Planilhas orçamentárias: visão prática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planilhas orçamentárias: visão prática"

Transcrição

1 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática Sumário: 13.1 Considerações iniciais 13.2 Elaboração da planilha base do orçamento 13.3 Relação dos insumos que serão utilizados e a pesquisa de preços 13.4 Orçamento sintético de custos diretos 13.5 Orçamento sintético de preços 13.6 Relação das composições de serviço e orçamento analítico 13.7 Curva ABC 13.8 Cronograma físico e financeiro 13.1 Considerações iniciais O conhecimento dos conceitos de preços e custos de obras já apresentados nos capítulos anteriores deve ser complementado com a ilustração das principais planilhas orçamentárias existentes, bem assim com os estágios de elaboração desses documentos, de forma a familiarizar os agentes públicos e privados no desen volvimento, análise e seleção do valor do empreendimento que será contratado. O pressuposto para um bom trabalho, sem dúvida alguma, é o desenvolvimento de um projeto de qualidade que assegure serviços quantificados e precificados de acordo com a boa técnica. Apenas a partir desse momento é possível iniciar os proce dimentos para a elaboração das peças orçamentárias. A seguir serão apresentados esses procedimentos e as planilhas que a equipe técnica deverá avaliar: as apresentadas pelas licitantes ou aquelas desenvolvidas pela própria Administração. Oportuno lembrar que o trabalho técnico de elaboração de orçamento de obras públicas cabe a profissionais cujas competências estejam previstas na Lei nº 5.194/66. Mais do que isso, deverá sempre haver uma Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), prevista na Lei nº 6.496/77, e agora também na Lei nº /2011, recolhida por esses profissionais de forma a vinculá-los às tarefas realizadas Elaboração da planilha base do orçamento O primeiro passo para a materialização do orçamento é a decomposição do empreendimento em todos os serviços que serão executados. Após essa decomposição, deve o profissional quantificar cada um dos serviços com base na documentação existente (projetos, memoriais, especificações, etc.).

2 336 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização Com os serviços decompostos e suas respectivas quantidades é possível alimentar sistema informatizado de orçamento de obra pública. 157 A título de ilustração, apresenta-se no decorrer deste capítulo, para uma obra fictícia, as diversas planilhas que caracterizam um empreendimento. A TABELA 13.1 destaca a planilha que relaciona os serviços pertencentes à obra, acompanhados de suas quantidades e unidades de medição. Neste momento, ainda não há estudo relativo aos preços dos insumos e serviços. Deve-se, ainda, na estruturação desta planilha, seguir orientação do TCU no sentido de que: a) os itens Administração local, Instalação de canteiro e acampamento e Mobili zação e desmobilização, visando a maior transparência, devem constar na planilha orçamentária e não no LDI (TCU. Acórdão nº 325/07, Plenário. Rel. Min. Guilherme Palmeira. DOU, 16 mar. 2007); b) não é recomendável a inserção de itens como verba na planilha, a exemplo de instalações elétricas e instalações hidráulicas Relação dos insumos que serão utilizados e a pesquisa de preços Como o sistema de orçamento de obras possui uma base de composições de ser viços previamente cadastradas, será gerada automaticamente uma relação de todos os insumos necessários a execução do empreendimento. Em suma, o sistema adota os seguintes procedimentos para o cálculo da quantidade de cada insumo: a) busca a relação dos serviços dos quais o insumo faz parte da composição; b) em cada serviço, multiplica o coeficiente de produtividade do insumo pela quantidade desse serviço, obtendo a quantidade do insumo para o serviço específico; c) efetua a soma das quantidades parciais do insumo utilizado nos diversos serviços, obtendo o valor final. O resultado final está apresentado na TABELA 13.2, que elenca todos os insumos a serem empregados, acompanhados de suas respectivas quantidades. Neste estágio, é possível ter uma boa ideia de quais são os principais insumos que serão utilizados, bem como iniciar a pesquisa de preços dos materiais, mão de obra e equipamentos. A regra para obtenção de preços é a seguinte: a) pesquisa dos valores no sistema Sinapi da Caixa Econômica Federal ou Sicro do Dnit; O sistema informatizado de orçamento de obra pública utilizado para a elaboração das planilhas apresentadas neste capítulo foi o Compor 90 (Informações disponíveis em: <http://www.noventa.com.br>). 158 Art. 125 da Lei nº /2011: O custo global de obras e serviços de engenharia contratados e executados com recursos dos orçamentos da União será obtido a partir de composições de custos unitários, previstas no projeto, menores ou iguais à mediana de seus correspondentes no Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI, mantido e divulgado, na internet, pela Caixa Econômica Federal e pelo IBGE, e, no caso de obras e serviços rodoviários, à tabela do Sistema de Custos de Obras Rodoviárias SICRO, excetuados os itens caracterizados como montagem industrial ou que não possam ser considerados como de construção civil.

3 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 337 b) caso não haja preços de determinados insumos no sistema de referência, 159 realizar pesquisa de mercado, obedecendo ao seguinte critério: quanto mais relevante for o valor global do item, maior número de empresas deverá ser consultado. Importante que a referida pesquisa seja documentada nos autos; c) por vezes, são necessários ajustes relativos a transportes, armazenamento, diferenças tributárias, que deverão estar registrados no processo; d) importante lembrar que, em regime de execução por preço unitário, somente em condições especiais, poderão os custos unitários do orçamento-base da licitação exceder o limite fixado no sistema de referência; e, em regime de execução por preço global, somente em condições especiais, poderão os custos das etapas do cronograma físico-financeiro exceder o valor calculado a partir do sistema de referência utilizado. 160 Obtidos os valores por meio da pesquisa, os preços dos insumos deverão ser inseridos no sistema de orçamento de obra. É recomendável que a data-base da cotação dos preços também seja registrada pelo sistema para solucionar eventuais dúvidas futuras Orçamento sintético de custos diretos O cálculo dos custos diretos é efetuado automaticamente pelo sistema por meio do cruzamento das informações constantes na base de composição de serviços, os preços dos insumos alimentados e as leis sociais definidas para o caso específico. Ao final, é produzida planilha de custos diretos, conforme ilustra a TABELA 13.3, cujo valor total para o caso em análise é de R$ ,04. Para a definição dos preços unitários falta, ainda, a diluição do BDI, que deverá ser definido em função das peculiaridades do empreendimento Orçamento sintético de preços Para a transformação da planilha ilustrada na TABELA 13.3 em planilha de preços unitários é necessário ratear o valor do BDI (R$ ,93 estimado para esta simulação) em cada serviço. Para tanto, é preciso definir o percentual do BDI: A multiplicação desse percentual pelos custos diretos unitários fornecerá os preços unitários, conforme TABELA Art. 125, 2º, da Lei nº /2011: Nos casos de itens não constantes dos sistemas de referência mencionados neste artigo, o custo será apurado por meio de pesquisa de mercado, ajustado às especificidades do projeto e justificado pela Administração. 160 Ver art. 125, 5º, III, e 6º, VI, da Lei nº /2011.

4 338 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização 13.6 Relação das composições de serviço e orçamento analítico Apesar da importância dos documentos anteriores, a planilha que possibilita a visão mais detalhada do orçamento é a relação das composições de serviços, conforme ilustra a TABELA Nela, é viável a leitura de todos os detalhes: insumos necessários para cada ser viço, coeficientes de produtividade, valor das leis sociais e do BDI, preços dos insumos, quantidade de serviços. Quando essa relação computa as quantidades de cada serviço, tem-se uma nova peça denominada orçamento analítico. Cabe notar o serviço forma para fundação, já estudado na seção deste livro, que está inserido no item 3.5 da planilha. O valor do custo direto estabelecido nos dois casos (R$23,25/m²) é idêntico, visto serem os mesmos insumos, coeficientes, quantidades, preços e especificações. Valem, portanto, todas as considerações já efetuadas no Capítulo Curva ABC A definição da curva ABC já foi apresentada na seção desta publicação. Essa curva, que pode ser elaborada para os insumos (TABELA 13.6) ou para os serviços da obra (TABELA 13.7), permite o conhecimento dos itens que possuem maior impacto no valor do orçamento e que deverão ter uma análise mais aprofundada no momento da definição dos preços. Importante perceber, da análise das planilhas, que 80% do valor do empreendimento costuma se concentrar em menos de 20% dos itens de insumos ou serviços. É exatamente para esses itens que a equipe deverá dedicar total atenção. Porém, cuidado especial deve ser adotado em relação ao projeto básico. Se a qualidade não for a desejada, existe elevado risco de itens que a princípio pertenciam ao grupo C migrarem para o grupo A no decorrer da obra diante da necessidade de acréscimo de quantitativos. Nesse caso, se os responsáveis concentraram sua análise inicial de preços apenas nos itens do grupo A poderão ter uma desagradável surpresa ao perceberem que um serviço do item C, contratado a um valor unitário elevado, teve um aditivo substancial de quantidades, ocasionando dano ao erário. Com efeito, para evitar falhas dessa espécie, o TCU tem determinado aos órgãos que exijam de cada licitante de obras públicas, nos instrumentos convocatórios, a documentação que comprove a compatibilidade dos custos dos insumos com os de mercado, segundo o art. 48, inciso II, da Lei nº 8.666/93, tais como: composição unitária de preços; curva ABC de insumos e serviços; tabelas de preços consagradas, como SINAPI, PINI, DNIT, etc.; e demonstrativo de cálculo dos encargos sociais e do BDI utilizados na composição dos preços (TCU. Acórdão nº 1.461/2003, Plenário. Rel. Min. Augusto Sherman Cavalcanti. DOU, 13 out. 2003) Cronograma físico e financeiro A definição do valor-base do orçamento que será contratado não é suficiente para a correta condução do empreendimento. É preciso que seja agregado o fator tempo ao contexto para que seja possível o conhecimento dos serviços que serão executados em cada mês e os valores que serão despendidos em cada período.

5 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 339 As tabelas 13.8, 13.9 e ilustram as planilhas relativas a cronogramas físicos e financeiros que os responsáveis devem ter acesso no curso de um pro ce dimento licitatório. Com base no cronograma, os sistemas de orçamento podem, ainda, fornecer o cronograma de consumo de insumos (TABELA 13.11) no qual é possível verificar as quantidades de material, mão de obra e equipamento que serão empregados mês a mês. Essa planilha é ferramenta útil para a verificação da efetiva execução de serviços, visto ser necessária a compatibilidade entre os insumos previstos e os existentes na obra.

6 340 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização TABELA 13.1 Planilha dos serviços pertencentes à obra, acompanhados de suas quantidades e unidades de medição

7 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 341 TABELA 13.2 Planilha dos insumos a serem empregados, acompanhados de suas respectivas quantidades

8 342 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização TABELA 13.3 Planilha de custos diretos dos serviços

9 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 343 TABELA 13.4 Planilha de preços unitários

10 344 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização TABELA 13.5 Relação das composições de serviços (continua)

11 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 345 TABELA 13.5 Relação das composições de serviços (continua)

12 346 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização TABELA 13.5 Relação das composições de serviços (continua)

13 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 347 TABELA 13.5 Relação das composições de serviços (continua)

14 348 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização TABELA 13.5 Relação das composições de serviços (continua)

15 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 349 TABELA 13.5 Relação das composições de serviços (continua)

16 350 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização TABELA 13.5 Relação das composições de serviços (continua)

17 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 351 TABELA 13.5 Relação das composições de serviços (continua)

18 352 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização TABELA 13.5 Relação das composições de serviços (continua)

19 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 353 TABELA 13.5 Relação das composições de serviços (continua)

20 354 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização TABELA 13.5 Relação das composições de serviços (conclusão)

21 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 355 TABELA 13.6 Curva ABC de insumos (continua)

22 356 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização TABELA 13.6 Curva ABC de insumos (conclusão)

23 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 357 TABELA 13.7 Curva ABC de serviços

24 358 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização TABELA 13.8 Planilha do cronograma físico (continua)

25 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 359 TABELA 13.8 Planilha do cronograma físico (conclusão)

26 360 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização TABELA 13.9 Planilha do cronograma financeiro (continua)

27 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 361 TABELA 13.9 Planilha do cronograma financeiro (conclusão)

28 362 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização TABELA Planilha do cronograma físico-financeiro (continua)

29 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 363 TABELA Planilha do cronograma físico-financeiro (conclusão)

30 364 Cláudio Sarian Altounian OBRAS PÚBLICAS Licitação, contratação, fiscalização e utilização TABELA Planilha do cronograma de consumo dos insumos (continua)

31 Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática 365 TABELA Planilha do cronograma de consumo dos insumos (conclusão)

32

CMA - SENADO FEDERAL

CMA - SENADO FEDERAL CMA - SENADO FEDERAL PARÂMETROS DE PREÇOS PARA OBRAS PÚBLICAS ABR/2010 TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria de Fiscalização de Obras Secob/1 André Luiz Mendes ÔNUS DA PROVA A quem cabe demonstrar que

Leia mais

Manutenção do Canteiro de Obras

Manutenção do Canteiro de Obras EPI Sinalização de Obra Manutenção do Canteiro de Obras Medicina do Trabalho OBRIGATÓRIO Apresentar o detalhamento de todos os custos unitários constantes da Planilha de Quantidades. Mobilização e

Leia mais

Roteiro de Operacionalização Obras Públicas

Roteiro de Operacionalização Obras Públicas Roteiro de Operacionalização Obras Públicas Jeferson Alves dos Santos # O que analisar? - Superfaturamento sobrepreço, super quantidade e subqualidade. - O que contratar? = características da obra - Com

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A relevância do orçamento detalhado no cumprimento do prazo de execução de contratos de obras públicas Bruno Lima Caldeira de Andrada* Orlando Celso Longo** Resumo: O presente artigo

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS por PAULO SÉRGIO DE MONTEIRO REIS 1 A planilha de quantitativos e preços nas obras e serviços de engenharia constitui fator fundamental não só para o sucesso

Leia mais

Exportação e Importação de Orçamentos

Exportação e Importação de Orçamentos Exportação e Importação de Orçamentos Copyright 2013 By Softplan. Rod. José Carlos Daux, km 1, Nº 10 Centro de Tecnologia Ilhasoft - ParqTec Alfa João Paulo Florianópolis SC CEP 88030-000 Telefone: (48)

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Espírito Santo ANEXO 1

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Espírito Santo ANEXO 1 PROJETO BÁSICO ORÇAMENTO PARA CONCLUSÃO DAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO DA SEDE DEFINITIVA 1. OBJETO: Elaboração de planilha orçamentária estimativa e cronograma físico-financeiro para a conclusão das obras do

Leia mais

CURSO DE ORÇAMENTAÇÃO DE OBRAS DE ENGENHARIA

CURSO DE ORÇAMENTAÇÃO DE OBRAS DE ENGENHARIA GERANDO COMPETITIVIDADE ATRAVÉS DO CONHECIMENTO E DA INOVAÇÃO CURSO DE ORÇAMENTAÇÃO DE OBRAS DE ENGENHARIA LOCAL: CREA-PB. DIAS: 10, 11 e 12 de Junho de 2015. Quarta das 19h às 22h; Quinta das 08h às 12h

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº. 07/2010 Setor: Obras Públicas (Assessoria Especial de Obras) Período: 26/07/2010 a 13/08/2010 Legislação Aplicada: - Lei nº. 8.666/93 - Lei nº. 4.320/64 - Lei nº. 6.496/77 -

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 4101/2004-4 Ano Orçamento: 2002 UF: RJ Nome do PT: Manutenção de Serviços Administrativos -

Leia mais

Elaboração de planilhas de orçamento de obras

Elaboração de planilhas de orçamento de obras Elaboração de planilhas de orçamento de obras por PAULO SÉRGIO DE MONTEIRO REIS 1 A planilha de quantitativos e preços nas obras e serviços de engenharia constitui fator fundamental não só para o sucesso

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais, legais e regimentais;

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais, legais e regimentais; INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001/2010 Estabelece normas, sistematiza e padroniza procedimentos operacionais dos órgãos municipais. A CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO, no uso de suas atribuições constitucionais,

Leia mais

Orientações para Elaboração de Planilhas Orçamentárias de Obras Públicas. 22 e 23 de outubro de 2015 Florianópolis/SC

Orientações para Elaboração de Planilhas Orçamentárias de Obras Públicas. 22 e 23 de outubro de 2015 Florianópolis/SC Orientações para Elaboração de Planilhas Orçamentárias de Obras Públicas 22 e 23 de outubro de 2015 Florianópolis/SC APRESENTAÇÃO O Tribunal de Contas da União lançou, recentemente, um guia denominado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Diogo Campos Borges de Medeiros MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES

TERMO DE REFERÊNCIA. Diogo Campos Borges de Medeiros MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CDASTRO E LICITAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Diogo Campos Borges de Medeiros I SEMINÁRIO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS DO DNIT OBJETIVOS Verificar o conceito, as aplicações

Leia mais

Os passos e a importância da elaboração adequada de uma planilha orçamentária para licitações de obras públicas

Os passos e a importância da elaboração adequada de uma planilha orçamentária para licitações de obras públicas Os passos e a importância da elaboração adequada de uma planilha orçamentária para licitações de obras públicas Resumo Marilia Ferreira de Oliveira Corrêa mariliaf_18@hotmail.com Gerenciamento de Obras,

Leia mais

ORÇAMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO. Como garan4r um bom detalhamento de custos

ORÇAMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO. Como garan4r um bom detalhamento de custos ORÇAMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO Como garan4r um bom detalhamento de custos Eng. Rogério Dorneles Severo, PMP Set/2014 Rogério Dorneles Severo, PMP Profissional com mais de 20 anos de experiência em empreendimentos

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos 1º Fórum Brasileiro de Custos de Obras Públicas Metodologia de Cálculo Orientação Técnica para Cálculo do Preço de Referência em Licitações de Obras Públicas

Leia mais

SINAPI Modelo de Apresentação

SINAPI Modelo de Apresentação SINAPI Modelo de Apresentação Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil Administrado pela CAIXA Precisão do Preço de Referência Margem de erro elevada MÉTODO DE CÁLCULO DO

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS [ ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS "O impacto da desoneração da folha de pagamento na construção civil nos orçamentos" "O uso do Sinapi e de outros sistemas referenciais de custos" "O novo

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.003/2014

PROC IBR EDIF 01.02.003/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.003/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI 1 UTILIZAÇÃO DA TABELA SINAPI: VISÃO DA ÁREA EMPRESARIAL O QUE VEM OCORRENDO NO MERCADO COM APLICAÇÃO DO SISTEMA SINAPI 2 ÍNDICE

Leia mais

IV EVENTO GUGP 2014. Gestão de Custos em Projetos Complexos

IV EVENTO GUGP 2014. Gestão de Custos em Projetos Complexos IV EVENTO GUGP 2014 Gestão de Custos em Projetos Complexos Eng. Rogério Dorneles Severo, PMP Agosto/2014 Rogério Dorneles Severo, PMP Profissional com mais de 20 anos de experiência em empreendimentos

Leia mais

FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS JURISPRUDÊNCIA APLICADA

FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS JURISPRUDÊNCIA APLICADA FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS JURISPRUDÊNCIA APLICADA Luana Roriz Meireles Analista de Finanças e Controle Brasília Novembro/2011 TEMAS A SEREM ABORDADOS 1. Projeto Básico 2. Detalhamento dos Orçamentos

Leia mais

Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI)

Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA DE ECONOMIA E FINANÇAS 11ª INSPETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS DO EXÉRCITO Orientações sobre Bonificações e Despesas Indiretas (BDI) Ref: - Acórdão

Leia mais

PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção à Incêndio e Pânico

PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção à Incêndio e Pânico INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N 15, DE 20 DE DEZEMBRO DE 20 06.

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N 15, DE 20 DE DEZEMBRO DE 20 06. DNIT MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTÜRA DE TRANSPORTES Setor de Autarquias Norte - Quadra 03 - Lote A - 4 andar BRASÍLIA-DF - BRASIL - CEP 70040-902 INSTRUÇÃO DE SERVIÇO

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS OBJETIVO ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS 04 E 05 DE SETEMBRO DE 2013 Curitiba/PR Proporcionar o aprimoramento dos servidores envolvidos diretamente na elaboração de orçamentos de obras e

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL MURILO DAMAZIO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Obras Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras

Disciplina: Gerenciamento de Obras Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras Disciplina: Gerenciamento de Obras Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras Prof. Ms. Daniele Ornaghi Sant Anna Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras Programas computacionais gráficos podem

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO COMO CONSTRUÍDO (AS BUILT) (ESTUDO PRELIMINAR)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO COMO CONSTRUÍDO (AS BUILT) (ESTUDO PRELIMINAR) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO COMO CONSTRUÍDO (AS BUILT) (ESTUDO PRELIMINAR) Agosto de 2007 1/9 APRESENTAÇÃO O panorama atual das obras públicas no Brasil e mais especificamente no Estado

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Fornecer diretrizes para a elaboração e apresentação de orçamentos que compõem o Projeto Executivo. FINIÇÕES O orçamento executivo abrange a elaboração dos elementos

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO O governo federal estabeleceu, em 2011, uma nova modalidade de licitação conhecida como Regime Diferenciado de Contratações

Leia mais

PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos

PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos A montagem de um orçamento consistente é uma ciência. Diferentemente de uma simples estimativa de custos, quando a avaliação é empírica, o orçamento que segue os

Leia mais

Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras. Unidade I:

Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras. Unidade I: Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras Unidade I: 0 Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras GERENCIAMENTO DE OBRAS Programas computacionais gráficos podem ajudar na elaboração de orçamentos,

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 010/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Fundações, Cortinas e Muros de Arrimo

PROC-IBR-EDIF 010/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Fundações, Cortinas e Muros de Arrimo INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 010/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Fundações, Cortinas

Leia mais

PARÂMETROS DE PREÇOS UTILIZADOS PARA AS OBRAS PÚBLICAS. Audiência Pública VIGOV - Vice Presidência de Governo

PARÂMETROS DE PREÇOS UTILIZADOS PARA AS OBRAS PÚBLICAS. Audiência Pública VIGOV - Vice Presidência de Governo PARÂMETROS DE PREÇOS UTILIZADOS PARA AS OBRAS PÚBLICAS Audiência Pública VIGOV - Vice Presidência de Governo Brasília, 06.04.2010 Determinação Legal Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO SINAPI. Lei 10.524

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS 01/2015 QUESTIONAMENTOS E RESPOSTAS

TOMADA DE PREÇOS 01/2015 QUESTIONAMENTOS E RESPOSTAS TOMADA DE PREÇOS 01/2015 Contratação de empresa especializada em engenharia ou arquitetura para elaboração de projetos básicos e executivos de arquitetura e complementares, destinados à construção do edifício-sede

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 018/2014 Análise das especificações, quantidades e preços dos Vidros

PROC-IBR-EDIF 018/2014 Análise das especificações, quantidades e preços dos Vidros INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 018/2014 Análise das especificações, quantidades e preços dos Vidros Primeira

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO Relatório preliminar, sujeito a alterações pela unidade técnica (não tramitar para o relator antes da RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC nº 000.787/2009-4 Fiscalização nº 385/2009 DA FISCALIZAÇÃO

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 4096/2004-2 Ano Orçamento: 2003 UF: RJ Nome do PT: Funcionamento de Cursos de Graduação - No

Leia mais

Matriz de Procedimentos. Obras e Serviços de Engenharia

Matriz de Procedimentos. Obras e Serviços de Engenharia Matriz de Procedimentos Obras e Serviços de Engenharia Escopo: Dois processos de maior materialidade executados nos anos de 2011 e 2012. Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação

Leia mais

GESTÃO E FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

GESTÃO E FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA Tribunal de Contas do Estado do Piauí Inspetoria de Obras e Serviços Públicos Divisão de Engenharia Palestrante: Bruno C. de Holanda Cavalcanti Auditor Fiscal de Controle Externo GESTÃO E FISCALIZAÇÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE OSÓRIO SECRETARIA DE OBRAS SANEAMENTO E TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO OBJETO: Fechamento de quadra esportiva da Escola Municipal de Ensino Fundamental

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Engenheiro Civil Paulo Roberto Vilela Dias, MSc Mestre em Engenharia Civil - uff Professor do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES E CONTRATOS Instrutora: Adelaide Bittencourt P. Coelho Participação: Paula Romano TCEMG Novembro/2009 IMPORTÂNCIA DO TEMA As obras são a parte mais aparente das

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 27/2015 - BNDES QUESTIONAMENTO 03

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 27/2015 - BNDES QUESTIONAMENTO 03 PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 27/2015 - BNDES QUESTIONAMENTO 03 Pergunta 1: Atualmente muitos trabalhadores que estão executando serviços dentro do Distrito Federal, moram no Entorno desse modo a cotação de

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria Executiva Diretoria de Administração

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria Executiva Diretoria de Administração MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria Executiva Diretoria de Administração PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 11/2015 PROCESSO Nº 03110.014908/2014 55 OBJETO: Contratação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR OBRA...CONTRATAÇÃO DE EMPRESA HABILITADA PARA EXECUÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NAS ESTRUTURAS DENOMINADAS COMETAS CONFORME

Leia mais

CURSO ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS COM O NOVO SINAPI PORTO ALEGRE/RS 24 e 25 DE SETEMBRO DE 2015 PROFESSOR ANDRÉ BAETA

CURSO ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS COM O NOVO SINAPI PORTO ALEGRE/RS 24 e 25 DE SETEMBRO DE 2015 PROFESSOR ANDRÉ BAETA CURSO ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS COM O NOVO SINAPI PORTO ALEGRE/RS 24 e 25 DE SETEMBRO DE 2015 PROFESSOR ANDRÉ BAETA I. ESCOPO E METODOLOGIA Dispõe a Lei 8.666/93 que as obras públicas

Leia mais

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES

OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE ACORDO COM A LEI Nº 8.666/93 E COM O RDC UM PARALELO ENTRE OS REGIMES Do planejamento e julgamento da licitação até a fiscalização dos contratos 31 de março e 1º de abril

Leia mais

LICITAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

LICITAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA A NECESSÁRIA VISÃO PANORÂMICA SOB OS OLHARES DO PÚBLICO E DO PRIVADO Carga horária: 16 horas A - A PREVISÃO CONSTITUCIONAL E A LICITAÇÃO 1. Da supremacia das

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NA LEGISLAÇÃO DO RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÃO A partir da iniciativa da CBIC e ANEOR em 2009, representantes dos segmentos envolvidos nos serviços de engenharia e obras

Leia mais

GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177

GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177 GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177 TECHNIQUE A Technique atua desde 1997 nas áreas de infraestrutura, construção civil e industrial, através de consultoria

Leia mais

CURSO ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS COM O NOVO SINAPI PROFESSOR ANDRÉ BAETA MANAUS/AM 18 E 19 DE FEVEREIRO DE 2016

CURSO ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS COM O NOVO SINAPI PROFESSOR ANDRÉ BAETA MANAUS/AM 18 E 19 DE FEVEREIRO DE 2016 CURSO ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTO DE OBRAS COM O NOVO SINAPI PROFESSOR ANDRÉ BAETA MANAUS/AM 18 E 19 DE FEVEREIRO DE 2016 OBJETIVO Qualificação de profissionais para a elaboração de orçamentos

Leia mais

Curso Elaboração de Planilhas de Orçamento de Obras com o Novo SINAPI São Paulo SP 11 e 12 de dezembro de 2014 Professor André Baeta

Curso Elaboração de Planilhas de Orçamento de Obras com o Novo SINAPI São Paulo SP 11 e 12 de dezembro de 2014 Professor André Baeta Curso Elaboração de Planilhas de Orçamento de Obras com o Novo SINAPI São Paulo SP 11 e 12 de dezembro de 2014 Professor André Baeta OBJETIVO Qualificação de profissionais para a elaboração de orçamentos

Leia mais

REGIMES DE EXECUÇÃO INDIRETA DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA NO RDC (O PADRÃO FIFA É LEGÍTIMO?)

REGIMES DE EXECUÇÃO INDIRETA DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA NO RDC (O PADRÃO FIFA É LEGÍTIMO?) REGIMES DE EXECUÇÃO INDIRETA DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA NO RDC (O PADRÃO FIFA É LEGÍTIMO?) Jessé Torres Pereira Junior* Marinês Restelatto Dotti** Sumário: 1 Introdução 2 A estimativa do custo global

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES Objetivo: introdução à gestão de contratos e medições, visão geral do SMO e suas principais funcionalidades. não há. TRILHA I (Básico) TRILHA II (Intermediário) TRILHA III (Avançado) Objetivo: adquirir

Leia mais

Memo N.º /2007 Fortaleza, 28 de setembro de 2007. ASSUNTO: Licitação de Obras de Construção Aeroporto de Tauá-Ce.

Memo N.º /2007 Fortaleza, 28 de setembro de 2007. ASSUNTO: Licitação de Obras de Construção Aeroporto de Tauá-Ce. GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA INFRA- ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE EDIFICAÇÕES, RODOVIAS E TRANSPORTES Memo N.º /2007 Fortaleza, 28 de setembro de 2007 Do: CEGOR A: Coordenador de Engenharia ASSUNTO:

Leia mais

Construção do Fórum Trabalhista de Belém (PA)

Construção do Fórum Trabalhista de Belém (PA) Secretaria-Geral Divisão de Auditoria Seção de Auditoria de Gestão de Obras Parecer Técnico n.º 16 de 2014 Construção do Fórum Trabalhista de Belém (PA) Órgão: Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NÍVEL MESTRADO UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NÍVEL MESTRADO Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Paulista -

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 11360/2005-4 Ano Orçamento: 2004 UF: RJ Nome do PT: Modernização do Centro Técnico de Atividades

Leia mais

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite:

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: 01/07/2008 ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008 A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: A data de abertura foi transferida para o dia 18/07/2008, às 14 horas; o prazo para realização

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo III Chapecó, março/2012 1 3 Projeto e Orçamento 4 Fiscalização Pedro Jorge Rocha de Oliveira

Leia mais

Estimativa de valor da contratação

Estimativa de valor da contratação Estimativa de valor da contratação A As contratações públicas somente poderão ser efetivadas após estimativa prévia do seu valor, que deve obrigatoriamente ser juntada ao processo de contratação e, quando

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARBALHA SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E OBRAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARBALHA SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E OBRAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - OBRA: CONSTRUÇÃO DE MURO ARRIMO - LOCAL: TERRENO DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL - BARBALHA/CEARÁ. 1.0 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS - Este Relatório

Leia mais

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE. Audiência Pública PARÂMETROS DE PREÇOS PARA OBRAS PÚBLICAS

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE. Audiência Pública PARÂMETROS DE PREÇOS PARA OBRAS PÚBLICAS SENADO FEDERAL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Audiência Pública PARÂMETROS DE PREÇOS PARA OBRAS PÚBLICAS Brasília, 13 de Abril de 2010 A construção pesada responde

Leia mais

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. CRONOGRAMA FÍSICO Quando se inicia uma obra, o ideal é saber exatamente quanto tempo os trabalhos vão durar e, consequentemente, quando vão acabar. Por isso,

Leia mais

Jurisprudências do TCU - 2014

Jurisprudências do TCU - 2014 Jurisprudências do TCU - 2014 Sobre Licitações e Contratos Administrativos Última Atualização Informativo Nº 227 Sessões do Dia 09 e 10/12/2014 Revisão de Preços É juridicamente inadmissível a revisão

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

Atualização Volare 17 Release 010

Atualização Volare 17 Release 010 Atualização Volare 17 Release 010 Principais novidades do Volare 17: Release 010 CORREÇÕES: Ao trazer um item da base SINAPI ou SICRO2 DNIT para o orçamentos. Ele não estava deixando adicionar componentes

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC nº 008.175/2009-7 Fiscalização nº 144/2009 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Acórdão 345/2009 - Plenário Objeto da fiscalização: Obras de

Leia mais

Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe. Orientações para Processos Licitatórios Gerência Executiva Outubro/2014

Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe. Orientações para Processos Licitatórios Gerência Executiva Outubro/2014 Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe Orientações para Processos Licitatórios 1 A Lei 8666, estabelece normas gerais sobre licitações e contratos administrativos pertinentes a obras, serviços,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DAS INST. FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR -DIFES COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - CGPO - SIMEC - SISTEMA

Leia mais

REF.: Quesitação da Sociedade Empresária XXXXXXXXXXXXXXXXX, relativa ao Edital de Concorrência n.º 001/2015.

REF.: Quesitação da Sociedade Empresária XXXXXXXXXXXXXXXXX, relativa ao Edital de Concorrência n.º 001/2015. Rio de Janeiro, 27 de fevereiro de 2015. REF.: Quesitação da Sociedade Empresária XXXXXXXXXXXXXXXXX, relativa ao Edital de Concorrência n.º 001/2015. Este documento visa responder às solicitações formuladas

Leia mais

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso VI, alínea a, da Constituição,

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso VI, alínea a, da Constituição, DECRETO Nº 8.080/2013, DE 20 DE AGOSTO DE 2013 Altera o Decreto nº 7.581, de 11 de outubro de 2011, que regulamenta o Regime Diferenciado de Contratações Públicas - RDC, de que trata a Lei nº 12.462, de

Leia mais

PREGÃO 05/2015 ESCLARECIMENTOS. A quem possa interessar, apresentamos abaixo esclarecimentos face aos questionamentos feitos pelas empresas abaixo:

PREGÃO 05/2015 ESCLARECIMENTOS. A quem possa interessar, apresentamos abaixo esclarecimentos face aos questionamentos feitos pelas empresas abaixo: PREGÃO 05/2015 ESCLARECIMENTOS A quem possa interessar, apresentamos abaixo esclarecimentos face aos questionamentos feitos pelas empresas abaixo: A) RN COMERCIAL: QUESTIONAMENTOS: 1- Atualmente muitos

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTOS DE OBRAS COM O NOVO SINAPI

ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTOS DE OBRAS COM O NOVO SINAPI ELABORAÇÃO DE PLANILHAS DE ORÇAMENTOS DE OBRAS COM O NOVO SINAPI 04 e 05 de fevereiro de 2016, no Rio de Janeiro-RJ. Com o Auditor Federal de Controle Externo do TCU André Pachioni Baeta APRESENTAÇÃO Dispõe

Leia mais

Regimes de execução indireta de obras e serviços de engenharia no RDC O Padrão FIFA é legítimo?

Regimes de execução indireta de obras e serviços de engenharia no RDC O Padrão FIFA é legítimo? Regimes de execução indireta de obras e serviços de engenharia no RDC O Padrão FIFA é legítimo? Jessé Torres Pereira Junior Marinês Restelatto Dotti Palavras chave: Licitações públicas. Regime Diferenciado

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014 Referência : Correio eletrônico, de 17/9/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 1693/2014.

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A.

BANCO DO BRASIL S.A. BANCO DO BRASIL S.A. MANUAL DE PREENCHIMENTO: - ORÇAMENTO - ORÇAMENTO - CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS (PLS) 2 ÍNDICE: I - INTRODUÇÃO:...4 II - FLUXO ENGENHARIA CENOP

Leia mais

MANUAL DE METODOLOGIAS E CONCEITOS

MANUAL DE METODOLOGIAS E CONCEITOS SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL MANUAL DE METODOLOGIAS E CONCEITOS Versão: 005 Vigência: 06/2014 Última Atualização: 05/2015 SINAPI - Manual de Metodologias

Leia mais

CURSO ORÇAMENTO E CÁLCULO DO CUSTO DE OBRAS

CURSO ORÇAMENTO E CÁLCULO DO CUSTO DE OBRAS CURSO ORÇAMENTO E CÁLCULO DO CUSTO DE OBRAS 1. Curso de ORÇAMENTO E CALCULO DE CUSTOS de Obras Inclui Composição de Preços, BDI e Programa de Orçamento Edificações Terraplanagem Estruturas Pavimentação

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA CGU EM AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS. WAGNER ROSA DA SILVA Diretor de Auditoria Área Infraestrutura Controladoria-Geral da União - CGU

EXPERIÊNCIA DA CGU EM AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS. WAGNER ROSA DA SILVA Diretor de Auditoria Área Infraestrutura Controladoria-Geral da União - CGU EXPERIÊNCIA DA CGU EM AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS WAGNER ROSA DA SILVA Diretor de Auditoria Área Infraestrutura Controladoria-Geral da União - CGU 1 I METODOLOGIA DE ATUAÇÃO II PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Assunto: Levantamento de Auditoria. Colegiado: Plenário. Classe: Classe V

Tribunal de Contas da União. Assunto: Levantamento de Auditoria. Colegiado: Plenário. Classe: Classe V Tribunal de Contas da União Assunto: Levantamento de Auditoria Colegiado: Plenário Classe: Classe V Sumário: Fiscobras 2001. Obras de construção de contornos rodoviários no corredor Leste/BR- 259/ES. Irregularidades.

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Assunto: Representação. Colegiado: Plenário. Classe: Classe VII

Tribunal de Contas da União. Assunto: Representação. Colegiado: Plenário. Classe: Classe VII Tribunal de Contas da União Assunto: Representação Colegiado: Plenário Classe: Classe VII Sumário: Representação formulada pelo Tribunal de Contas do Espado de Pernambuco versando sobre possíveis irregularidades

Leia mais

APLICAÇÃO DA CONTRATAÇÃO INTEGRADA NA LICITAÇÃO E EXECUÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS CURSO NOVO

APLICAÇÃO DA CONTRATAÇÃO INTEGRADA NA LICITAÇÃO E EXECUÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS CURSO NOVO CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO APLICAÇÃO DA CONTRATAÇÃO INTEGRADA NA LICITAÇÃO E EXECUÇÃO DE OBRAS PÚBLICAS Carga Horária: 16 horas/atividade Horário: 8h30 às 18h (com intervalo para almoço) CURSO

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Planejamento, Programação e Controle Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Conceitos Gerais Planejamento formal, que compreende, normalmente 5 fases: Estudo de viabilidade técnica, econômica e financeira; Projeto

Leia mais

^ Governo do. Estado do Ceará /?' SISTEMA DE VIRTUALIZAÇAO DE PROCESSOS-VIPROC N DO PROCESSO: 6813912/2015 DATA:29/1 0/201 5 HORA:16:06

^ Governo do. Estado do Ceará /?' SISTEMA DE VIRTUALIZAÇAO DE PROCESSOS-VIPROC N DO PROCESSO: 6813912/2015 DATA:29/1 0/201 5 HORA:16:06 SISTEMA DE VIRTUALIZAÇAO DE PROCESSOS-VIPROC ^ Governo do Estado do Ceará ORIGEM N DO PROCESSO: 6813912/2015 DATA:29/1 0/201 5 HORA:16:06 /?' PROCURADORIA GERAL DO ESTADO ASSUNTO LICITAÇÃO/ IMPUGNACAO

Leia mais

III.b.2 Atestados de capacidade técnica

III.b.2 Atestados de capacidade técnica Licitante interessada em participar do pregão eletrônico Adpal nº 66/2014, que tem como objeto a contratação de empresa para a prestação de serviços de vigilância patrimonial ostensiva armada, por postos

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS DIRETRIZES BÁSICAS O orçamento de uma obra compõe-se de um conjunto de elementos capazes de quantificar e customizar

Leia mais

São Paulo, 13 de outubro de 2008 Carta COP/CBIC nº 020/2008

São Paulo, 13 de outubro de 2008 Carta COP/CBIC nº 020/2008 São Paulo, 13 de outubro de 2008 Carta COP/CBIC nº 020/2008 Ilustríssimo Senhor Dr. IVAN DOMINGUES M.D. Superintendente Nacional de Repasses da CEF Caixa Econômica Federal Brasília DF Prezado senhor, De

Leia mais

CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. Seminário Administrativo Itapema/SC

CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. Seminário Administrativo Itapema/SC CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. TERMOS DE COOPERAÇÃO. DO CONTROLE DA NECESSIDADE AO NECESSÁRIO CONTROLE. COFEN-COREN Lei nº. 5.905, de 12/07/1973. Art. 1º. São criados o Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC nº 029.758/2010-6 Fiscalização nº 1084/2010 DA FISCALIZAÇÃO Modalidade: conformidade Ato originário: Acórdão 2.435/2010 - Plenário Objeto da fiscalização: Construção

Leia mais

Banco de Preços. www.licitacoes-e.com.br/bpe. Opções do usuário

Banco de Preços. www.licitacoes-e.com.br/bpe. Opções do usuário Banco de Preços www.licitacoes-e.com.br/bpe Opções do usuário 1 1. Acesso ao Banco de Preços Para utilizar o sistema é necessário que o Contratante faça sua adesão ao Banco de Preços. Para tanto, deve:

Leia mais