Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões"

Transcrição

1 Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões NELSON JOSÉ HÜBNER MOREIRA DIRETOR GERAL 9 de novembro de 2012 Brasília DF

2 Renovação das Concessões Indenização dos Ativos de Transmissão Depreciação das Usinas de Geração Tarifas Iniciais de Transmissão Tarifas Iniciais de Geração 2

3 Renovação das Concessões Indenização dos Ativos de Transmissão Depreciação das Usinas de Geração Tarifas Iniciais de Transmissão Tarifas Iniciais de Geração 3

4 Indenização da transmissão Cálculo do Valor Novo de Reposição: Foram adotados os valores homologados pela ANEEL nos processos de revisão periódica ou de autorização, a partir do Banco de Preços. A atualização dos preços, para 1º de outubro de 2012, utilizou cesta de índices já adotada nos processos da ANEEL. O Valor Novo de Reposição Líquido foi calculado nos termos do Decreto 7.805/2012, considerando se a depreciação acumulada desde a data de entrada em operação da instalação até 31 de dezembro de

5 Indenização da transmissão Empresas VNR Líquido (R$) CEEE ,71 CELG ,73 CEMIG ,29 CHESF ,07 COPEL ,78 CTEEP ,50 ELETRONORTE ,86 ELETROSUL ,82 FURNAS ,89 Total ,65 Referência de preços: 1º de outubro de

6 Renovação das Concessões Indenização dos Ativos de Transmissão Depreciação das Usinas de Geração Tarifas Iniciais de Transmissão Tarifas Iniciais de Geração 6

7 Depreciação das Usinas O Decreto atribuiu à EPE a realização de estudos para definiçãodovnrdasusinashidrelétricasapartirdasinformaçõesdo Projeto Básico do Empreendimento, para cálculo das indenizações dos investimentos dos bens reversíveis ainda não amortizados ou não depreciados, considerando se a depreciação e a amortização acumuladas a partir da data de entrada em operação da instalação, até 31 de dezembro de 2012; Como contribuição ao MME, a ANEEL encaminhou Nota Técnica relativa à depreciação acumulada das usinas hidrelétricas, a fim de subsidiar o cálculo do valor da indenização; 7

8 Depreciação das Usinas O valor a ser indenizado é função de duas variáveis: 1. Valor do Bem (VNR); 2. Percentual depreciado = Anos em operação * Taxa de Depreciação Foi descartado utilizar o valor depreciado informado nos dados contábeis por diversas razões: É incompatível com o VNR ao considerar investimentos não eficientes e não elegíveis; Os valores contábeis não sofrem atualização monetária; 8

9 Depreciação das Usinas A depreciação foi calculada por Tipo de bem Unidade de Cadastro agrupada nas seguintes classes de custos: CLASSE AGRUPAMENTO 1 GERADOR 2 TURBINA 3 RESERVATÓRIO, BARRAGEM E ADUTORA 4 EDIFICAÇÕES E OBRAS CIVIS 5 URBANIZAÇÃO E BENFEITORIAS 6 OUTROS SISTEMAS 7 EQUIPAMENTOS DE CASA DE FORÇA 8 EQUIPAMENTOS GERAIS 9 CONDUTO FORÇADO 10 TRANSFORMAÇÃO (Subestação) 11 CONEXÃO (Linha de Transmissão) Considerou se a data de entrada em operação de cada unidade geradora e a taxa de depreciação do período. 9

10 Renovação das Concessões Indenização dos Ativos de Transmissão Depreciação das Usinas de Geração Tarifas Iniciais de Transmissão Tarifas Iniciais de Geração 10

11 Tarifas de Transmissão O Decreto estabeleceu a obrigação do MME de definir a Receita Anual Permitida RAP de transmissão para as instalações elegíveis à antecipação dos efeitos da prorrogação para o ano de 2013; A nova sistemática de definição da Receita Anual Permitida (RAP) é similar a atual; Como contribuição ao MME, a ANEEL encaminhou Nota Técnica que faz sugestões de metodologias a serem utilizadas na definição do componente Custos Operacionais dessa receita inicial; Os custos operacionais de transmissão sugeridos têm como referência o nível médio de eficiência observado no setor de transmissão e a qualidade do serviço prestado pelas transmissoras. 11

