios que usam para levarem os consumidores a aderir às suas ofertas, como jogo grátis, crédito para jogar até verificarem que a pessoa já começou a perder bastante dinheiro próprio além do que lhe deram, são imorais e são vedados nos países em que existem operadores legais como a SCML ou os casinos que não podem ter essas práticas antes oferecem os seus serviços, por razões de interesse geral. Esta actuação é, obviamente, má para os consumidores, suas famílias e comunidade em geral. 5 - Caso existam, quais são, em seu entender, os problemas jurídicos e/ou práticos que a jurisprudência dos tribunais nacionais e do TJUE levanta no domínio do jogo em linha? Em particular, existem problemas de segurança jurídica ao nível do seu mercado nacional e/ou da UE relativamente a estes serviços? Do conhecimento que tenho a segurança jurídica existe no nosso País, uma vez que em relação ao jogo existe legislação que não deixa margem para dúvidas sobre quem pode oferecer jogo e em que moldes: Estas entidades são a Santa Casa para as lotarias e apostas mútuas e os casinos e bingos para os outros jogos Contudo são muitos os prevaricadores que fazem tábua rasa da legislação e a violam. 6 - Considera que o direito nacional e o direito derivado da UE vigentes, aplicáveis aos serviços de jogo em linha, regulamentam devidamente esses serviços? Em particular, considera estar assegurada a coerência/compatibilidade entre, por um lado, os objectivos de ordem pública prosseguidos pelos Estados-Membros neste domínio e, por outro, as medidas nacionais em vigor e/ou o comportamento efectivo dos operadores públicos ou privados que prestam serviços de jogo em linha? Em relação à legislação portuguesa, e como já indiquei na resposta anterior, regulam o jogo de forma clara, com vista à salvaguarda dos consumidores, famílias e sociedade em geral. Existem vários operadores ilegais que insistem em violar a legislação portuguesa. Para esses deveria haver uma punição mais severa de modo a dissuadi-los. O que sucede é que são punidos e continuam a sua actividade, o que é esclarecedor que, apesar de haver coimas elevadas, preferem manter a actividade e pagar as coimas porque devem ter lucros elevados uma vez que não pagam impostos

3 7 - De que modo a definição de serviços de jogo em linha supra difere das definições ao nível nacional? Penso que não diferem, e que serão coincidentes, com a diferença de o jogo em linha só poder ser oferecido e explorado pela Santa Casa da Misericórdia. 8 - Os serviços de jogo oferecidos pelos meios de comunicação social são considerados jogos de fortuna ou azar ao nível nacional? Existe uma distinção entre jogos promocionais e jogos de fortuna ou azar? Existe diferença. Os jogos de fortuna e azar são os jogos de lotarias e apostas mútuas explorados pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e ainda os jogos de casino e bingo explorados pelos concessionários, que estão sujeitos à supervisão e fiscalização da Inspecção Geral de Jogos, de exploração muito controlada, enquanto os jogos promocionais que realizam na televisão, nos jornais ou nos supermercados servem para promover um produto ou um serviço. Além destes há os jogos sobre chamadas de valor acrescentado que não sei se estão regulados mas que me parecem um autentico assalto ao bolso dos cidadãos dado que uma chamada custa no máximo 10 cêntimos e para o prémio vão também no máximo, pelos números de telefonemas recebidos 5 cêntimos ou seja a televisão e a operadora de comunicações ficam com o o lucro de mais de 70%. É um logro que devia ser aprado não só a nível nacional mas europeu, ou pelo menos que tornassem a distribuição do dinheiro das chamadas mais justa. 9 - São oferecidos serviços de jogo em linha transfronteiras em instalações licenciadas destinadas ao jogo (por exemplo, casinos, salões de jogos ou lojas de corretor) ao nível nacional? Em Portugal não Quais são as principais vantagens/dificuldades resultantes da coexistência, na UE, de sistemas e práticas nacionais diferentes para o licenciamento de serviços de jogo em linha? A principal dificuldade reside no facto de o jogo ter uma abordagem diferente face às realidades sociais e culturais de cada um dos Estados. Esta dificuldade leva, naturalmente, a que esta seja uma área em que tem de haver entendimento mínimo nas actuações, como o combate à criminalidade relacionada com o jogo. Contudo, e uma vez que há diferenças culturais e sociais em cada Estado, face ao jogo, deve manter-se a regulamentação deste, bem como as autorizações e licenças para a sua oferta, na esfera de cada um dos Estados Com destaque para as categorias acima mencionadas, como se encontram reguladas ao nível nacional as comunicações comerciais relativas a serviços de jogo em linha? Existem problemas específicos nessas comunicações comerciais transfronteiras?

4 A publicidade ao jogo é proibida e encontra-se vedada. Apenas os jogos da SCML têm publicidade lícita devido ao tipo de jogos que organizam e exploram. O problema que sucede é que os operadores ilegais violam também esta lei e por isso são muitos os patrocínios e publicidade que surgem relativos aos operadores ilegais, em especial nas competições desportivas Existem regulamentos nacionais específicos relativos aos sistemas de pagamento de serviços de jogo em linha? Como avalia esses regulamentos? O site dos Jogos Santa Casa tem um regulamento próprio que estabelece a existência de um cartão de jogador que possibilita aceder para apostar e receber os prémios, com base numa conta bancária portuguesa e domiciliada em Portuga As contas de jogador constituem um requisito necessário para a aplicação efectiva da lei e a protecção dos jogadores? É um bom requisito para a aplicação da lei, em especial para a protecção dos jogadores e sua identificação Quais são as normas e práticas nacionais vigentes em matéria de verificação dos clientes, sua aplicação a serviços de jogo em linha e sua compatibilidade com as normas em matéria de protecção dos dados? Como avalia essas normas e práticas? Existem problemas específicos associados à verificação dos clientes num contexto transfronteiras? Os Jogos Santa Casa são os únicos com um site legal de jogo em Portugal, que cumpre os mais avançados padrões de controlo e de transparência na exploração dos jogos Dispõe de provas de que os factores enunciados supra estão relacionados com o desenvolvimento do jogo compulsivo ou com o uso excessivo de serviços de jogos em linha, e/ou estão na sua origem? (se possível, estabeleça uma hierarquia, por favor) A verificação de quem está a jogar, há quanto tempo e quanto dinheiro está a movimentar, pode levar a uma diminuição do jogo compulsivo Dispõe de provas de que os instrumentos enunciados supra são essenciais e/ou eficientes para prevenir ou limitar o jogo compulsivo relacionado com os serviços de jogo em linha? (se possível, estabeleça uma hierarquia, por favor) Penso que sim. Se houver uma sensibilização da opinião pública para os problemas associados ao jogo e como prevenir esses comportamentos de risco, o número de pessoas doentes pode diminuir Dispõe de provas (por exemplo, estudos e dados estatísticos) sobre a dimensão do jogo compulsivo ao nível nacional ou da UE?

5 Não. A nível nacional os estudos divulgados na comunicação social em 2009 apontavam para cerca de viciados Existem estudos reconhecidos ou provas que demonstrem que o jogo em linha é potencialmente mais ou menos nocivo do que outras formas de jogo para pessoas susceptíveis de desenvolverem um comportamento patológico relativamente ao jogo? É de conhecimento geral que existem pessoas que estão a deixar de cumprir as suas obrigações para com as suas famílias e os seu trabalho porque se encontram a jogar, já tendo havido notícias de negligências graves motivadas pelo jogo em linha. Quase toda a gente que conheço já ouviu falar ou tem muito perto casos desses Há indícios que sugiram as formas de jogo em linha (tipos de jogo) mais problemáticas neste aspecto? O facto de o jogador estar isolado, sem qualquer tipo de controlo presencial, bem como o facto de o jogo estar sempre disponível é um apelo para que se jogue cada vez mais. Acresce que estes jogos estão cada vez mais atractivos e disponíveis Que medidas são tomadas a nível nacional para prevenir a dependência do jogo? (por exemplo, para assegurar a detecção precoce) Não sei. Mas, penso que o sistema de saúde nacional terá algumas respostas como tem para os toxicodependentes e para outro tipo de dependentes como os de jogo dado que parece ser tudo muito parecido. 21 Encontra-se disponível ao nível nacional o tratamento da dependência do jogo? Em caso afirmativo, em que medida os operadores de jogo em linha contribuem para o financiamento dessas acções preventivas e do tratamento? O sistema nacional de saúde tem resposta para o tratamento através do encaminhamento para a especialidade que mais se adaptar ao seu caso Qual é o nível de vigilância exigido pela regulamentação nacional neste domínio? (por exemplo, registo do comportamento dos jogadores em linha para detectar os prováveis jogadores patológicos) Vê-se nos locais de venda dos jogos das lotarias e apostas mútuas um sinal de proibição de venda de jogos a menores de idade, por ser um público mais vulnerável, havendo um controlo apertado na proibição de jogar dirigida aos jovens Em sua opinião, são os limites de idade para o acesso a serviços de jogo em linha no seu Estado-Membro, ou em qualquer outro, adequados para a consecução do objectivo prosseguido?

6 Por serem os menores de 18 anos um público mais vulnerável, esta proibição também é um meio para atingir os objectivos prosseguidos São impostos controlos de idade em linha? Qual o resultado da sua comparação com a identificação presencial fora de linha? Para jogar no site da Santa Casa é preciso ter um cartão associado a uma conta bancária e é preciso indicar a idade que em dúvida é confirmada, e isso impede os jovens que não tenham a idade legal permitida de jogar Como são regulamentadas as comunicações comerciais sobre serviços de jogo, tendo em vista a protecção dos menores ao nível nacional ou da UE? [por exemplo, no que se refere a limites a jogos promocionais concebidos como jogos de casino em linha, patrocínio de actividades desportivas, artigos promocionais (por exemplo, camisolas de equipas desportivas, jogos de computador, etc.) e a utilização de redes sociais em linha ou a partilha de vídeos para fins de comercialização]. Existem muitas promoções e concursos na televisão e na rádio a oferecer prémios em troca de um telefonema ou envio de sms, mas não são dirigidas aos menores de idade. A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa é a única exploradora de jogo em Portugal que pode fazer publicidade aos seus jogos. Todos os outros operadores ilegais que fazem publicidade encontram-se a violar a lei Que disposições regulamentares nacionais sobre condições de licenciamento e comunicações comerciais sobre serviços de jogo em linha contemplam estes riscos e visam proteger os consumidores vulneráveis? Como avalia essas normas e práticas? O facto de só existir um explorador em linha a SCML e de este ser controlado directamente pelo Estado, e de serem assegurados os controlos para protecção dos consumidores vulneráveis, dá garantias de que se visa o objectivo da protecção desses consumidores Tem conhecimento de estudos e/ou de dados estatísticos relativos à fraude e ao jogo em linha? Não, mas todos sabemos que muitos sites são conhecidos por serem meios para a lavagem de dinheiro, de actividades criminosas e fraudulentas e muito já foram relacionados com trafico de pessoas e terrorismo Existem regras sobre o controlo, a normalização e a certificação de equipamentos de jogo, geradores de números aleatórios ou outro suporte lógico no seu Estado-Membro?

7 Sim. Os equipamentos dos operadores legalizados (casinos e bingos) são certificados epal Inaspecção Gerla de jogos, bem como os equipamentos da Santa Casa da Misericórdia são certificados por organismos internacionais. As bolas dos sorteios por exemplo são verificadas no IPQ Em sua opinião, quais as melhores práticas para impedir os vários tipos de fraude (por operadores contra jogadores, jogadores contra operadores e jogadores contra jogadores) e apoiar os processos de queixa? Devia haver apoio jurídico gratuito e especializado nesses assuntos. A internet sendo um espaço anárquico por natureza necessita de ter regras muito apertadas para que se possa jogar online. Em Portugal só a Santa Casa da Misericórdia dá garantias de que os jogadores não são ludibriados e analisa todas as queixas que lhe são enviadas pelos jogadores lesados por operadores ilegais. O sistema português de haver apenas um explorador de jogo de lotarias e apostas mútuas é um sistema que assegura a verdade na exploração e organização destes jogos e que canaliza a procura de serviços de jogo dos meios ilegais para os legais No que se refere às apostas desportivas e ao falseamento de resultados, a que normas nacionais estão sujeitos os operadores de jogo em linha e as pessoas envolvidas em eventos desportivos/jogos para obviar a estas questões, em particular para prevenir «conflitos de interesses»? Tem conhecimento de dados ou estudos disponíveis sobre a amplitude deste problema? Não tenho conhecimento, mas foi conhecido um caso recente numa liga de futebol na Alemanha Que riscos existem de que um operador de apostas desportivas (em linha), que tenha celebrado um acordo de patrocínio com um clube desportivo ou uma associação, tente influenciar o resultado de um evento desportivo, directa ou indirectamente, no intuito de obter lucros? Há sempre riscos elevados, especialmente quando os operadores não se encontram controlados pelo Estado onde promovem os seus jogos. O melhor é haver uma separação entre patrocínios e a utilização de determinados eventos desportivos para jogos de apostas desportivas Que casos demonstraram formas de utilização do jogo em linha para fins de branqueamento de capitais? Não tenho informação Que sistemas de micro-pagamento necessitam de controlo regulamentar específico atendendo à sua utilização para serviços de jogo em linha?

8 Não tenho informação Tem experiência e/ou provas de melhores práticas de detecção e prevenção do branqueamento de capitais? Não. Mas a SCML está obrigada a cumprir a lei do branqueamento de capitais e comunica vários casos suspeitos às autoridades 36 - Existem elementos que demonstrem que o risco de branqueamento de capitais através do jogo em linha é particularmente elevado no contexto da organização dessas operações em sítios Web de redes sociais? Pode ser potenciado Existem requisitos nacionais em matéria de transparência no jogo em linha? São os mesmos aplicáveis à prestação transfronteiras de serviços de jogo em linha e, em sua opinião, são as normas em causa efectivamente aplicadas? Os requisitos de transparência decorrem dos controlos internos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, cujos jogos são destinados aos consumidores internos Existem outros esquemas de canalização de receitas de jogo para actividades de interesse público ao nível nacional ou da UE? Na UE desconheço, mas em Portugal há um diploma legal que regula a atribuição dos resultados líquidos dos jogos explorados pela Santa Casa da Misericórdia, em linha e off-line Existe um mecanismo específico como, por exemplo, um fundo, para a redistribuição das receitas serviços públicos e comerciais de jogo em linha em benefício da sociedade? Há um diploma legal que regula a atribuição dos resultados líquidos dos jogos explorados pela Santa Casa da Misericórdia, em linha e off-line, a um conjunto de fins denominados genericamente boas causas, tais como desporto, cultura, saúde, protecção civil, assistência, etc São os fundos devolvidos ou reafectados a medidas de prevenção e de tratamento da dependência do jogo? Há um diploma legal que regula a atribuição de parte substancial dos resultados líquidos dos jogos explorados pela Santa Casa da Misericórdia para área da saúde, que incluirá o tratamento das dependências.

9 41 - Quais são as proporções das receitas do jogo em linha provenientes de apostas desportivas reinvestidas em desportos ao nível nacional? Há um diploma legal que regula a atribuição de parte dos resultados líquidos dos jogos explorados pela Santa Casa da Misericórdia para área do desporto não profissional Beneficiam todas as disciplinas desportivas dos direitos de exploração do jogo em linha de forma semelhante à das corridas de cavalos? Em caso afirmativo, são esses direitos explorados? Em Portugal não Existem direitos de exploração do jogo em linha exclusivamente destinados a assegurar a integridade? Penso que uma das mais fortes razões para que o jogo esteja atribuído em regime de exclusivo à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa são as garantias que dá de integridade e transparência na organização dos seus jogos, tanto pela longa tradição da instituição (que tem mais de500 anos) como pela sua ligação umbilical ao Estado, através de controlos político, orçamental e de fiscalização na exploração do jogo Existem indícios que sugiram que o risco de «parasitismo» transfronteiras referido supra relativo aos serviços de jogo em linha está a reduzir as receitas das actividades de interesse público nacionais que dependem da canalização das receitas do jogo? Foi noticiado que a Bwin no patrocínio que fez à Liga Portuguesa de Futebol Profissional durante três anos provocou uma quebra nas receitas do jogo de apostas mútuas desportivas denominado Totobola. O Relatório e contas da SCML de 2010 consta que esta entregou ao Desporto 50 milhões de euros dos lucros de todo o jogo Existem obrigações de transparência que permitam que os jogadores sejam informados dos casos e da proporção em que os operadores de jogo canalizam receitas para actividades de interesse público? Em qualquer entrada num motor de busca na internet pode obter-se a informação sobre os valores percentuais e os próprios montantes destinados às várias finalidades de interesse público, nas diversas áreas desde o desporto, à cultura, saúde e assistência pública aos mais necessitados. Os relatórios e contas do Departamento de jogos da SCML são públicos Existe um organismo regulador no seu Estado-Membro? Quais são o seu estatuto, as suas competências e o seu âmbito de acção relativamente aos serviços de jogo em linha, na definição do presente livro verde?

10 O Governo é o responsável pela regulação dos jogos em Portugal, seja através da sua administração indirecta, como no caso dos jogos de casino e bingo (Instituto do Turismo), seja através da tutela governamental quanto aos jogos de lotarias e apostas Existe um registo nacional de operadores licenciados de serviços de jogo? No caso afirmativo, é acessível ao público? Quem é o responsável pela sua actualização? Não, uma vez que não há um sistema de licenças em Portugal Que formas de cooperação administrativa transfronteiras conhece nesta área e quais as questões específicas cobertas? Penso que os Estados-Membros cooperam a diversos níveis nas suas estruturas para troca de informações no combate ao crime e fraude, mas que essa cooperação tem que ser reforçada Tem conhecimento de uma cooperação reforçada, de programas educativos ou de sistemas de alerta precoce nestes termos, que visem o reforço da integridade no desporto e/ou o aumento da informação entre outras partes interessadas? Não É aplicado algum dos métodos supramencionados - ou outro meio técnico ao nível nacional para limitar o acesso aos serviços de jogo em linha ou restringir o pagamento de serviços? Tem conhecimento de alguma iniciativa transfronteiras que vise o reforço desses métodos? Como avalia a sua eficácia no domínio do jogo em linha? São conhecidos os métodos de barramento de sites e de pagamentos para impedir que os operadores ilegais continuem a actuar em prejuízo da economia formal Qual é a sua opinião sobre os méritos relativos dos métodos acima referidos, assim como de quaisquer outros meios técnicos, na limitação do acesso a serviços de jogo ou de serviços de pagamento? Penso que tem que haver uma actuação conjugada dos Estados na UE para que o crime e a fraude sejam combatidos conjuntamente, impedindo-se a oferta de jogos ilegais nos respectivos Estados, respeitando-se as suas diferenças culturais, morais e religiosas que são fundamento para que possam existir diferentes sistemas de jogo, mas compatíveis entre si, sem qualquer reconhecimento automático de licenças.

BRIEFING. Europeu e Concorrência

BRIEFING. Europeu e Concorrência SETEMBRO 2009 01 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DECIDE: LEGISLAÇÃO PORTUGUESA APLICÁVEL AOS JOGOS SOCIAIS DO ESTADO É COMPATÍVEL COM O DIREITO COMUNITÁRIO Em Portugal, os jogos de fortuna ou azar estão sujeitos a

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 22.6.2011 2011/2084(INI) PROJECTO DE RELATÓRIO sobre os jogos em linha no mercado interno (2011/2084(INI)) Comissão

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP) no âmbito da 1ª Conferência Internacional sobre Políticas

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Muitas firmas comerciais de Macau solicitam o fornecimento de

Leia mais

LISTA NEGRA DAS PRÁTICAS COMERCIAIS DESLEAIS. Que práticas são proibidas nesta lista?

LISTA NEGRA DAS PRÁTICAS COMERCIAIS DESLEAIS. Que práticas são proibidas nesta lista? LISTA NEGRA DAS PRÁTICAS COMERCIAIS DESLEAIS A directiva comunitária das práticas comerciais desleais (Directiva n.º 2005/29/CE, do Parlamento e do Conselho, de 11 de Maio transposta para a ordem jurídica

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL. 3816 Diário da República, 1.ª série N.º 138 18 de julho de 2012

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL. 3816 Diário da República, 1.ª série N.º 138 18 de julho de 2012 3816 Diário da República, 1.ª série N.º 138 18 de julho de 2012 4 Os direitos conferidos ao inventor no presente artigo não podem ser objeto de renúncia antecipada. 5 O não cumprimento das obrigações por

Leia mais

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A.

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Novembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA DE PROMOTORES O objectivo deste documento é o de fixar um código de conduta e um

Leia mais

.1 Comportamentos esperados

.1 Comportamentos esperados Normas de Conduta Normas de Conduta Este documento contém normas de conduta que devem ser respeitadas pelos diretores, auditores, líderes e todos os empregados do Grupo Pirelli, e também por todos que

Leia mais

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação Código de Ética da Parpública Âmbito de aplicação Aplica-se a todos os colaboradores da Parpública sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis ou a que por inerência do exercício

Leia mais

Branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo: Definições e explicações. E. Os processos

Branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo: Definições e explicações. E. Os processos Capítulo I Branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo: Definições e explicações A. O que é o branqueamento de capitais? B. O que é o financiamento do terrorismo? C. A ligação entre o branqueamento

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Índice Apresentação... 3 Principais Objectivos do Código... 3 Finalidade do Código de Ética... 4 Âmbito de Aplicação... 4 Serviço Público... 4 Missão... 5 Visão... 5 Responsabilidade

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA. Código de Conduta e Ética Rev00 de 02/12/2014 Página 1 de 13

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA. Código de Conduta e Ética Rev00 de 02/12/2014 Página 1 de 13 CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Código de Conduta e Ética Rev00 de 02/12/2014 Página 1 de 13 1. Introdução A actuação do Grupo 8, na qualidade de prestador de serviços de segurança privada pauta-se por valores

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão)

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão) COMISSÃO EUROPEIA DG Mercado Interno INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Seguros MARKT/2517/02 PT Orig. EN Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.10.2011 SEC(2011) 1218 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Resumo da Avaliação de Impacto que acompanha o documento Proposta de Regulamento do Parlamento

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:335508-2013:text:pt:html. Anúncio de concurso

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:335508-2013:text:pt:html. Anúncio de concurso 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:335508-2013:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: BEI - Consultor em matéria de projetos de escritório para prestar assistência

Leia mais

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza)

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Código de Conduta Empresarial da Nestlé 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Introdução Desde a sua fundação, as práticas comerciais da Nestlé

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:335509-2013:text:pt:html. Anúncio de concurso

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:335509-2013:text:pt:html. Anúncio de concurso 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:335509-2013:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: BEI - Controlador de projeto para custos, qualidade, planeamento e métodos

Leia mais

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA A informação de natureza económico-financeira exige o controlo e a revisão por parte de entidades idóneas, independentes e isentas.

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP) no âmbito da 1ª Conferência Internacional sobre Políticas

Leia mais

Módulo 21 Comércio Internacional

Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Módulo 21 Comércio Internacional Exportação e Importação Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 12.ºS Importação e Exportação A Exportação é a saída de

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.1.2010 COM(2009)708 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES sobre a aplicação

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1 / 8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:102558-2016:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Serviços de subscrição de periódicos, publicações informativas, bases de

Leia mais

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho REGULAMENTO DA 4ª EDIÇÃO DO CONCURSO "BES REALIZE O SEU SONHO" Capítulo I - Introdução e Objetivos 1.º(Introdução e Objetivos) O Concurso Realize o Seu

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas As alterações normativas recentes, quer a nível interno, quer a nível

Leia mais

A parte restante do presente Memorando de Entendimento expõe em pormenor o modo de concretizar esta lista de propósitos.

A parte restante do presente Memorando de Entendimento expõe em pormenor o modo de concretizar esta lista de propósitos. Memorando de Entendimento da Plataforma de Diálogo entre Partes Interessadas da UE sobre o acesso a obras por parte das pessoas com incapacidade de leitura de material impresso Dan Pescod (em nome da União

Leia mais

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Parte I: Assunto * 1. A Associação Novo Macau apresentou, em 11 de Setembro de 2012, uma queixa ao Comissariado contra a Corrupção

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o, L 268/24 REGULAMENTO (CE) N. o 1830/2003 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativo à rastreabilidade e rotulagem de organismos geneticamente modificados e à rastreabilidade

Leia mais

Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs)

Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs) Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs) AS COMUNICAÇÕES ENTRE ADVOGADO E CLIENTE SÃO ESTRITAMENTE CONFIDENCIAIS Este documento destina-se a abordar questões que possam surgir no decurso

Leia mais

de 9 de Março de 2005

de 9 de Março de 2005 24.3.2005 PT Jornal Oficial da União Europeia L 79/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. O 456/2005/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 9 de Março de 2005 que

Leia mais

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação)

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) L 271/38 ANEXO IV Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) Representação esquemática do princípio do empréstimo

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA Regulamento Contra a Violência, Racismo, Xenofobia e Intolerância (*) Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento visa o combate à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nas

Leia mais

CONCURSO EU QUERO 1 FIAT 500

CONCURSO EU QUERO 1 FIAT 500 CONCURSO EU QUERO 1 FIAT 500 As Tardes da Júlia 1. OBJECTIVOS. 1.1. O EU QUERO (1 FIAT 500) é um concurso publicitário que decorre entre as 14h00 do dia 15 de Janeiro de 2010 e as 16h00m do dia 22 de Janeiro

Leia mais

Supervisão Efectiva e Desenvolvimento do Mercado de Capitais Praia, Cabo Verde

Supervisão Efectiva e Desenvolvimento do Mercado de Capitais Praia, Cabo Verde 1 A LAVAGEM DE DINHEIRO E O MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS Supervisão Efectiva e Desenvolvimento do Mercado de Capitais Praia, Cabo Verde Outubro de 2010 James Reese, CFE Gabinete de Cumprimento de Regras,

Leia mais

Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT

Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT A análise do quadro jurídico para a ratificação da Convenção 102 da OIT por Cabo Verde, inscreve-se no quadro geral da cooperação técnica prestada

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS. Decreto n.º 25/95 Acordo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América Relativo à Assistência Mútua entre os Respectivos Serviços Aduaneiros Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte

Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte Proteção de dados É do conhecimento do contratante que, não só a informação referente à empresa particularmente informação referente

Leia mais

Edição A. Código de Conduta

Edição A. Código de Conduta Edição A Código de Conduta -- A 2011.09.26 1 de 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 2 PRINCÍPIOS E NORMAS GERAIS... 2 a) Trabalho Infantil... 2 b) Trabalho forçado... 2 c) Segurança e bem-estar no local de trabalho...

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: BEI - Prestador de serviços especializado em «Serviços de consultoria em matéria de continuidade de negócio» 2013/S 140-242795

Luxemburgo-Luxemburgo: BEI - Prestador de serviços especializado em «Serviços de consultoria em matéria de continuidade de negócio» 2013/S 140-242795 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:242795-2013:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: BEI - Prestador de serviços especializado em «Serviços de consultoria

Leia mais

É precisamente nestas alturas que temos de equacionar todos os meios possíveis para tornar viáveis, nomeadamente, os museus.

É precisamente nestas alturas que temos de equacionar todos os meios possíveis para tornar viáveis, nomeadamente, os museus. Museus Novos produtos para novos públicos António Ponte Paço dos Duques de Bragança PORTO, 2011-11-07 Ao iniciar esta apresentação quero agradecer o convite que nos foi endereçado para apresentar a situação

Leia mais

Lei da Cópia Privada

Lei da Cópia Privada Lei da Cópia Privada 2 O presente documento não dispensa a consulta do diploma publicado no Diário da República. LEI DA CÓPIA PRIVADA Lei da Cópia Privada Versão Consolidada www.vda.pt 3 ÍNDICE 1. Lei

Leia mais

newsletter Nº 86 MARÇO / 2014

newsletter Nº 86 MARÇO / 2014 newsletter Nº 86 MARÇO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Fevereiro de 2014 2 Contabilização de Swaps de Taxa de Juro 3 Revisores e Auditores 8 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Ministério da Solidariedade,

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA 1. Preâmbulo O perfil das empresas e a sua imagem estão cada vez mais interligados não só com o desempenho económico e financeiro, mas também com o quadro de valores, princípios

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 315/X DETERMINA A DERROGAÇÃO DO SIGILO BANCÁRIO COMO INSTRUMENTO PARA O COMBATE À FRAUDE FISCAL

PROJECTO DE LEI N.º 315/X DETERMINA A DERROGAÇÃO DO SIGILO BANCÁRIO COMO INSTRUMENTO PARA O COMBATE À FRAUDE FISCAL PROJECTO DE LEI N.º 315/X DETERMINA A DERROGAÇÃO DO SIGILO BANCÁRIO COMO INSTRUMENTO PARA O COMBATE À FRAUDE FISCAL Exposição de motivos No seu Programa de candidatura e depois no Programa de Governo o

Leia mais

(a) Data de autorização do Organismo de Investimento Colectivo no Estado-Membro de Origem e data de início da comercialização em Portugal:

(a) Data de autorização do Organismo de Investimento Colectivo no Estado-Membro de Origem e data de início da comercialização em Portugal: CONDIÇÕES PARTICULARES DO DISTRIBUIDOR referente à comercialização em Portugal, pelo Deutsche Bank AG - Sucursal em Portugal de acções da PIONEER FUNDS (a) Data de autorização do Organismo de Investimento

Leia mais

Textos aprovados 131k 57k

Textos aprovados 131k 57k 1 de 5 05-03-2012 18:18 Index Anterior Seguinte Texto integral Processo : 2008/2215(INI) Ciclo relativo ao documento : A6-0064/2009 Textos apresentados : A6-0064/2009 Debates : PV 09/03/2009-22 Votação

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo [Página 1 capa] Utilizar da melhor forma os fundos estruturais URBAN II Em apoio do comércio e do turismo O que é e sugestões para candidaturas a projectos bem sucedidas Com esta publicação, a DG Empresa

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: Convite à manifestação de interesse relativo a serviços de auditoria externa para grupos políticos europeus 2013/S 248-431852

Luxemburgo-Luxemburgo: Convite à manifestação de interesse relativo a serviços de auditoria externa para grupos políticos europeus 2013/S 248-431852 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:431852-2013:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Convite à manifestação de interesse relativo a serviços de auditoria

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO Preâmbulo A Universidade do Porto, doravante designada UP, considera que a protecção e valorização dos resultados de I&D e de outras actividades

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 2011/2307(INI) 9.3.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a dádiva voluntária e não remunerada de tecidos e células

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS DIRECTRIZES DA APORMED AOS SEUS ASSOCIADOS SOBRE AS INTERACÇÕES COM OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E O MERCADO DE PRODUTOS DE SAÚDE Documento aprovado na Assembleia-Geral

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Artigo: 6º Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Artigo: 6º Assunto: Diploma: Artigo: 6º Assunto: CIVA FICHA DOUTRINÁRIA Localização de operações - Serviços por via eletrónica - Desenvolvimento de aplicações para dispositivos móveis que são publicadas em lojas online -

Leia mais

SPORTINGBET: PÁGINA DE JOGO RESPONSÁVEL

SPORTINGBET: PÁGINA DE JOGO RESPONSÁVEL OBSERVATÓRIO TRANSNACIONAL DE JOGO REMOTO Transparência Responsabilidade Social Corporativa A protecção dos consumidores exige a fixação de parâmetros rigorosos que garantam a idoneidade dos operadores.

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Março 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:299833-2013:text:pt:html Espanha-Alicante: Serviços de consultoria geral, auditoria, gestão de projetos e estudos 2013/S

Leia mais

PROGRAMA DE INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO EM MATÉRIA DE DROGA (2007-20013) CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS 2007 (PROGRAMAS ESPECÍFICOS TRANSNACIONAIS)

PROGRAMA DE INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO EM MATÉRIA DE DROGA (2007-20013) CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS 2007 (PROGRAMAS ESPECÍFICOS TRANSNACIONAIS) PROGRAMA DE INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO EM MATÉRIA DE DROGA (2007-20013) CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS 2007 (PROGRAMAS ESPECÍFICOS TRANSNACIONAIS) Este convite à apresentação de propostas tem por objectivo

Leia mais

O branqueamento de capitais afecta o desenvolvimento

O branqueamento de capitais afecta o desenvolvimento Capítulo II O branqueamento de capitais afecta o desenvolvimento A. As consequências negativas para os países em desenvolvimento 1. Aumento do crime e da corrupção 2. Consequências internacionais e investimento

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES NEGOCIAIS LEILÕES ONLINE

TERMOS E CONDIÇÕES NEGOCIAIS LEILÕES ONLINE TERMOS E CONDIÇÕES NEGOCIAIS LEILÕES ONLINE A BIDDING LEILÕES, Lda., adiante designada e identificada, apenas por Bidding Leilões, sujeita a sua atividade leiloeira online, aos Termos e Condições Negociais

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 17.2.2005 C 40/9 BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 4 de Fevereiro de 2005 solicitado pelo Conselho da União Europeia sobre uma proposta de directiva do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Regulamentos CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Secção Permanente do Senado de 16 de Novembro de 2005 Exposição de Motivos O desenvolvimento de um projecto de qualidade educativa

Leia mais

Condições Gerais Programa de fidelidade O CLUBE FITNESSBOUTIQUE Junho 2011

Condições Gerais Programa de fidelidade O CLUBE FITNESSBOUTIQUE Junho 2011 Condições Gerais Programa de fidelidade O CLUBE FITNESSBOUTIQUE Junho 2011 O programa de fidelidade O Clube Fitnessboutique foi criado pela Sociedade Netquattro SAS, Sociedade anónima com um capital de

Leia mais

Associação Portuguesa de Psicoterapia Centrada na Pessoa e de Counselling. Código Deontológico

Associação Portuguesa de Psicoterapia Centrada na Pessoa e de Counselling. Código Deontológico Associação Portuguesa de Psicoterapia Centrada na Pessoa e de Counselling Código Deontológico Art. 1 Princípios Gerais 1. O Psicoterapeuta e o Counsellor alicerçam as suas actividades profissionais no

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Exposição de motivos A importância das Bibliotecas Públicas As Bibliotecas Públicas são um serviço público essencial

Leia mais

Treinamento de Prevenção a Lavagem de Dinheiro

Treinamento de Prevenção a Lavagem de Dinheiro Treinamento de Prevenção a Lavagem de Dinheiro 1. Introdução Esse treinamento visa orientar os colaboradores, parceiros, fornecedores, terceiros e pessoas com as quais mantém relacionamento comercial com

Leia mais

Política de Subcontratação

Política de Subcontratação 1. Introdução O presente documento define a Política de Subcontratação adoptada pelo Banco Espírito Santo de Investimento, S.A. ( BES Investimento ou Banco ). A Política de Subcontratação baseia-se na

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Condições de utilização para a MediaPedia. 1 Generalidades/definições. 2 Objecto. 3 Registo, palavra-passe

Condições de utilização para a MediaPedia. 1 Generalidades/definições. 2 Objecto. 3 Registo, palavra-passe Condições de utilização para a MediaPedia 1 Generalidades/definições 1. A MediaPedia é um serviço que permite a publicação gratuita na plataforma de informação MediaPedia, bem como o acesso a contribuições

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal nas áreas da cultura, da acção social, das actividades

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal concretizado, designadamente através de políticas de desenvolvimento cultural,

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO

Leia mais

Termos de Utilização - 11-06-2012 by jenniferkarg - Entendendo a Radiação Médica - http://medicalradiation.preview.spiritlink.de?

Termos de Utilização - 11-06-2012 by jenniferkarg - Entendendo a Radiação Médica - http://medicalradiation.preview.spiritlink.de? Termos de Utilização by jenniferkarg - Tuesday, November 06, 2012 http://medicalradiation.preview.spiritlink.de/servico/termos-de-utilizacao/?lang=pt-br 1. Escopo 1.1 O uso destas páginas de internet fornecidas

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

Práticas de. Responsabilidade Social. nas Organizações da. Economia social. Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria. Lucinda Maria Pereira Lopes

Práticas de. Responsabilidade Social. nas Organizações da. Economia social. Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria. Lucinda Maria Pereira Lopes Práticas de Responsabilidade Social nas Organizações da Economia social Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria Lucinda Maria Pereira Lopes A responsabilidade social das empresas é, essencialmente, um

Leia mais

CLUB MED TERMOS E CONDIÇÕES DO CONCURSO O MEU Val Thorens Janeiro 2014. Índice

CLUB MED TERMOS E CONDIÇÕES DO CONCURSO O MEU Val Thorens Janeiro 2014. Índice Terms and Conditions_PORTUGAL.doc CLUB MED TERMOS E CONDIÇÕES DO CONCURSO O MEU Val Thorens Janeiro 2014 Índice ARTIGO 1. PROMOTOR E LEI APLICÁVEL... 1 ARTIGO 2. CONDIÇÕES DA PARTICIPAÇÃO... 1 2.1 CONDIÇÕES

Leia mais

Contributo da ANAon para a Legislaça o do Jogo Online

Contributo da ANAon para a Legislaça o do Jogo Online Contributo da ANAon para a Legislaça o do Jogo Online Associação Nacional de Apostadores Online Argumentação principal: A ANAon (Associação Nacional de Apostadores On-line) é uma associação sem fins lucrativos,

Leia mais

BWIN: PÁGINA DE JOGO RESPONSÁVEL

BWIN: PÁGINA DE JOGO RESPONSÁVEL OBSERVATÓRIO TRANSNACIONAL DE JOGO REMOTO Transparência Responsabilidade Social Corporativa A protecção dos consumidores exige a fixação de parâmetros rigorosos que garantam a idoneidade dos operadores.

Leia mais

O bem estar do seu pet é a principal preocupação da PURINA PORTUGAL. Este objetivo

O bem estar do seu pet é a principal preocupação da PURINA PORTUGAL. Este objetivo O serviço PETSHARING O bem estar do seu pet é a principal preocupação da PURINA PORTUGAL. Este objetivo é partilhado por toda uma comunidade de PETLOVERS. Neste sentido foi criada a Plataforma de PETSHARING,

Leia mais

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 13.1 - Aspectos preliminares As demonstrações financeiras consolidadas constituem um complemento e não um substituto das demonstrações financeiras individuais

Leia mais

SÍNTESE a SÍNTESE. Janet Murdock NOVEMBRO 2009. Understanding conflict. Building peace.

SÍNTESE a SÍNTESE. Janet Murdock NOVEMBRO 2009. Understanding conflict. Building peace. SÍNTESE a Governação de Recursos Naturais em São Tomé e Príncipe: Um Estudo de Caso sobre a Supervisão e Transparência das Receitas Petrolíferas SÍNTESE Janet Murdock NOVEMBRO 2009 Understanding conflict.

Leia mais