As relações internacionais para além dos princípios westfalianos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As relações internacionais para além dos princípios westfalianos"

Transcrição

1 As relações internacionais para além dos princípios westfalianos Diogo Bueno de Lima Durante boa parte do século XX as relações internacionais foram meramente pautadas por princípios westfalianos de relações interestatais. Os Estados continuam a ser o principal ator nas relações internacionais, contudo, há outros atores que no mundo contemporâneo abrem cada vez mais espaço dentro dessa seara, dentre eles podemos citar os municípios, as Organizações Internacionais, as Organizações nãogovernamentais e também os Partidos Políticos. É a partir dessa perceptiva que será abordada a criação e as primeiras atuações da Secretaria de Relações Internacionais do Partido dos Trabalhadores (SRI-PT), por sua relevância como um desses atores, atuando nas relações internacionais por via partidária com outros partidos, movimentos e governos, mostrando os principais temas de sua agenda, como a solidariedade internacional, a luta pelos direitos humanos e a importância da integração regional. Destaque para o Movimento pela Anistia, que traria ao PT questões internacionais desde a sua formação. Parte do Movimento pela Anistia que integrou o partido deu origem à Secretaria de Relações Internacionais do PT, que nos primeiros anos de funcionamento pautava sua atuação na solidariedade aos povos latino-americanos e na denúncia contra violações aos Direitos Humanos na América Latina e Caribe. A princípio, a luta pela Anistia não parece atingir o movimento dos trabalhadores. Lula não se entusiasmou com o movimento pela Anistia por lhe parecer algo muito restrito e específico das classes médias, como fica claro na entrevista concedida por Lula em março de 1978 ao Pasquim quando declara que mesmo sendo contra qualquer cidadão ser preso por manifestar suas ideologias, era mais a favor da anistia da classe trabalhadora, que para ele era uma eterna prisioneira (KECK, 1991). Anos mais tarde, Lula declara que aos poucos sua consciência política foi avançando e o movimento pela anistia passou a formar um importante papel na luta pelos direitos humanos e a ser pauta de todo encontro sindical (LULA, 2007). Ana Maria Stuart, em entrevista concedida ao autor relata que O início do trabalho da SRI 14 tinha sido muito na linha da solidariedade internacional, com as revoluções na América Central, com os perseguidos pelas ditaduras a SRI-PT servia principalmente como um instrumento para essas tarefas. Assim, em seu início, a secretaria pautava sua atuação pela solidariedade e denúncia contra violações aos Direitos Humanos nos países latinoamericanos. Mesmo antes da institucionalização, inúmeros documentos mostram a existência de contatos internacionais - mais sistematizados ou menos sistematizados - enviados oficialmente pelo PT ou individualmente pelos seus membros, mas sempre mostrando o apoio à luta dos grupos e partidos de esquerda de fora do país. Mesmo sem existir em estatuto uma Secretaria, o PT já mantinha relações internacionais um pouco mais estruturadas com países e movimentos, e 14 Somente em 1984 conta com uma Secretaria de Relações Internacionais institucionalizando seu trabalho. 11

2 a análise desses documentos anteriores a 1984 mostram que já se delineava e se reconhecia uma Secretaria de Relações Internacionais, inclusive com um secretário, responsável por sua articulação. Uma das principais lideranças da luta pela Anistia foi o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, que já fazia parte do Comitê Brasileiro pela Anistia (CBA), Comitê Brasileiro de Solidariedade aos Povos da América Latina (CBS), do Comitê de Defesa dos Direitos Humanos para os Países do Cone Sul (CLAMOR), exercendo papel de auxílio aos exilados e presos políticos. Foi Greenhalgh, inclusive, quem tirou Lula da cadeia após ser preso em Greenhalgh foi o primeiro secretário da SRI-PT, atuando até Apesar de Greenhalgh ter sido apontado como o primeiro Secretário de Relações Internacionais, Ana Maria Stuart, em entrevista, relata: Creio que o primeiro secretário foi José Álvaro Moisés, que logo sai, assumindo Luiz Eduardo Greenhalgh. De todos os documentos encontrados durante a pesquisa, o mais antigo é uma carta datada de dezembro de 1981, na qual Guillermo Capobianco R., deputado Nacional da Bolívia, solicita a colaboração e solidariedade para impulsionar a campanha mundial pela Anistia Geral e Irrestrita como parte de um processo para a redemocratização do governo e da sociedade boliviana. Tal carta é endereçada a José Álvaro Moisés. No entanto, há uma marcação feita à mão sobre seu nome apontando o encaminhamento da mesma a Luiz Eduardo Greenhalgh, o que é coerente com a lembrança de Stuart. Em maio de 1982, é enviada por Greenhalgh uma carta ao então Presidente do Uruguai manifestando repúdio à condenação de um sindicalista uruguaio e assinada como Secretaria de Relações Exteriores do Partido dos Trabalhadores. Ainda no mesmo ano uma carta enviada pela Frente Mundial de Solidariedade com o Povo Salvadorenho, desde o México, é endereçada à Secretaria de Relações Internacionais do PT, reconhecendo a experiência unitária e combativa do partido e convidando a que participem do movimento de solidariedade ao povo salvadorenho. A Secretaria já começava a tomar corpo. Assim, em se dá a institucionalização da Secretaria de Relações Internacionais do PT (SRI-PT) que é por estatuto órgão de assessoria da Direção Nacional do PT. O foco principal de suas primeiras atuações é a sistematização permanente dos contatos e atuações do partido em sua luta internacional. As principais questões eram relativas à solidariedade entre os povos, estabelecimento de novas relações, contatos com as Direções ou Secretarias Internacionais de outros partidos e movimentos amigos, articulação de viagens e encontros internacionais e, inclusive, na própria definição das ações do partido em assuntos internacionais. Essa atuação era realizada a partir de reuniões internas, de sistematização dos assuntos internacionais, centrando na SRI-PT todos os assuntos relacionados a viagens, contatos, encontros internacionais, representação internacional do partido, envio de cartas a presidentes, instauração de abaixoassinados, contatos com militantes do PT que residiam em outros países, criação de grupos de trabalho para os casos mais relevantes, declarações de solidariedade às forças revolucionárias de outros países, apoio à 15 De acordo com documento do III Encontro Nacional, realizado nos dias 06, 07 e 08 de abril de

