RELATÓRIO SEMESTRAL DE ATIVIDADES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO SEMESTRAL DE ATIVIDADES"

Transcrição

1 RELATÓRIO SEMESTRAL DE ATIVIDADES Goiânia julho/2015 1

2 SUMÁRIO 1) Apresentação. 2) Atividades Administrativas. 3) Atividades Pedagógicas. 4) Atividades em Projetos Especiais. 5) Conclusão. 1) Apresentação O presente relatório tem por objetivo destacar os trabalhos desenvolvidos pela Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás durante o primeiro semestre de sua nova gestão, 01/2015. Para a finalidade acima, apresentamos as atividades desenvolvidas por cada órgão de sua estrutura e, ao final, uma análise do trabalho desenvolvido. Estas ações, abaixo mencionadas, estão de acordo com as áreas de atuação de cada programa previsto no Regimento Interno da Escola. 2) Atividades Administrativas A Seção Administrativa da Escola do Legislativo realizou importantes trabalhos nos primeiros meses de 2015, destacando-se atividades de organização da Biblioteca, infraestrutura de informática, diagnóstico das condições da Escola do Legislativo, quando da posse da nova direção, resgate da história da criação da Escola, documentação e formalização de todos os atos da Seção, dentre outros. Detalhadamente, as ações são as que seguem. Biblioteca, projetos desenvolvidos até o momento: Reclassificação do acervo (de acordo com o padrão "Classificação Decimal de Dewey ou CDD"); 2

3 Contagem: 807 livros, 13 mídias digitais e 44 revistas; Etiquetação do acervo (de acordo com CDD e SEQUENCIAL e organização das divisões, para melhor localização); Catálogo digital da biblioteca, como forma de registro e de busca facilitada. Infraestrutura de Informática, projetos desenvolvidos até o momento: mudança do laboratório para a sede da Escola do Legislativo, antes estava nas dependências da Secretaria de Recursos Humanos; estruturação da rede sem fio, para conectar na rede da assembleia; criação de pasta institucional, para guarda e segurança dos arquivos digitais da Escola; Reestruturação da SAEL em Unidades administrativas, cada uma absorvendo parte das atribuições da SAEL e tendo um servidor responsável. Unidade I Central; Unidade II Impressão; Unidade III Laboratório de Informática; Unidade IV Biblioteca; Unidade V Recepção. Resgate da história de criação da Escola do Legislativo (levantamento da legislação e da atribuição do nome João Divino). Documentação e formalização de todos os atos da SAEL, como: registro de atas das reuniões do Conselho, controle de uso do 3

4 laboratório e do auditório da Escola e elaboração de documentos dentro dos padrões de redação oficial. cursos; Elaboração de um fluxograma de aprovação e execução dos Participação do XXV encontro da Abel; Prorrogação do contrato de locação do aluguel da sede da Escola do Legislativo; Execução dos projetos de cursos elaborados pelas Seções Pedagógica e de Projetos Especiais (inscrições, crachá, certificados, material de apoio, etc.). 3) Atividades Pedagógicas Seção Pedagógica A Seção Pedagógica colaborou ao longo do primeiro semestre na execução de atividades coordenativas entre as seções, empenhada na realização de consulta às diretorias e secretarias da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás sobre possíveis cursos de capacitação a serem realizados pela Escola do Legislativo e realizando ampla consulta de opinião entre os servidores. A Pesquisa de opinião sobre capacitação e formação dos servidores da Assembleia Legislativa, realizada pela Escola do Legislativo, com o suporte da Secretaria de Tecnologia da Informação, ocorreu entre os dias 11 e 29 de maio de 2015, resultando na participação válida de 489 servidores, sendo 28% destes efetivos e 78% comissionados. Apesar da mencionada pesquisa ter utilizado a intranet para concentrar as informações coletadas, estando disponível a qualquer hora do dia aos servidores, foi realizada coleta de dados junto aos servidores em questionários físicos em 20 de maio de 2015, contribuindo de modo significativo para a pesquisa. 4

5 A referida pesquisa constitui um processo participativo no qual os servidores da Casa manifestaram suas preferências e necessidades, resultando na elaboração de planejamento de 23 cursos, organizados em nove áreas de conhecimento, encaminhado ao Presidente e ao Diretor-Geral da Assembleia Legislativa de Goiás. Das atividades realizadas pela Escola do Legislativo, elaboradas a partir da Seção Pedagógica, totalizam dez atividades distintas, entre seminários, cursos, palestras e treinamentos, capacitando 741 servidores entre fevereiro e junho de A seguir, detalhamento das atividades do semestre da Seção Pedagógica: 5