12 Tarifas de Transmissão Empresas Consideradas na Amostra CEEE CEMIG CHESF COPEL CTEEP ELETRONORTE ELETROSUL FURNAS As transmissoras licitadas não foram consideradas em função da dificuldade de comparação com as transmissoras existentes. 12

13 Tarifas de Transmissão Custos Operacionais/Rede (R$/Km) Custos Operacionais /Módulos (R$/ Unid.) A B C D E F G H A C B H E D G F 13

14 Tarifas de Transmissão Custos Operacionais/TRAFO (R$/Unid.) Custos Operacionais/MVA (R$/MVA) A C B H D G E F A B H F D E C G 14

15 Tarifas de Transmissão Despesa de Pessoal/Funcionário (R$/Unid.) 49,4% 50,4% 57,4% 59,1% 68,8% 74,5% 100,0% 40,0 120,0% 35,0 100,0% 30,0 80,0% 25,0 20,0 60,0% 15,0 40,0% 10,0 5,0 20,0% Funcionário/Km de Rede (Unid./Km) 73% 74% 58% 61% 50% 39% 100% 120% 100% 80% 60% 40% 20% A C E B D F G 0,0% A G C F B D E 0% 15

16 Tarifas de Transmissão A tarifas publicadas pelo MME consideraram ainda uma margem de 10% de lucro sobre os custos operacionais; Empresa CUSTOS OPERACIONAIS TFSEE P&D RECEITA TOTAL CEEE CEMIG CHESF COPEL CTEEP ELETRONORTE ELETROSUL FURNAS CELG TOTAL Adicionalmente a essa receita, está previsto que a ANEEL autorize as Transmissoras a repassarem em suas faturas seus custos com tributos 16

17 Renovação das Concessões Indenização dos Ativos de Transmissão Depreciação das Usinas de Geração Tarifas Iniciais de Transmissão Tarifas Iniciais de Geração 17

18 Tarifas de Geração Hidráulica O Decreto estabeleceu a obrigação do MME de definir a tarifa inicial de geração para as usinas hidrelétricas elegíveis à antecipação dos efeitos da prorrogação para o ano de 2013; Onovo Contrato de Concessão de Geração prevê que as Geradoras terão direito a uma receita anual fixada pela ANEEL, denominada Receita Anual de Geração (RAG); Define ainda que os custos relativos à Compensação Financeira pela Utilização de Recursos Hídricos CFURH serão cobrados do gerador pela ANEEL e serão ressarcidos pelas DISTRIBUIDORAS. A RAG possui uma parcela de custos gerenciáveis, denominada Custo da Gestão dos Ativos de Geração (GAG), outra de Encargos de Uso e Conexão e uma parcela de Ajuste pela indisponibilidade Apurada; 18

19 Tarifas de Geração Hidráulica Está previsto ainda que a ANEEL autorize as Geradoras a repassarem em suas faturas seus custos com tributos. Como contribuição ao MME, a ANEEL encaminhou Nota Técnica que faz sugestões de possíveis metodologias a serem utilizadas na definição do componente Custos Operacionais dessa tarifa inicial; Em resumo, a sugestão foi estimar os custos operacionais para cada usina a partir da observação dos custos praticados por uma amostra ampla de usinas; Assim, os custos operacionais de geração sugeridos têm como referência o nível médio de eficiência observado no setor de geração; 19

20 Tarifas de Geração Hidráulica Empresas Consideradas na Amostra CHESF ELEJOR AES TIETÊ ELETRONORTE AMAZONAS ENERGIA EMAE BAESA ENERCAN CACHOEIRA DOURADA ENERGÉTICA ENERGEST CAPIM BRANCO ENERGIA ENERPEIXE CEEEGT FOZ DO CHAPECÓ ENERGIA CELESC GERAÇÃO FOZ DO CHOPIM ENERGÉTICA CEMIG GT FURNAS CERAN INVESTCO CESP ITA ENERGETICA CHESF QUANTA GERAÇÃO COMP. ENERG. ESTREITO RIO VERDE COPEL GT RIO VERDE ENERGIA SA CORUMBA CONCESSÕES SÁ CARVALHO CORUMBÁ III SERRA DO FACÃO ENERGIA DONA FRANCISCA ENERGÉTICA TRACTEBEL ENERGIA DUKE ENERGY Participação da Amostra na Capacidade Instalada de Geração Hidráulica 80% Capacidade Instalada das Usinas da Amostra Capacidade Instalada das demais Usinas 20% 20

21 Tarifas de Geração Hidráulica Valores Médios Estimados de Custos Operacionais de Geração Hidráulica (R$/MWh) Custos Operacionais / MWh R$/MWh ,3 26,7 24,0 20,4 17,9 16,1 17,1 15,0 13,5 11,3 9,9 8,9 9,4 8,3 7, Capacidade Instalada Fator de Capacidade de 45% Fator de Capacidade de 55% Fator de Capacidade de 65% 21

22 Tarifas de Geração Hidráulica O Resultado foi uma Tarifa de custos operacionais de R$ 8,90/MWh para o conjunto de usinas; As tarifas publicadas pelo MME consideraram ainda um acréscimo de 10% de margem de lucro, o que resultou numa tarifa média (Custos Operacionais + Margem de Lucro) de R$ 9,80/MWh. Ainda não há estimativa precisa da tarifa final desse conjunto de usinas, que dependerá do cálculo da nova TUST em função da renovação dos contratos de transmissão; 22

23 Obrigado! NELSON JOSÉ HÜBNER MOREIRA DIRETOR GERAL 9 de novembro de 2012 Brasília DF

MP 579 - Renovação das Concessões do Setor Elétrico. 14 de novembro de 2012

MP 579 - Renovação das Concessões do Setor Elétrico. 14 de novembro de 2012 MP 579 - Renovação das Concessões do Setor Elétrico 14 de novembro de 2012 Panorama Legal e Constitucional Constituição Federal de 1988 Artigo 175; Lei 8.987 de 1995 Lei das Concessões Artigos 42 Lei 9.074

Leia mais

Concessões de Geração e de Transmissão Estabelecimento do valor residual das instalações. Maurício Tiomno Tolmasquim

Concessões de Geração e de Transmissão Estabelecimento do valor residual das instalações. Maurício Tiomno Tolmasquim Concessões de Geração e de Transmissão Estabelecimento do valor residual das instalações Maurício Tiomno Tolmasquim Brasília, 11 de setembro de 2012 Indenização dos Ativos Valor Novo de Reposição Refere-se

Leia mais

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia 10 de Dezembro de 2012 Linha do Tempo do Mercado Livre no Brasil 1995

Leia mais

Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro

Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro João Carlos Mello - CEO Novembro de 2012 Objetivo Esta é uma síntese do impacto da Medida Provisória nº 579 (MP 579) no setor elétrico nacional

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014. Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014. Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014 Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Processo: 48500.003798/2014-41 - Definição

Leia mais

XIX SIMPÓSIO JURÍDICO ABCE. Marcos regulatórios da energia elétrica. Segurança jurídica e eficiência regulatória. São Paulo, 29.10.

XIX SIMPÓSIO JURÍDICO ABCE. Marcos regulatórios da energia elétrica. Segurança jurídica e eficiência regulatória. São Paulo, 29.10. XIX SIMPÓSIO JURÍDICO ABCE Marcos regulatórios da energia elétrica. Segurança jurídica e eficiência regulatória São Paulo, 29.10.2013 Marcos regulatórios (evolução histórica) - Final do séc. XIX e início

Leia mais

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre o marco institucional das Concessões Vincendas de Energia Elétrica Setembro

Leia mais

Vencimento das Concessões do Setor Elétrico

Vencimento das Concessões do Setor Elétrico Vencimento das Concessões do Setor Elétrico O problema O Lobby de concessionárias do setor elétrico pela re-prorrogação dos contratos que vencem a partir de 2015 O que vence a partir de 2015 Geração Transmissão

Leia mais

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES Fabio Ramos, Ph.D. Diretor da RHE Consultoria e Participações Ltda. 29/08/2002 Considerações Iniciais Potência

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais SUMÁRIO Demonstrações Contábeis Regulatórias Balanços Patrimoniais Regulatórios...3

Leia mais

Agenda. Visão do Setor de Energia. CPFL Energia Destaques e Resultados

Agenda. Visão do Setor de Energia. CPFL Energia Destaques e Resultados Agenda Visão do Setor de Energia CPFL Energia Destaques e Resultados O mercado brasileiro é atendido por 64 concessionárias de distribuição de energia Distribuição de Energia 2008 Market Share 1 (%) Distribuidoras