3 manutenção da autodeterminação dos povos e não intervenção, repúdio ao imperialismo norte-americano, entre outros. Em 1988, Greenhalgh deixa a SRI-PT para assumir como vice-prefeito de São Paulo. Assume o cargo de secretário de relações internacionais do partido Francisco Weffort, intelectual uspiano ligado ao Departamento de Ciência Política, que entrega o cargo após dez dias, deixando Ana Maria Stuart (juntamente com Osvaldo Vargas, secretário de relações internacionais da CUT), encarregada da campanha presidencial de Lula em seus contatos pela América Latina, principal atividade atribuída à Secretaria nesse momento. A quase eleição de Lula em 1989 foi um divisor de águas para o trabalho da SRI- PT, mudando definitivamente a atuação da mesma devido à visibilidade internacional adquirida pelo partido. Com a projeção que o PT ganha no cenário nacional e internacional há uma mudança nas demandas para a SRI- PT. Ela passa a ter relações políticas não só com movimentos e partidos, mas com governos e partidos de esquerda de várias vertentes que queriam conhecer melhor o partido que levou à quase eleição de Lula. Depois da quase eleição de Lula, que projetou o PT internacionalmente, nós passamos a ter uma demanda impressionante (STUART, 2006, entrevista concedida ao autor). Uma das mudanças da Secretaria foi chamar, em junho de 1990, Marco Aurélio Garcia para assumir o cargo de secretário de relações internacionais do PT, até então secretário de cultura na prefeitura de Campinas. Todo esse contexto de mudanças pós 1989, somados ao ingresso de Marco Aurélio Garcia como secretário, dá um sentido mais pragmático ao trabalho da SRI- PT. Diferente de outros partidos brasileiros, o PT deu ênfase na questão da integração regional desde o princípio da década de 90, e por meio de sua Secretaria de Relações Internacionais, propôs mudanças nos rumos do MERCOSUL, buscou desarticular a ALCA e atuou como indutor de políticas públicas ligadas a temas internacionais, como na criação da Rede Mercocidades. Assim, a partir das prefeituras petistas, inseria o partido como importante ator nas relações internacionais. A própria esquerda Europeia buscava compreender as políticas públicas petistas, como o caso do Orçamento Participativo (OP) e a SRI-PT atuando como indutora de relações políticas internacionais através das prefeituras conquistadas pelo PT. Foi nos governos de prefeituras petistas, como Porto Alegre e Belo Horizonte e das municipalidades governadas por partidos da esquerda latino-americana, como Buenos Aires, Montevidéu, Rosário, que em 1995 nasce a rede Mercocidades, que tem como objetivo promover a inserção das cidades no processo de integração regional, atuando como contra ponto das políticas neoliberais vivenciadas em toda a América Latina (no Brasil de Collor a Fernando Henrique Cardoso, e em outros países com Menem, Fujimori). A partir de 2002, com a eleição de Lula (e também com as eleições de diversos presidentes de esquerda na América Latina), as demandas voltaram a mudar partidos e movimentos que sempre foram oposição, se vêem do outro lado. Para a SRI-PT e para o PT, uma dificuldade, ou um objetivo buscado, é articular as políticas internacionais do partido com a política externa do governo. 13

