FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE"

Transcrição

1 07/04/10 FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE Mercados de Contratação de Energia Geração (ambiente competitivo) Preços resultantes de licitações Preços livremente negociados ou licitados Ambiente de Contratação Regulada (ACR) Distribuidoras Leilões Públicos & Contratos de Longo Prazo Ambiente de Contratação Livre (ACL) Consumidores Livres Comercializadores Autoprodutores 1

2 07/04/10 Características do Consumo: Distribuidora: COPEL Tarifa: THS AZUL Ponta kw Fora Ponta.000 kw Fator de carga médio: Horário Ponta = 3% Horário Fora-Ponta = 84 % Data do reajuste: 4 de junho Enquadramento Tarifário O enquadramento tarifário se dá com base: na legislação, carga instalada, tensão de fornecimento, classe de consumo da unidade e a região onde está localizada. De acordo com o subgrupo tarifário, os consumidores do Grupo A poderão fazer a opção tarifária, conforme a seguir: Subgrupo Tarifário A1 A A MODALIDADE TARIFÁRIA Convencional THS - Azul THS - Verde IMPEDIDO compulsório para qualquer valor de demanda contratada IMPEDIDO Aa disponível para disponível para disponível para A contratos contratos contratos AS (subterrâneo) inferiores a 300 kw a partir de 30 kw a partir de 30 kw

3 07/04/10 Enquadramento Tarifário Modalidade Tarifária - Tarifa Azul Horários Do dia Ponta - 3 horas (17h30 às h30) Fora de ponta (1h restantes) Faturamento de Maio a Novembro (Período Seco) consumo - ponta seca demanda - ponta seca consumo fora de ponta seca demanda fora de ponta seca Faturamento de Dezembro a Abril (Período Úmido) consumo - ponta úmida demanda - ponta úmida consumo fora de ponta úmida demanda fora de ponta úmida Modalidade Tarifária - Tarifa Verde Horários Do dia Ponta - 3 horas (17h30 às h30) Fora de ponta (1h restantes) todo o dia (4 horas) Faturamento de Maio a Novembro (Período Seco) consumo ponta seca consumo fora de ponta seca demanda única Faturamento de Dezembro a Abril (Período Úmido) consumo ponta úmida consumo fora de ponta úmida Composição Tarifária: Encargos Setoriais CCC Conta de Consumo de Combustíveis CDE Conta de Desenvolvimento Energético PROINFA Programa de Incentivo a Fontes Alternativas EER Encargo de Energia de Reserva Uso do Sistema Fio A Uso da Rede de Terceiros Fio B Remuneração da Distribuidora Encargos de Serviço (RGR, Perdas, Conexão, TFSEE e P&D) Energia Elétrica Consumidor Cativo: Mix de Compra de Energia da Distribuidora Transporte de Itaipu + CUST Itaipu ESS, TFSEE, Perdas da Rede Básica e P&D Consumidor Livre: Contrato Bilateral Perdas da Rede Básica ESS, TFSEE 3

4 (R$/MWh) 07/04/10 Uso do Sistema de Distribuição (TUSD): Encargos Setoriais CCC Conta de Consumo de Combustíveis CDE Conta de Desenvolvimento Energético PROINFA Programa de Incentivo a Fontes Alternativas EER Encargo de Energia de Reserva Uso do Sistema Fio A Uso da Rede de Terceiros Fio B Remuneração da Distribuidora Encargos de Serviço (RGR, Perdas, Conexão, TFSEE e P&D) Energia Elétrica Consumidor Cativo: Mix de Compra de Energia da Distribuidora Transporte de Itaipu + CUST Itaipu ESS, TFSEE, Perdas da Rede Básica e P&D Consumidor Livre: Contrato Bilateral Perdas da Rede Básica ESS, TFSEE TARIFAS PROJETADAS: TUSD CLIENTE LIVRE Tensão A Pis & Cofins sobre a TUSD TUSD Encargos TUSD Fio

5 R$ / MWh 07/04/10 Composição Tarifária: Encargos Setoriais CCC Conta de Consumo de Combustíveis CDE Conta de Desenvolvimento Energético PROINFA Programa de Incentivo a Fontes Alternativas EER Encargo de Energia de Reserva Uso do Sistema Fio A Uso da Rede de Terceiros Fio B Remuneração da Distribuidora Encargos de Serviço (RGR, Perdas, Conexão, TFSEE e P&D) Energia Elétrica Consumidor Cativo: Mix de Compra de Energia da Distribuidora Transporte de Itaipu + CUST Itaipu ESS, TFSEE, Perdas da Rede Básica e P&D Consumidor Livre: Contrato Bilateral Perdas da Rede Básica ESS, TFSEE Encargos Setoriais CDE CCC PROINFA OUTROS ENCARGOS EER 5