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES GERAÇÃO: 1) Uma usina à biomassa de bagaço de cana que já tenha vendido nos leilões de energia nova anteriores e que pretenda modificar seu projeto

Leia mais

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração

Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração Maurício de Abreu Soares Diretor Executivo da ABRAGE Porto Alegre

Leia mais

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007

EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 Geração e Transmissão S.A. Cemig Geração e Transmissão S.A CNPJ 06.981.176/0001-58 EARNINGS RELEASE 1º SEMESTRE 2007 1 ---------- Lucro Líquido A Cemig Geração e Transmissão apresentou, no primeiro semestre

Leia mais

Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de. Brasília, 06 de julho de 2011

Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de. Brasília, 06 de julho de 2011 Audiência Pública no Senado Federal Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de Usinas Hidrelétricas Brasília, 06 de julho de 2011 A ABRAGE Associação civil sem fins lucrativos; Instituída

Leia mais

ProGD. Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis. Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica

ProGD. Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis. Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica ProGD Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis Brasília, 15 de dezembro de 2015 Metas renováveis Brasil/ONU

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

CONCESSÕES DE TERMOELÉTRICAS NO BRASIL: INVESTIR OU NÃO? 1

CONCESSÕES DE TERMOELÉTRICAS NO BRASIL: INVESTIR OU NÃO? 1 Volume 2 Número 2 Jul/Dez 2012 Doc. 7 Rev. Bras. de Casos de Ensino em Administração ISSN 2179-135X CONCESSÕES DE TERMOELÉTRICAS NO BRASIL: INVESTIR OU NÃO? 1 LUIZ AUGUSTO MARTITS luiz.martits@fgv.br Escola

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA

SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA Cesar de Barros Pinto NOVEMBRO/2012 CONTRATOS DE CONCESSÃO TRANSMISSÃO Celebrados em 2001 retroagindo a 1995 Primeira concessão de transmissão

Leia mais

Exportação de Energia..republi

Exportação de Energia..republi Exportação de Energia.republi Exportação de Energia Argentina e Uruguai GCTL Coordenação de Contabilização Atualizado em Junho/2013 1 Exportação de Energia INTRODUÇÃO A República da Argentina, por meio

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2009 Estabelece a metodologia de cálculo e os procedimentos do repasse final da Energia Livre após o encerramento do prazo

Leia mais

Atenção: Esta folha deverá acompanhar o trabalho e não deverá ser destacada do mesmo. Controle do DPT-RJ/WORD/EXCEL 97 Dados do trabalho

Atenção: Esta folha deverá acompanhar o trabalho e não deverá ser destacada do mesmo. Controle do DPT-RJ/WORD/EXCEL 97 Dados do trabalho Atenção: Esta folha deverá acompanhar o trabalho e não deverá ser destacada do mesmo Controle do DPT-RJ/WORD/EXCEL 97 Dados do trabalho Cliente - NTE-Nordeste Transmissora de Energia S.A. CÓDIGO - 02012697/0001

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005 E 2004 (Em milhares de reais)

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005 E 2004 (Em milhares de reais) BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005 E 2004 (Em milhares de reais) ATIVO 2005 2004 CIRCULANTE Numerário disponível 5.957 8.769 Aplicações no mercado aberto 426 4.006 Consumidores e concessionárias

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007

CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007 Diretoria de Distribuição - DDI Superintendência de Mercado e Regulação SMR Assuntos Regulatórios da Distribuição - DARE CONTRIBUIÇÕES DA COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AP 001/2007 RESERVA DE CAPACIDADE Março/2007

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 356, DE 3 DE JULHO DE 2006

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 356, DE 3 DE JULHO DE 2006 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 356, DE 3 DE JULHO DE 2006 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

Contribuições da APINE. Consulta Pública ANEEL 010/2013

Contribuições da APINE. Consulta Pública ANEEL 010/2013 Contribuições da APINE Consulta Pública ANEEL 010/2013 CONSIDERAÇÕES A Consulta Pública ANEEL 010/2013, com prazo de contribuições entre 8 e 29 de outubro de 2013 e sessão presencial realizada no dia 18,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 ITR Informações Trimestrais 30/06/2012 NEOENERGIA S.A Versão : 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.1.2

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.1.2 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - EDP ENERGIAS DO BRASIL S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - EDP ENERGIAS DO BRASIL S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008

Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008 Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008 Destaques 3T08 MERCADO Crescimento do consumo na área de concessão de 3,3% no trimestre Redução de 0,30 p.p nas perdas não-técnicas de energia no ano

Leia mais

Notas Explicativas. CERNHE Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento CERNHE:

Notas Explicativas. CERNHE Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento CERNHE: Notas Explicativas CERNHE Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento Rural da Região de Novo Horizonte 2012 CERNHE: Distribuindo Energia com qualidade, tecnologia e competência em prol do bem estar

Leia mais

Impactos da MP nº 579

Impactos da MP nº 579 Impactos da MP nº 579 José Rosenblatt jrosenb@psr-inc.com Agência Dinheiro Vivo São Paulo, 10 de dezembro de 2012 1 Sumário Resumo das medidas e questões Geração Transmissão Encargos Impactos da MP Tarifas

Leia mais

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Sumário Executivo Este documento oferece uma análise factual sobre a composição da tarifa de energia elétrica, os fatores que levam à variação de cada

Leia mais

Referência GTMN 03.2003. Assuntos Tratados

Referência GTMN 03.2003. Assuntos Tratados 1/7 10 a Reunião Ordinária do Grupo Técnico de Manutenção Local de Realização: São Paulo Duke Energy Geração Paranapanema Data 02 e 03/09/2003 Hora 08:30 h Participantes Toyoharu Komatsu Júlio Cesar Pinfari

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA Resultados parciais da 1ª Revisão Periódica das tarifas dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário prestados pela CAESB ANEXO XII FATOR X

Leia mais

4 º Congresso de Consumidores CELESC. Copel Distribuição S.A.

4 º Congresso de Consumidores CELESC. Copel Distribuição S.A. 4 º Congresso de Consumidores CELESC Copel Distribuição S.A. Novembro 2014 Agenda 1. Contextualização Estrutura da Copel Sistema Elétrico Composição Tarifária 2. Entenda a atual crise no setor elétrico

Leia mais

Exploração de Energia Solar em Lagos de Usinas Hidrelétricas

Exploração de Energia Solar em Lagos de Usinas Hidrelétricas 1ª Compilaça o de perguntas e respostas a du vidas referentes ao EDITAL 003/2015 CAPTAÇA O DE PROJETO DE P&D PARA O DESENVOLVIMENTO DE INOVAÇA O TECNOLO GICA A SER PROPOSTA PELA ELETRONORTE EM COOPERAÇA

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 99999-9 CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A. 06.981.180/0001-16 1 - ENDEREÇO COMPLETO 2 - BAIRRO OU DISTRITO

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 99999-9 CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A. 06.981.180/0001-16 1 - ENDEREÇO COMPLETO 2 - BAIRRO OU DISTRITO (USO EMPRESA P/ SIMPLES CONFERÊNCIA) ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/03/2005 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

ANEXO VI REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO

ANEXO VI REMUNERAÇÃO E MECANISMOS DE PAGAMENTO JANEIRO/ 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. MECANISMO DE PAGAMENTO... 1 3. REAJUSTES... 4 APÊNDICE 1... 6 CONSIDERAÇÕES SOBRE CGH E PCH... 6 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. O presente Anexo tem por objetivo explicitar

Leia mais

CADERNOS TARIFÁRIOS VOLUME IV A MP 579

CADERNOS TARIFÁRIOS VOLUME IV A MP 579 CADERNOS TARIFÁRIOS VOLUME IV A MP 579 Novembro de 2012 1. Introdução No dia 11 de setembro de 2012, o Ministério de Minas e Energia MME realizou um evento em Brasília onde, em conjunto com algumas consultorias

Leia mais

Audiência Pública Nº 005/2000. Contribuições da ABRATE

Audiência Pública Nº 005/2000. Contribuições da ABRATE Audiência Pública Nº 005/2000 Contribuições da ABRATE Agosto/2000 1 SUMÁRIO 1. INCLUSÃO DE PROCEDIMENTOS PARA RECLASSIFICAÇÃO... 3 2. TRATAMENTO DE INSTALAÇÃO COM PREVISÃO DE INCORPORAÇÃO FUTURA À REDE

Leia mais

Suez Energia Renovável S.A. Laudo de Avaliação preparado exclusivamente para a Tractebel Energia S.A

Suez Energia Renovável S.A. Laudo de Avaliação preparado exclusivamente para a Tractebel Energia S.A Suez Energia Renovável S.A. Laudo de Avaliação preparado exclusivamente para a Tractebel Energia S.A 21 de dezembro de 2009 Índice I Descrição do Projeto 2 ESTRITAMENTE CONFIDENCIAL Nota Importante O Banco

Leia mais

Avaliação dos Investimentos nos Programas de P&D e de Eficiência Energética das Grandes Empresas de Eletricidade no Brasil: Ciclos 2002-03 e 2003-04

Avaliação dos Investimentos nos Programas de P&D e de Eficiência Energética das Grandes Empresas de Eletricidade no Brasil: Ciclos 2002-03 e 2003-04 21 a 25 de Agosto de 6 Belo Horizonte - MG Avaliação dos Investimentos nos Programas de P&D e de Eficiência Energética das Grandes Empresas de Eletricidade no Brasil: Ciclos 2-3 e 3-4 Herivelto Tiago Marcondes

Leia mais

Aspectos Jurídicos 1

Aspectos Jurídicos 1 Aspectos Jurídicos 1 Planejamento do conteúdo: 1. Direito de energia no Brasil Estrutura e funcionamento do Estado brasileiro Marcos regulatórios (CR, as Políticas, as Leis, as Agências) 2. A contratação

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - Desenvix Energias Renováveis S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - Desenvix Energias Renováveis S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

1 a Reunião do Conselho de Administração de 2010. Eventos Técnicos Previstos em 2010

1 a Reunião do Conselho de Administração de 2010. Eventos Técnicos Previstos em 2010 1 a Reunião do Conselho de Administração de 21 Eventos Técnicos Previstos em 21 SUMÁRIO EXECUTIVO EVENTOS S: 12 EVENTOS DO CNB: EVENTOS DE CE: 12 ( 3 do B2) EVENTOS S/EITA: 1 (D2) EVENTOS DE MÉDIO PORTE:

Leia mais

Número: DFC 001/2014 TERMO DE REFERÊNCIA 29/01/2014 DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE - DFC

Número: DFC 001/2014 TERMO DE REFERÊNCIA 29/01/2014 DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE - DFC CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUDITORIA INDEPENDENTE PARA ELABORAÇÃO DE PARECER PARA CERTIFICAÇÃO DO RELATÓRIO DE CONTROLE PATRIMONIAL - RCP REFERENTE AO ANO DE 2013,

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTERMEDIÁRIA CONDENSADA

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTERMEDIÁRIA CONDENSADA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTERMEDIÁRIA CONDENSADA AMAZONAS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A 30 de junho de 2013 e relatório de revisão dos Auditores Independentes BALANÇOS PATRIMONIAIS (VALORES EXPRESSOS

Leia mais

4 A REVITALIZAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO

4 A REVITALIZAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO 4 A REVITALIZAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Graves problemas apresentam-se no novo modelo setorial de energia elétrica brasileiro, ainda inconcluso. Diversas questões extremamente complexas adiadas

Leia mais

Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009

Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009 Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009 Empresa Código Recomendação Fechamento* Preço-Teórico* Upside Risco Lote Copel PNB CPLE6 Compra 21,85 35,00 60,2% Elevado 1 EV/EBITDA (atual)

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

Empresa de Energia Cachoeira Caldeirão S.A.

Empresa de Energia Cachoeira Caldeirão S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2014 CNPJ/MF nº 17.200.920/0001-56 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas: Em atendimento às obrigações legais estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas as Demonstrações

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

FUNDAÇÃO COMITÊ DE GESTÃO EMPRESARIAL. Outubro 2015

FUNDAÇÃO COMITÊ DE GESTÃO EMPRESARIAL. Outubro 2015 FUNDAÇÃO COMITÊ DE GESTÃO EMPRESARIAL Outubro 2015 CUSTOS DECORRENTES DA AQUISIÇÃO DA ENERGIA DA ITAIPU NO MERCADO BRASILEIRO DE ENERGIA ELÉTRICA ITAIPU BINACIONAL Luciana Piccione Colatusso Engenheira

Leia mais

FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE

FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE 07/04/10 FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE Mercados de Contratação de Energia Geração (ambiente competitivo) Preços resultantes de licitações Preços livremente negociados ou

Leia mais

Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada

Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada Desenhando o futuro... Renovação de Concessões de Geração e Oportunidades de Maximização da Energia Assegurada Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Uberlândia, 29 de maio de 2009 1 Empresas Associadas

Leia mais

TECNOLÓGICO NO SETOR ELÉTRICO

TECNOLÓGICO NO SETOR ELÉTRICO III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELECTRICIDADE E GÁS NATURAL PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Romeu Donizete Rufino Diretor Portugal/PT - Porto 11/02/2010 Conteúdo 1. Aspectos

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T14

Apresentação de Resultados 3T14 Apresentação de Resultados 3T14 Destaques do Período Início da operação comercial dos parques do LER 2009 Maior complexo de energia eólica da América Latina: 14 parques, 184 aerogeradores, 294,4 MW de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 386, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 386, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 386, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica, fixa as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012.

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012. OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012. Ao Senhor, CARLOS ALBERTO BEZERRA DE MIRANDA Diretor de Relações com Investidores da BAESA-ENERGETICA BARRA GRANDE S.A Avenida Madre

Leia mais

Demonstrações Financeiras Araraquara Transmissora de Energia S.A.

Demonstrações Financeiras Araraquara Transmissora de Energia S.A. Demonstrações Financeiras Araraquara Transmissora de Energia S.A. Em 31 de dezembro de 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Em 31

Leia mais

(OBRIGATÓRIO TRANSCREVER TODO O CONTEÚDO DESTA MINUTA) ANEXO 04 CARTA-PROPOSTA. Ref.: CONCORRÊNCIA CONSÓRCIO DATACENTER Nº 2009/001 Carta- Proposta

(OBRIGATÓRIO TRANSCREVER TODO O CONTEÚDO DESTA MINUTA) ANEXO 04 CARTA-PROPOSTA. Ref.: CONCORRÊNCIA CONSÓRCIO DATACENTER Nº 2009/001 Carta- Proposta (OBRIGATÓRIO TRANSCREVER TODO O CONTEÚDO DESTA MINUTA) ANEXO 04 CARTA-PROPOSTA CONSÓRCIO DATACENTER Prezados Senhores, Ref.: CONCORRÊNCIA CONSÓRCIO DATACENTER Nº 2009/001 Carta- Proposta Apresentamos nossa

Leia mais

Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 2T14 2T13 Var% 1S14 1S13 Var%

Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 2T14 2T13 Var% 1S14 1S13 Var% 2T14 São Paulo, 14 de agosto de 2014: CESP - Companhia Energética de São Paulo (BM&FBOVESPA: CESP3, CESP5 e CESP6), a maior geradora de energia hidrelétrica do Estado de São Paulo e uma das maiores do

Leia mais

As mudanças na tarifa. Abril de 2015

As mudanças na tarifa. Abril de 2015 As mudanças na tarifa Abril de 2015 1 Visão Geral da Energia Usina Térmica Usina Eólica 2 Visão Geral da Energia Usina Térmica Usina Eólica TARIFA Energia Transporte Encargos Distribuição Impostos 3 Irrigantes

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 365 DE 19 DE MAIO DE 2009 Estabelece as metas de universalização das concessionárias e permissionárias de distribuição de energia elétrica,

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados São Paulo, 04 de Abril de 2013 1 Tractebel Energia 2 Tractebel Energia: Portfólio Balanceado de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 12/2011/CONSU Estabelece normas para o relacionamento entre a Universidade Federal de

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01553-9 NEOENERGIA SA 01.083.200/0001-18 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01553-9 NEOENERGIA SA 01.083.200/0001-18 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/03/2008 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Os dilemas da energia elétrica

Os dilemas da energia elétrica Os dilemas da energia elétrica Sejam bem-vindos! QUEM É A PROTESTE? Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, totalmente independente, mantida pela contribuição de 250 mil associados, todos pessoas

Leia mais

QUEM É A COMPANHIA ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO NORTE (COSERN)?

QUEM É A COMPANHIA ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO NORTE (COSERN)? COSERN QUEM É A COMPANHIA ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO NORTE (COSERN)? A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (COSERN), criada em agosto de 1962, atende 917,7 mil unidades consumidoras. Atualmente,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011: Contribuições de 30/11/2011 a 30/12/2011 EMENTA:

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

Aliança Geração de Energia S.A.