4 Neste contexto, a SRI-PT é responsável pela política internacional do partido, muitas vezes confundida com a política externa do governo Lula. Durante esse governo essa articulação pôde ser percebida, por exemplo, com relação ao estreitamento das relações Sul-Sul, onde a SRI-PT tem buscado estreitar contatos com os partidos e movimentos progressistas latinoamericanos, africanos e asiáticos, enquanto a política externa do governo Lula também demonstra uma maior atenção com os governos desses mesmos países. A atuação internacional futura do PT se delineará a partir de um balanço sobre os anos que o PT assumiu a presidência da República. Assumir o governo trouxe a experiência de relações internacionais entre Estados, diferente daquela atuação que antes só se dava entre partidos e movimentos. Assim, o grande desafio do presente artigo foi enxergar e contemplar as relações internacionais de um partido, por meio de uma Secretaria de Relações Internacionais, para além da clássica relação Estado-Estado. Pode-se observar que é imprescindível somar as forças entre os diferentes atores internacionais, articulando positivamente movimentos, partidos e governos para a conquista de melhores situações no meio internacional, tendo em vista objetivos políticos comuns destes atores. Diogo Bueno de Lima é internacionalista, Assessor para Rede de Cidades da Coordenadoria de Relações Internacionais do Município de Guarulhos, Assistente do curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina, Coordenador do Laboratório de Análise Internacional (LAI- FASM) e Coordenador do GT II do Grupo de Análise e Prevenção de Conflitos Internacionais (GAPCon). Referência Bibliográficas: ABRAMO, Zilah Wendel. A continuidade da luta. In: MAUÉS, Flamarion; ABRAMO, Zilah Wendel (Orgs.). Pela democracia contra o arbítrio: a oposição democrática do golpe de 1964 à campanha das Diretas Já. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, (p ) CARVALHO, José Murilo. Cidadania no Brasil. 5ªed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, DIRETÓRIO Nacional do PT. Resoluções de Encontros e Congressos São Paulo: Fundação Perseu Abramo, ESTATUTO Mercocidades. Novembro, Disponível em: <http://www.mercocidades. org/index.php?module=htmlpages&func=disp lay&pid=27>. Acesso em: 29 mai GADOTTI, Moacir; PEREIRA, Otaviano. Pra Que PT: origem, projeto e consolidação do Partido dos Trabalhadores. São Paulo: Cortez, GASPARI, Elio. A Ditadura Escancarada. São Paulo: Companhia das Letras, KECK, Margaret. A lógica da diferença: O Partido dos Trabalhadores na construção da democracia brasileira. São Paulo: Ática, LEIA relato biográfico de Celina Lagrutta, filha de Nani Stuart Disponível em: <http://www.pt.org.br/portalpt/index.php?ptio 14

5 n=com_content&task=view&id= 10982&Itemid=238> acesso em: 20 Mar ROLLEMBERG, Denise. Memórias no exílio, memórias do exílio. In: FERREIRA, Jorge; REIS, Daniel Aarão (Orgs.). Revolução e democracia ( ). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, (p ).. Nômades, sedentários e metamorfose: trajetórias de vida no exílio. In: REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo; MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Orgs.). O golpe e a ditadura militar: quarenta anos depois ( ). Bauru, SP: Edusc, (p ). SECRETARIA de Relações Internacionais. A política internacional do PT. São Paulo, (Revista integrando as resoluções aprovadas pelo 3 Congresso do PT). SILVA, Luiz Inácio Lula. Processo incompleto. In: MAUÉS, Flamarion; ABRAMO, Zilah Wendel (Orgs.). Pela democracia contra o arbítrio: a oposição democrática do golpe de 1964 à campanha das Diretas Já. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, (p ) STUART, Ana Maria. Entrevista concedida ao Autor,

Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil

Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil Dilma Rousseff nasceu em Belo Horizonte em 1947. Presidência é seu primeiro cargo eletivo. Marília Juste Do G1, em São Paulo Dilma Rousseff

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1

MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1 MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1 INTRODUÇÃO Este projeto tem como problema de pesquisa a relação entre os ciclos de estudos

Leia mais

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II Pág. 1 Caracterização Curso: LICENCIATURA EM HISTÓRIA Ano/Semestre letivo: 01/1 Período/Série: 6 Turno: ( ) Matutino ( X ) Vespertino ( ) Noturno Carga horária semanal: 3h (4 aulas) Carga horária total:

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo II: Conselhos dos Direitos no Brasil

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

REGIMENTO DO 1º CONGRESSO DA ARTICULAÇÃO DE ESQUERDA Tendência interna do Partido dos Trabalhadores

REGIMENTO DO 1º CONGRESSO DA ARTICULAÇÃO DE ESQUERDA Tendência interna do Partido dos Trabalhadores Tendência interna do Partido dos Trabalhadores 1. O 1º Congresso Nacional da AE se realizará nos dias 8, 9 e 10 de julho de 2011, em São Paulo (SP), para debater a seguinte pauta: a) balanço do período,

Leia mais

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes,

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes, III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL William Mendes, Secretário de Formação da CONTRAFCUT-CUT 1. INTRODUÇÃO No final dos anos setenta e início

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Castanho, Sandra Maria POLÍTICA E LUTAS

Leia mais

PARECER Nº 15-A/2011. Manifesta-se sobre a declaração de interesse público e social do acervo de Paulo Freire, sob a guarda do Instituto Paulo Freire

PARECER Nº 15-A/2011. Manifesta-se sobre a declaração de interesse público e social do acervo de Paulo Freire, sob a guarda do Instituto Paulo Freire PARECER Nº 15-A/2011 Manifesta-se sobre a declaração de interesse público e social do acervo de Paulo Freire, sob a guarda do Instituto Paulo Freire 1- APRESENTAÇÃO A Portaria nº. 78, do Conselho Nacional

Leia mais

II CONFERÊNCIA BRASILEIROS NO MUNDO. Palácio Itamaraty do Rio de Janeiro. 14 a 16 de outubro de 2009

II CONFERÊNCIA BRASILEIROS NO MUNDO. Palácio Itamaraty do Rio de Janeiro. 14 a 16 de outubro de 2009 II CONFERÊNCIA BRASILEIROS NO MUNDO Palácio Itamaraty do Rio de Janeiro 14 a 16 de outubro de 2009 Resumo dos resultados da reunião da mesa temática Representação Política Moderador: Embaixador Gelson

Leia mais

Planejamento. Ensino fundamental I 5 o ano. história Unidade 1. Ético Sistema de Ensino Planejamento Ensino fundamental I