6 07/04/10 Composição Tarifária: Encargos Setoriais CCC Conta de Consumo de Combustíveis CDE Conta de Desenvolvimento Energético PROINFA Programa de Incentivo a Fontes Alternativas EER Encargo de Energia de Reserva Uso do Sistema Fio A Uso da Rede de Terceiros Fio B Remuneração da Distribuidora Encargos de Serviço (RGR, Perdas, Conexão, TFSEE e P&D) Energia Elétrica Consumidor Cativo: Mix de Compra de Energia da Distribuidora Transporte de Itaipu + CUST Itaipu ESS, TFSEE, Perdas da Rede Básica e P&D Consumidor Livre: Contrato Bilateral Perdas da Rede Básica ESS, TFSEE Tarifa de Energia (TE): Composição da Tarifa de Energia: Mix de Compra das distribuidoras: Leilão de Energia Existente; Leilão de Energia Nova; Leilão de Ajuste; Contrato Bilaterais; Compra de Energia Elétrica de ITAIPU Encargos Setoriais: MUST Itaipu; Transporte ITAIPU; P&D e TFSEE; ESS CVA e Subsídios (Financeiros) Inclusão de PIS/COFINS. 6

7 MWmédio MWmédio R$/MWh 07/04/10 Volumes já Contratados em Leilões - Brasil ABAIXO SEGUE COMPOSIÇÃO TÉRMICA E HIDRÍCA DO VOLUME CONTRATADO NOS LEILÕES DE ENERGIA ATÉ A DATA; OS LEILÕES DE ENERGIA NOVA TEM SIDO FORMADOS EM SUA MAIORIA POR ENERGIA TÉRMICA O QUE CONTRIBUI PARA ELEVAÇÃO NO PREÇO DE ENERGIA TERMICA ENERGIA NOVA HIDRO JIRAU E SANTO ANTONIO HIDRO ENERGIA NOVA HIDRO ENERGIA EXISTENTE Preços Leilões de Energia - Brasil R$/MWh em valores constantes out-0 Preço Médio de Energia R$ 114 Energia Existente: R$ 8 Energia Nova: R$ 1 Energia Nova - Hidro R$ 113 Energia Nova - Térmica R$ 148 Hidro Termo Preço H Preço T Data Base: Out/0 7

8 07/04/10 RISCOS DA CONTRATAÇÃO DE ENERGIA: ENERGIA COMPRADA PARA REVENDA COPEL 0 0% 3% 5% % Itaipú Proinfra Bilateral 3% % Leilões Energia Existente MW Leilões Energia Nova MW 58% Necessidade de Compra Sobras e Déficits INCERTEZAS NO PERCENTUAL DE RENOVAÇÃO DA ENERGIA EXISTENTE, APÓS 1, E NO SEU PREÇO, REPRESENTA 58% DA CONTRATAÇÃO DE ENERGIA DA COPEL EM 0; RISCOS DA CONTRATAÇÃO DE ENERGIA: ENERGIA COMPRADA PARA REVENDA COPEL 16 0% 8% 16% Itaipú % Proinfra 30% 6% Bilateral Leilões Energia Existente MW Leilões Energia Nova MW Necessidade de Compra 38% Sobras e Déficits EM 16 A ENERGIA NOVA IRÁ REPRESENTAR 30% DA ENERGIA COMPRADA PARA REVENDA DA COPEL FRENTE AOS % REALIZADOS EM 0 ; 8

9 07/04/10 Premissas Premissas utilizadas na projeção da Tarifa de Energia: Recontratação da Energia Existente: R$ 110,00 /MWh; Recontratação da Energia Existente: 75% (ao ano); Crescimento de Mercado: conforme dados da EPE (Empresa de Pesquisa Energética) Dados do PLD (Preço de Liquidação e Diferenças), conforme PMO (Preço Mensal de Operação) - Out/0 COPEL PORTFÓLIO DE COMPRA DE ENERGIA MWm - Portfólio de Compra Itaipú Proinfra Bilateral Leilões Energia Existente MW Leilões Energia Nova MW o. Leilão Nova o. Leilão Nova o. Leilão Nova o. Leilão Nova o. Leilão Nova o. Leilão Alternativo Leilão Santo Antonio Leilão Jirau o. Leilão Nova o. Leilão Nova Necessidade de Compra Sobras e Déficits Energia Comprada para Revenda

10 07/04/10 COPEL PORTFÓLIO DE COMPRA DE ENERGIA % - Portfólio de Compra Itaipú % % 1% % 1% 18% 17% 16% Proinfra % % % % % % % % Bilateral % 8% 8% 8% 7% 7% 7% 6% Leilões Energia Existente MW 58% 57% 54% 5% 31% 3% 1% 18% Leilões Energia Nova MW 5% 6% 11% 16% 6% 3% 3% 31% 1o. Leilão Nova 6% 5% 6% 45% 7% 1% % % o. Leilão Nova 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 3o. Leilão Nova 0% 0% 17% % 13% 10% 10% 10% 4o. Leilão Nova 4% 5% 6% 4% % % % % 5o. Leilão Nova 0% 0% 0% 17% % 16% 15% 15% 1o. Leilão Alternativo 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Leilão Santo Antonio 0% 0% 0% 3% 6% 8% 10% 10% Leilão Jirau 0% 0% 0% 0% 8% 10% 1% 13% 6o. Leilão Nova (A-3 08) 0% 0% 8% 10% 6% 5% 4% 4% 7o. Leilão Nova 0% 0% 0% 0% 18% % 8% 7% Necessidade de Compra 0% 5% 4% % 14% 18% 3% 7% Sobras e Déficits 3% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Energia Comprada para Revenda 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% Energia EXISTENT E Energia NOVA COPEL PORTFÓLIO DE COMPRA DE ENERGIA Compra em Leilões Volume Contratado GWh MW % % Existente H ,1% H ,1% Nova T ,% T ,% Hidro - 30 anos H ,% H ,% Térmica - 15 anos T ,1% T ,1% Volume Contratado Energia Nova e Existente - MW Volume Contratado Energia Nova - MW 55,% 35,1% 64,% 44,1% Existente Nova Hidro - 30 anos Térmica - 15 anos 10

11 R$ / MWh 07/04/10 COPEL PORTFÓLIO DE COMPRA DE ENERGIA 100% 0% % 70% % 50% 40% 30% % 10% 0% Portfólio de Compra de Energia 0,0% 3,% 4,7% 4,0%,5% 0,0% 11,% 14,% 4,8% 6,0% 11,0% 16,3% 18,8%,5% 6,3% 3,1% 3,1% 58,1% 56,8% 54,1% 51,7% 30,% 34,% 6,7% 3,3%,0%,0%,5% 8,5%,3% 8,1%,% 7,7%,1% 7,4% 7,0% 6,7% 6,4%,0% 1,% 1,% 1,8% PROINFA LEILÃO DE ENERGIA EXISTENTE NECESSIDADE DE COMPRA CONTRATO BILATERAL LEILÃO DE ENERGIA NOVA SOBRA E DÉFICITS - MSCD MESMO COM A CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL DE 08 PARA 10, A COPEL JÁ APRESENTA NECESSIDADE DE CONTRATAÇÃO DE ENERGIA NOVA; COPEL PORTFÓLIO DE COMPRA DE ENERGIA NECESSIDADE DE COMPRA LEILÃO DE ENERGIA EXISTENTE CONTRATO BILATERAL LEILÃO DE ENERGIA NOVA TARIFA MÉDIA Incertezas quanto a contratação da energia existente 11

12 R$ / MWh 07/04/10 COPEL PORTFÓLIO DE COMPRA DE ENERGIA De acordo com a Resolução ANELL nº 166, de 10 de outubro de 05: A composição do custo de repasse de energia (Mix de Compra, Perdas, ESS, TFSEE, P&D, CVA e Subsídios) é equivalente à cobrança do consumo no horário fora-ponta e no período n; A tarifa para aplicação no período seco deverá ser 1% maior, em relação ao período úmido; A tarifa aplicada ao consumo verificado no horário da ponta deverá ser 7% maior, em relação à tarifa do horário fora-ponta. Sendo assim, a tarifa média final de consumo, referente ao perfil de carga, é apresentado a seguir: COPEL PORTFÓLIO DE COMPRA DE ENERGIA TARIFA MÉDIA DE ENERGIA ENERGIA NO VAREJO COPEL DISTR

13 (R$/MWh) 07/04/10 TARIFAS PROJETADAS: TE TARIFA DE ENERGIA Tensão A Pis & Cofins sobre Tarifa de Energia Subsídios Diversos Tarifa Média de Energia - SEM Pis & Cofins Composição Tarifária: Encargos Setoriais CCC Conta de Consumo de Combustíveis CDE Conta de Desenvolvimento Energético PROINFA Programa de Incentivo a Fontes Alternativas EER Encargo de Energia de Reserva Uso do Sistema Fio A Uso da Rede de Terceiros Fio B Remuneração da Distribuidora Encargos de Serviço (RGR, Perdas, Conexão, TFSEE e P&D) Energia Elétrica Consumidor Cativo: Mix de Compra de Energia da Distribuidora Transporte de Itaipu + CUST Itaipu ESS, TFSEE, Perdas da Rede Básica e P&D Consumidor Livre: Contrato Bilateral Perdas da Rede Básica ESS, TFSEE 13

14 (R$/MWh) R$/MWh 07/04/10 TARIFAS PROJETADAS: FORNECIMENTO CATIVO Tensão A TUSD Fio TUSD Encargos Pis & Cofins sobre a TUSD Pis & Cofins sobre Tarifa de Energia Tarifa Média de Energia - SEM Pis & Cofins TARIFAS PROJETADAS: FORNECIMENTO CATIVO Tensão A: Tarifa Média de Energia com Pis/Cofins Fio Encargos Pis/Cofins TUSD 14

15 R$/MWh R$/MWh 07/04/10 TARIFAS PROJETADAS: FORNECIMENTO CATIVO Tensão A: Com 50% de Desconto no Fio Tarifa Média de Energia com Pis/Cofins Fio Encargos Pis/Cofins TUSD TARIFAS PROJETADAS: FORNECIMENTO CATIVO Tensão A: BreakEven para Fonte Renovável Pis/Cofins TUSD Encargos Fio Break-even Energia com Pis/Cofins 15

16 R$/MWh R$/MWh 07/04/10 TARIFAS PROJETADAS: FORNECIMENTO CATIVO Tensão A: Com 100% de Desconto no Fio Tarifa Média de Energia com Pis/Cofins Fio Encargos Pis/Cofins TUSD TARIFAS PROJETADAS: FORNECIMENTO CATIVO Tensão A: BreakEven para Fonte Renovável (100%) Break-even Energia com Pis/Cofins Fio Encargos Pis/Cofins TUSD 16

17 07/04/10 Andrade & Canellas Escritório São Paulo Rua Alexandre Dumas, º andar Chácara Sto. Antonio São Paulo SP CEP Tel.: Fax: Escritório Rio de janeiro Praia Botafogo, 8 6º andar Sala 6 Botafogo Rio de Janeiro RJ CEP Tel.: / 8871 / 8483 Escritório Brasília SHS Qd. 06 Bl. E Loja 1504 / 1505 Ed. Brasil XXI Brasília DF CEP Tel.: /

Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro

Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro João Carlos Mello - CEO Novembro de 2012 Objetivo Esta é uma síntese do impacto da Medida Provisória nº 579 (MP 579) no setor elétrico nacional

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 07 Santo André, 13 de junho de 2011 Gestor de Energia - Mercado Objetivos ótica da

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE AGENDA CARACTERISTICAS CONSUMIDOR LIVRE ESPECIAL; CUSTO DE OPORTUNIDADE ENTRE MERCADO LIVRE E MERCADO CATIVO; ESTUDOS DE CASO; HISTÓRICO E VOLATILIDADE DOS PREÇOS

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

Uso da Energia Elétrica na Sabesp. 29 de Maio de 2009

Uso da Energia Elétrica na Sabesp. 29 de Maio de 2009 Uso da Energia Elétrica na Sabesp 29 de Maio de 2009 Agenda Tarifas de Energia Elétrica Uso de Energia Elétrica no Setor de Saneamento Uso de Energia Elétrica na Sabesp Tarifas de Energia Elétrica Evolução

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008

Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008 Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008 Destaques 3T08 MERCADO Crescimento do consumo na área de concessão de 3,3% no trimestre Redução de 0,30 p.p nas perdas não-técnicas de energia no ano

Leia mais

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre

Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre Perspectivas da Contratação de Energia no Mercado Livre 19 de Agosto de 2008 ABRACEEL www.abraceel.com.br Venda de Energia Leilão de Energia de Reserva Mercado Livre de Fontes Incentivadas CCEE O Papel

Leia mais

Histórico Trade Energy

Histórico Trade Energy Consumidor Livre Histórico Trade Energy Fundação da empresa com sede em Brasília Sócios: INEPAR ENERGIA, DESENVIX, ENERGÉTICA-TECH Autorização da ANEEL segunda Comercializadora no país Adesão pioneira

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 7. 1 P R O C E D I M E N T O S G E R A I S Revisão 1.0

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados O suprimento de energia no Brasil e o seu impacto nas tarifas de energia

Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados O suprimento de energia no Brasil e o seu impacto nas tarifas de energia Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados O suprimento de energia no Brasil e o seu impacto nas tarifas de energia Brasília, 26 de março de 2015. A Abraceel Única Independente Livre Atua desde

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia 10 de Dezembro de 2012 Linha do Tempo do Mercado Livre no Brasil 1995

Leia mais

4) Ambiente Regulatório e Institucional

4) Ambiente Regulatório e Institucional ANEXO I: EMENTA DA TERCEIRA PROVA DE CERTIFICAÇÃO ABRACEEL DE HABILITAÇÃO PARA EXERCÍCIO DE ATIVIDADE DE ESPECIALISTA EM COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA (2015) 1) Ambientes de Contratação de Energia

Leia mais

4 º Congresso de Consumidores CELESC. Copel Distribuição S.A.

4 º Congresso de Consumidores CELESC. Copel Distribuição S.A. 4 º Congresso de Consumidores CELESC Copel Distribuição S.A. Novembro 2014 Agenda 1. Contextualização Estrutura da Copel Sistema Elétrico Composição Tarifária 2. Entenda a atual crise no setor elétrico

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Assunto: Reajuste das Tarifas de uso dos sistemas de distribuição da empresa Boa Vista Energia S/A - Boa Vista. I DO OBJETIVO Esta nota técnica

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CUSTO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

EVOLUÇÃO DO CUSTO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL EVOLUÇÃO DO CUSTO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Mario Veiga mario@psr-inc.com ENASE Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2009 Temário Evolução histórica da tarifa de fornecimento Evolução dos preços de energia

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico Marco Aurélio Lenzi Castro 1 Fernando Monteiro de Figueiredo 2 Ivan Marques de Toledo Camargo 3 Palavras chave: Análise de Risco, Novo Modelo e Simulação de Monte Carlo. Resumo Com a publicação das Leis

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias

Preço Futuro da Energia Elétrica Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias Preço Futuro da Energia Elétrica" Paulo Cezar C. Tavares Presidente da SOLenergias ÍNDICE 1. Antecedentes 2. Eventos relevantes para formação do Preço 2.1 MP 579 (lei 12.783 ) 2.2 CNPE 03 2.3 PRT 455 2.4

Leia mais

EVANDRO GONÇALVES PIZETA ANÁLISE DA REGULAMENTAÇÃO DO SUPRIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA AOS PÓLOS INDUSTRIAIS COMO FATOR DE COMPETITIVIDADE São Paulo 2009 EVANDRO GONÇALVES PIZETA ANÁLISE DA REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

As mudanças na tarifa. Abril de 2015

As mudanças na tarifa. Abril de 2015 As mudanças na tarifa Abril de 2015 1 Visão Geral da Energia Usina Térmica Usina Eólica 2 Visão Geral da Energia Usina Térmica Usina Eólica TARIFA Energia Transporte Encargos Distribuição Impostos 3 Irrigantes

Leia mais

Diretoria de Planejamento Energético

Diretoria de Planejamento Energético Conceitos e Práticas São Paulo, 9 de Fevereiro de 2009. Objetivos 1 Apresentar alguns conceitos fundamentais referentes ao Mercado de Energia Elétrica Brasileiro. 2 Apresentar a atuação da Diretoria de

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA. Alessandro de Lima Castro

IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA. Alessandro de Lima Castro IMPLICAÇÕES DO NOVO MODELO SOBRE ESTRUTURA TARIFÁRIA Alessandro de Lima Castro Abril de 2005 ESTRUTURA TARIFÁRIA VIGENTE TARIFA DE FORNECIMENTO TARIFA DE USO PARCELA FIO PARCELA ENCARGO TARIFA ENERGIA

Leia mais

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL Tema central Investimento, risco e regulação Seção B. A Indústria Investimento em energias renováveis no Brasil. A oportunidade da energia eólica Amilcar

Leia mais

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0 Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos ÍNDICE Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos 4 1. Termos 4 2. Definições 15 3. Dimensões 16 4. Conjuntos 19 5. Acrônimos 34

Leia mais

MERCADO LIVRE. FIEP, 10.set.2015 Luís Gameiro, diretor

MERCADO LIVRE. FIEP, 10.set.2015 Luís Gameiro, diretor MERCADO LIVRE FIEP, 10.set.2015 Luís Gameiro, diretor Consumidor Livre ACL Regulamentação Mínima G Competição Forte Regulamentação T D Monopólio Natural Regulamentação Mínima C Competição M Consumidor

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

. / 012343// 156 01 2 /. 31. 0 7131. 1 8 93

. / 012343// 156 01 2 /. 31. 0 7131. 1 8 93 !" ##" $#%#" &&&#" "' (" &&" ')&#" (*+"((,"(-. / 012343// 156 01 2 /. 31. 0 7131. 1 8 93!" Centro Nacional de Referência em Biomassa (CENBIO) Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEE) Universidade de

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

Entenda a Indústria. energia elétrica

Entenda a Indústria. energia elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 O mercado de energia elétrica Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 5 A geração e

Leia mais

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa A Visão dos Geradores Edson Luiz da Silva Diretor de Regulação A Apine Perfil dos Sócios Geradores privados de energia elétrica

Leia mais

Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de. Brasília, 06 de julho de 2011

Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de. Brasília, 06 de julho de 2011 Audiência Pública no Senado Federal Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de Usinas Hidrelétricas Brasília, 06 de julho de 2011 A ABRAGE Associação civil sem fins lucrativos; Instituída

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

Uma introdução ao setor elétrico

Uma introdução ao setor elétrico Uma introdução ao setor elétrico No Brasil, as hidrelétricas respondem por aproximadamente 80% da eletricidade. Isso significa que, se por um lado, o país conta com a fonte mais barata para produção de

Leia mais

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES

2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES 2º Seminário Internacional CANA & ENERGIA GERAÇÃO COORDENADA GANHOS PARA OS PARTICIPANTES Fabio Ramos, Ph.D. Diretor da RHE Consultoria e Participações Ltda. 29/08/2002 Considerações Iniciais Potência

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 ITR Informações Trimestrais 30/06/2012 NEOENERGIA S.A Versão : 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA

TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA PROGRAMA Principais Fatos das Reformas Institucionais da Indústria de Energia Elétrica 1 Introdução 2 Histórico das Reformas do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Sumário Executivo Este documento oferece uma análise factual sobre a composição da tarifa de energia elétrica, os fatores que levam à variação de cada

Leia mais

O Custo da Energia no Brasil. O peso dos tributos e encargos e a modicidade tarifária

O Custo da Energia no Brasil. O peso dos tributos e encargos e a modicidade tarifária O Custo da Energia no Brasil O peso dos tributos e encargos e a modicidade tarifária ria José Roberto Giannotti VicePresidente da ABRACE Coordenador Comitê Executivo das Associações 24/setembro/2004 As

Leia mais

Impactos da MP nº 579

Impactos da MP nº 579 Impactos da MP nº 579 José Rosenblatt jrosenb@psr-inc.com Agência Dinheiro Vivo São Paulo, 10 de dezembro de 2012 1 Sumário Resumo das medidas e questões Geração Transmissão Encargos Impactos da MP Tarifas

Leia mais

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL

TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL TARIFA BRANCA E BANDEIRAS TARIFÁRIAS VISÃO DA ANEEL Diego Luís Brancher Especialista em Regulação Chapecó/SC 27/11/2014 PROGRAMA 1.BANDEIRAS TARIFÁRIAS DÚVIDAS 2.TARIFA BRANCA DÚVIDAS 2 BANDEIRAS TARIFÁRIAS

Leia mais

Cenários de Preço Futuro de Energia

Cenários de Preço Futuro de Energia Cenários de Preço Futuro de Energia Novembro/2010 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - EDP ENERGIAS DO BRASIL S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - EDP ENERGIAS DO BRASIL S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida

Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida REESTRUTURAÇÃO NO REINO UNIDO 1947 180 empresas incorporadas na CENTRAL ELECTRICITY GENERATING BOARD - CEGB. 1990 Privatização começou pelas distribuidoras. Mercado Spot (EPEW) organizado pela NATIONAL

Leia mais

Mercado cativo: vantagens e atratividade para venda de energia em leilões regulados Luiz Carlos Guimarães

Mercado cativo: vantagens e atratividade para venda de energia em leilões regulados Luiz Carlos Guimarães Mercado cativo: vantagens e atratividade para venda de energia em leilões regulados Luiz Carlos Guimarães PRESIDENTE DA ABRADEE Viabilidade de Investimentos em Fontes Alternativas Alternativas para a alocação

Leia mais

Contratação do Uso da Rede pelo Setor Sucroenergético. II Seminário de Bioeletricidade ÚNICA e Ceise Br

Contratação do Uso da Rede pelo Setor Sucroenergético. II Seminário de Bioeletricidade ÚNICA e Ceise Br Contratação do Uso da Rede pelo Setor Sucroenergético II Seminário de Bioeletricidade ÚNICA e Ceise Br Agenda Resolução 414 Demanda ou MUSD contratados, mínimos Ultrapassagem Redução de Demanda, Sazonalidade

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

3. Os requisitos e critérios para a aludida modificação do regime de exploração do serviço estão estabelecidos no art. 2º da REN nº 467/2011.

3. Os requisitos e critérios para a aludida modificação do regime de exploração do serviço estão estabelecidos no art. 2º da REN nº 467/2011. Nota Técnica nº 076/2012-SRG-SRE-SEM/ANEEL Em 1º de outubro de 2012. Processo nº: 48500.002031/2010-71 Assunto: Resolução Normativa nº 467/2011 Análise do alcance do dispositivo previsto no art. 8º. I.

Leia mais

Notas Explicativas. CERNHE Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento CERNHE:

Notas Explicativas. CERNHE Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento CERNHE: Notas Explicativas CERNHE Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento Rural da Região de Novo Horizonte 2012 CERNHE: Distribuindo Energia com qualidade, tecnologia e competência em prol do bem estar

Leia mais

Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia

Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia 1 Análise da Migração de uma Unidade Consumidora para o Mercado Livre de Energia Arnulfo Barroso de Vasconcellos, Dr.; Sthefany Campos Camolesi, Acad.; Luciana Oliveira da Silva, Eng.; Erika Tiemi Anabuki,

Leia mais

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos

Leia mais

A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre

A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre Luiz Barroso luiz@psr-inc.com 7º Encontro Anual do Mercado Livre, Novembro de 2015 1 Temário Contexto e propostas Solucionando o passado: Passivos

Leia mais

DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 360/2010-SRE-SRD/ANEEL Brasília, 06 de Dezembro de 2010 ... P R O P O S T A G E R A L D O P R O J E T O

DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 360/2010-SRE-SRD/ANEEL Brasília, 06 de Dezembro de 2010 ... P R O P O S T A G E R A L D O P R O J E T O S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E R EG U L AÇÃ O ECONÔMICA S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E R EG U L AÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO Nota Técnica nº 360/2010-SRE-SRD/ANEEL Brasília, 06 de Dezembro

Leia mais

Incômodos para consumidores, impactos para a economia

Incômodos para consumidores, impactos para a economia Incômodos para consumidores, impactos para a economia Ainda que o setor elétrico não estivesse passando por um preocupante e oneroso momento de stress, ainda que quase todos os agentes e consumidores do

Leia mais

3T15. Resultados do 3T15. Teleconferência 3T15 com Tradução Simultânea. Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 3T15 3T14 Var% 9M15 9M14 Var%

3T15. Resultados do 3T15. Teleconferência 3T15 com Tradução Simultânea. Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 3T15 3T14 Var% 9M15 9M14 Var% 3T15 São Paulo, 13 de novembro de 2015: CESP - Companhia Energética de São Paulo (BM&FBOVESPA: CESP3, CESP5 e CESP6) divulga o release de resultados referentes ao terceiro trimestre de 2015 (3T15). As

Leia mais

Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 2T14 2T13 Var% 1S14 1S13 Var%

Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 2T14 2T13 Var% 1S14 1S13 Var% 2T14 São Paulo, 14 de agosto de 2014: CESP - Companhia Energética de São Paulo (BM&FBOVESPA: CESP3, CESP5 e CESP6), a maior geradora de energia hidrelétrica do Estado de São Paulo e uma das maiores do

Leia mais

Impactos da Polí.ca de Preços de Eletricidade e Derivados. Luciano Losekann

Impactos da Polí.ca de Preços de Eletricidade e Derivados. Luciano Losekann Impactos da Polí.ca de Preços de Eletricidade e Derivados Luciano Losekann Introdução Úl$mos três anos foram marcados pela u$lização dos preços de energia para controlar a inflação. Derivados de Petróleo

Leia mais

Case: a sobre contratação das distribuidoras, suas causas e seus efeitos

Case: a sobre contratação das distribuidoras, suas causas e seus efeitos Case: a sobre contratação das distribuidoras, suas causas e seus efeitos Fernando Umbria LPS Consultoria Energética LPS Sobras das distribuidoras As distribuidoras encontram-se com elevados excedentes

Leia mais

Escalada Tarifária do Setor Elétrico

Escalada Tarifária do Setor Elétrico Escalada Tarifária do Setor Elétrico Priscila Lino priscila@psr-inc.com FIESP São Paulo, 19 de agosto de 2015 1 Retrospectiva 2012 Set/12: Edição da MP n o 579 que trata da renovação das concessões: Anúncio

Leia mais

Desenvolvimento de projetos de geração na indústria

Desenvolvimento de projetos de geração na indústria Desenvolvimento de projetos de geração na indústria Fabio Dias Agenda Processos industriais e a geração de energia Autoprodução para a indústria Alternativas e viabilidade de projetos de geração distribuída

Leia mais

GERAÇÃO A Copel opera 27 usinas próprias, sendo 18 hidrelétricas, uma termelétrica e 8 eólicas

GERAÇÃO A Copel opera 27 usinas próprias, sendo 18 hidrelétricas, uma termelétrica e 8 eólicas GERAÇÃO A Copel opera 27 usinas próprias, sendo 18 hidrelétricas, uma termelétrica e 8 eólicas TRANSMISSÃO O sistema de transmissão de energia é responsável pela operação e manutenção de 32 subestações

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T10. Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1

Apresentação de Resultados 2T10. Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 Apresentação de Resultados 2T10 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

ProGD. Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis. Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica

ProGD. Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis. Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica ProGD Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis Brasília, 15 de dezembro de 2015 Metas renováveis Brasil/ONU

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: obter

Leia mais

MP 579 - Renovação das Concessões do Setor Elétrico. 14 de novembro de 2012

MP 579 - Renovação das Concessões do Setor Elétrico. 14 de novembro de 2012 MP 579 - Renovação das Concessões do Setor Elétrico 14 de novembro de 2012 Panorama Legal e Constitucional Constituição Federal de 1988 Artigo 175; Lei 8.987 de 1995 Lei das Concessões Artigos 42 Lei 9.074

Leia mais

Resultados 4T15 / 2015

Resultados 4T15 / 2015 Resultados / 2015 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública nº015/2010 09 de Novembro de 2010 ÍNDICE I RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS

Leia mais

Agenda. Visão do Setor de Energia. CPFL Energia Destaques e Resultados

Agenda. Visão do Setor de Energia. CPFL Energia Destaques e Resultados Agenda Visão do Setor de Energia CPFL Energia Destaques e Resultados O mercado brasileiro é atendido por 64 concessionárias de distribuição de energia Distribuição de Energia 2008 Market Share 1 (%) Distribuidoras

Leia mais

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST Regras de Comercialização Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST 1 versão Versão 1.0 - Minuta 1.0 Índice Cálculo de Descontos TUSD/TUST 3 1 Introdução 3 1.1 Lista de Termos 5 1.2 Conceitos Básicos 6

Leia mais

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR Quadro comparativo Medida Provisória nº 688, de 18 de agosto de 2015. Repactuação do Risco Hidrológico de Geração de Energia Elétrica Publicada em 18 de agosto de 2015 (DOU EXTRA). Dispõe sobre a repactuação

Leia mais

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005 Divulgação Imediata Cot. da Ação PNB CLSC6) em 31/03/05: R$ 0,90/ação Valoriz. No 1T05: -16% Valor de Mercado R$ : 694 milhões US$

Leia mais

Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais

Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE BIOENERGIA CONGRESSO BRASILEIRO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Geração Distribuída de Energia Elétrica Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais NELSON

Leia mais

1. Resumo operacional

1. Resumo operacional PRÉVIA OPERACIONAL Rio de Janeiro, 29 de janeiro de 2016 - A Light S.A. (BMF&BOVESPA: LIGT3) divulga informações prévias operacionais dos segmentos de distribuição, geração e comercialização/serviços de

Leia mais

AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE. Felipe Barroso

AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE. Felipe Barroso AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE Felipe Barroso AGENDA CARACTERÍSTICAS DO MERCADO LIVRE ESPECIAL MONITORAMENTO DAS VARIÁVEIS DE FORMAÇÃO DOS PREÇOS APETITE AO RISCO EXPECTATIVA DE PREÇOS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Audiência Pública nº47 Data: 27/08/2015 Concessão: Bandeirante Cidade: São José dos Campos/SP AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL PRINCIPAIS COMPETÊNCIAS SOMOS RESPONSÁVEIS PELA... Regulação Mediação

Leia mais

9,2 (+) O&M (Fixo e Variável)

9,2 (+) O&M (Fixo e Variável) Setembro de 2012 Edição Especial 1 OPINIÃO IMPACTO TARIFÁRIO DA RENOVAÇÃO DAS CONCESSÕES Os benefícios para os consumidores provêm da redução de três componentes tarifários: 1. Custo de geração; 2. Custo

Leia mais

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia!

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Geração Distribuída Nov/2015... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Blackout New York 14, August 2003 Constituída em 05 de Setembro de 2003 99 empresas associadas que atuam

Leia mais

Riscos e garantias para a comercialização e consumo de energia em projetos de PCH`s

Riscos e garantias para a comercialização e consumo de energia em projetos de PCH`s Riscos e garantias para a comercialização e consumo de energia em projetos de PCH`s PCH 2009:Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Abril de 2009 Histórico da

Leia mais

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Março de 2012 Agentes na CCEE Fevereiro 2012 1800 1650

Leia mais

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Perspectivas, Impactos e Desafios, na Visão dos Agentes do Setor Elétrico PAC e os Aspectos Regulatórios da Geração Luiz Fernando Leone Vianna Quem é APINE? Constituída

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GEC 8 14 a 17 Outubro de 27 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Certificados de Energia

Certificados de Energia Certificados de Energia Patrícia Arce Expansão para o Mercado Livre: Oportunidades para Consumidores e Investidores 05.10.2007 Conceito Mercado livre Possibilita a otimização dos processos de aquisição

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Guia do Cliente Livre

Guia do Cliente Livre Guia do Cliente Livre 2 Guia do Cliente Livre 3 Introdução 1 A compra de energia elétrica na condição de Cliente livre implica na possibilidade de obter contratos compatíveis com as efetivas necessidades

Leia mais

A tentativa de promover a energia eólica no mercado livre (ACL), via inclusão no A-5: irá funcionar?

A tentativa de promover a energia eólica no mercado livre (ACL), via inclusão no A-5: irá funcionar? A tentativa de promover a energia eólica no mercado livre (ACL), via inclusão no A-5: irá funcionar? Profa. Marta Dalbem Unigranrio - PPGA Prof. Luiz Eduardo Teixeira Brandão PUC-Rio IAG/Nupei Prof. Leonardo

Leia mais

ANAIS DOS TRABALHOS DE DIPLOMA DEZEMBRO/2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ ENGENHARIA ELÉTRICA

ANAIS DOS TRABALHOS DE DIPLOMA DEZEMBRO/2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ ENGENHARIA ELÉTRICA ANAIS DOS TRABALHOS DE DIPLOMA DEZEMBRO/2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ ENGENHARIA ELÉTRICA O MERCADO DE ENERGIA COM ÊNFASE NAS FONTES DE ENERGIA ALTERNATIVA Diego Correia do Prado Silva Leister Carneiro

Leia mais

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas

Clique para adicionar um título. Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique para adicionar um título Setor Elétrico Brasileiro: Cenário atual e perspectivas Clique Agendapara adicionar um título O Atual Modelo de Comercialização A MP 579 e a Lei 12.783 O Risco de suprimento

Leia mais