6 Quadro sumário de atividades de capacitação Seção Pedagógica - 1º semestre de 2015 n. Atividade Parceria/Colaboração Data n. de turmas n. de inscritos 1 SEMINÁRIO DE NOÇÕES BÁSICAS PARA O BOM ASSESSORAMENTO PARLAMENTAR 2 CURSO BÁSICO SOBRE A ATIVIDADE PARLAMENTAR 3 PALESTRA: DIREÇÃO DEFENSIVA E LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO 4 OFICINA SOBRE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA 5 TREINAMENTO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ATIVIDADE PARLAMENTAR 6 SEMINÁRIO DE PROCEDIMENTOS E ORIENTAÇÕES PARA SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA 7 CAPACITAÇÃO SOBRE SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS (Etapa 1 Mesa Redonda) 8 CAPACITAÇÃO SOBRE SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS (Etapa 2 Capacitação de Chefes) 9 CURSO PILOTO DE QUALIDADE NO ATENDIMENTO AO PÚBLICO 10 CAPACITAÇÃO SOBRE SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS (Etapa 3 Capacitação de Servidores) Procuradoria, Diretoria de Tecnologia da Informação e Secretaria de Controle Interno n. de participantes Avaliação Geral (positiva) 24/fev./ % Procuradoria 09/mar./ % Secretaria Municipal de Trânsito 25/mar./ % Prefeitura de Goiânia - 26/mar./ % Secretaria de Tecnologia e Informação Corpo de Bombeiros Militar e Polícia Militar do Estado de Goiás Procuradoria, Secretaria de Tecnologia da Informação e Secretaria de Recursos Humanos Secretaria de Tecnologia da Informação e Secretaria de Recursos Humanos 13/mar./15 20/mar./15 27/mar./ % 10/abr./ % 27/mai./ % 1º e 8/jun./ % - 9 e 11/jun./ % Secretaria de Tecnologia da 15/jun./ % Informação e Secretaria de Recursos Humanos

7 4) Atividades em Projetos Especiais Seção de Projetos Especiais A seção de projetos especiais no primeiro semestre desenvolveu um trabalho de reestruturação da seção com a finalidade de adequá-la à sua real finalidade de elaboração de projetos relacionados às atividades da Escola do Legislativo. O primeiro projeto proposto e desenvolvido pela seção, denominado Escola no Legislativo, foi desenvolvido pela Escola a partir do mês de março. O mencionado projeto trata-se de ação de educação para democracia, junto à comunidade estudantil, estimulando a participação consciente dos cidadãos, abordando a história do legislativo, suas funções e competências, o que colabora para a aproximação deste Poder com a sociedade. O segundo projeto desenvolvido e executado pela seção, denominado Estagiário Cidadão, focado na formação da consciência de cidadania e um maior compromisso do estagiário com o seu trabalho na Assembleia Legislativa, foi executado em sua primeira etapa no mês de junho e, sua segunda edição, com temática diferenciada, foi planejado para ser executado no segundo semestre. Outro projeto elaborado por essa seção, denominado Treinamento Contínuo de Qualificação da Polícia Legislativa, é direcionado ao quadro de funcionários da Polícia Legislativa e tem como objetivo uma melhor preparação física e psicológica do policial legislativo em seu trabalho de guardião da segurança de funcionários e Deputados que prestam serviços na Assembleia Legislativa. A seguir, detalhamos de forma resumida as atividades desenvolvidas pela Seção de Projetos Especiais, no primeiro semestre de

8 Quadro sumário de atividades Seção de Projetos Especiais 1º semestre de 2015 n. Atividade Parceria/Colaboração Data n. de turmas n. de inscritos n. de participantes 1 ESCOLA NO LEGISLATIVO VISITA DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE SUL- AMERICANA (FASAM) À ALEGO 2 ESTAGIÁRIO CIDADÃO 21/maio/15 25/junho/15 Auditório Costa Lima Auditório Costa Lima Avaliação Geral do Evento (positiva) % %

9 5) Conclusão A Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás iniciou, em 2015, um novo ciclo de sua história, a começar pela sua transformação em diretoria anteriormente, a Escola era uma coordenação no organograma da Casa. A mudança no status da instituição foi seguida pela posse de uma nova equipe de chefes. Desde os primeiros dias, a nova equipe tratou de realizar estudo pormenorizado das condições em que se encontrava a Escola, resultando em relatório que fez diagnóstico de diversas questões envolvendo suas funções, seja da parte de estrutura física, seja da parte documental e pedagógica. Foram, assim, analisados os seguintes parâmetros: 1. Projeto Político Pedagógico (PPP); 2. Registro do PPP nos órgãos competentes; 3. Planejamento Anual de Cursos da Escola do Legislativo (PACEL); 4. Mapeamento das necessidades de cursos e treinamentos demandados pelos servidores da Casa; 5. Banco de Docentes; 6. Acordos e Convênios existentes; 7. Cursos e treinamentos já oferecidos pela Escola; 8. Membro de alguma entidade de classe; 9. Levantamento da legislação relacionada; 10. Organização dos arquivos físicos; 11. Organização dos arquivos digitais; 12. Sistemas informatizados; 13. Programas e Ações previstos em orçamento; 14. Padronização dos procedimentos fluxograma; 9