Planejamento. Ensino fundamental I 5 o ano. história Unidade 1. Ético Sistema de Ensino Planejamento Ensino fundamental I história Unidade 1 A vinda da família real portuguesa para o Brasil Os desdobramentos sociais, políticos e econômicos da independência do Brasil Os aspectos históricos do início do Império brasileiro O

Leia mais

Sind-UTE/MG participa do Ciclo de Debates sobre os 50 anos da Ditadura Militar

Sind-UTE/MG participa do Ciclo de Debates sobre os 50 anos da Ditadura Militar Sind-UTE/MG participa do Ciclo de Debates sobre os 50 anos da Ditadura Militar Enviado por Eficaz Comunicação 02-Abr-2014 PQN - O Portal da Comunicação Eficaz Comunicação O Sindicato Único dos Trabalhadores

Leia mais

Propostas para uma Política Municipal de Migrações:

Propostas para uma Política Municipal de Migrações: Ao companheiro Fernando Haddad Novo Prefeito de São Paulo, Propostas para uma Política Municipal de Migrações: Saudamos o novo prefeito de São Paulo, por sua expressiva eleição e desde já desejamos que

Leia mais

XII-015 ORÇAMENTO PARTICIPATIVO E SANEAMENTO AMBIENTAL A EXPERIÊNCIA DE SANTO ANDRÉ (SP) DE 1998 A 2003

XII-015 ORÇAMENTO PARTICIPATIVO E SANEAMENTO AMBIENTAL A EXPERIÊNCIA DE SANTO ANDRÉ (SP) DE 1998 A 2003 XII-015 ORÇAMENTO PARTICIPATIVO E SANEAMENTO AMBIENTAL A EXPERIÊNCIA DE SANTO ANDRÉ (SP) DE 1998 A 2003 Marcelo Bispo (1) Projetista Industrial Pós Graduado em Gestão Ambiental pela Faculdade de Saúde

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTOS

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTOS PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº. Confere placa comemorativa aos 100 anos da Guarda Portuária do Porto de Santos e dá outras providências. Art. 1º - Fica conferida placa comemorativa à Guarda Portuária

Leia mais

Ata de Reunião da UTE/2014 realizada durante a XIX Cúpula da Rede Mercocidades

Ata de Reunião da UTE/2014 realizada durante a XIX Cúpula da Rede Mercocidades Ata de Reunião da UTE/2014 realizada durante a XIX Cúpula da Rede Mercocidades No dia 03 de dezembro estiveram reunidas, na cidade de Rosário (Argentina), todas as Unidades temáticas e Grupos de Trabalho

Leia mais

1. Introdução. poder local e políticas públicas em Sposito (2003); Abad (2003); Dagnino (2002) e Gohn (2005).

1. Introdução. poder local e políticas públicas em Sposito (2003); Abad (2003); Dagnino (2002) e Gohn (2005). UM PANORAMA DAS INICIATIVAS VOLTADAS PARA JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA -ES CAMACHO, Luiza Mitiko Yshiguro UFES FERNANDES, Caroline Falco Reis UFES SANTOS, Pollyana dos UFES LÍRIO, Flávio

Leia mais

MENSAGEM N.º 594, DE 2015 (Do Poder Executivo)

MENSAGEM N.º 594, DE 2015 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS MENSAGEM N.º 594, DE 2015 (Do Poder Executivo) Aviso nº 682/2015 - C. Civil Texto da Decisão nº 10/12 do Conselho de Chefes de Estado e de Governo da União das Nações Sul-Americanas

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III. Memória da Reunião

XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III. Memória da Reunião XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III Memória da Reunião Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, dias 29 e 30 de outubro de 2008, a XX Reunião Especializada

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PERÍODO JANEIRO-MAIO DE 2007. ESTUDO DE CASO DE SÃO PAULO

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PERÍODO JANEIRO-MAIO DE 2007. ESTUDO DE CASO DE SÃO PAULO RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PERÍODO JANEIRO-MAIO DE 2007. ESTUDO DE CASO DE SÃO PAULO Renato Cymbalista Iara Rolnik Xavier Julho 2007 1. Avanços e retrocessos no projeto Urbal-10 da Prefeitura

Leia mais

Ditadura e democracia: entre memórias e história

Ditadura e democracia: entre memórias e história e-issn 2175-1803 Ditadura e democracia: entre memórias e história REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014. Autores:

Leia mais

CALENDÁRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS/REGIONAIS

CALENDÁRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS/REGIONAIS II Conferência Nacional de Boletim Informativo - Edição Março de 2007, Brasília-DF, ano I, nº 2 Mulheres brasileiras! As Conferências Municipais e/ou Regionais já começaram. A primeira delas foi realizada

Leia mais

Sucessão municipal ACIA ouviu o deputado José de Lima, candidato a prefeito

Sucessão municipal ACIA ouviu o deputado José de Lima, candidato a prefeito www.aciaanapolis.com.br ACIA ouviu o deputado José de Lima, candidato a prefeito De 27 de Setembro a 03 de Outubro 2012 Ano 06 - Diretoria 2011/2013 Durante mais de uma hora o representante da coligação

Leia mais

"Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA"

Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA "Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA" Neill Lochery, pesquisador britânico, no seu livro Brasil: os Frutos da Guerra mostrou os resultados da sua investigação histórica de um dos períodos mais

Leia mais

PUBLIC BROADCASTERS INTERNATIONAL CONFERENCE

PUBLIC BROADCASTERS INTERNATIONAL CONFERENCE PUBLIC BROADCASTERS INTERNATIONAL CONFERENCE Sintra, Portugal October 28th, 2010 PUBLIC SERVICES IN EMERGING COUNTRIES Brasil and Latin America EBC: sociedade anônima; Estado brasileiro como único acionista.

Leia mais

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994.

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. Promulga o Tratado Geral de Cooperação e Amizade e o Acordo Econômico Integrante do Tratado Geral de Cooperação e Amizade, entre a República Federativa do Brasil

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso em sessão solene do Congresso

Leia mais

VENDA DE MÁQUINAS DE EMBALAGEM NA ARGENTINA

VENDA DE MÁQUINAS DE EMBALAGEM NA ARGENTINA Central de Cases VENDA DE MÁQUINAS DE EMBALAGEM NA ARGENTINA www.espm.br/centraldecases Central de Cases VENDA DE MÁQUINAS DE EMBALAGEM NA ARGENTINA Preparado pelo Prof. Ricardo D Alò de Oliveira, da ESPM-RS.

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2013 (Do Deputado Rubens Bueno)

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2013 (Do Deputado Rubens Bueno) REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2013 (Do Deputado Rubens Bueno) Requer informações ao Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Sr. Fernando Damata Pimentel sobre a contratação pelo

Leia mais

Portadores de Deficiência: pauta de discussão Marta Rovery de Souza Alguns dados são significativos para expressar a magnitude da situação das pessoas com deficiência. Segundo a Organização Mundial de

Leia mais

AS POLÍTICAS PÚBLICAS E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS: O PROCESSO DE TRANSIÇÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

AS POLÍTICAS PÚBLICAS E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS: O PROCESSO DE TRANSIÇÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL 1 AS POLÍTICAS PÚBLICAS E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS: O PROCESSO DE TRANSIÇÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL Rosiris Pereira de SOUZA Bolsista FAPEG FE/UFG rosirisps@gmail.com Prof.ª Dr.ª Ivone

Leia mais

Solicitud de Coordinación Comisión de Economía Social y Solidaria PROPUESTA DE PROYECTO DE TRABAJO PERIODO 2015-2016

Solicitud de Coordinación Comisión de Economía Social y Solidaria PROPUESTA DE PROYECTO DE TRABAJO PERIODO 2015-2016 Solicitud de Coordinación Comisión de Economía Social y Solidaria ---------------------------------------------------------------------------------------------- Presentada por la Ciudad de: Osasco, Sp,

Leia mais

Associação Nacional dos Professores Universitários de História Secção São Paulo Comunicação em Seminário Temático ST 26

Associação Nacional dos Professores Universitários de História Secção São Paulo Comunicação em Seminário Temático ST 26 Associação Nacional dos Professores Universitários de História Secção São Paulo Comunicação em Seminário Temático ST 26 Operação Condor A atuação da Usina de Itaipu na conexão repressiva entre o Brasil

Leia mais

CULTURA POLÍTICA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES i. determinada sociedade nas percepções, sentimentos e avaliações de sua população.

CULTURA POLÍTICA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES i. determinada sociedade nas percepções, sentimentos e avaliações de sua população. CULTURA POLÍTICA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES i JANAÍNA C.S. VARGAS HILÁRIO O termo cultura política 1 refere-se a expressão do sistema político de uma determinada sociedade nas percepções, sentimentos

Leia mais

Período pré-colonial

Período pré-colonial CHILE Período pré-colonial O navegador português Fernão de Magalhães, a serviço do rei da Espanha, foi o primeiro europeu a visitar a região que hoje é chamada de Chile. Os mapuches, grande tribo indígena

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA Avaliação Da Prática Docente A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA PRÁTICA DOCENTE Autora: Maria Peregrina de Fátima Rotta Furlanetti Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Estadual

Leia mais

EXPEDIENTE RELIZAÇÃO: PREFEITURA DE SANTO ANDRÉ PREFEITO: JOÃO AVAMILENO VICE-PREFEITA: IVETE GARCIA

EXPEDIENTE RELIZAÇÃO: PREFEITURA DE SANTO ANDRÉ PREFEITO: JOÃO AVAMILENO VICE-PREFEITA: IVETE GARCIA EXPEDIENTE RELIZAÇÃO: PREFEITURA DE SANTO ANDRÉ PREFEITO: JOÃO AVAMILENO VICE-PREFEITA: IVETE GARCIA SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL: CLEUZA REPULHO APOIO: Instituto Castanheira de Ação

Leia mais

ATIVISMO E SALA DE AULA: O ENTRE - LUGAR

ATIVISMO E SALA DE AULA: O ENTRE - LUGAR ATIVISMO E SALA DE AULA: O ENTRE - LUGAR Margarete de Carvalho Santos 1 Bárbara Elcimar dos Reis Alves 2 Lesbibahia é uma articulação de lésbicas e mulheres bissexuais que inicia a atuação de forma especifica

Leia mais

Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil. Estratégias para o Enfrentamento ao Trabalho Infantil em 2016

Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil. Estratégias para o Enfrentamento ao Trabalho Infantil em 2016 Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil Estratégias para o Enfrentamento ao Trabalho Infantil em 2016 FNPETI Criado em 1994 é um movimento permanente de articulação, mobilização

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

Três exemplos de sistematização de experiências

Três exemplos de sistematização de experiências Três exemplos de sistematização de experiências Neste anexo, apresentamos alguns exemplos de propostas de sistematização. Estes exemplos não são reais; foram criados com propósitos puramente didáticos.

Leia mais

1 A ditadura brasileira e a vigilância sobre seu inimigo interno no Uruguai (1964-1967): os órgãos de repressão e de espionagem

1 A ditadura brasileira e a vigilância sobre seu inimigo interno no Uruguai (1964-1967): os órgãos de repressão e de espionagem 1 A ditadura brasileira e a vigilância sobre seu inimigo interno no Uruguai (1964-1967): os órgãos de repressão e de espionagem Ananda Simões Fernandes Resumo: Este trabalho pretende demonstrar o intercâmbio

Leia mais

NÃO ESTAVA ESCRITO NA ESTRELA? DISPUTAS POR ESPAÇOS POLÍTICOS E CONSTRUÇÃO DE. Lucas Porto Marchesini Torres 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA (PROBLEMÁTICA)

NÃO ESTAVA ESCRITO NA ESTRELA? DISPUTAS POR ESPAÇOS POLÍTICOS E CONSTRUÇÃO DE. Lucas Porto Marchesini Torres 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA (PROBLEMÁTICA) NÃO ESTAVA ESCRITO NA ESTRELA? DISPUTAS POR ESPAÇOS POLÍTICOS E CONSTRUÇÃO DE MEMÓRIAS A PARTIR DAS AÇÕES ARMADAS DO PCBR (BAHIA, DÉCADA DE 1980). Lucas Porto Marchesini Torres 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA (PROBLEMÁTICA)

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA CEMITÉRIO MUNICIPAL DE AREIA BRANCA Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 768, Areia Branca, Santos,SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

Política de Comunicação da ONG Em Ação¹. Josiane dos Santos Paula e OLIVEIRA² Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Paraná.

Política de Comunicação da ONG Em Ação¹. Josiane dos Santos Paula e OLIVEIRA² Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Paraná. Política de Comunicação da ONG Em Ação¹ Josiane dos Santos Paula e OLIVEIRA² Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Paraná. PR Resumo As ONGs são importantes pois atuam como referência na organização

Leia mais

Projeto Pensando o Direito

Projeto Pensando o Direito Projeto Pensando o Direito Pensando o Direito: democracia e processo legislativo 1. Democracia e elaboração normativa A democratização da elaboração normativa no Brasil tem sido limitada, de forma quase

Leia mais

O Curso de Graduação em Ciências da Religião nas Faculdades Integradas Claretianas em São Paulo

O Curso de Graduação em Ciências da Religião nas Faculdades Integradas Claretianas em São Paulo O Curso de Graduação em Ciências da Religião nas Faculdades Integradas Claretianas em São Paulo Entrevista a Moacir Nunes de Oliveira * [mnoliveira pucsp.br] Em 1999, as Faculdades Integradas Claretianas

Leia mais

O papel das organizações sociais na inclusão social das pessoas com deficiência

O papel das organizações sociais na inclusão social das pessoas com deficiência OPINIÃO O papel das organizações sociais na inclusão social das pessoas com deficiência Vivemos um novo marco histórico em que é preciso romper com a visão segmentada e assistencialista sobre a pessoa

Leia mais

Universidade Metodista de São Paulo

Universidade Metodista de São Paulo Universidade Metodista de São Paulo Ciências Sociais Pólo Brasília Mulher e Sociedade Ane Cruz Mulher e Sociedade A sociedade primitiva Estudos já comprovaram que nem sempre a organização da humanidade

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel temático Cooperação Técnica Internacional Novos tempos para a cooperação internacional: desafios e oportunidades para uma escola de governo Luís Henrique

Leia mais

Malala Yousafzai - Nascida em 12/07/1997, no Paquistão, filha de um ativista educacional. - Começou a pronunciar-se publicamente sobre o direito das mulheres à educação já em 2008. - Após um edito do Talibã

Leia mais

O TEMA DAS POLÍTICAS SOCIAIS NO DEBATE POLÍTICO ELEITORAL BRASILEIRO

O TEMA DAS POLÍTICAS SOCIAIS NO DEBATE POLÍTICO ELEITORAL BRASILEIRO O TEMA DAS POLÍTICAS SOCIAIS NO DEBATE POLÍTICO ELEITORAL BRASILEIRO Pela primeira vez desde 1984 uma das grandes figuras da política moderna no Brasil, Luis Ignácio Lula da Silva, não será candidato a

Leia mais

Secretaria Nacional da Juventude da Força Sindical BRASIL BRASIL MERCADO DE TRABALHO DESEMPREGO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O PRIMEIRO EMPREGO

Secretaria Nacional da Juventude da Força Sindical BRASIL BRASIL MERCADO DE TRABALHO DESEMPREGO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O PRIMEIRO EMPREGO Secretaria Nacional da Juventude da Força Sindical BRASIL População Jovem no Brasil 17% Não Jovens Jovens 83% 180 Milhões de Habitantes 30,8 Milhões de Jovens (17,1%) Fonte: IBGE 2004 BRASIL Distribuição

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 52 Discurso por ocasião da inauguração

Leia mais

Resenha. Mestrando em Política Científica e Tecnológica no Instituto de Geociências da UNICAMP. E-mail: renandoliveira@yahoo.com.br.

Resenha. Mestrando em Política Científica e Tecnológica no Instituto de Geociências da UNICAMP. E-mail: renandoliveira@yahoo.com.br. Resenha NOVAES, Henrique Tahan (Org.). O Retorno do Caracol à Sua Concha: alienação e desalienação em associações de trabalhadores. São Paulo: Expressão Popular, 2011. Renan Dias Oliveira O livro de Henrique

Leia mais

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES 1 CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A discussão que vem sendo proposta por variados atores sociais na contemporaneidade

Leia mais

Relatório: Os planos do governo equatoriano: incentivo ao retorno da população migrante 38

Relatório: Os planos do governo equatoriano: incentivo ao retorno da população migrante 38 Relatório: Os planos do governo equatoriano: incentivo ao retorno da população migrante 38 Karina Magalhães, Kenny Afolabi, Milena Ignácio, Tai Afolabi, Verônica Santos e Wellington Souza 39 Inter-Relações

Leia mais

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Adoção (32 V4.08) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social,

Leia mais

PERFIL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (ICJ) NAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE ENSINO DE CAMBORIÚ

PERFIL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (ICJ) NAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE ENSINO DE CAMBORIÚ PERFIL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR (ICJ) NAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE ENSINO DE CAMBORIÚ Bruna Ketryn Borinelli 1 ; Thayna Andrea dos Santos 2 ; Sirlei de Fátima Albino 3 1.Aluna da Turma TA10,

Leia mais

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 -Enquanto Buenos Aires se tornava mais poderosa, os lideres

Leia mais

Relações Brasil-África:

Relações Brasil-África: 53 Relações Brasil-África: cooperação técnica e comércio Lia Valls Pereira Em 2008, o governo brasileiro lançou a Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP). No capítulo sobre Destaques Estratégicos temas

Leia mais

DECLARAÇÃO DO BRASIL

DECLARAÇÃO DO BRASIL DECLARAÇÃO DO BRASIL Um Marco de Cooperação e Solidariedade Regional para Fortalecer a Proteção Internacional das Pessoas Refugiadas, Deslocadas e Apátridas na América Latina e no Caribe Brasília, 3 de

Leia mais

participação do movimento LGBT nas políticas governamentais

participação do movimento LGBT nas políticas governamentais Projeto Movimentos Sociais e Esfera Pública Impactos e Desafios da Participação da Sociedade Civil na Formulação e Implementação de Políticas Governamentais Limites, espaços e estratégias de Limites, espaços

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 9º ano Apostila 1: Segunda Revolução Industrial (características); Neocolonislimo; Brasil no século XX:

Leia mais

Relato de Grupo de Pesquisa: Pesquisa, Educação e Atuação Profissional em Turismo e Hospitalidade.

Relato de Grupo de Pesquisa: Pesquisa, Educação e Atuação Profissional em Turismo e Hospitalidade. Turismo em Análise, v.20, n.3, dezembro 2009 578 Relato de Grupo de Pesquisa: Pesquisa, Educação e Atuação Profissional em Turismo e Hospitalidade. Alexandre Panosso Netto 1 Karina Toledo Solha 2 Marcelo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ORGANIZAÇÕES PARTIDÁRIAS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ORGANIZAÇÕES PARTIDÁRIAS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ORGANIZAÇÕES PARTIDÁRIAS A série Organizações Partidárias traz os programas de governo e as diretrizes políticas de partidos políticos para as questões agrária e social no Brasil,

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 75 Discurso no almoço em homenagem

Leia mais

A política externa do governo Lula: entre a ideologia e o pragmatismo

A política externa do governo Lula: entre a ideologia e o pragmatismo A política externa do governo Lula: entre a ideologia e o pragmatismo Análise Desenvolvimento Daniel Peluso Rodrigues da Silva 15 de Abril de 2010 A política externa do governo Lula: entre a ideologia

Leia mais

PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS

PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS PERÍODO DE REALIZAÇÃO DOS TRABALHOS: 12 A 19 DE SETEMBRO

Leia mais

DEFENDER A VIDA É NOSSA BANDEIRA SAÚDE É UM DIREITO

DEFENDER A VIDA É NOSSA BANDEIRA SAÚDE É UM DIREITO DEFENDER A VIDA É NOSSA BANDEIRA SAÚDE É UM DIREITO JANDIRA Feghali: 30 ANOS DE LUTA PELA SAÚDE Há 30 anos, a luta dos profissionais da área e a luta pelo SUS no Brasil tem uma combatente respeitada e

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO Autora: Ludmila Carla Campello Jorge 1 Coautores: Aniele Soares Alves 2 Mônica Ferreira dos Santos 3 Letícia Costa Barros 4 Annielly da Silva

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento da Campanha Contra a Poliomielite

Leia mais

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Keila Grinberg * Este paper está inserido no projeto de pesquisa que venho desenvolvendo atualmente sobre escravidão e formação das relações

Leia mais

A REVISTA OESTE NA CONSOLIDAÇÃO DO CENÁRIO POLÍTICO GOIANO

A REVISTA OESTE NA CONSOLIDAÇÃO DO CENÁRIO POLÍTICO GOIANO A REVISTA OESTE NA CONSOLIDAÇÃO DO CENÁRIO POLÍTICO GOIANO Pedro Henrique Rosa Graduando do curso de História da UEG-Anápolis Heavy_metal11@hotmail.com Vanessa Claudio Fernandes Graduanda do curso de História

Leia mais

DICAinformativa. Quem pode considerar-se REFUGIADO?

DICAinformativa. Quem pode considerar-se REFUGIADO? DICAinformativa Quem pode considerar-se REFUGIADO? De acordo com a Convenção de Genebra (1951) e com a lei portuguesa, um refugiado é uma pessoa que é testemunhalmente ou comprovadamente perseguida em

Leia mais

Quatro grandes temas nos convocaram a este Encontro, na busca de uma nova etapa de integração latino-americana e caribenha.

Quatro grandes temas nos convocaram a este Encontro, na busca de uma nova etapa de integração latino-americana e caribenha. Declaração final do XIII Encontro De 12 a 14 de janeiro de 2007, em San Salvador, El Salvador, com a Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional (FMLN) como anfitriã, desenvolveu-se o XIII Encontro

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

O índio e a sociedade não-índia AGUIAR, Maria Suelí de TRINDADE, Israel Elias. Palavras-chave: índio, não-índio, sociedade, conscientização.

O índio e a sociedade não-índia AGUIAR, Maria Suelí de TRINDADE, Israel Elias. Palavras-chave: índio, não-índio, sociedade, conscientização. O índio e a sociedade não-índia AGUIAR, Maria Suelí de TRINDADE, Israel Elias Palavras-chave: índio, não-índio, sociedade, conscientização. O projeto O índio e a sociedade não-índia é cadastrado na PROEC

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

MESTRADO EM POLÍTICAS PÚBLICAS DA UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

MESTRADO EM POLÍTICAS PÚBLICAS DA UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES MESTRADO EM POLÍTICAS PÚBLICAS DA UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES A Pró-reitoria de campus comunica aos interessados que estarão abertas as inscrições para seleção ao MESTRADO EM POLÍTICAS PÚBLICAS, no

Leia mais

MERCOCIUDADES / UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO / ATA Nº 02/2011 REUNIÃO DA UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO DA REDE MERCOCIDADES

MERCOCIUDADES / UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO / ATA Nº 02/2011 REUNIÃO DA UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO DA REDE MERCOCIDADES MERCOCIUDADES / UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO / ATA Nº 02/2011 REUNIÃO DA UNIDADE TEMÁTICA DE TURISMO DA REDE MERCOCIDADES Celebrou-se na cidade de Porto Alegre, RS, Brasil, entre os dias 03 e 04 do mês

Leia mais

Introdução. Guia de Princípios

Introdução. Guia de Princípios Guia de Princípios para a Organização de Eventos FSM (esboço escrito e revisado por Vinod Raina, baseado em sugestões e comentários enviados até 26 de outubro de 2007) Introdução O Fórum Social Mundial

Leia mais

INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA PROCESSO SELETIVO 2015/2016

INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA PROCESSO SELETIVO 2015/2016 INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA PROCESSO SELETIVO 2015/2016 RELAÇÃO DOS CANDIDATOS INSCRITOS PARA O PROCESSO SELETIVO 2015/2016 MESTRADO EM CIÊNCIA

Leia mais

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se em Sessão Ordinária a totalidade dos Vereadores, sob

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA: CONCEITOS E CONTRASTES COM A ECONOMIA CAPITALISTA

ECONOMIA SOLIDÁRIA: CONCEITOS E CONTRASTES COM A ECONOMIA CAPITALISTA Eixo temático: Administrativas ECONOMIA SOLIDÁRIA: CONCEITOS E CONTRASTES COM A ECONOMIA CAPITALISTA Rebeca Cristine Ferreira da Silva 1 Isabella Presotto Possignolo 2 Karen Beneton 3 Lucas Arantes Garcia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PCT BRA/IICA/05/004 PAN DESERTIFICAÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA PCT BRA/IICA/05/004 PAN DESERTIFICAÇÃO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA PCT BRA/IICA/05/004 PAN DESERTIFICAÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Projeto de Cooperação Técnica PCT BRA/IICA/05/004 PAN Desertificação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU LEI Nº 6.576, DE 23 DE OUTUBRO DE 2.014 P. 35.427/13 (4.599/13-Emdurb) Cria o Conselho Municipal de Mobilidade de Bauru e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE BAURU, nos termos do art. 51 da

Leia mais

AMÉRICA LATINA Professor: Gelson Alves Pereira

AMÉRICA LATINA Professor: Gelson Alves Pereira Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio AMÉRICA LATINA Professor: Gelson Alves Pereira 1- INTRODUÇÃO Divisão do continente americano por critério físico por critérios culturais Área da América Latina:

Leia mais

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com Patrícia Cristina Aragão,

Leia mais

Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para Novas Parcerias. Resenha Desenvolvimento

Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para Novas Parcerias. Resenha Desenvolvimento Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para Novas Parcerias Resenha Desenvolvimento Rúbia Rodrigues 17 de novembro de 2009 Brasil, Índia e África do Sul: Desafios e Oportunidades para

Leia mais

Informad@s Edição Nº19

Informad@s Edição Nº19 Informad@s Edição Nº19 20 de agosto de 2010 Ano VI Caríssim@s! Estamos iniciando a terceira semana de atividades acadêmicas. Vale dizer que ela apresenta uma AGENDA intensa. Teremos possibilidade de participar

Leia mais