MP Renovação das Concessões do Setor Elétrico. 14 de novembro de 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MP 579 - Renovação das Concessões do Setor Elétrico. 14 de novembro de 2012"

Transcrição

1 MP Renovação das Concessões do Setor Elétrico 14 de novembro de 2012

2 Panorama Legal e Constitucional Constituição Federal de 1988 Artigo 175; Lei de 1995 Lei das Concessões Artigos 42 Lei de 1995 Outorga e prorrogação das concessões e permissões de serviços públicos Artigo 4º, 2º e Artigos 19, 20, 21, 22, 23, 24 e 25 Decreto de Estabelece procedimentos para prorrogação das concessões dos serviços públicos de energia elétrica de que trata a Lei n 9.074/1995 Portaria DNAEE 91 de 1996 Procedimentos para a requisição da prorrogação Lei de 2004 Altera a Lei 9.074/1995, especialmente no que concerne à intelecção de seu artigo 4, 2º MP 579/2012 e Decreto 7805/2012 2

3 MP 579 Concessões de Geração Abrangência Alcançadas pelo art. 19 da Lei nº 9.074, de 1995 Independente de ter ou não já solicitado a primeira prorrogação (e do estágio de tramitação do pedido) Inclui térmicas em regime de concessão e APEs com capacidade até 50 MW Exclui as usinas alcançadas pelo art. 20 da Lei nº 9.074, de 1995 (Serra da Mesa, Itá, Machadinho) Exclui Térmicas, PCHs e Eólicas sob regime de autorização Não abrange geradoras privatizadas e concessões posteriores a

4 MP 579 Concessões de Geração Isonomia de Tratamento Diferenciação entre direito adquirido e expectativa de direito STF reconhece que não há garantia a regime jurídico adquirido (leis podem ser modificadas, mas não podem ferir direitos já adquiridos ou protegidos contratualmente) Lentidão MME/ANEEL (concessões já vencidas como tratar?) São Simão/Três Irmãos são casos diferentes de Porto Primavera/Emborcação/Nova Ponte (e Serra da Mesa)? 4

5 MP 579 Concessões de Geração Antecipação das Renovações Sistema de cotas (solução para sobrecontratação do sistema?) Usinas com energia contratada no ACL (qual a solução?) Prazo para tomada de decisão Pedido condicionado (ou ratificação) apresentado em 15/10/2012 Valor de tarifa e indenização (por usina) divulgada pelo MME em 01/11/2012 Assinatura dos aditamentos até 04/12/2012 Os termos aditivos aos contratos de concessão já foram encaminhados aos agentes interessados na prorrogação de seus contratos de concessão. O prazo limite para assinatura dos termos aditivos é de 30 dias contados da data de recebimento dos ofícios de convocação, os quais já foram devidamente encaminhados e recebidos pelos concessionários. A MP 579 não terá sido convertida em Lei em 04/12/2012 5

6 MP 579 Concessões de Geração Tarifa Inicial das Usinas a serem prorrogadas Portaria MME n. 578 trouxe em seu escopo as novas tarifas iniciais que serão aplicadas a cada uma das usinas hidrelétricas enquadradas no artigo 1º da MP 579/2012 Custo da Gestão dos Ativos de Geração GAG - incluem os custos regulatórios de operação, manutenção e administração dos ativos, entre outros Não estão claramente previstos na tarifa as compensações financeiras, tarifas de uso de sistema de transmissão e tarifas de uso do sistema de distribuição UHE Complexo Paulo Afonso (Apolônio Sales/Moxotó, Paulo Afonso I, Paulo Afonso II, Paulo Afonso III, Paulo Afonso IV) Complexo Ilha Solteira (Ilha Solteira, Três Irmãos) Furnas Três Marias Gov. Pedro Viriato Parigot de Souza (Capivari/Cachoeira) Jacuí Coaracy Nunes Concessionário Companhia Hidro Elétrica do São Francisco CHESF Companhia Energética de São Paulo CESP Furnas Centrais Elétricas S.A. CEMIG Geração e Transmissão S.A. CEMIG GT COPEL Geração e Transmissão S.A. Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica CEEE GT Centrais Elétricas do Norte do Brasil ELETRONORTE Termo da Concessão (original) Nova tarifa (R$/kW.ano) Nova tarifa (R$/MWh) , ~6,83 Ilha Solteira 2015 Três Irmãos ,62518 ~6, ,60244 ~9, ,48553 ~13, ,10940 ~13, ,04383 ~17, ,25490 ~22,88 Palmeiras Celesc Geração S.A ,87788 ~27,59 6

7 Concessões Novas e Antigas diferentes tratamentos na legislação ANTIGAS (anteriores a 2003) Vencidas em 95: + 20 anos (até jul/2015) Vigentes em 95: + 20 anos (a partir do vencimento) Licitadas, mas atrasadas em 95 ( anos) Jupiá, Ilha Solteira, Paulo Afonso Porto Primavera, Emborcação, Nova Ponte Itá, Machadinho, Rosal Transição entre Modelos (Entre 95 e 2003) Privatizadas: prazo previsto no edital/contrato (regra específica para privatizações) (+20) Licitadas: (+35) Tractebel, Duke, AES Tietê São Salvador, Ponte de Pedra, Estreito NOVAS (posteriores a 2003) 35 anos, sem prorrogação Jirau, Belo Monte, Teles Pires 7

8 MP 579 Concessões de Transmissão Abrangência Alcançadas pelo art. 17, parágrafo 5º da Lei nº 9.074, de 1995 Na definição da MP 579 apenas os ativos classificados como Rede Básica estão abrangidos (indefinição em relação às DITs) Não inclui concessões de novas LTs/SEs posteriores a 1997 Indenização Zero para RBSE Anterior a 31/5/2000 Inconstitucionalidade do artigo 15, parágrafo 2º Situação das concessões que já tiverem revisão tarifária periódica relativa à RBSE (não blindadas) Caso CEMIG GT TUST Reduzida A partilha do pagamento da nova TUST a partir de janeiro de 2013 conservará a proporção 50/50 (geração/carga) definida na Resolução ANEEL 117/04? 8

9 MP 579 Concessões de Transmissão Receita Anual Permitida - RAP Portaria MME n. 579 determinou os novos valores de RAP das concessionárias de transmissão. Referencial adotado para a definição da RAP Máxima eficiência verificada. Assume como referencial para definição da tarifa valores de custos operacionais verificados entre as empresas mais eficientes do setor. Encargos considerados no cálculo da RAP: Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) 1% sobre a Receita Operacional Liquida; Taxa de fiscalização (TFSEE) 0,5% incidente sobre a Receita Bruta da Transmissora Concessionário Celg Geração e Transmissão S.A. CELG GT Cemig Geração e Transmissão S.A. CEMIG GT Centrais Elétricas do Norte do Brasil ELETRONORTE Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista CTEEP Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica CEEE GT Companhia Hidro Elétrica do São Francisco CHESF COPEL Geração e Transmissão S.A. COPEL GT Eletrosul Centrais Elétricas S.A. ELETROSUL Furnas Centrais Elétricas S.A. FURNAS Contrato Vincendo RAP Atual (R$) (Contrato Vincendo) Nova RAP (R$) (Contrato Vincendo) % redução 063/ , ,68 60,8 006/ , ,05 67,8 058/ , ,49 72,6 059/ , ,35 74,5 055/ , ,36 61,8 061/ , ,41 59,8 060/ , ,73 58,33 057/ , ,15 52,6 062/ , ,27 70,5 9

10 MP 579 Concessões de Distribuição Abrangência Alcançadas pelo art. 22 da Lei nº de 1995 Não abrange concessões privatizadas Revisão Tarifária Extraordinária Empresas que já passaram pelo 3º Ciclo terão nova revisão da base de ativos? Conforme Decreto 7.805, a Revisão Extraordinária deveria ter por finalidade capturar apenas a redução de encargos e custo de energia (para as distribuidoras que não passaram pelo 3º Ciclo) Necessidade de regulamentação posterior da ANEEL 10

11 MP 579 Indenização dos ativos não amortizados / depreciados Cálculo do valor de Indenização - Geração Cálculos realizados pela EPE com base nos projetos básicos (incluindo quantitativos) apresentados pelos concessionários Tempo de operação: Data de inicio da operação da unidade geradora mais antiga A taxa de depreciação aplicada considerou o seguinte: (i) até 1999, depreciação total da usina calculada à 3% de depreciação ao ano; e (ii) após 1999, depreciação por segmento da usina. Investimentos em manutenção não considerados para o cálculo da indenização das usinas geradoras Cálculo do valor de Indenização - Transmissão Valor Novo de Reposição Com base no Banco de Preços Referenciais da ANEEL Custos médios de aquisição e instalação dos diversos equipamentos. Instalações existentes em 31/05/2000 Consideradas totalmente amortizadas 11

12

Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões

Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões Contribuições da ANEEL ao Processo de Renovação das Concessões NELSON JOSÉ HÜBNER MOREIRA DIRETOR GERAL 9 de novembro de 2012 Brasília DF Renovação das Concessões Indenização dos Ativos de Transmissão

Leia mais

Concessões de Geração e de Transmissão Estabelecimento do valor residual das instalações. Maurício Tiomno Tolmasquim

Concessões de Geração e de Transmissão Estabelecimento do valor residual das instalações. Maurício Tiomno Tolmasquim Concessões de Geração e de Transmissão Estabelecimento do valor residual das instalações Maurício Tiomno Tolmasquim Brasília, 11 de setembro de 2012 Indenização dos Ativos Valor Novo de Reposição Refere-se

Leia mais

Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro

Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro João Carlos Mello - CEO Novembro de 2012 Objetivo Esta é uma síntese do impacto da Medida Provisória nº 579 (MP 579) no setor elétrico nacional

Leia mais

Vencimento das Concessões do Setor Elétrico

Vencimento das Concessões do Setor Elétrico Vencimento das Concessões do Setor Elétrico O problema O Lobby de concessionárias do setor elétrico pela re-prorrogação dos contratos que vencem a partir de 2015 O que vence a partir de 2015 Geração Transmissão

Leia mais

Agenda. Visão do Setor de Energia. CPFL Energia Destaques e Resultados

Agenda. Visão do Setor de Energia. CPFL Energia Destaques e Resultados Agenda Visão do Setor de Energia CPFL Energia Destaques e Resultados O mercado brasileiro é atendido por 64 concessionárias de distribuição de energia Distribuição de Energia 2008 Market Share 1 (%) Distribuidoras

Leia mais

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia 10 de Dezembro de 2012 Linha do Tempo do Mercado Livre no Brasil 1995

Leia mais

Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de. Brasília, 06 de julho de 2011

Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de. Brasília, 06 de julho de 2011 Audiência Pública no Senado Federal Considerações da ABRAGE sobre o Vencimento das Concessões de Usinas Hidrelétricas Brasília, 06 de julho de 2011 A ABRAGE Associação civil sem fins lucrativos; Instituída

Leia mais

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre o marco institucional das Concessões Vincendas de Energia Elétrica Setembro

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS E CONSTITUCIONAIS ACERCA DAS CONCESSÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A VENCER EM 2015

ASPECTOS LEGAIS E CONSTITUCIONAIS ACERCA DAS CONCESSÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A VENCER EM 2015 ESTUDO ASPECTOS LEGAIS E CONSTITUCIONAIS ACERCA DAS CONCESSÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A VENCER EM 2015 Wagner Marques Tavares Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos ESTUDO

Leia mais

XIX SIMPÓSIO JURÍDICO ABCE. Marcos regulatórios da energia elétrica. Segurança jurídica e eficiência regulatória. São Paulo, 29.10.

XIX SIMPÓSIO JURÍDICO ABCE. Marcos regulatórios da energia elétrica. Segurança jurídica e eficiência regulatória. São Paulo, 29.10. XIX SIMPÓSIO JURÍDICO ABCE Marcos regulatórios da energia elétrica. Segurança jurídica e eficiência regulatória São Paulo, 29.10.2013 Marcos regulatórios (evolução histórica) - Final do séc. XIX e início

Leia mais

Concessões de novas instalações de transmissão serão disputadas por 14 empresas 11/21/2008

Concessões de novas instalações de transmissão serão disputadas por 14 empresas 11/21/2008 Concessões de novas instalações de transmissão serão disputadas por 14 empresas 11/21/2008 Empresas do Brasil e da Espanha estão aptas a participarem do leilão de concessões de instalações de transmissão

Leia mais

FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE

FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE 07/04/10 FORMAÇÃO DA TARIFA DE FORNECIMENTO DE ENERGIA CATIVO E LIVRE Mercados de Contratação de Energia Geração (ambiente competitivo) Preços resultantes de licitações Preços livremente negociados ou

Leia mais

Aspectos Jurídicos 1

Aspectos Jurídicos 1 Aspectos Jurídicos 1 Planejamento do conteúdo: 1. Direito de energia no Brasil Estrutura e funcionamento do Estado brasileiro Marcos regulatórios (CR, as Políticas, as Leis, as Agências) 2. A contratação

Leia mais

Contribuições da APINE. Consulta Pública ANEEL 010/2013

Contribuições da APINE. Consulta Pública ANEEL 010/2013 Contribuições da APINE Consulta Pública ANEEL 010/2013 CONSIDERAÇÕES A Consulta Pública ANEEL 010/2013, com prazo de contribuições entre 8 e 29 de outubro de 2013 e sessão presencial realizada no dia 18,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014. Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014. Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL CONTRIBUIÇÕES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 071/2014 Associação Brasileira de Geradores de Energia - ABRAGE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Processo: 48500.003798/2014-41 - Definição

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2014 - CESP - COMPANHIA ENERGÉTICA DE SÃO PAULO Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2014 - CESP - COMPANHIA ENERGÉTICA DE SÃO PAULO Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida

Prof. Alvaro Augusto W. de Almeida HISTÓRIA DA INDÚSTRIA DA ENERGIA ELÉTRICA Primórdios. O Código das Águas. Regulamentação. Reestruturação (RE/SEB). O Modelo Dilma. A MP 579/2012. PRIMÓRDIOS OS TRÊS GIGANTES EDISON Persistente, inflexível.

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES GERAÇÃO: 1) Uma usina à biomassa de bagaço de cana que já tenha vendido nos leilões de energia nova anteriores e que pretenda modificar seu projeto

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE SANTA CATARINA S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ nº / NIRE ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 30/11/2012

CENTRAIS ELÉTRICAS DE SANTA CATARINA S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ nº / NIRE ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 30/11/2012 CENTRAIS ELÉTRICAS DE SANTA CATARINA S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ nº. 83.878.892/0001-55 NIRE 42300011274 ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 30/11/2012 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Comunicamos aos Senhores

Leia mais

GERAÇÃO A Copel opera 27 usinas próprias, sendo 18 hidrelétricas, uma termelétrica e 8 eólicas

GERAÇÃO A Copel opera 27 usinas próprias, sendo 18 hidrelétricas, uma termelétrica e 8 eólicas GERAÇÃO A Copel opera 27 usinas próprias, sendo 18 hidrelétricas, uma termelétrica e 8 eólicas TRANSMISSÃO O sistema de transmissão de energia é responsável pela operação e manutenção de 32 subestações

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 365 DE 19 DE MAIO DE 2009 Estabelece as metas de universalização das concessionárias e permissionárias de distribuição de energia elétrica,

Leia mais

Exportação de Energia..republi

Exportação de Energia..republi Exportação de Energia.republi Exportação de Energia Argentina e Uruguai GCTL Coordenação de Contabilização Atualizado em Junho/2013 1 Exportação de Energia INTRODUÇÃO A República da Argentina, por meio

Leia mais

Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009

Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009 Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009 Empresa Código Recomendação Fechamento* Preço-Teórico* Upside Risco Lote Copel PNB CPLE6 Compra 21,85 35,00 60,2% Elevado 1 EV/EBITDA (atual)

Leia mais

Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração

Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração Seminário Renovação de Concessões do Setor Público de Energia Elétrica Painel 3 O Futuro das Concessões A Visão dos Agentes de Geração Maurício de Abreu Soares Diretor Executivo da ABRAGE Porto Alegre

Leia mais

Impactos da MP nº 579

Impactos da MP nº 579 Impactos da MP nº 579 José Rosenblatt jrosenb@psr-inc.com Agência Dinheiro Vivo São Paulo, 10 de dezembro de 2012 1 Sumário Resumo das medidas e questões Geração Transmissão Encargos Impactos da MP Tarifas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 167, DE 31 DE MAIO DE 2000

RESOLUÇÃO Nº 167, DE 31 DE MAIO DE 2000 RESOLUÇÃO Nº 167, DE 31 DE MAIO DE 2000 Estabelece as Receitas Anuais Permitidas vinculadas às instalações de transmissão de energia elétrica, o valor da Tarifa de Uso da Rede Básica e os Encargos de Conexão.

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 378, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 378, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 378, DE 2013 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 9.074, de 7 de junho de 1995, e as Leis nº 10.847 e nº 10.848, ambas de 15 de março de 2004, para condicionar a realização

Leia mais

Audiência Pública Nº 005/2000. Contribuições da ABRATE

Audiência Pública Nº 005/2000. Contribuições da ABRATE Audiência Pública Nº 005/2000 Contribuições da ABRATE Agosto/2000 1 SUMÁRIO 1. INCLUSÃO DE PROCEDIMENTOS PARA RECLASSIFICAÇÃO... 3 2. TRATAMENTO DE INSTALAÇÃO COM PREVISÃO DE INCORPORAÇÃO FUTURA À REDE

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Nome do Participante/Assistido: Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Valor do Empréstimo: Quantidade de Prestações: Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: Valor liquido

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados São Paulo, 04 de Abril de 2013 1 Tractebel Energia 2 Tractebel Energia: Portfólio Balanceado de

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO Como garantir um mercado seguro e estável ao investidor e ao consumidor

O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO Como garantir um mercado seguro e estável ao investidor e ao consumidor O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO Como garantir um mercado seguro e estável ao investidor e ao consumidor 1 Cenário Geral A composição da tarifa de energia elétrica (ACR) Cálculo: por dentro, ou seja, o ICMS

Leia mais

SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA

SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA FEDERAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS SEMINÁRIO CRESCE BRASIL ENERGIA Cesar de Barros Pinto NOVEMBRO/2012 CONTRATOS DE CONCESSÃO TRANSMISSÃO Celebrados em 2001 retroagindo a 1995 Primeira concessão de transmissão

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014 A LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S. A. concessionária de serviços públicos de distribuição de energia

Leia mais

ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES

ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES A exploração da UHE Teles Pires, pela Concessionária, será realizada em conformidade com a legislação em vigor

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - NEOENERGIA S.A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 ITR Informações Trimestrais 30/06/2012 NEOENERGIA S.A Versão : 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial

Leia mais

III Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética Brasileira

III Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética Brasileira III Seminário sobre a Matriz e Segurança Energética Brasileira Painel II Setor elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação Cristopher Alexander

Leia mais

Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais

Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais RESOLUÇÃO ARSAE-MG 72, DE 9 JULHO DE 2015. Determina a obrigatoriedade, por parte da Companhia de Saneamento de Minas Gerais Copasa, de prestar informações aos entes concedentes relacionadas aos valores

Leia mais

4 º Congresso de Consumidores CELESC. Copel Distribuição S.A.

4 º Congresso de Consumidores CELESC. Copel Distribuição S.A. 4 º Congresso de Consumidores CELESC Copel Distribuição S.A. Novembro 2014 Agenda 1. Contextualização Estrutura da Copel Sistema Elétrico Composição Tarifária 2. Entenda a atual crise no setor elétrico

Leia mais

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado:

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado: ANEXO VIII AO EDITAL DE LEILÃO Nº. 03/2010-ANEEL ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE FERREIRA GOMES A exploração da UHE Ferreira Gomes, pela Concessionária,

Leia mais

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens de fabricação nacional, observadas

Leia mais

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento

Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Seminário Crise Energética e Desenvolvimento Painel 2 - Desafios técnicos e socioeconômicos da oferta de energia Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Porto Alegre, 18 de junho de 2015 * Associadas

Leia mais

Impactos da Polí.ca de Preços de Eletricidade e Derivados. Luciano Losekann

Impactos da Polí.ca de Preços de Eletricidade e Derivados. Luciano Losekann Impactos da Polí.ca de Preços de Eletricidade e Derivados Luciano Losekann Introdução Úl$mos três anos foram marcados pela u$lização dos preços de energia para controlar a inflação. Derivados de Petróleo

Leia mais

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques

1T05. Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005. Resultado do 1 o trimestre de 2005. Principais Destaques Celesc apresenta lucro líquido de R$ 23 milhões no 1 o trimestre de 2005 Divulgação Imediata Cot. da Ação PNB CLSC6) em 31/03/05: R$ 0,90/ação Valoriz. No 1T05: -16% Valor de Mercado R$ : 694 milhões US$

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 563, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 07 Santo André, 13 de junho de 2011 Gestor de Energia - Mercado Objetivos ótica da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 279, DE 27 DE JUNHO DE 2001

RESOLUÇÃO Nº 279, DE 27 DE JUNHO DE 2001 RESOLUÇÃO Nº 279, DE 27 DE JUNHO DE 2001 O Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei n 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

Notas Explicativas. CERNHE Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento CERNHE:

Notas Explicativas. CERNHE Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento CERNHE: Notas Explicativas CERNHE Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento Rural da Região de Novo Horizonte 2012 CERNHE: Distribuindo Energia com qualidade, tecnologia e competência em prol do bem estar

Leia mais

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL Índice 1 - Tarifa Básica de Remuneração 2 - Cálculo da Contrapartida 3 - Demanda Anual 4 - Prazo de Pagamento 5 - Apresentação da Proposta Comercial 6 Modelo de Declaração da

Leia mais

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa A Visão dos Geradores Edson Luiz da Silva Diretor de Regulação A Apine Perfil dos Sócios Geradores privados de energia elétrica

Leia mais

Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 2T14 2T13 Var% 1S14 1S13 Var%

Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 2T14 2T13 Var% 1S14 1S13 Var% 2T14 São Paulo, 14 de agosto de 2014: CESP - Companhia Energética de São Paulo (BM&FBOVESPA: CESP3, CESP5 e CESP6), a maior geradora de energia hidrelétrica do Estado de São Paulo e uma das maiores do

Leia mais

Requerimento de Informação, de 2015

Requerimento de Informação, de 2015 Requerimento de Informação, de 2015 (Da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio) Solicita, no âmbito das competências constitucionais do Congresso Nacional, informações à Ministra da

Leia mais

Eletrobrás. Projeto NBR 19000 1 / 31 DPT/DPTQ

Eletrobrás. Projeto NBR 19000 1 / 31 DPT/DPTQ Projeto NBR 19000 1 / 31 1 Histórico-1ª edição Projeto NBR 19000 Adoção das normas NBR ISO família 9000 para fornecimento de produtos; Lançado em 1992 em conjunto com 26 empresas de energia elétrica -

Leia mais

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil

Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Realidade das Tarifas de Energia Elétrica no Brasil Sumário Executivo Este documento oferece uma análise factual sobre a composição da tarifa de energia elétrica, os fatores que levam à variação de cada

Leia mais

Anexos 4. 0 Substituição Tributária

Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4.8 Substituição Tributária nas Operações Interestaduais com Energia Elétrica não destinada à Comercialização ou à Industrialização Anexo 4.8 DA SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS Montes Claros, 11 de setembro de 2015 AGENDA Expansão do Sistema de Distribuição

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011

CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011 CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011 A ELETROSUL analisou a proposta da ANEEL para a regulamentação das instalações destinadas a interligações internacionais,

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

3T15. Resultados do 3T15. Teleconferência 3T15 com Tradução Simultânea. Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 3T15 3T14 Var% 9M15 9M14 Var%

3T15. Resultados do 3T15. Teleconferência 3T15 com Tradução Simultânea. Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 3T15 3T14 Var% 9M15 9M14 Var% 3T15 São Paulo, 13 de novembro de 2015: CESP - Companhia Energética de São Paulo (BM&FBOVESPA: CESP3, CESP5 e CESP6) divulga o release de resultados referentes ao terceiro trimestre de 2015 (3T15). As

Leia mais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais Criação Instituído através do Decreto Estadual Nº 43.914 e lançado pela Cemig através de Chamada Pública. Objeto da Chamada: Convocação de Empresas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

Matriz elétrica brasileira Eólica

Matriz elétrica brasileira Eólica 1 Matriz elétrica brasileira Eólica UEE VOLTA DO RIO Lívio Teixeira de Andrade Filho Coordenação-Geral de Fontes Alternativas Departamento de Desenvolvimento Energético 2 PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA

Leia mais

ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO. Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido.

ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO. Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido. ANEXO VI - INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL SUMÁRIO Seção I Informações Gerais... Erro! Indicador não definido. Seção II Aspectos da Proposta Comercial... Erro! Indicador não definido.

Leia mais

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Carlos Eduardo Firmeza Especialista em Regulação Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores de Energia

Leia mais

3. Os requisitos e critérios para a aludida modificação do regime de exploração do serviço estão estabelecidos no art. 2º da REN nº 467/2011.

3. Os requisitos e critérios para a aludida modificação do regime de exploração do serviço estão estabelecidos no art. 2º da REN nº 467/2011. Nota Técnica nº 076/2012-SRG-SRE-SEM/ANEEL Em 1º de outubro de 2012. Processo nº: 48500.002031/2010-71 Assunto: Resolução Normativa nº 467/2011 Análise do alcance do dispositivo previsto no art. 8º. I.

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 5.899, DE 5 DE JULHO DE 1973. Dispõe sobre a aquisição dos serviços de eletricidade da ITAIPU e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

A MP 579: Impacto sobre as empresas estatais

A MP 579: Impacto sobre as empresas estatais O 11 de setembro do setor elétrico brasileiro. A MP 579: Impacto sobre as empresas estatais CHESF Roberto Pereira d Araujo roberto@ilumina.org.br A surpreendente influência da FIESP O tema da competitividade

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 32/2010

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 32/2010 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 32/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S/A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T10. Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1

Apresentação de Resultados 2T10. Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 Apresentação de Resultados 2T10 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

4. A AP 068/2012 recebeu contribuições de 15 interessados, abaixo relacionadas:

4. A AP 068/2012 recebeu contribuições de 15 interessados, abaixo relacionadas: Nota Técnica n o 068/2013-SRG-SGH/ANEEL Em 6 de setembro de 2013. Processo: 48500.000888/2012-18. Assunto: Análise das contribuições da AP 068/2012, referente à definição de parâmetros regulatórios associados

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Transmissão e Distribuição SCT

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Transmissão e Distribuição SCT VOTO PROCESSO: 48500.000787/2012-47 RELATOR: Diretor Romeu Donizete Rufino. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Transmissão e Distribuição SCT ASSUNTO: Declaração de utilidade

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T14

Apresentação de Resultados 3T14 Apresentação de Resultados 3T14 Destaques do Período Início da operação comercial dos parques do LER 2009 Maior complexo de energia eólica da América Latina: 14 parques, 184 aerogeradores, 294,4 MW de

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 001 Qual a legislação que disciplina a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados,

Leia mais

Leilão da UHE Três Irmãos 002/2014

Leilão da UHE Três Irmãos 002/2014 1 Leilão da UHE Três Irmãos 002/2014 Realização: 28/03/2014 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão (Esta análise foi distribuída às 17:00 do dia 27/03/2014) No dia 28 de março de 2014 será realizado o leilão

Leia mais

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR Quadro comparativo Medida Provisória nº 688, de 18 de agosto de 2015. Repactuação do Risco Hidrológico de Geração de Energia Elétrica Publicada em 18 de agosto de 2015 (DOU EXTRA). Dispõe sobre a repactuação

Leia mais

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre o Programa Municipal de Parcerias Público- Privadas. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 03/2014 AJUR ASSESSORIA JURÍDICA DA FAMURS

NOTA TÉCNICA Nº 03/2014 AJUR ASSESSORIA JURÍDICA DA FAMURS NOTA TÉCNICA Nº 03/2014 AJUR ASSESSORIA JURÍDICA DA FAMURS Data: 09 de outubro de 2014. Assunto: ILUMINAÇÃO PÚBLICA. TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS AOS MUNICÍPIOS. RESOLUÇÃO ANEEL N 414/2010 e Nº 479/2012. PRAZO:

Leia mais

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Leilões de Energia Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Cidade do México, D.F. Jan/ 2013 Conteúdo Visão geral Leilões e contratos Processo e sistemáticas 2 Modelo Setor Elétrico Brasileiro Ambiente de contratação

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO NACIONAL referente ao biênio 2016/2018 que entre si firmam, de um lado, Centrais Elétricas Brasileiras S/A ELETROBRAS, Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

Leia mais

No. 3º Leilão de Energia de Reserva de 2015 Preços Médios de Referência do Combustível e Cálculo do Custo de Geração de Energia

No. 3º Leilão de Energia de Reserva de 2015 Preços Médios de Referência do Combustível e Cálculo do Custo de Geração de Energia 1. OBJETIVO Considerando o disposto nos arts. 5º e 7º da Portaria MME nº 119, de 7 de abril de 2015, que estabeleceu as diretrizes para o, este Informe Técnico apresenta a metodologia a ser utilizada na

Leia mais

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012.

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012. OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012. Ao Senhor, CARLOS ALBERTO BEZERRA DE MIRANDA Diretor de Relações com Investidores da BAESA-ENERGETICA BARRA GRANDE S.A Avenida Madre

Leia mais

Aliança Geração de Energia S.A.

Aliança Geração de Energia S.A. Aliança Geração de Energia S.A. Demonstrações financeiras referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Leia mais

Guia do Cliente Livre

Guia do Cliente Livre Guia do Cliente Livre 1 1 2 3 Guia do Cliente Livre Introdução 1 4 A compra de energia elétrica na condição de consumidor livre implica a possibilidade de obter contratos compatíveis com as efetivas necessidades

Leia mais

LEILÃO N o 004/2008-ANEEL - ACOMPANHAMENTO 27/06/2008

LEILÃO N o 004/2008-ANEEL - ACOMPANHAMENTO 27/06/2008 A CONSÓRCIO AMAZONAS (CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL ELETRONORTE 30% - LÍDER; COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF 19,5%; ABENGOA CONCESSÕES BRASIL HOLDING 30%; FUNDO DE INVESTIMENTOS

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 006, DE 16 DE SETEMBRO DE 1987

RESOLUÇÃO CONAMA Nº 006, DE 16 DE SETEMBRO DE 1987 RESOLUÇÃO CONAMA Nº 006, DE 16 DE SETEMBRO DE 1987 Estabelece regras gerais para Licenciamento Ambiental de Obras de Grande Porte, notadamente de instalações de geração de energia elétrica. O CONSELHO

Leia mais

Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III

Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III Sumário - Objetivo -1/6 - Conceitos Básicos -1/6 - Competências - 2/6 - Condições para o Financiamento - 2/6 - Disposições Gerais - 6/6 - Vigência - 6/6 Objetivo.

Leia mais

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Safra Petrobras - Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de (Administrado pelo Banco Safra de Investimento S.A.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 30 de Junho de 2007 e ao Período

Leia mais

PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008

PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008 PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição Federal,

Leia mais

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil

Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Perspectivas e Estratégias da SUEZ no Brasil Mauricio Bähr Diretor-Presidente, SUEZ Energy Brasil julho de 2008 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

SEMINÁRIO RENOVAÇÃO DE CONCESSÕES DO SETOR PÚBLICO DE ENERGIA ELÉTRICA. Porto Alegre 05/10/2009 Luiz Carlos Guimarães ABRADEE

SEMINÁRIO RENOVAÇÃO DE CONCESSÕES DO SETOR PÚBLICO DE ENERGIA ELÉTRICA. Porto Alegre 05/10/2009 Luiz Carlos Guimarães ABRADEE SEMINÁRIO RENOVAÇÃO DE CONCESSÕES DO SETOR PÚBLICO DE ENERGIA ELÉTRICA Porto Alegre 05/10/2009 Luiz Carlos Guimarães ABRADEE Concessões de Distribuição QUANTO AO PRAZO CONTRATUAL AS CONCESSÕES DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

Referência GTMN 03.2003. Assuntos Tratados

Referência GTMN 03.2003. Assuntos Tratados 1/7 10 a Reunião Ordinária do Grupo Técnico de Manutenção Local de Realização: São Paulo Duke Energy Geração Paranapanema Data 02 e 03/09/2003 Hora 08:30 h Participantes Toyoharu Komatsu Júlio Cesar Pinfari

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 578, DE 31 DE OUTUBRO DE 2012. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

CONCESSÕES DE TERMOELÉTRICAS NO BRASIL: INVESTIR OU NÃO? 1

CONCESSÕES DE TERMOELÉTRICAS NO BRASIL: INVESTIR OU NÃO? 1 Volume 2 Número 2 Jul/Dez 2012 Doc. 7 Rev. Bras. de Casos de Ensino em Administração ISSN 2179-135X CONCESSÕES DE TERMOELÉTRICAS NO BRASIL: INVESTIR OU NÃO? 1 LUIZ AUGUSTO MARTITS luiz.martits@fgv.br Escola

Leia mais