10 15. Estrutura física adequada; 16. Recursos humanos disponíveis; 17. Formalização de atos, solicitações, pedidos, atas, relatórios; 18. Análise do Regimento Interno da Escola; 19. Organização da biblioteca; 20. Patrimônio e material de suporte. A conclusão é a de que há uma estrutura física que atende parcialmente as exigências, assim como a parte de patrimônio e material atende às necessidades mínimas de funcionamento. Ainda que a Escola tivesse oferecido cursos de capacitação desde 2010, não havia registro de um planejamento anual de cursos baseado em pesquisa da demanda entre os servidores da Assembleia Legislativa. Nota-se, ainda, que a Seção de Projetos Especiais, responsável pela elaboração de projetos de integração com a sociedade e de educação para a democracia, não possuía registro de qualquer atividade. Portanto, decidiu-se pela necessidade de formação de uma comissão formal, instituída pela presidência da Assembleia Legislativa, envolvendo membros da Escola e da Procuradoria, para a adequação do Regimento Interno e para elaboração do Projeto Político Pedagógico. Dentre os trabalhos realizados neste primeiro semestre, destacam-se a enquete para sistematizar as demandas por cursos existentes no Legislativo. Com base nela, planejou-se um programa completo de cursos a ser executado nos próximos meses. A Seção de Projetos Especiais elaborou projeto de integração com a sociedade, intitulado Escola no Legislativo, e também o estendeu aos estagiários da Casa, dentro do programa intitulado Estagiário Cidadão. A direção da Escola do Legislativo foi incansável na busca por parcerias e acordos com outras instituições, destacando-se visitas ao 10

11 Congresso, para estabelecimento de parcerias com o CEFOR (Câmara Federal) e ILB/Interlegis (Senado). A Escola visitou ainda o reitor da UFG e sua equipe, bem como a Faculdade de Letras daquela Universidade, e propôs parcerias que se encontram em fase de análise pelo setor responsável. Ainda no primeiro semestre, outras visitas institucionais, buscando parcerias, foram realizadas, a exemplo da OVG, PUC-Idiomas e Escola de Governo do Estado de Goiás. Realizou-se a organização dos arquivos digitais e a catalogação dos livros da biblioteca de acordo com as regras hodiernas. Importante atividade de capacitação foi realizada com chefias e servidores, para uniformizar o conhecimento sobre a Gestão de Pessoas, mais especificamente o controle de frequência do servidor por meio eletrônico. O Diretor da Escola do Legislativo, Carlos Henrique Santillo, junto aos servidores Hernesto Lins e Luiz Roberto Cupertino, participaram do encontro da Associação Brasileira de Escolas do Legislativo e de Contas ABEL, realizado em junho na cidade de Vitória/ES, ocasião em que excelentes experiências foram trocadas e contatos realizados. A direção da Escola pôde ter acesso a um intercâmbio salutar de informações, bem como a programas e projetos realizados com sucesso em outras praças. Por fim, consideramos que avanços significativos foram feitos neste semestre, conforme destacamos nas páginas anteriores. Contudo, para que continuemos ascendendo, precisaremos rever a questão do banco de talentos, a gratificação de atividade acadêmica, a estruturação da biblioteca, a reestruturação do laboratório de informática e a construção do projeto político pedagógico, desafios que passam, necessariamente, pelo apoio da Casa e pela revisão e aprovação de um novo Regimento Interno da Escola. 11

RELATÓRIO DE TREINAMENTOS DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ATIVIDADE PARLAMENTAR

RELATÓRIO DE TREINAMENTOS DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ATIVIDADE PARLAMENTAR RELATÓRIO DE TREINAMENTOS DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ATIVIDADE PARLAMENTAR Goiânia Abril/2015 Descrição do Evento A, em parceria com a Secretaria de Tecnologia e Informação, promoveu treinamento para

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais

RELATÓRIO SINTÉTICO DAS ATIVIDADES DE AUDITORIA BIÊNIO: FEVEREIRO/2011 A JANEIRO/2013

RELATÓRIO SINTÉTICO DAS ATIVIDADES DE AUDITORIA BIÊNIO: FEVEREIRO/2011 A JANEIRO/2013 ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ Auditoria Administrativa de Controle Interno RELATÓRIO SINTÉTICO DAS ATIVIDADES DE AUDITORIA BIÊNIO: FEVEREIRO/2011 A JANEIRO/2013

Leia mais

Relatório do curso de Finanças Pessoais e Eliminação de Dívidas

Relatório do curso de Finanças Pessoais e Eliminação de Dívidas Assembleia Legislativa do Estado de Goiás Relatório do curso de Finanças Pessoais e Eliminação de Dívidas Goiânia Abril de 2016 1. Descrição geral da atividade A, da Assembleia Legislativa do Estado de