Aliança Geração de Energia S.A. Aliança Geração de Energia S.A. Demonstrações financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Leia mais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais Criação Instituído através do Decreto Estadual Nº 43.914 e lançado pela Cemig através de Chamada Pública. Objeto da Chamada: Convocação de Empresas

Leia mais

PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008

PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008 PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição Federal,

Leia mais

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005 Divulgação Imediata Cot. da Ação PNB CLSC6) em 31/03/05: R$ 0,90/ação Valoriz. No 1T05: -16% Valor de Mercado R$ : 694 milhões US$

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intermediárias Fronteira Oeste Transmissora de Energia S/A FOTE

Demonstrações Financeiras Intermediárias Fronteira Oeste Transmissora de Energia S/A FOTE Demonstrações Financeiras Intermediárias Fronteira Oeste Transmissora de Energia S/A FOTE 31 de março de 2016 com o relatório dos Auditores Independentes sobre a revisão das Demonstrações Financeiras Intermediárias.

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 5.899, DE 5 DE JULHO DE 1973. Dispõe sobre a aquisição dos serviços de eletricidade da ITAIPU e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

... S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E G E S T Ã O T A R I F Á R I A

... S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E G E S T Ã O T A R I F Á R I A S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E G E S T Ã O T A R I F Á R I A Nota Técnica nº 162/2015-SGT/ANEEL Brasília, 19 de junho de 2015 E S T A B E L E C I M E N T O D A S T A R I F A S D E U S O D O S I S

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO Como garantir um mercado seguro e estável ao investidor e ao consumidor

O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO Como garantir um mercado seguro e estável ao investidor e ao consumidor O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO Como garantir um mercado seguro e estável ao investidor e ao consumidor 1 Cenário Geral A composição da tarifa de energia elétrica (ACR) Cálculo: por dentro, ou seja, o ICMS

Leia mais

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007 FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA Guilherme Velho 14 / Março / 2007 Riscos do Setor Elétrico Risco de Déficit (tradicional); Importação de

Leia mais

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE

O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008. Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE O MEIO AMBIENTE PARA INFRA-ESTRUTURA SEMANA FIESP-CIESP DO MEIO AMBIENTE 2008 Silvia M Calou Diretora Executiva ABCE ABCE - Associação Brasileira de Concessionárias de Energia Elétrica - 71 anos de fundação

Leia mais

Concessões de novas instalações de transmissão serão disputadas por 14 empresas 11/21/2008

Concessões de novas instalações de transmissão serão disputadas por 14 empresas 11/21/2008 Concessões de novas instalações de transmissão serão disputadas por 14 empresas 11/21/2008 Empresas do Brasil e da Espanha estão aptas a participarem do leilão de concessões de instalações de transmissão

Leia mais

Duke Energy International, Geração Paranapanema S.A. Informações Contábeis Intermediárias Referentes ao Trimestre Findo em 31 de Março de 2013 e

Duke Energy International, Geração Paranapanema S.A. Informações Contábeis Intermediárias Referentes ao Trimestre Findo em 31 de Março de 2013 e Informações Contábeis Intermediárias Referentes ao Trimestre Findo em 31 de Março de 2013 e Relatório sobre a Revisão de Informações Trimestrais Sumário RELATÓRIO SOBRE A REVISÃO DE INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS...

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008 RELATÓRIO ONS - 3/221/08 EMITIDO EM: 24/10/2008 1 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

ATIVO PERMANENTE. Sendo assim, o Ativo Permanente está dividido em três grupos a saber:

ATIVO PERMANENTE. Sendo assim, o Ativo Permanente está dividido em três grupos a saber: 1. Conceito ATIVO PERMANENTE No Ativo as contas devem estar dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos nela registrados, nos seguintes grupos: ~ Ativo Circulante; ~ Ativo Realizável

Leia mais

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3)

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) Análise Setorial Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) A Sabesp divulgou ontem (09/05/2013, após o encerramento do mercado, seus números referentes ao primeiro trimestre de 2013. O

Leia mais

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico Marco Aurélio Lenzi Castro 1 Fernando Monteiro de Figueiredo 2 Ivan Marques de Toledo Camargo 3 Palavras chave: Análise de Risco, Novo Modelo e Simulação de Monte Carlo. Resumo Com a publicação das Leis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais