DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento"

Transcrição

1 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, SEC(2011) 1218 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Resumo da Avaliação de Impacto que acompanha o documento Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho relativo ao abuso de informação privilegiada e à manipulação de mercado (abuso de mercado) e Proposta de Directiva do Parlamento Europeu e do Conselho relativa às sanções aplicáveis ao abuso de informação privilegiada e à manipulação de mercado (abuso de mercado) {COM(2011) 651 final} {SEC(2011) 1217 final}

2 1. DEFINIÇÃO DO PROBLEMA A directiva relativa ao abuso de mercado (DAM) tem por objectivo aumentar a confiança dos investidores e a integridade do mercado, proibindo aqueles que possuem informação privilegiada de negociar os instrumentos financeiros relacionados com essa informação («operações de iniciados») e a manipulação dos mercados através de práticas como a divulgação de falsas informações ou de rumores e a realização de actividades que induzam preços a níveis anormais («manipulação de mercado»). A DAM cria alguns instrumentos para prevenir e detectar os abusos de mercado, como, por exemplo, listas de iniciados, comunicação de operações suspeitas e divulgação das operações de bolsa efectuadas pelos gestores. Além disso, obriga os emitentes de instrumentos financeiros negociados num mercado regulamentado a divulgarem publicamente, com a maior brevidade, as informações privilegiadas que detenham, sendo limitadas as possibilidades de atraso dessa divulgação. A fim de promover o seu cumprimento, a directiva confere às autoridades nacionais competentes poderes para investigar, tomar medidas administrativas e impor sanções «eficazes, proporcionadas e dissuasivas». A DAM introduziu um quadro para a harmonização de conceitos e regras de base sobre o abuso de mercado e para reforçar a cooperação entre as autoridades reguladoras. No entanto, os serviços da Comissão detectaram uma série de problemas que serão examinados mais adiante Lacunas na regulamentação de novos mercados, plataformas e instrumentos do mercado fora da bolsa Quando um instrumento financeiro é admitido à negociação num mercado regulamentado, qualquer negociação relativa a esse instrumento é abrangida pela DAM quer a sua negociação ocorra num sistema de negociação multilateral (MTF - «multilateral trading facility»), num sistema electrónico de intermediação (rede cruzada) ou seja efectuada fora da bolsa (OTC - «over-the-counter»). Além disso, no caso das operações de iniciados (embora não no da manipulação de mercado), a proibição abrange igualmente os instrumentos financeiros não admitidos para negociação num mercado regulamentado, mas cujo valor dependa de um instrumento financeiro deste tipo. No entanto, a importância dos instrumentos negociados em mercados regulados foi ultrapassada pela evolução do mercado. O aumento da concorrência e da utilização de tecnologia conduziu a uma maior utilização dos MTF e de outros sistemas organizados de negociação (como redes cruzadas) para negociar instrumentos. Por outro lado, os mercados OTC multiplicaram-se. Se um instrumento não for admitido à negociação num mercado regulamentado, mas for negociado apenas num MTF, noutro tipo de sistema ou fora da bolsa não será abrangido pela DAM. Também foi expressa a preocupação de que a cada vez maior fragmentação da negociação através de vários mercados diferentes possa inibir a efectiva aplicação PT 2 PT

3 das normas e de que diferentes níveis de vigilância, em função da natureza do sistema, possam criar condições de concorrência desiguais. Por último, perante a tendência cada vez maior para a negociação informatizada e de alta frequência são colocadas questões sobre o modo como as autoridades reguladoras controlam essa negociação e sobre se a DAM considera adequadamente estratégias específicas que possam concretizar práticas abusivas Lacunas na regulamentação dos mercados de mercadorias e nos mercados de derivados sobre mercadorias O abuso de mercado pode ocorrer em diversos mercados e atravessar fronteiras, o que suscita problemas específicos em relação aos mercados de mercadorias e nos mercados de derivados sobre mercadorias relacionados, uma vez que as regras de integridade e de transparência do mercado são aplicáveis aos mercados de derivados, mas não aos mercados subjacentes. Actualmente, a DAM não impõe que as autoridades de supervisão financeira tenham em conta a evolução dos mercados físicos de mercadorias quando controlam os mercados financeiros para detectar eventuais abusos de mercado, ou cooperem e troquem informações com as autoridades reguladoras dos mercados físicos da UE ou de países terceiros. Esta falta de cooperação entre as autoridades reguladoras dos mercados físicos e financeiros poderá comprometer a integridade destes mercados. Os mercados de mercadorias não estão sujeitos às mesmas normas de transparência e de integridade para a actividade de negociação que as aplicáveis aos mercados financeiros. É proibida a negociação de derivados que distorça o preço dos instrumentos financeiros. Contudo, a definição actualmente vigente de manipulação de mercado não abrange a negociação de derivados que distorça os preços dos mercados físicos nem a negociação em mercados físicos que distorça os preços dos instrumentos financeiros. As autoridades reguladoras manifestaram receio de que os mercados de derivados fossem utilizados para manipular os mercados de mercadorias subjacentes. Além disso, não existem normas gerais que especifiquem o tipo de informação que deve ser divulgada nos mercados de mercadorias, sendo preocupante a falta de transparência relativamente à informação fundamental nestes mercados. Esta situação constitui um problema para os investidores nos mercados de instrumentos derivados sobre mercadorias, uma vez que o valor de um derivado é determinado em grande medida pelo instrumento ou mercadoria subjacente; é também um problema para as autoridades de supervisão, que não podem controlar as operações nestes mercados para detectar eventuais abusos As autoridades reguladoras não podem garantir o cumprimento efectivo Em primeiro lugar, as autoridades reguladoras não dispõem de alguns poderes imprescindíveis para detectar abusos de mercado, nomeadamente, não recebem relatórios sobre operações suspeitas relativas a derivados OTC, apesar de estas poderem ser utilizadas para abuso de mercado. As autoridades reguladoras de alguns Estados-Membros não têm poderes para obter os registos de dados telefónicos dos operadores de telecomunicações que constituiriam provas necessárias para a instrução da investigação e a cominação de sanções de situações de abuso de mercado, designadamente no caso de operações de iniciados. Como consequência, PT 3 PT

4 determinados abusos do mercado sujeitos a sanções administrativas podem permanecer impunes por não terem sido detectados. O acesso aos referidos dados constitui um instrumento essencial para que as autoridades reguladoras financeiras possam levar a cabo as suas tarefas de investigação e de controlo. Algumas autoridades reguladoras não dispõem de poderes para entrar em instalações privadas e proceder à apreensão de documentos. Além disso, as autoridades reguladoras podem ser impedidas de aceder a importantes informações de base facultadas por informadores internos sobre operações suspeitas, pelo facto de este tipo de fontes de informação não beneficiar de qualquer incentivo nem estar suficientemente protegido. Por outro lado, as autoridades reguladoras não dispõem de instrumentos para tratar as «tentativas de manipulação de mercado», sempre que uma pessoa tenta manipular o mercado, mas não o consegue. Em segundo lugar, nem todas as autoridades competentes têm à sua disposição um leque completo de poderes que lhes permita responder a todos os abusos através da adequada sanção. Por exemplo, em oito Estados-Membros, as autoridades competentes não podem retirar as licenças em caso de violação. Noutros Estados- Membros, o nível das coimas pode ser considerado baixo e insuficientemente dissuasivo. Quando os benefícios relativos a um abuso de mercado são mais elevados do que as sanções previstas, o efeito dissuasivo das sanções é prejudicado. Além disso, nem todas as autoridades competentes garantem a publicação das sanções impostas, o que constitui um factor importante para a sua aplicação efectiva. Por último, em alguns Estados-Membros, não estão previstas sanções penais, que têm um notável efeito dissuasivo, para certos delitos relativos a operações de iniciados e a manipulações de mercado. Estas disparidades põem em causa o mercado único, deixam margem para a arbitragem reguladora e complicam a cooperação transfronteiras entre as autoridades de aplicação da lei Falta de clareza e de certeza jurídicas A DAM inclui determinadas opções e faculdades, bem como disposições que deixam uma margem de interpretação na aplicação prática. Estas divergências e ambiguidades deram lugar a uma heterogeneidade na aplicação de normas nos Estados-Membros. O relatório De Larosière identifica as opções e faculdades como causa das distorções da concorrência e da arbitragem reguladora que, por esse motivo, funcionam como obstáculos ao funcionamento eficaz do mercado único. Este aspecto diz respeito, nomeadamente, ao conceito de práticas de mercado aceites, à divulgação da informação privilegiada pelos emitentes e à obrigação de os responsáveis pela gestão dos emitentes comunicarem as suas operações relativas a instrumentos financeiros Cargas administrativas desproporcionadas para os emitentes, especialmente as PME Foi expressa a preocupação de que poucas PME procuram obter capitais nos mercados de valores mobiliários. Esta situação pode ser parcialmente justificada pelo facto de os custos iniciais e correntes da cotação na bolsa serem superiores aos benefícios e porque a legislação da UE constitui um obstáculo demasiado imponente para as PME que pretendem aceder aos mercados financeiros. Se o âmbito de aplicação da DAM fosse alargado aos MTF sem qualquer adaptação, as PME cotadas nesses mercados teriam de suportar custos mais elevados do que os actuais, uma vez PT 4 PT

5 que em vários Estados-Membros os mercados das PME beneficiam de um regime adaptado que permite manter os seus custos baixos. As partes interessadas assinalaram como particularmente problemático a este respeito as obrigações de divulgar informações sensíveis a nível de preços, elaborar listas de iniciados e a comunicação de operações efectuadas pelos gestores. Considera-se que estas obrigações criam despesas e cargas administrativas significativas que sobrecarregam as empresas cotadas de menor dimensão. 2. CENÁRIO DE BASE E SUBSIDIARIEDADE Se não forem tomadas medidas a nível da UE, é provável que os problemas expostos supra continuem sem uma resposta coordenada e se reproduzam no futuro. Como consequência, alguns mercados e operações não seriam abrangidos por normas sobre o abuso de mercado, pelo que alguns abusos ficariam impunes ou seriam objecto de sanções insuficientes e as cargas administrativas resultantes de disparidades entre as legislações nacionais persistiriam. Apesar de todos os problemas já mencionados terem implicações de relevo para cada Estado-Membro, o seu impacto global só pode ser plenamente considerado num contexto transfronteiras. Com efeito, o abuso de mercado pode ocorrer em qualquer mercado, regulamentado ou fora da bolsa, em que esse instrumento seja negociado havendo, assim, um risco real de as respostas nacionais ao abuso de mercado serem eludidas ou ineficazes, se não houver qualquer acção a nível da UE,. Além disso, é essencial uma abordagem coerente para evitar a arbitragem regulamentadora. Neste contexto, a acção da UE parece adequada em termos do princípio da subsidiariedade. O princípio da proporcionalidade exige que todas as intervenções sejam específicas e que não excedam o necessário para alcançar os objectivos. Tanto a identificação de opções alternativas como toda a análise e comparação das opções têm sido regidas por este princípio. 3. OBJECTIVOS Tendo em conta a análise do problema, os objectivos gerais da revisão da directiva relativa ao abuso de mercado são melhorar a integridade do mercado e a protecção dos investidores, assegurando simultaneamente um único conjunto de normas e condições de concorrência equitativas e tornar os mercados de valores mobiliários mais atractivos para a mobilização de capitais para as PME. Para alcançar esses objectivos gerais é necessário realizar os seguintes objectivos específicos: (1) Garantir que a legislação seja adaptada à evolução do mercado; (2) Assegurar a aplicação efectiva das normas relativas ao abuso de mercado; (3) Melhorar a eficácia do regime relativo ao abuso de mercado, garantindo uma maior clareza e segurança jurídicas; (4) Reduzir, sempre que possível, as cargas administrativas, especialmente para as PME. PT 5 PT

6 4. OPÇÕES DE ACÇÃO POLÍTICA As opções são agrupados em função dos objectivos operacionais decorrentes dos objectivos específicos mencionados supra Prevenir os abusos de mercado em mercados organizados, plataformas e operações OTC (5) Opção 1 Nenhum acção da UE. (6) Opção 2 Alargar as normas relativas aos abusos de mercado aos swaps de risco de incumprimento (credit default swaps - CDS). (7) Opção 3 Alargar as normas relativas à manipulação de mercado aos instrumentos OTC. (8) Opção 4 Alargar as normas relativas ao abuso de mercado aos instrumentos admitidos à negociação apenas em MTF. (9) Opção 5 Alargar as normas relativas ao abuso de mercado aos instrumentos admitidos à negociação apenas noutros sistemas de negociação (excepto MTF). (10) Opção 6 Alargar as normas relativas ao abuso de mercado aos instrumentos OTC negociados (bilateral). (11) Opção 7 - Melhorar a supervisão da negociação informatizada de alta frequência. (12) Opção 8 Melhorar a supervisão das empresas de investimento que gerem sistemas de negociação, nomeadamente MTF Prevenir os abusos de mercado em mercados de mercadorias e mercados de instrumentos derivados relacionados (2) Opção 2 Alargar as definições de informação privilegiada e de manipulação de mercado, a fim de incluir a contratos à vista de mercadorias. (3) Opção 3 - Definir informação privilegiada para instrumentos derivados sobre mercadorias. (4) Opção 4 Impor a obrigação de os operadores do mercado à vista responderem a pedidos de informação das autoridades competentes. (5) Opção 5 Promover a cooperação internacional entre as autoridades reguladoras dos mercados financeiros e físicos. (6) Opção 6 - Exigir que os emitentes de instrumentos derivados sobre mercadorias publiquem informações sensíveis em matéria de preços. PT 6 PT

7 (7) Opção 7 - Clarificar a manipulação de mercado no que se refere aos instrumentos derivados sobre mercadorias Assegurar que as autoridades reguladoras disponham das competências e informações necessárias para garantir uma aplicação eficaz (2) Opção 2 Introduzir a comunicação de ordens suspeitas e de operações OTC suspeitas. (3) Opção 3 Proibir as tentativas de manipulação de mercado. (4) Opção 4 - Assegurar o acesso aos dados e registos de chamadas telefónicas dos operadores de telecomunicações, com o objectivo de investigar os abusos de mercado e estabelecer as respectivas sanções, sob reserva de um mandado judicial. (5) Opção 5 Assegurar o acesso a instalações privadas para apreensão de documentos, com o objectivo de investigar os abusos de mercado e estabelecer as respectivas sanções, sob reserva de um mandado judicial. (6) Opção 6 - Proteger e criar incentivos para os informadores internos Assegurar sanções coerentes, eficazes e dissuasivas (2) Opção 2 Normas mínimas comuns relativas a medidas e sanções administrativas. (3) Opção 3 - Medidas e sanções administrativas uniformes. (4) Opção 4 Instauração de sanções penais. (5) Opção 5 Normas mínimas comuns para as sanções penais. (6) Opção 6 - Melhorar a aplicação das sanções Reduzir ou eliminar as opções e faculdades (2) Opção 2 - Harmonizar as práticas de mercado aceites. (3) Opção 3 - Eliminar as práticas de mercado aceites e reduzir progressivamente as práticas existentes Clarificar certos conceitos fundamentais PT 7 PT

8 (2) Opção 2 - Clarificar as condições para atraso da divulgação de informação privilegiada. (3) Opção 3 - Comunicar atrasos na divulgação de informação privilegiada. (4) Opção 4 - Determinar as condições relativas a atrasos na divulgação em caso de importância sistémica. (5) Opção 5 - Clarificar a divulgação de operações efectuadas pelos gestores Redução das cargas administrativas, em especial, para as PME (2) Opção 2 - Regime de divulgação de informação privilegiada para as PME. (3) Opção 3 - Isenção das PME da divulgação de informação privilegiada. (4) Opção 4 Harmonizar listas de iniciados. (5) Opção 5 - Isenção das PME de estabelecer listas de iniciados. (6) Opção 6 Suprimir a comunicação das operações efectuadas pelos gestores. (7) Opção 7 Harmonizar os requisitos de comunicação das operações efectuadas pelos gestores e aumentar o limiar para todos os emitentes, incluindo as PME. (8) Opção 8 - Regime aplicável às PME para a comunicação das operações efectuadas pelos gestores. 5. AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DAS OPÇÕES PREFERIDAS As diferentes opções foram consideradas à luz da sua eficácia e eficiência para a prossecução dos correspondentes objectivos. Da comparação das várias opções decorrem as seguintes conclusões: Mercados organizados, plataformas e operações OTC: preferiu-se a opção que combina as opções 2, 3, 4, 5, 7 e 8. A combinação das opções 4, 5 e 8 garante condições de concorrência equitativas, um elevado nível de protecção dos investidores e a integridade do mercado para os instrumentos financeiros, independentemente do local em que estes sejam admitidos à negociação. A combinação das opções 2 e 3 garante que a manipulação de mercado de instrumentos subjacentes através de instrumentos derivados OTC, como os CDS, também seja claramente proibida. A opção 7 permite facilitara tarefa das autoridades reguladoras na detecção e cominação de sanções de práticas de manipulação através da negociação de alta frequência. Derivados sobre mercadorias: preferiu-se a opção que combina as opções 3, 4, 5 e 7. Combinadas, estas opções clarificarão as proibições e definições actualmente existentes, garantindo que sejam contempladas todas as estratégias de PT 8 PT

9 manipulação com vários instrumentos e oferecendo aos investidores condições de concorrência equitativas. Em termos de custos, a cobertura poderá tornar-se mais dispendiosa para os produtores, e as autoridades de supervisão terão de investir no processamento de dados adicionais e em instrumentos de monitorização. No que respeita aos benefícios, passará a ser claro para os investidores quais as informações que podem esperar receber e como devem actuar nos mercados de derivados. Poderes das autoridades reguladoras: preferiu-se a opção que combina as opções 2, 3, 4, 5 e 6. A combinação destas opções deverá assegurar que as autoridades reguladoras tenha os poderes adequados para detectarem abusos do mercado, nomeadamente facilitando a detecção de operações e ordens OTC suspeitas e estabelecendo sanções para as tentativas de manipulação de mercado. Deve garantir-se que, quando haja motivos razoáveis para suspeitar de abuso de mercado, as autoridades competentes tenham poderes para aceder aos registos de dados telefónicos dos operadores de telecomunicações e para entrar em instalações privadas respeitando algumas das garantias previstas pela directiva relativa à privacidade e às comunicações electrónicas e pela Carta dos Direitos Fundamentais. Por último, através deste conjunto de disposições será melhorada a detecção, prevendo-se além de protecção contra as represálias, alguns incentivos quando haja denúncia de irregularidades. Sanções: preferiu-se a opção que combina as opções 2, 4 e 6. Estas opções, que se reforçam mutuamente, assegurariam sanções efectivas, proporcionadas e dissuasivas no âmbito de abuso de mercado. Em conformidade com o artigo 83.º, n.º 2, do Tratado (TFUE), a cominação de sanções penais para infracções de iniciados e de manipulação de mercado, tal como definidas a nível da União, é considerada essencial e proporcional para o funcionamento do mercado interno. Opções e faculdades: a opção preferida é a opção 3. A implementação desta opção reduziria uma fonte de insegurança jurídica, clarificaria o quadro jurídico aplicável e representaria um passo em frente na criação de um conjunto único de normas ao nível da UE. Conceitos fundamentais: preferiu-se a opção que combina as opções 3, 4 e 5. A combinação destas opções asseguraria uma maior certeza jurídica em matéria de atrasos na divulgação da informação e das operações efectuadas pelos gestores, eliminando simultaneamente uma opção na directiva. PME/carga administrativa: preferiu-se a opção que combina as opções 2, 4, 5 e 7. Estas quatro opções reduziriam globalmente as cargas administrativas decorrentes das exigências relativas ao abuso de mercado e estabeleceriam um regime específico de abuso de mercado para as PME, permitindo a redução da sua carga administrativa. 6. ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO A Comissão acompanhará o modo como os Estados-Membros aplicam as alterações propostas na iniciativa legislativa relativa ao abuso de mercado. A avaliação das consequências da aplicação da medida legislativa poderá fazer-se três anos após a sua entrada em vigor, no PT 9 PT

10 contexto de um relatório ao Conselho e ao Parlamento. Esse relatório poderia basear-se em dados facultados pelas autoridades nacionais competentes em matéria de sanções relativas a abusos de mercado e num relatório da AEVMM sobre a experiência adquirida pelas autoridades reguladoras. PT 10 PT

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, xxx SEC (2010) xxx final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha a Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) 10651/16 EF 206 ECOFIN 654 DELACT 127 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 24 de junho de 2016 para: n. doc. Com.: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias

Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 217/18 PT DIRECTIVA 98/48/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Julho de 1998 que altera a Directiva 98/34/CE relativa a um procedimento de informação no domínio das normas e regulamentações

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 27.3.2014 SWD(2014) 119 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha o documento Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários DOCUMENTO DE TRABALHO. sobre os fundos hedge e os instrumentos derivados

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários DOCUMENTO DE TRABALHO. sobre os fundos hedge e os instrumentos derivados PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários 5 de Agosto de 2003 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre os fundos hedge e os instrumentos derivados Comissão dos Assuntos Económicos e

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto:

Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999 P. 0012-0016. Texto: Directiva 1999/44/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Maio de 1999, relativa a certos aspectos da venda de bens de consumo e das garantias a ela relativas Jornal oficial no. L 171 de 07/07/1999

Leia mais

SÍNTESE DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

SÍNTESE DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 10.7.2007 SEC(2007) 870 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Documento apenso à Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO aos seguros

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 95. o, L 268/24 REGULAMENTO (CE) N. o 1830/2003 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativo à rastreabilidade e rotulagem de organismos geneticamente modificados e à rastreabilidade

Leia mais

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Numa época em que se assiste a importantes reestruturações empresariais no sector energético a nível europeu, a Comissão Europeia estabeleceu as bases

Leia mais

***I PROJECTO DE RELATÓRIO

***I PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 19.5.2011 2010/0377(COD) ***I PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a proposta de directiva do Parlamento Europeu e do

Leia mais

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 1206/2011 DA COMISSÃO de 22 de Novembro de 2011 que estabelece os requisitos aplicáveis à identificação das aeronaves

Leia mais

Bancário e Financeiro. aos derivados - EMIR MARÇO 2013 01 1. O QUE É O EMIR?

Bancário e Financeiro. aos derivados - EMIR MARÇO 2013 01 1. O QUE É O EMIR? Briefing MARÇO 2013 01 Entrada em vigor das novas regras aplicáveis aos derivados - EMIR O Parlamento Europeu e o Conselho da União Europeia adoptaram, em 4 de Julho de 2012, o Regulamento (UE) n.º 648/2012

Leia mais

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA 1. Preâmbulo O perfil das empresas e a sua imagem estão cada vez mais interligados não só com o desempenho económico e financeiro, mas também com o quadro de valores, princípios

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

Novos Vectores de Enquadramento do Transporte Rodoviário O Pacote Rodoviário

Novos Vectores de Enquadramento do Transporte Rodoviário O Pacote Rodoviário Novos Vectores de Enquadramento do Transporte Rodoviário O Pacote Rodoviário Ana Pereira de Miranda Vogal do Conselho Directivo Data arial 10p O Pacote Rodoviário Regulamento do PE e do Conselho que estabelece

Leia mais

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. sobre certos aspetos relativos aos contratos de fornecimento de conteúdos digitais

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. sobre certos aspetos relativos aos contratos de fornecimento de conteúdos digitais COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 9.12.2015 COM(2015) 634 final 2015/0287 (COD) Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO sobre certos aspetos relativos aos contratos de fornecimento de conteúdos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 11.4.2007 COM(2007) 178 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Relatório final da Comissão Europeia sobre a continuação da adequação

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE VERSION FINALE PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União

Leia mais

A nova Diretiva Comunitária sobre auditoria: implicações e perspectivas

A nova Diretiva Comunitária sobre auditoria: implicações e perspectivas www.pwc.com A nova Diretiva Comunitária sobre auditoria: implicações e perspectivas 7 de outubro de 2015 Alterações legislativas sobre a atividade de auditoria Início do processo com o Livro Verde da Comissão

Leia mais

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006

Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p. 0001-0006 Directiva 96/71/CE do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de Dezembro de 1996 relativa ao destacamento de trabalhadores no âmbito de uma prestação de serviços Jornal Oficial nº L 018 de 21/01/1997 p.

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES DESPACHO Encontra-se previsto no Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para 2010 o projecto da responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes

Leia mais

DIRECTIVA 2005/36/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 7 de Setembro de 2005 relativa ao reconhecimento das qualificações profissionais

DIRECTIVA 2005/36/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 7 de Setembro de 2005 relativa ao reconhecimento das qualificações profissionais L 255/22 DIRECTIVA 2005/36/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 7 de Setembro de 2005 relativa ao reconhecimento das qualificações profissionais (Texto relevante para efeitos do EEE) O PARLAMENTO

Leia mais

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros *

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * P6_TA(2006)0334 Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma proposta de directiva do Conselho relativa à tributação aplicável aos

Leia mais

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 85/40 DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Março de 2002 relativa ao estabelecimento de regras e procedimentos para a introdução de restrições de operação relacionadascom

Leia mais

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 SISTEMA DE EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO E DE ELEGIBILIDADE NAS ELEIÇÕES PARA O PARLAMENTO EUROPEU DOS CIDADÃOS DA UNIÃO EUROPEIA RESIDENTES NUM ESTADO-MEMBRO DE QUE

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD)

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD) PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PROVISÓRIO 2003/0252(COD) 5 de Fevereiro de 2004 PROJECTO DE PARECER da Comissão da Indústria, do Comércio

Leia mais

ALTERAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU * à proposta da Comissão REGULAMENTO (UE) N.º /2012 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ALTERAÇÕES DO PARLAMENTO EUROPEU * à proposta da Comissão REGULAMENTO (UE) N.º /2012 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO P7_TA-PROV(2012)0346 Fundos de Capital de Risco Europeus ***I Alterações, aprovadas pelo Parlamento Europeu em 13 de setembro de 2012, a uma proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

DECLARAÇÃO DE RISCO DE INVESTIMENTO (OTC) De 15 de Fevereiro de 2012

DECLARAÇÃO DE RISCO DE INVESTIMENTO (OTC) De 15 de Fevereiro de 2012 DECLARAÇÃO DE RISCO DE INVESTIMENTO (OTC) De 15 de Fevereiro de 2012 1. Definições Instrumentos Financeiros OTC - são os instrumentos financeiros descritos no Regulamento de prestação de serviços para

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL Exposição de motivos O sigilo bancário foi instituído em Portugal, como noutros países, como uma garantia

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 315/X DETERMINA A DERROGAÇÃO DO SIGILO BANCÁRIO COMO INSTRUMENTO PARA O COMBATE À FRAUDE FISCAL

PROJECTO DE LEI N.º 315/X DETERMINA A DERROGAÇÃO DO SIGILO BANCÁRIO COMO INSTRUMENTO PARA O COMBATE À FRAUDE FISCAL PROJECTO DE LEI N.º 315/X DETERMINA A DERROGAÇÃO DO SIGILO BANCÁRIO COMO INSTRUMENTO PARA O COMBATE À FRAUDE FISCAL Exposição de motivos No seu Programa de candidatura e depois no Programa de Governo o

Leia mais

Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE

Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE Manuel Sebastião Brasília 21 de Maio de 2009 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. MODERNIZAÇÃO DAS REGRAS ARTIGOS 81 e 82 3. O CONTROLO DE CONCENTRAÇÕES 4. CONCLUSÕES

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 14.7.2004 COM(2004) 479 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU "Reforçar a confiança nos mercados

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME)

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) COMISSÃO EUROPEIA Bruselas, 16.11.2011 C(2011)8317 final Assunto: Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) Excelência, Procedimento

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 5/VI/2008 C(2008) 2274 final RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO de 5/VI/2008 relativa à limitação da responsabilidade civil dos revisores oficiais de contas e das sociedades

Leia mais

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 24.7.2013 COM(2013) 547 final 2013/0264 (COD) Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa aos serviços de pagamento no mercado interno, que altera as Diretivas

Leia mais

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010

L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 L 129/52 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 461/2010 DA COMISSÃO de 27 de Maio de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União

Leia mais

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira 1 de 9 Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira PREÂMBULO O Hospital Vila Franca de

Leia mais

ALINHAMENTO PELO NOVO QUADRO LEGISLATIVO (Pacote «Mercadorias») Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ALINHAMENTO PELO NOVO QUADRO LEGISLATIVO (Pacote «Mercadorias») Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 21.11.2011 COM(2011) 769 final 2011/0353 (COD) ALINHAMENTO PELO NOVO QUADRO LEGISLATIVO (Pacote «Mercadorias») Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa

Leia mais

31/10/1992 Jornal Oficial L 316

31/10/1992 Jornal Oficial L 316 DIRECTIVA 92/83/CEE DO CONSELHO de 19 de Outubro de 1992 relativa à harmonização da estrutura dos impostos especiais sobre o consumo de álcool e bebidas alcoólicas CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS, Tendo

Leia mais

Notas explicativas Regras de facturação do IVA

Notas explicativas Regras de facturação do IVA Notas explicativas Regras de facturação do IVA (Directiva 2010/45/UE do Conselho) Porquê notas explicativas? O objectivo das notas explicativas é permitir uma melhor compreensão da legislação adoptada

Leia mais

A parte restante do presente Memorando de Entendimento expõe em pormenor o modo de concretizar esta lista de propósitos.

A parte restante do presente Memorando de Entendimento expõe em pormenor o modo de concretizar esta lista de propósitos. Memorando de Entendimento da Plataforma de Diálogo entre Partes Interessadas da UE sobre o acesso a obras por parte das pessoas com incapacidade de leitura de material impresso Dan Pescod (em nome da União

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02)

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 16.10.2012 2012/2039(INI) ALTERAÇÕES 1-58 Regina Bastos (PE483.860v02) sobre o estatuto da mutualidade europeia (2012/2039(INI))

Leia mais

Ministérios das Finanças e da Economia. Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro

Ministérios das Finanças e da Economia. Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro Ministérios das Finanças e da Economia Portaria n.º 37/2002 de 10 de Janeiro O Decreto-Lei n.º 70-B/2000, de 5 de Maio, aprovou o enquadramento das medidas de política económica para o desenvolvimento

Leia mais

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES

BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre a licença parental celebrado pela UNICEF, pelo CEEP e pela CES 1996L0034 PT 05.02.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 96/34/CE DO CONSELHO de 3 de Junho de 1996 relativo ao Acordo-quadro sobre

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) PARA UTILIZAÇÃO CIVIL ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E O REINO DE MARROCOS, POR

Leia mais

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004.

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004. OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * POR: RUTE MARTINS SANTOS Novembro, 2004. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário e

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA. Projecto de Norma Regulamentar - Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA. Projecto de Norma Regulamentar - Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 4/2010 Projecto de Norma Regulamentar - Financiamento de Planos de Benefícios de Saúde através de Fundos de Pensões 26 de Maio de 2010 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO O

Leia mais

Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens

Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado

Leia mais

Apresentação à Comissão Parlamentar de Inquérito à Celebração de Contratos de Gestão de Risco Financeiro por Empresas do Sector Público

Apresentação à Comissão Parlamentar de Inquérito à Celebração de Contratos de Gestão de Risco Financeiro por Empresas do Sector Público Apresentação à Comissão Parlamentar de Inquérito à Celebração de Contratos de Gestão de Risco Financeiro por Empresas do Sector Público Lisboa, 03 de setembro de 2013 Carlos Tavares Em Milhares de Milhões

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor realizar

Leia mais

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Novembro 2014 MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS NOVIDADES REGULATÓRIAS EM MATÉRIA DE MERCADO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS, LIQUIDAÇÃO DE TRANSACÇÕES E CENTRAIS DE VALORES MOBILIÁRIOS I. INTRODUÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 210 31 de Outubro de 2007 7964-(7) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Decreto-Lei n.º 357-A/2007 de 31 de Outubro O presente decreto -lei transpõe para

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Março 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

Inventário 2010. I. Introdução

Inventário 2010. I. Introdução Inventário 2010 I. Introdução Aqui se apresenta o quarto inventário público da AEPD na sua qualidade de consultora a respeito de propostas de legislação e documentos conexos. Devido à publicação do Programa

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO. que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento (CE) n.

Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO. que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento (CE) n. PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 31.8.2010 COM(2010) 459 final 2010/0240 (NLE) Proposta de REGULAMENTO (UE) N.º /2010 DO CONSELHO que impõe medidas restritivas contra o Irão e revoga o Regulamento

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

LANGUAGE concerned: PT

LANGUAGE concerned: PT Council of the European Union Brussels, 15 June 2016 Interinstitutional File: 2011/0295 (COD) 10328/16 DROIPEN 117 CODEC 897 ECOFIN 623 EF 196 JUR 296 LEGISLATIVE ACTS AND OTHER INSTRUMENTS: CORRIGENDUM/RECTIFICATIF

Leia mais

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 13.1 - Aspectos preliminares As demonstrações financeiras consolidadas constituem um complemento e não um substituto das demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão da Indústria, do Comércio Externo, da Investigação e da Energia 4 de Agosto de 2003 PE 322.025/1-7 ALTERAÇÕES 1-7 Projecto de recomendação para segunda leitura (PE

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia 14.11.2009

Jornal Oficial da União Europeia 14.11.2009 L 300/34 Jornal Oficial da União Europeia 14.11.2009 REGULAMENTO (CE) N. o 1070/2009 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Outubro de 2009 que altera os Regulamentos (CE) n. o 549/2004, (CE) n.

Leia mais

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 14/90, de 8 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 14/90 de 8 de Janeiro

Leia mais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais Programa Horizon 2020 Fonte: Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece as Regras de Participação e Difusão relativas ao «Horizonte 2020 Programa-Quadro de Investigação

Leia mais

TÍTULO I Disposições gerais. CAPÍTULO I Âmbito de aplicação

TÍTULO I Disposições gerais. CAPÍTULO I Âmbito de aplicação CÓDIGO DOS VALORES MOBILIÁRIOS (Aprovado pelo Decreto-Lei n.º 486/99, de 13 de Novembro. Contém as alterações introduzidas pelos Decretos-Leis n.ºs 61/2002, de 20 de Março, 38/2003, de 8 de Março, 107/2003,

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor 31 de Março de 2004 PE 340.787/1-10 ALTERAÇÕES 1-10 Projecto de relatório (PE 340.787) Hans Blokland

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO BiG Alocação Fundo Autónomo: BiG Alocação Dinâmica Todos os Investimentos têm risco Entidade gestora: Real Vida Seguros, S.A. Avenida de França, 316 2º, Edifício Capitólio 4050-276 Porto Portugal Advertências

Leia mais

DIRECTRIZES RELATIVAS À APLICAÇÃO DOS ARTIGOS 11.º, 12.º, 16.º, 17.º, 18.º, 19.º E 20.º DO REGULAMENTO (CE) N

DIRECTRIZES RELATIVAS À APLICAÇÃO DOS ARTIGOS 11.º, 12.º, 16.º, 17.º, 18.º, 19.º E 20.º DO REGULAMENTO (CE) N 20 de Dezembro de 2004 DIRECTRIZES RELATIVAS À APLICAÇÃO DOS ARTIGOS 11.º, 12.º, 16.º, 17.º, 18.º, 19.º E 20.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 178/2002 EM MATÉRIA DE LEGISLAÇÃO ALIMENTAR GERAL CONCLUSÕES DO COMITÉ

Leia mais

DISCUSSÕES UE/EUA RELATIVAS AO ACORDO SOBRE EQUIVALÊNCIA VETERINÁRIA

DISCUSSÕES UE/EUA RELATIVAS AO ACORDO SOBRE EQUIVALÊNCIA VETERINÁRIA MEMO/97/37 Bruxelas, 3 de Abril de 1997 DISCUSSÕES UE/EUA RELATIVAS AO ACORDO SOBRE EQUIVALÊNCIA VETERINÁRIA Na sequência da conclusão dos acordos da OMC de 1993 no sector agrícola, a União Europeia (UE)

Leia mais

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING Índice INTRODUÇÃO... 2 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING... 2 2 COMPROMISSO DOS COLABORADORES... 2 3 PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO... 3 3.1 RELAÇÕES COM ADMINISTRADORES E COLABORADORES... 3 3.2 RELAÇÕES COM

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS DESTAQUE. Agosto 2012 REVISÃO DA DIRECTIVA DO PROSPECTO E EFEITO DIRECTO EM PORTUGAL 1. INTRODUÇÃO

MERCADO DE CAPITAIS DESTAQUE. Agosto 2012 REVISÃO DA DIRECTIVA DO PROSPECTO E EFEITO DIRECTO EM PORTUGAL 1. INTRODUÇÃO DESTAQUE Agosto 2012 MERCADO DE CAPITAIS REVISÃO DA DIRECTIVA DO PROSPECTO E EFEITO DIRECTO EM PORTUGAL 1. INTRODUÇÃO Em 24 de Novembro de 2010, no âmbito da iniciativa Better Regulation e com o intuito

Leia mais

PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO. Portaria n.º /09,

PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO. Portaria n.º /09, PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO Portaria n.º /09, de O Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho, estabeleceu o regime jurídico aplicável à prestação de serviços

Leia mais

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A.

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Novembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA DE PROMOTORES O objectivo deste documento é o de fixar um código de conduta e um

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Com decisão sobre aeroporto de Charleroi, Comissão promove actividade das companhias de custos reduzidos e desenvolvimento regional

Com decisão sobre aeroporto de Charleroi, Comissão promove actividade das companhias de custos reduzidos e desenvolvimento regional IP/04/157 Bruxelas, 3 de Fevereiro de 2004 Com decisão sobre aeroporto de Charleroi, Comissão promove actividade das companhias de custos reduzidos e desenvolvimento regional A Comissão Europeia tomou

Leia mais

A Directiva dos Gestores de Fundos de Investimento Alternativos: Impacto nas Sociedades de Capital de Risco

A Directiva dos Gestores de Fundos de Investimento Alternativos: Impacto nas Sociedades de Capital de Risco A Directiva dos Gestores de Fundos de Investimento Alternativos: Impacto nas Sociedades de Capital de Risco A Directiva 2011/61/UE do Parlamento e do Conselho, de 8 de Junho de 2011, também designada por

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 161º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 161º, REGULAMENTO (CE) Nº 1083/2006 DO CONSELHO de 11 de Julho de 2006 que estabelece disposições gerais sobre o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, o Fundo Social Europeu e o Fundo de Coesão, e que revoga

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Outubro de 2010 (04.11) (OR. en) 15449/10 AUDIO 37 COMPET 311 CULT 98

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Outubro de 2010 (04.11) (OR. en) 15449/10 AUDIO 37 COMPET 311 CULT 98 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 26 de Outubro de 2010 (04.11) (OR. en) 15449/10 AUDIO 37 COMPET 311 CULT 98 NOTA de: Secretariado-Geral do Conselho para: Comité de Representantes Permanentes (1.ª

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2013)462 Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo a fundos europeus de investimento a longo prazo 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

Enquadramento Jurídico de JESSICA: Aspectos Institucionais. José María Fernández Martín Lisboa, 18 Fevereiro 2008

Enquadramento Jurídico de JESSICA: Aspectos Institucionais. José María Fernández Martín Lisboa, 18 Fevereiro 2008 Enquadramento Jurídico de JESSICA: Aspectos Institucionais José María Fernández Martín Lisboa, 18 Fevereiro 2008 Enquadramento legislativo O enquadramento legislativo da iniciativa JESSICA é constituído

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

LINHAS DE ORIENTAÇÃO RELATIVAS AO EXAME DE MARCAS COMUNITÁRIAS EFETUADO NO INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (MARCAS, DESENHOS E MODELOS)

LINHAS DE ORIENTAÇÃO RELATIVAS AO EXAME DE MARCAS COMUNITÁRIAS EFETUADO NO INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (MARCAS, DESENHOS E MODELOS) LINHAS DE ORIENTAÇÃO RELATIVAS AO EXAME DE MARCAS COMUNITÁRIAS EFETUADO NO INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (MARCAS, DESENHOS E MODELOS) NOTA DO EDITOR E INTRODUÇÃO GERAL Índice 1 Objeto...

Leia mais

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )...

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )... Jornal Oficial da União Europeia L 26 Edição em língua portuguesa Legislação 59. o ano 2 de fevereiro de 2016 Índice I Atos legislativos REGULAMENTOS Regulamento (UE) 2016/93 do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999),

Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999), Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999), Tendo em conta o nº 1 do artigo 47º do seu Regimento, Tendo em conta o relatório da Comissão da Política Regional, dos Transportes

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELAS EMPRESAS TRANSITÁRIAS. 1 TEU transitário. Artigo 1º Definições. Artigo 2º Âmbito

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELAS EMPRESAS TRANSITÁRIAS. 1 TEU transitário. Artigo 1º Definições. Artigo 2º Âmbito Artigo 1º Definições Artigo 2º Âmbito Artigo 3º Aplicabilidade Artigo 4º Apresentação dos preços Artigo 5º Alteração dos preços Artigo 6º Revisão de preços e condições Artigo 7º Validade das propostas

Leia mais

Tendo sido concedido um prazo de 15 dias. Adiante designado Sentido Provável da Deliberação. Carta datada de 04.08.03. Carta datada de 14.08.03.

Tendo sido concedido um prazo de 15 dias. Adiante designado Sentido Provável da Deliberação. Carta datada de 04.08.03. Carta datada de 14.08.03. RELATÓRIO DA AUDIÊNCIA PRÉVIA ÀS ENTIDADES INTERESSADAS SOBRE O SENTIDO PROVÁVEL DA DELIBERAÇÃO DA ANACOM REFERENTE À ALTERAÇÃO DO REGIME DE INTERLIGAÇÃO PARA O ACESSO A SERVIÇOS COMUTADOS DE TRANSMISSÃO

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira

Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira 1/13 Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira JusNet 40/1995 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 144, Série I-A, 24 Junho 1995;

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 26 de Junho de 2003

Jornal Oficial da União Europeia DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 26 de Junho de 2003 15.7.2003 L 176/37 DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Junho de 2003 que estabelece regras comuns para o mercado interno da electricidade e que revoga a Directiva 96/92/CE

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de Novembro de 2000 (13.10) (OR. fr) 14110/00 LIMITE SOC 470 ENVIO DE TEXTO de: Conselho (Emprego e Política Social) para: Conselho Europeu de Nice Nº doc. ant.:

Leia mais