Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI)"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 11ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI) Ref: - Acórdão TCU nº 2.284/2008 1ª Câmara; - Acórdão TCU nº 136/2008 Plenário; - Acórdão TCU nº 440/2008 Plenário; - Acórdão TCU nº 353/2008 Plenário; - Acórdão TCU nº 1.427/2007 Plenário; - Acórdão TCU nº 325/2007 Plenário; - IN nº 03/2005 MPS/SRP; - IN nº 02/2008 SLTI; - Lei 8.666/93; e - Msg SIAFI nº 2008/ SEF, de 29/07/ A fim de melhor orientar as UG vinculadas e transmitir informações atualizadas em relação a procedimentos em licitações e contratos administrativos, cujo objeto contemple obras e serviços de engenharia, bem como serviços continuados com terceirização de mão-de-obra, esta Inspetoria faz as seguintes recomendações: a. Obras e Serviços de Engenharia 1) Nas planilhas de formação de preços, as UG deverão observar regras essenciais, principalmente quanto aos custos indiretos, representados pelos Benefícios/Bonificações e Despesas Indiretas (BDI) ou Lucros e Despesas Indiretas (LDI). Tal item geralmente apresenta um percentual único englobando: PIS, COFINS, ISS, Lucro, Risco, Seguro, etc. O TCU tem diligenciado diversos órgãos para que justifiquem a admissibilidade de custos não cabíveis ou de percentuais não aceitáveis, que em alguns casos são considerados ilegais. 2) Deve-se estabelecer como regra necessária, a decomposição e o detalhamento dos itens que compõem o BDI, facilitando a identificação de cada componente dos custos indiretos. O TCU tem instruído em seus julgados, que determinados componentes não constem do BDI, tais como: administração local do canteiro de obras, a mobilização/desmobilização, Encarregados e

2 (Continuação das Orientações sobre BDI 11ª ICFEx...Fl 2) Engenheiros. Ressalte-se que não se deve confundir administração central com administração local. A primeira é considerada custo indireto, podendo integrar o BDI e a segunda custo direto. 3) Detalhados os itens do BDI, a UG deve analisar os percentuais envolvidos, verificando se os mesmos estão dentro das normas legais e aceitáveis para o objeto da licitação. 4) Caberá à UG determinar os requisitos a serem seguidos por todos os interessados, de forma a obter uniformidade de julgamento e de controle, desde a formação de preços até à execução do contrato decorrente. Portanto, o Projeto Básico é peça essencial para o andamento do processo, no que se refere ao custo estimado. Embora o autor do Projeto Básico utilize as tabelas oficiais do ramo da atividade, o Gestor Público ao homologar o projeto, deve considerar a necessidade de verificar a Tabela SINAPI (da Caixa Econômica Federal) atualizada, confrontando os itens do processo. O limite máximo de cada item deverá ser consignado ainda na fase interna da licitação, tendo por base essa tabela. De qualquer forma, a Administração não deve deixar de considerar as pesquisas de mercado para insumos de materiais, equipamentos e mão-de-obra, feitas na região de realização da obra. As planilhas formuladas pela UG, como modelo para que cada concorrente confeccione suas propostas de preço, devem considerar todos os insumos detalhados, inclusive com os limites máximos a serem aceitos pela Administração quando do julgamento do certame. 5) A UG deverá fazer constar do Edital os critérios a serem aceitos para o julgamento das propostas. No caso de menor preço pelo valor global da obra, cabe à Administração estabelecer condições de aceitação dos preços unitários, a fim de evitar que as concorrentes cotem itens por preços muito baixos, assegurando futuramente adição ou acréscimos nesses itens, prática conhecida como jogo de planilhas. Somente estimativas de preços atualizados podem garantir à Administração as ferramentas para coibir tal prática, além de atender ao que prescreve o art. 16, 4º, inciso I, da Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº 101/2000) e a Lei 8.666/93. Adotando tais medidas, a UG estará agindo com transparência e objetividade na confrontação dos preços ofertados com a realidade do mercado e aplicando, caso seja necessária, as ações previstas no 1º, inciso II, art. 48 da Lei de Licitações e Contratos. 6) Na planilha de formação de preços de obras a UG deverá detalhar seu orçamento base, identificando todos os itens da Planilha de Custos Diretos e do BDI. A Planilha de Preços é composta das Sub-planilhas de Custo dos Materiais, Equipamentos e Serviços e da Sub-planilha do BDI. A planilha final deverá ser seguida pelas empresas licitantes. Para o BDI recomenda-se especificar: a) Itens variáveis: - ISS => 2% (mínimo) e 5% (máximo), depende do município sede da obra; - Lucro => de 3,83% (mínimo) a 10% (máximo); - Risco => de 0,00% (mínimo) a 3,00% (máximo), depende do tipo de empreendimento, ver Anexo II/IN nº 03/2005-MPS/SRP);

3 (Continuação das Orientações sobre BDI 11ª ICFEx...Fl 3) - Garantia => de 0,00% (mínimo) a 0,42% (máximo), depende do tipo de empreendimento e categoria profissional envolvida; - Despesas financeiras => de 0,00% (mínimo) a 1,2% (máximo), depende da Taxa SELIC, do capital de giro da empresa e do tempo de execução da obra; e - Administração central => de 0,11% a 8,03% (esse item não é obrigatório para todas as obras não pode ser confundido com Administração local ). b) Itens fixos: - COFINS => 3% (serviço com material); e - PIS => 0,65% (serviço com material). 7) Os encargos de administração local possuem itens que não devem compor a administração central. Poderá haver obras com uma administração central e várias administrações locais. Também poderá ser necessária administração central e local na mesma obra. Recomenda-se o detalhamento dos componentes dessas administrações, caso constem das planilhas de formação de preços, como exemplo: - Administração local => (custo direto não entra no BDI) = salários e encargos (dos engenheiros e encarregados), alimentação, aluguéis, energia e água, mobilização e desmobilização, ferramentas, despesas com comunicação, transporte/conduções, medicina e segurança do trabalho, material de limpeza e de escritório. - Administração central => (custo indireto entra no BDI, se for o caso) = salários e encargos, material de escritório e de limpeza, passagens e diárias, despesas com comunicação, água e energia. 8) Em relação às medições da execução de obras, elas deverão ser anexadas junto ao processo de pagamento das despesas, atendendo ao cronograma físico-financeiro, sendo esse especificado previamente na fase interna da licitação quando da elaboração do Edital. As obras deverão ter o Livro Diário de Obras (Registros), documento onde o Fiscal da Obra lançará as ocorrências, medições, pagamentos, ajustes, finalizações, entre outros. Ao final do empreendimento, devem constar do Processo Administrativo os Termos de Recebimento Provisório e Definitivo. 9) Algumas obras poderão ter os materiais a serem empregados, adquiridos mediante licitação específica, destinando os serviços do empreendimento (insumos de mão-de-obra e equipamentos a serem empregados na construção) para outra licitação. Tal divisibilidade é admissível com base nos parágrafos 1º e 2º do art. 23 da Lei 8.666/93. Tem-se verificado a ocorrência de fracionamento ao se contratar vários serviços separadamente (mediante pregão), serviços esses interdependentes e pertencentes a uma obra, caracterizando-os apenas como serviços e não como obras, o que é vedado, pois o gestor deve tratá-los como objeto único.

4 (Continuação das Orientações sobre BDI 11ª ICFEx...Fl 4) b. Serviços continuados com terceirização de mão-de-obra 1) Os serviços comentados nesse item referem-se aos elencados no Decreto 2.271, de 07 Jul 97 (Dispõe sobre a contratação de serviços pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional e dá outras providências). 2) Não se deve confundir os encargos e tributações das obras e contratos de escopo (aqueles que têm prazo determinado/projeto) com a contratação que trata esse item (contratos de duração continuada). 3) A base de cálculo do orçamento a ser pesquisado pela Administração Pública, encontrase na última convenção/dissídio coletivo da categoria profissional envolvida. Essa informação deverá ser identificada e cobrada das empresas concorrentes, fazendo com que conste da proposta de preços ofertados. 4) A partir dessa informação, a UG deverá estipular o preço limite orçado. Não deve ser permitida a inserção da reserva técnica nesse tipo de serviço, embora tal item conste no exemplo de planilha da IN nº 02-SLTI/2008. Tal preceito decorreu de entendimentos do Supremo Tribunal Federal (STF) e do TCU (Acórdão nº 645/2009-Plenário, item 9.6). 5) O modelo da IN nº 02-SLTI/2008 servirá para a formação de orçamento da UG, sendo o limite e parâmetro do julgamento do certame. Diferentemente das regras para o estabelecimento de limites mínimos ou inexequibilidade de preços utilizadas nas licitações para obras, a UG não deve estabelecer valor mínimo para esse tipo de proposta, exceção feita aos tributos e retenções obrigatórias. Caso a licitante deixe de inserir em sua proposta rendimento ou algum item não obrigatório, não cabe à UG considerar a inexequibilidade de preço caso não seja comprovada, em planilhas, tal situação. Cabe ressaltar que preço inexequível é aquele que, comprovadamente, seja igual ou inferior ao preço de custo. 6) Os itens da planilha base (orçamento), devem ser detalhados e identificados pela UG na fase interna, para que possa confrontar a realidade do mercado com as propostas apresentadas, servindo de modelo para as empresas licitantes na fase externa. Os tributos e retenções serão apontadas pela UG através da aplicação da legislação atual, juntamente com as regras que tratam da categoria profissional envolvida. As obrigações previdenciárias e trabalhistas deverão ser de conhecimento da UG, tais como: IN nº 480/2004-SRF, IN nº 03/2005-MPS/SRP, Resolução do Comitê Gestor do Simples Nacional CGSN nº 51/2008-RF e seguindo as diretrizes da IN nº 02/2008-SLTI. 7) Em relação aos tributos que devem ser repassados pela empresa à Administração (PIS, COFINS e ISSQN), a UG deverá verificar as regras que tratam do enquadramento para a tributação: lucro presumido, lucro real ou simples nacional, conforme abaixo: -lucro presumido: PIS=0,65%; COFINS=3%; ISS=5% (verificar o município);

5 (Continuação das Orientações sobre BDI 11ª ICFEx...Fl 5) -lucro real: PIS=1,65%; COFINS=7,6%; ISS=5% (verificar o município); -simples nacional: ISS=5% (verificar a Receita Bruta dos últimos 12 meses); X% =(alíquota obtida através da divisão da folha de salário com encargos dos últimos 12 meses pela Receita Bruta acumulada do mesmo período, utilizando o fator da Tabela V da Resolução CGSN nº 51, de 22 Dez 08, da Receita Federal). 8) Os insumos materiais a serem empregados em serviços de limpeza de imóveis, devem ser detalhados e estimados pela própria Administração, embora sejam fornecidos pela contratada. Assim a UG não se sujeitará a preços apresentados por servente com estimativas exageradas ou subestimadas. Ressalta-se que não se deve presumir o subfaturamento de preços, é necessário comprovar tal ocorrência. 9) Alguns itens das planilhas de formação de preços têm fundamento nas estimativas das empresas para o tipo de atividade na região de sede do contrato. Porém, há percentuais vinculados às regras trabalhistas e previdenciárias, obtidas nas convenções trabalhistas. 10) Em relação ao FGTS, deve-se observar que até dezembro de 2006 vigorou o percentual de 8,50%. A partir de 1º de janeiro de 2007, a regra decorrente da Lei Complementar nº 110/2001 expirou, conforme previsão de seu art. 2º, 2º. Assim sendo, a SEF orientou através Msg SIAFI 2008/ , de 29 Jul 08; que a partir de então as licitações advindas não mais poderiam contemplar o percentual de 8,50% e sim de 8,00%. Recomendou-se que os contratos com o percentual de 8,50%, deveriam ser revistos objetivando expurgar o adicional correspondente, devendo-se restituir os valores que eventualmente foram repassados às empresas a partir de janeiro de Igual procedimento deveria ser adotado com relação ao percentual da parcela de indenização por rescisão sem justa causa, que passou de 4,25% para 4,00%. As UG que tenham contratos de serviços continuados enquadrados nessa situação, devem atender a tais recomendações. 11) Os itens para a composição da Planilha Orçamentária do Edital deverão indicar a data base da categoria, a categoria profissional, a quantidade de profissionais requisitados e o piso salarial da categoria. A partir daí seguem: a confecção da remuneração; grupo A ; grupo B ; grupo C ; grupo D ; insumos de mão-de-obra; insumos diversos (onde constam máquinas e equipamentos, materiais e produtos e depreciação, se for o caso); demais componentes (onde deve ser registrado o estimado para lucro e despesas operacionais e administrativas). 2. Embora haja dificuldades para controlar tais encargos, alguns itens componentes do BDI são mais comuns, como é o caso da COFINS, PIS, ISS, Seguro e Risco. Havendo dúvidas, a UG deverá

6 (Continuação das Orientações sobre BDI 11ª ICFEx...Fl 6) consultar as normas que tratam do assunto e contatar esta Inspetoria para o apoio que julgar necessário. Brasília-DF, 03 de novembro de JOÃO ALBERTO REDONDO SANTANA Ten Cel Chefe da 11ª ICFEx

BDI CRÍTICO: CRITÉRIO PARA INEXEQUIBILIDADE DE OBRAS PÚBLICAS

BDI CRÍTICO: CRITÉRIO PARA INEXEQUIBILIDADE DE OBRAS PÚBLICAS Encontro Técnico Nacional de Auditoria de Obras Públicas ENAOP - Palmas/TO, 202 BDI CRÍTICO: CRITÉRIO PARA INEXEQUIBILIDADE DE OBRAS PÚBLICAS Erieldon Bezerra Leão / Caixa Econômica Federal /erieldon@bol.com.br

Leia mais

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1.1- INTRODUÇÃO Para a elaboração de orçamentos consistentes de serviços de engenharia, entende-se que algumas premissas devam prevalecer.

Leia mais

DECRETO Nº 20.866, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 20.866, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008. Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais DECRETO Nº 20.866, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008. Altera as disposições do Decreto nº 17517, de 21

Leia mais

RELATÓRIO DE JULGAMENTO

RELATÓRIO DE JULGAMENTO RELATÓRIO DE JULGAMENTO Pregão nº 012/2011 Trata-se o presente Relatório de Julgamento relativo à licitação na modalidade de Pregão Eletrônico, Tipo Menor Preço para a contratação de especializada para

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A relevância do orçamento detalhado no cumprimento do prazo de execução de contratos de obras públicas Bruno Lima Caldeira de Andrada* Orlando Celso Longo** Resumo: O presente artigo

Leia mais

MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO

MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO Í N D I C E APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS METAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

Os passos e a importância da elaboração adequada de uma planilha orçamentária para licitações de obras públicas

Os passos e a importância da elaboração adequada de uma planilha orçamentária para licitações de obras públicas Os passos e a importância da elaboração adequada de uma planilha orçamentária para licitações de obras públicas Resumo Marilia Ferreira de Oliveira Corrêa mariliaf_18@hotmail.com Gerenciamento de Obras,

Leia mais

RELATÓRIO DE JULGAMENTO

RELATÓRIO DE JULGAMENTO RELATÓRIO DE JULGAMENTO PROCESSO Nº 51402.028474/2012-76 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 009/2014 PROPOSTA ANALISADA: IMPERIAL SERVIÇOS EMPRESARIAIS LTDA - EPP. CNPJ: 15.715.620/0001-84 VALOR DO ÚLTIMO LANCE OFERTADO:

Leia mais

DISEG/COSEG/CGL/SPOA/SE/MJ

DISEG/COSEG/CGL/SPOA/SE/MJ Ref.: Processo nº 08008.000216/2014-11 Interessado: DISEG/COSEG/CGL/SPOA/SE/MJ Objeto: Contratação de empresa especializada na prestação de serviços copeiragem. Brasília, 27 de junho de 2014. RESPOSTA

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA COORDENADORA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E FINANÇAS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA COORDENADORA DE PLANEJAMENTO, GESTÃO E FINANÇAS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 Senhor Licitante, Solicito a V.Sª preencher o protocolo de entrega de edital abaixo, remetendo-o a Comissão Permanente de Licitação da PGF/AL, por meio do fax (0XX82) 3216 9874 ou e-mail licitacao@sefaz.al.gov.br.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais, legais e regimentais;

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais, legais e regimentais; INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010 Estabelece normas, sistematiza e padroniza procedimentos operacionais dos órgãos municipais. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais,

Leia mais

Matriz de Procedimentos. Obras e Serviços de Engenharia

Matriz de Procedimentos. Obras e Serviços de Engenharia Matriz de Procedimentos Obras e Serviços de Engenharia Escopo: Dois processos de maior materialidade executados nos anos de 2011 e 2012. Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação

Leia mais

VALEC: Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro 1º CADERNO DE PERGUNSTAS E RESPOSTAS EDITAL PREGÃO N.º 007/07

VALEC: Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro 1º CADERNO DE PERGUNSTAS E RESPOSTAS EDITAL PREGÃO N.º 007/07 1º CADERNO DE PERGUNSTAS E RESPOSTAS EDITAL PREGÃO N.º 007/07 1) O ITEM 10.2.5, DO EDITAL, EXIGE DECLARAÇÃO DE VISTORIA A SER FEITA PELA LICITANTE, INFORMANDO NO MESMO ITEM O ENDEREÇO. A VISTORIA SERÁ

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 11ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO (11ª ICFEx/1982)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 11ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO (11ª ICFEx/1982) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 11ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO (11ª ICFEx/1982) BOLETIM INFORMATIVO Nº 05 (MAIO / 2014) FALE COM A 11ª

Leia mais

CURSO COMO PLANEJAR E JULGAR AS CONTRATAÇÕES DE TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACORDO COM A IN Nº 02/08 E ALTERAÇÕES

CURSO COMO PLANEJAR E JULGAR AS CONTRATAÇÕES DE TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACORDO COM A IN Nº 02/08 E ALTERAÇÕES CURSO COMO PLANEJAR E JULGAR AS CONTRATAÇÕES DE TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACORDO COM A IN Nº 02/08 E ALTERAÇÕES PERÍODO DE REALIZAÇÃO E CARGA HORÁRIA O curso será realizado no período de 02 a 05 de

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO GOVERNADORIA COMISSÃO CENTRAL PERMANENTE DE LICITAÇÃO CCL ESCLARECIMENTO REF.: CONCORRÊNCIA Nº 008/2015 CCL/MA

ESTADO DO MARANHÃO GOVERNADORIA COMISSÃO CENTRAL PERMANENTE DE LICITAÇÃO CCL ESCLARECIMENTO REF.: CONCORRÊNCIA Nº 008/2015 CCL/MA ESCLARECIMENTO REF.: CONCORRÊNCIA Nº 008/2015 CCL/MA PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 53389/2015 CAEMA REFERÊNCIA Pedido de Esclarecimento ao Edital da Concorrência nº. 008/2015, o qual tem por objeto a contratação

Leia mais

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso VI, alínea a, da Constituição,

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso VI, alínea a, da Constituição, DECRETO Nº 8.080/2013, DE 20 DE AGOSTO DE 2013 Altera o Decreto nº 7.581, de 11 de outubro de 2011, que regulamenta o Regime Diferenciado de Contratações Públicas - RDC, de que trata a Lei nº 12.462, de

Leia mais

RESPOSTA AOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO

RESPOSTA AOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO Referência: PA Nº 4419AD/2015 CONCORRÊNCIA Nº 03/2015 Interessado: Procuradoria-Geral de Justiça do Maranhão Assunto: Parecer acerca de esclarecimentos ao Edital da Concorrência nº 03/2015 Objeto: A presente

Leia mais

1. A presente impugnação ao edital tem fundamento no art. 41, 2º da Lei 8.666/93:

1. A presente impugnação ao edital tem fundamento no art. 41, 2º da Lei 8.666/93: Ofício nº. 904/2015-AJ. São José/SC, 07 de dezembro de 2015. À COMISSÃO DE LICITAÇÕES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ (UENP) - REITORIA, DESIGNADA PELA PORTARIA 350/2014, RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO

Leia mais

ANEXO VII DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO VII DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO VII DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA COMERCIAL O objetivo da PROPOSTA COMERCIAL é a definição, por parte da LICITANTE, do VALOR PRESENTE (VP) do percentual de 3% sobre o lucro líquido que

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão 1 OBJETO: ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão 1.1 Contratação de empresa de engenharia para fornecimento e instalação de válvulas redutoras de pressão

Leia mais

Construção de Edifícios 20,34% 22,12% 25,00% Construção de Rodovias e Ferrovias 19,60% 20,97% 24,23%

Construção de Edifícios 20,34% 22,12% 25,00% Construção de Rodovias e Ferrovias 19,60% 20,97% 24,23% CE 001/2013 GIDURCX Senhor Prefeito 1. Em atenção ao estabelecido pelo Acórdão 2622/2013 TCU Plenário indicamos a utilização dos seguintes parâmetros para taxas de BDI: VALORES DE BDI POR TIPO DE OBRA

Leia mais

Aspectos controversos em licitações, com ênfase em elaboração e avaliação de formação de custos

Aspectos controversos em licitações, com ênfase em elaboração e avaliação de formação de custos Aspectos controversos em licitações, com ênfase em elaboração e avaliação de formação de custos Brasília Thiago Bergmann 1 Formação de preços Lei 8.666/93 Art. 40 2 o Constituem anexos do edital, dele

Leia mais

ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 47/2012.

ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 47/2012. ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 47/2012. TÍTULO: Prestação de serviços de monitoramento eletrônico e vigilância patrimonial humana da Sede do SAMAE, localizada na Rua: Barão do Rio Branco, nº 500

Leia mais

Estimativa de valor da contratação

Estimativa de valor da contratação Estimativa de valor da contratação A As contratações públicas somente poderão ser efetivadas após estimativa prévia do seu valor, que deve obrigatoriamente ser juntada ao processo de contratação e, quando

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 10 OUT / 2005

BOLETIM INFORMATIVO Nº 10 OUT / 2005 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 1ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO (Sv Fundos Reg / 1ª RM 1934) 1ª ICFEx / 20 BOLETIM INFORMATIVO Nº 10 OUT

Leia mais

ESCLARECIMENTO VIII. Em resposta ao questionamento formulado por empresa interessada em participar da licitação em referência, informamos o que segue:

ESCLARECIMENTO VIII. Em resposta ao questionamento formulado por empresa interessada em participar da licitação em referência, informamos o que segue: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO ESPECIAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA N 1/2011 ESCLARECIMENTO VIII Brasília, 20 de abril de 2011. AOS INTERESSADOS

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo III Chapecó, março/2012 1 3 Projeto e Orçamento 4 Fiscalização Pedro Jorge Rocha de Oliveira

Leia mais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais Gestão Financeira de Entidades Sindicais Constituição Federal Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA INTERNA Nº 03/2009 SERVIÇOS TERCEIRIZADOS

RELATÓRIO DE AUDITORIA INTERNA Nº 03/2009 SERVIÇOS TERCEIRIZADOS RELATÓRIO DE AUDITORIA INTERNA Nº 03/2009 SERVIÇOS TERCEIRIZADOS I. Dos Procedimentos: Visando dar cumprimento ao item de número 05 do PAINT/2009, devidamente aprovado pelo Conselho Superior desta Instituição,

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei: www.leismunicipais.com.br LEI Nº 12.211, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA POPULAR EMPREENDEDORA E SOLIDÁRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

Leia mais

Informativo do TCU º. 181 SUMÁRIO Plenário

Informativo do TCU º. 181 SUMÁRIO Plenário Informativo do TCU º. 181 Este Informativo, elaborado a partir das deliberações tomadas pelo Tribunal nas sessões de julgamento das Câmaras e do Plenário, contém resumos de algumas decisões proferidas

Leia mais

ANEXO_II ANEXO 2 PLANILHA DE CUSTOS DETALHADA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

ANEXO_II ANEXO 2 PLANILHA DE CUSTOS DETALHADA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS ANEXO_II ANEXO 2 PLANILHA DE CUSTOS DETALHADA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Nº Processo Licitação Nº Dia / / às : horas Discriminação dos Serviços A Data de apresentação da proposta (dia/mês/ano)

Leia mais

SINAPI Modelo de Apresentação

SINAPI Modelo de Apresentação SINAPI Modelo de Apresentação Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil Administrado pela CAIXA Precisão do Preço de Referência Margem de erro elevada MÉTODO DE CÁLCULO DO

Leia mais

Resposta: Sim, em sendo os bilhetes adquiridos através de agência consolidadora, as faturas deverão ser emitidas em nome desta.

Resposta: Sim, em sendo os bilhetes adquiridos através de agência consolidadora, as faturas deverão ser emitidas em nome desta. Campinas, 26 de fevereiro de 2015. Of. 18.188 O.E. À LNX TRAVEL VIAGENS E TURISMO EIRELE Assunto: Esclarecimentos Pregão Presencial NLP 003/2015 Prezados Senhores, Em resposta à solicitação de esclarecimentos

Leia mais

ANEXO 1 - TERMO DE REFERÊNCIA Substituição das telhas de alumínio da marquise frontal do prédio sede da Justiça Federal ES

ANEXO 1 - TERMO DE REFERÊNCIA Substituição das telhas de alumínio da marquise frontal do prédio sede da Justiça Federal ES 1 ANEXO 1 - TERMO DE REFERÊNCIA Substituição das telhas de alumínio da marquise frontal do prédio sede da Justiça Federal ES 1 OBJETO: 1.1 Contratação de empresa para substituição de telhas de alumínio

Leia mais

A seguir, são listados alguns problemas que não podem ocorrer, de forma alguma, na proposição ou na execução do convênio ou contrato de repasse:

A seguir, são listados alguns problemas que não podem ocorrer, de forma alguma, na proposição ou na execução do convênio ou contrato de repasse: CUIDADOS DURANTE A EXECUÇÃO DE UM CONVÊNIO 1 As transferências voluntárias formam um sistema de cooperação entre a União e os demais entes da Federação, além das chamadas organizações nãogovernamentais,

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

Art. 40. (...) 2º. Constituem anexos do edital, dele fazendo parte integrante:

Art. 40. (...) 2º. Constituem anexos do edital, dele fazendo parte integrante: EM LICITAÇÕES PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS COM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DE MÃO DE OBRA É DEVIDA A INCLUSÃO DE ITEM A TÍTULO DE RESERVA TÉCNICA NA PLANILHA DE ESTIMATIVA DE CUSTOS E FORMAÇÃO

Leia mais

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda:

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda: 1 DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009 Regulamenta, no âmbito da Administração pública municipal, o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, e

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO Nº 014/2011 CONTRATO DE GESTÃO IGAM Nº 003/2009

ATO CONVOCATÓRIO Nº 014/2011 CONTRATO DE GESTÃO IGAM Nº 003/2009 ATO CONVOCATÓRIO Nº 014/2011 CONTRATO DE GESTÃO IGAM Nº 003/2009 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA DISPONIBILIZAR MOTORISTA PROFISSIONAL EM ATENDIMENTO AO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS por PAULO SÉRGIO DE MONTEIRO REIS 1 A planilha de quantitativos e preços nas obras e serviços de engenharia constitui fator fundamental não só para o sucesso

Leia mais

Elaboração de planilhas de orçamento de obras

Elaboração de planilhas de orçamento de obras Elaboração de planilhas de orçamento de obras por PAULO SÉRGIO DE MONTEIRO REIS 1 A planilha de quantitativos e preços nas obras e serviços de engenharia constitui fator fundamental não só para o sucesso

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1925, DE 23 DE MAIO DE 2005, Págs 54 e 56 LEI Nº 1367, DE 17 DE MAIO DE 2005. Regulamentada pelo Decreto nº 198/06 Cria o Fundo Municipal de Desenvolvimento da Economia Popular

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos 1º Fórum Brasileiro de Custos de Obras Públicas Metodologia de Cálculo Orientação Técnica para Cálculo do Preço de Referência em Licitações de Obras Públicas

Leia mais

COMPRA - FASE INTERNA DA LICITAÇÃO PREGÃO, CONVITE, TOMADA DE PREÇOS E CONCORRÊNCIA

COMPRA - FASE INTERNA DA LICITAÇÃO PREGÃO, CONVITE, TOMADA DE PREÇOS E CONCORRÊNCIA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO - SCI FOLHA DE VERIFICAÇÃO - DALC COMPRA - FASE INTERNA DA LICITAÇÃO PREGÃO, CONVITE, TOMADA DE PREÇOS E CONCORRÊNCIA Processo: TRT/SOF nº Volumes: Exercício: Subelemento:

Leia mais

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS PROJETO BÁSICO GESER Nº 04/07 FISCALIZAÇÃO DA OBRA DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de fiscalização

Leia mais

Jurisprudências do TCU - 2014

Jurisprudências do TCU - 2014 Jurisprudências do TCU - 2014 Sobre Licitações e Contratos Administrativos Última Atualização Informativo Nº 227 Sessões do Dia 09 e 10/12/2014 Revisão de Preços É juridicamente inadmissível a revisão

Leia mais

CARTILHA CONTRATAÇÃO DIRETA

CARTILHA CONTRATAÇÃO DIRETA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E ORÇAMENTO - PROGEST DEPARTAMENTO DE COMPRAS E LICITAÇÕES - DCL Av. José de Sá Maniçoba, S/N Sala 30 Centro, Petrolina-PE

Leia mais

RELATÓRIO DE JULGAMENTO

RELATÓRIO DE JULGAMENTO RELATÓRIO DE JULGAMENTO Pregão nº 012/2011 Trata-se o presente Relatório de Julgamento relativo à licitação na modalidade de Pregão Eletrônico, Tipo Menor Preço para a contratação de especializada para

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Ofício nº 76/2003/CPL/SAA/SE/MEC Brasília, 16 de junho de 2003. REFERÊNCIA: Edital de Pregão nº 09/2003

Leia mais

MANUAL PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

MANUAL PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA MANUAL PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA JULHO, 2015 Elaborado e organizado por: Natália Silva Athayde Coordenadora de Planejamento Colaboradores: Anderson de Sousa Verçosa José Cassiano

Leia mais

ORÇAMENTO. Antonio Luiz Fuschino VICE-PRESIDENTE DE TECNOLOGIA E INFRAESTRUTURA. Helga Valesca Osmala da Fonseca SUPERINTENDENTE EXECUTIVA DA VITEC

ORÇAMENTO. Antonio Luiz Fuschino VICE-PRESIDENTE DE TECNOLOGIA E INFRAESTRUTURA. Helga Valesca Osmala da Fonseca SUPERINTENDENTE EXECUTIVA DA VITEC Antonio Luiz Fuschino VICE-PRESIDENTE DE TECNOLOGIA E INFRAESTRUTURA Helga Valesca Osmala da Fonseca SUPERINTENDENTE EXECUTIVA DA VITEC Jorge Eduardo de Araujo CHEFE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Guia

Leia mais

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES Do planejamento e julgamento da licitação até a fiscalização dos contratos 31 de março e 1º de abril

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS Instrutora: Adelaide Bittencourt P. Coelho Participação: Paula Romano TCEMG Novembro/2009 IMPORTÂNCIA DO TEMA As obras são a parte mais aparente das

Leia mais

ERRATA DO EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL N.º 003/2015-SECID

ERRATA DO EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL N.º 003/2015-SECID Onde se lê: PI: Manutenção CATEGORIA: 3.3.90.00 ITEM: 39000 Leia-se: PI: UNIHAB CATEGORIA: 4.4.90.00 ITEM: 44000 ERRATA DO EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL N.º 003/2015-SECID E inclua-se os seguintes

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004

DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004 DECRETO Nº 11.319, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2004 PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL Nº 032, DE 17-02-2004 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP, previsto no art. 15, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Em qualquer licitação, se o projeto básico for falho ou incompleto, a licitação estará viciada e a contratação não atenderá aos objetivos da Administração.* PROJETO BÁSICO - INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO: É o conjunto

Leia mais

Aplicação de recursos do Fundo Especial de Royalties: possibilidades e vedações

Aplicação de recursos do Fundo Especial de Royalties: possibilidades e vedações Aplicação de recursos do Fundo Especial de Royalties: possibilidades e vedações CONSULTA N. 838.756 EMENTA: CONSULTA PREFEITURA MUNICIPAL I. RECURSOS DO FUNDO ESPECIAL DE ROYALTIES/ PETRÓLEO APLICAÇÃO

Leia mais

1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS Edital 791/2014 Contratação de postos de vigilância

1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS Edital 791/2014 Contratação de postos de vigilância 1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS Edital 791/2014 Contratação de postos de vigilância P1. Conforme Anexo I Especificações Técnicas, Item 3.3.2 faz menção a Atividade SUPERVISOR/ LIDER, devido ao fato

Leia mais

(OBRIGATÓRIO TRANSCREVER TODO O CONTEÚDO DESTA MINUTA) ANEXO 04 CARTA-PROPOSTA. Ref.: CONCORRÊNCIA CONSÓRCIO DATACENTER Nº 2009/001 Carta- Proposta

(OBRIGATÓRIO TRANSCREVER TODO O CONTEÚDO DESTA MINUTA) ANEXO 04 CARTA-PROPOSTA. Ref.: CONCORRÊNCIA CONSÓRCIO DATACENTER Nº 2009/001 Carta- Proposta (OBRIGATÓRIO TRANSCREVER TODO O CONTEÚDO DESTA MINUTA) ANEXO 04 CARTA-PROPOSTA CONSÓRCIO DATACENTER Prezados Senhores, Ref.: CONCORRÊNCIA CONSÓRCIO DATACENTER Nº 2009/001 Carta- Proposta Apresentamos nossa

Leia mais

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica.

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica. EIRELI A EIRELI é uma empresa individual de responsabilidade limitada. Com a publicação da Lei nº 12.441 de 11 de julho de 2011, foi alterado o Código Civil, com a finalidade de autorizar a criação das

Leia mais

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08)

Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Deliberação CVM nº 561 (DOU de 22/12/08) Aprova a Orientação OCPC - 01 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Entidades de Incorporação Imobiliária. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 1. OBJETIVO Este manual tem por objetivo esclarecer as questões

Leia mais

UM ASPECTO POLÊMICO DOS ORÇAMENTOS DE OBRAS PÚBLICAS: BENEFÍCIOS E DESPESAS INDIRETAS (BDI)

UM ASPECTO POLÊMICO DOS ORÇAMENTOS DE OBRAS PÚBLICAS: BENEFÍCIOS E DESPESAS INDIRETAS (BDI) UM ASPECTO POLÊMICO DOS ORÇAMENTOS DE OBRAS PÚBLICAS: BENEFÍCIOS E DESPESAS INDIRETAS (BDI) André Luiz Mendes 1 Patrícia Reis Leitão Bastos 2 R. TCU, Brasília, v. 32, n. 88, abr/jun 2001 I. INTRODUÇÃO

Leia mais

A ACADEMIA BRASILEIRA DE SOLUÇÕES E TREINAMENTOS traz para Você o seguinte treinamento:

A ACADEMIA BRASILEIRA DE SOLUÇÕES E TREINAMENTOS traz para Você o seguinte treinamento: A ACADEMIA BRASILEIRA DE SOLUÇÕES E TREINAMENTOS traz para Você o seguinte treinamento: QUESTÕES POLEMICAS: Método de Pesquisa de Preço de Serviços, Compreensão e Manejo de Planilhas para Julgamento de

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - DNIT JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO RAZÕES: JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL Nº.

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - DNIT JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO RAZÕES: JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL Nº. SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - DNIT JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO FEITO: IMPUGNAÇÃO ADMINISTRATIVA REFERÊNCIA: EDITAL Nº. 0026/2014 RAZÕES: JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL Nº. 0026/2014

Leia mais

3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014

3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014 3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014 PERGUNTA 01: O ANEXO D.9 Saúde e Segurança (pag. 99) do ANEXO D SERVIÇOS RELATIVOS AO ATENDIMENTO AMBENTAL do ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO 1ª PARTE LEIS E DECRETOS Sem alteração. 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 813, DE 28 DE SETEMBRO DE 2012. Aprova as Normas para a Realização das Atividades de Auditoria e

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA 1. DEFINIÇÃO DO OBJETO 1.1.A proposição tem por objeto a contratação da prestação de serviços telefônicos, conforme fracionamento da Tabela 1 a seguir, para atender às necessidades de telecomunicações

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Engenheiro Civil Paulo Roberto Vilela Dias, MSc Mestre em Engenharia Civil - uff Professor do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 08700.000687/2007-82 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

RESPOSTA A IMPUGNAÇÃO

RESPOSTA A IMPUGNAÇÃO RESPOSTA A IMPUGNAÇÃO Recebida impugnação da Empresa VIVO, a mesma foi submetida a Coordenadoria Jurídica desta Companhia Docas do Ceará, que manifestou-se mediante Parecer nº 152/2012, nos seguintes termos:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN MPU Nº 385/2015

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN MPU Nº 385/2015 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN MPU Nº 385/2015 Referência : Correio eletrônico, de 24/2/2015. Protocolo AUDIN-MPU nº 745/2015. Assunto

Leia mais

Planilhas orçamentárias: visão prática

Planilhas orçamentárias: visão prática Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática Sumário: 13.1 Considerações iniciais 13.2 Elaboração da planilha base do orçamento 13.3 Relação dos insumos que serão utilizados e a pesquisa de preços

Leia mais

GesANTT PLANO DO PROJETO EPP.PP.01 1.1. ProPass Brasil Projeto da Rede Nacional de Transporte Rodoviário Interestadual e Internacional de Passageiros

GesANTT PLANO DO PROJETO EPP.PP.01 1.1. ProPass Brasil Projeto da Rede Nacional de Transporte Rodoviário Interestadual e Internacional de Passageiros 1 Nome do Projeto ProPass Brasil Projeto da Rede Nacional de Transporte Rodoviário Interestadual e Internacional de Passageiros 2 Chefe do Projeto Maria Ângela Cavalcanti Oliveira 3 Gestor do Projeto Sonia

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005.

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no artigo 15, 3º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e artigo 11 da Lei Federal nº 10.520, de 17 de julho

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 200 - Data 5 de agosto de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ LUCRO PRESUMIDO. PERCENTUAL

Leia mais

OFÍCIO Nº. 0449 /2008/PR/CAPES. Brasília, 20 de outubro de 2008. Senhor Diretor,

OFÍCIO Nº. 0449 /2008/PR/CAPES. Brasília, 20 de outubro de 2008. Senhor Diretor, Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF - Brasil Ao Senhor Cleômenes Viana Batista Diretor

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. Fixa normas para a execução orçamentária e financeira do exercício de 2012 e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO RIO GRANDE

Leia mais

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre a reestruturação da Loteria do Estado do Pará - LOTERPA e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a

Leia mais

ILMº SRº. (a) PREGOEIRO (a) DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL COORDENAÇÃO DE LICITAÇÃO E CONTRATOS

ILMº SRº. (a) PREGOEIRO (a) DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL COORDENAÇÃO DE LICITAÇÃO E CONTRATOS ILMº SRº. (a) PREGOEIRO (a) DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA GERAL COORDENAÇÃO DE LICITAÇÃO E CONTRATOS REFERÊNCIA : PREGÃO ELETRÔNICO/MPT/PG/ Nº 17/2010 ASSUNTO: RECURSO ADMINISTRATIVO (IMPUGNAÇÃO

Leia mais

Execução de Despesa. DNT/SSSCI/SF Abril 2013

Execução de Despesa. DNT/SSSCI/SF Abril 2013 DNT/SSSCI/SF Abril 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella INTRODUÇÃO

Leia mais

Manutenção do Canteiro de Obras

Manutenção do Canteiro de Obras EPI Sinalização de Obra Manutenção do Canteiro de Obras Medicina do Trabalho OBRIGATÓRIO Apresentar o detalhamento de todos os custos unitários constantes da Planilha de Quantidades. Mobilização e

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento).

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento). Código: MAN-SADM-001 Versão: 01 Data de Aprovação: 21/10/2010 Elaborado por: Gerência de Contratação Aprovado por: Secretaria Administrativa 1 Objetivo Estabelecer os critérios e os procedimentos para

Leia mais

LEI MUNICIPAL 563/73

LEI MUNICIPAL 563/73 LEI MUNICIPAL 563/73 Dispõe sobre a organização administrativa da PREFEITURA MUNICIPAL DE TAQUARA e dá outras providências. ALCEU MARTINS, Prefeito Municipal de Taquara: Faço saber que a Câmara Municipal,

Leia mais

considerando o Decreto nº 6.114, de 15 de maio de 2007; considerando a Portaria/MEC nº 1.084 de 02 de setembro de 2008;

considerando o Decreto nº 6.114, de 15 de maio de 2007; considerando a Portaria/MEC nº 1.084 de 02 de setembro de 2008; Dispõe sobre os critérios e valores para pagamento de Gratificações por Encargo de Cursos ou Concursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul (IFMS). A COORDENADORA-GERAL

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA ANÁLISE DE LICITAÇÕES

DOCUMENTAÇÃO PARA ANÁLISE DE LICITAÇÕES DOCUMENTAÇÃO PARA ANÁLISE DE LICITAÇÕES COMPRAS E SERVIÇOS a. Autorização para abertura da licitação; b. Edital assinado, constando a data do procedimento; c. Planilha constando a descrição do(s) material(s)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Processo: E-08/005.017/2009 Data: 10/07/2009 Rubrica: Fls.

SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Processo: E-08/005.017/2009 Data: 10/07/2009 Rubrica: Fls. Trata-se de impugnações apresentadas pelas sociedades empresárias ECCO ENGENHARIA CLINICA CONSULTORIA LTDA, INNOVAMED MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS LTDA ME, MEDSYSTEM COMÉRCIO, MANUTENÇÃO E SERVIÇOS

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS UNIFORMES (LEI Nº 11.416/2006, ART. 26) DO ADICIONAL DE QUALIFICAÇÃO

PROPOSTA DE CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS UNIFORMES (LEI Nº 11.416/2006, ART. 26) DO ADICIONAL DE QUALIFICAÇÃO Poder Judiciário COMISSÃO INTERDISCIPLINAR Portaria nº 201, de 21 de dezembro de 2006 Supremo Tribunal Federal. VERSÃO: 11.01.2007 PROPOSTA DE CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS UNIFORMES (LEI Nº 11.416/2006, ART.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 162 - Data 24 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ SERVIÇOS HOSPITALARES.

Leia mais

NOTA DE AUDITORIA Nº 10/2014

NOTA DE AUDITORIA Nº 10/2014 Destino: Pró-reitoria de Extensão (ProEx) Assunto: Processo nº 23006.000267/2013-75 NOTA DE AUDITORIA Nº 10/2014 1. Trata-se de nota de auditoria relativa ao Processo nº 23006.000267/2013-75, o qual trata

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Reforma do paisagismo da nova Sede da JFES

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Reforma do paisagismo da nova Sede da JFES ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Reforma do paisagismo da nova Sede da JFES 1 OBJETO: 1.1 Contratação de empresa especializada para reforma do paisagismo da Sede da Justiça Federal no Espírito Santo. 1.2 O

Leia mais