Leia mais

Hermann Braga de Lyra Neto Coordenador de Gestão Estratégica e Técnica SP 25 R$ 8.040,00

Hermann Braga de Lyra Neto Coordenador de Gestão Estratégica e Técnica SP 25 R$ 8.040,00 A transparência é um dos eixos do meu mandato. Desde o início do ano legislativo, fui o primeiro deputado a cobrar uma postura de transparência dentro da Assembleia Legislativa de Alagoas e a solicitar

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria-Geral da Presidência Instituto Serzedello Corrêa

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria-Geral da Presidência Instituto Serzedello Corrêa ISC comemora resultados recordes em 2008 Nos últimos 4 anos o ISC dobrou o número de eventos promovidos e de matrículas efetivadas, atendendo, em média, 1.389 servidores e 637 convidados por ano Apurados

Leia mais

Mapeamento de Competências da UFPA. Prof. Dr. Thiago Dias Costa

Mapeamento de Competências da UFPA. Prof. Dr. Thiago Dias Costa Mapeamento de Competências da UFPA Prof. Dr. Thiago Dias Costa Decreto 5707/06 Art. 1o Fica instituída a Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal, a ser implementada pelos órgãos e entidades da

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 23/01/2012

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 23/01/2012 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 23/01/2012 LEI Nº 890 DE 23 DE JANEIRO DE 2013 Dispõe sobre a criação da Secretaria de Estado da Cultura (SECULT); altera dispositivos

Leia mais

EDUCAR E PESQUISAR HISTÓRICO. Data Revisão Descrição Elaborado por: Aprovado por:

EDUCAR E PESQUISAR HISTÓRICO. Data Revisão Descrição Elaborado por: Aprovado por: Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz EDUCAR E PESQUISAR HISTÓRICO Data Revisão Descrição Elaborado por: Aprovado por: 00 Emissão Inicial 10/03/2012 01 Alteração do Formato Ângela Maria Ribeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ Teresina-PI, 22 de maio de 2014 O QUE É O PDI? Segundo o MEC (2007): documento em que se definem a missão da instituição

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

INFORMATIVO. Carreiras reestruturadas e concursos públicos realizados para. uma melhor prestação de serviços

INFORMATIVO. Carreiras reestruturadas e concursos públicos realizados para. uma melhor prestação de serviços INFORMATIVO GESTÃO DE PESSOAS 2013-2016 Maio - 2016 Carreiras reestruturadas e concursos públicos realizados para uma melhor prestação de serviços uma sociedade cada vez mais complexa e dinâmica exige

Leia mais

ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014 E CS 25/2015 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 38/2013, DE 1º DE OUTUBRO DE 2013

ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014 E CS 25/2015 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 38/2013, DE 1º DE OUTUBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

PROGRAMA DE EXTENSÃO PROEX

PROGRAMA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE EXTENSÃO PROEX INTRODUÇÃO A extensão universitária é, na realidade, uma forma de interação que deve existir permanentemente entre a universidade e os diversos setores da sociedade. Assim, a

Leia mais

Projeto Visibilidade UFG

Projeto Visibilidade UFG RELATÓRIO ANUAL ASCOM UFG 2014 Projeto Visibilidade UFG Criado em Janeiro de 2014, o Projeto Visibilidade UFG é uma iniciativa integrada das áreas de Relações Públicas e Jornalismo da Assessoria de Comunicação,

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO

PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO Pró-reitoria de Desenvolvimento Humano e Social - PRODHS

Leia mais

Objetivo: treinamento e capacitação dos magistrados responsáveis pelos serviços eleitorais no Estado. Juízes Data Cidade

Objetivo: treinamento e capacitação dos magistrados responsáveis pelos serviços eleitorais no Estado. Juízes Data Cidade ENCONTRO DE ESTUDOS ELEITORAIS Objetivo: treinamento e capacitação dos magistrados responsáveis pelos serviços eleitorais no Estado. Juízes Data Cidade Participantes 20 e 21 abril Juiz de Fora 40 27 e

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018)

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) 1. Introdução O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) busca nortear

Leia mais

SENADO FEDERAL INSTITUTO LEGISLATIVO BRASILEIRO SUBSECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA

SENADO FEDERAL INSTITUTO LEGISLATIVO BRASILEIRO SUBSECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA SENADO FEDERAL INSTITUTO LEGISLATIVO BRASILEIRO SUBSECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO LEGISLATIVA 1. OBJETIVO DO CURSO Esse curso tem por objetivo a formação

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº XXXX DE XX DE XXXXXX DE 201X ALTERA A LEI Nº 6720, DE 25 DE MARÇO DE 2014, QUE INSTITUI PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 71/2014-CONSUNIV/UEA Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Ciências Regimento

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 71/2014-CONSUNIV/UEA Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Ciências Regimento UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 71/2014-CONSUNIV/UEA Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Ciências Regimento Interno do Núcleo de Pesquisa Multidisciplinar em Tecnologia

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL ANO 2009 SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO (SMA) ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA (EGP)

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL ANO 2009 SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO (SMA) ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA (EGP) RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL ANO 2009 SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO (SMA) ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA (EGP) A Escola de Gestão Pública (EGP) da Secretaria Municipal

Leia mais

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 Diretrizes de Apoio a Projetos de Extensão no IF SUDESTE-MG 1 Av.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO SUPERVISÃO DE ENSINO SUGESTÃO DE ROTEIRO MENSAL DE ATIVIDADES - 2015

PLANO DE TRABALHO SUPERVISÃO DE ENSINO SUGESTÃO DE ROTEIRO MENSAL DE ATIVIDADES - 2015 PLANO DE TRABALHO SUPERVISÃO DE ENSINO SUGESTÃO DE ROTEIRO MENSAL DE ATIVIDADES - 2015 É a percepção da realidade que permite ao supervisor exercer uma função social e politicamente mais ampla, estimulando

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NAI É preciso avaliar para aprimorar CONSIDERAÇÕES INICIAIS A UNISANTA desenvolveu,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA SC Nº. 001/2011 DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS E EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES DE COMUNICAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ. Versão: 01 Aprovação: 26/09/2011 Ato de aprovação: 26/09/2011 Unidade

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PALMAS - TO.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PALMAS - TO. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PALMAS - TO. 2 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES APRESENTAÇÃO Instituídas pelas

Leia mais

2. ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS DURANTE O INTERCÂMBIO

2. ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS DURANTE O INTERCÂMBIO PROGRAMA DE INTERCÂMBIO 8ª EDIÇÃO EDITAL 02/2012 1. OBJETIVOS A Secretaria de Assuntos Legislativos - SAL, órgão do Ministério da Justiça que tem como objetivo institucional a preservação da ordem jurídica,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO MESTRADO PROFISSIONAL EM PODER LEGISLATIVO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO MESTRADO PROFISSIONAL EM PODER LEGISLATIVO CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento Programa de Pós-Graduação REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO MESTRADO PROFISSIONAL EM PODER LEGISLATIVO Art. 1º Este Regulamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO CEPAE Centro de Ensino, Pesquisa, Extensão e Atendimento em Educação Especial

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO CEPAE Centro de Ensino, Pesquisa, Extensão e Atendimento em Educação Especial UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO CEPAE Centro de Ensino, Pesquisa, Extensão e Atendimento em Educação Especial RELATÓRIO DE ATIVIDADES O CEPAE Centro de Ensino, Pesquisa, Extensão

Leia mais

Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAN-ESJUD-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerências da ESJUD Aprovado por: Escola do Poder Judiciário 1 OBJETIVO Estabelecer as diretrizes que norteiam a capacitação no

Leia mais

Fanor - Faculdade Nordeste

Fanor - Faculdade Nordeste Norma 025: Projeto de Avaliação Institucional Capítulo I Disposições Gerais A avaliação institucional preocupa-se, fundamentalmente, com o julgamento dos aspectos que envolvem a realidade interna e externa

Leia mais

Relatório da Oficina de Gestão de Compras na Administração Pública

Relatório da Oficina de Gestão de Compras na Administração Pública Assembleia Legislativa do Estado de Goiás Relatório da Oficina de Gestão de Compras na Administração Pública Goiânia Maio de 2016 1. Descrição geral da atividade A, em parceria com a Comissão Permanente

Leia mais

PLANO PLURIANUAL 2016-2018

PLANO PLURIANUAL 2016-2018 FUNÇÃO - Ser órgão de excelência, com reconhecimento social, que valoriza as profissões de enfermagem. Programa 01 - Implementar o Projeto Estratégico Setorial do Departamento de Fiscalização DEFIS. Área

Leia mais

11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas

11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas Apresentação 11ª Mostra Nacional de Trabalhos de Qualidade do Judiciário Gestão de Pessoas Identificação do órgão: Supremo Tribunal Federal Unidade: Secretaria de Recursos Humanos / Coordenadoria de Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as que compõem o currículo pleno do curso

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

Plano Anual de Educação Institucional 2015

Plano Anual de Educação Institucional 2015 Plano Anual de Educação Institucional 2015 Sumário Apresentação Projetos Estratégicos do CEAF em 2015 Metodologia de Construção do Plano Anual de Educação Ações do CEAF Planejadas para 2015 Programa Direito

Leia mais

C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste

C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste De microcrédito, o Banco do Nordeste entende. Primeiro Banco público do Brasil a ter um modelo de atuação voltado para o setor, o Banco

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS APRESENTAÇÃO DO CURSO Caracterização geral do Curso de Ciências Econômicas da Unemat: Denominação

Leia mais

CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS PRÁTICAS CURRICULARES

CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS PRÁTICAS CURRICULARES Anexo 4 Regulamento Práticas Curriculares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS PRÁTICAS CURRICULARES Art. 1º. Considerando a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 51.484, 15 DE MAIO DE 2014. (publicado no DOE nº 92, de 16 de maio de 2014) Aprova o Regimento Interno

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO 1 REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art.1º A Diretoria de Ensino de Graduação (DEG) é órgão da Pró-Reitoria Acadêmica, do Centro Universitário de Maringá.

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL - CGO

ATRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL - CGO ATRIBUIÇÕES DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL - CGO Atribuição: Coordenar a execução das ações relacionadas às áreas administrativas, organizativas e financeiras da PROEXT, bem como secretariar a

Leia mais

Projeto de Inclusão Digital da Agência de Desenvolvimento da

Projeto de Inclusão Digital da Agência de Desenvolvimento da Projeto de Inclusão Digital da Agência de Desenvolvimento da Amazônia Prof. Dr. Adagenor Lobato Ribeiro Universidade Federal do Pará (UFPA) Agência de Desenvolvimento da Amazônia (ADA) Coordenação Geral

Leia mais

Stela M. Pedreira Secretária Executiva do Conselho Estadual de Saúde de São Paulo Belfari Garcia Guiral Assistente Técnico

Stela M. Pedreira Secretária Executiva do Conselho Estadual de Saúde de São Paulo Belfari Garcia Guiral Assistente Técnico Stela M. Pedreira Secretária Executiva do Conselho Estadual de Saúde de São Paulo Belfari Garcia Guiral Assistente Técnico 1988 - Constituição Federal 1988 - Constituição Federal Sistema Único de Saúde

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e a execução da segurança de magistrados, servidores, usuários e dependências.

Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e a execução da segurança de magistrados, servidores, usuários e dependências. Código: MAP-ASMIL-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Assessoria Militar Aprovado por: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos para realizar o planejamento e

Leia mais

PROVER ASSESSORIA JURÍDICA HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Eliane Rangel. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação

PROVER ASSESSORIA JURÍDICA HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Eliane Rangel. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação PROVER ASSESSORIA JURÍDICA HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão Inicial 10/03/2012 01 16/05/2013 02 Alteração do Formato; Exclusão do item 6 Indicadores. Revisado sem alteração

Leia mais

INTERESSADA: Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA

INTERESSADA: Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA INTERESSADA: Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA EMENTA: Renova o reconhecimento do Curso Sequencial de Formação Específica em Gestão de Pequenas e Médias Empresas da Universidade Estadual Vale do

Leia mais

2. Situação de fato detectada a exigir atuação diferenciada. PROGRAMA: MINISTÉRIO PÚBLICO PARCEIRO DA EDUCAÇÃO

2. Situação de fato detectada a exigir atuação diferenciada. PROGRAMA: MINISTÉRIO PÚBLICO PARCEIRO DA EDUCAÇÃO 1. Nome do(s) membro(s) do Ministério Público idealizadores, bem como aqueles responsáveis pela implementação e pelo acompanhamento do projeto. Idealizador e executor: PROMOTOR DE JUSTIÇA ANTONIO CARLOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016

RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016 Resolução nº 03/2016 Pág. 1 de 06 RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016 Aprova Regulamento do Colegiado do Curso de Engenharia de Controle e Automação/CEng. A Presidente do Conselho do Ensino, da Pesquisa

Leia mais

Experiência: Modelo de Gestão de Capacitação da Presidência da República - Pool de Capacitação

Experiência: Modelo de Gestão de Capacitação da Presidência da República - Pool de Capacitação Experiência: Modelo de Gestão de Capacitação da Presidência da República - Pool de Capacitação Casa Civil Diretoria de Recursos Humanos Responsável: Selma Teresa de Castro Roller Quintella, Diretora de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I Seção I DISPOSIÇÕES GERAIS Da finalidade Art. 1 - As Atividade Complementares integram a grade curricular dos Cursos de Comunicação Social em conformidade

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL Faz saber que a Câmara de Vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar.

O PREFEITO MUNICIPAL Faz saber que a Câmara de Vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar. Prefeitura Municipal de Novo Horizonte do Sul Estado de Mato Grosso do sul Poder Executivo Gabinete do Prefeito LEI COMPLEMENTAR Nº 033/2008 de 30 de Dezembro de 2008. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANO-

Leia mais

OPERACIONALIZAR AÇÕES, CAMPANHAS E EVENTOS SOCIOAMBIENTAIS 1 OBJETIVO

OPERACIONALIZAR AÇÕES, CAMPANHAS E EVENTOS SOCIOAMBIENTAIS 1 OBJETIVO OPERACIONALIZAR AÇÕES, CAMPANHAS E EVENTOS SOCIOAMBIENTAIS Proposto por: Equipe da Divisão de Apoio aos Programas de Promoção da Cidadania (DIAPP) Analisado por: Diretor do Departamento de Ações Pró-Sustentabilidade

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA EM ÁREA DE INTERESSE ESPECÍFICO VILA SÃO SERAFIM

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA EM ÁREA DE INTERESSE ESPECÍFICO VILA SÃO SERAFIM PROJETO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA EM ÁREA DE INTERESSE ESPECÍFICO VILA SÃO SERAFIM Terreno com área de 128.500,00 m 2, registrado sob Matrícula 15.398 Lv. 2 do Cartório do Registro de Imóveis de Santa Maria

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 13 de abril de 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 13 de abril de 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 13 de abril de 2012 Institui a Infraestrutura Nacional de Dados Abertos INDA. O SECRETÁRIO DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

IDENTIFICAÇÃO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO QUESTIONÁRIO 1 DE COLETA DE DADOS GRAU DE MATURIDADE do serviço prestado eletronicamente Aplicação direcionada aos portais institucionais oferecidos pelas prefeituras das capitais brasileiras Nome da capital/estado:

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (Presencial)

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (Presencial) REGULAMENTO GERAL DAS PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (Presencial) O presente Regulamento, aprovado pelo Colegiado do Curso, em 18 de maio de 2012, conforme Ata expedida, tem como objetivo estabelecer

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014 1 FACULDADE SENAI CETIQT COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO O SENAI CETIQT, atento ao seu compromisso com a excelência de ensino,

Leia mais

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Regimento dos Campi da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Deliberação nº 10/2009

Leia mais

Carteira de Projetos da Seção Judiciária do RS

Carteira de Projetos da Seção Judiciária do RS Página 1 Carteira de Projetos da Seção Judiciária do RS Projeto I Padronização e Melhoria dos Procedimentos das Varas Federais, Juizados e Turmas Recursais Escopo: Implementação de método de gerenciamento

Leia mais

Unidade Organizacional Denominação Quant. Nível

Unidade Organizacional Denominação Quant. Nível Quadro Demonstrativo de Funções de Confiança da CLDF Unidade Organizacional Denominação Quant. Nível Gabinete do Presidente Gabinete do Vice-Presidente Gabinete do 1º Secretário Gabinete do 2º Secretário

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de /5/011, Seção 1, Pág.11. Portaria n 500, publicada no D.O.U. de /5/011, Seção 1, Pág.9. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA ELABORAÇÂO DO NOVO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITICIONAL DO IFSC 1

METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA ELABORAÇÂO DO NOVO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITICIONAL DO IFSC 1 1 METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA ELABORAÇÂO DO NOVO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITICIONAL DO IFSC 1 1. Introdução O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) busca apresentar um caminho a ser

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 03 Fragilidades; 04 Sugestões de Superação de Fragilidade; 03 Potencialidades. A CPA identificou

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS ESCOLA DO LEGISLATIVO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS ESCOLA DO LEGISLATIVO ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS ESCOLA DO LEGISLATIVO RELATÓRIO DO CURSO DE PROCESSO LEGISLATIVO E COMISSÕES PARLAMENTARES Goiânia Dezembro de 2015 1.Descrição geral da atividade A em parceria

Leia mais

!!!!!!!! AVANÇAR!E!INOVAR!MAIS! Anísio!Brasileiro!e!Florisbela!Campos!

!!!!!!!! AVANÇAR!E!INOVAR!MAIS! Anísio!Brasileiro!e!Florisbela!Campos! AVANÇAREINOVARMAIS AnísioBrasileiroeFlorisbelaCampos ProgramadeGestão201522019 UFPE abril2015 SUMÁRIO( SUMÁRIO( 2 DEFENDENDO(PRINCÍPIOS(E(CUMPRINDO(COMPROMISSOS( 4 POR(QUÊ(AVANÇAR(E(INOVAR(MAIS( 6 1(EXCELÊNCIA(NA(FORMAÇÃO(ACADÊMICA(

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Administração Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto Endereço de Funcionamento do Curso: Rua Yvette Gabriel Atique, 45

Leia mais

RELATÓRIO DE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA

RELATÓRIO DE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA RELATÓRIO DE DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA Goiânia agosto/2015 Descrição do Evento A Escola do Legislativo promoveu nos dias 28 de agosto e 1 de setembro do corrente ano a atividade de capacitação sobre

Leia mais

PLANO INSTITUCIONAL DE CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

PLANO INSTITUCIONAL DE CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS PLANO INSTITUCIONAL DE CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. O objetivo primordial do Plano Institucional de Capacitação de Recursos Humanos

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comitê Gestor do Portal da Câmara dos Deputados COMITÊ GESTOR DO PORTAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS RELATÓRIO 2009

CÂMARA DOS DEPUTADOS Comitê Gestor do Portal da Câmara dos Deputados COMITÊ GESTOR DO PORTAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS RELATÓRIO 2009 CÂMARA DOS DEPUTADOS Comitê Gestor do Portal da Câmara dos Deputados COMITÊ GESTOR DO PORTAL DA CÂMARA DOS DEPUTADOS RELATÓRIO 2009 Dezembro/2009 Introdução O Portal da Câmara cada vez mais se consolida

Leia mais

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos APRESENTAÇÃO As Atividades Complementares (AC) são práticas curriculares de caráter independente, interdisciplinar e transversal que visam

Leia mais

Atividades desenvolvidas pelo Fórum Permanente do Orçamento Participativo:

Atividades desenvolvidas pelo Fórum Permanente do Orçamento Participativo: Atividades desenvolvidas pelo Fórum Permanente do Orçamento Participativo: No dia 10 de dezembro de 2004, na sede do Conselho de Entidades Comunitárias CEC foi lançada a proposta do Fórum Permanente do

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2016/1

PROCESSO SELETIVO 2016/1 Prezado(a) Vestibulando(a). Bem-vindo ao Vestibular 2016-1 da FACULDADE RAÍZES! Nosso desejo é que você se torne um profissional capaz de competir no mercado de trabalho e de conquistar o seu espaço exercendo

Leia mais

NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO

NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS ANEXO À DELIBERAÇÃO Nº 125, DE 06 DE JULHO DE 2006. NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO

Leia mais

FATEC PRESIDENTE PRUDENTE PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 72/2012 DE 26 OUTUBRO DE 2012.

FATEC PRESIDENTE PRUDENTE PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 72/2012 DE 26 OUTUBRO DE 2012. FATEC PRESIDENTE PRUDENTE PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 72/2012 DE 26 OUTUBRO DE 2012. Estabelece o Manual de Atividades Acadêmico-Científico- Culturais da Faculdade de Tecnologia de Presidente

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS GOVERNADOR VALADARES (ANEXO À RESOLUÇÃO

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL

PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL LUIZ FENELON PIMENTEL BARBOSA PARTICIPAÇÃO DE SETORES POPULARES E DA SOCIEDADE CIVIL NO PROCESSO LEGISLATIVO ORÇAMENTÁRIO FEDERAL Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 006 CONSUPER/2014

RESOLUÇÃO Nº 006 CONSUPER/2014 RESOLUÇÃO Nº 006 CONSUPER/2014 Dispõe sobre o Regulamento das Atividades do Núcleo de Gestão Ambiental do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DO NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO

REGULAMENTO DO NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO DO NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO A Direção Geral da Faculdade ESUP, torna público o presente Regulamento do NUPE Núcleo de Pesquisa e Extensão que tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO PERFIL DE CARGO S 1- DADOS DA VAGA Cargo: Analista Função: Analista de Cooperativismo e Monitoramento Unidade Estadual: Sescoop- Maranhão Carga Horária: 40h/ semanais Salário: R$ 1.663,00 (hum mil seiscentos

Leia mais

COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO FISICA - LICENCIATURA ATIVIDADES ACADÊMICO CIENTÍFICO CULTURAIS (ATIVIDADES COMPLEMENTARES)

COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO FISICA - LICENCIATURA ATIVIDADES ACADÊMICO CIENTÍFICO CULTURAIS (ATIVIDADES COMPLEMENTARES) ATIVIDADES ACADÊMICO CIENTÍFICO CULTURAIS (ATIVIDADES COMPLEMENTARES) As Atividades Acadêmico Científico Culturais (denominadas Atividades Complementares) têm como objetivo estimular no acadêmico na obtenção

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTOS

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTOS PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº. Confere placa comemorativa aos 100 anos da Guarda Portuária do Porto de Santos e dá outras providências. Art. 1º - Fica conferida placa comemorativa à Guarda Portuária

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO ORIENTAÇÕES PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO CURSOS DE EXTENSÃO: Caracterizados como um conjunto articulado de ações pedagógicas, de caráter teórico e/ou prático, presencial ou à distância,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2013 Regulamenta os critérios de concessão, no âmbito da UFBA, da gratificação por encargos de cursos e concursos e dá outras providencias.

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNIPAMPA CAMPUS DOM PEDRITO

RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNIPAMPA CAMPUS DOM PEDRITO RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNIPAMPA CAMPUS DOM PEDRITO Moreira; Guilherme 1 ; Mainardi; Caroline 23 Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) ¹Acadêmico(a) do Curso de Zootecnia da UNIPAMPA Campus Dom Pedrito-RS

Leia mais

Avaliação Geral Institucional

Avaliação Geral Institucional Avaliação Geral Institucional COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Cursos Superiores de Graduação: - ADM - CCO Tecnólogo em - HOT Ano: 29-1 Capivari de Baixo, Julho de 29 SUMÁRIO Introdução...3 Avaliação

Leia mais

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003.

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA DA CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO CGE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais